Você está na página 1de 3

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

Questões numeradas de 01 a 15

INSTRUÇÃO: As questões de 01 a 08 referem-se ao texto a seguir ou tomam-no como ponto de


partida. Leia-o atentamente.
Tróia
Na imaginação dos gregos, o destino do mundo foi decidido diante das muralhas de Tróia. Até
os deuses desceram do Olimpo e derramaram seu sangue na tentativa de defender ou arrasar a
cidadela do rei Príamo. Como nós fazemos hoje com o nascimento de Cristo, a história humana
passou a ser medida em anos antes e depois da guerra de Tróia. Aquiles, Heitor, Ulisses, Enéias
viraram a medida do que é ser um herói, os nomes que toda criança aprendia a admirar e imitar. (...)
Para benefício de quem não está com pique para encarar os milhares de versos da Ilíada, aqui
vai um resumo. Tudo começa no casamento do herói Peleu com a deusa Tétis, ao qual compareceram
em peso as divindades do Olimpo. Éris, a deusa da discórdia, foi à festa com uma fruta de ouro que
levava a inscrição “à mais bela”. Instaurou-se a ciumeira entre as três principais deusas: Afrodite (do
amor), Atena (da sabedoria e da guerra) e Hera (a mulher do chefão Zeus). Todas queriam a fruta e
acabaram escolhendo como juiz um mortal, o pastor troiano Alexandre, que tinha fama de honesto.
O trio tentou subornar o coitado. Hera lhe ofereceu o domínio sobre a Ásia, Atena prometeu
sabedoria e Afrodite, o amor da mulher mais bela do mundo. Alexandre, que não era bobo, escolheu
esta última e conquistou o coração da sensacional Helena. Ganhou também o ódio das duas poderosas
preteridas, que infernizariam sua vida. Outro problema: Helena era casada. E casada com um rei,
Menelau, de Esparta. Alexandre, que descobriu ser o filho desaparecido de Príamo, rei de Tróia, e
adotou o nome de Páris, deu um jeito de visitar Menelau e, quando o marido saiu do palácio por uns
dias, convenceu Helena a fugir com ele. Acontece que Helena era a mulher mais disputada da Grécia.
Antes que seu pai decidisse com qual homem ela iria se casar, todos os nobres que a cortejavam
juraram proteger a honra dela e de seu marido, fosse ele quem fosse. Menelau e seu irmão, o
poderoso Agamêmnon, rei de Micenas, inflamados pelas deusas ciumentas, se aproveitaram do
juramento para arrastar os gregos para a briga.
Assim começou a guerra. Depois de uma década de cerco e da morte de muitos heróis, Tróia
parecia inexpugnável. Aí os gregos deixaram um cavalo de madeira às portas da cidade, que os
troianos aceitaram como uma proposta de paz. Dentro do cavalo estavam os melhores guerreiros
gregos, que abriram os portões da cidade. Os troianos foram massacrados.
Reinaldo José Lopes, revista Superinteressante, maio/ 2004
QUESTÃO 01
No trecho em que o jornalista começa o seu relato da guerra de Tróia, inicia-se um texto narrativo,
por todos os motivos a seguir, EXCETO
A) Nessa narrativa, há todo o desenrolar de uma trama.
B) As personagens são incapazes de mudar o curso dos acontecimentos.
C) Constatamos o uso freqüente do tempo pretérito dos verbos, o que é característico na narrativa.
D) Apresenta um objeto do mundo sensível, responsável pelo desfecho e resolução de um problema.
QUESTÃO 02
Essa narrativa apresenta-nos
A) acontecimentos ficcionais, porém um deles é fato real.
B) o relato objetivo de um narrador, que não emite opiniões em nenhum momento.
C) deuses que estão naturalmente protegidos das intrigas humanas.
D) alguns personagens responsáveis pela lição de que o bem sempre vence o mal.
QUESTÃO 03
Indique a única alternativa que NÃO apresenta no texto do jornalista um registro lingüístico informal
de uso da língua.
A) “Para benefício de quem não está com pique para encarar os milhares de versos da Ilíada...”
B) “... juraram proteger a honra dela e de seu marido, fosse ele quem fosse.”
C) “Instaurou-se a ciumeira entre as três principais deusas...”
D) “Aí os gregos deixaram um cavalo de madeira às portas da cidade...”
QUESTAO 04
Observe o seguinte período da narrativa:
“ Alexandre, que não era bobo, escolheu esta última e conquistou o coração da sensacional Helena.”
O fragmento destacado enfatiza
A) a independência de escolha de Alexandre.
B) a inteligência mediana de Alexandre.
C) a pouca habilidade de Alexandre.
D) o quanto Alexandre era esperto.
QUESTÃO 05
A expressão presente de grego baseia-se no fato histórico narrado nesse texto e está associada a todas
as idéias abaixo, EXCETO
A) cilada.
B) logro.
C) dádiva.
D) armadilha.
QUESTÃO 06
“ Ganhou também o ódio das duas poderosas preteridas, que infernizariam sua vida.”
No fragmento acima, o verbo infernizar, no tempo e modo usados, exprime um fato
A) condicionado a outro.
B) duvidoso ou incerto.
C) simultâneo a outro, no passado.
D) futuro, no passado.
INSTRUÇÃO: As questões 07 e 08 referem-se ao fragmento abaixo.
“O trio tentou subornar o coitado. Hera lhe ofereceu o domínio sobre a Ásia, Atena prometeu
sabedoria e Afrodite, o amor da mulher mais bela do mundo.”
QUESTÃO 07
Sobre o emprego de lhe, na passagem acima, está INCORRETA a seguinte afirmação:
A) Retoma o substantivo “coitado”, substituindo-o.
