Você está na página 1de 8

D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor

e o interlocutor de um texto.
(SAERO). Leia o texto abaixo e responda.
Texto
Perda da biodiversidade
Ao redor do mundo, a biodiversidade
(definida como o total da variedade da vida) está
diminuindo. Ainda que não se saiba com exatidão
quantas espécies existem na Terra, calcula-se
que haja de 5 a 50 milhões de espécies, das
quais só se tem registro de 1.750.000,
aproximadamente. Baseando-se na atual taxa de
perda de espécies no planeta, estima-se que no
ano 2000 um décimo de todas as espécies já
havia desaparecido e essa proporção ascenderia
a um terço em 2020.
Por isso, a perda da biodiversidade é um
dos problemas ambientais mais graves do
ABREU, Casimiro. IN: CANDIDO, Antonio; CASTELLO, José
planeta. Além das considerações em termos Aderaldo. Presença da literatura brasileira. v. 2. São Paulo: Difel,
éticos e estéticos da conservação das espécies, 1968, p. 44.
da sua preservação e dos ecossistemas, o
presente e o futuro do ser humano também A visão romântica que se evidencia nesse texto é
dependem da obtenção de alimento, matéria- A) a desilusão amorosa.
prima e compostos químicos para medicamentos, B) a exaltação da morte.
assim como a manutenção de processos como o C) o amor irrealizado.
equilíbrio dos gases atmosféricos, o clima e a D) o retorno à infância.
conservação de solos. De fato, foi demonstrado E) o retorno ao passado.
que a alteração e a perda de biodiversidade dos
habitats naturais, ocasionadas por atividades ------------------------------------------------------------
antropogênicas, afetam negativamente as (SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
funções dos ecossistemas, que são encarregadas Quanta pressa!
de prover serviços ambientais, tanto das demais Como vc é apressada! Não lembra que eu
espécies silvestres como do ser humano. disse antes de vc viajar que eu ia pra fazenda do
Disponível em: meu avô? Quem mandou não dar notícias antes
<http://www.micromacro.tv/pdfs/saber_mas_portugues/biodiversidad
e/27perda_de_biodiversidade.pdf>. d’eu ir pra lá?!?!?!:-O
Acesso em: 29 jun.2011. Fragmento. Vc sabia. Eu avisei. Vc não presta atenção
no que eu falo?
No Texto , no trecho “... foi demonstrado que a Quando ficar mais calma eu tc mais, tá
alteração e a perda de biodiversidade dos legal?
habitats naturais, ocasionadas por atividades :-*
antropogênicas,...” (ℓ. 22-23) predomina a Mônica
linguagem representativa da área PINA, Sandra. Entre e-mails e acontecimentos. São Paulo:
Salesiana, 2006. Fragmento.
A) biológica.
B) econômica.
Nesse texto, predomina a linguagem
C) jornalística.
característica do meio
D) médica.
A) acadêmico.
E) política.
B) esportivo.
C) jurídico.
------------------------------------------------------------
D) político.
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
E) virtual.

------------------------------------------------------------
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
Canções com Mamonas Assassinas e
Maria Rita retratam tipos urbanos
femininos
As canções têm a particularidade de fazer,
na conjunção letra e música, um retrato do

1
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
cotidiano, expondo jeitos de ser, maneiras de releio sem nunca me cansar. Um “diário” é uma
falar, personagens, tipos característicos de tentativa de preservar para a eternidade o que não
determinados momentos, lugares, classes, passou de um momento. Álbuns de retratos da
comunidades. intimidade. Pois eu fiz um “Diário”: pensamentos
Seja qual for o estilo, a canção motiva uma breves que pensei ao correr da vida e dos quais não
escuta que possibilita um contato quase que de me esqueci. Pensamentos são como pássaros que
primeiro grau com vozes que tocam o ouvinte e vêm quando querem e pousam em nosso ombro.
estabelecem com ele um diálogo que tematiza, de Não, eles não vêm quando os chamamos. Vêm
maneira explícita ou não, valores sociais, quando desejam vir. E se não os registramos, voam
para nunca mais. Isso acontece com todo mundo.
culturais, morais.
