Você está na página 1de 9

> Catião ou ião positivo: forma-se quando

1.ELEMENTOS QUÍMICOS E SUA ORGANIZAÇÃO


um átomo ou molécula perde eletrões.
1.1.1. ORDENS DE GRAND EZA E ESCALAS DE
COMPRIMENTO

 Toda a matéria é constituída por átomos


indivisíveis.  Para representar os átomos ou iões
monoatómicos utilizamos a seguinte notação:
Átomo

Núcleo Eletrões
(carga negativa)

Protão Neutrão
(carga positiva) (carga neutra)
 O número atómico (Z) corresponde
ao número de protões presentes no
 É no núcleo que se concentra quase toda a massa núcleo atómico.
do átomo, pois a massa dos protões e dos  O número de massa (A) é igual à
neutrões é muito superior à massa dos eletrões. soma do número de protões e
neutrões presentes no núcleo
 A unidade de carga elétrica é o coulomb (C). atómico.

 ISÓTOPOS- átomos de um elemento químico


cujos núcleos têm o mesmo nº atómico (nº de
protões),mas diferente nº de neutrões e, por
isso, também diferente nº de massa.
 Os átomos não possuem carga elétrica porque o
número de protões é igual ao número de
eletrões, ou seja, são eletricamente neutros.  Todos os átomos que tiverem o mesmo nº de
protões são do mesmo elemento químico.
 Os átomos não podem perder nem ganhar
Ex.: 614Z 6
12T
protões ou neutrões, já que estes estão
fortemente ligados no núcleo atómico. > Z e T são o mesmo elemento e são
isótopos.
 Apenas os eletrões são transferidos, formando-
14 14R
se IÕES. 6 Z 7

> Z e R são elementos diferentes, uma


> Anião ou ião negativo: forma-se quando
vez que o número atómico também é
um átomo ou molécula ganha eletrões.
diferente
 Um átomo é extremamente pequeno. Para evitar
usar números muito pequenos ou muito grandes,
em ciência, utiliza-se:
> Notação Científica;
> Múltiplos e submúltiplos das
unidades de Sistema Internacional
de Unidades (SI).

 NOTAÇÃO CIENTÍFICA- Representam-se os


números na forma de potências de base 10, do
seguinte modo:
 A nanotecnologia é uma área que se dedica à
construção de estruturas à escala atómica e
molecular, isto é, manipulando átomos e
moléculas.

 A ordem de grandeza de um número é a potência


de base 10 mais próxima desse número.
> O diâmetro de um núcleo atómico
de carbono é 1,34×10−10 m.
A potência de base 10 mais
Apróxima é 10−10.
A ordem de grandeza do diâmetro
do núcleo de carbono é, então,
10−10 m.

 MÚLTIPLOS E SUBMÚLTIPLOS DAS UNIDADES DO


SISTEMA SI:

1.1.3.MASSA ISOTÓPICA E MASSA ATÓMICA


RELATIVA MÉDIA

 Estabeleceu-se que a massa padrão é 1⁄12 da


massa do átomo de carbono-12.

Assim, um átomo de carbono-12 possui uma


massa cerca de 12 vezes maior do que a massa
de um átomo de hidrogénio.

 A massa atómica relativa representa o número


de vezes que a massa de um átomo é maior do
1.1.2. DIMENSÕES À E SCALA ATÓMICA
que 1⁄12 da massa do átomo de carbono-12
 A utilização da microscopia de alta resolução (massa padrão). Como tal, a massa atómica
permite obter imagens que demonstram a relativa não possui unidades.
estrutura da matéria à escala atómica e
molecular.  A massa atómica relativa média (Ar) pode ser
calculada através da média ponderada das
Possibilidade de fazer
massas atómicas relativas dos vários isótopos.
estimativas de dimensões à
> Está mais próxima da massa isotópica
escala atómica e molecular.
relativa do isótopo que for mais
abundante.
Exemplo de cálculo: Um cartucho de gás para campismo possui a seguinte
composição:
 Massa atómica relativa média do elemento cloro: Butano: 167 g
Propano: 23 g
M(butano) = 58 g/mol
M(propano) = 44 g/mol

Calcule a fração molar de butano no gás.


