Você está na página 1de 276

Global Training - The finest automotive learning

Fundamental de Serviço
Treinamento Técnico
Mercedes-Benz

Prezado Aluno:
O conteúdo deste material tem como objetivo facilitar a sua integração ao programa
de qualificação, bem como a história da Mercedes-Benz do Brasil (Daimler Benz AG).
As informações contidas neste material tem como objetivo capacitá-lo no requisito
conhecimento básico, para o acompanhamento de futuros cursos a serem assistidos.
Na expectativa de que os assuntos aqui abordados, seja intenção de
uma brilhante evolução no seu aprendizado.
Desejamos-lhe boas-vindas.

Fundamental de Serviço Global Training 1


Índice

Módulo 1 - Apresentação ...................................................................................................................................................................................................................................7


Historia da Mercedes – Benz no Mundo ...............................................................................................................................................................................................................8
Origem da Marca .................................................................................................................................................................................................................................................. 10
Empresas do Grupo Daimler AG ........................................................................................................................................................................................................................... 11
Produtos que excedem as expectativas dos clientes ...........................................................................................................................................................................................12
Mercedes – Benz comemora 50 anos no Brasil ................................................................................................................................................................................................... 13
Historia da Empresa no Brasil .............................................................................................................................................................................................................................. 14
Unidade de São Bernardo do Campo ................................................................................................................................................................................................................... 17
Unidade de Campinas ...........................................................................................................................................................................................................................................18
Unidade de Juiz de Fora ........................................................................................................................................................................................................................................19
Centro de Treinamento - Campinas ......................................................................................................................................................................................................................20
Estrutura de Treinamento - Campinas ..................................................................................................................................................................................................................21
Treinamento Técnico – Concessionário e frotista ................................................................................................................................................................................................ 23
UVT – Unidades Volante de Treinamento .............................................................................................................................................................................................................24
Distribuição dos centros de Treinamentos ...........................................................................................................................................................................................................26
Módulo 2 – Identificação do Produto ...............................................................................................................................................................................................................27
Composição do Caminhão ....................................................................................................................................................................................................................................28
Trem de Força .......................................................................................................................................................................................................................................................29
Cabina ...................................................................................................................................................................................................................................................................30
Siglas .................................................................................................................................................................................................................................................................... 31
Grupo Alfabético (Tipo) .........................................................................................................................................................................................................................................33
Modelo ..................................................................................................................................................................................................................................................................36
Versão ...................................................................................................................................................................................................................................................................37
Designação Comercial ..........................................................................................................................................................................................................................................39
Numero de identificação do veículo - VIN ............................................................................................................................................................................................................ 40
Numero de construção ......................................................................................................................................................................................................................................... 42
Nomenclatura de Motores ....................................................................................................................................................................................................................................43
Nomenclatura de Caixas de Mudança ..................................................................................................................................................................................................................44
Nomenclatura do Eixo Dianteiro ...........................................................................................................................................................................................................................45
Nomenclatura do Eixo Traseiro ............................................................................................................................................................................................................................ 46
Sistemas de Consulta / Referência/ Documentação ..........................................................................................................................................................................................47
Sistemas de Diagnóstico ...................................................................................................................................................................................................................................... 48
Selit .......................................................................................................................................................................................................................................................................49
Garantia e TTR ...................................................................................................................................................................................................................................................... 50
FDOK .....................................................................................................................................................................................................................................................................53
EPC ....................................................................................................................................................................................................................................................................... 55
DAS/HHT ..............................................................................................................................................................................................................................................................56
Grupo de Construção ............................................................................................................................................................................................................................................57
Módulo 3 – Matemática e Metrologia .............................................................................................................................................................................................................. 64
Aritmética ............................................................................................................................................................................................................................................................. 65
Unidade de Medidas Lineares .............................................................................................................................................................................................................................. 69
Fundamental de Serviço Global Training 3
Tabela de Conversão............................................................................................................................................................................................................................................ 70
Geometria ............................................................................................................................................................................................................................................................. 71
Circulo Geométrico ...............................................................................................................................................................................................................................................72
Adição de Ângulos ................................................................................................................................................................................................................................................ 73
Circunferência ...................................................................................................................................................................................................................................................... 74
Metrologia – Medidas de Superfície .....................................................................................................................................................................................................................76
Tipos de Paquímetro .............................................................................................................................................................................................................................................77
Metrologia - Paquímetro ....................................................................................................................................................................................................................................... 78
Micrômetro ........................................................................................................................................................................................................................................................... 81
Tipos de Micrômetro ............................................................................................................................................................................................................................................82
Medição com Micrômetro .....................................................................................................................................................................................................................................84
Aferição do Micrômetro ........................................................................................................................................................................................................................................85
Relógio Comparadores ......................................................................................................................................................................................................................................... 88
Medição com relógio Comparador ....................................................................................................................................................................................................................... 89
Medição com Súbito .............................................................................................................................................................................................................................................90
Conceito de Física ................................................................................................................................................................................................................................................ 92
Força .....................................................................................................................................................................................................................................................................94
Torque ...................................................................................................................................................................................................................................................................95
Potência ................................................................................................................................................................................................................................................................96
Tabela para conversão ..........................................................................................................................................................................................................................................97
Módulo 4 - Motor ................................................................................................................................................................................................................................................ 98
Motores de combustão interna ............................................................................................................................................................................................................................ 99
Combustão ........................................................................................................................................................................................................................................................... 101
Tempos do motor ..................................................................................................................................................................................................................................................102
Coordenação dos Êmbolos ................................................................................................................................................................................................................................... 106
Sistemas do Motor ............................................................................................................................................................................................................................................... 107
Sistema de distribuição ........................................................................................................................................................................................................................................ 108
Sistema de Alimentação de Ar ............................................................................................................................................................................................................................. 109
Sistema de alimentação de combustível ..............................................................................................................................................................................................................116
Processo de formação da combustão .................................................................................................................................................................................................................. 121
Tipos de comandos de válvulas ............................................................................................................................................................................................................................ 122
Arvore de manivelas ............................................................................................................................................................................................................................................. 124
Motor em linha ......................................................................................................................................................................................................................................................125
Bloco e cabeçote .................................................................................................................................................................................................................................................. 126
Embolo, Anéis e Biela ........................................................................................................................................................................................................................................... 127
Regulador e Bico injetor ....................................................................................................................................................................................................................................... 128
Avanço Automático centrifugo ............................................................................................................................................................................................................................. 129
Bomba Rotativa .....................................................................................................................................................................................................................................................130
A distribuição energética do motor ...................................................................................................................................................................................................................... 131
Sistema de arrefecimento .................................................................................................................................................................................................................................... 132
Sistema de lubrificação ........................................................................................................................................................................................................................................ 135
Gerenciamento eletrônico .................................................................................................................................................................................................................................... 138
Curva de desempenho .......................................................................................................................................................................................................................................... 145
Módulo 5 – Freios Auxiliares .............................................................................................................................................................................................................................146
Retardador Hidráulico ..........................................................................................................................................................................................................................................147
Retardador Eletromagnético ................................................................................................................................................................................................................................148
Fundamental de Serviço Global Training 4
Freios Auxiliares .................................................................................................................................................................................................................................................149
Freio Motor ........................................................................................................................................................................................................................................................... 150
Estrangulador Constante ( Top Brake ) ................................................................................................................................................................................................................151
Turbo Brake .......................................................................................................................................................................................................................................................... 153
Módulo 6 - Embreagem ......................................................................................................................................................................................................................................155
Função da embreagem ......................................................................................................................................................................................................................................... 156
Tipos de embreagem ............................................................................................................................................................................................................................................ 157
Volante Bi-massa ZMS .......................................................................................................................................................................................................................................... 158
Acionamento da embreagem ................................................................................................................................................................................................................................162
Disco de embreagem ............................................................................................................................................................................................................................................163
Tipos de acionamento ...........................................................................................................................................................................................................................................164
Servo da embreagem ............................................................................................................................................................................................................................................165
Módulo 7 – Caixa de Mudanças ........................................................................................................................................................................................................................ 166
Função / Objetivo ................................................................................................................................................................................................................................................ 167
Conceito ............................................................................................................................................................................................................................................................... 168
Relação de redução .............................................................................................................................................................................................................................................. 170
Componentes ....................................................................................................................................................................................................................................................... 172
Componentes/ Funcionamento .......................................................................................................................................................................................................................... 173
Funcionamento ..................................................................................................................................................................................................................................................... 175
Fluxo de Força ...................................................................................................................................................................................................................................................... 177
Engrenamento ...................................................................................................................................................................................................................................................... 178
Grupo Planetário (GP) ........................................................................................................................................................................................................................................... 179
Grupo de desmultiplicador (GV) ........................................................................................................................................................................................................................... 181
Grupo de desmultiplicador (GV) e Grupo Planetário GP .......................................................................................................................................................................................183
Caixa de Transferência ......................................................................................................................................................................................................................................... 184
Componentes ....................................................................................................................................................................................................................................................... 186
Acionamento .........................................................................................................................................................................................................................................................187
Módulo 8 – Suspensão, Eixo, Pneu e Direção ................................................................................................................................................................................................. 190
Tipos de suspensão .............................................................................................................................................................................................................................................. 191
Eixo .......................................................................................................................................................................................................................................................................194
Função .................................................................................................................................................................................................................................................................. 195
Câmber ................................................................................................................................................................................................................................................................. 196
Inclinação do pino - mestre .................................................................................................................................................................................................................................. 198
Convergência ........................................................................................................................................................................................................................................................ 199
Quadrilátero de Ackermann (Divergência nas curvas) ......................................................................................................................................................................................... 200
Desequilíbrio das rodas ........................................................................................................................................................................................................................................ 201
Pneu ..................................................................................................................................................................................................................................................................... 202
Função dos Pneus ................................................................................................................................................................................................................................................ 203
Principais elementos constituinte de um pneu .................................................................................................................................................................................................... 204
Diferença entre convencionais e radiais .............................................................................................................................................................................................................. 205
Vantagens dos pneus radiais ................................................................................................................................................................................................................................206
Vantagens do pneu sem câmara .......................................................................................................................................................................................................................... 207
Dimensões Básicas .............................................................................................................................................................................................................................................. 208
Marcação dos Pneus ............................................................................................................................................................................................................................................ 209
Índice de carga e código de velocidade dos pneus ..............................................................................................................................................................................................210
Fundamental de Serviço Global Training 5
Direção ................................................................................................................................................................................................................................................................ 211
Direção Mecânica ................................................................................................................................................................................................................................................. 212
Direção Hidráulica ................................................................................................................................................................................................................................................ 113
Módulo 9 - Freios ................................................................................................................................................................................................................................................218
Conceito ................................................................................................................................................................................................................................................................219
Pressão ................................................................................................................................................................................................................................................................. 220
Hidráulica ..............................................................................................................................................................................................................................................................221
Pneumática ........................................................................................................................................................................................................................................................... 222
Freio de serviço / Tambor .................................................................................................................................................................................................................................... 223
Freio de serviço / Disco ....................................................................................................................................................................................................................................... 224
Freio de estacionamento ...................................................................................................................................................................................................................................... 225
Circuitos Hidráulico duplo .................................................................................................................................................................................................................................... 226
Circuitos Hidráulico Servo-Assistido Pneumaticamente ...................................................................................................................................................................................... 227
Circuitos Hidráulico Servo-Assistido a Vácuo ...................................................................................................................................................................................................... 228
Circuitos Pneumático ........................................................................................................................................................................................................................................... 229
Freio de estacionamento mecânico.......................................................................................................................................................................................................................230
ABS ....................................................................................................................................................................................................................................................................... 231
Numeração dos pórticos dos componentes .........................................................................................................................................................................................................235
Válvula APU .......................................................................................................................................................................................................................................................... 236
Módulo 10 - Elétrica ........................................................................................................................................................................................................................................... 237
Eletricidade ...........................................................................................................................................................................................................................................................238
Circuito elétrico .................................................................................................................................................................................................................................................... 239
Grandeza elétrica ..................................................................................................................................................................................................................................................241
Lei de Ohm ........................................................................................................................................................................................................................................................... 244
Exercício lei de Ohm ............................................................................................................................................................................................................................................. 245
Multímetro ............................................................................................................................................................................................................................................................ 246
Interruptor ............................................................................................................................................................................................................................................................ 250
Fusível ...................................................................................................................................................................................................................................................................251
Bateria .................................................................................................................................................................................................................................................................. 252
Resistores ............................................................................................................................................................................................................................................................. 254
Classificação dos resistores ................................................................................................................................................................................................................................. 255
Associação de resistores ......................................................................................................................................................................................................................................256
Lâmpadas ............................................................................................................................................................................................................................................................. 258
Semicondutores ....................................................................................................................................................................................................................................................259
Diodo .................................................................................................................................................................................................................................................................... 260
Eletromagnetismo .................................................................................................................................................................................................................................................262
Rele .......................................................................................................................................................................................................................................................................264
Motores elétricos ..................................................................................................................................................................................................................................................265
Sensores NTC e PTC .............................................................................................................................................................................................................................................266
Sensor de pressão ................................................................................................................................................................................................................................................ 267
Sensor tipo Hall .................................................................................................................................................................................................................................................... 268
Sinal PWM (modulação por largura de pulso) .......................................................................................................................................................................................................270
Conectores ........................................................................................................................................................................................................................................................... 271

Fundamental de Serviço Global Training 6


Módulo 1 - Apresentação

Apresentação

Fundamental de Serviço Global Training 7


Mercedes-Benz
Historia da Mercedes – Benz no Mundo

A Mercedes - Benz do Brasil é herdeira de um rico passado de pioneirismo, no qual a


determinação de inovar sempre e de abrir novos caminhos do conhecimento constitui um
desafio permanente. Esse passado mais do que ser motivo de justo orgulho, é sobretudo o
elemento inspirador que orienta as decisões da empresa e a dirige para o futuro.

A história teve início há mais de um século, na Alemanha, e traduz o primeiro capítulo da


motorização veicular no mundo. Os protagonistas, Gottlieb Daimler e Karl Benz construíram
paralelamente os primeiros automóveis motorizados do mundo. O pioneirismo desses homens
fez com que colecionassem outras conquistas como a construção do primeiro ônibus, do
primeiro caminhão com motor a gasolina e do primeiro caminhão a Diesel do mundo.
Do trabalho iniciado por Daimler e Benz, na Alemanha, resultou a formação, em 1926, da
Daimler-Benz AG.

O primeiro caminhão do
1886 - "Primeiro veículo
mundo construído em 1896
Benz motorizado e
por Daimler e Maybach, na
Patenteado"
Alemanha.
Fundamental de Serviço Global Training 8
Mercedes-Benz
Historia da Mercedes – Benz no Mundo

Em novembro de 1998, Daimler-Benz e Chrysler fundem suas operações e, dessa transformação nasce a
DaimlerChrysler AG, detentora de marcas como Mercedes-Benz, Chrysler, Dodge e Jeep.
No Brasil, dentro da estratégia de integração da empresa no grupo DaimlerChrysler mundial, a Mercedes-Benz do
Brasil S.A. se transformou em DaimlerChrysler do Brasil Ltda. em dezembro, de 2000. No País, a empresa possui
unidades em São Bernardo e Campinas (SP) e Juiz de Fora (MG), como também no Centro Empresarial-
CENESP (SP).
Fusão essa que se desfaz em 09/2007, com a venda da Chrysler, e se torna mundialmente Daimler, e no Brasil
Mercedes- Benz

Fundamental de Serviço Global Training 9


Mercedes-Benz
Origem da Marca

A marca Mercedes, foi registrada em 1902. Surgiu de uma referência à Mercedes Jellinek, filha de Emil Jellinek,
cliente fiel de Gottlieb Daimler. O nome Mercedes identifica os carros encomendados por Jellinek, um entusiasta
do automobilismo e consagrou-se a partir das vitórias obtidas nas pistas.

Com a fusão das empresas Daimler-Motoren-Gesellschaft e Benz & Cia., em 1926 uniram-se também as duas
marcas: a estrela de três pontas, que identificava os produtos Mercedes fabricados por Daimler, e a coroa de
louros, que caracterizava os de Benz.
Assim originou-se a Mercedes-benz, que é hoje uma marca automotiva de sucesso e prestígio em todo o
mundo.

Daimler-Motoren-Gesellschaft Benz & Cia


Fundamental de Serviço Global Training 10
Mercedes-Benz
Empresas do Grupo Daimler AG

Fundamental de Serviço Global Training 11


Mercedes-Benz
Produtos que excedem as expectativas dos clientes

Os veículos Mercedes-Benz possuem tradição em qualidade, robustez, durabilidade e aplicação de tecnologia


de ponta. Estas características no produto final são obtidas graças ao processo de desenvolvimento e a
competência dos profissionais que se dedicam à concepção dos novos produtos.

Para melhorar sempre o atendimento das necessidades dos clientes, excedendo as suas expectativas com os
produtos Mercedes-Benz, é necessário buscar ferramentas de desenvolvimento cada vez mais poderosas e
processos de desenvolvimento ágeis e eficientes

Fundamental de Serviço Global Training 12


Mercedes-Benz
Mercedes – Benz comemora 50 anos no Brasil

Mercedes-Benz na posição de liderança no mercado brasileiro: Número 1 em caminhões, ônibus e automóveis


de luxo

Mercedes-Benz foi pioneira na motorização a diesel para veículos comerciais no Brasil

Evento comemorativo dos 50 anos em 2007 conta com a presença de Dieter Zetsche, Chairman do Board of
Management do Grupo

DaimlerChrysler AG e responsável pelo Grupo Automóveis Mercedes

Fundamental de Serviço Global Training 13


Mercedes-Benz
Historia da Empresa no Brasil

1953 - Chegavam ao País chassis de caminhões e de ônibus, além de automóveis Mercedes-Benz. Com o tempo, a empresa
passou a montar os veículos importados, numa oficina capaz de entregar até 10 caminhões por dia. Foi o crescimento do negócio
que deu origem à Mercedes-Benz do Brasil.

1956 - Os veículos da marca contavam com motor a diesel - em 1950, menos de 2% dos caminhões que circulavam no Brasil
eram movidos por esse combustível.
Para atrair o interesse dos clientes, habituados aos veículos a gasolina, a empresa mostrou por meio da autonomia de seus
produtos e do preço inferior do litro do diesel que esse combustível oferecia maior economia.

1956 - A unidade de São Bernardo tem desempenhado um papel estratégico dentro do Grupo Daimler. Nos últimos anos, seu
sistema de produção otimizado foi considerado referência para todas as plantas do Grupo no mundo. Nos últimos 50 anos,
produzimos cerca de 1.600.000 veículos comerciais aqui no Brasil". O início das atividades da unidade ocorreu exatamente em
28 de setembro de 1956 e contou com a presença de autoridades como o presidente Juscelino Kubitschek e o governador de
São Paulo Jânio Quadros, além dos anfitriões Fritz Koenecke, presidente da então Mercedes-Benz da Alemanha, e Alfred
Jurzykowski, da Mercedes-Benz do Brasil.

1958 - A construção da fábrica levou dois anos para ser concluída, em uma área que havia sido adquirida em 1953, mas a
planta cresceu continuamente ao longo dos anos. O número de funcionários também: em 1954, eram 154 os operários que
haviam iniciado a construção do parque industrial. Na inauguração, dois anos depois, eram 862. Em 1960, o total já passava de
5.600 colaboradores..

Fundamental de Serviço Global Training 14


Mercedes-Benz
Historia da Empresa no Brasil

1960 - Os veículos produzidos pela então Mercedes-Benz participaram de uma série de obras importantes, como a
construção de Brasília, das estradas que passariam a ligar todas as regiões do País à nova Capital, de outras rodovias
importantes, dos metrôs e dos aeroportos de São Paulo (de Cumbica) e do Rio de Janeiro (do Galeão), da ponte Rio-Niterói,
da usina de Angra dos Reis (RJ) e da barragem de Itaipu, entre tantas outras. Em muitas dessas ocasiões, enquanto os
ônibus da marca eram utilizados para transportar os trabalhadores até os canteiros de obras, os caminhões serviram para
levar o material necessário para as construções.

1965 - Ao mesmo tempo, a montadora contribuiu para o crescimento de São Bernardo do Campo. A região começou a atrair
outras empresas automobilísticas e suas fornecedoras, e a cidade, que em 1950 tinha menos de 30 mil habitantes, em 1960 já
atingia 82,4 mil. Hoje, são mais de 723 mil.

A história da Mercedes-Benz no Brasil sempre foi caracterizada por pioneirismo e vanguarda, não só para a
empresa, como para o próprio desenvolvimento dos meios de transporte do País. Com a fabricação do
primeiro motor a diesel totalmente nacional, em 1956, a marca introduziu e sedimentou a utilização do diesel
como combustível mais eficiente e rentável para o transporte de cargas e de passageiros.

1977 – Comemoração de 500.000 motores produzidos no Brasil

1979 - Nesse ritmo, a Mercedes-Benz também se expandiu. Uma nova fábrica foi criada, em 1979, em
Campinas (SP) para produzir ônibus. No final de 2000, a fabricação de chassis e plataformas para ônibus
voltou para São Bernardo e, atualmente, as instalações reúnem as atividades de assistência técnica, pós-
venda, comercialização de peças, treinamento e desenvolvimento da rede de concessionários.

Fundamental de Serviço Global Training 15


Mercedes-Benz
Historia da Empresa no Brasil

1984 - Mercesdes-Benz comemora a produção de 1.000.000 de motores produzidos no Brasil

1991 - Inauguração do centro Desenvolvimento Tecnológico em São Bernardo.

1992 – Comemoração de 1.000.000 de veículos produzidos no Brasil.


1998 - a Mercedes-Benz lançou os primeiros motores diesel com gerenciamento eletrônico produzidos no Brasil, disponíveis
hoje para toda a linha de veículos comerciais. Utilizando experiência, conhecimento e tecnologia de ponta, a empresa criou
motores eletrônicos perfeitamente adequados para as características do mercado brasileiro, que garantem menor consumo e
maior compatibilidade ambiental.

1999 - Foi inaugurada a fábrica de automóveis de Juiz de Fora (MG), que produziu inicialmente o monovolume Classe A,
então recém-lançado na Europa. Hoje, as instalações produzem o sedã Classe C para exportação. E a partir do primeiro
trimestre de 2007, ela se concentrará na produção do modelo Classe C Sports Coupé, destinado principalmente aos mercados
europeus.

