Você está na página 1de 13

A Importância

do Ministério
Apostólico
Um pequeno documentário sobre a
necessidade do ministério apostólico
para o desenvolvimento do organismo
vivo chamado Igreja
Sobre o Autor

Bispo Rodrigo Oliveira é natural de Bauru, interior do

estado de São Paulo. É casado com Pastora Juliana Oliveira desde

2004, quando se mudou para a cidade de Jaú, e Pai de Miguel

Oliveira. Bispo Rodrigo é Bacharel em Teologia e fundador do

Ministério Apostólico Shalom na cidade de Jaú, onde iniciou os

trabalhos na garagem da casa de seu Sogro no ano de 2010.

Rodrigo e Juliana, juntamente com todo o corpo da Comunidade

tem desenvolvido um trabalho de restauração de vidas através

do discipulado e trabalhos específicos para que as pessoas

encontrem em Cristo a verdadeira motivação para prosseguirem

na carreira cristã.

Bispo Rodrigo Oliveira, Pra Juliana Oliveira


e Miguel Oliveira.
A
IMPORTÂNCIA
DO
MINISTÉRIO
APOSTÓLICO
Ministério Apostólico; Existe ou não existe nos dias de hoje?
Quem nunca ouviu falar que “Apóstolo” foram somente os 12 Apóstolos de
Jesus, mais o Apostolo Paulo, ou jamais ouviram que Apóstolo é mais um titulo
hierárquico estabelecido pelo modismo evangélico do século XXI. Confesso que eu
também pensava igual, e concordava com este pensamento. Nasci espiritualmente em
uma Comunidade onde se ensinava princípios tradicionais, e devido a isso, desde que
iniciei meus estudos na área da teologia, defendi, ensinei e apregoei tal filosofia.
Mesmo diante da palavra de Deus, nunca houve em mim a coragem de questionar
sobre o assunto, pois sempre me amparei nas vozes teológicas que me cercavam.

Porém, certo dia me deparei em um estado de independência, onde me


encontrei caminhando sozinho no ministério, pastoreando e presidindo a Comunidade
em que sou Bispo, com dezenas de pessoas sedentas caminhando comigo, e me
perguntava: E AGORA!!!

Foi quando pela primeira vez, recebi um Apóstolo em nossa Comunidade.


Totalmente desconfiado e com as tradicionalices gritando dentro de mim, o Apóstolo
por nome Daniel David Castro começou a ministrar no altar de nossa Comunidade.
Quando ele subiu ao altar, meu corpo começou a tremer, e no final do culto, ele com
uma autoridade incontestável que jamais havia visto desde os tempos de minha
conversão, impôs as mãos sobre mim, e eu cai ao chão, sem conseguir governar
minhas pernas. Foi algo extraordinário que jamais havia sentido em toda minha vida.
Foi quando resolvi perguntar para a Bíblia sobre o ministério Apostólico, pois uma das
disciplinas da teologia chamada hermenêutica nos ensina em uma de suas regras de
interpretação, que acredito ser a mais importante de todas que “A BIBLIA INTERPRETA
A PRÓPRIA BÍBLIA”. Se a Bíblia a interpreta por si mesma, ela tinha que ter uma
resposta para me dar.

Foi quando vaguei por varias madrugadas buscando respostas para as minhas
perguntas, porém agora não mais apegado a tradições teológicas, mas vulnerável ao
Espírito Santo. Descobri algumas coisas que gostaria de compartilhar com você, que
talvez esteja como eu, preso em tradicionalismos religiosos e teológicos que nos
impedem de viver a maravilhosa graça de Deus. Porém antes de falar sobre o assunto,
quero deixar um pequeno conselho a você, que estará lendo esta mensagem.

“E NÃO VOS CONFORMEIS COM ESTE MUNDO, MAS TRANSFORMAI-VOS PELA


RENOVAÇÃO DO VOSSO ENENDIMENTO, AFIM DE QUE EXPERIMENTEIS QUAL SEJA
BOA, AGRADAVÉL E PERFEITA VONTADE DE DEUS.” Romanos 12.2

Para compreendermos o texto de Romanos 12.2, precisamos nos aprofundar no texto,


aplicando uma exegese textual para conhecermos 3 termos gregos usados neste
versículo e compreende-los:

σσστηματιζω – suschematizo – conformar: significa conformar-se ao padrão;


tornar-se igual.
αιων – Aion – Mundo: significa período de tempo, geração, tempos.

