Você está na página 1de 52

HISTÓRIA

PRÉ-VESTIBULAR
LIVRO DO PROFESSOR

Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
© 2006-2008 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do
detentor dos direitos autorais.

I229 IESDE Brasil S.A. / Pré-vestibular / IESDE Brasil S.A. —


Curitiba : IESDE Brasil S.A., 2008. [Livro do Professor]
696 p.

ISBN: 978-85-387-0574-1

1. Pré-vestibular. 2. Educação. 3. Estudo e Ensino. I. Título.

CDD 370.71

Disciplinas Autores
Língua Portuguesa Francis Madeira da S. Sales
Márcio F. Santiago Calixto
Rita de Fátima Bezerra
Literatura Fábio D’Ávila
Danton Pedro dos Santos
Matemática Feres Fares
Haroldo Costa Silva Filho
Jayme Andrade Neto
Renato Caldas Madeira
Rodrigo Piracicaba Costa
Física Cleber Ribeiro
Marco Antonio Noronha
Vitor M. Saquette
Química Edson Costa P. da Cruz
Fernanda Barbosa
Biologia Fernando Pimentel
Hélio Apostolo
Rogério Fernandes
História Jefferson dos Santos da Silva
Marcelo Piccinini
Rafael F. de Menezes
Rogério de Sousa Gonçalves
Vanessa Silva
Geografia Duarte A. R. Vieira
Enilson F. Venâncio
Felipe Silveira de Souza
Fernando Mousquer

Projeto e
Produção
Desenvolvimento Pedagógico

Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Revoltas na
República Velha
O arraial do Belo Monte, ou a comunidade de
Canudos, chegou a ter cerca de trinta mil pessoas,
atraídas pela produção de subsistência que procurava
vencer a fome, sendo que a comunidade chegava a
produzir excedentes que eram comercializados com
Diante da excludente política das oligarquias, as comunidades vizinhas. Diante deste crescimento,
voltaram-se vozes do campo brasileiro. Movimentos Canudos começou a incomodar muitos setores. Os la-
messiânicos como a Guerra de Canudos e a Guerra tifundiários perceberam que gradativamente perdiam
do Contestado assolaram o Brasil, enquanto o bandi- a mão-de-obra barata para Canudos, enquanto a Igreja
tismo social dos “excluídos do capitalismo” promovia Católica preocupou-se com o número de fiéis, agora
saques no campo. A figura de Padre Cícero Romão, o sob as ordens e proteção do beato Conselheiro.
“Padim Ciço”, também foi eminente nessas revoltas
contra o Governo Federal. Violência e santidade ca-
minham lado a lado nos conturbados primeiros anos
da República Brasileira.

A Guerra de Canudos As pregações de Conselheiro

(1896-1897) Garantido pela lei


Aqueles malvados estão
Sua trajetória está ligada à figura de Antônio
Nós temos a lei de Deus
Vicente Mendes Maciel, o Antônio Conselheiro, beato
de origem humilde que percorreu o sertão baiano, Eles tem a lei do cão!
na localidade denominada Arraial do Belo Monte, às (...)
margens do Rio Vaza Barris. Casamento vão fazendo
Formou-se nessa região uma comunidade lide- Para o povo iludir
rada por Conselheiro, que se entitulava um messias Vão casar o povo todo
enviado para salvar o povo nordestino do sofrimento.
No casamento civil!
Esta angústia era baseada na exploração do latifún-
dio monocultor, na seca e no descaso das autorida- (...)
des governamentais diante da grave situação dos O Anticristo nasceu
nordestinos. Para o Brasil governar
Domínio público.

Mas aí está o conselheiro


Para dele nos livrar!
Visita vem nos fazer
Nosso rei D. Sebastião
Coitado daquele pobre
Que vive na lei do cão!
(CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Rio de Janeiro:
EM_V_HIS_034

Francisco Alves, 1987. p. 139.)

Antônio Conselheiro.
1
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
As autoridades governamentais começaram a
vincular nos meios de comunicação a ideia de que
A Guerra do Contestado
Conselheiro era monarquista por acreditar no retorno (1912-1916)
de D. Sebastião, rei de Portugal morto em 1578, na
batalha de Alcácer-Qbir, origem do Sebastianismo. Paraná e Santa Catarina, desde meados do sé-
A primeira campanha militar contra Canudos culo XIX, disputavam o território situado atualmente
ocorreu no governo de Prudente de Morais, que foi entre as cidades catarinenses de Curitibanos e Cam-
francamente desarticulada pelos homens de Conse- pos Novos. Por esse motivo, essa área era conhecida
lheiro. Apenas a quarta missão oficial, sob o comando como região do Contestado. A região era dominada
do general Artur de Andrada Guimarães, formada por por latifundiários ligados à produção de erva-mate.
cerca de 8 mil homens extremamente bem equipa- No ano de 1908, a empresa britânica Brazil Rail-
dos para a época, conseguiu acabar com Canudos. ways obteve concessão para construir uma ferrovia
Seus habitantes foram massacrados numa guerra ligando São Paulo ao Rio Grande do Sul, e que cortaria
narrada pelo então jornalista Euclides da Cunha que a região do Contestado, expulsando os habitantes
cobria o conflito. Mais tarde, Euclides da Cunha humildes da região. Na construção da ferrovia, a
escreveria, baseado na Guerra de Canudos, o livro Os companhia britânica contratou no Rio de Janeiro,
Sertões, um dos clássicos da literatura brasileira. Santos e Salvador, milhares de trabalhadores que,
com o fim da obra, foram abandonados na região, se
juntando à massa de camponeses que já havia sido
expulsa por ocasião da construção da ferrovia.
Nesse ambiente, surgiu o beato José Maria,
monge messiânico, que assim como Conselheiro
“Canudos não se rendeu. Exemplo único em pregava a necessidade da formação de uma comu-
toda a História, resistiu até o esgotamento com- nidade, na região de Taquaraçu, para defender seus
pleto. Expugnado palmo a palmo, na precisão interesses. O latifundiário Francisco de Albuquerque
integral do termo, caiu no dia 5, ao entardecer, enviou tropas para desarticular a comunidade que se
quando caíram seus últimos defensores, que todos refugiu em Irani no Paraná. Diante de novo ataque,
morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois José Maria foi assassinado, o que acentuou ainda
homens feitos e uma criança, na frente dos quais mais o fanatismo de seus seguidores, fazendo com
rugiam raivosamente cinco mil soldados.” que os camponeses só fossem reprimidos, de manei-
ra violenta, após várias expedições militares sob o
(CUNHA, Euclides da. Os Sertões comando do general Setembrino de Carvalho.
Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1987. p. 407.)

O cangaço
Outro fenômeno da época foi o banditismo social,
IESDE Brasil S.A.

expresso no movimento conhecido como cangaço,


que assolou o Nordeste do Brasil de 1870 até 1940.
A origem do cangaço está relacionada à produção
Canudos
pecuarista existente no sertão nordestino, em que as
relações entre vaqueiros e fazendeiros eram estabe-
lecidas pelo compadrio e pela fidelidade. O vaqueiro
Estado defendia os interesses do fazendeiro, mesmo que
da Bahia Salvador
para isso tivesse que usar de violência. Interesses
ligados, muitas vezes, a disputas territoriais pela
demarcação das fronteiras de fazendas vizinhas,
obrigavam muitos fazendeiros a possuir verdadeiros
exércitos particulares de jagunços.
Com uma grave seca que ocorreu entre os anos
N
de 1877 e 1879, surgiam os primeiros bandos de ja-
gunços armados, “independentes” de fazendeiros,
O L
sendo que o mais conhecido aterrorizou o Nordeste
EM_V_HIS_034

S entre 1920 e 1938. Era Virgulino Ferreira da Silva,


Guerra de Canudos. vulgo Lampião. Somente em 1938, portanto no go-
2
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
verno de Getúlio Vargas, é que as tropas conhecidas e da oposição ao governador do Estado, Nogueira
como “volantes”, que perseguiam os cangaceiros Acioli. Acioli utilizou-se de extrema violência contra
nordestinos, conseguiram dar fim ao Cangaço. Houve os partidários de Rabelo – as pressões contra sua
uma emboscada na toca dos Angicos a qual culmi- ação geraram a sua demissão, abrindo espaço para
nou com a morte de Lampião e de sua companheira a vitória de Rabelo nas eleições.
Maria Bonita. Entretanto, logo após as eleições, o deputado
Floro Bartolomeu, ligado ao Acioli, organizou a Re-

Domínio público.
volução Cearense, em 1914, tomando a cidade de
Juazeiro e reconduzindo Acioli ao poder político no
Ceará. A Revolução Cearense contou com a benção
do Padre Cícero Romão Batista, uma das figuras
mais eminentes da religiosidade nordestina. Padre
Cícero era um misto de beato e coronel proprietário
de terras, ocupando lugar de destaque na políti-
ca cearense das primeiras décadas do século XX.
Lampião. Excomungado da Igreja Católica, Padre Cícero é
considerado por muitos nordestinos um milagreiro,
sendo que milhares de fiéis destinam-se anualmente
à cidade de Juazeiro, no Ceará, para obter sua graça
junto à sua grandiosa estátua.

Domínio público.
“Carta de um Cangaceiro”

Ilmo Sr. Francisco de Souza


Aspiro boa saúde com a exma. Família. Ten-
do eu frequentado uma fazenda sua, deliberei
saudado-o em uma cartinha, pedir um cobrezinho.
Basta dois conto de réis.
Eu reconheço que o senhor não se sacrificará Padre Cícero.
com isto e eu ficarei bem agradecido e não terei
razão de lhe odiar nem também a gente de Virgu- A Revolução Cearense mostrou a Hermes da
lino terá essa razão. Fonseca que ele não poderia exercer uma política
Sem mais do seu criado, obrigado. sem o apoio de algumas oligarquias estaduais, em
Hortencio, vulgo Arvoredo, rapaz de Virgulino. nome do ideal de “salvação nacional”.

(Publicado no jornal A Tarde, 20/01/1931. Coletânea


de documentos históricos para o 1o. grau. Revoltas urbanas
São Paulo: SE\ CENP, 1980. p. 51.)
Anteriormente vimos que, enquanto a oligarquia
rural brasileira realizava sua política excludente, a
população rural manifestava em revoltas sua oposi-
ção. Nas cidades, o clima de agitação também era
percebido, tinha como núcleo o operariado e a classe
Padre Cícero e a Revolução média, que questionavam os desmandos políticos
dos mecanismos eleitorais viciados. O operariado
Cearense de 1914 também procurava reivindicar a proteção do Estado
e melhores condições de trabalho, porém a resposta
Vimos, anteriormente, a Política das Salvações era sempre a mesma: a ação repressora do aparato
implementada pelo presidente Hermes da Fonseca policial, numa época que grevistas e criminoso eram
para derrubar os políticos que manifestaram seu praticamente sinônimos.
apoio à Campanha Civilista de Rui Barbosa. O Ceará Nisso, a população carioca reage contra a obri-
também foi vítima do intervencionismo de Hermes gatoriedade da vacina contra a varíola e a classe mé-
EM_V_HIS_034

da Fonseca, quando o coronel do Exército Franco dia expressa no modernismo não somente a ruptura
Rabelo lançou sua candidatura à presidência. Ra- de padrões estéticos anteriores, mas também seus
belo tinha consigo o apoio de Hermes da Fonseca anseios de transformação política. 3
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
A Revolta da Vacina
(Rio de Janeiro - 1904)
Vimos anteriormente, que, durante o governo de
Rodrigues Alves, o prefeito do Rio de Janeiro, Pereira “Cheio de apreensões e receios despontou o
Passos, organizou um conjunto de reformas, com o dia de ontem. [...] As arandelas do gás, tombadas,
objetivo de modernizar e sanitarizar a capital federal. atravessavam-se nas ruas, [...] Os vidros frag-
Reformas que demoliram os cortiços no projeto Bota mentados brilhavam na calçada, paralelepípedos
abaixo, expulsando a população mais humilde do removidos, que serviam de projéteis para esses
centro do Rio de Janeiro, foi o foco das revoltas. depredações, coalhavam a via pública, em todos
No ano de 1903, o sanitarista Oswaldo Cruz foi os pontos, destroços de bondes quebrados e incen-
indicado para Secretário de Saúde no Rio de Janeiro, diados, portas arrancadas, colchões, latas, monte
adotando a campanha da vacinação obrigatória con- de pedras mostravam os vestígios das barricadas
tra a varíola, epidemia que matava cariocas e turistas feita pela multidão agitada. [...] Muito cedo tiveram
que tinham no Rio de Janeiro a porta de entrada para início os tumultos e as depredações [...]. Pela rua
o Brasil. A campanha de Oswaldo Cruz conseguiu senhor dos Passos, às 7 horas, numerosos grupos
reduzir drasticamente os índices de contaminação, de mais de quinhentas pessoas desceram em
mas a obrigatoriedade e a brutalidade dos agentes direção a praça da República, prorrompendo em
sanitários e dos policiais que os acompanhavam, gritos hostis a política e a vacinação obrigatória
acabaram gerando a Revolta da Vacina em 1904. e assaltando os bondes [...]. Foi grande o tiroteio
que se travou, caindo logo ao chão, feridas e en-
Domínio público.

sanguentadas, diversas pessoas.”


(Jornal do commércio, 15 de novembro de 1904.
Extraído de Nosso Século – 1900-1910.
São Paulo: Abril, 1980. p. 39.)

A Revolta da Chibata
(Rio de Janeiro - 1910)
No ano de 1910, o marinheiro Marcelino Rodri-
gues Menezes, que servia no navio Minas Gerais, foi
condenado a 250 chibatas, sendo seus companhei-
ros obrigados a assistir o castigo corporal como de
costume. Isso foi o estopim de uma revolta iniciada
Revolta da Vacina. no dia 22 de novembro de 1910, sob a liderança do
marinheiro João Cândido, com a adesão de aproxi-
Muitos populares acreditavam que a vacina era madamente 2 000 homens.
um meio de contrair a doença, contestando a eficácia
Domínio público.

de sua ação. O que se viu no Rio de Janeiro, a partir


de 11 de novembro de 1904, foram choques entre a
polícia e a população que acumulava a indignação
com o Bota abaixo. Centenas de mortos e feridos,
bondes e prédios quebrados levaram o governo a
revogar a lei que tornava obrigatória a vacinação,
no dia 16 de novembro de 1904.
EM_V_HIS_034

Revolta da Chibata.

