Você está na página 1de 18
MENU  Economia Blog Todos a Bordo Seguir  CONTA UOL Há 40 anos, Boeing

MENU

Economia

Seguir

MENU  Economia Blog Todos a Bordo Seguir  CONTA UOL Há 40 anos, Boeing da

MENU  Economia Blog Todos a Bordo Seguir  CONTA UOL Há 40 anos, Boeing da

CONTA UOL

Há 40 anos, Boeing da Varig sumiu misteriosamente e jamais foi encontrado

Ouvir

Ouvir

Ouvir
Vinícius Casagrande 30/01/2019 04h00
Vinícius Casagrande
30/01/2019 04h00
foi encontrado Ouvir Vinícius Casagrande 30/01/2019 04h00 Boeing 707 da Varig que desapareceu há 40 anos

Boeing 707 da Varig que desapareceu há 40 anos (Wikimedia)

Um dos maiores mistérios da aviação mundial segue sem qualquer resposta há exatos 40 anos. Trata-se do desaparecimento do Boeing 707 cargueiro da companhia aérea brasileira Varig, que fazia o voo RG 967, ocorrido no dia 30 de janeiro de 1979.

O jato decolou do aeroporto de Narita, em Tóquio (Japão), com destino ao Rio de Janeiro, com parada prevista em Los Angeles (EUA) para reabastecimento. Cerca de 30 minutos após a decolagem, o Boeing

707 simplesmente desapareceu, e os controladores não conseguiram mais contato com os pilotos.

Leia também:

e TransBrasil tentaram se recuperar no passado, mas não deu O dia em que o piloto

O caso é bastante semelhante ao desaparecimento de um Boeing 777 da companhia aérea Malaysia

Airlines, ocorrido em março de 2014. Nos dois casos, os pilotos não relataram qualquer problema técnico, os aviões desapareceram misteriosamente e jamais foram encontrados.

Piloto chegou a fazer contato antes de desaparecer
Piloto chegou a fazer contato antes de desaparecer

No caso do avião da Varig, o desaparecimento teria ocorrido a cerca de 500 quilômetros da costa do Japão, sobre o oceano Pacífico. O avião decolou do aeroporto de Narita às 20h23 no horário local. O comandante Gilberto Araújo da Silva chegou a fazer um primeiro contato com o controle de tráfego aéreo para informar sua posição.

O segundo contato, que deveria ter acontecido uma hora após a decolagem, nunca aconteceu. Com isso,

as autoridades japonesas acionaram o alerta para o possível acidente com o avião brasileiro. No entanto,

como já era noite no Japão, as buscas começaram para valer somente na manhã seguinte.

Equipes de resgate trabalharam intensamente nos primeiros dias na região onde supostamente o avião teria caído. Não foram encontrados vestígios do Boeing 707, manchas de óleo nem corpos dos tripulantes. Nos meses seguintes, a área de busca foi ampliada, mas jamais foi encontrada qualquer pista do jato da Varig.

A companhia brasileira também nunca chegou a uma conclusão sobre o que pode ter ocorrido com o seu

avião cargueiro. "Não foi possível encontrar nenhum indício que lançasse qualquer luz sobre as causas do desaparecimento da aeronave", afirmou a empresa, na época, em um relatório sobre o caso.

Piloto já havia sofrido acidente em Paris
Piloto já havia sofrido acidente em Paris

Por se tratar de um avião cargueiro, não havia passageiros no voo. Estavam a bordo do Boeing 707 da Varig seis tripulantes, que se revezariam durante o voo: os comandantes Gilberto Araújo da Silva, Erni Peixoto, os copilotos Evans Braga e Antonio Brasileiro da Silva Neto e os engenheiros Nicola Esposito e José Severino de Gusmão Araújo.

Entre eles, a história que mais chama a atenção é a do comandante Gilberto Araújo da Silva. Em 1973, ele havia se envolvido em um grave acidente, também com um Boeing 707, quando fazia o voo RG 820.

O voo da Varig havia decolado do Rio de Janeiro para Paris (França), de onde seguiria para Londres (Reino

Unido). Quando se aproximava do aeroporto de Orly, em Paris, teve início um incêndio dentro da cabine de passageiros. O fogo teria começado após um dos passageiros jogar uma bituca de cigarro acesa no cesto de lixo. O fumo a bordo só começou a ser proibido no final dos anos 1990.