Só que as pessoas, achando que a literatura se faz
Nesse sentido, a mulher, tanto quanto na
com pássaros grandes e extraordinários, tucanos e
poesia e nas artes em geral, tem povoado as
pavões, não ligam para as curruíras e tico-ticos...
canções, aparecendo como “divina e Mas é precisamente com curruíras e tico-ticos que a
graciosa/estrela majestosa”, “mulher de verdade”, vida é feita
“mulher indigesta”, “mulher de trinta”, “dessas ALVES, Rubem. Quarto de Badulaques. São Paulo: Parábola, 2003,
mulheres que só dizem sim”, “Marina morena” etc. p. 51.
Se a lista nunca se acaba, as mulheres
encarnadas pelas canções dizem muito sobre os Nesse texto, a linguagem utilizada é
costumes e os valores de uma época, revelando A) jornalística.
concepções de feminino. Maria do Socorro, B) jurídica.
recente composição de Edu Krieger, cantada por C) literária.
D) médica.
Maria Rita, e a “mina” de Pelados em Santos,
E) política.
composição de Dinho, do saudoso grupo
Mamonas Assassinas, dimensionam a maneira
------------------------------------------------------------
como dois tipos urbanos entram para a galeria
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
das mulheres brasileiras retratadas pela música
Onde trabalhar
popular. Essas canções mostram, cada uma a
O perito tem quatro possibilidades de
seu modo, o lugar assumido pelo observador para
emprego:
estabelecer um enquadramento, delineando,
• ser contratado por uma empresa de
sobretudo pelas escolhas linguísticas, as vozes
consultoria, que é chamada quando pinta um
que as materializam.
BRAIT, Beth. Disponível em: problema em outra empresa;
<http://revistalingua.uol.com.br/textos.asp?codigo=12096>. Acesso • ser perito da Polícia Federal ou Estadual,
em: 14 jan. 2011. Fragmento. que mantém seu próprio corpo de especialistas;
• ser autônomo e ser convocado pelo juiz de
Na linha 12 desse texto, a palavra “mina” é um tribunal ou por alguma pessoa ou empresa
representativa da linguagem para trabalhar num caso específico;
A) coloquial. • trabalhar em uma empresa para fazer
B) jornalística. segurança virtual preventiva. Ou seja, proteger os
C) literária. sistemas antes de serem atacados por hackers.
D) padrão. Mundo Estranho, São Paulo: Abril, ed.48, fev. 2006, p. 22.
E) técnica.
No Texto, há uma palavra representativa de
------------------------------------------------------------ linguagem coloquial em:
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda. A) “ser contratado por uma empresa de
Diários consultoria,”.
Os livros que mais me falam são os diários. B) “que é chamado quando pinta um
Diários são registros de experiências comuns problema...”.
acontecidas na simplicidade do cotidiano, C) “ser perito da Polícia Federal ou Estadual,”.
experiências que provavelmente nunca se D) “ser autônomo e ser convocado pelo juíz de
transformaram em livros. Não foram registradas um tribunal...”.
para ser dadas a público. Quem as registrou, as E) “proteger os sistemas antes de serem
registrou para si mesmo – como se desejasse atacados por hackers.”.
capturar um momento efêmero que, se não fosse
registrado, se perderia em meio à avalanche de
banalidades que nos enrola e nos leva de roldão.
------------------------------------------------------------
Esse é o caso do Cadernos da Juventude, de (SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
Camus, um dos livros que mais amo, e que leio e Mundo grande
Não, meu coração não é maior que o mundo.
2
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
É muito menor. A decadência do Ocidente
Nele não cabem nem as minhas dores. O doutor ganhou uma galinha viva e chegou
Por isso gosto tanto de me contar. em casa com ela, para alegria de toda a família.
Por isso me dispo. O filho mais moço, inclusive, nunca tinha visto
Por isso me grito, uma galinha viva de perto. Já tinha até um nome
por isso frequento os jornais, me exponho para ela – Margarete – e planos para adotá-la,
cruamente nas livrarias: quando ouviu do pai que a galinha seria,
preciso de todos. obviamente, comida.
– Comida?!
Sim, meu coração é muito pequeno. – Sim, senhor.
Só agora vejo que nele não cabem os homens. – Mas se come ela?
