P. 1
Atlas de Micologia TOP

Atlas de Micologia TOP

|Views: 1.883|Likes:
Publicado porAndreia Pontes

More info:

Published by: Andreia Pontes on Oct 11, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/22/2013

pdf

text

original

Biomedicina Setembro 2011

Sumário
Introdução Piedrai hortae (Piedra negra) Malassezia furfur Hortaea werneckii (Tinea nigra) Trichosporon beigelii (Piedra branca) Epidermophyton foloccosum Microsporum canis Microsporum gypseum Trichophyton 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Referências bibliográficas 18

Micologia clinica

Trichophyton verrucosum Trichophyton rubrum Trichophyton tonsurans Trycophyton schoenleinii Cândida sp. Candida albicans

ANDRÉIA MULLET PORTO PONTES

Imagens

1

as infecções fúngica vêm se tornando mais frequentes. o número de pacientes suscetíveis aos mais variados tipos de infecções tem aumentado significantemente. detecção de anticorpos específicos e detecção de antígenos e metabólitos liberados pelo fungo nos líquidos corpóreos ou tecidos. Com o aparecimento da antibioticoterapia. possivelmente pela falta de diagnóstico adequado. Ultimamente. utilização de métodos imunossupressores. O diagnóstico de uma infecção fúngica tem por base a combinação de dados clínicos e laboratoriais. Atlas de micologia I As micoses estão divididas neste atlas em: Superficiais: · Pitiríase versicolor · Piedra branca · Piedra negra Cutâneas: · Dermatofitoses Oportunistas :  Micologia clinica Candida sp Cândida albicans  ANDRÉIA MULLET PORTO PONTES Imagens 2 . O processo laboratorial inclui: demonstração do fungo no material examinado por microscopia e cultura.Biomedicina Setembro 2011 Atlas de micologia I Introdução Durante muitos anos a Micologia teve pouca expressão na área médica. Com esse crescimento. surgimento da AIDS e melhora nos métodos diagnósticos observamos aumento no número de casos de infecções fúngicas.

Tratamento Raspar o cabelo. Micologia clinica Microscópico Fator Predisponente Pessoas que moram nas zonas endêmicas e que usam loções oleo- ATLAS DE MICOLOGIA Micélio aéreo curto. Parede espessa. Reverso negro Hifas muito septadas. Epidemiologia Benigna. afeta ambos os sexos. Emaranhado de hifas e ascósporos. Clamidoconídios. Coloração marrom-escura à negra. Exame direto Nódulos negros (castanho a negro avermelhado) e firmemente presos aos pêlos do couro cabeludo.Biomedicina Setembro 2011 Piedrai hortae (Piedra negra) Aspecto Clínico sas no cabelo. ácido acetilsalicílico. Exame Cultural e Macroscópico Colônia cônica. Imagens 3 . recidivante. Tratamento com loções especiais. pequena. Regiões tropicais e subtropicais de temperatura e umidade alta. formaldeído.

Biomedicina Setembro 2011 Malassezia furfur Aspecto Clínico sentam fator desencadeante dessa infecção. a clorexedina e o sulfeto de selênio. Microscópico Células de variados tamanhos e formas. corado com tinta azul lavável ou pelo gram. Fator Predisponente Altas temperaturas e alta umidade relativa do ar. assintomática Micologia clinica Epidemiologia Faz parte da flora da pele: quando levedura = saprofitismo quando micélio = parasitismo A Pitiríase versicolor não é contagiosa e que hábitos de higiene precários não repre- ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 4 . Pitiríase versicolor: Infecção fúngica superficial. ovais cilíndricas e esféricas. principalmente o cetoconazol.hifas curtas e grossas o material . pele gordurosa elevada sudorese. lesões hipo ou hiperpigmentadas levemente descamativas. “micose de praia” Exame Direto Escamas das lesões. braços tronco e região da cintura. o itraconazol. fatores hereditários. Tratamento Com derivados azóicos. mostra células leveduriformes agrupadas. benigna frequentemente recidivante. Exame Cultural e Macroscópico As colônias desta espécie apresentam textura cremosa de aspecto branco-fosco. semelhantes A cachos de uva e pseudo. uso de terapias imunossupressoras.pode ser clarificado com KHO.

