Você está na página 1de 48

CONHEÇA O PERFIL DO

ENGENHEIRO PARA O
MERCADO DE TRABALHO
O engenheiro definitivamente é o profissional responsável pelo progresso de nossa
sociedade. Não se pode imaginar a vida sem carros, aviões, navios, celulares,
computadores, internet... Observem ao redor e verifiquem que a maioria das coisas que
utilizamos em nosso dia a dia é fruto de soluções de Engenharia.

O progresso trouxe a reboque mais uma revolução, a revolução tecnológica, que veio para
alterar drasticamente a nossa forma de ver, viver e nos relacionar. O mundo não tem mais
fronteiras, as telecomunicações venceram as barreiras da distância, as ferramentas
computacionais nos ajudaram a vencer as limitações humanas nas tarefas repetitivas da
solução de problemas. Os ajuntamentos e as relações sociais se tornaram virtuais, e as
relações de trabalho abrem-se para as atividades à distância.

Li, certa vez, em uma determinada pesquisa científica, que o conhecimento científico que
temos sobre Engenharia evolui num ritmo assombroso, duplicando a cada 10 anos. Dessa
maneira, quem pretende se tornar um engenheiro tem que entender o que a sociedade
espera desse profissional e, principalmente, que competências o mercado de trabalho
exige para o exercício da profissão nesse contexto dinâmico e contingente. Abaixo, segue
uma listagem das habilidades, competências e atitudes necessárias ao exercício da
profissão de engenheiro, segundo um artigo elaborado por R. S. Ferreira, sendo
características que o aluno deve buscar, desenvolver e exercitar para ser um profissional
desejado pelas empresas:

•Ser portador de conhecimentos sólidos das ciências básicas, para a compreensão das
novas tecnologias;

•Ser capaz de atuar em equipes multidisciplinares, envolvendo especialistas tanto das


ciências básicas quanto das ciências aplicadas;

•Estar convencido da realidade da educação continuada para acompanhar a dinâmica das


novas tecnologias;

•Ser capaz de projetar e conduzir experimentos e, com visão científica, analisar e


interpretar resultados;

•Estar convencido da importância de atuar profissionalmente com responsabilidade e


dentro da ética;

•Ser capaz de se comunicar efetivamente nas modalidades oral e escrita;


•Ser capaz de entender o impacto das soluções de Engenharia no contexto
socioambiental;

•Ser capaz de integrar conhecimentos técnico-científicos no sentido da inovação e da


solução dos problemas tecnológicos;

•Ter a iniciativa de fazer e de realizar na prática;

•Ter tido a oportunidade de convivência em um ambiente científico e tecnológico;

•Ser capaz de utilizar a informática como instrumento do exercício da engenharia;

•Ser capaz de analisar criticamente os modelos empregados tanto no estudo como na


prática da Engenharia;

•Ser capaz de gerenciar e operar sistemas complexos de Engenharia;

•Ter a oportunidade de aprender sozinho e, com isso, executar sua capacidade criativa;

•Ter tido a oportunidade de exercitar seu espírito empreendedor.

Particularmente, eu destaco que você, nosso engenheiro em formação, deve desenvolver


a ética, o relacionamento interpessoal, a capacidade de desenvolver projetos, o falar em
público e, principalmente, motivar-se para o estudo, para desenvolver sua capacidade de
aprender.

Prof. Emannuel J. Fernandes


Coordenador Acadêmico do Curso de Engenharia Elétrica

Mais artigos
Abrir negociações é tão importante quanto fechar negócios
Exigência de titulação acadêmica para contratação de profissionais de mercado: Um
enorme equívoco
O Facebook e a formação continuada dos profissionais
Principais Dificuldades de um Arquiteto sem Renome ou Iniciante
O buraco é mais em cima.
Arquiteto ou Engenheiro?
Tempo integral
Metáfora futebolística - A preparação física
21 dicas para uma vida bem sucedida na arquitetura
Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto depois da
prestação do serviço
Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a
execução do serviço
Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a
negociação do serviço
Indicadores de desempenho nos escritórios de arquitetura e de engenharia
Como ser um engenheiro civil de sucesso.
Se o seu escritório fosse um time de futebol, em qual divisão ele estaria jogando?
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro : Profissionais que transformam sonhos em
realidade
O buraco é mais em cima.
E o que faz o profissional da arquitetura de TI?
Conheça o perfil do Engenheiro para o mercado de trabalho
Como estar preparado para o primeiro contato com o cliente?
A importância da Engenharia para a sociedade e para o Brasil do século XXI.
Qual a importância do arquiteto?
Como Se Tornar um Arquiteto
Crise. Segundo Einstein.
Engenheiro ou arquiteto, qual devo contratar para o projeto de casa
Possibilidades na carreira para arquitetos
Por que é tão difícil?
Os 10 mandamentos de marketing para engenheiros e arquitetos
Quem é o engenheiro civil?
Tempo integral
Dicas para desenvolvimento profissional
Cliente e arquiteto: os dois lados da moeda
A delicada relação cliente-arquiteto
Carta a um calouro (de arquitetura ou de engenharia)
A Profissão de Arquiteto
O que é Engenharia de Software?
Tabela de Honorários
Como e quanto os arquitetos cobram pelo seu trabalho?
Arquiteto, designer e decorador: sem preconceitos
Vantagens de estar desempregado (ou não) durante a seleção
Sucesso + Engenharia = Realizaçao profissional
6 ideias que podem mudar sua sina na entrevista de emprego
A responsabilidade profissional e o ser humano
O Mito da Criatividade em Arquitetura
Vantagens da Contratação de um Profissional Especializado
Diferença entre Arquiteto, engenheiro civil e designer de interiores
7 aspectos para começar e construir uma carreira em arquitetura ou design .
Quer ser um engenheiro de sucesso? Seja um engenheiro criativo.
O caminho de volta
O valor do profissional brasileiro
Contratação por projeto executivo define a obra
Inteligência Emocional: Conheça características do líder moderno
A importância do Planejamento no Papel
Atribuições do arquiteto
Lelé: cidades como São Paulo são Frankensteins.
Engenharia Nacional e a Competitividade Brasileira
A corrupção e a garantia quinquenal de obras
Como ser um empreendedor de sucesso
Sociedade entre Arquitetos: A construção em grupos de pesquisa e preço
competitivo no mercado da construção
Trabalhar em casa: um bom negócio
Trabalho em equipe, 10 dicas para que isso aconteça.
Promiscuidade entre estado e governo: o vórtice do mal.
O “irresponsável técnico” da engenharia, arquitetura e construção
Arquitetos voltados a Decoração
2.012 – Importante ano para as Entidades de Classe do Sistema Confea/CREAs
Como produzir (provocar) a propaganda boca-a-boca
Os arquitetos e as cidades
Por que é que a gente é assim?
Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Construção do 3º milênio
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
O arquiteto como administrador de obras: vamos unir o útil ao agradável!
A falta de planejamento das pequenas empresas na construção civil
As previsões de Nostradamus, e a vergonha da Copa de 2014?
Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras
Arquitetos de Cozinha
Conselho de Arquitetura e Urbanismo foi aprovado. O que muda?
O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem
mercadológica - 3ª parte
O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem
mercadológica - 2ª parte
O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem
mercadológica - 1ª parte
Sociedade entre Arquitetos: A união, normalmente, faz a força!
Arquiteto ou arquiteta? Quem é melhor?
O Brasil é um país de oportunidades para engenheiros...
Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação!
Final.
Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! -
1ª parte.
O desabafo de um arquiteto
Relação arquiteto e cliente: um jogo de xadrez deveras complicado!
Lei federal exige específicamente a ART de orçamento
O principal documento para o trabalhador, não tem segunda via.
Orçamentos estimativos sem identificação de autoria pode anular licitação pública.
Licitação por pregão : Carta aberta ao Senador Eduardo Suplicy
Irrigar a economia real sem custos extras
Relacionamento Entidade de Classe x Prefeitura... Parceria, Guerra ou Indiferença...
Resistência dos Materiais - Treliça Hipostática
Proposta de Política Industrial para a Construção Civil
Crises e Oportunidades
O TAC no contexto do direito ambiental
Vai montar seu canteiro de obras? Atente para alguns detalhes da norma
Maquete eletrônica – parte 1
Segurança em trabalhos com eletricidade
Como ter segurança em trabalhos com eletricidade
Em busca do tempo perdido
Antoni Gaudí, um arquiteto sonhador?! (Barcelona, 1852-1926)
Arquitetura Antroposófica: as artes plásticas e o desenvolvimento da alma humana
Os CREAs e o IPTU que as Prefeituras querem cobrar...
Zaha Hadid – uma arquiteta orgânica. Gosta de construir descontruindo.
É preciso recompor a arquitetura e a engenharia brasileiras
Quem tem medo de Oscar Niemeyer?
A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade
O verdadeiro papel das entidades de classe.
Relação aberta, gol na certa!
O uso da medida grado na Geometria e a Historia Militar Brasileira - Aspectos de
unidades de medida
Maquetes Eletrônicas
Eu compro imóvel na planta
Engenharia de Avaliações
Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário
Obras e serviços de Engenharia não podem ser licitados por pregão !
Supersimples na construção civil: vale a pena aderir?
Proposta de projeto : a difícil negociação entre o arquiteto e o cliente,
A importância de contratar um Arquiteto e como proceder
Dúvidas mais comuns em relação ao registro de empresas no CREA-SP
Enigma estrutural: Teste estático versus teste dinâmico, ou Como Testar Uma Laje
de Salão de Baile
O livro sagrado da Engenharia -- Surpresa! não é aquele que você está pensando.
Pensamentos da Engenharia
Imóvel, alternativa de aposentadoria
Honorários de engenharia : Como é difícil receber !!!
A.R.T. - Acervo e defesa do profissional
Orientação de um velho Engenheiro de Barbas Brancas a um jovem engenheirando
sobre um estágio de férias
Aspectos matemáticos e humanos da corrente da felicidade
Invista no Arquiteto!
São Paulo, um gigantesco campo de trabalho para a Arquitetura
Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis
Espanhol cresce como ferramenta de trabalho!
Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)
Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)
Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)

Conheça o perfil do Engenheiro para o mercado de


trabalho

O engenheiro definitivamente é o profissional responsável pelo progresso de nossa


sociedade. Não se pode imaginar a vida sem carros, aviões, navios, celulares,
computadores, internet… Observem ao redor e verifiquem que a maioria das coisas
que utilizamos em nosso dia a dia é fruto de soluções de Engenharia.
O progresso trouxe a reboque mais uma revolução, a revolução tecnológica, que
veio para alterar drasticamente a nossa forma de ver, viver e nos relacionar. O
mundo não tem mais fronteiras, as telecomunicações venceram as barreiras da
distância, as ferramentas computacionais nos ajudaram a vencer as limitações
humanas nas tarefas repetitivas da solução de problemas. Os ajuntamentos e as
relações sociais se tornaram virtuais, e as relações de trabalho abrem-se para as
atividades à distância.