Uma fumaça negra rapidamente se espalhou dentro do avião. Sem enxergar nada, o comandante Gilberto foi obrigado a fazer um pouso de emergência em uma plantação de cebolas a apenas um quilômetro do aeroporto de Orly. O acidente causou 123 mortes, a maioria por intoxicação. Além do comandante Gilberto, outros nove tripulantes e apenas um passageiro sobreviveram.

Teorias da conspiração e carga milionária

No desaparecimento do Boeing 707 cargueiro, algumas teorias e suposições chegaram a ser levantadas na época, mas sem qualquer tipo de comprovação. Elas vão desde um sequestro por colecionadores de arte até um ataque de caças soviéticos para proteger segredos militares, como o projeto de um caça, que supostamente estariam a bordo do avião da Varig.

O Boeing 707 da Varig transportava cerca de 20 toneladas de carga. Entre equipamentos eletrônicos, peças para navios e computadores e máquinas de costura, o voo levava também dezenas de quadros do pintor nipo-brasileiro Manabu Mabe, avaliados, na época, em US$ 1,2 milhão.

Leia também:
Leia também:
Maior motor de avião comercial do mundo tem o diâmetro de um Boeing 737
Maior motor de avião comercial do mundo tem o diâmetro de um Boeing 737
voar mais rápido? Maior motor de avião comercial do mundo tem o diâmetro de um Boeing
voar mais rápido? Maior motor de avião comercial do mundo tem o diâmetro de um Boeing
voar mais rápido? Maior motor de avião comercial do mundo tem o diâmetro de um Boeing
voar mais rápido? Maior motor de avião comercial do mundo tem o diâmetro de um Boeing

SOBRE O BLOG

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.

129 Comentários

sobre a fascinante experiência de voar. 129 Comentários Escreva seu comentário* * Ao comentar você concorda

Escreva seu comentário*

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

é do autor da mensagem. Leia os termos de uso Pitaco-RJ  2 horas atrás O

Pitaco-RJ

2 horas atrás

O avião em questão estava vendido para a FAB, junto com outros 3, se não me engano. Essas aeronaves foram utilizadas na FAB como

abastecedores e avião presidencial (o famoso sucatão)

0

Responder



Fernando Castro

11/03/2019 16h35

Uma hipótese para o desaparecimento. O avião entrou no espaço aéreo da Coreia do Norte e foi abatido por um míssil. O que se diz nos bastidores, é que aviões civis de países aliados dos EUA modificavam a rota para produzirem fotografias do território norte-coreano. Essa seria a motivação do desaparecimento e do desinteresse por investigações. Pois a Varig tinha conhecimento da operação.

0

Responder

conhecimento da operação.  0  Responder  Thiago Brandão  30/01/2019 23h45 Teve um caso

Thiago Brandão

30/01/2019 23h45

Teve um caso parecido com um avião sulcoreano, e os soviéticos admitiram que derrubaram, nessa caso da Varig até hoje ninguém admitiu que derrubou, mas o que se diz é que foi a união soviética que abateu

0

Responder

 
  henrique melcop

henrique melcop

30/01/2019 22h49

O

VLT de Tório tinha a porta de carga segura e o acidente de Paris teve dois fatores que nunca foram mencionados. O moderador desse site

publiçamento um monte de bobagem da mesma pessoa esconvida com apelidos e diz que meus comentários estão sendo analisados e nunca os

pública.

0

Responder



Pedro Roberto Oliva

30/01/2019 22h31

Pois o avião estava

trazendo uma quantidade x de um explosivo liquido mais potente que nitroglicerina para ser usado no Brasil em mineração ou exploração de

Petróleo

Conheci o Nicola , um dos tripulantes desse cargueiro

Não esclareceram esse caso na época porque não quiseram

Soubemos

disso por outros tripulantes da Varig que eram também nossos amigos na época , no Rio de Janeiro

0

Responder



Pedro Roberto Oliva

30/01/2019 22h19

Conheci um dos tripulantes desse cargueiro

trazido nesse avião para o Brasil seria um explosivo liquido mais potente que a nitroglicerina , que seria utilizado pela Petrobrás ou na area de

mineração

pequenas pedaços

oorque achavamos pela nossa ingenuidade juvenil que tudo seria esclarecido em um momento posterior certamente aos fatos que relatei

O que foi comentado à época pelo pessoal que conhecíamos da aviação é que estava sendo

Algo assim

O elemento quimico teria explodido em voo e pela altissima capacidade de explosão teria reduzido a aeronave a

Mas eramos jovens demais à epoca e não tivemos interesse ,nem como levantar a verdade

Quem

Foi o que soubemos

Até

investigar esse caso chegará

1

Responder

Respostas (1)

chegará  1  Responder Respostas (1)   é tudo igual  30/01/2019 21h35 Avião

é tudo igual

30/01/2019 21h35

Avião do brasil tem maracutaia com certeza

0

Responder



Ricardo Ramos

30/01/2019 21h08

Extraterrestres !!! no mesmo caso do voo da Malasya , podem acreditar esse ano vai ser ser de muitos contatos.

