Você está na página 1de 3

GENILSON RIOS DE SOUZA

JULIANA OLIVEIRA PORTO


MARIANE CHAGAS SUZARTE

RESENHA DO TEXTO “ A PROBLEMATIZAÇÃO E A


APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS: DIFERENTES
TERMOS OU DIFERENTES CAMINHOS? ” DE NEUSI
APARECIDA NOVAS BERBEL

FEIRA DE SANTANA/ BA
2008
GENILSON RIOS DE SOUZA
JULIANA OLIVEIRA PORTO
MARIANE CHAGAS SUZARTE

RESENHA DO TEXTO “A PROBLEMATIZAÇÃO E A


APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS: DIFERENTES
TERMOS OU DIFERENTES CAMINHOS? ” DE NEUSI
APARECIDA NOVAS BERBEL

Trabalho apresentado à Faculdade Nobre (FAN) no


curso de Enfermagem como requisito parcial para
avaliação da disciplina Didática Aplicada à
Enfermagem, ministrada pela professora Dalva
Monalysa.

FEIRA DE SANTANA
2008
O texto apresenta duas importantes propostas metodológicas diferenciadas, a
Metodologia da Problematização e a Aprendizagem Baseada em Problemas. A
Metodologia da Problematização tem referência no Método do Arco de Charles
Maguerez e é uma opção do professor. Aqui são desenvolvidas cinco etapas que partem
da realidade que será problematizada pelos alunos, é uma metodologia de ensino, estudo
e trabalho. Porém seu ponto negativo é que nem sempre é uma a mais adequada para
certos temas de um programa de ensino. As etapas são trabalhadas da seguinte forma,
iniciando pela Observação da Realidade, pela orientação do professor, o aluno é quem
identifica os problemas, analisa e registra sistematizadamente sua percepção relacionada
ao tema proposto e não há controle total dos resultados em termos de conhecimento.
Através dessa análise identificará dificuldades, carências e outros detalhes que serão
problematizados e será feita uma síntese desta etapa. Em seguida, serão explanados os
problemas e questionamentos serão levantados, como análise de determinantes diretos e
indiretos, assim como dos fatores condicionantes para melhor compreensão e para a
busca de soluções. Teorização é a terceira etapa, partindo para pesquisa e investigação,
para então levantar hipóteses de solução e Aplicação à Realidade. Sendo que este
último, por vezes, torna-se inviável, pois o aluno não tem autonomia em empregar
mudanças drásticas diretamente no meio. O objetivo deste método é preparar o
estudante para a realidade, conscientizando-o e levando este individuo a atuar de forma
que condicione a sociedade a melhoras significativas. É preciso mudanças na postura do
professor e alunos para o tratamento reflexivo e crítico dos temas e flexibilidade de
local de estudo e aprendizagem. A Aprendizagem Baseada em Problemas é uma
metodologia que direciona uma organização curricular, é adotada por um corpo docente,
administrativo e acadêmico e tem uma seqüência de problemas a serem estudados, o
estudo é feito em biblioteca. Os objetivos cognitivos são previamente estabelecidos e os
construídos por estudantes deverão coincidir com os dos especialistas do Currículo. O
grupo inicia junto o conhecimento e discussão do problema e retorna depois para a
rediscussão no grupo tutorial, quando os estudos individuais já foram feitos. Dois
alunos recebem a denominação de coordenador e secretário, sendo que passam por
rodízio a cada sessão para que todos possam vivenciar esta responsabilidade e também é
estabelecida uma carga horária para o estudo do problema. Seguem sete etapas: Análise
geral do problema, Identificação, Formulação de hipóteses que expliquem os problemas,
Resumo de Hipóteses, Formulação de objetivos de aprendizado, Estudo individual dos
assuntos levantados nos objetivos de aprendizado, Retorno ao grupo tutorial para
rediscussão do problema frente aos novos conhecimentos adquiridos na fase de estudo
inicial. Há várias formas de avaliação dentro deste método, por módulo, avaliação
progressiva dos conhecimentos dos alunos, das habilidades esperadas em cada série e
avaliações informais onde se observam as atitudes dos alunos. Para gerenciamento
deste, requer comissões e os resultados destes estudos serão utilizados para resolver
problemas como o exercício intelectual e nas práticas de laboratório e/ou com pacientes.
Essa metodologia necessita de grandes alterações materiais e físicas do meio, diferente
da Metodologia da Problematização onde as mudanças mais significativas são feitas na
programação da Disciplina.