Você está na página 1de 78

Curso de Massagem Tradicional

Ayurvédica
Módulo I

Professor: Valter Cardim


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Direitos de Autor

Todo o material deste manual, incluindo textos, imagens e sistema de ensino está registado
e como tal, protegido por lei. É proibida a sua cópia, reprodução total ou parcial sem
autorização expressa da Associação Luso Brasileira de Ayurveda e Disciplinas Associadas.

O presente manual faz parte do Curso de Massagem Ayurvédica Tradicional, Módulo I,


promovido pela ALBA, e não pode ser utilizado para outros fins que não os descritos
anteriormente.

Associação Luso Brasileira de Ayurveda – ALBA

Fundada em Março de 2000 em Lisboa, Portugal, a Associação Luso-Brasileira de


Ayurvédica e Disciplinas Associadas, tem como objectivo proporcionar aos seus associados o
estudo e a prática do Sistema Oriental de Tratamento Corporal Ayurvédico, como técnica
terapêutica e o estudo da filosofia Védica (Hindu), nas suas várias modalidades: Medicina
Ayurvédica, Massagem Terapêutica Ayurvédica e Yoga nas suas várias vertentes, bem como
outras técnicas orientais e ocidentais que visem a evolução do homem.

Contactos para correspondência

Rua José Lins do Rego, 16


R/C Esq.
1700-264 Lisboa
Portugal

Tel: 217930167

Website: http://www.ayurvedica.org

E-mail: info@ayurvedica.org

Nota: Este manual pretende informar sobre tradições Ayurvédicas, mais especificamente a arte
da Massagem Tradicional Ayurvédica. O seu conteúdo é meramente informativo e não pretende
examinar, diagnosticar e tratar doenças, pelo que a ALBA, não se responsabiliza pelo mau uso
ou má interpretação das técnicas aqui descritas.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 2


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Conteúdo Programático
Parte A

1 – Introdução à Ayurveda e Medicina Ayurvédica

2 – História e desenvolvimento da Ayurveda


- Abordagem Histórica
- Desenvolvimento e Actualidade
- A Heranças Védicas e Tradicionais da Índia
3 – Os Princípios Básicos da Ayurveda (Siddhantha)
- Os 5 Elementos
- Os Elementos, os Sentidos e os Órgãos do Corpo
- Os Gunas e a Constituição Mental
- O Sistema Tridosha

4 – Os Pilares da Ayurveda
- Alimentação
- Actividade Física
- Rotina Diária
- Harmonia Mental
- A Doença e Ayurveda;
- O Tratamento das Enfermidades

5 – A Arte da Massagem Ayurvédica


- Tipos de Massagem
- Benefícios da Massagem e Indicações
- Precauções e Contra Indicações da Massagem
- Duração de uma Massagem

6 – Os Óleos na Massagem Ayurvédica


- Tipos de Óleos e as suas Propriedades

7 – Os Chakras: Massagem Ayurvédica e os Chakras

8 – Os Pontos Marma

9 – Os Circuitos de Energia aplicados à Massagem Ayurvédica

Parte B – Prática

1 – Introdução

2 – Massagem Ayurvédica – Sequência Básica

3 – Execução Prática de uma Sequência Básica – Descrição


Região Posterior:
- Costas: aquecimento e movimentos específicos
- Pescoço, Ombros e Nuca
- Braços e mãos (opcional)
- Membros inferiores
- Pés
Região Anterior:
- Membros inferiores
- Pés
- Abdómen
- Energização de Pontos e Órgãos da Região Abdominal

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 3


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

- Tórax Inferior
- Tórax Superior e Ombros
- Membros Superiores
- Pescoço
- Face
- Cabeça
- Olhos

4 – Final da Sessão

PARTE C – Execução de uma Massagem Simples


Descrição Gráfica Simplificada

Parte D – Anexos
I – Pontos para o Exame Teórico e Prático
II – Esquema Básico – Monofolha
III – Ficha de Cliente
IV – Bibliografia

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 4


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

1 – Introdução à Ayurveda e Medicina Ayurvédica

Ayurveda é o nome dado à ciência médica com raízes na antiga Índia, desenvolvida há mais
de 6 mil anos, fazendo dela o mais antigo sistema médico e holístico da humanidade. A medicina
ayurvédica é reconhecida como sendo a mãe da medicina moderna, pois os seus princípios,
estudos, e aplicação prática foram a base para o posterior desenvolvimento das medicinas
chinesa, árabe, romana e grega. Este reconhecimento não é meramente honorário, mas sim
reforçado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Ayurveda é uma palavra que em sânscrito significa literalmente, Ciência (veda) da vida
(ayur), mas sendo a sua interpretação correcta a de “Ciência da Vida Saudável”. A sua filosofia
baseia-se na teoria dos cinco elementos, os Pancha Mahabhutas, elementos que formam toda a
manifestação material do universo. São eles éter, ar, fogo, água e terra. Toda a matéria que
existe no universo provém destes 5 elementos, inclusive o corpo humano (que além da matéria,
também é formado por budhi (discernimento), ahamkara (ego) e manas (mente)). De acordo
com a Ayurveda, quando algum dos 5 elementos está em desequilíbrio no corpo do indivíduo,
dá-se início ao processo da doença.

A Ayurveda pode ser definida com a arte de viver em harmonia com as leis da natureza,
assumindo-se assim uma natural e antiga sabedoria sobre saúde e cura. O seu objectivo
principal é:

“Manter a saúde dos saudáveis e curar o sofrimento dos doentes”.

É a arte da felicidade, através de uma forma prática, filosófica e espiritual. Os processos de


prevenção e manutenção da saúde bem como o caminho para a cura são desenvolvidos
unicamente através de uma abordagem natural.

A Ayurveda é a ciência da vida que engloba toda a existência do indivíduo e do universo


através de uma abordagem holistica em que se reconhece e promove a interacção constante
entre o corpo, mente, sentidos e espírito bem como entre todos os aspectos práticos da vida tais
como as relações, o meio ambiente, o estilo de vida, ocupação, etc.

Utiliza ainda um grande número de terapias adjacentes tais como o som, aromoterapia,
cromoterapia, entre outros.

As orientações para a promoção da saúde envolvem ainda a interactividade entre a nutrição,


exercício, rotina diária, descanso, meditação, respiração e utilização de ervas medicinais
juntamente com processos de limpeza e rejuvenescimento do corpo, mente e espírito.

A Ayurveda não pretende impor regras, receitas ou terapias, mas sim levar o indivíduo a
tomar conhecimento sobre os métodos e princípios ayurvédicos de forma a poder fazer as suas
escolhas, ouvindo o seu corpo e características únicas, respeitando as suas reacções. Assim,
desenvolverá um conhecimento instintivo sobre as modalidades adequadas de auto-cura de
forma a criar, manter e recuperar uma saúde equilibrada.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 5


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Compreender e tirar o melhor partido dos conhecimentos Ayurvédicos é conhecer a relação


entre o indivíduo e tudo aquilo que o rodeia, adaptando e aproveitando os recursos específicos
de cada zona geográfica, clima, estação do ano, alimentos, etc, em proveito tanto do indivíduo
como da natureza, uma vez que somos uma representação da mesma. Somos um microcosmo
dentro do macrocosmo.

De acordo com a Ayurveda cada indivíduo é uma criação única da natureza, que através do
ser humano encontra também uma forma de se exprimir, tal como acontece com os outros
animais, rios, montanhas e toda a existência cósmica.

Praticamente todas sistemas holísticos e naturais desenvolvidos no ocidente tomaram como


base os ensinamentos védicos, não só pela sua tradição e eficácia mas porque engloba um
grupo muito abrangente de disciplinas naturais e as utiliza para potenciar a sua aplicação para a
saúde do indivíduo. A Ayurveda tem uma resposta integrada para o indivíduo que necessita de
um acompanhamento físico, psicológico ou espiritual, e este é um dos aspectos únicos da
Ayurveda, em que as suas recomendações são únicas e diferentes para cada indivíduo.

A maioria das outras disciplinas estão mais concentradas em se especializar apenas num
plano que inclui a eliminação do sintoma, sendo a parte da prevenção completamente deixada à
mercê da disponibilidade interior do indivíduo.

2 – Abordagem Histórica da Ayurveda

A Origem histórica

Apareceu há cerca de 6.000 anos, na Índia, apresentada


como a medicina do corpo e do espírito, contudo, é muito
mais antiga do que se pressupõe.

É muito difícil conseguir definir um período exacto no


tempo em que a Ayurveda se assumiu como ciência. Segundo alguns autores e médicos Vaydias,
ela deve ser encarada como intemporal, isto é, não tendo origem (ou início no tempo) pois o seu
conceito fundamental existe desde que o ser humano tomou consciência da sua necessidade de
preservar e curar a sua saúde e estendeu a mão à natureza para o fazer.

Através de escavações e outros registos chegou-se à conclusão que entre os anos de 3500 a
4000 A.C. as civilizações antigas como a do Vale do Rio Hindu, tinham já desenvolvidos sistema
de higiene pública e tratamentos médicos avançados que abrangiam a nutrição, exercícios,
códigos éticos sociais, tratamento de doenças, pequenas intervenções cirúrgicas e tratamento de
dentes cariados.

A filosofia Ayurvédica como sistema de medicina, desenvolveu-se através dos conhecimentos


dos antigos sábios (Rishis) e mais tarde das famosas escrituras Indianas conhecidas como os
Vedas. Toda a tradição védica é baseada numa sabedoria espiritual e conhecimento puro

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 6


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

revelado, não através da mente humana mas através da meditação e inspiração divina
transmitida aos Rishis que nas cavernas e montanhas da Índia entravam em profundos estados
de meditação e partilhavam as suas experiências.

Nesta altura os ensinamentos eram passados verbalmente e os estudantes decoravam os


conhecimentos e estes tornavam-se parte de si mesmos. Os conhecimentos de Ayurveda foram
passados através dos sutras ou pequenas frases escrita em verso, acumulados ao longo de
milhares de anos. Os melhores textos ayurvédicos são aqueles que conseguiram captar e
desenvolver a sabedoria pura através destes sutras.

Mais tarde, Vedavasya, o famoso sábio de Vishnu passou para a escrita toda a sabedoria
ayurvédica até então existente, ligada à sabedoria espiritual da auto-realização, numa obra a
que chamou de Vedas.

Os Vedas são compostos por quatro grandes obras que abordam os mais diversos assuntos
dentro dos quais a saúde, astrologia, espiritualidade, assuntos de estado e bélicos, artes, vida e
comportamentos espirituais. Ficaram conhecidos com Rik, Sama, Yayur e Atharva Vedas.

O Rik Veda contém versos sobre a natureza da saúde e da doença, das patologias e seus
princípios de tratamento. É neste Veda que se encontra descrito o sistema Tridosha (em que
assenta toda a medicina ayurvédica), descrições sobre a utilização de ervas para o equilibro do
corpo, mente, espírito e como alcançar maior longevidade.

Já o Atharva Veda refere as oito divisões da medicina ayurvédica: Medicina Interna; Cirurgia
da Cabeça e pescoço; Oftalmologia e otorrinolaringologia; Cirurgia; Toxicologia; Psiquiatria;
Pediatria, Geriatria e ciência da fertilidade

Os estudiosos e sábios védicos reuniram as passagens das escrituras védicas relativas à


Ayurveda e compilaram-nas em obras separadas e já identificadas como Medicina Ayurvédica.
Um desses livros, o Charaka Samhita é o mais antigo livro em Sânscrito sobre Ayurveda ainda
existente. Juntamente com o Sushruta Samhita compilado por Nagarajuna e com o Ashtānga
Hridayam de Vagbhata, estes três livros são as principais obras Ayurvédicas conhecidas como
Brhat Trayi ou a “Trilogia dos Sábios”

Desenvolvimento

Por volta de 1500 AC a Medicina Ayurvédica


subdividiu-se nos 8 ramos que hoje conhecemos: pediatria,
ginecologia, obstetrícia, oftalmologia, geriatria,
otorrinolaringologia, medicinal geral e cirurgia.

A Ayurveda era praticada na altura de Buda (cerca de


520 AC) e a chegada do Budismo à Índia afectou todos os
aspectos da sociedade. Os budistas deram uma grande
importância ás plantas medicinais e à nutrição, tendo
inclusive sido construídos hospitais com base nestes
princípios.

Um terapeuta Ayurvédico importante desta época foi Nagarjuna, um naturista tibetano,


tornando-se respeitado por desenvolver diversos preparados para o tratamento de inúmeras
doenças. Nagarjuna era ainda acompanhado por nomes como Surananda, Nagbodhi,
Yashodhana, Nityanatha, Govinda, Anantdev, Vagbhatta, etc.

O conhecimento da Ayurveda progrediu bastante durante este período assumindo-se mesmo


como o “Período de Ouro da Ayurveda”, progresso este orientado tanto por budistas como por
hindus.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 7


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Depois de ter saído vencedor da Guerra de Kalinga, o Imperador Ashoka (304 AC-232 AC),
influenciado pelos ensinamentos budistas, baniu todas as formas de violência e “derramamentos
de sangue” no seu reino em 250 BC. A partir daí muitos terapeutas ayurvédicos, que praticavam
a cirurgia juntamente com medicina, abandonaram as intervenções cirúrgicas e adoptaram
formas completamente novas para tratamentos. Neste período a Ayurveda evoluiu em termos de
novos medicamentos, novas metodologias e outras inovações, passando a prática da cirurgia
para segundo plano.

Mas com o apoio dos budistas e com a criação de universidades, a Ayurveda foi além
fronteiras tendo afectado a medicina praticada em Roma, Grécia e China de onde os estudiosos
viajavam até à Índia para aprender a ciência, artes e medicina.

Durante o regime de Chandragupta Maurya (375-415 DC), a Ayurveda estava já instituída


como o sistema médico indiano de base e continuou como tal até ás invasões de Alexandre, dos
Mughals e dos Ingleses.

Os textos de Charaka, Sushutra e Vagbhata estabeleceram as bases fundamentais da


Ayurveda, mas isto não significa que este sistema médico tivesse parado no tempo, e pelo
contrário sempre se adaptou e modernizou face a novas situações.

Na última parte da Idade Média, desenvolveu-se o uso intensivo de preparações com metais
para o tratamento da febre, doenças pulmonares, diarreia e icterícia. Alguns fármacos utilizavam
o mercúrio e esta foi uma herança ou influência da medicina árabe.

Na primeira metade do século XV, Bhavamisra, em sua importante obra Bhavaprakasa,


mencionava a sífilis, introduzida pelos portugueses. Desta maneira, esta medicina sempre foi
incorporando novos sistemas de diagnóstico e terapêuticos dentro de sua prática.

As numerosas invasões que sofreu o sub-continente Hindu e a perseguição da cultura local,


incluindo o seu sistema médico, explicam por que, se a Ayurveda que tem tantas virtudes para a
prevenção e o tratamento de enfermidades, é pouco conhecida no ocidente.

Devemos considerar a força que a Ayurveda tem como sistema de saúde que persiste
apesar de haver sido limitada durante treze séculos e proibida durante mais de 700 anos.

A chegada dos ingleses foi outro principal feito a destacar e que contribuiu para o declínio
do Ayurveda. Eles não só negaram o apoio estatal ao Ayurveda como tiveram uma atitude
destrutiva para com este sistema médico.

Em 1833 a Companhia das Índias Orientais fechou as escolas médicas existentes em Calcutá
e em 1835, os britânicos pararam com o pagamento dos cursos de Ayurveda nos colégios
médicos governamentais.

Por este motivo, no começo do século XX, não havia já instituições que ensinassem a
Ayurvédica e todo o ensino se dava sob o sistema Gurukul, um estilo de docência personalizado,
não sistemático, em que o mestre passava a sua sabedoria para os discípulos.

Durante os 150 anos de domínio inglês, por motivos políticos, esteve proibido o ensino e a
prática do Ayurveda. As famílias de classe alta enviavam os seus filhos para estudar medicina na
Europa, mas grande parte dos cuidados com a saúde dos hindus continuou a fazer-se pela
Ayurveda, quase em secretismo e a Ayurveda continuava atendendo ás necessidades de saúde
de cerca de 80% da população.

A medicina alopática, por seu próprio nexo com a dominação britânica, estava baseada
numa concepção militar, centrando a sua atenção nos regimentos e nas grandes cidades, e foi
uma mestra do espírito da ocupação britânica.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 8


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Durante as lutas pela independência, o estabelecimento de instituições ayurvédicas foi


impulsionado por patriotas para se oporem á política britânica que queria implantar à força a
medicina alopática e cuja abordagem era inadequada ao povo indiano.

Desta maneira, instituições terciárias de Ayurveda foram gradualmente estabelecidas em


linha com escolas médicas ocidentais.

Actualidade

Após longos esforços internos e pressões internacionais, em 1980, o Congresso Nacional da


Índia decretou que a Ayurveda devia usufruir do mesmo estatuto da medicina ocidental, pelo
que abertura a esta antiga ciência e filosofia iria reconquistar um novo fôlego.

Na actualidade, a Ayurveda é de novo uma ciência em franca expansão e a título de


exemplo, foram construídos na Índia nas últimas décadas mais de 1500 novas associações,
hospitais e centros de tratamento Ayurvédicos, sendo já perfeitamente comum encontrar os
médicos praticantes das duas medicinas (Ayurvédica e Alopática) a trabalharem em conjunto.

A Índia não se manteve alheia ás possibilidades comerciais de explorar esta nova ciência,
especialmente junto dos curiosos ocidentais, turistas e terapeutas holísticos entusiasmados com
novas ofertas. Assim hoje, nas principais zonas turísticas da índia, é enorme a oferta de centros
de Ayurveda, que efectuam o panchakarma, massagens, diversas terapias e planos de
rejuvenescimento.

Os nativos locais oferecem massagens nas ruas, praias e cafés a troco de uma dúzia de
rupias. Existem ainda inúmeras ofertas de escolas, centros e institutos a ministrar cursos de
Ayurveda e todas as suas ramificações, especialmente a massagem.

O efeito negativo desta abertura é que se torna necessário ter cuidado e obter boas
referências dos terapeutas e escolas, tanto na índia como no estrangeiro, pois muitos são
apenas curiosos que tentam ganhar dinheiro à custa da ingenuidade dos outros.

No ocidente a Ayurveda conta cada vez com mais adeptos, tendo recebido os melhores
elogios pela OMS (Organização Mundial de Saúde) pela sua abordagem holistica e natural da
saúde e felicidade. Podemos encontrar inúmeros centros, universidades, institutos e hospitais
ayurvédicos em todo o mundo, mas em especial no Reino Unido e EUA.

Em países como Portugal, que não possui legislação efectiva na área das terapias
complementares, a Ayurveda manifesta-se essencialmente pela massagem, que é uma parte
centesimal das práticas ayurvédicas, mas a que os ocidentais mais se identificam. Não existem
praticamente centros de Ayurveda e médicos diplomados a fazer o acompanhamento dos
tratamentos, pelo que reina a falta de conhecimento sobre os seus fundamentos práticos e
filosóficos. O ponto de atracção tem sido mais o seu exotismo e curiosidade do que a proposta
de um estilo de vida natural e integrado.

A Heranças Védicas e Tradicionais da Índia

Por distintas razões, a história do Ayurveda foi


interpretada de maneira incorrecta e, fora da Índia,
ficou desconhecida e muitas vezes desqualificada.

Os textos ayurvédicos, imensos em número e


cobrindo um período de pelo menos 2.500 anos, estão
escritos em Sânscrito, um idioma que poucos conhecem
bem. Este antigo idioma da Índia está intimamente ligado aos conceitos de espiritualidade da
sua cultura. Desde o início da presente era que se tem mantido também como língua culta e

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 9


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

literária.

Na antiguidade, e até muito depois, significou “língua da perfeição”. Os estudiosos do


Sânscrito encontraram material suficiente para a investigação nas áreas de filosofia, literatura, e
na filologia comparada, cujo estudo tem dominado este ramo da cultura hindu ao longo dos
últimos 200 anos.

Os trabalhos médicos nunca foram considerados de grande interesse geral. Os estudiosos


atraídos pelo tema encontraram inúmeras dificuldades na obtenção e no acesso aos textos,
tradicionalmente passados de geração a geração dentro das famílias de médicos ayurvédicos.

Só mais recentemente, no final do século XIX, é que se começou a estudar de maneira


sistemática estes documentos, contudo, a sua forma gráfica diferente, confinou os textos
originais aos ambientes literários e filosóficos. Todos estes elementos levaram a que o idioma se
transformasse numa barreira para o conhecimento da Ayurveda fora de seu lugar de origem. As
constantes traduções, sobretudo as inter-idiomáticas, têm confundido alguns dos ensinamentos
originais.

No passado a medicina da Índia difundiu-se através do mundo oriental até o Tibete, Ásia
Central, Indochina, Indonésia e Japão, cumprindo o mesmo papel que a medicina Grega
desempenhou no ocidente.

A Ayurveda exerceu uma forte influência através da história em muitos sistemas de medicina,
desde a antiga Grécia no ocidente até a Medicina Tradicional Chinesa no Oriente. As ervas e
fórmulas Ayurvédicas aparecem na Medicina Tradicional Chinesa, e já se praticava na Índia
técnicas de acupunctura, muito antes de os Chineses a defenderem como sua.

A Ayurveda é também o fundamento da medicina Tibetana, a qual se baseou


predominantemente nos conceitos da Ayurveda, mas com uma influência secundária da
Medicina Chinesa. Existem ainda outras formas de Ayurveda no Nepal, Sri Lanka e Birmânia,
assim como em algumas zonas de Tailândia, onde se desenvolveu a conhecida massagem
tailandesa, com base nas técnicas de massagens do sul da Índia.

A Ayurveda manteve-se viva pela transmissão oral de geração em geração até os nossos
dias, tradição esta que permitiu que em distintas regiões da Índia, os sábios se especializassem
em diferentes patologias, linhas de medicamentos e técnicas terapêuticas.

Os Vaidyas (médicos ayurvédicos) formavam parte de uma sub casta dentro das cinco
castas principais, e por este motivo, a tradição médica seguia pela linha familiar, assegurando
assim a continuidade do conhecimento. Como dado interessante, em alguns lugares da Índia, há
médicos que tem uma tradição que se estende por mais de 15 gerações seguidas de Vaidyas na
família. Também era comum que famílias inteiras se especializassem na plantação de ervas e
outras na produção de remédios ayurvédicos.

3 – Os Princípios Básicos da Ayurveda (Siddhantha)

A Ayurveda foi o primeiro sistema médico que manifestou uma concepção holistica
integrada entre o corpo, a mente e o espírito e que defende uma relação profunda entre o
universo ou macrocosmos e a pessoa ou microcosmos.

A Ayurveda concebe a vida como a união do corpo, sentidos, mente e o espírito, e toda a
experiência positiva ou negativa a nível corporal tem seu efeito sobre a mente e vice-versa.

As suas bases filosóficas regem-se pela Teoria dos cinco elementos (éter, ar, fogo, água e
terra), do sistema Tridosha (Vata, Pitta e Kapha) ou dos três tipos corporais, os sete Dhatus
(Rasa, Rakta, Mansa, Meda, Asthi, Majja e Shukra ) ou tecidos, os três Malas ou produtos de

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 10


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

excreção, e a trindade da vida formada pelo corpo, mente e espírito.

