Você está na página 1de 78

DESTILAÇÃO

Professora Príscila Marques


Operações Unitárias
Destilação
Ontem...
Destilação
No laboratório

Fonte: http://www2.fc.unesp.br/lvq/destilacao02.gif
Conceito - Destilação
É uma separação ou purificação de componentes de uma
mistura com base na diferença de composição que se
estabelece entre as fases quando uma fase vapor é
gerada pela vaporização parcial de uma mistura em fase
líquida*.

• Fase rica nos componentes mais leves, de menor ponto


de ebulição, Destilado.

• Fase rica nos componentes mais pesados, de maior


ponto de ebulição, Resíduo.

* Cecilia, TADINI, C., TELIS, Vânia Nicoletti, MEIRELLES, Antonio José Almeida, PESSOA FI. Operações Unitárias na Indústria de Alimentos - Vol. 2. LTC, 10/2016.
Aplicações

• Separação de frações do petróleo.


• Recuperação de solventes.
• Obtenção de bebidas alcoólicas.
• Obtenção de nitrogênio e oxigênio gasoso a partir do
ar atmosférico.
• Dessalinização da água do mar.
Destilação Fracionada do ar
-196 °C

-186 °C

-200 °C

-183 °C
https://juruteramuslims.wordpress.com/2013/12/27/air-separation-process-cryogenic-distillation/
Para começar...

Ponto de Ebulição é a temperatura na qual a


pressão de vapor se iguala a pressão externa.
• Elevada pressão de vapor = Ponto de Ebulição mais
baixo = substância mais volátil

Se a pressão externa muda, o ponto de


ebulição muda
• Pressões Externas mais baixas = Menores Pontos de
Ebulição
Pressão de vapor
Só para relembrar...
PE e Pressão de vapor

Temperatura X Pressão de Vapor


Tipos de destilação
Diferencial ou
simples

Pressão reduzida
Reativa / De equilíbrio
(FLASH)

Por arraste de
Azeotrópica
vapor

Extrativa Fracionada
Destilação Diferencial

• Ou destilação Rayleigh ou simples.

• A carga é aquecida até a temperatura de


ebulição do componente que se deseja
volatilizar.

• O produto de interesse pode ser tanto o


destilado quanto o resíduo.
Destilação Diferencial ou simples

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bhad_column.png
Destilação de cachaça

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/43462/artesanais+ou+industrial+no+barril+de+carvalho+ou+alambique+de+cobre+as+muitas+formas+de+obter+cachaca.shtml
Destilação de Equilíbrio ou Flash

• Pode ser realizada em batelada ou em regime contínua


(mais frequente).

• A alimentação líquida preaquecida é alimentada num


tanque de expansão, no qual uma parte do líquido vaporiza
(Despressurização rápida).

• A Destilação “Flash” só permite um grau de separação


razoável se a diferença de volatilidade entre os dois
compostos a separar (A e B) for elevada.
Flash
Dessalinização de água
Destilação por arraste de vapor

• Consiste em injetar vapor na mistura líquida ao


invés de realizar o aquecimento através de um
trocador de calor.

• O vapor que sai da mistura arrasta preferencialmente o


componente mais volátil.

• Se os componentes de interesse forem muito sensíveis a


temperatura, usa-se reduzir a pressão para evitar a
degradação.
Aplicações

• Seu maior emprego é na separação de misturas com


características desfavoráveis de transferência da calor ou de
líquidos que se decompõem quando destilados normalmente
à pressão atmosférica.

• Pode ser usada na separação de intermediários ou produtos


finais de sínteses moléculas orgânicas complexas.

• Produção industrial de óleo de eucalipto e óleo de laranja.


Extração de óleos essenciais

Fonte: https://www.newdirectionsaromatics.com/blog/articles/how-essential-oils-are-made.html
Extração de óleo de sândalo

Fonte: http://www.bestengineeringtechnologies.com/essential-oil-plants.html
Destilação Fracionada

• Na destilação fracionada opera-se com vaporizações


e condensações sucessivas num equipamento
conhecido como coluna de fracionamento.