1

Responder

ser ser de muitos contatos.  1  Responder  Edilson Vencato  30/01/2019 20h49 Aaaaa,

Edilson Vencato

30/01/2019 20h49

Aaaaa, estamos falando de dois acidentes diferentes. Falha minha.

0

Responder

diferentes. Falha minha.  0  Responder  Edilson Vencato  30/01/2019 20h48 Peraí. Era um

Edilson Vencato

30/01/2019 20h48

Peraí. Era um avião cargueiro e não tinha passageiros. No entanto temos 123 mortos? TUdo bem que eu tomei uma cerveja mas mesmo?

1

Responder

Respostas (1)

seria isto

 1  Responder Respostas (1)   seria isto Alberto Francisco do Carmo  30/01/2019

Alberto Francisco do Carmo

30/01/2019 20h34

Nesse avião, além de grande carga de componentes eletrônicos, também estavam, se não me engano,QUARENTA E NOVE QUADROS do pintor nipo-brasileiro Manabu Mabe, que voltavam ao Brasil, depois de uma exposição do artista em tóquio.

0

Responder

do artista em tóquio.  0  Responder  Alberto Francisco do Carmo  30/01/2019 20h32

Alberto Francisco do Carmo

30/01/2019 20h32

Neste avião, estavam, além de grande quantidade de componentes para montagem de televisores na Zona Franca de Manaus,

0

Responder

Outra vez??

0

Responder

Outra vez??  0  Responder  henrique melcop  30/01/2019 19h57 O PP-VLT fazia o

henrique melcop

30/01/2019 19h57

O PP-VLT fazia o primeiro vôo depois da revisão C em Porto alegre. A porta de carga não era original da Boeing. Foi instalada por uma firma

recomendada pela Boeing em wichita. As garras da trava se apoiavam no chão do frame da porta e também haviam 3 travas laterais em cada lado da porta.Esse comentário é para asseverar a segurança da porua. Quanto ao acidente em Paris a fumaça na informação de que houve incêndio na lixeira foi para ocultar fatos: os caças franceses da FÁBIO tinham na cauda um para quedas com fogo de magnésio que seria acionado em caso de pouso de emergência para clarear a área de pouso. Esses estavam no porão de carga para revisão na França. Já sobrevoando as ilhas canárias foi perdido O stabilizer trimestre elétrico e fizeram compensações manuais sem desconfiar da gravidade do problema. Outro agravante foi o então senador FILINTO MUELLER abordo. Ele foi o foco do livro FALTA ALGUEM EM NUREMBERG .

0

Responder

Respostas (1)

NUREMBERG .  0  Responder Respostas (1)   Indignado2018  30/01/2019 18h07 Há um

Indignado2018

30/01/2019 18h07

Há um foço oceânico próximo de onde ele perdeu a comunicação, deve ter caído por perto, com pouca avaria e está repousando a mais de 10 mil metros profundidade.

0

Responder

de 10 mil metros profundidade.  0  Responder  27z219umd268  30/01/2019 17h46 É claro

27z219umd268

30/01/2019 17h46

É claro que esses aviões foram sequestrados por extraterrestres e estão sendo estudados. Só não vê quem não quer.

0

Responder

Só não vê quem não quer.  0  Responder  Chacrinha corneteiro  30/01/2019 17h43

Chacrinha corneteiro

30/01/2019 17h43

Não me lembrava desse caso. Abs

0

Responder

me lembrava desse caso. Abs  0  Responder  azwerty  30/01/2019 17h25 Pouco se

azwerty

30/01/2019 17h25

Pouco se sabe do desaparecimento do avião da Varig, se especulou muito, até que foi escoltado por caças soviéticos para a URSS e lá destruído por conta da guerra fria, mas nada se apurou até o dia de hoje.