4
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
A revolta era contra os castigos corporais na
Marinha, que recrutava de maneira autoritária seus
O movimento operário
marinheiros (formados por um grande contingente de e a greve geral de 1917
negros) e era a favor de melhores soldos. João Cân-
dido liderou a sublevação dos encouraçados Minas O processo de industrialização no Brasil fez
Gerais e São Paulo, chegando a assassinar alguns com que se desenvolvesse uma classe operária com
oficiais presentes e a ameaçar bombardear a cidade péssimas condições de trabalho. Eram comuns altas
do Rio de Janeiro, caso o governo não acatasse as jornadas de trabalho, exploração do trabalho infantil,
reivindicações. O pânico instalado no Rio de Janeiro discriminação sexual no pagamento de salários, além
fez com que o então presidente Marechal Hermes da de precárias condições de trabalho que mutilavam e
Fonseca aceitasse a reivindicação dos revoltosos, que vitimavam vários operários. Não existiam férias, des-
foram anistiados. canso semanal remunerado, seguro contra acidentes,
Porém, dias depois, ocorreu uma sublevação aposentadoria, nem se quer regulamentação dos
de fuzileiros navais da ilha das Cobras, por motivos sindicatos. As greves eram vistas como atividades
semelhantes. O governo desta vez reprimiu violenta- criminosas.
mente os revoltosos, e temendo perder a ordem sobre
a força armada, prendeu e torturou os marinheiros
envolvidos na Revolta da Chibata. Um dos poucos
sobreviventes aos castigos da prisão foi o marinheiro
João Cândido.

“Assistimos ontem a entrada de cerca de 60


menores às 19 horas, na sua fábrica da Mooca
(bairro de São Paulo). Essas crianças, entrando
aquela hora, saem às 6 horas. Trabalham, pois,
11 horas a fio, em serviço noturno, apenas com
“Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e repu- um descanso de 20 minutos, a meia noite! O pior
blicanos, não podemos mais suportar a escravidão é que elas se queixam de que são espancadas
na Marinha brasileira, a falta de proteção que a pelo mestre de fiação. [...] uma há com as orelhas
pátria nos dá [...], rompemos o véu negro que nos feridas por continuados e violento puxões. Trata-se
cobria aos olhos [...] achando-se todos os navios de crianças de 12, 13 e 14 anos.” [sic]
em nosso poder, tendo a bordo, prisioneiros, to-
(O Combate. São Paulo, 4 set. 1917.)
dos os oficiais, os quais tem sido os causadores
da Marinha brasileira não ser grandiosa, porque
durante vinte anos de República ainda não foi “A estatística do ano passado registra o caso
bastante para tratar-nos como cidadãos fardados de um operário que, passando com um saco as
em defesa da Pátria, mandamos essa honrada costas, ao pé de uma certa máquina, foi apanhado
mensagem para que V. Exa. faça aos marinheiros por uma peça da mesma, que lhe fraturou o crânio,
brasileiros possuirmos [sic] os direitos sagrados determinando-lhe a morte. Esse operário tinha 13
que as leis da República nos facilitam [...]. Refor- anos. Executava um serviço que parecia leve: con-
mar o código imoral e vergonhoso que nos rege, a duzia um saco cheio de carretéis. Mas aproximou-
fim de que desapareça a chibata, o bolo e outros -se de um maquinismo que não fora instalado de
castigos semelhantes; aumentar nosso soldo modo a por os operários ao abrigo de acidente. E
[...]. Tem V. Exa. o prazo de 12 horas para mandar- matou-o uma peça desse maquinismo.” [sic]
-nos respostas satisfatória, sob pena de ver a (Boletim do Departamento Estadual do Trabalho,
pátria aniquilada. 1o. trimestre de 1913.)
Bordo do encouraçado São Paulo em 22 de
Novembro de 1910” [sic]
(“Do ultimato dos marinheiros revoltados as presidente
Hermes da Fonseca”, 1910. Extraído de MENDES JR. A.; A industrialização concentrou-se principal-
MARANHÃO R. Brasil História. São Paulo: mente nas áreas produtoras de café, como Rio de
Brasiliense, 1979. V. III, p . 237.) Janeiro e São Paulo, onde os capitais excedentes dos
cafeicultores somados a um mercado consumidor em
EM_V_HIS_034

ascensão e a uma grande oferta de mão-de-obra,

5
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
de origem imigrante, geravam condições favoráveis da não-punição aos grevistas. A vitória permitiu que
para sua prosperidade. Os imigrantes eram os mais o movimento operário se desenvolvesse ainda mais,
procurados pelos empresários, não somente pelo ganhando força neste meio as ideias socialistas.
preconceito contra a massa de ex-escravos que
habitava os centros urbanos, mas também por uma
melhor qualificação profissional, fruto de experiên-
cias anteriores nas fábricas europeias.
Muitos dos imigrantes que chegaram ao Brasil,
desde o século XIX, tinham uma razoável consciência
política, sendo o anarquismo muito influente nas pri- Depoimento de uma testemunha
meiras décadas do século XX. Esta ideologia defendia da Greve Geral de 1917
a melhoria nas condições de trabalho, o combate à
religião, a propriedade privada e ao Estado, que era “[...] São Paulo é uma cidade morta: sua popu-
visto pelos anarquistas como um instrumento de lação está alarmada, os rostos denotam apreensão
imposição de interesses das elites econômicas sobre e pânico, porque tudo está fechado, sem o menor
o restante da população. Eram também contrários à movimento. Pelas ruas afora, alguns transeuntes
formação de partidos políticos vistos com descon- apressados, só circulam veículos militares, requi-
fiança, pois poderiam gerar um grupo de burocratas sitados pela Cia. Antarctica e demais indústrias,
que manifestariam seus próprios interesses, margi- com tropas armadas de fuzis e metralhadoras. Há
nalizando o restante dos componentes. ordem de atirar sobre quem fique parado na rua.
Nos bairro fabris do Brás, Mooca, Barra Funda,
Domínio público.

Lapa, sucedem-se tiroteios com grupos populares,


em certas ruas já começaram a fazer barricadas
com pedras, madeiras velhas, carroças viradas e
a polícia não se atreve a passar por lá, porque dos
telhados e cantos partem tiros certeiros.
Os jornais saem cheios de notícias sem comen-
tários quase, mas o que se sabe é sumamente grave,
prenunciando dramáticos acontecimentos. [...]”
(DIAS, Everardo. História das Lutas Sociais no Brasil.
São Paulo: Edaglit, 1962.)

Movimento operário.

No final do século XIX, surgiram as ligas operá-


rias, que realizavam greves nos principais centros ur- Somente a partir do sucesso da Revolução Russa
banos sob influência do anarquismo. A intensificação de 1917, particularmente a Revolução Bolchevique,
das greves e de jornais que difundiam as aspirações foi que o socialismo passou a predominar como ide-
dos trabalhadores levou o governo brasileiro a editar ologia de luta do proletariado, a partir da defesa de
a Lei de Expulsão de Estrangeiros, também conhe- uma revolução proletária capaz de criar uma ditadura
cida como Lei Adolfo Gordo, em 1907. Esta medida que acabasse com a propriedade privada, estatizando
procurava expulsar todos os estrangeiros acusados os meios de produção. No ano de 1922, fundou-se o
pelo “crime” de serem anarquistas e promoverem a Partido Comunista do Brasil (PCB), sob a liderança
agitação popular, na defesa de seus interesses. de Astrogildo Pereira, Leônidas Resende e Cristiano
Cordeiro. Porém, no ano de 1924, a sede do PCB foi
No dia 9 de julho de 1917, morreu em São Paulo
invadida pela polícia e o partido teve a sua ilegalidade
um sapateiro na porta das Empresas Matarazzo, após
decretada. Restou aos componentes a luta clandes-
choque com a polícia. O enterro, no dia 11 de julho,
tina, difundida através de encontros secretos e de
foi o estopim da Greve Geral de 1917, que culminou
jornais como Movimento Operário e A Nação.
com o fechamento de estabelecimentos comerciais
e de indústrias, paralisação dos transportes e de Os membros do PCB atuando na clandestini-
praticamente toda a cidade durante cerca de 30 dias. dade formaram uma agremiação que aglutinava não
A greve só foi finalizada a partir da negociação entre só comunistas, mas também anarquistas e traba-
lhadores independentes chamada Bloco Operário
EM_V_HIS_034

patrões e operários, intermediada por advogados e


jornalistas. Chegou-se a um acordo em que os traba- Camponês (BOC). A agremiação, formada em agosto
lhadores obtiveram aumento salarial e a promessa de 1927, defendia a luta contra a oligarquia, a elei-
6
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
ção de parlamentares representantes da causa dos muitos jovens oficiais, sob a liderança do chefe do
trabalhadores, a luta contra o imperialismo e contra Clube Militar, o ex-presidente Marechal Hermes da
as péssimas condições de trabalho, assim como o Fonseca. Apesar da vitória de Artur Bernardes nas
voto secreto. eleições, um incidente ocorrido em 1921 acirrou os
ânimos entre o Exército e o governo oligárquico. O
jornal Correio da Manhã publicou uma série de cartas
O tenentismo contendo críticas do então candidato Artur Bernardes
ao Marechal Hermes da Fonseca.
Se por um lado o processo de industrialização

Domínio público.
fez crescer o contingente de operários no Brasil, o de-
senvolvimento urbano consequente gerou a ascensão
da classe média, que de várias formas expressou seu
descontentamento com a República Oligárquica.
A jovem oficialidade do Exército (formada
basicamente por tenentes e alguns capitães) era
recrutada entre a classe média e trazia consigo suas
aspirações, exigindo a volta da participação política
do Exército nas decisões referentes ao destino do
Brasil. As aspirações dos tenentes estavam ligadas 18 do Forte.
a questões principalmente políticas, fruto de um
grupo – a classe média – que estava alijado do po-
der político diante do controle da aristocracia rural.
Os questionamentos socioeconômicos não estavam
na pauta das reivindicações, contribuindo para um
relativo esvaziamento do programa tenentista e de-
monstrando o elitismo do movimento.
O episódio das cartas falsas
Uma das principais exigências dos tenentes
era o voto secreto. Na República Oligárquica, o “Belo Horizonte, 3 de junho de 1921
controle eleitoral era em grande parte obtido, pois
Amigo Raul Soares
o voto era aberto, fazendo com que o eleitor tivesse
que manifestar sua opção na hora da eleição. Esta Estou informando ao ridículo e acintoso ban-
prática favorecia a ação do coronel, que procurava quete dado pelo Hermes, esse sargentão sem
se informar sobre a opção de seu “curral eleitoral”, compostura, aos seus apaniguados, e tudo que
punindo aqueles que ousassem desafiar a viciada nessa orgia se passou. [...] esse canalha precisa de
máquina eleitoral do Estado brasileiro. uma reprimenda para entrar na disciplina. Veja se
o epitácio mostra agora a sua apregoada energia,
A jovem oficialidade também questionava a
punindo severamente esses ousados, prendendo
vinculação de muitos oficiais superiores, acomoda-
os que saíram da disciplina e removendo para bem
dos e beneficiados pela política oligárquica. Estes
longe esses generais anarquizados. Se o Epitácio
não questionavam a exclusão política do Exército
com medo não atende, use de diplomacia que de-
que se arrastava desde o fim do governo de Floriano
pois do meu conhecimento ajustaremos as contas.
Peixoto, em 1894.
A situação não admite contemporizações, os que
forem venais, que é quase a totalidade, compre-os
O Levante dos 18 com todos os seus bordados e galões.

do Forte de Copacabana Abraços de Artur Bernardes.”

(Rio de Janeiro - 1922) (Publicado no jornal Correio da Manhã, Rio de Janeiro, em 9 de


Outubro de 1921. Citado em FORJAZ, M. C. S. Tenentismo e

As eleições que sucederam o presidente Epitá- política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. p. 40-41.)
cio Pessoa foram extremamente concorridas, fazendo
surgir a Reação Republicana, aglutinando estados “O clube militar, órgão das classes armadas,
como Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul julga de seu dever que o público conceito emitido
e Bahia em torno da candidatura de Nilo Peçanha. pelo Sr. Artur Bernardes, na sua carta de 3 de ju-
EM_V_HIS_034

A Reação Republicana foi contrária à candidatura nho último, colocou o Exército na contingência de
de Artur Bernardes, apoiada por Epitácio Pessoa. reagir imediatamente. Porque, ou S. Ex.a tem razão
São Paulo e Minas Gerais contaram com o apoio de de nos qualificar de canalha venal, ou inutilmente
7
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
ultrajou o Exército. Na primeira hipótese, o Exér- Dr. Artur Bernades, no que diz peculiarmente
cito deve ser dissolvido, pois a defesa na nação respeito à sua pessoa. Não pode obstante os fatos
não pode estar confiada a canalhas, na segunda, conhecidos, permanecem de pé as gravíssimas
S. Ex.a criou absoluta compatibilidade entre a ofensas por ele dirigida ao Exército.
sua pessoa e o Exército. Existe, pois, um dilema, [...] esse movimento revolucionário é um gesto
como solução única: com a nossa dissolução, ou de indignação e patriotismo. O atual governo da
o Exército não aceita que V. Exa seja o presidente República não tem o apoio da Nação nem daque-
da República. [...] E é com tais fundamentos que les a quem, em última análise, cabe a defesa de
o Exército implora a Nação a eleição de qualquer sua honra. Não é o governo do povo brasileiro e
outro brasileiro para presidente da República, pois não tem o apoio do Exército, porque o Exército é
não assegura ao Sr. Artur Bernardes o exercício composto daqueles que assinaram o manifesto
desse cargo. [sic] do Clube Militar e dos que, por ele, se achavam
(Moção do clube militar, 10 de outubro de 1921. representados nesse ato.”
Citado em FORJAZ, M. C. S. op. Cit. , p. 41.) (Manifesto de 10 de julho de 1924, São Paulo. CARONE, E.
A Primeira República. São Paulo: Difel, 1973. p. 345.)

Embora, mais tarde, tenha-se descoberto que


as cartas eram falsas, a resposta incisiva do Mare- Apesar da aparente vitória, logo se revelou uma
chal Hermes da Fonseca a isso fez com que o ainda das maiores limitações do movimento tenentista. O
presidente Epitácio Pessoa decretasse a prisão do elitismo das propostas afastava o grosso da popula-
marechal e o fechamento do Clube Militar. Foi o ção, fazendo com que o movimento se isolasse. De-
estopim do primeiro levante tenentista: A Revolta pois de sangrentos combates, os tenentes iniciaram
dos 18 do Forte de Copacabana. No dia 5 de julho a retirada de São Paulo, rumo ao interior do estado,
de 1922, partiu do Forte de Copacabana um grupo onde se encontraram com um grupo de revoltosos
dos rebelados, sob a liderança de Eduardo Gomes e comandados por Luís Carlos Prestes.
Siqueira Campos. O grupo, que recebeu a adesão do
engenheiro Otávio Correa, pretendia impedir a posse
de Artur Bernardes e derrubar Epitácio Pessoa. A A Coluna Prestes
repressão do governo foi violenta.
Em 1925, estourou no Rio Grande do Sul um le-
vante tenentista comandado por Luís Carlos Prestes,
A Revolução Paulista de 1924 Siqueira Campos e João Alberto. Furando o cerco
das tropas governistas enviadas para reprimir o
Já no governo de Artur Bernardes, o movimento
movimento, o grupo se dirigiu a São Paulo onde se
tenentista fez um novo levante. Sob o comando dos
encontrou com os insurgidos da Revolução Paulista,
generais Isidoro Dias Lopes e Miguel Costa, com a
em abril de 1925. Formava-se a Coluna Prestes, que
participação de inúmeros tenentes, entre os quais
entre 1925 e 1927 marchou cerca de 24 000 quilôme-
se destacam Juarez Távora e Eduardo Gomes, no
tros pelo interior do Brasil buscando convencer a
dia 5 de julho, os rebeldes tomaram a cidade de
população a apoiar o movimento.
São Paulo durante 22 dias, obrigando o governador
Domínio público.

a fugir e exigindo a renúncia de Artur Bernardes,


uma nova constituição para o Brasil e a instalação
do voto secreto.

