Você está na página 1de 27

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGIGA

CELSO SUCKOW DA FONSECA


UNED NOVA IGUAÇÚ

Mecânica dos Fluidos – Lista de Exercícios 2018


0 – Descreva os principais conceitos encontrados na 1ª e 2ª Lei da Termodinâmica.

1 – Explique a diferença entre descrição euleriana e descrição lagrangeana.

2 – Determine a massa específica, o peso específico e a densidade do óleo que se encontra em um


reservatório. A massa do óleo é de 825 kg e o óleo ocupa um volume de 917 litros.

3 – Em um reservatório de 917 litros encontram-se 825 kg de óleo. Um inspetor mede sua


viscosidade cinemática e encontra 0,028 m²/s. Calcule o peso específico, a densidade relativa e a
viscosidade dinâmica (absoluta) desse óleo. Em seguida, calcule a taxa de deformação que ocorrerá
no óleo caso seja submetido a uma tensão de cisalhamento de 100 KPa.

4 – A viscosidade cinemática de um óleo é 0,028 m²/s e o seu peso específico relativo é 0,85.
Determinar a viscosidade dinâmica (absoluta) para g = 10 m/s².

5 – Explique a Lei de Viscosidade de Newton. Utilize diagramas, suas próprias palavras e equações.

6 – São dadas duas placas planas paralelas à distância de 2 mm. A placa superior move-se com
velocidade de 4 m/s enquanto a inferior é fixa. Se o espaço entre as duas placas for preenchido com
óleo (υ = 0,1 St; ρ = 830 kg/m³), qual será a tensão de cisalhamento que agirá no óleo?

7 – Considere um cone oco com uma abertura no vértice do topo, juntamente com um cilindro oco,
aberto no topo, com a mesma área de base do cone. Encha ambos com água até o topo. O paradoxo
da hidrostática diz que ambos os recipientes têm a mesma força no fundo por causa da pressão da
água, embora o cone contenha 67% menos água do que o cilindro. Explique esse parodoxo.

8 – Um reservatório possui uma placa circular (A=785 x 10³ mm²) em sua base para um eventual
escoamento do fluido. Sabe-se que esse tanque possui um comprimento de 15 m. A massa
específica do fluido utilizado é de 10³ kg/m³. Determine a força exercida sobre a placa.

9 – Um tanque fechado contém ar comprimido e um óleo que apresenta uma densidade igual a 0,9.
O manômetro em U conectado ao tanque utiliza mercúrio com densidade igual a 13,6. Se h1 = 914
mm, h2 = 152 mm e h3 = 229 mm, determine a leitura no manômetro localizado no topo do tanque.

1
10 – Um manômetro em U é fixado a um reservatório fechado contendo três fluidos diferentes
como mostra a figura. A pressão (relativa) do ar no reservatório é igual a 30 kPa. Explique,
sucintamente, qual a diferença entre pressão absoluta, pressão manométrica, pressão atmosférica e
pressão relativa. Determine qual será a elevação da coluna de mercúrio do manômetro. Considere a
massa específica da água sendo 1000 kg/m³, massa específico do mercúrio igual a 13600 kg/m³ e g
= 9,8 m/s².

11 – No manômetro da figura, o fluido A (mais claro) é água (peso específico de 10000 kgf/m³) e o
fluido B (mais escuro) é mercúrio (peso específico de 136000 N/m³). As alturas são: h1 = 10 cm, h2
= 15 cm e h3 = 30 cm. Qual é a pressão P1 ?

12 – Um reservatório de 12 m de altura, 3 m de largura e 3 m de profundidade possui uma placa


circular (1 m de diâmetro) em sua base para um eventual escoamento de óleo.

2
(a) determine a força exercida sobre a placa quando o volume do reservatório está em 90 m³.
(b) considerando que a mesma placa estivesse na lateral do reservatório na parte mais baixa, a força
seria menor ou maior do que a placa na base? Explique.
(c) calcule a força exercida sobre a placa na lateral.

13 – A porta lateral do tanque é articulada na borda inferior. Uma pressão de 100 psfg é aplicada na
superfície livre do líquido. Determine a força necessária para manter a porta fechada. A pressão
manométrica na superfície livre é igual a 100 lbf/pé². O peso específico é igual a 100 lbf/pé³.

13 – A figura mostra o corte transversal de um tanque aberto que apresenta uma parede separadora
interna. Observe que a partição direta contém gasolina e a outra contém água. Uma comporta
retangular e articulada em B está instalada na parede interna. Determine a altura (h) da superfície
livre da água para que a comporta saia da condição de equilíbrio indicada.

14 – A superfície inclinada mostrada, articulada ao longo de A, tem 5 m de largura. Determine a


força resultante, Fr, da água e do ar sobre a superfície inclinada.

3
Resp.: Fr = -588 kN (na direção k). Linha de ação é igual a 6,22 m ao longo de y’.

15 – Apresente o vetor “nabla” e demonstre as diferenças entre divergente (div V), gradiente (grad
V) e rotacional (rot V). Quando que eles podem ser usados/aplicados?

16 – Demonstre as diferenças entre divergente (div V), gradiente (grad V) e rotacional (rot V).

17 – Explique o Teorema de Transporte de Reynolds e deduza corretamente a equação na forma


integral da conservação da massa e da quantidade de movimento. Explique cada um dos termos e dê
exemplos de quando essas equações podem ser utilizadas.

18 – Na junção de duas tubulações cilíndricas, como indicado na figura, são misturados dois
fluidos. Na tubulação (1) escoa um fluido de massa específica ρ1= 800 kg/m³, submetido a uma
vazão Q1=0,0508 m³/s. Na tubulação (2) escoa um fluido de massa específica ρ2 = 400 kg/m³
submetido a uma vazão Q2=0,0254 m³/s. Sabendo que a vazão na tubulação cilíndrica (3) é
Q3=0,0762 m³/s e que há um dinamômetro na parte inferior à tubulação (3) medindo uma massa de
m=666 kg. Desprezando a massa da tubulação e considerando o diâmetro da tubulação (3) d 3=0,4
m, calcule a velocidade e o tempo de um fluxo que preenche todo o espaço da tubulação (3).

19 – Considere o escoamento permanente e incompressível de água através do dispositivo mostrado


na figura. As áreas são: A1 = 0,02 m², A2 = 0,05 m² e A3 = A4 = 0,04 m². A vazão em massa
através da seção (3) é 60 kg/s (saindo). A vazão em volume entrando pela seção (4) é de 30 litros/s
e V1 = 3,0 m/s (entrando). Determine a velocidade do escoamento na seção 2.

Resp.: v = -0,6 m/s (saindo do VC)

20 – Considere o escoamento permanente e incompressível de água através do dispositivo mostrado


na figura. As áreas são: A1 = 0,2 m², A2 = 0,5 m² e A3 = A4 = 0,4 m². A vazão em massa através
4
da seção (3) é 4000 g/s (saindo). A vazão em volume entrando pela seção (4) é de 1000 litros/s e V1
= 10 m/s (entrando). Determine a velocidade do escoamento na seção 2.