Os homens estão cá fora, estão na rua. – Ué. Você está cansado de comer galinha.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu – Mas a galinha que a gente come é igual a
esperava. esta aqui?
Mas também a rua não cabe todos os homens. – Claro.
A rua é menor que o mundo. Na verdade, o guri gostava muito de peito,
O mundo é grande. de coxa e de asas, mas nunca tinha ligado as
ANDRADE, Carlos Drummond de. Mundo Grande. Disponível em: partes do animal. Ainda mais aquele animal vivo
<http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_
comentarios/m/mundo_grande_poema_drummond>. Acesso em: 9 ali no meio do apartamento.
nov. 2011. O doutor disse que queria comer uma
galinha ao molho pardo. A empregada sabia como
A tipologia textual predominante nesse texto é se preparava uma galinha ao molho pardo? A
A) argumentativa. mulher foi consultar a empregada. Dali a pouco o
B) descritiva. doutor ouviu um grito de horror vindo da cozinha.
C) dialogal. Depois veio a mulher dizer que ele esquecesse a
D) injuntiva. galinha ao molho pardo.
E) poética. – A empregada não sabe fazer?
– Não só não sabe fazer, como quase
------------------------------------------------------------ desmaiou quando eu disse que precisava cortar o
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda. pescoço da galinha. Nunca cortou um pescoço de
E a viagem continua... galinha.
Depois de rezarmos e cantarmos muito, Era o cúmulo! Então a mulher que cortasse
voltávamos todos para casa e logo chegavam o pescoço da galinha.
convidados para o almoço, que sempre era – Eu?! Não mesmo!
especial. Comidas italianas que vovó, a nona, O doutor lembrou-se de uma velha
fazia. empregada de sua mãe. A Dona Noca.
E todos os adultos matavam saudade da – A Dona Noca já morreu – disse a mulher.
Itália. Ela tinha vindo de lá, de navio, no começo – O quê?!
do século, quando meu pai tinha três anos. – Há dez anos.
Mamãe chegou um pouco mais tarde, com seus – Não é possível! A última galinha ao molho
pais. pardo que eu comi foi feita por ela.
Depois de moços, conheceram-se no Brasil – Então faz mais de 10 anos que você não
e se casaram. come galinha ao molho pardo.
Durante o almoço, falavam em italiano e Alguém no edifício se disporia a degolar a
tomavam vinho. Era engraçado! Como na missa, galinha. Fizeram uma rápida enquete entre os
não entendíamos nada... vizinhos. Ninguém se animava a cortar o pescoço
ZABOTO, L. H. Vovó já foi criança. Brasília: Casa Editora, 1996. da galinha. Nem o Rogerinho do 701, que fazia
coisas inomináveis com gatos.
Quem é o narrador desse texto? – Somos uma civilização de frouxos! –
A) a avó. sentenciou o doutor. Foi para o poço do edifício e
B) a mãe. repetiu:
C) o pai. – Frouxos! Perdemos o contato com o barro
D) um moço. da vida!
E) uma neta. E a Margarete só olhando.
VERÍSSIMO, Luis Fernando. A decadência do Ocidente. In: A mesa
------------------------------------------------------------ voadora. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. p.98.

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

3
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
O trecho que expressa o uso de linguagem dano à saúde e causa fevre a quem se demanda
coloquial é: dela”
A) “O doutor ganhou uma galinha viva...”. GÂNDAVO, Pero Magalhães de. História da Província Santa Cruz.
Disponível em:
B) “─ Mas se come ela?”. <http://www.graudez.com.br/literatura/quinhentismo.html>.
C) “A mulher foi consultar a empregada.”. Acesso em: 22 set. 2011. Fragmento.
D) “─ Há dez anos.”.
E) “Fizeram uma rápida enquete entre os Nesse texto, o autor faz uso da linguagem
vizinhos.”. A) técnica.
B) regional.
C) jornalística.
------------------------------------------------------------
D) informal.
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
E) arcaica.

------------------------------------------------------------
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
Pônei glutão
Toda criança gosta de comer alguma
porcaria, né? Algumas, no entanto, exageram nos
doces, frituras e guloseimas. Esse é o caso do
britânico Magic, de 4 anos de idade.