O ser humano é uma interacção dos três doshas, dos sete dhatus (ou tecidos básicos) e os
malas (ou produtos de eliminação corporal) como as fezes, a urina e o suor.

Os três doshas ou humores, constituem as forças básicas que interactuam e se encontram


presentes no organismo de todas as pessoas.

Os 5 elementos (Panchamahabhutas)

A física e a química moderna têm descoberto através de investigações em laboratório, quais


os elementos que constituem a matéria e desta maneira dão uma explicação científica sobre a
constituição e o funcionamento do nosso universo.

Há muitos séculos atrás, os sábios que desenvolveram as bases do Ayurveda, buscaram a


resposta na conformação do Universo. As respostas encontradas estão baseadas na observação
profunda e tem uma explicação integral acerca da funcionalidade de cada um dos elementos e
sua relação com os aspectos mais subtis ou mentais.

A Teoria dos Cinco Elementos também é conhecida como Pancha Mahabutha (pancha =
cinco e mahabutha = elemento) e foi usada pelos sábios para explicar de que modo as forças
do macro e do microcosmos estão unidas entre si.

Estes cinco elementos, éter, ar, fogo, água e terra, são os distintos estados da matéria. A
terra representa o estado sólido; a água o estado liquido; o ar, o estado gasoso; o fogo, o
poder para trocar o estado de qualquer substância; o éter (ou espaço), o campo ou o espaço
em que a matéria existe.

Podemos considerar que o homem é um microcosmo da natureza e assim como os cinco


elementos básicos e suas características, estão presentes em cada matéria, também existem
em cada pessoa.

Éter ou Espaço (Akasha)

A expansão da consciência é o espaço, e o espaço é o meio em que tudo existe e tem


potencialidade para existir. Necessitamos de espaço para viver e as nossas células contêm
espaço. Aliás, tudo o que conhecemos como matéria é de facto, a nível sub atómico,
praticamente só espaço. O espaço sináptico, celular e visceral permite aos tecidos
desempenharem as suas funções fisiológicas normais. Uma alteração no espaço dos tecidos
leva a condições patológicas. O espaço entre duas células nervosas conjuntivas auxilia a
comunicação e o espaço na mente desenvolve o amor e felicidade.

Ar (Vayu)

Este elemento é universal, sem forma e imóvel. O movimento da consciência determina a


direcção ao longo da qual a mudança de local se processa. Esta acção causa actividades subtis
dentro do espaço. De acordo com a perspectiva ayurvédica, este é o princípio do ar. Existe um
campo magnético cósmico responsável pelo movimento da terra, vento e água. A sua
representação no corpo humano é o ar biológico, responsável pelos movimentos aferentes e
eferentes, impulsos sensoriais e motores. Quando alguém toca a pele a sensação táctil é
enviada para o cérebro pelo princípio do movimento. Depois há uma reacção ao impulso que é
a resposta motora transmitida desde o cérebro até ao membro. Esta é uma função muito
importante do ar. A nossa respiração deve-se ao movimento do diafragma e os movimentos dos
intestinos são também governados pelo princípio do ar. Da mesma forma é ainda o princípio
que controla o movimento dos pensamentos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 11


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Fogo (Tejas)

Onde existe movimento existe fricção, o que gera calor e logo a terceira manifestação da
consciência é o fogo, o princípio do calor. O elemento fogo é o poder de transformar uma
substância sólida a líquida, em gás e vice-versa.

Existem muitas representações de calor no corpo humano. O plexo solar é a principal zona
que regula o calor no corpo. É ainda responsável pela digestão, absorção e assimilação. Está
presente nos olhos e por isso nos percebemos da luz. O fogo do cérebro é representado através
da compreensão, aprendizagem e juízo. No pequeno universo o sol é uma bola de fogo que nos
dá luz e calor. No corpo o fogo é essencialmente representado pelo fogo interno: o plexo solar
que nos aquece, o processo digestivo e a função do fígado.

Água (Jala)

A água representa o estado líquido da matéria cujos atributos característicos são a fluidez,
peso, viscosidade, densidade e coesão. A água é a substância que carece de estabilidade ou
forma e que se percebe mediante o gosto.

Devido ao calor do fogo a consciência torna-se em água. Segundo a química a água é H2O,
Segundo a Ayurveda a água é a liquefacção da consciência. A água existe no corpo em diversas
formas, tais como plasma, citoplasma, soro, saliva, muco, lágrimas e liquido cerebrospinal. Nós
eliminamos o excesso de água sobre a forma de urina e suor. A água é necessária para nutrir e
manter o equilíbrio do corpo e sem ela as células não vivem.

Terra (Prithvi)

A pura manifestação da consciência é o elemento terra. Devido ao calor do fogo e água,


ocorre uma cristalização. De acordo com a Ayurveda, as moléculas da terra não são mais do
que a cristalização da consciência. No corpo humano, todas as estruturas sólidas, firme, rijas e
compactas derivam do elemento terra, tal como os ossos, cartilagens, unhas, cabelo, dentes e
pele. Até a na mais simples das células, a sua membrana é do elemento terra.

Todos estes cinco elementos estão presentes em todas as células humanas. De acordo com
a Ayurveda, o homem é a criação da consciência universal. O que está presente no cosmos, o
macrocosmo, está presente no corpo, o microcosmo. O Homem é uma miniatura da natureza.

Concluindo:

Se é líquido, frio, oleoso, suave móvel, brando, nos encontramos com o elemento Água.

Se é quente, intenso, seco e transformador podemos definir que tem predominância do Fogo.

Se é leviano, móvel, subtil, claro, seco e frio descobriremos o elemento Ar.

As qualidades da subtilidade e imobilidade distinguem o elemento Éter.

Se é pesado, duro, estável, áspero, grosso e sólido podemos defini-lo como Terra

Os Elementos, os Sentidos e os Órgãos do Corpo

Cada um dos elementos está relacionado com habilidade inata no homem de perceber o
meio que o rodeia através dos sentidos e estes, estão por sua parte relacionados
especificamente com alguma acção que é levada a cabo por um órgão do corpo. Desta maneira,
a Ayurveda estuda os órgãos de percepção e os órgãos de acção.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 12


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

O éter é o meio pelo qual se transmite a onda sonora, pelo que está relacionado com a
função auditiva. A fala representa a acção do éter. O ouvido é o órgão de percepção e todo o
aparato de fonação (cordas vocais, língua, boca).

A pele, ao sentir o movimento do ar, representa o órgão sensorial. A mão é o órgão de


acção, por sua capacidade de perceber, dar e receber.

O fogo está relacionado com a visão e seu órgão sensorial é o olho. Eles dão a direcção
apropriada e governam a acção do caminhar, cujo órgão de acção são os pés.

A água da saliva permite perceber os distintos sabores. A língua é o órgão sensorial do


gosto. Os órgãos de acção são o pénis e o clítoris, considerados segundo a Ayurveda como a
língua inferior. A acção específica é a procriação.

A terra relaciona-se com o olfacto sendo o nariz o órgão sensorial. A excreção é a acção
específica e o ânus o órgão correspondente.

Os Gunas

Constituição Mental

A filosofia Védica classifica os temperamentos humanos em três qualidades básicas Sátvica,


Rajásica e Tamásica. Estas diferenças individuais nas disposições psicológicas e morais, bem
como as suas reacções aos ambientes sócio-culturais e físicos são descritas em todos os textos
clássicos da Ayurveda.

As qualidades Sátvicas implicam a essência, realidade, pureza e clareza da percepção que


são responsáveis pela bondade e felicidade. Todos os movimentos e actividades devem-se a
Rajas, que controla a vida dos prazeres sensoriais e sensuais, prazer e dor, esforço e
persistência. Tamas é a escuridão, inércia e atitudes materialistas. Existe uma constante
interacção destes três gunas na consciência individual, mas a predominância relativa de satva,
rajas, ou tamas é responsável pela constituição psicológica do indivíduo

Constituição Mental Sátvica

As pessoas em que as qualidades sátvicas são predominantes, são religiosas, harmoniosas,


empáticas, compreensivas, dedicadas, apaixonadas, desenvolvem o amor, a compaixão,
tolerância, paz e simplicidade. São seguidores da verdade e conscientes. Tem boas maneiras e
conduta correcta. Não se zangam ou ficam preocupadas facilmente. Apesar de desenvolverem
um trabalho mental intenso não ficam mentalmente fatigadas e necessitam de poucas horas de
sono. Têm uma aparência geralmente viva, alerta, bem disposta, perspicaz, engraçada e feliz.
São criativos, humildes e respeitadores dos outros. Prezam Deus e a natureza a amam todos os
seres, estimando os animais, árvores, e toda a natureza. Têm uma intuição muito equilibrada e
desenvolvida, bem como inteligência.

Constituição Mental Rajásica

Os indivíduos em que se encontra uma predominância das qualidades rajásicas são


geralmente egoístas, ambiciosos, agressivos, orgulhosos, competitivos e têm uma tendência
para controlar os outros. Gostam de exercer o poder, prestigio, status, e têm uma tendência
exagerada para serem perfeccionistas. São pessoas muito trabalhadoras mas com alguma falta
de organização e planeamento. São por outro lado geralmente muito activos e com uma mente
irrequieta. Emocionalmente são invejosos, facilmente irritáveis, ambiciosos e têm momentos de
prazer e felicidade associados ao sucesso. Têm medo do fracasso, são mais susceptíveis ao
stress e perdem facilmente a sua energia mental. Necessitam de pelo menos oito horas de sono.
Podem ser apaixonados, calmos e pacientes apenas em quanto os seus interesses próprios

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 13


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

forem servidos. São bons, carinhosos, amigos e fiéis apenas para aqueles que lhes são úteis.
Não são honestos para com a sua própria consciência interior. As suas actividades têm como
polo central o seu ego e os seus caprichos.

Constituição Mental Tamásica

As pessoas em que as qualidades tamásicas predominam são menos inteligentes. Têm


tendência para a depressão. Preguiça, excesso de sono, mesmo durante o dia. Qualquer
trabalho mental, por mais pequeno que seja, cansa-os rapidamente. Gostam de emprego sem
responsabilidade e dão muito valor à comida, bebida e ao sexo. São gananciosos, possessivas,
irritáveis e não pensam nos outros. Podem magoar os outros devidos aos seus interesses
pessoais. É-lhes muito difícil conseguir controlar a mente em meditação.

O Sistema Tridosha

Tal como todas as pessoas têm uma cara única ou impressão digital, para a Ayurveda, cada
pessoa tem um padrão de energia particular, uma combinação individual de características
físicas e mentais na sua constituição. Esta constituição é determinada na concepção através de
um determinado número de factores e é o mesmo durante toda a vida.

Muitos factores, tanto internos como externos, influenciam em nós este equilíbrio e
reflectem-se como uma mudança da constituição original. Alguns exemplos destes stresses
emocionais e físicos são: o estado emocional, as escolhas de comida e regime alimentar,
estações e estado do tempo, traumas físicos, trabalho e relações familiares. Uma vez
conhecidos estes factores como causas de desequilíbrio, podem-se tomar as medidas
necessárias para anular ou minimizar os seus efeitos ou eliminar as causa e restabelecer a
harmonia da constituição original.

O equilíbrio é a ordem natural ao passo que o desequilíbrio é a desordem. A saúde é ordem,


a doença a desordem. Dentro do corpo existe uma interacção contínua entre a ordem e a
desordem. Ao compreender a natureza e estrutura da desordem é depois possível restabelecer
a ordem.

A Ayurveda identifica três tipos básicos de energia ou princípios funcionais que estão
presentes em todas as pessoas, e são conhecidos como os Doshas, Vata, Pitta e Kapha.

É necessário energia que crie movimento para que os fluidos cheguem ás células e façam o
organismo cumprir as suas funções. É ainda necessária energia para metabolizar os nutrientes
e nutrir as células. Vata é a energia do movimento, pitta a energia da digestão e Kapha a
energia da lubrificação e estrutura.

Todos os indivíduos têm características de Vata, Pitta e Kapha, mas regra geral um dos
doshas é predominante em relação aos outros. A causa da doença na Ayurveda é vista como a
falta de um funcionamento celular correcto devido ao excesso ou deficiência de Vata, pitta ou
Kapha e a acumulação de toxinas (Ama). Na Ayurveda, corpo, mente e consciência trabalham
indissociavelmente juntos de forma a manterem este equilíbrio. São vistos como características
psico-fisicas únicas de cada indivíduo.

Os três Doshas: Vata, Pitta e Kapha

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 14


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

O aspecto estrutural do corpo é composto pelos cinco elementos, mas o aspecto funcional é
gerido pelos três humores ou doshas. O espaço ou éter e ar dão origem a Vata; o fogo a pitta e
água e terra a Kapha. Vata, Pitta e Kapha são os três humores biológicos do organismo.
Controlam as alterações psico-biológicas do organismo tal como as alterações fisio-patologicas
do mesmo. Vata-Pitta-Kapha estão presentes em todas as células, tecidos e órgãos, diferindo e
assumindo diversas combinações em todos os indivíduos.

O esperma é a semente masculina ao passo que o ovário é onde o óvulo feminino dá


origem ao ser. Eles contêm ainda informação de Vata-Pitta-Kapha. A determinação da
conjugação Vata-Pitta-Kapha altera-se de acordo com a dieta, estilo de vida e emoções. O
esperma é influenciado pelo estilo de vida do pai e mãe, dieta. Na altura da fertilização, quando
um espermatozóide entra num óvulo, é determinada a constituição individual (Pakruti).

De acordo com a Ayurveda, existem sete tipos de constituição: mono-tipos


(predominantemente Vata, pitta ou Kapha), ou de dois tipos (Vata-Pitta, Pitta-Kapha ou Kapha-
Vata), ou tipos iguais, (Vata, Pitta e Kapha em proporções iguais), sendo esta única raríssima.
Todo o indivíduo tem uma combinação única destes três doshas. Entender este conceito de
individualidade é entender o fundamento do processo de saúde e cura de acordo com a
Ayurveda, a "Ciência da Vida".

Vata é a expressão da força do movimento, Pitta a de transformação e Kapha a da


estabilidade e estrutura.

A constituição doshica ou mente-corpo, é a manifestação do predomínio dessas forças no


nosso ser. Representam um mapa das nossas áreas de força e também das debilidades que
fazem o nosso corpo ou mente ficar debilitados com o tempo.

As pessoas de constituição Vata, dominadas pelo espaço e pelo


ar, tendem a ser activas, enérgicas, inquietas e criativas. Têm
geralmente pouca estabilidade emocional e têm dificuldade em se
manterem fixas ás relações, empregos e outras actividades.
Aprendem rápido mas também esquecem rápido. O seu corpo
tende a ser delgado, com ossos e tendões proeminentes e pele
seca e fria. O sono e o apetite são irregulares.

Quando desequilibrados, têm tendência


para dores articulares e distúrbios de
intestinais. Psicologicamente tendem para a
depressão, insónia, insatisfação geral, temores,
fobias e ansiedade. Para o seu equilíbrio
necessitam de calor, actividades calmas,
alimentos com características de Terra e Água,
música relaxante e aromas doces.

Aqueles com predomínio de Pitta,

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 15


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

dominados pelo elemento Fogo, mostram um grande interesse e capacidade intelectual sendo
por isso os mais executivos, organizados e empreendedores. São bons oradores e gostam de
expor e impor as suas ideias aos outros. Têm uma personalidade forte e geralmente pouco
flexível. As proporções corporais são medianas e as extremidades são quentes. A transpiração é
fácil e o apetite e a digestão são fortes. O seu sono não é muito prolongado mas é profundo,
necessitando de poucas horas de descanso. Quando desequilibrados tendem a desenvolver
sentimentos de ira, irritabilidade e mesmo violência frente aos desequilíbrios quotidianos.

Para o seu equilíbrio necessitam de elementos frios, actividades moderadas e ao ar livre,


alimentos frescos, leves e aromas florais.

As pessoas Kapha, dominadas pelos elementos Água e Terra,


são metódicas e pensativas, tolerantes, calmas e são pouco
afectadas pelo stress. Têm tendência para ignorar as mesquinhices
do dia a dia e gostam de aproveitar os prazeres da vida de forma
descontraída. Têm uma constituição corporal sólida e robusta, com
tez suave, cabelo oleoso e grosso. O apetite e a digestão são
lentos e constante com uma tendência ao sono. Quando em
desequilíbrio, têm tendência para o aumento de peso, retenção de
líquidos, preguiça e passividade quanto as responsabilidades.

Para o seu equilíbrio devem favorecer exercícios mais


vigorosos, consumir alimentos leves, picantes e ácidos, pobres em
gordura, especialmente animal. Poderão receber massagens mais
vigorosas e com óleos estimulantes como o de mostarda, aromas
de pimentas, gengibre e cânforas.

Devemos ter em conta o postulado ayurvédico que diz: “o


semelhante incrementa o semelhante”.

Alguns factores que perturbam o bem-estar e o equilíbrio dos


doshas:

 Lugar e clima
 Traumas
 Supressão de desejos naturais
 Género de vida
 Ocupação
 Mau emprego da mente
 Acções e palavras inapropriadas
 Dieta
 Digestão e metabolismo
 Idade
 Constituição
 Época do ano
 Imunidade
 Mau emprego, abuso ou pouco uso dos sentidos
 Emoções

Este conhecimento da constituição corporal é um dos pilares da Ayurveda que nos

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 16


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

possibilita desenhar e executar planos de equilíbrio possíveis e inteligentes no caminho da


busca pela longevidade e melhor qualidade de vida.

4 – Os Pilares da Ayurveda

A Ayurveda, no seu caminho do bem-estar e longevidade, dá uma grande importância às


acções preventivas relacionadas com a alimentação, actividade física, rotinas quotidianas e
inúmeras técnicas que promovem a harmonia mental. Todas estas acções se complementam
com técnicas de desintoxicação periódicas que ajudam a manter o equilíbrio corporal.

Alimentação

A matriz total do corpo compreende os humores,


os tecidos e os produtos eliminados pelo corpo. No
crescimento e declínio desta matriz corporal e seus
constituintes, a comida tem uma importância e
influência fundamental para cada um dos tipos de
constituição.

A ingestão, digestão, absorção, assimilação e


metabolismo da comida tem uma influência directa
com a saúde e doença, que são significativamente
afectados pelos mecanismos psicológicos assim como pelo fogo digestivo ou Agni.

Os postulados sobre a alimentação da Ayurveda são para todos e podem ser utilizados sem
inconvenientes por toda a família, mesmo no seio de nossa cultura e origem, pois na sua
essência trata-se de conhecer o nosso corpo e metabolismo, clima, produtos e alimentos
originários da zona, etc, agindo em conformidade com a natureza para o equilíbrio individual.

São ainda utilizados os conhecimentos sobre os sabores como ferramenta preventiva e


terapêutica. Segundo a Ayurveda, todos os alimentos podem ser remédios e têm o seu valor
curativo e considera que a primeira farmácia se encontra na nossa cozinha. Por este motivo,
existe um vasto conhecimento, dotado de uma grande sabedoria de todo o potencial preventivo
e curativo dos distintos alimentos.

Actividade Física

O estímulo do corpo em termos mecânicos pode ser desenvolvido através da realização da


prática de desporto, massagens e também com a prática do yoga.

Na Ayurveda recomenda-se a prática das massagens para eliminar as toxinas corporais,


relaxar e tonificar todo o corpo, estimular o sistema digestivo, induzir um sono reparador e
alegrar a vida. Para este objectivo utilizam-se óleos adequados para cada constituição corporal
os quais podem estar medicados com plantas medicinais ou óleos essenciais. Pode-se ainda
utilizar na massagem ghee (manteiga clarificada), pastas ou pós. As massagens actuam ainda
sobre os pontos marmas, os quais são zonas onde se concentra a energia.

Yoga e Ayurveda estão intimamente relacionados desde que se tem conhecimento. O Yoga
é uma ciência e um método para adquirir harmonia espiritual através do controle do corpo e da
mente. As asanas (posturas) e o pranayama (controle da respiração) são práticas que não só
nos ajudam no caminho da perfeita saúde mas também nos permitem desenvolver a força
interior para atravessar situações stressantes com a mente calma e serena.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 17


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Rotina Diária (Dinhacharia)

A Ayurveda inclui temas que não são abordados habitualmente pela medicina moderna, tais
como levar em conta sistematicamente o estilo de vida baseando-se nos doshas. O
conhecimento das rotinas diárias relacionadas com o sono, a alimentação, o trabalho, etc.,
permitem utilizar este caminho na busca do equilíbrio pessoal.

A Harmonia Mental

A busca de harmonia mental é um dos pilares fundamentais da Ayurveda no caminho da


direcção a saúde perfeita.

A meditação tem oferecido às pessoas de todo o mundo enormes benefícios a nível de


saúde e também para minimizar os efeitos do ritmo de vida frenético. É uma excelente via para
estabelecer o contacto com o descobrimento de nossa própria realidade interior e com a criação.

A Doença e a Ayurveda

A doença, para a Ayurveda, é muito mais que a manifestação de sintomas desagradáveis


ou perigosos à manutenção da vida. A Ayurveda, como ciência integral, considera que a doença
se inicia muito antes de chegar à fase em que ela finalmente pode ser percebida. Assim,
pequenos desequilíbrios tendem a aumentar com o passar do tempo, se não forem corrigidos,
originando a enfermidade muito antes de podermos percebê-la.

È essencialmente um sistema que enfatiza a prevenção e deve ser entendido como um


estilo de vida, não como terapia isolada. Até numa perspectiva Ocidental constatamos que,
infelizmente apenas a nível teórico, é exactamente esta a definição de saúde que a Organização
Mundial de Saúde recomenda.

Devemos pois encarar a saúde como um todo, que envolve um bem-estar físico e
psicológico, de realização social e profissional. A medicina ocidental falha em grande escala
neste sentido, desenvolvendo drogas para o tratamento dos sintomas e não a sua causa.

“O ser humano destrói a sua saúde para ganhar dinheiro, e depois gasta-o tentar
recuperá-la. Acaba por viver como se não fosse morrer e depois morre como se não tivesse
vivido” – adaptação dum texto do Dahlai Lama.

As teorias ayurvédicas defendem que todos os estados de doença começam com um


desequilíbrio ou stress da consciência individual e que a causa última de todas as enfermidades
se deve ao violar as leis da natureza. Perante um estado de doença, a Ayurveda é capaz de
tratar as causas, e desenvolver um tratamento integral do paciente em vez meramente
proceder a eliminação dos sintomas. Emprega uma enorme quantidade de recursos
terapêuticos, desde a massagem, à música, cromoterapia, aromoterapia, entre outros. Faz
alguns diagnósticos convencionais da mesma forma que os médicos modernos quando a
situação o requer. Por outro lado, estimula a observação e a investigação científica, facto que
tem permitido comprovar muitos dos seus postulados milenares.

Tradicionalmente, para o tratamento das enfermidades, a Ayurveda está dividido em 8


ramos. A palavra em sânscrito que significa tratamento é Chikitsa:

 Medicina Geral: (Kayachikitsa): relacionada com as enfermidades dos adultos.