 0  Responder   Zahnradfabrik Friedrichshafen
 0
 Responder
Zahnradfabrik Friedrichshafen

30/01/2019 17h07

Aterrissou no Brasil para por a nova placa do mercosul

0

Responder

por a nova placa do mercosul  0  Responder  Dougi Fani  30/01/2019 16h58

Dougi Fani

30/01/2019 16h58

afundou com o peso da carga de certeza, o oceano é fundo e escuro

0

Responder



JCicero Dutra de Moura

30/01/2019 16h05

Como será que uma bituca "apagada" conseguiria provocar um incêndio?

0

Responder

Respostas (1)

incêndio?  0  Responder Respostas (1)   Brun Schweiz  30/01/2019 15h20 Comentários no

Brun Schweiz

30/01/2019 15h20

Comentários no UOL são uma piada, de mal gosto.

0

Responder



Adauto Pereira

30/01/2019 15h02

esse avião passou por um portal dimensional

0

Responder



Jose Garcia

30/01/2019 14h01

PHCOSTA1968 :você escreveu:"Desertar para os EUA com um caça MIG-25 em 1976" Desertar para os EUA? Com um caça MiG-25 em 1976? De onde vc tirou tal afirmativa? Não houve deserção para os EUA e sim para o Japão. Posteriormente é que o piloto russo foi então para os EUA.

0

Responder

russo foi então para os EUA.  0  Responder  andrepm  30/01/2019 13h42 Não

andrepm

30/01/2019 13h42

Não foi abatido pelos soviéticos, foi escoltado por caças ate uma base em algum ponto da URSS lá, desmontaram o avião e deram um jeito nos pilotos. Só estou conjecturando para entrar na brincadeira.

0

Responder

para entrar na brincadeira.  0  Responder  DeCaraLimpa  30/01/2019 13h33 Nesta vida, depois

DeCaraLimpa

30/01/2019 13h33

Nesta vida, depois de já ter visto tantas coisas, já não duvido mais de nada, seja captura pelos alienígenas, abertura de portal para outra

dimensão, viajem no tempo

naquela época corrompendo todo mundo e vendendo o avião da Varig em pedaços e com tripulação. Vai saber!

ou

caças russos derrubando a aeronave, governo americano escondendo detalhes secretos, o Lula e o PT já

1

Responder

secretos, o Lula e o PT já  1  Responder  lllllgggg  30/01/2019 13h32

lllllgggg

30/01/2019 13h32

A melhor parte das noticias são os comentários. Hilários.

0

Responder



Abmael Viana Granjeiro Granjeiro

30/01/2019 13h22

NÃO CONSEGUEM ENCONTRA UM BOING DESSE TAMANHO COM A CAIXA PRETA EMITINDO SINAIS. PORÉM DIZEM QUE ENCONTRAM PLANETAS A BILHOES DE DISTANCIA, QUEM VAI ACREDITAR NÉ.

0

Responder

Tenho vergonha de ser brasileiro  30/01/2019 12h36 Por ironia do destino, eu e o

Tenho vergonha de ser brasileiro

30/01/2019 12h36

Por ironia do destino, eu e o meu pai (que conhecia o comandante Gilberto) estivemos na casa dele em Los Angeles na véspera da fatídica viagem, para nos despedirmos pois voltaríamos para o Brasil no dia seguinte. Soubemos do ocorrido assim que chegamos em São Paulo episódio lamentável. Que o comandante Gilberto descanse em paz.

6

Responder

Respostas (1)

que

em paz.  6  Responder Respostas (1)   que Foi para Cuba  0

Foi para Cuba

0

Responder

Morais JMM

30/01/2019 12h32

 0  Responder Morais JMM  30/01/2019 12h32  2hy9cfh3c426  30/01/2019 12h30 kkkkkkkkkkkkk deve

2hy9cfh3c426

30/01/2019 12h30

kkkkkkkkkkkkk

deve

ter mudado a rota para "A Ilha Perdida"

kkkkkkkkkkkk

1

Responder

 
  PHCOSTA1968

PHCOSTA1968

30/01/2019 12h17

O

governo Japonês estabeleceu um plano, em 2 de outubro, para retornar a aeronave em caixas do porto de Hitachi e taxar os soviéticos em

US$40.000 por danos e serviços de desmonte e empacotamento em Hakodate.[15] Os Soviéticos, sem sucesso, tentaram negociar um retorno através de uma de suas próprias aeronaves, a Antonov An-22, e tentou organizar uma rigorosa inspeção das caixas, mas o Japão recusou ambas as demandas e os Soviéticos finalmente submeteram-se aos termos japoneses em 22 de outubro.[16] A aeronave foi movida de Hyakuri para o porto de Hitachi, em 11 de novembro, num comboio de carretas. Trinta caixas embarcaram a bordo do navio de carga soviético Taigonos em 15 de novembro de 1976, e chegou em cerca de três dias em Vladivostok

