Você está na página 1de 4

CASO 01

Maria Paula, bacharel em ciências econômica, toma conhecimento do


concurso para o provimento do cargo de Auditor de Tributos do Município
de Bela Nova. Segundo o edital do referido certame, o concurso seria
composto de 4 (quatro fases), a saber: a) prova objetiva; b) prova subjetiva;
c) avaliação psicológica, e d) prova de títulos.

Uma vez inscrita, Maria Paula dedicou-se por completo a seus estudos até
a data de véspera da primeira fase do certame. Ao dia 22-10-15, foi
publicado no diário oficial o resultado da prova objetiva, sendo que Maria
Paula ficou como 1ª colocada no raking, o qual previa a convocação dos 5
primeiros candidatos. Após a realização da prova subjetiva, conforme
resultado divulgado em 10-01-16, Maria Paula continuou ocupando o topo
da referida colocação, habilitando-se à etapa posterior do certame.

Marcada a avaliação psicológica, a candidata se fez presente na data e no


horário marcado, realizando os testes psicotécnicos com profissional da
área devidamente cadastrado no Conselho Federal de Psicologia.

Ao dia 17-06-16, a Administração Pública Municipal, mediante carta,


informa a candidata que ela não foi aprovada no referido teste
psicológico, uma vez que o resultado da avaliação atestou que a mesma
não apresenta o perfil psicotécnico necessário para o cargo. Informou,
ainda, que a exigibilidade do teste era embasada no Regimento Interno da
Administração Municipal e que, não há, in casu, direito ao recurso.

Devastada com a notícia, Maria Paula inicia um longo tratamento


psicológico a fim de descobrir as razões da sua inabilitação para ocupar o
referido cargo, realizando diversos dispêndios financeiros nesse período.

No entanto, em 16-09-16, ao conversar com um antigo colega da


faculdade, Maria Paula toma conhecimento dos seus serviços na área de
advocacia contra o Poder Público e resolve procurá-lo, em seu escritório,
no dia 17-09-16.

Com base na situação narrada e levando-se em conta que Maria Paula


pleiteia, além do prosseguimento nas etapas posteriores do certame, a
reparação dos danos morais e materiais, redija a peça processual que
atenda de forma mais célere os seus interesses.

-----------------------------
CASO 02

Com base na situação hipotética acima narrada, imagine que após o


devido recebimento da peça processual cabível, o Juiz competente tenha
julgado o feito extinto com resolução do mérito por entender não cabe ao
Poder Judiciário revisar os critérios adotados pelo Poder Público para
selecionar seus servidores. Diante disso, elabore a peça processual
adequada.

-----------------------------

CASO 03

Utilizando-se da situação narrada no caso 01, imagine que sua cliente,


Maria Paula, resolva abdicar do pedido de cunho indenizatório por
entender que os mesmos não são por ela desejados, a peça processual
cabível continuaria sendo a mesma?

-----------------------------

CASO 04

Murilo, servidor efetivo da Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,


ocupa o cargo de motorista no referido ente administrativo. Dentre a suas
responsabilidades, estão incluídas a de fornecer informações acerca das
condições dos veículos: desgaste de peças, possíveis avalias, data de
vencimento de extintores, etc.

Ao dia 22-04-08, Murilo informa ao setor de manutenção e reparos que o


automóvel de modelo Uno, placa KGT 1111, estava apresentando mal
funcionamento dos freios, razão pela qual devia ser imediatamente
encaminhado para a oficina. É o que ficou registrado no memorando n.º
12/16 .

No entanto, por questões financeiras, o gerente do IBGE entendeu que o


carro poderia realizar mais algumas viagens antes de concretizados os
mencionados reparos, tendo em vista que a Administração Pública deve
prezar pela eficiência.

Em 29-04-08, Murilo foi designado para realizar viagem até município


vizinho, o veículo utilizado foi o Uno de placa KGT 1111. Durante o início da
viagem, o veículo apresentou perfeito funcionamento, inclusive de suas
pastilhas freio. Contudo, ao chegar na cidade de destino, os referidos
freios falharam no instante em que o carro deveria parar no sinal de um
cruzamento, vindo a colidir com outros 3 (três) veículos, causando
diversos danos.