Li, certa vez, em uma determinada pesquisa científica, que o conhecimento


científico que temos sobre Engenharia evolui num ritmo assombroso, duplicando a
cada 10 anos.

Dessa maneira, quem pretende se tornar um engenheiro tem que entender o que a
sociedade espera desse profissional e, principalmente, que competências o mercado
de trabalho exige para o exercício da profissão nesse contexto dinâmico e
contingente.

Abaixo, segue uma listagem das habilidades, competências e atitudes necessárias


ao exercício da profissão de engenheiro, segundo um artigo elaborado por R. S.
Ferreira, sendo características que o interessado deve buscar, desenvolver e
exercitar para ser um profissional desejado pelas empresas:
• Ser portador de conhecimentos sólidos das ciências básicas, para a compreensão
das novas tecnologias;

• Ser capaz de atuar em equipes multidisciplinares, envolvendo especialistas tanto


das ciências básicas quanto das ciências aplicadas;

• Estar convencido da realidade da educação continuada para acompanhar a


dinâmica das novas tecnologias;

• Ser capaz de projetar e conduzir experimentos e, com visão científica, analisar e


interpretar resultados;

• Estar convencido da importância de atuar profissionalmente com responsabilidade


e dentro da ética;

• Ser capaz de se comunicar efetivamente nas modalidades oral e escrita;

• Ser capaz de entender o impacto das soluções de Engenharia no contexto


socioambiental;

• Ser capaz de integrar conhecimentos técnico-científicos no sentido da inovação e


da solução dos problemas tecnológicos;

• Ter a iniciativa de fazer e de realizar na prática;

• Ter tido a oportunidade de convivência em um ambiente científico e tecnológico;

• Ser capaz de utilizar a informática como instrumento do exercício da engenharia;

• Ser capaz de analisar criticamente os modelos empregados tanto no estudo como


na prática da Engenharia;

• Ser capaz de gerenciar e operar sistemas complexos de Engenharia;

• Ter a oportunidade de aprender sozinho e, com isso, executar sua capacidade


criativa;

• Ter tido a oportunidade de exercitar seu espírito empreendedor.

Particularmente, eu destaco que você, nosso engenheiro em formação, deve


desenvolver a ética, o relacionamento interpessoal, a capacidade de desenvolver
projetos, o falar em público e, principalmente, motivar-se para o estudo, para
desenvolver sua capacidade de aprender.

Prof. Emannuel J. Fernandes, Coordenador Acadêmico do Curso de


Engenharia Elétrica (fanor.edu.br)
Perfil Engenheiro
Sanitarista e Ambiental
O profissional em Engenharia Sanitária e Ambiental deve ter capacidade
de desenvolver ações de diagnóstico e caracterização do Meio Ambiente,
de monitoramento e de controle de qualidade ambiental, além de planejar e
projetar ações e obras adequadas ao meio físico e sócio-ambiental, com
ênfase no saneamento ambiental. Estas ações estão baseadas no conceito
de desenvolvimento sustentável, no qual os recursos naturais são o suporte
para o futuro do planeta.

O Engenheiro Sanitarista e Ambiental, consciente de sua


responsabilidade profissional e social, tem sua atuação profissional
compromissada com o equilíbrio entre desenvolvimento sócio-econômico e a
manutenção das adequadas condições do Meio Ambiente, utilizando-se da
tecnologia adquirida, em prol do desenvolvimento da sociedade em que vive.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Considerando o perfil desejado para o engenheiro sanitarista e ambiental,


o formando deverá desenvolver as seguintes competências e habilidades
para o exercício das suas atividades profissionais:

a) aplicar os conhecimentos tradicionais da matemática, da química e


das ciências físicas e biológicas aliados às técnicas e ferramentas modernas
para o desempenho das atribuições profissionais da engenharia modalidade
civil;

b) projetar e conduzir experimentos, assim como analisar e


interpretar resultados;

c) projetar e executar sistemas, componentes e processos que os


constituem, bem como outras atividades pertinentes de sua profissão;

d) atuar em equipes multidisciplinares;

e) diagnosticar, apresentar e executar soluções aos problemas de engenharia


e de meio ambiente;

f) compreensão da ética e responsabilidade profissional;


g) comunicar-se efetivamente em suas diversas formas;

h) entender o impacto das soluções da engenharia no contexto


socioeconômico e ambiental;

i) engajar-se no processo de aprendizagem permanente;

j) capacidade de pensamento sistêmico;

k) elaborar e executar planejamento ambiental de territórios.

Perfil Engenheiro
Sanitarista e Ambiental
O profissional em Engenharia Sanitária e Ambiental deve ter capacidade
de desenvolver ações de diagnóstico e caracterização do Meio Ambiente,
de monitoramento e de controle de qualidade ambiental, além de planejar e
projetar ações e obras adequadas ao meio físico e sócio-ambiental, com
ênfase no saneamento ambiental. Estas ações estão baseadas no conceito
de desenvolvimento sustentável, no qual os recursos naturais são o suporte
para o futuro do planeta.

O Engenheiro Sanitarista e Ambiental, consciente de sua


responsabilidade profissional e social, tem sua atuação profissional
compromissada com o equilíbrio entre desenvolvimento sócio-econômico e a
manutenção das adequadas condições do Meio Ambiente, utilizando-se da
tecnologia adquirida, em prol do desenvolvimento da sociedade em que vive.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Considerando o perfil desejado para o engenheiro sanitarista e ambiental,


o formando deverá desenvolver as seguintes competências e habilidades
para o exercício das suas atividades profissionais:

a) aplicar os conhecimentos tradicionais da matemática, da química e


das ciências físicas e biológicas aliados às técnicas e ferramentas modernas
para o desempenho das atribuições profissionais da engenharia modalidade
civil;

b) projetar e conduzir experimentos, assim como analisar e


interpretar resultados;

c) projetar e executar sistemas, componentes e processos que os


constituem, bem como outras atividades pertinentes de sua profissão;

d) atuar em equipes multidisciplinares;

e) diagnosticar, apresentar e executar soluções aos problemas de engenharia


e de meio ambiente;

f) compreensão da ética e responsabilidade profissional;

g) comunicar-se efetivamente em suas diversas formas;


h) entender o impacto das soluções da engenharia no contexto
socioeconômico e ambiental;

i) engajar-se no processo de aprendizagem permanente;

j) capacidade de pensamento sistêmico;

k) elaborar e executar planejamento ambiental de territórios.