21 – Um tanque de 0,05 m³ contém ar a 800 kPa (absolutos) e 15ºC. Em t = 0, o ar escapa do tanque


através de uma válvula com área de escoamento de 65 mm². O ar que passa pela válvula tem uma
velocidade de 311 m/s e uma massa específica de 6,13 kg/m³. As propriedades no resto do tanque
podem ser consideradas uniformes a cada instante. Determine a taxa instantânea de variação da
massa específica do ar no tanque, em t = 0.

22 – O avião esboçado na figura voa a 971 km/h. A área da seção frontal de alimentação de ar da
turbina é igual a 0,8 m² e o ar, neste local, apresenta massa específica de 0,736 kg/m³. Um
observador situado no avião detecta que a velocidade dos gases na exaustão da turbina é igual a
2021 km/h. A área da seção transversal da exaustão da turbina é 0,558 m² e a massa específica dos
gases é 0,515 kg/m³. Determine a vazão em massa de combustível utilizada na turbina.

R: 2,51 kg/s

23 – O tanque maior da figura abaixo permanece em nível constante. O escoamento na calha tem
uma seção transversal quadrada e é bidimensional, obedecendo à equação v = 3y². Sabendo que o
tanque (B) tem 1 m³ e é totalmente preenchido em 5 segundos e que o conduto circular tem 30 cm
de diâmetro, determinar:
a) A velocidade média na calha quadrada;
b) A vazão no conduto circular de 30 cm de diâmetro;
c) O número de Reynolds no conduto circular de 30 cm de diâmetro.

5
24 – Um fluido escoa numa tubulação de raio R em regime laminar, incompressível e permanente.
A velocidade V é dada pela equação:

onde R é a distãncia radial a partir do eixo central do tubo. Caso necessário, utilize g = 10 m/s².

a) Determine o fluxo de massa na tubulação, em função da massa específica, da velocidade máxima


e da área da seção transversal;
b) Determine a velocidade média em função da velocidade máxima;
c) Resolva os itens anteriores, utilizando agora os seguintes dados (massa específica = 1000 kg/m³;
velocidade máxima = 6 m/s; e R = 15 cm);

25 - O filtro de admissão de combustível de uma certa máquina é formado por um elemento poroso
com forma de tronco de cone. O combustível líquido penetra no filtro com uma vazão de 10 L/s. A
distribuição de velocidade na face superior é linear com vmáx = 0,3 m/s. Qual é a vazão de
combustível que será filtrada pela parede porosa?
Obs: Calcule a velocidade do elemento não filtrado por semelhança de triângulo.

26 - O fluido em contato direto com uma fronteira sólida estacionária tem velocidade zero; não há
deslizamento na fronteira. Então, o escoamento sobre uma placa plana adere à superfície da placa e
forma uma camada limite, como mostrado abaixo. O escoamento à montante da placa é uniforme
com velocidade 𝑉 ⃗ = 𝑈𝑖; 𝑈 = 30 𝑚/𝑠. A distribuição de velocidade dentro da camada limite
𝑦 𝑦 2
(0 ≤ 𝑦 ≤ 𝛿) ao longo de cd é aproximada por 𝑢 = 𝑈. [2 (𝛿 ) − (𝛿 ) ]. A espessura da camada
limite na posição d é δ = 5 mm. O fluido é o ar com massa específica ρ = 1,24 kg/m³. Supondo que
a largura da placa perpendicular ao papel seja w = 0,6 m, calcule a vazão em massa através da
superfície bc do volume de controle abcd.

6
27 – O reservatório da Figura a seguir está sendo abastecido com água por duas entradas
unidimensionais. Existe ar aprisionado no topo do reservatório. A altura da água é h. (a) Encontre
uma expressão para a variação da altura da água dh/dt. (b) Calcule dh/dt se D1 = 25 mm, D2 = 75
mm, V1 = 0,9 m/s, V2 = 0,6 m/s e A(res) = 0,18m², considerando água a 20ºC.

Resp.: dh/dt = [(ro1)V1A1+(ro2)V2A2]/(ro-agua)Ares = 0,017

28 - Encha um balão de brinquedo (bexigas) com ar e depois libere-o num quarto. Observe como o
balão desloca-se bruscamente de um lado para o outro no quarto. Explique o que causa esse
fenômeno.

29 - Sabe-se que a velocidade do jato de água que sai de um bico de 50 mm de diâmetro é de 20


m/s. Calcule a força que o jato de água faz sobre uma plataforma de 700 N e diga se a força é
suficiente para equilibrar a plataforma.

Resp.: a força é maior que 700 N.

30 – Um jato de água de 60 mm de diâmetro incide sobre uma placa tal como mostrado na figura.
Se o peso total suportado é de 825 N determine: (a) a velocidade do jato. (b) a vazão do jato.

7
Resp.: v = 17,08 m/s

31 – A água que sai de um bocal estacionário atinge uma placa plana, conforme mostrado. A água
deixa o bocal a 15 m/s; a área do bocal é 0,01 m². Supondo que a água é dirigida normal à placa, e
que flui ao longo desta, determine a força horizontal sobre o suporte. (massa específica da água =
999 kg/m³); Considere o escoamento permanente e incompressível. Determine a força horizontal
sobre o suporte.

32 – Uma garrafa plástica cilíndrica possui o diâmetro de sua seção transversal constante e igual a
9,5 cm e sua altura é de 34,5 cm. Um morador enche a garrafa de água (massa específica de 999
kg/m³) e faz um pequeno furo de 0,08 mm em sua tampa. Em seguida a garrafa é colocada de
cabeça para baixo a fim de irrigar lentamente uma planta. Utilize aceleração da gravidade igual à
9,78 m/s² e utilize os conhecimentos adquiridos em Mecânica dos Fluidos para estimar o tempo que
a garrafa consegue autonomia para irrigar a planta. Considere a pressão hidrostática média e
escoamento permanente!

33 – Um pequeno reservatório contém água (massa específica de 999 kg/m³) com uma
profundidade inicial y0 = 34,5 cm. O diâmetro do reservatório é D = 9,5 cm. Um furo com diâmetro
d = 0,08 mm aparece no fundo do reservatório. Use aceleração da gravidade igual à 9,78 m/s². Uma
solução aceitável para estimar o tempo de esvaziamento do reservatório é utilizar os seguintes
passos, considerando pressão hidrostática média e escoamento permanente:

- Cálculo da força hidrostática no furo;


- Cálculo da velocidade do escoamento no furo;
- Cálculo da vazão do escoamento no furo;
- Cálculo do tempo necessário para o esvaziamento do reservatório.

Usando a solução exata a seguir, calcule a o tempo que o reservatório ficará vazio e diga o erro
comparado com a solução anterior (dos passos).