Manifesto tenentista de 1924


Oficiais da Coluna Prestes.
“[...] quanto ao governo da República, é preciso
EM_V_HIS_034

fazer notar, desde logo, que o Exército nacional


Depois do épico esforço e de embates contra as
não pode e não pôde nunca acatar o governo do
tropas governistas, a Coluna Prestes terminou iso-
8
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
lada, sem conseguir a adesão popular para sua pro- O movimento modernista deu origem a duas
posta. Seus membros acabaram exilados na Bolívia, correntes: o movimento antropofágico de Oswald
mas Luís Carlos Prestes não desapareceu do cenário e Mário de Andrade que aceitava a cultura estran-
político brasileiro. Em dezembro de 1927, Astrogildo geira desde que ela fosse elaborada, reprocessada a
Pereira, pertencente ao Bloco Operário Camponês partir da aglutinação de aspectos típicos da cultura
(BOC), viajou para a cidade boliviana de Puerto Su- brasileira, e o verde-amarelismo de Plínio Salgado,
arez, encontrando-se com Luís Carlos Prestes. Desde que rejeitava a cultura estrangeira, num xenofobismo
então Prestes aderiu ao Comunismo. que deu origem ao Movimento Integralista.

A Semana de
Arte Moderna de 1922
No Brasil, o desenvolvimento urbano teve reper- “Queremos luz, ar, ventiladores, aeroplanos,
cussões importantes. A evolução dos transportes, reivindicações obreiras, idealismo, motores, cha-
das indústrias, dos meios de comunicação, a criação minés de fábrica, sangue, velocidade, sonhos, na
dos automóveis, a magia do cinema simbolizavam o nossa arte! E que o rufo de um automóvel, nos
início de uma nova era, que foi representada através trilhos de dois versos, espante da poesia o últi-
de um “espírito moderno”, através de estilos artís- mo Deus homérico, que ficou anacronicamente a
ticos como o futurismo, o dadaísmo e o cubismo, dormir e sonhar, na era do jazz band e do cinema,
entre outros. com as flautas dos pastores [...]”
No Brasil, intelectuais como Euclides da Cunha,
(PICCHIA, Menotti del. Discurso proferido na semana
Lima Barreto e Graça Aranha anunciavam uma
época na qual os artistas deveriam se conectar às da arte moderna, 15 de fev. de 1922.
questões mais importantes da sociedade, rompendo Citado em BOSI, A. História Concisa da Literatura
com o imobilismo social. Anita Malfati, Oswald de Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1970. p. 380.)
Andrade, Villa Lobos, Mario de Andrade, Menotti Del
Picchia e Di Cavalcanti são alguns dos expoentes do “Cada um é livre de criar e manifestar seus
modernismo brasileiro. sonhos, sua fantasia íntima desencadeada de
Entre 11 e 18 de fevereiro de 1922, no Teatro toda a regra, de toda a sanção. O cânon e a lei
Municipal de São Paulo, esses artistas organizaram são substituídos pela liberdade absoluta que nos
a Semana de Arte Moderna, expondo quadros, revela, por entra mil extravagâncias, maravilhas
conferências, concertos que receberam duras críti- que só a liberdade pode gerar.”
cas da maior parte dos acadêmicos paulistas, que (ARANHA, Graça. Espírito Moderno.
acusavam os modernistas de futuristas. Apesar das
Citado em História do Século 20, 1919-1934.
críticas feitas, esses artistas tornaram-se alguns dos
São Paulo: Abril Cultura, 1974. p . 1.270-1.271.)
maiores expoentes da cultura brasileira num evento
que articulava exposições artísticas e discussões
políticas de desagrado à política oligárquica. “[...] A pouca gente interessava o que eu ia ler
e apresentar. O que interessava era patear. [...] Eu
Lisia Lemes.

me levantei e o teatro estrugiu numa vaia irracional


infame. [...] Esperei de pé, calmo, sorrindo como
pude, que o barulho serenasse. Depois de alguns
minutos isso se deu. Abri a boca então. Ia começar
a ler, mas a pateada se elevou, imensa, proibitiva.
[...] No fim quando me sentei e me sucedeu Mário
de Andrade, a vaia estrondou de novo. Mário, com
aquela santidade que as vezes o marcava, gritou:
’Assim não recito mais!’ Houve grossas risadas.”
(ANDRADE, Oswald de. Relembrando os acontecimentos
de 15 de fevereiro de 1922. Apud ALAMBERT, F. s.d. p. 50.)
EM_V_HIS_034

Semana de Arte Moderna.


9
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
apontadas: “esse povo do Conselheiro respeitava mui-
to esse movimento de igreja, de santo”; “ele achou
bonito aquele jeito do Conselheiro”; “o pai trabalhava
de carapina” e “a mãe fiava algodão e fazia rede”.
1. (PUC-Rio) Leia com atenção os dois trechos abaixo,
extraídos de uma reportagem jornalística: b) Fazendeiros, autoridades governamentais e religio-
sas se opuseram ao arraial de Belo Monte pelos
“O pai de João de Régis era de Pombal, ao sul de seguintes motivos:
Canudos, e tinha vinte e poucos anos quando o
Conselheiro passou por lá. ‘Ele achou bonito aquele jeito – o deslocamento da mão-de-obra das fazendas
do Conselheiro, aquela amizade, aquela vivência’, conta para o arraial;
João de Régis [90 anos]. Então resolveu acompanhá-lo. – o consequente prestígio da liderança de Conselhei-
A mãe era da região de Canudos e aderiu ao Conselheiro ro, em detrimento da autoridade dos “coronéis”;
junto com os pais e as irmãs.
– a identificação de Conselheiro e seus seguidores
E como viviam seus pais, em Canudos? ‘O pai trabalhava como adeptos da Monarquia, em oposição à Re-
de carapina’, diz seu João de Régis - ‘isto é, de pública recém-instaurada;
carpinteiro, fazendo as casinhas do arraial. A mãe fiava
algodão e fazia rede.’” – a não-legitimação, por parte da Igreja Católica,
das práticas religiosas dos canudenses, conside-
“‘Esse povo do Conselheiro respeitava muito esse
radas fanáticas e distantes dos cânones oficiais.
movimento de igreja, de santo’. Os bispos estavam
contra o Conselheiro, explica Ioiô [João Siqueira Santos, Podemos identificar as seguintes passagens com
89 anos]. Por que motivo? os motivos acima mencionados: “até para empre-
– ‘As rezas dele atrapalhavam a religião.’ go, era com o Conselheiro”, “o povo não queria
mais obedecer os coronéis”, “as rezas dele atra-
Mas havia outros também insatisfeitos: palhavam a religião”.
– ‘O povo não queria mais obedecer os coronéis. Até
2. (PUCPR) Comparando-se os movimentos sociopolítico-
para emprego, era com o Conselheiro.’”
-religioso de Canudos e do Contestado, semelhanças e
(Veja, 3 set. 1997, p.81) diferenças podem ser estabelecidas.
A respeito do tema, assinale a alternativa correta.
Os depoimentos de João de Régis e de João S. Santos
I. Ambos tinham ideologia definida no que se refere à
nos permitem revisitar as motivações que levaram tantos propriedade privada da terra, que consagravam.
sertanejos pobres a seguir Antônio Conselheiro e a
construir o arraial de Belo Monte, na região de Canudos, II. Ambos apresentam-se como reflexo do determinis-
há cerca de 100 anos. mo geográfico, tendo em vista a aridez do solo, sua
pequena fertilidade e prolongadas secas.
a) Identifique e explique uma característica, social ou
cultural, da comunidade constituída na região de III. Enquanto os rebeldes de Canudos mostravam-se
Canudos. simpáticos à forma de governo republicana instala-
da pouco tempo antes, no Contestado essa simpa-
b) Levando em consideração as práticas coronelistas
tia era ainda mais ampliada.
vigentes na região, caracterize os motivos da opo-
sição de fazendeiros e autoridades locais contra o IV. Os dois movimentos foram finalmente derrotados
crescimento do arraial de Belo Monte. por tropas do exército.
V. O misticismo, sob a forma de um catolicismo em
`` Solução: que ocorria a ausência de sacerdotes na vida co-
a) A religiosidade foi característica marcante daquela munitária, estava presente nos dois movimentos de
comunidade. A pregação messiânica de Antônio contestação à República Oligárquica.
Conselheiro – seus discursos sobre a fé e o juízo Estão corretas:
final e sua prática de cristianismo – sensibilizou a
a) II, III e V.
população que constituiu o arraial em Canudos.
b) I, III e IV.
Outra característica relevante relaciona-se à orga-
nização do trabalho coletivo, tanto na produção e c) apenas III e IV.
comercialização de gêneros alimentícios, como na d) apenas IV e V.
defesa da comunidade.
EM_V_HIS_034

e) apenas I e II.
Podemos retirar do texto as seguintes passagens que
melhor expressam, respectivamente, as características `` Solução: D
10
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
3. (UFRJ) “Protesto contra a perseguição que se está Figura I
fazendo à gente de Antônio Conselheiro... Não se lhe “O inquilino: – Mas, então, eu pago-lhe o aluguel
conhecem discursos. Diz-se que tem consigo milhares pontualmente e o senhor consente que me ponham os
de fanáticos... Se na última batalha é certo haverem troços na rua?!
morrido novecentos deles e o resto não se despega de
O senhorio: – Meu amigo, tenha paciência. São cousas
tal apóstolo, é que algum vínculo moral e fortíssimo os
da Prefeitura! Trate de ver outra casa...
prende até a morte. Que vínculo é este?”
O inquilino: – Aonde? Pois o senhor não vê que não há?
(Machado de Assis, Gazeta de Notícias, 31 jan. 1897.) Que só há palácios de mármore e granito? Igrejinhas
para música e pagodes e o raio que os parta?
Canudos representou uma alternativa encontrada pela O senhorio: – Que quer que lhe faça! O governo quer
população sertaneja, no nordeste brasileiro, frente ao embasbacar a estranja, mostrando-lhe uma taboleta
poder oligárquico e latifundiário. Sua resistência diante supimpa!
do poder local provocou a reação intempestiva da jovem O inquilino: – Taboleta de Casa de Orates, de Hospício
República. de Malucos! Estas cousas nunca se fazem assim!
a) Cite dois movimentos sociais no Brasil contemporâ- Primeiro acomodam-se os pobres! Aqui, dá-se-lhes um
neo relacionados à questão agrária. pontapé! Muito bonito, isto, hein?
b) Explique porque o governo republicano investiu tão O senhorio: – Que quer que lhe faça?”
vigorosamente contra a população de Canudos. Figura II
“O médico: – Esta injeçãozinha é precisa para poder
`` Solução: vestir a sua ‘toilette’ nova.”
a) As Ligas Camponesas e o Movimento Sem-Terra,
(BRENNA, Giovanna Rosso Del (Org.). O Rio de Janeiro de
ambos de expressão nacional.
Pereira Passos. Rio de Janeiro: Index, 1985. Adaptado.)
b) A disputas ideológicas que envolveram os grupos
políticos que almejavam o controle do regime re- Analisando as charges, aponte um objetivo da Reforma
publicano; o receio de que uma resistência mais Pereira Passos e uma das consequências dessa reforma
prolongada viesse estimular a esperança de setores para as camadas populares.
restauradores, interessados no retorno da monar-
quia; a convicção de alguns expoentes do regime `` Solução:
de que a ação de fanáticos milenaristas poderia Um dentre os objetivos:
provocar manifestações messiânicas em outras
regiões do pais, minando o futuro da República; a – transformar a cidade do Rio de Janeiro numa capital
preocupação das autoridades republicanas em cor- europeia;
tar pela raiz um novo e perigoso foco de guerra – implantar novos padrões de vida relacionados ao
civil, dividindo ainda mais a frágil base de susten- modelo europeu de civilização;
tação política do governo de Prudente de Moraes,
período em que foi intensificada a ação militar con- – destruir as casas coloniais e os cortiços considera-
tra Canudos. dos nocivos à imagem de uma cidade moderna.

4. (UERJ) Em 2003, fará um século que, sob a direção Uma dentre as consequências:
de Pereira Passos, uma grande reforma urbana teve – transferência da população do centro para os su-
início na cidade do Rio de Janeiro. As charges, com búrbios e a ocupação das encostas da cidade;
seus respectivos textos, indicam aspectos marcantes
dessas reformas. – destruição das moradias populares provocando a ex-
pulsão das populações pobres do centro da cidade.
Figura I Figura II 5. (UFC) Leia, com atenção, os versos da composição “O
Mestre-sala dos mares”, de Aldir Blanc e João Bosco e
depois responda ao que se pede.
“Há muito tempo,
nas águas da Guanabara,
o dragão do mar reapareceu,
EM_V_HIS_034

na figura de um bravo marinheiro


a quem a história não esqueceu.
11
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Conhecido como Almirante Negro,
de recém-libertos, imigrantes e operários urbanos.
A Tinha a dignidade de um mestre-sala. Dentro desse contexto, a charge acima revela:
[...] a) desenfreado avanço na construção de rodovias,
Rubras cascatas necessárias ao desenvolvimento da indústria
Jorravam das costas dos negros automobilística e as formas de exploração do
trabalho.
Entre cantos e chibatas,
Inundando o coração b) expansão das relações capitalistas no Brasil,
desenvolvendo um parque industrial de ponta
do pessoal do porão
e cooptando os trabalhadores em troca de altos
que, a exemplo do marinheiro, salários.
gritava: não!”
c) consolidação da burguesia industrial, como
a) Identifique o movimento ao qual a composição aci- classe hegemônica no Brasil da 1.ª República,
ma se refere. limitando as manifestações operárias.
b) Explique as motivações que desencadearam esse d) concentração econômica da burguesia financei-
movimento. ra internacional e as formas de dominação exer-
cidas sobre as elites locais.
`` Solução:
e) descompromisso das elites brasileiras em regula-
a) Revolta da Chibata. mentar as relações de trabalho considerando as
b) Em 1910, cerca de 2 000 marujos liderados por João manifestações operárias como “casos de polícia”.
Cândido, o “Almirante Negro”, rebelaram-se por
conta dos castigos aplicados aos marinheiros. En- `` Solução: E
quanto João Cândido assumia o comando do “Minas
Gerais”, outros marujos tomaram o “São Paulo”, o
“Bahia” e o “Deodoro”. Os marinheiros exigiam, em
comunicado enviado ao Presidente da República, a
reforma do Código Disciplinar, o fim das chibatadas,
“bolos” e outros castigos, o aumento dos soldos e a 1. (UERJ)
preparação e educação dos marinheiros.
Veio a força do governo,
Tudo pronto e bem armado,
Espancando cangaceiro
E guarnecendo o Estado
Falando de modo sero
6. (Unirio) De tudo quanto quisero
Era o tempo chegado.

