AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

3
VDA - VERBAND DER AUTOMOBILINDUSTRIE

ASSOCIAÇÃO DOS CONSTRUTORES DE AUTOMÓVEIS
Equivalente ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores
Estratégia da Qualidade

1

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
VDA: VERBAND DER AUTOMOBILINDUSTRIE
Recomendação conjunta e um meio auxiliar para fabricantes de

automóveis e seus respectivos fornecedores internos e externos para que os passos no desenvolvimento do produto, processo bem como produção em série possam ser estabelecidos de tal forma que atendam os objetivos dos fabricantes e às expectativas do cliente (Gerenciamento de Qualidade na Indústria Automobilística).
PARTE B : PRODUÇÃO 1 – Pessoal / Qualificação 2 – Meios de Produção / Instalações

3 – Armazenamento / estoque / Embalagem
4 – Análise de Falhas / Correções / Melhoria Contínua
Estratégia da Qualidade

2

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
AUDITORIAS DE PROCESSO NO GRUPO VW
CONFORME VDA 6 - PARTE 3

VDA - Padrão da Qualidade da Indústria Automobilística Alemã

VDA 6
Fundamentos para Auditorias de Qualidade Auditoria e Certificação

VDA 6 Parte 1

Audit. de sistema GQ (produtos materiais)

VDA 6 Parte 2

Audit. de sistema GQ (serviços)

VDA 6 Parte 3

Auditoria de Processos

VDA 6 Parte 5

Auditoria de Produto

VDA 6 Parte 6

Auditoria de Serviços

Estratégia da Qualidade

3

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 VDA 6.3 É UMA NORMA DIRECIONADA PARA O PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SUA APLICAÇÃO PERMITE QUE O PROCESSO TENHA SEUS NÍVEIS DE QUALIDADE APERFEIÇOADOS Estratégia da Qualidade 4 .

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3  AUDITORIA DA QUALIDADE : • Uma verificação sistemática e independente para constatar se as tarefas referentes à qualidade e seus resultados correspondem ao planejado e se esses objetivos foram alcançados eficientemente e são adequados para alcançar os objetivos da Empresa. Estratégia da Qualidade 5 .

Estratégia da Qualidade 6 . 4 .PLANEJAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO. 2 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.REALIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO. 3 .PLANEJAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO.3 PARTE A : PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO 1 .REALIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO.

6 . Estratégia da Qualidade 7 . 7 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 PARTE B : PRODUÇÃO EM SÉRIE 5 .PRODUÇÃO.ASSISTÊNCIA AO CLIENTE / SATISFAÇÃO DO CLIENTE.FORNECEDORES / MATÉRIA-PRIMA (AQUISIÇÃO).

existência de desvios sem importância Exigências parcialmente cumpridas.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. desvios graves Exigências não cumpridas Estratégia da Qualidade 8 .3  AVALIAÇÃO ISOLADA DAS QUESTÕES E DOS ELEMENTOS DO PROCESSO PONTOS 10 8 6 4 0 AVALIAÇÃO Exigências totalmente cumpridas Exigências parcialmente cumpridas. desvios maiores Exigências insuficientemente cumpridas.

81% PROCESSO NÃO APTO “B” 82 .3  CLASSIFICAÇÃO “C” 0 .91% PROCESSO APTO COM RESTRIÇÕES Estratégia da Qualidade 9 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

Estratégia da Qualidade 10 .NENHUMA QUESTÃO FOR AVALIADA COMO ( 0 ) ZERO PONTOS. OU SEJA “ 82%” “A” PROCESSO APTO .100% .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.92 .NENHUMA LINHA DE PRODUÇÃO OU SUB-ELEMENTO FOR CLASSIFICADA COMO NÃO QUALIFICADA.3  CLASSIFICAÇÃO .

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 INTERFACES DOS ELEMENTOS ELEMENTO 6 ELEMENTO 7 ELEMENTO 5 Estratégia da Qualidade 11 .

SUBFORNECEDOR / PRODUTOS DE BASE 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 1.ESTÃO SENDO UTILIZADOS SOMENTE SUBFORNECEDORES LIBERADOS E COM CAPACIDADE DE QUALIDADE?     REUNIÕES COM FORNECEDORES/ASSISTÊNCIA REGULAR AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE QUALIDADE: RESULTADOS DE AUDITORIA DE PROCESSO/PRODUTO.1.1. CERTIFICADOS SELEÇÃO CONFORME RANKING DE DESEMPENHO DE QUALIDADE LIBERAÇÃO ESPECIAL DE SUBFORNECEDOR D/TLD Estratégia da Qualidade 12 .

1.ESTÁ GARANTIDA A QUALIDADE COMBINADA NAS PEÇAS COMPRADAS?   RECURSOS DE ENSAIOS SUFICIENTES (LABORATÓRIO E EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO) ENSAIOS INTERNOS/EXTERNOS       CALIBRES/REGISTROS DISPONIBILIZADOS DESENHOS/PRESCRIÇÕES DE ENCOMENDA/ ESPECIFICAÇÕES ACORDOS DE QS DEFINIÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE ENSAIO.2. FREQUÊNCIA DE ENSAIOS AVALIAÇÃO DE PONTOS PRINCIPAIS DE DEFEITOS COMPROVAÇÃO DE CAPACIDADE (PRINCIPALMENTE PARA CARACTERÍSTICAS CRÍTICAS DO PRODUTO E PROCESSO) Estratégia da Qualidade 13 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6. SEQUÊNCIA DE ENSAIOS.

3 6. ESTÃO SENDO INTRODUZIDAS MEDIDAS CORRETIVAS?      PROTOCOLOS DE REUNIÕES DE QUALIDADE ACORDO E ACOMPANHAMENTO DE PROGRAMAS DE MELHORIAS PROTOCOLO DE TESTE E MEDIÇÃO DE PEÇAS APRIMORADAS AVALIAÇÃO DE PONTOS PRINCIPAIS DE DEFEITOS/SUBFORNECEDORES PROBLEMÁTICOS AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA QUALIDADE (QUALIDADE/CUSTOS/ASSISTÊNCIA TÉCNICA) Estratégia da Qualidade 14 .1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 – A EFICIÊNCIA DA QUALIDADE ESTÁ SENDO AVALIADA? QUANDO HOUVER DESVIOS EM RELAÇÃO ÀS EXIGÊNCIAS.

POR EXEMPLO: Redução do dispêndio para ensaios com elevação simultânea de segurança do processo Redução do refugo (interno/externo) Redução do estoque de giro Aumento da satisfação do cliente Estratégia da Qualidade 15 .3 6. OTIMIZAÇÃO DE CUSTOS.1. ASSISTÊNCIA TÉCNICA.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.4 – FORAM COMBINADOS E IMPLEMENTADOS COM OS SUBFORNECEDORES OBJETIVOS PARA A MELHORIA CONTÍNUA DE PRODUTOS E PROCESSOS?   WORKSHOPS (CÍRCULOS DE TRABALHO INTERDICIPLINARES) ESTABELECIMENTO DE OBJETIVOS MENSURÁVEIS PARA A QUALIDADE.