A FUNÇÃO SOCIAL DO ENGENHEIRO


1. 1. A FUNÇÃO SOCIAL DO ENGENHEIRO ORIENTAÇÃO
PROFISSIONAL ACTIVIDADE #3 MSC. HENRY RAÚL GONZÁLEZ
BRITO
2. 2. CONTEÚDO • Actividades fundamentais do engenheiro. • O
engenheiro socialmente responsável. • Vantagem para a prática de
responsabilidade social. • Como mostrar os resultados da
responsabilidade social produzidos por sua empresa.
3. 3. OBJETIVO • Caracterizar a relação que existe entre o engenheiro
e a sociedade.
4. 4. BIBLIOGRAFÍA • A Resposabilidad Social na Formação de
Engenharios, Marco Aurélio Cremasco. • Engenharia, Uma Breve
introdução. • ProDoc - ANEXO II.2 PROJECTO CURRICULAR DO
CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES
5. 5. ACTIVIDADES DOS ENGENHEIROS • Engenheiros Pesquisadores
• Engenheiros de Desenvolvimento • Engenheiros Projetistas •
Engenheiros de Produção • Engenheiros de Operação •
Engenheiros de Vendas • Engenheiros de Gestão • Engenheiros
Consultores • Engenheiros Professores
6. 6. ACTIVIDADES DO ENGENHEIRO Operaciones Tipo Pesquisa
Mestresy doutores Engenheiros recém formados Desenvolvimento
Projeto Produção Construção Operação Vendas Gerenciamento
Maior experiência
7. 7. Em pesquisa realizada pela Revista Veja (Weinberg, 2003),
encontra-se que o recrutador, na hora da contratação de um
profissional, quer saber se este apresenta criatividade, espírito de
liderança, iniciativa, capacidade de trabalhar em grupo, equilíbrio
para lidar com a adversidade.
8. 8. PRODOC - ANEXO II.2 PROJECTO CURRICULAR DO CURSO DE
ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES Em consonância com o
nível actual de desenvolvimento das telecomunicações, com as
necessidades do mercado de trabalho e da sociedade angolana,
foram definidas as competências profissionais esperadas dos
graduados dos cursos de bacharelato e de licenciatura em
Engenharia de Telecomunicações do ISUTIC.
9. 9. COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DOS BACHARÉIS • Capacidade
de especificar, instalar, operar, efectuar medições e testes e dar
manutenção. • Capacidade de participar da gestão de
empreendimentos e projectos. • Capacidade de participar da
gestão de recursos humanos. • Capacidade de actuar como
docente no subsistema de ensino médio.
10. 10. COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DOS LICENCIADOS •
Capacidade de especificar, instalar, operar, efectuar medições e
testes, dar manutenção, projectar e desenvolver. • Capacidade de
gerir empreendimentos e projectos. • Capacidade de gerir recursos
humanos. • Capacidade de actuar como docente nos subsistemas
de ensino médio e superior. • Capacidade de dar seqüência à sua
formação, encetando novos estudos em nível de pós-graduação.
11. 11. RESPONSÁVEL • Que responde pelos próprios atos ou pelos de
outrem: • Que responde legal ou moralmente pela vida, pelo bem-
estar, etc., de alguém: • Que tem noção exata de responsabilidade;
que se responsabiliza pelos seus atos; que não é irresponsável: •
Que dá lugar a, que é causa de (algo)
12. 12. O ENGENHEIRO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL • A consciência
de que ações pessoais, técnicas e gerenciais afetam a vida das
pessoas e do meio que as cerca (direta e indiretamente). •
Desenvolvimento e aprimoramento de valores morais, pois somente
a determinação das pessoas de agir com ética pode garantir o
comportamento ético de uma organização. • Conhecimento da Lei
(trabalhista, ambiental) e de normas reguladoras (IS0s 9000 e
14000, SA8000). • Envolvimento pró-ativo na comunidade, usando
ou não, as suas habilidades técnicas.
13. 13. O ENGENHEIRO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL
14. 14. RESPONSABILIDADE ECONÔMICA A sociedade espera que o
profissional receba o que é justo.
15. 15. RESPONSABILIDADE TÉCNICA A sociedade espera que o
profissional seja capacitado a absorver e desenvolver novas
tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na
identificação e resolução de problemas.
16. 16. RESPONSABILIDADE LEGAL A sociedade espera que as
atividades desse profissional produzam serviços (processos e/ou
produtos) que tenham padrões de segurança e obedeçam as leis
trabalhistas, ambientais estabelecidas.
17. 17. RESPONSABILIDADE ÉTICA A sociedade espera que as tomadas
de decisões por parte desse profissional seja resultados da análise
e reflexão, honrando o direito dos outros.
18. 18. RESPONSABILIDADE SOCIAL A sociedade espera que esse
profissional, enquanto dotado de decisão estratégica na empresa,
faça-a contribuir com recursos para a comunidade, visando a
melhoria da qualidade de vida.
19. 19. VANTAGEM PARA A PRÁTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL •
Fortalecimento da marca e da imagem corporativa. • Fidelidade
pela marca. • Aumento da carteira de clientes. • Envolvimento dos
funcionários. • Criação de parceiras
20. 20. COMO MOSTRAR OS RESULTADOS DA RESPONSABILIDADE
SOCIAL PRODUZIDOS POR SUA EMPRESA. • Evolução do emprego.
• Relaçoes profissionales. • Formaçao profissional. • Treinamentos.
• Condições de higiene e segurança. • Proteçao ao meio ambiente.
21. 21. CONCLUSÕES • Qual é a função social do engenheiro?
22. 22. O ENGENHEIRO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL • A consciência
de que ações pessoais, técnicas e gerenciais afetam a vida das
pessoas e do meio que as cerca (direta e indiretamente). •
Desenvolvimento e aprimoramento de valores morais, pois somente
a determinação das pessoas de agir com ética pode garantir o
comportamento ético de uma organização. • Conhecimento da Lei
(trabalhista, ambiental) e de normas reguladoras (IS0s 9000 e
14000, SA8000). • Envolvimento pró-ativo na comunidade, usando
ou não, as suas habilidades técnicas.
23. 23. SEMINARIO • Grupo 1. Habilidades necessárias para o
engenheiro. • Grupo 2. A responsabilidade necessária. • Grupo 3.
Responsabilidade social empresarial. • Grupo 4. O engenheiro
socialmente responsável. • Grupo 5. Vantagem para a prática de
responsabilidade social.
24. 24. SEMINARIO Apresentar um caso de estudo onde se descrevam
as atividades e responsabilidades de uma obra engenheira que
resultou boa para a sociedade e outra que resultou faltada em: •
Grupo 6. África • Grupo 7. America • Grupo 8. Ásia • Grupo 9.
Europa
25. 25. A FUNÇÃO SOCIAL DO ENGENHEIRO ORIENTAÇÃO
PROFISSIONAL ACTIVIDADE #3 MSC. HENRY RAÚL GONZÁLEZ
BRITO

Código de Ética do Profissional


da Engenharia, da Agronomia,
da Geologia, da Geografia e da
Meteorologia
Página atualizada em 31 de maio de 2017

1 – Preâmbulo
Artigo 1º – O Código de Ética Profissional enuncia os fundamentos éticos e as condutas
necessárias à boa e honesta prática das profissões da Engenharia, da Agronomia, da
Geologia, da Geografia e da Meteorologia e relaciona direitos e deveres correlatos de seus
profissionais.
Artigo 2º – Os preceitos deste Código de Ética Profissional têm alcance sobre os
profissionais em geral, quaisquer que sejam seus níveis de formação, modalidades ou
especializações.

Artigo 3º – As modalidades e especializações profissionais poderão estabelecer, em


consonância com este Código de Ética Profissional, preceitos próprios de conduta
atinentes às suas peculiaridades e especificidades.

2 – Da identidade das profissões e dos


profissionais
Artigo 4º – As profissões são caracterizadas por seus perfis próprios, pelo saber científico
e tecnológico que incorporam, pelas expressões artísticas que utilizam e pelos resultados
sociais, econômicos e ambientais do trabalho que realizam.

Artigo 5º – Os profissionais são os detentores do saber especializado de suas profissões e


os sujeitos pró-ativos do desenvolvimento.

Artigo 6º – O objetivo das profissões e a ação dos profissionais volta-se para o bem-estar
e o desenvolvimento do homem, em seu ambiente e em suas diversas dimensões: como
indivíduo, família, comunidade, sociedade, nação e humanidade; nas suas raízes
históricas, nas gerações atual e futura.

Artigo 7º – As entidades, instituições e conselhos integrantes da organização profissional


são igualmente permeados pelos preceitos éticos das profissões e participantes solidários
em sua permanente construção, adoção, divulgação, preservação e aplicação.

3 – Dos princípios éticos


Artigo 8º – A prática da profissão é fundada nos seguintes princípios éticos aos quais o
profissional deve pautar sua conduta:

Do objetivo da profissão
I – A profissão é bem social da humanidade e o profissional é o agente capaz de exercê-la,
tendo como objetivos maiores a preservação e o desenvolvimento harmônico do ser
humano, de seu ambiente e de seus valores;
Da natureza da profissão
II – A profissão é bem cultural da humanidade construído permanentemente pelos
conhecimentos técnicos e científicos e pela criação artística, manifestando-se pela prática
tecnológica, colocado a serviço da melhoria da qualidade de vida do homem;
Da honradez da profissão
III – A profissão é alto título de honra e sua prática exige conduta honesta, digna e cidadã;
Da eficácia profissional
IV – A profissão realiza-se pelo cumprimento responsável e competente dos compromissos
profissionais, munindo-se de técnicas adequadas, assegurando os resultados propostos e
a qualidade satisfatória nos serviços e produtos e observando a segurança nos seus
procedimentos;
Do relacionamento profissional
V – A profissão é praticada através do relacionamento honesto, justo e com espírito
progressista dos profissionais para com os gestores, ordenadores, destinatários,
beneficiários e colaboradores de seus serviços, com igualdade de tratamento entre os
profissionais e com lealdade na competição;
Da intervenção profissional sobre o meio
VI – A profissão é exercida com base nos preceitos do desenvolvimento sustentável na
intervenção sobre os ambientes natural e construído e da incolumidade das pessoas, de
seus bens e de seus valores;
Da liberdade e segurança profissionais
VII – A profissão é de livre exercício aos qualificados, sendo a segurança de sua prática de
interesse coletivo.

4 – Dos deveres
Artigo 9º – No exercício da profissão são deveres do profissional:

I – ante ao ser humano e a seus valores:


a. oferecer seu saber para o bem da humanidade;
b. harmonizar os interesses pessoais aos coletivos;
c. contribuir para a preservação da incolumidade pública;
d. divulgar os conhecimentos científicos, artísticos e tecnológicos inerentes à profissão;
II – Ante à profissão:
a. identificar-se e dedicar-se com zelo à profissão;
b. conservar e desenvolver a cultura da profissão;
c. preservar o bom conceito e o apreço social da profissão;
d. desempenhar sua profissão ou função nos limites de suas atribuições e de sua
capacidade pessoal de realização;
e. empenhar-se junto aos organismos profissionais no sentido da consolidação da
cidadania e da solidariedade profissional e da coibição das transgressões éticas;
III – Nas relações com os clientes, empregadores e colaboradores:
a. dispensar tratamento justo a terceiros, observando o princípio da eqüidade;
b. resguardar o sigilo profissional quando do interesse de seu cliente ou empregador, salvo
em havendo a obrigação legal da divulgação ou da informação;
c. fornecer informação certa, precisa e objetiva em publicidade e propaganda pessoal;
d. atuar com imparcialidade e impessoalidade em atos arbitrais e periciais;
e. considerar o direito de escolha do destinatário dos serviços, ofertando-lhe, sempre que
possível, alternativas viáveis e adequadas às demandas em suas propostas;
f. alertar sobre os riscos e responsabilidades relativos às prescrições técnicas e às
conseqüências presumíveis de sua inobservância;
g. adequar sua forma de expressão técnica às necessidades do cliente e às normas
vigentes aplicáveis;
IV – Nas relações com os demais profissionais:
a. atuar com lealdade no mercado de trabalho, observando o princípio da igualdade de
condições;
b. manter-se informado sobre as normas que regulamentam o exercício da profissão;
c. preservar e defender os direitos profissionais;
V – Ante ao meio:
a. orientar o exercício das atividades profissionais pelos preceitos do desenvolvimento
sustentável;
b. atender, quando da elaboração de projetos, execução de obras ou criação de novos
produtos, aos princípios e recomendações de conservação de energia e de minimização
dos impactos ambientais;
c. considerar em todos os planos, projetos e serviços as diretrizes e disposições
concernentes à preservação e ao desenvolvimento dos patrimônios sócio-cultural e
ambiental.