(Folclore da Paraíba)

A estrofe acima ilustra o afastamento entre a nação e


o Estado no período da História do Brasil conhecido
como República Velha. Tal afastamento resultou em
movimentos de populações rurais oprimidas e sem
perspectivas de mudanças. Como exemplos destes
movimentos, podemos citar:
a) Canudos e Balaiada.
b) Canudos e Contestado.
O Rio de Janeiro de Machado de Assis (virada do
século XX) é uma cidade cosmopolita, que aglutina c) Tenentismo e Contestado.
uma população trabalhadora heterogênea, composta d) Revolução Praieira e Contestado.
EM_V_HIS_034

e) Revolta da Chibata e Revolução Praieira.

12
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
2. (UERJ) No início da República, ocorreram vários movimentos
na zona rural brasileira, identificados como banditismo
As mulheres de Canudos
social, revolucionarismo e milenarismo. Dentre eles
Guerreiam com água quente. destacam-se:
Os meninos com pedradas (01) A “Guerra do Contestado”, ocorrida numa região
Fazem voltar muita gente. disputada pelos estados do Paraná e de Santa Ca-
tarina, em que muitas famílias de posseiros lutaram
(Disponível em: <www.e-net.com.br/historia>.) para não perder suas terras e para não serem expul-
sas da região.
A trova de Sergipe acima citada destaca algumas das
particularidades do movimento de Canudos (1893- (02) A “Guerra dos Emboabas”, que se travou na divisa
1897). de São Paulo com Minas Gerais, por causa de uma
região rica em ouro, provocando a morte de muitos
O conflito que aí se verificou pode ser caracterizado por:
colonos.
a) participação popular desvinculada da organização
de um exército de defesa. (04) A “Revolução Farroupilha”, ou “Guerra dos Farrapos”,
ocorrida no Rio Grande do Sul, que durou dez anos,
b) impedimento do uso de armas de fogo como ins- unindo classes dominantes e mobilizando massas
trumento de defesa. rurais.
c) reação militar centrada nas mulheres e crianças. (08) O movimento de “Canudos”, liderado pelo beato An-
d) resistência baseada na organização comunitária. tônio Conselheiro, que, após percorrer várias regiões
do Nordeste, fixou-se na Comarca de Belo Monte,
3. (Cesgranrio) A Guerra dos Canudos (1897), pode ser na Bahia, e aí organizou uma experiência comuni-
definida como um “movimento social” de fundo religioso, tária autônoma, provocando a reação dos coronéis,
em função de características tais como a(o): que exigiram a intervenção do Governo Federal e a
a) liderança religiosa de perfil messiânico. destruição de “Canudos.”
b) defesa de preceitos morais renovadores, distantes Soma ( )
do catolicismo tradicional. 6. (Unesp) “Restauração e Antônio Conselheiro tornam-
c) envolvimento dos seus militantes com a política -se sinônimos, pois ambos surgem como antípodas de
partidária. republicanismo e jacobinismo. Os jornais são os maiores
veículos desta propaganda imaginativa, de consequên-
d) rompimento com a religiosidade popular tradicio-
cias trágicas”
nal, fundando nova seita religiosa.
e) caráter restaurador, expresso na oposição à repú- (CARONE, Edgar. A República Velha.)
blica e na defesa do retorno à monarquia.
A citação relaciona-se a:
4. (UFCE) “Em abril de 1897 organizou-se a chamada 4.ª
Expedição, sob o comando do General Arthur Oscar a) Monarquismo e Guerra de Canudos.
de Andrade Guimarães. Desde que essa tropa – uma b) Federalismo e Revolução Farroupilha.
poderosa máquina de guerra – foi posta em funciona-
mento, até outubro do mesmo ano, quando Canudos foi c) Revolução Federalista e Proclamação da República.
arrasada, 8 mil homens lutaram contra os conselheiristas, d) Deposição de D. Pedro II e Abolição.
usando o mais moderno equipamento”.
e) Guerra do Paraguai e Questão Militar.
(MONTEIRO, Douglas T. Um Confronto entre Juazeiro, 7. (Fuvest)
Canudos e Contestado. In. História Geral da
Visitei todo o comércio,
Civilização Brasileira. Rio de
Fiz muito bom apurado,
Janeiro/São Paulo: Difel, 1977. p. 61. v. 2. tomo III.)
E vi que de muito povo
A partir do texto, explique o movimento de Canudos Eu me achava acompanhado.
levando em consideração os conceitos de Messianismo Alguns pediam esmolas:
e Mandonismo Local.
Então não me fiz de rogado.
5. (UFPR) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço
EM_V_HIS_034

Os versos de Chagas Baptista em homenagem ao


apropriado a soma dos itens corretos.
cangaceiro Antonio Silvino, o “Governador do Sertão”,
sugerem que o cangaço:
13
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
a) possuía um caráter político institucional que amea- d) o traço de amizade e apoio que se desenvolveu entre
çava a estabilidade social e econômica do nordeste. os operários e os patrões nos locais de trabalho.
b) contava com o apoio popular, propondo a reforma e) a existência de regras de comportamento que defi-
agrária e uma nova distribuição de renda. niam as diferenças entre os vários tipos de operários.
c) representava a faceta do movimento anarquista, com 10. (UERJ) “(...) Estão em greve presentemente, nesta capi-
propostas de socialização da terra nas áreas rurais. tal, cerca de 15 mil operários, e à hora em que escreve-
mos, nada faz prever que esse número decresça tão cedo.
d) era uma forma de banditismo sem ameaças à es-
Ao contrário, há justificados receios de que o movimento
tabilidade fundiária e, portanto, aceito pelas oligar-
aumente ainda, caso não se encaminhem as desinteligên-
quias e trabalhadores.
cias para um acordo satisfatório e equitativo.”
e) tinha apoio popular e representava uma forma de re-
sistência à opressão dos grandes proprietários rurais. (O Estado de São Paulo, 12/07/1917. Citado por TREVISAN, Leonardo.

8. (Fuvest) “Não é por acaso que as autoridades brasileiras A República Velha. São Paulo: Global, 1982.)
recebem o aplauso unânime das autoridades interna-
cionais das grandes potências, pela energia implacável O movimento operário, durante as primeiras décadas
e eficaz de sua política saneadora [...]. O mesmo se dá do regime republicano no Brasil, caracterizou-se pela
com a repressão dos movimentos populares de Canudos existência de:
e do Contestado, que no contexto rural [...] significavam a) apoio de trabalhadores rurais, que participaram de
praticamente o mesmo que a Revolta da Vacina no várias greves organizadas.
contexto urbano”. b) partidos de tendência anarquista, que foram res-
ponsáveis pela greve geral de 1917.
(SEVCENKO, Nicolau. A Revolta da Vacina.)
c) reivindicações políticas, que foram atendidas por
De acordo com o texto, a Revolta da Vacina, o legislação implantada na década de 20.
movimento de Canudos e o do Contestado foram vistos d) lideranças de imigrantes europeus, que traziam a ex-
internacionalmente como: periência de organização de seus países de origem.
a) provocados pelo êxodo maciço de populações
11. (Cesgranrio) O governo Rodrigues Alves (1902-1906)
saídas do campo rumo às cidades logo após a
foi responsável pelos processos de modernização e
abolição.
urbanização da Capital Federal - Rio de Janeiro. Coube
b) retrógrados, pois dificultavam a modernização do ao prefeito Pereira Passos a urbanização da cidade e
país. ao Dr. Oswaldo Cruz o saneamento, visando combater,
c) decorrentes da política sanitarista de Oswaldo Cruz. principalmente, a febre amarela, a peste bubônica e a
varíola. Essa política de urbanização e saneamento pú-
d) indícios de que a escravidão e o império chegavam blico, apesar de necessária e modernizante, encontrou
ao fim para dar lugar ao trabalho livre e à república. forte oposição junto à população pobre da cidade e à
e) conservadores, porque ameaçavam o avanço do opinião pública porque:
capital norte-americano no Brasil. a) mudava o perfil da cidade e acabava com os altos ín-
9. (Cesgranrio) “Todas as manhãs, antes de saírem da por- dices de mortalidade infantil entre a população pobre.
ta, devem recordar: fazerem-se respeitar os patrões (...) e b) transformava o centro da cidade em área exclusi-
serem solidários com qualquer companheiro maltratado, vamente comercial e financeira e acabava com os
dando-lhe todo o apoio que se queira”. infectos quiosques.
c) desabrigava milhares de famílias, em virtude da
(O Catecismo do Chapeleiro, 1905.)
desapropriação de suas residências, e obrigava a
Este texto expressa na “República Velha”: vacinação antivariólica.
a) a questão de dificuldade de incorporação do ope- d) provocava o surgimento de novos bairros que re-
rariado fabril ao cenário político brasileiro. ceberiam, desde o início, energia elétrica e sanea-
mento básico.
b) a tentativa de classes empresariais em ordenar o
operariado fabril. e) implantava uma política habitacional e de saúde
para as novas áreas de expansão urbana, em har-
EM_V_HIS_034

c) a necessidade de se promover a solidariedade e a monia com o programa de ampliação dos transpor-


identificação do operariado como classe. tes coletivos.
14
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
12. (Unirio) As duas primeiras décadas da história do Brasil c) mobilização popular originada das políticas sani-
no século XX foram marcadas pela eclosão de diversos taristas do governo republicano, que impunham a
movimentos sociais, rurais e urbanos, entre os quais se vacinação obrigatória no Rio de Janeiro.
inclui a(o):
d) imposição de castigos aos ex-escravos, os quais,
a) Guerra do Contestado, resultado da reação da oli- com o processo da Abolição, vieram a se transformar
garquia paranaense ao capital estrangeiro ligado à em mão-de-obra barata para a marinha mercante.
exploração da erva-mate e das ferrovias.
e) imposição aos marinheiros de castigos corporais
b) Guerra de Canudos, movimento restaurador e so- em função da vigência do código disciplinar da
cialista que conflagrou o sertão nordestino. Marinha que remontava ao Império.
c) Revolta da Chibata, representando a influência dos 15. (UERJ)
ideais Tenentistas sobre soldados e marinheiros.

Domínio público.
d) Cangaço, revolução ideológica da população nor-
destina contrária ao coronelismo.
e) Movimento Operário com expressiva presença dos
trabalhadores imigrantes e forte influência dos ide-
ais anarquistas.
13. (Unirio) As crises política, social e cultural das décadas
de 1920 e 1930 no Brasil estão associadas a vários
definido como:
a) movimento social com marcada participação das
classes populares urbanas.
b) manifestação de parcela do Exército representada
pelos oficiais mais jovens.
Revista da Semana.
c) expressão das dissidências político-eleitorais entre
as oligarquias dominantes. A caricatura acima, publicada inicialmente em 1904,
refere-se à vacinação obrigatória, que foi um importante
d) revolução agrária caracterizada pelo levante das
populações rurais em função da Coluna Prestes. motivação para a Revolta da Vacina.
Este movimento se apresentou como resultado de:
e) união das classes médias urbanas com as oligarquias
cafeeiras em oposição aos movimentos populares. a) imposição de uma política sanitarista pelo Estado.

14. (Unirio) b) apelo da população por melhores condições de


vida.
“Há muito tempo,
c) reação do povo desinformado ao poder civilizatório
Nas águas da Guanabara,
das elites.
O dragão do mar reapareceu,
d) valorização das problemáticas da área de saúde
Na figura de um bravo marinheiro
pelo Congresso Nacional.
A quem a história não esqueceu.
16. (UERJ) (...) a abolição da Igreja e do Estado deve ser a
Conhecido como almirante negro,
primeira e indispensável condição para a verdadeira liber-
Tinha a dignidade de um mestre-sala (...)” tação da sociedade; só depois que isso acontecer é que a
sociedade poderá ser organizada de outra maneira.
(BOSCO, João; BLANC, Aldir. O Mestre-Sala dos Mares.)

(BAKUNINE, M. apud WOODCOCK, G. Os Grandes


A música retrata um importante movimento ocorrido no
Escritos Anarquistas. Porto Alegre: L&PM, 1981.)
Brasil durante a Primeira República. Tal movimento foi
motivado pela:
a) Aponte duas características do anarquismo.
a) prisão de lideranças anarquistas entre os marinhei-
ros negros que, discriminados pelo racismo vigen- b) No Brasil, o anarquismo se fez presente nos mo-
te, se revoltaram contra os poderes da República. vimentos operários das primeiras décadas do sé-
culo XX, especialmente na conjuntura explosiva de
EM_V_HIS_034

b) opressão da classe operária, penalizada pela alta 1917-1920. Cite um motivo que gerou essa conjun-
do custo de vida gerada pelos desdobramentos da tura explosiva.
política do encilhamento.
15
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
a) Relacione os nomes de Zumbi, Antônio Conselhei-
ro e Lampião aos nomes dos movimentos sociais
que lhes correspondem.
1. (UERJ) Canudos ficava num cenário que lembrava as b) Caracterize, sucintamente, o movimento social em
paisagens descritas na Bíblia: uma região árida repleta que se destacou Antônio Conselheiro.
de caatingas, rodeada por cinco serras ásperas e atra-
4. (Unicamp) “O bandido social é, em geral, membro de
vessada por um rio, o Vaza-Barris.
uma sociedade rural e, por razões várias, encarado como
Decidido a permanecer naquela autêntica fortaleza proscrito ou criminoso pelo Estado e pelos grandes
natural, e isso não deve ter escapado à percepção de proprietários. Apesar disso, continua a fazer parte da
Conselheiro, ele e seu grupo entraram em ação para sociedade camponesa de que é originário e é consi-
construir uma comunidade onde estivessem livres do derado herói por sua gente, seja ele um justiceiro, um
incômodo das autoridades religiosas católicas e políticas, vingador, ou alguém que rouba dos ricos.”
bem como das leis republicanas, dos “coronéis”, dos
juizes, dos impostos, da justiça arbitrária, da política etc. (DÓRIA, Carlos Alberto. Saga: a Grande História do Brasil.)