Há diferenças entre as soluções? Explique o porquê.

34 – Escoamento sob uma comporta: Força da pressão hidrostática – Água em um canal aberto
escoa sob uma comporta, conforme mostrado no diagrama. O escoamento é incompressível e
uniforme nas seções (1) e (2). Distribuições de pressão hidrostática podem ser admitidas nas seções
(1) e (2) porque as linhas de corrente do escoamento são, ali, essencialmente retilíneas. Determine a
magnitude e o sentido da força exercida pelo escoamento sobre a comporta, por unidade de largura.
Despreze o atrito no fundo do canal e considere escoamento permanente.

8
35 – Uma placa retangular de 4 m por 5 m escorrega sobre o plano inclinado da figura, com
velocidade constante, e se apoia sobre uma película de óleo de 1 mm de espessura e de µ = 0,01
N.s/m2. Se o peso da placa é 100 N, quanto tempo levará para que a sua parte dianteira alcance o
fim do plano inclinado.

36 – Um líquido escoa numa película de espessura h em regime permanente, laminar,


completamente desenvolvido (sem variação nas propriedades da direção x), para baixo, sobre uma
superfície inclinada conforme a figura a seguir:

Considerando o escoamento incompressível e bidimensional. Ou seja, sem escoamento ou variações


das propriedades da direção z. Caso necessário, utilize g = 10 m/s² e gx = gsen(θ). Determine:

a) Equações simplificadas da continuidade e de Navier-Stokes para modelar esse campo de


escoamento;
b) Expressão para o perfil de velocidade do líquido;
c) Expressão para distribuição de tensões de cisalhamento;
d) Expressão para vazão volumétrica por unidade de profundidade na superfície normal ao
diagrama;
e) Expressão da velocidade média do escoamento;
f) A espessura da película em termos da vazão volumétrica por unidade de profundidade de
superfície normal ao escoamento;
g) Calcule a vazão volumétrica numa película de água de 1 mm de espessura sobre uma
superfície de 1 m de largura, inclinada de 15º em relação à horizontal.

9
37 – Na instalação da figura, a esteira móvel tem uma velocidade periférica U, sendo o peso a única
força de campo que atua no escoamento. Determine, usando as equações de Navier Stokes, a vazão
em função de (e), (h) e (L), ou seja, da espessura de fluído entre a esteira móvel e o plano inclinado
(e), da diferença de altura entre a entrada e a saída (h), do comprimento total (L).

38 – Uma esteira larga movendo-se com velocidade vertical, passa através de um recipiente que
contém um líquido viscoso (ver figura). Devido às forças viscosas a esteira "pega" uma lâmina de
fluído de espessura h. A gravidade tende a drenar o fluído para baixo. Assuma que o escoamento é
laminar, permanente e uniforme.
a) Determine as equações simplificadas da quantidade de movimento (Navier-Stokes) para modelar
esse campo de escoamento, explicando por que cada termo é anulado.
b) Use as equações simplificadas de Navier-Stokes para determinar uma expressão para a
velocidade da lâmina de fluído à medida que ela é arrastada para cima pela esteira.
c) Determine a vazão por unidade de largura.
d) Determine a velocidade média.

39 – Um tanque contém água com uma profundidade inicial y0 = 1. O diâmetro do tanque é D = 250
mm. Um furo com diâmetro d = 2 mm aparece no fundo do tanque. Um modelo aceitável para o
nível de água em função do tempo é:

Usando os métodos de Euler com 11 pontos e com 21 pontos, estime a profundidade de água após
t=100 min e calcule os erros comparados com a solução exata.

Trace os resultados obtidos pelo método de Euler e pela solução exata.

EXTRA: Uma garrafa plástica (PET) possui um formato cilíndrica com o diâmetro de sua seção
transversal constante e igual a 9,5 cm e sua altura é de 34,5 cm. Um morador enche a garrafa de
água e faz um pequeno furo de 0,08 mm em sua tampa. Em seguida a garrafa é colocada de cabeça
para baixo a fim de irrigar lentamente uma planta. Responda as questões a seguir:

a) utilizando a solução exata a seguir, calcule o tempo que o reservatório esvaziará.

10
b) utilize os conhecimentos adquiridos em Hidrostática e em Cinemática dos Fluidos (análise
integral – Teorema do Transporte de Reynolds) para estimar o tempo que a garrafa consegue
autonomia para irrigar a planta. Considere a pressão hidrostática média e escoamento permanente!
Explique a diferença de resultado comparada com o item (a), se houver diferença.

c) utilizando a mesma solução exata do item (a) estime a profundidade quando t = 86 h.

d) utilizando o método de Euler com 11 pontos, estime a profundidade de água após t = 86 h e


calcule o erro comparado com a solução exata (item anterior). Comente o erro.

e) para solucionar esse problema sem utilizar aproximações (escoamento permanente e pressão
hidrostática média) que expressão poderia ser utilizada. Explique como e o porquê.

f) o que deve acontecer na prática? Comente e compare a diferença de um experimento.

g) no computador calcule a profundidade de água após 43 h e para 86 h, utilizando o método de


Euler com 200 pontos.

40 – Descreva o significado e explique a diferença entre pressão estática, pressão dinâmica e


pressão de estagnação. Em seguida deduza a equação para pressão dinâmica.

41 – A figura abaixo ilustra um escoamento laminar na região de entrada de um tubo circular. O


escoamento tem velocidade uniforme U0 na entrada do tubo. Considerando escoamento
incompressível, qual a velocidade média na região de entrada (ou comprimento de entrada) do
tubo? Por quê? Explique o que é o Perfil de Velocidade Completamente Desenvolvido e como ele é
formado.

42 – Como a equação de Bernoulli para fluidos ideais poderia ajudar no dimensionamento de uma
asa de avião (aerofólio)?

43 – Determinar a velocidade do jato do líquido no orifício do tanque de grandes dimensões,


conforme mostra a figura. Considerar fluido ideal. Utilize g = 9,81 m/s² e a altura h = 2,5 m. Projete
o diâmetro da tubulação para que a vazão seja mantida em 5,5 m³/s. Caso o fluido não fosse ideal
quais seriam as modificações no cálculo?

11
44 - Água escoa em regime permanente no tubo Venturi mostrado abaixo. Supondo desprezíveis
quaisquer tipos de perdas e propriedades uniformes nas seções. A área da seção (1) é 20 cm² e da
seção (2) é 10 cm². Um manômetro é mercúrio (Hg = 136000 N/m3) é ligado entre as seções (1) e (2)
e indica o desnível mostrado na figura. Utilize g = 10 m/s². Determine:
a) a diferença de pressão entre o ponto (1) e (2), que pode ser calculada pelo manômetro
abaixo do tubo.
b) a vazão de água que escoa no Venturi. (H2O = 10000 N/m3).