5 – Das condutas vedadas


Artigo 10º – No exercício da profissão são condutas vedadas ao profissional:

I – Ante o ser humano e seus valores:


a. descumprir voluntária e injustificadamente com os deveres do ofício;
b. usar de privilégio profissional ou faculdade decorrente de função de forma abusiva, para
fins discriminatórios ou para auferir vantagens pessoais;
c. prestar de má-fé orientação, proposta, prescrição técnica ou qualquer ato profissional
que possa resultar em dano às pessoas ou a seus bens patrimoniais;
II – Ante à profissão:
a. aceitar trabalho, contrato, emprego, função ou tarefa para os quais não tenha efetiva
qualificação;
b. utilizar indevida ou abusivamente do privilégio de exclusividade de direito profissional;
c. omitir ou ocultar fato de seu conhecimento que transgrida à ética profissional;
III – Nas relações com os clientes, empregadores e colaboradores:
a. formular proposta de salários inferiores ao mínimo profissional legal;
b. apresentar proposta de honorários com valores vis ou extorsivos ou desrespeitando
tabelas de honorários mínimos aplicáveis;
c. usar de artifícios ou expedientes enganosos para a obtenção de vantagens indevidas,
ganhos marginais ou conquista de contratos;
d. usar de artifícios ou expedientes enganosos que impeçam o legítimo acesso dos
colaboradores às devidas promoções ou ao desenvolvimento profissional;
e. descuidar com as medidas de segurança e saúde do trabalho sob sua coordenação;
f. suspender serviços contratados, de forma injustificada e sem prévia comunicação;
g. impor ritmo de trabalho excessivo ou exercer pressão psicológica ou assédio moral
sobre os colaboradores;
IV – Nas relações com os demais profissionais:
a. intervir em trabalho de outro profissional sem a devida autorização de seu titular, salvo
no exercício do dever legal;
b. referir-se preconceituosamente a outro profissional ou profissão;
c. agir discriminatoriamente em detrimento de outro profissional ou profissão;
d. atentar contra a liberdade do exercício da profissão ou contra os direitos de outro
profissional;
V – Ante ao meio:
a. prestar de má-fé orientação, proposta, prescrição técnica ou qualquer ato profissional
que possa resultar em dano ao ambiente natural, à saúde humana ou ao patrimônio
cultural.

6 – Dos direitos
Artigo 11º – São reconhecidos os direitos coletivos universais inerentes às profissões, suas
modalidades e especializações, destacadamente:

a. à livre associação e organização em corporações profissionais;


b. ao gozo da exclusividade do exercício profissional;
c. ao reconhecimento legal;
d. à representação institucional.
Artigo 12º – São reconhecidos os direitos individuais universais inerentes aos profissionais,
facultados para o pleno exercício de sua profissão, destacadamente:

a. à liberdade de escolha de especialização;


b. à liberdade de escolha de métodos, procedimentos e formas de expressão;
c. ao uso do título profissional;
d. à exclusividade do ato de ofício a que se dedicar;
e. à justa remuneração proporcional à sua capacidade e dedicação e aos graus de
complexidade, risco, experiência e especialização requeridos por sua tarefa;
f. ao provimento de meios e condições de trabalho dignos, eficazes e seguros;
g. à recusa ou interrupção de trabalho, contrato, emprego, função ou tarefa quando julgar
incompatível com sua titulação, capacidade ou dignidade pessoais;
h. à proteção do seu título, de seus contratos e de seu trabalho;
i. à proteção da propriedade intelectual sobre sua criação;
j. à competição honesta no mercado de trabalho;
k. à liberdade de associar-se a corporações profissionais;
l. à propriedade de seu acervo técnico profissional.

7 – Da infração ética
Artigo 13º – Constitui-se infração ética todo ato cometido pelo profissional que atente
contra os princípios éticos, descumpra os deveres do ofício, pratique condutas
expressamente vedadas ou lese direitos reconhecidos de outrem.

Artigo 14º – A tipificação da infração ética para efeito de processo disciplinar será
estabelecida, a partir das disposições deste Código de Ética Profissional, na forma que a
lei determinar.

Ética e Ética na Engenharia


Marcos Portnoi
Introdução à Engenharia, UNIFACS
20.Março.1999
http://surf.to/locksmith

A Ética
Ética é um conjunto de princípios ou padrões pelos nos quais se pautam a
conduta humana. Algumas vezes a ética é chamada de "moral", e por
extensão, seu estudo freqüentemente chamado de Filosofia Moral. Assim,
como um ramo da Filosofia, Ética é considerada uma ciência normativa, já que
trata de normas da conduta humana, em diferença às ciências formais (como
Matemática e Lógica) e às ciências empíricas, como a Química e a Física.
Como trata-se de um padrão de comportamento e conduta, a ética ou moral
tem características próprias em cada civilização (a exemplo da Oriental e
Ocidental) e em cada cultura. Por todo o tempo em que a humanidade tem
vivido em grupos, a regulamentação moral tem sido necessária para o bem-
estar desses grupos. Apesar de que a moral foi formalizada e transformada em
padrões arbitrários de conduta, ela desenvolveu-se, algumas vezes
irracionalmente, depois de que tabus religiosos foram violados, ou através de
comportamentos fortuitos que se tornaram hábito e então regra, ou de leis
impostas por chefes a fim de prevenir desarmonia em suas tribos. Mesmo as
grandes civilizações Egípcias e Sumérias não geraram uma ética
sistematizada; máximas e preceitos criados por líderes seculares misturaram-
se com uma religião rígida que afetou o comportamento de cada egípcio. Na
China, as máximas de Confúcio foram aceitas como código moral.
A Igreja tem grande participação no desenvolvimento dos padrões éticos e
morais principalmente da civilização ocidental. A Igreja pauta esses padrões
nos escritos bíblicos, que por sua vez teriam origem divina. Na realidade, todos
esses organismos são criações do próprio ser humano, o que torna a ética uma
ciência gerada, assim como os demais seres vivos, com base na tentativa e
acerto, e por conseguinte viva e em mutação.
Como é o padrão regulatório da Ética necessário para o bem-estar de uma
população, esse aplica-se a todas as esferas de atuação desta população, seja
na educação de crianças, seja na confecção das leis, seja no comportamento
do mercado de Bolsa de Valores, seja em todas as profissões. Pode-se
considerar que esse padrão de comportamento é o que leva ao menor
consumo de energia, ou à menor criação de dificuldades, ou à geração criação
de danos à própria sociedade e ambiente. É quando se estabelece que
determinada ação ou atitude, se não causa benefício à sociedade, também não
lhe causa prejuízo.
Agir em contradição a essas normas invariavelmente resulta em conflito e
talvez dano a alguma parte. Porém não é a Ética absoluta e imutável,
tampouco perfeita, e suas mudanças se fazem normalmente através da quebra
do padrão anterior. É a Ciência, aliás, com suas grandes descobertas, uma
grande responsável pelas mutações dos padrões éticos, às vezes com
resultados infortuitos para seus autores. As descobertas de Isaac Newton
servem como um exemplo deste efeito. As Leis de Newton foram recebidas de
modo geral como uma evidência de que havia uma ordem divina que era
racional. O pensamento contemporâneo nesta linha foi expresso sucintamente
pelo poeta inglês Alexander Pope, na seguinte frase: "Deus disse, que se faça
Newton! E se fez a Luz." As descobertas de Newton levaram os filósofos a
ganhar confiança num sistema ético que era tão racional e ordenado como a
Natureza era considerada.

Ética na Engenharia
Vejamos aqui em que pautam os engenheiros seu comportamento na
profissão. De fato, pelo menos no mundo ocidental, o código de Ética na
Engenharia é bastante semelhante de país para país. Isso não é surpresa, uma
vez tendo como coração de seu trabalho o uso das Ciências Naturais,
imutáveis em qualquer parte do Universo, e desta maneira tendo resultados
semelhantes.
Abaixo ilustramos o que diz da ética profissional o Engineer’s Council for
Professional Development (ECPD) dos Estados Unidos, ou Conselho de
Engenheiros para o Desenvolvimento Profissional.
Princípios Fundamentais do Código de Ética dos Engenheiros.
Engenheiros mantêm e melhoram a integridade, honra e
dignidade da profissão:
Usando seu conhecimento e habilidade para o avanço do bem-
estar da humanidade;
Sendo honesto e imparcial, e servindo fielmente o público,
seus empregadores e clientes;
Esforçando-se para aumentar a competência e prestígio da
profissão de engenheiro;
Suportando as sociedades profissionais e técnicas de duas
disciplinas.

Cânones Fundamentais do Código de Ética dos Engenheiros


Engenheiros zelarão pela segurança, saúde e bem-estar do
público durante a execução de suas tarefas profissionais.
Engenheiros farão serviços apenas nas áreas de sua
competência.
Engenheiros farão declarações públicas somente de maneira
objetiva e confiável.
Engenheiros agirão em assuntos profissionais para cada
cliente como agentes fiéis e confiáveis, e evitarão
conflitos de interesse.
Engenheiros construirão sua reputação profissional com o
mérito de seus serviços e não competirão de forma injusta
com outros.
Engenheiros agirão de tal maneira a manter e desenvolver a
honra, integridade e dignidade da profissão.
Engenheiros continuarão seu desenvolvimento profissional
durante sua carreira e disponibilizarão oportunidades para
o desenvolvimento profissional dos engenheiros sob sua
supervisão.

Vislumbremos agora o Código de Ética do Institute of Electrical and Electronics


Engineers (IEEE), EUA., ou Instituto de Engenharia Elétrica e Eletrônica,
principal órgão responsável pela definição de inúmeros padrões na Engenharia
Elétrica e Eletrônica usados em todo o mundo.

"Nós, membros do IEEE, em reconhecimento da importância do


efeito de nossas tecnologias na qualidade de vida por todo
o mundo, e em aceitando uma obrigação pessoal para nossa
profissão, seus membros e as comunidades as quais servimos,
submetemo-nos à conduta mais ética e profissional e
concordamos:
Em aceitar a responsabilidade de fazer as decisões na
Engenharia consistentes com a segurança, saúde e bem-estar
do público, e rejeitar de imediato e tornar conhecidos
fatores que possam colocar o meio-ambiente e o público em
risco;
Em evitar conflitos reais ou prováveis de interesse sempre
que possível, e fazê-los de conhecimento das partes
envolvidas quando existirem;
Em ser honestos e realistas quando relatando pedidos ou
estimativas baseadas em dados existentes;
Em rejeitar suborno sob todas as suas formas;
Em promover o entendimento da tecnologia, suas aplicações
apropriadas e conseqüências potenciais;
Em manter e desenvolver nossa competência técnica e assumir
tarefas tecnológicas para outros somente se qualificados
por treinamento ou experiência, ou após tornar claras as
limitações pertinentes;
Em buscar, aceitar e oferecer críticas honestas de
trabalhos técnicos, em reconhecer e corrigir erros, e em
dar crédito apropriado a colaboradores e outros;
Em tratar com justiça todas as pessoas independente de sua
raça, credo, religião, condição física, idade ou
nacionalidade;
Em evitar danos a outros, sua propriedade, reputação ou
emprego através de ação maliciosa ou falsa;
Em assistir colegas em seu desenvolvimento profissional e
suportá-los no cumprimento deste código de ética.