• As colunas ou torres de fracionamento podem ser:


• pratos
• recheio

• Este tipo de destilação pode ser efetuada em batelada ou


em regime contínuo.
Destilação de petróleo

Fonte: https://2.bp.blogspot.com/-9vAatyXfMpA/WTlqIr-3feI/AAAAAAAAEBY/i9YjNdnHzK8O5I8OcD8Hr25dPhHSlYZywCEw/s1600/destila%25C3%25A7ao-fracionada-vacuo-petroleo.png
Diagramas de Fases da H2O
Subst. Puras X Misturas
Comportamento de uma substância pura ao
ser aquecida:
Mudanças de fase em misturas
Misturas

Misturas Azeotrópicas

Fornecimento de energia

Fornecimento de energia
A Lei de Raoult
• O cientista francês François Marie Raoult em 1882
fez uma ampla série de medidas experimentais de
pressão de vapor e observou que:

• A pressão de vapor do solvente na solução de soluto


não-eletrólito e não-volátil é igual ao produto da
fração molar do solvente pela pressão de vapor do
solvente puro, numa dada temperatura.
• Psolução = xsolvente Psolvente puro + xsoluto Psoluto puro
Exemplo

• Em (A) e (B), a fração em mols do


soluto é 0,05 e a do solvente é
0,95.
• A 30°C a pressão de vapor da
água pura é 4,2 kPa. Fazendo uso
da Lei de Raoult:
Psolução = xsolvente Psolvente puro =
0,95 4,2 kPa = 4,0 kPa

Experimentalmente comprovou-
se que é o mesmo para as
soluções (A) e (B), uma vez que a
fração em mols do solvente é a
mesma.
Psolução = xsolvente Psolvente puro =
0,95 7,4 kPa = 7,0 kPa
Conclusão
• Quando os componentes de uma mistura
binária são completamente miscíveis, a
pressão de vapor da mistura é função da
composição e da pressão de vapor dos
componentes puros
Volatilidade relativa
• Volatilidade: é um parâmetro que indica a maior
ou menor tendência de uma substância passar do
estado líquido para o vapor.

• Portanto, quanto maior a pressão de vapor de


uma substância maior é sua volatilidade, pois
maior será a tendência de sua moléculas
passarem do estado líquido para o estado vapor.

• Volatilidade relativa : é definida como a razão da


volatilidade entre dois componentes.
E para misturas?
Diagrama de fases para mistura binária (ideal)
Curva do
ponto de Vapor Curva do
orvalho
ponto de
orvalho

Líquido

Fração molar
http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view
Continuando...
Diagrama de fases para mistura binária
Teb do
componente 2 Vapor Teb do
puro componente 2
puro

Qual o
componente Líquido
mais volátil?

Qual estaria em
Fração molar
maior conc. no
http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view destilado?
Curvas de ponto de bolha e de orvalho

• Temperatura de ponto de bolha: temperatura na qual uma


determinada mistura líquida apresenta a formação da 1ª
bolha de vapor.

• Temperatura de ponto orvalho: temperatura na qual uma


determinada mistura gasosa apresenta a formação da 1ª gota
de líquido.

* Obs: no caso de componentes puros o ponto de bolha coincide


com o ponto de ebulição e o ponto de orvalho com o ponto
de condensação.
Início: geração da segunda fase

Composição inicial
da mistura
xA = 0,61 ou
~ 61% de A

http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view
Início: geração da segunda fase

A composição
Uma outra fase é
formada a partir da fase líquida
da fase líquida mudou e
passou a existir
fase vapor.

http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view
Início: geração da segunda fase

Fase líq.
xA = 0,4

Fase Vapor
yA = 0,75

http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view
Como ocorre a destilação?

• Usa-se estágios nos quais duas correntes (um líquido


e um vapor) entram em contato para produzir duas
outras correntes cujas composições diferem das
originais.

• De um modo geral, o vapor que sai de um estágio


acha-se enriquecido nos componente mais voláteis.
O líquido por sua vez, sai com menor quantidade de
voláteis do que o líquido alimentado.
Estágio ou Andar de equilíbrio

Em cada andar, o
líquido e o vapor
produzidos estão em
equilíbrio à
temperatura de
saturação.

http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view
Diagramas de Fases: Temperatura X
composição
Composição do
– Na horizontal: vapor
Composição global constante.
(Composição na fase líquida

Temperatura, T
e gasosa variáveis até o
final da destilação)

– Na vertical: Temperatura
Temperatura constante. de ebulição
do líquido

Fração Molar de A, xA
Temperaturas e composições mudam
Qual das duas separações precisará de
mais estágios de equilíbrio?