μεταμορυοω - Metamorphoo – Tranformar: significa mudar de forma,


transfigurar, transformar-se de uma maneira sobrenatural.

(Dicionário Léxico Grego / Português Strong / James Strong)

Compreendendo o texto então, o Apostolo Paulo está direcionando a Igreja de


Roma sobre alguma geração, ou um período de tempo. Ele está dizendo; “NÃO SE
TORNEM IGUAL A ESTA GERAÇÃO, MAS QUE HAJA UMA TRANFORMAÇÃO
SOBRENATURAL EM VOCÊS ATRAVÉS DO ENTENDIMENTO...”.

Partindo deste principio, Paulo está falando de uma geração; mas qual geração
é essa? Se procurarmos o contexto, iremos ao versículo 1 do capitulo 12, e vamos ver
que Paulo esta dizendo que o homem agora deve apresentar a si mesmos a Deus, ao
invés de oferecer sacrifícios como antigamente, que tornaram-se apenas atos
religiosos. Agora é necessários ser totalmente entregues a Deus. Daí compreendemos
no versículo 2 que o Apostolo esta dizendo que não podia-se conformar com os atos e
pensamentos religiosos daquela geração, mas deveriam buscar uma transformação
através de um novo entendimento, e esta transformação iria levá-los a experimentar a
boa, perfeita e agradável vontade de Deus. (Para comprovar a interpretação acima,
favor fazer a leitura do capítulo 11 de Romanos)

Trazendo o texto para a prática pessoal dentro deste entendimento,


compreendemos que devemos ser livres de toda e qualquer filosofia religiosa, pois a
mesma impede que o homem conheça a verdadeira vontade de Deus para sua vida.
Muitas crendices, atos, dogmas e filosofias religiosas foram inseridos à Igreja ao longo
de sua história. Homens como John Wyccliffe, Martinho Lutero, John Calvino e outros
foram ousados e se permitiram transformar-se através da renovação de
entendimento, tornando-se heróis da era protestante trazendo uma nova ideia de
Igreja. Podemos citar também os grandes movimentos protestantes como QUAKERS,
HOLLINES, METODISMO, e o que perdura como o maior dos movimentos conhecido
como o “AVIVAMENTO DA RUA AZUZA”, liderado por Willian J. Seymour. Percebemos
que o Espírito Santo em todos esses tempos passados teve um papel importante,
agindo e convencendo esses homens que com coragem e força, se lançaram
profeticamente na graça que lhes foram dadas e conseguiram não somente
transformar suas maneiras de ver e pensar a Igreja, mas influenciaram o mundo com a
pregação do Evangelho, que em tempos de paganismos dogmáticos, voltava a sua
pureza original. Chegamos então em nossos dias, onde ainda vivemos dogmas e
doutrinas aplicadas pela religiosidade. Mas acredito piamente que a reforma
eclesiástica ainda não se interrompeu. Vivemos dias de reforma, onde homens e
mulheres, ricos e pobres, gentios e judeus estão vivendo uma transformação
sobrenatural, onde o entendimento tem se renovado e trazido avivamento novamente
a Igreja. Uma das partes dessa transformação, é a restauração dos 5 ministérios.
Enxergando a Igreja como corpo.
Se aplicarmos hermenêutica para o tema dons espirituais, iremos reparar que
nos textos que falam dos tais, como Romanos 12, I Coríntios 12 e Efésios 4, iremos
verificar que Paulo, autor das epistolas em análise, sempre traz a ideia de “CORPO”
para compreendermos a necessidade deles. Um corpo para estar em pleno vigor,
todos os membros do mesmo deve estar em total funcionamento. Quando membros,
mesmo que sejam pequenos, mas necessários no corpo não funcionam, o corpo todo
sofre. Isso é o que ensina a palavra em I Coríntios 12.26. Prova real disso, é quando
conseguimos perder a unha do dedinho mínimo do pé. Um exemplo fútil, mas quem já
teve a oportunidade de perder sabe o quanto doeu, não somente o pé, mas o corpo
todo. Por isso, todo corpo deve estar em pelo funcionamento, e todos os membros
que tem diferentes funções, devem operar em plena harmonia.

