Você está na página 1de 91

Disciplina

Introdução à Linguística

Coordenador da Disciplina

Prof.ª Maria Silvana Militão de Alencar

6ª Edição
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados desta edição ao Instituto UFC Virtual. Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida,
transmitida e gravada por qualquer meio eletrônico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização, por escrito, dos autores.

Créditos desta disciplina

Coordenação

Coordenador UAB
Prof. Mauro Pequeno
Coordenador Adjunto UAB
Prof. Henrique Pequeno
Coordenador do Curso
Prof.ª Maria Claudete Lima
Coordenador de Tutoria
Profª. Pollyanne Bicalho Ribeiro
Coordenador da Disciplina
Profª. Maria Silvana Militão de Alencar

Conteúdo

Autor da Disciplina
Prof.ª Maria Silvana Militão de Alencar

Setor TecnologiasDigitais - STD

Coordenador do Setor
Prof. Henrique Sergio Lima Pequeno

Centro de Produção I - (Material Didático)


Gerente: Nídia Maria Barone
Subgerente: Paulo André Lima / José André Loureiro
Transição Didática Formatação Design, Impressão e 3D
Dayse Martins Pereira Camilo Cavalcante André Lima Vieira
Elen Cristina Bezerra Elilia Rocha Eduardo Ferreira
Enoe Cristina Amorim Emerson Mendes Oliveira Iranilson Pereira
Fátima Silva Souza Francisco Ribeiro Luiz Fernando Soares
Hellen Paula Pereira Givanildo Pereira Marllon Lima
José Adriano Oliveira Sued de Deus Lima
Karla Colares
Kamille de Oliveira Programação
Viviane Sá de Lima Andrei Bosco
Damis Iuri Garcia

Publicação
João Ciro Saraiva

Gerentes
Audiovisual: Andréa Pinheiro
Desenvolvimento: Wellington Wagner Sarmento
Suporte: Paulo de Tarso Cavalcante
Sumário

Aula 01: Linguística: a Ciência da Linguagem ...................................................................................... 01


Tópico 01: Preparando o Caminho para a Conceituação ....................................................................... 01
Tópico 02: Principais Conceitos: Linguística e Gramática .................................................................... 03
Tópico 03: Principais Conceitos: Linguagem, Língua, Norma, Fala e Discurso ................................... 06
Tópico 04: Os Estudos da Linguagem: a Antiguidade Clássica ............................................................ 10
Tópico 05: A Linguística pré-saussureana: o século XIX...................................................................... 17

Aula 02: O Formalismo ............................................................................................................................ 21


Tópico 01: O Estruturalismo .................................................................................................................. 21
Tópico 02: A Contribuição de Ferdinand de Saussure ........................................................................... 23
Tópico 03: Estruturalismo Europeu e Norte Americano ........................................................................ 31
Tópico 04: O Gerativismo ...................................................................................................................... 34

Aula 03: Funcionalismo Linguístico ........................................................................................................ 39


Tópico 01: A Linguística Funcional: Panorama .................................................................................... 39
Tópico 02: Principais Escolas e Círculos ............................................................................................... 42
Tópico 03: Principais Conceitos ............................................................................................................ 46

Aula 04: Linguística de Texto / Psicolinguística..................................................................................... 50


Tópico 01: Percurso Histórico................................................................................................................ 50
Tópico 02: Mecanismos de Construção de Sentidos do Texto .............................................................. 59
Tópico 03: A referenciação .................................................................................................................... 60
Tópico 04: Psicolinguística .................................................................................................................... 64

Aula 05: Análise do Discurso / Sociolinguística ..................................................................................... 71


Tópico 01: Análise do Discurso – a complexidade das relações entre sentido e contexto .................... 71
Tópico 02: As várias vertentes da Análise do Discurso ......................................................................... 76
Tópico 03: Sociolinguística .................................................................................................................... 83
Tópico 04: Análises de Fenômenos Variáveis ....................................................................................... 85
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 01: LINGUÍSTICA: A CIÊNCIA DA LINGUAGEM

TÓPICO 01: PREPARANDO O CAMINHO PARA A CONCEITUAÇÃO

VERSÃO TEXTUAL

Ao ser aprovado no vestibular para Letras, você deve estar


pensando que vai passar o curso de Letras se aprofundando em
gramática. Alguém pode perguntar: você estudou gramática em toda
sua vida escolar e ainda quer estudar mais? Ou outras perguntas desse
tipo; mas, nesta disciplina introdutória, vamos lhe apresentar
conceitos básicos para o estudo da língua que vão além de questões da
gramática normativa. Esses conceitos são fundamentais para a
formação no curso de Letras, especificamente para uma de suas áreas,
a Linguística.

Então, é comum que se identifique Letras ou Linguística, sua área


principal, com o estudo da gramática, as regras da língua, aprender todas as
palavras do português etc; também é comum que se encontre em referências
bibliográficas (livro, site, revista etc) a clássica definição de Linguística: o
estudo (científico) da língua/linguagem.

Porém, a partir de agora, essas considerações deverão ser aprofundadas,


afinal, você está em um curso superior de língua. Isso porque, desde épocas
remotas, o ser humano apresentou um fascínio pela língua que falava.
Veremos nas aulas seguintes que alguns povos, como os hindus, no século IV
a.C. já esboçavam uma descrição de uma das línguas que usavam, o
sânscrito, utilizado principalmente no âmbito religioso.

Encontramos, também, em outros povos referência ao estudo da língua,


melhor dizendo, ao fascínio da língua. Alguns lhe atribuíam poder espiritual,
místico. É o caso dos judeus, uma grande matriz sociológica do Ocidente.
Temos em Gênesis, o livro da criação, a conhecida frase: fiat lux et facta est
lux – faça-se luz e a luz se fez, primeira referência a palavra de Jeová, quando
de sua ação de criar o universo. Veja um trecho da Bíblia, impressa por
Gutenberg, em 1450, em escrita gótica; para facilitar a leitura sublinhamos
em amarelo a frase que citamos acima:

Vemos que, na Bíblia, a língua sempre está atrelada a algo sacro ou à


ideia de poder: é a palavra de Deus que gera o mundo; é a confusão de
línguas em Babel, como forma de dispersar a humanidade, evitando assim o
pecado. A relação do divino com a palavra é tamanha, a ponto de o deus
cristão ser identificado com a própria palavra:

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
João 1:1

Fonte [2]

1
E é Jeová quem habilita ao homem à fala, quando o coloca no Jardim do
Éden e ordena a Adão que nomeie aquilo que ele criara – ou seja, numa visão
judaico-cristã, a linguagem é uma dádiva divina:

Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todo o animal do


campo, e toda a ave dos céus, os trouxeram a Adão, para este ver como lhes
chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu
nome. Gênesis 2:19

Vemos a imagem de Thot, deus egípcio da sabedoria, a quem eles, os


egípcios, atribuíam a dádiva da escritura hieroglífica e a própria língua. Por
isso que sempre se encontra a imagem de um escriba junto a Thot,
representado pelo macaco. Ou seja: o uso da língua era considerado um ato
de culto ao dito deus. Nesta seção poderíamos passar mais tempo citando
povos da Antiguidade com suas visões e especulações sobre língua: os
acádios e os sumérios (com seus dicionários bilíngues, já que ambos
compartilhavam traços culturais, inclusive geográficos, sendo necessário o
Fonte [3] conhecimento dessas línguas.); os chineses, os fenícios, os gregos, os
romanos, os árabes (que colocavam o estudo da gramática árabe abaixo
apenas da teologia muçulmana) etc.

Enfim, a língua, em cada civilização, foi objeto de estudo seja por


motivações religiosas ou econômicas, seja por curiosidade. E nós? Por qual
motivo estudamos a língua portuguesa? A literatura? Uma segunda língua?

FÓRUM 1

Qual o motivo de estudarmos língua portuguesa se somos falantes


nativos?

Este tema de nosso fórum parece simples, mas não o é. Procure basear sua
discussão no artigo disponível no seguinte link [4] (Visite a aula online
para realizar download deste arquivo.) e em outros que tratem da mesma
temática.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://www.gutenbergdigital.de/gudi/dframes/index.htm
3. http://www.google.com.br/imgres?
imgurl=http://www.teenwitch.com/divine/kmt/pict/08010245.jpg&imgrefu
rl=http://www.teenwitch.com/divine/kmt/djehuti.html&h=330&w=240&sz
=59&tbnid=N0xGkINPR1G0wM&tbnh=263&tbnw=191&zoom=1&usg=__s1
ZLXy6ACHzSiatcCINTL55jHaI=
4. http://www.filologia.org.br/xiicnlf/04/09.pdf

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

2
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 01: LINGUÍSTICA: A CIÊNCIA DA LINGUAGEM

TÓPICO 02: PRINCIPAIS CONCEITOS: LINGUÍSTICA E GRAMÁTICA

No tópico anterior, vimos, em linhas gerais, como alguns povos viam a


língua. Agora apresentaremos alguns conceitos que serão basilares para sua
vida acadêmica em Letras. Iniciaremos pela primeira questão pontuada
nesta aula: gramática e linguística. Essa dúvida advém de nosso histórico
escolar, o qual tinha como centro, nas aulas de português, o estudo da
gramática normativa (GN), também chamada de tradicional (GT), que é
apenas um dos vários conceitos de gramáticas que podemos encontrar. A GT
é um manual de como falar e escrever corretamente uma língua, quase
sempre dividida em fonologia (ortografia, ortoépica e prosódia), morfologia,
sintaxe, podendo ainda contar com temas de estilística, e suas regras
gramaticais se apoiam tão somente na língua escrita e nos textos literários
considerados clássicos. Também é comum conceituar gramática como
qualquer descrição de língua, assim como assevera Kempson (2010, p. 21):

A gramática de uma língua é, por definição, um modelo formal das


propriedades da linguagem que são intrínsecos às palavras da língua e à forma
como eles podem ser combinados.

[tradução nossa do inglês]

Esse modelo de gramática procura estudar a língua de modo científico e


pode ser denominado de gramática descritiva. Além desses dois tipos de
gramática, há outros: universal, compartilhada, implícita, comparada,
gerativa, transformacional, funcional, filosófica, escolar etc.

Posto o que se entende por gramática, passemos à conceituação de


Linguística. De início, é bom ter claro que é uma ciência, assim como a
Medicina, a Física, a Química, a Biologia e tantas outras. Para uma área ser
considerada como tal, precisa apresentar características, como: objeto de
pesquisa, metodologia, objetividade na coleta, na observação e na análise dos
dados de pesquisa coletados, entre outros.

VERSÃO TEXTUAL

A Linguística é uma ciência da linguagem humana que tem


como objeto de estudo a língua/linguagem. Pode ser definida como a
ciência que estuda a linguagem.

A relação entre a "conceituação" de língua e os povos citados foi


fundamental para a construção do objeto de estudo da Linguística.

Para não deixarmos a definição de Linguística um tanto aberta,


apontamos um consenso dentro da chamada Historiografia Linguística: não
há uma definição do que é Linguística, mas sim, várias, pois cada movimento
teórico-metodológico, pelo qual ela passa, o dito "estudo científico da língua

3
ou linguagem" recebe um enfoque: na comparação de línguas (Linguística
comparativa), na formalização (Linguística formal), na fenomenização
(Linguística funcional), na discursivização (Linguística discursiva) etc;
somando a isso tudo a relação da Linguística com outras áreas:
Sociolinguística, Linguística antropológica, Linguística computacional,
Linguística matemática, Neurolinguística, Psicolinguística, Linguística
Cognitiva, Ecolinguística, Geografia Linguística (Dialetologia) etc; além das
subáreas da própria Linguística: Fonética/Fonologia, Morfologia,
Morfossintaxe, Sintaxe, Semântica, Estilística, Linguística aplicada,
Linguística histórica, Aquisição e desenvolvimento da linguagem, Linguística
de corpus, Lexicologia, Lexicografia, Terminologia, Paremiologia,
Fraseologia etc; e, por fim, as áreas limítrofes da Linguística: Análise do
Discurso, Análise Crítica do Discurso, Análise da Conversação, Pragmática,
Psicanálise etc.

Observe quão vasta é a área de interesse da Linguística! Isso se dá


justamente porque seu objeto de interesse, a linguagem, é também visado
por outras disciplinas. Assim, um cientista pode limitar-se a apenas a sua
área ou ainda conjugar-se a outros interesses.

Lembramos, também, que não é pacífica esta divisão feita, mas, do


modo como colocamos, parece ser o mais consensual. Para facilitar o
entendimento, ilustramos com dois esquemas.

CLIQUE AQUI PARA VER.

4
FONTE: WEEDWOOD, Barbara. História concisa da Linguística. SP:
Parábola, 2002. P.11

Segundo Weedwood (2002, p. 10), o campo da Linguística pode ser


dividido por meio de três dicotomias: sincrônica versus diacrônica; teórica
versus aplicada e microlinguística versus macrolinguística. A figura acima
ilustra a micro e a macrolinguística. A primeira, numa visão mais restrita,
inclui estudos que se preocupam com a "língua em si": fonética e fonologia,
sintaxe, morfologia, semântica, lexicologia. E a segunda, em uma visão mais
ampla, inclui estudos da língua em suas relações com a sociedade:
Linguística Histórica, Análise da Conversação, Linguística de Texto,
Sociolinguística, Psicolinguística, Análise do Discurso etc.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

5
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 01: LINGUÍSTICA: A CIÊNCIA DA LINGUAGEM

TÓPICO 03: PRINCIPAIS CONCEITOS: LINGUAGEM, LÍNGUA, NORMA, FALA E DISCURSO.

Neste tópico, seguiremos na apresentação de conceitos básicos da


Linguística. Iniciaremos pela diferenciação entre linguagem e língua. Essa
diferenciação é importante para a Linguística porque é comum o uso de
um (a) pelo outro (a) como sinônimo. Contudo há uma diferença entre eles
(elas).

Se observarmos veremos que esta confusão ocorre também em outros


idiomas, é o caso do inglês que usa a palavra language, referindo-se tanto à
linguagem quanto à língua. Também era assim em latim, em que o termo
lingua, - ae, fazia a mesma referência como em inglês (em alemão die
Sprache, e em outras línguas).

Afinal qual a origem da palavra lenguatge?

Vem do vocábulo lenguatge (< lingua, - ae), oriundo de uma língua neolatina
chamada língua provençal, falada ao sul da França, que, por volta do século
IX, iniciaram as primeiras grafações neste idioma e, com o tempo, tomou
relevo pela Europa latina por sua forte produção poética. Sendo dados às
artes, os provençais sentiram necessidade de distinguir a língua utilizada no
dia a dia, da língua mais geral, mais artística. Assim podemos definir
linguagem, como:

Capacidade humana de comunicar através do uso sistemático e convencional de


sons, sinais ou símbolos escritos. O termo é utilizado para exprimir outros
conceitos como os meios de comunicação dos animais ou os sistemas de
programação em informática.

(CRYSTAL, 1980, apud AIT)

Ou seja, linguagem é o termo mais geral, faz referência a qualquer tipo


de meio de comunicação. Além desse lado externo (som, sinal, símbolo, gesto
etc.), há também um lado interno, que é o pensamento.

A linguagem é uma forma de expressão do cognocer (pensar, conhecer,


aprender).
O que é a língua? Aqui adotaremos a definição de Ferdinando de Saussure:

É, ao mesmo tempo, um produto social da faculdade da linguagem e um


conjunto de convenções necessárias, adotadas pelo corpo social [uma
comunidade, grifo nosso] para permitir o exercício dessa faculdade nos
indivíduos (1969, p. 17).

6
Se linguagem liga-se ao geral, e a língua, ao mais específico, fica até mais
fácil exemplificar: língua portuguesa, inglesa (ambas línguas alfabéticas);
japonesa, chinesa (ideográficas); árabe, hebraico (aramaicas); Libras (língua
de sinais) etc. Veja que a definição dada se harmoniza com os exemplos, pois
língua é o lado social da linguagem, não pode ser modificada pelo falante e
obedece às leis de contrato social estabelecido pelos membros da
comunidade (PETTER, 2002, p. 14).

Outra definição que veremos nas próximas aulas é língua como sistema
de signos – conjunto de unidades (significante versus significado) que se
articulam.

O terceiro conceito é o de fala. Podemos também opor língua/fala.


Podemos definir a fala como um:

(1) ato individual, diferentemente de língua como um ato social;

(2) combinações Linguísticas individuais produzidas pelos falantes de


uma determinada língua;

(3) o próprio ato de fonação.

O linguista Ferdinando de Saussure propôs a dicotomia língua/fala


(langue/parole), porém há uma fronteira entre essas duas categorias, a que
Coseriu chamou de norma.

EUGÊNIO COSERIU: a norma linguística

Para dar conta das limitações da dicotomia langue e parole, Eugênio


Coseriu propõe um terceiro conceito: a noção de NORMA. A norma é o meio
termo da dicotomia saussureana. Assim como a langue, a norma é
CONVENCIONAL, tal como a parole, que é OPCIONAL.

Mas, diferentemente da parole, que é individual, deliberação de cada falante em


cada enunciação concreta, a norma implica numa opção do grupo a que
pertence o falante e, pode, assim, divergir, das demais normas seguidas por
outros grupos da mesma comunidade linguística. (LOPES, 1976: 80)
Fonte [1]

Exemplificando, tomemos a palavra TIA. Em Fortaleza, o fonema inicial


é alveolar, isto é, o T é produzido chiado. Já no Cariri, o fonema inicial é
dental, isto é, o T não é chiado. Essa diferença não é do sistema: os dois
fonemas não distinguem significados diferentes. Desse modo, com o T chiado
ou não, os falantes do Cariri e de Fortaleza compreenderão, porque apesar de
pronúncias diferentes, a palavra é a mesma.

Também não é uma diferença individual da fala, uma vez que todos os
falantes nativos do Cariri pronunciam o T da mesma forma. Fenômeno
semelhante pode ser observado em Fortaleza. Então, em que consiste a
diferença? A pronúncia do T nessas duas regiões do Ceará é uma diferença de
NORMA; podendo caracterizar o falar de uma região: na norma de Fortaleza,

7
o t será pronunciado alveolar (chiado), enquanto que, na norma do Cariri,
ocorrerá como uma consoante dental.

VERSÃO TEXTUAL

Fala + Língua = Norma

Podemos afirmar que a língua portuguesa possui normas Linguísticas.


Isso porque, embora a língua portuguesa seja a mesma utilizada em vários
países, em cada um deles ela se realiza de maneira distinta, é falada
diferentemente. Podemos também subclassificá-la em norma culta (e não
culta), norma padrão (e não padrão), norma coloquial, popular.

Clarificando. Em língua portuguesa, é previsto o uso de 'mais/menos


grande/pequeno' ou 'maior/menor', porém, no Brasil é mais comum o uso de
maior/menor e, em Portugal, da primeira expressão. Isto é, embora falemos
a mesma língua e sejam previstos os dois usos, cada comunidade de fala tem
sua norma Linguística. Acreditamos que esse exemplo ilustra bem o conceito
de norma, mas não para por aí, há inúmeros outros.

Podemos citar o uso da negação na Língua Portuguesa falada no Brasil.


É comum o uso da:

"a) negação padrão pré-verbal – Não/ não vou.

b) negação pós-verbal – Vou não/ não.

c) dupla negação – não/ não vou não."

Como vimos, são previstos dois ou mais usos da negação na norma da


Língua Portuguesa falada no Brasil. Por fim discurso como um:

Acontecimento estrutural manifestado em comportamento linguístico e não


linguístico. Do ponto de vista da pragmática, discurso refere o modo como os
significados são atribuídos e trocados por interlocutores em contextos reais.
Num discurso particular, os enunciados são compreendidos por meio de
referência a um conjunto particular de ideias, valores ou convenções que
existem fora das palavras trocadas

(STUBBS 1983, apud AIT)

Veja que o entendimento de discurso engloba vários fatores:


manifestação real e social da língua, pressuposição de um sujeito (aquele que
além de 'falar', manifesta seu ponto de vista por meio das expressões
linguísticas); é um evento de comunicação no qual há uma sistematização de
ideias e valores.

Este evento comunicativo pode ser analisado a ponto de se descrever,


mapear a formação discursiva de quem fala – formação política, situação
histórica, posição social etc., tudo isso implica na forma como uma pessoa
organiza e produz linguisticamente.

8
CONTRIBUIÇÃO

REFLITA SOBRE OS CONCEITOS ESTUDADOS

Experimente construir falas para esta história em quadrinho abaixo.

Veja como sua visão, experiência e conhecimento de mundo, direcionam a


um tipo de discurso caracterizado por um léxico próprio, uma sintaxe que,
de algum modo, reflete seu modo de sistematizar o que você recebe de
informação nas diversas situações comunicativas... Com isso queremos
dizer que nada na língua ocorre por acaso, tudo que enunciamos tem um
motivo e pode ser descrito cientificamente na Linguística.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.jackbran.pro.br/linguistica/norma_coseriu.htm
2. http://www.adobe.com/go/getflashplayer

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

9
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 01: LINGUÍSTICA: A CIÊNCIA DA LINGUAGEM

TÓPICO 04: OS ESTUDOS DA LINGUAGEM: A ANTIGUIDADE CLÁSSICA

Dado o caráter introdutório e histórico da disciplina Introdução à


Linguística, centraremos nossa discussão na chamada Historiografia
Linguística (também denominada História das Ideias Linguísticas), ramo
da Ciência da Linguagem que busca delinear as bases teóricas do
desenvolver epistemológico da Linguística. É comum nesse percurso
dividir os estudos em antes e depois de Saussure, considerado pai da
Linguística Moderna.

Esse antes ou pré-saussureano, no ocidente, é dividido em estudos


linguísticos gregos, romanos, medievais, renascentistas/ “modernos” –
acompanha basicamente a divisão da história tradicional. E essa será a
orientação desta aula.

Outro ponto digno de se pôr em questão é: será que tudo iniciou na


Grécia? A resposta é sim, mas não porque eram os gregos altamente
inteligentes, ou porque seus filósofos eram grandiosos... Mas porque é de lá
que temos os primeiros registros mais formalizados sobre ciência. A Grécia é
considerada o berço da cultura ocidental, dessa forma, é válido revisitar o
que ali se discutia sobre a língua.

GRÉCIA
Nossa trajetória inicia com os filósofos gregos, pois todos eles
discutiram de alguma forma tópicos de língua, não propriamente a língua.
Assim podemos citar alguns nomes, como: Heráclito – afirmante de que a
palavra (logos) era a expressão do pensamento, Parmênides (e a Escola
Eleática), Demócrito, Epicuro etc. Porém os mais importantes são Platão
(429-347 A.C.) e Aristóteles (384-322 A.C.).