45 – Os reservatórios da figura são cúbicos. São enchidos pelos tubos, respectivamente em 100 s e
500 s. Determinar a velocidade da água na seção (A), sabendo que o diâmetro do conduto nesta
seção é 1 m.

46 – Dê uma pequena barragem, parte uma canalização de 250 mm de diâmetro, com poucos metros
de extensão, havendo depois uma redução para 125 mm, do qual a água passa para a atmosfera sob
forma de jato. A vazão na tubulação foi medida, encontrando-se 105 l/s. Utilize a massa específica
= 1000 kg/m³ e g = 10 m/s². Calcular:
a) a pressão manométrica na seção inicial da tubulação de 250 mm;
b) a altura de água H na barragem;
c) a potência do jato em W(watts) e em hp, sabendo que 1 W = 1 Nm/s e 1 hp = 745,7 W.

47 – Supondo fluido ideal, mostrar que os jatos de dois orifícios na parede de um tanque
interceptam-se num mesmo ponto sobre o plano, que passa pela base do tanque, se o nível do fluido
acima do orifício superior é igual à altura do orifício inferior acima da base.

12
48 – A pressão no ponto S do sifão da figura não deve cair abaixo de 25 kPa (abs). Desprezando as
perdas, determinar:
a) A velocidade do fluido no ponto (B);
b) A máxima altura do ponto S em relação ao ponto (A);
P(atm) = 100 kPa; Peso específico = 104 N/m³

49 – Um avião leve voa a 150 km/h (escoamento incompressível, já que M = v/c <0,3) no ar padrão,
a uma altitude de 1000 m. Para essa altitude encontram-se, em uma tabela, os devidos valores: p =
0,887plc e  = 0,9075lc. Utilize pressão atmosférica igual à 105 N/m² e massa específica do ar igual
à 1,23 kg/m³. Determine a pressão de estagnação na borda de ataque da asa. Num certo ponto perto
da asa, a velocidade do ar relativa à asa é de 60 m/s. Calcule a pressão neste ponto.

50 – Um avião leve voa a 150 km/h no ar padrão a uma altitude de 1000 m. Num certo ponto perto
da asa, a velocidade do ar relativa à asa é de 60 m/s. Considere que estamos interessados em
calcular a pressão de estagnação, conforme a posição do observador da figura poderia ser aplicada a
equação de Bernoulli?. Caso afirmativo cite justificando quatro requisitos para o uso da dita
formulação. Considere a velocidade do som de 336 m/s. (2,0 pontos)

51 – Quais são as vazões de óleo em massa e em peso no tubo convergente da figura, para elevar
uma coluna de 20 cm de óleo no ponto (0)? Dados: desprezar as perdas; peso específico do óleo =
8.000 N/m³; g = 10 m/s².

13
52 – Água escoa sob uma comporta, em um leito horizontal na entrada de um canal. A montante da
comporta, a profundidade da água é 0,45 m e a velocidade é desprezível. Na seção contraída (vena
contracta) a jusante da comporta, as linhas de corrente são retilíneas e a profundidade é de 50 mm.
Utilize as considerações necessárias para que a equação de Bernoulli possa ser utilizada e determine
a velocidade do escoamento a jusante da comporta e a vazão em m³/s por metro de largura. Calcule
a vazão em pés cúbicos por segundo por metro de largura, também.

Escoamento Não-Viscoso e Irrotacional

53 – Mostre que o escoamento a seguir é irrotacional e determine o seu potencial de velocidade.


Considere o campo de escoamento dado por:
  ax2  ay 2
a  3 s 1

54 – Sob que condições o campo de velocidade abaixo representa um escoamento incompressível


que conserva a massa?
V  (a1 x  b1 y  c1 z )i  (a2 x  b2 y  c2 z ) j  (a3 x  b3 y  c3 z )k
Resp.: a1+b2+c3=0

55 – Sob que condições o campo de velocidade abaixo representa um escoamento incompressível,


irrotacional?
V  (a1 x  b1 y  c1 z )i  (a2 x  b2 y  c2 z ) j  (a3 x  b3 y  c3 z )k
56 – Diga se o seguinte escoamento (eqs. 1, 2 e 3) é irrotacional. Sabe-se que em um escoamento
irrotacional existe um potencial de velocidade dado pelas eqs. 4, 5 e 6. Calcule o potencial de
velocidade do escoamento (  ).

u  a( x 2  y 2 ) (1)
v  2axy (2)
w0 (3)

14
d
u (4)
dx
d
v (5)
dy
d
w (6)
dz
Resp.: é irrotacional. Fi = ax³/3 – axy² + c

57 - No tanque da figura, determinar a força Fsx que deve ser aplicada para que ele permaneça
parado. Qual é o diâmetro de um novo bocal que deverá ser instalado na parede oposta ao bocal
mostrado na figura, para que a força provocada por esse novo jato venha substituir o efeito (seja
igual) da força Fsx? Esse novo bocal será instalado a 1m de profundidade e admite-se que a sua
perda de carga seja igual à do bocal da figura (H0 - H2 = 5,5 m). Desprezar os atritos nas rodas.
Dados: p0 = 130 kPa; a massa específica é 1000 kg/m3; D2 = 10 cm; g = 10 m/s2.

58 – A figura mostra o escoamento de água na qual a tubulação apresenta uma redução de seção. Na
seção (1) o diâmetro D1=8cm e a velocidade V1=5m/s. Na seção (2) o diâmetro D2=5cm e a
pressão é igual a p2=patm=101,32kPa. Nestas condições do escoamento o manômetro de coluna de
mercúrio apresenta uma altura de h=58cm.
( a ) Aplicando as relações de manométrica determine a pressão relativa na seção (1).
( b ) Aplicando a Eq. de Energia determine a perda de carga entre (1) e (2)
( c ) Aplicando a equação da quantidade de movimento determine a força total que os flanges
resistem.
_água=1000 kg/m3 ; _Hg=13600 kg/m3

59 – Qual a diferença entre escoamento compressível e incompressível.

60 – Considerando placas paralelas infinitas e estacionárias, utilize um volume de controle


adequado e deduza expressões para perfil de velocidade, distribuição de cisalhamento, vazão em
volume, vazão em volume como função da queda de pressão, velocidade média e ponto de
velocidade média.

15
61 – A figura abaixo ilustra um escoamento laminar na região de entrada de um tubo circular. O
escoamento tem velocidade uniforme U0 na entrada do tubo. Explique o que é o Perfil de
Velocidade Completamente Desenvolvido e como ele é formado. Considerando escoamento
incompressível, qual a velocidade média na região de entrada (ou comprimento de entrada) do
tubo? Por quê? Diga também que considerações matemáticas importantes podem ser utilizadas para
a dedução da expressão do perfil de velocidade, considerando um volume de controle e escoamento
permanente e incompressível. Considere ainda placas paralelas infinitas e estacionárias.

