Você está na página 1de 8

tm 1P INTERATIVA

/ código da Prova: 17256600498


Curso: Serviço Social
'- "n ~'Ta1111r'.'i;.--.=-.r ..-,..-.,... .,....y.
Merca TeXIO Secagem r•plda
••
valendo 10,0J p& ,Q
t - Y uesroes ôDJetlVaS -
Gerada em : 11/12/2017 18:20:00
. -- ----...
~Modo de prova: Exame; \
...._ .....- - - - - - 1

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - ( t 1 --------------·-•9'.- --·-----~ -------------

Questões de múltipla escolha


I'I
, Disciplina: 536930 - Comunicação e Expressão
=
Questão 1: leia o texto a seguir: v

Conversinha Mineira
-
_ Ê bom mesmo o cafezinho daqui, meu amigo?
Fernando Sabino

l _,
-
_ Sei dizer não senhor: não tomo café.
_ Você é dono do café, não sabe dizer?
_ Ninguém tem reclamado dele não senhor.
_ Então me dá café com leite, pão e manteiga.
Café com leite só se for sem leite.
_ Não tem leite?
_ Hoje, não senhor. )
_ Porque hoje não?
_ Porque hoJe o leiteiro não veio.
Ontem ele veio?
_ Ontem não.
_ Quando é que ele vem?
_ Tem dia certo não senhor. Às vezes vem, às vezes, não vem. Só que no dia que devia vir em geral não vem.
Mas ali fora está escrito "Leiteria"!
Ah , isso está, sim senhor.

(... )

Escuta uma coisa: como é que vai indo a política aqui na sua cidade?
- Sei dizer não senhor: eu não sou daqui.
- E há quanto tempo o senhor mora aqui?
= Vai para uns quinze anos. Isto é, não posso agarantir com certeza: um pouco mais, um pouco menos.
Já dava para saber como vai indo a situação, não acha?
- Ah, o senhor fala da situação? Dizem que vai bem.
- Para que Partido?
- Para todos os Partidos, parece.
=
Eu gostaria de saber quem é que vai ganhar a eleição aqui.
Eu também gostaria. Uns falam que é um, outros falam que outro. Nessa mexida ...
- E o Prefeito?
=
Que é que tem o Prefeito?
Que tal o Prefeito daqui?
- O Prefeito? Ê tal e qual eles falam dele.
- Que é que falam dele?
=Dele? Uai, esse trem todo que falam de tudo quanto é Prefeito.
_ Você, certamente, já tem candidato.
_ Quem, eu? Estou esperando as plataformas.
Mas tem ali o retrato de um candidato dependurado na parede, que história é essa?
= Aonde, ali? Ué, gente penduraram isso ai.
m: A Mulher do Vizinho. Rio de Janeiro: Sabiá, 1962, p. 144 (com adaptações).

Pod~-se afirm~r, com base no texto l'Conversinha Mineira", de Fernando Sabino, que o dono da leiteria se
encaixa perfeitamente na expressão "como bom mineiro que é... " pois respondeu a quase todas as
perguntas de modo: '

A) Provocante.
B) Desonesto.
-à Obl~tivo.
-, Evasivo
E) O ensIvo.

Questão 2: Leia o texto a seguir:

Conversinha Mineira

Fernando Sabino

_ É bom mesmo o cafezinho daqui, meu amigo?


_ Sei dizer não senhor: não tomo café.
_ Você é dono do café, não sabe dizer?
_ Ninguém tem reclamado dele não senhor.
_ Então me dá café com leite, pão e manteiga.
_ Café com leite só se for sem leite.
_ Não tem leite?
_ Hoje, não senhor.
_ Por que hoje não?
_ Porque hoje o leiteiro não veio.
_ Ontem ele veio?
_ Ontem não.
_ Quando é que ele vem?
_ Tem dia certo não senhor. As vezes vem, às vezes, não vem. Só que no dia que devia vir em geral não vem.
_ Mas ali fora está escrito "Leiteria"!
_ Ah, isso está, sim senhor.