2000 – Inauguração do Centro de treinamento em Campinas

2004 – Lançamento da Nova linha de Veículo Atego

2005 – Lançamento da nova linha de veículos Axor

Fundamental de Serviço Global Training 16


Mercedes-Benz
Unidade de São Bernardo do Campo

Inauguração: 1956
Área total: 980.644 m2
Área construída: 467.913 m2
Número de funcionários: 11.000

Fundamental de Serviço Global Training 17


Mercedes-Benz
Unidade de Campinas

Inauguração: 1979
Área total: 1.143.760 m2
Área construída: 214.000 m2

Fundamental de Serviço Global Training 18


Mercedes-Benz
Unidade de Juiz de Fora

Inauguração: 1999
Área total: 2.900.000 m2
Área construída: 160.000 m2
Número de funcionários: 1.125
Linha de montagem: Classe C

Fundamental de Serviço Global Training 19


Mercedes-Benz
Centro de Treinamento - Campinas

Fundamental de Serviço Global Training 20


Mercedes-Benz
Estrutura de Treinamento - Campinas

Fundamental de Serviço Global Training 21


Mercedes-Benz
Estrutura de Treinamento - Campinas

Fundamental de Serviço Global Training 22


Mercedes-Benz
Treinamento Técnico – Concessionário e frotista

Fundamental de Serviço Global Training 23


Mercedes-Benz
UVT – Unidades Volante de Treinamento

Fundamental de Serviço Global Training 24


Mercedes-Benz
UVT – Unidades Volante de Treinamento

Fundamental de Serviço Global Training 25


Mercedes-Benz
Distribuição dos centros de Treinamentos

Belém
Manaus Fortaleza

Recife

Cuiabá Salvador
Brasília

Goiânia

Campo Grande Contagem


Araçatuba Vitória
Bauru
Lençois Paulista Campinas São Gonçalo
Nova Iguaçú
São Paulo
Taboão da Serra
Curitiba
CT - Centro de Treinamento
Joinville
CTH - Centro de Treina. homologado
Porto Alegre
SENAI
SEST/SENAT

Fundamental de Serviço Global Training 26


Módulo 2 – Identificação do Produto

Identificação do Produto

Fundamental de Serviço Global Training 27


Mercedes-Benz
Composição do Caminhão

O caminhão é composto de:

Cabina - Habitáculo do motorista e acompanhantes

Carroçaria - Define a aplicação do caminhão,


fornecendo fixação e acomodação segura da
carga

Chassi - Concentra toda a parte mecânica.


Fundamental de Serviço Global Training 28
Mercedes-Benz
Trem de Força

Denomina-se Trem de Força o conjunto responsável pela tração do veículo, desde o motor, passando pela embreagem, caixa de
mudanças, árvore de transmissão (cardã) e eixo traseiro. No trem de força, a transmissão tem por finalidade adequar o torque do
motor à velocidade do veículo em função das condições de operação.

Nos veículos pesados e extra-pesados, a disponibilidade de diferentes relações de redução (número de marchas) é maior,
justamente para facilitar a adequação, permitindo explorar melhor a faixa de torque do motor. Alguns modelos possuem, além das
reduções proporcionadas pela caixa de mudanças, outras possibilidades de redução, tais como: caixa intermediária ou de
transferência e eixo traseiro com duas velocidades.

Fundamental de Serviço Global Training 29


Mercedes-Benz
Cabina

Semi-Avançada
Até o final da década de 50, a maior parte dos caminhões era construída com capô sobre o
motor. Esta forma de construção pretendia facilitar o acesso ao motor; porém, tal conceito
foi modificado com a aparição dos primeiros caminhões com cabina avançada.
A principal vantagem dos caminhões com cabina semi-avançada está no fato de que ao
ficarem o motor e a cabina no mesmo nível, pode-se manter mais baixa a altura total e a
altura de acesso à cabina. Também se pode contar com espaço maior para o motor e para
os grupos auxiliares. Em vários países, os caminhões com cabina avançada continuam
desempenhando um papel importante.

Avançada
Os caminhões com cabina avançada são a forma de construção mais difundida atualmente
entre os veículos comerciais: a cabina do motorista está localizado diretamente sobre o
motor . Nos caminhões com cabina avançada, o motorista tem uma visibilidade melhor da
área dianteira. O balanço da carroçaria na frente das rodas é mais curto, o que possibilita
superar ladeiras mais pronunciadas. Estes veículos em geral são mais adequados para o
tráfego em tipos variados de terreno. Os caminhões com cabina avançada se caracterizam
por ter uma altura maior de acesso à cabina. Em alguns casos, esse tipo de montagem
também pode apresentar um túnel de acesso para o motor situado sob a parte central da
cabina. O posicionamento da cabina sobre o motor, permite maior aproveitamento do
comprimento do veículo para o transporte de carga . Este detalhe é Sumamente importante
levando em consideração que a legislação em termos gerais limita o comprimento máximo
dos caminhões.

Fundamental de Serviço Global Training 30


Mercedes-Benz
Siglas

A Mercedes – Benz fabrica seus produtos dentro de uma grande variedade de modelos, tipos e versões,
identificados por diferentes siglas e números.
Estas codificações são aplicadas nas plaquetas de identificação dos veículos e agregados, e nas literaturas
técnicas e promocionais.
Os diferentes modelos de produtos Mercedes - Benz são identificados por números e letras que denominamos
DESIGNAÇÃO COMERCIAL e tem basicamente as seguintes configurações:

Exemplo:
O 500 RSD OH 1418 2544 LK 2638

Cada letra ou número da “DESIGNAÇÃO COMERCIAL” tem um significado que define o TIPO,
MODELO e a VERSÃO do veículo.

Chamamos de MODELO uma série de veículos que têm o mesmo Peso Bruto Total (PBT)

Exemplo: Modelo 2638 6x4 alinha os seguintes veículos, todos com 31.500 kg de PBT
L 2638/55 LK 2638/42 e LS 2638/42

Fundamental de Serviço Global Training 31


Mercedes-Benz
Siglas

Um mesmo modelo pode apresentar mais de um TIPO de veículo, segundo a finalidade a que se
destina. Assim, para o modelo 2638 temos os tipos:

Exemplo: L (Chassi com cabina semi-avançada)


LK (Chassi com cabina semi-avançada com tomada de força)
LS (Chassi com cabina semi-avançada cavalo mecânico)

Cada tipo oferece uma ou mais VERSÕES de distância entre eixos.

Exemplo: No modelo 2638 o tipo


L tem versão 55 significando: 5.500 mm distância entre eixos
LK e LS tem versão 42 significando: 4.200 mm distância entre eixos

Fundamental de Serviço Global Training 32


Mercedes-Benz
Grupo Alfabético (Tipo)

L Lastwagen Chassi com cabina semi-avançada.

... D Diesel
Dotado de motor diesel, quando existir
o mesmo modelo com motor a gasolina.

G Gelaendegaengig Execução especial (tração total - 6x6).

K Kipper
Dotado de tomada de força para
acionamento de báscula, guincho
e outros equipamentos.

S Sattelschlepper
Cavalo-mecânico para
tracionar semi-reboque.

Fundamental de Serviço Global Training 33


Mercedes-Benz
Grupo Alfabético (Tipo)

B Betonmischer
Dotado de tomada de força na polia anti-vibradora
do motor, para acionamento de betoneira.

Veículo com tração total (4x4). Quando o ‘A’estiver


A Allradantrieb localizado depois do grupo numérico (quer de chassi,
quer de motores) significa motor turbo-alimentado.

C City Veículo destinado para utilização urbana ( Cidade )

M Multi uso Veículo para varias aplicações

Fundamental de Serviço Global Training 34


Mercedes-Benz
Grupo Alfabético (Tipo)

São as letras que normalmente estão posicionadas antes (cabina semi-avançada) ou depois (cabina avançada)
do número que identifica o modelo do veículo.

Portanto:

Para veículos com cabina semi-avançada, este código fica posicionado antes dos números que identificam o
modelo do veículo:

Ex.: LS 1634 cabina semi-avançada

Para os veículos com cabina avançada, este código fica posicionado após os números que identificam o
modelo do veículo.

Ex.: 1938 S cabina avançada

OBS: Nos veículos com cabina avançada a letra “L” não é utilizado

Fundamental de Serviço Global Training 35


Mercedes-Benz
Modelo

No caso dos caminhões e chassis para ônibus, o MODELO é composto por três ou quatro algarismos, e tem o
seguinte significado:

16 34

Os primeiros dois algarismos (16) indicam o peso bruto total (PBT) admissível no veículo, em toneladas, e os
dois últimos algarismos (34) indicam aproximadamente a potência do motor que equipa o veículo em CV DIN.
(Acrescentar sempre um zero ao final - 340 CV).

Diferente dos caminhões, o grupo numérico que identifica o modelo dos ônibus, não representa características técnicas.
No caso dos ônibus, o grupo numérico que identifica o modelo é composto de três algarismos, tendo o seguinte
significado:

5 00

O primeiro algarismo (5) é convencional de fábrica, e os dois últimos algarismos (00) constituem o número de
ordem (projeto) da fábrica.

Fundamental de Serviço Global Training 36


Mercedes-Benz
Versão

Na designação comercial de caminhões e chassi para ônibus, os números que aparecem no final do modelo,
separados por barra, indicam, aproximadamente, à distância entre eixos; aparecendo somente na literatura.

1620 / 54 54 Î 5.400 mm de distância entre eixos

Versão Distância entre Eixos (mm) Versão Distância entre Eixos (mm)

31 3.150 48 4.830
36 3.600 51 5.170
37 3.700 54 5.400
42 4.200 55 5.500
45 4.500 59 5.900
60 6.050

No caso dos ônibus, as letras que vem após o grupo numérico que identifica o modelo, têm os seguintes
significados:

Fundamental de Serviço Global Training 37


Mercedes-Benz
Versão

No caso dos ônibus, as letras que vem após o grupo numérico que identifica o modelo, têm os seguintes
significados:

Tipo Designação

R Rodoviário
S Suspensão Pneumática
D Terceiro Eixo
U Urbano
L Low entry
A Articulado
M Multi Uso
G Gás Natural

O 500 RSD Ônibus Rodoviário c/ suspensão pneumática e terceiro eixo.

Fundamental de Serviço Global Training 38


Mercedes-Benz
Designação Comercial

Accelo Atego Axor


Leves - Até 10 ton Médio de 10 a 20 ton. Pesado de 30 a 40 ton
Semipesado de 20 a 30 ton. Extrapesado > 40 ton.

Fundamental de Serviço Global Training 39


Mercedes-Benz
Numero de identificação do veículo - VIN

SIGNIFICADO DO NÚMERO DO CHASSI

Atendendo a resolução 659/85 de 30/10/1985, do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), a partir de


01/04/1986, a Mercedes-Benz implantou o número “VIN” (Número de Identificação do Veículo). O VIN é
composto por 17 dígitos regidos pela norma SAE e no Brasil pela norma ABNT onde, na décima posição,
encontra-se ano de fabricação do veículo.

A utilização do ano de fabricação do veículo não acarretava problemas até o ano de 2000, pois conforme a
norma utilizava-se de letras, e estas não interferiam na interpretação da documentação.

Com a utilização da última letra do alfabeto em 2000, iniciou-se a utilização de números a partir do número 1,
para o ano de 2001, 2 para o ano de 2002 e assim consecutivamente. Com isso a documentação de Pós Venda
(EPC) começou a identificar esta posição do número VIN como o lado da direção do veículo e a selecionar as
peças ou da direção à esquerda para os veículos 2001, ou da direção à direita para os veículos 2002.

A solução veio em se ter um número com as especificações necessárias para atender as necessidades da
fábrica, que é hoje o nosso FIN, onde 1 é direção esquerda e 2 direção direita.
Após o número que condiz com a direção do veículo, encontra-se a letra da fabrica “D” aplicada a todos os
veículos 9BM maior que 1000.001, produzidos a partir de 1993 em São Bernardo do Campo. Os veículos
produzidos na fábrica de Campinas são identificados com a letra “C”.

Fundamental de Serviço Global Training 40


Mercedes-Benz
Numero de identificação do veículo - VIN

Alem da identificação do modelo de um veiculo comercialmente, para efeito legal a Mercedes-Benz como as
demais montadoras de veículos automotivo, gravam o numero do chassi que esta no documento do veiculo, na
estrutura do veiculo.

9BM 979046 3 B 319348


9BM Identificação Internacional do País fabricante
9 - Área Geográfica
B - País (Brasil)
M - Fabricante (Mercedes-Benz)

958472 Número de Construção

3 Ano de Fabricação
Y - 2000 7 - 2007
1 - 2001 8 - 2008
B Fábricas Mercedes-Benz
A - Juiz de Fora
B - São Bernardo do Campo
C - Campinas
417475 Número Progressivo

Fundamental de Serviço Global Training 41


Mercedes-Benz
Numero de construção

Fundamental de Serviço Global Training 42


Mercedes-Benz
Nomenclatura de Motores

Letra de identificação de fabrica - U – São Bernardo do Campo


6 – 7 Oceania

Fundamental de Serviço Global Training 43


Mercedes-Benz
Nomenclatura de Caixas de Mudança

MB G 210 - 16 / 11,72
MB Fabricante ( Mercedes-Benz do Brasil )
G Sigla da caixa de mudanças ( Getriebe )
210 Torque nominal de entrada em mkgf
16 Número de marchas
11,72 Redução da 1a. marcha

Fundamental de Serviço Global Training 44


Mercedes-Benz
Nomenclatura do Eixo Dianteiro

VL 4 / 39 D C - 7,1

VL Eixo dianteiro para caminhões


VO Eixo dianteiro para ônibus
AL Eixo dianteiro com tração

4 Série de construção

39 Execução
D Freio pneumático C Freio a disco
B Suspensão metálica L Suspensão pneumática
S Bloqueio do diferencial
7,1 Carga máxima admissível sobre o eixo em toneladas
Fundamental de Serviço Global Training 45
Mercedes-Benz
Nomenclatura do Eixo Traseiro

HL 7 / 025 D C - 13
HL Eixo traseiro para caminhão c/ 2 eixos
HD Eixo traseiro para caminhão c/ 3 eixos
HO Eixo traseiro para ônibus monobloco
NR Eixo traseiro sem tração (3o. Eixo)
HH Eixo traseiro para ônibus com motor traseiro
7 Série de construção
025 Execução
D Freio pneumático C Freio a disco
Z Diferencial com reduzida S Bloqueio do diferencial
G Com árvore de transmissão L Suspensão pneumática
passante
13 Carga máxima admissível sobre o eixo em toneladas

Fundamental de Serviço Global Training 46


Mercedes-Benz
Sistemas de Consulta / Referência/ Documentação

EWA net: EPC, WIS e ASRA net

EPC net – Catálogo Eletrônico de Peças: Sistema para pesquisa/ identificação de peças e fichas de dados
dos veículos Mercedes-Benz e Smart

WIS net - Sistema de Informação da Oficina:


- Informações de Serviço/manutenção
- Desmontagem/montagem de agregados
- Valores de teste/ajuste/torque, capacidades de preenchimento
- Produtos para reparo, fluidos em operação
Ferramentas: Diagramas elétricos, hidráulicos e pneumáticos

ASRA net: Tempos de reparo e codificação de anomalias

FDOK-Web: Documentação de Veículos via Internet

SELiT: WIS Brasileiro

Fundamental de Serviço Global Training 47


Mercedes-Benz
Sistemas de Diagnóstico

Star Diagnosis: equipamento de diagnóstico para veículos comerciais e automóveis

SDRemote: Star Diagnosis remotamente controlado via internet ou rede

Pro Parts: Parametrização de módulos eletrônicos Online

Fundamental de Serviço Global Training 48


Mercedes-Benz
Selit

O Selit é o sistema de literatura utilizado para verificação de esquemas elétricos, desmontagem


e montagem com torque correto nos componentes de caixas, eixos, motores, entre outros

Fundamental de Serviço Global Training 49


Mercedes-Benz
Garantia e TTR

A TTR é subdividida em vários capítulos Cada Capitulo informa as diversas categorias dos
veículos

Fundamental de Serviço Global Training 50


Mercedes-Benz
Garantia e TTR

Aqui temos todos os grupos para pesquisa

Fundamental de Serviço Global Training 51


Mercedes-Benz
Garantia e TTR

Aqui temos todos os grupos para pesquisa

Fundamental de Serviço Global Training 52


Mercedes-Benz
FDOK

É um sistema centralizado na DCAG que recebe informações de todos os


produtos (veículos e agregados) Daimler.

O sistema contem todos os dados importantes de montagem de cada produto


DC que são imprescindíveis para o acompanhamento do produto no Pos
Venda.
Todos os dados modificados/inseridos no sistema são automaticamente
transferidos para o sistema EPC.

Fundamental de Serviço Global Training 53


Mercedes-Benz
FDOK

Fundamental de Serviço Global Training 54


Mercedes-Benz
EPC

Eletrônica Parts Catalog


( Catálogo Eletrônico de Peças )

EPC, é um catálogo eletrônico de peças que contém toda a literatura técnica de peças genuínas de
veículos comerciais e de carros de passeio

Fundamental de Serviço Global Training 55


Mercedes-Benz
DAS/HHT

Sistema de Diagnose DAS Sistema de Diagnose HHT

Fundamental de Serviço Global Training 56


Mercedes-Benz

Grupo de Construção

Fundamental de Serviço Global Training 57


Mercedes-Benz
Grupo de construção
Os Grupos de Construção seguem uma ordem crescente de classificação, que vai de 00 a 99. A memorização destes grupos de
construção é imprescindível, e para facilitar esta tarefa, devemos entender em primeiro lugar, que os mesmos surgiram das
seguintes partes do veículo:

Peças do MOTOR Î Grupos de 01 a 23, 25 e 54


Peças do CHASSI Î Grupos de 24 a 59
Peças da CABINA/CARROÇARIA Î Grupos de 60 a 97
Peças em GERAL (DIN/NORMAL) Î Grupos de 98 e 99

PEÇAS DO MOTOR

Fundamental de Serviço Global Training 58


Mercedes-Benz
Grupo de construção

PEÇAS DO MOTOR

Grupos de 01 a 23, 25 e 54
01 – Bloco do Motor 14 – Coletor de admissão / Coletor de escape
03 – Órgãos Móveis do Motor 15 – Equipamento elétricos do motor
05 – Distribuição e transmissão por corrente 17 – Instalação de partida e ar comprimido
06 – Regulador e indicador RPM 18 – Bomba de óleo / tubulação de lubrificação
07 – Carburador / Bomba injetora 20 – Refrigeração do Motor
09 – Sistema de Alimentação 22 – Acessório do Motor e suspensão
11 – Instalação de gasogênio de aspiração Instalação de 23 –Instalações especiais
gás 25 – Embreagem
13 – Compressor de ar 54 – Equipamento elétrico e instrumentos

Fundamental de Serviço Global Training 59


Mercedes-Benz
Grupo de construção

PEÇAS DO CHASSI

Fundamental de Serviço Global Training 60


Mercedes-Benz
Grupo de construção

PEÇAS DO CHASSI

Grupos de 24 a 57
00 – Prescrições (Todos os Grupos) 41 – Árvore de transmissão
24 – Suspensão do motor no chassi 42 – Freios
25 – Embreagem 43 – Freios (continuação)
26 – Caixa de Mudança 46 – Direção
27 – Caixa de Mudanças automática/hidráulica 47 – Sistema de combustível
28 – Caixa de transmissão engrenagem de inversão de 48 – Reservatório de óleo
marchas para lanchas 49 – Sistema de escape
29 – Mecanismos dos pedais 50 – Radiador
30 – Mecanismos da aceleração 51 – Pára-lamas
31 – Quadro 52 – Peças de chapa do chassi
32 – Molas, feixes molas, suspensão 54 – Equipamentos elétricos e instrumentos
33 – Eixo dianteiro 55 – Equipamentos especiais
35 – Eixo traseiro 56 – Guincho
38 – Esteira 57 – Lubrificação central
39 – Eixos suporte e motrizes 58 – Ferramentas e acessórios
40 – Rodas e pneus 59 - Equipamentos

Fundamental de Serviço Global Training 61


Mercedes-Benz
Grupo de construção

PEÇAS DA CABINA

Fundamental de Serviço Global Training 62


Mercedes-Benz
Grupo de construção
PEÇAS DA CABINA
Grupos de 60 a 97
00 – Prescrições (Todos os Grupos) 79 – Tetos removíveis – caixas para arcos de teto
60 – Carroçarias 80 – Sistema Hidráulico e de vácuo
61 – Estrutura inferior 81 – Equipamentos internos
62 – Parede Frontal 82 – Instalação elétrica
63 – Paredes Laterais 83 – Ventilação, aquecimento e refrigeração
64 – Parede Traseira 84 – Porta-malas e depósitos
65 – Teto 85 – Bagageiros do teto
66 – Elementos prontos para montagem dispositivos 86 – Equipamentos de primeiros socorros,
de travamento equipamentos de segurança
67 – Janelas 88 – Pára-lamas, capuz, pára-choque
68 – Revestimentos 89 – Peças de fixação da carroçaria e acessórios para
69 – Revestimentos (continuação) veículos
71 – Paredes divisórias / portas internas 91 – Assento dianteiro, assento do motorista
72 – Porta Lateral dianteira 92 – Assento traseiro, poltrona traseira
73 – Porta Lateral traseira 93 – Poltronas centrais, poltronas desarmáveis
74 – Porta da parede traseira 94 – Poltrona de um lugar
75 – Tampas externas 95 – Poltronas de vários lugares
76 – Pertences portas e janelas 96 – Poltronas
77 – Capotas (coberturas) 97 – Pertences das Poltronas
78 – Teto móvel 98 – Peças Gerais
99 – Peças similares às padronizadas

Fundamental de Serviço Global Training 63


Módulo 3 – Matemática e Metrologia

Matemática e Metrologia

Fundamental de Serviço Global Training 64


Mercedes-Benz
Aritmética

Adição com números inteiros

1 9 3 2 Exercícios:
4 5 9 Parcelas

4 1 0 1 283
71 92 436
Soma
6 4 9 2
+ 37 + 143 + 65

Adição com números decimais

4 8 , 3 Obs.: As vírgulas devem ser colocadas sempre uma sob a outra

9 , 2 0 9 Parcelas Exercícios:
1 0 7 , 6 1

1 6 5 , 1 1 9 Soma 5,82 91,00 19,830


+ 15,49 + 0,57 + 12,450

Fundamental de Serviço Global Training 65


Mercedes-Benz
Aritmética

Subtração com números inteiros

Exercícios:
3 6 4 Minuendo
- 2 3 1 Subtraendo
149 43 437
1 3 3 Resto ou
Diferença - 77 - 25 - 019

Subtração com números decimais

Para facilitar o cálculo, completar as casas vazias com ‘zero’.


1 4 8 , 9 2 Minuendo
- 2 1 , 4 1 5 Subtraendo
Exercícios:

1 2 7 , 5 0 5 Resto ou 28,35 52,10 43,134


Diferença
- 12,09 - 5,80 - 0,281

Fundamental de Serviço Global Training 66


Mercedes-Benz
Aritmética

Multiplicação com números inteiros

Exercícios:
1 2 0 Multiplicando

x 4 Multiplicador
63 490 236
4 8 0
Produto
x 4 x 9 x 048

Multiplicação com números decimais


1 2 5 , 1 8 Multiplicando
O total de casas existentes a direita da vírgula = 3
x 1 2 , 8 Multiplicador
Colocar a vírgula antes das três casas finais, conforme contagem feita acima.