62 – Com relação a figura a seguir, informe quais as restrições para utilização da equação de
Bernoulli em escoamentos internos em tubulações. Sabe-se que quando houverem perdas de energia
(perda de carga – explique o que é e diga os seus tipos) a equação de Bernoulli não pode ser
aplicada. Neste caso qual a restrição que não será atendida e como fica a equação considerando
todas as perdas? E como fica a equação quando há também uma máquina de fluxo no sistema?

63 – Explique, com suas palavras, a experiência de Reynolds que mostra os diversos regimes de
escoamento interno de um fluido.

64 – Um sistema hidráulico opera a uma pressão manométrica de 20 MPa e 55ºC. O fluido


hidráulico é óleo SAE 10W. Uma válvula de controle consiste em um pistão com 25 mm de
diâmetro montado num cilindro com uma folga radial média de 0,005 mm. Determine a vazão em
volume do vazamento se a pressão manométrica do lado de baixa pressão do pistão for 1,0 Mpa. (O
pistão tem 15 mm de comprimento). Para óleo SAE 10W a 55ºC, μ = 0,018 kg/(m.s), da Fig. A.2,
Apêndice A. (Fox): SG = 0,92

16
65 – Óleo escoa a 0,2 m³/s em um tubo de ferro fundido de 500 m de comprimento e 200 mm de
diâmetro. Determine a perda de carga. Utilizar: aceleração da gravidade = 9,81 m/s²; Massa
específica do óleo = 815,5 kg/m³; Massa específica do ar = 1,23 kg/m³; Viscosidade cinemática do
óleo = 10-4 m²/s; Viscosidade cinemática do ar = 10-5 m²/s.

66 – Na instalação da figura abaixo, sabe-se que: Q = 31,4 l/s; tg β = 0,2; k1 = 0,78; k4 = 0,5; p5 =
32 kPa; D = 20 cm; d = 10 cm. Determine o tipo de máquina e a sua potência para um rendimento
de 70%. Caso necessário, utilize: aceleração da gravidade = 9,81 m/s; massa específica da água =
999 kg/m³; massa específica do óleo = 815,5 kg/m³; massa específica do ar = 1,23 kg/m³;
viscosidade cinemática do óleo = 10-4 m²/s; viscosidade cinemática do ar = 10-5 m²/s.

67 – Calcule a diferença de pressão (em kPa) ao longo de uma tubulação de aço de 180mm de
diâmetro e comprimento igual a 20m e rugosidade relativa igual a 0,003 no qual escoa água a 19°C
com uma vazão de 0,12 m³/s. Qual será a perda de carga na tubulação em metros de coluna de água.
Determinar a tensão de cisalhamento.
Obs. considere para água a 19°C a densidade igual a 0,999 e viscosidade dinâmica igual a 1,0x10 -3
kg/m.s.

68 – Um tubo horizontal com 50 m de comprimento está ligado a um grande reservatório. Que


profundidade, d, deve ser mantida no reservatório para produzir uma vazão de 0,01 m³/s de água ?
O diâmetro interno do tubo (rugosidade, e = 0,0003 m) é 78 mm. A entrada é reentrante e a água
descarrega para a atmosfera.
Admita que o fluido é água: massa específica = 10³kg/m³ e viscosidade = 1/104 kg/m.s.

17
69 – Na instalação da figura, a água deve ser lançada por meio de um bocal no tanque da direita.
Determinar a mínima potência da bomba para que isso aconteça. Dados: D = 10 cm; material: ferro
fundido (e = 0,0003); diâmetro de saída Ds = 7,5 cm; υ = 10-6 m²/s; γ = 104N/m³; k = 0,5; ηB= 0,75.
Desprezar a perda singular no bocal.

70 – Em um pequeno edifício, uma bomba é utilizada para recalcar água de um reservatório


subterrâneo para uma caixa d´agua situada no topo do edifício. A tubulação de recalque, conforme
mostra a figura, tem diâmetro de ½” ( 0,5 polegadas ) e a vazão de água é 3 litros/s.
Considerando a água um fluido ideal, determine :
a) a altura manométrica da bomba
b) a potência da bomba ( em HP ), considerando que o seu rendimento é 65%

Dados/Informações Adicionais

• reservatório subterrâneo tem grandes dimensões e está aberto para a atmosfera


• g= 9,8 m/s 1”=2,54 cm 1 HP =745,7 W

R: 46,7 m e 2,8 HP

71 – Água é bombeada entre dois reservatórios a uma vazão de 5,6 L/s, por um tubo de 50 mm de
diâmetro e diversos acessórios como mostra a figura abaixo. Massa específica da água é 1000
kg/m³, a viscosidade cinemática da água é 1,02x10-6 m²/s e a aceleração da gravidade é 9,81 m/s².

18
Sabendo que o comprimento total da tubulação é de 122 m e que a rugosidade relativa é ε/D =
0,001. Calcule a potência requerida pela bomba em hp, sendo o rendimento da bomba de 80%.
Dado: 1 hp = 745,7 W
Acessórios K
Válvula globo aberta (2 pol) 6,9
Entrada em borda viva 0,5
Curva com 24 pol de diâmetro 0,25
Cotovelo normal de 90º 0,95
Válvula de gaveta aberta pela metade 3,7
Saída em borda viva 1,0

72 – Um motor elétrico fornece 3 KW à bomba da instalação da figura, que tem um rendimento de


80%. Sendo dados:
a) As tubulações são da mesma seção, cujo diâmetro é de 5 cm e de mesmo material;
b) ks1= 10; ks2 = ks8 =1; ks3 = ks5 = ks6 = ks7 = ks9 = 0,5;
c) a vazão em volume na instalação é de 10 L/s;
d) o comprimento (real) de (1) a (3) é de 10 m e, de (5) a (9), de 100 m.

Determinar: (a) perda de carga entre (0) e (4) (total); (b) o coeficiente de perda de carga distribuída;
(c) a perda de carga entre (4) e (10) (total); (d) a potência da turbina (é realmente uma turbina?),
sabendo que seu rendimento é de 90%; (e) o comprimento equivalente das singularidades da
instalação; (e) você usou o diagrama de Moody? Por que?; (f) você teria condição de dizer qual a
rugosidade da tubulação?