O Charaka Samhita é uno dos textos principais.
 Ginecologia e Pediatria: (Balachikitsa): trata do cuidado pré e pós-natal da
mãe de seu filho. Também abarca as enfermidades das crianças e seus tratamentos.
O Kasyapa Samhita é o tratado fundamental.
 Psiquiatria: (Graha Chikitsa): estudo de doenças mentais e seus tratamentos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 18


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

 Enfermidades da Cabeça: (Salakya Chikitsa): inclui as enfermidades do nariz,


garganta, ouvidos, olhos e cabeça e seus tratamentos.
 Cirurgia: (Salya Chikitsa): compreende vários procedimentos cirúrgicos e o
manejo dos instrumentos e dispositivos específicos. Susruta Samhita é o texto
milenar que deu origem a esta disciplina.
 Toxicologia: (Damshtra Chikitsa): trata dos envenenamentos produzidos pelos
animais (serpentes, etc.) e também estuda os efeitos colaterais dos medicamentos
ayurvédicos.
 Terapia de Rejuvenescimento: (Rasayana): Este ramo é específico da
Ayurveda e se ocupa da prevenção de enfermidades, a preservação da juventude e a
promoção de uma vida longa e saudável.
 Fertilidade: (Vajeekarana): trata dos meios para aumentar a vitalidade sexual
e o poder reprodutivo.

Para além destes 8 ramos para o tratamento das doenças do ser humano, existem ainda
outras duas especializadas para a cura das doenças do reino animal.

Mesmo dentro do sistema Ayurvédico, houve uma altura na história (por influência tibetana)
em que a cirurgia começou a perder terreno para o desenvolvimento de novos medicamentos
preventivos e curativos. A psiquiatria moderna, por sua vez, está a tomar um novo impulso
baseando-se em muitos dos conceitos da medicina ayurvédica, da relação mente-corpo e da
inter-relação entre a saúde e a espiritualidade.

Nos últimos 50 anos de desenvolvimento da Ayurveda temos assistido a um crescimento e


adaptação na maioria das especialidades: Anatomia, Fisiologia, Matéria Médica e Farmacologia,
Farmácia, Pediatria, Ginecologia, Medicina Preventiva e Social e Social, Medicina Interna,
Patologia, Cirurgia, Otorrinolaringologia e Oftalmologia, Psiquiatria e Panchakarma ou
desintoxicação.

O Tratamento das Doenças

A terapêutica específica Ayurvédica baseia-se


fundamentalmente nos remédios de origem natural e está
orientada não só para curar a doença mas também para
eliminar as toxinas acumuladas (Ama) através das técnicas de
Panchakarma, desintoxicação ou rejuvenescimento
(Rasayana). É um sistema médico essencialmente preventivo.

Assim como cada pessoa é única e a verdade infinita, os


tratamentos possíveis são também infinitos e específicos para cada pessoa. Existe o
reconhecimento, desde a antiguidade, de que a melhor medicina é aquela que cura o paciente.
Por ser uma medicina viva, a Ayurveda aceita os avanços científicos e os aspectos mais
positivos da medicina moderna convencional, mas cujo respeito nem sempre é recíproco.

Neste sentido a Ayurveda é actualmente uma síntese entre o melhor que existe em torno
da ciência e da natureza num plano de acção holístico e integral.

A titulo de curiosidade, a farmacologia na Ayurveda inclui mais de 5.000 formulações


distintas que têm se desenvolvido ao longo dos milénios, cerca de 200 tipos de terapias
manuais.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 19


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

5 – A Arte da Massagem Ayurvédica

Entende-se por massagem ayurvédica um conjunto


de técnicas de massagem holistica que favorece a
integração, o equilíbrio e o intercâmbio dinâmico entre a
mente e o corpo. Figura nos textos védicos mais antigos
e caracteriza-se pela utilização de óleos medicados,
técnicas adequadas a cada dosha e desequilíbrio. A sua
prática é conhecida desde os primeiros textos escritos
da Ayurveda, como método para complementar e
potencializar esta distinta ciência.

Era e é utilizada pelas famílias indianas como prática


habitual e na medicina era e é utilizada como método
diagnóstico, curativo e preventivo. Assume diversas
formas e nomes, tal como Abhyanga, Champi,
Udvartana, etc.

Assim, o que define uma massagem ayurvédica não é uma técnica ou o óleo utilizado, mas
sim o facto de se ter em consideração a individualidade e especificidade de cada indivíduo como
expressão única da natureza e utilizar produtos naturais adequados com vista ao equilíbrio.
Assim, para chamarmos uma massagem de Ayurvédica é necessário:

 Ter uma avaliação prévia do indivíduo a massajar


 Reconhecer o sistema corpo-mente-espirito do indivíduo como único
 Utilizar as técnicas e óleos adequados para cada tipo
 Utilizar os circuitos energéticos correctos com vista ao equilíbrio dos Chakras
 Conhecer os principais pontos marma

Desta forma, uma massagem ayurvédica é um acto essencialmente manual de carácter


preventivo ou terapêutico orientado para um indivíduo em específico, de acordo com o seu
Pakruti e Vikruti. Desta forma pretende-se com a massagem optimizar o equilíbrio da relação
corpo, mente e espírito. Os vários tipos de terapias manuais ayurvédicas a utilizar vão-se
adaptar em específico a quem recebe, utilizando óleos medicados, ervas, pós, ghee, etc.

Desde sempre que a massagem foi tomando o seu rumo de forma autónoma, inclusive na
Índia, adaptando-se ás suas mais diversas culturas e regiões. Hoje em dia, as técnicas de
massagem variam de uma região para a outra e são desenvolvidas de acordo com a orientação
e convicção específica de cada médico ou terapeuta.

Tipos de Massagem e seu Desenvolvimento

A ciência médica ayurvédica sempre confiou nas massagens como um dos seus
complementos mais importantes, com variadas técnicas e inúmeras aplicações, podendo ser
enumeradas mais de 200 formas específicas de terapias manuais ayurvédicas.

Uma vez que a pele é um dos mais importantes órgãos do corpo, as manipulações e
massagens realizadas nela com óleos facilitam o processo de cura, pois a pele assimila
rapidamente as propriedades nutritivas, antioxidantes e curativas dos óleos.
A massagem é utilizada para incrementar a efectividade de outras terapias, tais com Langhama
(redução de peso); Brinhana (revitalização), Abhyanga (manutenção), entre muitas outras.
Baseia-se nos seguintes princípios: no uso de óleos específicos; no trabalho em pontos
energéticos (marmas) e em centros vitais (chakras); e no estímulo mediante técnicas manuais.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 20


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Infelizmente, no ocidente tem-se explorado demasiado o nome de massagem ayurvédica


pelo seu suposto exotismo, confundindo e misturando terapias que não fazem qualquer sentido
se não estiverem enquadradas e num plano terapêutico sério, geralmente prolongado no tempo,
e orientado por um médico ayurvédico.

Podemos falar na realidade apenas em quatro ou cinco tipo de terapias manuais


ayurvédicas que podem “fazer sentido” e ter resultados práticos e efectivos para o comum do
indivíduo que procura a massagem ayurvédica no ocidente como uma terapia, independente da
filosofia ayurvédica. Outros tipos de massagem supostamente ayurvédica, são ainda versões e
adaptações ocidentais mais recentes.

Podemos observar em muitos spas e health clubs que oferecem serviços de massagem
ayurvédica apenas para criar no consumidor ocidental a necessidade de fazer algo diferente e
exótico. Na realidade, a este tipo de massagens podemos chamar apenas de aplicação de
técnicas baseadas em tradições ayurvédicas, uma vez que estão desligadas da sua origem e
essência, aplicação prática e espiritual. Tratam-se no fundo e apenas de massagens de
relaxamento clássicas ás quais se juntam óleos aromáticos e algumas técnicas mais arrojadas.

A Índia não se tornou alheia a este atractivo comercial e nas zonas mais turísticas pode-se
observar uma oferta incontável de terapias ayurvédicas, massagens e cursos, sendo necessário
alguma atenção e conhecimento para evitar “fraudes” e más experiências.

As diferentes terapias ayurvédicas foram desenvolvidas especificamente ao longo de


milhares de anos para responder a problemas de foro psicológico, dores musculares, equilíbrio
das energias, desintoxicação, etc, não devendo ser utilizadas sem uma orientação médica
qualificada.

Os tipos de terapias manuais ayurvédicas que se devem utilizar de forma a obter um


resultado eficaz, tanto preventivo como terapêutico são essencialmente a Massagem Ayurvédica
Tradicional, a Abhyanga e a Champi (Indian Head Massage). Outras terapias tais como a Khizi
ou Pinda, Shirodhara, Udwarthana, Kalari Massage, Padaghata, etc, podem ser úteis e seguras
se o terapeuta for experiente, credenciado e conseguir associar a necessidade terapêutica do
cliente com a terapia a executar.

No ocidente muitos outros nomes são por vezes associados e utilizados nas massagens
ayurvédicas, mas que no fundo não passam de outro tipo de tratamentos ayurvédicos.

Benefícios da Massagem e Indicações

Na Ayurveda recomenda-se a sua prática diária, fundamentalmente para eliminar as toxinas


do corpo, relaxar todo o corpo, colaborar com o sistema digestivo, induzir ao sono profundo e
alegrar a vida.

Assim, como principais benefícios físicos e indicações podemos enumerar:

 Nutrir e hidratar a pele e tecidos


 Tonificar e relaxar os tecidos musculares subcutâneos, favorecendo as curvas
naturais no corpo.
 Aumentar a temperatura corporal facilitando a circulação.
 Incrementar o fluxo do oxigénio que dá vida aos tecidos.
 Estimular o sistema linfático e a eliminação de toxinas de todo o corpo.
 Incrementar a resistência corporal a enfermidade, ao elevar as respostas
imunológicas.
 Abrir os canais do corpo, possibilitando um fluxo sem obstáculos da energia e
proporcionando nova força vital. Corrige o fluxo da energia em todo o corpo.
 Dar ao corpo uma sensação de leveza, agilidade e energia.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 21


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

 Eliminar a rigidez das articulações, melhorando assim a postura e a graça do


movimento.
 Flexibilizar a coluna, melhorando a comunicação nervosa aos órgãos e todas as
partes do corpo.
 Aumentar o vigor e a vitalidade sexual.
 Activar a concentração e a vivacidade mental criando inteligência e estimulando
a criatividade
 Criar consciência corporal, elevar a auto-estima e fortalecer o poder da vontade.
 Rejuvenescer e preservar as propriedades da juventude.

Como principais benefícios mentais e indicações podemos enumerar:

 Afirmar a auto-estima, criar confiança, abertura mental, segurança, estimular a


concentração, inteligência e criatividade.
 Liberar emoções bloqueadas com efeitos físicos e mentais.
 Produzir relaxamento, estimular pensamentos positivos e consciência de todo o
corpo.
 Indução de um estado de meditação.

Precauções na Massagem

Tal como em qualquer técnica manipulativa, existem algumas situações em que é necessário
avaliar individualmente se é seguro aplicar a massagem e/ou determinadas técnicas,
nomeadamente em casos de:

 Depois de uma refeição completa


 Durante os 3 primeiros dias de menstruação
 Gravidez nos primeiros 3 meses
 Em processos de desintoxicação (Panchakarma)
 Quando o paciente está a tomar laxantes
 A pessoa está sobre tratamentos de enemas (Basti)
 Doenças de pele (nem todas são contagiosas ou passíveis de agravamento)
 Pessoas com implantes ou próteses
 Diabéticos (não deixar adormecer e oferecer um sumo ou alimento ligeiro no fim
da massagem)
 Dores exageradas em determinada parte do corpo
 Fadiga ou excitabilidade extrema
 Pessoas sob tratamento médico devem obter o aval do médico para receber a
massagem.

Existem porém outras situações, que pela sua gravidade ou potencialidade de desenvolver
um estado mais grave, têm que ser encaradas como contra-indicações absolutas.

Contra Indicações Absolutas

 Feridas abertas
 Doenças infecciosas como sida, hepatite, etc.
 Cancros
 Epilepsia
 Sujeitos alcoolizados e perturbados psicologicamente
 Febre elevada
 Trombo flebites e tromboses recentes
 Queimaduras solares
 Pessoas que possuem problemas de descalcificação óssea não podem receber
massagem com os pés e técnicas de tracção exagerada

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 22


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

 Para todos os outros tipos de problemas deve-se ter o aval do terapeuta ou do


médico para saber se pode ou não receber um tratamento, pelo que todos os casos de
dúvida são uma contra-indicação!

Ao falar de precauções e contra-indicações podemos nos basear nas reacções adversas em


três tipos diferentes de circunstâncias:

1. Quando a massagem é contra-indicada para o paciente – em que o diagnóstico


das necessidades do cliente é nulo, podendo resultar em reacções graves.
2. Quando a técnica é inapropriada para a condição que está sendo tratada –
quando o terapeuta identificou a necessidade do cliente mas não utiliza a técnica
correcta para uma situação pontual.
3. Quando uma técnica inapropriada é incorrectamente aplicada – em que o
terapeuta não tem formação, obtendo reacções totalmente aleatórios, desde nulos
a gravíssimos.

É importante que o terapeuta coloque o cliente à vontade, tanto antes da massagem como
durante, para que este lhe possa dar o máximo de informação útil quanto ao seu estado de
saúde, objectivo da massagem e feedback durante o decorrer da mesma em situações de
desconforto exagerado. A Massagem Ayurvédica Tradicional é composta por um conjunto de
técnicas vigorosas, mas cujos objectivos primeiros são tratar, prevenir, equilibrar e dar
satisfação ao cliente e terapeuta.

Importa ainda conhecer a reacção pós-massagem do cliente de forma a poder ajustar as


técnicas, duração e hora de aplicação na próxima sessão, uma vez que cada indivíduo reage de
maneira diferente. Uns adormecem, uns sentem-se estimulados e outros ficam indiferentes.

Duração de uma Massagem

A duração de uma massagem deve ser determinada pelo massagista de acordo com o
estado de saúde do paciente e com as suas necessidades. Como vimos anteriormente, é
importantíssimo o terapeuta comunicar com o cliente de forma clara e directa de forma a poder
efectuar uma triagem correcta de necessidades e situações específicas de cada indivíduo. De
qualquer forma podemos definir a duração média de uma massagem da seguinte maneira:

 Se este tiver boa saúde, possuir uma idade igual ou inferior a 40 anos e o seu
interesse estiver relacionado apenas em obter um relaxamento, a massagem deve durar
entre 30 a 45 minutos.
 Se o paciente tiver tensões, dores, obstruções energéticas ou má circulação,
deve-se dar especial atenção às zonas afectadas, e neste caso a massagem deve durar
entre 45 a 60 minutos.
 As pessoas que estiverem com uma saúde frágil não devem receber uma
massagem que dure mais do que de 30 a 45 minutos. Este período deve ser dividido em
duas ou três partes com intervalos de descanso conforme necessário. Lenta e
gradualmente a massagem pode ser aumentada para um tempo de 45 a 60 minutos.
 Para quem recebe uma massagem diariamente ou pratica a auto-massagem,
cerca de 40 minutos são suficientes.
 Para adultos com idade de 40 a 60 anos a duração da massagem deve ser
determinada de acordo com o estado de saúde do mesmo, prevalecendo a sensibilidade
do terapeuta.
 Pessoas inválidas devem ser massajadas de 30 a 45 minutos.
 As crianças até um ano de idade ou recém nascidos podem receber uma
massagem que dure de 15 a 20 minutos e as crianças até 3 anos podem ser massajadas

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 23


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

entre 20 a 25 minutos, com as devidas precauções.


 Nos jovens até aos 17 anos a massagem deve durar entre 30 a 45 minutos.
 Em pessoas maiores que gozam de boa saúde física pode-se, em geral, executar
uma massagem que dure cerca de uma hora ou mais, aplicando as demais técnicas de
massagem, alongamentos e tracções.

Assim, não podemos assumir que existem regras fixas relativamente à duração de uma
massagem, apenas indicações, sendo necessário aplicar um dos princípios básicos da Ayurveda
em que o mais importante é o indivíduo, a sua especificidade, condição física e mental.

6 – Os Óleos na Massagem Ayurvédica

A utilização de um tipo de óleo vegetal durante a


realização da massagem permite que se retire o máximo dos
seus resultados. Normalmente os médicos ayurvédicos
utilizam óleos medicados especiais para tratar as mais
diversas enfermidades, físicas e mentais, desequilíbrios dos
doshas e problemas cutâneas.

O óleo é sem dúvida o melhor nutriente para a pele que


se pode utilizar, já que contém proteínas, carbohidratos, antioxidantes e outros componentes
essenciais que são absorvidos pelos poros e através das aberturas dos folículos do cabelo,
sendo depois assimilados pelo bharajaka pitta (um dos seus subdoshas)

Os folículos conectam-se com as fibras nervosas e estas são fortalecidas pelos óleos
vegetais, essencialmente os de oliva (azeite) e sésamo. O óleo previne a secura da pele,
aumenta a sua flexibilidade e evita muitos dos efeitos do envelhecimento prematuro. Suaviza a
pele, elimina as escoriações, dispersa o calor de modo uniforme em todo o corpo e proporciona
brilho à pele.

A pequena quantidade de óleo que deve permanecer no corpo depois da massagem, e o


duche ou o banho quente que se toma, confere resistência frente às mudanças extremas de
temperatura e de pressão do ambiente exterior.

Se por exemplo se aplica azeite no umbigo antes de dormir, elimina-se a secura de todo o
corpo. Quando se aplica óleo numa articulação da coluna e no crânio, normalmente o sistema
nervoso acalma-se, a memória é fortalecida e a vista melhora.

Na Índia é comum receber massagens com a utilização de um tipo de óleo. Os terapeutas


ayurvédicos acreditam que se fizerem uma massagem sem óleo, a seco, a fricção criada gera
calor e dor e perturba o elemento Vata e, como consequência, os gases do organismo. Por
outro lado esta fricção pode ser um dos factores responsáveis pelo desequilíbrio de excesso de
Pitta.

No entanto, é possível realizar técnicas mais profundas, comprimir, amassar e pressionar


com suavidade, prescindindo-se do óleo sem experimentar efeitos negativos. Neste caso é
importante o nível de conhecimento prático do terapeuta. Quando o objectivo é eliminar o
cansaço, o stress, o nervosismo e a ansiedade, isto pode ser tão vantajoso como uma
massagem com óleo. Contudo, não fortalece os nervos nem a pele e tão pouco elimina a secura
da pele.

Na Índia, costuma-se aplicar óleo diariamente no corpo para evitar picadas de insectos; nos
órgãos genitais, para prevenir as infecções; no nariz, com o fim de evitar a secura; nos olhos,
para limpá-los e fortalecê-los; nas orelhas, para limpá-las, e no umbigo, para curar a secura de
todo o corpo e acalmar o fogo do aparelho digestivo.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 24


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Na Ayurvédica dá-se muita importância ao umbigo porque é através dele que uma rede de
setenta e dois nervos subtis (nadis), se interligam com o resto do corpo. O umbigo é também a
primeira fonte de nutrição e de vida para o feto. O corpo, tal como uma máquina, necessita de
óleo. O óleo é utilizado na cozinha devido à sua capacidade para distribuir uniformemente o
calor.

O texto Sushruta Samhita estabelece que as pessoas que sofrem de desequilíbrios


derivados de excesso de Vata (ar) devem adoptar as seguintes práticas: aplicar o snehan
(lubrificar/olear) na zona afectada, aplicar fomentos; untar todo o corpo com óleo; fazer purgas
de óleo; fazer shiro vasti, ou seja, passar óleo na cabeça; inalação de vapores com óleo – neste
processo produzem-se vapores com óleos essenciais na água que se aquece constantemente,
os quais deverão ser inalados para que a pessoa beneficie dos seus efeitos; fazer gargarejos
com óleos mornos e utilizar agentes que produzam espirros.

Para cada tipo de dosha existe um óleo que se melhor se adapta para atenuar os
desequilíbrios associados. De uma forma geral para os Vatas recomenda-se o óleo de sésamo,
para os pittas o óleo de coco e para o Kapha o óleo de mostarda é o mais benéfico mas
podendo ser substituído por uma mistura com sésamo e azeite. Esta recomendação é
importante mas não se pode sobrepor à boa prática manual do terapeuta, ou seja, é mais
importante a qualidade e experiência do terapeuta do que a utilização do óleo mais apropriado.

Tipos de Óleos e as suas Propriedades

É possível utilizar diversos tipos de óleo para massagem, devendo-se ter sempre em conta
o dosha do paciente, que necessita de ser equilibrado. Os óleos aconselhados são aqueles
extraídos por pressão a frio que se obtêm a partir de sementes e vegetais cultivados
organicamente. Beneficiam a pele, nutrem o organismo, melhoram o sistema imunitário e
atrasam o envelhecimento.

A Ayurvédica não recomenda:

 Os óleos minerais e outros substitutos para os óleos naturais, por serem


prejudiciais para as funções metabólicas do corpo já que formam uma camada ou
revestimento sobre a pele e, portanto, impedem que as células respirem livremente, por
isso são tidos como pobres substitutos dos óleos vegetais. A sua aplicação sobre a pele
fecha os poros impedindo-a de respirar e metabolizar-se correctamente.
 Os cremes hidratantes aumentam a secura da pele alguns minutos após a sua
utilização, e frequentemente contêm conservantes e essências sintéticas.
 Os óleos comerciais derivados de gordura animal apresentam o mesmo
problema.

 Os óleos para bebés, contêm, em geral, emulsões e essências sintéticas, por


isso, apesar de eliminarem momentaneamente a secura, não proporcionam efeitos
benéficos nem ao corpo nem ao cabelo. A maioria dos óleos para bebés contêm
parafina, que com o tempo pode dar um resultado negativo. Estes óleos não devem ser
utilizados nos bebés, cujas peles suaves necessitam de óleos derivados de plantas
orgânicas e nutritivas, livres de resíduos e pesticidas. O óleo de amêndoas, o de
mostarda, ou uma mistura de ambos, ajuda a desenvolver os músculos e as fibras
musculares.

Caso o terapeuta não tenha o tipo de óleo mais adequado para o tipo de constituição e
problema do seu paciente, e tiver que utilizar qualquer um, deve ter a precaução de informar o
paciente para tomar banho depois do seu corpo voltar à temperatura normal.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 25


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Óleo de Sésamo

O óleo de sésamo é um dos óleos mais populares em toda a Índia e é sem dúvida o mais
procurado e utilizado nas massagens. É também o favorito dos médicos ayurvédicos, que o
utilizam a grande escala como base para compor os óleos medicinais.

Este óleo é grosso, pesado, amargo, adstringente e gerador de calor. Elimina eficazmente
as enfermidades e desordens causadas por Vata e incrementa Pitta. Pode ser utilizado
moderadamente em indivíduos Kapha. O óleo de sésamo conserva-se por um longo tempo sem
se tornar rançoso porque contém antioxidantes naturais. Contém minerais como o ferro, fósforo,
magnésio, cobre, ácido silício, cálcio e outros micro-elementos. É rico em ácido linoleico e o seu
conteúdo em lecitina tem um efeito benéfico sobre as glândulas endócrinas e especialmente
sobre os nervos e células cerebrais. Contém oito aminoácidos essenciais fundamentais para o
cérebro, e talvez por este motivo tem uma longa história como óleo para todo o corpo incluindo
massagens na cabeça.