O primeiro, em seus Diálogos, registra uma possível discussão ocorrida


entre Crátilo, Hermógenes e Sócrates, os quais discutem sobre a
arbitrariedade da linguagem: seria a língua natural
(Crátilo analogia) ou convencional (Hermógenes anomalia).

Sócrates, ao final, considera que a língua em sua origem havia sido


análoga, isto é, refletia a realidade, foi motivada pelas coisas, mas com o
tempo, com o uso, passou a se convencionar os nomes no mundo (esboçam
um estudo especulativo de etimologia) – Sócrates compara a língua a uma
ferramenta: criada pelo homem a um fim específico, mas, dada seu grau de
utilidade, passou a outras funções.

EXEMPLO
Vejamos este exemplo da fala de Sócrates:

"Se o 'l', por exemplo, representa 'deslizar' ou" 'resvalar', podemos esperar
que as palavras que contêm este som tenham algum elemento de

10
'deslizamento' em seu significado, e este é o caso de liparón ('liso'), glyký
('doce'), glyskheron ('viscoso')". (WEEDWOOD, 2002, p. 26).

Aristóteles em, A Poética, quando trata da linguagem e das ideias, coloca


a primeira como meio de expressão da segunda e ainda propõe uma divisão
das partes do discurso: letra, sílaba, conectivo, articulação, nome, verbo,
flexão, frase. Observe que o autor parte da letra para a frase. Como partes do
discurso, o autor considera apenas nome e verbo, e o restante como
elementos linguísticos subordinados. Vejamos esta definição de Aristóteles:

VERSÃO TEXTUAL

Nome é um som composto significativo sem referência de tempo,


do qual nenhuma parte é de si significativa, pois nas composições de
dois elementos não os empregamos como tendo cada um seu sentido;
por exemplo, - doro, em Teodoro, nada significa. Verbo é um som
composto, com significado, com referência de tempo, do qual
nenhuma parte tem sentido próprio, como nos casos dos nomes; com
efeito, homem, ou branco, não dão ideia de quando, mas anda ou
andou, trazem de acréscimo, um a ideia do tempo presente, o outro, a
do passado.

A Poética, cap. XX

Embora haja quem não aceite a inclusão desses nomes no rol dos
estudos linguísticos, vemos que ambos tentaram adotar um critério científico
para suas análises. Veja que Aristóteles usa a noção de composição e
categorias de tempo e aspecto. Assim são considerados estudos para-
linguísticos.

Na Grécia antiga, falavam-se vários dialetos da língua grega, porém, por


questões históricas, sempre havia um predominante. Os principais foram os
dialetos jônicos (em que Homero escreveu Ilíada e Odisseia) e o ático, do
período clássico. Assim, dado que as futuras gerações não conseguiam ler as
obras escritas nessas línguas, pois já eram falares antigos, e a Grécia recebeu
muitos outros povos, com as invasões do macedônio Alexandre, surgiu à
chamada Filologia que tinha como objetivo: recuperar os textos clássicos de
nacionalidade grega purificá-los de qualquer impureza dos outros dialetos e
editá-los com notas, pontuação, acentuação, tudo isso para facilitar a leitura
e o acesso aos textos.

Principais filólogos: Aristófanes e Aristarco – editores dos textos


homéricos e criadores dos sinais de pontuação.

Surgem na Grécia três polos culturais: Antioquia, Pérgamo e Alexandria


– onde a Filologia ganhou seguidores que avançaram nos estudos dos textos
literários, que descreveriam a língua grega clássica com base nas categorias
aristotélicas e tendo como corpus os textos literários clássicos que eles
editavam. Este trabalho foi chamado de téchne grammatiké (técnica da
gramática), traduzido entre os latinos de Ars grammatica – melhor dizendo:
Arte da gramática

11
(ars – técnica; grammata – letra "técnica da letra, da escrita"). Em suma:
surge a GRAMÁTICA, com o objetivo de descrever a língua literária, tida
como modelo linguístico correto.

Principais Gramáticos:

Dionísio, o trácio, (170 – 90 a.C.): autor de da Téchne grammatiké,


primeira gramática ocidental. Eis a divisão de sua obra.

EIS A DIVISÃO DE SUA OBRA

-leitura praticada segundo as regras da prosódia;


-explicação dos poetas segundo os tropos que neles aparecem;
- explicação natural dos fatos linguísticos e históricos;
- investigação etimológica;
- exposição analógica
- julgamento das obras. (NEVES, 2005, p. 116).

Apolônio Díscolo (II a.C.) – segundo gramatico, defende a ideia de não


haver sinonímia perfeita, enfatiza aspectos sintáticos, apresentando o
conceito de diátese (disposição dos corpos em relação à ação).

ROMA

"Græcia capta ferum uictorem cepit et artes intulit agresti Latio"

(Horácio, Epístolas, II, 1,156)

Tradução (A Grécia, cativa, cativou o feroz vencedor e introduziu as


artes no Agreste Lácio.)

É com esta citação de Horácio que iniciamos nosso tópico sobre os


estudos linguísticos em Roma, pois ali encontramos uma cópia do que se
fazia culturalmente na Grécia, porém uma cópia caracterizada pelo espírito
romano: tendência ao prático.

Se a descrição Linguística efetuada na Grécia foi guiada pela Filosofia,


Lógica. Em Roma foi distinto, teve como principal característica o estudo
normativo da língua latina, dado que se deu no surgimento de uma sociedade
urbana frente a uma rural. Logo foi a língua urbana a que foi descrita nas
gramáticas latinas – obra de grande valor nessa sociedade e matriz de
descrição Linguística perpetuada até nossos dias.

Vejamos esta citação de Mounin quando trata dessa transmissão


cultural entre Grécia e Roma:

Consiste na vontade de submeter os fatos latinos às regras linguísticas


gregas [...] Quintiliano trata de buscar, e acaba por encontrar, o dual em
latim, o mesmo que em grego; os gramáticos de Roma encontram um
optativo em latim por o haver em grego. Como o latim não tem artigo, só
havia 7 partes da oração, no entanto o grego tinha 8; contudo a interjeição
passará a ser em latim uma parte da oração, estabelecendo o equilíbrio.

(MOUNIN, 1968, p. 101)

12
Ou seja, o desejo latino era fazer uma mesma descrição de sua língua,
assim como a que foi feita na língua grega, que incluíram mais uma classe
gramatical, a interjeição, para manter o mesmo padrão grego. Daí que,
diferentemente das outras classes gramaticais, é a interjeição a única classe
de palavra que não pode ser descrita pelos critérios: morfológico, sintático e
semântico.

PRINCIPAIS GRAMÁTICOS LATINOS


VARRÃO DE REATE (116-27 A. C.)
QUINTILIANO (30-96 D.C.)
ÉLIO DONATO (IV D.C.)
PRISCIANO (V-VI D.C)
SANTO ISIDORO DE SEVILHA (556-636)

VARRÃO DE REATE (116-27 A. C.)

autor de De lingua latina, obra em 25 tomos, mas que apenas os tomos 5


a 10 chegaram-nos; sua obra se divide em etimologia, morfologia e sintaxe;
trata da "aspectividade verbal" (perfectum e infectum): "A analogia, diz-se,
não se observa nos tempos de algum verbo, como legi (li), lego (leio) e legam
(lerei); o primeiro dos quais pertence ao perfeito (perfectum) e os outros dois
ao imperfeito (inchoatum) (incoativo, grifo nosso) (IX, §§96)". (MOUNIN,
1968: 102-103).

2. QUINTILIANO (30-96 D.C.)

autor de Institutio oratoria, obra que trata de Retórica, mas na qual ele
discorre sobre fonologia e morfologia; e define gramática com base em
Varrão: "recte loquendi scientiam et poetarum enarrationem" (I, IV, 1, apud
idem).[tradução: Arte de falar corretamente e de narrar os poetas.]. O
destaque merece Quintiliano, pois não apenas se preocupou em descrever a
língua latina, com vistas ao ensino, mas também aponta que o uso gramatical
deve ter uma funcionalidade, principalmente na constituição de um discurso.
Observe trechos de sua obra.

OBSERVE TRECHOS DE SUA OBRA.

Mas não basta ler os poetas: todo tipo de escritores deve ser
estudado, não apenas pelo conteúdo de suas obras como pelas suas
palavras, que amiúde recebem o aval dos que as empregam. Além disso,
a Gramática não se pode considerar perfeita prescindindo da Música,
pois o gramático deve trazer de metros e ritmos, e, se ignorar a
Astronomia, não compreenderá os poetas, os quais – deixando de lado
outras coisas – servem-se tantas vezes do nascimento e do ocaso dos
astros para veicular a ideia de tempo. Não pode a Gramática,
igualmente, ignorar a Filosofia, tendo em vista que numerosas
passagens de muitos poemas se baseiam na mais profunda sutileza da
Filosofia Natural. De mais, entre os gregos temos, por exemplo,
Empédocles, e entre os latinos Varrão e Lucrécio, que transmitiram
preceitos filosóficos em versos (idem)

Não basta ser um pouco eloquente para, de cada uma das coisas
que expusemos, falar de modo apropriado e abundante. Por isso, são
menos toleráveis os que zombam da Gramática, considerando-a árida e

13
de pouca importância: se ela não estabelecer alicerces seguros para o
futuro orador, tudo o que se tiver edificado irá por terra, necessária
como é aos pequenos, agradável aos velhos, doce companheira dos
retiros; a única talvez que, dentre todos os tipos de estudos, prima pelo
trabalho mais que pela aparência (ibidem). (QUINTILIANUS apud
PEREIRA, 2002, p. 62).

3. ÉLIO DONATO (IV D.C.)

autor de Arte Menor (gramática latina) que serviu de modelo por toda a
Idade Média.

4. PRISCIANO (V-VI D.C)


5. SANTO ISIDORO DE SEVILHA (556-636)

autor de Etimologias, no qual trata de gramática, retórica, dialética e


da origem das palavras; uma espécie de enciclopédia Linguística.

OLHANDO DE PERTO
Consulte o texto original, disponível no site da Biblioteca da
Universidade de Técnica de Darmstadt, na Alemanhahttp://tudigit.ulb.tu-
darmstadt.de/show/inc-v-1 [2]

Ou sua edição bilíngue em espanhol e latim:


http://pt.scribd.com/doc/23858438/Isidoro-de-Sevilla-Etimologias [3]

Os Estudos da Linguagem 2: Idade Média e Idade Moderna

IDADE MÉDIA
Neste período há uma manutenção cultural dos valores romanos. O que
se fazia de estudo linguístico era basicamente o ensino de gramática latina.
Exemplo maior é a gramática de Alexandre de Villedieu (1175-1240), escrita
toda já nos fins do medievo, ressurge a preocupação de explicar a gramática
latina não apenas descritiva, mas filosoficamente. Com uma abordagem
universal a partir de estruturas canônicas do latim, apareceram as
gramáticas especulativas – Gramática Especulativa, de Tomás de Erfurt.

RESNACIMENTO/PERÍODO MODERNO
Duas características marcaram este período. O estudo de línguas até
Fonte [4] então "desconhecidas" (etíope, sírio, árabe, basco, ameríndias etc.) e estudo
das línguas nacionais. As longas datas de estudo do latim, fizeram com que
surgissem nos teóricos da época um interesse por algo novo, que foi
preenchido pelo conhecimento das línguas dadas ao esquecimento. Como
uma das consequências, houve um empenho de descrever as línguas
nacionais com o intuito de lhes dar status tal qual tinham o latim, o grego e o
hebraico (as três línguas sagradas dignas de serem inscritas na cruz de Cristo
– INRI).

14
A primeira gramática de uma língua "vulgar" é de Ælfric de Eynsham,
que traduziu uma gramática latina para o inglês antigo.

No tocante às línguas latinas, temos a primeira gramática de língua


latina que coube ao francês, datada de 1409, de Barton. Em língua
portuguesa, a primeira se chama Grammatica da Lingoagem
Portuguesa, de iFernão de Oliveira (http://purl.pt/369/1/ficha-obra-
gramatica.html ) , de 1536.

Com esses novos rumos dados aos estudos de língua, viram que muitas
línguas compartilhavam traços estruturais, constituindo verdadeiras famílias
Linguísticas, surgindo o que chamamos de Linguística comparativa, Método
Fonte [5] comparativo, Linguística histórica, que se preocupava mais em encontrar
traços de semelhanças formais entre as diversas línguas, fossem elas latinas,
germânicas etc. A culminância foi com as leis de Grimm e o modelo arbóreo
da genealogia das línguas, numa tentativa de encontrar uma possível língua-
mãe para as línguas indo-europeias.

Observe as ilustrações:

Tabela das oclusivas labiais e dentais nas línguas indo-europeias

Fonte: WEEDWOOD, 2002, p 116.

Exemplificação da tabela acima:

Fonte: WEEDWOOD, 2002, p 116.

PORTFÓLIO
Questão 01 - Pesquise o conceito de três tipos de gramática. Faça uma
vasta pesquisa, mas sua conceituação não deve ultrapassar o máximo de
três linhas para cada conceito.

Questão 02 – Procure informações sobre a língua sânscrita e dê o


porquê de sua importância para os estudos linguísticos.

FÓRUM

15
Com base no artigo Por que (não) estudar latim hoje no
link [6]da revista Língua Portuguesa/UOL, discuta a seguinte questão: é
o latim uma língua morta? Não se esqueça de utilizar exemplos para
ilustrar seu comentário.

CONTRIBUIÇÃO
Contribuição do Método Comparativo para a Determinação da
Existência do Indo-Europeu: [7]

Da Filologia, da Gramática Comparada, da Neogramática à


Historiografia Linguística [8] (Visite a aula online para realizar download
deste arquivo.)

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://tudigit.ulb.tu-darmstadt.de/show/inc-v-1
3. http://pt.scribd.com/doc/23858438/Isidoro-de-Sevilla-Etimologias
4. http://text.habsburger.net/stories/2192-spectacle-muessen-sein-2192-
wolfgang-amadeus-mozart-und-der-wiener-kaiserhof-2192-alla-
turca/leitbild/image_htmlmedium
5. http://www.billpetro.com/wp-content/uploads/INRI-781834.jpg
6. http://linguaportuguesa.uol.com.br/linguaportuguesa/gramatica-
ortografia/18/artigo143917-1.asp
7. http://www.filologia.org.br/revista/artigo/3(9)41-52.html
8. http://www.fflch.usp.br/dlcv/lport/pdf/slp23/07.pdf

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

16
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 01: LINGUÍSTICA: A CIÊNCIA DA LINGUAGEM

TÓPICO 05: A LINGUÍSTICA PRÉ-SAUSSUREANA: O SÉCULO XIX

Os estudos linguísticos do século XIX influenciaram o pensamento


saussureano. Esses estudos contribuíram para um estudo científico da
linguagem, cujo foco não se restringe ao conhecimento universal da
linguagem, bem como aos estudos eminentemente históricos.

Foram fundamentais para essa ciência, as seguintes premissas:

• As línguas humanas são totalidades organizadas (2004: 28). (A língua é


formada por partes que compõem um conjunto. Cada uma dessas partes
está interligada entre si. )

• A ideia da língua como instituição social. (A língua é parte de uma


comunidade de falantes.)

• A língua como sistema autônomo. (A língua funciona independente de


influências externas)

• A língua como um sistema de signos independente. (Os elementos que


compõem a língua (os signos) se relacionam entre si na mente dos
falantes. )

• A língua muda com o tempo. (As línguas não são estáticas. As mudanças
ocorrem ao longo do tempo.)

• A língua pode ser estudada em si e por si mesma. (os fatos linguísticos


são descritos e analisados apenas por dados linguísticos da própria
língua.)

A partir dessas ideias, que nortearão grande parte da Linguística


praticada no século seguinte, destacam-se, ainda no século XIX, as
mudanças ocorridas na língua ao longo do tempo. A busca de explicações
para entender tais mudanças marca os estudos histórico-comparativos, em
que se destacam os nomes de Humboldt e de Franz Bopp. O primeiro autor
foi responsável pela criação do Método Comparativo¸ ao estudar
semelhanças e diferenças em várias línguas, a fim de tentar encontrar
parentescos entre elas. Já Bopp, com a aplicação desse método, percebeu
semelhanças entre o sânscrito, o latim e o grego e a partir dessas observações
desenvolveu sua Gramática comparada.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para saber sobre os estudos da Linguística do século XIX, leia mais no
seguinte link:http://pt.wikipedia.org/wiki/Lingu%C3%
ADstica_comparativa [1]

Ainda nos estudos histórico-comparativos, surge a obra do linguista A.


Schleicher (1821- 1867) de orientação naturalista. Para ele, a língua poderia
ser considerada comoorganismo vivo (com existência própria independente
de seus falantes, sendo sua história vista como ) A partir dessa concepção,

17
Schleicher propõe uma tipologia das línguas e uma "árvore genealógica" das
línguas indo-europeias.

Fonte [2]

OS NEOGRAMÁTICOS
O movimento dos neogramáticos surge em oposição à concepção
naturalista da língua. Os autores que se destacam nesse movimento são
Hemann Osthof (1847-1909) e Karl Bromam (1849 – 1919). Para eles, o
objetivo principal do pesquisador não era a busca da língua original indo-
europeia. Essa seria uma hipótese muito geral sobre as línguas, devendo-se,
portanto, estudar as línguas vivas atuais e apreender a natureza da mudança
linguística.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para aprofundamento sobre os neogramáticos, indicamos a leitura
deste texto sobre August Schleicher:
http://pt.scribd.com/doc/41890797/August-Schleicher [3], um dos
principais pensadores na área dos estudos linguísticos do século XIX.

REFERÊNCIAS

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica.


Tradução de Jaime Bruna. 7 ed. São Paulo: Cultrix, 1997.

ASSOCIAÇÃO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA (AIT) /


PORTUGAL. Dicionário de Termos Linguísticos.
http://www.ait.pt/recursos/dic_term_ling/index2.htm [4]

AUROUX, Sylvain; NIEDEREHE, Hans-Josef; VERSTEEGH, Kees;


KOERNER, Konrad. (Eds.). History of Linguistics and
Communication Science / Händbücher zur Sprach- und
Kommunikationswissenschaft. Berlim: Walter de Gruyter,
2006. 3 volumes.

BÍBLIA, Português. A Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamento.


Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição rev. e atualizada no
Brasil. Brasília: Sociedade Bíblia do Brasil, 1969.
http://www.bibliaonline.com.br/ [5]

18
CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História da Linguística.
Tradução de Maria do Amparo Barbosa de Azevedo. 6. ed.
Petrópolis: Vozes, 2006.

COSERIU, Eugenio. Teoria da Linguagem e Linguística Geral.


Rio de Janeiro/ São Paulo, Presença/ EDUSP, 1979.

DUBOIS, Jean (et al.). Dicionário de Linguística. Tradução do


francés por Frederico Pessoa de Barros (et al.). 9.ed.São Paulo:
Cultrix, 2004. http://books.google.com/books?
id=ivoQ6Q2xu0oC&printsec=frontcover&hl=pt-
BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false [6]

DUCROT, Oswald; TODOROV, Tzvetan. Diccionario


enciclopédico de las ciencias del lenguaje. Ciudad de Mexico
D.F.: Siglo Veintiuno, 1978.
http://books.google.com/books?
id=7EDaWAJCIkIC&printsec=frontcover&dq=Diccionario+enciclop%
C3%A9dico+de+las+ciencias+del+lenguaje.&hl=pt-
BR&ei=2tXBTuKdAqrv0gGw6YW_BA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&
[7]

FARACO, Carlos Alberto. Estudos Pré-saussurianos. In: BENTES,


Anna Christina; MUSSALIM, Fernanda. Introdução à
Linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez:
2004. vol.2.

KEMPSON, Ruth. Architecture of Grammar. In: BROWN, Keith


(Coord.; et al.) Concise Encyclopedia of Philosophy of
Language and Linguistics. Oxford: Elsevier, 2010.
http://www.4shared.com/document/XWVKqs3D/CONCISE_ENCYCLOPEDIA_OF_P
[8]

KRISTEVA, Julia. História da linguagem. Tradução de Maria


Margarida Barahona. Lisboa: Edições 70, 1969.

MOUNIN, Georges. Historia de la Lingüística (desde los


origines al siglo XX). Madrid: Gredos, 1968.

NEVES, Maria Helena de Moura. A vertente grega da


gramática tradicional: uma visão do pensamento grego sobre a
linguagem. 2. ed. ver. São Paulo: UNESP, 2005.

PETTER, Margarida. Linguagem, língua, Linguística. In: FIORIN,


José Luiz (Org.). Introdução à Linguística. São Paulo: Contexto,
2002. 11-24 p.

SAUSSURE, Ferdinando. CURSO DE LINGUÍSTICA GERAL. São


Paulo: Cultrix, 1969.

ROBINS, Robert Henri. Pequena História da Linguística.


Tradução de Luiz Martins Monteiro de Barros. Rio de Janeiro: Ao
livro técnico, 1983.

19
WEEDWOOD, Barbara. Historia Concisa da Linguística.
Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Lingu%C3%ADstica_comparativa
2. http://3.bp.blogspot.com/-q9sBRKnkWo0/T7EAqAmtjRI/AAAAAAAA
AZM/JnGJCAmXXFw/s640/fa.jpg
3. http://pt.scribd.com/doc/41890797/August-Schleicher
4. http://www.ait.pt/recursos/dic_term_ling/index2.htm
5. http://www.bibliaonline.com.br/
6. http://books.google.com/books?
id=ivoQ6Q2xu0oC&printsec=frontcover&hl=pt-
BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false
7. http://books.google.com/books?
id=7EDaWAJCIkIC&printsec=frontcover&dq=Diccionario+enciclop%C3%
A9dico+de+las+ciencias+del+lenguaje.&hl=pt-
BR&ei=2tXBTuKdAqrv0gGw6YW_BA&sa=X&oi=book_result&ct=result&re
snum=1&ved=0CDEQ6AEwAA#v=onepage&q&f=false
8. http://www.4shared.com/document/XWVKqs3D/CONCISE_ENCYCL
OPEDIA_OF_PHILOS.htm

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

20
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 02: O FORMALISMO

TÓPICO 01: O ESTRUTURALISMO

CONSIDERAÇÕES INICIAIS- A LINGUÍSTICA FORMAL

VERSÃO TEXTUAL

Como vimos na aula anterior, a Linguística como conhecemos


hoje, ganhou status cientifico com a publicação póstuma do Curso de
Linguística Geral de Ferdinand Saussure em 1916. Nesta aula, veremos
as ideias que fundamentam a Linguística formal em seus dois eixos
teóricos: o Estruturalismo e o Gerativismo.