2

Responder

Respostas (2)

Vladivostok  2  Responder Respostas (2)   PHCOSTA1968  30/01/2019 12h16 A chegada do

PHCOSTA1968

30/01/2019 12h16

A chegada do MiG-25 Japão foi incrível para planejadores militares do Ocidente. O governo Japonês, inicialmente, apenas permitiu que os

Estados Unidos examinassem o avião e fizessem testes de radar e de motores no chão, mas, posteriormente, convidou-os a examinar o avião extensivamente. Ele foi desmontado para este efeito, no Japão.[13] O avião foi movido pela aeronave de carga da Força Aérea dos EUA C-5 Galaxy de Hakodate para Base Aérea de Hyakuri em 25 de setembro. Por esta altura, especialistas haviam determinado que o avião era um interceptador e não um caça-bombardeiro, o que foi uma grata afirmação para a defesa japonesa

5

Responder

Respostas (1)

japonesa  5  Responder Respostas (1)   SneepS  30/01/2019 11h59 A hipótese mais

SneepS

30/01/2019 11h59

A hipótese mais plausível considera que, logo após a decolagem, com a aeronave já tendo atingido um nível de cruzeiro elevado, houve uma

despressurização lenta na cabine, o que não causou a explosão da aeronave ou seja, não foi uma descompressão explosiva mas lentamente sufocou os pilotos. O avião então segundo a linha de raciocínio, voou com ajuda do piloto automático por muitos quilômetros a mais até que acabou o combustível, caiu sobre o mar em algum ponto extremamente distante dos locais por onde passaram as buscas. Portanto, nenhum destroço foi encontrado, sendo provável como largamente aceito que estejam ou no fundo do vasto Oceano Pacífico, ou sobre alguma área inabitada do estado americano do Alasca.

21

Responder

Respostas (16)

de todos os comentários quantos são de pilotos ou mecanicos que conhecem a aeronave. A porta trazeira de carga tem 9 garras de travamento se elas não estiverem adequadamente travads aporta pde soltar se e ai ja era. Como tem idiota falando besteira

0

Responder

tem idiota falando besteira  0  Responder  SneepS  30/01/2019 11h56 Russos abateram um

SneepS

30/01/2019 11h56

Russos abateram um Boing 707 que VAZIO pesa 50 toneladas em pleno voo e depois como fez p/ não deixar nenhum sinal no mar? Teria uma equipe em mar para recolher tudo que ficaria sob a agua quanto em baixo da agua? E isso levaria tempo certo, trabalho p/ mais de 1 dia de

serviço no minimo. Esse avião começou a ser procurado após 1 hora depois da última comunicação, ainda noite já havia equipe de busca no mar

e não encontraram nenhum russo pescando destroços e após 12 horas já era dia e adivinha não tinha ninguém pescando destroços. Ainda em

tempo o voo 967 da Varig tem registrado somente que o avião carregava material eletrônico, aparelhos elétricos, peças para navios, peças para

computadores, máquinas de costura, entre outros objetos nesse porte. A carga total pesava 20 toneladas. O suposto MIG-25 "secretamente carregado" não existe registro oficial sobre essa carga e se existisse pesaria entre 20 a 36 toneladas vazio/carregado.

0

Responder

Respostas (1)

 
  Zema Santos  

Zema Santos

 

30/01/2019 11h56

O

ponto mais sombrio da história do comandante Gilberto Araújo da Silva não foi contado: no acidente de Orly, ele ordenou o trancamento da

porta da cabine de comando com todos os tripulantes dentro, enquanto os passageiros morriam asfixiados. Por isso toda a tripulação (dez pessoas) se salvou mas, dos 124 passageiros, apenas um, todos os outros morreram asfixiados.

0

Responder

Respostas (3)

 0  Responder Respostas (3)   Zema Santos  31/01/2019 09h26 Não sabia. Obrigado,

Zema Santos

31/01/2019 09h26

Não sabia. Obrigado, Thiago Brandão. Reforça mais ainda a suspeita da porta trancada. Abraço.