As sementes de sésamo de cor negras são utilizadas na Índia em todas as formas de rituais,
desde o nascimento até a morte, e oferecem-se aos deuses através do sacrifício do fogo. Na
Índia durante o Inverno é obrigatório comer refeições variadas em que se utilizam bastante as
sementes de sésamo.

O óleo confeccionado à base de sementes de sésamo pretas cura ainda as inflamações,


elimina a dor e a rigidez muscular, dá vigor a pele e nutre os cabelos. Cura a pele seca,
melhora a textura da pele e previne o envelhecimento prematuro. Se usado regularmente com
técnicas correctas ajuda a modelar a forma dos seios. A massagem com este óleo no couro
cabeludo trata a caspa e restitui o brilho natural do cabelo, incrementa a vitalidade e o sémem,
sendo ainda bom para a gota e a artrite.

Absorve mais prana que os outros óleos vegetais. Por ser neutro não irrita a pele como
pode ocorrer com o óleo de mostarda, e por não ser pegajoso como o azeite, é um óleo para
massagem excelente. As sementes cinzentas são de qualidade média e as brancas servem
apenas para comer. O óleo de sésamo prensado a frio deve ser extraído de uma mistura de
sementes negras, grisadas e brancas. O óleo de sementes negras é melhor para o cabelo e não
deve ser perfumado de forma a não envelhecer prematuramente o cabelo.

Óleo de Mostarda

Este óleo possui a capacidade de aliviar a rigidez dos músculos, por isso pode ser aplicado
nos desportistas e nas pessoas que fazem exercícios físicos muito intensos.

O óleo de mostarda é grosso, amargo, picante, escorregadio, pungente e proporciona calor.


Acaba com os desequilíbrios causados pelo Vata e Kapha; aumenta Pitta e o calor corporal. É
anti-depressivo e fungicida, alivia a dor e cura as inflamações e feridas de todo o tipo. É
também desinfectante e, se aplicado imediatamente nos cortes, detém a hemorragia. Ao
colocá-lo sobre a pele é absorvido rapidamente, relaxa os músculos, os ligamentos e os nervos.
Devolve a flexibilidade muscular depois de uma bronquite ou de um processo febril, desinfecta
o sangue e abre os poros.

O óleo de mostarda extraído das sementes de mostarda amarela pode ser aplicado nos
olhos sem que resultem reacções, mas não se recomenda sem aconselhamento médico.
Nenhum outro óleo é tão efectivo quando aplicado em zonas delicadas, como o nariz, a
garganta, o ânus ou os genitais. Também fortalece a pele e melhora a pigmentação.

Pode ser usado também para qualquer tipo de inflamações. A massagem com ele favorece
óptimos resultados e, se for usado em toda a região abdominal, impede o aumento do volume
do baço e ajuda à sua recuperação. Para qualquer tipo de secura, irritação da pele ou

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 26


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

borbulhas (espinhas) é apropriado dar uma massagem com óleo de mostarda combinado com
um pouco de corcuma em pó. O uso regular e prolongado deste óleo no cabelo previne sua
queda e a aparição de caspas.

No entanto, se o óleo de mostarda for de baixa qualidade pode provocar irritação na pele
das pessoas que a tenham muito sensível. O óleo de mostarda que é encontrado no mercado
actualmente provém de sementes negras de mostarda, que é aceitável para a massagem,
desde que seja de boa qualidade. Deve-se adquirir sempre o óleo fresco e que tenha sido
prensado a frio.

Tendo em conta o seu forte cheiro é possível diluir com um pouco de óleo de sésamo na
base e adicionar umas dotas de óleos essenciais.

Azeite

Trata-se de um óleo com consistência grossa, amarga e que dá calor e aumenta Pitta. É
muito nutritivo, contém proteínas, minerais e oleína, sendo muito popular nos países do Oriente
Médio e do Ocidente, onde é empregado para cozinhar e para preparar as saladas. Algumas
investigações científicas concluíram que ele actua na prevenção da osteoporose, infecções e
tem um efeito benéfico sobre a flora do trato digestivo. Activa ainda o fluxo da bílis e estimula o
metabolismo para eliminar as gorduras em excesso.

Pode perfeitamente ser utilizado para massagem, apesar de ser espesso e mais pesado do
que os outros óleos e por ser caro, na Índia ele é empregado somente em massagens
terapêuticas. Os médicos ayurvédicos e muçulmanos que seguem o sistema grego de medicina
recomendam o azeite para quem padece de gota, artrite, dores musculares, luxações e pólio.
Muitos médicos Ayurvédicos e Ocidentais dizem que é muito nutritivo e que gera mais calor que
o óleo de sésamo ou de mostarda, e é tão bom ou melhor para o corpo do que o óleo de
amêndoas.

Por ser pesado, absorve a radiação solar e se o corpo for massajado com ele antes de
tomar banhos de sol, este será mais receptivo aos raios solares, pelo que é necessário algum
cuidado.

É possível reduzir a sua forma pesada e untuosa adicionando um pouco de óleo de sésamo
juntamente com umas poucas gotas de um óleo aromático essencial, como o de jasmim, rosa
ou alfazema, convertendo-o, assim, num óleo ideal para as massagens terapêuticas. É
especialmente vantajoso para as crianças, especialmente nas de constituição frágil, mas
também para as pessoas adultas. Fortalece os músculos, a pele e os nervos; cura as
inflamações e melhora a pigmentação.

Óleo de Coco

O óleo de coco, base de vários cosméticos e sabonetes, é também um óleo muito popular
para a massagem. Encontra-se geralmente em zonas costeiras tropicais e subtropicais. Como se
solidifica facilmente, é muito fácil de transportar.

O óleo de coco é doce, ligeiro, untuoso e refrescante. É adequado para as pessoas


dominadas por Pitta. Cura as infecções da pele, tais como: erupções, queimaduras, inflamações,
eczemas e infecções produzidas por fungos; utiliza-se vulgarmente para cortes e queimaduras
devido às qualidades anticépticas. Este óleo contém minerais, proteínas, carbo-hidratos e
glicéreos. Cura os inchaços quando usado cru, por via oral ou adicionado nas saladas. No norte
da Índia, este óleo é o favorito das mulheres porque faz o cabelo ficar são, brilhante e espesso.
Também se pode utilizá-lo para calmar e refrescar as pessoas que têm a cabeça quente.

Quando é utilizado como alimento aumenta Kapha, a menos que se siga regras especiais.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 27


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

As pessoas dominadas pela mucosidade podem empregá-lo como óleo de massagem. É


adequado também para os que vivem em climas muito quentes. O óleo de coco pode ser
também misturado com óleo de mostarda na proporção de 2 partes de óleo de coco e 1 de
mostarda e este preparado serve para minimizar a irritação na pele das pessoas que gostam do
óleo de mostarda mas o evitam devido a alergia.

A massagem com óleo de coco apazigua o calor do corpo que acompanha a excitação
sexual. Os homens massajados com este óleo afirmam que aumenta a vitalidade e que detém a
ejaculação precoce. A pele absorve de imediato o óleo de coco e deste modo sua textura se
enriquece.

Por ser relativamente fino, não forma uma película sobre a pele e desta maneira o corpo
pode absorver mais prana da atmosfera em forma de oxigénio, iões negativos e radiação solar
sendo esta a razão que faz dele um bom óleo bronzeador. Se guardado num recipiente de cor
azul ao sol durante 40 dias, é capaz de curar queimaduras e por isso é vantajoso conservá-lo
na cozinha. Se este óleo for curado ao sol e for aplicado no couro cabeludo, na palma das mãos
e na planta dos pés, reduz a febre. Na Índia os cocos são considerados como uma fruta
sagrada com muitas propriedades curativas.

Óleo de Amêndoas Doces

Este óleo é também ideal para massagem. Pode ser utilizado principalmente nas crianças,
inválidos e pessoas maiores. É um óleo doce, untuoso, pesado e adequado para as pessoas
dominadas pelo humor Kapha porque proporciona calor. Contém proteínas, minerais e oleína,
em quantidades semelhantes ao azeite. Devido às suas sãs e rejuvenescedoras qualidades é
muito utilizado na Índia pelos desportistas profissionais que o bebem com leite depois de
curado ao Sol, como um tónico que melhora a sua capacidade para reter a respiração e
fortalecer os seus corpos.

Quando utilizado para dar massagem é excelente para os músculos e ligamentos, cura as
queimaduras da pele, aumenta o sémem e a vitalidade dos homens, e cura qualquer tipo de
inchaço e de secura. Pode ainda ser utilizado como tónico para o cabelo, não só elimina a caspa
e a secura do couro cabeludo, mas também é benéfico para o cérebro.

Quando é de boa qualidade este óleo é bastante dispendioso, pelo que a maioria das
fórmulas que se encontram à venda não passam de sucedâneos de fraca qualidade.

Óleo de Castor

Este óleo é doce, amargo, adstringente, pesado, gordurento e também gera calor. É
adequado para os indivíduos dominados por Vata. Elimina a pele seca e melhora a cútis quando
utilizado externamente. Tem propriedades curativas e um efeito nutritivo e alcalino sobre o
corpo. Penetra profundamente na capa protectora que se encontra abaixo da pele.

Por via oral é um bom laxante, cura a obstipação e muitas afecções abdominais como a
flatulência, cólicas e úlceras. É útil para eliminar as toxinas que foram absorvidas pelos
alimentos indigestos. O óleo de castor, se for ingerido acompanhado com frutos e leite, para
além de ser um excelente afrodisíaco, aumenta a longevidade e a força.

O seu cheiro geralmente mais agressivo faz que não seja tão utilizado como os outros.

Óleo de Grainha de Uva

Apesar de este não ser um óleo de tradição Ayurvédica é importante de ser referido pois é
um óleo bastante neutro, leve podendo ser utilizado praticamente em todos os indivíduos. Não
é gorduroso e pode ser misturado com outros óleos base. A sua falta de nutrientes e

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 28


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

propriedades terapêuticas é compensada pela sua versatilidade, segurança e baixo custo,


especialmente no ocidente.

Óleos Essenciais

É possível compor os próprios óleos para a massagem ayurvédica utilizando óleos base
adequados e adicionando umas gotas de óleo essencial de acordo com o gosto do terapeuta e
do cliente. Se o terapeuta não tem conhecimentos e experiência sobre como manusear os óleos
essenciais e suas indicações então deve utilizar um aroma tolerável pela maioria das pessoas,
tal como alfazema, alecrim, jasmim, etc. Se por outro lado o terapeuta pretende desenvolver
um trabalho mais sério sobre a aromoterapia (também utilizada na ayurveda) poderá compor
óleos de uma forma mais elaborada de acordo com a constituição do cliente e consoante os
efeitos de determinado aroma no processo de equilíbrio dóshico.

A título de exemplo, para Vata recomendam-se os cheiros calmante como a alfazema ou


rosmaninho, para Pitta aromas refrescantes como os florais de rosa ou jasmim e para Kapha
uns aromas mais estimulantes como a cânfora ou gengibre.

Óleos medicados

Este tipo de óleos, mais importantes em massagens como a Abhyanga Tradicional, são
compostos através de diversas formas tais como a fervura das ervas e macerações, de forma a
potenciar os óleos base com todas as características medicinais das plantas utilizadas. Estas
composições são determinadas pelo médico mediante cada situação, e apesar de serem os
melhores óleos, a sua produção está confinada a poucos centro ayurvédicos onde ainda utilizam
os processos tradicionais.

7 – Os Chakras: Massagem Ayurvédica e os Chakras

Chakra, palavra sânscrita, significa literalmente, "roda da lei" ou "roda da vida ou da morte",
pois são semelhantes a rodas.

Os desenhos esquemáticos dos hindus mostram os chakras como pequenos torvelinhos ou


vórtices que se localizam no corpo, englobados pela aura humana, através do qual nós
recebemos, transmitimos e processamos as energias da vida. São também tidos como centros
de força.

Cada chakra possui dois vórtices de energia, um na frente do indivíduo e outro atrás,
localizados ao longo da coluna e conectados entre si.

É sobre esta conexão energética interior, no fio central da coluna, que a massagem
Ayurvédica vai trabalhar para reequilibrar e harmonizar todas as energias e órgãos do corpo
humano, canalizando a energia da base da coluna (cóccix) até o ápice (1ª cervical), ou seja, do
1º para o 7º chakra. Os chakras da palma da mão e da planta dos pés completam o circuito de
conexão fazendo a ligação, no caso do chakra da planta dos pés com a terra e da palma das
mãos com a terra, com o céu e com tudo que está à nossa volta. O 4º chakra, o cardíaco,
vórtice central do corpo humano, funciona como purificador de todas as energias que são
direccionadas para cima, ou seja para o céu – para o 7º chakra. A activação ou dinamização
deste circuito energético traz não só a saúde mas também contribui para rejuvenescer o corpo.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 29


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Os 7 Chakras e as suas Funções

O corpo humano contém centenas de focos de concentração de


energia. Ter um bom conhecimento desses centros, das suas
funções e dominâncias é primordial para realizar um bom trabalho
com a terapia ayurvédica.

Há, 7 centros de energia que são considerados como centros


maiores e mais importantes. Cada chakra é reconhecido no corpo
como um foco de força-vida relativo às energias físicas, emocionais,
mentais e espirituais. Os chakras formam uma rede através da qual
corpo, mente e espírito interagem como um todo.

Os 7 chakras principais correspondem a aspectos específicos da nossa consciência e cada


um tem características e funções individuais. Eles têm conexão com uma das várias glândulas
do sistema endócrino.

O objectivo principal em compreender e trabalhar com os chakras é criar uma integração e


uma totalidade em nós próprios. Desta maneira, nós levamos os vários aspectos de nossa
consciência, do físico ao espiritual, a relacionarem-se harmoniosamente. Enfim, nós começamos
a reconhecer que os diferentes aspectos dentro de nós (físico, material, sexual, espiritual, etc.)
trabalham em conjunto e que cada aspecto é tanto parte do todo como qualquer um dos outros.
Nós temos que ter a capacidade de admitir, aceitar e integrar todos os níveis do nosso ser.

Para ajudar no processo do nosso desenvolvimento integral enquanto seres humanos é


muito importante compreender que os chakras são para a nossa consciência aberturas através
das quais as forças emocionais, mentais e espirituais flúem na expressão física. São aberturas
através das quais se introduzem os nossos sistemas de crenças e atitudes, criando a nossa
estrutura corpo/mente. A energia criada pelas nossas emoções e atitudes mentais, circula
através dos chakras e é distribuída às nossas células, tecidos e órgãos. Compreender isto, traz-
nos um tremendo "insight" de como nós próprios, afectamos o nosso corpo e mente, para
melhor ou para pior.

Compreender os chakras e a sua interligação com a nossa consciência, é compreendermos


melhor a nós próprios. Esse entendimento torna-nos capazes de fazer as nossas escolhas e
tomar as nossas decisões, com consciência e equilíbrio, em vez de sermos cegamente
influenciados pelas forças dispersas da vida.

O antigo ditado "Conhece-te a ti mesmo!" é ainda muito verdadeiro. Se nos conhecermos a


nós próprios temos a possibilidade de realizarmos um trabalho consciente e produtivo de
transformação das energias de quem nos procura para realizar um tratamento.

O que são?

São órgãos de importância fundamental para a manutenção da saúde e do equilíbrio


biológico e psicológico e também para os que almejam atingir estados superiores de consciência.

Chacras (remoinhos ou turbilhões - os furacões, as trombas marinhas, os remoinhos, etc.),


são precisamente essas formas de vórtice ou turbilhão que se observam no ser humano. A
quantidade deles é enorme, praticamente incontável.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 30


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Exemplo de um Vórtice Visão frontal

Visto de frente, o vórtice possui uma forma substancialmente circular.

Num corte lateral, vê-se que o vórtice do exemplo constitui uma depressão no corpo etérico.
A boca está na parte mais externa, e o ápice do cone fica praticamente ao nível da pele
prolonga-se para algum ponto do organismo.

Chakra – Vista lateral Camadas Etérica

Camadas Etéricas

As funções do vórtice são as de manter transferências energéticas entre a totalidade do ser


humano, ou, em outras palavras, intercâmbios entre a sua presença bio-psico-espiritual e as
energias externas. Cada nível de energia opera com os seus respectivos centros ou circuitos, e,
tratando-se dos vórtices localizados no corpo etérico, as transferências energéticas serão as que
correspondem a essa modalidade.

Vórtice Magnos Grandes / Magnos Médios


Segundo o seu tamanho e funções, os vórtices classificam-se em: magnos grandes, médios
e pequenos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 31


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Vórtices Magnos Grandes Aura e Vórtices Magnos Grandes

Vista Frontal do Campo de Energias Emanadas Vista Lateral dos Chakras e suas
Pelos Chacras Conexões

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 32


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Chakras e os Órgãos Vista Lateral dos Vórtices

Chakras e sua localização nas Vértebras

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 33


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

1º CHAKRA = MULADHARA

Localiza-se em cima da base da coluna ou cóccix. A


cor associada a este chakra é a vermelha (côr secundária
preto). O elemento a ele associado é a terra. Rege o
sistema locomotor, as glândulas endócrinas, rins, coluna
espinal, cólon, pernas e ossos. Está associado a terra e a
matéria, a vitalidade, a saciedade dos desejos, dar
fundamento (bases), coordenação física e sobrevivência.
Dá vitalidade ao corpo físico. É a força da vida, da
sobrevivência, auto-preservação e instintos. As gemas e
minerais a ele associados são o rubi, a granada, a
hematita, o jaspe sanguíneo, a turmalina preta, a
obsidiana, o quartzo fumado. Quanto aos alimentos que lhe são benéficos: as proteínas (carne
e produtos lácteos não são recomendados), frutos vermelhos e vegetais.

Este chakra indica como qualidades e lições a aprender: assuntos relacionados ao mundo
material, sucesso. O corpo físico, o domínio do corpo. Base (fundação), individualidade,
estabilidade, segurança, imobilidade, tranquilidade, saúde, coragem, paciência.

Pode também manifestar como qualidades negativas, se a pessoa estiver a funcionar numa
baixa vibração, as seguintes características: egocentrismo, insegurança, violência, ganância,
fúria; demasiada preocupação com a própria sobrevivência;
tensão na coluna e prisão de ventre.

2º CHAKRA = SVADHISTHANA

Localiza-se logo acima dos órgãos reprodutores, acima do


osso púbico. A cor associada a este chakra é a laranja. O
elemento associado é a água. Rege os órgãos reprodutores,
ovários, testículos, proótata, genitais, baixo-ventre, bexiga,
vesícula. Está associado a sexualidade, criatividade,
procriação, sensualidade, habilidade de sentir emoções,
contentamento, assimilação dos alimentos, força física,
vitalidade e sexualidade. As gemas e minerais a ele
associados são a turmalina, coral, calcite dourada, âmbar,
citrina, topázio dourado, aventurina pêssego. Quanto aos
alimentos que lhe são benéficos: líquidos, frutos e vegetais laranjas.

Este chakra indica como qualidades e lições a aprender: dar e receber, emoções, desejos,
prazer, amor sexual / passional, movimento, assimilação de novas ideias, saúde, família,
tolerância, abandono (entrega), trabalhar harmoniosa e criativamente com os outros.

Pode ainda manifestar como qualidades negativas, se a pessoa estiver funcionando numa
baixa vibração, as seguintes características: exagerada indulgência com a comida ou sexo,
dificuldades sexuais, confusão, ausência de objectivos, ciúme, inveja, desejo de possuir,
impotência, problemas uterinos e/ou de bexiga.

3º CHAKRA = MANIPURA

Localiza-se em cima da boca do estômago (acima do


umbigo e abaixo do osso esterno – peito). A cor associada
a este chakra é o amarelo. O elemento a ele associado é o
fogo. Rege todos os órgãos localizados na barriga: fígado,
vesícula biliar, pâncreas, supra-renais, músculos e
estômago e ainda o sistema nervoso. Está associado ao
poder. Dá a vitalidade, força para exprimir emoções e para

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 34


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

ter integridade. Tem como função vitalizar o sistema nervoso simpático bem como os processos
digestivos, o metabolismo e as emoções. As gemas e minerais a ele associados são a citrina, o
topázio dourado, o âmbar, o olho-de-tigre, a calcita dourada e o ouro. Os alimentos benéficos:
os amidos, e as frutas ou vegetais amarelos.

Este chakra indica como qualidades e lições a aprender: vontade, poder pessoal, autoridade,
energia, controle do desejo, auto-controle, brilho (esplendor), calor humano, despertar,
transformação, humor, riso, imortalidade, tomar mais do que se pode assimilar ou usar,
demasiado ênfase no poder e/ou identificação, fúria,
medo, ódio, problemas digestivos.

4º CHAKRA = ANAHATA

Localiza-se no centro do tórax entre os mamilos (no meio


do peito na área do osso esterno). A cor associada a este
chakra é o verde (cor secundária, pirite). O elemento
associado a ele é o ar. Rege a glândula do timo, coração,
sistema circulatório, braços, mãos, pulmões. Associado ao
coração e ao amor abnegado pela transcendência do ego
e do julgamento. As suas funções são amor e paz
incondicional; dá a habilidade (capacidade) de amar a si
próprio e aos outros incondicionalmente.

As gemas e minerais associados a ele são a esmeralda, turmalina verde e rosa, malaquita,
jade verde, aventurina verde, crisopásio, quartzo rosa, rubi. Os alimentos que lhe são benéficos
são as frutas e vegetais verdes.

Este chakra indica como qualidades e lições a aprender: divino / incondicional amor. Perdão,
compaixão, compreensão, equilíbrio, consciência de grupo, união com a vida. Aceitação, paz,
abertura, harmonia, contentamento.

Pode manifestar, se a pessoa estiver funcionando numa baixa vibração, como qualidades
negativas, as seguintes características: repressão do amor, instabilidade emocional,
desequilíbrio, problemas de coração e circulação.

5º CHAKRA = VISHUDHA

Localiza-se na garganta. A cor a ele associada é o azul-


turquesa. O elemento: o Akasha e o éter. Rege a glândula
tiróide, para-tiróide, hipotálamo, garganta, boca. Está
associado ao mundo da comunicação, expressão, audição e
todos os usos do som e da palavra. As suas funções
incluem a criatividade, receptividade, habilidade para
comunicar, discurso, som, vibração, comunicação.

Tem como gemas e minerais associados a turquesa, a


celestite, o topázio azul, a sodalite, o lápis-lazúli, a agua
marinha, a azurite e a ryanite. Os alimentos benéficos são:
as frutas e vegetais azuis e púrpura.

Este chakra indica como qualidades e lições a aprender: poder da palavra falada,
verdadeira comunicação, expressão criativa no discurso, na escrita, nas artes. Integração, paz,
verdade, conhecimento, sabedoria, lealdade, honestidade, confiança, amabilidade, gentileza.

Pode manifestar como qualidades negativas, se a pessoa estiver funcionando numa baixa
vibração, as seguintes características: problemas na comunicação e/ou discurso, excesso de uso

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 35


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

insensato do conhecimento, ignorância, falta de discernimento, depressão e problemas da


tiróide.