1 0 0 1 4 4 Exercícios:
2 5 0 3 6
1 2 5 1 8 19,20 1,470000 24300
x 25 x 3,4350 x 2,5
1 6 0 2 , 3 0 4 Produto

Fundamental de Serviço Global Training 67


Mercedes-Benz
Aritmética

Divisão com números inteiros

125 5 81 9 Exercícios:
25 25 81 9

0 0 244 4 360 3

Divisão com números decimais

Iguala-se o número de casas da direita e corta-se as vírgulas

Divisor Neste caso, como 135 não dá para ser dividido com 150, acrescenta-se um ‘zero’ à
Dividendo 7,35 1,5
direita de 135 e coloca-se uma vírgula à direita do cociente, dando continuidade à
1 35 4,9 Cociente divisão.

Resto 0 00
Exercícios:

192 3,2 14,4 1,20 48,6 3

Fundamental de Serviço Global Training 68


Mercedes-Benz
Unidade de Medidas Lineares

Em mecânica automotriz, as medidas utilizadas para ajuste de folgas, pinos, eixos, colos, mancais, etc..., são especificadas em milímetros,
escritas conforme as casas decimais.

,
centenas dezenas unidade vírgula décimos centésimos milésimos

Exemplos de leitura de medidas


28,4 mm vinte e oito milímetros, e quatro décimos de milímetro 0,08 mm oito centésimos de milímetros
quatro milímetros, e oitenta e dois centésimos de
0,005 mm cinco milésimos de milímetros
4,82 mm milímetro
trinta e cinco milímetros, e duzentos e oitenta e três 0,25 mm vinte e cinco centésimos de milímetros
35,283 mm milésimos de milímetros
0,025 mm vinte e cinco milésimos de milímetros
três décimos de milímetros
0,3 mm
Obs.: A mesma medida pode ser escrita de maneira diferente conforme o grau de precisão.

Ex.: 0,5 mm; 0,50 mm; 0,500 mm indicam precisões de, décimos, centésimos e milésimos, respectivamente.

Fundamental de Serviço Global Training 69


Mercedes-Benz
Tabela de Conversão

EM MILÍMETROS EM METROS UNIDADE DE MEDIDA ABREVIATURA

1 000 000 mm 1 000 m Quilômetro km

100 000 mm 100 m Hectômetro hm

10 000 mm 10 m Decâmetro dam

1 000 mm 1m Metro m

100 mm 0,1 m Decímetro dm

10 mm 0,01 m Centímetro cm

1 mm 0,001 m Milímetro mm

0,1 mm 0,0001 m Décimos de mm 0,1 mm

0,01 mm 0,00001 m Centésimos de mm 0,01 mm

0,001 mm 0,000001 m Milésimos de mm 0,001 mm

Fundamental de Serviço Global Training 70


Mercedes-Benz
Geometria
RETA 1
Ângulo

Chama-se ângulo à figura plana resultante da interseção de 2 retas, num ponto chamado
ORIGEM origem.
ÂNGULO

RETA 2

MENOS DE 90° Os ângulos podem ser:

ÂNGULO AGUDO - Agudo

90° - Reto

- Obtuso
ÂNGULO RETO

MAIS DE 90°

ÂNGULO OBTUSO

Fundamental de Serviço Global Training 71


Mercedes-Benz
Circulo Geométrico

Circunferência é uma curva plana e fechada, cujos pontos


possuem a mesma distância de um ponto interno, chamado
centro.

1 circunferência = 360° (graus)


1 grau = 60 ‘ (minutos)
1 minuto = 60 “ (segundos)

Somando

1. Colocar as parcelas uma sob a outra de modo que as unidades da


mesma ordem fiquem
na mesma coluna.
2. Somar as unidades da mesma ordem a partir da direita.
3. Reduzir as unidades, somando o excesso na unidade imediatamente
superior

Fundamental de Serviço Global Training 72


Mercedes-Benz
Adição de Ângulos

Exemplo: 05° 40’ 10”


+ 10° 32’ 52”

15° 72’ 62”


Simplificação

15° 72’ 62”


- 60” 60” = 2’

02”

72’
+
01’
73’
73’ - 60’ 60’ = 1°
15°
+ 13’
01°
16° Resultado final 16° 13’ 02”

Fundamental de Serviço Global Training 73


Mercedes-Benz
Circunferência
Circunferência
Circunferência é a linha plana fechada em que todos os seus pontos estão à mesma
distância de um ponto fixo

Elementos da circunferência
Centro

Raio
A
Seguimento de reta definido e qualquer ponto da circunferência.

Fundamental de Serviço Global Training 74


Mercedes-Benz
Circunferência

Diâmetro
A

Corda que passa pelo centro da circunferência dividindo-a em duas


metades

Perímetro
A Onde: P = Perímetro
Comprimento da linha que define a circunferência. = 3,1416
Calculo pode ser feito :
R = Raio
P=2x xR

Onde: S = Superfície do circulo


Cálculo da superfície do círculo = 3,1416
R = Raio
O R=2 Comprimento da linha que define a circunferência.
Exemplo:
Calculo pode ser feito : R=2m
S = x R²
S= x R² S= x(2)²
S = 3,14 x 4 = 12,56 m²
Fundamental de Serviço Global Training 75
Mercedes-Benz
Metrologia – Medidas de Superfície

São medidas de um corpo qualquer com duas dimensões, ou seja comprimento e largura. Essa
medida é dada em m² (metro quadrado). O calculo desta área é feito da seguinte maneira:

Exemplo
O compartimento de uma casa com largura de 4m e comprimento de 6m possui uma superfície de
?
Área = Comprimento X Largura
Área = 6m X 4m
Área = 24m² Largura
Portanto a superfície é igual a 24m²

Comprimento
Medidas de Capacidade
A capacidade é o maior volume disponível dentro de um recipiente.
A unidade de capacidade usual é o litro.
O litro é o volume equivalente a1dm³.
A medida de capacidade de um recipiente é obtida pelo
calculo do volume e é medida em m³ (metro cubico) Largura

Exemplo
Um recipiente com comprimento de 2m, largura de 1m e altura de 1m
Volume= Comprimento X Largura X Altura Altura
Volume= 2m X 1m X 1m
Volume= 2m³
Portanto a capacidade deste recipiente é de 2m³
Comprimento
Fundamental de Serviço Global Training 76
Mercedes-Benz
Tipos de Paquímetro

Universal: Universal com cursor prismático: Com Relógio


Medidas externas, internas, de profundidade e Como o universal mas possibilita uma Como o universal com leitura feita
ressalto melhor precisão na leitura da medida diretamente no relógio

Com parafuso de chamada: Com bico de medida extra longo: De profundidade


Como o Universal, mas possui ajuste fino para Para medir peças de maior porte Para medir profundidade de furos,
medições de precisão rasgos, peças sobremontadas, etc.

Fundamental de Serviço Global Training 77


Mercedes-Benz
Metrologia - Paquímetro

O paquímetro é um instrumento de precisão usado para medição de dimensões externas, internas, profundidades e ressalto.
O instrumento compõe-se basicamente de uma régua graduada sobre a qual corre um cursor.

Fundamental de Serviço Global Training 78


Mercedes-Benz
Metrologia - Paquímetro

Os paquímetros encontram-se com diversas escalas, as quais qualificam o grau de precisão de cada instrumento. Existem paquímetros com
precisão de:
0,1mm → quando o nônio possuir 10 divisões ou seja, 1mm :10= 0,1mm

A medição indicada na escala (A) é de 15mm, e mais uma fração de milímetro, que podemos ler da
seguinte maneira:
15mm+a divisão do nônio (B), a qual coincide com uma divisão da escala, que por ser a quarta
correspondente a 15,4mm

0,05 mm → quando o nônio possuir 20 divisões ou seja, 1mm :20= 0,05mm


Leitura da escala principal (A) = 7 mm
Leitura do nônio (B) 0,05 x 4 = 0,2 mm
Leitura do paquímetro = 7,2 mm

0,02 mm → quando o nônio possuir 50 divisões ou seja, 1mm :50 = 0,02


Leitura na escala principal (A) = 4,5 mm
Leitura do nônio (B) 0,02 x 11 = 0,22mm
Leitura do paquímetro = 4,72mm

Fundamental de Serviço Global Training 79


Mercedes-Benz
Metrologia - Paquímetro

Medição correta e incorreta com o paquímetro

1. Medidas externas:
Colocar a peça a ser medida o mais profundo possível entre os bicos de
medição.
2. Medidas internas:
Colocar o paquímetro paralelo à peça a ser medida.
3. Medidas de profundidade:
A escala deverá estar perpendicular a peça à ser medida.
4. Medidas de ressaltos:
Colocar a parte do paquímetro apropriada para efetuar medições em
ressalto, perpendicular à superfície de referencia.

Cuidados
1. Limpar bem o paquímetro antes e depois do uso, a fim de evitar que
qualquer tipo de sujeira fique depositada em sua superfície de medição.
2. Não forçar o paquímetro ao coloca-lo ou retira-lo da peça que esta sendo
medida. Usar sempre uma pressão de medição apropriada e constante.
3. Evitar derrubar o instrumento, assim como utilizado para outros fins.
4. Manter ou guardar o instrumento em seu respectivo estojo e coloca-lo em
lugar seco e protegido de influencia direta de calor

Fundamental de Serviço Global Training 80


Mercedes-Benz
Micrômetro

O nome do instrumento deriva de sua capacidade de medir dimensões ou diferenças de dimensões de natureza micrometrica, sendo portanto
um instrumento mais preciso que o paquímetro.

O micrômetro acima, é de precisão de 0,01mm, mas existem com precisão de até 0,001mm

Fundamental de Serviço Global Training 81


Mercedes-Benz
Tipos de Micrômetro

1. No uso do micrômetro, deve-se tomar cuidado especial com a superfície de medição, pois caso as mesmas sejam danificadas afetará toda
precisão do micrômetro
2. O micrômetro nunca deverá ser guardado com as superfícies de medição encostada, dada a condição de acabamento das superfícies. Se uma
for comprimida de encontro com a outra, após certo tempo podem manifestar pontos de corrosão
3. Periodicamente, limpar bem o micrômetro para eliminar poeira. O único ponto do instrumento que exige lubrificação é o parafuso micrometrico.
(óleo fino tipo de maquina de costura)
4. Evitar que o micrômetro sofra choques
5. Não girar o micrômetro segurando, unicamente no tambor
6. Ao guardar o micrômetro, coloque-o no seu estojo, em lugar seco e protegido da influencia direta do calor ou sol.

Tipos

Todos os micrômetros para medição externa são dotados de escalas que permitem leitura num intervalo de 25mm ou 50mm
Assim conforme a medida ou tamanho da peça a ser controlada, existem instrumentos com capacidade de:
0 - 25 mm; 25 - 50 mm; 50 - 75 mm; 75 - 100 mm; 100 - 150 mm.

1.Externo: Destinam-se principalmente 2. Externo com hastes 3. Externo para medição de


à medição de eixos sob o ponto de intercambiáveis Análogo ao anterior, ferramentas de corte
vista de tolerâncias e ajustes. porem dotados de
contato fixos intercambiáveis
Fundamental de Serviço Global Training 82
Mercedes-Benz
Tipos de Micrômetro

4. Com Disco 5. Interno tipo paquímetro 6. Para medição de profundidade


Utilizado para medição de chapas Utilizado para tomar medidas internas
de peças

7.Micrômetro interno de 3 pontas ou 8. Micrômetros para medir 9. Micrômetros para medir roscas
“imicro”. Mais especificamente para engrenagens
medição de furos profundos, sem que
haja flexão na haste

Fundamental de Serviço Global Training 83


Mercedes-Benz
Medição com Micrômetro

Leitura 0,01mm (tambor com 50 divisões)

Leitura da bainha = 7 mm
Leitura do tambor = 0,37 mm
Leitura do micrômetro = 7,37 mm

Leitura 0,001mm

Para leitura em 0,001 mm, além da graduação normal na bainha, estão gravados os traços
correspondentes ao nônio.
O tambor não apresenta alteração

Leitura da bainha = 6 mm
Leitura do tambor = 0,21 mm
Leitura do nônio = 0,003 mm
Leitura do micrômetro = 6,213 mm

Fundamental de Serviço Global Training 84


Mercedes-Benz
Aferição do Micrômetro

Aferição do Micrômetro

O micrômetro, bem como certos instrumentos equipados com cabeçotes micrométricos, desempenham papel de vital importância no controle
da precisão dimensional. Por esse motivo muitas fabricas dotaram seu departamento de controle de qualidade, com recursos para a aferição
periódica de seus micrômetros. A precisão de medição do micrômetro depende da pressão utilizada. A pressão é dada por uma mola
contraida, que funciona por meio do atrito de encontro a uma superfície ligada à extremidade do parafuso micrometrico.
Essa pressão deve ser periodicamente testada utilizando-se de “Blocos padrão”, os quais são gabaritos de medidas exatas, que acompanham
cada jogo de micrômetro.

Como ajustar o “Zero”dos micrômetros


1. Limpar bem a superfície de medição.
2. Em Seguida encoste as mesmas, usando somente a catraca e
trave o fuso
3. Com auxilio da chave apropriada fornecida com cada micrômetro,
gire a bainha graduada até que a sua linha longitudinal coincida
com a linha zero do tambor

Obs: Por se tratar de uma operação delicada, a mesma deverá


ser efetuada por uma pessoa conhecedora do instrumento.

Fundamental de Serviço Global Training 85


Mercedes-Benz
Medição com Micrômetro

Medição com esferas, dos raios dos


Medição de colos e mancais colos da arvora de manivelas. Ovalização a - b
O diâmetro da esfera deve ser 2 vezes
o raio do colo.
Obs..: A maneira correta de se efetuar
a medição dos raios é com o auxilio de
calibradores de raio

Pressão das capas dos mancais e


Capas desencontradas Pressão de aperto correta
das bielas. Ponto de medição

Fundamental de Serviço Global Training 86


Mercedes-Benz
Medição com Micrômetro

Pressão de aperto excessiva Pressão de aperto insuficiente

Fundamental de Serviço Global Training 87


Mercedes-Benz
Relógio Comparadores

São instrumentos para medir por meio de comparação. São empregados para controle de desvio com relação a um ponto determinado e para
medição de tolerância para peças em serie.

A aproximação de leitura pode ser de 0,01 mm ou 0,001 mm

Leitura 0,01 - 100 divisões de 0,01 Leitura 0,001 - 100 divisões de 0,001000

Fundamental de Serviço Global Training 88


Mercedes-Benz
Medição com relógio Comparador

Ajuste de referencia Medida de ressalto Medida de rebaixo


Permitindo variação de 5,00mm para medida direta : 7,27 mm Referencia : 5,00 mm
mais ou menos Referencia : 5,00 mm Medida direta : 2,73 mm
Diferença : 2,27 mm Diferença : 2,27 mm

Fundamental de Serviço Global Training 89


Mercedes-Benz
Medição com Súbito

Aplicação do comparador na medição


Ajuste o comparador com micrômetro
de cilindros

Fundamental de Serviço Global Training 90


Mercedes-Benz
Medição com Súbito

Ovalização A - B Conicidade C - D Movimentos a serem efetuados com


suporte telescópico para se obter a leitura
do diâmetro dos cilindros

Cuidados importantes:
Sempre limpar o comparador e as peças antes da medição.
Verifique se o comparador esta fixado corretamente no suporte e devidamente calibrado.
A ponta de contato utilizada na medição deve estar perpendicular a peça
Após o uso guardar o equipamento em seu respectivo estojo

Fundamental de Serviço Global Training 91


Mercedes-Benz
Conceito de Física

Motor - Cilindrada

Cilindrada é o volume ou espaço deslocado pelo embolo do


PMS para o PMI, ou seja, é a quantidade de aspirada pelo
embolo.

V = 3,14 x r² x h x n

V= Cilindrada
R²= raio do cilindro ao quadrado
n= nº de cilindros
h= curso do êmbolo (PMS ao PMI)
Sendo: PMS= Ponto morto superior
PMI= Ponto morto inferior
= Letra grega. Pronúncia “PI” = 3,1416

Fundamental de Serviço Global Training 92


Mercedes-Benz
Conceito de Física

Motor – Relação de compressão

Relação de compressão é a relação volumétrica


entre o volume total (V) e o volume da câmara de
combustão (v) com o Pistão em PMS

T=V+v
v

T = Razão de compressão
V = Volume do cilindro
v = Volume da câmara
de combustão

Fundamental de Serviço Global Training 93


Mercedes-Benz
Força

Força é toda causa capaz de produzir ou alterar o movimento de um corpo. É utilizado o Newton (N) para se
medir.

Força

Fundamental de Serviço Global Training 94


Mercedes-Benz
Torque

Torque é o momento de uma força em relação a um ponto

Pode ser calculado pela fórmula:


T=FxD
N= 100 Newton
m= 1 metro
T = 100N x 1 m = T = 100 Nm

Fundamental de Serviço Global Training 95


Mercedes-Benz
Potência

Potência é todo trabalho realizado por um corpo, em um determinado período de tempo.


Para que uma caixa fosse deslocada a uma distancia de 10m, aplicando-se uma força de 100N, foi gasto um tempo de 5s.

Portanto foi aplicado um potência de 200Watts (W)

Potência = força X distancia = 100N X 10m = 200 Watts


tempo 5 seg....
Por ser o Watt (W) uma medida de dimensão pequena para a utilização em mecânica automotriz, é utilizado o Quilowatt (KW). 1Kw
= 1,36cv

Fundamental de Serviço Global Training 96


Mercedes-Benz
Tabela para conversão

Novas unidades de medidas, segundo "SI".No decorrer dos tempos foram implantados diversos sistemas de medidas,
tornando-se cada vez mais difíceis serem entendidos. A 10ª conferência geral de "pesos e medidas", fixou em Paris um
novo sistema comum de medida. E o "Sistema Internacional de Unidades" que recebeu abreviatura "SI" (do francês
Systeme International d'Unités), válida mundialmente.
As unidades "SI" mais utilizadas em mecânica auto­motriz são:

UNIDADE NOVA UNIDADE ANTIGA


Nomenclatura Denominação Abreviatura Denominação Abreviatura

Potência Watt W Cavalo Vapor cv


Momento de força Newton metro Nm Metroquilograma força mkgf

Massa Quilogramo kg - -
Força Newton N Quilopound kp
Pressão Bar bar Quilograma força por cm² kgf/cm²

Logitude Metro m - -
Intensidade de corrente Ampère A - -
Tensão Volt v - -

Fundamental de Serviço Global Training 97


Módulo 4 - Motor

Motor

Fundamental de Serviço Global Training 98


Mercedes-Benz
Motores de combustão interna

Responsável pela geração da força necessária para movimentar o veículo.

Motor de Combustão Interna

O motor de combustão interna é uma máquina que transforma energia térmica em energia mecânica. Quer dizer, o movimento de
suas partes móveis é provocado pela queima de um combustível, que ocorre no interior de uma câmara de combustão.
O combustível é enviado para esta câmara por um sistema de alimentação. As partes móveis do motor em funcionamento estão
submetidas a atrito e calor, razão pela qual devem ser constantemente lubrificadas e arrefecidas. E para que entrem em
funcionamento é necessário dar-lhes um arranque inicial, por meio de um motor de partida, que está conectado ao sistema elétrico
do veículo.

Fundamental de Serviço Global Training 99


Mercedes-Benz
Motor de combustão interna

Para processar a transformação de energia, o embolo (pistão) do motor é submetido a quatro fases distintas que deram origem
ao termo 4 tempos, estudaremos a seguir:

Fundamental de Serviço Global Training 100


Mercedes-Benz
Combustão

Combustão - Comumente chamada de fogo, a combustão é uma reação química caracterizada pela sua instantaneidade e,
principalmente, pelo grande desprendimento de luz e calor.

Para iniciar uma combustão é necessário adequar em proporções adequadas, três elementos fundamentais que são: ar,
combustível e calor, formando assim o triangulo do fogo.

Fundamental de Serviço Global Training 101


Mercedes-Benz
Tempos do motor

1º Tempo - Admissão

Com a movimentação da árvore de manivelas, o embolo se desloca do ponto morto superior ( PMS )Até o ponto morto inferior (
PMI ).
Neste período a válvula de admissão é mantida aberta, permitindo assim a entrada do ar para dentro do cilindro.

Fundamental de Serviço Global Training 102


Mercedes-Benz
Tempos do motor

2º Tempo - Compressão

A árvore de manivelas gira. Durante o curso do êmbolo do PMI ao PMS, as válvulas permanecem fechadas e o ar existente no
interior dos cilindros é forçado a ocupar um espaço bem menor, ficando comprimido. Essa compressão eleva a temperaturas e
antes que o êmbolo atingir o seu PMS, inicia-se a injeção de combustível. Em conseqüência, o calor do ar inflama o
combustível pulverizado.

Fundamental de Serviço Global Training 103


Mercedes-Benz
Tempos do motor

3º Tempo - Trabalho

Com a queima do combustível, gera-se uma grande quantidade de calor e este aumenta a pressão dos gases. As válvulas
permanecem fechadas e a pressão resultante aplicada sobre o êmbolo, faz com que o mesmo seja empurrado do PMS para o
PMI. Em conseqüência, a árvore de manivelas também é forçada a girar. Dos quatro tempos do motor este é o tempo que
gera força motriz.

Fundamental de Serviço Global Training 104


Mercedes-Benz
Tempos do motor

4º Tempo - Escape

Escapamento ou Exaustão

Nesse período, a válvula de escapamento é mantida aberta e o êmbolo se desloca do PMI para o PMS, expulsando os gases
queimados. Logo em seguida, inicia-se um novo ciclo motor, que começa novamente pelo 1º tempo motor (Admissão). A árvore
de manivelas gira, completando assim 2 voltas para realizar um ciclo completo do motor.

Fundamental de Serviço Global Training 105


Mercedes-Benz
Coordenação dos Êmbolos

A perfeita coordenação dos êmbolos resulta em rotação continua e uniforme da arvore de manivelas

Fundamental de Serviço Global Training 106


Mercedes-Benz
Sistemas do Motor

Distribuição

Admissão de ar

Alimentação de combustível

Escapamento

Arrefecimento

Lubrificação

Fundamental de Serviço Global Training 107


Mercedes-Benz
Sistema de distribuição
Através dos seus componentes o sistema de distribuição controla a entrada de ar e a saída dos gazes de escape nos cilindros

Válvulas responsável pela entrada


de ar proveniente da turbina e saída Balancim responsável pela abertura
de gases de escape das válvulas de admissão e de
escapamento

Varetas acionada pelos tuchos


Tuchos acionado pelo comando de empurra os balancins para abrir as
válvulas empurra as varetas válvulas

Arvore de comando - Comanda a abertura e fechamento das válvulas. Efetua ainda dependendo do motor o acionamento de
outros órgãos do ,motor, tais como: bomba de óleo, bomba injetora, bomba de combustível, compressor de ar, tomada de força e
unidades injetoras ( bomba de injeção )

Fundamental de Serviço Global Training 108


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

A vida do motor depende do ar puro que ele respira. Os filtros de ar, instalado no motor , retém as micro - partículas de
impureza contidas no ar, evitando a ação abrasiva destas, sobre os componentes do motor, geralmente os filtros são do tipo
seco com elemento de papel.

Indicador de restrição do filtro, informa a


obstrução do elemento filtrante ( elétrico
ou mecânico )
Ciclonizador – separa por ação centrifuga as
partículas maiores de impureza, enviando-as
ao coletor de pó

Coletor de pó, deposito das partículas


maiores Elemento filtrante: composto de papel especial, retém
as micro – partículas de impurezas contidas no ar.

