Você está na página 1de 3

WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA

QUEIMADURAS
Choque do Queimado
 ↑ Histamina e Serotonina
 ↑ Permeabilidade vascular  perda de líquido p/ 3º espaço
 Conduta: evitar coloides nas primeiras 24h!

Predisposição a infecções
 Causa de morte tardia
 Focos: cutâneo e pulmonar  antibiótico tópico reduz focos cutâneos, aumentando focos pulmonares

Primeiro atendimento – Pré-hospitalar


 Garantir a segurança da cena!
 ABCDE (trauma)  “esquecer” a queimadura!
 Afastar o paciente da fonte de calor – retirar roupas, joias...
 Resfriar a lesão – água até 15-30min após o trauma (T° ambiente ou > 12°C)
 Prevenção de hipotermia – envolver em lençóis ou cobertores secos
 Decidir se precisa de CETQ – “grande queimado” necessita de cuidado
especializado!

Decidir se precisa de CETQ


1 - Estimar a SCQ
 Adultos: regra dos nove (Wallace)
o 9 (cabeça e MMSS) / 18 (pernas) / 36 (tronco + abdome)
 Crianças: Lund e Browder adaptado por Berkow

2 – Definir o “grande queimado”


 Segundo grau > 10% SCQ (ABS: > 20% < 10 ou > 40a / > 25% 10 – 40a)
 Terceiro grau qualquer % (ABS > 10%)
 Face, mão/pé, genitália, períneo ou sobre grandes articulações
 Lesões por inalação ou comorbidades que podem ser agravadas
 Química ou elétrica graves
* O grande queimado é aquele com grande área queimada, ou que queimou um local especial, ou é um paciente especial!

Na sala de emergência
 A – Coluna e vias aéreas
o Avaliar rouquidão/estridor e nível de consciência

 B – Complicações respiratórias
o São 4 complicações divididas em 2 cenários (tabela abaixo)

 C – Acesso e Reanimação volêmica


o 2 acessos periféricos ou 1 central ou safena
o Ringer Lactato aquecido
o Primeiras 24h: fórmula de Parkland
 2ml x peso (kg) x SCQ
 Metade nas primeiras 8h e a outra metade nas próximas 16h
 É um valor inicial, deve ser corrigido caso diurese não adequada!
o Avaliar pela diurese
 ≥ 0,5ml/kg/h

 D – Disfunção neurológica

 E – Exposição
WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA
Cenário 1: incêndio em recintos fechados com queimadura em face e pescoço
Proximidade com fonte de calor, com inalação de fumaça quente e suja (não queima pulmões, apenas VAS)
Queimadura de VAS
 Clínica: queimadura de face/pescoço, hiperemia de orofaringe, rouquidão,
estridor, bolhas, insuficiência respiratória imediata
Lesão Térmica das VAS
 Diagnóstico: clínico + laringoscopia
 Tratamento: IOT precoce → grande edema de VAS
o PaO2 < 60, PaCO2 > 50 (agudo); PaO2/FiO2 < 200
Jogou sujeira no pulmão
 Clínica: sibilos, escarro carbonáceo, insuficiência respiratória ± 24h
 Diagnóstico: broncoscopia (usar tubo ≥ 8 no grande queimado, que permite passar
Lesão Pulmonar por Inalação broncoscópio)
 Tratamento: O2; NBZ c/ broncodilatadores; NBZ c/ heparina (deixa secreção
fluída)
 IOT: PaO2 < 60mmHg; PaCO2 > 50 mmHg (agudo); PaO2/FiO2 < 200
Cenário 2: incêndio em recintos fechados com ou sem queimadura em face e pescoço
Fumaça menos quente/suja
 Clínica: cefaleia, náusea, vômito, ↓consciência
Intoxicação por Monóxido de  Diagnóstico: PaO2 e SatO2 não ajudam no diagnóstico!
Carbono (CO) o Solicitar carboxihemoglobina!
 Tratamento: ↑ FiO2, medicina hiperbárica
 Clínica: ↓ consciência, pele vermelho-cereja (cianeto impede utilização
tecidual de O2)
Intoxicação por Cianeto
 Diagnóstico: lactato > 90 mg/dL ou 10mmol/L e cianeto > 0,5mg/L
 Tratamento: hidroxicobalamina ± tiossulfato de sódio

Indicações de IOT:
 Sinais de obstrução: rouquidão, estridor, musculatura acessória
 Queimaduras extensas na face ou cavidade oral, circunferencial
 Redução do nível de consciência
 Hipóxia ou hipercarbia

Queimadura de 1º Grau
 Profundidade: epiderme  Tratamento: limpeza, analgesia, hidratantes
 Coloração: eritema  Não entra no cálculo de SCQ!
 Sensibilidade: dor / ardência  Resultado estético bom

Queimadura de 2º Grau
 Profundidade: derme (sup: papilas dérmicas / prof: reticular)
o A derme reticular é responsável pela reepitelização!
 Espessura parcial / dolorosa / flictenas
 Coloração: sup – eritema e bolhas / prof: rósea e bolhas
 Sensibilidade: sup: muito dolorosa / prof: dor moderada
 2º grau superficial: ao comprimir empalidece e depois volta
o Tratamento: limpeza, curativo + ATB tópico
 2º grau profunda: ao comprimir não empalidece
o Tratamento: limpeza, curativo + ATB tópico ± enxerto

ATB tópicos
- Mafenida - Sulfadiazina de prata – mais usada
 Acidose metabólica – dolorosa  Leucopenia – indolor
 Penetra na escara  Não penetra na escara
WL RESUMOS RESIDÊNCIA MÉDICA
Queimadura de 3º grau
 Profundidade: gordura subcutânea (espessura total)
 Coloração: marrom (aspecto de couro)
 Sensibilidade: indolor
 Tratamento: enxertia precoce
 Retração da “pele dura” / escara: ↓expansibilidade, compressão vascular
o Conduta: escarotomia!

Queimadura de 4º grau – geralmente elétricas


 Queima de “dentro para fora” – ossos, tendões e músculos
 Queimadura elétrica
 Queima músculo: lesão renal aguda por rabdomiólise
o Conduta: forçar diurese > 2ml/kg/h (manitol) + alcalinização (bicarbonato de sódio)
 Queima músculo: síndrome compartimental
o Dor ao estiramento passivo do músculo
o Conduta: fasciotomia

Complicações das Queimaduras


 Úlcera de Curling (HDA)
 Lesão de Marjolin (neoplasia cutânea maligna)
o Biopsiar após 10 anos toda cicatriz de queimadura!