A única diferença é que Magic não é uma
criança, mas sim um pônei. Magic é viciado em
comer macarrão instantâneo! O vício começou
quando Zoe Foulis, a dona de Magic, preparou
um macarrão instantâneo de frango com
cogumelos e deixou o pote no chão para esfriar.
Não deu outra, Magic abocanhou tudinho! A
partir daquele dia, o vício só aumentou. Outro
vício que o pequeno pônei sustenta é tomar suco
de laranja.
Disponível em: <http://noticias.r7.com/esquisitices/noticias/ponei-
glutao>. Acesso em: 4 jan. 2012.

MATOS, Gregório de. Disponível em:


<http://www.jornaldepoesia.jor.br/grego14.html>. Acesso em: 3 set. No trecho “Toda criança gosta de comer alguma
2012. porcaria, né?”, o termo em destaque é um
exemplo de linguagem
Nos versos “Cresce o desejo, falta o sofrimento,/ A) falada em uma determinada região.
Sofrendo morro, morro desejando,” (v. 1-2), o B) falada entre amigos.
poeta C) usada em congressos acadêmicos.
A) apresenta a gradação do amor que sente. D) utilizada em jornais.
B) apresenta uma oposição de ideias e E) utilizada em receitas médicas.
sentimentos.
C) compara seu amor à dor que sente. ------------------------------------------------------------
D) compõe os versos privilegiando a repetição (SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
de sons. Antes e depois
E) personifica o amor e a dor que sente. O salão entornava luz pelas janelas. No
sofá, bocejava a boa [...] D. Maria, digerindo
------------------------------------------------------------ sonolentamente o quilo do jantar. O seu digno
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda. consorte, o desembargador, apreciava o fresco da
“Esta planta é mui tenra e não muito alta, noite à janela, sugando com ruído a fumaça de
não tem ramos senão umas fôlhas que serão seis um havana, com os olhos nos astros e as mãos
ou sete palmos de comprido. A fruita se chama nas algibeiras. Perto do piano, arrulavam à meia-
banana. Parecem-se na feição com pepinos e voz Belmiro e Clara... Já se sabe: dois
criam-se em cachos. [...] Esta fruita é mui pombinhos...
saborosa, e das boas, que há na terra: tem uma O Belmiro estudava; tinha futuro, portanto;
pele como de figo (ainda que mais dura) a qual Clara... tocava e cantava...
lhe lançam fora quando a querem comer: mas faz II

4
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
– Belmiro, disse o desembargador, atirando Capítulo 5
à rua a ponta do charuto, manda Clara cantar... Assim ficamos muito tempo imóveis, ela,
– Cante, D. Clara, pediu Belmiro. com a fronte apoiada sobre o meu peito, eu, sob a
Clara cantou... Cantou mesmo? Não sei. impressão triste de suas palavras.
Mas as notas entraram melífluas pelos ouvidos de Por fim ergueu a cabeça; e, recobrando a
Belmiro e foram cair-lhe como açúcar no paladar sua serenidade, disse-me com um tom doce e
do coração... melancólico:
– Esplêndido! Esplêndido! dizia ele, fazendo – Não pensas que melhor é esquecer do
chegar a umidade do hálito à face rosada da que amar assim?
meiga Clarinha... – Não! Amar, sentir-se amado é sempre [...]
O desembargador olhava outra vez para os um grande consolo para a desgraça. O que é
astros... triste, o que é cruel, não é essa viuvez da alma
III separada de sua irmã, não; aí há um sentimento
Rola o tempo... que vive, apesar da morte, apesar do tempo. É,
Numa casinha modesta de S. Cristóvão, sim, esse vácuo do coração que não tem uma
mora o Dr. Belmiro com sua senhora D. Clara... afeição no mundo e que passa como um estranho
Os vizinhos dizem cousas... ih! por entre os prazeres que o cercam.
IV – Que santo amor, meu Deus! Era assim
– Como vais, Belmiro? que eu sonhava ser amada! ...
– Mal! – E me pedias que te esquecesse!...
– Mal?... disseram-me que te casaste com a – Não! não! Ama-me; quero que me ames
tua Clarinha... ao menos...