1.º Calcular a quantidade de matéria de cada
componente:
𝑚 23
n (propano) = = = 0,52 mol
𝑀 44
𝑚 167
n (butano) = = = 2,88 mol
𝑀 58

2.º Calcular a fração molar de butano:

𝑛(𝑏𝑢𝑡𝑎𝑛𝑜) 2,88
ꭓ(butano) =
𝑛 (𝑝𝑟𝑜𝑝𝑎𝑛𝑜)+𝑛(𝑏𝑢𝑡𝑎𝑛𝑜)
= 2,88+0,52 = 0,85

1.1.4. QUANTIDADE DE MATÉRIA E MASSA MOL AR

 A quantidade de matéria (n) é expressa em moles


 A Fração Mássica (W) não tem unidades.
(mol). 𝑚(𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑑𝑒 𝐴)
 1 mol- quantidade de matéria existente em W(A)=
𝑚(𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙)
6,022×1023 entidades.

Constante de Avogadro (NA)  A soma das frações mássicas de todos os


componentes do sistema é sempre igual a 1.
 Número de Entidades (N)= n × NA w(A) + w(B) + w(C) + … = 1

 A Massa Molar(M) indica a massa por cada mole e é  Se multiplicarmos a fração molar por 100,
expressa em g/mol. obtemos a percentagem em massa.

𝑚(𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎) EXERCÍCIO
M=
𝑛(𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑚𝑎𝑡é𝑟𝑖𝑎) Um cartucho de gás para campismo possui a seguinte
composição:
> A massa molar de um elemento é
numericamente igual à massa atómica relativa Butano: 167 g
desse mesmo elemento.
> M (H2O) = 2× M(H) + M(O) Propano: 23 g
Ar(H) = 1,01
M(Butano) = 58 g/mol
Ar(O) = 16,00
M (H2O) = 2×1,01+16,00 M(Propano) = 44 g/mol
M (H2O) = 18,02 g/mol
Calcule a fração mássica de propano no gás.
1.1.5.FRAÇÃO MOLAR E FRAÇÃO MÁSSICA
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑑𝑜 𝑝𝑟𝑜𝑝𝑎𝑛𝑜
W (propano)=
 Uma mistura é constituída por dois ou mais 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑝𝑎𝑛𝑜+𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑑𝑒 𝑏𝑢𝑡𝑎𝑛𝑜
componentes. 23
= 23+167 = 0,12
 A Fração molar (ꭓA) não tem unidades
𝑛(𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑚𝑎𝑡é𝑟𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝐴 )
ꭓA =
𝑛(𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑚𝑎𝑡é𝑟𝑖𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙)
 A soma das frações molares dos componentes do
sistema é sempre igual a 1. ꭓ(A)+ꭓ(B)+…=1
EXERCÍCIO
1.2.ENERGIA DOS ELETRÕES NOS ÁTOMOS
1.2.1.ESPETROS CONTÍNUOS E DESCONTÍNUOS

 Luz- radiação eletromagnética.


 A luz pode ser detetada na forma de partículas de
energia- os FOTÕES.  Um espetro de riscas (de absorção ou de
 FOTÕES- menor porção de luz que pode ser emitida ou emissão) de um dado elemento é característico
absorvida. desse elemento químico.
 A energia de um feixe de luz depende do número de
fotões e da energia de cada fotão.
1.2.2.O MODELO ATÓMICO DE BOHR

 Duas ideias fundamentais do modelo de Bohr


 Quanto maior for a frequência da luz que prevalecem no modelo quântico:
correspondente, maior será a energia do fotão > A existência de níveis de energia bem
definidos, devido à quantização da
 A energia do fotão é diretamente proporcional à energia dos eletrões no átomo (o
frequência da luz correspondente. eletrão nunca poderá ter valores de
energia no intervalo entre dois níveis
 Ao conjunto de todas as formas de luz, tanto visíveis de energia permitidos).
como invisíveis, chama-se espetro eletromagnético. > A ocorrência de transições de
eletrões entre esses níveis ocorre
devido a absorção ou emissão de
energia
 Se o átomo absorve energia, o
eletrão passa para um nível de
energia superior
 Se o átomo emite energia, o
eletrão passa para um nível de
energia inferior.

