Você está na página 1de 64

Bactérias

Características gerais

Docente: José Belasque Jr.


belasque@usp.br

Departamento de Fitopatologia e
Nematologia (ESALQ/USP)
2016
Morfologia
Morfologias celulares de procariotos
Estruturas externas a parede celular
• Glicocálice
• Flagelos
• Fímbrias
• Pili
Estruturas externas a parede celular
Glicocálice
• conjunto substâncias envolvem célula
• também chamado de cápsula ou camada
viscosa
• associadas a virulência, fagocitose,
biofilmes
• polissacarídeos ou
polipeptídeos
Estruturas externas a parede celular
Flagelos
• apêndices filamentosos
• compostos por três partes
• taxia
• Gram-negativas vs. Gram-positivas
• células atríqueas, peritríqueas e polares
(monotríquea, lofotríquea e anfitríquea)
Estruturas externas a parede celular
Estruturas externas a parede celular
Estruturas externas a parede celular
Taxias (movimentação celular)
• resposta a fatores ambientais
• atraentes e repelentes
• quimiotaxia
• fototaxia
• aerotaxia (O2)
• osmotaxia
Estruturas externas a parede celular
Fímbrias e pili
• Gram-negativas
• fímbrias: envolvimento em adesão,
virulência e biofilmes
• pili (singular: pilus): mais longos e em
menor número (transferência de DNA ou
motilidade)
Parede celular
• estrutura complexa
• semi-rígida
• confere formato a célula
• externa a membrana plasmática
• previne rupturas
• ponto ancoragem flagelos
• papel virulência
• alvo alguns antibióticos
Parede celular
Periplasma
 enzimas de degradação e de transporte

Membrana externa
 carregada negativamente
 barreira química
 porinas
 lipídeo A (endotoxina)
 polissacarídeo O (antígeno)
Copyright © 2010 Pearson Education, Inc.
Parede celular
Paredes celulares atípicas
 Micoplasmas
 Não possuem parede celular
 Membrana plasmática com esteróis
 Archaea
 Sem parede celular ou
 Paredes com pseudomureína

Danos a parede celular


 A enzima Lisozima digere dissacarídeos no peptideoglicano
 Penicilina inibe formação pontes no peptideoglicano
 Gram-positivas são sensíveis a penicilina

Copyright © 2010 Pearson Education, Inc.


Estruturas internas a parede celular
• Membrana plasmática
• Citoplasma
• Nucleoide
• Ribossomos
• Inclusões
• Endosporos
Estruturas internas a parede celular
Membrana plasmática
• localização
• constituída principalmente fosfolipídeos
e proteínas
• dupla camada (mosaico fluido)
• funções: barreira seletiva, digestão
nutrientes e produção de energia
• sítio de ação de vírus, toxinas,
desinfestantes e antibióticos
Membrana plasmática
Membrana plasmática
Microbiologia de Brock - Michael T. Madigan, John M. Martinko, Paul V. Dunlap e David P. Clark
Estruturas internas a parede celular
Citoplasma
• água
• proteínas, carboidratos, lipídeos, íons
inorgânicos e moléculas baixo peso
molecular
• ribossomos, DNA e depósitos de reserva
Estruturas internas a parede celular
Nucleoide
• geralmente: molécula única de DNA
circular (cromossomo bacteriano)
• DNA fixado a membrana plasmática
• plasmídeos (material genético
extracromossômico)
Estruturas internas a parede celular
Ribossomos
• síntese protéica
• procariotos vs. eucariotos
• rRNA
Estruturas internas a parede celular
Inclusões
• são depósitos de reserva
 grânulos metacromáticos (fosfatos)
 grânulos polissacarídicos (glicogênio e
amido)
 inclusões lipídicas
 grânulos de enxofre
 carboxissomos (Rubisco)
 vacúolos de gás
 magnetossomos
Estruturas internas a parede celular
Endosporos
• Gram-positivas
• células modificadas
• resistência química, temperatura,
radiação e dessecação
• esporulação e germinação
Microbiologia de Brock - Michael T. Madigan, John M. Martinko, Paul V. Dunlap e David P. Clark
Colorações diferencias
 Usadas para distinção de bactérias
 Coloração de Gram
 Coloração álcool-ácido resistente

 Coloração de Gram: Classifica as bactérias em Gram-


positivas ou Gram-negativas
 Gram-positivas tendem a ser mortas por penicilina e
detergentes
 Gram-negativas são mais resistentes a antibióticos
 Atenção: há bactérias Gram-variáveis

Copyright © 2010 Pearson Education, Inc.


Classificação de bactérias
• Análise do ácido nucléico: sequência
do DNA do rRNA (conservado entre espécies)
• Análise de propriedades bioquímicas
e metabólicas
• Características morfológicas (forma,
flagelos, parede celular...)
Classificação de bactérias
Testes bioquímicos e fisiológicos
– Gram
– Motilidade
– Produção de ácidos a partir de carboidratos
– Oxidação/fermentação de glicose
– Asparagina como única fonte de carbono e
nitrogênio
– Produção de pigmento verde-fluorescente
– Teste de oxidase
– Produção de 3-cetolactose
– Produção de inclusões de poli-β-hidroxibutirato
Coloração de Bactérias
• Direta ou positiva - A bactéria fica colorida
– Simples
– Gram (ou diferencial)
Corantes: Safranina ou Fucsina

• Indireta ou negativa - A lâmina fica colorida


Corantes: Nankin ou Nigrosina
Coloração direta
1. Esfregaço
2. Fixação
3. Coloração (1 min)
4. Lavagem
5. Secagem
6. Observação
Coloração indireta
1. Esfregaço

2. Fixação
Coloração indireta
3. Coloração
Coloração indireta
4. Secagem 5.Observação

Secar no calor ou no ar

Bacillus subtilis
Coloração de Gram Professor Hans Christian Gram
Bacteriologista Dinamarquês

sequência de corantes Desenvolveu o método de


coloração em Berlin, 1884
Após fixação do esfregaço:
1. Cristal violeta (1 min)
2. Lavar com água
3. Solução lugol (1 min)
4. Lavar com álcool absoluto por 30 seg
5. Lavar com água
6. Safranina (30 seg)
7. Lavar com água
8. Secar
9. Observar (até aumento 1000x c/ óleo imersão)
O resultado da coloração de Gram depende do tipo de parede celular
A parede celular e a inserção do flagelo
Motilidade de bactérias
técnica da gota pendente

focalizar a margem da gota


para observar bactérias em
movimento
use aumentos 100x e 400x
Focalização ao microscópio de luz
1. Iniciar sempre com a objetiva de menor aumento
2. Objeto no centro da mesa e sob incidência da luz
3. Ajustar a iluminação (maior quantidade de luz através do objeto)
4. Elevar a mesa até a altura máxima utilizando o macrométrico
4. Iniciar o processo de focalização, abaixando vagarosamente a mesa com o
macrométrico
5. Fazer a focalização fina com micrométrico
6. Mudar para objetivas de maiores aumentos gradativamente
7. Na mudança da objetiva de 40x para 100x utilizar apenas o micrométrico
para focalização final (objetiva de 100x somente para bactérias, sempre com
óleo de imersão)
8. Acertar a quantidade de luz para melhor observação e conforto visual
9. Condensador deve permanecer sempre em posição elevada (ou aberta)