– Sim! Sim!... mas, queres saber... de amor – Não me fugirás mais?
ninguém vive; é de feijões... – Não. [...]
– Então... ALENCAR, José de. Cinco minutos. Rio de Janeiro: Aguilar, 1987.
Fragmento.
– Devo até a roupa com que me cubro!...
– E o dote?
Nesse texto, a linguagem usada é
– Ah! Ah! Adeusinho...
A) arcaica.
V
B) culta.
É noite.
C) popular.
D. Clara está ao piano. Um vestido
D) regional.
enxovalhado escorre-lhe da cintura abaixo, sem
E) técnica.
um enfeite. D. Clara está magra. No chão arrasta-
se um pequenote de um ano, com uma
------------------------------------------------------------
camisolinha [...] amarrada em nós sobre o cóccix.
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.
Clara toca; e não canta, porque tem os
olhos vermelhos e inflamados... A importância da leitura como identidade social
O Dr. Belmiro vem da rua zangado. [...] Um dos nossos objetivos é incentivar a
– Não sei o que faz a senhora, gastando leitura de textos escritos, não apenas daqueles
velas a atormentar-me!... Mande para o diabo as legitimados pelos acadêmicos como “boa leitura”,
suas músicas e vá-se com elas! mas os escolhidos livremente. Pela análise dos
POMPEIA, Raul. A comédia. São Paulo, n. 66, 21 maio 1931. números da última Bienal do Livro realizada em São
Disponível em: <http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?
link=http://www.biblio.com. Paulo, constata-se que “ler não é problema”, pois,
br/conteudo/raul_pompeia/antesedepois.htm>. Acesso em: 3 fev. segundo o Correio Braziliense de 25 de agosto de
2012. Fragmento. 2010, cerca de 740 mil pessoas visitaram os stands
que apresentaram mais de 2.200.000 títulos. Mas,
Essa história é contada por perguntamo-nos: os livros expostos e os leitores que
A) Belmiro. lá compareceram se encaixam em qual tipo de
B) Clara. leitor? Podemos afirmar que todos os livros foram
C) D. Maria. escritos para um leitor ideal, reflexivo, que dialogará
D) um narrador observador. com os textos?
E) um narrador personagem. Muitos livros vendidos na Bienal têm como
foco a primeira e a segunda visão de leitura, seus
------------------------------------------------------------ autores enxergam o texto como um fim em si
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda. mesmo, apresentando ideias prontas, ou primando
pelo seu trabalho como um objeto de arte, em que o
Cinco minutos domínio da língua é a base para a leitura.

5
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
Assim, cabe-nos refletir inicialmente sobre servidores públicos, temos que estar atentos às
como transformar um leitor comum em leitor ideal, obras necessárias. Com este elevador,
um cidadão pleno em relação a sua identidade. A poderemos cobrar que qualquer prédio, seja
construção da identidade social é um fenômeno que comercial ou residencial, com mais de um andar,
se produz em referência aos outros, a aceitabilidade tenha um elevador, para garantir o acesso de
que temos e a credibilidade que conquistamos por todos.”, disse Samartin.
meio da negociação direta com as pessoas. A leitura “Ter um elevador no Paço Municipal não é
é a ferramenta que assegurará não apenas a uma conquista apenas para os defi cientes
constituição da identidade, como também tornará físicos, e sim para todos que têm difi culdades de
esse processo contínuo.
locomoção. Só nós sabemos as difi culdades que
Para tornar isso factível podemos, como
encontramos. As pessoas que andam, veem um
educadores, adotar estratégias de incentivo,
elevador e o acham algo normal, não sabem a difi
apoiando-nos em textos como as tirinhas e as
histórias em quadrinhos, até chegar a leituras mais culdade que as barreiras arquitetônicas nos
complexas, como um romance de Saramago, impõem. Para nós, um degrau com alguns
Machado de Assis ou textos científicos. Construir centímetros já é considerado uma barreira”, disse
em sala de aula relações intertextuais entre gêneros o presidente da APNEN
e autores também é uma estratégia válida. (Associação dos Portadores de Necessidades
A família também tem papel importante no Especiais de Nova Odessa). [...]