 A luz branca é policromática (inclui todas as cores do


espetro da luz visível) e pode ser decomposta em luz
monocromática (luz de uma só cor)
 Os níveis de energia vão de n = 1
 Chama-se espetro ao resultado da decomposição da até n = ∞,sendo que têm
luz. energias sucessivamente
maiores e estão cada vez mais
próximos.
 n = 1 estado fundamental
(nível de energia mais baixo)
 n=2 1º estado excitado
 n=3 2º estado excitado
 …
 n = ∞ o átomo ioniza-se,
perde o eletrão (nível de energia
mais elevado
 O espetro de absorção descontínuo de um
determinado elemento químico é simétrico ao
seu espetro de emissão descontínuo.
Excitação e desexcitação > Uma radiação com energia bem definida
 A energia de um nível eletrónico é sempre
 O átomo absorve energia e o eletrão passa para um negativa, sendo nula quando o eletrão deixa de
nível de energia superior. Há uma excitação do estar sob influência do núcleo, isto é, quando o
átomo. átomo fica ionizado.

 Por desexcitação eletrónica, um átomo de


hidrogénio pode emitir:
> luz infravermelha.
> luz visível
> luz ultravioleta
 O átomo emite energia e o eletrão passa para um
nível de energia inferior. Há uma desexcitação do
átomo.
 A excitação dos átomos pode acontecer por:
> aquecimento, isto é, por colisão com outros
átomos;
> descargas elétricas, isto é, por colisão com
eletrões;
> radiação, isto é, por absorção de fotões.

 De acordo com este modelo, os eletrões movem-se


em torno do núcleo em órbitas circulares bem
definidas. Quanto maior for o raio da órbita, maior é
a energia do átomo.

1.2.3. ESPETRO DO ÁT OMO DE HIDROGÉNIO

1.2.4.TRANSIÇÕES ELE TRÓNICAS


 Quando os átomos de hidrogénio absorvem energia,  A energia da transição corresponde à diferença de
os eletrões passam para estados de energia mais energia entre dois níveis energéticos:
elevados, são excitados.
 Mas os eletrões excitados têm tendência a regressar a
níveis de energia mais baixos, são desexcitados. Neste
processo, libertam a energia que absorveram.

 Quando um átomo perde (liberta) energia, o valor


 Neste processo de libertação da energia, os átomos obtido é negativo, então diz-se que ocorreu uma
emitem luz cuja frequência depende das transições desexcitação.
eletrónicas  Se um átomo de hidrogénio absorver um fotão com
 A cada transição corresponde: energia suficiente, o eletrão poderá atingir o nível
> Uma risca no espetro de emissão
n =∞, cuja energia é zero. Nesta situação, dizemos que o Modelo Quântico do Átomo – modelo atual
átomo se ioniza, ou seja, se transforma num ião H+.

Modelo Probabilístico/ Modelo da Nuvem Eletrónica


Eionização= E∞ – E1

 Se a energia fornecida ao átomo for menor do que a Há maior probabilidade de encontrar o


energia de ionização e se essa energia: eletrão em redor do núcleo.
> corresponder a qualquer transição, o eletrão
passará para o nível superior;
> A representação da nuvem eletrónica mostra que um
> não corresponder a qualquer transição, não
eletrão de maior energia pode, momentaneamente,
haverá absorção de energia e o eletrão
estar próximo do núcleo do que outro com menor
permanecerá no estado inicial.
energia. Um eletrão mais energético está, por norma,
 Se a energia fornecida ao átomo for igual ou superior
mais afastado do núcleo, traduzindo-se numa nuvem
à energia de ionização:
eletrónica maior.
> O eletrão abandonará o átomo (ocorre
ionização). Nesse caso a energia em excesso
será convertida em energia cinética do
eletrão.

 Cada elemento químico possui um conjunto de níveis


de energia que o caracteriza, as transições eletrónicas
que ocorrem são diferentes de elemento para 1.2.6.ENERGIA DE REMOÇÃO ELETRÓNICA
elemento.
 Por se moverem incessantemente em torno do
Assim, a energia da luz envolvida nas
núcleo atómico, os eletrões possuem energia
transições eletrónicas será característica de cada
cinética.
elemento.