(COSTA, Nicola S. Canudos - Ordem e Progresso no Sertão. Utilizando a definição anterior, explique o movimento do
São Paulo: Moderna, 1990.) cangaço brasileiro.
5. (Unicamp)
O movimento de Canudos (1896-1897), liderado pelo
beato Antônio Vicente Mendes Maciel, o “Antônio Essa cova em que estás,
Conselheiro”, no sertão nordestino, é um dos mais com palmos medida,
conhecidos exemplos de movimentos místicos-
é a conta menor
-populares que marcou o início da República no Brasil. As
problemáticas sociais que deram vida àquele movimento que tiraste em vida.
permanecem, até hoje, em grande parte sem solução. É de bom tamanho,
a) A partir do cenário descrito no texto e das condi- nem largo nem fundo,
ções de produção que caracterizavam o Nordeste é a parte que te cabe
brasileiro no final do século XIX, explique um fator deste latifúndio.
que contribuiu para o movimento de Canudos.
Não é cova grande,
b) Cite dois motivos pelos quais o povoado de Canu- é cova medida,
dos incomodava as “autoridades religiosas católi-
cas e políticas”. é a terra que querias
ver dividida.
2. (Unesp) “O nome CANGAÇO vem do conjunto de ar-
mas carregadas por homens que prestavam serviços de (NETO, João Cabral de Melo. Morte e Vida Severina.)
proteção e defesa a chefes políticos locais. Suas armas
eram tantas que pesavam sobre seus ombros como a) Qual o conflito social abordado neste poema?
pesa a CANGA sobre o pescoço do boi. Daí o nome
b) Transcreva dois trechos do poema em que fica bem
CANGACEIROS. Entretanto, nem sempre estiveram à
caracterizado esse conflito. Explique-os.
disposição dos chefes políticos locais”.
6. (Unicamp) Em março de 1897, assim se pronunciou o
Responda:
jornal carioca O Paiz sobre o movimento de Canudos:
a) Qual era a zona de ação do cangaço?
“O que de um golpe abalava o prestígio da autoridade
b) Por que surgiu esse fenômeno social? constituída e abatia a representação do brio de nossa
c) Quais acontecimentos e transformações estruturais pátria no seu renome, na sua tradição e na sua força
concorreram para seu fim? era o movimento armado que, à sombra do fanatismo
religioso, marchava acelerado contra as próprias
3. (Unesp) “Não se pode refletir sobre o lugar da violência instituições (...).
na história brasileira, sem destacar três tipos de movi-
mentos sociais que, em épocas diferentes, se manifesta- Não há quem a esta hora não compreenda que o
ram em conflito com os governos: as revoltas dos negros, monarquismo revolucionário quer destruir (...) a unidade
os movimentos messiânicos e o banditismo.” do Brasil.”
EM_V_HIS_034

(CUNHA, Euclides da, em Os Sertões)


(KEITH, Henri H. , Conflito e Continuidade
na Sociedade Brasileira.)
16
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
a) Quais os temores existentes no Brasil com relação
[o homem], de fato, não raro reage brutalmente sobre
ao movimento de Canudos?
a terra e entre nós, nomeadamente, assumiu, em todo
b) Que motivos levaram os sertanejos da Bahia a ade- o decorrer da História, o papel de um terrível faze-
rirem àquele movimento? dor de desertos. Começou isto por um desastroso
legado indígena”.
7. (UFPE) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos parên-
teses V se for verdadeiro ou F se for falso. a) Qual foi o desastroso legado indígena a que se
refere Euclides da Cunha?
Os historiadores designam por República Velha o período
que se estende de 1889 a 1930. Sobre acontecimentos b) Cite dois empreendimentos econômicos da
históricos deste período, identifique as proposições história contemporânea brasileira, diretamente
verdadeiras e falsas. responsáveis por graves desequilíbrios ecoló-
( ) Os bancos emissores e a oligarquia açucareira do gicos em regiões onde permanece a cobertura
Nordeste foram responsáveis pela “política dos go- vegetal original.
vernadores”.
( ) O poder político, neste período, esteve controlado 10. (UERJ) Leia o texto sobre o Contestado (1912-1916),
pelas oligarquias estaduais e a Revolução de 1930 conflito ocorrido no sul do país e motivado, entre outros
tenta pôr fim a esta influência. fatores, pela disputa de terras.
( ) O coronelismo é um fenômeno político que surge, “A revolta teve sobretudo um caráter social e religioso.
no Brasil, na Primeira República. O que manteve os caboclos unidos foi a crença em
( ) O fenômeno do banditismo social, no Brasil, está as- um profeta conhecido como monge José Maria, um
sociado com a questão religiosa e a maçonaria. guerreiro místico como Antônio Conselheiro.
( ) Para os historiadores, o assassinato de Delmiro Gou- O Contestado foi um movimento milenarista, ou seja,
veia está relacionado com a concorrência que a sua impregnado de temores apocalípticos e esperanças de
fábrica de linhas fazia aos ingleses e a sua inimizade salvação para os iniciados. Os caboclos acreditavam
com Rosa e Silva. no fim deste mundo e no surgimento de outro melhor,
sem fome nem miséria. ‘Até hoje a população local se
8. (Unicamp) “A Guerra de Canudos, na qual, calcula-se, refere ao episódio como a guerra dos fanáticos,’ diz o
morreram 15 000 pessoas, faz 100 anos. No dia 5 de historiador Paulo Pinheiro Machado, da Universidade
outubro de 1897, depois de quatro expedições militares, Federal de Santa Catarina (UFSC).”
um ano de lutas intermitente e uma resistência feroz por
parte de seus defensores, o arraial erigido pelo Conse- (Superinteressante, maio 2000. Adaptado.)
lheiro nos ermos do Nordeste da Bahia foi finalmente
tomado pelo Exército. Quase nada sobrava daquele A expressão “guerra dos fanáticos” era usada para definir
santuário-cidadela (...). a participação dos revoltosos e foi criada naquela época
pelas autoridades políticas e pelos latifundiários.
(TOLEDO, Roberto Pompeu de. O Legado Sob um ponto de vista crítico atual, pode-se dizer que
do Conselheiro, Veja, 3 set. 1997.) a expressão indica a intenção de:
a) desqualificar os participantes da rebelião.
a) Qual o regime político brasileiro na época da Guerra
de Canudos? b) apoiar as ideias monarquistas dos revoltosos.

b) Cite os principais adversários de Antônio Conselheiro. c) enfatizar o caráter degenerado dos caboclos re-
voltosos.
c) Quais eram as características político-religiosas do
movimento de Canudos? d) destacar a indoIência de origem psicoclimática dos
camponeses.
11. (UERJ) Joseph Rotblat, ganhador do Nobel da Paz/95,
esteve recentemente no Rio de Janeiro (entre 2 e 5 de
outubro de 1995) participando de encontro de pesqui-
sadores e ficou horrorizado com a miséria e as condições
de vida das pessoas que “moram” sob viadutos e em
9. (Unesp) Os Sertões, livro escrito por Euclides da
locais insalubres. Chocou-se, também, com o contraste
EM_V_HIS_034

Cunha, comemorou em 2002 o centenário de sua


entre a miséria das favelas e a riqueza da zona sul.
publicação. Referindo-se ao flagelo das secas nos
sertões do nordeste do país, o autor observou: “Este
(O Globo, 14 out. 1995, p.15.)
17
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
No início do século XX, já se discutia como tornar o Rio de sociedades de anarquistas, de cáftens e de exploradores
Janeiro modernizado e adaptado às novas necessidades do lenocínio. Maior injúria não se pode fazer. Suprema
que a dinâmica do capitalismo exigia. O engenheiro afronta jogada às faces do Exército Nacional!
Pereira Passos, nomeado administrador da cidade, Maj. E. Figueiredo - O Sr. Presidente da República tem
empreendeu reformas de saneamento e embelezamento, toda a razão.
o que acabou resultando no seguinte fato:
Ten. Gwaier - V. Exa. Concorda que o Presidente da
a) expulsão das populações pobres do centro da cida- República feche o Clube Militar baseado naquela lei?
de, onde viviam em cortiços, despejando diversas
Maj. E. Figueiredo - Concordo.
famílias de suas casas e aumentando os aluguéis.
Ten. Gwaier - Então V. Exa. é cáften? É explorador do
b) reurbanização das favelas, dando um sentido mais hu- lenocínio? É anarquista? Queira desculpar porque,
manizado às habitações populares, evitando com tais francamente, eu não sabia.
reformas a expansão da violência e da corrupção.
Maj. E. Figueiredo - Eu respondo a V. Exa. como homem.
c) criação das associações de moradores, onde as Respondo sua audácia. (...)
classes populares e camadas médias discutiam as
(Sessão do Clube Militar de 24/6/1922, citado por SODRÉ,
questões relativas às suas comunidades e interfe-
Nelson Werneck. História Militar do Brasil.
riam nas decisões da administração pública.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. p. 203.)
d) remanejamento de favelas para o subúrbio, onde
estas populações ocuparam várias habitações po- O texto anterior demonstra o clima de radicalização
pulares, passando a gastar muito em passagens política no meio militar brasileiro na década de 1920. Tal
para se locomoverem para o trabalho. situação, de grande repercussão na sociedade brasileira
de então, gerou um movimento conhecido por:
12. (UERJ) “A República despontava. (…). Mas, e quanto
ao povo? Aquele monte de gente que não era mais es- a) nacionalismo, pelas críticas que o Clube Militar faria
cravo; gente branca, que vivia de vender bugigangas nas aos governos civis pela entrega de serviços públi-
cidades: os imigrantes famintos recém-chegados. Esta cos e da exploração do subsolo brasileiro a estran-
gente toda percebeu o que estava acontecendo?” geiros, sob a forma de concessão.
b) “jovens turcos”, por seus participantes, jovens ofi-
(TREVISAN, Leonardo. A República Velha. p.18.) ciais do Exército, lutarem pela profissionalização da
arma contra a tradição positivista existente desde o
A afirmativa que melhor responderia aos questionamentos final do Império.
que o autor faz no texto acima é:
c) populismo, que buscava contemplar as reivindicações
a) com a proclamação da República, os ex-escravos das massas populares urbanas sempre ignoradas pe-
foram integrados à sociedade do trabalho livre, de- las elites agrárias detentoras do poder na época.
vido ao crescimento do número de indústrias.
d) integralismo, que refletiu o crescimento do questio-
b) o sistema representativo e o federalismo significa- namento do Estado Liberal após a Primeira Guerra
ram a ampliação imediata do número de eleitores e, Mundial e a infiltração de ideias de caráter nazi-
portanto, maior participação política popular. -fascista no meio militar brasileiro.
c) a República possibilitou melhores condições de e) tenentismo, que procurou questionar os governos
trabalho ao nacional e ao imigrante, através de daquele período com propostas de caráter anti-
uma legislação trabalhista, presente na Constitui- oligárquico, por meio de movimentos armados diri-
ção de 1891. gidos, em geral, por oficiais de baixa patente.
d) a República garantiu, de fato, a ampliação dos direitos 14. (UFRJ) “Não ocultemos: o proletariado protesta porque
à cidadania, na medida em que estabeleceu, através o proletariado está organizado e sindicalizado, pode
da Constituição de 1891, o voto secreto e universal. ter resistência e ação direta. Mas se todas as classes
e) com a proclamação da República, poucas foram estivessem organizadas (...) por instigamento da sua
as mudanças significativas na ordem econômico- situação precária, neste momento não seria o operariado
-social que pudessem vir a estabelecer novas ba- que protestaria só, mas toda a Nação Brasileira que se
ses para a participação e a cidadania. levantaria esquálida, faminta, ameaçada de necessidades
negras (...).”
13. (UFRJ) “Ten. Gwaier - Está direito, V. Exa. submeterá
o requerimento à votação, Sr. Presidente. Os jornais
EM_V_HIS_034

(Discurso de Maurício de Lacerda, deputado e advogado


noticiam que o Sr. Presidente da República, para enxo- dos trabalhadores, em sessão da Câmara dos
valhar o Exército, vai mandar amanhã os seus agentes
Deputados, no dia 26 de julho de 1917.)
fecharem o Clube Militar, baseado numa lei que fecha as
18
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
No Brasil, o movimento operário e sindical constituiu- políticos e sociais. No entanto, já em seu nascedouro, a
-se ao longo da Primeira República (1889-1930), república brasileira impunha restrições ao exercício da
enfrentando dificuldades de toda ordem, tais como as plena cidadania.
más condições de vida, a insensibilidade das classes Apresente um argumento que permita considerar a
patronais e o preconceito das elites políticas do país. Revolta da Vacina (1904) um movimento social de busca
Liderado pelos anarco-sindicalistas, pelo menos até de afirmação da cidadania no início da República.
1917, esse movimento conheceu modificações a partir 17. (UFSM)
dos anos 30, mantendo essas novas características até
a década de, 70.

Domínio público.
a) Explique uma razão do crescimento do movimento
operário na Primeira República.
b) Cite dois fatores que contribuíram para a perda de
influência do anarquismo sobre o movimento ope-
rário na Primeira República.
15. (Unirio) Na segunda metade do século XIX, iniciou-se a
formação de um novo segmento social no Brasil, a classe
operária. Podemos afirmar que a:
a) migração italiana está ligada ao movimento operá-
rio, tendo que dividir com um grande número de Antropofagia.
ex-escravos a formação inicial da classe operária.
b) nascente classe operária brasileira tinha como base (ORDONEZ, Marlene; QUEVEDO, Júlio.
a mão-de-obra de ex-escravos que, saídos das fa- História. São Paulo: IBEP. p. 396.)
zendas cafeeiras, iam para as cidades em busca de
trabalho na indústria. A obra “Antropofagia”, de Tarsila do Amaral, sintetiza uma
c) classe operária brasileira possuía em sua formação das características dos modernistas, em 1922, ou seja,
uma base na mão-de-obra estrangeira e, na tenta- a) renovação artística de inspiração europeia, voltada
tiva de se organizar, utilizou o pensamento anarco- aos padrões externos, negando em definitivo a te-
-sindicalista. mática nacional.
d) participação da mão-de-obra estrangeira na forma- b) ufanismo brasileiro, expresso nas cores, formas e
ção da classe operária brasileira não foi significativa conteúdos, de inspiração nacionalista e de culto
devido à falta de preparo desses imigrantes. ao herói.
e) classe operária brasileira, mesmo com os esforços c) renovação artística quanto à forma e conteúdo, re-
demonstrados, não conseguiu fugir da tutela do pensando a cultura brasileira e a realidade nacional.
Estado. d) revisão da temática brasileira, reavaliando os con-
16. (UFRJ) “A cidadania moderna – ou seja, a integração teúdos artístico-culturais, impregnados da ideolo-
das pessoas no governo, via participação política; na so- gia socialista e da estética surrealista.
ciedade, via direitos individuais; e no patrimônio coletivo, e) reprodução da estética europeia, incorporando ce-
via justiça social – continua sendo aspiração de quase nas do cotidiano, porém sem liberdade de lingua-
todos os países, sobretudo os que se colocam dentro da gem pictórica e literária.
tradição ocidental (...). Simplificando muito, pode-se dizer
que o processo histórico de formação da cidadania no 18. (UFMG) “Da libertação do nosso espírito, sairá a arte
Ocidente seguiu dois caminhos, um de baixo para cima, vitoriosa. E os primeiros anúncios da nossa esperança
pela iniciativa dos cidadãos, outro de cima para baixo, por são os que oferecemos aqui à vossa curiosidade. São
iniciativa do Estado e de grupos dominantes”. estas pinturas extravagantes, estas esculturas absurdas,
esta música alucinada, esta poesia aérea e desarticulada.
(CARVALHO, J. Murilo de. Cidadania, Estadania e Apatia. Maravilhosa aurora!”
In: Jornal do Brasil, 24 jun. 2001, p. 8.) Com essas palavras, o escritor Graça Aranha abriu as
atividades da Semana de Arte Moderna, realizadas
A instauração do regime republicano no Brasil representou no Teatro Municipal de São Paulo, entre 13 e 17 de
EM_V_HIS_034

para muitos a possibilidade de democratização da fevereiro de 1922.


sociedade por meio da afirmação dos direitos civis,
Um dos objetivos dos promotores desse evento era:
19
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
a) escandalizar a sociedade, considerada retrógrada,
III. A mortalidade por moléstias transmissíveis não
reunindo um conjunto de obras e artistas inovadores.
sofreu uma queda percentual progressiva.
b) lançar as bases de uma produção artística em mol-
IV. A ação governamental concentrou esforços no
des acadêmicos, pois, no Brasil, se valorizava tradi-
combate à febre amarela.
cionalmente a produção cultural popular.
Podemos afirmar que a opção correta é:
c) tomar a arte e os produtos culturais mais próximos
dos operários, com quem os artistas radicais se a) I e IV.
identificavam. b) III e II.
d) trazer ao país uma amostra das vanguardas euro- c) IV e III.
peias, mediante a apresentação de obras de artis-
tas estrangeiros. d) I e III.
e) II e IV.