Fundamental de Serviço Global Training 109


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

O sistema de alimentação de ar pode ser feita através do sistema de admissão natural, turboalimentada e turboalimentada
com resfriador de ar.

Admissão por aspiração natural Admissão por turboalimentador

Nos motores com aspiração natural é feita através do Nos motores turboalimentados, o ar é introduzido nos cilindros por
deslocamento do pistão do ponto morto superior para o intermédio de um compressor centrifuga, movido por uma turbina.
ponto morto inferior, nesse deslocamento e criado um vácuo
que é abastecido pelo ar atmosférico.

Fundamental de Serviço Global Training 110


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

Turboalimentador
A turboalimentação favorece sobremaneira a homogeinidade da mistura, devido à forte agitação provocada pela pressão e
velocidade do ar no cilindro, melhorando assim o rendimento da combustão

A turbina acionada pelos gazes


de escapamento movimenta o
compressor centrifugo.

Gazes de escapamento

Ar de sobrealimentação

Compressor centrifugo envia ar


sobre pressão aos cilindros

Aumentando o volume de ar nos cilindros, é possível injetar mais combustível, o que pode levar o incremento da potencia e do
torque do motor em até 30% sem diminuir a vida útil do motor.

Fundamental de Serviço Global Training 111


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

No motor turboalimentado equipado com resfriador de ar ( pós resfriador ), obtém-se melhor rendimentos volumétricos
dos cilindros, resultando em aumento de potencia e torque.

O assunto tratado agora requer conceituação de física: A influencia da temperatura sobre o volume e a massa.

Igual quantidade de massa de ar


Diferentes volumes

Igual Volume
Diferente quantidade (massa) de ar

Desta forma torna-se possível colocar, em um recipiente, uma maior quantidade (massa) de ar se diminuirmos sua
temperatura

Fundamental de Serviço Global Training 112


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

Gases de acionamento da turbina

Ar de admissão

Ar de admissão resfriado

Fundamental de Serviço Global Training 113


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

Turbo compressor equipado com wastegate

Com o desenvolvimento de turbinas para gerar maior pressão em baixas rotações, surgiu a
necessidade de uma válvula de alivio em rotações elevadas.
A válvula Wastegate alivia a pressão da turbina.
Maior torque a baixas rotações

•Menor temperatura de trabalho


•Menor índice de emissão de poluentes

Fundamental de Serviço Global Training 114


Mercedes-Benz
Sistema de Alimentação de Ar

Geometria variável
Nos motores dessa série 600 é aplicada um turbocompressor com geometria variável
na área. de escape da turbina. A variação da geometria é comandada pelo módulo
CR e realizada por um conjunto de palhetas na carcaça quente do turbocompressor.
Ao variar suas posições elas modificam o ângulo de incidência dos gases nas pás da
turbina aumentando ou diminuindo a rotação da turbina e variando conseqüentemente
a pressão fornecida pelo compressor ao motor. Isto tem por finalidade proporcionar:
•Maior pressão de carga em baixos regimes de rotação.
•Torque mais alto devido ao melhor enchimento de ar nos cilindros.
•Redução na emissão de poluentes, devido a melhor alimentação de ar do motor.

Ajuste da geometria
1 - Módulo CR
De acordo com a necessidade de carga do motor, o
2 - Válvula reguladora
modulo CR envia um sinal para a válvula controladora
(4), que tem por função regular o vácuo no atuador (3), 3- Atuador
que por sua vez aciona a haste (d) que através da 4 - Sensor de pressão do ar de
borboleta (g) aciona o anel de ajuste (f) que por fim admissão
movimenta as de mais borboletas abrindo ou fechando as
palhetas (h),

Fundamental de Serviço Global Training 115


Mercedes-Benz
Sistema de alimentação de combustível

O sistema de alimentação do motor supre as necessidade de combustível do motor, mantendo uma reserva que atenda seus
diversos regimes de rotação e torque.

Filtro de Combustivel: equipado com


dois elementos filtrante, de feltro ,
Bico injetor: introduz de forma retém as micro-particulas contidas
pulverizada e a alta pressão o no combustível.
combustível enviado pela
bomba injetora, na câmara de
combustão

Bomba injetora: Efetua a


distribuição e a dosagem do
combustível nos cilindros, Bomba de Alimentação: através do
conforme a necessidade do comando mecânico ou manual, retira
motor. o combustível do tanque e envia-o
sob pressão a bomba injetora.

Fundamental de Serviço Global Training 116


Mercedes-Benz
Sistema de alimentação de combustível
Sistema com gerenciamento eletrônico

1- Tanque de combustível 6- Filtro de combustível


2- Bomba manual de alimentação
7- Bico injetor
3- Válvula de retenção
8- Unidade injetora
4- Trocador de calor
10- Válvula de controle de pressão
5- Bomba de combustível

Fundamental de Serviço Global Training 117


Mercedes-Benz
Sistema de alimentação de combustível
Os motores com gerenciamento eletrônico visam sobretudo: - alcançar níveis menores de emissão de poluentes, atendendo às leis
de nacionais e internacionais de preservação ambiental, mecânica mais simples, aliando os benefícios da nova tecnologia de
controle de injeção, com redução de custos. Os motores com gerenciamento eletrônico funcionam com um sistema de
alimentação de combustível controlado eletronicamente. O mecanismo básico é conhecido como sistema BOMBA - TUBO - BICO
e consiste numa unidade injetora por cilindro, interligada ao bico injetor através de uma pequena tubulação de alta pressão.
Os elementos alojados na unidade injetora - injetor, câmaras de pressão e descarga de combustível, válvula de controle de vazão
e eletroímã de acionamento - são responsáveis pelo aumento da pressão e controle do volume de injeção de combustível, que é
conduzido ao bico e distribuído, de forma atomizada, na câmara de combustão.

Tubo de Alta Pressão


Bico Injetor

Unidade Injetora

Valvula reguladora de
Filtro de combustive
pressão

Bomba de Combustive

Fundamental de Serviço Global Training 118


Mercedes-Benz
Sistema de alimentação de combustível

Injeção Direta Common-Rail

A injeção direta Common-Rail (CDI) comparada com a Injeção Direta convencional é um método mais moderno. Aqui o
combustível é armazenado num acumulador, chamado Rail, sob alta pressão (vide Alta pressão de combustível). Assim a pressão
de injeção já está pronta à disposição ao iniciar a injeção. Além disso, a injeção é efetuada de forma seletiva por cilindro e pode
ser livremente configurada à perfeição, também visando a pré injeção.
As vantagens mais importantes da injeção direta Common-Rail são as seguintes: O Ruído de funcionamento é devido a pré
injeção, menos dura do que na injeção tradicional, e o rendimento é nitidamente mais alto que na Injeção em antecâmara. Com
isso produz-se também uma maior rentabilidade assim como uma carga menor de matérias poluentes no meio ambiente. Motores
Diesel com Sistemas Common-Rail, satisfazem as normas de emissão de gás de escape atualmente em vigor e têm também o
potencial de satisfazer normas futuras.
0 Sistema Common-Rail possui comparativamente poucas peças móveis, porque todos os processos de comando e regulação
ocorrem de forma eletrônica. Isto prolonga a vida útil do sistema.
Através do extenso uso da eletrônica no processo de funcionamento do Sistema Common-Rail, este sistema, tem à disposição
todas as informações necessárias para operar o sistema de diagnose. Isto simplifica o diagnóstico nos motores-CDI.

A pressão alta de combustível (até 1350 bar) é produzida pela Bomba de alta pressão, é medida pelo Emissor de pressão do Rail e
com ajuda da Válvula reguladora de pressão ela é regulada ao seu valor nominal num circulo regulador; vide sistema de alta
pressão. Se a pressão do combustível atingir níveis demasiado altos, abre-se o eletromagneto da válvula reguladora de pressão , e
o combustível excedente flui para o retorno. Se a pressão do combustível foi reduzida satisfatoriamente, então a válvula
reguladora de pressão fecha-se outra vez.
A alta pressão de combustível é respectivamente diferente na marcha lenta, com carga parcial e com carga total: Carga total
exige uma pressão mais alta do que carga pardal ou marcha lenta.

Fundamental de Serviço Global Training 119


Mercedes-Benz
Sistema de alimentação de combustível
Sistema de injeção CDI

1 - Reservatório de combustível
2 – Válvula de pré aquecimento de combustível
3 – Filtro de combustível
7 – Rail
4 - Bomba alimentadora de combustível 8 – Injetores
5 - Válvula elétrica de desligamento 9 – Válvula reguladora de pressão

6 - Bomba de alta pressão 10 – Tubulação de retorno


11 – Radiador de combustível

Fundamental de Serviço Global Training 120


Mercedes-Benz
Processo de formação da combustão
A forma da câmara de combustão o posicionamento do bico injetor e o ângulo de injeção determinam o processo de formação da
mescla ar-combustivel. Quanto ao formato a câmara de combustão pode ser divida pelo menos em dois tipos.

Injeção indireta: A combustão tem inicio no interior da pré-camara expandindo para câmara de combustão principal no topo do
pistão.

-Pré câmara com turbilhonamento. -Pré câmara com pré aquecimento

- Injeção direta: A combustão se dá diretamente sobre a câmara de combustão na cabeça do pistão.

Fundamental de Serviço Global Training 121


Mercedes-Benz
Tipos de comandos de válvulas

Distribuição por válvulas


Existem dois sistemas na distribuição por válvulas: por meio do eixo de comando de válvulas montado no bloco do motor, ou por
meio do eixo de comando de válvulas montado no cabeçote do motor.
Nos motores de veículos comerciais pesados, normalmente são utilizados os eixos de comando de válvulas no bloco do motor.

OHC (overhead camshaft)


Comando simples de válvulas no cabeçote

1- Arvore de comando
2- Engrenagens movida /motora
3- Arvore de manivelas
4– Tucho
5- Vareta
6- Balancim
7- Eixo dos balancins
8- Válvulas.

Ciclo Otto
Fundamental de Serviço Global Training 122
Mercedes-Benz
Tipos de comandos de válvulas

DOHC (double overhead camshaft) Comando Duplo de Válvulas no Cabeçote

O eixo de comando de válvulas no cabeçote é


utilizado em motores que operam em altas rotações.
1- Comando de válvulas de escapamento
2- Comando de válvulas de admissão
3- Tuchos hidráulicos
4- Molas da válvula
5- Vela aquecedora
6- Válvulas de escapamento
7- Válvulas de admissão
8- Pistão
50 - Bico injetor

Fundamental de Serviço Global Training 123


Mercedes-Benz
Arvore de manivelas
Árvores de Manivelas
A árvore de manivelas é o componente que suporta as bielas e os êmbolos, e que transforma o movimento retilíneo em angular
disponibilizando este no volante. A forte força gerada pela pressão resultante da expansão dos gases é transmitida à árvore de
manivelas através dos êmbolos e bielas. O efeito dessa pressão é aumentado pela alavanca formada pela manivela e resulta em
movimento giratório, e força de torção ou, simplesmente torque. Por esta razão, a árvore de manivelas deve ser muito resistente.
Em motores Diesel, a mesma é geralmente construída de aço forjado de liga especial, e todos os colos dos mancais e moentes
das bielas são temperados por processo especial. A árvore de manivelas ou virabrequim como é popularmente dito, deve ainda ser
balanceada para evitar vibrações, que afetam sensivelmente o bom funcionamento dos motores.
No exemplo abaixo, temos uma árvore de manivelas com 4 cilindros em linha, com uma ordem de injeção 1 4 3 2, ou seja, a cada
180º ocorre uma combustão.

1 – Arvore de manivelas
2 – 3 Bronzinas

Fundamental de Serviço Global Training 124


Mercedes-Benz
Motor em linha
Disposição dos Êmbolos

1-- Comprido e mais pesado


2- Torque mais uniforme, devido à sobreposição das sucessivas combustões
3 - Bom equilíbrio mecânico, reduz as vibrações
4- Árvore de manivelas assentada em 4 a 7 apoios, com grande resistência e
evitando a flexão

Nesse tipo de árvore de manivelas o ângulo de injeção ocorre a cada 120° em


motores de 6 cilindros.

Motor em V
ƒ Montado em duas linhas, com um ângulo de inclinação de 90° entre
Motor em V elas
ƒ Conjunto mais curto, com árvore de manivelas mais curta e rígida,
ƒ Suavidade em elevado regime de rotação
ƒ Bloco com alta rigidez
ƒ Menor altura

Fundamental de Serviço Global Training 125


Mercedes-Benz

Bloco e cabeçote

Bloco de Cilindros

O bloco de cilindros ou bloco do motor é o núcleo do motor. Nele


estão localizados os orifícios cilíndricos por onde deslizam os
êmbolos e os canais pelos quais circula o líquido de arrefecimento e
lubrificação.
Como material para a fabricação do bloco de cilindros, normalmente,
são utilizadas ligas
ferrosas e de alumínio. Bloco em V Bloco em linha

Cabeçote

O cabeçote fecha os cilindros na parte superior. No cabeçote estão


localizados os condutos de admissão e de escapamento com
suas respectivas válvulas, bem como os bicos injetores.
O cabeçote é submetido a enormes esforços térmicos, razão Cabeçote individual
pela qual é usada para a sua elaboração uma liga ferrosa leve de
boa condutibilidade térmica muito resistente a altas temperaturas.

Cabeçote inteiriço
Fundamental de Serviço Global Training 126
Mercedes-Benz
Embolo, Anéis e Biela

Êmbolo

O êmbolo, ou pistão, é uma peça móvel que fecha a câmara de combustão com
relação ao cárter O êmbolo transmite a força, resultante da combustão, para a
árvore de manivelas através da biela. Geralmente, os êmbolos são fabricados com
uma liga leve

Anéis

Os anéis evitam o vazamento dos gases de combustão para o cárter e também a


entrada de óleo de lubrificação da árvore de manivelas na câmara de combustão.
Diferenciam-se entre anéis de compressão e anéis raspadores de óleo.

Biela

A biela é o componente que acopla o êmbolo com a árvore de manivelas. Transmite


à árvore de manivelas a força exercida pelos gases de combustão sobre a cabeça
do êmbolo.

Fundamental de Serviço Global Training 127


Mercedes-Benz

Regulador e Bico injetor

Regulador do número de rotações

O regulador do número de rotações está encostado diretamente na bomba injetora, este


governa o regime do motor em marcha lenta e no número máximo de rotações. De acordo
com o tipo de regulador empregado, também pode ser regulado o número de rotações
intermediárias.

Bico injetor

O bico injetor pulveriza o combustível no interior da câmara de combustão.


Início de funcionamento: a bomba injetora gera pressão na tubulação de combustível. Após ser
atingida uma pressão determinada, ergue-se a agulha de assentamento e fica livre o orifício de
injeção. Uma potente mola mantém a contrapressão (pressão de fechamento), regulada
através de um parafuso de regulagem de pretensão. Depois da pressão de bombeamento ter
se reduzido novamente abaixo de um determinado valor, a mola força a agulha a retornar para
a sua posição inicial e assim finaliza a injeção. Conforme o procedimento de injeção escolhido,
são aplicados injetores de formas especiais para a distribuição do jato de combustível no
interior da câmara de combustão.

Fundamental de Serviço Global Training 128


Mercedes-Benz
Avanço Automático centrifugo

A quantidade requerida de combustível em altas rotações não é compatível com o tempo de injeção.
Para que a quantidade exata seja entregue a injeção inicia-se adiantada a fim de dar tempo o suficiente para formar a mistura ar-
combustível. Por este motivo é que são adotados avanços automáticos .
Montado na parte frontal da bomba injetora no eixo excêntrico ou na arvore de comando do motor, movida pela engrenagem da
arvore de manivelas (virabrequim), o avanço automático é dotado de contrapesos que são atuados da força centrifuga de modo
gradual dependendo da rotação em que se encontra o motor sendo que o maior ângulo de avanço é alçando geralmente na
máxima rotação do motor.
Os contrapesos (1) vencem a força das molas que transmitem o movimento angular para o eixo torcional (2) que por conseguinte
o move no sentido contrario de giro da arvore de comando proporcionado o avanço necessário.

Fundamental de Serviço Global Training 129


Mercedes-Benz
Bomba Rotativa

Função
Injetar combustível sob alta pressão na câmara decombustão do motor (850 bar), na
quantidade exata e no momento exato, conforme a carga e a rotação do motor.
• Características:

ƒ Lubrificação com o próprio óleo diesel;


ƒ Tamanho e peso reduzidos;
ƒ Somente um cilindro e um único pistão;
ƒ Integrou-se regulador e avanço automático (função da temperatura, rotação e carga)
ƒ Dispositivo de avanço para partida a frio, otimizando o tempo e duração de injeção,
permitindo uma ótima combustão e um bom desempenho;
ƒ Dispositivo de parada elétrica na chave.

Funções dos grupos componentes


1- Bomba alimentadora de palhetas com válvula reguladora de pressão: aspira
combustível e produz pressão na câmara interna da bomba.
2- Bomba de alta pressão com distribuidor, produz pressão de injeção, alimenta e
distribui combustível.
3- Regulador mecânico de rotação: faz a regulagem do débito de injeção em função da
rotação e solicitação do pedal do acelerador.
4- Válvula eletromagnética de parada (ELAB): interrompe o débito de combustível.
5- Avanço de injeção: regula o início da injeção dependendo da rotação e, em parte, da
carga.
Fundamental de Serviço Global Training 130
Mercedes-Benz

A distribuição energética do motor

Como podemos ver abaixo , de toda a energia produzida pelo combustível somente 37% e aproveitada o restante é desperdiçada
pelo escapamento, sistema de pós resfriamento e sistema de arrefecimento do motor.

Sistema
de
escapamento
42 %

Combustível Sistema de
Motor
100 % arrefecimento
37 %
16 %

Sistema
de pós
resfriamento
(12 %)

Fundamental de Serviço Global Training 131


Mercedes-Benz

Sistema de arrefecimento
O motor de combustão, transforma em trabalho útil, somente uma pequena parte (34%) da energia liberada pela queima do
combustível. Os gases quentes da combustão, aquecem principalmente o bloco do motor, e saem em parte sem ser aproveitados,
pelo coletor de escapamento. O excesso de calor gerado pela queima do combustível no interior do motor, é levado para o radiador
através o líquido do sistema de arrefecimento. O sistema de arrefecimento tem como função garantir que a temperatura de serviço
no interior do motor nunca ultrapasse um valor pré-determinado, a fim de evitar o superaquecimento das peças e dos lubrificantes.
Existem dois tipos muito comuns
de sistema de arrefecimento: o “arrefecimento a ar” e o “arrefecimento a água”. Atualmente dá-se preferência ao arrefecimento a
água.
Para tanto, bombeia-se um agente refrigerador líquido através do circuito de arrefecimento do bloco do motor. Existem ainda
alguns motores com arrefecimento direto ou arrefecimento forçado a ar. Nestes motores, o calor é expelido diretamente do motor
através do ar que o circunda. Se por algum motivo acontecer uma falha no sistema de arrefecimento do motor, se processará um
superaquecimento, e com isso as peças do motor se dilatarão excessivamente causando vários tipos de anomalias e se
desgastarão com maior rapidez.

Sistema de arrefecimento de ônibus Sistema de arrefecimento de caminhão


Fundamental de Serviço Global Training 132
Mercedes-Benz
Sistema de arrefecimento

Sistema de arrefecimento com a válvula Sistema de arrefecimento com abertura parcial da


termostatica fechada (motor frio ) válvula termostatica (motor com temperatura normal
de funcionamento)

Sistema de arrefecimento com abertura total da válvula


termostatica (motor aquecido)

Fundamental de Serviço Global Training 133


Mercedes-Benz
Sistema de arrefecimento

Tampa do radiador pressurisa o sistema de


arrefecimento evita, retardar o ponto de ebulição Válvula termostatica controla o fluxo do liquido de
reduzir as perdas pela evaporação e evitar o arrefecimento em função da temperatura, mantendo o motor
fenômeno da cavitação em temperatura adequada para o funcionamento

Reservatório de expansão
armazena o liquido
refrigerante para que não
haja perda. Ventilador ativa a circulação de ar para
a refrigeração do radiador

Radiador efetua a troca de calor


entre liquido de arrefecimento do
circuito e o ar externo

Bomba de água centrifuga ativa a circulação do


Defletor de ar auxilia o ventilador a direcionar o fluxo liquido refrigerante por todo o circuito de
de ar externo arrefecimento

Fundamental de Serviço Global Training 134


Mercedes-Benz
Sistema de lubrificação

As peças móveis do motor submetidas a atrito geram calor e necessitam continuamente de de lubrificantes entre as superfícies
de contato. A primeira função desse óleo é de lubrificar os componentes, em seguida dissipar o calor, vedar, limpar, remover as
partículas geradas por desgaste em locais de atrito, mantendo-as em suspensão. Em função das exigências dos óleos
lubrificantes bem como seus incremento determina-se o período de troca, cada vez mais é utilizado óleos sintéticos ou semi-
sintéticos e de aditivação.
Os aditivos são classificados de acordo com as funções que desempenham:
ƒ Melhorar a viscosidade
ƒ Mudar ponto de solidificação
ƒ Inibidores de oxidação e corrosão
ƒ Anti-espumantes
ƒ Modificadores de fricção
ƒ Aditivos para alta pressão (aditivos EP)
ƒ Aditivos detergentes e dispersantes.
A Mercedes-Benz do Brasil S.A., analisa constantemente os óleos das diversas Empresas produtoras. Somente depois de
comprovar as qualidades necessárias libera os mesmos para o uso em seus produtos.

Fundamental de Serviço Global Training 135


Mercedes-Benz
Sistema de lubrificação

Filtro de óleo

Injetor de óleo

Intercambiador de calor
Linha de pressão

Bomba de óleo Linha de sucção


Válvula limitadora de pressão

Fundamental de Serviço Global Training 136


Mercedes-Benz
Sistema de lubrificação

A bomba de óleo do motor, faz circular sob pressão o óleo lubrificante, levando-o para todos os pontos que
requerem lubrificação através de galerias existentes no bloco e cabeçote do motor. Os cilindros são
lubrificados pelo óleo que extravasa dos colos das bielas e mancais. As hastes das válvulas, as
articulações esféricas das varetas de acionamento dos balancins, os tuchos, as engrenagens da
distribuição também são lubrificados pelo óleo vazado dos mancais, os quais são lubrificados sob pressão.

intercambiador de calor é um dispositivo que permite manter o óleo lubrificante em temperatura ideal de
trabalho, independentemente da carga do motor ou de fatores externos. Fluindo por um sistema de canais
em contato com o circuito de água do sistema de arrefecimento, o óleo lubrificante é aquecido rapidamente
nas partidas e arrefecido durante o serviço contínuo

Todo óleo destinado à lubrificação do motor, é forçado a passar por um sistema de filtragem no qual são
retidos as partículas existentes no mesmo. Em casos de obstrução do elemento filtrante do tipo cartucho
de papel especial, uma válvula de segurança intercalada no circuito, abre-se e permite a passagem do
óleo para lubrificar o motor, porém com óleo não filtrado

Fundamental de Serviço Global Training 137


Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico
Gerenciamento Eletrônico
O módulo de gerenciamento do motor é chamado de PLD/MR e está fixo ao bloco do motor e tem como função principal a
energização da solenóide da unidade injetora, no momento adequado, em função das condições internas e externas do motor, tendo
em conta as solicitações de carga, consumo bem como emissões, a precisão da injeção se dá em função do sensor de PMS e de
rotação que informa a posição instantânea e exata em que deva ocorrer a injeção, o módulo PLD/MR processa a injeção tendo em
conta as informações enviadas pelos demais sensores abaixo, como também informações que chegam via comunicação CAN BUS.

