Você está na página 1de 7

RESUMO SOBRE MÉTODOSDE SEPARAÇÃO DE MISTURAS

(ANÁLISE IMEDIATA)
1 - Mistura:
Associação de duas ou mais substâncias em porções arbitrárias, separáveis por meios
mecânicos ou físicos e em que cada um dos componentes guarda em si todas as
propriedades que lhe são inerentes.
As misturas podem ser classificadas de acordo com o número de fases:
1.1 - Misturas homogêneas são misturas nas quais não se podem identificar seus
componentes formando então o que se chama de sistema monofásico (ou seja, a
mistura dessas substâncias somente produz uma fase).
Exemplo: Água com Álcool
Após misturar essas duas substâncias é impossível distinguir o álcool da água. Se
líquidos formam misturas homogêneas podem ser chamados de miscíveis. Gases
normalmente formam misturas homogêneas exceto se as densidades forem muito
diferentes,
1.2 - Misturas heterogêneas são misturas onde podemos identificar seus
componentes visualmente (ou até mesmo com instrumentos de aumento como
microscópios, por exemplo), ou seja, apresenta mais de uma fase sendo chamadas de
polifásicas.
Exemplo: Água com Óleo
Após misturar essas duas substâncias o óleo fica sobre a água devido à diferença de
densidade entre os líquidos que são imiscíveis.
Os métodos pelos quais podemos separar os componentes de uma mistura são
chamados de métodos de análise imediata, e, não alteram a natureza das
substâncias constituintes da referida mistura. (são processos físicos)

2 – Métodos de separação das misturas:


A separação dos componentes de uma mistura somente será feita se soubermos
quais são eles, e quais são suas propriedades.
Vale lembrar que um método de separação sempre é feito levando-se em conta as
diferenças nas propriedades físico-químicas das substâncias, tais como: diferença de
solubilidade, diferença de pontos de fusão ou ebulição, diferença de densidade,
diferença de tamanho das partículas e outras características.

2.1 – Misturas heterogêneas


2.1.1 – Sólido + sólido:
2.1.1.1 – Catação:
Baseia-se na diferença de aspecto visual entre os componentes da mistura

Catação em um centro de reciclagem de lixo


2.1.1.2 – Flotação
Consiste na separação de dois sólidos adicionando um líquido com densidade
intermediaria entre os dois sólidos

2.1.1.3 – Dissolução Fracionada


Consiste na adição de um líquido capaz de dissolver apenas um dos sólidos
constituintes da mistura. Após a dissolução fracionada efetua-se a filtração para a
retirada do sólido que permaneceu insolúvel na mistura.

2.1.1.4 – Separação magnética ou imantação


Separação de dois componentes sendo que um deles possui atividade magnética, ou
seja, é atraído por imã.

Separação de sal e limalha de ferro


2.1.1.5 – Peneiração
Separação possível quando os componentes sólidos da mistura apresentam tamanhos
diferentes.

2.1.1.6 – Sublimação
Utilizada quando um dos componentes da mistura sublima com facilidade

2.1.2 – Sólido + líquido:


2.1.2.1 – Decantação
Separação do sólido por meio da diferença de densidade.

Antes Depois
Após a decantação utiliza-se a sifonação para a retirada do líquido.
Para acelerar a decantação de sólidos, pode-se utilizar a centrifugação:

2.1.2.2 – Filtração simples


A separação se faz através de uma superfície porosa chamada filtro; o componente
sólido ficará retido sobre a sua superfície, separando-se assim do líquido que
atravessa.
2.1.2.3 – Filtração a vácuo
A filtração pode ser acelerada pela rarefação do ar, abaixo do filtro. Nas filtrações sob
pressão reduzida, usa-se funil com fundo de porcelana porosa (funil de Büchner)

2.1.3 – Líquido + líquido


2.1.3.1 – Decantação em Funil de Separação
É feita separando-se líquidos imiscíveis por meio de diferenças de densidade.