6º CHAKRA (3º OLHO) = AJNA

Localiza-se no centro da testa entre as sobrancelhas. É


conhecido como 3º olho ou 3ª visão. A cor associada a este
chakra é o azul índigo (azul escuro). O elemento associado
é a luz. Rege a glândula pituitária, o olho esquerdo, o nariz
e orelhas. Está associado a telepatia, clarividência, intuição
e desenvolvimento mental. Dá visão interior, intuição e a
habilidade de se conhecer a si próprio.

Vitaliza o baixo cérebro (cerebelo) e o sistema nervoso


central. Responsável pela Visão. Os minerais e gemas
associados a ele são o lápis-lazúli, azurite, sodalite, cristal
de quartzo puro, safira, turmalina. Os alimentos que lhe são benéficos são os da cor azul ou
púrpura, frutas e vegetais.

Este chakra indica como qualidades e lições a aprender: realização da alma, intuição,
"insight", imaginação; clarividência, concentração, paz de espírito; sabedoria, devoção,
percepção para além da dualidade.

Pode manifestar como qualidades negativas, se a pessoa estiver funcionando numa baixa
vibração, as seguintes características: falta de concentração, medo, cinismo, tensão, dor de
cabeça, problemas nos olhos, pesadelos e demasiado
deslocamento deste mundo.

7º CHAKRA = SAHASRARA

Localiza-se no topo da cabeça, prolongando-se mais acima.


É a abertura para a Consciência Universal. As cores
associadas a este chakra são: violeta, lilás, roxo, branco,
prateado ou dourado. Os elementos associados são os
pensamentos e a vontade. Rege a glândula Pineal, córtex
cerebral, sistema nervoso central, olho direito.

Vitaliza o cérebro superior (cerebrum). Está associado


ao mundo espiritual e à ligação com o Divino. Tem como
gemas e minerais associados: a ametista, alexandrite,
diamante, sugilite, fluorite púrpura, cristal de quartzo, selenite. Este chakra associa-se à ideia
de jejum e também às frutas e vegetais de cor violeta e púrpura.

Indica como qualidades e lições a aprender: unificação do Eu Superior com a personalidade


humana, união com o infinito, vontade espiritual, inspiração, unidade, sabedoria e compreensão
divina. E ainda, idealismo, serviço voluntário (desinteressado), percepção além- espaço e tempo
e conformidade de consciência.

Pode manifestar como qualidades negativas, se a pessoa estiver funcionando numa baixa
vibração, as seguintes características: falta de inspiração, confusão, depressão, alienação,
hesitação em servir, senilidade.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 36


SOM SENTIDO INFLUÊNCIA DESARMONIA INFLUÊNCIA
CHAKRA SIMBOLO ELEMENTOS EMOÇÃO FUNÇÃO
MANTRAS DOMINANTE PLANETÁRIA RELACIONADA ENDÓCRINA

7º Flor de Glândula
OM ----- ----- ----- Êxtase Psicose Libertação
Coronário Lotus Pineal

6º Estrela de Esquisofrenia Poder Para- Glândula


ÁH ----- ----- Sol e Lua Obsessão
Frontal Seis Pontas Rins Normal Pituitária

Criatividade
5º Inspiração Tiróide Glândula
Cálice HÁ Éter Audição Mercúrio Auto-
Laríngeo Repressão Gripe Tiróide
Expressão

Angina,
4º Artrite,
Cruz YM Ar Tacto Vênus Alegria Compaixão Timo
Coração Paragem
Cardíaca

Poder
Desejo Úlcera
3º Poder Adrenalina
Círculo RA Fogo Visão Marte Medo Pedra nos
Plexo Solar Força Supra Renal
Culpa Rins
Duvida

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados


2º Fígado
Ansiedade Diabetes
Sexual Pirâmide BA Água Paladar Júpiter Saúde Baço
Bem Estar Cancro
(Baço) Pâncreas
no corpo, glândulas que regem, correspondências e as desarmonias a eles vinculadas:
Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo

Hemorróidas,

37
I

Frustração
1º Ciática, Ovário
Quadrado LA Terra Olfato Saturno Ira Sexo
Básico Próstata, Gônadas
Paixão
Ovários, Útero
Resumidamente podemos ainda obter as seguintes informações sobre a influência dos chakras
Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

8 – Os Pontos Marma

De uma forma objectiva, o ponto Marma pode ser definido como o sendo o encontro
anatómico de músculos, veias, artérias, tendões, ossos e articulações. Quando existe algum tipo
de trauma em algum desses marmas, podem-se desenvolver e instalar bloqueios de energia,
com consequências diversas a nível físico, tais como dores ou outros desequilíbrios.

De acordo com o Sushruta Samhita um ponto marma é a união ou ponto de encontro dos
cinco princípios orgânicos: ligamentos, vasos, músculos, ossos e articulações.

Os quatro tipos de canais – nervos, linfa, artérias e veias – transportam respectivamente,


vayu - energia vital -, pitta, kapha e sangue. Estes elementos introduzem-se nos marmas para
manter a humidade dos ligamentos, ossos, músculos e articulações locais. Deste modo vayu,
kapha e o sangue nutrem o organismo.

Marmas Prejudiciais
Existem 5 tipos conforme o seu efeito

 SADYA PRANAHAR - Sady = imediato Prana = vida Har = tirar

 KALANTAR - Significa “tirar a vida”. Terá um efeito prolongado, pois o prana se


esvaziará muito lentamente. Retira o calor. A pessoa começa a sentir-se fraca e os
músculos perdem força.

 VIDHAGNA – A pessoa mantêm-se viva, enquanto o objecto de ataque se mantiver


alojado no marma. Ao retirar-se, o prana esvazia-se provocando a morte. (exemplo da
fecha ou punhal no Sthapni marma)

 VAIKAYAKARA - Provoca uma paralisia permanente ou temporária, dependendo da


intensidade do toque.

 RUJUKAR - São muito dolorosos, podendo também provocar paralisia.

Em todo o corpo existem 107 marmas, que são divididos da seguinte forma:

 11 marmas referentes aos músculos


 41 marmas veias e arteiras
 8 marmas referentes aos ossos
 27 marmas referentes aos tendões
 20 marmas nas áreas vulneráveis.

Um trauma como uma batida ou um corte numa parte do corpo que exista um Marma,
pode proporcionar, dores nos músculos ou uma anemia, por exemplo. A força da vida ou
energia vital de acordo com a Ayurveda depende também do bom funcionamento dos pontos
marmas.

Para harmonizar estes pontos específicos a Ayurveda recomenda massagens com pressões
proporcionais para que estes pontos vitais voltem a funcionar normalmente. Os movimentos em
cada ponto, que será definido através de um diagnóstico, deverão ser realizados correctamente,
por um terapeuta especialista neste tipo de terapia. O Marmas quando trabalhados
indevidamente podem proporcionar mal-estar ou até mesmo desequilíbrio totais no corpo físico.

Na Índia antiga os médicos ayurvédicos usavam os pontos marmas para induzir uma
anestesia local e assim realizar uma cirurgia. Estes pontos têm um grande poder sobre a
consciência.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 38


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Através da manipulação destes pontos podemos activar e desactivar memórias dolorosas


que escondidas na mente inconsciente causam traumas e desarmonias emocionais, como a
síndrome do pânico, fobias, ansiedade, depressão, melancolia e baixa da auto estima e stress .

Dores musculares e articulares, muitas vezes estão ligadas ao bloqueio de algum Marma
que em épocas remotas ou recentes, foi atingido e armazenado ali, uma estagnação de energia
que impede que a mesma flua nutrindo estes tecidos tão requisitados pelos vários movimentos
diários que o corpo físico necessita.

A obesidade, causada por uma acumulação do dosha kapha, muitas vezes ligada a má
digestão e acumulação de material não digerido, pode ser auxiliado no tratamento através da
manipulação de pontos marmas proporcionando o reequilíbrio da digestão e eliminando a
acumulação do lixo orgânico.

A fadiga é uma diminuição da força da vida, um desequilíbrio do dosha vata, que está
ligada ao chacra básico, pontos marmas localizados nos membros inferiores e na região
abdominal. Quando manipulados ajudam a reequilibrar a energia vital, aumentando a força da
vida e tratando a fadiga crónica.

Por exemplo, a obstipação intestinal, um desequilíbrio muito comum na nossa sociedade,


devido a hábitos alimentares errados e bloqueio dos srotas (sistema de canais do corpo), e
muitas vezes causada por desarmonias emocionais, tem uma excelente resposta com a
manipulação dos marmas.

Para praticar a massagem ayurvédica profissionalmente e de forma integral é preciso


conhecer em detalhe a localização e função dos marmas, tema este que será abordado com
maior detalhe no Módulo II deste Curso.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 39


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Principais Marmas Anteriores Principais Marmas Posteriores

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 40


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

9 – Os Circuitos de Energia aplicados à Massagem Ayurvédica

A massagem ayurvédica pode ser realizada, para dinamizar a energia nos canais internos, de
acordo com dois circuitos de energia.

Circuito A

• Neste circuito o direccionamento da circulação sanguínea e da energia será no sentido


caudo-cefálico, ou seja, em direcção ao coração com redireccionamento para o 6º e 7º Chakras
e palma das mãos.

Este circuito ajuda a canalizar a energia para a palma das mãos e para os Chakras
superiores, após o refinamento pelo 4º chakra – cardíaco. Portanto, a circulação eleva-se da
terra, dos pés e pernas, em direcção ao 7º chakra e palma das mãos.

É óptimo para pessoas que querem desenvolver mais intensamente as energias na palma
das mãos e criar um circuito espiritual superior, além de trazer benefícios para todo o corpo.

Circuito A – Posterior Circuito A - Anterior

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 41


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Circuito B

Neste circuito a direcção da circulação e da energia também ocorre no sentido caudo-


cefálico com redireccionamento para os Chakras superiores, após refinamento pelo chakra
cardíaco.

Neste caso as energias são canalizadas por inteiro no sentido ascendente, dos pés e pernas
e das mãos para o 7º chakra.

Este circuito canaliza intensamente as energias em direcção ao 7º chakra.

Desenvolve principalmente as glândulas superiores e a mente, e reequilibra as demais partes


do corpo.

Circuito B – Posterior Circuito B - Anterior

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 42


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

PARTE B – PRÁTICA

Execução de uma Massagem Simples – Sequência Básica

1 - Introdução

A arte milenar da terapia corporal tem na massagem ayurvédica tradicional uma das mais
completas e rejuvenescedoras tradições desenvolvidas e praticadas na Índia. Consiste num
conjunto de técnicas de massagem profundas, aliadas a manobras de tracção e estimulação de
órgãos vitais, visando o equilíbrio físico, psíquico, mental e energético.

A principal técnica de massagem baseia-se em deslizamentos, usando toda a palma da mão,


que se torna gradualmente mais profunda. A direcção é sempre caudo-cefálica, mais
especificamente, em direcção ao coração.

Utiliza-se um dos óleos vegetais descritos e opcionalmente pó de raiz Vacandi.

Esta técnica tem como objectivos principais, entre os enumerados anteriormente:

 Ampliar a capacidade respiratória


 Activar a circulação sanguínea
 Recuperar o nível máximo da energia vital, desfazendo os seus bloqueios
 Reequilibrar a energia nos chakras
 Corrigir a postura corporal

Este tipo de massagem é também utilizado para aliviar problemas de saúde como asma,
bronquite, desvios de coluna, hérnias, artrites, cansaço mental, esgotamento físico, etc.

Existe uma sequência a ser seguida durante a sessão, dando-se maior atenção ao problema
ou queixa do paciente. A sessão ideal é de 30 a 45 minutos, não devendo ultrapassar uma hora
de cada vez, excepto em casos especiais ou de acordo com as orientações já explicadas
anteriormente.

Para efeitos de melhor assimilação da sequência, levaremos em conta, numa primeira


abordagem, uma sequência simples, que pode ser efectuada por todas as pessoas, ou seja, não
necessita de formação específica e, numa segunda abordagem, as outras possibilidades que a
massagem oferece.

Recomenda-se às pessoas interessadas em trabalhar com esta técnica, que procure um dos
instrutores credenciados da ALBA – Associação Luso-Brasileira de Ayurvédica e Disciplinas
Associadas ou da Associação Ayurvédica do Brasil e participe num dos cursos de formação
sobre a aplicação da técnica em suas múltiplas variantes.

2 – Massagem Ayurvédica Tradicional – Sequência Básica

A massagem Ayurvédica tem a seguinte sequência básica, a qual deve ser seguida, de
forma a optimizar e usufruir dos seus resultados:

1. Costas – coluna: Lombar, dorsal, cervical


2. Pescoço – parte traseira: massagem e estimulação de pontos
3. Braços e mãos – parte traseira: Massagem e alongamentos
4. Membros inferiores – Pernas – parte traseira e pés
5. Membros Inferiores – Pernas – parte dianteira e pés
6. Abdómen – Barriga: Massagem e estimulação de pontos vitais

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 43


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

7. Tórax – Peito
8. Membros superiores – Braços e mãos – parte dianteira: Massagem
9. Pescoço – parte dianteira e lateral: Massagem e alongamento da musculatura frontal e
lateral
10. Face – Rosto: Cordas vocais, mandíbula, sínus, orelhas, sobrancelhas, testa, células do
cérebro e olhos
11. Cabeça: Massagem e estimulação de pontos
12. Final da secção: Imposição de mãos nos olhos

3 – Execução Prática de uma Sequência Básica - Descrição

A massagem nas costas é excelente para diminuir dores nesta região e contribui para
minorar problemas na coluna vertebral. Todos os órgãos do corpo humano estão ligados e
interligados com as vértebras da coluna através dos nervos raquidianos. Uma boa massagem
em toda a extensão das costas estimula-os, previne desequilíbrios e minimiza possíveis
distúrbios nos mesmos.

Região Posterior

Aquecimento

O terapeuta inicia a massagem realizando movimentos deslizantes com a palma das mãos
por toda a extensão das costas começando na região dorsal até atingir a região próxima do
pescoço, vértebras cervicais.

Intercaladamente com as duas mãos o terapeuta deve ir massajando todos os tecidos e, à


medida que forem sendo aquecidos, deve aprofundar o toque.

O terapeuta deve realizar também esses movimentos com a polpa dos dedos polegares
para conseguir um deslizamento com pressão mais vigorosa e atingir os tecidos mais profundos.
Deve lembrar-se de realizar os movimentos sempre na direcção ascendente, ou seja, iniciar na
base da coluna e terminar na região superior próxima do pescoço.

Aproveite este momento para delinear com a polpa dos polegares a junção da bacia com o
tronco – este movimento contribui para soltar a bacia e aumentar a flexibilidade da mesma no
corpo – auxiliando na correcção de possíveis desvios da coluna. A maioria das pessoas tem
problemas na bacia que se reflectem na coluna. As escolioses, por exemplo, são devidas a
essas incorrecções da bacia. A postura incorrecta, apoiar-se unicamente num dos pés, usar
sapatos que deformam os pés, são factores que tendem a provocar distúrbios e desvios na
bacia e por extensão, na coluna vertebral.

Massaje toda a região, do centro da coluna até à periferia das costas, com a palma das
mãos e com a polpa dos dedos. Esses movimentos ajudam a soltar os músculos, tecidos e
tendões, activando a circulação por toda a região das costas, contribuindo também para
aumentar o fluxo sanguíneo em direcção ao coração e cabeça.

Costas: Movimentos específicos

1º) O terapeuta deve massajar bilateralmente a região glútea e lombar. Com as mãos
espalmadas em cima dos glúteos e com pressão sobre o mesmo, o terapeuta realiza
deslizamentos bilaterais e rotativos.

Assim que toda a região dos glúteos estiver aquecida, com a polpa dos dedos, uma mão
sobre a outra e com movimentos rotatórios, o terapeuta deve fazer massagens sobre as
nádegas, em especial no ponto do nervo ciático, procurando aprofundar o toque até atingi-lo.
Faça primeiro de um lado e depois no outro.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 44


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

O terapeuta pode também massajar com a polpa dos polegares os dois glúteos ao mesmo
tempo, uma mão de cada lado, realizando uma ligeira pressão até atingir o nervo ciático ou
com a polpa dos dois polegares juntos realizar pressão primeiro de um lado e depois no outro.

Ou pode com o centro da palma da mão, uma mão de cada lado, realizar movimentos
rotatórios na região do ciático. Os movimentos devem ser realizados com uma firme pressão, e
têm como objectivo amassar os músculos das nádegas. Pode-se também realizar um lado de
cada vez. Uma mão faz rotação e amassamentos enquanto a outra apoia-se em cima da outra
nádega, para dar sustentação ao movimento.

2º) Com a polpa dos polegares o terapeuta mobiliza os espaços intervertebrais com
movimentos de vai e vem, opostos um ao outro. Os outros dedos das mãos servem para dar
apoio na lateral. O terapeuta deve realizar deslizamentos usando os polegares sobre o espaço
inferior e superior de cada vértebra. Inicia pela base da coluna e vai subindo até atingir o
espaço da última vértebra cervical. Este movimento deve ser repetido até três vezes e contribui
para fazer com que a energia circule pela coluna acima, desobstruindo os canais energéticos.

3º) Pressão com a polpa dos dois polegares sobre a região dos dois rins, logo abaixo da
junção da última costela flutuante com a coluna vertebral. O terapeuta deve exercer uma
pressão vigorosa por alguns segundos. Antes de iniciar, o terapeuta deve perguntar ao paciente
se possui cálculos renais ou algum tipo de problema grave nos rins, neste caso a pressão deve
ser leve, com ligeira massagem com a palma das mãos sobre a região. Rins dilatados podem se
ressentir de ligeira dor. Após ter realizado a pressão o terapeuta executa um pouco de
massagem com a palma das mãos na região dos rins, com deslizamentos laterais.

4º) Deslizamento e pressão na musculatura inter-costal, de distal para proximal, com a


polpa dos dedos polegares. O terapeuta deve iniciar pela última costela flutuante e ir subindo
de espaço a espaço, paralelamente, até realizar no espaço que circula a escápula. Com este
movimento a energia é direccionada para a coluna e para cima.

5º) Abertura da escápula com os braços estendidos ao longo do corpo. Realiza-se uma
ligeira massagem com a polpa dos polegares ao redor da escápula para aquecer os tecidos.
Posicionam-se a polpa dos dois polegares no centro da curvatura da escápula e exerce-se uma
ligeira pressão no bordo interno da escápula procurando introduzir ao máximo os dedos dentro
do espaço.

Se for difícil desprender, devido a rigidez muscular coloca-se o braço do paciente sobre as
costas. Essa postura facilita o trabalho de abertura da escápula.

Se a rigidez permanecer, realizamos massagens vigorosas com a polpa do polegar em toda


a região procurando, com o decorrer dos tratamentos, abri-la.

6º) Movimentos rotativos com a polpa dos dedos, ao longo dos músculos para-vertebrais,
músculos espinais. O terapeuta deve iniciar na região lombar e ir seguindo em direcção à
cervical. O terapeuta deve realizar uma "dança" nos músculos, com ligeira pressão, e ir subindo
com deslizamentos curtos, no sentido lateral, por todo o prolongamento da musculatura. Pode
ser feito com uma das mãos ou com as duas ao mesmo tempo. Realiza-se primeiro um lado e
depois o outro. A soltura desses músculos contribui para a energia circular e melhora diversos
problemas de dores nas costas. Pequenos nódulos, se encontrados, deverão receber uma
massagem mais profunda. Uma atenção especial deverá ser dedicada aos mesmos, ao longo
dos tratamentos, até serem dissolvidos por completo. Dependendo da rigidez serão necessárias
várias massagens para soltá-los. Este movimento completo pode ser repetido até três vezes. À
medida que formos repetindo os movimentos vamos aumentando a pressão e aprofundando o
toque e a rotação do músculo.

Pescoço, Ombros e Nuca

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 45


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Depois de espalhar um pouco de óleo, o terapeuta faz massagens com a palma da mãos
procurando aquecer toda a região dos ombros e pescoço, parte posterior e lateral. Os
movimentos deverão ser ascendentes, ou seja, da 7ª a 1ª vértebra cervical. A energia com
esses movimentos é canalizada para o 6º e 7º chakras.

O terapeuta, a seguir, deve massajar com a polpa dos polegares, com traços laterais a
coluna, partindo da região inter-escapular em direcção ao occipital, sendo que ao aproximar-se
do final, deve exercer ligeira pressão e estender a musculatura, manter e soltar. Aos poucos o
terapeuta deve ir aprofundando o toque com a polpa dos polegares procurando soltar todos os
tecidos. Esse movimento deve ser repetido na região lateral do pescoço e na nuca.

A seguir, o terapeuta faz massagens em toda a musculatura das fibras superiores do


músculo trapezoidal. Após tê-lo aquecido bilateralmente faz amassamentos e pinçamentos no
músculo trapezoidal, procurando soltar o mesmo, desde a sua origem, na cervical, até ao
ombro. O terapeuta deve realizar uma boa massagem neste músculo, pois a vida moderna faz
com que muitas tensões sejam acumuladas nesta região.

1º) O terapeuta continua a massagem nos espaços intervertebrais, da mesma maneira


como foi feita anteriormente nas vértebras sacrais, lombares e dorsais. Com a polpa dos
polegares faz massagens com deslizamentos sobre os espaços entre uma vértebra e outra, vai
e vem, até atingir a 1ª cervical. Esse movimento nos espaços intervertebrais deverá ser
repetido pelo menos três vezes.

2º) Quando terminar a massagem nos espaços intervertebrais, o terapeuta faz uma ligeira
pressão com rotação horária no espaço situado logo acima da 1ª vértebra cervical, centro da
nuca, com a polpa do polegar. Este ponto é o vórtice energético traseiro do 6º chakra.

Para massajar os dois lados ao mesmo tempo, o terapeuta deverá apoiar as mãos sobre a
cabeça do paciente, na região lateral da nuca, e atentamente localizar os pontos com a polpa
dos polegares. Deve sentir se os pontos estão muito rígidos. Se estiverem, vai aos poucos
realizando pressão com rotação horária com a polpa dos polegares e lentamente vai
aprofundando o toque. O lado direito, geralmente, é muito doloroso. Esta dor pode denotar
problemas no fígado, vesícula biliar, ou excesso de tensão por retenção de emoções negativas.

4º) Se a musculatura do lado das vértebras cervicais estiver muito tensa, o terapeuta
deverá fazer o seguinte estiramento. Com uma das mãos apoiada sobre a cabeça do paciente e
com a polpa do dedo indicador e polegar da outra mão, apoiados na lateral das vértebras
cervicais, o terapeuta faz estiramento dessa musculatura. Inicia na região logo acima da 1ª
vértebra, na nuca, e vai descendo até atingir as primeiras vértebras dorsais. O terapeuta deve
exercer bastante pressão para que a tensão se dissolva e a musculatura se solte. Esse
estiramento visa dar espaço para que as vértebras naturalmente retomem a sua posição normal.
A grande maioria das pessoas desenvolve problemas nessas vértebras. Trabalhar
excessivamente sentado com uma postura incorrecta aumenta as tensões nesta região e
consequentemente desequilíbrios de saúde.