A palavra FORMALISMO parte da concepção de língua como FORMA e


não como substância. Para exemplificar essa conceituação, Saussure faz
analogia a um jogo de xadrez. As peças do jogo são definidas por suas
funções dentro das regras do jogo e não por suas propriedades físicas –
tamanho da torre ou do cavalo, cores das peças, material de que as peças são
feitas – uma vez que essas características são acidentais, podendo sofrer
variações. Se uma peça for perdida, ela pode ser substituída por um objeto
qualquer, basta que os jogadores convencionem a esse objeto a mesma
função e a mesma identidade da peça perdida.

Trazendo esse exemplo para o campo linguístico, um fonema, por


exemplo, deve ser definido, a partir de suas relações com outros elementos
do mesmo sistema e por suas funções – essa pode ser considera como uma
noção básica de forma – e nunca por suas propriedades físicas, como o modo
de formação, a estrutura acústica etc. – essas noções podem ser consideradas
como uma noção básica de substância. (LOPES, 1976, p. 79).

O Estruturalismo e o Gerativismo são teorias linguísticas de base


formalista, conforme veremos, ao longo desta aula.

O ESTRUTURALISMO
O ESTRUTURALISMO compreende um campo de estudos que abrange a
Antropologia, a Sociologia, a Psicologia, a Literatura, entre outras áreas das
Ciências Humanas, inclusive a Linguística, esse campo de estudos reflete o
pensamento que permeou o século XX. No que se refere especificamente à
linguística, as escolas consideradas como estruturalistas apresentam em
comum concepções e métodos que implicam o reconhecimento de que a
língua é uma ESTRUTURA ou SISTEMA e que é tarefa do linguista descrever e
analisar a organização e o funcionamento de seus elementos constituintes.O
termo estrutura compreende as relações entre os elementos linguísticos
ocorridas no interior da língua ( a língua é entendida como sistema de signos
convencionados em uma comunidade linguística) Dessa forma, conforme
nos explica Hjelmslev (1971 apud LOPES, 1976, p. 39):

é cientificamente legítimo descrever a linguagem como sendo


essencialmente uma entidade autônoma de dependências internas (...) A

21
análise dessa entidade permite constantemente isolar partes que se
condicionam reciprocamente, cada uma delas dependendo de algumas
outras, sendo inconcebível e indefinível sem essas outras partes.

Tomemos como exemplo a palavra bad. Essa palavra significa mau em


inglês e em persa. No entanto, não podemos dizer que é a mesma palavra,
comum aos dois sistemas linguísticos: bad do inglês é diferente do bad do
persa, pois essas palavras, em cada uma dessas línguas, ocorrem num
contexto específico, formando série com outras classes de palavras,
ocupando um lugar preciso em campos semânticos idiomáticos. Dizendo de
outra forma, embora a palavra bad seja igual nas duas línguas, elas terão
diferenças gramaticais e lexicais impostas por cada uma das línguas. Assim,
as unidades linguísticas se definem pela rede de relações que se constitui
dentro do sistema total que é a língua.

Essas ideias receberam destaque na Linguística estrutural na Europa e


nos Estados Unidos, dando início às correntes estruturalistas europeias e
norte - americana, respectivamente. A seguir, destacaremos o nome de
alguns autores/escolas representativos dessas correntes. Clique sobre os
botões:

1. LINGUÍSTICA ESTRUTURAL NA EUROPA

a. Círculo de Genebra

i. Ferdinand Saussure, Ch. Bally e A. Sechehaye.

b. Círculo de Praga

i. Nikolai Sergeievitch Trubetzkoy e Roman Jakobson.

c. Círculo de Copenhague (ou Glossemática)

i. Louis Hjelmslev

2. LINGUÍSTICA ESTRUTURAL NOS ESTADOS UNIDOS

i. Franz Boas

ii. Edward Sapir

iii. Leonard Bloomfield

DICA
Para saber mais sobre a repercussão da corrente estruturalista nas
Ciências Humanas, acesse o link:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Estruturalismo [2] .

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://pt.wikipedia.org/wiki/Estruturalismo

Responsável: Profª Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

22
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 02: O FORMALISMO

TÓPICO 02: A CONTRIBUIÇÃO DE FERDINAND DE SAUSSURE

Ferdinand de Saussure (1857 – 1913), linguista suíço, é considerado pai


da Linguística Moderna, a partir das ideias centrais do Curso de Linguística
Geral (CLG), obra póstuma publicada em 1916 por dois de seus alunos:
Charles Bally e Albert Sechehaye. O livro Curso de Linguística Geral (CLG) é
um resultado das anotações de aulas dos discípulos.

Na obra de Saussure, podemos citar seu trabalho sobre as vogais do


indo-europeu e o estudo de anagramas para a compreensão da versificação
indo-europeia arcaica. Contudo, sua imagem ficará marcada, como afirma
Lopes (1976), pelas ideias que fundamentaram a Linguística estrutural
europeia. Como teses centrais do CLG podemos citar:
Fonte [1]

• Suas ideias sobre o valor relacional dos elementos linguísticos.

• A autonomia do sistema linguístico.

• A distinção entre langue/ parole.

• A natureza psíquica do signo.

• A necessidade de dissociação de uma linguística de estados (sincrônica)


de uma linguística evolutiva (diacrônica).

Essas ideias serão aqui abordadas através do estudo de quatro


dicotomias presentes na obra do linguista suíço.

DICOTOMIAS
2.1 Langue (língua) x Parole (fala)

Para Saussure (2006, p. 27), o estudo da linguagem apresenta duas


partes: uma tem como objeto a LÍNGUA que, em sua essência é social,
independente do indivíduo, e seu estudo é unicamente psíquico; a outra tem
por objeto a FALA, parte individual da linguagem, de caráter psicofísico.

Língua e fala são dois objetos diretamente ligados “a língua é necessária


para que a fala seja inteligível e produza todos os seus efeitos; mas esta é
necessária para que a língua se estabeleça” (SAUSSURE, 2006, p. 27).
Todavia, podemos observar as seguintes diferenças entre langue e parole:

Langue (língua) Parole (fala)

Social Individual

Abstrata Concreta

Homogênea Heterogênea

Sistemática Assistemática

23
Por SOCIAL, Saussure concebe que a língua existe na coletividade, isto é,
ela preexiste e subsiste a cada um de seus falantes. Assim sendo, cada falante
já encontra, ao nascer, a língua, que irá falar, em pleno funcionamento.

No que diz respeito à questão ABSTRATA x CONCRETA, a língua é um


fato social, geral, ou seja, um sistema abstrato. Já a fala é a realização
concreta da língua, assim sendo, a parole é circunstancial e variável.

Enquanto a fala é HETEROGÊNEA, a língua é HOMOGÊNEA, pois é


constituída de um sistema de signos, em que só existe a união entre sentido e
imagem acústica.

Para esse autor, o fato de a fala depender do indivíduo, a torna não


passível de SISTEMATIZAÇÃO, devendo, portanto, ser excluída do campo de
estudo da Linguística.

Língua, portanto, é considerada um sistema de signos convencionado,


em outras palavras, para que a língua cumpra sua função social de
comunicar, é necessário que entre os falantes de uma determinada
comunidade de fala haja um acordo, uma convenção social.

2.2 Signo Linguístico: Significado + Significante

Saussure entende o signo linguístico como resultante da associação de


um conceito e uma imagem acústica, ambos de natureza psíquica, e não,
a união entre uma coisa e uma palavra, ambas de natureza material.

Fonte [2]
Desse modo, a imagem acústica não é o som material, mas a impressão
psíquica desse som, aquilo que nos evoca um conceito (LOPES, 1976, p. 82).

REFLEXÃO
Para entendermos o caráter psíquico do signo, vamos fazer um
pequeno teste. Pense na sua música preferida ou em um poema que você
saiba decorado. Você é capaz de cantar ou recitar silenciosamente, não é?
Isso se deve ao fato de não precisarmos materializar os signos linguísticos
através da fala, pois tanto conceito, quanto imagem acústica estão
presentes em nosso cérebro.

Sempre que nos referirmos ao conjunto conceito + imagem acústica, em


sua totalidade, utilizaremos o termo SIGNO; quando quisermos isolar um dos
aspectos do signo, chamaremos conceito de SIGNIFICADO e imagem acústica
de SIGNIFICANTE.

24
O signo linguístico, segundo Saussure, apresenta duas características
principais: a arbitrariedade e a linearidade. Esses conceitos serão
apresentados a seguir.

PRIMEIRO PRINCÍPIO: A ARBITRARIEDADE DO SIGNO

O laço que une significado ao significante é arbitrário” (SAUSSURE, 2006, p.


81).

Por ARBITRÁRIO, deve-se entender duas noções distintas:

a) Não há nenhuma relação intrínseca ou de causalidade necessária


entre significado e significante;

b) A palavra arbitrário quer dizer que o significante independe da livre


escolha do falante, pois nenhum indivíduo pode alterar o sistema linguístico.

Desse modo, a palavra arbitrário pode ser interpretada como


IMOTIVADO, Isto é, não há nenhuma motivação extralinguística que una o
significante ao significado. Para melhor entendermos, observemos o exemplo
dado por Lopes (1976, p. 83).

SIGNIFICADO SIGNIFICANTES

Port. /boj/ “boi”

Esp. /bwej/ buey


“boi”
Fr. /bœf/ boeuf

Ing. /oks/ ox

DICA
E as onomatopeias? Elas ferem o princípio da arbitrariedade?

Saussure (1975) nos responde que nem mesmo as onomatopeias


fogem desse princípio, uma vez que sua escolha já é, de uma certa forma,
arbitrária, pois "... não passam de imitação aproximativa". Comparemos as
diferentes vozes dos animais:

Voz do cuco: port. Cuco; fr. Coucou; lat. Cuculus; ing. Cuckoo; al.
Kuckuck.

Voz do cão: port. Au au; esp. Guau guau; fr. Ouaoua; al. Wauwau
(LOPES, 1976, p. 84).

25
SEGUNDO PRINCÍPIO: A LINEARIDADE DO SIGNIFICANTE
O significante, sendo de natureza auditiva, desenvolve-se no tempo,
unicamente, e tem características que toma do tempo:

a) Representa uma extensão e


b) Essa extensão é mensurável numa só dimensão: é uma linha (SAUSSURE,
1975, p. 84).

Por esse princípio, evidencia-se a propriedade de os elementos dos


significantes apresentarem-se um após o outro, formando uma cadeia.

Signos, símbolos e ícones

Depois de estudados a natureza do signo e seus princípios, cabe fazer a


diferenciação entre os conceitos de signo linguístico, símbolo e ícone,
conforme o esquema:

• Arbitrário
• Signos verbais só
Signo linguístico
traduzíveis por outros signos
verbais.

• Signos não-linguísticos
• Representam as noções
Símbolo abstratas
• Convencionados e
parcialmente motivados

• Sinais não-sígnicos
• Motivado
Ícone
• São, pura e simplesmente,
imagens

Assim, ao vermos um tecido preto representando o luto ou uma cruz


para representar o Cristianismo, temos exemplos de símbolos.

Fonte [3] Fonte [4]


Entretanto, quando observamos uma fotografia ou um mapa de nossa
cidade, temos ícones.

DESAFIO
A Linguística estuda os signos verbais. Pesquise se há outra(s) ciência
(s) que tenha(m) como objeto de estudo símbolos e/ou ícones.

26
RELAÇÕES SINTAGMÁTICAS X RELAÇÕES ASSOCIATIVAS
Antes de apresentarmos a dicotomia sintagma x paradigma,
precisamos compreender a noção de VALOR LINGUÍSTICO. Para Saussure, a
língua é um sistema de valores, no qual cada elemento se define em relação a
outros elementos.

O autor diz, ainda, que na língua só existem diferenças (1975, p. 139).


Nesse sistema de forma e valores, um signo é tudo que os demais não são.
Para exemplificarmos, tomemos os seguintes signos:

MeninO x MeninA
MestrE x MestrA
Guri x GuriA

Nos pares de palavras acima, observa-se uma oposição de significados


referentes aos gêneros MASCULINO, representado pelas desinências –O, -E e
zero (no caso de guri), e FEMININO, representado pela desinência –A.
Sabendo disso, o feminino, em língua portuguesa, é marcado, pois assume
valor linguístico em oposição às desinências de masculino, -O, -E e zero, não
têm valores diferentes na língua, pois não existe oposição de significados
entre eles: todos representam o masculino, sendo apenas formas variantes de
um mesmo morfema.

Compreendida a noção de valor, as relações que os signos mantêm entre


si são de dois tipos: relações sintagmáticas e relações associativas.

SINTAGMA
Ao definir a linearidade como característica essencial do signo, Saussure
observa que esses signos ocorrem formando uma cadeia de elementos,
através de combinações que se apoiam na extensão, podendo ser chamados
de SINTAGMAS.

Observe os exemplos de sintagma presentes na frase

O menino ganhou uma bola

O sintagma “dispõe-se sobre um eixo cujo suporte segmental é a


extensão linear dos significantes e tendo como propriedade a combinação
em contraste num mesmo nível da língua (LOPES, 1976, p. 89). Assim, a
partir dos exemplos, observamos o contraste entre vogais e consoantes no
nível fonológico; entre morfemas no nível morfológico; entre um sintagma

27
nominal – sujeito – e um sintagma verbal – predicado – no nível sintático.
Desse modo, dizemos que as relações sintagmáticas ocorrem in praesentia
(em presença), isto é, segundo Saussure (1975, p. 143), ";repousa em dois ou
mais termos igualmente presente numa série efetiva".

PARADIGMA

As relações associativas da língua não têm por base a extensão, mas são
formadas por associações mentais. Tendo isso em vista, pode-se falar em
CORRELAÇÕES PARADIGMÁTICAS para explicar esse conceito. Correlação é
a função existente entre os termos de um paradigma, esse, por sua vez, pode
ser definido como uma classe de elementos que podem ser colocados no
mesmo ponto de uma cadeia.

Lembremo-nos quando estávamos aprendendo a conjugar verbos. Ao


aprendermos o paradigma do modo indicativo da primeira conjugação de um
verbo regular, tínhamos, por exemplo:

PRETÉRITO PRETÉRITO
PRESENTE
PERFEITO IMPERFEITO

Eu amei Eu amei Eu amava


Tu amas Tu amaste Tu amavas
Ele ama Ele amou Ele amava
Nós amamos Nós amamos Nós amávamos
Vós amais Vós amastes Vós amáveis
Eles amam Eles amaram Eles amavam

PRETÉRITO MAIS FUTURO DO FUTURO DO


QUE PERFEITO PRESENTE PRETÉRITO

Eu amara Eu amarei Eu amaria


Tu amaras Tu amarás Tu amarias
Ele amara Ele amará Ele amaria
Nós amáramos Nós amaremos Nós amaríamos
Vós amáreis Vós amareis Vós amaríeis
Eles amaram Eles amarão Eles amariam

Devido ao caráter linear da fala, escolhemos apenas um elemento


linguístico do paradigma. Ao selecionarmos esse elemento,
automaticamente, excluímos todos os demais membros do mesmo
paradigma. Assim, no ato da enunciação, ao realizarmos no eixo
sintagmático a forma verbal AMÁ+VA+MOS (primeira pessoa do plural do
verbo amar no pretérito imperfeito do indicativo), excluímos as demais
possibilidades do sistema linguístico.

28
SINCRONIA X DIACRONIA
Uma das dicotomias propostas por Saussure é a que envolve as noções
de Linguística estática e Linguística evolutiva, também denominada de
Linguística sincrônica e Linguística diacrônica, respectivamente.

Nos estudos sincrônicos, a linguística interessar-se-ia pelos fatos


coexistentes no sistema num dado momento, fazendo abstração de qualquer
noção de tempo. Já, nos estudos diacrônicos, o objeto de estudo seria as
relações dos fatos linguísticos ao longo do tempo. Nesse caso, seriam levados
em consideração fenômenos que precedem esse fato linguístico ou os que o
seguem na linha da continuidade histórica.

Ao fazer essa separação, Saussure distingue os FATORES INTERNOSde


um sistema, de um ponto de vista sincrônico, dos FATORES EXTERNOS,
histórico-culturais, de um ponto de vista diacrônico. Após feita essa
diferenciação, Saussure assume um posicionamento a favor dos estudos
sincrônicos da língua e afirmando que não podemos descrevê-la (a língua)
nem fixar normas para o seu uso sem nos colocarmos num estado
determinado.

PARADA OBRIGATÓRIA
Para explorar melhor os conhecimentos dessa aula, consulte o Curso
de linguística geral disponível em:http://books.google.com.br/books?
hl=pt-BR&lr=&id=Nsd0kiUfrlgC&oi=fnd&pg=PR11&dq=a+import%
E2ncia+de+saussure&ots=lYptEeY-
wf&sig=_hv6NtiN5r7mDPzie28Cy0UHhUM#v=onepage&q=a%
20import%C3%A2ncia%20de%20saussure&f=false [5]

FÓRUM
Leia o artigo da Revista da Língua Portuguesa (Visite a aula online
para realizar download deste arquivo.), sobre críticas e polêmicas que
giram em torno de Ferdinand de Saussure. Em seguida, discuta com seus
colegas os pontos que você julga merecer destaque no texto.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://linguisticalizando.blogspot.com/2010/08/as-escolas.html

29
2. http://www.unescnet.br/NIP/Edicao_Anterior/Revista_Eletronica2/A
RTIGOS/TEXTOS.asp
3. http://vidaamoresonhos-krika.blogspot.com/
4. http://salcedoadvocacia.blogspot.com/2011/01/sobre-data-venia-e-
datissima-venia.html
5. http://books.google.com.br/books?hl=pt-
BR&lr=&id=Nsd0kiUfrlgC&oi=fnd&pg=PR11&dq=a+import%
E2ncia+de+saussure&ots=lYptEeY-
wf&sig=_hv6NtiN5r7mDPzie28Cy0UHhUM#v=onepage&q=a%20import%
C3%A2ncia%20de%20saussure&f=false

Responsável: Profª Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

30
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 02: O FORMALISMO

TÓPICO 03: ESTRUTURALISMO EUROPEU E NORTE AMERICANO

A Linguística moderna conhece duas importantes vertentes sob o


rótulo de Estruturalismo: a européia e a norte-americana.

Convém, neste tópico, traçar uma distinção entre


O ESTRUTURALISMO EUROPEU e O ESTRUTURALISMO AMERICANO,
através de linguistas que se destacaram nessa linha de pensamento.

O estruturalismo europeu está representado, principalmente, pela


linguística funcional desenvolvida pelo Círculo Linguístico de Praga ou
Escola de Praga e muito deve à produção desse círculo. As questões
relacionadas a essa vertente serão tratadas na Aula 3, Tópico 2.

A LINGUÍSTICA ESTRUTURAL NA EUROPA


ROMAN JAKOBSON

Segundo Weedwood (2002), o estruturalismo no sentido europeu


caracteriza-se pela visão da existência de uma estrutura abstrata que é
subjacente e distinta dos enunciados reais. Essa estrutura ABSTRATA é o
objeto de análise do linguista. Em outras palavras, a língua como sistema de
possibilidades é independente da fala, é passível de ser descrita por si mesma
sem a necessidade de considerar como análise os fatos da fala.

Fez parte do Círculo de Praga, escola linguística que assumiria tanto


fundamentos estruturalistas, como já mostraria características
funcionalistas.

Jakobson distinguiu, em seus estudos, seis pontos de vista sob os quais


se pode considerar o ato linguístico:

1- O do locutor 5- O da mensagem

2- O do ouvinte 6- O do contexto

3- O do canal

4- O do código

Esses seis fatores participam do processo de comunicação. Por exemplo,


um falante/locutor põe-se em relação comunicativa com um ouvinte, através

31
de um código, em nosso caso específico a Língua Portuguesa, para expressar
uma mensagem, aludindo a um contexto e passando através de um canal
físico.

Fonte [1]

EXERCITANDO
Você consegue identificar, na figura acima, os seis elementos da
comunicação?

A LINGUÍSTICA ESTRUTURAL NOS ESTADOS UNIDOS


Nos Estados Unidos, há um outro panorama linguístico. Nesse país,
havia centenas de línguas indígenas americanas que nunca tinham sido
descritas e várias delas eram faladas por poucos indivíduos. Dessa forma,
cabia ao linguista americano descrevê-las antes que se extinguissem. Por
essa razão, a Linguística estrutural americana estava menos preocupada com
uma teoria geral da estrutura da linguagem humana. Para ela, o foco dos
estudos era a prescrição de firmes princípios metodológicos para a análise de
línguas pouco familiares.

EDWARD SAPIR
Fonte [2]

Este autor atuava em várias áreas do conhecimento: antropologia,


literatura, música, linguística etc. Entretanto, esta vastidão não faz de sua
obra fragmentada. Pelo contrário, os interesses se fundem e marcam a
originalidade de sua obra. Por esse motivo, o trabalho de Sapir, com forte
inclinação antropóloga, atraiu bastante repercussão na linguística
americana.

Vê-se, nesse autor, uma forte relação entre pensamento e linguagem: a


língua como estrutura é, no seu aspecto interno, a marca do pensamento.

VERSÃO TEXTUAL

Desde o prefácio (de seu livro) ele insiste sobre o caráter


“inconsciente e sobre a natureza não racionalista da estrutura
linguística” e acentua, depois, o aspecto puramente humana, não-
instintivo, do sistema de símbolos que é a figura; trata-se de função
“não-instintiva, adquirida culturalmente”. (LESPCHY, 1975: 82)

32
LEONARD BLOOMFIELD

Leonard Bloomfield é o linguista estruturalista que mais marcou a


Linguística americana por preparar o caminho para a fase que viria
posteriormente. Fortemente influenciado pela Psicologia, Bloomfield adota a
postura behaviorista para os estudos da linguagem. A partir desse
posicionamento, é adotada uma concepção de que o significado está
relacionado a um ESTÍMULO e a uma RESPOSTA, banindo dos estudos
linguísticos quaisquer menções a categorias mentais ou conceituais.

A teoria é explicitada através do seguinte esquema:

S–R–S–R
Fonte [4]
Dessa forma, um estímulo externo (S) leva alguém a falar (r),
provocando no ouvinte um estímulo também linguístico (s) que provoca
uma resposta prática (R).

FONTES DAS IMAGENS


1. http://suddenlycalifornia.blogspot.com/2011/02/um-simples-
telefonema.html
2. http://tupian.hudong.com/a0_20_33_01300000328622123420339107
624_jpg.html
3. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
4. http://falandoemlinguistica.blogspot.com/

Responsável: Profª Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

33
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 02: O FORMALISMO

TÓPICO 04: O GERATIVISMO

Em 1957, Noam Chomsky publicou o livro, Syntactic Structures, que


se tornou divisor de águas na Linguística do século XX. Nesse livro,
Chomsky desenvolveu o conceito de GRAMÁTICA GERATIVA, adotando
um posicionamento que rompia radicalmente com os conceitos
estruturalista e behaviorista praticados na Linguística das décadas
anteriores.