0

ainda a suspeita da porta trancada. Abraço.  0  Thiago Brandão  30/01/2019 23h51 E

Thiago Brandão

30/01/2019 23h51

E se salvou ao desrespeitar as ordens dos comissários e ficar o mais perto possível da frente do avião

0

o mais perto possível da frente do avião  0  thiagodifoiz  30/01/2019 12h30 Uma

thiagodifoiz

30/01/2019 12h30

Uma das fala do único passageiro sobrevivente: "Ricardo conta que percebeu a gravidade da situação ao notar que os comissários "

desmaiavam

1

ao notar que os comissários " desmaiavam  1  Claudio Lolli  30/01/2019 11h28 Uma

Claudio Lolli

30/01/2019 11h28

Uma pergunta para aqueles que dizem que o avião estava contrabandeando segredos militares para os EUA uma pergunta. Não era mais seguro mandar esse material num navio militar americano?

5

Responder

Respostas (1)

americano?  5  Responder Respostas (1)   Caca357  30/01/2019 10h53 Esse caso acabou

Caca357

30/01/2019 10h53

Esse caso acabou tendo um repercussão discreta pois não houve número significativo de vítimas,

4

Responder

Respostas (1)

 4  Responder Respostas (1)   raphacurvo  30/01/2019 10h42 estranho assim como o

raphacurvo

30/01/2019 10h42

estranho

assim

como o da Malaysia

1

Responder

Respostas (3)

sem

vestígios

1  Responder Respostas (3)  sem  vestígios antonio marinelli  30/01/2019 10h33 Existe equipamentos

antonio marinelli

30/01/2019 10h33

Existe equipamentos que são capazes de achar uma bola de basquete no oceano

basquete no seu interior

assunto

resolvido

não

mais perderemos nenhum avião

8

Responder

Respostas (7)

sugiro

que cada avião carregue pelo menos uma bola de

 sugiro que cada avião carregue pelo menos uma bola de ANTONIO FERNANDES ATTIZANO  30/01/2019

ANTONIO FERNANDES ATTIZANO

30/01/2019 10h25

Alguns meses antes um piloto soviético fugiu da Russia a bordo do mais avançado caça Mig de ultima geração e aterrizou em Narita. De imediato a tropa americana que ocupa o japão tomou posse do aparelho e o desmontou todo para enviar aos Estados Unidos. Mas para levar em uma nave cargueira americana chamaria muito a atenção , contrataram a Varig .Este avião foi sequestrado no ar e nunca mais voltou , e a sua tripulação ficou detida lá e acabou virando cidadãos soviéticos. Quando da queda do 707 caiu em Orly , tripulantes se salvaram e um deles hoje mora em Seattle USA, conversei com ele anos atras e ele me disse que recebeu a visita deste piloto sequestrado , mais e 25 anos depois. mora normalmente na Russia de hoje . Acredita quem quiser , mas é verdade.

9

Responder

Respostas (9)

é verdade.  9  Responder Respostas (9)   rizi  30/01/2019 10h12 A reportagem

rizi

30/01/2019 10h12

A reportagem so não falou dos misseis dos aviões mirrage que estavam sendo levados para recondicionamento na França. Ou poderia ser segredo militar

0

Responder

Ou poderia ser segredo militar  0  Responder  Juscelino Lima  30/01/2019 10h03 Estranho

Juscelino Lima

30/01/2019 10h03

Estranho é a matéria Saiu de Tóquio parou para reabastecer em Los Angeles - logo em seguida sumiu a cerca de 500 km costa do Japão Los

Angeles ate Tókio são 8.000 km

poderiam explicar melhor

desculpe minha ignorância

0

Responder

Respostas (7)

ignorância  0  Responder Respostas (7)   STP747  30/01/2019 09h54 Os maiores mistérios

STP747

30/01/2019 09h54

Os maiores mistérios da aviação brasileira são os desaparecimentos da PANAIR, da VARIG, da TRANSBRASIL. Esses são uns casos muito mal contados.

0

Responder

Respostas (2)

contados.  0  Responder Respostas (2)   MAURICIO O GRANDE  30/01/2019 09h51 Eu

MAURICIO O GRANDE

30/01/2019 09h51

Eu acho que ele foi sequestrado por alienígenas, que antes de entrar para outras galaxias remarcaram o chassi e mudaram a cor para dificultar a identificação.