5º) O terapeuta deve a seguir realizar deslizamentos nas fibras superiores do trapézio.
Esses deslizamentos tem como objectivo alongar e estirar esse músculo. Faça, a principio, com
a polpa dos polegares. Se estes músculos estiverem muito tensos, o deslizamento deverá ser
realizado com certa pressão para que a rigidez seja dissolvida. Realize nos dois lados ao mesmo
tempo. Inicie o deslizamento na região próxima da nuca e vá em direcção aos braços. Se a
região estiver muito tensa faça no mínimo três vezes. No final dos deslizamentos faça uma boa
pressão no centro do músculo. Essa pressão tem o intuito de dissolver os nódulos de tensão
que se formam nesta região. Pode-se realizar este movimento também de um lado de cada vez.

6º) Dando continuidade ao movimento anterior, o terapeuta faz deslizamentos com a palma
da mão. Os deslizamentos deverão ser profundos e favorecer o estiramento do músculo, da

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 46


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

nuca para os braços. O terapeuta fixa uma mão na cabeça do paciente, na região próxima da
nuca, e do lado que vai ser feito o alongamento, para dar sustentação, e com a outra, exerce
deslizamentos profundos que vão da nuca ao ombro. Faça várias vezes procurando alongar o
músculo ao máximo. Repete-se do outro lado.

7º) Finalmente o terapeuta deve fazer movimentos deslizantes nas fibras superiores do
trapézio nos dois lados do corpo ao mesmo tempo. Deve iniciar na nuca e procurar alongar o
músculo em direcção ao ombro com firmeza. O terapeuta deve realizar esse movimento pelo
menos três vezes. Assim termina a massagem com as mãos na parte posterior das costas.

Braços e mãos

A massagem nesta região pode ser executada de duas maneiras distintas, conforme
descrevemos anteriormente, no circuito A ou B. Escolha uma delas, a melhor que se adapta às
condições e necessidades do paciente, e realize sempre da mesma maneira.

Se escolheu o circuito B faça da seguinte maneira:

1º) da mão até ao cotovelo procurando dar maior ênfase aos pronadores.

2º) do cotovelo até ao ombro procurando dar maior ênfase aos bíceps e triceps.

Se escolhemos o circuito A realiza-se da forma oposta.

Adoptando o circuito B, inicialmente o terapeuta faz massagem com a palma das mãos,
procurando soltar toda a musculatura dos braços, com deslizamentos firmes e vigorosos por
toda a extensão dos braços, do dorso da mão até ao cotovelo e do cotovelo até chegar à região
próxima dos ombros.

Após aquecer os músculos dos braços o terapeuta procura, com a polpa dos polegares,
fazer deslizamentos e soltar os músculos em toda a extensão dos braços. Da palma da mão até
ao cotovelo, do cotovelo até à região próxima do ombro.

O terapeuta faz massagens também no dorso da mão procurando massajar com a polpa
dos polegares todos os espaços entre os ossos dos dedos, no circuito adoptado, ou seja dos
dedos em direcção ao punho.

Se o terapeuta escolheu o circuito A a massagem processa-se da mesma forma que a


sequência anterior, contudo, no sentido inverso e é realizada primeiro com a palma das mãos e
posteriormente com a polpa dos polegares. Neste caso a circulação sanguínea e energética é
direccionada para a palma das mãos.

A seguir, o terapeuta realiza o alongamento da musculatura dos braços e da palma da mão


do paciente.

Membros Inferiores

A massagem nas pernas deve ser iniciada no Tendão de Aquiles e terminar logo abaixo da
região glútea. O movimento deve ser sempre no sentido ascendente tendo-se o cuidado de
diminuir a pressão na região poplítea, situada atrás da articulação do joelho. A medida que a
massagem for sendo realizada, o terapeuta pode ir intercalando a palma das mãos até aquecer
toda a perna.

O terapeuta deve utilizar o óleo de massagem para realizar deslizamentos com a palma das
mãos por toda a extensão da perna.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 47


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

A seguir, o terapeuta pode intercalar a massagem com a palma das mãos utilizando
também a polpa dos dedos polegares. Com a polpa dos polegares o terapeuta deve ir
aprofundando o toque até soltar toda a musculatura.

Se o paciente tiver nódulos alojados nos tecidos da perna, verificar principalmente a zona
dos gémeos, os quais deverão ser massajados com mais firmeza para serem dissolvidos com o
decorrer dos tratamentos. As regiões bastante tensas deverão receber o mesmo cuidado.

Pode-se também utilizar o dorso da mão, aumentando a pressão gradualmente. Esta é uma
das maneiras a que o terapeuta pode recorrer para não sobrecarregar a polpa dos seus
polegares, muito requisitado durante a massagem, protegendo-o do desgaste excessivo de
energia e do cansaço. Com o dorso da mão podemos realizar um trabalho mais intenso.

Com a polpa dos polegares realizamos uma pressão nos gémeos de forma alternada e
contínua em toda a extensão iniciando-se no Tendão de Aquiles e terminando na região
próxima do joelho. Esta forma de massajar auxilia na dissolução de muitas tensões e bloqueios
de energia que se acumulam nas nossas pernas.

Deve-se também realizar deslizamentos na porção lateral da coxa. A manobra é exercida


pela pressão da palma da mão sobre a coxa no sentido ascendente. Geralmente esta região é
muito tensa e dolorida. O terapeuta deve massajar vigorosamente para desbloquear as tensões
e couraças que aí se instalam.

Realiza-se também o pinçamento do Tensor da Fáscia Lata em toda a extensão. Se a


pessoa estiver com desequilíbrios nesta região e no nervo ciático, o terapeuta inicia na parte
superior e vai descendo até ao joelho. A energia neste sentido é descarregada para a terra para
que a saúde se restabeleça. Se não tiver problemas o sentido é inverso, ou seja, ascendente, as
energias são elevadas para o céu.

A seguir, realizamos uma nova manobra no Tensor da Fáscia Lata. Seguindo a mesma
directriz anterior e iniciando-se na sua porção superior percorrendo todo o lado do trajecto do
tendão até ao nível do joelho realizamos com a polpa dos dedos das duas mãos a "dança" do
Tensor - movimento rotatório do Tensor. Para realizar a rotação do Tensor devemos aprofundar
o toque. Geralmente o Tensor é bastante rígido e tenso. Só após algumas massagens podemos
realmente movimentá-lo.

Podemos realizar o alongamento dos músculos dos gémeos com o auxílio do antebraço. O
terapeuta apoia a perna do paciente na sua perna, segura com uma das mãos o joelho e com o
antebraço faz deslizamentos que percorrem toda a extensão da barriga da perna (região
posterior da perna), do joelho em direcção ao calcanhar. Esse movimento é realizado diversas
vezes. Deve-se realizar uma pressão no início, no mínimo média e depois mais vigorosa, para
atingir as camadas mais profundas.

Pés

O terapeuta, durante a massagem na parte traseira das pernas, aproveita para massajar
mais intensamente os pés do paciente.

Para executar a massagem na planta dos pés do paciente, o terapeuta posiciona-se atrás
da perna do paciente dobrando-a. Segura o pé do paciente com as duas mãos e executa uma
massagem com a polpa dos dedos polegares em toda a planta do pé, com movimentos firmes e
vigorosos. Aos poucos, os toques deverão ser aprofundados em toda a extensão. Essas
massagens e amassamentos também poderão ser executadas com aos pés estendidos no chão.
As partes laterais dos pés também deverão receber massagens com a polpa dos dedos. O
terapeuta não se deve esquecer de contornar a região do tornozelo e calcanhar.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 48


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Para aprofundar ainda mais o toque, o terapeuta com uma mão segura o pé do paciente na
sua parte dianteira e com a outra mão fechada, executa deslizamentos firmes na planta do pé
do paciente. Esses deslizamentos e amassamentos deverão cobrir toda a planta do pé, num vai
e vem. O terapeuta não se deve esquecer de amassar as bordas dos pés.

Região Anterior

Membros Inferiores

Toda a musculatura dos membros inferiores, em sua maior parte, encontra-se na região
posterior. A parte anterior é praticamente óssea. O joelho é uma articulação que escorrega em
rotação e não deve ser pressionado durante a massagem, tal como a região poplítea.

Realizam-se massagens com a palma das mãos em toda a extensão da perna, com o auxílio
do óleo de massagem, tendo o cuidado de não pressionar em cima da zona do joelho.
Alternadamente, com a palma das mãos, o terapeuta massaja em sentido ascendente toda a
extensão da perna iniciando no ante-pé até chegar à região das coxas em sua parte superior. O
terapeuta não deve, de forma alguma, realizar movimentos descendentes, pois como já foi
explicitado anteriormente a energia na ayurvédica deve circular de forma ascendente.

O terapeuta deve utilizar também a polpa dos dedos para atingir os tecidos e tendões mais
profundos, procurando soltar toda a musculatura em toda a extensão das pernas.

Os espaços entre os dedos do pé também são massajados. Realiza-se uma massagem


normal com as mãos e posteriormente procura-se aprofundar o toque com a polpa dos dedos
nos espaços entre os ossos do pé, para se conseguir um maior efeito. O sentido da massagem
também deve ser ascendente, do pé em direcção ao ante-pé.

A massagem nos pés e em toda a extensão das pernas contribui para a eliminação de
toxinas e um aumento da circulação sanguínea e energética por toda a perna. Se o paciente
possuir muitas varizes, o terapeuta deve executar a massagem com um maior cuidado e sem
muita profundidade. A massagem nas pernas previne muitos males do mundo moderno, entre
eles o surgimento de varizes, formação de nódulos, má circulação energética e sanguínea,
tensão muscular, cansaço, dores, etc.

O terapeuta, a seguir, passa a massajar de forma vigorosa os músculos laterais externos


das pernas, inclusive em cima do ciático, de forma ascendente, procurando soltar os músculos
e toda a tensão e rigidez ali existente. Uma das mãos pode ficar fixa enquanto a outra desliza
sobre o músculo.

Podemos também percorrer pinçando toda a musculatura superior da coxa (músculo


quadríceps). A seguir massaja-se a mesma perna na parte interior.

Nos joelhos o terapeuta pode massajar de duas maneiras: na primeira, pode realizar
pequenos movimentos ao redor da rótula, com a polpa dos dedos, procurando soltá-la de
alguma tensão ali existente. Ou simplesmente trabalhar, em cima do mesmo, com massagens,
procurando soltar a musculatura ali situada.

Para massajar a parte interna da perna o terapeuta semi-flexiona e abduz ligeiramente a


perna do paciente apoiando-a lateralmente na sua coxa, posição de rã. Esta posição facilita a
massagem na parte interna da perna e evita compensações no lado oposto do quadril, se o
paciente tiver encurtamento da musculatura adutora, para além de não cansar o terapeuta.

Os movimentos de massagem, com a utilização do óleo, inicialmente devem ser feitos com
a palma das mãos, procurando aquecer toda a musculatura da parte interna, sempre no sentido
ascendente, iniciando-se no tornozelo e terminando na junção da coxa com o quadril, região da

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 49


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

virilha.

Para um trabalho mais profundo, depois de aquecida vigorosamente toda a musculatura


interna da perna, musculatura adutora, passamos a utilizar também a polpa dos dedos para
massajar mais profundamente toda a região da perna. O terapeuta procura penetrar e delinear
alternadamente todos os músculos em torno do osso, também no sentido ascendente. Procura
dissolver todos os nódulos, se existirem. Esta região interna é muito sensível e pode estar
bastante dolorida e com má circulação. Por isso, é preciso ter cuidado para não provocar muita
dor no paciente.

O terapeuta faz também massagem puntiforme, pressionando parte por parte da perna,
com a polpa dos dedos polegares. Inicia no tornozelo e vai subindo até atingir a zona superior
da coxa. A musculatura pode estar bastante dolorida em certas localidades. O terapeuta
procura realizar uma massagem rotativa com a polpa dos polegares para dissolver a tensão e
os possíveis nódulos.

Uma boa massagem é extremamente vigorosa. O terapeuta deve orientar o seu paciente no
sentido dele aprender a relaxar durante a massagem, principalmente se certas zonas do seu
corpo estiverem doridas. O relaxamento, deve explicar, é o segredo para que a dor desapareça
juntamente com todos os males.

A seguir o terapeuta passa a realizar a massagem na seguinte posição: joelho e quadril do


paciente flectidos com os pés apoiados no solo. O terapeuta muda a sua posição para a frente
do paciente e fica de joelhos, prendendo os pés do paciente entre os seus joelhos, e inicia a
massagem.

Com as duas mãos, uma do lado da outra ou uma sobre a outra, eleva aos gémeos para
cima, iniciando-se no tornozelo até chegar ao joelho e, a seguir passa para a musculatura
flexora do quadril, quadríceps, realizando nesta região uma massagem profunda com a polpa
dos polegares em todos os músculos. Nesta região a massagem é realizada do joelho em
direcção ao quadril, virilha. Repetimos o movimento completo, 1º gémeos e depois quadríceps,
pelo menos três vezes seguidas. Assim que terminar, o terapeuta passa para a outra perna. O
terapeuta realiza a massagem da mesma forma e na mesma sequência.

Para realizar um trabalho mais vigoroso na região linha do perónio, o terapeuta pode apoiar
uma das mãos no joelho, para dar sustentação ao movimento e manter a perna do paciente
firme no chão, e com a polpa dos dedos da outra mão, percorrer vigorosamente a linha do
perónio, da região do tornozelo até atingir a parte superior da mesma. Esse movimento é
indicado quando os canais energéticos estão obstruídos e quando há muita tensão nesta região,
inclusive nódulos.

Pés

Antes de efectuar os alongamentos nos pés o terapeuta pode realizar a seguinte massagem
para aquecer toda a musculatura envolvente. Com uma mão faz deslizamentos das pernas em
direcção aos dedos dos pés procurando estirar ao máximo a musculatura nesta região. Pode
realizar num pé de cada vez ou nos dois pés ao mesmo tempo.

A seguir o terapeuta passa a estirar os dedos dos pés puxando-os em direcção a si. Realiza
num pé e depois no outro.

Abdómen

A massagem no abdómen é extremamente benéfica para o paciente. É no abdómen que se


dá todo o refinamento dos alimentos que ingerimos e que serão transformados para
assimilação. A massagem no abdómen pode ser realizada com a palma das duas mãos em

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 50


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

círculos concêntricos e horários por toda a região da barriga. Ou também com movimentos de
vai e vem, também com a palma das duas mãos, onde o terapeuta procura amassar os
músculos abdominais torcendo-os no centro da barriga num vai e vem. O terapeuta também
pode realizar movimentos deslizatórios, com a palma das mãos e a polpa dos dedos, de ambos
os lados da barriga, que servirão para energizar os órgãos situados sob as costelas flutuantes.

A massagem no abdómen é feita em círculos horários por toda a região, com ambas as
palmas das mãos, utilizando-se quantidade suficiente de óleo para ajudar nos deslizamentos.

Lateralmente pode-se realizar também uma boa massagem, torcendo os músculos da


barriga, com as mãos cruzando-se no meio da barriga, num vai e vem.

A seguir o terapeuta realiza, com a polpa dos dedos, uma mão sobre a outra, uma boa
massagem circular por toda a barriga. A polpa dos dedos deve penetrar profundamente na
barriga com movimentos circulares. Puntiformemente e no sentido horário percorremos todo o
circulo do abdómen, massajando pormenorizadamente todas as regiões.

Energização de Pontos e Órgão situados na Região Abdominal

O terapeuta deve aquecer toda a região do abdómen com massagens com a palma das
mãos. A seguir, passa a dinamizar alguns vórtices dos chakras e órgãos situados nesta área do
corpo na ordem a seguir exemplificada. Antes, porém, delinea com a polpa dos polegares a
região das costelas flutuantes iniciando do centro do abdómen, boca do estômago, para fora.
Uma boa massagem na região da barriga ajuda a revitalizar todos os órgãos aí situados.

1º) O primeiro ponto a ser dinamizado é o do fígado: com a polpa dos dois polegares o
terapeuta realiza uma pressão abaixo das costelas flutuantes. A direcção da pressão é para
baixo e para cima. O terapeuta procura introduzir da polpa dos dedos em baixo das costelas
flutuantes o máximo possível. O órgão, se estiver em desequilíbrio, pode estar dilatado e
dolorido. O paciente deve manter-se relaxado, com a respiração normal, procurando soltar o
peito para que a respiração seja total e completa, devendo abranger a barriga e o peito. O
terapeuta segura os dedos nesta posição por alguns segundos, soltando-os lentamente e
escorregando-os lateralmente para fora, procurando acompanhar a curvatura da costela
flutuante.

2º) Após o fígado, o terapeuta estimula o ponto da vesícula biliar, situado logo acima do
ponto do fígado, antes da boca do estômago. Neste caso o terapeuta carrega apenas com a
polpa dos dedos polegares e realiza uma pressão para baixo. Segura alguns segundos e tira
logo a seguir.

3º) O terceiro ponto a ser massajado é o do lado oposto, que corresponde ao baço-
pâncreas. O terapeuta executa a dinamização da mesma maneira anteriormente realizada para
o fígado.

4º) O terapeuta pode também realizar a dinamização dos órgãos em conjunto, fígado e
baço-pâncreas. Da mesma maneira realizada anteriormente, o terapeuta introduz a polpa dos
polegares abaixo das costelas flutuantes, um dedo de cada lado do corpo, e com o auxílio dos
outros dedos, levanta e eleva o peito para cima, em direcção aos músculos trapezoidais, para
obter uma maior abertura da caixa torácica e da respiração.

5º) Umbigo: o terapeuta dá suporte, com uma das mãos abertas, na região lombar,
correspondente à região do umbigo, e com a polpa do polegar da outra mão, pressiona
verticalmente para baixo o umbigo, até sentir o batimento cardíaco. Em indivíduos diabéticos
não pressionar de uma só vez, porque o pâncreas está alterado. Conta 10 batimentos cardíacos,
no máximo, se o indivíduo tiver diabetes, e retira o polegar lentamente. Em pessoas sem
problemas no pâncreas, pode-se contar até 20 batimentos cardíacos. Esta pressão no umbigo

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 51


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

pode ser dolorosa, isto indica que há uma grande concentração de energia neste chakra que
deve ser libertada e dissipada pelo corpo todo. Neste ponto estimula-se todos os órgãos
situados na região do abdómen, de uma maneira geral, e principalmente o pâncreas e a
vesícula.

6º) A seguir o terapeuta pressiona verticalmente com a polpa dos dois polegares a cerca de
2cm do umbigo na lateral, até sentir a pulsação bilateral. Caso um lado esteja com a pulsação
mais fraca do que o outro, o terapeuta deve introduzir mais a polpa do polegar para uma maior
dinamização deste ponto. Conta 10 pulsações e retira lentamente os dedos, escorregando-os
pela lateral da barriga. Nestes pontos estimulam-se também todos os órgãos da região
abdominal mais o pâncreas e a vesícula.

7º) A seguir o terapeuta estimula, ao mesmo tempo, com a polpa dos polegares e
alternadamente dois pontos: apófise xifóide e o osso púbico, chakra do plexo solar e sexual. O
ponto superior estimula baço e cólon, enquanto o inferior, ovário, útero e testículos. O
terapeuta deve realizar três alternâncias: enquanto um ponto está sendo pressionado, o outro
dedo está descansando, quando o terapeuta tira a pressão de um lado, faz do outro.

8º) Por ultimo, o terapeuta pressiona bilateralmente com a polpa dos polegares, na região
logo acima da crista ilíaca anterior, baixo-ventre. Faz uma pressão profunda, segura por alguns
segundos e lentamente solta. Nas mulheres esta pressão é realizada sobre a região dos ovários.
Estes pontos estimulam, nas mulheres os ovários e o intestino grosso e, nos homens, o
intestino grosso, sendo benéfica também para obstipação e gazes.

Massagem sobre o Tórax

Nota: neste tipo de massagem não se toca nos peitos

Utiliza-se o óleo para facilitar os deslizamentos com a palma das mãos. O terapeuta faz
deslizamentos por toda região do peito, para baixo, para cima e para as laterais procurando
alongar todos os tecidos e dissolver possíveis tensões musculares.

O terapeuta faz também massagens no peito, com a palma das mãos, de forma cruzada.
Inicia no centro do peito, uma mão desliza no sentido das costelas flutuantes e a outra em
direcção aos ombros, deslizamentos oblíquos sobre a caixa torácica. Esses deslizamentos visam
a abertura de todo o peito e do 4º chakra, cardíaco.

O terapeuta aproveita também para prolongar a massagem até o plexo solar com
deslizamentos do centro do plexo para baixo. O terapeuta percorre delineando as vértebras
flutuantes e aproveita para massajar os órgãos ali situados. Pode também descer pelo
estômago e esófago de um lado e intestinos do outro. Esta massagem é realizada com a palma
das mãos e polpa dos dedos. Pode fazer também um lado de cada vez.

O terapeuta, ao massajar a parte superior da caixa torácica, aproveita para executar


pinçamentos na região dos músculos peitorais, uma mão de cada lado, ao mesmo tempo que
pressiona os ombros para baixo. Realiza uma série de pinçamentos em todo o músculo,
procurando soltar a sua tensão e rigidez alongando-o para dar espaço para a caixa torácica. O
paciente deve manter a respiração solta e permanecer relaxado.

O terapeuta deve elevar também os músculos peitorais puxando-os para cima e para trás,
juntamente com o corpo do paciente, ao mesmo tempo que pressiona os ombros para baixo. O
terapeuta mantém alguns segundos esta posição e solicita ao paciente que respire abaixando
as costelas flutuantes em direcção aos membros inferiores. Esta posição procura realizar um
alongamento dos interceptais abaixando o diafragma, respiração paradoxal. Este movimento
ajuda a soltar os músculos, abrir a caixa torácica e o 4º chakra, cardíaco.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 52


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Movimentos especiais a serem executados na caixa toráxica, trapézios e ombros

Realiza-se uma massagem vigorosa em toda região e passa-se a estimular, regiões, pontos
e vórtices de chakras.

1º) Com a polpa dos polegares o terapeuta realiza deslizamento com pressão na
musculatura intercostal (entre as costelas).

O terapeuta trabalha sobre toda a caixa toráxica, iniciando na décima costela e terminando
na primeira, próximo da clavícula. O movimento é realizado do centro do peito para baixo para
abrir a energia dos chakras.

Na região intercostal, localizada no meio do peito, o terapeuta só realiza deslizamentos na


sua parte central. Não deve tocar nos seios.

Ao chegar à última costela, no espaço de junção com a clavícula, o terapeuta deve


estimular o ponto dos pulmões. Faz uma pressão, com a polpa dos polegares, para baixo, com
pequenos movimentos rotatórios horários.

Ao realizar a pressão nestes dois pontos, simultaneamente, o terapeuta pode também


forçar para baixo todo o ombro do paciente. Para realizar esta soltura dos ombros, ao mesmo
tempo que estimula o vórtice de energia dos pulmões, o terapeuta deve estar com a palma de
suas mãos e dedos apoiados sobre os ombros do paciente empurrando-os para baixo ao
mesmo tempo que a polpa dos dedos polegares estimula o vórtice de energia dos pulmões
também com pressão para baixo. A seguir o terapeuta reinicia todo o processo. Estes
movimentos auxiliam na abertura das energias do peito e contribuem também para minorar
problemas nos órgãos desta região. Repete-se este movimento, dos espaços das vértebras
flutuantes até a clavícula, pelo menos três vezes.

