Você está na página 1de 5

UniRV – UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

FACULDADE DE DESIGN DE INTERIORES

EVELYN ELENA ARAUJO GARCIA DOS SANTOS

QUESTOES ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM DESIGN

RIO VERDE – GOIÁS


2019
PERGUNTAS:

1. O direito industrial possui a mesma natureza jurídica do direito autoral?


Explique.
2. Como os direitos pessoais podem aparecer na propriedade industrial?
3. Qual a abrangência da propriedade industrial? Comente e Explique.
4. Qual a primeira condição para existência do direito de propriedade industrial?
5. Quais são as modalidades de propriedades industriais e quais os seus requisitos
essenciais? Conceitue e Explique cada um.
6. O que é estado da técnica e para que serve?
7. Como se distingue um modelo de utilidade de um desenho industrial? Qual a
importância desta diferenciação?
8. Qual o principal item a ser verificado quando se requer um registro de desenho
industrial de determinado produto?
9. Por que é importante os designers conhecerem as características legais de uma
marca registrada? Que características são essas?
10. Qual sinal pode ser registrado como marca? Explique e exemplifique.

RESPOSTAS

1- Diferentemente da propriedade literária, cientifica e artística, a propriedade


industrial apresenta uma natureza jurídica mais patrimonial que pessoal, o fato ocorre
pois ao parte dos bens intelectuais voltados para a indústria são desenvolvidos por uma
equipe, e não por uma única pessoa.

2- Mesmo que raramente, os aspectos do direito pessoal podem aparecer na propriedade


industrial, em grandes invenções, por exemplo, mantêm a paternidade de seus inventores, e assim
também objetos mais simples, mas isso não aparece como regra, e sequer é disciplinado
legalmente – identificamos e “ligamos” algum produto industrial ao seu criador por aspectos
outros, como a sua reputação, o seu talento ou a sua fama.

3- A propriedade industrial abrange a concessão de patentes as invenções e aos


modelos de utilidade e de registros aos desenhos industriais e as marcas.
4- Diferentemente do direito autoral que tem sua proteção garantida a partir da
criação de uma obra, ou seja independente de registro, a propriedade industrial tem na
patente e no registro a condição primeira de sua existência, ou seja, sem a “carta patente”
ou “certificado de registro” não há propriedade industrial.

5- A propriedade industrial abrange a concessão de patentes e registros. As primeiras


são destinadas aos privilégios de invenção (P.I.) e aos modelos de utilidade (M.U.) e os
últimos ao desenho industrial (D.I.) e às marcas. O requisito básico para uma marca ser
passível de registro é a novidade, no sentido de originalidade ou não “confusão” ou semelhança
com marcas anteriores. A propriedade industrial abrange a concessão de patentes e registros. A
invenção é o nome dado a criação de algo novo que seja susceptível de aplicação
industrial, como produto ou como processo de fabricação. Possui três requisitos
essenciais, quais sejam: a novidade, a industriabilidade e a inventividade. O modelo de
utilidade é o produto resultante de uma modificação na forma, ou na disposição, de objeto
já existente e que represente uma melhoria de caráter funcional no seu uso ou no seu
processo de fabricação. o desenho industrial, definido legalmente como a forma plástica
ornamental de um objeto, ou o conjunto ornamental de linhas e cores, que possa servir de
aplicação num produto e que proporcione um resultado visualmente perceptível novo e
original na sua configuração externa, e que possa servir também de tipo de fabricação. As
marcas, por fim, são conceituadas como sendo sinais distintivos, visualmente
perceptíveis, capazes de diferenciar um produto ou serviço de outro concorrente. Sua
proteção também é dada através de registro.

6- Também chamado de estado da arte, é constituído por tudo aquilo que já foi
acessível ao público, em qualquer ramo de atividade e em qualquer parte do mundo. Se
uma criação possuir todos os requisitos para sua invenção, e utilizar técnicas radicalmente
diferente ou se quebrar os métodos e conceitos tradicionais, ela será passível de proteção
patentearia, sendo enquadrada como invenção.
7- A grande diferença entre o modelo de utilidade e o desenho industrial. No primeiro, a
intervenção é dada na função, visando uma melhoria no uso ou no processo de fabricação. Já
no caso do desenho industrial, a proteção é direcionada apenas na composição estético-formal
do produto, em sua textura, em seu grafismo etc. Saber corretamente diferenciar essas duas
modalidades é importantíssimo para o pretenso titular de propriedade industrial, contudo, nem
sempre isto é uma tarefa fácil.

8- O principal item a ser verificado em um produto passível de registro de desenho


industrial é o seu caráter estético, ou seja, por menor que seja a intervenção formal, ela
devera sobressair-se da configuração eminentemente técnica ou funcional.

9- Os profissionais devem se preocupar com os requisitos que o tornam uma marca


apta ao registro, pois todo cliente pode e dever ter a intenção de registrar o seu produto.
O requisito básico para uma marca ser passível de registro é a novidade, no sentido de
originalidade, existem duas classificações empregadas as marcas, uma quanto a natureza;
marca de produto ou serviço, marca de certificação, marca coletiva, e outra quanto a
apresentação; nominativa ou verbal, figurativa ou emblemática, mista ou composta, e
tridimensional.

10- De acordo com a Lei. 9.279, de 1996, que regulamenta o registro de marcas no
Brasil, qualquer sinal visualmente perceptível pode ser registrado como marca. Isso
inclui símbolos, figuras, palavras, emblemas, dentre muitas outras opções.

Além disso, a marca a ser registrada deve ser dotada de distintividade, o que significa
dizer que o sinal escolhido não pode ser algo genérico, de uso comum. Ele deve ser
diferenciado o bastante, para que possa ser registrado como propriedade de uma única
empresa.
Referências
LIMA, João Ademar de Andrade. Curso de Propriedade Intelectual para Designers. JOAO
PESSOA: IDEIAS, 2001.
JURIS LABORE INOVAÇÃO EMPRESARIAL. Egistro de marcas: o que é registrável e o que não
é?. PORTO ALEGRE, 2015. Disponível em: http://jurislabore.com/registro-de-marcas-o-que-e-
registravel/. Acesso em: 26 jun. 2019.