ESPECIFICAÇÕES/NORMAS/PRESCRIÇÕES DE ENSAIOS) LIBERAÇÕES DE AMOSTRAS CONSTRUTIVAS/TESTES    RELATÓRIOS DE AMOSTRA INICIAL CONFORME VDA COMPROVAÇÃO DE CAPACIDADE PARA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES OBSERVÂNCIA DAS FOLHAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA.5 – EXISTEM AS RESPECTIVAS LIBERAÇÕES PARA OS PRODUTOS DE SÉRIE FORNECIDOS E FORAM IMPLEMENTADAS AS NECESSÁRIAS MEDIDAS DE MELHORIA?   INFORMAÇÕES DOS CLIENTES (ENTRE OUTRAS.3 6. NORMAS EG   AVALIAÇÃO EM RELAÇÃO À CONFIABILIDADE RELATÓRIOS DE AUDITORIA PARA REQUALIFICAÇÃO Estratégia da Qualidade 16 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.1.

6 – ESTÃO SENDO MANTIDOS OS PROCESSOS COMBINADOS COM OS CLIENTES A RESPEITO DOS PRODUTOS COLOCADOS À DISPOSIÇÃO?  OS PRODUTOS PODEM SER: Serviços Ferramentas. armazenamento.1. meios de ensaio Embalagens Produtos  DEVEM SER CONSIDERADOS Direção. histórico da qualidade) Estratégia da Qualidade 17 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. transporte. manutenção da qualidade e características (data de validade) Fluxo de informações em caso de deficiências ou perda Documentação da qualidade (status da qualidade. verificação.3 6.

3 6.1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.7 – O ESTOQUE DOS PRODUTOS DE BASE É ADEQUADO ÀS NECESSIDADES DA PRODUÇÃO?      EXIGÊNCIAS DOS CLIENTES KANBAN/JUST IN TIME CUSTO DO ESTOQUE ESTRATÉGIA DE EMERGÊNCIA PARA GARGALOS DE PRODUTOS DE BASE FIFO (FIRST IN FIRST OUT) Estratégia da Qualidade 18 .

3 6.8 – OS PRODUTOS DE BASE E QUANTIDADES REMANESCENTES SÃO FORNECIDOS E ARMAZENADOS ADEQUADAMENTE?          EMBALAGEM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTOQUE FIFO (FIRST IN FIRST OUT) / UTILIZAÇÃO EM RELAÇÃO AO LOTE ORDEM E LIMPEZA CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PROTEÇÃO CONTRA DANOS/SUJEIRA/CORROSÃO IDENTIFICAÇÃO (RASTREABILIDADE/STATUS DE ENSAIO/SEQUÊNCIA DE TRABALHO/STATUS DE UTILIZAÇÃO) SEGURANÇA EM RELAÇÃO À POSSIBILIDADE DE MISTURA ALMOXARIFADO DE BLOQUEIO (MONTADO E USADO) Estratégia da Qualidade 19 .1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

DIAGRAMA DE CAUSA E DE EFEITO) LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Estratégia da Qualidade 20 .1.9 – O PESSOAL É QUALIFICADO PARA AS RESPECTIVAS TAREFAS?   PRODUTO/ESPECIFICAÇÕES/EXIGÊNCIAS ESPECÍFICAS DOS CLIENTES CONHECIMENTO ESPECÍFICO DE CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO E PROCEDIMENTOS DE FABRICAÇÃO DAS PEÇAS INDIVIDUAIS DOS MÓDULOS NORMAS/LEIS EMBALAGEM PROCESSAMENTO       MÉTODOS DE AVALIAÇÃO (AUDITORIA.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6. ESTATÍSTICA) TÉCNICAS DE QUALIDADE (MÉTODO 8D.

3 VDA 6.4 ANÁLISE DAS FALHAS/ CORREÇÕES/ MELHORIA CONTÍNUA Estratégia da Qualidade 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.PRODUÇÃO 6.2 MEIOS DE PRODUÇÃO/ INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS 6 .3 ELEMENTO AVALIADO NA VW 6.1 PESSOAL / QUALIFICAÇÃO 6.3 TRANSPORTE/ MANUSEIO/ ARMAZENAMENTO/ EMBALAGEM 21 .

1.3 6.FORAM ATRIBUÍDAS AO PESSOAL RESPONSABILIDADES E COMPETÊNCIAS QUANTO À SUPERVISÃO DA QUALIDADE DO PRODUTO E DO PROCESSO?      A COOPERAÇÃO EM PROGRAMAS DE APRIMORAMENTO A AUTO-INSPEÇÃO POR PARTE DO FUNCIONÁRIO A LIBERAÇÃO DO PROCESSO(LIBERAÇÃO/CONTROLE DA PRIMEIRA UNIDADE/CONTROLE DA ÚLTIMA UNIDADE) O CONTROLE DO PROCESSO ( INTERPRETAÇÃO DE CARTAS DE CONTROLE ) A COMPETÊNCIA PARA DETERMINAR UMA INTERDIÇÃO Estratégia da Qualidade 22 .1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

1.1 FORAM ATRIBUÍDAS AO PESSOAL RESPONSABILIDADES E COMPETÊNCIAS QUANTO À SUPERVISÃO DA QUALIDADE DO PRODUTO E DO PROCESSO? OBJETIVO VERIFICAR SE AS PESSOAS ENVOLVIDAS COM O PROCESSO SABEM COMO: EXECUTAR A ATIVIDADE CONTROLAR O PROCESSO E O PRODUTO ACONDICIONAR O PRODUTO COM QUALIDADE Estratégia da Qualidade 23 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6.

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE BEM REALIZADA . .3 COMO EXECUTAR A ATIVIDADE CORRETAMENTE O PESSOAL DEVE SABER..A IMPORTÂNCIA DO DIÁRIO DE BORDO .COMO REALIZAR A SUA ATIVIDADE .VERIFICAR SE A MATÉRIA PRIMA ESTÁ EM CONDIÇÕES DE SER PROCESSADA ..QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO E PARÂMETROS DO PROCESSO QUE DEVEM SER ATENDIDOS .ETC Estratégia da Qualidade 24 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

.MEDIR CORRETAMENTE ONDE E COMO REGISTRAR O RESULTADO DA MEDIÇÃO . FAZER UMA LIBERAÇÃO DO PROCESSO AS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO E PARÂMETROS DO PROCESSO QUE DEVEM SER CONTROLADOS COMO CONTROLAR: .COM QUE FREQÜÊNCIA .INTERPRETAR O RESULTADO DAS MEDIÇÕES (CARTAS DE CONTROLE.3 O PESSOAL DEVE SABER .COM QUAL MEIO DE CONTROLE COMO CONTROLAR O PROCESSO E O PRODUTO - - ..AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.QUANTAS PEÇAS . 25 .. . ETC.) Estratégia da Qualidade ETC.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 CONHECER TODA A DOCUMENTAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO FOLHAS DE INSTRUÇÃO PLANO DE CONTROLE CARTAS DE CONTROLE DIÁRIO DE BORDO PLANO DE FABRICAÇÃO ETC Estratégia da Qualidade 26 .

3 CONHECER TODA A DOCUMENTAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO FOLHAS DE INSTRUÇÃO PLANO DE CONTROLE CARTAS DE CONTROLE DIÁRIO DE BORDO PLANO DE FABRICAÇÃO ETC Estratégia da Qualidade 27 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

3 6.1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.2.FORAM ATRIBUÍDOS AO PESSOAL RESPONSABILIDADES E COMPETÊNCIAS RELACIONADAS COM OS EQUIPAMENTOS E AMBIENTE DE PRODUÇÃO?     A ORDEM E A LIMPEZA REPAROS E MANUTENÇÃO QUE DEVEM SER EXECUTADOS OU SOLICITADOS O FORNECIMENTO DE MATERIAL/ARMAZENAMENTO A INSTALAÇÃO E CONTROLE DOS EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO Estratégia da Qualidade 28 .