Pode-se observar, no Código de Ética Profissional do Engenheiro, do Arquiteto


e do Engenheiro Agrônomo, segundo Resolução n. 205, de 30 de Setembro de
1971 do Conselho Federal Brasileiro de Engenharia
(http://www.arquitetofna.org.br/apoietic.htm), Arquitetura e Agronomia,
basicamente os mesmos conceitos, com a adição deste interessante item:
"Não solicitar nem submeter propostas contendo condições
que constituam competição de preços por serviços
profissionais."
Advém da leitura deste item que o engenheiro e arquiteto agem tão somente
como instrumentos da aplicação das Ciências Naturais, ou seja, agindo
profissionalmente como executor para o bem-estar, sem se querer vislumbrar
ganho monetário, que exige a competição por espaço exemplificada no texto
do item. Isto é belo do ponto de vista poético, mas ineficaz e irreal fora do papel
escrito. Sendo o engenheiro e arquiteto profissionais que têm rendimento
monetário através do exercício da sua profissão, e não sendo eles os únicos a
assim o fazerem, por que negar-lhes o direito de usar dos mecanismos de
competição e preço para lhes garantir esse rendimento, sempre de apoio nos
pilares da ética?
Este pitoresco item do Código de Ética do Engenheiro e Arquiteto leva a crer
que a competição através de preços não é ética, apesar de sê-lo em todo o
resto da esfera do capitalismo. Ou seja, o engenheiro pode optar por adquirir
seus materiais necessários ao trabalho em fornecedor que os tenha a preços
menores, mas não tem o direito de poder executar seu trabalho de maneira
melhor e mais barata, se antes dele algum outro engenheiro já apresentou
proposta com técnicas mais custosas.
"A mente é uma grande coisa, desde que você não tenha que usá-la."
--Tim MacCarver

"Se sua cabeça é de cera, não passeie ao Sol."


