Você está na página 1de 14

Segurança no transporte de

trabalhadores rurais
Presidente da República
Michel Temer

Ministro do Trabalho
Ronaldo Nogueira de Oliveira

Fundacentro

Presidente
Leonice Alves da Paz

Diretor Executivo
Odair de Brito Franco
Diretor Técnico
Robson Spinelli Gomes
Diretor de Administração e Finanças
Ricardo Felix
Autores
Cleiton Faria Lima
Thaís Maria Santiago de Moraes Barros

Colaboradores
Carlos Fernando Lage Paixão − Auditor Fiscal do Trabalho
Antonio Carlos Avancini − Auditor Fiscal do Trabalho
Sonia Maria José Bombardi − Pesquisadora da Fundacentro
Viviane Colucci − Desembargadora do TRT/12a Região/SC

Segurança no transporte de
trabalhadores rurais

São Paulo
MINISTÉRIO
DO TRABALHO

2017
Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte.
Disponível também em: www.fundacentro.gov.br

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


Serviço de Documentação e Biblioteca – SDB / Fundacentro
São Paulo – SP
Sergio Roberto Cosmano CRB-8/7458

1234567Lima, Cleiton Faria


12345667890Segurança no transporte de trabalhadores rurais / Cleiton Faria Lima,
12345667890Thaís, Maria Santiago Moraes Barros ; colaboradores Carlos Lage Paixão,
12345667890Antonio Carlos Avancini, Sonia Maria José Bombardi, Viviane Colucci;
12345667890[ ilustração Agência Comunica]. - São Paulo: Fundacentro, 2017.
1234566789011 p. : il. ; 23 cm.

12345667890ISBN 978-85-92984-13-7

1. Transporte rural – Segurança e saúde no trabalho . 2. Transporte


rural – Acidente do trabalho . 3. Transporte rural - Trabalho agrícola.
4. Transporte rural – Trabalhador rural. I. Lima, Cleiton Faria. II. Barros, Thaís
Santiago Moraes. III. Paixão, Carlos Lage. IV. Avancini, Antonio Carlos. V. Bom-
bardi, Sonia Maria José, VI. Colucci, Viviane. VI. Agência Comunica.

1234567CIS A Y CDU 631.5

CIS – Classificação do “Centre International d’Informations de Sécurité Et d’Hygiene


du Travail”
CDU – Classificação Decimal Universal

Ficha Técnica
Editora-chefe: Glaucia Fernandes
Revisão de textos: Karina Penariol Sanches
Projeto gráfico e design capa: Marila G. Destro Apolinário
Ilustrações da capa e miolo: Agência Comunica
Introdução

Você sabia que, para transportar os trabalhadores rurais, algumas re-


gras devem ser seguidas? O objetivo destas regras é garantir um trans-
porte seguro e confortável.

Existem leis federais, estaduais e muni-


cipais, incluindo resoluções da ANTT -
Agência Nacional de Transporte Terrestre,
do Denatran - Departamento Nacional
de Trânsito, de secretarias Estaduais e Mu-
nicipais, que regulamentam, limitam e dão
as instruções de como o realizar este trans-
porte da forma correta.

Neste folheto, vamos conhecer os principais pontos da legislação federal referente ao


transporte dos trabalhadores rurais, tanto o intermunicipal e o interurbano, como
dentro da propriedade rural. Isso ajudará você, empregador rural, a proporcionar um
transporte mais seguro e confortável aos trabalhadores, atendendo a legislação.

Mas atenção! Existem leis estaduais e


municipais que também tratam do trans-
porte seguro de trabalhadores rurais.
Algumas delas têm exigências diferentes
para os veículos dos prestadores de ser-
viços de transporte (terceirizado) e outras
para os veículos registrados e licenciados
na categoria particular que sejam utili-
zados pelo proprietário no transporte de
trabalhadores rurais que com ele possuam
vínculo empregatício.

5
Verifique junto aos órgãos de trânsito com-
petentes se sua região possui leis específi-
cas de transporte de trabalhadores rurais.

Mesmo dentro da propriedade rural, há regras a serem seguidas para o transporte dos
trabalhadores. São estabelecidas pela norma regulamentadora NR 31 do Ministério
do Trabalho, que trata da Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária,
Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura.

Como deve ser o transporte?

O transporte coletivo dos trabalhadores deve ser


feito em veículos projetados para este fim. É proi-
bido o transporte de pessoas em carrocerias de ca-
minhões, carretas, máquinas autopropelidas e nos
seus implementos, a não ser nos assentos colocados
pelo fabricante destinados a passageiros.

Oriente seus trabalhadores a não “pegarem carona” e informe sobre os riscos, como
quedas, atropelamentos e outros acidentes decorrentes desta prática.