1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.2 FORAM ATRIBUÍDAS AO PESSOAL RESPONSABILIDADES E COMPETÊNCIAS RELACIONADAS COM OS EQUIPAMENTOS E AMBIENTE DE PRODUÇÃO? A PESSOA QUE EXECUTA A OPERAÇÃO DEVE SER RESPONSÁVEL PELOS: • EQUIPAMENTOS • MEIOS DE CONTROLE • ORDEM E LIMPEZA DO SEU POSTO DE TRABALHO Estratégia da Qualidade 29 .3 6.

SOLICITAR O CONSERTO Estratégia da Qualidade 30 .3 O PESSOAL DEVE SABER COMO .. EXECUTAR PEQUENOS REPAROS LOCALIZAR A VALIDADE DE CALIBRAÇÃO MANUSEAR CORRETAMENTE MANTER LIMPA A MÁQUINA MÁQUINAS / EQUIPAMENTOS MEIO DE CONTROLE ACONDICIONAR CORRETAMENTE SOLICITAR O CONSERTO ETC.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6..

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 E LEMBRE-SE: EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO DANIFICADOS E COM DATA DE CALIBRAÇÃO VENCIDAS NÃO DEVEM SER UTILIZADOS. Estratégia da Qualidade 31 .

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.AS FERRAMENTAS DEVEM ESTAR EM ORDEM .A ÁREA DEVE ESTAR LIMPA E ORGANIZADA .3 AMBIENTE DE PRODUÇÃO LOCAL DE TRABALHO O PESSOAL DEVE SABER QUE: .ETC ORDEM E LIMPEZA DO LOCAL DE TRABALHO Estratégia da Qualidade 32 .

EXAME DE VISTA.O PESSOAL ENCONTRA-SE APTO A ASSUMIR AS TAREFAS E A SUA QUALIFICAÇÃO VEM SENDO MANTIDA?      OS REGISTROS DE INSTRUÇÃO.CARTA DE HABILITAÇÃO PARA VEÍCULOS INDUSTRIAIS) Estratégia da Qualidade 33 . CERTIFICADOS DE SOLDAGEM.1. TREINAMENTO E DE QUALIFICAÇÃO SOBRE O PROCESSO OS CONHECIMENTOS SOBRE OS PRODUTOS E AS FALHAS SURGIDAS INSTRUÇÃO SOBRE A SEGURANÇA NO TRABALHO E SOBRE OS ASPECTOS DO MEIO-AMBIENTE INSTRUÇÃO SOBRE O TRATAMENTO DE “COMPONENTES COM OBRIGATORIEDADE DE COMPROVAÇÃO ESPECIAL” REGISTROS DE QUALIDADE (POR EXEMPLO.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 .3 6.

1.1.1 CONHECER TODA A DOCUMENTAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. Estratégia da Qualidade 34 .2.1.3 6. SABER COMO CONSERVAR E LIMPAR AS MÁQUINAS E MEIOS DE CONTROLE.3 O PESSOAL ENCONTRA-SE APTO A ASSUMIR AS TAREFAS E A SUA QUALIFICAÇÃO VEM SENDO MANTIDA? 6.

PROMOVER RECICLAGENS .LEVANTAR AS NECESSIDADES DE TREINAMENTO .3 A ÁREA DEVE: COMPROVAR A QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA .TER O CONTEÚDO DO TREINAMENTO DOCUMENTADO .PROMOVER O TREINAMENTO PARA OS SEUS OPERADORES / MONITORES / LÍDERES .COMPROVAR O TREINAMENTO REALIZADO Estratégia da Qualidade 35 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

3 COMPROVAÇÃO DO TREINAMENTO ATIVIDADES NORMAIS ATIVIDADES ESPECIAIS REGISTRO DO TREINAMENTO REALIZADO REGISTROS ESPECÍFICOS • SOLDADOR CERTIFICADO DE SOLDAGEM CARTA DE HABILITAÇÃO PARA VEÍCULOS INDUSTRIAIS EX: LISTA DE PRESENÇA CARTA DE VERSATILIDADE • OPERADOR DE EMPILHADEIRA Estratégia da Qualidade 36 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

1.EXISTE UM PLANO DE DESIGNAÇÃO DO PESSOAL COM REGULAMENTAÇÃO DAS SUBSTITUIÇÕES?    PLANO DE TURNOS ( EM FUNÇÃO DA TAREFA ) COMPROVANTE DE QUALIFICAÇÃO ( MATRIZ DE QUALIFICAÇÃO ) ANÁLISE DO TRABALHO/ESTUDO DE TEMPOS.3 6. Estratégia da Qualidade 37 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.4 .

Estratégia da Qualidade 38 .. QUE A PESSOA CERTA SEJA COLOCADA NA ATIVIDADE CERTA.1.4 EXISTE UM PLANO DE DESIGNAÇÃO DO PESSOAL COM REGULAMENTAÇÃO DAS SUBSTITUIÇÕES? ESTE ITEM . MAS EU NÃO CONHEÇO ESSA ATIVIDADE!! E GARANTE.. EVITA AS SEGUINTES SITUAÇÕES: ACHO QUE SOU FORTE DEMAIS PARA ESTE SERVIÇO !! ME COLOCARAM NO LUGAR DO SÍLVIO..AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6..

39 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 A ÁREA DEVE: ME COLOCARAM NO LUGAR DO SÍLVIO. MAS EU NÃO CONHEÇO ESSA ATIVIDADE!! LÍDER CARTA DE VERSATILIDADE • QUEM ESTÁ APTO PARA EXECUTAR A ATIVIDADE MONITOR • QUEM ESTARÁ APTO PARA EXECUTAR A ATIVIDADE E A PARTIR DE QUANDO? • TREINAMENTOS PREVISTOS ANALISAR A QUALIFICAÇÃO DA MÃO DE OBRA Estratégia da Qualidade • ETC.

1. CÍRCULO DE CONTROLE DA QUALIDADE) BAIXA INCIDÊNCIA DE CASOS DE DOENÇA CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE AUTO-AVALIAÇÃO Estratégia da Qualidade 40 .OS MEIOS PARA AUMENTAR A MOTIVAÇÃO DO PESSOAL SÃO EMPREGADOS DE MODO EFICAZ?       INFORMAÇÕES RELATIVAS À QUALIDADE (VALORES NOMINAL E REAL) SISTEMA DE SUGESTÕES PROGRAMAS ESPECIAIS VOLUNTÁRIOS (TREINAMENTOS.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.5 .

1.5 OS MEIOS PARA AUMENTAR A MOTIVAÇÃO DO PESSOAL SÃO EMPREGADOS DE MODO EFICAZ? OBJETIVOS DE QUALIDADE Meta INFORMAÇÕES RELATIVAS A QUALIDADE Estratégia da Qualidade CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE 41 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 PARTICIPAÇÃO NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS Estratégia da Qualidade 42 .

