Você está na página 1de 6

Problemas gerais da norma culta

Introdução

O que é a Norma Culta

O que á a Norma culta? É aquela relacionada às normas/regras gramaticais que norteiam o uso
da nossa língua: Língua portuguesa. A partir das regras apresentadas pela gramática,
aprendemos o uso devido da língua para nos expressarmos de forma oral ou escrita. Entretanto,
no cotidiano, nem sempre, temos o cuidado de obedecer às regras gramaticais e acabamos
cometendo alguns deslizes.
Esta aula tem a proposta de dirimir as principais dúvidas que temos com algumas palavras, como
são escritas, em quais circunstâncias podem ou não ser usadas, quais são as suas regras.
Algumas delas, na pronúncia, têm o som muito próximo, o que dificulta a distinção, outras ouvimos
no dia a dia de forma incorreta e acabamos repetindo. Verifique o conteúdo apontado e não deixe
de prestar atenção nas observações.

MAU/ MAL

Mau é sempre um adjetivo (seu antônimo é bom): refere-se, portanto, a um substantivo.

Aquele garoto não é um mau aluno.

Aquele garoto não é um bom aluno.

Ele escolheu um mau momento para aparecer.


Ele escolheu um bom momento para aparecer.

Mal pode ser:

Advérbio de modo ( seu antônimo é bem).

O rapaz tratou mal o seu colega de trabalho.


O rapaz tratou bem o seu colega de trabalho.
A aula daquele professor foi muito mal elaborada.
A aula daquele professor foi muito bem elaborada.

Conjunção temporal ( equivale a logo que)

Mal chegou, saiu.


Mal entrou em casa, foi logo sentando.

Substantivo ( quando precedido de artigo ou outro determinante)

O mal não tem solução.


O bem não tem solução.

A ciência ainda não descobriu a cura daquele mal.


A ciência ainda não descobriu a cura daquele bem.

MAIS / MAS/ MÁS


Mais é pronome ou advérbio de intensidade ou quantidade, opondo-se normalmente
amenos.

Ele é considerado mais inteligente (do) que seus irmãos.

Ele é considerado menos inteligente (do) que seus irmãos.

Desejo mais amor e felicidade para todos.


Desejo menos amor e felicidade para todos.

Mas é uma conjunção adversativa, equivalendo a porém, contudo, entretanto, entretanto


e todavia.

Tentou a vaga, mas não conseguiu o emprego.


As ideias parecem possíveis, mas não serão aprovadas.
Más é sempre um adjetivo, (antônimo de boas) e deve acompanhar um substantivo.

Elas não são alunas más.


Elas não são alunas boas.

HÁ / A

Na indicação de tempo, empregamos:

Há (verbo haver) - para indicar tempo passado (equivalente a faz)[1].

Ele não come frutas há duas semanas.


Há um ano que não encontro suas irmãs.

A (preposição) - para indicar tempo futuro.

Ele retornará da viagem à Europa daqui a uma semana.


Encontrarei suas irmãs daqui a um mês.

Este A também pode ser utilizado para indicar distância.


O salão fica a 2km da farmácia.

[1] O verbo fazer utilizado nesta circunstância não é flexionado no plural, ou seja, é incorreto usar
“Fazem dez anos que não o vejo.” Usa-se sempre – “Faz dez anos que não o vejo.”

CONSERTO / CONCERTO

CONSERTO – verbo consertar, equivalente a reparo, ajuste.


O conserto do vestido ficou do jeito que desejei.
O reparo do vestido ficou do jeito que desejei.

CONCERTO – substantivo referente à apresentação musical, espetáculo.


O concerto será realizado no Teatro Castro Alves às 20h.
O espetáculo será realizado no teatro Castro Alves às 20h.

ONDE / AONDE/ DONDE

Emprega-se aonde com os verbos que dão ideia de movimento. Equivale a para onde.
Aonde você vai com tanta pressa?

Aonde nos leva com tal rapidez?

Evidentemente, com os verbos que não dão ideia de movimento devemos empregaronde.
Onde você fica nas férias?
Não sei onde você mora.

Usa-se o DONDE quando se quer apresentar uma ideia de origem, proveniência. O


DONDEnada mais é do que a contração de DE + ONDE.
Donde você veio?

SENÃO/ SE NÃO

Devemos entregar o trabalho no prazo, senão o contrato será cancelado.


Devemos entregar o trabalho no prazo, caso contrário o contrato será cancelado.

Espero que faça bom tempo amanhã, senão não iremos à praia.
Espero que faça um bom tempo amanhã, caso contrário não iremos à praia.
Se não equivale a se por acaso não, é utilizado para iniciar orações adverbiais
condicionais, ou seja, utilizamos para dar ideia de condição.

Se não chover amanhã, poderemos ir à praia.


Se por acaso não chover amanhã, poderemos ir à praia.

A festa será amanhã à noite, se não ocorrer nenhum imprevisto.


A festa será amanhã à noite, se por acaso não ocorrer nenhum imprevisto.

ACERCA DE / HÁ CERCA DE

Acerca de é uma locução prepositiva, equivalente a a respeito de.


Discutimos acerca de uma melhor saída para o caso.
Discutimos a respeito de uma melhor saída para o caso.

Há cerca de é uma expressão em que o verbo haver está indicando


tempo transcorrido, equivalente a faz
Há cerca de uma semana, discutíamos uma melhor saída para o caso.
Faz uma semana, que discutíamos uma melhor saída para o caso.

A FIM DE / AFIM - DEMAIS / DE MAIS

A fim de é uma locução prepositiva que indica finalidade.


Os alunos saíram cedo do trabalho a fim de chegar a tempo para a prova.

Os alunos saíram cedo do trabalho com a finalidade de chegar a tempo para a prova.
Afim é adjetivo e significa semelhante, por afinidade, por isso pode ser flexionado no
plural.

O genro é um parente afim.


Tratava-se de ideias afins.