--Benjamin Franklin

Referências
Microsoft Encarta 97 Encyclopedia (1996).
Departamento de Engenharia Civil da Southern Illinois University, em
Carbondale, EUA.
Copyright 1998, Bill T. Ray
http://civil.engr.siu.edu/
Última modificação em 09.02.1999
Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE), EUA.
Copyright 1999, IEEE.
http://www.ieee.org
Última modificação em 19.01.1999
Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA)
http://www.arquitetofna.org.br/
Última modificação em 24.09.1998
Código de Ética Profissional do
Engenheiro, do Arquiteto e do
Engenheiro Agrônomo
ago 25, 2011
RESOLUÇÃO Nº 1.002 , DE 26 DE NOVEMBRO DE 2002
Adota o Código de Ética Profissional da Engenharia, da
Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da
Meteorologia e dá outras providências.
O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E
AGRONOMIA – Confea, no uso das atribuições que lhe confere a
alínea “f” do art. 27 da Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966,
e Considerando que o disposto nos arts. 27, alínea “n”, 34, alínea
“d”, 45, 46, alínea “b”, 71 e 72, obriga a todos os profissionais do
Sistema Confea/Crea a observância e cumprimento do Código
de Ética Profissional da Engenharia, da Arquitetura, da
Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia;
Considerando as mudanças ocorridas nas condições históricas,
econômicas, sociais, políticas e culturais da Sociedade
Brasileira, que resultaram no amplo reordenamento da
economia, das organizações empresariais nos diversos setores,
do aparelho do Estado e da Sociedade Civil, condições essas
que têm contribuído para pautar a “ética” como um dos temas
centrais da vida brasileira nas últimas décadas;
Considerando que um “código de ética profissional” deve ser
resultante de um pacto profissional, de um acordo crítico
coletivo em torno das condições de convivência e
relacionamento que se desenvolve entre as categorias
integrantes de um mesmo sistema profissional, visando uma
conduta profissional cidadã;
Considerando a reiterada demanda dos cidadãos-profissionais
que integram o Sistema Confea/Crea, especialmente explicitada
através dos Congressos Estaduais e Nacionais de Profissionais,
relacionada à revisão do “Código de Ética Profissional do
Engenheiro, do Arquiteto e do Engenheiro Agrônomo” adotado
pela Resolução nº 205, de 30 de setembro de 1971;
Considerando a deliberação do IV Congresso Nacional de
Profissionais – IV CNP sobre o tema “Ética Profissional”,
aprovada por unanimidade, propondo a revisão do Código de
Ética Profissional vigente e indicando o Colégio de Entidades
Nacionais – CDEN para elaboração do novo texto,
RESOLVE:
Art. 1º Adotar o Código de Ética Profissional da Engenharia, da
Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da
Meteorologia, anexo à presente Resolução, elaborado pelas
Entidades de Classe Nacionais, através do CDEN – Colégio de
Entidades Nacionais, na forma prevista na alínea “n” do art. 27
da Lei nº 5.194, de 1966.
Art. 2º O Código de Ética Profissional, adotado através desta
Resolução, para os efeitos dos arts. 27, alínea “n”, 34, alínea “d”,
45, 46, alínea “b”, 71 e 72, da Lei nº 5.194, de 1966, obriga a
todos os profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da
Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia, em
todas as suas modalidades e níveis de formação.
Art. 3o O Confea, no prazo de cento e oitenta dias a contar da
publicação desta, deve editar Resolução adotando novo “Manual
de Procedimentos para a condução de processo de infração ao
código de Ética Profissional”.
Art. 4o Os Conselhos Federal e Regionais de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia, em conjunto, após a publicação desta
Resolução, devem desenvolver campanha nacional visando a
ampla divulgação deste Código de Ética Profissional,
especialmente junto às entidades de classe, instituições de
ensino e profissionais em geral.
Art. 5° O Código de Ética Profissional, adotado por esta
Resolução, entra em vigor à partir de 1° de agosto de 2003.
Art. 6º Fica revogada a Resolução 205, de 30 de setembro de
1971 e demais disposições em contrário, a partir de 1º de
agosto de 2003.
Brasília, 26 de novembro de 2002.
Eng. Wilson Lang
Presidente
TÍTULO
CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DA ENGENHARIA, DA
ARQUITETURA, DA AGRONOMIA, DA GEOLOGIA, DA GEOGRAFIA
E DA METEOROLOGIA
1. PROCLAMAÇÃO
As Entidades Nacionais representativas dos profissionais da
Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da
Geografia e da Meteorologia pactuam e proclamam o presente
Código de Ética Profissional.
2. PREÂMBULO.
Art. 1º O Código de Ética Profissional enuncia os fundamentos
éticos e as condutas necessárias à boa e honesta prática das
profissões da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da
Geologia, da Geografia e da Meteorologia e relaciona direitos e
deveres correlatos de seus profissionais.
Art. 2º Os preceitos deste Código de Ética Profissional têm
alcance sobre os profissionais em geral, quaisquer que sejam
seus níveis de formação, modalidades ou especializações.
Art. 3º As modalidades e especializações profissionais poderão
estabelecer, em consonância com este Código de Ética
Profissional, preceitos próprios de conduta atinentes às suas
peculiaridades e especificidades.
3. DA IDENTIDADE DAS PROFISSÕES E DOS PROFISSIONAIS
Art. 4º As profissões são caracterizadas por seus perfis
próprios, pelo saber científico e tecnológico que incorporam,
pelas expressões artísticas que utilizam e pelos resultados
sociais, econômicos e ambientais do trabalho que realizam.
Art. 5º Os profissionais são os detentores do saber
especializado de suas profissões e os sujeitos pró-ativos do
desenvolvimento.
Art. 6º O objetivo das profissões e a ação dos profissionais
voltam-se para o bem-estar e o desenvolvimento do homem, em
seu ambiente e em suas diversas dimensões: como indivíduo,
família, comunidade, sociedade, nação e humanidade; nas suas
raízes históricas, nas gerações atual e futura.
Art. 7o As entidades, instituições e conselhos integrantes da
organização profissional são igualmente permeados pelos
preceitos éticos das profissões e participantes solidários em
sua permanente construção, adoção, divulgação, preservação e
aplicação.
4. DOS PRINCÍPIOS ÉTICOS.
Art. 8º A prática da profissão é fundada nos seguintes princípios
éticos aos quais o profissional deve pautar sua conduta:
Do objetivo da profissão:
I – A profissão é bem social da humanidade e o profissional é o
agente capaz de exercê-la, tendo como objetivos maiores a
preservação e o desenvolvimento harmônico do ser humano, de
seu ambiente e de seus valores;
Da natureza da profissão:
II – A profissão é bem cultural da humanidade construído
permanentemente pelos conhecimentos técnicos e científicos e
pela criação artística, manifestando-se pela prática tecnológica,
colocado a serviço da melhoria da qualidade de vida do homem;
Da honradez da profissão:
III – A profissão é alto título de honra e sua prática exige
conduta honesta, digna e cidadã;
Da eficácia profissional:
IV – A profissão realiza-se pelo cumprimento responsável e
competente dos compromissos profissionais, munindo-se de
técnicas adequadas, assegurando os resultados propostos e a
qualidade satisfatória nos serviços e produtos e observando a
segurança nos seus procedimentos;
Do relacionamento profissional:
V – A profissão é praticada através do relacionamento honesto,
justo e com espírito progressista dos profissionais para com os
gestores, ordenadores, destinatários, beneficiários e
colaboradores de seus serviços, com igualdade de tratamento
entre os profissionais e com lealdade na competição;
Da intervenção profissional sobre o meio:
VI – A profissão é exercida com base nos preceitos do
desenvolvimento sustentável na intervenção sobre os
ambientes natural e construído e da incolumidade das pessoas,
de seus bens e de seus valores;
Da liberdade e segurança profissionais:
VII – A profissão é de livre exercício aos qualificados, sendo a
segurança de sua prática de interesse coletivo.
5. DOS DEVERES.
Art. 9º No exercício da profissão são deveres do profissional:
I – ante o ser humano e seus valores:
a) oferecer seu saber para o bem da humanidade;
b) harmonizar os interesses pessoais aos coletivos;
c) contribuir para a preservação da incolumidade pública;
d) divulgar os conhecimentos científicos, artísticos e
tecnológicos inerentes à profissão;
II – ante à profissão:
a) identificar-se e dedicar -se com zelo à profissão;
b) conservar e desenvolver a cultura da profissão;
c) preservar o bom conceito e o apreço social da profissão;
d) desempenhar sua profissão ou função nos limites de suas
atribuições e de sua capacidade pessoal de realização;
e) empenhar-se junto aos organismos profissionais no sentido
da consolidação da cidadania e da solidariedade profissional e
da coibição das transgressões éticas.
III – nas relações com os clientes, empregadores e
colaboradores:
a) dispensar tratamento justo a terceiros, observando o
princípio da eqüidade;
b) resguardar o sigilo profissional quando do interesse de seu
cliente ou empregador, salvo em havendo a obrigação legal da
divulgação ou da informação;
c) fornecer informação certa, precisa e objetiva em publicidade
e propaganda pessoal;
d) atuar com imparcialidade e impessoalidade em atos arbitrais
e periciais;
e) considerar o direito de escolha do destinatário dos serviços,
ofertando-lhe, sempre que
possível, alternativas viáveis e adequadas às demandas em
suas propostas;
f) alertar sobre os riscos e responsabilidades relativos às
prescrições técnicas e as conseqüências presumíveis de sua
inobservância;
g) adequar sua forma de expressão técnica às necessidades do
cliente e às normas vigentes
aplicáveis;
IV – nas relações com os demais profissionais:
a) Atuar com lealdade no mercado de trabalho, observando o
princípio da igualdade de
condições;
b) manter-se informado sobre as normas que regulamentam o
exercício da profissão;
c) preservar e defender os direitos profissionais;
V – Ante ao meio:
a) orientar o exercício das atividades profissionais pelos
preceitos do desenvolvimento
sustentável;
b) atender, quando da elaboração de projetos, execução de
obras ou criação de novos produtos, aos princípios e
recomendações de conservação de energia e de minimização
dos impactos ambientais;
c) considerar em todos os planos, projetos e serviços as
diretrizes e disposições concernentes à preservação e ao
desenvolvimento dos patrimônios sócio-cultural e ambiental.
6. DAS CONDUTAS VEDADAS.
Art. 10. No exercício da profissão, são condutas vedadas ao
profissional:
I – ante ao ser humano e a seus valores:
a) descumprir voluntária e injustificadamente com os deveres
do ofício;
b) usar de privilégio profissional ou faculdade decorrente de
função de forma abusiva, para fins discriminatórios ou para
auferir vantagens pessoais.
c) Prestar de má-fé orientação, proposta, prescrição técnica ou
qualquer ato profissional que possa resultar em dano às
pessoas ou a seus bens patrimoniais;
II – ante à profissão:
a) aceitar trabalho, contrato, emprego, função ou tarefa para os
quais não tenha efetiva qualificação;
b) utilizar indevida ou abusivamente do privilégio de
exclusividade de direito profissional;
c) omitir ou ocultar fato de seu conhecimento que transgrida a
ética profissional;
III – nas relações com os clientes, empregadores e
colaboradores:
a) formular proposta de salários inferiores ao mínimo
profissional legal;
b) apresentar proposta de honorário s com valores vis ou
extorsivos ou desrespeitando tabelas
de honorários mínimos aplicáveis;
c) usar de artifícios ou expedientes enganosos para a obtenção
de vantagens indevidas, ganhos marginais ou conquista de
contratos;
d) usar de artifícios ou expedientes enganosos que impeçam o
legítimo acesso dos colaboradores às devidas promoções ou ao
desenvolvimento profissional;
e) descuidar com as medidas de segurança e saúde do trabalho
sob sua coordenação;
f) suspender serviços contratados, de forma injustificada e sem
prévia comunicação;
g) impor ritmo de trabalho excessivo ou, exercer pressão
psicológica ou assédio moral sobre os colaboradores;
IV – nas relações com os demais profissionais:
a) intervir em trabalho de outro profissional sem a devida
autorização de seu titular, salvo no exercício do dever legal;
b) referir-se preconceituosamente a outro profissional ou
profissão;
c) agir discriminatoriamente em detrimento de outro
profissional ou profissão;
d) atentar contra a liberdade do exercício da profissão ou contra
os direitos de outro profissional;
V – ante ao meio:
a) prestar de má-fé orientação, proposta, prescrição técnica ou
qualquer ato profissional que possa resultar em dano ao
ambiente natural, à saúde humana ou ao patrimônio cultural.
7. DOS DIREITOS
Art. 11. São reconhecidos os direitos coletivos universais
inerentes às profissões, suas modalidades e especializações,
destacadamente:
a) à livre associação e organização em corporações
profissionais;
b) ao gozo da exclusividade do exercício profissional;
c) ao reconhecimento legal;
d) à representação institucional.
Art. 12. São reconhecidos os direitos individuais universais
inerentes aos profissionais, facultados para o pleno exercício de
sua profissão, destacadamente:
a) à liberdade de escolha de especialização;
b) à liberdade de es colha de métodos, procedimentos e formas
de expressão;
c) ao uso do título profissional;
d) à exclusividade do ato de ofício a que se dedicar;
e) à justa remuneração proporcional à sua capacidade e
dedicação e aos graus de complexidade, risco, experiência e
especialização requeridos por sua tarefa;
f) ao provimento de meios e condições de trabalho dignos,
eficazes e seguros;