(... )

_ Escuta uma coisa: como é que vai indo a política aqui na sua cidade?
_ Sei dizer não senhor: eu não sou daqui.
_ E há quanto tempo o senhor mora aqui?
_ Vai para uns quinze anos. Isto é, não posso agarantir com certeza: um pouco mais, um pouco menos.
_ Já dava para saber como vai indo a situação, não acha?
_ Ah, o senhor fala da situação? Dizem que vai bem.
_ Para que Partido?
Para todos os Partidos, parece.
= Eu gostaria de saber quem é que vai ganhar a eleição aqui.
_ Eu também gostaria. Uns falam que é um, outros falam que outro. Nessa mexida ...
/

E o Prefeito?
- Que é que tem o Prefeito?
- Que tal o Prefeito daqui?
- O Prefeito? É tal e qual eles falam dele.
- Que é que falam dele?
= Dele? Uai, esse trem todo que falam de tudo quanto é Prefeito. /
_ Você, certamente, já tem candidato.
Quem, eu? Estou esperando as plataformas.
- Mas tem ali o retrato de um candidato dependurado na parede, que história é essa?
= Aonde, ali? Uê, gente: penduraram isso aí. ..
ln: A Mulher do Vizinho. Rio de Janeiro: Sabiá, 1962, p. 144 (com adaptações).

Em relação à linguagem do texto, podemos afirmar que:

A) A diferença de linguagem entre os interlocutores se dá por serem de diferentes países.


B) A linguagem do dono da leiteria denuncia sua ignorância e sua falta de estudo.
C). A diferença de linguagem entre os interlocutores não os impede dE:_ estabelecer um diálogo.
D) A linguagem de ambos é inadequada para a situação em que se encontral11) v 1

j
, A diferença de linguagem do dono da leiteria é encarada com preconceito pelo freguês.

Questão 3: Leia o fragmento da pesquisa, realizada por Tania Maas, as afirmações sobre ele, e assinale a
alternativa correta.

Estresse é definido por Smeltzer e Bare (1998, p. 93) como "um estado produzido por uma mudança no ambiente
que é percebido como desafiador, ameaçador ou perigoso para o balanço ou equilíbrio dinâmico da pessoa". Há um
desequilíbrio real ou percebido na capacidade da pessoa de atender às demandas da nova situação. Nesse caso, o
estressar é o que gera a mudança, a doença crônica e as sucessivas hospitalizações.

-(D No tocante à intertextualidade, há referência explícita de outro texto por meio de aspas. t/ . .
- 11 - No tocante à intertextualidade, verifica-se a presença de outro texto, mas não ocorre referência explícita a esse
outro texto.
Ili - No tocante à intertextualidade, há referência explícita a outro texto cuja ideia é refutada por Maas.

~ A) A enas~ ~ ...._
- Apenas a I e li são verdadeiras.
C) Apenas a Ili é verdadeira.
D) Apenas a li e Ili são verdadeiras.
E~Todas as afirmativas são verdadeiras.r

Questão 4: Assinale a alternativa em que não ocorre a linguagem metafórica:


.,::..-,-, --- .w=
A)
Gf'A~OES A~fAS IIE Pl<!:S[QJA{AC) NO llPAS•l

MATA AlUNTl(A

~O[lt';.JA RlNll OEOXIG(N!O FON'1t Ili V0105!/!

B)

C)
\I
Qv~RIPA
f~fAVA
iARA1'0,
v~PRf:I
VM
8 1-0QVINHOJ

D)
LAVÔ, FNXUGÔ, TÁ NOVA!
"

/
r
r'.,,,,..

. ,.

.'. .
(
'

Questão 5: Na interpretação de texto, o leitor faz um conjunto de suposições. Assim, baseado em nossos
Aeres
,, ' qual
. alternativa sugere m
· formaçoes
- adequadas ao texto a seguir,
· da série
· "Pode ·imaginar.
· Aqu1·
.-ém , do site de vendas Submarino?

"7heu (
0
1
6.1
b .~. • de pul~o toco~ Ainda zonzo pelas doses de (2) \1 ( ' ,· 4..Q...,, da noite anterior, Luís abriu os
enº;· ~ ~ ar_ulho do (3) ...._, ' 1 Y elétrico ligado vindo do banheird. Opa, acho que me dei bem ontem,
1
P ou.,.. ou as P~ças de (4) f · e espalhadas pelo chão. Que' corpinho é esse, pensou. Viu os (5)
( )
7
de pingente, delicados.' Que orelhinha é essa, pensou. Viu o (6) r "âe barbear.. peraí,
dent d b . de barbear?! Que pernão é esse? pensou. De repente, o (8) ,__, tocou De
ro O anhe1ro, uma voz grossa disse· "Atende pra mim, garanhão".