Precisamos entender que Igreja em sua fundamentação não é uma organização


hierárquica, mas um organismo vivo, que precisa estar em pleno funcionamento. Ao
longo da história, a Igreja perdeu essa identidade, transformando-se apenas em
organização religiosa. Este tipo de pensamento trouxe frustrações para grandes
homens eleitos por Deus, porem que não compreendiam o seu lugar no corpo. Quero
dizer com isto, que muito “PASTOR” era Apóstolo, ou Profeta, ou Evangelista, ou
Mestre. Mas o “TITULO ECLESIASTICO HIERARQUICO” passou a ser o alvo de todos.
Todos queriam ser Pastor. Isso na decorrência dos tempos trouxe um problema para a
igreja chamada “CRISE DE IDENTIDADE”. Os membros da Igreja que deveriam
funcionar plenamente por estarem no corpo, passaram a assumir lugares no mesmo
que não lhe pertenciam. Muitos ainda trocavam ou trocam de DENOMINAÇÃO, em
busca de oportunidade. Essa oportunidade buscada, na verdade era uma forma deste
membro do corpo dizer “COMO MEMBRO DO CORPO EU PRECISO FUNCIONAR”.

Quando compreendi isso nessas madrugadas em claro, passei a compreender o


porquê muitas Comunidades sofrem por si mesmas. A Comunidade da qual sou Bispo
passou por isso. Foi quando conheci um grande homem de Deus, por nome PAULO
SERGIO DE PIERI, que, movido pelo Espírito Santo, passou a exercer o papel de Pai
Ministerial sobre minha vida. Este, com todo seu conhecimento, sabedoria e
maturidade, me mostrou a importância da restauração ministerial que a Igreja, o
organismo vivo, a noiva do cordeiro deveria passar. Compreendi então, a importância
dos 5 Ministérios, ou poderíamos dizer 5 Dons Vocacionais, que precisam estar em
pleno funcionamento no Corpo.

Os 5 Ministérios

E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para
evangelistas, e outros para pastores e doutores,
Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para
edificação do corpo de Cristo;
Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de
Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo,
Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por
todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia
enganam fraudulosamente.
Efésios 4:11-14

Por muito tempo, a Igreja anulou esses importantes ministérios, dando lugar a
“TITULOS ECLESIASTICOS”, e com isso, levando a Igreja, que é um organismo vivo,
tornar-se uma ORGANIZAÇÃO HIERARQUICA ECLESIASTICA RELIGIOSA. Por isso faz-se
necessário a Igreja, a noiva do cordeiro, volver aos primeiros preceitos cristãos
ensinados pelos primeiros Apóstolos. Estes preceitos, incluem a restauração dos 5
Ministérios, ou 5 Dons Vocacionais, para que a Igreja, dentro de uma visão de corpo,
possa crescer e amadurecer dentro de princípios Bíblicos.

Falando dos 5 Ministérios, não há problema quando se fala em Evangelista,


Pastor, Mestre e Profeta. Mas quando vamos falar sobre APÓSTOLO, existe uma
repulsa desenfreada por parte de muitos, assim como um dia foi comigo. Eu critiquei e
ensinei de forma arbitraria sobre o assunto. Para mim o termo APÓSTOLO nos dias
atuais era abominável. Mas assim como o Salmo 73, escrito por Asafe, no versículo 17
parte A diz: “... Até que entrei no Santuário...”.

Quando entramos na presença de Deus, vulnerável ao seu Espírito e pronto


para viver uma experiência real com Ele, começamos a compreender as coisas como
elas devem ser. Para mim, foi como se escamas caísses dos meus olhos, e eu
enxergasse aquilo que jamais queria enxergar. Quando passei a viver isso, confessei a
Deus, e pedi perdão por meus equívocos religiosos. Foi quando passei a viver um
período que chamamos de “TRANSIÇÃO”. Um período de transformação e de
entendimento. Traz consigo muito sofrimento, dor e perdas que nas nossas
perspectivas humanas, são irreparáveis, mas dentro de uma visão espiritual, tornam-se
necessárias para que nos tornemos totalmente dependentes de Deus.