3 6.SINAL SONORO .CONSERVAÇÃO E ASSISTÊNCIA DO FERRAMENTAL / EQUIPAMENTO / MÁQUINAS ( INCLUSIVE MANUTENÇÃO PREVISTA).DESCONEXÃO) DISPOSITIVOS DE ABASTECIMENTO.2.1 OS REQUISITOS DE QUALIDADE ESPECÍFICOS DO PRODUTO SÃO ATENDIDOS COM OS EQUIPAMENTOS DE PRODUÇÃO / FERRAMENTAL?  AS EVIDÊNCIAS DA CAPABILIDADE DE MÁQUINA/PROCESSO PARA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES/PARÂMETROS DETERMINANTES DO PROCESSO CONTROLE COMPULSÓRIO/CONTROLE DOS PARÂMETROS IMPORTANTES ALERTA NO CASO DE DIVERGÊNCIAS DOS VALORES NOMINAIS ESTIPULADOS (POR EXEMPLO.SINAL LUMINOSO.     Estratégia da Qualidade 43 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. DE DISTRIBUIÇÃO E DE EVACUAÇÃO MANTENABILIDADE.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 A ÁREA DEVE : • TER AS MÁQUINAS/ EQUIPAMENTOS / FERRAMENTAL EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO • TER PLANO DE TROCA DE FERRAMENTA • TER PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA • VERIFICAR SE A MÁQUINA / EQUIPAMENTO NÃO PRODUTO ESTÁ ATENDENDO A DETERMINADA CARACTERÍSTICA DO • REALIZAR ESTUDOS DE CAPABILIDADE DE MÁQUINA E PROCESSO • POKA-YOKES (DISPOSITIVOS A PROVA DE FALHAS) Estratégia da Qualidade 44 .

2 É POSSÍVEL SUPERVISIONAR EFICIENTEMENTE OS REQUISITOS DA QUALIDADE DURANTE A PRODUÇÃO EM SÉRIE COM O AUXÍLIO DOS EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E DE TESTES UTILIZADOS?     ANÁLISE DE CONFIABILIDADE. DE FUNCIONABILIDADE E DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO PRECISÃO NA MEDIÇÃO/EFICIÊNCIA DOS EQUIPAMENTOS DE CONTROLE REGISTRO DOS CABOS E O GRAU DE AVALIAÇÃO COMPROVAÇÃO DA CALIBRAGEM DOS EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO Estratégia da Qualidade 45 .2.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
6.2.2 É POSSÍVEL SUPERVISIONAR EFICIENTEMENTE OS REQUISITOS DA QUALIDADE DURANTE A PRODUÇÃO EM SÉRIE COM O AUXÍLIO DOS EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E TESTES UTILIZADOS?

OBJETIVO:
VERIFICAR SE OS MEIOS DE CONTROLE UTILIZADOS PARA

CONTROLAR O PRODUTO E
PROCESSO SÃO CONFIÁVEIS.

Estratégia da Qualidade

46

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
A ÁREA DEVE TER MEIOS DE CONTROLE:

• CALIBRADOS • UTILIZADOS SOMENTE DENTRO DO PRAZO DE VALIDADE Paquímetro • COM FUNDO DE ESCALA ADEQUADO AO USO

• EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO
Bloco padrão calibrado
Estratégia da Qualidade

47

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
DEVEM SER REALIZADOS ESTUDOS DE ANÁLISE DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS E ATRIBUTIVAS: • R&E (REPETIBILIDADE E EXATIDÃO) • R&R (REPETIBILIDADE E REPRODUTIBILIDADE) E TOMAR AS AÇÕES NECESSÁRIAS APÓS O RESULTADO DESTES ESTUDOS

Estratégia da Qualidade

48

3 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.2.3 6.OS LOCAIS DE TRABALHO E DE TESTES ATENDEM ÁS NECESSIDADES? ERGONOMIA ILUMINAÇÃO ORDEM E LIMPEZA PROTEÇÃO DO MEIO-AMBIENTE AMBIENTE/MANUSEIO DOS COMPONENTES SEGURANÇA NO TRABALHO Estratégia da Qualidade 49 .

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6.2.3 OS LOCAIS DE TRABALHO E DE TESTES ATENDEM ÀS NECESSIDADES ? OBJETIVO: VERIFICAR SE AS CONDIÇÕES DO LOCAL DE TRABALHO NÃO PREJUDICAM • A SAÚDE DO OPERADOR • A QUALIDADE DO PRODUTO Estratégia da Qualidade 50 .

3 A ÁREA DEVE EVITAR: CONDIÇÕES ERGONÔMICAS DESFAVORÁVEIS À REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE: Como eu posso fazer uma boa medição! Este local é escuro ! ILUMINAÇÃO INADEQUADA NAS ÁREAS DE TRABALHO Estratégia da Qualidade 51 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

3 A ÁREA DEVE EVITAR: • FOCOS DE SUJEIRA CUJO CAUSADOR É O PROCESSO: .ETC.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.CAVACOS .FALTA DE PROTEÇÃO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ETC.VAZAMENTO DE ÓLEO . . • CONDIÇÕES INSEGURAS DE TRABALHO PARA O OPERADOR. . Estratégia da Qualidade 52 .EMISSÃO DE GASES .MANUSEIO / TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO INDEVIDO DE PEÇAS / FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO .

FREQUÊNCIA DAS INSPEÇÕES) LIMITES DE CONTROLE NAS CARTAS DE CONTROLE DO PROCESSO COMPROVAÇÃO DA CAPABILIDADE DAS MÁQUINAS E DO PROCESSO MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES DE TRABALHO INFORMAÇÃO SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL DAS FALHAS Estratégia da Qualidade 53 . TEMPERATURAS. VELOCIDADES)        DADOS RELATIVOS À MÁQUINA/FERRAMENTAL/AOS MATERIAIS AUXILIARES (REFERÊNCIA DAS FERRAMENTAS E DAS MÁQUINAS) REQUISITOS DAS INSPEÇÕES (PRINCIPAIS CARACTERÍSTICA.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.4 OS DADOS IMPORTANTES NA DOCUMENTAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE PRODUÇÃO E DE INSPEÇÃO SÃO ESPECIFICADOS NA ÍNTEGRA E ESTES SÃO CUMPRIDOS?  PARÂMETROS DO PROCESSO ( POR EXEMPLO: PRESSÃO.3 6. MÉTODOS. MATERIAL PARA INSPEÇÃO. TEMPOS.2.

4 OS DADOS IMPORTANTES NA DOCUMENTAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE PRODUÇÃO E DE INSPEÇÃO SÃO ESPECIFICADOS NA ÍNTEGRA E ESTES SÃO CUMPRIDOS? ESTE ITEM EXIGE QUE A ÁREA TENHA DISPONÍVEL: A DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA ADEQUADA PARA: • FABRICAR • CONTROLAR O PRODUTO Estratégia da Qualidade 54 .3 6.2.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. Estratégia da Qualidade DESENHOS ETC.3 PLANO DE CONTROLE • CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO • PARÂMETROS DO PROCESSO PLANO DE FABRICAÇÃO A ÁREA DEVE TER E CUMPRIR FOLHAS DE INSTRUÇÃO • TRABALHO • INSPEÇÃO • LIBERAÇÃO DO PROCESSO • ARMAZENAMENTO • ETC. 55 .

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.5 ENCONTRAM-SE DISPONÍVEIS OS MATERIAIS AUXILIARES NECESSÁRIOS PARA TRABALHOS DE AJUSTES E REGULAGEM?     PLANOS DE AJUSTES E REGULAGEM AJUDAS PARA O AJUSTE/AJUDAS DE COMPARAÇÃO DISPOSITIVOS FLEXÍVEIS PARA A SUBSTITUIÇÃO DE FERRAMENTAS AMOSTRAS DE VALORES LIMITES Estratégia da Qualidade 56 .3 6.2.