19
73 – Dados: tubos de ferro fundido ks1 = 12; ks2 = ks6 = 0,8; ks3 = ks5 = 8; ks7 = 1,3; ks4 = 0,6; γ = 104N/m³;
υ = 10-6m²/s; Indica-se com índice S o que se refere à sucção e com R o que se refere ao recalque.
Dados: Ds= 20 cm; Dr= 12 cm. Pressão p8 mantida igual a 600 kPa constante. Rendimento da bomba
é 0,8 e a vazão é 50 L/s. Qualquer cálculo desnecessário será descontado. Determine:
a) energia no ponto 8.
b) velocidade de sucção
c) perda distribuída na tubulação de sucção
d) perda localizada na tubulação de sucção
e) velocidade de recalque
f) perda distribuída na tubulação de recalque
g) perda localizada na tubulação de recalque
h) perda total
i) potência da bomba
j) pressão na entrada da bomba

73 (continuação...) - Em uma tubulação de ferro fundido (e = 0,26 mm), um fluido de peso


específico igual a 104N/m³ e viscosidade cinemática igual a 10-6m²/s, escoa a 40 L/s. Algumas
singularidades são informadas da seguinte forma: ks1 = 15; ks2 = ks6 = 0,9; ks3 = ks5 = 10; ks7 = 1,0; ks4 =
0,5; O diâmetro da tubulação de sucção é 15 cm e o diâmetro da tubulação de recalque é 10 cm.
Pressão p8 é mantida a 532 kPa e a aproxime a aceleração da gravidade local para g = 10 m/s².
Determine a potência da bomba necessária para esse trabalho se o seu rendimento for de 70%.
Qualquer cálculo desnecessário será descontado.

Análise Dimensional e Semelhança Dinâmica


74 – Descreva em detalhes todo o procedimento que deve ser realizado para se obter semelhança
dinâmica entre modelo e protótipo.

75 – A figura mostra o escoamento turbulento em um tubo, investigar a queda de pressão.

20
A observação experimental forneceu os seguintes parâmetros importantes:
Geometria: L, D, ε (comprimento, diâmetro, rugosidade).
Propriedades do fluido: ρ, μ (massa específica, viscosidade).
Propriedades do escoamento: V, ΔP (velocidade média, queda de pressão).
Determine um conjunto de grupos adimensionais que possa ser usado para correlacionar dados, não
pode esquecer de verificar as dimensões.

76 – Em um tubo de ferro fundido de 800 m de comprimento e 10 cm de diâmetro escoa 200 L/s de


óleo (ρ = 900 kg/m3 e υ = 1x10-5 m2/s). Considerando a Questão anterior, no qual o fator funcional
do experimento seja f/2 (onde f = 0,025), determine uma relação para queda de pressão conforme os
grupos adimensionais encontrados que correlacione bem os dados e verifique os resultados:
a) calcular a queda de pressão;
b) se o diâmetro for aumentado de D=0,1 m para D=1 m;
c) se o comprimento da tubulação for diminuído para 80 m;
d) se a vazão for aumentada para 2 m3/s.

77 - Como um conhecedor de análise dimensional e semelhança dinâmica, (a) obtenha um conjunto


de grupos adimensionais, utilizando o Teorema de pi de Buckingham, que possam ser usados para
correlacionar dados experimentais de um escoamento sobre um transdutor sonar liso de formato
esférico, lembrando que esse escoamento gera uma força de arrasto sobre o transdutor sonar. (b) O
arrasto deve ser previsto com base em dados de teste em túnel de vento (viscosidade cinemática do
ar = 1,5 x 10-5 m²/s). O protótipo, uma esfera de 0,5 m de diâmetro, deve ser rebocado a 2,8 m/s na
água do mar (viscosidade cinemática da água do mar = 1,0 x 10-6 m²/s). O modelo tem 150 mm de
diâmetro. Determine a velocidade de teste requerida no ar; (c) a força de arrasto sobre o modelo em
teste é de 2,8 N, nesse caso, estime a força de arrasto no protótipo.

77 - (Semelhança Dinâmica e Escoamento Externo) – O arrasto de um transdutor sonar deve ser


previsto com base em dados de teste em túnel de vento (viscosidade cinemática do ar = 1,5 x 10-5
m²/s). O protótipo, uma esfera de 0,5 m de diâmetro, deve ser rebocado a 2,8 m/s na água do mar
(viscosidade cinemática da água do mar = 1,0 x 10-6 m²/s). O modelo tem 150 mm de diâmetro.
Obtenha as expressões adimensionais utilizando o Teorema de pi de Buckingham. (a) Determine a
velocidade de teste requerida no ar; (b) Se a força de arrasto sobre modelo em teste for 2,8 N,
estime a força de arrasto do protótipo; (c) Considerando que ao rebocar a esfera o número de
Reynolds permaneça bem baixo (Re < 1,0) as forças de inércia podem ser desprezadas. De acordo
com a teoria de Stokes, calcule a força de arrasto sobre o protótipo.

78 – Considerando o reboque de uma esfera (protótipo) na água com Re = 0,5. Calcule (a) a força
de arrasto sobre um protótipo de 200 mm de diâmetro, de acordo com a teoria de Stokes; (b), a
força de arrasto sobre o mesmo protótipo utilizando a equação tradicional – Utilize a área da
superfície da esfera como πD²/4; (c) a força de arrasto sobre o mesmo protótipo utilizando a
equação da quantidade de movimento – Considere o regime permanente e, caso seja necessário, o
volume de controle pode ser definido a seu critério; (d) a força de arrasto sobre o mesmo protótipo
utilizando a equação da quantidade de movimento – Considere regime não-permanente e, caso seja
necessário, o volume de controle pode ser definido a seu critério. (e) considerando os cálculos das

21
letras ‘a’ e ‘b’, houve diferença no resultado? Explique por que?; (f) o erro percentual ao utilizar a
formulação da letra c; (g) explique por que na letra ‘c’ não foi obtida equivalência no resultado.

Escoamento Externo

79 – Defina camada limite?? Como os coeficientes de arrasto são influenciados com o tipo de
escoamento que ocorre na camada limite. Explique detalhadamente.

80 – Explique por que uma bola arremessada com rotação em torno do seu eixo se move em uma
trajetória curva. Dê algumas razões físicas para explicar por que uma força lateral é desenvolvida
além do arrasto.

81 – Explique em detalhes como a rugosidade em cilindros e em esferas afeta as forças de arrasto de


acordo com a aumento do número de Reynolds.

82 – Explique como os vórtices são formados quando o escoamento ocorre ao redor de uma
estrutura cilíndrica, como um riser (tubulação flexível), por exemplo. Explique como eles surgem,
como ocorre o desprendimento e como isso influencia nos esforços no cilindro.

83 – Explique em detalhes como a rugosidade em cilindros e em esferas afeta as forças de arrasto de


acordo com o aumento do número de Reynolds. No gráfico a seguir é apresentada a variação do
coeficiente de arrasto de acordo com o aumento do número de Reynolds para um cilindro. Explique
como que a rugosidade de cilindros influenciaria neste gráfico.

84 – Complementando a questão anterior, explique também como a esteira no bordo de fuga pode
influenciar nesse tipo de fenômeno físico. Explique ainda como a camada limite se comporta nesse
tipo de escoamento.

85 – O que é um gradiente de pressão favorável e um gradiente de pressão adverso (desfavorável)?


Dê 2 exemplos de regimes de escoamento em que ocorram tais gradientes.

86 – Como o conceito de drafting (expressão inglesa usada quando um corpo anda no vácuo de
outro), em corridas de automóvel e bicicleta, se aplica ao material estudado no cap. de Escoamento
Externo.