-à ,.-~ (1) relógio, (2) remédio, (3) barbeador, (4) roupas, (5) brincos, (6) aparelho, (7) aparelho, (8) celular
• 1 ,BJ( 1) relógio, (2) uísque, (3) chuveiro, (4) roupas, (5) brincos, (6) aparelho, (7) aparelho, (8) celular. • J 1

C) (1) relógio, (2) uísque, (3) chuveiro, (4) roupas, (5) brincos, (6) aparelho, (7) aparelho, (8) relógio.
D) (1) relóg!º· (2) v!nho, (3) chuve1ro, (4) coisas, (5) anel, (6) aparelho, (7) aparelho, (8) celular. /
E) (1) rel6910, (2) vinho, (3) chuveiro, (4) coisas, (5) brinco, (6) aparelho, (7) aparelho, (8) celular. _ _ _ /

Questão 6: O operador de ~ grifado no texto abaixo pode ser substituído por qual outro do mesmo
sentido?

Em algum lugar do Oriente, onde o clima é ameno t não são necessárias muitas roupas, havia um homem que
resolveu desistir de todas as questões materiais l retirou-se para a floresta, onde construiu uma cho para morar.

A) mas.
B ~
:i:) 7ã~~-í!1, ✓
) que.
E) até mesmo.X

Questão 7: No primeiro quadrinho, o garoto diz que não se ·casaria com a menina da tira a m!nos que ela
fosse a última garota na Terra.( De acordo com a continuidade da conversa entre eles, NAO podemos
considerar:

,d~
:,
~
,t

A) A expressão "a menos que" tem sentido oposto de "se".


B) A menina sabe o significado dos termos "a menos que" e "se".
C' A fala final deixa implícita a possibilidade de casamento entre ambos.
. ,QJ_ A menina não fica ofendida com a resposta (do 1° quadrinho) do garoto.
~ o termo "esperança", no último quadrinho, torna o texto incoerente, porque não tem ligação com o restante da ,
.., , /r,istóna. - .5»
\

--
Questão 8: A intertextualidade é a presença de um texto dentro de outro texto. No texto de Reinaldo
Azevedo, há referência a outro texto. Veja:

À moda concretista
-
~ -

PT
cueca
,,
f'T
eca
peteca
te
peca
cloaca

Qual dos textos a se · .


gu,r serviu de base para Reinaldo Azevedo?
A) presente
passado
futuro
outrora
depois
ago
ra
amanM
ontem
hoje

antes
após
ora

temp
ote
mp
o
8)
~ •.!'ti Ui'"-" Ul~ >\ • ;'~ t
9 )~ :i.i:r.o !,~"'.-0 ~~
~n::e 4y:r....~ ~~/1,/L:,,,O,
/J"l;;~ ~ "'.:, f;Z0
P.ff~ ~!'--.."'- f.,.\JY.!
~,•-!E~ UZ:9 1!..l~Jl.:' j
! )f,'.,;;1}~1~ IM~ MIH MT.f~
7.ff.~u·~ :Lfffl5 i..,i_'I((!' 1:.-nl'~
!'fl:@!,~JI:'f' "{,"P.ff!) !e:T.Q t>l1'~

beba coca cola


babe colo
J
beba coca
babe cola caco
c aco
co la
cloaca
Artigo 6
Ílagtf•gc
queq~qucqt1t fu.ociooa
fm,idingc
qutquéquequt funciona
finpf~
queque fUQ(ioua
ÍIAg,tfttag.
<Jt••que luneiona
fing.f•sc qucq~q~que
fingdinge funciona
quc-quequcquc: funciona
tingdins..- qutquequeque funciona
ting,efin~ queque fünciooa
tingcfme,t-ftngdingt quequc- funciona
fin~f.mgcfm,:cfuiae qutqueque~ ÍUCKiooa
fingefütgef~fmge qu~quequeque funeiooa
D)
E)

DESTINO
SEM SEMPRE
!SCIDIIIJIIII'
VIDA, ENTRE
OSoaos
NADA
PODEMOS
FAZE:R
TÃOVB.OZ t
SQIMD,\H
otlOI PUM?