Para conduzir um veículo de transporte


de trabalhadores, o motorista deve ter
habilitação de acordo com a categoria
indicada na tabela abaixo:

6
Veículos normalizados
Autorização emitida pela autoridade de trânsito competente
Tipo de veículo Capacidade Motorista
Autorização emitida pela
Acima de Habilitação D e
Ônibus autoridade de trânsito
20 pessoas treinamento específico
competente
Autorização emitida pela
Habilitação D e
Micro-ônibus Até 20 pessoas autoridade de trânsito
treinamento específico
competente
Veículos com até 8 Até 8 lugares Habilitação depende Necessidade de
lugares (excluindo (excluindo dos estados. autorização depende
motorista) motorista) Alguns aceitam B do estado

Além de o motorista possuir habilitação adequada e estar devidamente identificado, o


veiculo deve observar os seguintes requisitos:
a) Estar em perfeitas condições (pneus, lâmpadas, freios etc.);
b) Transportar todos os passageiros sentados;
c) Possuir cintos de segurança para todos os assentos;
d) Possuir compartimento resistente e fixo para guardar ferramentas e materiais
separadamente dos passageiros. As ferramentas de corte devem ser guardadas e
transportadas em bainha.

Cinto de segurança salva vidas!


Oriente a utilização permanente por todos!

7
Em alguns estados, é permitida a adaptação de veículos em situações excepcionais.
Para realizar estas adaptações, é necessário obter autorização prévia da autoridade
competente de trânsito, e o veículo adaptado deve atender às condições mínimas de
segurança e conforto listadas abaixo:
a) Ter escada de acesso com corrimão, posicionada em local de fácil visualização pelo
motorista;
b) Possuir carroceria com cobertura de dois metros e dez centímetros de altura livre
com material de boa qualidade e resistência estrutural, barras de apoio para as
mãos e proteção lateral rígida, para que se evite o esmagamento e a projeção de
pessoas em caso de acidente com o veículo;
c) Possuir cabina e carroceria com sistemas de ventilação, garantida a comunicação
entre o motorista e os passageiros;
d) Ter assentos revestidos de espuma, com encosto e cinto de segurança;
e) Ter compartimento para materiais e ferramentas, mantido fechado e separado dos
passageiros;
f) Possuir proteção lateral que tenha a resistência necessária em caso de acidente com
o veículo.

Atenção:
Caso queira realizar adaptação
de veículo, e desde que seu estado per-
mita, ela deverá ser feita por um respon-
sável técnico legalmente habilitado com
emissão da Anotação de Responsabilida-
de Técnica (ART) do Conselho Regional
de Engenharia e Agronomia (CREA), de
forma a garantir a segurança. Este pro-
fissional garantirá que todas as altera-
ções estejam dentro da legislação e que o
transporte seja seguro.

8
Transporte de trabalhadores para localidade diferente de sua
origem

Para transportar trabalhadores para um local


de trabalho diferente do local de sua origem1,
é necessária e imprescindível a comunicação
do transporte à Superintendência Regional do
Trabalho e Emprego (SRTE) por meio da Cer-
tidão Declaratória de Transporte de Trabalha-
dores (CDTT).

1 região de origem = região de domicílio do trabalhador

Para o transporte interestadual e internacional, há legislação específica da ANTT.

Penalidades:

Caso o transporte de trabalhadores não respeite a determinação das leis vigentes, os


responsáveis podem ser multados e/ou ter o veículo apreendido. E, em caso de ocor-
rência de acidente de trabalho, poderá ser condenado a pagar indenização ao trabalha-
dor acidentado, podendo ainda ser indiciado em processo criminal.

Muito cuidado ao realizar o transporte dos trabalhadores.


Aliciar trabalhadores para levá-los a uma localidade
diversa de sua origem pode ser considerado crime
previsto no art. 207 do Código Penal.

-----------------------------------------

9
Legislação federal vigente sobre o
assunto por ocasião da impressão deste material
Norma Regulamentadora NR-31 do Ministério do Trabalho
Lei Federal no 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código Nacional de Trânsito)
Resolução no 416/2012 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran)
Resolução no 1166 da ANTT
Instrução Normativa n 76, de 15 de maio de 2009, do Ministério do Trabalho
o

Consulte também:

A publicação digital HQ Violeiros - Transporte


Rural – Segurança no Transporte de Trabalha-
dores Rurais, que aborda alguns pontos das legis-
lações vigentes que regulamentam o transporte de
trabalhadores rurais, entre elas trechos específicos
da Norma Regulamentadora 31 sobre o tema, além
de informações gerais que visam contribuir para a
segurança e conforto no transporte de trabalha–
dores rurais.

Telefones úteis:
ANTT – 166
Bombeiros – 193
Defesa Civil – 199
Polícia Rodoviária Federal – 191

10
11
Sobre a cartilha
Minion Pro 10 (textos)
Tahoma 11 (títulos)
formato 16x23 cm
papel couchê 150g (capa)
offset 90g (miolo)
Impressão: Gráfica Fundacentro
Tiragem: 1.000 exemplares

MINISTÉRIO
DO TRABALHO

Rua Capote Valente, 710


São Paulo - SP
05409-002
tel.: 3066-6000

www.fundacentro.gov.br
ISBN 978-85-92984-13-7