B) Desaconselha-se a colocação proclítica do pronome, nesse caso.
C) Classifica-se como pronome pessoal oblíquo átono.
D) Funciona como objeto indireto do verbo “oferecer”.
QUESTÃO 08
Sobre o uso ou não de vírgulas nesse trecho, estão corretas todas as afirmativas abaixo, EXCETO
A) Após “Afrodite”, indica supressão do verbo “prometer”.
B) Após “Ásia”, coordena as orações que está ligando.
C) Após “sabedoria”, é dispensável, devido à presença da conjunção “e”.
D) Entre “trio” (sujeito) e tentou (verbo), é de rigor sua ausência.
INSTRUÇÃO: As questões de 09 a 12 referem-se às obras Memórias de Um Sargento de Milícias,
de Manuel Antônio de Almeida e Memorial de Aires, de Machado de Assis.
QUESTÃO 09
Assinale o recurso da escrita que NÃO é comum às obras em questão.
A) O narrador convoca o leitor a acompanhar o desenrolar dos acontecimentos.
B) As narrativas ambientam-se no cenário urbano do Rio de Janeiro, no tempo do II Reinado.
C) O foco narrativo predomina em 1ª pessoa, utilizando-se de uma linguagem popular.
D) O estilo é bastante “enxuto”, direto, com algumas referências à escravidão.
QUESTÃO 10
Sobre o enredo, personagens e estilo individual, qual alternativa é INCORRETA?
A) A ironia está para Machado assim como o humor está para Manuel Antônio de Almeida.
B) O enredo do Memorial de Aires resume-se numa seleção de fatos entre os anos de 1888 e 1889.
C) Os protagonistas das duas obras são vítimas constantes de sua pureza e ingenuidade.
D) O desfecho das Memórias de Um Sargento de Milícias denota um certo tom do Romantismo.
QUESTÃO 11
Assinale a alternativa INCORRETA.
A) Predomina em Memórias de Um Sargento de Milícias o tom irônico, humorístico e jocoso, cujo
protagonista é um típico malandro brasileiro.
B) Em Memórias de Um Sargento de Milícias, a escrita é autobiográfica, pois é narrada pelo próprio
memorando, Leonardo.
C) O Memorial de Aires estrutura-se como um diário, narrado pelo próprio Aires, um diplomata
aposentado.
D) Em Memorial de Aires, o protagonista revela suas memórias de leituras e evidencia os conflitos
daqueles que não tiveram filhos.
QUESTÃO 12
Todas as alternativas abaixo estão corretas, EXCETO
A) Em Memórias de Um Sargento de Milícias, os relacionamentos afetivos seguem a convenção
social – namoro, noivado e casamento.
B) Manuel Antônio de Almeida põe em relevo a cultura popular – o misticismo religioso, as
crendices, as danças e as modinhas brasileiras.
C) O Memorial de Aires destaca os relacionamentos afetivos decorrentes dos apadrinhamentos,
porém, sem interesses financeiros.
D) Machado de Assis outorga a Aires as qualidades de um narrador-observador – mais analista do
que sentimentalmente envolvido com o que narra.
QUESTÃO 13
Assinale a alternativa em que TODAS as características da obra Lucíola podem ser consideradas
verdadeiras.
A) Podemos falar da existência de dois narradores: Paulo, o amante de Lúcia, e Sá, um dos
freqüentadores da casa da cortesã. A anteposição de ambos fornece-nos o duplo retrato de mulher:
o anjo para o amado e o demônio para Sá.
B) Sob o plano da narrativa, a história do livro foi vivenciada pelo narrador, que a envia a uma
Senhora. Essa senhora, de posse dos manuscritos, dá nome à obra e, posteriormente, envia-os ao
narrador.
C) A morte da personagem principal, no final da obra, é atitude incomum nos romances românticos,
nos quais a ventura do amor concede aos amantes as promessas de uma realidade duradoura.
D) Há, na obra, a construção de um retrato feminino previsível. Ao colocá-lo no ambiente sórdido e
corrompido do bordel, dá-lhe o privilégio de se manter casta e pura.
QUESTÃO 14
Lucíola, de José de Alencar, apresenta um perfil de mulher duplicado: um anjo que se contrapõe a
uma prostituta; uma imagem de delicada sedução simultânea a outra de lascívia deliberada. O
desdobramento da personagem feminina em duas, na obra alencariana, é um típico recurso de
A) maniqueísmo, que cinge a realidade entre o bem e o mal, o moral e o imoral.
B) comparação, que aproxima por semelhança dois seres aparentemente tão opostos.
C) duplicação, que possibilita à Lenita superar as barreiras sociais e realizar o seu projeto romântico.
D) paralelismo, que permite ao leitor conhecer os lados opostos da sociedade para melhor julgá-la.
QUESTÃO 15
A Carne e Lucíola, romances do Brasil do século XIX, abordam a questão amorosa sob dois aspectos
opostos. Assinale a alternativa em que a análise de ambos esteja CORRETA.
A) Lucíola, embora apaixonada, não se nega aos apelos da carne, enquanto Lenita, típica menina de
classe burguesa, cede, sem pestanejar, ao chamado do desejo.
B) A entrega amorosa de Lucíola segue padrões românticos, pois busca a purificação espiritual
através da martirização da carne, e Lenita, à maneira naturalista, busca a satisfação dos instintos.
C) Paulo, como personagem de intriga romântica, dispõe-se a lutar pelo amor de Lucíola, a despeito
de todos os preconceitos; Manduca, como concepção naturalista, ama desmedidamente.
D) Há similaridade entre Paulo e Manduca, pois ambos entregam-se às paixões por suas amadas, sem
se aterem a concepções de moral social ou religiosa.