3 6.5 ENCONTRAM-SE DISPONÍVEIS OS MATERIAIS AUXILIARES NECESSÁRIOS PARA TRABALHOS DE AJUSTE E REGULAGEM? É DESEJAVEL QUE A ÁREA TENHA: • OS DISPOSITIVOS DISPONÍVEIS E APTOS.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.2. • INSTRUÇÕES DE AJUSTE • PLANOS DE AJUSTE E REGULAGEM PARA QUE OS AJUSTES E REGULAGENS SEJAM REALIZADOS DE MANEIRA: • CORRETA • E NO MENOR TEMPO POSSÍVEL Estratégia da Qualidade 57 .

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. TROCA DE LOTE) ALTERAÇÃO DOS PARÂMETROS DE PRODUÇÃO VISTORIA DA PRIMEIRA UNIDADE COM BASE NA DOCUMENTAÇÃO     ATUALIDADE DOS PARÂMETROS ORDEM E LIMPEZA NO LOCAL DE TRABALHO EMBALAGEM ESTADO DE LIBERAÇÃO/DA ALTERAÇÃO DO FERRAMENTAL E DOS EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO Estratégia da Qualidade 58 . BEM COMO OS VALORES DIVERGENTES? PRODUTO NOVO OU MODIFICADO PARALISAÇÃO DOS SISTEMAS/INTERRUPÇÃO DO PROCESSO       REPAROS.6 É REALIZADA UMA LIBERAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO E SÃO REGISTRADOS OS DADOS DE REGULAGEM E AJUSTES.SUBSTITUIÇÃO DO FERRAMENTAL TROCA DE MATERIAL( POR EXEMPLO.2.3 6.

2.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. BEM COMO OS VALORES DIVERGENTES? OBJETIVO: ANALISAR COMO É REALIZADA A LIBERAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO Estratégia da Qualidade 59 .6 É REALIZADA UMA LIBERAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO E SÃO REGISTRADOS OS DADOS DE REGULAGEM E AJUSTES.

PROCESSOS MODIFICADOS • DEVIDO A MUDANÇA NO PRODUTO • APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO PROCESSOS NOVOS Estratégia da Qualidade 60 .3 LIBERAÇÃO DO PROCESSO PROCESSOS JÁ EXISTENTES • • • • MUDANÇA DE TURNO / ALMOÇO INTERRUPÇÃO DO PROCESSO TROCA DE LOTE ALTERAÇÃO DOS PARÂMETROS DE PRODUÇÃO • TROCA DE FERRAMENTAS • ETC.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

3 6.2.AS AÇÕES CORRETIVAS NECESSÁRIAS SÃO TOMADAS DENTRO DO PRAZO ESTIPULADO.7.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. TESTANDO-SE A EFICÁCIA DE TAIS AÇÕES?        ANÁLISE DE RISCO ( FMEA DE PROCESSO). ANÁLISES DE FALHAS PROGRAMAS DE MELHORIA COM BASE NAS AUDITORIAS INFORMAÇÕES À PARTE RESPONSÁVEL DIÁLOGOS DAS ÁREAS DE INTERAÇÃO INTERNAS/EXTERNAS RECLAMAÇÕES INTERNAS RECLAMAÇÕES POR PARTE DO CLIENTE PESQUISAS JUNTO AO CLIENTE Estratégia da Qualidade 61 .

TESTANDO-SE A EFICÁCIA DE TAIS AÇÕES? AS NÃO CONFORMIDADES DETECTADAS.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.. DO NAS AUDITORIAS DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO ATRAVÉS DAS RECLAMAÇÕES DOS CLIENTES (INTERNOS / EXTERNOS) DEVEM GERAR PLANOS DE AÇÃO Estratégia da Qualidade 62 .7 AS AÇÕES CORRETIVAS NECESSÁRIAS SÃO TOMADAS DENTRO PRAZO ESTIPULADO..2.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 ESTE ITEM ANALISA SE AS AÇÕES CONTIDAS NO PLANO DE AÇÃO: • FORAM IMPLEMENTADAS NO TEMPO PREVISTO • RESOLVERAM O PROBLEMA (EFICAZES) Estratégia da Qualidade 63 .

3 6. Estratégia da Qualidade 64 .AS QUANTIDADES / OS LOTES DE PRODUÇÃO ESTÃO DE ACORDO COM A NECESSIDADE E ESTES SÃO PASSADOS SISTEMATICAMENTE À ETAPA DE TRABALHO POSTERIOR?        MEIO DE TRANSPORTE ADEQUADO LOCAIS DE ARMAZENAMENTO ESPECIFICADOS ARMAZENAMENTO PROVISÓRIO MÍNIMO OU NENHUM KANBAN JUST IN TIME COORDENAÇÃO DO ESTOQUE SITUAÇÃO DE ALTERAÇÃO    SOMENTE TRANSFERÊNCIA DE COMPONENTES SATISFATÓRIOS REGISTRO DAS UNIDADES FABRICADAS / AVALIADAS FLUXO DE INFORMAÇÕES.3.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.1 .

1 AS QUANTIDADES / LOTES DE PRODUÇÃO ESTÃO DE ACORDO COM A NECESSIDADE E ESTES SÃO PASSADOS SISTEMATICAMENTE À ETAPA DE TRABALHO POSTERIOR? ESTE ITEM EXIGE QUE O PRÓXIMO CLIENTE RECEBA AS PEÇAS OK: .NA QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA ELE PROCESSAR OBJETIVO: • TER O MENOR ESTOQUE INTERMEDIÁRIO • GARANTIR QUE NÃO FALTE MATÉRIA PRIMA .NO LOCAL DE ARMAZENAMENTO DEFINIDO UTILIZANDO.. MEIO DE TRANSPORTE ADEQUADO E SUFICIENTE Estratégia da Qualidade 65 ..3.NO DISPOSITIVO DE ACONDICIONAMENTO ADEQUADO OBJETIVO: • FACILITAR A PRÓXIMA OPERAÇÃO .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6.

3 A ÁREA DEVE UTILIZAR O SISTEMA FIFO O PRIMEIRO QUE ENTRA DEVE SER O PRIMEIRO QUE SAI COM O OBJETIVO DE: • EVITAR A DETERIORAÇÃO DOS COMPONENTES • GARANTIR A SEQÜÊNCIA DE PRODUÇÃO (RASTREABILIDADE) • ETC.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. Estratégia da Qualidade 66 .

3.2 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. LIMPEZA. SUPERLOTAÇÃO (LOCAIS DE ARMAZENAMENTO.OS PRODUTOS/COMPONENTES SÃO ARMAZENADOS DE ACORDO COM A SUA UTILIDADE E OS MEIOS DE TRANSPORTE/DISPOSITIVOS DE EMBALAGEM ESTÃO DE ACORDO COM AS CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS DOS PRODUTOS/COMPONENTES?  QUANTIDADES ARMAZENADAS    PROTEÇÃO CONTRA DANOS POSIÇÃO DOS COMPONENTES ORDEM. Estratégia da Qualidade 67 .3 6. CLIMATIZAÇÃO. COLETORES)   SUPERVISÃO DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS.

