Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE ANHANGUERA

CURSO DE DIREITO

TEMA: METODOLOGIA CIENTÍFICA

Professor: Marcos Favero


Aluna: Andrea Américo
Curso: Direito Noturno - 2º Semestre
ANALISE CRITICA DO SENSO COMUM

Crenças sobre Obesidade

Estudo, recentemente publicado na Revista da Associação Médica


Brasileira, revela que determinadas visões de alguns médicos, não
especialistas em obesidade, podem contribuir de forma negativa para o
tratamento da doença. Tudo isso devido ao preconceito de que obesos são
preguiçosos, desmotivados e sem controle.

Desenvolvido na Universidade do Porto, em Portugal, o estudo (“Crenças e


práticas dos profissionais de saúde face à obesidade: uma revisão
sistemática”) investigou os índices de falta de conhecimento e competência
ligados a esse problema, que vem crescendo de maneira alarmante nas
últimas três décadas.

Escrito por Filipa Valente Teixeira, José Luis Pais-Ribeiro e Ângela Rosa
Pinho da Costa Maia, doutores em psicologia, os pesquisadores notaram que a
maioria dos médicos, como os de clínica geral e da família, encara a obesidade
como uma questão de saúde pública, que, independentemente do sexo dos
doentes, deve ser abordado.

No entanto, consideram a existência de profissionais que não interpretam a


obesidade como patologia e a relacionam ao comportamento individual,
responsabilizando o obeso pelo excesso de peso.

Os fatores psíquicos da obesidade

Segal acredita que, de todos os fatores envolvidos na obesidade, os


psicológicos e psiquiátricos possuem maior relevância, não tanto pelo seu
papel etiológico e de prognóstico, mas sim por seu papel histórico. Nas
primeiras seis décadas do século XX, a obesidade era entendida como
resultante de déficits morais e/ou problemas psíquicos.

Os indivíduos obesos eram vistos como os únicos culpados pela sua


condição, ou seja, são gordos por que são incapazes de se controlar 16. Além
disso, eram percebidos como tendo baixa autoestima, limitações intelectuais,
mau funcionamento mental, tais como excesso de ansiedade e covardia (por
utilizarem a gordura para se esconder), e egoístas por comerem mais do que
os outros indivíduos36. Os obesos são assim considerados transgressores, ou
seja, violam constantemente as regras e normas sociais sobre o comer e a
comida

Discussão
O enfrentamento da obesidade pelo poder público no Brasil foi historicamente
vinculado ao setor saúde e recentemente vem sendo reconfigurado a partir de
novas abordagens protagonizadas por instâncias do SISAN. Destacam-se
inflexões ao longo dessa trajetória. A primeira refere-se ao contexto em que a
subnutrição e a fome eram o principal foco de intervenção, dando lugar a um
crescente reconhecimento, principalmente a partir dos anos 1990, da
obesidade como problema prioritário de saúde pública, justificado por estudos
epidemiológicos que indicavam aumento expressivo da sua prevalência e
associação com DCNT (Doenças Crônicas Não Transmissíveis). Essa
abordagem é fundamental para o enfrentamento de um problema que, de fato,
se particulariza e se concretiza no indivíduo. No entanto, tem favorecido
intervenções biomédicas tradicionalmente restritas à dimensão biológica e
focadas no tratamento de uma doença já instalada que, por si só, não têm sido
efetivas na redução de sua prevalência. Consultas individuais ou em grupo,
cirurgia bariátrica, intervenções medicamentosas, mesmo que pudessem ser
massificadas, não seriam suficientes para afetar os principais condicionantes
do problema. A cirurgia bariátrica, por exemplo, é específica para um tipo de
obesidade, que não é a mais prevalente e pode ocasionar complicações
relevantes. Além disso, a adesão ao tratamento individualizado é baixa, em
grande medida porque os indivíduos continuam sendo submetidos às mesmas
pressões ambientais que concorrem de forma desigual com a motivação
pessoal para modificar práticas alimentares e comportamentais. Portanto,
medidas individuais exigem um esforço maior do que é possível operar frente
ao ambiente obeso gênico. Ademais, muitas vezes, consultas e ações
educativas são fortemente prescritivas e não favorecem uma transformação
sustentável de práticas saudáveis. Ações sobre o ambiente podem criar
oportunidades para que os indivíduos adotem práticas mais saudáveis além de
facilitar sua adesão aos processos terapêuticos. Portanto, não cabe polarizar o
debate em torno de medidas individuais e ambientais, e sim compreender a
complexidade e os desafios para o enfrentamento do problema. Se, em
alguma medida, a concepção da obesidade como doença pode ter favorecido
intervenções mais individualizadas, isso não significa que a abordagem
biomédica não seja importante, inclusive, para subsidiar políticas públicas. Os
estudos que indicam os efeitos biológicos do consumo de alimentos ultra
processados vêm subsidiando o debate sobre medidas regulatórias, como
ocorreu no caso do controle do tabaco.

REFERÊNCIAS DE ARGUMENTOS CIENTIFICOS


Correspondência P. C. Dias Universidade Federal Fluminense. Rua
Mário Santos Braga 30, Niterói, RJ 24020-141, Brasil. diaspc2@gmail.com 1
Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.
 Departamento de Nutrição da Faculdade de Ciências da Saúde da
Universidade de Brasília (FS/ UnB) e a Área Técnica de Alimentação e
Nutrição do Departamento de Atenção Básica da Secretaria de Política de
Saúde do Ministério da Saúde (DAB/SPS/MS), Obesidade e desnutrição,
Brasília; 2006. Disponível em:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/obesidade_desnutricao.pdf .
REVISTA DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA
Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282