Neste tópico, veremos os principais conceitos presentes na Gramática


Gerativa.

A primeira grande questão a ser levantada nos estudos gerativistas é a


definição de FACULDADE DA LINGUAGEM, isto é, nesse programa
linguístico, a capacidade de falar uma língua é inata nos seres humanos.
Dizendo de outra forma, a linguagem tem conexão direta com o aparato
genético de nossa espécie e é isso que nos distingue das demais espécies.

Partindo dessa concepção, Chomsky traçou uma distinção básica: a


relação entre competência e desempenho. Para o autor, entende-se por
COMPETÊNCIA o conhecimento inato que as pessoas têm das regras que
compõem uma língua. Já o uso efetivo dessa língua em situações reais é o
que se entende por DESEMPENHO. Assim, cabe à linguística o estudo da
competência, ou seja, o linguista deve descrever as regras de que é composta
essa capacidade.

Para isso,
devemos compreender o conceito de GRAMÁTICA
INTERNALIZADA adotado pelo modelo gerativista. Este conceito NÃO
compreende gramática como um livro cheio de regras que nos ensina o que
é certo e o que é errado na língua (conceito de gramática prescritiva).

Tomemos os exemplos dados por Mioto; Silva; Lopes (2005) para


entendermos o conceito de gramática internalizada.

(1) a. ‘Cê viu a Maria saindo.

b. Quem que ‘cê viu saindo?

c. A Maria disse que ‘cê foi viajar.

(2) a. * A Maria vai ver ‘cê.

b. * A Maria comprou o livro pra ‘cê.

c. * A Maria e ‘cê vão comprar o livro.

Ao ler essas frases, percebemos que as sentenças em (1) são próprias do


português brasileiro. Contudo, não podemos dizer o mesmo das sentenças
em (2). Essa capacidade de dizer o que pertence a nossa língua, mesmo sem

34
ninguém nos ter ensinado, pertence ao conjunto de regras que compõe a
nossa GRAMÁTICA INTERNALIZADA.

A partir dessa gramática, podemos dizer que as frases em (1) são


GRAMATICAIS, pois são formadas segundo a gramática do português
brasileiro, enquanto que as frases em (2) são AGRAMATICAIS.

Dessa forma, os conceitos de GRAMATICALIDADE e de


AGRAMATICALIDADE dizem respeito, respectivamente, às sentenças que
pertencem ou não a uma língua. Somente os falantes nativos podem decidir
se uma frase pertence ou não àquela língua (MIOTO; SILVA; LOPES, 2005).

MULTIMÍDIA
Observemos no vídeo, a seguir, uma entrevista com o Chomsky sobre
a linguagem humana. http://www.youtube.com/watch?v=sGatWSnvKCQ
[1]

Um dos objetivos principais da Gramática Gerativa é oferecer um meio


de análise dos enunciados, através de um estudo da sintaxe que contemple o
nível subjacente da estrutura linguística (WEEDWOOD, 2002). Tomemos o
seguinte exemplo:

(3) O bombeiro assistiu ao incêndio da delegacia.

Temos nesse caso, uma estrutura ambígua, pois a frase pode ser
interpretada de duas maneiras distintas: (a) a delegacia estava em chamas e
o bombeiro presenciava o incêndio e (b) da delegacia, o bombeiro assistia a
um prédio qualquer pegar fogo. Notemos, assim, que da delegacia é o
sintagma causador da ambiguidade, pois, ora ele tem sentido do local
incendiado, ora do local de onde se assistia ao incêndio.

Pelo formato do modelo gerativista, poderíamos representar a estrutura


linguística subjacente em (3) das seguintes formas:

Clique aqui:

35
Ao analisarmos o esquema arbóreo de representação da sentença, ficam
claras as duas interpretações possíveis do exemplo em (3). Notemos que a
parte destacada, da delegacia, representa em (a) um adjunto adnominal do
SN “o incêndio”. Já em (b), esse SPrep, da delegacia, é um adjunto adverbial
do verbo assistir.

Esse modelo de análise e a teoria proposta pelo programa gerativista


forma amplamente divulgados na linguística durante décadas. Este modelo
será alvo de críticas, assim como o Formalismo de um modo geral, pelas
correntes funcionalistas conforme veremos na aula a seguir.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para saber mais sobre os principais pontos de divergências entre as
grandes correntes da Linguística do século XX, leia o artigo Gerativismo e
Funcionalismo: encontros de divergências de Ana Fernandes Aguiar
Gonçalves Cardoso. Disponível
emhttp://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao11/artigo08.pdf [2]
(Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

ATIVIDADE DE PORTFÓLIO

COM BASE NO QUE FOI ESTUDADO DURANTE AS AULAS RESOLVA AS QUESTÕES


A SEGUIR:

01) De acordo com os objetivos da Linguística, marque V ou F


e, em seguida, justifique sua resposta.

( ) Os sinais que o homem produz quando fala ou escreve são


chamados de signos.
( ) Os signos, em geral, verbais e não-verbais, são objetos de uma
ciência geral dos signos: a Semiologia.
( ) Os signos da linguagem verbal têm uma importância tão grande
para a humanidade que merecem uma ciência só para si: a
Linguística.

02) Leia o resumo acadêmico de Faria e Fujisawa (2009) e, em


seguida, relacione o texto com as dicotomias Língua x Fala,
Sincronia x Diacronia e Paradigma x Sintagma, de acordo

36
com os trechos destacados. Para isso, escolha um dos pares da
dicotomia abordado na pesquisa e justifique a sua escolha.

RESUMO: Uma das mudanças mais claras entre o latim vulgar


e as línguas românicas é a da ordem básica das orações, que passou
de Sujeito – Objeto -Verbo (SOV) para Sujeito – Verbo - Objeto
(SVO). A compreensão desse processo – que interpretamos, aqui, da
perspectiva da gramática gerativa – passa pela análise de textos
antigos em latim, em busca de evidências que o suportem. O
presente trabalho, portanto, busca por tais evidências na obra
Satyricon, escrita no séc. I d.C. por Petrônio, cujas particularidades
literárias aproximam certos trechos da obra do que seria a fala
coloquial da época. Este trabalho mostrará que há evidências de que
a mudança na ordem já estaria em curso no latim vulgar do séc. I
d.C..

a) “passa pela análise de textos antigos em latim” (Língua x


Fala)

________________________________________________________

________________________________________________________

b) “Este trabalho mostrará que há evidências de que a mudança


na ordem já estaria em curso no latim vulgar do séc. I
d.C.” (Sincronia x Diacronia)

________________________________________________________

________________________________________________________

c) “...ordem básica das orações, que passou de SOV (Sujeito –


Objeto –Verbo) para SVO” (Paradigma x Sintagma)

________________________________________________________

________________________________________________________

03) O signo linguístico Saussureano é uma entidade psíquica de


duas faces: significante e significado. Explique o caráter psíquico do
significado e do significante a partir da exemplificação de Saussure
(1975:80) que afirma: “Sem movermos os lábios nem a língua,
podemos falar conosco ou recitar mentalmente um poema.”.

04) “Uma vez atribuído um nome, ele passa a ter um valor na


língua”. Essa afirmação dialoga diretamente com a imagem acima.

37
Ambas referem-se a um dos princípios do signo linguístico e o
conceito de valor linguístico. Identifique esse princípio, explique-o e
relacione-o ao conceito de valor.

05) A partir da imagem abaixo, escreva um pequeno texto sobre


o Gerativismo, teoria da linguagem desenvolvida por Chomsky,
destacando o posicionamento inatista dessa teoria.

REFERÊNCIAS

LEPSCHY,Giulio C. A LINGUÍSTICA ESTRUTURAL. 2. ed. São


Paulo: Perspectiva S.A, 1975.

LOPES, Edward. FUNDAMENTOS DA LINGUÍSTICA


CONTEMPORÂNEA. São Paulo: Cultrix, 1976.

MIOTO, Carlos; SILVA, Maria Cristina Figueiredo; LOPES, Ruth


Elisabeth Vasconcellos. NOVO MANUAL DE SINTAXE. 2. ed.
Florianópolis: Insular, 2009.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. O QUE É LINGUÍSTICA. São Paulo:


Brasiliense, 1999.

SAUSSURE, Ferdinand de. CURSO DE LINGUÍSTICA GERAL. São


Paulo: Cultrix, 2006.

WEEDWOOD, Barbara. HISTÓRIA CONCISA DA LINGUÍSTICA.


Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.youtube.com/watch?v=sGatWSnvKCQ
2. http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao11/artigo08.pdf

Responsável: Profª Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

38
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 03: FUNCIONALISMO LINGUÍSTICO

TÓPICO 01: A LINGUÍSTICA FUNCIONAL: PANORAMA

A partir desse ponto, veremos o que denominamos Linguística


Funcional, isso porque a Linguística, assim como as outras ciências
humanas, atravessou três momentos: historicismo, descritivismo e
funcionalismo. O primeiro momento foi marcado pelos estudos históricos da
língua, na busca da protolíngua, no estabelecimento de árvores genealógicas
das línguas e na comparação estrutural de línguas de origem comum (latim:
português, espanhol, francês, italiano etc; germânico: inglês, alemão,
holandês etc, por exemplo).

O segundo foi marcado pela formulação científica da Linguística por


meios de trabalhos, como o de Ferdinando de Saussure (Curso de
Linguística Geral) que esquematiza princípios de análise linguística,
diferenciando língua (langue) de fala (parole); seguidamente encontramos
outras propostas de cientifização dos estudos linguísticos: Leonardo
Bloomfield (distribucionalismo); Noam Chomsky (Gerativismo). A ênfase
dessa perspectiva é a análise exaustiva da estrutura da língua. Contudo,
outra maneira de estudar a língua é buscar entender seus usos e
seu funcionamento.

Cabe ao Funcionalismo buscar entender a relação entre os usos da


linguagem e suas funções comunicativas. Essa corrente adota pontos de
convergência como: mais atenção à funcionalidade da estrutura linguística
(para que serve?); a utilização do conceito de enunciado (como é utilizado?)
e, consequentemente, o conceito de discurso (qual o contexto de utilização?).

VERSÃO TEXTUAL

ENUNCIADO – sequência de frases emitidas entre dois brancos


semânticos, duas suspensões de comunicações; DISCURSO: enunciado
do ponto de vista do mecanismo discursivo que o condiciona.
(GYESPIN, Louis. Problematique dês travaux sur le discours politique.
In: LANGAGES, 23, p. 3-24, 1971)

“O discurso é toda enunciação que supõe um locutor e um auditor,


e, no primeiro, a intenção de influenciar ao outro de alguma maneira
(BENVENISTE, Emile. PROBLEMAS DE LINGUÍSTICA GERAL I. 4.
ed. México DF: Siglo XXI, 1974)

Parece haver uma ideia de que o Funcionalismo não se preocupa com


regras gramaticais, não atenta para a estrutura ou mesmo o extremo: não
concebe a noção de uma teoria gramatical, porém não é nada disso. A
questão é que, embora não demonstrando uma unidade doutrinal, o
Funcionalismo entende a língua como um sistema de significados
acompanhados por formas por meio das quais esses significados podem ser
atualizados. Um dos principais teóricos funcionalistas, Michael Halliday

39
(1985), apresentando um quadro conceitual da gramática funcional (estuda
como a língua é usada) apresenta três instâncias de análise:

1. O texto – usado para explicar a linguagem, seja ele escrito ou dito, é um


contexto de uso.

2. O sistema – retoma a ideia de articulação de elementos para a


produção e a recepção¬ de sentido; organizado em dois eixos, o da
atividade (o uso da linguagem) e o da reflexão [melhor dizendo: a relação
interpessoal (agir sobre os outros)].

3. A estrutura linguística – cada elemento da língua é explicado por sua


função, uso, dentro do sistema linguístico.

Por isso que a visão linguística de Halliday é chamada de sistêmico-


funcional, pois busca integrar o binarismo língua/fala, dicotomias já
propostas por Saussure e grandes nomes do Formalismo.

Leia a charge abaixo:

Fonte [2]

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE FUNCIONAL


Veja, a seguir, a proposta de análise funcional da charge.

NÍVEL TEXTUAL:
A charge é um gênero textual que se caracteriza por uma leitura rápida,
estrutura linguística simples, tamanho reduzido, reunião de elementos
verbais e não verbais principalmente icônicos; de teor crítico, pendendo
quase sempre ao jocoso. Sabemos que nem sempre para esse tipo de texto
era possível sua vinculação pública. Ainda hoje, em países de regime político
fechado, sua publicação é proibida. Mesmo no Brasil, alguns políticos
conseguiram judicialmente que não se relacione sua imagem ou nome à
charge, dado que sempre são ironizados, criticados.

Veja: analisamos a relação do texto com seu processo histórico.

NÍVEL SISTÊMICO E FUNCIONAL (ESTRUTURA LINGUÍSTICA EM


ARTICULAÇÃO):

No nível sistêmico, analisamos como os elementos linguísticos se


articulam no texto. Um princípio já estabelecido por Hjelmslev: a função
nasce da articulação de dois elementos.

40
Neste nível, focaremos a partícula ONDE, que na gramática é
preestabelecido como advérbio ou pronome relativo. Contudo, pela
gramática funcional, um elemento linguístico ganha funções e é classificado
de acordo com seu uso, sua posição (o chamado aspecto tático (Táctico, ca:
do gr. τακτικός, der. de τάσσειν, por em ordem.)

Observe que o onde é o primeiro elemento apresentado no texto,


direcionando-nos a dizer Brasil, cuja resposta não aparece em nenhum
momento no texto. Inclusive o próprio nome “país” está antecedido por um
denominado artigo indefinido “um”, ratificando a ideia de indefinição, de
não apontar a algo específico no mundo. Mas nosso conhecimento de mundo
e inferências de leitura fazem-nos deduzir qual o lugar a que a charge faz
referência. Não é à toa que é o primeiro termo a ser empregado no texto e
que encabeça a oração retirada de sua estrutura canônica, fazendo surgir em
sua posição o “assim” – que retoma a tudo o que foi dito anteriormente, até
aquilo que as reticências indicam que foi suspenso da fala do locutor. Note
que o próprio vocativo “Kadafi”, que, comumente vem no início de oração, é
o último elemento a ser utilizado. Isso por que: o autor quis focar as
características do dito país. O tema de sua fala é o dito país em que tudo é
possível, não o ditador, que é apenas uma informação compartilhada para
contextualizar o texto.

Uma análise funcional da língua entende que cada escolha do usuário


estabelece uma função para a constituição textual – eis o exemplo da eleição
do nome de Kadafi, como exemplo, e não outro político.

KADAFI

Aqui poderíamos usar um substantivo que mais convém a nossa


visão de mundo: ditador, presidente, chefe de estado, premier etc. –
embora sinônimas cada um deles tem um sentido diferenciado.

Veja: aqui utilizamos dois níveis sistêmico e funcional para exemplificar


a relação entre a escolha de determinados elementos linguísticos (onde,
assim, Kadafi) e sua função argumentativa na charge em estudo.

Essa é uma das diferenças entre o Funcionalismo e o Estruturalismo:


para este, a noção de função linguística surge pela oposição de elementos
linguísticos, para aquele, surge da articulação.

De tudo o que comentamos, perguntamos: é o advérbio um termo


acessório como afirma a Gramática Tradicional? Está ele ligado apenas ao
verbo (ad para/verbio verbo)? Neste caso, não. Seu campo de
abrangência é todo o texto – considerando que, no Funcionalismo, as
análises são colocadas em um continuum entre mais ou menos – podendo,
em outros casos, o advérbio estar ligado mais ao verbo.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://alagoinhas-bahia-acaminhada.blogspot.com/2011/08/oposicao-
posiciona-se-contra-as.html

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão

41
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 03: FUNCIONALISMO LINGUÍSTICO

TÓPICO 02: PRINCIPAIS ESCOLAS E CÍRCULOS

Como já afirmamos, anteriormente, os estudos linguísticos de


orientação funcional não apresentam uma uniformidade teórica. O
caracteriza a todos eles é o ponto de partida: As funções da língua. Assim são
compelidos a explicarem e a descreverem a língua em uso.

Outro fator interessante é que dentro do Funcionalismo encontramos


ideias funcionais, já previstas pelo grande nome do Estruturalismo,
Saussure: língua como instrumento de comunicação e língua como cultura.
Isso para que vejamos que uma visão não exclui a outra.

A seguir, citaremos os principais movimentos dentro da corrente em


estudo:

OS CÍRCULOS LINGUÍSTICOS

A seguir, citaremos pelo menos três movimentos importantes de estudos


linguísticos, dentro da corrente em estudo, que surgiram na Europa, durante
a primeira metade do século XX: o Círculo Linguístico de Moscou (CLM), o
Círculo Linguístico de Praga (CLP) e o Círculo Linguístico de Copenhague
(CLC).

Estes círculos, baseados nas ideias de Saussure, eram formados por


grupos de estudiosos interessados em discutir, sob diferentes aspectos, as
idéias de saussureanas. Os dois primeiros não enfocaram apenas o aspecto
formal das línguas, mas uma língua vista como sistema funcional, enquanto
o CLC focalizou o aspecto formal das línguas, deixando sua função em
segundo plano.

CÍRCULO LINGUÍSTICO DE MOSCOU

O Círculo Linguístico de
Moscou (CLM) nasce em 1915, por
iniciativa de Roman Jakobson, ao
reunir os formalistas russos. Tinha
como objetivo estudar
cientificamente a língua e as leis de
produção poética. Os estudiosos
denominados "formalistas"
buscavam desenvolver uma prática
de análise despojada de
Fonte [1]
subjetividade e abstração. O
formalismo em excesso culminou
com a extinção deste círculo.

Também chamado de Formalismo Russo – grupo de teóricos da


literatura que aplicavam pressupostos estruturalistas no estudo e na
produção de textos poéticos. Principal nome: Roman Jakobson.

CIRCULO LINGUÍSTICO DE PRAGA

42
Além do CLM, Jakobson participou, também, como fundador do
CÍRCULO LINGUÍSTICO DE PRAGA (CLP) ou Escola de Praga, juntamente
com os russos Nicolai Trubetzkoy e Serge Karcevsky, com um manifesto
apresentado durante o Primeiro Congresso Internacional de Linguística de
Haia (1928). Na realidade, o Círculo Linguístico de Praga foi fundado por
Mathesius, em 1926, ao reunir pesquisadores tchecos e linguistas
estrangeiros, como o alemão Bühler, os franceses Benveniste, Tesnière,
Vendryès e Martinet. A linguística oriunda deste círculo estabeleceu como
ponto primordial a dimensão sincrônica.

A maior contribuição de Trubetzkoy vai-se dar principalmente no


domínio da fonologia, ao estabelecer a diferença entre fonética (ciência que
estuda os sons da fala) e fonologia (ciência que estuda os sons da língua).
Seus Princípios de Fonologia (Principes de phonologie) são uma síntese da
linguística pragueana. Além de instaurar e sintetizar a fonologia, seu
trabalho mais importante é seu enfoque na noção de fonema. No seu ponto
de vista, as mudanças fonéticas e fonológicas não são fenômenos isolados,
mas organizados em busca de um fim comum.

Por questões políticas, cientistas de várias nacionalidades se


radicaram em Praga, como: Roman Jakobson, Roman Osipovich, Nikolai
Sergeievich Trubetzkoi, Josef Vachek, Bohumil Trnka, Vilém Mathesius,
Jan Firbas, František Daneš etc.

Embora heterogêneo este Círculo se caracterize "por forte ênfase no


estudo das funções da linguagem. Esta ênfase na função inclui a função da
linguagem no ato de comunicação e o papel da linguagem na sociedade; a
função da linguagem na literatura e o problema dos diferentes aspectos e
níveis de linguagem do ponto de vista funcional" ( GARVIN, 1974, p. 238).

Principais áreas de atuação:

a) Fonologia – estudo da importância funcional do padrão sonoro


dentro do sistema linguístico;

b) Perspectiva oracional funcional – interpretação linguística dos


estudos de estilística da frase, que pode ser dita de várias maneiras
(tema/rema), por exemplo, o cachorro lambeu minha mão. TEMA
(parte geral do que se fala e pressupõe conhecimento do interlocutor) +
REMA (o que se diz do tema, incorporando informação nova). A ideia
também é a de que o usuário da língua tematiza seus enunciados de acordo
com sua intenção

43
c) E função estética da linguagem e seu papel na literatura e nas
outras artes verbais. Note que há uma forte ênfase na literatura, isso
porque eles estudavam a língua em sua manifestação literária. É bom saber
que até hoje esta escola desenvolve suas investigações
http://www.praguelinguistics.org/ [2]

CÍRCULO LINGUÍSTICO DE COPENHAGEN

O CÍRCULO LINGUÍSTICO DE COPENHAGUE (CLC) foi fundado pelo


dinamarquês Louis Hjelmslev em 1931. Essa Escola adotou a concepção
saussureana de língua como um sistema autônomo. Segundo Orlandi
(2009, p. 35), "em Copenhague, exclui-se qualquer referência à literatura.
Só se leva em conta a lógica-matemática, e um dos fins almejados é a
elaboração de uma teoria linguística universal".

L. Hjelmslev desenvolveu a Glossemática, teoria em que se estuda a


língua como forma e não, como substância, e a sua estrutura interna
através do método empírico. Estabeleceu a oposição entre denotação
(sentido primeiro) e conotação (sentido segundo), produzindo uma
separação estanque entre o plano lógico da comunicação e o plano afetivo
de efeito poético. Razão e emoção estão separadas categoricamente nessa
reflexão linguística (ORLANDI, 2009, p.35). Seu trabalho foi fundamental
para a construção da Semiótica. A partir de 1939, fundou o jornal Acta
Linguística, órgão da linguística estrutural.

Também chamada de Glossemática teve como principal nome Louis


Hjelmslev. Seus estudos podem ser considerados tanto estruturais, quanto
funcionais. Este último porque afirma ter a língua dois níveis (expressão +
conteúdo), ou seja, cada expressante linguístico tem seu conteúdo de
significado, os quais se opõem obtendo valor dentro do sistema linguístico
– vindo daí o conceito de função: o valor resultante da articulação entre
formas e conteúdos. (articulação para o Funcionalismo; oposição para o
Estruturalismo).

Outros estudos se desenvolveram na Europa, tais como: o


Funcionalismo Francês, a Escola Inglesa e, por fim, nos Estados Unidos, o
Funcionalismo Norte-Americano.