Disponível em: <http://www.walterbartels.com/print_noticia.asp?
incentivo à leitura, mas como incentivar filhos a ler, id=8239>. Acesso em: 16 mar. 2012. Fragmento.
se os pais não são leitores? Cabe à família não
apenas tornar a leitura acessível, mas pensar no ato Qual é a tipologia predominante no Texto?
de ler como um processo. Discutimos à mesa A) argumentação.
questões políticas, a trama da novela, por que não B) descrição.
trazermos para nosso cotidiano discussões sobre os C) exposição.
livros que lemos? D) instrução.
KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Disponível em:
<http://linguaportuguesa.uol.com.br/linguaportuguesa/gramatica- E) relato.
ortografia/32/
artigo235676-1.asp>. Acesso em: 13 nov. 2011. Fragmento.
------------------------------------------------------------
(SAEPE). Leia o texto abaixo.
Predomina nesse texto a linguagem
O grande sábio e o imenso tolo
A) coloquial.
B) literária.
Por um acaso do destino, um velho e sábio
C) padrão.
professor e um jovem e estulto aluno se
D) regional.
encontraram dividindo bancos gêmeos num
E) técnica.
ônibus interestadual. O estulto aluno, já
conhecido do sábio professor exatamente por sua
------------------------------------------------------------ estultice, logo cansou o mestre com seu
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda. matraquear ininterrupto e sem sentido. O
Texto professor aguentou o quanto pôde a conversa
Entregue elevador da prefeitura insossa e descabida. Afinal, cansado, arranjou, na
O prefeito de Nova Odessa e autoridades sua cachola sábia, uma maneira de desativar o
inauguraram hoje o elevador panorâmico para papo inútil do aluno. Sugeriu:
PNEs (Portadores de Necessidades Especiais), – Vamos fazer um jogo que sempre
idosos, gestantes e pessoas com difi culdades de proponho nestas minhas viagens. Faz o tempo
locomoção. Em seguida, cadeirantes usaram o passar bem mais depressa. Você me faz uma
elevador para conhecer o piso superior do prédio pergunta qualquer. Se eu não souber responder,
público. [...] perco cem pratas.
O novo elevador tem capacidade de carga Depois eu lhe faço uma pergunta. Se você
de 215 quilos, ou duas pessoas. A cabine tem não souber responder, perde cem.
1,30 por 0,90 metro, porta deslizante automática – Ah, mas isso é injusto! Não posso jogar
de quatro folhas (abertura central), com 90 esse jogo – disse o aluno, provando que não era
centímetros de largura, além de piso revestido por tão tolo quanto aparentava –, eu vou perder muito
borracha sintética e botões em braile. dinheiro! O senhor sabe infinitamente mais do que
“Estamos realizando uma inauguração eu.
simples, mas que tem um grande signifi cado, Só posso jogar com a seguinte combinação:
principalmente para os usuários do novo elevador. quando eu acertar, ganho cem pratas. Quando o
Acessibilidade é algo sério e nós, como senhor acertar, ganha só vinte.
6
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
– Está bem – concordou o professor –, pode com os cabelos à négligé, ou divididos em belas
começar. tranças; quando...Para que dizer mais? Sempre,
– Me diz, professor – perguntou o aluno –, o Leopoldo, sempre ela é bela, formosa, encantadora,
que é que tem cabeça de cavalo, seis patas de angélica!
elefante e rabo de pau? ─Então, que história é essa? Acabas
O professor, sem sequer pensar, respondeu: divinizando a mesma pessoa que, principalmente,
– Não sei; nem posso saber! Isso não chamaste feia?...
existe. ─Pois eu disse que ela eras feia? É verdade
– O senhor não disse se devia existir ou que eu... no princípio... Mas depois... Ora, estou
com dores de cabeça; este maldito Velpeau!... Que
não. O fato é que o senhor não sabe o que é –
lição temos amanhã?
argumentou o aluno – e, portanto, me deve cem
─Eu? Pode ser ...Esta minha cabeça!...
pratas.