Quando pude viver essa experiência com Deus, passei a ver os Ministérios
Vocacionais imprescindíveis para o crescimento da Igreja, não numérico, pois “IGREJA
EM CRESCIMENTO, NÃO É AQUELA QUE ALCANÇA O MAIOR NUMERO DE
FREQUENTANTES, POIS ISSO SE CHAMA RESULTADO, MAS AQUELA QUE CONSEGUE
COLOCAR CADA MEMBRO EM SEU LUGAR NO CORPO, ISSO SE CHAMA MATURIDADE”.
E devemos compreender que o MINISTERIO APOSTOLICO faz parte destes 5
Ministérios da Igreja.

Derrubando conceitos formados sobre apóstolos


No inicio deste documentário, disse que muitos ainda acreditam que
APOSTOLOS foram apenas o 12 que Cristo escolheu, mais o Apostolo Paulo. Como já
disse, sempre defendi essa filosofia. Porém quando pude viver uma experiência
diferente com Deus, assim como Jó, meus olhos se abriram, e eu fiz as seguintes
perguntas:

 Se Apóstolo foram apenas os 12 escolhidos por Cristo, significa então que Judas
foi Salvo? Pois Judas era Apostolo do Cordeiro. Essa questão me veio à
memória devido ao que está escrito em Apocalipse 21.14, que diz que João viu
que no muro da Cidade Santa, havia 12 fundamentos com o nome dos doze
Apóstolos do Cordeiro. Isso gerou outros questionamentos.
 Se não foi Judas, quem era o 12º apostolo? Matias ou Paulo? Não encontramos
em nenhum texto dizendo o nome do 12º apostolo. Alguns podem afirmar que
o 12º é Matias. Mas a outra questão é: Matias era apostolo do Cordeiro? Se
analisarmos o texto de Atos 1.21-26, vamos ver que Matias foi escolhido por
terem tirado sorte (VS 26). Entendemos também que quem escolheu Matias
não foi Jesus, deixando vaga à idéia que ele tenha sido Apostolo do Cordeiro.
 Se o 12º Apostolo de Apocalipse 21 é Paulo, Jesus estaria sendo injusto com
Matias?

Perceba que os questionamentos não têm fim. Porem foi através destes
questionamentos que pude compreender a função de um Apostolo. Quanto ao 12º
Apostolo do Apocalipse 21, não cheguei à conclusão nenhuma, visto que a Bíblia não
indica o seu nome. Prefiro então lhe esclarecer algo: existe algumas questões Bíblicas
que não cabe a nós deduzirmos por métodos textuais algo que será esclarecido apenas
na eternidade. Digo então que para nós não acrescentará em absolutamente nada
sabermos se será Matias ou Paulo, pois isso já esta definido por aquele que irá reinar
nessa Santa Cidade, não cabendo a nós afirmar qualquer nome para tal coluna.

O que cabe a nós é descobrirmos que o Ministério Apostólico não se trava nos
12 apóstolos, mais Paulo. Iremos encontrar na Bíblia outros Apóstolos. Para
compreender sobre isso será necessário abrir textos Bíblicos específicos. Vejamos os
Apóstolos encontrados na Bíblia, além dos 12 nomeados por Jesus:

MATIAS (Atos 1.26)


BARBABÉ (I Coríntios 9.5-6; Atos 13.1-3; 14.4,14; Gálatas 2.9)
ANDRONICO E JUNIAS (Romanos 16.7)
APOLO (I Coríntios 4.6-9)
TIAGO IRMÃO DO SENHOR (Gálatas 1.19; 2.6)
TIMOTEO E SILVANO (I Tessalonicenses 1.1, 2.6-7)
TITO (II Coríntios 8.23)
EPAFRODITO (Filipenses 2.25)
PAULO (Gálatas 1.1; 2.8)
OUTROS NÃO ESPECÍFICOS (II Coríntios 8.23)
(Em algumas versões, iremos encontrar palavras como EMBAIXADOR ou ENVIADO.
Estes termos são o mesmo que Apóstolo. A versão King James, por exemplo, denomina
Apóstolo.).
A função do Apostolo

αποστολος apostolos
1) um delegado, mensageiro, alguém enviado com ordens
1a) especificamente aplicado aos doze apóstolos de Cristo
1b) num sentido mais amplo aplicado a outros mestres cristãos eminentes
1b1) Barnabé
1b2) Timóteo e Silvano