Pode ser encontrado no solo. Epidemiologia Fator Predisponente Pessoas que moram em zonas tropicais. havendo desaparecimento das lesões em 30 dias. caracterizando o aparecimento de máculas castanhoenegrecidas. após clarificação com KOH 10%. septadas e ramificadas. Microscópico Presença de blastoconideos bicelulares pigmentados na fase leveduriforme E grande quantidade de hifas demáceas septadas na fase filamentosa Tratamento Tratamento com derivados imidazólicos tópicos. Micologia clinica Doença de distribuição geográfica com predileção por climas tropicais de caráter assintomático. Exame Direto Escamas das lesões. fragmentos de hifas e células leveduriformes alongadas. de limites bem definidos e assintomáticos.Biomedicina Setembro 2011 Hortaea werneckii (Tinea nigra) Aspecto Clínico Infecção crônica da camada córnea da epiderme. úmidas e pálidas. e na vegetação. mostrou hifas demáceas. Com o envelhecimento da colônia se percebe uma fase filamentosa de coloração variando entre oliva e negra. principalmente na areia da praia. acomete mais frequentemente indivíduos jovens do sexo feminino e sua localização mais comum é a palmar. Exame Cultural Macroscópico Cultura em ágar Sabourand mostrou na macromorfologia colônias escuras . ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 5 .

piritionato de zinco entre outros. ciclopirox olamina. ambos os sexos e pode comprometer qualquer faixa etária. formado por hifas e artrosporos. ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 6 . Nódulo amarelado ao redor do fio de cabelo. pubianos. Nódulos fracamente aderidos aos cabelos ou pêlos de cor branca -amarelado. perianal. Exame Direto Epidemiologia Doença de distribuição geográfica com predileção por climas tropicais e temperados. aparência de cera. Tratamento Cortar o pêlo área afetada e devido a recorrência frequente são indicados antifúngicos tópicos. barba e bigode. Micologia clinica Exame Cultural e Macroscópico Crescimento de colônia branco amarelada.Biomedicina Setembro 2011 Trichosporon beigelii (Piedra branca) Aspecto Clínico Fator Predisponente Pessoas que moram nas zonas tropicais e temperados . Microscópico Presença de pseudohifas. que acomete indistintamente cabelos e pêlos das regiões axilares. como imidazólicos. pregueada. benigno e de baixo contágio. hifas septadas hialinas que se transformam em artroconídeos ovais ou retangulares. de caráter assintomático. leveduriforme.

Terbinafina. formato de clave e arredondados. Fator Predisponente Exame Cultural e Macroscópico Colônias algodonosas. Bordas de cor amarelo -esverdeada. Deve ser sistêmico e pode durar até um ano e meio. macroconídios multisseptados em forma de clava (microconídios ausentes).Biomedicina Setembro 2011 Epidermophyton foloccosum Aspecto Clínico Manchas inflamatórias na pele que varia de mancha escamosa a eczema tópico. composição lipídica da pele. atrito de áreas. Exame Direto Hifas septadas hialinas. abrasão. Pigmento difusível no meio. Manuum (mãos). áreas de dobra do corpo. Tratamento oral. Microscópico macroconídios de paredes finas. Tineas: Corporis (corpo). Tratamento Difícil tratamento. com 2 a 5 septos agrupados em cachos ou isolados. Recebem o nome da localização topográfica conjugado à palavra tinea ou tinha. Reverso tende acompanhar a ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 7 . Pedis (pé) e Onicomicose. Cruris (virilha). Fatores cutâneos. umidade. Micologia clinica Epidemiologia Doença de distribuição geográfica com predileção Umidade e temperatura do clima tropical (habitat ideal para sua disseminação). Itraconazol . uso constante de sapato fechado. cor do verso.

