Você está na página 1de 3

Fundação Lowtons de Educação e Cultura Nota

Sistema Educacional Funlec


Colégio Raul Sans de Matos
Assinatura Professor(a)
Avaliação Integrada 1 – Ensino Médio – 2º bimestre –
2ª CHAMADA
Aluno(a)
Ano 3º Turma Turno Data
Disciplina Língua Portuguesa Professor(a) Ana Cristina
1. Assinale a alternativa em que as formas verbais estão empregadas de acordo com a norma padrão da língua.
a) No ano passado, meus colegas ficaram em recuperação na escola. Se não estudarem com afinco, neste ano ficarão
de novo.
b) Se você estivesse preparado, podia ter viajado com seus amigos.
c) Quando ele fazer aniversário, ganhará uma grande festa de seus pais.
d) É possível que essas caixas não caibam no armário. Se não caberem, deixe-as no chão.
e) Espero que você seje muito feliz.

Protestos a Arminda
1
Conheço muitas pastoras Os segredos de meu peito
Que beleza e graça têm, Guardá-los nele convém,
4
Mas é uma só que eu amo Guardá-los aonde os veja
Só Arminda e mais ninguém. Só Arminda e mais ninguém.

Revolvam meu coração Não cuidem que a mim me importa


2 5
Procurem meu peito bem, Parecer às outras bem,
Verão estar dentro dele Basta que de mim se agrade
Só Arminda e mais ninguém. Só Arminda e mais ninguém.

De tantas, quantas belezas Não me alegra, ou me desgosta


Os meus ternos olhos veem, Doutra o mimo, ou o desdém,
Nenhuma outra me agrada Satisfaz-me e me contenta
Só Arminda e mais ninguém. Só Arminda e mais ninguém.

Estes suspiros que eu solto Cantem os outros pastores


3
Vão buscar meu doce bem, Outras pastoras também,
É causa dos meus suspiros Que eu canto e cantarei sempre
Só Arminda e mais ninguém. Só Arminda e mais ninguém.

(Viola de Lereno, 1980.)

2. Levando em consideração o contexto da estrofe, assinale a alternativa em que a forma verbal surge no modo
imperativo.
a) “Vão buscar meu doce bem,” (ref. 3).
b) “Parecer às outras bem,” (ref. 5).
c) “Conheço muitas pastoras” (ref. 1).
d) “Guardá-los aonde os veja” (ref. 4).
e) “Procurem meu peito bem,” (ref. 2).

3. Complete as frases, empregando os verbos entre parênteses no tempo certo e adequado ao contexto, e assinale a
alternativa correta.

I. Se ele __________ sim ao convite, a diretoria poderia reprogramar o evento. (dizer)


II. Quando nós __________ a próxima festa de confraternização, contrataremos seus serviços. (fazer)
III. Se amanhã os perfumes não __________ nessa caixa, teremos que levar alguns na mala. (caber)
IV. Tenho a esperança de que vocês __________ resolver esse problema melhor do que eu. (saber)
a) disse-se – faremos – caberem – saibam
b) disser – fizéssemos – coubessem – saibam
c) dissesse – fizermos – couberem – saibam
d) dizer – fazermos – cabessem – saibam
e) disser – fazermos – caberem – saibam
4. Assinale a alternativa que contém a classificação do modo verbal, dos verbos grifados nas frases abaixo,
respectivamente.

— Esse seu lado perverso, eu o conheço faz tempo.


— Anda logo, senão chegarás só amanhã.
— Se você chegar na hora, ganharemos um tempo precioso.
— Acabaríamos a tarefa hoje, se todos ajudassem.
a) indicativo – imperativo – subjuntivo – subjuntivo – indicativo – subjuntivo – indicativo
b) subjuntivo – indicativo – indicativo – subjuntivo – indicativo – subjuntivo – indicativo
c) subjuntivo – imperativo – indicativo – infinitivo – indicativo – subjuntivo – indicativo
d) indicativo – imperativo – indicativo – subjuntivo – indicativo – indicativo – subjuntivo
e) indicativo – subjuntivo – indicativo – subjuntivo – indicativo – subjuntivo – subjuntivo

5. É preciso deixar de ser de um jeito para ser de outro. “Morre e transforma-te!” − dizia Goethe.