NÃO
SABEMOS

Questão 9: Segundo~ n~ "Numa situação de caráter informal, \como num bate-papo descontraído
entre amigos, é 'certo', isto é, é adequado que se utilize a líOgua <Te maneira espontânea, em seu nível
coloquial, portanto. Já numa situação formal, como num discurso de formatura, por exemplo, não seria ,
'certo', isto é, não seria adequado utilizar-se a língua em sua forma coloquial. Tal situação exige não l
somente uma vestimenta, mas também ·uma linguagem adequada". Conclui-se, diante do ex osto ue a
cada situação comunicativa é necessário selêcionar um uso da língua portuguesa ssma e a alternativa que f3/
~~ essa necessidade de adequa~ líng~ ~de~rmin~da situação;) l.../ - - ~

A) Seu doutor, o patuá é o seguinte: depois de um gelo da coitadinha, resolvi esquiar e caçar outra cabrocha.
Plantado como um poste na quebrada da rua, veio uma pára-queda se abrindo. Eu dei a dica, ela bolou .. .chutei.
B) " Cara progenitora, gostaria de lhe solicitar que por obséquio trouxesse-me o produto final da ordenha de um
íferó ruminante, conhecido como vaca" 7
erente: - Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo? ~~
Cliente: - Estou interessado em financiamen!2._para compra de ve[çuJ;),.... /1
- D} Sou seu 1?ai,.E9I_~so p~rdoar-lhe-ei. - O pai em conversa com o filho.r' -;,
E) Então d1sse o professor em aula: "A gente já tá cheio de tanta corrupção."

Questão 10: Leia os textos 1 e 2 e assinale a alternativa que expressa a relação estabelecida entre eles.

Texto 1: Canção do exílio - Gonçalves Dias (poeta do século XIX)


~ha terra tem palme iras
Onde canta o Sabiá· ' Em cismar, sozinho à noite Mima terra tempal~ 1ras,
~ aves, ~e aqui g~rjeiam , Mi isprazer eu enco~tro lá· ' Onde canta o Sabiá.
Nao gorJe1am amolá Mnha terra tem palmeiras.' Não permita Deus que eu rm rra ,
Nosso cé~ tem mais estrelas, On oo ca nta o Sa b1á Sem que euvote para lá;
Nossas VclZeas têm mais flores Mnha terratem primores . Sem que d1sfrtle os pnmores
Nossos bosques têm mais vida , Oueta 1s ná o encontro eu eá Que não encontro por cá.
Nossa vida mais amcres. ' Em cisma r-sozinho à no1t~ Sem qu'inda aviste as palmeira s,
Mi 1s prazer eu enco~tro lá; Onde canta o Sabiá.

Texto 2: Hino Nacional (P


arte 11) - 1906 - Joaquim Osório Duque Estrada
De1taoo eternamen~ emberço
esplêndido , "Nossa vida" no teu seio•mais Nem ~me,quem te adora, aprópria
amores " morte /
kJ somoo mar e àluz do céu ÓPátria amada, Terraadorada,
profundo,
1dolalrada, Entre outras mil,
Fu~uras,óBrasil, fü r~ da .Aménca, Sahrel Sa~e! És tu, fras,I,
lummadoao soIdoNovo Mmdo! Brasi, de amor eteroo sejasimbok> óPátria amada!
Doque aterra, mais garrida, Olábaroque ostertas estr~ado, Dos filhos deste so k> és máegentil,
Teusrisontms, ln dos campostêm mais Ediga overde-louro dessa flâmula Pátriaamada,
fbres, - 'Paznoíutlloe~árianopassado " Brasil!
"Nossos oosques têmmais vida", Mas, se ergues da justiça adava forte ,
Verás que umfilho teu nãofoge à luta,

A) Relação de distanciamento, pois o primeiro é poema, pertencente à área da ficçao, e o segundo é símbolo
nacional.
8) Relação de distanciamento, pois, apesar de ambos os textos terem o mesmo formato (versos e estrofes), não
existe ideia em comum entre eles.
C) Relação de proximidade, uma vez que o texto 1 recorreu ao texto 2 e copiou os trechos "Nossos bosques têm
~ mais vida, Nossa vida mais amores". -- . -
, ~ eT~çãõ de el ox_!ml~a9e,_p_
~ qüe- ambos os !éXtÓs v~orizam Q país ~_há_t_~e~ho do_te~to 1 c_opiado no texto 2. ~ J
E) Relação decorrente cfa nac1onafiãa'àe, ou seja, ambos os textos são brasileiros.