Antes Depois
2.1.4 – Sólido + Gás
2.1.4.1 – decantação em câmara de poeira
Pode-se usar-se o princípio da decantação para a separação de misturas sólido-gás
(câmara de poeira). A mistura sólido-gás atravessa um sistema em zigue-zague, o pó,
sendo mais denso, se deposita pelo trajeto.

2.2 – Misturas homogêneas

2.2.1 – Sólido + Sólido


2.2.1.1 – Fusão fracionada
Separação de misturas homogêneas de sólidos (como as ligas metálicas, por
exemplo) por meio da diferença de temperatura de fusão dos mesmos Não pode ser
utilizada para separação de misturas eutéticas.

2.2.2 – Sólido + Líquido


2.2.2.1 - Evaporação
Consiste na separação da mistura por meio da ebulição do líquido em um recipiente
aberto, restando ao final do processo apenas o sólido.
2.2.2.2 - .Destilação simples
Semelhante a evaporação, porém com recolhimento do líquido.
2.2.3 - Líquido + líquido
2.2.3.1 – Destilação Fracionada
Separação da mistura por meio da diferença de temperatura de ebulição dos dois
líquidos. Não pode ser utilizada para separação de misturas azeotrópicas.
A técnica e a aparelhagem utilizada na destilação fracionada são as mesmas
utilizadas na destilação simples, apenas deve ser colocado um termômetro no balão
de destilação, para que se possa saber o término da destilação do líquido de menor
ponto de ebulição. O término da destilação do líquido de menor ponto de ebulição
ocorrerá quando a temperatura voltar a se elevar rapidamente.
Este método tem importância econômica crucial, já que é a partir deste que se
separam os componentes do petróleo, que é constituído por uma mistura de
compostos orgânicos denominados hidrocarbonetos. O petróleo é separado em
frações, cada qual com sua importância.
O petróleo bruto é extraído do subsolo da crosta terrestre e pode estar misturado com
água salgada, areia e argila. Por decantação separa-se a água salgada, por filtração a
areia e a argila. Após este tratamento, o petróleo, é submetido a um fracionamento
para separação de seus componentes, pela destilação fracionada. As principais
frações obtidas na destilação do petróleo são: fração gasosa, na qual se encontra o
gás de cozinha; fração da gasolina e da benzina; fração do óleo diesel e óleos
lubrificantes, e resíduos como a vaselina, asfalto e pixe.

2.2.4 – Gás + Gás


A liquefação fracionada feita resfriando-se a mistura gasosa até que todos os seus
componentes se transformem em líquidos. Após isso é feita uma destilação fracionada
para a separação dos gases.
CURIOSIDADE:
Peneira molecular
As peneiras moleculares são materiais compostos de alumínio e silício
(aluminossilicatos) com alto grau de ordenação a nível microscópico. Existem zeólitas
naturais e sintéticas; as sintéticas são as utilizadas, por exemplo, para a obtenção de
álcool etílico anidro a partir de álcool hidratado. Geralmente apresentam-se como
partículas do tamanho de ervilhas.
A característica principal das zeólitas sintéticas é ter poros microscópicos de
diâmetro preciso e área superficial específica bastante grande.
As zeólitas usadas por exemplo no processo de desidratação do álcool etílico têm
poros de diâmetro de geralmente 3 angstroms (1 angstrom = 10-10 m). Esse diâmetro
de poro é muito pequeno para moléculas de álcool, que têm cerca de 4,3 angstroms
de diâmetro, mas são suficientemente grandes para que moléculas de água, que têm
cerca de 2,7 angstroms de diâmetro, entrem, percorram os poros e adsorvam-se na
grande área interna da zeólita. Vale lembrar que uma mistura de álcool e água na
proporção de 96:4 (em volume) é classificada como azeotrópica, e portanto não pode
ser separada por destilação fracionada.
É este método seletivo das peneiras moleculares o responsável pelo termo “peneira”
em sua denominação.