O Dicionário Léxico Grego / Português James Strong apresenta o Apóstolo


como um Delegado, alguém enviado com ordens. No Hebraico, o termo seria Shaliach
que significa emissário, embaixador. Se fizermos uma interpretação mais plena da
palavra Shaliach, observando o significado das letras do alfabeto Hebraico,
conseguiremos compreender melhor a função de um apostolo. A palavra Shaliach, é
composta de 3 letras hebraicas; Shim, Lâmed e Chet (com som de 2 RR). Cada letra
dessas contém um significado, expondo princípios. Vejamos:

Shim - Essa letra tem o significado de dente com o entendimento que os dentes
trituram os alimentos para que suas vitaminas sejam totalmente absorvidas pelo
organismo. Partindo deste principio, Shim é o dente que tritura os princípios de
Deus, ensinados pelas escrituras, para que o corpo absorva de forma a extrair os
nutrientes necessários para se manter em pé e em pleno crescimento.

Lâmed – Essa letra significa um aguilhão. Uma vara com ponta de ferro afiada. É
a mais alta letra do alfabeto hebraico, que traz o conceito de romper os limites,
de ir alem do seu potencial, de entrar no sobrenatural através do natural. A letra
traz também o conceito simultâneo de aprender ou ensinar. Num
relacionamento, devo estar disposto a aprender com o outro, tornando-me
assim um receptor. Porém a outra pessoa também deve ser capaz de aprender
comigo, o que então faz de mim o mestre, o doador. Essa letra pode nos trazer o
conceito de PATERNIDADE.

Analiticamente, é a junção de duas Letras do alfabeto hebraico; Vav e Zayin. De


acordo com os místicos judeus, Chet é a letra da vida, uma vez que (chayim -
vida) e (chayah - vivo) ambos começam com essa letra. A verdadeira vida vem
de (chasidut - devoção). Chet (8) também é o número da graça, (chen) e o
número da sabedoria (chokmah). Uma vez que Vav representa pessoas ou
outros, e Zayin representa tempo, Chet é um retrato de passar um tempo na
comunidade, (chavurah). Chet também é a letra da luz uma vez que o Vav
representa a luz yashar que desce de Deus e Zayin representa a luz chozer que
sobe ou retorna para Deus. Portanto, alguns dos místicos judeus consideram
Chet ser a porta de entrada da luz do céu.
Compreendemos então que o Ministério ou, Vocação de um Apóstolo é “UMA
SABEDORIA VIVA, ADVINDA DE UMA VERDADE BEM ABSORVIDA QUE ULTRAPASSA
LIMITES NATURAIS ATINGINDO LIMITES SOBREANTURAIS”. (Interpretação Particular).
Se compreendermos dessa maneira, iremos entender o ministério dos primeiros
Apóstolos, que não apenas operaram sinais e maravilhas, mas a sabedoria deles
ultrapassou limites naturais com uma revelação sobrenatural. O que se tornou
permanente na História dos Primeiros Apóstolos, não foram os milagres, mas sim os
ensinamentos, exatamente como Nosso Jesus. “O que ira permanecer no ministério
Apostólico, não é o que Deus fará por meio dele, mas o Deus irá ensinar a sua Igreja
através dele”.

Não podemos considerar que o ministério apostólico ficou travado aos 12


apóstolos e Paulo, justamente porque o Espírito é quem dá, ou melhor, coloca a
pessoa nessa determinada função. Em I Coríntios 12, iremos compreender isso,
quando Paulo no versículo 28 diz que “ALGUNS PÔS DEUS NA IGREJA,
PRIMEIRAMENTE APÓSTOLOS...”, observando que esta vocação é de suma
importância para o corpo. Não é importante pela posição hierárquica, pois essa visão
não é genuína da Igreja, pois Jesus ensina que o maior serve o menor. Isso significa que
o Apóstolo deve servir mais do que qualquer outra pessoa do corpo, pois foi colocado
primeiramente, não para receber primazia, mas para ser o primeiro a servir.

Características de um Apóstolo
É um tanto quanto complexo exemplificar as características de um Apóstolo,
visto que Biblicamente, os primeiros Apóstolos eram diferentes uns dos outros. Iremos
ver Pedro, que era Apóstolo, colocar-se na condição de Presbítero (I Pedro 5.1). Vamos
ver João, uma pessoa doce, amável, e também iremos ver Paulo, um fundamentador
de princípios.