Depois de terminar a massagem nos espaços intercostais, o terapeuta retorna às costelas


flutuantes, na sua parte posterior, e pressiona com vigor, no centro da mesma, para o fundo e
para cima. Este movimento serve para estimular o vórtice energético dos rins. A respiração do
paciente deve manter-se solta e o corpo deve estar relaxado.

Dando continuidade ao movimento iniciado com os deslizamentos nos espaços intercostais,


o terapeuta massaja com a polpa dos polegares o espaço da clavícula, do centro próximo da
garganta em direcção aos ombros.

A seguir realiza uma pressão no centro do espaço da clavícula pressionando-a em direcção


ao peito, com a polpa dos polegares, e com a mão apoiada sobre os ombros na sua parte
superior, em simultâneo, empurra também o ombro em direcção ao peito e em direcção ao solo.

Se a clavícula tiver um espaço muito curto, por contracção dos ombros e tensão muscular
devido ao stress, o terapeuta procura abrir o espaço da mesma com massagens com a polpa
dos dedos, em simultâneo nos dois lados. A direcção deve ser do centro próximo da garganta
para as laterais em direcção ao ombro. A seguir pode realizar uma ligeira tracção. O terapeuta
apoia as suas mãos no peito e introduz os dedos no espaço clavicular e puxa o osso em
direcção ao peito e para os lados.

A seguir faz novamente massagem em toda a caixa toráxica e executa a estimulação dos
chakras situados nesta região.

2º) Estimulação do 4º chakra - cardíaco. O terapeuta com a polpa do dedo polegar ou


médio localiza o 4º chakra entre os dois mamilos na linha central pressionando-o com
profundidade. Esta pressão estimula a glândula do Timo, que fica abaixo do esterno. Realiza
também pequenos movimentos circulares horários. A glândula do Timo regula todo o sistema

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 53


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

nervoso do corpo. Na mulher, essa glândula mantém-se, mas no homem, entre a idade dos 40
aos 50 anos atrofia-se. Esta é, talvez, a causa de maior incidência de problemas cardíacos nos
homens. O paciente deve respirar livremente, manter-se relaxado durante a pressão.

3º) A seguir estimula o 5º chakras - laríngeo. O terapeuta faz uma pressão com o polegar
na fossa laríngea, cavidade localizada entre as clavículas, para baixo e em direcção ao peito. O
paciente relaxa e respira. Esse ponto regula as funções da glândula tiróide e para-tiróide.

4º) Por último o terapeuta pressiona com firmeza com a polpa dos dedos polegares em
cima do músculo trapezoidal, os dois lados ao mesmo tempo. Se estiver muito tenso, faz
pequenos deslizamentos sobre o músculo, tentando soltar a tensão.

5º) Uma variante da manobra anterior: o terapeuta segura com uma das mãos a cabeça do
paciente girando-a para o lado oposto a ser estimulado. Com a polpa do polegar da outra mão
exerce uma pressão sobre o músculo trapezoidal, neste caso um lado de cada vez. Se estiver
tenso, faz pequenos deslizamentos para remover o bloqueio de energia. É normal nesta região,
devido a tensão, existirem nódulos muito rijos. A pressão e o deslizamento deverão incidir sobre
esses pontos rijos.

Massagem dos Superiores – Braços estendidos e palmas da mão para baixo.

Depois de realizar uma massagem de aquecimento geral, o terapeuta divide-a em duas


partes para obter uma maior profundidade e melhores resultados:

1º) da mão até ao cotovelo: dando maior ênfase aos pronadores.

2º) do cotovelo até ao ombro: dando maior atenção ao bíceps e triceps.

Inicialmente, como já dissemos, o paciente mantém os braços estendidos ao longo do


corpo com a palma da mão para baixo. O terapeuta inicia a massagem com um aquecimento de
toda a musculatura do braço do paciente com deslizamentos realizados com a palma da mão
em toda a extensão.

A seguir o terapeuta passa a trabalhar com maior profundidade utilizando a polpa dos
dedos polegares, para soltar toda a musculatura do braço, iniciando no dorso da mão até
atingir os músculos superiores.

Neste circuito exemplificamos apenas algumas posições iniciais. O terapeuta, caso tenha
escolhido este circuito deve realizar as mesmas manobras que o circuito A para as outras
posições do braço, contudo, no sentido inverso.

Exemplificando pelo circuito A – dos ombros em direcção ao dorso das mãos

Este circuito é o mais recomendado, pois direcciona a energia para a palma das mãos, por
isso vamos exemplificar todas as manobras desta massagem.

Depois de realizar uma massagem de aquecimento geral, o terapeuta divide-a em duas


partes para obter uma maior profundidade e melhores resultados:

1º) Do ombro até ao cotovelo: dando maior ênfase ao bíceps e triceps

2º) Do cotovelo até à palma das mãos: dando maior ênfase aos pronadores.

O terapeuta deve iniciar a massagem, primeiro com o braço do paciente estendido com a
palma das mãos para baixo e depois com a palma das mãos para cima e, posteriormente,

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 54


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

realiza os alongamentos específicos. O terapeuta inicia a massagem realizando um aquecimento


geral no braço do paciente deslizando a palma das mãos em toda a extensão do braço.
Nenhuma área deverá ser esquecida. As mãos deverão movimentar toda a musculatura com
firmeza.

A seguir, o terapeuta realiza massagens mais profundas com a polpa dos polegares em
toda a extensão dos braços. Não deve negligenciar o dorso da mão do paciente. Massajamos
até atingir os dedos. A musculatura situada junto ao cotovelo deve receber uma atenção
especial por parte do terapeuta. Ela deve ser bastante trabalhada com a polpa dos polegares e
de forma profunda. Neste local, situa-se um vórtice de energia importante. A polpa dos dedos
deve deslizar de forma descendente e de forma transversal fazendo com que o músculo rode. O
terapeuta deverá soltar, desta mesma, forma toda a musculatura do braço e antebraço.

Na palma das mãos, o terapeuta massaja com a polpa dos dedos polegares todos os
espaços entre os ossos dos dedos de forma profunda e na direcção da junção dos dedos.

A massagem pode ser estendida até à ponta dos dedos. O terapeuta aproveita este
momento para puxar os dedos procurando alonga-los.

A seguir o terapeuta deve massajar o braço, também, elevando-o um pouco, colocando-o


em posição de 90 graus com o corpo. Variando a posição, o terapeuta massaja com mais
profundidade todos os músculos e tecidos do braço. Para massajar a zona lateral do braço e
soltar a tensão muscular nesta zona o terapeuta desliza uma de suas mãos até à mão do
paciente, pressionando-a para baixo para manter assim o braço em extensão máxima e, com a
polpa dos dedos da outra mão, vai soltando os músculos mais rijos. Inicia junto ao ombro e,
aos poucos, vai descendo até atingir o punho. O terapeuta deve massajar também os músculos
da parte superior do braço.

Caso o terapeuta verifique que músculos peitorais estão enrolados por tensão, realiza a
seguinte tracção: massaja o braço do paciente com a palma das mãos até atingir o dorso da
mão do paciente, prendendo-o, e faz uma ligeira pressão sobre ele em direcção ao solo e com a
palma da outra mão, pressiona o úmero para baixo procurando alongá-lo. O terapeuta pode
também realizar massagens no músculo peitoral, se ele estiver enrolado por tensão.

As massagens com pressão no úmero podem ser prolongadas por toda a musculatura
superior do braço. O terapeuta deve realizá-la de forma profunda e firme.

Esta manobra, que a seguir vamos demonstrar, realize-se com a palma das mãos. O
terapeuta pode realizar de ambas as maneiras. Primeiro no 7º Passo com os pés e nesta fase
com as mãos. O paciente deve estar com o braço estendido ao longo do corpo e um pouco
afastado dele com a palma das mãos para baixo. O terapeuta desliza a sua palma da mão
firmemente pelos músculos do braço do paciente prendendo-os e segurando-os firmemente no
punho, com certa pressão em direcção ao solo e, com a outra mão, faz uma flexão dorsal de
máxima amplitude, elevando os dedos e a palma das mãos. Este alongamento é muito bom
para ampliar o vórtice de energia da palma das mãos, além de alongar a musculatura da
mesma.

Assim que o terapeuta massajar detalhadamente toda a extensão do braço do paciente


com as mãos voltadas para baixo, passa para à fase seguinte.

Membros superiores – Braços estendidos com a palma da mão para cima

O terapeuta inicia a massagem no braço do paciente, que está estendido ao longo do corpo,
com a palma das mãos voltadas para cima para realizar massagens na parte interior do braço.
Faz um aquecimento geral da musculatura do braço com a palma das mãos procurando aos
poucos e com firmeza soltar as tensões da musculatura. O terapeuta deve iniciar nos músculos

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 55


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

superiores do braço e estender o deslizamento com a palma das mãos até à palma das mãos
do paciente. A polpa dos dedos do paciente deve actuar nos músculos de forma a soltá-los.

A seguir o terapeuta passa a actuar mais intensamente realizando massagens com a palma
das mãos e com a polpa dos dedos polegares. O terapeuta procura soltar todos os músculos e
tecidos. Quando atingir o pulso do paciente, na zona central e próxima da junção com as mãos,
o terapeuta, levemente, pressiona com a polpa do polegar para estimular o vértice de energia
situado nesta zona.

O terapeuta não negligencia a palma das mãos. Para além da massagem com a palma das
mãos realiza também uma leve pressão no centro da palma das mãos do paciente para
dinamizar o vórtice energético do chakra da palma das mãos. Procura alongar também os
dedos da mão puxando-os individualmente ou juntos.

A seguir o terapeuta eleva o braço do paciente até que ele forme um ângulo de 90º com o
corpo e passa a realizar massagens nesta posição com a palma das mãos e com a polpa dos
dedos.

O terapeuta inicia nos músculos superiores do braço pressionando-os para baixo e desliza
até à palma das mãos do paciente. A polpa dos dedos deve também actuar fazendo pressão e
soltura dos músculos de todo o braço.

Pode nesta posição realizar também uma massagem elevando o braço do paciente e
dobrando-o juntamente com a mão a 90º. Faz massagens na massa muscular do braço
alongando-a, ao mesmo tempo que mantém o alongamento da musculatura do dorso da mão
que deve estar também a 90º do braço. O terapeuta inicia a massagem nos ombros e termina
prendendo a região interna do cotovelo com a sua palma da mão forçando-a em direcção ao
solo, ao mesmo tempo que faz o alongamento dos músculos dorsais da mão do paciente.

Após realizar a manobra nesta posição, o terapeuta eleva o braço do paciente até que fique
acima da cabeça do paciente e realiza com mais vigor uma massagem profunda com a palma
das mãos e com a polpa dos dedos polegares, procurando estender ao máximo toda a
musculatura para cima.

Procura também abrir ao máximo a região escapular, pressionando o meio da axila com o
polegar. Nesta região situa-se um vórtice de energia importante.

Quando o braço estiver em extensão máxima, o terapeuta realiza, após ter feito massagem
nos dois braços, a seguinte manobra de alongamento da musculatura do braço, caso seja
necessário, para dar uma maior abertura para a caixa torácica do paciente. O terapeuta coloca
os dois braços do paciente em amplitude e extensão máxima acima do corpo, posicionando-se
atrás do paciente, em pé, e prende com os seus pés a palma das mãos do paciente contra o
solo segurando-os em extensão máxima A massagem pode ser estendida até à ponta dos
dedos., e com as suas mãos força a rotação externa dos membros superiores empurrando-os a
seguir em direcção ao solo. Primeiro realiza segurando na região próxima dos ombros depois
junto aos cotovelos.

Termina assim a massagem nos braços. O terapeuta, a seguir, passa a realizar massagens
no pescoço. Pode também realizar um dos alongamentos que veremos a seguir, caso verifique
que o paciente necessite de um deles.

Pescoço

O sentido das massagens é da região dos ombros em direcção à nuca ou opcionalmente da


nuca para os ombros. O terapeuta deve escolher uma das direcções. Para exemplificarmos
vamos executar na direcção dos ombros para a nuca.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 56


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

O terapeuta inicia a massagem com a palma da mão e com a polpa dos dedos deslizando-
os, bilateralmente, com o auxílio do óleo, na parte anterior do pescoço, em cima das cervicais e
em direcção à nuca. O terapeuta deve puxar na sua direcção o pescoço, procurando alongá-lo
com o deslizamento vigoroso que executa.

A seguir, passa a massajar a parte lateral do pescoço, com a palma das mãos,
bilateralmente, dos ombros até à nuca, procurando também traccionar o pescoço para trás, em
sua direcção. Realiza várias vezes esse movimento. Massaja firmemente procurando realizar de
maneira muito vigorosa.

Realiza este mesmo movimento, bilateralmente, com a polpa dos dedos juntos e com a
polpa do dedo polegar.

E depois, passa a massajar com a polpa dos dedos toda a região do pescoço, cordas vocais
e traqueia. Nas laterais do pescoço, o terapeuta deve, quando chegar na região na nuca que se
junta com o pescoço, realizar uma ligeira pressão com rotação neste ponto energético.

Pinça o esternocleidomastoideu, bilateralmente, com a polpa dos dedos, massajando-o da


inserção até a sua origem.

O terapeuta segura com uma das mãos a nuca do paciente, e gira-a levemente para um
dos lados e com a palma da outra mão realiza massagens em toda a extensão da lateral do
pescoço. Desta forma massaja-se mais vigorosamente as cordas vocais, a musculatura lateral
do pescoço.

O terapeuta aproveita esta posição girando um pouco mais para a lateral o pescoço do
paciente, segurando-o com uma das mãos em cima da orelha. Nesta posição, com a palma da
outra mão, executa massagens na região das cervicais e na região lateral do pescoço.

Realiza também deslizamentos com a polpa do dedo polegar e aproveita quando chegar à
região da nuca para estimular mais intensamente os pontos situados nesta região. Com a polpa
do polegar realiza forte pressão com rotação horária neste ponto.

A seguir, realiza a tracção do pescoço. Ainda na posição com a cabeça de lado, uma mão
na nuca e a outra no queixo do paciente o terapeuta realiza uma pequena tracção para cima,
puxando o queixo para traz em seu máximo, procurando alongar intensamente o pescoço. Feito
isso, realiza as mesmas massagens e manobras do outro lado.

Após realizar as massagens do outro lado, retorna lentamente a cabeça na posição normal
e ainda com uma mão na nuca e a outra no alto da cabeça lentamente levanta a cabeça do
paciente procurando encostar o queixo no peito. O terapeuta procura ir até o ponto máximo e
lentamente retorna a cabeça para a posição normal. O paciente deve manter a cabeça e o
pescoço bem relaxados e soltos.

Façe

Utiliza-se o óleo de massagem para facilitar os movimentos no rosto.

A massagem no rosto inicia-se no queixo e na mandíbula. O terapeuta apoia a polpa dos


quatro dedos da mão sob o queixo e a do polegar sobre o queixo, na região central, e passa a
realizar movimentos deslizatórios em direcção à mandíbula diversas vezes.

Realiza massagens com a polpa dos dedos, com movimentos rotatórios, uma mão de cada
lado do rosto, sobre a mandíbula, pedindo ao paciente que solte essa região e relaxe os
maxilares, muitas vezes muito tensos. Ou faz uma pressão com a polpa dos polegares em cima

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 57


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

da junção dos maxilares para soltar a tensão.

Pode também, se a musculatura da região dos maxilares estiver muito tensa e os maxilares
presos, realizar o estiramento da musculatura e soltura dos maxilares da seguinte maneira.
Com uma das mãos na lateral da cabeça do paciente o terapeuta vira-a para a lateral,
suportando-a. Com a polpa dos dedos da outra mão desliza com pressão na região muscular
que envolve o queixo e as mandíbulas do paciente, do centro do queixo em direcção às orelhas
procurando alongá-la ao máximo. Repete do outro lado.

O terapeuta apoia a polpa dos dedos polegares no canto dos lábios, a polpa dos outros
dedos ficam apoiados abaixo do queixo, pressiona e estica na direcção da mandíbula.

A seguir, o terapeuta passa a realizar massagens na face do paciente com movimentos


simultâneos em ambos os lados do rosto. A direcção da massagem na face deve ser sempre, da
região próxima do nariz em direcção ao osso zigomático, na proximidade da orelha. As
massagens nesta região, com a polpa do dedo polegar, deverão seguir e contornar a linha do
osso da face em toda a região. Nessa região massaja-se, também, com a palma das mãos. O
terapeuta não deve esquecer-se de massajar toda a região da face até ao contorno abaixo dos
olhos.

O terapeuta, ao realizar os deslizamentos na face sobre o osso zigomático, deve fazer uma
pressão no centro dos maxilares em simultâneo. Nesta região situam-se dois vórtices de
energia, conforme ilustrado em capítulo anterior.

O terapeuta pode também realizar massagens na face do paciente utilizando a polpa dos
dedos polegares e indicadores. Um ao lado do outro deverão deslizar pela face. O terapeuta
deve iniciar a massagem na região próxima do nariz e deve contornar toda a face. Com este
movimento pretende-se alongar os tecidos da face puxando-os em direcção às orelhas.

Para realizar uma massagem mais profunda nesta região do rosto, o terapeuta vira
levemente a cabeça do paciente para o lado, e com o auxílio de uma das mãos puxa o nariz do
paciente para a lateral. Nesta posição passa a realizar, com a polpa do dedo polegar da outra
mão, uma pressão com deslizamento sobre o sinus e face.

Realiza também uma leve pressão com massagem rotatória no sentido dos ponteiros do
relógio, com a polpa do polegar, indicador ou dedo médio, na junção inferior do nariz com a
face. Ao terminar, desliza a polpa do dedo pelo contorno do osso da face até ao osso
zigomático. Este ponto é um vórtice de energia que activa as vias respiratórias superiores. O
terapeuta, a seguir, repete do outro lado.

Para finalizar a massagem nesta região, o terapeuta volta a cabeça do paciente à posição
normal e realiza novamente os deslizamentos na face com a polpa dos dedos polegares, nos
dois lados do rosto ao mesmo tempo, e repete a estimulação dos vórtices energéticos situados
da junção do nariz com a face, em simultâneo.

A seguir passa a massajar com a polpa dos dedos as orelhas, ambas simultaneamente. O
terapeuta deve dar uma atenção especial às orelhas, realizando amassamentos e alongamentos.
Deve puxá-las em várias direcções e pressionar todo o pavilhão auricular. Essa manipulação da
orelha tem como objectivo relaxá-las e estimular a circulação sanguínea e energética, assim
como estimular os diversos vórtices de energia que nela se situam.

O terapeuta massaja também de forma puntiforme, com a polpa dos dedos, a parte traseira
bem próxima da orelha, dando especial atenção ao centro desta região onde a pressão deverá
ser mais profunda. Nesta zona situam-se pontos energéticos importantes.

O terapeuta introduz os seus polegares no centro da orelha, bilateralmente, suportando a

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 58


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

cabeça na parte posterior da orelha com os outros quatro dedos e, a seguir, tracciona para traz,
com o auxílio dos dedos apoiados na cabeça e nos indicadores. Esta manobra visa alongar as
vértebras cervicais.

Esta manobra pode também ser realizada de um lado de cada vez. O terapeuta segura a
cabeça do paciente com uma das mãos e vira-a para a lateral. Com o dedo indicador da outra
mão introduzido no pavilhão auricular realiza o estiramento do pescoço puxando-o para trás.

Por último dobra a orelha sobre si mesma, na sua parte média, superior e inferior.

A seguir, o terapeuta passa a massajar a testa. O terapeuta coloca a polpa dos dedos
polegares paralelos sobre a testa e massaja em linhas horizontais, com movimentos simétricos
de aproximação em direcção ao centro da testa e afastamento em direcção à lateral, com os
polegares cruzando-se no centro. Esses deslizamentos são realizados com uma pressão suave.

O terapeuta realiza também deslizamentos de forma bilateral na testa iniciando no centro


da mesma para a lateral. O deslizamento deve ser com ligeira pressão para alongar os tecidos
ali existentes. Pode-se realizar com a palma das mãos ou com a polpa dos dedos.

As sobrancelhas também recebem massagens com a polpa dos dedos polegares,


bilateralmente, do centro para a lateral. Realizam-se várias vezes até que estejam com os
tecidos aquecidos.

Depois, o terapeuta passa a pinçar de forma vigorosa as sobrancelhas, bilateralmente.


Inicia na região próxima do centro da testa e pinça em direcção à extremidade. Realizam-se
vários pinçamentos.

A seguir, estimula de forma puntiforme com pressões suaves e circulares toda a região das
sobrancelhas, bilateralmente. Inicia na parte interna, próxima do nariz, e caminha em direcção
às extremidades. O paciente pode ressentir-se de dor nesta região se houver bloqueio
energético. Assim que o terapeuta chegar às extremidades, fim da sobrancelha, parte lateral da
testa, deve realizar neste ponto uma pressão mais vigorosa, rotatória, com a polpa dos dedos
ou com a palma das mãos. O terapeuta deve pressionar as laterais da testa em direcção ao
centro da mesma. Realize várias rotações.

O nariz também não deve ser esquecido. O terapeuta após massajar as sobrancelhas
realiza deslizamentos pelo nariz, na sua região superior e lateral, com a polpa dos dedos
indicadores, procurando prolongar até a face.

Para finalizar a massagem no nariz, realiza uma pressão na junção do nariz com a testa na
sua parte inferior para estimular o vórtice de energia aí situado.

Após a massagem no nariz, o terapeuta pode encerrar o trabalho na testa executando


alguns deslizamentos com a palma das mãos em toda a região da testa e face. Estes deverão
ser muito suaves.

Couro Cabeludo e Chakras Superiores

Estimulação das células do cérebro. Nesta região do corpo não utilizamos óleo de
massagem.

A massagem no couro cabeludo é extremamente importante para reduzir o excesso de


tensão que acumulamos no cérebro devido à agitação mental que a vida contemporânea nos
faz. A massagem ayurvédica termina nesta região, pois é nela que se situa o chakra Sahasrara,
que nos conecta com o mundo divino e uma infinidade de vórtices energéticos que activam

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 59


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

zonas de nosso cérebro ainda desacordados. O terapeuta deve massajar esta zona de forma
suave, com muita energia e muito consciente do trabalho que está a desenvolver.

A massagem nesta zona inicia-se com pequenos toques que percorrem o couro cabeludo.
Para realizar esses toques rotativos, o terapeuta deve utilizar a polpa de todos os dedos da mão.
O terapeuta deve iniciar na região do couro cabeludo situado nas laterais da cabeça (partindo
do chão) e executar movimentos puntiformes progressivamente em direcção às têmporas. O
couro cabeludo deve rodar o suficiente para provocar um relaxamento. Esse movimento é
executado de ambos os lados da cabeça, em simultâneo, até chegar à linha central onde se
situam os principais vórtices de energia.

O terapeuta deve cobrir toda a zona da cabeça e deve repetir os movimentos pelo menos
três vezes fazendo rodar todo o couro cabeludo.