9

Responder

Respostas (1)

sbe  30/01/2019 09h33 A porta de carga(aquela enorme no final do aviã) deve ter

sbe

30/01/2019 09h33

A porta de carga(aquela enorme no final do aviã) deve ter aberto e a descompressão subita pegou todos de surpresa e a tripulação sequer teve

tempo de pegar as mascaras de oxigenio logo acima deles

2

Responder

Respostas (4)

acima deles  2  Responder Respostas (4)   futuro 32  30/01/2019 09h27 FOI

futuro 32

30/01/2019 09h27

FOI PENA, AS TELAS DE MABE Q ESTAVAM NO AVIAO ERAM DA MELHOR FASE DO PINTOR, PERDA IRREPARAVEL

0

Responder

Respostas (3)

IRREPARAVEL  0  Responder Respostas (3)   ekk1  30/01/2019 09h14 Mistério e isso

ekk1

30/01/2019 09h14

Mistério e isso o PT ou a imprensa não poderão atribuir a culpa ao Bolsonaro

5

Responder

Respostas (1)

Bolsonaro  5  Responder Respostas (1)   101% SFC  30/01/2019 09h07 Ambos aeronaves

101% SFC

30/01/2019 09h07

Ambos aeronaves citadas na reportagem, foram sequestradas por alienígenas.

0

Responder

sequestradas por alienígenas.  0  Responder  Joabe Vieira  30/01/2019 09h06 Esse avião foi

Joabe Vieira

30/01/2019 09h06

Esse avião foi abatido pelos russos. O Japão havia recolhido um MIG 25 da URSS que havia caído no mar. Os americanos queriam espionar o caça e a única maneira que encontraram de enviar o MIG aos americanos seria via cargueiro do Brasil (que faria uma escala em solo

americano)

Mas

os russos estavam monitorando o aparelho e abateram o avião no ar

Não existe inocente nessa história,muito menos

mistério.

1

Responder

Respostas (3)

mistério.  1  Responder Respostas (3)   Guto esporte  30/01/2019 09h06 Hmnn, já

Guto esporte

30/01/2019 09h06

Hmnn, já sei onde vou posicionar minha equipe de caça-tesouros submarinos.

1

Responder

Respostas (1)

submarinos.  1  Responder Respostas (1)   Beto Jundiai  30/01/2019 09h02 Esperava ter

Beto Jundiai

30/01/2019 09h02

Esperava ter sabido desta história pelo Lito, do Aviões e Músicas

0

Responder

Respostas (2)

 A L I E N S  0  Responder
A L I E N S
 0
 Responder

Saulo Cruz

30/01/2019 08h57

Guilherme77  30/01/2019 08h41 "Aliens", TSOUKALOS, Giorgio.  3  Responder  Sem aeroportos, aviões

Guilherme77

30/01/2019 08h41

"Aliens", TSOUKALOS, Giorgio.

 3  Responder  Sem aeroportos, aviões tinham de pousar na água; hoje hidroavião
 3
 Responder
Sem aeroportos, aviões tinham de pousar na água; hoje hidroavião é raro
Ouvir
Vinícius Casagrande 11/05/2019 04h00
Vinícius Casagrande
11/05/2019 04h00
é raro Ouvir Vinícius Casagrande 11/05/2019 04h00 Dornier Wal, conhecido como Atlântico, foi a primeira

Dornier Wal, conhecido como Atlântico, foi a primeira aeronave registrada no Brasil (EBC)

Os hidroaviões, que decolam e pousam na água, são uma raridade atualmente no Brasil. Eles representam apenas 0,26% da frota da aviação geral nacional, segundo dados do Anuário Brasileiro de Aviação Civil.

Das mais de 15,4 mil aeronaves registradas no país, apenas 40 são hidroaviões. Mas nem sempre foi assim.

Nos primórdios da aviação comercial no Brasil e no mundo, havia pouca infraestrutura em terra para receber os aviões em pistas preparadas para pousos e decolagens. A solução das companhias aéreas para ligar as cidades era utilizar hidroaviões, aproveitando-se dos rios, mares e lagoas.

Leia também:

As aeronaves eram utilizadas para voos de longa e curta duração, para o transporte de carga ou de passageiros. Muitas companhias aéreas do mundo surgiram somente graças a esse tipo de avião.

Bancos eram de vime, e era preciso abrir a janela para se refrescar
Bancos eram de vime, e era preciso abrir a janela para se refrescar

No Brasil, um hidroavião foi responsável pelo primeiro voo da aviação comercial no país. A companhia aérea Condor Syndikat inaugurou a primeira rota com passageiros do Brasil no dia 3 de fevereiro de 1927 com o Dornier Wal D-112, conhecido como Atlântico. Ele foi a primeira aeronave registrada no Brasil. O voo fazia a linha de Porto Alegre para Pelotas e Rio Grande sobrevoando a Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul.