Apesar das diferenças de personalidades, conseguimos extrair algumas


características do ministério Apostólico, principalmente através da vida e palavras do
Apostolo Paulo. Vejamos:

 Um edificador da Igreja –(I Coríntios 3.10-11) – O Apostolo torna-se um


edificador, porem a Base do edifício, o fundamento é um só: Jesus Cristo (vs11).
Edificar Igreja não é construir ou abrir Comunidades. Edificar a Igreja e poder
enxertar nela a visão celestial do Reino de Deus, estabelecendo princípios para
que ela (igreja) cresça, e se torne madura para estabelecer o reino no mundo.
Estes princípios são alicerçados pela palavra de Deus, pois ela é a nossa única
régua de fé e pratica. Qualquer principio ensinado que esteja fora da palavra,
não é digno de aceitação (Gálatas 1.8-9).
 Designador de outros ministérios (Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres) –
O Apostolo tem autoridade e autonomia para nomear pessoas para o cuidado e
para o desenvolvimento da Igreja. Ressalta-se que Tito exercia ministério
apostólico, pois o mesmo foi enviado a Creta para nomear Bispos e Presbíteros
nas Igrejas daquela cidade, e para por ordem na Igreja estabelecendo princípios
(Tito 1.5-9).
 Receber revelações celestiais – O Apóstolo, por ter um espírito voltado
totalmente a Cristo (não que os outros ministros não tenham), recebem da
parte de Deus revelações que geram vida, crescimento e maturidade à Igreja.
Suas mensagens por virem repletas de princípios, geram arrependimento e
fazem com que a noiva expresse a vontade de Deus gerando em si mesma
MATURIDADE (Efésios 3.5)
 Exercício de Paternidade – Quando se fala de paternidade, alguns já pensam
em COBERTURA ESPIRITUAL. Tenho a visão de que a cobertura vem de cima.
Nisto compreendemos que a nossa cobertura vem de Cristo. Paternidade é
caminhar ombro a ombro, em um relacionamento construído não de uma
forma vertical, mas horizontal. A Paternidade e a forma que Deus estabeleceu
para transferir legado aos homens. Deus sempre transferiu legados de Pai para
filho. Prova disso, é a história do Patriarca Abraão que teve sua promessa
cumprida na geração de seus bisnetos e tataranetos, pois o legado de
promessa e de ensinamentos foi transferido de Pai para filho. Talvez você possa
questionar o seguinte: Mas eu já tenho meus Pais terrenos; Eles exercem
Paternidade sobre minha vida. Pois bem. Respondo da seguinte maneira: e se
os seus pais não tem legado eclesiástico, ou sacerdotal? Quem será a tua
Paternidade? Até podemos caminhar sozinhos, mas muitas vezes pagamos
preços desnecessários pelo orgulho de não querer estar sujeito a alguém.
Vemos o caso de Eliseu, que permaneceu com Elias até o fim, mesmo depois de
testado. No final, quem herdou a capa de Elias e recebeu porção dobrada de
seu Espírito? Eliseu!!! Quando o mesmo viu Elias subir aos céus ele exclamou;
MEU PAI, MEU PAI. Eliseu compreendeu o valor da Paternidade.

O que é Paternidade?
A palavra Paternidade provém do termo grego Pater. No dicionário Strong
Grego / Português James Strong traz muitas definições para a palavra Pater, mas uma
dessas me chama atenção trazendo a seguinte definição: “ORIGINADOR OU
TRANSMISSOR DE ALGO”. Para objetivar com mais clareza sobre o tema, quero
apresentar algo que aprendi com um Apóstolo que tem inspirado minha vida; o
Apóstolo Arles Marques. Ele em uma de suas ministrações sobre paternidade
apresenta o que uma paternidade pode significar para alguém.

A – Sacerdócio – Sacerdote é aquele que Representa seus filhos diante de Deus,


exercendo o papel de um intercessor.

B – Profético – Profeta é aquele que representa Deus diante de seus filhos, exercendo
um ministério profético.
C – Governo – É aquele a quem devo submissão e respeito, exercendo autoridade
espiritual sobre minha vida.

Quando compreendemos estes princípios, logo enxergamos a necessidade de


vivermos sob a autoridade de alguém, para que possamos receber dela sacerdócio,
representação profética e governo.