3. OS PRODUTOS /COMPONENTES SÃO ARMAZENADOS DE ACORDO COM A SUA UTILIDADE E OS MEIOS DE TRANSPORTE/ DISPOSITIVOS DE EMBALAGEM ESTÃO DE ACORDO COM AS CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS DOS PRODUTOS / COMPONENTES? OS DISPOSITIVOS DE ACONDICIONAMENTO DEVEM: PROTEGER O PRODUTO CONTRA DANOS ESTAR LIMPOS E ORGANIZADOS TER A QUANTIDADE ADEQUADA DE ITENS TER A INDICAÇÃO DA DATA DE VALIDADE QUANDO APLICÁVEL - SER ARMAZENADOS EM LOCAIS E QUANTIDADES APROPRIADAS 68 Estratégia da Qualidade .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 6.2.

ÁREAS INTERDITADAS COLETORES IDENTIFICADOS PARA SUCATA. REFUGO E RETRABALHO PRODUTOS COM DEFEITOS E CARACTERÍSTICAS DOS DEFEITOS IDENTIFICAÇÃO ESTAÇÕES DEFINIDAS DE TRANSFERÊNCIAS / RETRABALHO NO PROCESSO DE PRODUÇÃO.3 .3 6.SÃO SEPARADAS DE MODO ESTRITO AS PEÇAS REJEITADAS. PARA RETRABALHO.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. Estratégia da Qualidade 69 . BEM COMO OS RESÍDUOS PRODUZIDOS DENTRO DA EMPRESA?      INTERDIÇÃO DO ESTOQUE.3.

3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. BEM COMO OS RESÍDUOS PRODUZIDOS DENTRO DA EMPRESA? OBJETIVO: A ÁREA DEVE TER: EVITAR QUE AS PEÇAS REFUGADAS OU QUE PRECISAM SER RETRABALHADAS SEJAM CONFUNDIDAS COM AS PEÇAS OK.3 SÃO SEPARADAS DE MODO ESTRITO AS PEÇAS REJEITADAS PARA RETRABALHO. Estratégia da Qualidade 70 . ÁREA DE REFUGO • LOCAL ESPECÍFICO PARA REFUGO / RETRABALHO IDENTIFICADO • IDENTIFICAÇÃO CLARA DOS PRODUTOS NÃO APROVADOS • Etc.3.

Estratégia da Qualidade 71 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6..3 O QUE PODEM SER OS "RESÍDUOS PRODUZIDOS DENTRO DA EMPRESA"? PODEM SER: PEÇAS QUE FORAM ENVIADAS PARA A LINHA E DEVIDO A MUDANÇA NO MIX DE PRODUÇÃO NÃO SERÃO MAIS PROCESSADAS. A NORMA EXIGE QUE ELAS TENHAM UM STATUS DEFINIDO (REFUGO.. PARA ANÁLISE OU OK) E QUE SEJAM ARMAZENADAS ADEQUADAMENTE PARA EVITAR: • USO INDEVIDO (EVITAR QUE ESTAS PEÇAS SEJAM MISTURADAS) • DETERIORAÇÃO DAS MESMAS • ETC. RETRABALHO.

3 6. DA INSPEÇÃO E DA UTILIZAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO LOTE DATA DE VALIDADE REMOÇÃO DAS IDENTIFICAÇÕES SEM VALIDADE MATERIAL DE TRABALHO COM DADOS DE ORIGEM DOS COMPONENTES / DA PRODUÇÃO. TROCAS POR ENGANO.       Estratégia da Qualidade 72 .3.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.4 O FLUXO DE MATERIAL E DE COMPONENTES ESTÁ SEGURO CONTRA MISTURAS. ESTANDO GARANTIDA A SUA RASTREABILIDADE? IDENTIFICAÇÃO DOS COMPONENTES IDENTIFICAÇÃO DO STATUS DO TRABALHO.

4 O FLUXO DE MATERIAL E DE COMPONENTES ESTÁ SEGURO CONTRA MISTURAS.3 6. ESTANDO GARANTIDA A SUA RASTREABILIDADE? O OBJETIVO DESTE ITEM É: EVITAR QUE OCORRAM MISTURAS DE PEÇAS NO FLUXO PRODUTIVO Estratégia da Qualidade 73 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3. TROCAS POR ENGANO.

3 A ÁREA DEVE: IDENTIFICAR O STATUS DA INSPEÇÃO IDENTIFICAR A PRÓXIMA OPERAÇÃO Estratégia da Qualidade 74 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3 A ÁREA DEVE: • IDENTIFICAR CORRETAMENTE OS LOTES • SEPARAR E IDENTIFICAR CORRETAMENTE AS PEÇAS ROH (BRUTAS) DAS USINADAS • ETC. REMOVER IDENTIFICAÇÕES SEM VALIDADE Estratégia da Qualidade 75 .

EQUIPAMENTOS E OS MATERIAIS DE INSPEÇÃO SÃO ARMAZENADOS DE MODO APROPRIADO? ARMAZENAMENTO ANTIDANOS ORDEM E LIMPEZA LOCAL DE ARMAZENAMENTO DEFINIDO SAÍDA ADMINISTRADA INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS IDENTIFICAÇÃO ETAPA DEFINIDA DA LIBERAÇÃO E DA ALTERAÇÃO. OS DISPOSITIVOS.5 O FERRAMENTAL.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.        Estratégia da Qualidade 76 .3 6.3.

3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. EQUIPAMENTOS OS MATERIAIS DE INSPEÇÃO SÃO ARMAZENADOS DE MODO APROPRIADO? A ÁREA DEVE TER O LOCAL CERTO PARA ARMAZENAR ADEQUADAMENTE: E . QUE ESTÃO SENDO UTILIZADOS E QUE SERÃO UTILIZADOS POSTERIORMENTE.FERRAMENTAS .MEIOS DE CONTROLE .MATERIAIS DE INSPEÇÃO E ENSAIOS .ETC.3.DISPOSITIVOS . Estratégia da Qualidade 77 .5 O FERRAMENTAL. OS DISPOSITIVOS.

1 OS DADOS DA QUALIDADE E DO PROCESSO SÃO REGISTRADOS DE FORMA ABRANGENTE PARA QUE ESTES POSSAM SER AVALIADOS? CARTAS DE HISTÓRICO CARTAS DE REGISTROS DE FALHAS CARTAS DE CONTROLE       REGISTROS DE DADOS REGULAGEM DOS PARÂMETROS DO PROCESSO (POR EXEMPLO: TEMPERATURA. TEMPO.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.4. Estratégia da Qualidade 78 . PRESSÃO) PARADA DE MÁQUINAS   ALTERAÇÃO DE PARÂMETROS QUEDA DE FORÇA.

INDICADORES DE QUALIDADE .PROCESSO .1 OS DADOS DA QUALIDADE E DO PROCESSO SÃO REGISTRADOS DE FORMA ABRANGENTE PARA QUE POSSAM SER AVALIADOS? A ÁREA DEVE: META REVER A COLETA DE DADOS SOBRE O PROCESSO E TORNÁ-LA POSSÍVEL DE ANÁLISE E MELHORIA DO: .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.ETC. Estratégia da Qualidade 79 . NÃO SE DEVE REGISTRAR POR REGISTRAR A QUALIDADE E A QUANTIDADE DE INFORMAÇÕES É MUITO IMPORTANTE.PRODUTO .3 6.4.