20. (PUC-Rio) Os anos 20 deste século, no Brasil, são con-


siderados como um período fértil na criação e difusão
de novos projetos para a reorganização do estado e da
19. (Unirio) Veja a tabela a seguir: sociedade brasileira. Indivíduos, instituições, grupos
sociais procuraram exprimir, por manifestos e ações, o
Mortalidade pelas principais moléstias transmissíveis seu descontentamento com a República vigente.
Rio de Janeiro (DF) – 1886-1910
Sobre esse período, não é correto afirmar que:
a) o movimento modernista procurou evidenciar, por
meio de novos padrões estéticos, a necessidade
de redirecionar textos e pesquisas para temas que
possuíssem inspiração no ambiente físico, cultu-
ral e social brasileiro, configurando uma busca da
brasilidade.
b) a Igreja Católica, sob a direção de D. Sebastião
Leme, procurou conquistar influência entre o meio
intelectual e o povo, em um movimento de “recris-
tianização da sociedade”, mediante a criação de
revistas e organização de associações, como, por
exemplo, o Centro Dom Vital.
c) jovens oficiais do exército, protestando contra a
fragmentação regionalista e a ausência de uma
real representação da nação, promoveram revol-
tas em 1922 e 1924, estimulando a organização
(DAMAZIO, SYLVIA. Retrato Social do Rio de Janeiro na da Coluna Prestes, que percorreu o país entre
Virada do Século. Rio de Janeiro: UERJ, 1996.) 1925 e 1927.
d) lideranças do movimento operário urbano, tanto de
I. Rodrigues Alves (1902-1906) adotou uma polí-
orientação anarco-sindicalista quanto de orienta-
tica de saúde, com base nas reformas de Pereira
ção comunista, articularam alianças no sentido de
Passos e na participação de Oswaldo Cruz, o
apoiar a aplicação do conjunto de leis trabalhistas
que fez diminuir a mortalidade pelas doenças
promulgadas pelos governos oligárquicos.
transmissíveis.
e) educadores e higienistas, sintonizados com pro-
II. As reformas sanitárias e as campanhas de vaci-
jetos de modernização da saúde e da educação
nação, realizadas por Oswaldo Cruz, não tive-
públicas, propuseram programas e iniciativas que,
ram efeito positivo na queda da mortalidade.
por caminhos distintos, valorizavam o intervencio-
nismo estatal.
EM_V_HIS_034

20
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
12. E
13. B
14. E
1. B
15. A
2. D
16.
3. A
a) Duas dentre as características:
4. Canudos surgiu em decorrência da pobreza e miséria
vivida pelos camponeses no interior da Bahia e no Nor- •• o anticlericalismo;
deste, graças ao poder dos latifundiários. Surgiu um líder
carismático e messiânico que conduziu aquele povo. •• a igualdade plena dos direitos;

5. 09 •• a conquista da liberdade plena;

6. A •• a rejeição de toda a forma de poder;

7. E •• a defesa do espontaneísmo das massas.


b) Um dentre os motivos:
8. B
9. B •• sucesso da Revolução Russa;

10. D •• maior difusão das ideias anarquistas;

11. C •• alta do custo de vida sem proporcional aumento


dos salários.
EM_V_HIS_034

21
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
7. F, V, V, F, V
8.
a) República Oligárquica.
1.
b) Os latifundiários do Nordeste e o Governo Federal,
a) A concentração fundiária brasileira - e, em especial,
devido à defesa da volta da monarquia por Antônio
nordestina - fazia com que a esmagadora maioria
Conselheiro.
da população não tivesse acesso à propriedade de
terra, tendo de se submeter a relações de trabalho c) Foi um movimento de caráter messiânico, em virtu-
marcadas pela sobre-exploração. Essa população de da carência material do sertanejo, que não via na
sofria ainda os efeitos das grandes secas que asso- República expectativa de melhora.
laram o sertão nordestino, em parte resultando na
9.
falência das culturas tradicionais (algodão e açú-
car), provocando uma grave crise econômica. a) Realização de queimadas para plantar suas roças
de milho e mandioca.
b) • Dificuldades de domínio dos grandes proprietá-
rios de terra sobre a mão-de-obra; b) Rodovia Transamazônica, Usinas de Itaipu e Tucu-
ruí, Projeto Carajás e Projeto Jari, entre outros.
•• o rompimento da hierarquia e do controle da Igreja
oficial sobre a população local; 10. A

•• a pregação do beato não se coadunava com a 11. A


ortodoxia veiculada pela hierarquia eclesiástica; 12. E
•• Canudos, enquanto um espaço social, negava a 13. E
ordem instituída, uma vez que exercia um forte
poder de atração sobre a massa sertaneja. 14.
2. a) A imigração europeia, o crescimento industrial, a
influência das ideias anarquistas e a exploração da
a) O sertão nordestino, pequenas vilas e lugarejos. classe trabalhadora.
b) Pela miséria, pobreza e concentração latifundiária. b) A ação repressiva do governo, a Revolução Russa
c) A necessidade de controle social com a ameaça de 1917 e o avanço das ideias comunistas.
“Banditista”. 15. C
3. 16. A Revolta da Vacina representou a reação popular contra
a) Zumbi - Palmares; Antônio Conselheiro – Canudos; um governo que desrespeitava os princípios da liberdade
Lampião – Cangaço. individual e valores morais da população como a virtude
da mulher, a honra dos chefes de família e a inviolabili-
b) Movimento de caráter messiânico popular, ocorri- dade do lar. O inimigo não era a vacinação em si, mas o
do no sertão nordestino contra as oligarquias dos governo, em particular as forças de repressão.
coronéis.
17. C
4. Movimento considerado banditista (fora da lei), mas
que deve ser inserido na condição miserável gerada 18. A
pelos latifundiários do Nordeste na primeira metade so 19. A
século XX.
20. D
5.
a) A luta no Brasil pela reforma agrária.
b) “é a terra que querias ver dividida...”
“é a parte que te cabe desse latifúndio...”
6.
a) A acusação do movimento ser monarquista e faná-
tico religioso.
EM_V_HIS_034

b) A miséria e a pobreza em que viviam.

22
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_HIS_034

23
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_HIS_034

24
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
A Revolução
de 1930 e
a Era Vargas
Ribeiro de Andrada. Washington Luis acreditava que
somente um presidente paulista poderia zelar pela
valorização do café após a crise de 1929.
Antônio Carlos resolveu articular uma coalizão
que contou com o apoio de oligarquias dissidentes
Os movimentos operário e tenentista demons- como o Rio Grande do Sul do então governador Getú-
traram que o pacto político das oligarquias, não mais lio Vargas que virou candidato à presidente da Alian-
conseguia abranger todas as forças sociais mais ça Liberal, nome dado à coalizão que recebeu ainda
importantes do país. o apoio da Paraíba, do candidato à vice-presidência
As oligarquias não passaram inertes pela crise João Pessoa. A classe média também se integrou à
de 1929 e o desgaste econômico facilitou a derrubada Aliança Liberal por meio do Partido Democrático e
do governo de Washington Luis pela Revolução de do jornal O Estado de São Paulo.
1930 que deu origem a Era Vargas. Neste módulo, Apesar da participação de representantes das
analisaremos as duas primeiras fases da Era Var- antigas oligarquias, as propostas da Aliança Liberal
gas – o Governo Provisório (1930-1934) e o Governo defendiam a instituição do voto secreto, anistia polí-
Constitucional (1934-1937) e como Vargas procurou tica aos presos políticos e leis trabalhistas, fazendo
contemplar os interesses das principais forças polí- com que a Aliança Liberal recebesse ainda a adesão
ticas do país. da massa popular e dos tenentes, com exceção de
Prestes. Este, já aproximado aos ideais comunistas,
A Revolução de 1930 denunciava a presença de vários membros do go-
verno oligárquico na aliança Liberal, a exemplo de
Epitácio Pessoa, entre outros.
Para entendermos a Revolução de 1930 e seus
desdobramentos, temos que analisar com atenção Apesar da grande mobilização, a vitória nas
os últimos momentos da República Oligárquica no eleições foi de Júlio Prestes, deixando indignados
governo de Washington Luís (1926-1930). A crise políticos como Getúlio Vargas, Lindolfo Collor, Oswal-
de 1929 afetou profundamente a economia brasilei- do Aranha, Góis Monteiro e Borges de Medeiros. Em
ra, pois o crédito estrangeiro destinado para a ma- meio às insatisfações, João Pessoa, então governador
nutenção dos estoques foi cessado, assim como se da Paraíba foi assassinado. João Pessoa sofria forte
retraiu o consumo do café no mercado internacional. oposição de coronéis do interior apoiados pelos pau-
O resultado foi a falência de muitos cafeicultores e o listas, mas foi assassinado por Luis Dantas numa
desgaste da política de valorização do café instituída confeitaria em Recife, no dia 26 de julho de 1930.
pelo Convênio de Taubaté de 1906. O assassinato de João Pessoa, frequentemente
Diante da crise internacional, Washington Luis, noticiado nos meios de comunicação, acabou ser-
representante da oligarquia paulista, resolveu rom- vindo de bandeira de luta do grupo que, no dia 3 de
per com a política do café-com-leite, indicando Júlio outubro de 1930, marchou do Rio Grande do Sul em
EM_V_HIS_035

Prestes, também paulista, como seu sucessor ao direção ao Rio de Janeiro sob o comando do tenente-
invés do governador de Minas Gerais Antônio Carlos coronel Góis Monteiro. No dia 24 de outubro, os

1
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
generais Mena Barreto e Tasso Fragoso derrubaram com medidas econômicas nacionalistas (nacionaliza-
Washington Luis: era a Revolução de 1930. Getúlio ção de bancos estrangeiros e de riquezas minerais)
Vargas assumia a chefia do Governo Provisório. por meio do Clube Três de Outubro; e os militares
legalistas, que defendiam a manutenção da ordem,

Domínio público.
dentre outros conflitos ideológicos surgidos.
É neste contexto que Vargas se destaca como o
“conciliador”, tomando atitudes que procuraram de
alguma maneira conciliar todas as classes envolvidas
nessa problemática como a nomeação de intervento-
res em diversos estados em substituição aos antigos
governadores, vinculados à política oligárquica. Os
interventores, na maioria, eram nomeados entre os
tenentes, os quais já tinham promovido movimentos
de questionamento à República Velha - os chamados
“Movimentos Tenentistas” como a Revolta do Forte
de Copacabana de 1922 e a Coluna Prestes.
Vargas chegando ao poder.
A Revolução Constitucionalista
de 1932
Estes tenentes interventores eram escolhidos
por Getúlio Vargas e nem sempre eram nativos do
estado que lhes eram determinados. Um exemplo
Quem foi Getúlio Vargas (1882-1954)? disso ocorreu no estado de São Paulo, com a nome-
ação do interventor João Alberto que era tenente
Nascido em uma família rica de fazendeiros pernambucano. Os paulistas exigiam um interventor
de São Borja (RS), Vargas estudou Direito e, pelas civil e paulista para o estado.
mãos de Borges de Medeiros, chefe da oligarquia Aliado a esta conjuntura, temos a perda da he-
gaúcha, ingressou na vida política em 1909 como gemonia política de São Paulo, antes garantida pela
deputado estadual. Depois de seguidos man- política do café-com-leite, a cobrança dos paulistas
datos, foi eleito, em 1922, deputado federal. Foi pelo direito de nomear seus próprios representantes
Ministro da Fazenda no governo Washington Luís e ainda as reivindicações devido à ausência de Cons-
(1926-1930), por indicação de Borges Medeiros. tituição, pois ao assumir o poder, uma das medidas
Em 1927 elegeu-se governador do Rio Grande do tomadas por Vargas foi a suspensão da Constituição
Sul. Derrotado nas eleições presidenciais de 1930, de 1891. Dessa forma passou a governar através de
deixou o governo federal para dirigir o levante que decretos-leis o que não agradou as lideranças pau-
o conduziria ao poder. listas. Diante desta conjuntura eclodiu no Brasil, a
Revolta Constitucionalista de 1932 , em São Paulo.
Domínio público.