44
REFLEXÃO
Pense em quantas formas de saudações podemos usar para
cumprimentar uma pessoa:

Oi!; olá!; e aí?; bom dia!; boa tarde!; boa noite!; dia!; tarde!; e aí, sô!;
e aí, mano!; e aí, velho!; tudo na paz?; tudo beleza! Etc

Observou quantas formas usamos para a função “saudação” em


português? Temos uma função e várias formas para expressá-la.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.infoescola.com/biografias/roman-jakobson/
2. http://www.praguelinguistics.org/

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

45
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 03: FUNCIONALISMO LINGUÍSTICO

TÓPICO 03: PRINCIPAIS CONCEITOS

Dado que o funcionalismo parte da função e não da forma, há nove


princípios básicos que servem de orientação para os estudos funcionais:
iconicidade, marcação, transitividade, planos discursivos, informatividade,
gramaticalização, discursivização, ciclo funcional e unidirecionalidade
(CUNHA et al., 2003). A seguir tratamos da iconicidade.

ICONICIDADE
Há uma relação entre expressão e conteúdo, dado que a língua reflete as
experiências humanas. Não quer dizer isso que há uma relação entre língua e
mundo exterior, mas que o conhecimento adquirido pelo uso dos sentidos
influência na configuração do sistema linguístico. Por isso que, por exemplo,
as línguas naturais apresentam estruturas distintas, mas também comuns.

NEVES (2010: 23) APRESENTA VÁRIOS TIPOS DE ICONICIDADE:

a) Iconicidade de quantidade: quanto maior a informação, maior a


forma. Exemplo: ela NÃO quis ir NÃO. [caso chamado de dupla negativa].

Estrutura esta que pode ser mais ou menos marcada. Imagine um


comerciante cearense dizendo: "Tem, mas tá faltando!" – veja que a ideia
da resposta é toda ela negativa, mas não há nenhum elemento tipicamente
de negação, a não ser o conectivo "mas", no qual se marca a negatividade,
mas bem menos se fosse usada uma resposta mais ‘tradicional": "Não
tenho!". Isso porque o comerciante intencionando manter o interesse do
cliente em seu produto, minimiza a quantidade de elementos negativos de
sua fala.

b) Iconicidade de distância ou proximidade: quanto maior a distância


conceptual, maior a distância linguística entre expressões;

c) Iconicidade de independência: separação linguística de expressão


independência conceptual;

d) Iconicidade de ordenação: grau de importância determina a ordem;

e) Iconicidade de complexidade: forma plural maior do que forma


singular;

f) Iconicidade de categorização: sujeitos são preponderantemente


agentes e objetos, pacientes.

GRAMATICALIZAÇÃO

a morfologia de hoje é a sintaxe de amanhã (GIVON, 1971, p. 413).

Diferentemente de outras categorias de análise, quando tratamos de


gramaticalização, elegemos uma forma e mapeamos seu funcionamento.
Façamos nos entender!

46
Iniciemos com a definição de gramaticalização: ocorre quando um
vocábulo ou uma expressão linguística passa a exercer, em certos contextos,
uma nova função como item gramatical; ou quando já gramaticalizados,
gramaticalizam-se mais ainda, podendo mudar de categoria sintática, atuar
com outras propriedades na sentença, passar por alterações semânticas e
fonológicas etc. Abaixo exemplificamos:

No latim clássico, usavam-se as formas amabo (futuro do presente /


ativo), entendido como amarei, e a locução amare habeo [verbo principal no
infinitivo + verbo auxiliar habere (conjugado)] para expressar a ideia de
desejo, traduzida como terei/haverei de amar.

Dado que essa locução verbal, além de indicar desejo, também indica
algo que ocorrerá no futuro, foi pouco a pouco substituindo a forma sintética
do latim clássico (amabo) no latim vulgar. Podemos indicar essa mudança
na seguinte sequência:

(amare) habeo > a(b)eo > *aio > *eio > ei

Ou seja, a forma habeo limitou-se, nesse processo, ao morfema de


futuro –ei. E, hoje, usamos amar + ei = amarei (que por sua vez, parece
estar sendo substituída pela perífrase ir + infinitivo, vou amar, vamos
trabalhar etc.).

Observe que só o futuro do presente e o do pretérito permitem intercalar


pronome (mesóclise), dado que, no latim, assim também ocorria:

amare (te) habeo amar-te-ei

Partindo do exemplo acima e retomando a frase com que iniciamos esta


seção, a morfologia de hoje é a sintaxe de amanhã, máxima lançada por
Givón, apresentamos uma sistematização do processo de gramaticalização:

Essa sistematização permite que vejamos o processo de gramaticalização


do verbo latino habere, de item discursivo, caminhou rumo à morfologia. Em
cada fase que passou, foi perdendo massa fônica (habeo > -ei).

Em linhas gerais, os estudos de gramaticalização consideram dois


pontos fundamentais (GONÇALVES et al., 2007: 19):

i. Fazem a distinção entre itens lexicais, signos linguísticos plenos,


classes abertas de palavras, lexemas concretos, palavras principais de um

47
lado, e itens gramaticais, signos linguísticos “vazios”, classes fechadas de
palavras, lexemas abstratos, palavras acessórias, do outro;

ii. Consideram que as últimas categorias tendem a se originar das


primeiras.

Veja quadro abaixo:

PORTFÓLIO
Busque um texto curto, que reúna pelo menos dois tipos de
linguagens (verbal e não verbal) e efetue uma análise semelhante a que foi
feita com a charge. Lembre-se de ressaltar não apenas os valores textuais,
mas também formais e sua relação com a expressão de sentido.

FÓRUM
Busque mais informações sobre gramaticalização e discuta no fórum.
Use exemplos para ilustrar sua explicação e procure desenvolver
comentários consistentes.

Para auxiliar, consultem:

Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional


http://www.discursoegramatica.letras.ufrj.br/download/publicacao_livro_gramaticalizac
[1] (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

Gramaticalização: definição, princípios e análise de casos.


http://www.ufmg.br/online/arquivos/anexos/Gramaticalizao_ufrj.pdf [2]
(Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

REFERÊNCIAS

CASTILHO, Ataliba T. A gramaticalização. Estudos linguísticos e


literários. Salvador,n. 19,p.25-63,1997.

FURTADO DA CUNHA, Maria Angélica; OLIVEIRA, Mariângela


Rios; MARTELOTTA, Mário Eduardo (Orgs.). LINGÜÍSTICA
FUNCIONAL: TEORIA E PRÁTICA. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

GARVIN, Paul. A Escola Linguística de Praga. In: HILL, Archibald.


ASPECTOS DA LINGUÍSTICA MODERNA. Tradução de Adair Palácio
et all. 2. ed. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1974. pp. 236-245.

48
GIVÓN, Talmy. Historical Sintax na Synchronic Morfology: an
Archaelogist’s. Field Trip. Papers from the 7th.Regional Meeting.
Chicago: Chicago Linguist Society, 1971.

GONÇALVES, Sebastião Carlos Leite; GALVÃO, Vania Cristina


Casseb; HERNANDES, Maria Célia Lima (Orgs.) et alli .
INTRODUÇÃO À GRAMATICALIZAÇÃO: princípios teóricos e
aplicação. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

HALLIDAY, Michael A.K. AN INTRODUCTION TO FUNCTIONAL


GRAMMAR. Baltimore: Edward Arnold, 1985.

MARTINET, André. ELEMENTOS DE LINGÜÍSTICA GENERAL.


Traducción del francés por Julio Calonge Ruiz. Madrid: Gredos,
1968.

NEVES, Maria Helena de Moura. A GRAMÁTICA FUNCIONAL. São


Paulo: Martins Fontes, 1997.

_______. TEXTO E GRAMÁTICA. São Paulo: Contexto: 2010.

ORLANDI, Eni Puccinelli. O QUE É LINGUÍSTICA. São Paulo:


Brasiliense, 2009. (Coleção primeiros passos).

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.discursoegramatica.letras.ufrj.br/download/publicacao_livr
o_gramaticalizacao.pdf
2. http://www.ufmg.br/online/arquivos/anexos/Gramaticalizao_ufrj.pdf

Responsável: Profª. Maria Silvana Militão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

49
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 04: LINGUÍSTICA DE TEXTO / PSICOLINGUÍSTICA

TÓPICO 01: PERCURSO HISTÓRICO

Não se pode falar em estudar Linguística, hoje, sem se reportar à


Linguística de Texto (LT). Este ramo da Linguística tomou uma dimensão tal
que as pesquisas em LT estão se avolumando cada vez mais e o interesse por
essa área do conhecimento não para de crescer. Atualmente, desenvolvemos
complexas pesquisas à luz dos fundamentos da LT.

A Linguística de Texto toma o texto como objeto de estudo. Isso quer


dizer que interessa a esse campo de investigação o texto como uma unidade
de sentido.

Para o desenvolvimento deste item, falaremos da trajetória histórica da


LT, da coesão, da coerência textual e da referenciação como mecanismo de
construção dos sentidos do texto.

TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA LINGUÍSTICA TEXTUAL


Assim como tudo que acontece na vida, a Linguística de Texto (LT) não
nasceu do nada. Ela surgiu a partir da necessidade de se repensar as
concepções de texto, em primeiro lugar. A gramática não abarcava essa
noção, e a LT passou a discutir essa e outras concepções, o que a colocou em
fase de consolidação de tal modo que grandes saltos em busca de solução
para questões que, até então, pareciam sem solução. Somente para se ter
uma ideia, ainda se concebia texto como um conglomerado de frases.

De qualquer forma, a LT começou de forma tímida, como veremos a


seguir, porém já era um começo.

Os autores, de modo geral, dentre os quais destacamos Koch (2004),


separaram, para efeitos de estudo, a trajetória da LT em três momentos,
como expostos a seguir.

1.1 A FASE INTERFRÁSTICA E DAS GRAMÁTICAS DE TEXTO.


Esta é considerada a primeira fase ou fase inicial da LT. Ela data de,
aproximadamente, da metade da década de 60 até meados da década de 70
(KOCH, p. 2004).

Nesse momento, a LT apresentou como preocupação básica os


mecanismos interfrásticos, ou seja, seu olhar se voltava para os usos do
sistema gramatical da língua. Com isso, houve destaque para o uso da
pronominalização e da correferência (Correferência é a retomada de um
referente expresso no cotexto, cuja âncora está explícita. Ex.: Os alunos da
turma de Leitura e Produção de Textos Acadêmicos receberam o material.
<b>Eles</b> o acharam fácil. ) Era essa a noção, concepção de
referenciação. Os casos de retomada do referente eram identificados pelos
usos do artigo definido e indefinido. Na verdade, a referenciação restringia-
se aos casos de coesão textual.

50
Segundo Koch (2004, p. 4), "o texto era concebido como uma 'frase
complexa', 'signo linguístico primário', (apud HARTMANN, 1968), 'cadeia de
pronominalizações ininterruptas' (apud HARWEG, 1968), 'sequência
coerente de enunciados' (apud ISENBERG, 1971), ' cadeia de
pressuposições' (apud BELLERT,1970).

Nota-se, com essas definições, que o texto era um conglomerado de


estruturas fechadas. Não havia indicações de que nascia da interlocução, da
interação, como concebemos, hoje.

Quanto aos estudos referenciais, estes limitavam-se à correferência, aos


processos correferenciais, relações que se estabeleciam entre dois elementos
do texto. Vejamos o exemplo a seguir.

(1) A festa de aniversário do Pedro estava animada. Ele estava feliz. O


pronome ele retoma correferencialmente Pedro.

Todavia, alguns autores alemães (INSEBER, 1968; LATER, 1979) já


faziam referência às anáforas não correferenciais, como nos exemplos
seguintes, retirados de KOCH (2004, p. 4).

(2) Ontem houve um casamento. A noiva usava um longo vestido branco.


(ISENBERG, 1968)

(3) Pedro me molhou todo. A água me escorria pelo corpo abaixo.

(4) Era um belo povoado. A igreja ficava numa colina. (VATER, 1979
apud KOCH, 2004).

Note-se que as anáforas são retomadas por inferência. A primeira, a


noiva, é retomada por inferência a casamento; a água por inferência ao verbo
molhou; e igreja por inferência a povoado, que deve ter uma igreja.

Também nessa fase, surgiram as chamadas gramáticas de texto. Na


época, elas representaram certo avanço. Isso aconteceu devido à ideia de que
“o texto seria simplesmente a unidade linguística mais alta, superior à
sentença” ( KOCH, 2004, p. 5).

Essas gramáticas teriam tarefas básicas, tais como:

a) Verificar o que faz com que um texto seja um texto, ou seja, determinar
seus princípios de construção, os fatores responsáveis pela coerência, as
condições em que fatores responsáveis pela coerência, as condições em que
se manifesta a textualidade.

b) Levantar critérios para a delimitação de textos, já que a completude é uma


de suas características essenciais;

c) Diferenciar as várias espécies de textos (KOCH, 2004, p. 5).

A ideia que veio atrelada a essas gramáticas foi a de que havia uma
competência textual à semelhança da competência linguística, defendida por
Chomshy. Isso significava que todo falante poderia distinguir um texto
coerente de um não coerente, a partir de suas propriedades linguísticas.

51
O texto passou a ser “considerado o signo linguístico primário,
atribuindo-se aos seus componentes o estatuto de signos
parciais.” (HARTMANN, 1968, apud KOCH, 2004, p. 6). Assim, o texto
passou a ser visto como uma unidade hierarquicamente mais elevada, haja
vista ter suas estruturas determinadas pelas regras de uma gramática textual.

As gramáticas textuais tiveram seus modelos definidos sob a perspectiva


dos autores americanos, como: Harold Weinrich, modelo estruturalista que
preconizava a construção de uma macrossintaxe do discurso, com base no
tratamento textual de categorias gramaticais: artigos, tempos verbais, certos
advérbios. O modelo de Jono Petöfi, que consta de uma base textual e que
“consiste em uma representação semântica indeterminada com respeito às
manifestações lineares do texto (KOCH, 2004, p. 7) . Em seu modelo, Petöfi
torna possível: a) a análise do texto, isto é, a atribuição de uma manifestação
linear, de todas as bases textuais possíveis; b) a síntese de textos , ou seja, a
geração de todas as bases textuais possíveis; c) a comparação de textos.

Teun Van Dijk (1972), um dos pioneiros da linguística textual, apresenta


um modelo de gramática, cujas características são as seguintes:

VERSÃO TEXTUAL

Insere-se no quadro teórico gerativo;

Utiliza em grande escala o instrumental teórico e metodológico de


lógica formal;

Busca integrar a gramática do enunciado em uma gramática do


texto, sustentado, porém, que não basta estender a gramática da frase,
como faziam muitos autores da época, mas que uma gramática textual
tem por tarefa principal especificar as estruturas profundas a que
denomina macroestruturas textuais.

Embora não se tenham configurado, posteriormente, como um grande


salto na LT, as gramáticas de texto representaram, de certa forma, um
avanço nos estudos linguísticos, notadamente porque os linguistas
envolvidos na construção dessas gramáticas, nesta fase da LT, introduziram
o componente semântico. Além deles, muitos outros linguistas trataram
desse fenômeno (semântico), como as cadeias isotópicas, as relações
semânticas entre os enunciados dos textos não ligados por conectores.
Enfim, o sentido do texto também era encontrado na superfície do texto.

1.2 A FASE PRAGMÁTICA


Logo surgiu a necessidade de incrementar a abordagem à qual o texto
vinha sendo analisado. A abordagem sintático-semântica cedeu lugar, então,
à perspectiva pragmática, na década de 70. Com isso, a pesquisa em
Linguística Textual ganha nova dimensão: já não se tratava de pesquisar a
língua como sistema autônomo, mas sim o seu funcionamento nos processos
comunicativos de uma sociedade concreta.”( KOCH, 2004:13-4)

Nessa perspectiva, o texto era visto, analisado não mais como um


produto acabado, mas como um processo , uma atividade que resulta da

52
interação humana, que surge dos contratos enunciativos, das intenções
comunicativas das pessoas que interagem com o fim de produzir
comunicação. Segundo Koch ( 2004, p. 14):

Os impulsos decisivos para esta nova orientação vieram da Psicologia da


Linguagem – especialmente da Psicologia da Atividade de origem soviética e
da Filosofia da Linguagem, em particular da Filosofia da Linguagem
Doutrinária da Escola de Oxford, que desenvolveu a Teoria dos Atos de Fala.
Caberia, então, à Linguística Textual a tarefa de provar que os pressupostos e
o instrumental metodológico dessas teorias eram transferíveis ao estudo dos
textos e de sua produção / recepção, ou seja, que se poderia atribuir também
aos textos a qualidade de formas de ação verbal.

Também nessa vertente houve destaque para outros alemães


(Weenderlich, 1976; Schmidt, 1973; Motsch, 1983; Motsch e Pasch, 1987; e
Van Dijk, 1980). Dentre eles, destacamos Weenderlich, que foi um dos
primeiros responsáveis a incorporar valores pragmáticos a LT. Ou seja, ele
teve a preocupação de incorporar valores pragmáticos às pesquisas sobre o
texto, afirma Koch ( 2004). Também Isenberg ( 1976) teve uma participação
importante, ele apresenta um método que permite descrever a geração,
interpretação e análise de texto, desde a estrutura pré-linguística da
interação comunicativa até a sua manifestação superficial.” ( KOCH, 2004, p.
15)

Nessa perspectiva pragmática toda e qualquer manifestação de


linguagem está sujeita ao contexto de uso, que, por sua vez, se submete às
condições de produção vinculadas à interação dos interlocutores. Para
resumir, observamos os pressupostos gerais da obra introdução à linguística,
de Heinemann; Viehweger (1991), que retratam os principais princípios
norteadores da perspectiva pragmática da LT.

VERSÃO TEXTUAL

1. Usar uma língua significa realizar ações. A ação verbal constitui


uma atividade social, efetuada por indivíduos sociais, com o fim de
realizar tarefas comunicativas, ligadas com a troca de representações,
metas e interesses. Ela é parte de processos mais amplos de ação, pelos
quais é determinada.

2. A ação verbal é sempre orientada para os parceiros da


comunicação, portanto é também ação social, determinada por regras
sociais.

3. A ação verbal realiza-se na forma de produção e recepção de


textos. Os textos são, portanto, resultantes de ações verbais/estruturas
ilocucionais, que estão intimamente ligadas com a estrutura
proposicional dos enunciados.

4. A ação verbal consciente e finalisticamente orientada origina-se


de um plano / estratégia de ação. Para realizar seu objetivo, o falante
utiliza-se da possibilidade de operar escolhas entre os diversos meios
verbais disponíveis. A partir da meta final a ser atingida, o falante
estabelece objetivos parciais, bem como suas respectivas ações

53
parciais. Estabelece-se, por uma hierarquia entre os atos de fala de um
texto dos mais gerais aos mais particulares. Ao interlocutor cabe, no
momento da compreensão, reconstruir essa hieraquia.

5. Os textos deixam de ser examinados como estruturas acabadas


(produtos) e passam a ser considerados no processo de sua
constituição, verbalização tratamento pelos parceiros da comunicação.

Por fim, podemos afirmar que, nessa fase, o conceito de coerência toma
nova dimensão: “ passa a incorporar, ao lado dos fatores sintático-
semânticos, uma série de fatores de ordem pragmática e
contextual.” ( kOCH, 2004, p. 19-20).

1.3 A FASE COGNITIVISTA


Surge, na década de 80, uma nova orientação de análise de texto: a
cognitivista. Nessa, o texto é analisado sob a ordem de operações mentais.
Trata-se de uma abordagem procedural, segundo a qual os conhecimentos
devem ser ativados para que os co-enunciadores manifestem seus saberes
acerca de determinado tipo de atividade social. Ou seja, os co-enunciadores
têm conhecimentos acumulados na memória que precisam ser ativados para
ser externados em dado momento.

Conforme menciona Koch (2004), Beaugrande e Dressler foram os


pioneiros nesse contexto e perceberam que o texto é originado “por uma
multiplicidade de operações cognitivas interligadas”, “ um documento de
procedimentos de decisão, seleção e combinação” ( BEAUGRANDE,
DRESSLER, 1981: 37, apud Koch, 2004: 22) .

Koch (2004) cita também Heinemann; Viehweger (1991) para dizer que,
nesta vertente, existem vários tipos de conhecimentos: o linguístico, o
enciclopédico, o interacional e o referente a modelos textuais globais.
Todavia, vale a pena lembrar que esses tipos de conhecimentos agem
cognitivamente para a obtenção dos significados. O processamento cognitivo
ocorre pela junção, atenção, combinação, de todos esses conhecimentos
simultaneamente. O cognitivo ativa-os para que a mente processe as reações
cognitivas.

O conhecimento linguístico refere-se ao conhecimento gramatical e


lexical, o que compreende as relações de som e sentido. O conhecimento
enciclopédico é o que se encontra armazenado na memória cognitiva do
indivíduo. Diz respeito a todo conhecimento acumulado. O referente a
modelos textuais globais são originários de modelos variados. Na literatura,
são atribuídas denominações diversas, como: frames, scripts, cenários,
esquemas, modelos mentais, modelos episódicos ou de situação. Esses
modelos são “caracterizados como estruturas complexas de conhecimentos
que representam as experiências que vivenciamos em sociedade e que
servem de base aos processos conceituais.” (KOCH, 2004, p. 24):

O conhecimento sobre estruturas ou modelos textuais globais é aquele


que permite aos falantes reconhecer textos como exemplares de determinado
gênero ou tipo. Envolve, também, conhecimentos sobre as macrocategorias

54
ou unidades globais que distinguem os vários tipos de textos, sobre a sua
ordenação ou sequenciação (Superestruturas textuais), bem como sobre a
conexão entre objetivos, bases textuais e estruturas textuais globais. Segundo
Heinemann e Viejweger (1991), seriam ainda precárias, na época da
publicação de sua obra, as respostas à questão de saber quais os
conhecimentos específicos que estariam aí incluídos. Contudo, parece
possível apontar algumas aproximações, por exemplo, de modelos cognitivos
contextuais, de Van Dijk (1994/1997), os “tipos de atividades”, sugeridos por
Levinson (1979) e outros, que, evidentemente, variam conforme a
perspectiva dos diversos estudiosos. Parece-me, contudo, que a aproximação
mais produtiva poderia ser feita com a noção de gênero, que hoje volta a
ocupar posição central nos estudos sobre texto/ discurso.

Nessa vertente fica claro que o processamento estratégico depende não


só das características textuais, mas de características inerentes às línguas,
como seus objetivos, convicções e conhecimentos de mundo. Ou seja, essas
condições dependem dos objetivos dos usuários, pois elas são
pragmaticamente definidas, pois dependem da quantidade de conhecimento
disponível a partir do texto e do contexto, e isso envolve uma série de valores
como: crenças, opiniões, atitudes diante do que será interpretado.

A PERSPECTIVA SOCIOCOGNITIVO- INTERACIONISTA

Não tardou que a separação entre exterioridade e interioridade,


presente nas ciências cognitivas clássicas, se visse questionada,
principalmente, pela separação que opera entre fenômenos mentais e
sociais.