3 6. RESULTANDO DESTA AVALIAÇÃO PROGRAMAS DE MELHORIA? CAPABILIDADE DO PROCESSO TIPOS DAS FALHAS / FREQÜÊNCIAS DAS FALHAS CUSTOS DAS FALHAS (NÃO-CONFORMIDADE) PARÂMETROS DO PROCESSO REFUGO.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. SUCATA / RETRABALHO COMUNICADO DE INTERDIÇÕES / AÇÕES DE SEGREGAÇÃO DE PRODUTOS         TEMPO TOTAL DO CICLO CONFIABILIDADE / CURVA DE FALHAS.4.2 OS DADOS DA QUALIDADE E DO PROCESSO PASSAM POR UMA AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA. PODEM SER UTILIZADOS POR EXEMPLO :  CEP  ANÁLISE DE PARETO  DIAGRAMAS DE CAUSA-E-EFEITO. Estratégia da Qualidade 80 .

DEVEMOS ANALISÁ-LOS UTILIZANDO TÉCNICAS ADEQUADAS PARA QUE ESSAS INFORMAÇÕES REALMENTE RESULTEM EM MELHORIAS Estratégia da Qualidade 81 .4.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.2 OS DADOS DA QUALIDADE E DO PROCESSO PASSAM POR UMA AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA RESULTANDO DESTA AVALIAÇÃO PROGRAMAS DE MELHORIA? DE NADA ADIANTA COLETARMOS OS DADOS E ARQUIVÁ-LOS.3 6.

4.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. EFEITO DAS FALHAS (FMEA)    ANÁLISE DA CAPABILIDADE DO PROCESSO CÍRCULO DE CONTROLE DE QUALIDADE MÉTODO 8-PASSOS. DIMENSIONAL. FUNCIONAL E DE MATERIAL DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO ANÁLISE DO MODO.3 É FEITA UMA ANÁLISE DAS CAUSAS NO CASO DE DIVERGÊNCIAS RELATIVAS AOS REQUISITOS DO PRODUTO E DO PROCESSO E É REALIZADO UM EXAME DAS AÇÕES CORRETIVAS QUANTO À SUA EFICÁCIA?    INSPEÇÕES CONTÍNUAS DE ORDEM COMPLEMENTAR. Estratégia da Qualidade 82 .

M.4.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.M. PRIMA PLANO DE AÇÃO QUE CO MO QUEM QUANDO Estratégia da Qualidade 83 .3 É FEITA UMA ANÁLISE DAS CAUSAS NO CASO DE DIVERGÊNCIAS RELATIVAS AOS REQUISITOS E DO PRODUTO DO PROCESSO E É REALIZADO UM EXAME DAS AÇÕES CORRETIVAS QUANTO À SUA EFICÁCIA? PRIORIZAR OS PROBLEMAS 14 12 10 8 6 4 2 0 COLA DU RA TINTA OUTROS 100% OBJETIVO 50% 0% VERIFICAR SE FORAM ADEQUADAS • A METODOLOGIA DE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS • FERRAMENTAS DE QUALIDADE UTILIZADAS DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO MÉTODO M. MEDIÇÃO COLA DU RA M.

3 6.     É NECESSÁRIO LEVAR EM CONSIDERAÇÃO. POR EXEMPLO :   EXIGÊNCIAS DO CLIENTE CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS     FUNÇÃO PARÂMETROS E CAPABILIDADE DO PROCESSO IDENTIFICAÇÃO.4.4 OS PROCESSOS E PRODUTOS SÃO SUBMETIDOS REGULARMENTE A UMA AUDITORIA? NOVOS PROJETOS / PROCESSOS / PRODUTO NÃO CUMPRIMENTO DOS REQUISITOS DE QUALIDADE (INTERNO / EXTERNO) COMPROVAÇÃO DO CUMPRIMENTO DOS REQUISITOS DA QUALIDADE INDICAÇÃO DOS POTENCIAIS DE MELHORIA. EMBALAGEM PROCESSOS / PROCEDIMENTOS ESTABELECIDOS Estratégia da Qualidade 84 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

4.4 OS PROCESSOS E PRODUTOS SÃO SUBMETIDOS REGULARMENTE A UMA AUDITORIA? Ok! Exatamente como determina a Folha de Instrução! ESTE ITEM EXIGE QUE : .3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.RELATÓRIO DAS AUDITORIAS GEREM PLANOS DE AÇÃO Estratégia da Qualidade 85 .PLANOS DE AUDITORIA PARA OS PROCESSOS E PRODUTOS SELECIONADOS SEJAM • ELABORADOS • IMPLEMENTADOS .

3 6.5      O PRODUTO E O PROCESSO SÃO OBJETO DE MELHORIA CONTÍNUA? OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS CONTENÇÃO DE DESPERDÍCIOS (POR EXEMPLO. (POR EXEMPLO. ANÁLISE DO DECURSO DO PROCESSO) OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE PREPARAÇÃO.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. REFUGO E RETRABALHO) APRIMORAMENTO DA SEGURANÇA DO PROCESSO.4. Estratégia da Qualidade 86 . AUMENTO DA DISPONIBILIDADE DOS EQUIPAMENTOS REDUÇÃO DO TEMPO TOTAL DO CICLO  REDUÇÃO DO ESTOQUE.

5 O PRODUTO E O PROCESSO SÃO OBJETOS DE MELHORIA CONTÍNUA? LEMBRE-SE: SE O MELHOR É POSSÍVEL O BOM NÃO É SUFICIENTE. Estratégia da Qualidade 87 .4. NADA É TÃO BOM QUE NÃO POSSA SER MELHORADO.3 6.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

88 .3 PORTANTO NÃO PODEMOS NOS ACOMODAR E PRECISAMOS MELHORAR CONTINUAMENTE OS NOSSOS • INDICADORES • PROCESSOS • PRODUTOS • LOCAL DE TRABALHO • CUSTOS Estratégia da Qualidade • DESPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS • PRAZO DE ENTREGAS • ETC.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

4. CAPABILIDADE DO PROCESSO).3 6. EXISTINDO UM CONTROLE QUE VERIFICA SE ESTAS SÃO ATINGIDAS?       PRESENÇA E AUSÊNCIA DO PESSOAL UNIDADES PRUDUZIDAS DADOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE (POR EXEMPLO.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. Estratégia da Qualidade 89 . TAXA DE FALHAS.6 SÃO ESTIPULADAS METAS TANTO PARA O PRODUTO COMO PARA O PROCESSO. RESULTADOS DA AUDITORIA) TEMPO TOTAL DO CICLO NÃO-CONFORMIDADE (CUSTOS DAS FALHAS) DADOS CARACTERÍSTICOS DO PROCESSO ( POR EXEMPLO.

4.3 6.SER DETERMINADAS APÓS ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL . EXISTINDO UM CONTROLE QUE VERIFICA ESTAS SÃO ATINGIDAS? AS METAS INDICAM SE OS ESFORÇOS E AÇÕES ESTÃO RESULTANDO EM MELHORIAS.6 SÃO ESTIPULADAS METAS TANTO PARA O PRODUTO COMO PARA O PROCESSO.VALOR (EM 10%) .AÇÃO (REDUZIR O REFUGO) . AS METAS DEVEM: .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. A META DEVE SER REDIMENSIONADA POSSIBILITANDO A MELHORIA CONTÍNUA Estratégia da Qualidade 90 .PRAZO (ATÉ DEZ 2003) UMA VEZ ATINGIDA.CONSIDERAR: SE .