Microconídios em quantidades variadas e sem valor de diagnóstico. Para o ambiente hipoclorito de sódio e glutaraldeido. são grandes fontes de infecção para outros animais e para o homem. Microscópico Grande quantidade de macroconídios fusiformes verrucosos. Cetoconazol. parede grossa e com numerosas septações (6 15). sistêmica e controle ambiental. originados de fragmentos dse hifas são a forma infectante. Fator Predisponente Gatos podem ser portadores e assintomáticos. a presença de ectoparasitas nos animais facilitam a instalação das dermatofitoses. Os esporos Textura algodonosa de tonalidade branca.Biomedicina Setembro 2011 Microsporum canis Aspecto Clínico Clinicamente é responsável por lesões do couro cabeludo (grandes placas de alopecia) principalmente em crianças. macroconídios Exame Cultural e Macroscópico Tratamento Terapia tópica. resistentes e podem persistir no ambiente por anos . Reverso de cor amarelo limão. Micologia clinica ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 8 . Epidemiologia Zoofílico. Griseofulvina . transmitido ao homem por diversos animais domésticos (felinos jovens principalmente). Exame Direto Hifas septadas hialinas. Itraconazol .

Cetoconazol. Tratamento Terapia tópica. sistê- Micologia clinica Epidemiologia Geofílica Infecta o homem através do contato com solo contaminado. Tinea capitis (tinha do couro cabeludo): ectotrix parasitismo fora do pelo. Clinicamente é responsável por lesões do couro cabeludo (grandes placas de alopecia) principalmente em crianças. Itraconazol . Griseofulvina . ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 9 . Microscópico Macroconídios simétricos 3 – 7 septos Paredes finas Extremidade arredondada Superfície levemente rugosa.Biomedicina Setembro 2011 Microsporum gypseum Aspecto Clínico Exame Cultural e Macroscópico mica. Macroscopicamente apresenta textura pulverulenta com pigmentação amareloacastanhada Reverso com cores que vão do alaranjado ao marrom avermelhado.

Biomedicina Setembro 2011 Trichophyton T. animais com sistema imunológico comprometido. Fatores predisponentes Má –nutrição. mentagrophytes var. interdigitale duos infectados. Os macroconídeos. Aspecto Clínico Clinicamente é responsável por lesões do couro cabeludo (grandes placas de alopecia) Tinea capitis (tinha do couro cabeludo) Tinea pedis (péde-atleta). Epidemiologia zoofílica Infecta o homem através do contato com animais portadores e entre indiví- Micologia clinica Tratamento Terapia tópica. Griseofulvina . com um a seis septos transversais. tais com hifas em espiral. sistêmica. Com freqüência observamse estruturas de ornamentação. Exame Cultural e Macroscópico Em agar Sabourad apresenta textura pulverulenta de coloração que pode variar do branco-amarelado ao castanhoavermelhado –reverso avermelhado Microscópico Apresentam grande quantidade de microconídeos arredondados e agrupados. Cetoconazol. Itraconazol . mostram um aspecto semelhante a um charuto. ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 10 . o que lhes confere o aspecto emcacho. quando presentes. causa lesões vesiculosas nos espaços interdigitais ou escamações na região plantar. higiene deficiente e aglomeração de animais num mesmo alojamento.

Griseofulvina . Macroscopicamente. de material proveniente de Agar Sabouraud não apresenta microconídeos nem macroconídeos. sistêmica. Tratamento Terapia tópica. Micologia clinica Epidemiologia zoofílica que parasita principalmente bovinos. Cetoconazol.Biomedicina Setembro 2011 Trichophyton verrucosum Aspecto Clínico Exame Cultural e Macroscópico Microscopia A microscopia óptica. pigmentação do verso que varia do branco ao amarelo ocre. pele glaba. Itraconazol . Crescimento lento que varia de 13-25 dias. O reverso apresentase em de amarelo com pigmento não difusível pelo meio. a colônia caracteriza-se por uma textura veludosa. Trata-se de um fungo cosmopolita clinicamente pode causar lesões bastante inflamatórias do couro cabeludo. podendo esporadicamente causar lesões em humanos. barba e bigode. ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 11 . O que chama a atenção e a quantidade de cadeias formadas por clamidoconideos grandes.

