Você está na página 1de 4

REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO

Fernanda Fragoso Professora Enfermeira

DECÁLOGO DOS DIREITOS E DEVERES DO INSTRUMENTADOR

Conjunto de dez leis ou princípios filosóficos, morais, políticos, etc.

DECÁLOGO DOS DIREITOS DO INSTRUMENTADOR

1. Que seja dona absoluta da mesa do instrumental.

2. Que lhe peçam os instrumentos com precisão.

3. Que não lhe modifiquem a técnica padronizada.

4. Que lhe permitam o tempo necessário para sincronizar ações manuais.

5. Que não lhe peçam vários instrumentos ao mesmo tempo, o cirurgião e o primeiro auxiliar.

6. Que não lhe invadam a liberdade de tomar os instrumentos de sua mesa, seja o cirurgião ou os ajudantes.

7. Que não perturbe sua tranquilidade com expressões chocantes.

8. Que não precipitem os pedidos do instrumental.

9. Que requeira do cirurgião ordem e métodos ajustados às ações manuais interdependentes.

10. Que exija o perfeito estado do material de sutura e dos instrumentos de diérese, hemostasia e síntese, entregues pela enfermagem da sala de operação.

DECÁLOGO DOS DEVERES DO INSTRUMENTADOR

1. Conhecer os instrumentos pelos nomes próprios e não esquecer de colocar em sua mesa aqueles necessários, seguro a operação a efetuar-se;

2. Manter assepsia rigorosa e ter pronto todo material de diérese, de síntese e de hemostasia;

3. Diligência e ajuste de ações manuais.

4. Ordem e método na arrumação do instrumental.

5. Limpeza e acomodação do instrumental usado, quando o cirurgião o deixa manchado de sangue.

6. Entregar o instrumento com presteza, ao pedido verbal do cirurgião, colocando-o na mão em forma, modo e precisão exatas para imediato uso, sem que ele tenha que reacomodá-lo em sua mão, ao utilizá-lo.

7. Entregar sucessivamente que, por sinais manuais possa fazer o cirurgião, de modo que o ato operatório se faça silencioso e admirável.

8. Entregar sucessivamente os instrumentos sem que os peçam, quando o cirurgião realiza, em tempo padronizado uma sucessão de atos operatórios invariáveis.

9. Sincronizar tempos e ações manuais com o cirurgião e o primeiro ajudante, segundo técnicas e detalhes bem estudados.

10. Deve guardar um silêncio absoluto.

• http://www.anic.com.br/anic/index.php?option=com_content&view=article&id=72 &Itemid=108 CÓDIGO DE ÉTICA

CÓDIGO DE ÉTICA Conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade.

Foi criado pela Anic em 26 de setembro de 1986. Código aprovado em Assembleia Geral Ordinária da ANIC São Paulo, no dia 26 de Setembro de 1986.

CÓDIGO DE ÉTICA DO INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO

Art. 1º. O Instrumentador Cirúrgico defenderá com todas as suas forças e em todas as circunstâncias o direito fundamental da vida humana.

Art. 2º.O Instrumentador Cirúrgico dedicará atenção especial ao doente, prescindindo de raça, nacionalidade e religião.

Art. 3º. O Instrumentador Cirúrgico procurará familiarizar-se com os vários aspectos organizacionais e administrativos do hospital e com dinâmica do bloco operatório, objetivando uma integração adequada no seu ambiente de trabalho.

Art. 4º. O Instrumentador Cirúrgico, ciente de que o desempenho de sua função requer formação aprimorada, procurará ampliar e atualizar seus conhecimentos técnicos, científicos e do desenvolvimento da própria profissão.

Art. 5º. O Instrumentador Cirúrgico executará com rigor e presteza as orientações do cirurgião, com vistas ao pleno sucesso do ato cirúrgico.

Art. 6º. O Instrumentador Cirúrgico, evitará abandonar o paciente em meio ao ato operatório sem causa justa e sem garantia de solução de continuidade de sua atividade.

Art. 7º.O Instrumentador Cirúrgico negará sua participação em pesquisas que violem os direitos inalienáveis da pessoa humana.

Art. 8º. O Instrumentador Cirúrgico procurará manter relações cordiais, espírito de colaboração e integração com todos os membros da equipe cirúrgica.

Art. 9º. O Instrumentador Cirúrgico guardará segredo sobre fatos que tenha conhecimento no exercício de sua profissão.

Art. 10. O Instrumentador Cirúrgico fará valer seu direito, à remuneração compatível com o trabalho realizado e com dignidade da profissão.

Art. 11. O Instrumentador Cirúrgico colocará seus serviços profissionais à disposição da comunidade em casos de urgência, independentemente de qualquer proveito pessoal.

urgência, independentemente de qualquer proveito pessoal. É uma sociedade representativa feita por Instrumentadores

É uma sociedade representativa feita por Instrumentadores para Instrumentadores Cirúrgicos. São Paulo SP Regiane Gama Xavier Presidente SFIC

OBJETIVO

Unificar profissionais de instrumentação cirúrgica,

Conquistar seu reconhecimento no mercado de trabalho,

Promover cursos integrados com qualificação e atualidades ,

Ter um registro único nível nacional que permitira a conquistas após o processo de regulamentação a valorização salarial, direitos e deveres.

MISSÃO

Oferecer excelência de qualidade no âmbito da capacitação,integração profissionais de forma atuante e selar a integração entre equipes médicas, equipes enfermagem e com empresas hospitalares. Para que a Sociedade seja forte é necessário que todos os alunos de todas as escolas e os profissionais formados se empenhem na valorização da instituição e participem de forma ativa projetos .

O que permitira interesse direto de empresas direcionadas área hospitalar , sociedades

médicas e convênios médicos

A integração, participação e o interesse pelo bem comum tornará a SFIC uma

instituição reconhecida.

Regulamentação da profissão de Instrumentador Cirúrgico

O Projeto Lei 642/07 de 22 de março de 2007, da autoria do deputado George Hilton,

esta em tramitação na Câmara dos Deputados, sendo aprovada em 30/06/2010 em caráter “conclusivo”e visa regulamentação da profissão de instrumentador cirúrgico no Brasil.

CARÁTER CONCLUSIVO

O projeto que tramita em caráter conclusivo não precisa ser votado pelo Plenário para

que seja considerado aprovado pela Câmara, mas apenas aprovado pelas comissões designadas para analisá-lo. Mesmo aprovado pelas comissões, houver recurso de 51 deputados (10%) para que

ele seja votado em Plenário. CONCLUSÃO

A instrumentação cirúrgica é uma profissão com inúmeras publicações normativas e

um código de ética. Todos objetivam delimitar essa profissão, essencial para a condução dos trabalhos da equipe cirúrgica, que tem como fim comum oferecer o melhor procedimento a quem mais

interessa, o paciente. Para quem almeja o cargo de instrumentador (a) cirúrgico (a) o JURAMENTO DO INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO que contribuirá para o correto exercício da atividade.