22
87 – A figura a seguir mostra as curvas típicas de sustentação (a) e arrasto (b) para um perfil
aerodinâmico (aerofólio) em função do ângulo de ataque. Descreva as informações aerodinâmicas
que você consegue extrair ao analisar os dois gráficos, explique a diferença de pressão no aerofólio
nos diferentes ângulos de ataque (1,0 pt). Explique qual é ângulo de estol (1,0 pt).

88 – No teste de um veículo, num túnel aerodinâmico, foi levantada a curva de potência gasta para
vencer a força de arrasto do ar em função de sua velocidade. Sendo a vista frontal do veículo
indicada na figura, determine o seu coeficiente de arrasto. Dados: aceleração da gravidade = 9,81
m/s; massa específica do ar = 1,23 kg/m³; Área A = 0,72 m²; Área B considerada retangular. 1 CV =
0,736 kW.

89 – Após alguns testes realizado em um automóvel, foi revelado que ele tem um coeficiente de
arrasto constante igual a 0,95. A área projetada é considerada 2,52 m². Construa um gráfico da
potência necessária para vencer a resistência do ar ( = 1,2 kg/m³) em função da velocidade.

90 – Após alguns testes realizados em um automóvel, foi revelado que ele tem um coeficiente de
arrasto constante igual a 0,7 A área projetada é considerada 2,1 m². a) Qual seria a força de arrasto a
uma velocidade de 100 km/h? b) Qual deve ser a potência do motor para que ele vença essa força de
arrasto? c) Construa um gráfico da potência necessária em função da velocidade (massa específica
do ar = 1,2 kg/m³). d) Explique, com suas palavras, o que acontece quando aumenta-se a área
frontal de contato e como a abertura dos vidros laterais influencia na aerodinâmica do automóvel?

91 – Qual será a máxima velocidade de um para-quedista que pesa com seu equipamento 1200N,
sendo que o para-quedas tem um diâmetro de 6m e um coeficiente de arrasto igual a 1,2 ? De que

23
altura se deveria saltar sem para-quedas para chegar ao solo com a mesma velocidade? (massa
específica do ar = 1,2 kg/m3)

92 – Um protótipo de alta velocidade pesa 10000 N e atinge uma velocidade de 100 m/s em 300 m.
Imediatamente após a passagem pelo temporizador luminoso, o para-quedas de frenagem é aberto,
com diâmetro D = 2,4 m. As resistências do ar e de rolamento do carro são desprezíveis. Determine
o tempo para o veículo desacelerar para 42 m/s no ar padrão. Admita Re > 10³; aceleração da
gravidade = 9,81 m/s; massa específica do ar = 1,23 kg/m³.

93 – Um carro de competição pesando 7120 N atinge uma velocidade de 430 km/h em 400 m.
Imediatamente após a sua passagem pelo temporizador luminoso, o motorista abre o para-quedas de
frenagem de formato circular (formato de hemisfério com extremidade aberta voltada para o
escoamento) com diâmetro de 2,0 m. As resistências do ar e de rolamento do carro podem ser
desprezadas e considerando Re>10³, aceleração da gravidade = 9,81 m/s; massa específica do ar =
1,23 kg/m³, calcule: (a) o tempo necessário para que o veículo desacelere para 160 km/h; (b) se o
para-quedas fosse de formato quadrado de lados iguais e de mesma área (modelado, por exemplo,
como uma placa plana normal ao escoamento), que mudança haveria na força de arrasto no carro e
que mudança acarretaria no tempo de frenagem?

94 – Um carro de competição pesa 7000 N e atinge uma velocidade de 360 km/h no quarto de
milha. Imediatamente após passar pelo sinalizador de tempo, o piloto abre o paraquedas de
frenagem, de área A = 2,0 m². Em sua fase de projeto o automóvel passou por alguns testes que
mostraram que o seu coeficiente de arrasto é 1,42 sempre que o número de Reynolds for maior que
10³. Considere o ar padrão (massa específica = 1,2 kg/m³) e admita que a força de arrasto é alta o
suficiente de modo que as outras forças possam ser desprezadas.
(a) Determine o tempo necessário para que o veículo desacelere para 144 km/h.
(b) Calcule a força de arrasto provocada no veículo para que ele adquira esta desaceleração.
(c) Calcule o número de Reynolds do escoamento e diga se a hipótese utilizada para o
coeficiente de arrasto é válida.

95 – Um carro de competição pesando 7120 N atinge uma velocidade de 430 km/h em 400 m.
Imediatamente após a sua passagem pelo temporizador luminoso, o motorista abre o para-quedas
circular de frenagem, com diâmetro de 2,0 metros. As resistências do ar (massa específica = 1,23
kg/m³ e viscosidade absoluta = 10-5 kg/m.s) e de rolamento do carro podem ser desprezadas.
Determine o tempo necessário para que o veículo desacelere para 160 km/s no ar padrão. Admita
que a velocidade do vento seja de 0,0041 m/s.

96 – Deixa-se cair livremente uma esfera de massa específica 2040 kg/m³ num tanque que contém
glicerina de massa específica 1290 kg/m³ e viscosidade cinemática 2.7x10-² m²/s. No instante em
que a velocidade da esfera é 4,4 cm/s observa-se que Re = 0,1 (forças de inércia podem ser
desprezadas). a) Nesse instante, qual é a força de arrasto na esfera. b) No caso de queda livre no ar,
explique em que momento a velocidade deixaria de variar, ou seja, permaneceria constante? Caso
necessário, considere um coeficiente de arrasto médio, visto que o número de Reynolds não deve
ultrapassar 105.

97 – A águia dourada ou águia-real é uma ave de rapina que atinge uma velocidade de 50 km/h.
Suas asas, em média, possui 1,5 m de envergadura e 0,5 m de corda. Sabendo que o escoamento
pode ser considerado em uma placa plana, utilizando aceleração da gravidade = 9,81 m/s²; massa
específica do ar = 1,23 kg/m³; viscosidade cinemática do ar = 10-5 m²/s, obtenha:
a) a força de arrasto na ave, supondo camada limite turbulenta a partir do bordo de ataque;

24
b) a força de arrasto na ave, supondo escoamento laminar;
c) a redução percentual de potência quando ocorre o controle para escoamento laminar.