O governo provisório
de Vargas (1930-1934)
Após a conjuntura que levou à famosa Revolução
de 1930, que mudaria o quadro político brasileiro,
representando a ruptura com a política do café-com-
-leite, Vargas se viu em um quadro que envolvia vários
grupos políticos. As oligarquias tradicionais foram
alijadas do poder e, por isso, reivindicavam a cons-
titucionalização do Brasil e o retorno da democracia,
EM_V_HIS_035

ambicionando a vitória nas eleições; os oficiais inte-


gralistas, que influenciados pelo fascismo defendiam
a formação de um governo fortemente centralizador
2
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Para tentar resolver esta questão provocada por •• deputados classistas (representantes de
pressões dos paulistas, Vargas fez várias concessões classes sindicais);
como a nomeação de Pedro de Toledo (paulista civil)
•• voto feminino;
para interventor, em 1.o de março de 1932, a publica-
ção em 24 de fevereiro do mesmo ano do novo Código •• criação do Ministério do Trabalho;
Eleitoral e o anteprojeto de Constituição, marcando
•• presença de leis trabalhistas (proibição de
as eleições da Assembleia Constituinte para 3 de
diferenças salariais de acordo com o sexo,
maio de 1933. Oswaldo Aranha foi enviado a São Pau-
idade, nacionalidade ou estado civil; salário
lo para realizar a formação de um novo secretariado
mínimo; jornada de trabalho de oito horas
para governo estadual.
diárias; descanso semanal; indenização
No dia seguinte, 23 de maio, estudantes pro- do trabalhador demitido sem justa causa,
testaram na rua contra a presença de Aranha e 4 proibição para o trabalho de menores de 14
deles, Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, foram anos etc.);
assassinados tornando-se símbolos do movimento.
As iniciais de seus nomes foram tomadas como sigla •• ensino primário obrigatório e gratuito;
pela organização civil que encabeçaria a resistência •• previa nacionalização dos bancos e empresas
ao governo central (MMDC). E apesar das conces- de seguro.
sões, o Partido Republicano Paulista uniu-se ao Par-
tido Democrático formando a Frente Única Paulista No dia seguinte, a promulgação da Constituição
(FUP) iniciando a revolução em 9 de julho de 1932, realizou-se uma eleição na qual Vargas foi eleito pelo
sob o comando de Isidoro Dias Lopes. Porém, esta voto indireto da Câmara para um mandato até 3 de
praticamente não contou com a adesão de outros maio de 1938, sem direito a reeleição.
estados e foi esmagado por Vargas.
O governo constitucional
de Vargas (1934-1937)
Faz-se necessária, neste momento, uma referên-
cia à História Geral, no tocante à conjuntura europeia,
Para tentar pacificar o estado de São Paulo e palco do fervilhão de ideologias que acabaram por dis-
consolidar as bases de seu poder, Vargas fez am- putar seus espaços de influência também no Brasil.
plas concessões no terreno financeiro, abstendo-
Em 1933 chega ao poder na Alemanha Adolf
-se de indicar tenentes para o governo Estadual
Hitler criador de uma ideologia que se difundiu pelo
e, não menos importante, confirmando a data de
mundo – o Nazismo. Além de Hitler, temos Benito
3 de maio de 1933 para as eleições à Assembleia
Mussolini na Itália, um dos grandes responsáveis pela
Constituinte. Apesar da força que havia adquirido,
criação e difusão do Fascismo, já na década de 1920.
Vargas não conseguiu fazer com que a Assembleia
Ao lado destes governos, temos em 1917 a realização
Constituinte invertesse a ordem dos trabalhos
da Revolução Russa um exemplo de nação com o
para realizar logo de início as eleições presiden-
governo de orientação comunista. Essas ideologias
ciais. Uma proposta nesse sentido, em fevereiro de
tiveram grande campo após a 1.o Guerra Mundial, pois
1934, foi interpretada como tentativa de domesti-
a Europa se encontrava em grande parte destruída
car a Assembleia e devidamente arquivada.
após o conflito e qualquer ideologia que inflamasse o
nacionalismo e reformas sociais nestas nações, teria
agora um bom campo para se desenvolver.
Diante desta conjuntura foi promulgada, em 16 No Brasil, vemos estas ideologias traduzidas e
de julho, a Constituição de 1934 que tinha as prin- adaptadas em duas frentes conhecidas como a Ação
cipais características: Integralista Brasileira (AIB), de inspiração fascista,
•• manutenção do regime federativo, presi- que foi organizada em 1932, por Plínio Salgado e teve
dencialista e dos três poderes (Executivo, grande apoio dos setores conservadores (oligarquias
Legislativo e Judiciário); tradicionais, empresários, membros do alto clero e
•• extinção do cargo de vice-presidente; da alta hierarquia militar). Era anticomunista e de-
fendia no Manifesto à Nação Brasileira, a formação
•• voto secreto e eleições diretas para os pode-
EM_V_HIS_035

de um regime ditatorial nacionalista e unipartidário,


res Executivo e Legislativo da União, Estados além da manutenção da propriedade privada (“Deus,
e Municípios; Pátria e Família”).
3
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
na figura do comunismo, pois tinha como ideologia

Domínio público.
o fim da propriedade privada, o que não agradava
nem os latifundiários, nem os burgueses. Além disto
o comunismo é contrário às religiões, sendo a Igreja
outro adversário que tinha pela frente. Enfim, a con-
juntura era perfeita para a realização de um golpe na
manutenção dos interesses dos grupos diretamente
afetados pelo comunismo.
Diante da Intentona Comunista, a ameaça co-
munista se tornou muito clara. Diante desta conjuntu-
ra, Vargas simulou um suposto plano comunista para
tomar o poder no Brasil, isto é, seria um plano feito
pela ANL para dominar o Brasil, que na verdade foi
redigido por Olímpio Mourão (integralista) a mando
de Vargas, plano este que prolongaria o estado de
sítio devido à ameaça socialista.
“Seria necessário” um líder capaz de sufocar tal
Plínio Salgado: líder do Integralismo ameaça, um líder personalizado na figura de Getúlio
Brasileiro. Vargas. Este fator facilitou a formação do Golpe de
1937, que prolongou o poder nas mãos de Vargas.
Já a Aliança Nacional Libertadora (ANL), sob Este plano ficou conhecido como Plano Cohen (1937).
a liderança do Partido Comunista Brasileiro e de Luis O novo ou o prolongamento do Governo de Vargas
Carlos Prestes, foi fundada como oposição ao inte- ficou conhecido como Estado Novo.
gralismo e tinha como base de apoio o movimento
comunista, operários, membros da classe média e
liberais-democratas. Defendia a reforma agrária,
cancelamento da dívida externa, nacionalização de
empresas estrangeiras e a formação de um gover-
no popular-democrático. Porém, esta foi declarada
ilegal em 1935. A descoberta do Plano Cohen foi divulgada
pela “Hora do Brasil” , tal “descoberta” provocou
uma torrente de apoio a Getúlio Vargas, com ma-
nifestações do clero, empresariado, intelectuias e
estudantes. No dia 1.o de novembro, Plínio Salgado
promoveu no Rio de Janeiro um enorme desfile
integralista em homenagem ao chefe do governo
Temos como grande destaque do movimento e retirou sua candidatura a presidência. Logo
de base comunista no Brasil, a Intentona Comunis- em seguida, a imprensa noticiou uma estranha
ta (1935), que tinha em sua composição militares missão que acabava de ser cumprida pelo depu-
e elementos populares em Natal, Recife e Rio de tado Negrão de Lima junto aos governadores do
Janeiro que se insurgiram sob a liderança de Luis Norte e do Nordeste (menos os de Pernambuco e
Carlos Prestes, mas foram rapidamente sufocados da Bahia). Esse emissário fora incumbido de dar
pelo governo federal, que decretou estado de sítio ciência do que preparava os governadores, e de
no Brasil. obter a colaboração dos mesmos.

Vargas procurou tirar proveito diante desta


radicalização ideológica. Segundo a eleição que
Vargas se submeteu, não poderia mais se reeleger.
Estado Novo (1937-1945)
A manutenção do poder só poderia vir a partir de Após o Plano Cohen e o golpe de 1937, Vargas
um golpe, mas para que se justificasse tal atitude governou o país num sistema ditatorial, extrema-
o Brasil teria que estar passando por uma situação mente repressivo e restritivo quanto às liberdades
EM_V_HIS_035

de ameaça na qual, para sua contenção, seria ne- individuais. Estado de sítio e censura aos meios de
cessário um líder de punho forte. Neste momento, comunicação eram meios de silenciar a oposição de
um dos grandes vilões se encontrava personalizado maneira violenta, vitimando figuras importantes,
4
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
como a judia Olga Benário, esposa de Luis Carlos Esse período do governo de Vargas é identifica-
Prestes, presa pela polícia secreta de Vargas e envia- do por muitos como um período ditatorial, pois nele
da para um campo de concentração europeu. se encontram as atitudes características de uma
Neste período a industrialização brasileira ditadura como a atuação da censura, como a cria-
avançou a passos largos por meio de uma política ção do Departamento de Imprensa e Propaganda
estatal de geração de indústrias de base. A eclosão (DIP), responsável pela fiscalização das matérias
da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e o estímulo e notícias que iriam ser divulgadas, exercendo um
a substituição de importações também contribuiram controle ideológico a partir de restrições aos meios
para a industrialização, mas lançaram a sociedade de comunicação. Através da censura e da criação
brasileira numa campanha em prol da redemocrati- de programas, Vargas se utilizou dos veículos de
zação do Brasil, desgastando o Estado Novo e con- comunicação em massa para construir sua própria
tribuindo para o fim da Era Vargas. imagem, por intermédio da difusão de uma ideia
sempre positiva de seu governo, promovida pela
Frente à conjuntura do Plano Cohen e com apoio
campanha radiofônica obrigatória (A Hora do Brasil).
de vários setores sociais brasileiros, assim como
Um dos elementos da cultura brasileira mais perse-
dos generais Eurico Gaspar Dutra e Góis Monteiro,
guidos foram os ”malandros” e muitas músicas que
e de vários governadores, Vargas determinou o fe-
falavam sobre a “malandragem”, principalmente no
chamento do Congresso Nacional e dos legislativos
Rio de Janeiro, eram censuradas. As músicas deve-
estaduais e municipais. O golpe de 1937 suspendeu
riam exaltar o Brasil e valorizar o trabalho.
as eleições presidenciais, extinguiu os partidos polí-
ticos, revogou a Constituição de 1934 e implantou a
Constituição de 1937, baseada na carta fascista da
Polônia (Constituição Polaca) e redigida por Francisco
Campos. Entre os princípios da Constituição de 1937
podemos citar:
•• controle do Executivo sobre os demais pode-
res e sobre os estados; O Bonde São Januário

•• criação do estado de emergência – o pre- (Samba\Carnaval)


sidente poderia suspender as imunidades
parlamentares, prender e exilar;
Quem trabalha é quem não tem razão
•• instalação da pena de morte; Eu digo e não tenho medo de errar
•• proibição de greves; O bonde São Januário
•• instalação da censura aos meios de comu- Leva mais um operário
nicação; Sou eu quem vou trabalhar
•• criação do Conselho de Economia Nacional,
composto por representantes das classes sin- Antigamente eu não tinha juízo
dicais e patronais, determinando a racionali- Mas resolvi garantir meu futuro
zação econômica e desenvolvimento técnico
Vejam vocês:
(intervenção do estado na economia).
Diante das atitudes de Vargas em relação à
Sou feliz, vivo muito bem
ameaça comunista, como a colocação da ANL na ile-
galidade após a supressão da Intentona Comunista A boemia não dá camisa a ninguém
e a elaboração de uma Constituição de base fascista, É, digo bem
os integrantes da AIB (Ação Integralista Brasileira)
acreditavam que o governo de Vargas apoiava suas
reivindicações. Porém, em 1937, Vargas, pouco dis- (Wilson Batista e Ataufo Alves, 1941.)
posto a compartilhar o poder, declarou o fechamento
da AIB, gerando um movimento conhecido como
Intentona Integralista de 1938, onde os integralis-
tas invadiram o Palácio do Catete, sede do governo Encontra-se ainda situada neste momento a
no Rio de Janeiro, tentando derrubar o presidente Polícia Secreta liderada por Filinto Müller que se
EM_V_HIS_035

Vargas. Entretanto, foram reprimidos pelas tropas especializou em torturas e assassinatos de indiví-
governamentais. duos considerados nocivos à ordem pública. Outra
5
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
característica das Polícias Secretas é criar medo entre “Nenhuma notícia sobre escassez de peixe
a população, tornando-a, indiretamente, agente do no país.”
governo quando as pessoas passam a se denunciar “Proibida a divulgação das aspirações das
mutuamente. classes trabalhista de Porto Alegre, enviadas ao
chefe do governo.”
O controle dos “Nada sobre passeatas de estudantes pau-
listas.”
trabalhadores e a CLT “Não podem ser divulgadas notícias sobre os
Uma frase que definiria bem Vargas e seu gover- desfalques na Caixa Econômica de Niterói.”
no seria: “Vargas foi pai dos pobres e mãe dos ricos”, (Lista de temas proibidos pelo DIP.
pois conseguiu trazer para junto de si o apoio das Citado por Nosso Século, 1930-1945.
mais variadas classes sociais devido às suas ações. São Paulo; Abril Cultura, 1980. v. 3, p. 196.)
Entre elas, a que mais se destacou foi a Consolidação
das Leis Trabalhistas (CLT) inspirada na Carta del
Lavoro (fascismo italiano), a qual contou com a com-
pilação de leis trabalhistas presentes na Constituição
de 1934. A CLT regula as relações entre patrões e Por meio do discurso, Vargas procurava construir
empregados, além de permitir o controle do Estado sua imagem como aquele que defendeu os interesses
sobre os sindicatos por meio de normas como: dos trabalhadores humildes por intermédio da CLT
e, portanto os trabalhadores não precisariam realizar
•• os sindicatos tornaram-se apenas assisten-
greves nem agitações, pois o presidente cuidava de
cialistas (assistência médica, jurídica);
seus interesses. Esta prática procurava controlar o
•• somente o Ministério do Trabalho poderia movimento sindical brasileiro, reduzindo as mani-
reconhecer oficialmente um sindicato; festações contrárias aos patrões, que continuavam
•• os funcionários públicos não poderiam se multiplicando seus lucros sem maiores incômodos.
filiar a sindicatos; Daí a explicação da frase que afirmava que “Vargas
foi pai dos pobres e mãe dos ricos”. Apesar da ação
•• o governo poderia intervir nos sindicatos, ideológica, as greves que haviam eram reprimidas
sempre que achassem conveniente. com extrema violência durante o Estado Novo.
O controle dos sindicatos trabalhistas (inspira-
ção do Estado Corporativista do fascismo italiano) A industrialização e a
vai na contra-mão do ideal socialista de luta de
classes, sendo que nos sindicatos eram infiltrados intervenção do Estado
agentes do governo conhecidos como “pelegos”,
que procuravam defender os interesses do Estado
na economia
tentando desarticular as tentativas de greve e le- É característica desta fase do governo de Var-
vantes trabalhistas. gas a economia sob intervenção estatal, exemplifi-
cada com a criação do Conselho Nacional do Café
(CNC). A reedição da política de valorização do café,
implantada inicialmente na República Oligárquica,
gerou divisas para o Estado brasileiro, que passou
a ser o responsável pela venda do café no mercado
internacional. Com estas divisas, o Estado pôde
“Não pode ser noticiada a morte de um operá-
realizar alguns de seus projetos na área industrial.
rio no restaurante do SAPS quando almoçava.”
Se no início o CNC conseguiu resultados positivos,
“Proibida quaisquer alusões ao regime bra- com o tempo, os estoque de café chegaram a níveis
sileiro anterior a 10 de novembro de 1937, sem superiores à capacidade de consumo mundial, fa-
prejuízo de referências à democracia, pois o regime zendo com que o Estado tivesse que queimar grande
atual é também uma democracia.” quantidade do produto.
“Nada sobre a União Nacional dos Estudantes.” Outra característica da política varguista é a
“Não divulgar nenhuma nota do serviço de intervenção no processo de industrialização, política
segurança da polícia sobre grave incidente entre estimulada pela substituição de importações com
EM_V_HIS_035