─Não é a tua cabeça, Augusto, é o teu
– Tá bem, eu pago as cem pratas – coração.
concordou o professor pagando –, mas agora é Houve então um momento de silêncio.
minha vez. Me diz aí: o que é que tem cabeça de Augusto abriu um livro e fechou-o logo; depois
cavalo, seis patas de elefante e rabo de pau? tomou rapé, passou pelo quarto duas ou três vezes
– Não sei – respondeu o aluno. E, sem e, finalmente, veio de novo sentar junto de
maior discussão, pagou vinte pratas ao professor. Leopoldo.
MORAL: A sabedoria, nos dias de hoje, está ─É verdade, disse; não é a minha cabeça: a
valendo 20% da esperteza. causa está no coração.
FERNANDES, Millôr. 100 fábulas fabulosas. 5ª ed. Rio de Janeiro: Leopoldo, tenho tido pejo de te confessar,
Record, 2009. p. 215-216.
porém não posso mais esconder estes sentimentos
que eu penso que são segredos e que todo o
Nesse texto, o trecho que apresenta uso de
mundo mos lê nos olhos! Leopoldo, aquela menina
linguagem coloquial é: que aborreci no primeiro instante, que julguei
A) “O professor aguentou o quanto pôde...”. (  . insuportável e logo depois espirituosa, que daí a
7) algumas horas comecei a achar bonita, no curto
B) “Faz o tempo passar bem mais depressa.”. ( trato de um dia, ou melhor ainda, em alguns minutos
 . 11-12) de uma cena de amor e piedade, em que a vi de
C) “Ah, mas isso é injusto!”. (  . 18) joelhos banhando os pés de sua ama, plantou no
D) “Quando o senhor acertar, ganha só vinte.”. ( meu coração um domínio forte, um sentimento filho
 . 23-24) da admiração, talvez, mas sentimento que é novo
E) “–Tá bem, eu pago as cem pratas.”. (  . 35) para mim, que não sei como o chame, porque o
amor é um nome muito frio para que o pudesse
------------------------------------------------------------ exprimir!... Eu já não me conheço... não sei onde irá
(PAEBES). Leia o texto abaixo e responda. isto parar...Eu amo! ardo! morro!
A moreninha ─Modera-te, Augusto; acalma-te; não é graça;
A história de amor se passa no Rio de Janeiro, olha que estás vermelho como um pimentão.
MACEDO, Joaquim Manuel de. A Moreninha. São Paulo.Ática, 2000.
envolvendo três estudantes, uma bela jovem e uma p.108-9. Fragmento.
aposta. Os estudantes são Fabrício, Augusto e
Leopoldo. Carolina é a Moreninha do título, irmã de Predomina nesse texto o uso da linguagem
Felipe. A aposta: Augusto, inconstante no amor, A) coloquial.
compromete-se com os amigos a escrever um B) culta.
romance, caso fique apaixonado por mais de quinze C) popular.
dias pela mesma mulher. D) regional.
─ [...] Mas venha cá, Sr. Augusto, então como E) técnica.
é isso?... estás realmente apaixonado?!
─ Quem te disse semelhante asneira?...
─Há três dias que não me falas senão na irmã ------------------------------------------------------------
de Felipe e... (PAEBES). Leia o texto abaixo e responda.
─Ora, viva! Quero divertir-me... digo-te que a A vila de contêineres
acho feia; não é lá essas coisas; parece ter mau
gênio. Realmente notei-lhe muitos defeitos...sim... Estudantes de Amsterdã se mudam para
mas, às vezes... Olha, Leonardo, quando ela fala ou apartamentos de Lata.
mesmo quando está calada, ainda melhor; quando Em 1937, o americano Malcom McLean
ela dança ou mesmo quando ela fala ou mesmo se inventou grandes caixas de aço para armazenar e
está sentada... ah! ela, rindo-se... e até mesmo transportar fardos de algodão: os contêineres,
séria... quando ela canta ou toca ou brinca ou corre, hoje essenciais para o comércio na economia

7
D13 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor
e o interlocutor de um texto.
globalizada. Mas você aceitaria viver dentro de B) expressão regional.
um? Na cidade de Amsterdã, capital da Holanda, C) linguagem coloquial.
fica a maior vila de contêineres do mundo: com D) linguagem formal.
aproximadamente 1000 apartamentos de metal. E) linguagem técnica.