98 – A asa de um avião tem 7,5 m de envergadura e 2,1 m de corda. Estimar a força de arrasto na
asa utilizando os resultados para o escoamento sobre uma placa plana e admitindo a camada limite
turbulenta desde o bordo de ataque, quando o avião voa a 360 km/h. Qual seria a redução de
potência necessária se fosse feito o controle da camada limite de forma a assegurar escoamento
laminar até o bordo de fuga? (v = 10-5 m²/s; ρ = 1,0 kg/ m³)

99 – Uma estaca de seção quadrada 152 mm x 152 mm é atingida por um escoamento de água a
1,52 m/s com profundidade de 6,1 m, como mostra a figura.
Considere: massa específica = 1,025 kg/m³; viscosidade cinemática = 1,02 x 10-6; CA = 2.1.
Calcule:
(a) O número de Reynolds do escoamento. (1,0 pts).
(b) A força de arrasto. (1,0 pts).
(c) O momento fletor exercido pelo escoamento na base da estaca (1,0 pts)
(d) Considerando que a estaca possua uma seção circular (cilindro), como você acha que se
comportaria o arrasto a medida que o número de Reynolds fosse aumentando? (1,0 pts)

100 – Arrasto aerodinâmico e momento sobre uma tubulação. Uma tubulação de formato
cilíndrico com 1 m de diâmetro e 25 m de comprimento está exposta a um vento uniforme de 50
km/h nas condições de atmosfera padrão. Efeitos de extremidade e de rajadas podem ser
desprezados. Monte, no computador (em qq software de alto nível), um programa que calcule o
momento fletor nas extremidades devido às forças do vento. Faça cálculos de força de arrasto para
diferentes valores de Reynolds (40, 100, 200, 500, 1000, 5000, 10000, 100000) e, em seguida,
monte gráficos para analisar o comportamento da força de arrasto em função dos números de
Reynolds informados e da força de arrasto em função do coeficiente de arrasto. Ou seja, monte
gráficos de: (Re x Fd) e (Re x Cd).
Dados do tubo: D = 1m, L = 25 m, em escoamento uniforme com: V = 50 km/h; p = 101 kPa (abs);
massa específica do ar = 1,23 kg/m³; viscosidade absoluta ar = 1,79 x 10-5 kg/m.s; Efeito de
extremidade podem ser desprezados.

25
101 – Uma bola de tênis lisa, com massa de 50 g e 60 mm de diâmetro, é golpeada a 20 m/s na sua
parte superior (topspin) de modo a ganhar uma rotação (no sentido horário) de 7000 rpm.
Admitindo que a bola é lisa, calcule a sustentação aerodinâmica atuando sobre a bola. Avalie o raio
de curvatura da sua trajetória para a máxima elevação num plano vertical. Compare com o raio para
o caso sem rotação. Ar padrão (υ = 1,45 × 10-5 m²/s ; γ = 12,3 N/m³).

102 – No escoamento viscoso externo ao redor de cilindros, sabe-se que vórtices podem surgir e se
desprender da superfície do cilindro dependendo do número de Reynolds. O desprendimento do par
de vórtices controla o comportamento das forças de sustentação e de arrasto que ocorrerão no
cilindro. Além das equações das forças hidrodinâmicas (sustentação e arrasto), o fenômeno é
governado pela equação de Navier-Stokes. Essa equação é impossível de ser resolvida
analiticamente, sendo solucionada apenas por códigos computacionais. Cite exemplos de esquemas
numéricos que podem ajudar na solução das equações diferenciais de Navier-Stokes. Além disso,
explique os esforços hidrodinâmicos que são esperados como resultado dessa solução.

Escoamento em canais abertos.

103 – Deduza a equação de Chézy e a correlação de Manning.

26
104 – Um canal reto e retangular tem 1,5 m de largura e 0,7 m de profundidade e está com uma
declividade correspondente a um ângulo de 3º. O fator de atrito é 0,02. Para um escoamento
uniforme, calcule (a) o perímetro molhado do canal; (b) a área da seção transversal; (c) o
coeficiente de Chézy; (d) o raio hidráulico do canal; (e) a declividade do canal; (f) a vazão em L/s.

105 – Um canal reto e retangular tem 1,8 m de largura e 0,9 m de profundidade e está com uma
declividade correspondente a um ângulo de 2º. O fator de atrito é 0,022. Estime a vazão para
escoamento uniforme em m³/s.

106 – Engenheiros descobriram que o canal retangular mais eficiente (máximo escoamento
uniforme para determinada área) escoa com uma profundidade igual á metade da largura de fundo.
Considere um canal retangular de alvenaria com uma declividade de 0,006. Qual é a melhor largura
de fundo para uma vazão de 2,7 m³/s?

107 – Engenheiros descobriram que o canal retangular mais eficiente (máximo escoamento
uniforme para determinada área) escoa com uma profundidade igual á metade da largura de fundo.
Considere um canal retangular de alvenaria com uma declividade correspondente a um ângulo de
0,5º. Qual é a melhor largura de fundo para uma vazão de 3,0 m³/s?

108 – Engenheiros descobriram que o canal retangular mais eficiente (máximo escoamento
uniforme para determinada área) escoa com uma profundidade igual à metade da largura de fundo.
Considere um canal retangular de alvenaria (brickwork) e está com uma declividade correspondente
a um ângulo de 0,344º. O fator de atrito é 0,02. Para um escoamento uniforme, calcule (a) o
perímetro molhado do canal; (b) a área da seção transversal; (c) o raio hidráulico do canal; (d) a
declividade do canal; (e) a melhor largura do fundo para uma vazão de 2,7 m³/s; (f) o coeficiente de
Chézy; (g) a vazão em L/s considerando agora um ângulo de 2º.
Gab: (e) b = 1,44 m – (g) Q = 7,28 m³/s = 7282 L/s

109 – Explique a correlação de rugosidade de Manning. Prove a equivalência, caso exista, entre as
equações de Chézy e de Manning para cálculo de vazão em canais abertos.

Escoamento compressível.

110 – Ar escoa através de um duto longo de área constante a 0,15 kg/s. Um trecho curto do duto é
resfriado com nitrogênio líquido circundando o duto. A taxa de perda de calor do ar neste trecho do
duto é de 15,0 kJ/s. A pressão e a temperatura absolutas e a velocidade do ar entrando no trecho
resfriado são, respectivamente, 188 kPa, 440 K e 210 m/s. Na saída, a pressão e a temperatura
absolutas são 213 kPa e 351 K. Calcule a área da seção do duto e as variações de entalpia, energia
interna e entropia para esse escoamento. Utilize os seguintes dados: cp = 1,0; cv = 0,717; R = 0,287;
todos em kJ/kg.K.

111 – Ar escoa através de um duto longo de área constante a 0,15 kg/s. Um trecho curto do duto é
resfriado com nitrogênio líquido circundando o duto. A taxa de perda de calor do ar neste trecho do
duto é de 15,0 kJ/s. A pressão e a temperatura absoluta e a velocidade do ar entrando no trecho
resfriado são, respectivamente, 188 kPa, 440 K e 210 m/s. Na saída, a temperatura absoluta é de 351
K. Para variação de entropia = - 0,262 kJ/kg.K, calcule: (a) área da seção do duto; (b) a massa
específica do gás; (c) a pressão absoluta na saída; (d) a variação percentual do volume específico do
gás; (e) a variação de entalpia; (f) a variação de energia interna. Utilize os seguintes dados: cp = 1,0;
cv = 0,717; R = 0,287, todos em kJ/kg.K;

27