g) à recusa ou interrupção de trabalho, contrato, emprego,
função ou tarefa quando julgar incompatível com sua titulação,
capacidade ou dignidade pessoais;
h) à proteção do seu título, de seus contratos e de seu trabalho;
i) à proteção da propriedade intelectual sobre sua criação;
j) à competição honesta no mercado de trabalho;
k) à liberdade de associar -se a corporações profissionais;
l) à propriedade de seu acervo técnico profissional.
8. DA INFRAÇÃO ÉTICA
Art. 13. Constitui-se infração ética todo ato cometido pelo
profissional que atente contra os princípios éticos, descumpra
os deveres do ofício, pratique condutas expressamente vedadas
ou lese direitos reconhecidos de outrem.
Art. 14. A tipificação da infração ética para efeito de processo
disciplinar será estabelecida, a partir das disposições deste
Código de Ética Profissional, na forma que a lei determinar.
ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 1.004, DE 27 DE JUNHO DE 2003
REGULAMENTO PARA A CONDUÇÃO DO PROCESSO ÉTICO
DISCIPLINAR
CAPÍTULO I
DA FINALIDADE
Art. 1º Este regulamento estabelece procedimentos para
instauração, instrução e julgamento dos processos
administrativos e aplicação das penalidades relacionadas à
apuração de infração ao Código de Ética Profissional da
Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da
Geografia e da Meteorologia, adotado pela Resolução nº 1.002,
de 26 de novembro de 2002.
§ 1º Os procedimentos adotados neste regulamento também se
aplicam aos casos previstos no art. 75 da Lei nº 5.194, de 1966.
§ 2º Os procedimentos estabelecidos aplicam-se aos
profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da
Geologia, da Geografia e da Meteorologia, em seus níveis
superior e médio, que transgredirem preceitos do Código de
Ética Profissional, e serão executados pelos vários órgãos das
instâncias administrativas do Sistema Confea/Crea.
Art. 2º A apuração e condução de processo de infração ao
Código de Ética Profissional obedecerá, dentre outros, aos
princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade,
proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório,
segurança jurídica, interesse público e eficiência.
CAPÍTULO II
DA COMISSÃO DE ÉTICA PROFISSIONAL
Art. 3º A Comissão de Ética Profissional é órgão auxiliar das
câmaras especializadas, constituída de acordo com o regimento
do Crea.
§ 1º Recomenda-se observar na sua composição a presença de
um representante de cada câmara especializada.
§ 2º O Crea deverá colocar à disposição da Comissão de Ética
Profissional servidores com a incumbência de apoiar as
reuniões, lavrando ata, termo de depoimento, atividade
administrativa e assessoramento jurídico necessários ao seu
funcionamento.
Art. 4º É atribuição da Comissão de Ética Profissional:
I – iniciar o processo ético ante notícia ou indício de infração;
II – instruir processo de infração ao Código de Ética
Profissional, ouvindo testemunhas e partes, e realizando ou
determinando a realização de diligências necessárias para
apurar os fatos; e
III – emitir relatório fundamentado a ser encaminhado à câmara
especializada competente para apreciação, o qual deve fazer
parte do respectivo processo.
Art. 5º A Comissão de Ética Profissional, para atendimento ao
disposto no inciso II e III do art. 4º, deverá:
I – apurar o fato mediante recebimento e análise de denúncias,
tomada de depoimentos das partes e acolhimento das provas
documentais e testemunhais relacionadas à denúncia visando
instruir o processo; e
II – verificar, apontar e relatar a existência ou não de falta ética
e de nulidade dos atos processuais.
Art. 6º O coordenador da Comissão de Ética Profissional
designará um de seus membros como relator de cada processo.
Parágrafo único. O relator designado deverá ser,
preferencialmente, de modalidade profissional diferente daquela
do denunciado.
CAPÍTULO III
DO INÍCIO DO PROCESSO
Art. 7º O processo será instaurado após ser protocolado pelo
setor competente do Crea em cuja jurisdição ocorreu a infração,
decorrente de denúncia formulada por escrito e apresentada
por:
I – instituições de ensino que ministrem cursos nas áreas
abrangidas pelo Sistema Confea/Crea;
II – qualquer cidadão, individual ou coletivamente, mediante
requerimento fundamentado;
III – associações ou entidades de classe, representativas da
sociedade ou de profissionais fiscalizados pelo Sistema
Confea/Crea; ou
IV – pessoas jurídicas titulares de interesses individuais ou
coletivos.
§ 1º O processo poderá iniciar-se a partir de relatório
apresentado pelo setor de fiscalização do Crea, após a análise
da câmara especializada da modalidade do profissional, desde
que seja verificado indício da veracidade dos fatos.
§ 2º A denúncia somente será recebida quando contiver o nome,
assinatura e endereço do denunciante, número do CNPJ –
Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, se pessoa jurídica,
CPF-Cadastro de Pessoas Físicas, número do RG – Registro
Geral, se pessoa física, e estiver acompanhada de elementos ou
indícios comprobatórios do fato alegado.
Art. 8º Caberá à câmara especializada da modalidade do
denunciado proceder a análise preliminar da denúncia, no prazo
máximo de trinta dias, encaminhando cópia ao denunciado, para
conhecimento e informando-lhe da remessa do processo à
Comissão de Ética Profissional.
Art. 9º Caberá à Comissão de Ética Profissional proceder
instrução do processo no prazo máximo de noventa dias,
contados da data da sua instauração.
§ 1º Acatada a denúncia, a Comissão de Ética Profissional dará
conhecimento ao denunciado da instauração de processo
disciplinar, juntando cópia da denúncia, por meio de
correspondência encaminhada pelo correio com aviso de
recebimento, ou outro meio legalmente admitido, cujo recibo de
entrega será anexado ao processo.
§ 2º Não acatada a denúncia, o processo será encaminhado à
câmara especializada da modalidade do profissional, que
decidirá quanto aos procedimentos a serem adotados.
Art. 10. Duas ou mais pessoas poderão demandar questão no
mesmo processo. Parágrafo único. A Comissão de Ética
Profissional, mediante justificativa, poderá determinar a juntada
de duas ou mais denúncias contra um mesmo profissional, em
razão da falta cometida ou fatos denunciados.
Art. 11. O processo instaurado será constituído de tantos tomos
quantos forem necessários, contendo até duzentas folhas cada,
numeradas ordenadamente e rubricadas por servidor
credenciado do Crea, devidamente identificado pela sua
matrícula.
Parágrafo único. Todos os atos e termos processuais – a
denúncia, a defesa e os recursos – serão feitos por escrito,
utilizando-se o vernáculo, com a data e o local de sua realização
e a assinatura do responsável.
Art. 12. Os processos de apuração de infração ao Código de
Ética Profissional correrão em caráter reservado.
Parágrafo único. Somente as partes envolvidas – o denunciante
e o denunciado – e os advogados legalmente constituídos pelas
partes terão acesso aos autos do processo, podendo
manifestar-se quando intimadas.
Art. 13. O processo será duplicado quando houver pedido de
vista ou recurso ao Confea, mantendo-se uma cópia na unidade
ou Crea de origem.
Art. 14. Os procedimentos relacionados ao processo devem
realizar-se em dias úteis, preferencialmente na sede do Crea
responsável pela sua condução, cientificando-se o denunciado
se outro for o local de realização.
CAPÍTULO IV
DA INSTRUÇÃO DO PROCESSO
Art. 15. As atividades de instrução, destinadas a apurar os fatos,
consistem na tomada de depoimento do denunciante, do
denunciado e suas respectivas testemunhas, obtenção de todas
as provas não proibidas em lei e na adoção de quaisquer
diligências que se façam necessárias para o esclarecimento da
denúncia.
§ 1º O depoimento será tomado verbalmente ou mediante
questionário, se requerido pela parte e autorizado pela
Comissão de Ética Profissional.
§ 2º São inadmissíveis no processo as provas obtidas por meios
ilícitos.
§ 3º A prova documental deverá ser apresentada em original ou
cópia autenticada em cartório, ou ainda, cópia autenticada por
servidor credenciado do Crea.
§ 4º As reproduções fotográficas serão aceitas como prova
desde que acompanhadas dos respectivos negativos.
Art. 16. Cabe ao denunciado a prova dos fatos que tenha
alegado em sua defesa, sem prejuízo do dever atribuído à
Comissão de Ética Profissional para a instrução do processo.
Art. 17. O denunciado poderá, na fase de instrução e antes da
tomada da decisão, juntar documentos e pareceres, bem como
apresentar alegações referentes à denúncia objeto do processo.
Art. 18. No caso de tomada de depoimento ou quando for
necessária a ciência do denunciado, a prestação de
informações ou a apresentação de provas propostas pelas
partes, serão expedidas intimações para esse fim,
mencionando-se data, prazo, forma e condições para
atendimento do requerido.
§ 1º A intimação, assinada pelo coordenador da Comissão de
Ética Profissional, será encaminhada pelo correio com aviso de
recebimento, ou por outro meio legalmente admitido, cujo
recibo de entrega será anexado ao processo, registrando-se a
data da juntada e a identificação do funcionário responsável
pelo ato.
§ 2º Não sendo encontradas as partes, far-se-á sua intimação
por edital divulgado em publicação do Crea, ou em jornal de
circulação na jurisdição, ou no diário oficial do estado ou outro
meio que amplie as possibilidades de conhecimento por parte
do denunciado, em linguagem que não fira os preceitos
constitucionais de inviolabilidade da sua intimidade, da honra,
da vida privada e da imagem.§ 3º A intimação observará a
antecedência mínima de quinze dias quanto à data de
comparecimento.
§ 4º O não atendimento da intimação não implica o
reconhecimento da verdade dos fatos, nem a renúncia a direito
pelo denunciado.
§ 5º O denunciado não poderá argüir nulidade da intimação se
ela atingir os fins para os quais se destina.
Art. 19. No caso de encontrarem-se as partes ou testemunhas
em local distante da sede ou fora de jurisdição do Crea onde o
processo foi instaurado, os depoimentos serão tomados pela
Comissão de Ética Profissional da jurisdição onde se encontram
ou, por delegação, pelos inspetores da inspetoria mais próxima
das suas residências ou locais de trabalho. Parágrafo único. A
Comissão de Ética Profissional da jurisdição onde o processo foi
instaurado encaminhará questionário e as peças processuais
necessárias à tomada dos depoimentos.
Art. 20. As partes deverão apresentar, até quinze dias antes da
audiência de instrução, o rol de testemunhas.
§ 1º O rol deverá conter o nome completo, a qualificação, RG e
endereço para correspondência de cada testemunha.
§ 2º As testemunhas serão intimadas a comparecer à audiência
por meio de correspondência encaminhada pelo correio, com
aviso de recebimento, ou por outro meio legalmente admitido,
cujo recibo de entrega será anexado ao processo.
§ 3º Não poderão compor o rol de testemunhas das partes as
pessoas incapazes, impedidas ou suspeitas.
§ 4º A Comissão de Ética Profissional poderá, a seu critério,
ouvir outras testemunhas além das arroladas.
Art. 21. A testemunha falará sob palavra de honra, declarando
seu nome, profissão, estado civil e residência; se é parente de
alguma das partes e em que grau; quais suas relações com
quaisquer delas e seu interesse no caso, se houver; relatará o
que souber, explicando sempre as razões da sua ciência.
Art. 22. O depoimento será prestado verbalmente, salvo no caso
dos surdos-mudos, que poderão fazer uso de intérprete da
Linguagem Brasileira de Sinais.
Art. 23. Os depoimentos serão reduzidos a termo, assinados
pelo depoente e pelos membros da Comissão de Ética
Profissional.
Art. 24. É vedado, a quem ainda não depôs, assistir ao
interrogatório da outra parte.
Art. 25. Durante a audiência de instrução a Comissão de Ética
Profissional ouvirá em primeiro lugar o denunciante, em
segundo o denunciado, e, em separado e sucessivamente, as
testemunhas do denunciante e do denunciado.
§ 1º Deverão ser abertos os depoimentos indagando-se, tanto ao
denunciante quanto ao denunciado, sobre seu nome, número do
RG, naturalidade, grau de escolaridade e profissão, estado civil,
idade, filiação, residência e lugar onde exerce sua atividade e,
na seqüência, sobre a razão e os motivos da denúncia.
§ 2º Ao denunciado será esclarecido que o seu silêncio poderá
trazer prejuízo à própria defesa.
§ 3º Após ter sido cientificado da denúncia, mediante breve
relato do coordenador da Comissão de Ética Profissional, o
denunciado será interrogado sobre:
I – onde estava ao tempo da infração e se teve notícias desta;
II – se conhece o denunciante e as testemunhas arroladas e o
que alegam contra ele, bem como se conhece as provas
apuradas;
III – se é verdadeira a imputação que lhe é feita;
IV – se, não sendo verdadeira a imputação, tem algum motivo
particular para atribuí-la; e
V – todos os demais fatos e pormenores que conduzam à
elucidação dos antecedentes e circunstâncias da infração.
§ 4º Se o denunciado negar em todo ou em parte o que lhe foi
imputado, deverá apresentar as provas da verdade de suas
declarações.
§ 5º As perguntas não respondidas e as razões que o
denunciado invocar para não respondê-las deverão constar no
termo da audiência.
§ 6º Havendo comprometimento na elucidação dos fatos em
decorrência de contradição entre os depoimentos das partes, a
Comissão de Ética Profissional, a seu critério, poderá promover
acareações.
§ 7º As partes poderão fazer perguntas ao depoente, devendo
dirigi-las ao coordenador da Comissão de Ética Profissional, que
após deferi-la, questionará o depoente.
§ 8º É facultado às partes, requisitar que seja consignado em
ata as perguntas indeferidas.
Dicas para ter sucesso como Engenheiro
Civil
Postado por Ana Flávia da Fonseca