Sensores motor série 900


Temp e pressão de Ar
Pressão de Óleo

Temp Óleo

Unidades Injetoras

Temp Água

Sensor do comando
Temp Diesel

Pressão Atmosférica Sensor do volante

Nível de óleo
PLD
Fundamental de Serviço Global Training 138
Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico

Os motores com gerenciamento eletrônico visam sobretudo: - alcançar níveis menores de emissão de poluentes, atendendo às leis
de nacionais e internacionais de preservação ambiental, mecânica mais simples, aliando os benefícios da nova tecnologia de
controle de injeção, com redução de custos. Os motores com gerenciamento eletrônico funcionam com um sistema de alimentação
de combustível controlado eletronicamente. O mecanismo básico é conhecido como sistema BOMBA - TUBO - BICO e consiste
numa unidade injetora por cilindro, interligada ao bico injetor através de uma pequena tubulação de alta pressão.
Os elementos alojados na unidade injetora - injetor, câmaras de pressão e descarga de combustível, válvula de controle de vazão e
eletroímã de acionamento - são responsáveis pelo aumento da pressão e controle do volume de injeção de combustível, que é
conduzido ao bico injetor e distribuído, de forma atomizada, na câmara de combustão.

Bico Injetor
Tubo de Alta Pressão

Unidade Injetora

Fundamental de Serviço Global Training 139


Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico
Para dar início ao processo de injeção, estão envolvidos os movimentos do elemento injetor e da válvula de controle de vazão. Ao
receber um pulso de tensão, o eletroímã gera um campo magnético, que retrai a válvula de controle de vazão, fazendo com que
ocorra o início da injeção.
Enquanto o eletroimã estiver energizado haverá fluxo de combustível ao injetor.
O sistema de gerenciamento eletrônico é responsável por enviar os pulsos de tensão a todos os eletroímas das unidades injetoras.

A estrutura do processo de injeção é composta por 4 fases:

1 - Curso de admissão (o elemento injetor 2. Curso prévio (o elemento injetor desloca-se para cima e
desloca-se para baixo e permite a entrada do parte do combustível é descarregada no canal de retorno)
combustível na câmara de pressão)

Fundamental de Serviço Global Training 140


Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico

3. Curso de alimentação (o eletroímã recebe o pulso 4. Curso residual (o combustível excedente não injetado é
de tensão enviado pelo sistema de gerenciamento despejado na câmara de descarga e retorna ao tanque).
eletrônico, retraindo a válvula de controle de vazão, o Enquanto o eletroimã estiver energizado, haverá fluxo de
que provoca o início da injeção) combustível ao injetor.

O fim da injeção ocorre quando o sistema de gerenciamento eletrônico desenergiza o eletroímã de acionamento. A válvula de
controle retorna então à condição de repouso, despressurizando a câmara de alta pressão. Se for detectada qualquer falha no
sistema de injeção, as unidades de controle do sistema de gerenciamento eletrônico utilizam valores de recuperação, permitindo o
deslocamento do veículo até um concessionário.
Os motores com gerenciamento eletrônico proporcionam, assim, conforto e segurança, com baixos níveis de emissão de
poluentes.

Fundamental de Serviço Global Training 141


Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico

O módulo de comando do motor, denominado pela


Mercedes-Benz: PLD (abreviado do Alemão , significa
BOMBA – TUBO - BICO ( Pumpe Leitung Duese )
Mas também é chamado de MR.

Possibilita torque e potência mais elevados

ƒ Menor ou igual consumo de combustível


ƒ Aumento dos intervalos de manutenção
ƒ Elevada durabilidade
ƒ Manutenção facilitada com diagnose de falhas
ƒ Dispensa regulagens mecânicas
ƒ Não necessita de componentes extras para parada do motor
ƒ Suprimidos componentes mecânicos de controle do motor
ƒ Menor número de peças de reposição
ƒ Regulagem de potência e torque do motor (parametrização)
ƒ Regulagem automática do débito de partida

Fundamental de Serviço Global Training 142


Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico
Como principal função, o módulo do veículo ADM controla o sinal do pedal do acelerador, este sinal é digital e é chamado de sinal
PWM. A solicitação do pedal e transformada em solicitação de torque pelo FR/ADM e enviada ao MR/PLD através da linha CAN.
O módulo do veículo também é responsável por ativar o freio motor e top-brake, bem como ativar luzes e ponteiros indicativos do
painel de instrumentos.
A linha de comunicação entre os módulos do veículo é chamada de linha CAN, por esta linha passam informações importantes a
serem compartilhadas entre os módulos . É importante lembrar que a linha é um sistema organizado, onde cada informação tem um
nível de prioridade e sempre que um módulo envia uma informação, o outro módulo ao receber, envia uma resposta confirmando o
recebimento da mensagem.

ADM

Linha CAN
(Controler Air Network)

Sinal para as Pedido de


Unidades injetoras aceleração

Fundamental de Serviço Global Training 143


Mercedes-Benz
Gerenciamento eletrônico

Painel de
instrumentos

Tacografo Ponto estrela

Linha CAN Pedido de aceleração

FR

Sinal para as unidades


injetoras

Fundamental de Serviço Global Training 144


Mercedes-Benz
Curva de desempenho
Motor OM 904 LA

Fundamental de Serviço Global Training 145


Módulo 7 – Freios Auxiliares

Freios Auxiliares

Fundamental de Serviço Global Training 146


Mercedes-Benz
Retardador Hidráulico

Freio continuo primário ou secundário que transforma a energia cinética do veiculo em energia térmica com a ajuda de fluidos
(oleo/liquido de arrefecimento).
Devido a utilização destes fluidos é que o freios contínuos hidrodinámico são chamados comumente somente de freios
hidrodinámicos.
O calor gerado se dissipa na maioria dos retardadores através do intercambiador de calor que esta conectado ao sistema de
arrefecimento do motor.

O retardador é um freio de alto rendimento capaz de desacelerar veículos de grande toneladagem com total segurança e
efetividade.
A potencia de frenagem do retardador é de aproximadamente o dobro do valor da potencia do motor do veiculo.

Óleo Transmissão

Retardador

O rotor, acionado pela arvore de transmissão (cardã), acelera o óleo , o qual e desacelerado no
estator.
A turbulência do óleo dasacelera o rotor, freando dessa maneira o veiculo. O calor gerado
durante a freada é dissipada através do sistema de refrigeração do motor.

Fundamental de Serviço Global Training 147


Mercedes-Benz
Retardador Eletromagnético

Freio de corrente parasitarias ( arrefecimento por ar)


Freio continuo secundário montado na arvore de transmissão (carda) o processo de frenagem se dá por meio de correntes elétrica
parasitarias.
E o calor gerado é arrefecido por ar ou por liquido de arrefecimento
O condutor pode solicitar através de um dispositivo a atuação do retardador parcialmente ou ate 100%, esta função deve ser
ativada de forma progressiva.

Fundamental de Serviço Global Training 148


Mercedes-Benz
Freios Auxiliares

Freios contínuos primários


O sistema de freios contínuos se dividem em freios contínuos primários e secundários de acordo com a montagem dentro do trem
de força.
Os freios contínuos primários atuam sobre a trem de força antes da caixas de marchas .
Portanto a potência de frenagem depende da rotação em que se encontra o motor e se pode incrementar a potencia de frenagem
através de mudanças de marchas.
Podemos dizer que freios contínuos primários são os freios que atuam no motor, no entanto há também retardadores que são
montados à frente do cambio de marchas.

Freios contínuos secundários


Os sistemas de freios contínuos secundários são montados entre a caixa de marchas e o eixo motriz atuando assim na cadeia
cinemática.
Seu efeito de frenagem dependa do numero de rotação da árvore de transmissão (cardã) e a potência aumenta conforme aumenta
a velocidade do veiculo.
Estes sistemas de freio são exclusivamente retardadores.

Fundamental de Serviço Global Training 149


Mercedes-Benz
Freio Motor

Os melhoramentos introduzidos nos motores resultam apenas em um ligeiro


aumento da potência de frenagem. O sistema de freio motor é do tipo borboleta
de pressão dinâmica, montado no sistema de escapamento. Quando a borboleta
do freio motor se fecha, gera uma contrapressão no sistema de escapamento
contra a qual os êmbolos têm que efetuar o trabalho de exaustão no 4o. tempo
do motor (escapamento), resultando na frenagem do motor.

Durante os ciclos funcionamento do motor de 4 tempos, o ar expulso do cilindro é


comprimido no coletor de escape, estando a borboleta na posição fechada o ar devera
vencer a resistência, o provoca desaceleração do veiculo.

O Freio Motor é um sistema de freio auxiliar que deve ser empregado tanto em frenagens prolongadas em longos declives, como
para desacelerações em tráfego normal.
Quanto mais reduzida for a marcha engrenada na caixa de mudanças, maior será a eficiência do Freio Motor. A correta utilização
do Freio Motor não causa danos ao motor e permite prolongar a vida útil das guarnições e tambores de freio. Em longos declives,
a utilização do Freio Motor poupa o freio de serviço, assegurando sua total eficiência em caso de eventuais emergências.
Quando aplicado o Freio Motor, o motor poderá até atingir a rotação máxima permitida sem que isto implique em algum dano.

Fundamental de Serviço Global Training 150


Mercedes-Benz
Estrangulador Constante ( Top Brake )
Componente do freio motor criado e desenvolvido pela Mercedes-Benz,
No motor que trabalha pelo princípio de quatro tempos, durante o tempo de compressão se alivia a pressão de compressão
por meio de uma válvula adicional montada no cabeçote. Como conseqüência se reduz o trabalho de descompressão no
tempo de expansão (trabalho), deste modo o embolo não se acelera em seu movimento descendente.
Basicamente a diferença entre a borboleta de escape e o estrangulador constante é que este atua durante o tempo de
compressão.

Com o freio motor aplicado, os estranguladores constantes no cabeçote estão abertos e a borboleta no sistema de escapamento
fechada.

Fundamental de Serviço Global Training 151


Mercedes-Benz
Estrangulador Constante ( Top Brake )

No 2º tempo do motor (compressão), durante o rápido movimento ascendente dos êmbolos, a


quantidade de ar expelida através dos estranguladores existentes no coletor de escapamento é
pequena, de forma que a compressão desejada não é comprometida significativamente. Somente
uma fração de ar comprimido é expelida através dos estranguladores constantes.

No inicio do 3º tempo (expansão) é, contudo, responsável pela considerável redução na pressão


atuante sobre os êmbolo, com conseqüente redução de trabalho de expansão.
Nos motores com freio motor convencional (sem Top Brake), o aproveitamento da potência de
frenagem obtida no tempo de compressão é desprezível porque a força de expansão do ar
atuando sobre os êmbolos no 3º tempo do motor, recupera praticamente todo o trabalho de
compressão do tempo anterior. Em contrapartida, nos motores equipados com freio motor e Top
Brake, com a expansão do ar consideravelmente reduzida, a diferença entre os trabalhos de
compressão e de expansão é muito maior, resultando em um ganho significativo de potência de
frenagem do motor. Assim, a elevada potência de frenagem do freio motor com Top Brake é
conseqüência da resistência pneumática encontrada pelos êmbolos durante os tempos de
compressão e escapamento do motor.

Fundamental de Serviço Global Training 152


Mercedes-Benz
Turbo Brake
O Turbo-Brake consiste em um eficiente equipamento de freio adicional que, em conjunto com o consagrado sistema Top-
Brake, proporciona uma elevada potência de frenagem auxiliar, que pode chegar a mais de 300 Kw a 2200 rpm. O princípio
de funcionamento baseia-se em aumentar a velocidade da turbina quando o sistema é acionado. Assim, o rotor compressor
irá introduzir mais ar no interior dos cilindros e conseqüentemente, haverá maior resistência ao deslocamento dos êmbolos
nas fases de compressão e escapamento, aumentando a capacidade de frenagem. Quando o sistema não está acionado, a
luva encontra-se em repouso. Com o acionamento do Turbo-Brake a luva se desloca na direção da turbina, com isso há uma
aceleração da turbina.

Luva corrediça (placa de fluxo): retraída


O turbobrake se baseia em um turbo compressor convencional cuja a sua característica mais e importante é uma luva
deslizante montada ao lado da turbina dos gases de escape.

Fundamental de Serviço Global Training 153


Mercedes-Benz
Turbo Brake

Luva corrediça (placa de fluxo): estendida

O sistema conta com uma válvula


baypass que alivia a pressão do ar
dando a opção de 50% de eficiência

Válvula baypass fechada para partida e Válvula baypass aberta motor parado e
100% de eficiência do turbo brake 50% de eficiência do turbo brake

Fundamental de Serviço Global Training 154


Módulo 5 - Embreagem

Embreagem

Fundamental de Serviço Global Training 155


Mercedes-Benz
Função da embreagem

A embreagem corresponde ao mecanismo localizado entre o motor e a caixa de mudanças na transmissão.


As suas funções são:

•Transmitir o torque do motor à caixa de mudanças, permitindo uma arrancada suave do veiculo sem solavancos, alem disso a
embreagem separa o motor da caixa de mudanças sempre que seja necessário e transmiti a força do motor à caixa de mudanças
ao longo do percurso.

•Acoplar e desacoplar o motor nas mudanças de marcha;

• Depois do engrenamento, e durante o movimento do veículo, transmitir o torque do motor à caixa de mudanças sem deslizar.

Placa de pressão
Carcaça do platô
Volante do motor

Rolamento da embreagem

Alavanca de
acionamento

Disco de embreagem

Mola membrana
Fundamental de Serviço Global Training 156
Mercedes-Benz
Tipos de embreagem
Nos veículos comerciais é comum a utilização de embreagens a seco, monodisco ou bi disco a seco, que funcionam com base no
princípio de fricção. Uma embreagem a seco é constituída dos seguintes componentes:

- Disco da embreagem, no qual são fixadas com rebites as lonas de fricção;


- Garfo e rolamento de acionamento.
- Placa do platô, que pressiona o disco da embreagem contra o volante do motor através de um sistema de molas.
- O disco da embreagem está localizado sobre a árvore primária da caixa de mudanças, de forma que pode ser deslocado. Com o
dispositivo engrenado, as molas pressionam o disco da embreagem e as lonas de freio contra o volante de inércia acoplado ao
motor.

Dessa forma é estabelecida a força de arrasto. Quando o motorista pisar no pedal da embreagem, a união mecânica fica
interrompida entre o motor e a caixa de mudanças: o disco da embreagem separa-se do volante de inércia, desfazendo-se a força
de arrasto. A transmissão da força do pedal para a embreagem normalmente se efetua por via hidráulica, em alguns casos,
auxiliada hidropneumaticamente e em veículos mais antigos mecanicamente.

Embreagem com molas helicoidais Embreagem com mola membrana


Fundamental de Serviço Global Training 157
Mercedes-Benz
Volante Bi-massa ZMS

O volante Bi-massa (ZMS) foi desenvolvido com o objetivo de reduzir ruídos e vibrações produzidos pelo conjunto de motor e
cambio, através de um sistema de amortecimento por molas e atritos. Oferece maior conforto ao motorista e reduz necessidade de
isolamento acústico no veiculo. O ZMS permite que o motor trabalhe em rotações mais baixas, sem comprometer o rendimento do
veiculo. Como resultado há diminuição da freqüência de trocas de marchas e possível redução do consumo de combustível.
A embreagem Auto-Ajustavel (SAC) tem por objetivo impedir o que é popularmente chamado de “pedal duro “, ou seja, aumento da
força de pedal causado pela mudança de posição da mola diafragma do platô provocada pelo desgaste natural do revestimento do
disco. A embreagem SAC tem um sistema que compensa esse desgaste e mantém a mola diafragma sempre na sua posição
ideal. O motorista usufrui de maior conforto ao dirigir, uma vez que o esforço do pedal se mantém constante e suave por toda a
vida da embreagem, aumentando a durabilidade do conjunto.
Mola diafragma: mola do platô que garante a força de contato do disco com a placa do platô e com o volante do motor,
transmitindo o torque do motor para a transmissão .

Como o próprio nome diz, o volante é composto de duas massa que podem girar no sentido oposto uma da outra, a parte primaria
no lado do motor e a parte secundaria do lado da transmissão. A massa primaria é fixada por parafusos diretamente ao
virabrequim do motor ( centrado por guia de ajuste ). A embreagem é fixada na massa secundaria. A transmissão do torque entre a
massa primaria e secundaria é realizada através das molas e de amortecedor de torção.

Fundamental de Serviço Global Training 158


Mercedes-Benz
Volante Bi-massa ZMS

A tarefa do amortecedor de torção é diminuir as vibrações do motor e com ele os ruídos do ciclo de trabalho. A curva característica
do amortecedor de torção do volante Bi-massa ZMS, depende do motor e das características deste o do veiculo que será aplicado.
Por este motivo, pode ser necessário, ainda que temos o mesmo motor em diversos veículos, que seja montado diferentes
volantes bi-massa ZMS.

Fundamental de Serviço Global Training 159


Mercedes-Benz
Volante Bi-massa ZMS

Com isso o disco de embreagem não faz necessário ser dotado de molas de torção. Favoravelmente há redução da massa do
disco de embreagem, conseqüentemente redução de massa oscilante a ser sincronizada, a transmissão é capaz de engatar as
marchas mais facilmente e o desgaste dos anéis sincronizadores será menor.
Lembrando que , quanto maior são as forças de inércia das massas oscilante, maior será a ressonância e os picos de força no
momento de acoplamento da embreagem. No caso do volante ZMS, isto é muito mais perceptível durante a partida e
desligamento do motor, comparado a um motor dotado de sistema convencional. Por outro lado motores de baixa massa
centrifuga tem menor efeito de estabilidade em flutuações / oscilações do RPM do motor.
Para solucionar este problema um dispositivo adicional previne a sobre carga de ressonância. Contudo durante sua operação
normal não tem efeito e a vibração torcional do motor é filtrada pelas molas do sistema de amortecimento. O perfeito
funcionamento do sitema depende da constante e comprimento adequado das molas de torção.

Fundamental de Serviço Global Training 160


Mercedes-Benz
Volante Bi-massa ZMS

cMassa Primária
dMassa Secundária
eElemento de amortecimento (mola em arco)
fLimitador de torque
gCremalheira para partida

Fundamental de Serviço Global Training 161


Mercedes-Benz
Acionamento da embreagem

Embreado Debreado

O disco de embreagem está fixado à árvore primária. As molas Com o pedal acionado, entre o volante do motor e o
atuam sobre a placa de pressão que pressiona o disco de disco de embreagem não há ligação. O volante do
embreagem contra o volante. Assim a força do motor pode ser motor e o platô gira livremente em volta do disco.
transmitida para a árvore primária. O volante do motor e a árvore
primária tem a a mesma rotação.
A força percorre então o caminho representado pela seta acima.

Fundamental de Serviço Global Training 162


Mercedes-Benz
Disco de embreagem

A embreagem como proteção contra sobrecargas

Através do atrito, a força do motor é transmitida do volante do


motor para a árvore primária.
Em função desse atrito é dimensionada a embreagem, para que a
força seja transmitida integralmente.
Em caso de acoplamentos bruscos (sobrecargas) o impacto é
amortecido por desligamento da embreagem, evitando assim
danos ao motor e à transmissão.

A embreagem como amortecedor de vibrações

Na tração também podem ocorrer vibrações, provocadas por:

• Não uniformidade na combustão dos cilindros


• Folga entre os dentes das engrenagem da caixa de mudança
• Condições das estradas

Para reduzir a vibrações e e liminar os ruídos que as


acompanham, os discos de embreagens são construídos com
amortecedores de vibração.
A força passa do disco para o cubo através das molas. Estas, por
sua vez, amortecem eventuais “trancos” ou “vibrações”.

Fundamental de Serviço Global Training 163


Mercedes-Benz
Tipos de acionamento

Acionamento da embreagem (Hidráulico) Acionamento da embreagem (Hidro-servo-pneumático)


Com o acionamento do pedal de embreagem, o cilindro Com o acionamento do pedal de embreagem, o cilindro
emissor pressiona o fluído que deslocará o pistão do emissor pressiona o fluido que, na forma de um sinal,
cilindro receptor acionando assim a embreagem. acionará o servo da embreagem.
Utilizando o ar comprimido, o servo da embreagem fará o
acionamento da embreagem.

Fundamental de Serviço Global Training 164


Mercedes-Benz
Servo da embreagem

Cilindro em repouso

Cilindro acionado

Fundamental de Serviço Global Training 165


Módulo 6 – Caixa de Mudanças

Caixa de Mudanças

Fundamental de Serviço Global Training 166


Mercedes-Benz
Função / Objetivo

ƒ Adequar o torque e rotação provenientes do motor de acordo com as necessidades de operação do veículo;
ƒ Possibilitar o funcionamento do motor com o veículo parado.
ƒ Inverter o sentido de rotação da árvore de transmissão em relação ao motor
ƒ Possibilitar o ponto morto

As caixas de mudanças manuais são constituídas basicamente por engrenagens de rodas dentadas. Para variar o fator de
multiplicação, transmite-se a força motriz através de diferentes pares de engrenagens.

Fundamental de Serviço Global Training 167


Mercedes-Benz
Conceito

A caixa de mudanças também é chamada tecnicamente de dispositivo de mudança


de torque. Ela permite-nos selecionar maior velocidade com menos torque, ou pouca
velocidade com grande torque, de acordo com as necessidade do movimento.

O torque (medido em Nm) é o produto de uma força fornecida por uma


alavanca. Quanto maior a alavanca, maior será o torque (força).

As engrenagens operam como alavancas, de tamanhos maiores ou


menores. Quanto maior a engrenagem movida, maior será o torque, =
embora esteja em rotação mais lenta

Fundamental de Serviço Global Training 168


Mercedes-Benz
Conceito

A rotação de duas engrenagens do mesmo tamanho, com os mesmo número de dentes,


será de velocidade e torque idênticos.

Uma engrenagem de dez dentes trabalhando com outra com trinta dentes, terá que dar três
voltas para que a de trinta dentes dê uma volta. Esta chama-se redução três-por-um. O
torque de saída será três vezes maior, desprezando-se a perda por atrito. Isto denomina-se
torque um-por-três.
Ex.: Redução e Torque 3 voltas 1 volta
+ velocidade - velocidade
- torque + torque
3 1 (Redução)
1 3 (Torque)

Motora
A engrenagem que aciona é chamada de “motora”, e a outra “movida”. Sempre que a
engrenagem motora for menor que a movida existirá uma redução de velocidade e uma
multiplicação de torque na engrenagem movida.
Movida

Fundamental de Serviço Global Training 169


Mercedes-Benz
Relação de redução
A Relação de redução é o fator que determina torque e a rotação de saída em uma transmissão por engrenagens. O cálculo da
relação de redução é feito da seguinte forma:

nr. de dentes da engrenagem movida Movida


Relação de Redução = ou R =
nr. de dentes da engrenagem motora Motora

10 26

30 13

30 26
R= R=
10 13

R = 3:1 x R = 2:1 = Relação de Redução


6:1

Neste exemplo a rotação diminui seis vezes tendo o torque aumentado na mesma proporção.