AS EXIGÊNCIAS DO CLIENTE SÃO SATISFEITAS QUANDO DO FORNECIMENTO?   CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE QM CONFORME VDA 6.1 OU EQUIVALENTE ACORDOS EM RELAÇÃO À QUALIDADE     ACORDOS REFERENTES ÀS METAS PARA ATINGIR DEFEITO ZERO AUDITORIAS DE EXPEDIÇÃO ENSAIOS DE FADIGA (DETERMINAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE FALHA) ARMAZENAGEM/PROCESSAMENTO DAS REQUISIÇÕES DE ENTREGA/DISPONIBILIZAÇÃO DE PEÇAS/ENVIO     TESTES FUNCIONAIS APTIDÃO DOS MEIOS DE ENSAIO/MEDIÇÃO PROCEDIMENTOS DE ENSAIO EQUALIZADOS ATUALIDADE DAS ESPECIFICAÇÕES Estratégia da Qualidade 91 .3.3 3. ASSISTÊNCIA AOS CLIENTES / SATISFAÇÃO DOS CLIENTES 6.1.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

3 6.2. AS RECLAMAÇÕES SÃO REGISTRADAS E AVALIADAS?   PROTOCOLOS DE VISITAS A CLIENTES.O ACOMPANHAMENTO AO CLIENTE ESTÁ GARANTIDO.AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. RECLAMAÇÕES DE TRANSPORTE ATENDIMENTO DE NOVAS EXIGÊNCIAS COMUNICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÃO DO PRODUTO E PROCESSO/DESLOCAMENTOS (TAMBÉM DE SUBFORNECEDORES) PRIMEIRA AMOSTRA/AMOSTRA DE REVISÃO (EXPERIMENTAL/SÉRIE) INFORMAÇÃO QUANDO DO DESVIO DE EXIGÊNCIAS (TAMBÉM EMBALAGEM E TRANSPORTE) QUALIDADE DOS DADOS LOGÍSTICOS NO FORNECEDOR (EXTRATOS DA CONTA COM REFERÊNCIA AO ESTOQUE RECIPIENTE) Estratégia da Qualidade 92 .3. EVENTUALMENTE A DERIVAÇÃO DE MEDIDAS CONHECIMENTOS DA UTILIZAÇÃO DO PRODUTO        CONHECIMENTO DOS PROBLEMAS DO PRODUTO.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3.3. SUBFORNECEDORES. O ABASTECIMENTO DE PEÇAS ESTÁ GARANTIDO?  PLANOS DE EMERGÊNCIA (PARA PRODUÇÕES ALTERNATIVAS.3 6.HÁ UMA REAÇÃO RÁPIDA QUANTO ÀS RECLAMAÇÕES. MEIOS DE PRODUÇÃO ESPECIAIS E FERRAMENTAS UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADES DE TERCEIROS Estratégia da Qualidade 93 . EMBALAGENS. TRANSPORTE)    CAPACIDADES E TEMPO DE REAÇÃO PARA AÇÕES DE SEPARAÇÃO CLASSIFICATÓRIA POSSIBILIDADES DE ALTERAÇÃO NAS INSTALAÇÕES.

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
6.3.4 – NO CASO DE DESVIOS DAS EXIGÊNCIAS DA QUALIDADE SÃO EFETUADAS ANÁLISES DE DEFEITOS E IMPLEMENTADAS MEDIDAS DE MELHORIA?
  RECURSOS PARA ANÁLISE (LABORATÓRIO, EQUIPAMENTOS DE ENSAIO/TESTE, PESSOAL) RECURSOS PARA EFETUAR ANÁLISES/ENSAIOS ESSENCIAIS DENTRO DA EMPRESA (LABORATÓRIO, EQUIPAMENTOS DE ENSAIO/TESTE, PESSOAL)


    

LABORATÓRIO DE ACORDO COM AS EXIGÊNCIAS ISO/IEC 17025
ANÁLISES PARETO PARA CARACTERÍSTICAS DE DEFEITOS (INTERNOS/EXTERNOS) USO DE MÉTODOS PARA SANAR PROBLEMAS (8 – D – REPORT) ELIMINAÇÃO DOS DESVIOS DAS AMOSTRAS REVISÃO DAS ESPECIFICAÇÕES CONTROLE DE EFICIÊNCIA

Estratégia da Qualidade

94

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
6.3.5 – O PESSOAL É QUALIFICADO PARA AS RESPECTIVAS TAREFAS?

       

ASSISTÊNCIA AO CLIENTE
ENSAIO DO PRODUTO ARMAZENAMENTO/TRANSPORTE LOGÍSTICA ANÁLISE DE DEFEITOS PRODUTO/ESPECIFICAÇÕES/EXIGÊNCIA ESPECÍFICAS DO CLIENTE NORMAS/LEIS FABRICAÇÃO/UTILIZAÇÃO MÉTODOS DE AVALIAÇÃO (AUDITORIA, ESTATÍSTICA)


TÉCNICAS DE QUALIDADE (MÉTODO 8D, DIAGRAMA DE CAUSAS/EFEITO)
LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Estratégia da Qualidade

95

AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.3
6.3.6 – O PROCEDIMENTO DE COMPROVAÇÃO PARA PEÇAS D/TLD É AVALIADO ATRAVÉS DE AUDITORIAS INTERNAS REGULARES? 

PLANO DE AUDITORIA


 

TRATAMENTO DE TODOS OS ÍTENS DO CATÁLOGO DE EXIGÊNCIAS, FÓRMULA PARA CAPACIDADE Q OU SIMILAR
DEFINIÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS DE MELHORIA INCLUSÃO DE SUBFORNECEDORES

ARQUIVAMENTO MÍNIMO POR 15 ANOS

Estratégia da Qualidade

96

3. IDENTIFICAÇÃO DOS RECIPIENTES E A TROCA DE DADOS SATISFAZEM AS EXIGÊNCIAS DO CLIENTE?  ADEQUAÇÃO DE EMBALAGEM.7 – AS EMBALAGENS. LIMPEZA IDENTIFICAÇÃO CONFORME ESPECIFICAÇÕES DO CLIENTE (CARTA DE MATERIAL VDA 4902). FORRAÇÃO   ESTADO TÉCNICO (SISTEMAS DE FECHAMENTO/TRAVAMENTO).3 6. FIXAÇÃO. PLAUSIBILIDADE (CONTEÚDO DO CÓDIGO DE BARRAS)  POSIÇÃO DA IDENTIFICAÇÃO (BOLSA PARA CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO/SUPORTE).AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6. DANIFICAÇÃO (SEGURANÇA DO TRABALHOP). RETIRADA DE IDENTIFICAÇÕES SEM VALIDADE TRANSMISSÃO REMOTA DE DADOS (DFU PADRÃO VDA) CONFORME “ EDI – IMPLEMENTATION GUIDELINES”  Estratégia da Qualidade 97 .

3 CICLO DE AUDITORIA Cronograma (Auditor/Coordenador) Verificação da Eficácia das ações (Auditor) Preparação (Auditor) Supervisores Plano de Ação (Auditado) Reunião Abertura (Auditor e Auditado) Reunião Fechamento (Auditor e Auditado) Estratégia da Qualidade Realização (Auditor e Auditado) 98 .AUDITORIA DE PROCESSO VDA 6.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful