Você está na página 1de 7

O funcionalismo estrutural

O Funcionalismo é um controverso ramo da antropologia e das ciências sociais. Uma


doutrina que pretende explicar aspectos da sociedade em termo de funções realizadas ou
suas consequências para sociedade como um todo. Funcionalismo (do Latin fungere,
‘desempenhar’)

Segundo as teses de Talcott Parsons, a sociedade e a respectiva cultura formam um


sistema integrado de funções. Ao mesmo tempo que ocorria o choque da revolução
behaviorista, desenrolava-se, nos domínios da ciência política, o processo de recepção
das idéias de função, estrutura e de sistema, principalmente a partir das teorias gerais da
antropologia e da sociologia.

Nas ciências sociais, especificamente na sociologia e na antropologia sociocultural, o


funcionalismo (também chamado análise funcional) é uma filosofia sociológica que
originalmente tentava explicar as instituições sociais como meios coletivos de satisfazer
necessidades biológicas individuais. Mais tarde se concentrou nas maneiras como as
instituições sociais satisfazem necessidades sociais, especialmente a solidariedade
social. O funcionalismo é associado com Émile Durkheim e mais recentemente com
Talcott Parsons. Visto que a análise funcional estuda as contribuições feitas pelo
fenômeno sociocultural para os sistemas socioculturais dos quais fazem parte, muitos
funcionalistas argumentam que instituições sociais são funcionalmente integradas para
formar um sistema estável e que uma mudança em uma instituição irá precipitar uma
mudança em outras instituições; expressas por Durkheim e outros como uma analogia
orgânica. O funcionalismo, nascendo como uma alternativa a explicações históricas, foi
uma das primeiras teorias antropológicas do século XX, até ser superada pela análise
estruturo-funcional ou estrutural-funcionalismo.

O estruturo-funcionalismo tem a visão de que a sociedade é constituída por partes (por


exemplo: polícia, hospitais, escolas e fazendas), cada uma com suas próprias funções e
trabalhando em conjunto para promover a estabilidade social. O estruturo-
funcionalismo foi a perspectiva dominante de antropologistas culturais e sociólogos
rurais entre a II Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã. Juntamente com a teoria do
conflito e o interacionismo funcionalismo é uma das três principais tradições
sociológicas.

Uma função social é, "a contribuição feita por qualquer fenômeno a um sistema maior
do que o que o fenômeno faz parte" (Hoult 1969: 139) . Esse uso técnico não é o mesmo
da idéia popular de função como um "evento/ocasião" ou uma obrigação,
responsabilidade, ou profissão. Uma distinção, primeiramente feita por Robert K.
Merton, é feita entre funções evidentes e funções latentes (Marshall 1994: 190-1) e
também entre funções com efeitos positivos (funcionais ou positivamente funcionais) e
negativos (disfuncionais) (Hoult 1969: 139). "Qualquer enunciado que descreva uma
instituição como sendo 'funcional' ou 'disfuncional' para os homens[sic] pode ser
prontamente traduzido sem perda de significado para um que se diz 'recompensadora' ou
'punitiva'." (Homans 1962:33-4)

Alternativa funcional (também chamada equivalente funcional ou substituto funcional)


indica que, "assim como o mesmo ítem pode ter múltiplas funções, a mesma função
também pode ser diversamente representada por ítens alternativos." (Merton 1957: 33-
4) O conceito pode servir como um antídoto para "as suposições injustificadas da
indispensabilidade funcional de estruturas sociais particulares." (ibid: 52)

Nos anos 60, o funcionalismo era criticado por ser incapaz de se responsabilizar por
mudanças sociais ou contradições estruturais e conflito e dessa maneira frequentemente
chamada teoria do consenso. No entanto, Durkheim usou uma forma radical de
socialismo corporativo juntamente com explicações funcionalistas, o Marxismo
reconhece hellison contradições sociais e utiliza explicações funcionais, e a teoria
evolucionária de Parsons descreve os sistemas e subsistemas de diferenciação e
reintegração desse modo causando menos conflito temporário ante a reintegração (ibid).
"O fato da análise funcional poder ser vista por alguns como de natureza conservadora e
por outros como de natureza radical sugere que ela pode ser nem uma nem
outra."(Merton 1957: 39)

Críticos mais fortes incluem o argumento epistemológico que diz que o funcionalismo
tenta descrever instituições sociais apenas através de seus efeitos e assim não explica a
causa desses efeitos, ou coisa alguma, e o argumento ontológico que a sociedade não
pode ter "necessidades" como os seres humanos, e até que se a sociedade tem
necessidades elas não precisam ser satisfeitas. Anthony Giddens argumenta que
explicações funcionalistas podem todas ser reescritas como descrições históricas de
ações e consequências humanas individuais. (ibid)

Anterior aos movimentos sociais dos anos 60, o funcionalismo foi a visão dominante no
pensamento sociológico; depois daquele tempo a teoria de conflito desafiou a sociedade
corrente, defendida pela teoria funcionalista. Conforme alguns opositores, a teoria
funcionalista sustenta que conflito e disputa pelo status quo é danosa à sociedade,
tendendo a ser a visão proeminente entre os pensadores conservadores.

Jeffrey Alexander (1985) enxerga o funcionalismo como uma ampla escola e não como
um método ou sistema específico, como o de Parson, que é capaz de tomar o equilíbrio
(estabilidade) como ponto de referência ao invés de suposição e trata a diferenciação
estrutural como principal forma de mudança social. "O nome 'funcionalismo' implica
uma diferença no método ou interpretação que não existe." (Davis 1967: 401). Isso
remove o determinismo criticado acima. Cohen argumenta que mais do que
necessidades, a sociedade tem fatos tendenciais: característica do ambiente social que
sustenta a existência de instituições sociais particulares mas não as causa. (ibid)

Talcott Parsons (1902-1979) foi seguramente o sociólogo norte-americano mais


conhecido em todo o mundo. Em geral, seus críticos entenderam-no como um pensador
conservador, preocupado basicamente com o bom ordenamento da sociedade, sem ter
muita tolerância para com a desconformidade ou a dissidência dos que podiam
manifestar-se contra ela. Sua obsessão era determinar a função que os indivíduos
desempenhavam na estrutura social visando a excelência das coisas. Era um estudioso
da Estratificação Social não da mudança ou da transformação. Considera-se que a
concepção social dele tenha sido influenciada diretamente pelo antropólogo Bronislaw
Malinowski, um funcionalista (*), fortemente marcado pela biologia, daí verem em
Parsons um admirador da organização de um formigueiro, no qual o papel dos
indivíduos (das operárias à rainha-mãe) esta devidamente pré-determinado e ordenado
em função da manutenção e aperfeiçoamento de um sistema maior.
O Dicionário de Ciências Sociais define o funcionalismo como: a perspectiva utilizada
para analisar a sociedade e seus componentes característicos enfocando a mutua
integração e interconexão deles. O funcionalismo analisa o caminho que o processo
social e os arranjos institucionais contribuem para a efetiva manutenção da estabilidade
da sociedade. A perspectiva fundamental é oposta às maiores mudanças sociais.

Ocorre que Parsons, que também foi tradutor da obra de Max Weber e seu difusor nos
Estados Unidos, foi contemporâneo das linhas de montagem, a Scientific Management,
o chamado Gerenciamento Científico, introduzidas por F.Taylor (1856-1915) e por
Henry Ford (1863-1947), cujas espantosas modificações no processo produtivo,
verdadeiramente revolucionárias, foram necessárias à produção em massa. A nova
maneira de produzir os manufaturados começou a ser adotada em larga escala a partir da
Primeira Guerra Mundial, difundindo-se de modo impressionante nos anos de 1920 por
boa parte do mundo. Pode-se então dizer que Talcott Parsons foi, antes de tudo, o
intelectual orgânico das novas técnicas produtivas adotadas pelas industrias: o
taylorismo e o fordismo.

Agindo então tal como se fora um capataz de fábrica ou um engenheiro de produção, ele
naturalmente via qualquer dissonância, crítica, protesto ou greve, como algo
perturbador, como um “desvio”, quando não uma expressão da patologia, que
atrapalhava o todo. Para ele o sistema, como qualquer outro corpo biológico, não só era
estável como buscava ser harmonioso, equânime e consensual, tendo manifestado
hostilidade à perturbações desencadeadas por ataques de “bacilos”. Desinteressando-se
dos aspectos da transformação social sua inclinação deu-se em favor do equilíbrio e do
consenso. Naturalmente que isso o posicionou a entender o indivíduo como expressão
das estruturas, as quais ele devia manter e preservar. Caso isso não ocorresse entravam
em ação os mecanismos do Controle Social (moral, ética, sistema jurídico e penal, etc.),
como um instrumento preventivo ou corretivo. O objetivo de qualquer sociedade, pois,
como ele defendeu no seu mais conhecido livro The Social System (O Sistema Social,
1952) era alcançar a homeostasis, a manutenção da estabilidade, do equilíbrio
permanente, fazendo com que só pudéssemos entender uma parte qualquer a ser
estudada em função do todo. Se bem que a organização de formigueiro pudesse atraí-lo,
seguramente foi a racionalidade da produção fabril quem determinou a concepção da
Teoria Social dele.

Expressões como “adaptação”, “integração”, “ manutenção”, largamente utilizadas por


Talcott Parsons, colocam-no claramente no campo conservador do pensamento
sociológico, alguém que via a política apenas como um instrumento de garantia do bom
andar do todo, jamais como instrumento da transformação. O pensamento parsoniano
foi visto também como expressão da sua época, especialmente os Estados Unidos dos
anos de 1950-60. Além de ter sido testemunha da revolução gerencial dos anos 20, ele,
atingindo a maturidade intelectual no período do após-guerra, momento em que os
Estados Unidos viviam uma situação de estabilidade e cooperação (resultado do clima
patriótico e das necessidades ideológicas da Guerra Fria), fez por tornar inevitável que
sua teoria privilegiasse a coesão, a adaptação, e a estabilidade familiar.

Esquema da visão funcionalista da sociedade


Adaptação (base material)
Objetivos a alcançar (sistema político)
Integração (sistema educacional)
Manutenção pela educação dos modelos culturais (na família/pela elite do poder)

Talcott Parsons e o funcionalismo estrutural - As partes e o todo

As raízes mais remotas do funcionalismo nos remetem aos trabalhos do sociólogo inglês
Herbert Spencer (1882-1903) e a do francês Emile Durkheim (1855-1917). Spencer,
fortemente influenciado pela notável emergência das ciências naturais, comparou as
sociedades aos organismos vivos, tal como ocorre num organismo biológico qualquer, a
ação de um só parte do sistema social termina por alterar as outras partes do organismo
social na sua totalidade. Para os funcionalistas, a sociedade está constituída por
subsistemas (estruturas) que operam (funcionam) de modo interdependente.Cada um
dos componentes do sistema, suas partes, tal como uma peça qualquer em relação a uma
máquina, desempenham papéis que visam contribuir para estabilidade e ordem social,
por isso tal abordagem ou teoria é chamada de funcionalismo-estrutural. A partir dessa
visão totalizadora da sociedade, o passo seguinte é determinar os seus componentes
básicos formados pela economia, o sistema político, a família e o sistema educativo em
geral, com seus valores e crenças bem definidos.

Elas todas são interdependentes e agem no sentido de preservar a sobrevivência do todo,


não havendonecessariamente uma hierarquia entre elas (para os marxistas por exemplo,
o fator econômico é predominante) Para os funcionalistas estes componentes atuam por
interação, tendo capacidade de adaptação para enfrentar os imprevistos e as exigências
de mudanças que surgem aqui e acolá. Se por uma razão qualquer o sistema não
apresentar a elasticidade necessária, a qualidade de adaptar-se ao movimento, o sistema
tornar-se-ia disfuncional (expressão criada por Robert Merton), do mesmo modo que
uma peça desgastada ou defeituosa põe em perigo o desempenho de um motor.

Síntese do Funcionalismo

O Sistema Social:

1. As peças que o compõem são mutuamente dependentes


2. Elas contribuem para o bom funcionar do sistema
3. eequilíbrio, ainda que sempre em movimento; o distúrbio induz a uma contra-reação
para manter o equilíbrio manter o equilíbrio

Propriedades do sistema a que as peças contribuem:


1. Adaptação (economia)
2. Integração (cortes de justiça; polícias; lei)
3. Manutenção do teste padrão e gerência da tensão (família; instrução; a cultura
contribui ao para o compromisso do papel da socialização)
4. Realização de objetivo (política)

A estratificação social é definida como:


"classificação diferenciada dos indivíduos humanos que compõem um sistema social
dado e seu tratamento como superior ou inferior relativo a um outro em determinadas
situações sociais importantes"
(Parsons, Aproximação Analítica ao Estrato Social, p. 69)

Linha central fundamental da estratificação: atribuições versus realização:


1. O status atribuído: resultados do nascimento ou das qualidades biológicas hereditárias
(por exemplo idade, sexo)
2. O status alcançado: resultado das ações pessoais (esforço, trabalho duro, talento)

Avaliação Moral
Expectativa feita na base da avaliação moral, tendo por resultado graus de respeito ou
de desaprovação (status)

Seis bases da avaliação moral diferencial:


1. Sociedade na unidade do parentesco (pelo nascimento, pela união)
2. Qualidades pessoais (sexo, idade, beleza pessoal, valor e força da inteligência)
3. Realizações (resultado de ações do indivíduo)
4. Possessões (coisas materiais e não-materiais que pertencem a um individual e pode
ser transferida)
5. Autoridade (reconhecimento institucional, direito legítimo para poder influenciar as
ações de outras)
6. Poder (habilidade de influenciar outros e fixar possessões que não sancionadas
institucionalmente)

Grupos de parentesco como unidades de estratificação

"o status da classe de um indivíduo é a sua classificação no sistema do estratificação. O


que pode lhe ser atribuído em virtude daqueles de seus laços de parentesco que o ligam
a uma unidade na estrutura da classe" (77-8)

Dois aspectos dominantes da estratificação americana:

1. Ocupação: critérios universais; status conseguido; não determinado pelo nascimento;


igualdade de oportunidade
2. Parentesco: status atribuído a alguém determinado pelo nascimento

Contradição entre a ocupação e o parentesco:

Parsons: "No sistema americano de estratificação, não permitia-se às mulheres


competirem nos mesmos fundamentos de igualdade para trabalhar como o que rege o
dos homens; se não, isto ameaçaria a estabilidade da família, e da própria sociedade"
(esta observação de Talcott Parsons entende-se como feita antes do movimento
feminista dos anos 60 iniciar a sua luta pela aprovação da Emenda da Igualdade).

Instrumental contra papéis expressivos:

para Parsons tudo iria pelo melhor dos mundos se os papéis desempenhados pelo
marido e pela mulher fossem adequados, respeitando cada um sua esfera de atuação.

Assim:

1. Papéis instrumentais = homens = atuam pela família na parte externa; mundo


ocupacional (trabalho, profissão); adaptação da sociedade
2. Papéis expressivos = mulheres = atuam no interior da família: gerência da tensão na
família; socialização das crianças.

Principais obras de T.Parsons

Structure of Social Action (1937); Social System (1952); Structure and Process in
Modern Societies (1960); Sociological Theory and Modern Society (1968); Politics and
Social Structure (1969).

Bibliografia

Malinowski, B. – Uma teoria cientifica da cultura (RJ, Zahar, 1962)


Mills, Wright C. – A imaginação sociológica (RJ, Zahar,1975)
Online Dictionary of the Social Sciences (Athabasca University, Universidade aberta do
Canadá)
Funcionalistas Famosos: Bronislaw Malinowski, Alfred Reginald Radcliffe-Brown,
Émile Durkheim, Talcott Parsons, Niklas Luhmann, George Murdoch, Kinglsey Davis e
Wilbert Moore's, Jeffrey Alexander's (Neofuncionalismo) (1985), G. A. Cohen e
Herbert J. Gans's.
Fonte de Pesquisa: Marshall, Gordon (1994). Dicionário Oxford de Sociologia Hoult,
Thomas Ford (1969). Dicionário de Sociologia Moderna Merton, Robert (1957). Teoria
Social e Estrutura Social, revisto e ampliado. HELLISON FORD.

QUESTÕES PROPOSTAS

I. Após leitura do texto elabore alguns questões dissertativas e objetivas do assunto,


como estratégia de estudo, como perguntas e respostas.
II. Produza um texto que evidencie a sua capacidade de compreensão, interpretação e
análise do assunto discutido neste texto, problematizando-o.
III. Pesquise nos sites de busca e conceitue: a) funcionalismo; b) taylorismo; c)
fordismo
IV. Qual é tese de Talcott Parsons sobre o funcionalismo?
V. Como é a análise estrutural-funcionalismo?
VI. Relacione alguns funcionalistas famosos.
VII. Estabeleça um paralelo entre taylorismo e fordismo.
IX. Pequise nos sites de busca e comente as expressões: “produção em massa”; “
produção em série”; “gerenciamento científico”.
X. Pesquise na Net a relação entre Charles Chaplim e o fordismo taylorismo?