Fundamental de Serviço Global Training 170


Mercedes-Benz
Relação de redução

Velocidade
Velocidade
Torque

torque
Exemplo: Bicicleta

A marcha engatada está desmultiplicando duas vezes, ou seja, a saída na roda está com uma velocidade duas vezes maior do
que na entrada “pedal”.

44 dentes
As caixas de mudanças que tem suas
+ Velocidade marchas fazendo desmultiplicação,
tem o nome de Overdrive, (rotação de
- Torque saída maior que a da entrada).
22 dentes Ex.: 8a H = 0,83 : 1

Fundamental de Serviço Global Training 171


Mercedes-Benz
Componentes

Fundamental de Serviço Global Training 172


Mercedes-Benz
Componentes/ Funcionamento

Dentes Retos

Existem engrenagens de dentes retos e dentes helicoidais. As engrenagens de


dentes retos geralmente são usadas em marchas que não necessitam serem
utilizadas em períodos de longo engrenamento, primeira marcha (caixas
antigas), crawler, e marcha-à-ré, pelo motivo de as mesmas quando engrenadas
produzirem ruído continuo (retos).

Dentes helicoidais

As engrenagens de dentes helicoidais, assim chamadas por possuírem seus


dentes em forma de hélice, são as mais utilizadas na maioria das caixas de
mudanças existentes.
Ao contrário das engrenagens de dentes retos, são aplicadas para marchas
menos reduzidas e por conseguinte de período de engrenamento mais longo,
engrenamento esse mais perfeito e de funcionamento silencioso.

Fundamental de Serviço Global Training 173


Mercedes-Benz
Componentes/ Funcionamento

Convém esclarecer, que peças que transmitem movimento de torção leva o nome de “árvore”.

Árvore Primária Árvore Intermediária Árvore Secundária

“Eixo” é aquele que somente suporta uma ou mais peças, móveis ou não.
Exemplo: Eixo dianteiro, eixo traseiro, etc.

Fundamental de Serviço Global Training 174


Mercedes-Benz
Funcionamento
Na caixa de mudanças, as engrenagens estão colocadas sobre árvores, dentro de uma caixa fechada, banhada a óleo. Na maioria
dos tipos, a árvore secundária é suportada na extremidade dianteira por um mancal piloto ou rolamento localizado dentro da árvore
primária, e a extremidade posterior ligada à árvore de transmissão por meio de uma junta universal.
A árvore intermediária comporta uma engrenagem denominada “Constante”, que está constantemente engrenada com a
engrenagem motora principal da árvore primária. Possui ainda outras engrenagens fixas que estão engrenadas ao seu par
correspondente na árvore secundária , denominadas “loucas”. Assim denominadas por que estão apoiadas na árvore secundária
sobre rolamentos. Portanto não transmitem movimento à árvore secundária. Ao acionar a alavanca seletora de marchas, seleciona
uma determinada marcha, cuja luva de engate se movimenta até fixar a engrenagem daquela marcha na árvore secundária,
movimentando-a com a relação de engrenagens desejada. Esta operação poderá, ou não, ser auxiliada por anéis sincronizadores
que controlam a velocidade das engrenagens até se igualarem, evitando assim o choque e possíveis danos aos dentes das
mesmas.

As combinações possíveis de engrenagens e o mecanismo de mudanças estão dispostos de tal modo que quando a alavanca
seletora de marchas está na posição “neutra”, ou “ponto-morto”, não há ligação entre a árvore de manivelas e a árvore de
transmissão. Isto permite que o motor continue funcionando mesmo com a embreagem inoperante, sem que seja transmitida
rotação alguma à árvore de transmissão e ao diferencial.

Fundamental de Serviço Global Training 175


Mercedes-Benz
Funcionamento

A caixa de mudanças também permite que o veículo se movimente para trás


intercalando uma terceira engrenagem, a intermediária de marcha-à-ré, suportada
livremente por um eixo menor. Isto faz a engrenagem da árvore secundária girar em
direção oposta àquela em que giraria normalmente.

Na parte traseira da árvore secundária há um parafuso “rosca sem-


fim”, que por meio de uma engrenagem e um eixo flexível, aciona o
velocímetro. Em caixas de mudanças mais modernas, para executar
essa leitura temos um sensor de velocidade e um a disco de impulso
“arruela dentada”.

Um orifício, fechado por um bujão, serve para esgotar o óleo lubrificante da caixa ( 2 ). O
orifício de enchimento( 1 ), também fechado por um bujão, está geralmente localizado de
modo a determinar o nível correto do óleo. As superfícies ao redor do bujão de enchimento
devem sempre ser cuidadosamente limpas antes de retirar o bujão. Falta de cuidado, poderá
fazer com que impurezas abrasivas penetrem na caixa e causem avarias nos dentes das
engrenagens, mancais ou rolamentos.

A parte externa da caixa de mudanças deve ser inspecionada periodicamente, para verificar se há vazamentos. Quando houver
indícios de vazamentos, a causa deverá ser eliminada, e o nível de óleo verificado e completado quando necessário.

Fundamental de Serviço Global Training 176


Mercedes-Benz
Fluxo de Força

A representação do fluxo do torque em uma caixa de mudanças de cinco marchas à frente e uma ré.

Fundamental de Serviço Global Training 177


Mercedes-Benz
Engrenamento

Existem diferentes tipos de caixas de mudanças manuais, cuja diferença consiste no mecanismo de engrenamento das marchas

Engrenamento com garras constantes

Mediante o deslocamento da luva, consegue-se o engrenamento do corpo de engate com a


engrenagem secundária

Engrenamento com sincronização

Na caixa de mudanças, o dispositivo de sincronização se encarrega de igualar o número de


rotações da árvore primária com a rotação de cada marcha, sem a necessidade da dupla
embreagem.

Anel sincronizador

Ao mover a luva de acoplamento, a partir da posição em neutro, para a direita


ou esquerda, o anel sincronizador é pressionado contra a engrenagem. O atrito
entre ambos iguala suas rotações, facilitando o engrenamento.
Luva de acoplamento
Corpo de acoplamento

Fundamental de Serviço Global Training 178


Mercedes-Benz
Grupo Planetário (GP)

Com o Grupo Planetário consegue-se um maior número de marchas, duplica as marchas da caixa de mudanças de quatro
marchas, de tal modo que se obtenha um total de oito marchas à frente, sem contudo aumentar proporcionalmente suas
dimensões.
Com o GP aplicado (1o H), teremos a disposição a Ré, 1a, 2a, 3a e 4a marchas. Por outro lado quando não usamos a redução do
GP (2a H), teremos a disposição a 5a, 6a, 7a e 8a marchas.

1o H 2o H

Grupo de Grupo redutor


transmissão (GP)

Fundamental de Serviço Global Training 179


Mercedes-Benz
Grupo Planetário (GP)
O conjunto planetário pode ser utilizado em caixas de mudanças com a finalidade de realizar reduções.

A relação de redução de um conjunto planetário quando a engrenagem solar for motora, é: Planetárias Anular

nr. de dentes da solar + nr. de dentes da anular


R =
nr. de dentes da solar

Solar

Quando a luva de acoplamento mover para o lado da placa Movendo-se a luva de acoplamento para o lado do suporte da
de bloqueio, através da ação pneumática, a engrenagem anular, estaremos fixando a anular e o suporte da planetárias,
anular estará travada, obtendo a redução do GP. tornando rígido as peças e relação será 1:1.

Fundamental de Serviço Global Training 180


Mercedes-Benz
Grupo de desmultiplicador (GV)

Os veículos comerciais leves, em geral necessitam apenas de cinco ou seis marchas, as quais podem ser acomodadas sem
problemas em uma caixa de mudanças normal. Obedecendo a este princípio de construção, no caso de aumentar o número de
velocidades, o comprimento da árvore secundária deveria ser aumentado demais, ficando assim submetida a enormes esforços de
torção. Por este motivo, são utilizadas engrenagens redutoras adicionais antes e depois da caixa de mudanças. O grupo anterior
(GV), permite a duplicação do número de marchas do veículo, dividindo em duas marchas cada uma das posições da caixa de
mudanças, isso é feito através do botão “split” que está na alavanca de mudanças. As caixas de mudanças com grupos anteriores,
são utilizadas para se obter um grande número de reduções com pequenos intervalos de diferença.

1o par constante 2o par constante

Fundamental de Serviço Global Training 181


Mercedes-Benz
Grupo de desmultiplicador (GV)
Abaixo segue exemplo do fluxo de força da 1a marcha utilizando o1o par e 2o par constantes.

1a marcha Lenta 1a marcha Rápida


Alavanca de mudanças Alavanca de mudanças

Botão do Split para cima


Botão do Split para baixo

Lenta (Low) 1a marcha Rápida (High) 1a marcha

Fundamental de Serviço Global Training 182


Mercedes-Benz
Grupo de desmultiplicador (GV) e Grupo Planetário GP
A caixa de mudanças com GV e GP caracteriza-se por um escalonamento mais progressivo.
Este conjunto possibilita 16 marchas à frente.

Grupo
Grupo de Grupo redutor
desmultiplicador
transmissão (GP)
(GV)

Fundamental de Serviço Global Training 183


Caixa de Transferência

Fundamental de Serviço Global Training 184


Mercedes-Benz
Caixa de transferência

A caixa de transferência distribui a força motriz respectivamente para os eixos propulsores traseiros e dianteiros, proporcionando
tração para as quatro rodas do veiculo e também proporciona ao veiculo duas opções de marchas: normal e reduzida

Fundamental de Serviço Global Training 185


Mercedes-Benz
Componentes

Luva de engate da reduzida

Arvore primaria, recebe o torque


da caixa de mudança

Arvore intermediaria, recebe o


torque da arvore primaria e
Arvore secundaria dianteira, transfere para as arvores
recebe o torque da arvore secundarias
intermediaria e transfere para a
arvore de transmissão do eixo
dianteiro
Arvore secundaria traseira, recebe o
torque da arvore intermediaria e
transfere para a arvore de
transmissão do eixo traseiro

Luva de engate da tração


dianteira

Fundamental de Serviço Global Training 186


Mercedes-Benz
Acionamento

1- Marcha Normal

A marcha normal é indicada para operação do veiculo em vias de solo firme e


regular, principalmente em rodovias pavimentadas

Fundamental de Serviço Global Training 187


Mercedes-Benz
Acionamento

2- Marcha reduzida com


acionamento dianteiro

A marcha reduzida é indicada para operação do veiculo em condições fora-de-


estrada, tais como : terrenos de topografia acidentada, carreadores e palhadas
em canaviais, terrenos de pouca coexistência e também, para vencer subidas
íngremes com o veiculo carregado

Fundamental de Serviço Global Training 188


Mercedes-Benz
Acionamento

0 - Neutro

Nessa posição - o - veiculo não terá torque de saída para as rodas

Fundamental de Serviço Global Training 189


Módulo 10 – Suspensão, Eixo, Pneu e Direção

Suspensão
Eixo
Pneu
Direção

Fundamental de Serviço Global Training 190


Mercedes-Benz
Tipos de suspensão

Feixe de mola:

Os feixes de molas são formados por várias lâminas superpostas e têm como
funções guiar os eixos e proporcionar a suspensão das rodas. Existem dois tipos
de feixes de molas: trapezoidais e parabólicos. Uma aplicação típica para este
sistema de suspensão são os sistemas utilizados em veículos destinados a
trabalhos em canteiros de obras.

Molas helicoidais

As molas helicoidais são fabricadas com um tipo de aço especial


próprio para esta aplicação. Este tipo de mola pode, somente,
absorver esforços de compressão, não podendo transmitir forças de frenagem ou
de propulsão. Em outras palavras: nos veículos com suspensão a base de molas
helicoidais devem ser adicionados braços para a condução das rodas.

Barras de torsão

As molas nos sistemas do tipo barra de torsão, são constituídas por uma barra de
aço submetida a esforços de torsão. Esse tipo de mola é usado preferencialmente
em veículos leves de transporte com suspensão individual nas rodas.

Fundamental de Serviço Global Training 191


Mercedes-Benz
Tipos de suspensão

Suspensão pneumática

A suspensão pneumática é constituída por dois ou mais foles pneumáticos em cada eixo. Os foles são abastecidos com ar
comprimido proveniente do sistema de ar comprimido do veículo. Faz parte do conjunto uma válvula, cuja função é o controle da
entrada e saída do ar comprimido dos foles. Dessa forma pode-se manter a altura do quadro do chassi num nível constante, com
total independência do peso da carga transportada. A suspensão pneumática exige o uso de sistemas mais sofisticados para o
controle e acionamento dos eixos. Por outro lado, com este tipo de suspensão pode-se aumentar ou diminuir a altura do quadro do
chassi, possibilitando-se adaptar a posição da superfície de carga às rampas de acesso de diferentes alturas. Também, tornam-se
mais simples as operações de desacoplamento dos semi-reboques.

Fundamental de Serviço Global Training 192


Mercedes-Benz
Suspensão

Estabilizador

A função do estabilizador consiste em compensar a inclinação do lado interno do


quadro do chassi (compressão unilateral da suspensão) quando o veículo
descreve uma curva na estrada. Este sistema é formado por uma barra de torsão,
fixa em ambos os lados do eixo e apoiado em mancais no quadro do chassi. O
estabilizador não atua caso a carga colocada sobre o chassi do veículo seja
simétrica.

Amortecedor

Os amortecedores diminuem a intensidade dos impactos causados pela passagem


das rodas sobre irregularidades da estrada e transmitidos ao eixo. Dessa forma,
reduzem-se as vibrações das rodas e dos eixos, ao mesmo tempo em que se evita
que os pneus percam a aderência com o pavimento. O tipo de amortecedor mais
utilizado atualmente é o amortecedor telescópico.

Fundamental de Serviço Global Training 193


Suspensão
Eixo
Pneu
Direção

Fundamental de Serviço Global Training 194


Mercedes-Benz
Função

- Conjunto de órgãos mecânicos que unem as rodas à estrutura


- Estabelece uma ligação flexível entre o chassis/carroceria com o eixo e rodas
- Suportar o peso do veiculo
- Contribui para assegurar
- Conforto
- Dirigibilidade
- Estabilidade direcional do veículo

Fundamental de Serviço
Fundamental de serviço Global Training 195
Mercedes-Benz
Câmber

A direção deve ser estável, precisa e segura. O que lhe confere essas qualidades e, alem disso, mantém normal o desgastes
de pneus é o perfeito entrosamento entre cáster e inclinação do pino mestre, câmber e convergência das rotas.

Câmber positivo Câmber negativo

É a inclinação da parte superior das rodas dianteiras no sentido transversal do veiculo em relação a linha vertical
Dependendo da construção do veiculo, o ângulo de câmber pode ser “Positivo” , “negativo”ou “Nulo”.
Função:
- Compensar a flexibilidade do eixo dianteiro quando o veiculo estiver carregado
- Transferir o peso do veiculo e da carga para o rolamento interno do cubo de rodas
O câmber dos veículos MB o câmber é dado pela construção da ponta de eixo.
Câmber inadequado provoca desgastes prematuro dos pneus e rolamentos da ponta de eixo, alem de dificultar a dirigibilidade
do veiculo

Fundamental de Serviço Global Training 196


Mercedes-Benz
Câmber

É a inclinação do pino mestre para trás (positivo) ou para a frente (negativo) no sentido longitudinal do veiculo e também
poderá ser nulo.

Cáster Positivo Cáster Negativo

Função:
- Manter o veiculo sempre em linha reta proporcionando estabilidade, segurança e fácil dirigibilidade.
- Retorno fácil do volante para linha reta.
A inclinação da parte superior do pino mestre para trás, obriga a ponta de eixo a descrever uma trajetória inclinada em
relação ao solo, ocasionando uma torção em toda a estrutura do veiculo. Esta torção aliada ao peso do veiculo é a carga
que ele transporta, pressiona-o contra o solo fazendo com que as rodas retornem para a posição de linha reta

Fundamental de Serviço Global Training 197


Mercedes-Benz
Inclinação do pino - mestre

É a inclinação da parte superior do pino-mestre do veiculo, no sentido transversal.

Linha vertical Linha de centro do pino Linha de centro do pino


Linha do plano médio da roda
A

A = Ângulo de inclinação do pino mestre

A inclinação do pino mestre combinado com o ângulo de câmber faz com que a linha que passa pelo plano médio da roda
quase coincida com a linha de centro do pino-mestre, no ponto de apoio da roda no solo. A menor distancia entre os dois
pontos, faz com que diminua o braço de alavanca formado entre ambos, o que resulta numa menor resistência ao
esterçamento das rodas e sensível diminuição dos esforços mecânicos nos pinos e buchas das mangas do eixo

Fundamental de Serviço Global Training 198


Mercedes-Benz
Convergência

É a abertura da parte posterior das rodas dianteiras do veiculo.

Função:
Compensar a elasticidade do mecanismo de direção.

A convergência fora das especificações do fabricante do veiculo, provoca instabilidade na direção e desgastes
anormal dos pneus.

Fundamental de Serviço Global Training 199


Mercedes-Benz
Quadrilátero de Ackermann (Divergência nas curvas)

É a abertura da parte anterior das rodas dianteiras quando o veiculo efetua uma curva. Quando mais acentuada for a curva
maior será a divergência

Maior esterção

Roda
externa

Quando o veiculo efetuar uma curva, a roda interna à curva percorrera uma trajetória menor que a roda externa. Sendo assim, a
roda interna devera esterçar mais para que não haja arraste de uma delas.
No mecanismo de direção, com os braços das pontas de eixo inclinados, obtem-se a diferença na diferença na esterção das
rodas.
Como as inclinações dos braços são idênticas, o efeito de divergência ocorre tanto para a esquerda como para a direita.

Fundamental de Serviço Global Training 200


Mercedes-Benz
Desequilíbrio das rodas

Em geral, uma roda sempre possui um certo desequilíbrio, seja estático ou dinâmico, que tende a manifestar-se de forma
mais evidente à medida que o pneu vai se desgastando.

Maior concentração
de peso

Desequilíbrio estático Desequilíbrio dinâmico

Desequilíbrio estático
Provoca repetidos choques verticais, que por sua vez causam violentas oscilações verticais (hopping) que dificultam a
dirigibilidade e comprometem a estabilidade do veiculo.

Desequilibro Dinâmico
Provoca nas rodas dianteiras oscilações transversal que resultam em vibrações na direção, normalmente conhecida como
“shimmy”e seus efeitos criam dificuldades em manter a estabilidade do veiculo.

Fundamental de Serviço Global Training 201


Suspensão
Eixo
Pneu
Direção

Fundamental de Serviço Global Training 202


Mercedes-Benz
Função dos Pneus

Suportar a carga

Oferecer segurança
em todas as situações

Assegurar a
transmissão de Contribuir com a
potencia suspensão do veiculo

Garantir a
estabilidade

Fundamental de Serviço Global Training 203


Mercedes-Benz
Principais elementos constituinte de um pneu

Fundamental de Serviço Global Training 204


Mercedes-Benz
Diferença entre convencionais e radiais

Pneus Convencionais Pneus radiais

Fundamental de Serviço Global Training 205


Mercedes-Benz
Vantagens dos pneus radiais

-Apoio mais firme e menor movimentação da banda de rodagem em contato com o solo, proporcionando maior
estabilidade e durabilidade
-Maior tração e menor aderência, tanto nas freadas como nas acelerações.
-Menor aquecimento interno devido á sua estrutura, não existindo fricção entre lonas.
-Mais aderência e melhor comportamento nas curvas devido aos flancos mais flexíveis.
-Menor resistência ao rolamento, com conseqüência econômica de combustível.

Fundamental de Serviço Global Training 206


Mercedes-Benz
Vantagens do pneu sem câmara

-Perda de pressão lenta quando furado


-Menor aquecimento do conjunto, preservando principalmente o talão do pneu.
-Menor numero de itens no conjunto, reduzindo seu custo e tornando –o mais leve.
-Maior facilidade nas operações de montagem.

Fundamental de Serviço Global Training 207


Mercedes-Benz
Dimensões Básicas

Fundamental de Serviço Global Training 208


Mercedes-Benz
Marcação dos Pneus

Numero e significado
1 – Nome do fabricante e modelo do pneu Pirelli FR25
2 - Largura da secção em milímetro 295
Altura da secção (percentual em relação a largura) 80%
Pneu de estrutura radial R
Diâmetro do aro em polegadas 22,5
3 –Índice de carga máxima por pneu para uso em roda simples 152
Índice de carga máxima por pneu para uso em roda dupla 148
4 –Código da velocidade M
5 – Pneu versão sem câmera Tubeless
6 –Banda de rodagem ressulcável Regroovable
Obs.: Diferenças pneus com câmera Ex.:FR25 – 11.00 R 22
2 – Largura da secção em polegadas 11
Altura da secção (percentual em relação a largura) 100%
Pneu de estrutura radial R
Diâmetro do aro em polegadas 22
5 – Pneu versão com câmera TubeType

Fundamental de Serviço Global Training 209


Mercedes-Benz
Índice de carga e código de velocidade dos pneus

Fundamental de Serviço Global Training 210


Suspensão
Eixo
Pneu
Direção

Fundamental de Serviço Global Training 211


Mercedes-Benz
Direção Mecânica

Par completar os componentes que determinam no veiculo um perfeito sistema de direção, alem dos já estudados, existem as
caixas de direção, mecânica e hidráulica.

Em alguns tipos de veículos é usada a caixa de direção mecânica. Seu funcionamento é constituído de uma luva dotada de esfera
circulante que se deslocam axialmente sobre a rosca-sem-fim da direção, transmitindo seu movimento ao braço da direção.

Fundamental de Serviço Global Training 212


Mercedes-Benz
Direção Hidráulica

Para diminuir o esforço físico no manejo do volante de direção, todos os veículos Mercedes-benz são equipados com direção
hidráulica.
A caixa de direção hidráulica possui duas câmaras hidráulicas e um embolo que auxiliam a movimentação dos componentes
mecânicos, tornando mais fácil a condução do e aumentando a segurança do veiculo.

Fundamental de Serviço Global Training 213


Mercedes-Benz
Direção Hidráulica

Com o motor em funcionamento a bomba da direção ( 5 ) aspira o fluído do reservatório ( 3 ) através da tubulação ( 4 ) . O óleo sob
pressão segue então pela tubulação ( 6 ) até a caixa de direção ( 1 ) e retorna por ( 7 ) para o reservatório .