O terapeuta pode também fazer rodar o couro cabeludo com a palma de suas mãos. O
movimento rotatório deve ser executado em simultâneo nos dois hemisférios da cabeça. O
terapeuta coloca a palma de suas mãos na cabeça realizando certa pressão contra o cérebro ao
mesmo tempo que roda o couro cabeludo. Deve ser executado nas laterais da cabeça. Esse
movimento é muito benéfico para soltar o couro cabeludo e provocar relaxamento das células
do cérebro.

A seguir o terapeuta passa a estimular os vórtices energéticos da linha central da cabeça. O


terapeuta desenha uma coroa imaginária que parte da linha central do topo da cabeça, que se
inicia no 7º chakra, alto da cabeça, e vai em direcção ao 6º chakra, no meio das sobrancelhas.
O movimento é realizado com a polpa dos polegares, um acima do outro, que em simultâneo
fazem uma pressão no couro cabeludo com uma pequena rotação nos sentidos dos ponteiros
do relógio. O terapeuta inicia no 7º chakra e, progressivamente, vai até atingir o 6º chakra
situado no centro da testa entre as sobrancelhas. O terapeuta pode repetir esse circuito até três
vezes. O movimento deve iniciar-se sempre no topo da cabeça.

Esta massagem estimula a glândula pineal, que se localiza um pouco acima do centro das
sobrancelhas, e é responsável pelo controle do sistema imunológico e produção de hormonas.
O terapeuta, quando chegar a esta região pressiona rodando levemente no sentido horário,
com os dois polegares, apoiando os outros quatro dedos lateralmente na cabeça, conta até 10,
e relaxa lentamente, deslizando os dedos lateralmente. O nome pineal, vem da forma de
pinheiro que essa glândula tem e, segundo os indianos é o 3º olho, produz a seratonina, que é
a hormona que nos leva a entrar em meditação profunda. Sente-se essa hormona na saliva, e
seu gosto é adocicado. Os movimentos na linha central da cabeça estimulam também a
glândula pituitária e por reflexo os outros chakras.

Massagem nos Olhos

Assim que terminar as três sequências de dinamização dos chakras situados na linha central
da cabeça, o terapeuta passa a trabalhar o olho, último ponto a ser massajado. O terapeuta
coloca a polpa dos polegares sobre os olhos do paciente, que devem estar fechados, e massaja
sem pressionar com leves deslizamentos que vão da região próxima do nariz em direcção às
têmporas. A seguir realiza pequenos movimentos rotativos no sentido horário e anti-horário.
Por último, o terapeuta solicita ao paciente que relaxe a pupila e os olhos, coloca a polpa dos
dedos polegares no centro do olho e vai pressionando lentamente. Espera alguns segundos
mantendo a pressão e, aos poucos, vai aumentando a pressão até que o paciente consiga
relaxar os olhos completamente. O paciente, inicialmente, vê a cor preta e depois quando o
olho estiver em estado de relaxamento aparecem algumas cores.

O terapeuta retira lentamente a polpa dos dedos polegares de cima do olho do paciente e
solicita ao mesmo que mantenha os olhos fechados. Coloca as suas mãos em forma de concha
em cima do olho do paciente e transmite um pouco de energia, abençoando-o mentalmente. O

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 60


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

terapeuta deve manter as mãos em cima do olho do paciente até perceber que o fluxo de
energia foi suficiente para relaxar o paciente. A massagem encerra-se desta forma. A seguir o
terapeuta prepara o final da sessão.

Final da Sessão

O terapeuta faz um pequeno rolo com uma toalha pequena e coloca-o sob a nuca do
paciente. Pressiona levemente os ombros do paciente para baixo. Coloca uma pequena toalha
fina sobre os olhos do paciente que devem estar fechados e pressiona levemente os olhos
sobre a toalha. Assim, o paciente mantém os olhos cobertos e fechados e a nuca relaxada. O
terapeuta cobre o paciente com um lençol ou cobertor, se a temperatura ambiente estiver fria e
deixa-o descansar de cinco a quinze minutos. O terapeuta pode também examinar os pés do
paciente e, se estiverem frios, pode segurá-los com sua mão por alguns segundos para passar
um pouco de energia calórica. O terapeuta pode colocar uma música suave, de fundo, durante
a massagem ou só no final da sessão.

Após esse pequeno relaxamento, o terapeuta descobre lentamente o paciente e solicita ao


mesmo que ele role lateralmente, fique algum tempo de lado e posteriormente sente-se. O
paciente que conseguir chegar ao relaxamento completo dos olhos, nunca deve abri-los de
imediato. Deve abri-los muito lentamente.

O terapeuta, assim que terminar a sessão deve, de imediato, lavar as mãos para
descarregar a energia. E deve também meditar por alguns minutos para se recompor
energeticamente.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 61


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

PARTE C – Execução de uma Massagem Simples – Descrição Gráfica Simplificada

1 2

Pressão e deslizamentos feitos com os polegares, Deslizamento e pressão na musculatura intercostal


bilateralmente, sobre a musculatura para-vertebral (entre as costelas). Inicia-se pela última costela
desde a região sacral até o nível da última vértebra indo até encontrar a escápula.
cervical (C 7). O terapeuta se posiciona com um
joelho entre as pernas do paciente e tem a outra
perna como apoio.

3 4

Abertura da musculatura glútea e lombar. Usa-se


as mãos espalmadas. Faz-se um deslizamento
lateral com pressão na região glútea e lombar
Massajamento bilateral da região glútea. O
terapeuta exerce pressões com os polegares ou
com a ponta dos outros dedos sobre toda região
glútea.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 62


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

5 6

Massajamento bilateral da região glútea. O Pressão exercida sobre o ponto do rim, logo abaixo
terapeuta exerce pressões com os polegares ou da última costela.
com a ponta dos outros dedos sobre toda região
glútea.

7 8

Abertura da omoplata. Pressão exercida no bordo


interno da escápula utilizando os dois dedos. Se for Deslizamento com os polegares sobre os músculos
difícil desprender por rigidez muscular coloca-se o inter-costais, com início nas costelas flutuantes em
braço do paciente sobre as costas. Isto facilita o direcção a coluna, de forma a fazer a energia fluir
trabalho de abertura da omoplata. para o centro.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 63


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

9 10

"Dança" sobre os músculos para-vertebrais. É


exercida uma pressão e um deslizamento curto no
sentido lateral por todo o prolongamento da
musculatura (lombar até cervical). Pode ser feito
com uma ou duas mãos, utilizando a poupa dos
Massagem sobre os espaços intervertebrais. dedos.
Realiza-se deslizamentos usando os polegares
sobre o espaço inferior e superior de cada vértebra
até á altura da última vértebra cervical

11 12

Massajamento das fibras superiores do trapézio.


Feito bilateralmente com pinçamento e Deslizamento bilateral na musculatura cervical com
deslizamento sobre o músculo desde a sua origem pressão dos pontos na nuca. O deslizamento sobre
na cervical até ao ombro. o músculo desde a sua origem na cervical até ao
ombro.
13 14

Deslizamento e alongamento das fibras superiores


Pressão rotativa nas fossas do occipital, centrais e do trapézio. Com uma mão o terapeuta fixa a
laterais. Pressão bilateral. cabeça e com a outra exerce deslizamentos
profundos que vão da nuca ao ombro.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 64


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

15 16

Deslizamento nas pernas, realizado com as mãos A mesma movimentação é repetida, só que neste
abertas com movimentos longos e contínuos, com movimento as mãos encontram-se fechadas e o
alternância de mãos. Os movimentos devem deslizamento é feito pelo lado dorsal dos dedos. É
percorrer desde o calcanhar até o alto das coxas. O exercida leve pressão no movimento.
terapeuta sentado sobre os calcanhares com a
perna do paciente apoiada na sua coxa.

17 18

Pressão nos gémeos. É feita com os polegares,


Pressão sobre o tensor da fáscia-lata. É iniciada na
com movimentos alternados e contínuos.
sua porção superior percorrendo todo o lado do
trajecto do tendão até o nível do joelho. O
terapeuta utiliza as duas mãos.

19

Pinçamento do tensor da fáscia-lata.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 65


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

20 21

Deslizamentos sobre a musculatura interna da


perna. O paciente mantém a perna semi-
O paciente encontra-se em decúbito dorsal e flexionada, abduzida e apoiada sobre o joelho do
realizam-se deslizamentos nas pernas, com terapeuta que exerce deslizamentos contínuos e
movimentos contínuos. O terapeuta realiza alternados com os polegares pela linha da tíbia.
deslizamentos por toda perna exercendo leve
pressão.

22 23

Deslizamentos sobre a musculatura interna da


coxa. O paciente mantém a perna semi-flexionada
e abduzida e apoiada sobre o joelho do terapeuta
que exerce pressões contínuas e alternadas com os
polegares por toda musculatura interna da coxa
(musculatura adutora).
Deslizamentos sobre a musculatura flexora do
quadril (quadríceps). O terapeuta realiza
deslizamentos profundos e alternados com as mãos
por toda a face anterior da coxa, partindo da parte
inferior dos gémeos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 66


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

24 25

Massagem no abdómen. O terapeuta realiza


movimentos circulares por todo o abdómen, com
ambas as mãos.

Deslizamentos alternados no abdómen

26 27

Abertura do plexo, com deslizamentos dos


polegares e alternando com rotações palmares Massagem profunda e rotativa com ambas as mãos
alternadas em toda a região abdominal
28 29

Pressão no fígado com os polegares, para baixo e


para dentro, mantendo a pressão uns segundos
Pressão sobre a vesícula com os polegares, mais
ligeira que no fígado e mantendo uns segundos

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 67


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

30 31

Pressão sobre o umbigo. O terapeuta coloca uma


das mãos na coluna lombar do paciente fixando-a
Pressão sobre o baço-pâncreas mantendo alguns e exerce a pressão sobre o umbigo durante 10
segundos batimentos. A pressão deve ser realizada durante a
expiração.

32 33

Pressão bilateral no umbigo. A pressão é realizada Pressão sobre o processo xifóide e o osso púbico. A
como a anterior, mantendo-se por 10 batimentos. pressão é dada sobre o processo xifóide enquanto
Estamos também activando os intestinos. a pressão no osso púbico não é realizada e vice-
versa

34

Pressão sobre o baixo-ventre. Esta manobra em mulheres é


realizada sobre a região dos ovários e nos homens na zona do
intestino grosso. Mantém-se a região pressionada por um
período de 10 batimentos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 68


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

35 36

Deslizamentos sobre a caixa toráxica na diagonal, Pressão com os polegares sobre o ponto de
fazendo pressão na crista ilíaca e na articulação do estimulação dos pulmões.
ombro
37 38

Deslizamento e pressão na musculatura intercostal.


O terapeuta trabalha sobre toda a caixa toráxica
iniciando-se na décima costela e terminando na Faça uma pressão com o polegar na cavidade infra
primeira (próxima à clavícula). clavicular. Peça ao paciente para respirar e relaxar.

39 40

Pressão sobre o chakra cardíaco com o dedo


polegar
Pressão sobre o chakra laríngeo com o dedo
polegar, para baixo e para a frente

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 69


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

41 42

Pressione e empurre a clavícula para baixo com o


Massajamento dos membros superiores, a palma
polegar, e com a palma da mão pressione o ombro
da mão voltada para baixo, fazer deslizamento no
para baixo. Se estiver tenso, faça um lado de cada
sentido do ombro para o punho.
vez.

43 44

Massagem no antebraço. O terapeuta fixa com


uma das mãos o antebraço do paciente e com a O terapeuta segura o punho, com certa pressão no
outra exerce pressão com o polegar sobre toda a chão e faz uma flexão dorsal de máxima amplitude.
região.

45 46

Massajar a palma da mão com deslizamentos


alternado dos polegares e palmares Depois de trabalhar a palma da mão, efectuar o
alongamento dos dedos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 70


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

47 48

O terapeuta coloca-se acima da cabeça do paciente Bilateralmente e com os dedos massajar o


sentado sobre os calcanhares ou com as pernas músculo esternocleidomastoideu.
cruzadas. Massaja as cervicais com deslizamentos
ascendentes, com elevação e tracção.

49 50

paciente com a cabeça voltada para o lado, O terapeuta segura a cabeça do paciente e com
massajar a musculatura principal e acessória do uma das mãos, na região da nuca e com a outra
pescoço. mão colocado sobre o pescoço deslizando para o
ombro, empurrando-o para baixo. Repetir a
manobra do outro lado

51 52

Apoie os quatro dedos e o polegar sobre o queixo


e deslize do meio do queixo em direcção a
Deslizamento desde a raiz das narinas até ao osso
mandíbula.
zigomático, pressionando com ligeira rotação.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 71


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

53 54

Virar o nariz para um lado, com uma das mãos e,


com a outra pressionar e deslizar pela bochecha
alongando a zona Deslizar com os polegares sobre o osso zigomático
e pressionar no centro do maxilar.
55 56

Com os polegares fazer pequenos movimentos Localize o meio da cabeça e faça pressão, numa
opostos, por toda a testa. Deslizamento com linha recta até chegar ao 3° olho, na testa entre as
pressão suave. sobrancelhas. Faça uma pressão rotativa

57 58

Com o polegar indicador faça pinça na região das


sobrancelhas no sentido do centro para as Ligeiras pressões com os polegares nas
extremidades. Pince e puxe. sobrancelhas puxando. Aplicar ao longo de toda a
sobrancelha.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 72


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

59 60

Deslize as palmas das mãos bilateralmente com


pequena pressão no sentido do centro da testa Com as mãos massajar simultaneamente toda a
para as têmporas. orelha, puxar o lóbulo, pressionar todo o pavilhão
auricular.

61 62

Massajar toda a zona do escalpe com a ponta dos


Efectuar pressões com os polegares desde a base
dedos.
do crânio até ao 3º olho.

63 64

Pressionar o 3º olho durante algum tempo,


largando depois muito subtilmente.
Massajar toda a região dos olhos em movimentos
circulares suaves com os polegares, pressionado
depois com os polegares. Não esqueça que o
paciente não pode estar com lentes de contacto.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 73


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

65 66

Terminada a massagem. Abençoe o paciente,


concentrando-se apenas na emanação de energias Cubra todo o paciente e, inclusive os seus olhos e
positivas. deixe-o relaxar por uns 10 minutos.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 74


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

Parte D – Anexos
I

Pontos para o Exame Teórico

1 – Definir o que é a Ayurveda e a Abordagem Holistica


2 – Identificar o aparecimento da Ayurveda, o seu desenvolvimento e actualidade
3 – Os Princípios Básicos da Ayurveda: Os 5 Elementos; Gunas e o Sistema Tridosha
4 – Descrever os principais pilares da Ayurveda
5 – Descrever os tipos de Massagem Ayurvédica
6 – Enumerar as principais indicações, precauções e contra indicações da massagem
7 – Referir os principais óleos base e suas características para a massagem Ayurvédica
8 – Enumere os principais Chakras, explicando o que são
9 – Defina o que são os pontos Marma e a sua importância
9 – Quais os circuitos possíveis na Massagem Ayurvédica e o que os diferencia

Pontos para o exame Prático

1 – Preparação do espaço, ambiente e material necessário à massagem


2 – Triagem da necessidade do cliente e técnicas a utilizar
3 – Execução Prática da Sequência Básica: Região Posterior e Anterior
4 – Feedback ao cliente sobre o seu estado

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 75


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

II – Esquema Básico – Monofolha


Região Posterior 7. Pressão alternada nos chakras do plexo solar e
sexual
1. Aquecimento de toda a zona dorsal 8. Pressão nos vórtices do intestino grosso e ovários
2. Massagem bilateral dos glúteos e lombares nas mulheres
3. Massajar com pressão os pontos ciáticos 9. Acabar com massagem geral no abdómen
4. Pressão com os polegares nos rins Tórax
5. Aquecimento e abertura da omoplata 1. Deslizamentos gerais em toda a zona
6. Deslizamentos com nos espaços inter-costais 2. Deslizamentos cruzados
7. Deslizamentos dos polegares pelos músculos inter- 3. Deslizamento nos músculos inter-costais desde as
vertebrais até c7 flutuantes até à 1ª toráxica
8. Deslizamento dos músculos para-vertebrais 4. Pressão nos pontos dos pulmões
Pescoço 5. Pinçamento e pressão dos peitorais com a polpa
1. Aquecimentos do pescoço e ombros dos polegares
2. Deslizamento bilateral do trapézio 6. Pressão sobre o chakra cardíaco e da laringe
3. Deslizamento com os polegares nos músculos 7. Abertura das clavículas com pressão na fossa
inter-vertebrais de c7 a c1 supra clavicular e músculo trapezoidal
4. Pressão rotativa nas fossas do occipital 8. Deslizamentos finais
5. Alongamento do trapézio com apoio da outra mão
na base da nuca Braços e Antebraços

Membros inferiores 1. Massajar o ombro com movimentos rotativos


1. Aquecimento de todo o membro com óleo com a deslizando para as mãos
palma das mãos 2. Apoia o braço do cliente e percorre com os
2. Aumento gradual dos deslizamentos com os polegares as linhas do úmero e rádio
polegares, soltando os gémeos 3. Prender o pulso e alongar as mãos
3. Repete o movimento anterior na coxa. 4. Rodar as palmas para cima e massajar todo o
4. Deslizamentos as secções com a zona inter- membro
falângica e polpa dos polegares 5. Massajar a palma da mão
Pés 6. Efectuar o alongamento dos dedos
1. Rotação dos polegares na planta dos pés Pescoço
2. Massajem nos bordos do pé e arcos
3. Apoiando o pé com uma mão, executar 1. Deslizamentos ascendentes desde as cervicais
deslizamentos em todo o pé com pressão, elevação e tracção
2. Com a cabeça de lado sobre a mão alongar os
Região Anterior trapézios
3. Pressões palmares alternadas nos ombros
Membros inferiores 4. Pressões palmares bilaterais nos ombros

1. Aquecimento de todo o membro com óleo, Face


incluindo espaço entre os dedos do pé 1. Deslizamento com polegares desde o queixo ao
2. Com a perna dobrada, massajar a parte interna do longo de todo o osso
membro (gémeos e vasto interno) 2. Deslizamentos desde a raiz das narinas ao longo
3. Deslizar fortemente com os polegares a linha do zigomático
interna do perónio e coxa 3. Alongar o nariz e massajar descendentemente a
4. Como o joelho dobrado efectuar a manobra de face com a polpa dos dedos
deslizamento alternado (gémeos/coxa) 4. Massajem bilateralmente e descendentemente a
5. Deslizamento pelas pernas, estirando até aos pés, face
onde estira o mesmo e os dedos 5. Tracção das cervicais com dedos no pavilhão
6. Movimentação do músculo da fáscia-lata, auricular
efectuado com os polegares 6. Deslizamentos polegares na testa, ascendentes e
Abdómen descendentes
7. Deslizamentos nas sobrancelhas com pinçamentos
1. Movimentos rotativos com ambas as mãos e pressões
2. Deslizamentos alternados 8. Rotação dos polegares na fonte
3. Abertura do plexo com rotações alternadas 9. Afloramentos finais por toda a face
4. Massagem profunda com ponta dos dedos 10. Massajar as orelhas, lóbulos e ossos com pressões
Energização de Pontos no Abdómen puntiformes
11. Massagem do escalpe como pontas dos dedos em
1. Aquecer toda a zona abdominal rotações e pressões
2. Pressão com os dois polegares e para cima na 12. Pressões e rotações desde a base do crânio até ao
zona do fígado 3º olho
3. Pressão na zona da vesícula 13. Massagens nos olhos com os polegares e pressão
4. Pressão na zona do baço 14. Tapar os olhos do cliente e finalizar com equilíbrio
5. Pressão no umbigo com apoio na parte de trás das energias
6. Pressão dos pontos laterais ao umbigo 15. Tapar o cliente

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 76


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I
III – Ficha de Cliente – Exemplo

Data: ________________________________________ Hora: __________________________________


Nome: _______________________________________________________________________________
Idade: ___________ Sexo: M F Altura _____________ Peso ______________
Profissão: _____________________ Actualmente toma algum medicamento? Sim  Não 
Se sim, qual (quais) ? ___________________________________________________________________
Actualmente está sobre cuidados de algum médico ou terapeuta? Sim  Não 
Se sim, por que razão? __________________________________________________________________
Por favor indique se tem ou teve alguma das situações clínicas abaixo descritas:
 Sida  Hérnia
 Alergias  Tensão arterial alta
 Varizes  Problemas nas articulações
 Aterosclerose  Dores gerais? __________________
 Cancro  Cicatrizes ou cortes abertos
 Problemas na coluna? __________________  Osteoporose
 Obstipação  Flebites
 Diarreia  Artrite reumatóide
 Fracturas recentes? ____________________  Doenças de pele? ________________
 Doenças de coração? ___________________  Trombose
 Hemofilia

Outros_______________________________________________________________________________

Tem algumas restrições em termos de movimento? ___________________________________________


Há algumas posturas ou alongamentos que receie que lhe possam ser prejudiciais?___________________
____________________________________________________________________________________
Está grávida? Sim  Não  Desde que data? ___________________________
Usa lentes de contacto? Sim  Não  Pacemaker? Sim  Não 
Que tipo de actividade física pratica regularmente? ___________________________________________
Especifique, por favor, quaisquer acidentes recentes: __________________________________________
Especifique, por favor, quaisquer cirurgias recentes___________________________________________

Consentimento para Massagem Ayurvédica


Foi compreendido que a finalidade da Massagem Ayurvédica é de relaxamento e que não significa fazer
diagnóstico, tratar algum problema, doença, desordem física, mental ou ferimento. Informei o terapeuta
de Ayurvédica sobre o meu estado de sáude e transmiti-lhe toda e qualquer recomendação ou restrição
que me tenha sido dada pelo meu médico ou terapeuta.

Assinatura do cliente _______________________________Data ___________________

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 77


Manual de Massagem Ayurvédica Tradicional – Módulo I

IV – Bibliografia e referências para consulta

CARDIM, Valter Carlos - Massagem Ayurvédica


NATALI, Marco - Do In - Técnica Chinesa de Massagem Terapêutica.
CAMPOS, M. - Aprenda a Fazer Massagens.
HOPPER, Arme - Massagem e Amor.
DINDLY, Robert - Os Alimentos Naturais Milagrosos.
ORSI, Rene M. - Massagem - A Terapia dos Deuses.
MATSUMOTO, Kosai - Plantas Tradicionais Para a Cura Natural.
KUSHI, Michio - Do In.
DOLTO, Boris J. - O Corpo Sob a Acção das Mãos.
VASANT, Lad – Yoga e Ayurveda
VASANT, Lad - Ayurveda
RUFFLIER, J.E. - Guia Prático de Massagem.
GARANDU, Gaya - Massagem e Auto-massagem.
MILLER, Roberta Delong - Massagem Psíquica.
AUSTRALGÉSILO, Armando S. B. - Curso de Massagem Oriental.
SOHAKU - O Livro de Shiatsu.
CHAN, Pedro - Do In Auricular.
EDGE, Gerard - Manual prático de Do In.
WEINMARAN, Ric A. - Suas Mãos Podem Curar.
KEWIN E BARBARA KUNZ - Reflexologia.
ANN, Barbara - Mãos de Luz.

Associação Luso Brasileira de Ayurvédica – Todos os direitos reservados 78