 Os eletrões também possuem energia potencial, que


resulta de:
1.2.5. QUANTIZAÇÃO DE ENERGIA

 Existem duas ideias fundamentais no modelo atómico > Atrações entre eletrões e núcleo
de Bohr: > Repulsão entre eletrões
> A existência de níveis de energia bem
definidos, devido à quantização da energia  DETERMINAÇÃO DA ENERGIA DE REMOÇÃO
dos eletrões no átomo. ELETRÓNICA
> A ocorrência de transições de eletrões entre > Técnica usada: Espetroscopia Fotoeletrónica
esses níveis por absorção ou emissão de > Para um átomo X, a remoção de um dos
energia, energia essa também com valores eletrões é descrita por:
bem definidos. X (g) X+ (g) + e–
> Se os eletrões possuírem energias
diferentes, haverá tantos valores de energias
de remoção quantos os estados de energia
para os eletrões.
> Os eletrões com maior valor de energia de remoção  Quantos eletrões podem ser encontrados em cada
são aqueles que ocupam níveis de menor energia. nível e subnível?
> O tamanho relativo dos picos é proporcional
ao número de eletrões existentes em cada
subnível.

O Néon apresenta 10 eletrões no átomo, por isso é


possível distribuir os eletrões do seguinte modo:

 Átomos de elementos diferentes possuem valores


diferentes de energia de remoção eletrónica.

1.2.7.MODELO QUÂNTICO DO ÁTOMO

 O modelo atómico atual é o modelo quântico. Neste


modelo o comportamento dos eletrões nos átomos é
descrito não por órbitas mas por orbitais.
 NÍVEIS E SUBNÍVEIS  Orbital atómica: indica a distribuição espacial à volta
do núcleo onde existe maior probabilidade de
Z=10
encontrar o eletrão.
 As orbitais podem ser representadas de diferentes
formas:

Z=11

 A cada orbital está associado um valor de energia do


eletrão.
 Cada orbital tem uma determinada forma, que está
associada ao respetivo subnível (s, p, d) em que se
 ANÁLISE DE UM ESPETRO FOTOELETRÓNICO encontra o eletrão.
> Os diferentes níveis de energia
correspondem a diferentes zonas separadas
pela dupla barra na escala das energias de  SPIN: propriedade metálica dos eletrões
remoção – 2 zonas; Só pode assumir dois valores simétricos: spin α
> O número de subníveis corresponde ao e spin β que se anulam mutuamente
número de picos presentes em cada zona do
espetro – 3 picos. 1.2.8.CONFIGURAÇÃO E LETRÓNICA DOS ÁTOMOS

 PRINCÍPIO DA EXCLUSÃO DE PAULI: cada orbital


comporta no máximo dois eletrões, os quais diferem
no estado de spin.
> As orbitais podem representar-se
esquematicamente por caixas (diagramas de caixa) e
os spins dos eletrões por setas. Os sentidos diferentes,
para cima ↑ ou para baixo ↓, indicam os spins α e β.
 PRINCÍPIO DA ENERGIA MÍNIMA:

> Na primeira situação os eletrões estão


emparelhados (orbitais preenchidas) e na
segunda os eletrões estão
desemparelhados (orbitais
semipreenchidas).
> A partir do Princípio de Exclusão de Pauli e
dos espetros fotoeletrónicos, podemos > O princípio da energia mínima
concluir que no subnível p com um estabelece que os eletrões deverão
número máximo de 6 eletrões, existem ocupar as orbitais por uma ordem tal
três orbitais. que resulte na menor energia para o
> A partir do terceiro nível surge um átomo.
subnível d com um número máximo de 10
eletrões o que permite concluir que este  REGRA DE HUND: em orbitais com a mesma
subnível tem cinco orbitais. energia ou seja degeneradas (ex: orbitais p do
mesmo nível) os eletrões são distribuídos de
modo que seja máximo o número de eletrões
desemparelhados.

 Designa-se por configuração eletrónica a


> O subnível 2p tem 6 eletrões, o que
representação esquemática da distribuição
significa que existem 3 orbitais 2p (2px ,
eletrónica de um átomo de um determinado
2py e 2pz ). Então, podemos escrever a
elemento.
configuração eletrónica do sódio da
seguinte forma:
2 2 2 2 2 1
11Na – 1s 2s 2px 2py 2pz 3s

 As orbitais degeneradas são orbitais com a


mesma energia. Orbitais do mesmo subnível
possuem a mesma energia.

 Quando um átomo está no estado fundamental


os eletrões ocupam as orbitais de menor energia.
1.2.9.