O papel exercido por uma Paternidade Ministerial

1- Cuidado - Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que
está em Cencréia, Para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a
ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a
muitos, como também a mim mesmo. Romanos 16:1,2

E, se Timóteo for, vede que esteja sem temor convosco; porque trabalha na
obra do Senhor, como eu também. Portanto, ninguém o despreze, mas
acompanhai-o em paz, para que venha ter comigo; pois o espero com os
irmãos. 1 Coríntios 16:10,11

Todos nós precisamos de cuidados. Não é porque tenho qualquer posição


eclesiástica, que não preciso de alguém para cuidar de mim. Não podemos estabelecer
juízo sobre nossa própria cabeça. Por isso torna-se fundamental ter um Apostolo como
Paternidade.

2- Instrução - Não estais estreitados em nós; mas estais estreitados nos vossos
próprios afetos. Ora, em recompensa disto, (falo como a filhos) dilatai-vos
também vós. 2 Coríntios 6:12,13

Este mandamento te dou, meu filho Timóteo, que, segundo as profecias que
houve acerca de ti, milites por elas boa milícia; 1Timóteo 1:18

A Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: Graça, misericórdia, e paz da


parte de Deus Pai, e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador. Tito 1:4

A instrução traz para nós sabedoria. Portanto é importante todos aqueles que
servem a Deus no seu Reino tenham pais que possam instrui-los em sua caminhada.

3- Transmitir legado - Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não
teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus
Cristo. 1 Coríntios 4:15

E espero no Senhor Jesus que em breve vos mandarei Timóteo, para que
também eu esteja de bom ânimo, sabendo dos vossos negócios. Porque a
ninguém tenho de igual sentimento, que sinceramente cuide do vosso estado;
Porque todos buscam o que é seu, e não o que é de Cristo Jesus. Mas bem
sabeis qual a sua experiência, e que serviu comigo no evangelho, como filho ao
pai. Filipenses 2:19-22

Peço-te por meu filho Onésimo, que gerei nas minhas prisões; Filemom 1:10

Transmitir legado, não significa fazer de pessoas “MINIS”, ou “COVERS” de


alguém. Transmitir legado é deixar um bom exemplo a ser seguido, principalmente em
caráter. Logicamente toda bagagem espiritual que tem sobre aqueles que exercem
paternidade, transferem-se como legado para a vida dos filhos. O principio da
Paternidade é demonstrado por Paulo à Igreja de Corinto. “Eis aqui estou pronto para
pela terceira vez ir ter convosco, e não vos serei pesado, pois que não busco o que é
vosso, mas sim a vós: porque não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais
para os filhos”. 2 Coríntios 12:14.

Transmitir legado, e poder transferir sobre os filhos, aquilo que recebemos de


nossos Pais (Ministeriais). Por este motivo, é importantíssimo você que ainda não tem
seus Pais Ministeriais, ore a Deus pedindo um Pai a quem possa se submeter, pois o
principio de transmissão de legado é a submissão. Prova deste fato está na história de
Elis e Eliseu.

Considerações finais
Não podemos mais aceitar viver debaixo de fardos religiosos, tampouco
podemos permitir que sofismas e filosofias tirem de nós a alegria de compreendermos
o reino de Deus como exatamente ele é. Devemos então pedir ao Pai que nos revele
acerca das coisas do Reino. Não se precipite em julgamentos antes de conhecer a boa,
agradável e perfeita vontade de Deus. Sei que muitos podem olhar para este pequeno
documentário e criticá-lo sem ao menos estudar os fundamentos aqui expostos. Mas
um conselho deixo; podemos viver coisas extraordinárias vindo da parte de Deus,
rompendo com a religiosidade dogmática de costumes e pensamentos fundamentados
em pensamentos humanos e tornando-se vulnerável ao Espírito Santos, permitindo
com Ele, que segundo a promessa de Nosso Senhor Jesus Cristo, nos guiaria em toda
verdade, nos tire as escamas dos olhos, e renove o nosso entendimento, para que
possamos viver a sua perfeita e agradável vontade, e que através de nós, possa
manifestar o reino de seu filho. Lembre-se:

Mas vòs sois a geração eleita, o sacerdòcio real, a nação


santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes
daquele que vos chamou das trevas para a sua
maravilhosa luz;
1 Pedro 2:9