As ciências cognitivas clássicas vêm trabalhando com uma


diferença bem nítida e estanque entre os processos cognitivos que
acontecem dentro da mente e como eles são acionados para resolver
problemas postos pelo ambiente. O ambiente seria, assim, apenas um
meio a ser analisado e representado internamente, ou seja, uma fonte
de informações para a mente individual.

Desta maneira, a cultura e a vida social seriam parte deste


ambiente e exigiriam a representação, na memória, de conhecimentos
especificamente culturais. Entender a relação entre cognição e cultura
seria, portanto, entender o conjunto de noções e procedimentos a
serem armazenados individualmente. É fácil ver que, partindo desse
ponto de vista, a cultura é subsidiária e dependente do conjunto de
mentes que a compõem, ou seja, um fenômeno em geral passivo, sobre
o qual as mentes atuam.

A concepção de mente desvinculada do corpo, característica do


cognitivismo clássico, que predominou por muito tempo nas ciências
cognitivas e, por decorrência, na linguística, começa a cair como um
todo quando várias áreas das ciências, como a neurobiologia, a
antropologia e também a própria linguística dedicam-se a investigar
com mais vigor esta relação e constatam que muitos dos nossos
processos cognitivos têm por base mesma a percepção e capacidade de
atuação física no mundo. Uma visão que incorpore aspectos sociais e

55
interacionais à compreensão do processamento cognitivo baseia-se no
fato de que existem muitos processos cognitivos que acontecem na
sociedade e não exclusivamente nos indivíduos. Essa visão,
efetivamente, tem se mostrado necessária para explicar tanto
fenômenos cognitivos quanto culturais.

Mente e corpo não são duas entidades estanques. Muitos adultos


vêm defendendo a posição de que a mente é um fenômeno
essencialmente corporificado (emboied), que os aspectos motores e
perceptuais e as formas de raciocínio abstrato são todos de natureza
semelhante e profundamente inter-relacionados. Para autores como
Varela, Thompson e Rosch (1992), nossa cognição é o resultado das
nossas ações e das nossas capacidades sensório-motoras. Estes autores
enfatizam a enação, ou seja, emergência e desenvolvimento dos
conceitos nas atividades nas quais os organismos se engajam, como a
forma pela qual eles fazem sentido do mundo que os rodeia.

Portanto, tais operações não se dão apenas na cabeça dos


indivíduos, mas são o resultado da interação de várias ações conjuntas
por eles praticadas. As rotinas computacionais que acontecem
socialmente são muito comuns e envolvem várias tarefas diárias
(pensemos, por exemplo, na necessidade de computar conjuntamente
quando se trata de tarefas como preparar com alguém uma receita
culinária, ou o que acontece num restaurante para que o prato possa
chegar à mesa dos fregueses). Essas tarefas constituem rotinas
desenvolvidas culturalmente e organizam as atividades mentais
internas dos indivíduos, que adotam estratégias para dar conta das
tarefas de acordo com as demandas socialmente impostas.

Isto quer dizer que muito da cognição acontece fora das mentes e
não somente dentro delas: a cognição é um fenômeno situado, ou seja,
não é simples traçar o ponto exato em que a cognição está dentro ou
fora das mentes, pois o que existe aí é uma inter-relação complexa.
Volta-se exclusivamente para dentro da mente à procura da explicação
para os comportamentos inteligentes e para as estratégias de
construção do conhecimento podem levar a sérios equívocos.

Desta forma, na base da atividade linguística está a interação e o


compartilhar de conhecimentos e de atenção: os eventos linguísticos
não são a reunião de vários atos individuais e independentes. São, ao
contrário, uma atividade que se faz com os outros , conjuntamente. No
dizer de Clark (1996), a língua é um tipo de ação conjunta.

São, pois, ações conjuntas aquelas que envolvem a coordenação e


mais de um indivíduo para sua realização, por exemplo, dois pianistas
executando um dueto ao piano, um casal dançando, duas pessoas
remando uma canoa. Ainda outros exemplos são: crianças brincando
de roda, músicos de um conjunto tocando juntos. Uma ação conjunta
se diferencia de ações individuais não meramente pelo número de
pessoas envolvidas, mas pela qualidade da ação, pois nela a presença
de vários indivíduos e a coordenação entre eles é essencial para que a
ação se desenvolva.

56
Dentro desta perspectiva, as ações verbais são ações conjuntas, já
que usar a linguagem é sempre engajar-se em alguma ação em que ela
é o próprio lugar onde a ação acontece, necessariamente em
coordenação com os outros. Essas ações não são simples realizações
autônomas de sujeitos livres e iguais. São ações que se desenrolam em
contextos sociais, com finalidades sociais e com papéis distribuídos
socialmente. Os rituais, os gêneros e as formas verbais disponíveis não
são em nada neutros quanto a este contexto social e histórico.

As abordagens interacionistas consideram a linguagem uma ação


compartilhada que percorre um duplo percurso na relação sujeito/
realidade e exerce dupla função em relação ao desenvolvimento
cognitivo: intercognitivo ( sujeito/mundo) e intercognitivo (linguagem
e outros processo cognitivos). Cognição, aqui, define-se como um
conjunto de várias formas de conhecimento, não totalizado por
linguagem, mas de sua responsabilidade: os processos cognitivos,
dependentes, como linguagem, da significação, não são tomados como
comportamentos previsíveis ou aprioristicamente concebidos, à
margem das rotinas significativas da vida em sociedade. O tipo de
relação que se estabelece entre linguagem e cognição é estreito,
interno, de mútua constitutividade, na medida em que supõe que não
há possibilidades integrais de pensamento ou domínios cognitivos fora
da linguagem, nem possibilidades de linguagem fora de processos
interativos humanos. A linguagem é tida como o principal mediador
da interação entre as referencias do mundo biológico e as referências
do mundo sociocultural ( cf. MORATO, 2011).

Dentro desta concepção, amplia-se, mais uma vez, a noção de


contexto, tão cara à Linguística Textual. Se, inicialmente, nas análises
transfrásticas o contexto era visto apenas como co-texto (segmentos
textuais precedentes e subsequentes ao fenômeno em estudo), tendo,
quando da introdução da pragmática passado a abranger,
primeiramente a situação comunicativa e, posteriormente, o entorno
sócio-histórico-cultural, representado na memória por meio de
modelos cognitivos, ele passa a constituir agora a própria interação e
seus sujeitos : o contexto constrói-se , em grande parte, na própria
interação.

Portanto, na concepção interacional (dialógica) a língua, na qual


os sujeitos são vistos como atores / construtores sociais, o texto passa
a ser considerado o próprio lugar da interação, e os interlocutores,
sujeitos ativos que – dialogicamente - nele se constroem e por ele são
construídos. A produção de linguagem constitui atividade interativa
altamente complexa de produção de sentidos, que se realiza,
evidentemente, com base nos elementos linguísticos presentes na
surpeficie textual e na sua forma de organização, mas que requer não
apenas a mobilização de um vasto conjunto de saberes (enciclopédia),
mas sua reconstrução – e a dos próprios sujeitos - no momento da
interação verbal.

57
Em consequência do grande interesse pela dimensão
sociointeracional da linguagem e processos afeitos a ela, surge (ou
ressurge) uma série de questões pertinentes para a “agenda de estudos
da linguagem”, entre as quais as diversas formas de progressão textual
(referenciação, progressão referencial, formas de articulação textual,
progressão temática, progressão tópica), a dêixis textual, o
processamento sociocognitivo do texto, os gêneros, inclusive da mídia
eletrônica, questões ligadas ao hipertexto, a intertextualidade, entre
várias outras.

PARADA OBRIGATÓRIA
Linguística Textual – uma entrevista com Ingedore Villaça Koch
Leia o texto com a entrevista completa no link:
http://www.revel.inf.br/site2007/_pdf/1/entrevistas/revel_1_entrevista_ingedore_koch.
[3] (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

FÓRUM
Considerando que a Linguística Textual passou por três momentos
históricos e que esses momentos não são estanques, discuta com seus
colegas cada um desses momentos, destacando as características de cada
um e, simultaneamente, evidenciando a inter-relação entre eles.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
3. http://www.revel.inf.br/site2007/_pdf/1/entrevistas/revel_1_entrevist
a_ingedore_koch.pdf

Responsável: Maria Silvana MIlitão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

58
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 04: LINGUÍSTICA DE TEXTO / PSICOLINGUÍSTICA

TÓPICO 02: MECANISMOS DE CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS DO TEXTO

Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las... Que
tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!

(Mário Quintana) [1]

Por um longo tempo, coesão e coerência textual foram sinônimos de


Linguística Textual. Ainda hoje, muitos estudiosos, pesquisadores se
debruçam sobre o estudo desses fenômenos linguísticos.

Não só a coesão e a coerência. São sete os mecanismos que, em geral, os


autores descrevem como responsáveis pela construção da textualidade. Ou
seja, que eles descrevem como responsáveis indispensáveis pela construção
dos sentidos dos textos. Beuagrande e Dressler (1981) dividem esses fatores
da seguinte forma: dois se concentram no texto, coesão e coerência, e cinco
no usuário, situacionalidade, informatividade, intertextualidade,
intencionalidade e aceitabilidade.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para esclarecer sobre cada um desses mecanismos sugerimos a leitura
do artigo A CONSTRUÇÃO DO TEXTO: COESÃO E COERÊNCIA
TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO, de Maria Lúcia Mexias Simon, que se
encontra no link:
http://www.filologia.org.br/revista/40suple/a_construcao_de_texto.pdf
[2] (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)que, com
muita propriedade e poder de síntese, explicita cada um desses
mecanismos.

REFERÊNCIAS

SIMON, Maria Lúcia Mexias. A construção do texto coesão e


coerência textuais conceito de tópico. Disponível em
http://www.filologia.org.br/revista/40suple/a_construcao_de_texto.pdf.
[3] (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)
Acesso em 23 de Out de 2011.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://pensador.uol.com.br/frases_de_mario_quintana/
2. http://www.filologia.org.br/revista/40suple/a_construcao_de_texto.pd
f
3. http://www.filologia.org.br/revista/40suple/a_construcao_de_texto.pd
f

Responsável: Maria Silvana MIlitão

59
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 04: LINGUÍSTICA DE TEXTO / PSICOLINGUÍSTICA

TÓPICO 03: : A REFERENCIAÇÃO

Sobre a Arte de ler, disse uma vez [Quintana]: “O leitor que mais admiro
é aquele que não chegou até a presente linha. Neste momento já interrompeu
a leitura e está continuando a viagem por conta própria.” E eu também...
assim sigo a minha, para onde vai a sua?

(Vinícius Masutti)

Especial para o Diário de Cuiabá. Disponível em


http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=401120) [1]

O processo de referenciação é um mecanismo de textualização presente


nos gêneros textuais, de modo geral, responsável pela construção dos
sentidos dos textos e pela progressão temática.

Os autores partidários da concepção ampla de referenciação concebem o


referente como objeto do discurso, que se sustenta em bases cognitivo-
discursivas. De acordo com esta concepção, os referentes não são estáveis, ou
seja, não estão no mundo à disposição dos falantes/usuários para serem
colhidos e usados à medida que eles forem sentindo necessidade. O que se
sabe, com base em estudos, é que há uma instabilidade no léxico,
determinada pela plasticidade dos significados, propriedade das línguas
naturais em geral. Em função desta instabilidade, os referentes vão-se
construindo segundo os pontos de vista dos interlocutores. Esta concepção é
designada por Apothéloz e Reichler-Béguelin (1995) como
socioconstrutivista, também Koch (2002) e Lima (2004) partilham dessa
concepção, pois os sujeitos falantes controlam, em seus discursos, a evolução
dos objetos. Para eles, os referentes não devem ser tomados como entidades
apriorísticas e estáveis, mas como objetos-de-discurso. Ressaltam que os
referentes são construídos a partir de informações adquiridas nos contextos
comunicativos, resultantes do saber por eles compartilhado.

REFERENCIAÇÃO ANAFÓRICA
Assim como o processo de referenciação, a anáfora constitui uma
estratégia de textualização bastante presente nos gêneros textuais, de modo
geral. Koch (2002, p. 85), ao falar em progressão referencial, menciona os
principais tipos de estratégias de progressão referencial: “a) uso de
pronomes ou elipses; b) usos de expressões nominais definidas; c) uso de
expressões nominais indefinidas”. O uso dessas estratégias é responsável
pela construção dos referentes discursivos, pois, além de proporcionar uma
organização estrutural, desenvolve também a temática do texto.

Cavalcante (2004) propõe uma classificação para os processos


referenciais. Em sua proposta, ela os separa em anáforas correferências e não
correferências. No primeiro grupo, abrigam-se as anáforas diretas, chamadas
correferências (ACo), que retomam o referente cotextualmente. Elas podem
ser recategorizadoras ou não. No segundo grupo, as anáforas não
correferências também denominadas de indiretas (AI). São chamadas
60
recategorizadoras aquelas que atribuem novos significados ao referente
retomado.

Vejamos um exemplo:

(2) Visitei a casa de minha tia. A mansão estava deslumbrante.


Mansão retoma casa e atribui-lhe novo significado. Ou seja, recategoriza-a.

As anáforas recategorizadoras, assim como as não-recategorizadoras,,


possuem âncora clara no cotexto. Cavalcante (2004) destaca quatro subtipos
desta categoria de anáfora:

a) por hiperonímia;
b) por expressão definida;
c) por nome genérico;
d) por pronome. Vejamos mais um exemplo ilustrativo do subtipo b.

(6) “SOBE CARLOS ALBERTO PARREIRA. O treinador tetracampeão


do mundo voltou ao comando da seleção brasileira.” (CAVALCANTE,
2004: 9)

O treinador tetracampeão do mundo retoma Carlos Alberto Parreira,


cuja âncora está no texto, e lhe atribui novo significado. Dessa vez,
nomeando-o com uma de suas “qualidades”. Pelo menos, a maioria dos
brasileiros sabe que ele foi campeão, quatro vezes, já que participou das
quatro copas em que a seleção do Brasil venceu.

Passemos ao segundo grupo de anáforas, as indiretas ou não


correferências. Conforme Cavalcante (2004:13), “as anáforas indiretas foram
acordadas na literatura como tendo duas características fundamentais,
porém não únicas: (i) a não correferencialidade e (ii) a introdução de um
referente novo sob o modo do conhecido”.

Na referenciação indireta, há pistas textuais que possibilitam ao co-


enunciador as inferências, ou seja, há sempre elementos de relação de
sentido entre o referente e a anáfora. Como lembra Koch (2002, p. 108),
“anáforas deste tipo desempenham um papel extremamente importante na
construção da coerência”.

As relações no processo que envolve as AIs é sempre mais complexo,


pois é necessário um esforço maior, por parte do interlocutor/co-enunciador,
para fazer a recuperação do referente, uma vez que a âncora não está
claramente explicitada no cotexto. Nesse processo, há necessidade de maior
grau de “cumplicidade” entre os interlocutores, eles precisam ter um nível de
partilhamento de informações bem acentuado para obter o sentido pleno da
informação. Confirmemos com um exemplo extraído de Cavalcante
(2004:14).

(7) Decifra-me ou te mato

61
“Essa é a radicalidade do consumismo. Viver é satisfazer imediatamente
os desejos. Suzane Richthofen disse que, ajudada pelo namorado, matou por
amor. O pai, um engenheiro, e a mãe, uma psiquiatra, não gostavam do
namorado e estariam inviabilizando a relação. Como não conseguiu a
autorização para manter o relacionamento e não queria fugir de casa - até
porque não sabia como iria assegurar o padrão de vida-, optou pelo
assassinato.” (Artigo de opinião – Gilberto Dimenstein).

Em (7), o leitor recupera o sentido da informação que é atribuído a


expressão a relação, porque cognitivamente detém o conhecimento de que
esta palavra pressupõe relação afetiva, amorosa, entre ela e o namorado, que
levou a jovem ao assassinato dos pais. Em resumo, as anáforas indiretas são,
pois, mecanismos importantes de construção da textualidade capazes,
inclusive, de proporcionar situações comunicativas de criatividade e beleza
nas formas de expressão textual.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para maior aprofundamento no assunto, leia o artigo REFERIR E
ARGUMENTAR: DUAS FUNÇÕES DOS PROCESSOS DE
REFERENCIAÇÃO INDIRETA NO TWITTER, de Jaqueline Barreto
Lé, disponível no site: http://www.hipertextus.net/volume5/Jaqueline-
Barreto-Le.pdf [2] (Visite a aula online para realizar download deste
arquivo.)

A DÊIXIS
A dêixis designa o conjunto de palavras ou expressões (expressões
dêiticas) que têm como função ‘apontar’ para o contexto situacional ou
textual. Deste modo, essas palavras ou expressões, ao serem utilizadas num
discurso, adquirem um novo significado, uma vez que o seu referente
depende do contexto ou do cotexto. Em outras palavras, a dêixis pode ser
definida como o conjunto de processos linguísticos que permitem inscrever
nos enunciados as marcas da sua enunciação, que é única e irrepetível.
Assim, assinalam o sujeito que enuncia (locutor), o sujeito a quem se dirige
(interlocutor), o tempo e o espaço da enunciação.

O sujeito da enunciação/coenunciador é o ponto central a partir de


quem se estabelecem todas as coordenadas do contexto enunciativo: eu - é
aquele que diz eu no momento em que fala; tu é a pessoa, o interlocutor, a
quem o eu se dirige; agora é o momento em que o eu fala; aqui é o lugar em
que o eu se encontra, isto é, um objeto que se encontra perto do eu. Os
tempos verbais indicam um tempo anterior, simultâneo ou posterior ao
momento da enunciação (ex.: escrevi, escrevo, escreverei).

Com efeito, é o sistema de coordenadas referenciais


(EU/TU—AQUI—AGORA) da enunciação que possibilita a atribuição de
sentidos referenciais. “A própria palavra dêixis, pelo seu sentido etimológico,
está associada ao gesto de “apontar”.
(http://apoioptg.blogspot.com/2007/06/deixis.html) [3]

62
Como vimos, há vários tipos de dêixis. Para conhecer mais sobre esses
tipos, vejamos o artigo que se encontra no link: CAVALCANTE, M. M.
Dêiticos discursivos. Disponível em
http://www.revistadeletras.ufc.br/rl22Art06.pdf. [4] (Visite a aula online
para realizar download deste arquivo.) Acesso em 23/10/2011.

REFERÊNCIAS

APOTHÉLOZ, D. Rôle et fonctionnement de l'anaphore dans la


dynamique textuelle.

Neuchâtel. Tese, 1995. (Doutorado) Université de Neuchâtel. p. 18-


43.

CAVALCANTE, M. M.; BRITO, Mariza A. (Orgs.). Gêneros textuais e


referenciação. Fortaleza: Quatro Comunicação, 2004, CD-Rom, 21p.

_____ . Dêiticos discursivos. Disponível em


http://www.revistadeletras.ufc.br/rl22Art06.pdf [5] (Visite a aula
online para realizar download deste arquivo.)Acesso em
23/10/2011.

KOCH, I. G. Desvendando os segredos do texto. São Paulo, Cortez.


2002.

_____. Introdução à lingüística. São Paulo: Contexto, 2004.

_____, I. G.; MARCUSCHI, Luiz. A. Processos de referenciação na


produção discursiva. DELTA, 14, nº Especial, p. 169-190, 1998.

LÉ, Jaqueline Barreto. Referir e argumentar: duas funções dos


processos de referenciação indireta do twitter.Disponível
emhttp://www.hipertextus.net/volume5/Jaqueline-Barreto-Le.pdf.
[6] (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)
Acesso em 16/10/11.

LIMA, T. S. Construção de cadeias referenciais em narrativas


escritas por alunos da 8ª série do ensino fundamental. Belo
Horizonte, 2004. Dissertação (Mestrado em Lingüística). Programa
de Pós-Graduação em Estudos Lingüísticos. Universidade Federal
de Minas Gerais.

MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construction des objets de discours et


catégorisation: une approche des processus de référenciation. In:
TRANEL (Travaux neuchâtelois de linguistique). 1995, 23, 273-302.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=401120)
2. http://www.hipertextus.net/volume5/Jaqueline-Barreto-Le.pdf
3. http://apoioptg.blogspot.com/2007/06/deixis.html
4. http://www.revistadeletras.ufc.br/rl22Art06.pdf
5. http://www.revistadeletras.ufc.br/rl22Art06.pdf
6. http://www.hipertextus.net/volume5/Jaqueline-Barreto-Le.pdf

63
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 04: LINGUÍSTICA DE TEXTO / PSICOLINGUÍSTICA

TÓPICO 04: PSICOLINGUÍSTICA

O PROCESSAMENTO DA LINGUAGEM
A Psicolinguística é um ramo da Linguística que se interessa em analisar
o processamento da linguagem oral e escrita e os fatores que afetam a
decodificação, isto é, as estruturas psicológicas que nos capacitam a entender
expressões, palavras, orações e textos.

Para entendermos um pouco melhor como ocorre esse processamento


da linguagem, precisamos nos remeter a duas áreas de nosso cérebro: as
áreas de Broca e de Wernick.

VERSÃO TEXTUAL

A intersubjetividade humana se realiza através de cada ato de


enunicação, de modo que o processo de interação verbal passa a ser
considerado como uma realidade fundamental da língua.

O interlocutor não é mais um polo inerte do processo de


comunicação, mas um sujeito ativo que lida com signos linguísticos
vivos, dinâmicos, que vão se modificando na interação. O outro passa a
ser considerado no processo de constituição do significado, o que
obriga a considerarmos o ato de enunciação em um contexto mais
amplo, revelando as relações entre o linguístico social.

A Área de Broca é a parte do cérebro humano responsável pelo


processamento da linguagem, produção da fala e compreensão. Possui este
nome em homenagem ao médico francês Paul Broca.

A Área de Wernicke é uma região do cérebro humano responsável


pelo conhecimento, interpretação e associação das informações. Graves
danos nessa área podem fazer com que uma pessoa que escuta perfeitamente
e reconhece bem as palavras seja incapaz de agrupá-las para formar um
pensamento coerente. A área recebe o nome em homenagem a Karl
Wernicke, neurologista e psiquiatra alemão.

64
A descoberta dessas áreas foi, sem dúvida alguma, um grande marco
para os estudos sobre onde ocorrem o processamento e a compreensão da
linguagem. No entanto, sobre o modo como isso ocorre temos várias teorias,
as chamadas teorias de aquisição da linguagem. A seguir, veremos as
principais.

BEHAVIORISMO OU COMPORTAMENTALISMO
Teoria desenvolvida pelo Psicólogo norte-americano B. F. Skinner que
encara o processo de aquisição da linguagem como um acúmulo de
comportamentos verbais. Ou seja, a linguagem seria um tipo de
comportamento adquirido pela experiência, em decorrência da exposição ao
meio e da utilização de mecanismos comportamentais como estímulo,
resposta e reforço.