Itraconazol . quase com um aspecto cilíndrico e com duas a nove septações Tratamento Terapia tópica. regulares e piriformess. Sua transmissão é exclusivamente inter-humana ou por fômites contaminados. Crescimento em 12-16 dias em agar Sabouraud.Biomedicina Setembro 2011 Trichophyton rubrum Aspecto Clínico Exame Cultural e Macroscópico Clinicamente pode causar lesões bastante inflamatórias do couro cabeludo. Microscopia Apresenta grande quantidade de microconídeos. sistêmica. apresentam tonalidade branca que. quando presentes. com o passar do tempo. pode tornar-se avermelhada e reverso avermelhado. barba e bigode. podem apresentar-se como clavas alongadas. Epidemiologia Micologia clinica Espécie antropofílica cosmopolita. ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 12 . Cetoconazol. Os macroconideos. Colônias com textura algodonosa. pele glaba.

sistêmica. Clamidoconídios (colônias velhas) Tratamento Terapia tópica. Cetoconazol. ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 13 . Itraconazol .Biomedicina Setembro 2011 Trichophyton tonsurans Aspecto Clínico Exame Cultural e Macroscópico Apresentam crescimento intermediário. Tinea capitis (tinha do couro cabeludo): endotrix: parasitismo no interior dos pelos. Epidemiologia Parasita antropofílico. Microscopia Apresenta numerosos microconídeos dispostos em acládio e de formas variadas. Micologia clinica A transmissão se faz de pessoa a pessoa por meio de objetos de uso pessoal como pentes. com maturação 12-16 dias após semeadura primária. Verso com coloração branco e reverso apresenta tons variados de castanho avermelhado. colônias bastante variáveis que pode variar do algodonoso ao veludoso. escovas de cabelo e travesseiros.

fluconazol e itraconazol. Colônias com textura ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 14 . O reverso segue o mesmo tom do verso não se observa pigmento difusível no meio. cetoconazol. vêem-se numerosas hifas septadas e em bifurcação. veludosa e pigmentação que varia do bege ao castanho escuro. griseofulvina. Tratamento Oral. Epidemiologia Fungo antropolfilico. associado ou não a tópicos e cuidados de higiene. seu contagio ocorre através de fômites e inter-humano. Micologia clinica Exame cultural e macroscópico Crescimento lento que varia de 14 a 30 dias. associadas a hifas em forma de candelabro e a hifas em forma de cabeça de prego. entretanto.Biomedicina Setembro 2011 Trycophyton schoenleinii Aspecto clinico Tinea favos apresenta lesões crostosas e atróficas do couro cabeludo pode acometer a pele glabra e as unhas. Microscopia geralmente não são observados macroconídeos nem microconídeos.

vaginites e infecções gastrointestinais. Os blastosporos são ovóides e usualmente de 3 a 4mm de diâmetro. Monilíase. doença esofagiana crônica. tais como PAS (periodic acidSchiff) e GMS (Gomori menthenamine silver). krusei. Blastosporos e pseudohifas são ambos vistos em secções teciduais. hifas verdadeiras são usualmente visualizadas nos espécimes clínicos montados em KOH a 10%. mucocutânea e sistêmica.Biomedicina Setembro 2011 Cândida sp. Isolamento: incubar o material clínico em SDA com cloranfenicol. Tubos germinativos e clamidosporos são observados em C. A formação de abscessos é bastante comum. clamidósporos. A doença apresenta certa dificuldade de diagnóstico devido ao fato dos membros do gênero Cândida serem também comumente recuperados de indivíduos saudáveis. DEFINIÇÃO: cadidíase é uma infecção micótica primária ou secundária causada por diversos fungos do gênero Candida. solo e vegetais Micologia clinica ATLAS DE MICOLOGIA 15 . PATOLOGIA: a reação tecidual é inicialmente uma inflamação supurativa aguda seguidapor uma reação inflamatória granulomatosa. sob certas condições. PROGNÓSTICO E TRATAMENTO: o prognóstico depende quase que inteiramente do tipo e da severidade dos fatores predisponentes e da subsequente forma clínica da candidíase. de forma ovóide. animais. Algumas espécies de Cândida podem produzir. A anfotericina B pode ser usadatopicamente e é a droga de escolha no tratamento da candidíase disseminada ou sistêmica e candidíase mucocutânea crônica. periníquea. Incubar a 30o C. parapsilosis e C. crônicas ou episódicas. pseudohifas. As manifestações clínicas podem ser agudas. A nistatina é efetiva no controle do “thrush”. C. albicans. Meios com cicloheximida devem ser usados com cautela. HABITAT NATURAL: homem. Essas formas são melhor visualizadas por colorações especiais. tropicalis) são sensíveis à cicloheximida. subagudas. O crescimento está presente em 1 a 5 dias. da doença cutânea. Muitas espécies de candida (C. LABORATÓRIO: Exame Direto: células de levedura gemulantes. FORMAS CLÍNICAS: alérgica. hifas verdadeiras. SINONÍMIA: Candidose. pseudohifas. cutânea. Identificação: baseada na produção de tubo germinativo. hifas verdadeiras.