Os proprietários dos veículos danificados ingressaram com ação


indenizatória em face da referida Fundação Pública Federal. Em 06-09-
2011, a sentença que condenou o referido órgão à indenizar as vitimas do
acidente causado por um dos seus agentes transitou em julgado.

Em 17-09-2016, Murilo é devidamente citado por ação regressiva que é


movida pelo IBGE a fim de que o mesmo seja responsabilizado pelo
evento outrora narrado. Na figura de advogado de Murilo, redija a peça
processual cabível.

-----------------------

CASO 05

No Município de Taquara Rachada, Estado do Madeiral, o Prefeito


Municipal em exercício, Sr. Eufrázio das Neves, utilizando-se de dinheiro
público, desenvolve intensa campanha de propaganda de obras, serviços
e programas da Administração Pública, através da imprensa local, falada e
escrita, com evidente propósito de promoção pessoal. Você é procurado
por vários munícipes para que adote, urgentemente, as medidas legais
cabíveis, objetivando a defesa dos cofres públicos e a probidade da
conduta do administrador público. Tendo em vista o ordenamento jurídico
vigente, elabore a peça profissional mais adequada ao equacionamento
do problema que lhe foi apresentado, indicando seus fundamentos na lei,
doutrina e jurisprudência.

--------------------

CASO 06

Maria ingressou na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) em


1985 e ocupou cargo para o qual se exigia, como grau de escolaridade, o
ensino médio. Em 1993, ela e outros na mesma situação ascenderam, sem
concurso público, a cargos de nível superior. Em 1999, essas ascensões
funcionais foram apreciadas e aprovadas pelo Tribunal de Contas da
União (TCU). Entretanto, em 2015, devido a denúncias de irregularidades
em processos de ascensão funcional de cargos de nível médio a cargos de
nível superior, o TCU realizou auditoria e constatou as irregularidades. Em
abril de 2016, sem sequer ter sido notificada, Maria teve sua ascensão
funcional anulada pelo TCU, por meio da publicação do Acórdão n.
XXX/2009. Considerando a situação hipotética acima apresentada, na
qualidade de advogado(a) contratado(a) por Maria, redija a peça jurídica
mais adequada ao caso, atentando, necessariamente, para os seguintes
aspectos: competência do órgão julgador; legitimidade ativa e passiva;
argumentos a favor de Maria; requisitos formais da peça judicial proposta.

---------------------

CASO 07

Em janeiro de 2006, o Ministério Público abre inquérito civil para checar


atos de improbidade administrativa realizados pelo prefeito de Mar Azul,
município situado no interior do Estado X.

Esses atos de improbidade consistiriam na auferição de vantagens


patrimoniais indevidas em razão do exercício do cargo e envolveriam
atuações do próprio prefeito e do chefe do gabinete civil. No curso das
investigações procedidas, ficou confirmado que o chefe do gabinete civil
recebeu vantagem econômica, em dinheiro, de vários empreiteiros que
contratavam com o poder público. Ficou apurado, também, que algumas
pessoas chegaram a informar ao prefeito essa conduta de seu chefe do
gabinete civil.

Entretanto, o prefeito não tomou providências, sempre dizendo às


pessoas que realizavam as denúncias que confiava na atuação de seu
secretário. Ainda na parte da apuração, para efeitos da justa causa voltada
ao ajuizamento da ação civil pública de improbidade, ficou comprovado o
aumento patrimonial do chefe do gabinete civil, desproporcional aos seus
ganhos, mas não o do prefeito.

Com isso, já agora em janeiro de 2011, o Ministério Público ajuíza ação de


improbidade em face do prefeito e de seu chefe de gabinete, fazendo
menção a todos os atos de improbidade – o último teria se dado em
dezembro de 2004, ano em que expirava o mandato do Prefeito –,
representativos da afronta ao art. 9º, inciso I, da Lei n. 8.429/92.

Em sua peça, bem instruída com o inquérito civil, o Ministério Público


menciona conduta comissiva do chefe de gabinete do prefeito e omissiva
deste último, caracterizadora de desídia, a se enquadrar na ideia de
negligência com o interesse público.

Após devida notificação e apresentação das informações, o juiz da vara


fazendária de Mar Azul determina o recebimento da ação de improbidade.

Com base nisso, componha a peça adequada.