Principal hipótese: a linguagem é um tipo de comportamento


adquirido pela experiência, em decorrência da exposição ao meio e da
utilização de mecanismos comportamentais como estímulo, resposta e
reforço.

A aquisição da linguagem: resultado de uma construção gradativa


operada pela criança que ocorre primordialmente pela imitação da produção
verbal do adulto.

Estímulo reforço
resposta

Na escola: Os comportamentalistas afirmam que a pessoa que cuida da


criança, o professor, por exemplo, deve modelar as formas adultas corretas e
fazer uso do reforço e da recompensa para corrigir as produções imitativas
delas. Através de estímulos, respostas e reforços (que podem se manifestar
de forma positiva ou negativa), ocorre a maturação do comportamento
verbal, ou seja, por esse processo, a criança torna-se madura como usuária
da língua.

Principais objeções:
1. Não explica como as crianças produzem sentenças nunca ouvidas antes;
2. O processo de aquisição ocorre de forma muito rápida.

INATISMO
A proposta inatista, também conhecida como gerativista, surgiu em
1957, com a publicação de um artigo do linguista norte-americano N.
Chomsky, que criticava o modelo behaviorista vigente na época.

O principal argumento do inatismo contra o comportamentalismo é a


afirmação de que a linguagem infantil não é uma imitaçãoda linguagem do
adulto, pois existem expressões linguísticas na fala da criança que não se
verificam na fala dos adultos. Sendo assim, as crianças possuem suas
próprias regras de fala, e, à medida que interagem com o ambiente
linguístico que as cerca, adaptam sua fala às regras da língua-alvo que
precisam desenvolver.

65
Principal hipótese: a criança nasce com uma capacidade inata para
a linguagem e esta capacidade é exclusiva do ser humano.

A aquisição da linguagem ocorre em dois momentos: no primeiro


momento, a criança já nasce biologicamente (geneticamente) equipada com
uma gramática que possui todas as regras possíveis de todas as línguas. No
entanto, ao nascer, a criança realiza operações mentais que transformam a
gramática universal na gramática da língua a que está exposta.

Em meio a esse processo, há o chamado “Período crítico de aquisição da


linguagem”, momento em que o cérebro infantil está dotado de uma
extraordinária plasticidade especificamente para a atividade cognitiva de
adquirir uma ou mais línguas naturais. Esse período pode se estender até por
volta dos sete anos de idade. Isso ocorre porque a criança possui um
Dispositivo de Aquisição da Linguagem (DAL) capaz de gerar a
gramática da língua na qual ela está imersa

A proposta inatista é, portanto, mentalista. Isto é, a linguagem está


radicada, em última instância, na mente humana.

Para explicar o segundo momento da aquisição da linguagem, Chomsky


formulou a Teoria de Princípios e Parâmetros.

Segundo essa teoria, o ser humano adquire uma língua natural porque
ele vem equipado, no estágio inicial, com uma gramática universal, dotada
de princípiosuniversais pertencentes à faculdade da linguagem e de
parâmetrosfixados pela experiência, ou seja, pelo contato com a língua
materna.

Veja as comparações entre os dois momentos para a aquisição da linguagem:

66
Assim, de acordo com Chomsky, a linguagem está atrelada às
características biológicas e cognitivas inerentes à espécie humana, o que
reafirma seu caráter universal.

O CONSTRUTIVISMO COGNITIVISTA
O postulado central das ideias de Piaget sobre aquisição da linguagem é
que o conhecimento não pode ser concebido como algo predeterminado
desde o nascimento (inatismo), nem como resultado do simples registro de
percepções do meio exterior (empirismo). O conhecimento da criança resulta
das ações e interaçõesdo sujeito com o ambiente onde vive. Para ele, todo
conhecimento se constrói e se elabora desde a infância, por meio de
interações com os objetos que o indivíduo procura conhecer, no ambiente em
que se encontra.

Principal hipótese: o desenvolvimento linguístico da criança é


determinado por seu desenvolvimento cognitivo.

A aquisição da linguagem depende, assim, do


desenvolvimento da inteligência na criança, que ocorre em
estágios.. Em outras palavras, a linguagem surge mediante a superação do
estágio de desenvolvimento cognitivo conhecido como sensório-motor,
que ocorre por volta dos 18 meses. Nesse estágio, ocorre o desenvolvimento
da função simbólica (um significante é relacionado a um objeto significado) e
da representação (a experiência pode ser cognitivamente armazenada e
recuperada pela criança). Após superar esse estágio a criança entra em outro
estágio chamado de pré-operacional, cujas características principais
são:

• “A Revolução coperniciana”: a criança percebe que não é mais o centro


das coisas;

• O desenvolvimento da função simbólica . O desenvolvimento da


função simbólica (um significante é relacionado a um objeto significado)
e darepresentação(a experiência pode ser cognitivamente armazenada
e recuperada pela criança).

O outro estágio da aquisição da linguagem é o das operações


concretas, no qual há na criança o aparecimento da capacidade de

67
interiorizar as ações, ou seja, ela começa a realizar operações mentalmente e
não mais apenas através de situações concretas.

Por fim, temos o Estágio das operações formais, no qual a criança,


ampliando as capacidades conquistadas anteriormente, consegue raciocinar
sobre hipóteses na medida em que é capaz de formar conceitos abstratos e
por meio deles realizar operações mentais dentro dos princípios da lógica
formal. A aquisição da linguagem da criança desenvolve-se, então, a partir de
uma linha evolutiva, ou seja, à medida que a criança entra em contato com o
ambiente ela vai aprimorando, construindo seu conhecimento. Esta
construção dá-se em termos de:

Principal objeção: o pouco enfoque dado ao componente social.

Na escola: O sujeito ativo de que falamos é aquele que compara, exclui,


ordena, categoriza, classifica, reformula, comprova, formula hipóteses, etc.
em uma ação interiorizada (pensamento) ou em ação efetiva (segundo seu
grau de desenvolvimento). Alguém que esteja realizando algo materialmente,
porém seguindo um modelo dado por outro, para ser copiado, não é
habitualmente um sujeito intelectualmente ativo.

A escola deve partir dos esquemas de assimilação da criança,


propondo atividades desafiadoras que provoquem desequilíbrios e
reequilibrações sucessivas, promovendo a descoberta e a construção
do conhecimento.

O SÓCIO- INTERACIONISMO
A ideia central de Vygostsky sobre a aquisição da linguagem era que as
questões sociais são muito importantes para o desenvolvimento linguístico
da criança. Assim, enquanto Piaget parte da cognição para a socialização,
Vygostsky, por outro lado, parte da interação social para a
representação mental da linguagem.

A linguagem é, então, considerada pelo sócio-interacionismo como a


primeira forma de socialização da criança, e, na maioria das vezes, é efetuada
explicitamente pelos pais através de instruções verbais durante atividades
diárias, assim como através de histórias que expressam valores culturais. A
socialização através da linguagem pode ocorrer também de forma implícita,
por meio de participação em interações verbais que têm marcações sutis de
papéis e status. Desta forma, através da linguagem a criança tem acesso,
antes mesmo de aprender a falar, a valores, crenças e regras, adquirindo os
conhecimentos de sua cultura.

68
Principal hipótese: as origens das formas superiores de
comportamento consciente, como a linguagem, o pensamento e a memória
devem ser encontradas nas relações sociais que o homem mantém.

A aquisição da linguagem: o desenvolvimento da linguagem e do


pensamento tem origens sociais nas trocas comunicativas entre criança e
adulto. Tais trocas, a princípio construídas socialmente, sofreriam, por volta
dos dois anos de idade, um movimento de interiorização e representação
mental.

As transformações causadas por este movimento manifestam-se na


ZDP.

A proposta sócio-interacionista de Vygotsky teve influência marxista,


uma vez que o soviético acreditava que as origens das formas superiores de
comportamento estavam no inter-relacionamento do indivíduo com o
ambiente exterior; e humbolditiana, ao conceber que a linguagem tem o
duplo papel de mediar a relação do homem com sua história e a cognição
com o exterior.

Na escola: o professor deve intervir na aprendizagem do aluno a fim de


desenvolver a construção de conceitos.A formação de conceitos
espontâneos ou cotidianos desenvolvidos no decorrer das interações
sociais, diferencia-se dos conceitos científicos adquiridos pelo ensino,
parte de um sistema organizado de conhecimentos.

O aluno não é tão somente o sujeito da aprendizagem, mas, aquele


que aprende junto ao outro o que o seu grupo social produz, tal
como: valores, linguagem e o próprio conhecimento.

ATIVIDADE DE PORTFÓLIO
Procure comparar as teorias de aquisição da linguagem apresentadas
nessa aula e justifique, com argumentos, a que você considera mais
plausível.

REFERÊNCIAS

AIMARD, Paule. A Linguagem da criança. Porto Alegre:


Artmed, 1986.

CHOMSKY, Noam. Linguagem e mente. Brasília:


Universidade de Brasília, 1998.

MONTEIRO, Rosemeire Selma. Equacionando: alfabetização


e letramento. In: Anais do GELNE, 1998.

PIAGET, Jean. A linguagem e o pensamento da criança.


Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1973.

PIAGET, J. e GRECO, P. Aprendizagem e conhecimento.


São Paulo: Freitas Bastos, 1974.

69
SCARPA, Ester Mirian. Aquisição da linguagemIn:
MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Ana Cristina.Introdução à
lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001. v.2.

SKINNER, B. F. Ciência e Comportamento Humano. São


Paulo: Martins Fontes, 1980.

SOUZA, Solange Jobim e. Infância e Linguagem: Baktin,


Vygotsky e Benjamin. 6. ed. São Paulo: Papirus, 2001.

STENBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre:


Artmed, 2000.

VYGOTSKY, L. -A formação social da mente. SP: Martins


Fontes, 1987.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. 2. ed. São


Paulo: Martins Fontes, 1989.

WOOD, David. Como as crianças crescem e aprendem.


São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://www.adobe.com/go/getflashplayer

Responsável: Maria Silvana MIlitão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

70
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 05: ANÁLISE DO DISCURSO / SOCIOLINGUÍSTICA

TÓPICO 01: ANÁLISE DO DISCURSO – A COMPLEXIDADE DAS RELAÇÕES ENTRE SENTIDO E CONTEXTO

ANÁLISE DO DISCURSO
Os estudos da linguagem realizados hoje são de uma forma ou de outra,
tributários de Ferdinand de Saussure, sejam tomando o linguista suíço como
ponto de partida e assumindo os seus postulados, seja rejeitando esses
postulados. Alguns estudiosos, embora reconhecendo o valor da revolução
linguística empreendida por Saussure, logo questionaram a dicotomia língua
versus fala, na medida em que a exclusão da fala do campo dos estudos
linguísticos suscitava questões que o modelo de análise até então
desenvolvido não dava conta

Um desses estudiosos foi Mikhail Bakhtin, que fundamentou as suas


reflexões no princípio de que a língua é um fato social cuja existência se
funda das necessidades de comunicação. A língua deveria ser vista, então,
como algo concreto, fruto da manifestação individual de cada falante,
valorizando, assim, a fala. Formula, assim, uma teoria do enunciado, que
passa a ser objeto dos estudos da linguagem, assim como a situação de
enunciação, já que esta é componente necessário para a compreensão da
estrutura semântica de qualquer ato de comunicação verbal.

Fonte [1] VERSÃO TEXTUAL

A intersubjetividade humana se realiza através de cada ato de


enunicação, de modo que o processo de interação verbal passa a ser
considerado como uma realidade fundamental da língua.

O interlocutor não é mais um polo inerte do processo de


comunicação, mas um sujeito ativo que lida com signos linguísticos
vivos, dinâmicos, que vão se modificando na interação. O outro passa a
ser considerado no processo de constituição do significado, o que
obriga a considerarmos o ato de enunciação em um contexto mais
amplo, revelando as relações entre o linguístico social.

O reconhecimento de que a língua é constituída por estruturas formais e


por aspectos subjetivos e sociais provocou um deslocamento dos estudos
linguísticos, que passam a buscar uma compreensão de linguagem situada
numa instância que não é mais a língua ideologicamente neutra concebida
por Saussure, mas no nível do discurso. Considerar o discurso na análise
possibilita operacionalizar a ligação entre o linguístico e o extralinguístico,
num ponto de articulação entre os processos ideológicos e os fenômenos
linguísticos. Com efeito, o discurso é justamente esse ponto de articulação.

A linguagem considerada como discurso não se trata de um conjunto de


signos que é apenas um instrumento; é interação e uma forma de prática
social, além de ser o lugar de manifestação das ideologias, de modo que não é
neutra, nem inocente. É o elemento de mediação do homem e sua realidade,

71
não podendo ser estudada fora da sociedade, uma vez que é constituída por
processos histórico-sociais. A seguir, veremos alguns conceitos de grande
importância para os estudos do discurso.

ENUNCIADO
Compreender um enunciado não é, segundo Dominique Maingueneau
(2008), somente fazer referência a uma gramática e a um dicionário, mas, na
verdade, é mobilizar saberes advindos de fontes diversas, fazer hipóteses,
raciocinar, construindo, assim, um contexto que não é algo preestabelecido e
imutável. Não podemos falar de sentido de um enunciado fora de contexto,
pois, para que uma sequência verbal proferida (seja em modalidade escrita,
seja em modalidade oral) se torne um verdadeiro enunciado, precisamos
entender que ela se constitui em um lugar e um momento específicos, por
um sujeito que se dirige a um ou vários sujeitos.

O enunciado tem valor pragmático, pretende instituir uma relação do


enunciador com o seu destinatário (enunciatário). O enunciador demonstra,
de uma maneira ou de outra, o ato que pretende realizar por intermédio de
sua enunciação. Podemos, então, representar o circuito da enunciação assim:

Maingueneau (2008) aponta três tipos de contextos que podem fornecer


elementos necessários para a interpretação dos enunciados, quais sejam:

VERSÃO TEXTUAL

◾ O ambiente físico da enunciação, ou contexto situacional:


valendo-nos do contexto situacional, podemos interpretar unidades
linguísticas como “esse lugar”, o presente do verbo, “eu” ou “você” etc.
◾ O cotexto: são as sequências verbais encontradas antes ou depois da
unidade a ser interpretada. Há os enunciados autônomos como “É proibido
fumar”, mas também, e principalmente, há enunciados que são fragmentos
de uma totalidade mais ampla, como trechos de textos, de modo que
precisamos conhecer o seu cotexto, ou seja, as unidades que os precedem,
para compreender a relação de uma dada unidade em relação à outra do
mesmo texto.
◾ Os saberes anteriores à enunciação: trata-se do conhecimento de
mundo que possuímos e a que podemos recorrer para compreender
determinados elementos de um texto.

É preciso assinalar que não há, a priori, uma única interpretação


possível para um enunciado, uma vez que o contexto particular a cada
enunciação é o que vai determinar quais informações são necessárias para
interpretá-lo. Desse modo, reforça-se o caráter ativo do enunciatário no
processo enunciativo, já que ele precisa fazer operar no enunciado e recorrer
a inúmeros saberes para atribuir significação ao que é veiculado pela
linguagem.

DESAFIO

72
Os enunciados “É proibido fumar” e “Espaço reservado a não
fumantes” parecem ter, a priori, a mesma interpretação, mas, na verdade,
vinculam conteúdos distintos. Analise em que termos se dá essa distinção.

IDEOLOGIA
A ideologia, segundo Brandão (2004), pode ser entendida em duas
perspectivas:

• Por uma concepção marxista, que apresenta a ideologia como o


mecanismo que leva ao escamoteamento da realidade social, apagando as
contradições que são inerentes a essa realidade. Preconiza então a existência
de um discurso ideológico que, utilizando-se de várias manobras, serve para
legitimar o poder de uma classe ou grupo social.

• Por um viés mais amplo, definida como concepção de mundo de uma


determinada comunidade social numa determinada circunstância histórica,
o que acarreta uma compreensão dos fenômenos da linguagem e da ideologia
como estreitamente vinculados e mutuamente necessários. Nesse sentido,
não há um discurso ideológico; com efeito, todos os discursos são
ideológicos.

O entendimento do que é ideologia se faz necessário para os estudos


discursivos na medida em que a linguagem é uma via por meio da qual se
pode depreender o funcionamento da ideologia.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para entender melhor como o conceito de Ideologia passa a ter
extrema importância na Análise do Discurso, leia o texto “Análise do
discurso e os pontos de encontro tecidos na convergência das teorias”.
(Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

DIALOGISMO
Considerando o signo linguístico e a enunciação como de ordem social e
história, suas existências se devem justamente pelas necessidades de
interação entre os indivíduos e o modo como eles se relacionam com o
mundo. Nesse sentido, as diferenças de classe, por exemplo, encontram
correspondência com as diferenças de registro linguístico, pois o signo é
também ideológico, seu sentido vai ser estabelecido a partir da interação
social.

VERSÃO TEXTUAL

A enunciação é carregada da fala do outro e a presença do


interlocutor, como participante ativo do discurso, é tão importante
quanto a presença do locutor, pois é em virtude da presença do
interlocutor que o locutor toma a palavra. Nenhum dizer se ancora
numa consciência individual, ele está imbricado da palavra do outro.
Àquilo que é dito é incorporado o dito de outrem, para ratificar,
reiterar, reformular ou opor.

73
Esse caráter responsivo da linguagem, impregnado da palavra do outro,
constitui o dialogismo na linguagem. O diálogo se torna um eixo importante
das preocupações dos estudos discursivos, porque passa a considerar, então,
a fala como processo de apropriação de sentidos e dizeres de outrem. Uma
vez que as palavras não são neutras e nelas encontramos inscritas as
ideologias, encontramos também as posições dos outros, de modo que a
enunciação de cada falante contém os pontos de vistas de discursos
anteriores e influenciará, por conseqüência, discursos posteriores. Podemos
encontrar, num mesmo discurso, vozes de sujeitos diferentes, explicitadas ou
não.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para aprofundar o entendimento sobre Dialogismo, leia o texto
“Dialogismo e enunciação: elementos para uma epistemologia da
linguística”. (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

INTERDISCURSIVIDADE
Maingueneau afirma que a unidade de análise da Análise do Discurso
não é o discurso, mas o espaço de troca entre vários discursos. Podemos
entender, então, que os discursos teriam a sua identidade estruturada a
partir da relação interdiscursiva e não independentemente uns dos outros
para depois serem colocados em relação.

Nesse sentido, um discurso nunca seria autônomo, na medida em que


ele remete sempre a outros discursos e suas possibilidades de significação se
concretizariam num espaço de trocas, não como identidade fechada. A
impossibilidade de separar a interação dos discursos do funcionamento
intradiscursivo decorre do caráter dialógico de todo enunciado. O analista do
discurso deve apreender, assim, a interação entre os discursos, uma vez que
a identidade discursiva se constroi na relação com o outro presente
linguisticamente ou não.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para compreender a diferença entre Interdiscursividade e
Intertextualidade, leia o texto “Interdiscursividade e Intertextualidade:
Vestígios na Literatura e na Publicidade”. (Visite a aula online para
realizar download deste arquivo.)

DESAFIO
Analise o enunciado “A formação do Planeta Terra se deve ao Big
Bang e não à criação divina” no tocante às relações entre discursos
diversos que são construídas.

ATIVIDADE DE PORTFÓLIO

74
Analise o quadrinho a seguir levando em consideração a expressão
linguística e o seu contexto de produção e veiculação, o público a quem se
dirige e a conjuntura sócio-histórica na qual a sua emergência é possível.

Redija um texto relacionando esses aspectos ao efeito humorístico


obtido.

REFERÊNCIAS

BRANDÃO, H. H. N. Introdução à análise do discurso. 2ª ed.


Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

GUIMARÃES, I. A. O dialogismo: uma perspectiva marxista da


linguagem. In:

ZANDWAIS, A. Mikhail Bakhtin: contribuição para a filosofia da


linguagem e estudos discursivos. Porto Alegre: Editora Sagra
Luzzatto, 2005. p. 148-156.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 5ª ed.


São Paulo: Cortez, 2008

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.avl.uzh.ch/studies/archive/hs09/VLsasse/bakhtine.jpg
2. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
3. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
4. http://www.adobe.com/go/getflashplayer

Responsável: Maria Silvana MIlitão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

75
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 05: ANÁLISE DO DISCURSO / SOCIOLINGUÍSTICA

TÓPICO 02: AS VÁRIAS VERTENTES DA ANÁLISE DO DISCURSO

Embora o termo ANÁLISE DO DISCURSO (AD) possa conduzir ao entendimento


de que se trata de uma disciplina única, na qual todos os pesquisadores se debruçam
sobre as mesmas questões, tal concepção não pode ser mais ilusória. Por
considerar as relações entre linguagem, sujeitos e contextos, e por essas
relações serem as mais variadas possíveis, também existem as mais variadas
análises do discurso, a depender da perspectiva que o analista assume.
Trataremos de algumas vertentes da AD, a seguir.

ANÁLISE DO DISCURSO DE LINHA FRANCESA


A Análise do Discurso de linha francesa teve origem na década de 60, a
partir das preocupações de vários autores, mais proeminentemente Michel
Pêcheux, que se questionaram acerca da relação entre marxismo, política e
linguagem, inscrevendo o projeto da AD em um objetivo político, no qual a
Linguística ofereceria os meios para abordar a política (MUSSALIM, 2001).

VERSÃO TEXTUAL

Para Pêcheux, a AD exigiu uma ruptura com a linguística


saussureana, ao colocar o estudo do discurso em um terreno no qual as
questões teóricas são relativas à ideologia e ao sujeito, não mais a uma
língua tomada por si mesma, sem relação com as condições sociais que
a tornam possível. Esse autor propôs uma semântica do discurso,
concebida como um lugar onde convergem componentes linguísticos e
socioideológicos, pois as condições sócio-históricas de produção de um
discurso são constitutivas de sua significação. A AD francesa nesse
momento concebe, então, o discurso como uma manifestação da
ideologia decorrente da organização dos modos de produção social.

A AD de linha francesa, em outra ruptura com a linguística


estruturalista, também insere o sujeito no bojo da teoria, a partir do Outro de
Lacan, o que acarreta no entendimento de que o sujeito do discurso não pode
ser considerado como aquele que decide sobre os sentidos e as possibilidades
enunciativas do próprio discurso, mas como aquele que ocupa um lugar
social e a partir dele enuncia, inserido no processo histórico que lhe permite
dizer determinadas coisas e outras, não.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para entender a relação entre a definição de sujeito de Lacan e a
Análise do Discurso de linha francesa, leia o texto “Psicanálises e análise
do discurso: interlocuções possíveis e necessárias”. (Visite a aula online
para realizar download deste arquivo.)