Em homens. Isto é chamado "tordo. ou a ingestão de pílulas contraceptivas.Biomedicina Setembro 2011 Cândida albicans Definição A candidíase também conhecida por monolíase. Se a boca está infetada. gravidez. sapinhos ou outros nomes é uma infecção fúngica causada pelo fungo Cândida albicans Candidíase é a proliferação descontrolada do fungo que por variadas causas ganha espaço para reproduzir chegando a áreas como a boca ou a vagina podendo atingir qualquer área do organismo. na boca. candidas." O fungo pode causar feridas crescentes amarelo-cremosas. o fungo pode causar inchaço e vermelhidão no pênis e prepúcio. a mucosa bucal fica frequentemente vermelha e dolorida. podem também favorecer o crescimento fúngico. tais como menopausa. Às vezes o fungo causa manchas brancas e placas na mucosa da língua e bochecha. Na pele (inclusive pele com erupção cutânea de fralda). Micologia clinica ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 16 . a candidíase produz uma erupção cutânea vermelha e sarnenta. Aspecto clinico Na vagina candidíase causa uma secreção que é espessa e branca e pode ser acompanhada de coceira e vermelhidão da parte exterior da vagina (a vulva) ou irritação à micção. Fatores predisponentes Desordens e mudanças de causas hormonais. Epidemiologia A Cândida albicans faz parte da flora intestinal e geralmente não é disseminada por relação sexual.

Auxanograma. cetoconazol. fluocitosina. Exame cultural e macroscopio dio. isoconazol. flucitosina. API20C. terconazol.. Tratamento Os medicamentos farmacológicos mais usados no tratamento e cura da Candidíase são o clortrimazol. Micologia clinica – Colônias cremosas com aparência úmida PROVAS AIS DIFERENCI- • Obtenção de colônias puras (Técnica de esgotamento) Tubo germinativo. Zimograma. CHROMagar. Prova do clamidoconí- ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 17 . fluconazol.Biomedicina Setembro 2011 Cândida albicans Exame direto Secreção vaginal. unha – KOH 20-40% (respectivamente) verificar a presença de Blastoconídios. itraconazol. anfotericina B. Raspado de pele. tioconazol. pseudohifas e hifas.água destilada ou SF. nistatina. miconazol.

G. M. São Paulo. KONEMAM.EDUSP. SAUNDERS.. Buenos ATLAS DE MICOLOGIA Imagens 18 .W. UFRJ Micologia clinica FISHER. São Paulo. W.. E. 1977. & COOK. R.Biomedicina Setembro 2011 Referencias bibliograficas BELDA JUNIOR.5a ED. PROF.P. 1980. C. F. LACAZ..MURILLO NEUFELD.2003. C. 1ª ED.N.M. & WINN Jr.V.D.N.Micologia. PHILADELPHIA. Scielo artigos científicos. KONEMAN. Micoses cutaneas.) Infecções por agentes oportunistas. DA S.-Tinha favosa.) Candidiases. Panamericana.IC.paulo.S. E.SALEBIAN. Faculdade de Biomedicina. Practica de laboratorio.1990.PHILADELPHIA. C. Micologia clinica. B. FUNDAMENTALS OF DIAGNOSTIC MYCOLOGY. COLOR ATLAS AND TEXT BOOK OF DIAGNOSTIC MICROBIOLOGY.. Micologia Clinica. MELLO. Google. Faculdade Farmácia (LMC). ULBRA. (ed. DA S. JANDA.Inst. PROF. 1998.NORONHA. (ed.&SO TTO.2011.W.32(1):5862. SCHRECKENBERGER.W. D. . PubMed National Library of Medicine.Canoas.Rev.Med. ALLEN. EPU/EDUSP. Relato de ocorrência familiar em Itapecerica da Serra (Município da Grande São Paulo). LACAZ.. S.. 1992.AOKI.trooo p. ROBERTS. Sites : LILACS base de dados. LIPPINCOTT.TAKAHASHI..A.CUC É. 3 ed. 1997. W. Disc. Aires.MD F.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->