Fração Molar de B, xB Fração Molar de B, xB


Equipamento precisa ter vários
estágios de equilíbrio
Nem esse
líquido tem a
mesma
composição que
o do prato Esse vapor não
acima. tem a mesma
composição que
o vapor do
prato acima.

http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?Itemid=361&id=196&option=com_content&task=view
Equipamentos

Fonte: https://www.industriahoje.com.br/como-funciona-uma-refinaria-de-petroleo
Internos das colunas

http://www.pinsdaddy.com/types-of-column-trays_MwBXw6NsC6JSZm*OtkxU3dJoAZb0dDo1rp1p%7CLbncxw/2
Pratos perfurados

Fonte: http://www.wermac.org/equipment/distillation_part2.html
Pratos com borbulhadores

Fonte: http://www.wermac.org/equipment/distillation_part2.html
Internos valvulados

Fonte: http://www.wermac.org/equipment/distillation_part2.html
Principais acessórios
Éo
equipamento
destinado a
promover o
refluxo através
A fonte de da coluna..
energia
utilizada para
proporcionar a
transferência de
massa é
normalmente
fornecida por
refervedor.
Unidade de Condensador
destilação
Destilado

Funcionamento geral Água de


refrigeração
Destilado Resfriador de
Destilado destilado
final
Refervedor
Bomba de destilado
Vapor

Condensado
Bomba de resíduo

Pré-aquecedor de carga Condensado


Carga

Resfriador de resíduo
Resíduo final

Água de refrigeração
Unidade de
destilação
Correntes principais

Destilado
Destilado
final

Carga
Resíduo final

Água de refrigeração
Unidade de
destilação
Correntes auxiliares
Água de
refrigeração

Vapor

Condensado

Condensado

Água de refrigeração
Unidade de Condensador
destilação
Equipamentos auxiliares

Resfriador de
destilado

Refervedor
Bomba de destilado

Bomba de resíduo

Pré-aquecedor de carga

Resfriador de resíduo

Água de refrigeração
Agora vamos ver na prática

https://www.youtube.com/watch?
v=u6De71IGcsE

https://www.youtube.com/watch?
v=DPaW3E2K_VA
Colunas ou Torres de Recheio
• O contato entre o líquido-vapor é contínuo, ou seja, ao
longo de todo equipamento não há espaço em que não
haja o contato.

• São preferidas em colunas de diâmetros relativamente


pequenos.

• A transferência de massa entre as fases é promovida pelo


recheio, o qual tem função de aumentar a superfície
interna de uma coluna, permitindo o aumento de contato
entre a fase líquida e gasosa.
Coluna de Recheio

https://www.youtube.com/watch?v
=hSDi407m-dE

Muito usadas para recuperação de solventes


Tipos de Recheio
• Randômicos: constituídos de peças de no máximo 90 mm, que
são colocados ao acaso no leito para permitir uma distribuição
desarrumada de seus elementos.
• Aneis de raschig
• Selas de Berl
• Selas Intalox
• Anéis de Pall
• IMTP

• Recheios Estruturados: são todos que podem ser colocados na


torre de uma forma ordenada ou arrumada.
Características
• Coluna de destilação mais econômica quando
o diâmetro da coluna é menor que 0,6 m.
• Recheio de materiais inertes (suportam cargas
corrosivas).
• Menor queda de pressão do que nas colunas
da placa, evitando a inundação da coluna.
• Boas para líquidos termicamente sensíveis.
• Adequadas para operações de baixa pressão.
Continuação
• Recheio pode quebrar durante a instalação ou
devido à expansão térmica.

• Não é rentável para altas taxas de fluxo de


líquidos.

• As eficiências de contato diminuem quando a


taxa de fluxo do líquido é muito baixa.
Problemas frequentes em torres de
destilação
• Inundação (flooding): é a excessiva acumulação de líquido
em uma coluna.
• Para colunas de bandejas, essa ocorrência é caracterizada
segundo os itens abaixo:
• Spray entre as bandejas: ocorre quando a taxa de líquido é baixa,
permitindo que o vapor pulverize o filme líquido nas bandejas.

• Formação de espuma entre as bandejas: ocorre quando a taxa de


líquido é alta, associada com aumento da vazão de vapor. Aumenta-
se assim o nível da espuma entre as bandejas.

• Retorno pelo vertedouro.


Tipos de Fluxo
Problemas frequentes em torres de
destilação
• Nível alto: possibilidade de afogamento de bandejas ou
alimentação de vapor.

• Pratos secos: ocorre pela deficiência no controle de vazão de


alimentação ou refluxo ou ainda em alguns casos durante a
partida pelo FLASH do líquido de alimentação. A principal
consequência é a perda de perfil da coluna, possibilitando o
aumento de pesados no produto destilado.