Se podemos nos referir a “várias análises do discurso”, também


podemos afirmar que existem várias “análises do discurso de linha francesa”,

76
já que ela passou por várias fases, na medida em que formulava e
reformulava seu procedimento de análise e seu objeto de estudo ao longo do
tempo. As fases podem ser descritas da seguinte forma:

• AD1: o discurso é uma máquina autodeterminada sobre si mesma, de tal


modo que um sujeito-estrutura determina os sujeitos como produtores de
seus discursos; os sujeitos acreditam que produzem os seus discursos,
quando na verdade são assujeitados ao discurso. A proposta metodológica
era o estabelecimento de um corpus fechado de sequências discursivas
selecionadas num espaço discursivo fechado, dominado por condições de
produção estáveis e homogêneas.

• AD2: caracterizada pela introdução do conceito de formação discursiva,


implodindo a noção de máquina estrutural fechada da fase anterior. O
estabelecimento do corpus se dá de modo a se observarem as interinfluências
entre duas formações distintas.

Uma formação discursiva é um conjunto de regras anônimas, históricas,


sempre determinadas no tempo e no espaço, que definiriam em uma época
dada, e para uma área social, econômica, geográfica ou linguística dada, as
condições de exercício da função enunciativa.

(FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. São Paulo: Loyola, 1996)

• AD3: há a definitiva desconstrução da noção de maquinaria discursiva.


Adota-se a perspectiva segundo a qual os diversos discursos que atravessam
uma Formação Discursiva não se constituem independentemente uns dos
outros para, em seguida, serem postos em relação, mas se formam de
maneira regulada no interior de um interdiscurso. O objeto de análise passa
a ser o interdiscurso (Cf. Tópico 3, item d).

Costa (2005) defende a emergência de uma quarta fase para a Análise


do Discurso francesa. Tal fase seria caracterizada, sumariamente, por uma
concepção de sujeito relativamente assujeitado. Os graus de assujeitamento
dependeriam das diversas instâncias da sociedade, por uma
interdisciplinaridade constitutiva, o estudo do discurso deve ser conjugado a
outras disciplinas como a antropologia, a comunicação, a sociologia etc, pela
preferência por uma análise qualitativa e interpretativa dos fatos discursivos
e pela concepção de discurso como forma de intervenção no mundo..

ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO
A Análise da Conversação consiste numa abordagem discursiva que teve
origem na década de 60 (assim como a AD francesa), ligada aos estudos
sociológicos. Segundo Dionísio (2001), a maior preocupação da AC é
compreender o modo pelo qual a linguagem é estruturada para favorecer a
comunicação, reconhecendo que a conversação nos diz algo sobre a natureza
da língua como fonte para se fazer a vida social.

Assim, os analistas devem ser sensíveis aos fenômenos interacionais,


observando detalhes e conexões estruturais existentes no processo interativo.
A estrutura conversacional pode ser focalizada em três níveis:

77
Macronível: estuda as fases conversacionais, que são a abertura, o
fechamento e a parte central e o tema central e subtemas da conversação.

Nível médio: investiga o turno conversacional, a tomada de turnos, a


sequência conversacional, os atos de fala e os marcadores
conversacionais.

Micronível: analisa os elementos internos do ato de fala, que


constituem sua estrutura sintática, lexical, fonológica e prosódica.

Dionísio (2001) assevera que a conversa espontânea se constroi a cada


intervenção dos interlocutores, de modo que a elaboração e a produção
ocorrem simultaneamente, no mesmo eixo temporal. As contribuições dos
falantes devem demonstrar uma relação com o curso da conversa, pois a
conversação é uma atividade semântica, um processo de produção de
sentidos altamente estruturado e funcionalmente motivado.

A compreensão, na interação verbal face a face, resulta de um processo


conjunto dos interlocutores em atividades colaborativas – não
necessariamente caracterizadas pela concordância – e coordenadas de co-
produção de sentido e não de uma simples interpretação semântica de
enunciados proferidos.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para a compreensão de como é feito o tratamento e a análise de
conversações, leia o texto “Análise de conversação em uma entrevista:
interação entre falantes”. (Visite a aula online para realizar download
deste arquivo.)

ANÁLISE SEMIOLINGUÍSTICA DO DISCURSO


A perspectiva Semiolinguística da Análise do Discurso tem Patrick
Charaudeau (2010) como nome proeminente. Embora tenha origem
francesa, ela se afasta da AD francesa por ter um viés fundamentalmente
pragmático, negando, sobretudo, a concepção de um sujeito assujeitado, ao
postular que o sujeito tem o domínio das regras e das estratégias para que a
comunicação possa se processar.

A abordagem semiolinguística constitui-se no cotejo e na integração de


abordagens linguísticas e semióticas que, a princípio, seriam antinomias
inconciliáveis, quais sejam:

Em relação ao Objeto de estudo:

- A linguagem como um objeto transparente


- A linguagem como um objeto não transparente

Em relação ao Método:

- Atividade de abstração
- Atividade de elucidação

Em relação ao Conhecimento:

78
- Objetivo é procurar saber do que fala a linguagem: qual é o mundo que se
encontra já organizado por trás da linguagem?
- O objetivo é procurar saber como fala a linguagem: como a significação é
significada?

A perspectiva semiolinguística integra esses entendimentos na medida


em que concebe a linguagem como marcada pelo selo da discordância e da
concordância. O ato de linguagem não pode ser concebido de outra forma
que não um conjunto de atos significadores que falam o mundo através das
condições e da própria instância de sua transmissão.

Para o campo semiolinguístico:


a) O Objeto é do que fala a linguagem através do como fala a linguagem,
um constituindo o outro, numa relação processual, não de
anterioridade/posterioridade.
b) O Método deverá então ser duplo: deve elucidar o como e abstratizar o
do quê.

Desse modo, a análise semiolinguística é Semiótica por se interessar


por um objeto que só se constitui numa intertextualidade, que, por sua vez,
depende dos sujeitos da linguagem. Também é Linguística porque o
instrumento que utiliza para interrogar esse objeto é construído ao fim de
um trabalho de conceituação estrutural dos atos linguageiros.

SOCIOCOGNITIVISMO
Promovendo uma ruptura com as ciências cognitivas clássicas, que
trabalham com uma distinção estanque entre os processos cognitivos que
acontecem dentro da mente dos indivíduos e os que acontecem fora da
mente, o Sociocognitivismo parte da compreensão de que existem muitos
processos cognitivos que acontecem na sociedade e não exclusivamente nos
indivíduos (KOCH; CUNHA-LIMA, 2004).

No entanto, não é simples determinar o ponto em que a cognição está


dentro ou fora das mentes, o que existe, na verdade, é uma inter-relação
complexa entre essas duas instâncias. Para explicar como as pessoas
conhecem e lidam com os processos culturais é preciso compreender a
dinâmica pela qual as soluções são coletivamente estabelecidas e
modificadas pelos indivíduos na história de suas interações.

EXEMPLO
Uma criança que trabalha vendendo bombons na rua consegue, com
muita velocidade, realizar cálculos matemáticos relativamente complexos
e não consegue realizar os mesmos cálculos na escola. Como explicar essa
diferença de desempenho?

Em cada evento linguístico, os interactantes tomam como base para as


suas decisões um conjunto de conhecimentos e experiências comuns que
balizam esses atos, o background. Esses conhecimentos têm três origens
principais:

79
• A comunidade da qual os sujeitos fazem parte;

• Os conhecimentos que se supõem partilhados;

• Os laços em comum construídos pelos membros da comunidade,


além das experiências compartilhadas.

O conhecimento compartilhado constitui-se de tudo o que os falantes


disseram e todos os elementos do contexto. Está sempre em movimento
dinâmico, incluindo cada experiência compartilhada e cada troca linguística
como novo conhecimento partilhado. Na base desse conhecimento
compartilhado está o reconhecimento do outro como um ente intencional
parecido com o Eu, com quem é possível interagir e cujos estados emocionais
são paralelos aos do Eu.

(KOCH; CUNHA-LIMA, 2004)

Desse modo, para o Sociocognitivismo toma a interação como base da


atividade linguística, bem como o compartilhamento de conhecimentos e de
atenção. Os eventos linguísticos são atos que se faz com os outros,
conjuntamente, envolvendo, portanto, mais de um indivíduo para a sua
realização, o que exige a coordenação desses indivíduos.

Nessa breve introdução ao Sociocognitivismo, julgamos importante também


ressaltar a importância dos participantes das ações. Em todos os tipos de
ações conjuntas existem pessoas que podem tomar parte do evento,
enquanto outras serão excluídas. Os papeis dos participantes podem ser de
dois tipos:

VERSÃO TEXTUAL

• Simétricos: com um leque de iniciativas e atitudes semelhantes


para todos os participantes;

• Assimétricos: quando cada participante tem um papel a


desempenhar

Não é suficiente, no entanto, ver a linguagem como ação conjunta, tão


somente. É preciso abordá-la como ação social. As relações sociais complexas
autorizam e desautorizam os falantes a produzirem certos sentidos, na
medida em que distribuem desigualmente o poder para estabelecer qual
interpretação do dito deve ser autorizada. Nesse sentido, o contexto passa a
englobar dimensões como situação de enunciação, recursos extralinguísticos,
conhecimentos de mundo compartilhados entre os participantes e a situação
que ultrapassa o evento local.

ANÁLISE DE DISCURSO CRÍTICA


A Análise de Discurso Crítica (ADC), também conhecida como Análise
de Discurso anglo-saxã (para se contrapor à abordagem francesa) é uma
abordagem transdisciplinar da linguagem na vida social que se situa na
interface entre a Ciência Social Crítica e a Linguística Sistêmico-Funcional.
Autores como Norman Fairclough e Ruth Wodak defendem que a

80
transdisciplinaridade é necessária a abordagens que investigam o uso da
linguagem em sociedade, pois não há uma relação externa entre linguagem e
sociedade, mas uma relação interna e, sobretudo, dialética, na medida em
que um constitui o outro. O rompimento das fronteiras disciplinares traria à
Linguística a ancoragem em perspectivas teóricas acerca da estrutura e da
ação sociais, e propiciaria para as Ciências Sociais um arcabouço para análise
textual.

A ADC propõe uma articulação entre as macrofunções de M. A. K.


Halliday e os conceitos de gênero, discurso e estilo (RESENDE; RAMALHO,
2006), sugerindo, no lugar das funções da linguagem, três principais tipos de
significado:

• O significado acional: focaliza o texto como modo de (inter)ação em


eventos sociais, aproxima-se da função relacional pois a ação legitima/
questiona relações sociais

• O significado representacional: o significado representacional enfatiza a


representação de aspectos do mundo – físico, mental, social – em textos

• O significado identificacional: refere-se à construção e à negociação de


identidades no discurso, relacionando-se à função identitária

Para a ADC, a linguagem é parte irredutível da vida social,


dialeticamente interconectada a outros elementos sociais. A proposta
pretende mapear relações entre os recursos linguísticos utilizados por atores
sociais e aspectos da rede de práticas sociais em que a interação discursiva se
situa. Para atingir tal objetivo, as análises discursivas críticas não
consideram, portanto, textos como objetos de investigação isolados, uma vez
que eles devem ser analisados em consonâncias com as práticas sociais que
representam e pelas quais são representados. É nesse momento que ocorre a
articulação com os pressupostos da Ciência Social Crítica, uma vez que esta
proveria um arcabouço teórico para a compreensão da vida social como
constituída de práticas e redes de práticas.

LEITURA COMPLEMENTAR
Para entender como os estudos do discurso no Brasil têm se
desenvolvido, leia o texto “O quadro atual da Análise de Discurso no
Brasil”. (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.)

REFERÊNCIAS

CHARAUDEAU, P. Linguagem e discurso: modos de


organização. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

COSTA, N. B. O primado da prática: uma quarta época para a


análise do discurso. In: COSTA, N. B. (Org.). Práticas
discursivas: exercícios analíticos. São Paulo: Pontes, 2005. p. 17-
48.

81
DIONÍSIO, A. P. Análise da conversação. In: MUSSALIM, F.;
BENTES, A. C. Introdução à linguística: domínios e fronteiras.
v. 2. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 69-100.

KOCH, I. V.; CUNHA-LIMA, M. L. Do cognitivismo ao


sociocognitivismo. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Orgs.).
Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São
Paulo: Cortez, 2004. p. 251-300.

MUSSALIM, F. Análise do discurso. In: MUSSALIM, F.; BENTES,


A. C. (Orgs.).Introdução à linguística: domínios e fronteiras. v.
2. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 101-142.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica.


São Paulo: Contexto, 2006.

FONTES DAS IMAGENS


1. http://www.adobe.com/go/getflashplayer
2. http://www.adobe.com/go/getflashplayer

Responsável: Maria Silvana MIlitão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

82
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 05: ANÁLISE DO DISCURSO / SOCIOLINGUÍSTICA

TÓPICO 03: SOCIOLINGUÍSTICA

PRESSUPOSTOS BÁSICOS
A Sociolinguística surge na década de 1960, a partir da proposta de
Weinreich; William Labov; Herzog (1968), com o objetivo de desenvolver
uma teoria que pudesse descrever a língua e seus determinantes sociais e
linguísticos, bem como produzir uma teoria da mudança que acomodasse o
uso variável da língua.

Para a Sociolinguística há nas línguas uma variação sistemática


motivada por pressões sociais que continuamente operam sobre a língua,
não devendo, pois, ser estudada fora do contexto social (LABOV,
1972;1994;2001).

Nessa perspectiva, é na heterogeneidade refletida através do


desempenho que se deve buscar estrutura, sistema e funcionamento da
língua, bem como tentar explicar o efetivo funcionamento dos sistemas
linguísticos em momentos de mudança. Para tal, estuda a língua do
indivíduo na comunidade em situação de fala real.

Para essa corrente da Linguística são princípios básicos para o estudo da


língua:
(i) deixar de identificar estrutura linguística com homogeneidade e conceber
como opção racional a possibilidade de descrever ordenadamente a
diferenciação numa língua que serve à comunidade.
(ii) entender que as gramáticas nas quais uma mudança linguística ocorre
representam gramáticas de comunidade de fala.

Essa abordagem concebe a língua como instrumento de


comunicação (a língua efetivamente em uso ) usada por falantes da
comunidade, num sistema de associações comumente aceito entre formas
arbitrárias e seus significados.

Interessa à Sociolinguística a variação e a mudança por que passam as


línguas. Nesse sentido, esse campo de investigação busca explicar o processo
de mudança linguística em função de diversos fatores, assim subdivididos:

– Fatores linguísticos que são referentes às variáveis internas à língua. Em


outras palavras, procura entender de que maneira aspectos fonológicos,
morfológicos, morfossintáticos e sintático-semânticos atuam para que a
variação e a mudança linguística ocorram.

– Fatores sociais que são variáveis relacionadas ao falante como sexo, idade,
grau de escolaridade, classe social, entre outras.

Para Labov (1994, p. 09), essas fatores atuam de maneira probabilística


na variação da língua, sendo possível revelar quais ambientes linguísticos
influenciam regularmente a frequência de uma variante ou outra, e quais

83
contextos linguísticos e/ou sociais são mais relevantes no fenômeno
observado.

Podemos enquadrar a Sociolinguística Quantitativa no paradigma da


linguística funcional (cf. FIGUEROA, 1996). Vejamos algumas definições de
Sociolinguística:

• A. A Sociolinguística é o estudo da língua em relação à sociedade


(HUDSON, 1980, p.01);

• B. A Sociolinguística visa a relacionar o uso da língua a padrões sociais


ou estruturas de vários tipos (ROMAINE, 1982, p.01);

• C. A Sociolinguística é aquela parte da Linguística envolvida com a


língua enquanto fenômeno social e cultural (TRUDGILL, 1974, p32);

• D. A Sociolinguística é o estudo da língua como um fenômeno social


(SVEJCER; NIKOL’SKIJ, 1986, p.01);

• E. A Sociolinguística é o estudo das características das variedades


linguísticas, das características de suas funções e das características de
seus falantes e de como esses três interagem e mudam numa comunidade
(FISHMAN, 1971, p.04).

Em linhas gerais, a Sociolinguística tem como principio o estudo da


língua vernacular efetivamente em uso.

FÓRUM
Discuta com seus colegas e com seu (sua) tutor(a) a questão da
variação linguística no português brasileiro.

FONTES DAS IMAGENS

Responsável: Maria Silvana MIlitão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

84
INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA
AULA 05:ANÁLISE DO DISCURSO / SOCIOLINGUÍSTICA

TÓPICO 04: ANÁLISES DE FENÔMENOS VARIÁVEIS

A língua falada dispõe de duas ou mais formas variantes que podem ser
usadas pelo falante sem grandes alterações na mensagem transmitida: Na
fonologia, (Ex.: peixe/pexe; homem/home;menino/minino
(monotongação) ) Na morfologia, (Ex.: pego/pegado (particípios duplos);
umas casinhas bonitinhas/umas casinhaÆ bonitinha Æ (concordância
nominal de número). ) Na sintaxe (Ex.: apareceram três homens/três
homens apareceram (ordem verbo- sujeito ou sujeito-verbo); Ele
chegou/chegou (o uso ou não do pronome sujeito). )

Isso pressupõe que, na língua, variantes podem estar em competição,


isto é frequentemente existirão formas linguísticas em variação, isto é,
formas que coocorrem (quando duas formas estão sendo usadas com certa
equivalência, numa determinada sincronias).

A análise sociolinguística está orientada para as variações sistemáticas,


inerentes ao seu objeto de estudo. Não existe, portanto, um caos linguístico,
cujo processamento, análise e sistematização sejam impossíveis de serem
processados. Há, pelo contrário, um sistema (uma organização) por trás da
heterogeneidade da língua falada.

Existem condições ou regras que obrigam o falante a usar certas formas


(a casa) e não outras (casa a), essas condições ou regras funcionam para
favorecer ou desfavorecer, variavelmente o uso de uma ou outra das formas
em cada contexto. Nesses casos, aplica-se uma regra variável. As regras
variáveis representam, portanto, os fatos linguísticos que a linguística
estruturalista e a gerativa representariam por meio de regras opcionais ou
categóricas (LABOV, 1972b).

Entende-se por regra variável o efeito da ação simultânea de vários


fatores. As formas em variação recebem o nome de "variantes linguísticas".
Para Tarallo (1986, p. 08) "variantes linguísticas são diversas maneiras de se
dizer a mesma coisa em um mesmo contexto e com o mesmo valor de
verdade. A um conjunto de variantes dá-se o nome de variável linguística". A
variável linguística é o fenômeno que se objetiva estudar. Como exemplo
variável linguística, podemos citar a aplicação da regra de concordância
nominal, as variantes seriam então as formas que estão em competição: a
presença ou a ausência da regra de concordância nominal. O uso de uma ou
outra variante é influenciado por fatores linguísticos (estruturais) ou sociais
(extralinguísticos).

Veja os exemplos de variação de concordância nominal de número,


retirados de banco de dados de língua falada:

COM MARCA FORMAL OU EXPLÍCITA DE PLURAL:

(1) em todos os elementos do SN


“...como falam os professores, o segundo grau é o primeiro passo para
entrar na universidade...” (HBC, m,s,j).

85
“... são tantos os lugare, eu vou dizer...” (EBC, f,s,v).
“... tinha aqueles carros alegóricos ...” (EBC, f,s,v).
“... principalmente a parte física dOs jogadores...” (FP, m,u,j).

(2) em alguns dos elementos do SN:


“... todos os dia a minha vida...” (JS,m,n,a).
“... minha mãe é aquela mãezona, ela faz tudo que eu quero, minha comida
(...) essas coisa toda assim (EEL,m,s,a).
“... umas entrevistas muito boa ” (RCRA,f,u,v).

Como é possível observar, nos exemplos acima, a concordância é tratada


como um fenômeno variável em que a marca de plural pode aparecer em
todos os elementos do sintagma nominal, como pode aparecer em apenas
alguns elementos, sem perda da marca de pluralidade.

Para os sociolinguistas, existirão, nas comunidades de fala,


frequentemente, formas linguísticas em variação. Interessa à Sociolinguística
estudar, analisar, descrever a língua como um fenômeno dinâmico, variável,
heterogêneo. Em geral, os estudos são realizados com base em corpora
coletados em situações de fala semi-espontâneas, buscando o vernáculo.

Está implícito nesta abordagem que todos os falantes têm a "mesma


gramática" com relação ao processo de escolha sob estudo. Em outras
palavras, os falantes diferem somente na tendência geral de optar por A em
vez de ~A, conforme refletido na diferença entre efeitos de fatores
individuais.

• A variação é um fenômeno natural nas línguas.

• As regras variáveis da língua são motivadas por diversos fatores.

• O funcionamento do sistema linguístico se constitui da tensão de


forças internas e externas à língua em uso.

• A comunicação entre falantes se dá com base em um sistema


linguístico variado que atualiza estratégias linguísticas diversas, dinâmicas
em usos efetivos de linguagem.

PARADA OBRIGATÓRIA
Procure, em dicionários, o significado de língua vernácula.

REFERÊNCIAS

FIGUEROA, E. Sociolinguistic metatheory. Oxford: Pergamon,


1996.

FISHMAN, J. A. Sociolinguistics: a brief introduction. Rowley


Mass: Newbury House, 1971.

HUDSON, R. A. Sociolinguistics. Cambridge: Cambridge


University Press, 1980.

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of


Pennsylvania Press, 1972.

86
LABOV, W. Principles of linguistic change: internal factors. v.
1. Oxford: Blackwell, 1994.

LABOV, W. Principles of linguistics change: Social factors.


Malden, Massachussets-USA:Blackwell, 2001.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola,


2008.

NARO, Anthony J. Modelos quantitativos e tratamento estatístico.


In: MOLLICA, M. C. (Org.) INTRODUÇÃO À SOCIOLINGÜÍSTICA
VARIACIONISTA. 2. ed. Cadernos Didáticos UFRJ. Rio de
Janeiro,1994.

ROMAINE, S. Sociolinguistic variation in speech


communities. London: Edward Arnold, 1982.

TRUDGILL,P. Sociolinguistics: an introduction to language and


society. Harmondsworth: Peguin Books, 1974.

SVEJCER, A.; NIKOL’SKIJ, L.B. Introduction to


Sociolinguistics. Philadelphia: John Benjamins, 1986.

WEINREICH, Uriel, LABOV, William ; HERZOG, Marvin.


Empirical foundations for a theory of language change. In:
LEHMANN, W. e MALKIEL, Y. (eds.) Directions for historical
linguistics. Austin: University of Texas Press, 1968.

TARALLO, Fernando. A PESQUISA SOCIOLINGÜÍSTICA. São Paulo:


Ática, 1986.

FONTES DAS IMAGENS

Responsável: Maria Silvana MIlitão


Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

87