A aeronave voava a uma velocidade de 150 km/h e a uma altitude de apenas 50 metros. O voo não era nada confortável. Os oito passageiros viajavam em bancos de madeira e vime e, por conta do alto barulho dos motores, mal conseguiam conversar entre eles. A temperatura também era alta a bordo, e a forma de se refrescar era abrir as janelas do avião. Nos pousos e decolagens, no entanto, elas tinham de ficar fechadas, para não espirrar água dentro da cabine.

O embarque e desembarque dos passageiros era feito próximo às praias (EBC) O mesmo avião

O embarque e desembarque dos passageiros era feito próximo às praias (EBC)

O mesmo avião também foi usado pela Varig, fundada em 7 de maio de 1927. Após um acordo com a

Condor Syndikat, o Atlântico foi transferido para a Varig, que também assumiu a linha da Lagoa, como era conhecida a rota entre Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande.

No final de 1927, a Varig recebeu seu segundo avião. O modelo Dornier Merkur foi batizado de Gaúcho. Os dois aviões voaram pela Varig até 1930. Com o fim da parceria com a Condor Syndicat, eles tiveram de ser devolvidos, e a Varig adquiriu aviões Junker e Messerschmitt, que pousavam apenas em terra.

Pan Am fez voos transatlânticos com hidroaviões
Pan Am fez voos transatlânticos com hidroaviões

No mesmo ano do primeiro voo comercial no Brasil, a lendária companhia aérea norte-americana Pan American Airways, mais conhecida apenas por Pan Am, também estreou suas rotas comerciais. As primeiras aeronaves da Pan Am também eram hidroaviões.

A rota inaugural foi lançada em outubro de 1927 e transportou apenas malas postais entre a cidade de Key

West, no sul da Flórida (EUA), até Havana (Cuba). O voo foi feito pelo Fairchild FC-2.

Não demorou muito para a Pan Am adquirir aviões maiores que pudessem transportar passageiros em rotas internacionais. Os modelos Consolidated Commodore, Sikorsky S-38, S-40 e S-42, Martin M-130 e Boeing B-314 foram os principais hidroaviões da empresa.

Em 1929, a Pan Am inaugurou a rota entre os Estados Unidos e a América do Sul, passando pelo litoral brasileiro e chegando até Buenos Aires (Argentina). A parada no Rio de Janeiro, por exemplo, acontecia onde hoje está localizado o aeroporto Santos Dumont. Naquela época, no entanto, a estrutura se parecia muito mais com um porto. O aeroporto mesmo só foi inaugurado em 1936.

Boeing B-314 da Pan Am próximo a San Francisco (EUA) (Pan Am Historical Foundation) A

Boeing B-314 da Pan Am próximo a San Francisco (EUA) (Pan Am Historical Foundation)

A grande expansão da Pan Am veio no final da década de 1930, com a chegada dos Boeing B-314. Em

1939, a Pan Am fez seu primeiro voo transatlântico ligando os Estados Unidos à Europa. O modelo também seria usado nas rotas transpacíficas, ligando os Estados Unidos até a China. Com velocidade de cerca de 300 km/h, as viagens para a Europa duravam cerca de 28 horas.

Outras companhias
Outras companhias

Além da Varig e da Pan Am, os hidroaviões estiveram presentes em muitas outras companhias aéreas ao redor do mundo. No início da década de 1920, uma das pioneiras a usar esse tipo de avião foi a britânica Imperial Airways of London, principal companhia aérea do Reino Unido na época. A empresa fazia o transporte de passageiros e malas postais até as colônias britânicas na África e para a Índia.

A australiana Qantas foi outra companhia aérea que teve grande desenvolvimento em virtude dos

hidroaviões. A empresa usou diversos modelos, que chegaram a voar da Austrália até o Reino Unido, com algumas paradas no caminho.

Com a expansão da aviação em todo o mundo, foram sendo construídos aeroportos em mais cidades, novos aviões estavam em desenvolvimento e, aos poucos, os hidroaviões foram sendo substituídos. Atualmente, esse tipo de aeronave é usado principalmente por pilotos amadores em momentos recreativos.

Siga UOL Economia

Siga UOL Economia COMUNICAR ERRO © 1996 - 2019 UOL - Todos os direitos reservados

COMUNICAR ERRO

COMUNICAR ERRO

© 1996 - 2019 UOL - Todos os direitos reservados