Fundamental de Serviço Global Training 214


Mercedes-Benz
Direção Hidráulica Funcionamento em Linha Reta
12

E
13
13

B
C

Na figura acima a válvula estrela ( A ) está deslocada para fora da caixa a fim de facilitar a compreensão .
O fluído sobre pressão entra na válvula através da linha ( B ) , devido a posição do rotor ( 9 ) as passagens ( C ) e ( D ) levam o
óleo até as câmaras esquerda e direita do êmbolo ( 12 ) .
Por estar o veículo em linha reta , o rotor ( 9 ) também coloca a linha de retorno ( E ) em comunicação com as passagens ( C ) e
( D ) . Desse modo o fluído circula pelo sistema sem proporcionar o auxílio hidráulico , porém garantindo a lubrificação .
Está situação de repouso da válvula estrela , onde tanto a linha de entrada de pressão como a linha de retorno estão em
comunicação , é proporcionada pela barra de torção ( 10 ) , que atua como uma mola de posicionamento .

Fundamental de Serviço Global Training 215


Mercedes-Benz
Direção Hidráulica Funcionamento esterçando à esquerda

E
13 13

10
11

12

5
D
9
B
7
C

Ao girar a direção à esquerda a árvore primária ( 13 ) tende a deslocar o sem-fim , devido a resistência encontrada , a barra ( 10 )
sofre uma torção fazendo com que o rotor ( 9 ) se movimente em relação ao estator ( 5 ) .
Nesta nova posição , apenas a passagem ( C ) que leva o óleo à câmara esquerda do êmbolo está em comunicação com a linha
de entrada ( B ) . Por sua vez , a câmara à direita do êmbolo está em contato com a linha de retorno ( E ) , deste modo a pressão
atua em apenas um lado do êmbolo dentado o que proporciona o auxilio hidráulico requerido .
Se o deslocamento do volante é interrompido ocorre um equilíbrio entre a pressão e a força da barra de torção fazendo com que o
auxilio hidráulico se mantenha proporcional ao esforço solicitado . Portanto a pressão de auxilio estará sempre relacionada com a
intensidade da força aplicada ao volante .

Fundamental de Serviço Global Training 216


Mercedes-Benz
Direção Hidráulica Funcionamento esterçando à direita

E
13 13

10
11

12

5
D

9
B 7
C

Ao girar o volante à direita o rotor ( 9 ) muda de posição , colocando em comunicação a linha de entrada ( B ) com a passagem
( D ) pressurizando a câmara do lado direito do êmbolo . Por sua vez a câmara do lado esquerdo está em contato com a linha de
retorno ( E ) .

Fundamental de Serviço Global Training 217


Módulo 11 - Freios

Freios

Fundamental de Serviço Global Training 218


Mercedes-Benz
Conceito
Todos os veículos dispõe de um determinado sistema de freios, o qual tem a função de diminuir a velocidade do veículo ou
pará-lo por completo.

Força de frenagem, desaceleração e massa

Força de frenagem é a força que provoca a desaceleração do veículo quando o freio é atuado. Outros fatores podem gerar um
efeito de frenagem, como as forças de atrito do trem de força, força de resistência do ar, aclives, etc., estas não serão
consideradas aqui.
A força de frenagem é transferida dos pneus para a piso. A máxima força transferível dos pneus para o piso depende, entre
outras coisas, da qualidade da superfície do piso. ( coeficiente de atrito)

Freio é um transformador de energia. Nos veículos temos a transformação da


energia cinética em calor. Isto consiste em colocar em contato partes solidárias ao
veículo ( pastilhas e lonas ). com partes fixas a roda ( discos e tambor ).

Tipos de acionamentos:

Freios de Serviços

- Mecânicos
,- Hidráulico
- Hidrovácuo
- Hidroservopneumático

Fundamental de Serviço Global Training 219


Mercedes-Benz
Pressão

É a resultante da uma força aplicada sôbre uma área, ou seja:

Conforme o exemplo acima, temos 1 Kgf/cm², logo:


Pressão = 1 kgf = 1 Kgf/cm²
1 cm²
Embora algumas literaturas ainda expressem pressão em “Kgf/cm²”, a unidade é o “bar “, sendo :
1 Kgf/cm² ≈ 1 bar

Fundamental de Serviço Global Training 220


Mercedes-Benz
Hidráulica

É o estudo das características e uso dos fluidos, que podem transmitir e multiplicar
forças e modificar movimentos.
Veja o que acontece quando é exercida uma força sobre a rolha da garrafa na
figura ao lado. Quando ocorre o contato da rolha com o fluido, mantendo a força
sobre a rolha é criada uma pressão em todos os sentidos.

O principio hidráulico de multiplicação de forças, é


utilizado nos sistemas de freios para diminuir o esforço
físico, e transmitir forças para acionar as sapatas de
freio.

Fundamental de Serviço Global Training 221


Mercedes-Benz
Pneumática

O ar sobre pressão, ou ar comprimido, pode ser utilizado no acionamento de


vários mecanismos.
Nos sistemas de freios, o ara comprimido é utilizado para facilitar a operação
tornando-o mais leve, e é empregado normalmente em veículos de carga.

Vácuo

O vácuo também é utilizado no acionamento do mecanismo como


o freio.
O efeito da vácuo atuando de um dos lados do diafragma, que esta
submetido na sua outra face à pressão atmosférica, auxilia a
aplicação do freio.
Porem como a pressão atmosférica é limitada, o sistema exige
diafragmas de grande área.

Fundamental de Serviço Global Training 222


Mercedes-Benz
Freio de serviço / Tambor

Nos freios a tambor, as sapatas, juntamente com as lonas, são pressionadas contra a superfície inferior do tambor do freio. Os
elementos de acionamento das sapatas podem ser de duas formas diferentes:

ƒ Cilindro de roda.
ƒ Árvore de freio (excêntrico em “S”).

Além disso, existem diferentes tipos de freios a tambor, de acordo com a disposição dos elementos de acionamento. Os freios
Simples contam com um único elemento de acionamento que pressiona ambas as sapatas de freio de dentro para fora.

Ressalto “S”
Cilindro de roda

Guarnição sapata Tambor

Fundamental de Serviço Global Training 223


Mercedes-Benz

Freio de serviço / Disco

Os freios desta natureza possuem um disco giratório de frenagem e um suporte em forma de cavalete.
Pelo motivo do disco de frenagem se encontrar exposto ao ar livre, o calor gerado durante o processo de frenagem se dissipa
rapidamente.
Apesar do disco de frenagem se encontrar exposto ao ambiente, os mesmos se limpam por si próprios , já que expulsam as
impurezas provenientes do solo, por centrifugação.

As pastilhas de freios se desgastam mais rapidamente que lonas de freio; porém, o grau de seu desgaste é observado com
maior facilidade, como também o processo para substituição das pastilhas é bem simples.
Os freios a disco por razão de sua melhor manutenção, se montam com mais freqüência nas rodas dianteiras.

Freio a disco de acionamento hidráulico Freio a disco de acionamento pneumático

Fundamental de Serviço Global Training 224


Mercedes-Benz
Freio de estacionamento

O freio de estacionamento ( famoso freio de mão ) atua de forma totalmente mecânica sobre os freios das rodas através de um
sistema de cabos ou de uma articulação. O freio de mão é utilizado servindo como freio de estacionamento nos veículos
equipados com sistema de freio hidráulico.

Freio acumulador de molas

Nos equipamentos de frenagem acionados por ar comprimido, utiliza-se um cilindro acumulador de molas como freio de
estacionamento. Ao se encher o cilindro acumulador de molas com ar comprimido, o freio de estacionamento é desativado. Ao
se esvaziar o cilindro, o freio é novamente ativado. O freio de estacionamento atua de forma totalmente mecânica por meio da
força das molas.

Fundamental de Serviço Global Training 225


Mercedes-Benz
Circuitos Hidráulico duplo

Este sistema de freio é especialmente usado em carros de passeio, vans e em pequenos caminhões. Quando o pedal de freio é
atuado o fluído de freio do cilindro mestre é pressurizado até que se obtenha a alta pressão desejada.
A alta pressão alcança imediatamente os cilindros de roda e neles exerce uma força hidráulica, acionando-os

Fundamental de Serviço Global Training 226


Mercedes-Benz
Circuitos Hidráulico Servo-Assistido Pneumaticamente

A pressão de ar do reservatório é controlada pela válvula reguladora de pressão, enquanto o controle da pressão de
aplicação do freio é feita pelo motorista através do servo freio ou da válvula pedal.

Fundamental de Serviço Global Training 227


Mercedes-Benz
Circuitos Hidráulico Servo-Assistido a Vácuo

Em automóveis, a força muscular normalmente não é suficiente para aplicar a força de atuação necessária nos freios das
rodas. Conseqüentemente, automóveis e vans são equipadas com o sistema de servo-freio. Neste sistema a força do pedal é
aumentada com a ajuda de uma força auxiliar produzida pelo motor e convenientemente calculada para auxiliar a força
exercida pelo motorista através do “booster” ou, amplificador.
Caso esta força auxiliar falhe, por exemplo, caso o motor não esteja funcionando, o sistema servo assistido torna-se
simplesmente um freio convencional. Nesta situação, o veículo ainda deve ser apto a frear atendendo ao mínimo valor legal
exigido para a sua desaceleração. No entanto, uma força muito maior será necessária no pedal de freio.

Fundamental de Serviço Global Training 228


Mercedes-Benz
Circuitos Pneumático

O freio a ar comprimido é um freio que opera exclusivamente com força auxiliar. Um compressor acionado pelo motor, gera o ar
comprimido necessário.
O pedal de freio controla o acesso de ar comprimido aos diferentes cilindros e diafragma do sistema de freio. Nos veículos
comerciais utiliza-se um sistema de freios de duplo circuito. Um dos circuitos atua sobre o(s) eixo(s) dianteiro(s), e o segundo
sobre o(s) eixo(s) traseiro(s). No caso de ocorrer uma avaria em um dos circuitos de freio, o segundo circuito ainda permanece em
funcionamento.

Fundamental de Serviço Global Training 229


Mercedes-Benz
Freio de estacionamento mecânico

O sistema de freio de estacionamento tem normalmente sua atuação nas rodas traseiras.
O acionamento mecânico do freio de estacionamento, consiste em uma alavanca de mão dotada de entalhes, que permite um
aumento progressivo da ação de frenagem.

Fundamental de Serviço Global Training 230


Mercedes-Benz
ABS

Visando elevar a segurança de seus veículos e do sistema de transportes em geral, a Mercedes Benz utiliza
(opcionalmente) em veículos comerciais o sistema ABS( Antilock Braking System ). Este sistema é conhecido e utilizados
amplamente em vários países do mundo, e já se transformaram em conforto e segurança para o motoristas, pois atua
controlando pontos importantes na dirigibilidade como: frenagem. O sistema ABS ora introduzido nos veículos
anteriormente citados incorpora grandes inovações de nível tecnológico, como a auto análise e indicação de defeitos
através de códigos, que são informados ao mecânico por uma lâmpada piloto existente no painel de instrumentos do
veículo.

Generalidades do ABS:
Força de frenagem e aderência:
Para que uma frenagem exista, efetivamente, são necessários dois elementos:

ƒ A força de frenagem, que atua no tambor de freio através das lonas de freio, e reduz o número de rotações da roda.
ƒ A aderência, que é a força transmitida à pista através dos pneus. Esta força é exercida pelo peso do veículo.
ƒ A força de frenagem é obtida através do cilindro pneumático de diafragma e transmitida às lonas de freio através do ressalto
"S“. A aderência depende ainda, do coeficiente de aderência ( µ ), que determina qual a proporção da força de frenagem que será
transmitida ao solo.
ƒ Escorregamento (deslize):
O escorregamento, ou deslize, é determinado pela diferença entre a velocidade do veículo e a velocidade da roda, dividido pela
velocidade do veículo, através da formula podemos chegar a uma porcentagem.

Fundamental de Serviço Global Training 231


Mercedes-Benz
ABS

Atuação do sistema ABS


Num sistema de freio convencional, ao acionarmos o pedal de freio bruscamente, poderemos reduzir excessivamente o
número de rotações da roda, proporcionando uma situação favorável ao deslize (escorregamento) na faixa de 100% ou seja,
ao bloqueio das rodas.
As conseqüências poderão ser as seguintes:
Controle de direção dificultoso, perda de estabilidade do veículo, desgaste irregular dos pneus

O sistema ABS atua regulando a força de frenagem que age nos sistema de acionamento do tambores/pastilhas de freio,
proporcionando uma redução gradual do número de rotações das rodas, faz com que o escorregamento permaneça
dentro da faixa de 10 a 30 %, melhorando o aproveitamento do coeficiente de aderência.
A estabilidade do veículo e a dirigibilidade permanece constante, sem prejuízo de uma frenagem eficaz.

Nota:
O sistema ABS é um dispositivo adicional de segurança no veículo, ou seja, o veículo permanece com seu sistema de
freio convencional, contando ainda com o ABS como elemento complementar.

Fundamental de Serviço Global Training 232


Mercedes-Benz
ABS
Construção do sistema ABS
O sistema ABS que equipa os veículos MERCEDES-BENZ é composto por um sistema regulador de quatro canais, com uma
RIM ( Regulagem Individual Modificada) no eixo dianteiro e uma RI (Regulagem Individual ) no eixo traseiro

O RIM do eixo dianteiro:


O sistema analisa as diferenças de frenagem entre os lados: esquerdo e direito e as limitam, levando em conta a média entre
estas diferenças, a tal ponto que o alinhamento do veículo possa ser feito com o mínimo de acionamento do volante de
direção.

RI no eixo traseiro:
A força de frenagem é equilibrada de modo otimizado, tomando-se as diferenças de frenagem entre os lados: esquerdo e
direito individualmente. Com isto, consegue-se o máximo em efeito de frenagem

Freio auxiliares:
Em veículos equipados com freios auxiliares (em casos nos quais o mesmo possa ser desligado através de comando elétrico)
também sofrerá a atuação do sistema . O módulo ABS desliga todos os sistemas de freios auxiliares, no momento em que está
atuando nas pressões de frenagem dos eixos dianteiro e traseiro.

Terceiro eixo:
Em veículos equipados com terceiro eixo auxiliar, o mesmo é controlado e regulado através dos circuitos reguladores do eixo
motriz. Nestes casos, o circuito de freio do eixo auxiliar recebe também uma válvula moduladora de pressão, que faz com que a
pressão que atua nos cilindros pneumáticos do eixo auxiliar seja sempre igual a menor pressão à atuar nos cilindros do eixo
motriz.

Veículos articulados:
Para maior eficiência do sistema, em composições de veículos articulados ou veículos conjugados, cada uma das partes
(veículo trator e reboque/semi-reboque) deverá estar equipada com um sistema regulador completo e independente. Porém, se
houver necessidade, poderão ser utilizadas composições "mistas", ressalvando-se que nestes casos somente os componentes
equipados com o sistema ABS estarão com sua estabilidade assegurada.
Fundamental de Serviço Global Training 233
Mercedes-Benz
ABS
Sensores
Os sensores instalados nas rodas dianteiras e traseiras geram tensões, cujas freqüências se
alteram de acordo com a rotação das rodas, e as enviam ao módulo eletrônico (ou cérebro Circuito de regulagem
do sistema ). Este interpreta as informações vindas dos sensores das rodas e após
reconhecer a tendência de bloqueio( deslizamento) das rodas, emite um sinal elétrico às
válvulas eletromagnéticas e elas controlam a pressão de frenagem.
Atuação do modulo ABS
Numa frenagem sem o sistema ABS (na qual as condições de atrito entre os pneus e o
revestimento da pista são críticas) a rotação das rodas o atrito do freio é superior que o
exercido pelo pneu contra o solo ( desliza ). Nestes casos, através do modulo eletrônico as
válvulas "recebem um comando “ reduzir pressão", fazendo com que a pressão de frenagem
decaia e a rotação das rodas tendem a aumentar, em seguida, através de pulsos alternados
"conservar pressão/aumentar pressão", a pressão de frenagem volta a subir até que haja um
novo sinal de bloqueio das rodas.

1 – Sensor
2 - Modulo eletrônico
3 - Válvula eletromagnética
4 - Cilindro de diafragma
5 - Válvula do pedal de freio
6 - Reservatório pneumático
7 - Roda dentada

Fundamental de Serviço Global Training 234


Mercedes-Benz
Numeração dos pórticos dos componentes

A norma DIN ISO 6786 tem sido aplicada desde 1981 com a finalidade de identificar os pórticos das válvulas, cilindros, que
equipam os veículos com sistemas de freio pneumático.
As características essenciais para identificação dos pórticos desses produtos são as seguintes:
·
- identificação através de números e não por letras. A intenção é evitar a interpretação errada das letras, como por exemplo em
países estrangeiros.
·- os números utilizados para identificar os pórticos devem fornecer alguma informação quanto a função daquele pórtico no
produto e no sistema de freio.
As identificações consistem de números compreendidos no máximo de dois dígitos. O primeiro dígito se refere a:

Nº 1 Entrada/Alimentação
Nº 2 Saida
Nº 3 Descarga/Exaustão
Nº 4 Sinal/Piloto/Comando

Um segundo dígito deve ser utilizado sempre quando houver vários pórticos com a mesma aplicação, como por exemplo várias
saídas.
O mesmo deve iniciar em 1 e ser usado consecutivamente, por exemplo, 21, 22, 23, etc.
As numerações devem ser feitas próximas aos pórticos dos produtos e são também aplicadas em outros sistemas de freio, por
exemplo no sistema de freio hidráulico.

Fundamental de Serviço Global Training 235


Mercedes-Benz
Válvula APU

A APU integra diversos componentes :

1 – secador de Ar
Esse responsável por retirar a umidade e as impurezas existentes na atmosfera, aumentando a durabilidade de todas as
válvulas dos circuitos pneumático.

2 – Reguladora de pressão
Integrada ao conjunto do secador de ar, tem por função regular a pressão máxima do circuito que dependendo do veiculo
será de 10 ou 12 Bar, alem do mais possui uma válvula de segurança que abrira quando houver uma falha no sistema de
descarga do regulador.

3 – válvula protetora de 4 circuitos.


Com possibilidade de até 6 vias, possui válvulas limitadoras de pressão incorporada permitindo que a pressão proveniente
do regulador de 10 bar seja liberada somente para os freio de serviço traseiro e dianteiro e os demais circuitos do freio de
estacionamento e acessórios será mantida em 8,5 Bar, alem da limitadora de pressão , possui também válvulas de retenção
com a finalidade de reter ar existente no circuito de freio sem defeito, toda a vez que ocorrer uma falha em outro circuito.

4 – Válvula de segurança.
As APUs modernas possui uma válvula de segurança que despressuriza o reservatório de ar do freio de estacionamento,
quando houver um vazamento no freio de serviço traseiro

Lembrando que a válvula APU também tem seus pórticos numerados, que são os seguintes:
1 - Entrada de pressão
21 - Saída de pressão para o freio de serviço traseiro
22 – Saída de pressão para o freio de serviço dianteiro
23 e 25 - Saída de pressão para o freio de estacionamento
24 e 26- Saída de pressão para a linha de acessórios

Fundamental de Serviço Global Training 236


Módulo 12 - Elétrica

Elétrica

Fundamental de Serviço Global Training 237


Mercedes-Benz
Eletricidade

Eletricidade é um tipo de energia que, da mesma forma que a hidráulica, pneumática, etc.. é capaz de executar um determinado
trabalho.
É muito fácil utilizá-la porque você pode fazer fluir corrente elétrica ao longo de fios condutores.
A energia elétrica é facilmente convertida em outras formas de energia como a luz, o calor, som e movimento.

Fundamental de Serviço Global Training 238


Mercedes-Benz

Circuito elétrico

Você provavelmente sabe que tudo em nosso mundo é composto de átomos que por sua vez possuem um núcleo rodeado por
pequenas partículas chamadas elétrons.

Prótons – São partículas que possuem cargas


elétricas positivas e estão no núcleo do átomo.

Nêutrons – são partículas desprovidas de cargas


elétricas e estão no núcleo do átomo.

Elétrons – é uma partícula praticamente sem


massa, circula ao redor do núcleo e possui um
campo magnético capaz de reagir fisicamente com
outras partículas.

Elétrosfera – a elétrosfera é a órbita onde os


elétrons circulam, a característica do átomo
depende do número de elétrons em cada
camada.

Fundamental de Serviço
Fundamental de serviço Global Training 239
Mercedes-Benz

Circuito elétrico

Circuito elétrico
Defini-se circuito elétrico o caminho percorrido pela corrente elétrica.
A corrente elétrica, convencionalmente, circula no sentido do pólo positivo para
o pólo negativo

Curto circuito
É um circuito livre, sem resistências consideráveis.
Ex. um cabo de cobre com uma ponta ligada ao pólo positivo e a outra ponta
ligada ao pólo negativo, tendo somente a resistência do cobre (neste caso
desprezível).

Circuito aberto
É um circuito com uma resistência alta, impedindo a passagem da corrente
elétrica, Ex. uma lâmpada queimada, chicote interropido ou interruptor aberto.

Fundamental de Serviço Global Training 240


Mercedes-Benz

Grandeza elétrica

Tabela resumo das grandezas elétricas

Símbolo da Unidades da
Grandeza Símbolo da unidade Aparelho de medição
grandeza grandeza

Corrente I Ampere A Amperímetro

Tensão U ou E Volts V Voltímetro

Resistência R Ohm Ω Ohmímetro

Potência P Watt W Wattímetro

Freqüência F Hertz Hz Frequêncímetro

Observação: alguns equipamentos conseguem medir mais que uma grandeza elétrica. Neste caso, denomina-se multímetro.

Fundamental de Serviço Global Training 241


Mercedes-Benz

Grandeza elétrica
Tensão Elétrica (U ou E)

Tensão elétrica é a diferença de potencial elétrico entre dois pontos.


OBS.: A palavra "voltagem" não é o termo técnico correto; é um erro usá-lo na
língua portuguesa. Use sempre o termo tensão elétrica.

Corrente Elétrica (I)

Corrente elétrica é o movimento de partículas carregadas de eletricidade, os


elétrons.
É conduzida através de cabos até os consumidores, ex. lâmpadas.

Corrente Alternada CA (AC Alternate Current): Varia em função do tempo,


normalmente 60Hz, A Corrente Alternada foi adotada para transmissão
de energia elétrica a longas distâncias devido à facilidade relativa que
esta apresenta para ter o valor de sua tensão alterada por intermédio de
transformadores
Corrente Contínua CC (DC Direct Current): Varia em função do tempo, nela existe
um fluxo constante de elétrons ordenado, possui grande dificuldade de
transformação (aumento/diminuição) da voltagem em corrente contínua.
É utilizada em larga escala em pilhas, baterias etc. sua tensão varia de
1,2 a 24V.

Resistência Elétrica (Ω)

É a capacidade de um corpo qualquer se opor a corrente elétrica.


Ex. circuitos elétricos, resistores, capacitores, etc.
Sentido da corrente

Fundamental de Serviço Global Training 242


Mercedes-Benz

Grandeza elétrica
Potência Elétrica (W)

A potência elétrica dissipada em um circuito ou fornecida pela fonte é diretamente


proporcional a tensão e a corrente em circulação. Em outras palavras, a
potência é igual ao produto , da tensão pela corrente.