• Falha no sistema de condensador de topo: acarretará no


aumento de pressão da coluna, elevando assim a sua
temperatura. O aumento de temperatura e pressão da coluna
modificará o perfil de separação, provocando aumento de
pesados no topo.
Problemas frequentes em torres de
destilação
• Falha no sistema de refervedor: em função de
“plugueamento” nos tubos do refervedor ou mesmo falha de
vapor haverá a diminuição da taxa de vaporização,
acarretando aumento de nível e queda de eficiência nas
bandejas.
• Dumping: ocorre quando o líquido passa para o prato seguinte, através dos
orifícios ou válvulas. Tal fato está relacionado à baixa vazão de vapor.
• Arraste: ocorre a altas vazões de vapor, consistindo no arraste de partículas
líquida no vapor ascendente diminuindo a eficiência de contato. Causado pelo
excesso de carga.

• Má distribuição de líquido em colunas de recheio


• inclinação da coluna
• formação de caminhos preferenciais no recheio.
Destilação Extrativa

• É utilizada para separar componentes com volatilidades muito


próximas, o que, pelos métodos convencionais, requer muito
mais estágios, ou não se separam.

• Consiste em adicionar um outro componente ao sistema,


chamado solvente, que aumenta a volatilidade relativa dos
componente a separar.

• Este método requer menos energia e muitas vezes o que se


economiza paga o equipamento de recuperação do solvente.
Destilação Extrativa

Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-66322008000400014&script=sci_arttext
Destilação Extrativa
• O solvente deve possuir semelhança
estrutural com o componente mais pesado, e
ainda:

• ser substancialmente menos volátil que qualquer dos


componentes de interesse, o que facilita sua recuperação.

• dentro desta restrição de volatilidades, seu ponto de


ebulição deverá ser o mais baixo possível, de modo a
reduzir a temperatura de operação.
Continuação
• o solvente deve ser completamente miscível com ambos
os componentes, no intervalo de concentração envolvido.

• Não deve ser tóxico, inflamável ou corrosivo.

• Não deve reagir com qualquer dos componentes que estão


sendo separados.

• Deve ser estável.

• Seu custo deve ser baixo.


Misturas X Solventes

Sistema Binário Agente de Extração


Ácido Clorídrico-água Ácido sulfúrico
Ácido nítrico-água Ácido sulfúrico
Etanol-água Glicerina
Butano-buteno Acetona ou furfural
Butadieno-buteno Acetona ou furfural
Isopreno-penteno Acetona
Tolueno- HC parafínicos Fenol
Acetona-metanol Água

Fonte: Perry (1980)


Separação Tolueno-Metilciclohexano

Fenol
Metil-
ciclohexano

Torre de
Alimentação destilação
extrativa
Tolueno
(Metil-
ciclohexano
Torre de
+ recuperação
de
Tolueno) solvente

Reciclo de solvente
Destilação Azeotrópica

Consiste em acrescentar um outro componente à mistura


que vai ser separada, mas neste caso o composto é volátil e
forma um azeótropo com um ou mais dos componentes da
mistura, devido a diferença de polaridade.
Azeotropia

• Fenômeno no qual o líquido em ebulição de uma mistura,


forma um vapor que tem exatamente a mesma composição do
líquido, e por isso não é possível separar por destilação
fracionada.

• azeótropo de mínimo: o azeótropo formado tem um ponto


de ebulição menor que os das substâncias puras.

• azeótropo de máximo: o azeótropo formado tem um ponto


de ebulição maior que os das substâncias puras.
Misturas Azeotrópicas

• Quando a mistura A+B


“estabiliza” o líquido.
(pressão de vapor reduzida)
[Aumento de Teb]
Ex.: H2O + HNO3.

• Quando a mistura A+B


“desestabiliza” o líquido.
(pressão de vapor aumentada)
[Redução de Teb]
Ex.: H2O + EtOH.

Fonte: http://chem331001fall09.pbworks.com/w/page/15647340/LECTURE%2016
Azeótropo Acetona-Clorofórmio
Azeótropo Etanol-Benzeno
Separação Etanol-H2O 95,4%
HNO3
Destilação Azeotrópica
(Teb = 90,2 °C)
Azeótropo Lactato de n-butila/Água Azeótropo Lactato de n-butila/Água

Carga:
Decantador
Ácido acético
+
Água

Fase rica em
Lactato de Fase rica em
n-butila água

Vapor

Água
Ácido acético (Teb = 100 °C)
(Teb = 118,1 °C)
DESTILAÇÃO REATIVA