Imagine uma vida sem saneamento básico, moradia e transporte? Quando


observamos ao redor, verificamos que a maioria das coisas que fazem parte do
nosso dia a dia é fruto do trabalho do engenheiro.
Os engenheiros são os principais atores envolvidos diretamente na pesquisa,
na concepção e no desenvolvimento de cada produto que se lança no
mercado, de cada edifício que se constrói nas cidades, de cada ponte, de cada
estrada, de cada rua onde as pessoas passeiam a pé ou em seus automóveis.
O curso de engenharia civil tem enfoque em disciplinas de matemática e física
que, reforçada por conhecimentos em finanças, torna o profissional de
engenharia um dos mais disputados pelo mercado de trabalho. A faculdade de
Engenharia forma profissionais responsáveis juridicamente por um projeto, ou
parte dele, do início ao término. Por ser um profissional, a princípio generalista,
ele é plenamente adaptável em diversas áreas e campos de trabalho.
Quais habilidades é preciso ter para ser um bom Engenheiro?

Gerenciar, planejar, analisar e executar projetos que visam o bem-estar da


sociedade e a proteção do meio ambiente são algumas das habilidades de um
engenheiro civil.
Para obter sucesso profissional, o Engenheiro Civil necessita pensar e buscar
soluções criativas e econômicas para os mais diversos problemas da
sociedade, baseando-se em critérios de sustentabilidade e otimização de
recursos; atento aos reflexos sociais e ambientais dos seus atos e, nesse
contexto, encontrar soluções que sejam adequadas no âmbito político, social,
econômico e ecológico.
O profissional desta área atuará com a construção civil, transportes, geotécnica
e aproveitamento de recursos naturais.
Confira a seguir algumas dicas para iniciar uma carreira de sucesso:

Para ter sucesso na carreira de Engenheiro Civil é preciso tomar alguns


cuidados, por isso confira algumas dicas que podem lhe ajudar a se tornar um
profissional de sucesso:

 Faça o curso em uma Instituição de Ensino Superior conceituada e de


credibilidade, que lhe proporcione o conhecimento adequado;

 Dedique-se aos estudos durante toda a sua formação para somar o máximo de
conhecimento possível;

 Procure conhecimento extraclasse tais como pesquisa, monitoria, extensão e


estágios;

 Participe de eventos da área, como seminários, workshop e visitas técnicas;

 Busque experiências práticas e não obrigatórias;

 Se mantenha atualizado politicamente e economicamente;

 Busque conhecimentos extras sobre mercado e gestão;

 Tenha sensibilidade para programar transformações que proporcionem a


melhoria na qualidade de vida das pessoas;

 Seja capaz de realizar projetos de inclusão social;

 Crie projetos sustentáveis que utilizem novas tecnologias e materiais;


Estas dicas podem lhe ajudar não apenas a se tornar um bom profissional, mas
também a ser reconhecido e ter sucesso durante toda a sua carreira.
Se você quer mais do que um diploma em Engenharia Civil e se identificou com
este conteúdo, então é hora de dar um importante passo em sua vida: a
graduação.
11 coisas que um engenheiro civil
deve fazer em um projeto

Por Nadine Alves


16/05/2017

Executar um projeto de engenharia é uma tarefa múltipla, que pode


durar até anos dependendo da complexidade e do tamanho do
empreendimento. Cada etapa exige atividades, materiais e
competências diferentes, e só um engenheiro civil capacitado sabe o
que fazer em cada uma delas.

Confira abaixo 11 coisas que um engenheiro civil deve fazer em


um projeto e participe da discussão nos comentários: você concorda
com essa lista?

1. Analisar planos de longo alcance, relatórios de levantamento,


mapas e outros dados para planejar a execução do projeto

2. Considerar custos de construção, regulamentações


governamentais, potenciais riscos ambientais e outros fatores no
planejamento das etapas e análise de risco do projeto

Está gostando deste artigo?

Assine nossa newsletter e receba conteúdos como esse direto no seu


e-mail
3. Compilar e enviar pedidos de licenças a agências locais, estaduais
e federais, garantindo que as obras estejam em conformidade com as
leis

4. Realizar ou supervisionar testes de solo, para determinar a


adequação e força das fundações

5. Testar materiais de construção – como concreto, aço ou madeira –


para uso em projetos específicos

6. Fornecer estimativas de custos de materiais, equipamentos ou mão


de obra para determinar a viabilidade econômica de um projeto

7. Realizar ou supervisionar operações de levantamento, a fim de


estabelecer pontos de referência, graus e elevações para orientar a
construção

8. Gerenciar o orçamento com base também nos imprevistos, e fazer


com que o mesmo seja seguido durante o percurso da obra

9. Implantar tecnologias que facilitem a gestão de materiais, tarefas e


do trabalho dos colegas de equipe

10. Checar a qualidade construtiva do projeto executado

11. Garantir que a expectativa do cliente, o projeto inicial e o projeto


entregue sejam compatíveis

E então, o que você achou dessa lista?

Leia também: 10 erros que um engenheiro civil deve evitar no início


da carreira

Como Se Tornar um
Engenheiro Civil
A engenharia civil é uma excelente carreira com oportunidades
em várias áreas. Alguns engenheiros civis trabalham em campo,
alguns trabalham em escritórios com design, e outros trabalham
com uma combinação desses dois. Aqui estão alguns passos
que podem lhe ajudar a começar uma carreira como engenheiro
civil.

Passos
1.

1
Entenda o que um engenheiro civil faz: Basicamente, esse é o lado da
engenharia que se preocupa com o design, construção, e manutenção
de obras públicas.[1]Engenheiros civis atuam na área de estruturas e
instalações como rotas de transporte, túneis, pontes, viadutos,
aeroportos, prédios públicos (como estações de polícia ou de
bombeiros), e outras estruturas que requerem um grande público. Em
alguns países, como os Estados Unidos, a engenharia civil também
envolve a engenharia militar.[2] Outro modo de entender o que um
engenheiro civil faz é vê-lo como um meio de reduzir a complexidade
de ideias e torna-las reais.

o A Engenharia Civil um trabalho que paga bem devido ao


nível de habilidades e conhecimento requeridos, e as
grandes responsabilidades que concernem à segurança,
precisão e resultados produtivos.
o Engenheiros civis podem trabalhar em uma grande
variedade de ambientes, incluindo o setor publico, como
empreiteiros, consultores, ou até como parte de alguma
firma que contrata serviços terceirizados do município ou
governo.[3]Engenheiros civis também trabalham com
firmas de arquitetura e de construção.[4]Ao longo da vida
de um engenheiro civil, a oportunidade de variar suas
opções de trabalho são consideravelmente altas levando
em conta suas necessidades e interesses: suas
qualificações lhe permitem muita flexibilidade.
o Dentro da engenharia civil existem várias opções abertas
pra você. Seu interesse pessoal em onde se especializar
será um quesito a considerar enquanto você está
estudando e conhecendo as opções oferecidas durante o
curso. Então, certifique-se de procurar o que está
disponível em sua região.
2.
2
Avalie suas habilidades: Engenharia civil requer um bom
conhecimento em matemática, design, e em ciências naturais.[5]
[6]
Além do mais, ter imaginação fértil, criatividade, habilidade de
trabalho em equipe, lidar com grandes responsabilidades, comunicar
suas ideias com clareza através do uso de rascunhos e desenhos, são
todas muito importantes para assegurar uma carreira de sucesso na
engenharia civil.
o Se você ainda está na escola, estude matérias que focam
em matemática, tecnologia, física, economia, geografia e
geologia. Todas elas serão de grande ajuda.[7]
o Na universidade, participe de competições de engenharia,
como modelagem de pontes. Essas competições podem
aumentar seu conhecimento em como as coisas
funcionam estruturalmente e podem lhe dar uma ideia de
como trabalhar em equipe.
o Entre em contato com as universidades que oferecem
engenharia civil e descubra quais são as grades
curriculares. As grades são constantemente atualizadas
para refletir novas tecnologias e metodologias.
o Se você já tiver terminado a escola sem aprender os
conteúdos necessários de forma apropriada, talvez você
precise se matricular em cursos complementares ou fazer
testes de aptidão para provar que você pode aprender os
assuntos oferecidos no curso de engenharia civil.
3.
3
Escolha um programa de estudos: No geral, em muitos países a
prática de engenharia civil requer no mínimo o grau de bacharel, que
irá levar de 4 a 5 anos para ser obtido.[8] Dependendo de onde você
estuda, também pode ser preciso um certificado no final do curso, e
em alguns países, uma licença é o pré-requisito para ser permitido a
trabalhar na área e ser chamado de engenheiro civil.[9][10]

o Escolha um programa que tem cursos nas áreas


específicas em que você está interessado. Eles podem
incluir design, hidráulica, construção, engenharia de
terremotos, mecânica dos solos, métodos de computação,
gerência de construções, mecânica estrutural, etc.[11]
o Considere se você quer fazer o curso fora de seu país:
Expandir seu conhecimento no que está acontecendo na
engenharia civil mundo afora é de grande importância, já
que outros países irão apresentar diferentes aspectos
geológicos de sua terra natal. Pode ser preciso
proficiência em outra língua para conseguir fazer isso.
o Assegure-se de ter matérias fora de sua área de
interesse: É possível que você ache outra área que você
prefira, então tente escolher de forma ampla as áreas que
existem dentro da engenharia civil.
4.
4
Vá a viagens de campo como parte de seu curso: Ter a oportunidade
de aplicar a teoria em exemplos da vida real irá ajudar você a
compreender os princípios mais rapidamente e provavelmente irá
aumentar o seu entusiasmo pela carreira escolhida.

5.

5
Comece a pensar onde se especializar enquanto seus estudos
seguem em frente: Desde o início, encontre tudo o que você puder
sobre as diferentes opções de engenharia civil, para que você esteja
sempre alerta para estudar naquela área que despertar seu interesse.
Especializações podem incluir engenharia costeira, questões
ambientais, tráfego e transporte, engenharia estrutural, manutenção e
construção de autoestradas, e assim por diante.[12]

6.

6
Consiga um estágio: Enquanto na universidade, se possível, obtenha
um estágio na área civil que mais lhe interessa. A maioria das firmas
tem algum tipo de programa de estágio. A experiência que você ganha
é inestimável não apenas para estabelecer e esclarecer os objetivos
de sua carreira, mas também para ganhar uma valiosa experiência e
fazer de você um profissional mais desejado no meio de trabalho. A
experiência obtida no estágio em sua área de interesse pode ter tão,
ou mais valiosa para o futuro de sua carreira quanto os bons
resultados de sua graduação.

7.7
Filie-se a Organizações de Engenheiros Civis de seu país: Uma vez
que você comece a trabalhar como engenheiro civil, pertencer a
esses tipos de organizações significa estar sempre atualizado no
meio técnico, aumento nas oportunidades de emprego, e ter uma
constante troca de conhecimento entre você e outros engenheiros por
seminários, reuniões, etc.[13]

Dicas
 Uma grande quantidade de Associações Profissionais de
Engenharia (ASCE, por exemplo) fornece filiação a estudantes,
principalmente quando estão fazendo mestrado ou doutorado.
Aproveite as oportunidades que essas Associações oferecem,
como inovações, especializações, e oportunidades de emprego.

 Enquanto que a engenharia civil é um campo altamente técnico,


não negligencie outras habilidades. Comunicação e escrita são
muito desejadas em habilidades de engenharia, já que uma
comunicação eficiente é vital para bons resultados quando se
está lidando com empregadores, empregados, clientes, e outras
pessoas com a qual você precise trabalhar.

 Se você ainda estiver na escola e quiser se tornar um


engenheiro civil você deve se focar nas seguintes matérias:
matemática, física, química, geologia (para compreender se o
solo é adequado para construir edifícios, etc).

Materiais Necessários
 Passar no vestibular
 Ser bom em matérias como matemática, física e química.

Fontes e Citações
1. ↑ Wisegeek, What does a civil engineer
do?, http://www.wisegeek.com/what-does-a-civil-engineer-
do.htm
2. ↑ Wikipedia, Civil
Engineer, http://en.wikipedia.org/wiki/Civil_engineer
3. ↑ SET, What do civil engineers do?, http://www.science-
engineering.net/civil3_engineering.htm
Exibir mais... (10)