Nessa passagem, o autor, tratando da transformação, cita a fala de um filósofo alemão, que utiliza a segunda pessoa
do singular.

Se Goethe tivesse usado o tratamento de você, teríamos, então:


a) Morre e transforme-se!
b) Morra e transforme-se!
c) Morra e transforma-te!
d) Morrem e transformam-se!
e) Morre e transforma-se!

6. “Pedro, tira de minha gaveta uns cinquenta mil-réis que lá estão, são teus. Vai passar a noite fora e não voltes
antes da madrugada” Nesse fragmento do texto, as pessoas dos verbos sublinhados são, respectivamente,
a) vós; tu; tu.
b) você; você; vós.
c) tu; tu; tu.
d) você; tu; tu.
e) você; você; você.

7. Leia a seguinte frase:

O que os olhos não virem, o seu coração não vai sentir.

Considere as seguintes afirmações sobre essa frase, utilizada em uma propaganda de software para empresas:

I. Contém um erro de conjugação verbal, no uso de “virem” em lugar de “verem”.


II. Expressa ideia de futuro por meio da locução “vai sentir”, que equivale a “sentirá”.
III. Resulta de uma reelaboração de um conhecido provérbio popular.

Está correto apenas o que se afirma em


a) III.
b) I e II.
c) I.
d) II.
e) II e III.

8. “Ao se dirigirem às urnas os cidadãos reafirmam sua condição de igualdade perante um ato fundamental do
Estado.”

Em seu contexto, o verbo destacado, na forma em que foi empregado, indica uma ação
a) usual, reiterada, no passado.
b) habitual, regular.
c) feita no instante em que o enunciado é apresentado.
d) contínua, extensa, no presente.
e) pontual, corriqueira, ordinária e sem importância.

9. À falta de certa precisão quanto aos tempos, utilizam-se algumas locuções verbais que traduzem mais
adequadamente o aspecto verbal. Assim, a construção que expressa melhor a noção de início de uma ação aparece
no fragmento da alternativa.
a) Mas para navegar não basta sonhar. É preciso saber. São muitos os saberes necessários para se navegar.
b) Puseram-se então a estudar cada um aquilo que teria de fazer no barco: manutenção do casco, instrumentos de
navegação, astronomia, meteorologia, as velas, as cordas, as polias e roldanas, os mastros, o leme, os parafusos
(...).
c) Os computadores, coitados, chamados a dar o seu palpite, ficaram em silêncio.
d) Naus e navegação têm sido uma das mais poderosas imagens na mente dos poetas.
e) Não posso pensar a missão das escolas começando com as crianças e continuando com os cientistas, como outra
que não a da realização do dito do poeta (...).

Enquanto fugia de caçadores, uma raposa viu um lenhador e lhe pediu que a escondesse. Ele sugeriu que ela
entrasse em sua cabana e se ocultasse lá dentro. Não muito tempo depois, vieram os caçadores e perguntaram ao
lenhador se ele tinha visto uma raposa passar por ali. Em voz alta ele negou tê-la visto, mas com a mão fez gestos
indicando onde ela estava escondida. Entretanto, como eles não prestaram atenção nos seus gestos, deram crédito às
suas palavras. Ao constatar que eles já estavam longe, a raposa saiu em silêncio e foi indo embora. E o lenhador se
pôs a repreendê-la, pois ela, salva por ele, não lhe dera nem uma palavra de gratidão. A raposa respondeu: “Mas eu
seria grata, se os gestos de sua mão fossem condizentes com suas palavras.”

(Fábulas completas, 2013.)

10. Os trechos “Ele sugeriu que ela entrasse em sua cabana” e “vieram os caçadores e perguntaram ao lenhador se
ele tinha visto uma raposa” foram construídos em discurso indireto. Ao se transpor tais trechos para o discurso direto, o
verbo “entrasse” e a locução verbal “tinha visto” assumem, respectivamente, as seguintes formas:
a) “entrai” e “vira”.
b) “entrou” e “viu”.
c) “entre” e “vira”.
d) “entre” e “viu”.
e) “entrai” e “viu”.