Freqüência (f)
É o número de oscilações ou vibrações que acontecem igualmente em um determinado
tempo.

n
f=
t amplitude
Período (T)
É a duração de uma oscilação ou vibração completa, é o inverso da freqüência.
y

1
T=
f T
Amplitude freqüência
A distância y, é a amplitude da onda, também conhecida como "pico de
amplitude" .
período
Fundamental de Serviço Global Training 243
Mercedes-Benz
Lei de Ohm
Definição:

Lei de Ohm, assim designada em homenagem ao seu formulador Georg Simon Ohm,
indica que a diferença de potencial (U) entre dois pontos de um condutor é
proporcional à corrente elétrica (I) que o percorre:

U=R.I U

O Triangulo ao lado demonstra de uma forma didática o cálculo da resistência(R), R I


Tensão(U) e corrente elétrica(I) bastando esconder a incógnita desejada.
Ex. A tensão da bateria é de 12 v e a resistência do circuito é de 10Ω. Qual é a
corrente elétrica que passa pelo circuito?

U 12
I= I= I =1,2A
R 10

Lei de Ohm utilizando potência

Quando temos potência como incógnita no cálculo utilizamos o triangulo ao lado. P

U I

Fundamental de Serviço Global Training 244


Mercedes-Benz
Exercício lei de Ohm

1- Uma lâmpada incandescente de 110V, sendo percorrida por uma corrente elétrica de 5,5A. Qual é, nessas condições, o valor da
resistência elétrica do filamento da lâmpada.

2- A curva característica de um resistor ôhmico é dada ao lado. Determine sua resistência elétrica R e o valor de i2.

U(V)
R: 40/4 = 10
100 I= 100/10

40
I= 10

0
4 i2 i(A)

3- Determine a tensão (V) que deve ser aplicada a um resistor de potencia 6W para ser atravessado por uma corrente elétrica de 2A.

4- Quando uma lâmpada é ligada a uma tensão de 120V, a corrente que flui pelo filamento da lâmpada vale 1A. Qual a potência da
lâmpada?

5- Num certo carro, o acendedor de cigarros tem potência de 48W. A tensão do sistema elétrico desse carro é 12V. Qual é a
resistência elétrica do acendedor de cigarros?

6-Observe os circuitos ao lado. Em qual deles a


lâmpada brilhará mais? Porque?

Fundamental de Serviço Global Training 245


Mercedes-Benz
Multímetro
Tensão para corrente Contínua (DCV) Tensão para corrente Alternada (ACV)
Faixa Resolução Faixa Resolução
2V 1mV
200V 0,1V
20V 10mV
750V 1V
200V 100mV
Leitura de Freqüências = 50 à 500Hz
1000V 1V
Impedância de entrada = 4,5MΩ
Impedância de entrada = 10MΩ
Proteção Sobrecarga = 1000V DC 750V AC RMS
Proteção Sobrecarga = 1000V DC 750V AC RMS
Resistência (Ω)
Corrente (DCA)
Faixa Resolução
Faixa Resolução
2mA 1µA 2KΩ 1Ω

20mA 10µA 20KΩ 10Ω

200mA 100µA 200KΩ 100Ω


20A 10mA 2MΩ 1KΩ
Proteção Sobrecarga = Fusível Ação Rápida 0,8A/250V para 20MΩ 10KΩ
Entrada mA.
Tensão Circuito Aberto = 0,3V DC (máximo)
Sem Fusível para Entrada 20A
-DCV Proteção Sobrecarga = 500V DC 500V AC RMS
Continuidade
-ACV DC (mA)
- Indicação: Sonora. Diodo
-Res.Ω
- Limiar: Um sinal sonoro é emitido quando a - Indicação: Queda de Tensão Direta Aproximada sobre
-Diodo
resistência medida estiver abaixo de 50Ω. o Diodo.
- Tensão de Circuito Aberto: 0.3V DC (típico). - Tensão de Teste: 3V DC (máximo).
-Cont.
- Proteção de Sobrecarga: 500V DC / 500V AC RMS. - Corrente de Teste: 1.0mA±0.6mA.
DC
- Proteção de Sobrecarga: 500V DC / 500V AC RMS.

Fundamental de Serviço Global Training 246


Mercedes-Benz
Multímetro

Resistência (Ω) Escala


Neste caso temos as opções de escalas que variam de
Para se medir a resistência de um componente necessitamos
200Ω à 20MΩ
posicionar o Multímetro em paralelo ao componente e sempre
com o circuito desenergizado .
Obs. Não existe polaridade para se medir resistência.
Para medir resistência em um circuito, o mesmo deverá estar
desenergizado, para maior confiabilidade nas medidas.

Fundamental de Serviço Global Training 247


Mercedes-Benz
Multímetro
Tensão (V ou U)
Para se medir a tensão de um componente necessitamos colocar o Multímetro em paralelo ao componente. Ou seja as pontas
de prova do Multímetro devem estar uma em um dos terminais deste componente e a outra ponta na outra extremidade. Mas
sempre com o circuito ligado.
Obs. Com o Multímetro digital, podemos inverter o cabo vermelho com o preto na medição, somente irá aparecer o sinal
negativo antes do valor. Este procedimento não é aconselhável para multímetros analógicos pois a inversão poderá danificar o
equipamento.

Tensão contínua
Neste caso, vemos um exemplo da
escala de tensão contínua, esta
escala é muito utilizada em
eletricidade veicular

Tensão alternada
Neste caso, vemos um exemplo da escala de
tensão alternada, porém é mais utilizada em
eletricidade residencial.

Fundamental de Serviço Global Training 248


Mercedes-Benz
Multímetro
Corrente
As medidas de corrente são diferentes das outras medidas realizadas com um Multímetro. Medições diretas de corrente são
realizadas conectando-se o multímetro em série com o circuito a ser medido, permitindo assim que a corrente do circuito corra pelo
circuito do multímetro.
No entanto, é necessário atenção para esta medição:
-Verificar qual é a corrente aproximada que circula pelo circuito, correntes acima de 10A danifica o equipamento (verificar
especificações do equipamento).
-Desligar o circuito antes de interrompe-lo.
-Conecte a ponta de prova preta na entrada COM. Conecte a ponta de prova vermelha na entrada de 10 ampères (10A) ou de 300
miliampères (300mA), dependendo do valor de leitura esperado.
-Efetuar a leitura não excedendo 30s com o circuito conectado.
-Após efetuado a leitura, aguardar 5min em média para o resfriamento do equipamento.

Fundamental de Serviço Global Training 249


Mercedes-Benz
Interruptor

Trata-se de um dispositivo que basicamente permite ou não a passagem de corrente elétrica, geralmente é acionada
mecanicamente, porém também existem as suas versões eletrônicas.

Nas figuras ao lado podemos ver 3 interruptores e 2 lâmpadas, vamos imaginar todos os interruptores fechados e as lâmpadas
acesas.

Abrindo B1 apaga-se todas lâmpadas.


Abrindo B2 apaga-se H1
Abrindo B3 apaga-se H2

Fundamental de Serviço Global Training 250


Mercedes-Benz
Fusível
O fusível é um componente que tem por função proteger a instalação elétrica e impedir, desta forma, a ocorrência de
acidentes. Fundem-se quando a corrente elétrica circulante atinge um limite acima do tolerável, interrompendo o circuito.
Ao dimensionar-se um fusível, deve-se conhecer a corrente que circulará no mesmo e instalar um fusível com capacidade
de 25 a 50% maior.

Fusível de 500A para motor de partida (ônibus O500R).

Este fusível é o mais encontrado em veículos, normalmente possuem


capacidade de 5A, 10A, 15A, 20A, 25A e 30A.

Estes fusíveis de 100A são utilizados para proteção da central


elétrica de alguns ônibus.

Fundamental de Serviço Global Training 251


Mercedes-Benz
Bateria

A bateria é um conjunto de acumuladores ácido-chumbo que armazenam


energia na forma química.

Construção interna: internamente, a bateria é constituída de elementos,


vasos ou células, cuja quantidade varia de 3 a 6 vasos, conforme a tensão
da bateria. A tensão nominal em cada vaso é de 2V e os mesmos são
ligados em série.

Construção interna de cada vaso: cada um dos vasos é formado por um


certo número de placas positivas, cujo material ativo é o peróxido de
chumbo (PbO2) de coloração marrom e placas negativas onde o material
ativo é o chumbo esponjoso (Pb) de coloração acinzentada.

O material ativo é prensado em uma grade de chumbo e antimônio. Ligadas


em paralelo entre si, estas placas são separadas por separadores, os
quais, funcionam como isolantes elétricos.
+ -

H
SO 4
H
O
H
Pb SO 4 Pb
H
O
H H
O

Fundamental de Serviço Global Training 252


Mercedes-Benz
Bateria

Carga da bateria

Bateria 12 V = Tensão de 13,5 Volts à 14,8 Volts


Bateria 24 V = Tensão de 27,5 Volts à 29 Volts

Fundamental de Serviço Global Training 253


Mercedes-Benz
Resistores
Resistores são os componentes mais elementares em um circuito eletrônico, Resistor Fixo
são construídos para um determinado valor de resistência. Esses componentes
são incorporados aos circuitos eletrônicos com o objetivo de oferecer maior
resistência a passagem da corrente elétrica e conseqüentemente reduzindo ou
dividindo tensões.
Existem dois tipos de resistores, os fixos com resistências pré-determinadas e
os variáveis onde é possível variar a resistência. São construídos basicamente
de pó de carbono prensado em um tubo de baquelite.

Resistor Variável
De acordo com a ABNT as simbologias utilizadas em diagramas
elétricos são:

Fundamental de Serviço Global Training 254


Mercedes-Benz
Classificação dos resistores

Os resistores são classificados através de código de cores, onde cada anel de cor equivale a um valor ôhmico e o anel mais
afastado equivale a tolerância da resistência em Ohms.

No exemplo abaixo temos um resistor com seu código de cores e o significado na tabela ao lado.

Fundamental de Serviço Global Training 255


Mercedes-Benz
Associação de resistores

Série:
Sempre teremos um circuito em série quando dois ou mais componentes estão
em linha, um depois do outro e a corrente que circula por um é obrigada a
circular pelos outros.

Paralelo:
Sempre teremos este circuito quanto todos os componentes estiverem
conectados ao mesmo ponto do circuito. Todas as entradas interligadas entre si
e as saídas também.
A corrente neste circuito de divide entre os componentes, mas toda a corrente
que entra no circuito, sai deste circuito com o mesmo valor.

Observação:
Em um circuito em série a soma das tensões é igual
a tensão da fonte de alimentação

Em um circuito em paralelo a soma das correntes


de cada componente do circuito é igual a
corrente total do circuito

Fundamental de Serviço Global Training 256


Mercedes-Benz
Associação de resistores

Série:

Em uma associação em série a resistência


equivalente é a soma de todos os resistores.

Paralelo:

Fundamental de Serviço Global Training 257


Mercedes-Benz
Lâmpadas

São componentes elétricos que transformam energia elétrica em energia luminosa.

As lâmpadas halógenas possuem um filamento de tungstênio que emite luz pela


passagem da corrente elétrica. Partículas de tungstênio são desprendidas do
filamento durante este processo.
Os gases contidos no interior do bulbo das lâmpadas halógenas, se combinam com
as partículas de tungstênio.
Esta combinação, somada à corrente térmica dentro da lâmpada, faz com que as
partículas se depositem de volta no filamento, criando assim o ciclo regenerativo do
halogênio.
O resultado é uma luz mais branca, brilhante e uniforme ao longo de sua vida útil.

Podemos realizar medições nas lâmpadas com o ohmímetro, porém não podemos
aplicar a lei de ohm, pelo fato do filamento aquecer até a 3000 °C, quanto mais
aquecida menor será sua resistência.

Observação: O bulbo da lâmpada não deverá ser tocado com as mãos, manuseá-la
somente com o auxílio de um tecido ou luva, A oleosidade da pele em contato com o
bulbo aquecido faz com que a partes tocadas fiquem escuras impedindo a dissipação
de luz.

Fundamental de Serviço Global Training 258


Mercedes-Benz
Semicondutores

Semicondutores são sólidos cristalinos de condutividade elétrica intermediária entre condutores e isolantes. Os elementos
semicondutores podem ser tratados quimicamente para transmitir e controlar uma corrente elétrica.

Seu emprego é importante na fabricação de componentes eletrônicos tais como díodos, transístores e outros de diversos graus de
complexidade tecnológica, microprocessadores, e nanocircuitos usados em nanotecnologia. Portanto atualmente o elemento
semicondutor é primordial na indústria eletrônica e confecção de seus componentes.

Os materiais utilizados na fabricação de um semicondutor são: o silício encontrado facilmente na areia da praia e o germânio
também facilmente encontrado na fuligem das chaminés.

Estes materiais passam por um alto grau de purificação chegando a uma estrutura cristalina tipo açúcar ou sal, após este processo
uma quantidade muito precisa de impurezas é adicionada a este material, chamamos de “dopagem”.

As impurezas se ajustam na estrutura planar e faz uma associação de elétrons que são livres para se mover sobre a mesma e
produzir um fluxo de corrente elétrica. Ali existirá um excesso de elétrons dando a característica de semicondutor do tipo N.

Algumas outras impurezas deverão criar lacunas na superfície da estrutura planar e daí dar ao mesmo uma característica positiva
pela menor quantidade de elétrons, dando o nome de semicondutor do tipo P.

Fundamental de Serviço Global Training 259


Mercedes-Benz
Diodo
Diodos
É um dispositivo ou componente eletrônico composto de cristal semicondutor de silício ou germânio numa película cristalina cujas
faces opostas são dopadas por diferentes gases durante sua formação.

É o tipo mais simples de componente eletrônico semicondutor, usado como retificador de corrente elétrica, tanto pode ser em estado
sólido quanto termiônico (LED).

Existem diodos que determinam a tensão de corte em seus terminais, estes diodos são chamados de diodos ZENER. Diodos também
podem emitir luz como no caso os diodos LASER, infravermelho e LED

Os diodos possuem dois terminais distintos, um terminal é o “Catodo” ou “N” onde prevalecem um excesso de cargas negativas e o
outro terminal “ÂNODO” ou P onde existe falta de elétrons, convencionou-se a dizer que existem lacunas neste lado.

Na polarização direta o diodo de Silício começa a conduzir após quebrar uma barreira de o,7V enquanto o diodo de Germânio começ
a conduzir após 0,3V

Tipos de Diodos:

Anodo Catodo Anodo Catodo

Diodo Diodo Zener

Anodo Catodo
Anodo Catodo

Diodo Emissor de luz (LED) Fotodiodo

Fundamental de Serviço Global Training 260


Mercedes-Benz
Diodo
Lâmpada Acesa Lâmpada Apagada
O Diodo somente permite a
passagem de corrente elétrica em
um sentido, por isso nos dois
+ + circuitos acima somente um terá a
lâmpada acesa, pois o outro diodo
bloqueia a passagem de corrente
_ _ elétrica.

Teste:
Temos uma escala no multímetro
específica para teste dos diodos, o
mesmo durante o teste deverá
apresentar um valor medido somente
quando polarizado corretamente com o
multímetro.

Fundamental de Serviço Global Training 261


Mercedes-Benz
Eletromagnetismo

Quando a corrente elétrica atravessa um fio, um campo magnético constituído por linhas de força é formado ao redor do fio.
Caso o fio seja enrolado em espiras, formando uma bobina, as linhas de força se ligam entre si, fazendo assim uma
amplificação do campo magnético.
Numa bobina a forma das linhas de campo se assemelha a forma do campo de uma barra magnética.
A força de um campo magnético é determinada pelo número de espiras da bobina e da corrente que atravessa o indutor.
O eletromagnetismo é aplicado em motores elétricos, alto-falantes, buzinas, solenóides, relés, sensores indutivos, antenas de
RF, etc

Fundamental de Serviço Global Training 262


Mercedes-Benz
Eletromagnetismo
Quando a corrente atravessa um fio que se encontre suspenso e imerso em
um campo magnético, o fio deverá se mover devido à forças de atração e
repulsão.
A sentido do movimento é determinado pelo sentido das linhas de campo
magnético e também pelo sentido da corrente no condutor elétrico.
A velocidade do movimento é determinada pela força ( intensidade ) do
campo magnético e pela amplitude da corrente.
O mesmo princípio pode ser usado para se movimentar o cone de um alto-
falante que dependendo da voz, uma determinada corrente atravessará a
bobina fixa no cone, que imersa no campo magnético do imã permanente,
executará um movimento de atração ou repulsão.

Atração e repulsão
Num gerador elétrico o rotor gira devido à uma ação mecânica e devido ao
fato de que o mesmo se encontra imerso em um campo magnético, existirá
um indução de tensão nos terminais das bobinas do rotor.

Fundamental de Serviço Global Training 263


Mercedes-Benz
Rele
Reles

É um componente destinado a comandar uma corrente alta a partir de uma bobina de comando (corrente baixa). Ele é constituído
de uma bobina que quando alimentada com tensão gera um campo magnético que atrai um contato que se fecha acionando ou
desacionando o componente desejado. Normalmente instalamos relé em circuitos de alta corrente elétrica.

A bobina esta ligada nos pontos “85” e “86”, que na maioria dos casos caso não possui polaridade, mas existem relés que
possuem um diodo em paralelo à bobina, neste caso, há polaridade.

O terminal “30” está diretamente ligado ao “87a” enquanto não há alimentação nos terminais “85” e “86” , porém, ao alimentar “85”
e “86”, o terminal “30” será conectado ao terminal “87”

86 (+) 87 87a

85 (-) 30

Fundamental de Serviço Global Training 264


Mercedes-Benz
Motores elétricos
Motores Elétricos
Se observarmos com mais atenção, temos vários motores elétricos em nossos veículos. Esses motores são de pequeno porte,
porém de grande utilidade.
Ex.: limpador de pára-brisas, lavador pára-brisas, trava elétrica, retrovisor elétrico, vidro elétrico.

São constituídos por bobinas estáticas (carcaça) e rotores movéis que geram o movimento mecânico do eixo para executarem
seu trabalho. A maioria deles são bipolos e podem ser testados com o multímetro. Ao aplicarmos uma tensão o motor gira em
um sentido, se invertermos sua polaridade, gira no outro.

+
+
-
M
-

-
+
-
M
+

Fundamental de Serviço Global Training 265


Mercedes-Benz
SensoresNTC
Sensores NTC e PTC
e PTC

NTC significa “Coeficiente Negativo de


temperatura” (Negative Thermal Coeficient), a sua
principal característica é de que na medida que a
temperatura aumenta a sua resistência elétrica
diminui, sua aplicação mais comum é em
sensoriamento de temperatura do motor com
gerenciamento eletrônico.

PTC significa “Coeficiente Positivo de temperatura” (Positive


Thermal Coeficient) aumenta a sua resistência na medida em
que a temperatura aumenta.
Os sensores PTC são fabricados de material cerâmicos,
proporcionando coeficiente de temperatura que varia de 6% a
60% por °C, porém sé numa faixa limitada de temperatura de
acordo com o gráfico abaixo. Isso torna o sensor inadequado
para medidas em grandes faixas de temperatura.

Fundamental de Serviço Global Training 266


Mercedes-Benz
Sensordede
Sensor pressão
Pressão

Nos sensores de pressão “Piezelétrico” temos a pressão a ser medida aplicada em uma membrana que está ligada mecanicamente
a um cristal de quartzo, a membrana se deforma e junto com ela deforma o cristal de quartzo. Este cristal quando deformado gera
uma tensão entre suas extremidades. Esta pequena tensão gerada é aplicada a um circuito eletrônico que amplifica a tensão para
um valor que o modulo pode verificar.
Como por exemplo temos sensor de pressão de ar, pressão de óleo, pressão de combustível.

Fundamental de Serviço Global Training 267


Mercedes-Benz
Sensor tipo
Sensor Hall
tipo Hall

Este sensor funciona baseado na interferência que um campo magnético faz na corrente
elétrica que passa por um condutor.
Quando um semicondutor é submetido à passagem de corrente elétrica, os elétrons se
distribuem de maneira uniforme por toda a secção. Quando aproximamos um campo
magnético do semicondutor, a corrente tende a ser deslocada para um lado do
dispositivo. Isto faz com que a resistência elétrica oferecida pelo semicondutor aumente
consideravelmente.
Devido a grande variação da resistência, o sensor se comporta como um interruptor,
abrindo todas as vezes que o campo magnético se aproxima e fechando quando se
afasta do semicondutor.

Fundamental de Serviço Global Training 268


Mercedes-Benz
Sensor tipo Hall

Teste do sensor Hall


Retirar o sensor a caixa e conectar o multímetro ao
sinal de saída, a tensão deve ter um valor acima de
5 Volts

Com o multímetro ainda conectado,


aproximar a topo do sensor a um
metal, neste momento, a tensão cairá
a um valor próximo a 0 Volt

Fundamental de Serviço Global Training 269


Mercedes-Benz
Sinal PWM
Sinal PWM((Modulação
modulaçãopor
por largura
largura de pulso)
de pulso)

É um conjunto de pulsos que possui valores de Freqüência e Tensão fixos. A modulação por largura de pulso é baseada no
tempo em que o pulso se mantém no valor de tensão superior e no tempo que se mantém no valor de tensão inferior.
Desta maneira, pode concluir que este tipo de sinal pode ser representado também em porcentagem que se mantém no valor de
tensão superior conforme ilustrado na figura abaixo.

Nota: apesar da porcentagem ser diferente, a freqüência se mantém constante e, neste exemplo, é igual a 201 Hertz.

Fundamental de Serviço Global Training 270


Mercedes-Benz
Conectores
Conectores

Um conector é uma peça, geralmente plástica, responsável pela interface de dois ou mais chicotes elétricos existente em um veículo.
Essa interface, ou seja, essa união dos cabos permite que um determinado componente, por exemplo, possa ser ligado a um módulo
eletrônico mesmo que para isso seja necessário unir-se a um outro chicote elétrico.

O contato elétrico é realizado por pequenas peças metálicas denominadas por TERMINAIS que são crimpados (prensados) nos
cabos elétricos e inseridos (fixados) nas cavidades do conector.

Existem diferentes tipos de terminais: machos, fêmeas, olhal, tubular, agulha, etc.
Ao utilizar um multímetro para medir os sinais em um conector, não colocar as pontas de prova do multímetro na parte dianteira do
conector, isso poderá danificar os contatos dos terminais.

Ao desconectar um conector da contra-peça ou de um módulo eletrônico, procure não puxar pelos cabos, isso pode fazer com que os
terminais se soltem da cavidade aumentando o risco de mau contato elétrico. Procure uma trava plástica entre os conectores antes
de puxar.

Fundamental de Serviço Global Training 271


Mercedes-Benz

Conectores

Fundamental de Serviço Global Training 272


Mercedes-Benz do Brasil Ltda.
Av. Mercedes-Benz, 679
Distrito Industrial - Campinas/SP
13054-750

Global Training
Faça sua inscrição através do SABA: https://e-training.daimler.com/Saba/Web/GTBRA
Não possui cadastro? Faça através do site: http://www.mercedes-benz.com.br/cadastro_saba.aspx

GT0118 Ed. A 07/2009