Ela fica a 4 quilômetros do centro e foi construída
para atender à demanda por alojamentos ------------------------------------------------------------
estudantis na cidade. Os contêineres foram (SPAECE). Leia o texto abaixo.
comprados na China, onde passaram por uma O estresse faz bem
reforma e ganharam os equipamentos básicos de
um apartamento, como pia, banheiro, aquecedor A prestação do carro está vencendo, a crise
e isolamento acústico. Eles foram levados de roeu suas economias, o computador travou de
navio para a Holanda e empilhados com vez e o mala do chefe insiste em pegar no seu pé.
guindastes para formar um prédio de 5 andares, O resultado disso é clássico: estresse. Ninguém
que foi inaugurado em 2006 e hoje abriga cerca gosta de ter fumaça saindo pelas orelhas – mas,
de 1000 estudantes. acredite, essa pressão faz muito bem para você.
Os contêineres são pequenos, e o prédio Pelo menos é o que diz Bruce McEwen, o
não tem elevador (é preciso subir de escada). estresse é fundamental para a nossa
Mas, como o aluguel custa 320 euros por sobrevivência.
mês, barato para os padrões de Amsterdã, Quando sentimos o mundo cair sobre a
ninguém reclama. “No começo fiquei apreensivo, cabeça, o cérebro nos prepara para reagir ao
mas hoje acho bem eficiente”, diz o estudante desastre. Ficamos prontos para tomar decisões
alemão Torsten Müller, que já vive lá há 6 meses. com mais rapidez, guardar informações que
O sucesso foi tão grande que a empresa podem ser decisivas e encarar desafios e perigos.
responsável pelo projeto já construiu outra vila Ou seja, pessoas estressadas potencializam sua
num subúrbio de Amsterdã – e também está capacidade de superar um problema, na visão do
erguendo um hotel na cidade de Yenagoa, na professor (funciona quase como o espinafre para
Nigéria, para turistas que quiserem ter a o Popeye). Mas há um porém, se nos
experiência de dormir num contêiner. Mas com estressarmos demais, os efeitos benéficos
acomodações de luxo – lata por fora, quatro- acabam revertidos. Nosso cérebro falha, e
estrelas por dentro. funções como a memória acabam prejudicadas. É
Texto Caroline D’essen Revista Superinteressante - Edição 278 – por isso que precisamos aprender a apreciar o
Maio 2010 – p.28.
estresse com moderação. O segredo estaria em
O trecho em que aparece a ‘voz’ da autora desse levar uma vida saudável e buscar atividades que
texto é: deem prazer, como diz McEwen – autor do livro O
A) “...hoje essenciais para o comércio na Fim do Estresse como Nós o Conhecemos – na
economia globalizada”. (ℓ. 2-3) entrevista que concedeu à SUPER.
WESTPHAL, Cristina. Super interessante. Abril, 2009. Adaptado:
B) “Mas você aceitaria viver dentro de um?”. (ℓ. Reforma ortográfica. Fragmento.
3)
C) “Os contêineres foram comprados na O autor desse texto faz uso da linguagem
China...”. (ℓ. 6-7) coloquial no trecho:
D) “Os contêineres são pequenos...”. (ℓ. 11) A) “Ninguém gosta de ter fumaça saindo pelas
E) “O sucesso foi tão grande...”. (ℓ. 15) orelhas...” (  . 4-5).
B) “... o estresse é fundamental para a nossa
------------------------------------------------------------ sobrevivência.”. (  . 7-8).
(SPAECE). Leia o texto abaixo. C) “Ficamos prontos para tomar decisões com
mais rapidez, ...”(  . 11-12).
Vim em 1960 e fui dar aula no Colégio D) “... funções como a memória acabam
Seleciano de Recife. Logo na primeira semana, prejudicadas.”. (  . 19-20).
fui chamado pela direção: um pai se queixara de E) “O segredo estaria em levar uma vida
que eu ofendera sua filha. É que eu dissera “Cale- saudável...”. (  .21-22).
se, rapariga”, sem saber que, no Nordeste,
rapariga significa prostituta. ------------------------------------------------------------
Revista Diálogo Médico

No trecho “...um pai se queixara...”, a palavra


destacada é um exemplo de
A) expressão de gíria.
8