civis e militares em Marechal Hermes (subúrbio a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A produção
do Rio)”. europeia estava voltada à manutenção do conflito
6
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
e à produção bélica, fazendo com que empresários Porém, a participação na Segunda Guerra
brasileiros se dedicassem à produção industrial com Mundial acabou gerando um grave problema para
reduzida concorrência internacional. Além disso, o a sustentação política do Estado Novo. Vargas,
Estado Novo acumulou divisas por meio da venda de governante ditatorial, entrou na Segunda Guerra
produtos para a Europa em guerra, principalmente Mundial ao lado da democracia e do liberalismo dos
minerais e bens primários. Aliados, contrários às ditaduras nazi-fascistas. Esta
O Estado Novo promoveu a instalação de indús- contradição foi percebida pela sociedade brasileira,
trias de base estatais, fundamentais ao desenvol- que passou a exigir a redemocratização do Brasil.
vimento econômico brasileiro. Temos abaixo alguns A partir desta indisposição criada, devido ao apoio
exemplos destas indústrias: de Vargas ao governo democrático americano, em
outubro de 1943 políticos e empresários de Minas
•• Companhia Siderúrgica Nacional (CSN-
Gerais lançaram o Manifesto dos Mineiros, exigindo
1941), instalada com auxílio do capital norte-
a redemocratização do Brasil.
-americano.
•• Companhia Vale do Rio Doce (1942), criada
com o objetivo de obter matéria-prima des- A redemocratização
tinada à indústria pesada.
Devido às pressões surgidas, Vargas permitiu o
•• Conselho Nacional do Petróleo (1938) - cria- retorno dos exilados (entre eles Luis Carlos Prestes),
do para controlar a exploração e fornecimento libertou os presos políticos, estabeleceu eleições
de petróleo e derivados. O CNP foi respon- gerais para 2 de dezembro de 1945 e autorizou a
sável pela perfuração do primeiro poço de formação de partidos políticos descritos abaixo:
petróleo no Brasil, em 1939. •• UDN (União Democrática Nacional): for-
•• Modernização da estrada de ferro Central mada por industriais, banqueiros, grandes
do Brasil. proprietários de terra, classe média e im-
prensa, sob a liderança de Armando Salles e
Vargas criou ainda o Departamento de Admi- Assis Chateaubriand. Era contrária à política
nistração do Serviço Público (DASP), em 1938, para econômica intervencionista de Vargas, além
racionalizar a administração pública modernizando das restrições políticas, defendendo uma
a burocracia estatal. nova constituição. Lançou como candidato à
presidência Eduardo Gomes.
A participação do Brasil •• PSD (Partido Social Democrático): formado
na Segunda Guerra Mundial por industriais, banqueiros e grandes pro-
prietários que apoiavam Vargas.
Apesar da aparente simpatia de Vargas pelos •• PTB (Partido Trabalhista Brasileiro): forma-
governos de base fascista, este entrou na Segunda do por setores do movimento sindical ligado
Guerra ao lado dos Aliados, diante das pressões a Getúlio Vargas. Uma coligação entre PTB e
americanas, em 1942. Após dezembro de 1930, o PSD foi realizada para apoiar a candidatura
afundamento de navios brasileiros, supostamente do Ministro da Guerra do Estado Novo Eurico
realizado pelos Alemães, o Brasil declarou guerra a Gaspar Dutra.
Alemanha de Adolf Hitler. Neste momento da guer-
ra, Vargas enviou uma esquadrilha da Força Aérea •• PCB (Partido Comunista Brasileiro): retira-
Brasileira (FAB) e soldados da Força Expedicionária do da ilegalidade, agregava os movimentos
Brasileira (FEB), integrada ao V Exército norte-ame- de esquerda, apresentando como candidato
ricano, valendo ressaltar que os soldados brasileiros Yedo Fiúza.
alcançaram vitórias consideráveis na Itália, em Como não poderia se candidatar, Vargas utili-
regiões como Monte Castelo, Castelnuevo e Monte- zou-se do DIP e de sua máquina de propaganda tão
se. Em troca da participação do Brasil na Segunda desenvolvida durante seu governo, e promoveu um
Guerra Mundial, os Estados Unidos concederam um movimento conhecido como “Queremismo” que
empréstimo na ordem de 20 milhões de dólares ao apoiava a sua continuidade como líder do Brasil de-
Brasil, que foram utilizados para a construção da mocrático. A campanha, que tinha como lema “Que-
CSN (Companhia Siderúrgica Nacional). Com isso, os remos Getúlio Presidente!”, contou com a adesão de
Estados Unidos ganharam o direito de estabelecer setores trabalhistas e do Partido Comunista Brasilei-
EM_V_HIS_035

uma base área em Natal, que ficou conhecida como ro, que deveria apoiar movimentos anti-imperialistas
Trampolim da Vitória. e de frente popular, de acordo com determinações
7
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
da União Soviética. Isto explica o apoio de Prestes 2. (Unesp) Getúlio Vargas, depois de outorgar a Cons-
a Vargas, mesmo após o presidente ter enviado sua tituição de 1934, ampliou sua política intervencionista
esposa Olga Benário para um campo de concentração de modo a ter pleno controle sobre a sociedade e,
na Europa. O apoio comunista a Getúlio Vargas pode assim, impor seu plano político. Discorra sobre três
ser explicado parcialmente pela ideia de “etapismo”. características importantes deste governo e indique
“Etapismo” é a crença de que o Brasil precisava pri- como terminou.
meiro se tornar um estado burguês para possibilitar
o comunismo. `` Solução:
Porém, devido ao temor de um novo golpe de Período dito constitucional, polarizado entre AIB e ANL.
estado em 1945 por Vargas, os udenistas e as Forças Teve seu desfecho em 1937, com um golpe de estado,
Armadas lideradas pelos generais Góes Monteiro e após o suposto Plano Cohen.
Eurico Gaspar Dutra cercaram o Palácio do Catete,
exigindo a renúncia de Vargas. Com a renúncia de
Vargas, a presidência foi exercida pelo ministro do Su-
premo Tribunal Eleitoral José Linhares, que garantiu
as eleições vencidas por Eurico Gaspar Dutra, Minis-
tro da Guerra de Vargas e oficial do Exército brasileiro
que atuou na Segunda Guerra Mundial. Finalizou-se 3. (Fuvest) Em 10 de novembro de 1937, para justificar o
o Estado Novo, mas a figura de Vargas estava longe golpe que instaurava o Estado Novo, Getúlio Vargas
de se desvincular da vida política brasileira. discursava:
“Colocada entre as ameaças caudilhescas e o
perigo das formações partidárias sistematicamente
agressivas, a Nação, embora tenha por si o
patriotismo da maioria absoluta dos brasileiros e
1. (Fuvest) “Vitoriosa a revolução, abre-se uma espécie de
o amparo decisivo e vigilante das forças armadas
vazio de poder por força do colapso político da burgue-
não dispõe de meios defensivos eficazes dentro
sia do café e da incapacidade das demais frações de
dos quadros legais, vendo-se obrigada a lançar
classe para assumí-lo, em caráter exclusivo. O Estado de
mão das medidas excepcionais que caracterizam o
Compromisso é a resposta para esta situação. Embora
estado de risco iminente da soberania nacional e da
os limites da ação do Estado sejam ampliados para além
agressão externa.”
da consciência e das intenções de seus agentes, sob o
impacto da crise econômica, o novo governo representa Baseando-se no texto anterior, pode-se entender
mais uma transação no interior das classes dominantes, que:
tão bem expressa na intocabilidade sagrada das relações a) Vargas fala em nome da Nação, considerando-se
sociais no campo”. o intérprete de seus anseios e necessidades.
b) a defesa da Nação está exclusivamente nas
(FAUSTO, Boris. A Revolução de 1930: Historiografia e História.)
mãos do Exército e do patriotismo dos brasilei-
ros.
a) Explicite o que o autor apresenta como “Estado de
Compromisso”. c) Vargas delega às forças armadas o poder de
lançar mão de medidas excepcionais.
b) Qual a relação entre “O Estado de Compromisso”
e a “intocabilidade sagrada das relações sociais no d) as medidas excepcionais tomadas estão na relação
campo”? direta da falta de formações políticas atuantes.
e) Vargas estabelece uma oposição entre o patriotis-
`` Solução:
mo dos brasileiros e a ação da forças armadas.
a) “Compromisso” entre a classe dominante, agregan-
do setores sociais e econômicos e o proletariado `` Solução: A
urbano em torno das propostas populistas de Ge-
túlio Vargas, para a manutenção dos status quo
vigente. 4. (Unesp) O Estado Novo (1937-1945) foi marcado pelo
seu caráter centralizador, intervencionista e autoritário.
b) O “Estado de compromisso” não abrange o homem As forças opositoras ao regime valiam-se dessas carac-
EM_V_HIS_035

do campo no que concerne aos direitos trabalhistas. terísticas para denunciar a “ação fascista” do governo.

8
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
No processo de crise desse Estado, cujo desfecho És terra de toda gente
foi a deposição de Vargas, avalie a importância da E orgulho dos filhos teus
participação do Brasil na Guerra em oposição ao nazi-
-fascismo.
O destino que te traz
`` Solução: Liberdade, amor e paz
O Brasil criou a FEB e a FAB, patrulhou o atlântico Sul e No progresso em que te agitas
enviou tropas para a Itália, ao lado dos aliados. Torrão de viva beleza
5. (Unicamp) Diferenças significativas distinguem o sin- De fartura e de riqueza
dicalismo operário brasileiro das primeiras décadas E de mil coisas bonitas
do século XX, do sindicalismo criado após 1930 pela
legislação trabalhista do governo Vargas. Quais são
E por que tu tens de tudo
essas diferenças?
Por que te conservas mudo
`` Solução: Na tua modéstia imerso
Antes o operariado e o sindicalismo era tratado como Meu Brasil,
caso de polícia. Com Vargas houve a incorporação dos Eu que te amo
sindicatos ao Estado (corporativismo). Neste samba te proclamo
6. (Unicamp) Ao estudar o Estado Novo, o historiador Alcir Majestade do universo
Lenharo (1946-1996) destacava o papel desempenhado
pelo rádio:
A partir da letra deste samba, gravado por Francisco
“(...) o rádio servia, eficazmente, para se espalhar a Alves e Dalva de Oliveira, em agosto de 1939, percebe-
imagem onipresente de Vargas por todo o país (...). Pelo mos a construção de uma imagem para o Brasil que não
rádio, o poder se faz presente e pessoaliza a relação correspondia totalmente às características da sociedade
política com cada cidadão”. brasileira nas décadas de 1930 e 1940.
Dentre essas características, aquela que se relaciona à
(Sacralização da Política, Campinas: Papirus/
conjuntura da época é:
Unicamp, 1986, p. 42.)
a) liberalismo como base da política nacional.
a) Por que era importante para o Estado Novo que b) reforma agrária como solução para os problemas
cada cidadão se considerasse próximo de Vargas? econômicos.
b) Cite duas práticas utilizadas pelo Estado Novo, além c) política assimilacionista como forma de integração
do uso dos meios de comunicação de massa, para do indígena.
assegurar o poder de Vargas.
d) crescimento econômico como decorrência da polí-
tica industrialista.
`` Solução:
a) Para dar legitimidade à ditadura varguista. `` Solução: D
b) O desenvolvimento do nacionalismo e da legislação
trabalhista.
7. (UERJ)
Brasil! 1. (Cesgranrio) Com relação à Revolução de 1930, do ponto
de vista econômico-social, é possível afirmar que ela:
Benedito Lacerda/Aldo Cabral
a) assinala o início da primazia política das classes
Brasil, médias sobre o Estado.
És o teu berço dourado b) representa a derrota da burguesia mercantil diante
O índio civilizado das pressões conjuntas do campesinato e opera-
E abençoado por Deus riado urbano.
c) traduz a vitória do tenentismo, das camadas médias
EM_V_HIS_035

Brasil, e dos segmentos industriais sobre os setores agro-


exportadores.
Gigante de um continente
9
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
d) identifica a passagem para a dominação burguesa Após passar nove anos e três meses preso e incomunicável
no Brasil, com a vitória dos grupos industriais. durante a ditadura do Estado Novo, Prestes retoma, com
a redemocratização, as suas atividades políticas.
e) significa o início do desenvolvimentismo e a deca-
dência da agricultura de exportação. Cite dois movimentos políticos de repercussão nacional
dos quais Prestes tenha participado com destacada
2. (Cesgranrio) A Revolução de 1930 pode ser relacionada liderança.
às várias transformações da sociedade brasileira, entre
5. (UFRJ)
as quais não podemos incluir:
“Foi em 1930
a) o abandono dos setores agrícolas pelo governo,
que privilegiou a industrialização. que à frente da Revolução
Getúlio Vargas assumiu
b) a insatisfação dos setores médios urbanos com
o domínio do processo político pelas oligarquias a Presidência do Brasil.
agrárias. Era um tempo novo que se abria
c) a crescente organização e mobilização da classe ope- o desenvolvimento industrial
rária, surgida com o processo de industrialização. as leis trabalhistas ele cria
d) a mobilização de setores militares, principalmente é a Previdência Social
dos oficiais mais jovens, contra o regime. Era anos de conquista
e) as dissidências oligárquicas, materializadas na for- e de grande agitação pelo poder
mação da Aliança Liberal. de 32 a 37,
3. (Unirio) A Revolução de 1930 marcou o fim da República aquele estadista
Velha e inaugurou uma nova forma de atuação do Estado reprimiu os paulistas
frente às transformações da sociedade brasileira, como comunistas e integralistas.
exemplifica o:
Mas não há quem esconda
a) atendimento de demandas de diferentes setores seu valor de idealista,
sociais, como operários e empresários.
basta falar em Volta Redonda, (...)”
b) afastamento do Estado da gestão da economia.
(GOMES, Dias; GULLAR, Ferreira. Dr. Getúlio: sua vida e
c) abandono dos setores produtores agrícolas tradi- sua glória. São Paulo: Civilização Brasileira, 1968. p.10-11.)
cionais.
d) controle da alta hierarquia militar sobre os princi- Indique duas características do governo de Getúlio
pais órgãos estatais. Vargas, no período entre 1930 e 1937.
e) apoio às oligarquias dominantes nos Estados. 6. (Cesgranrio) A crise da dominação oligárquica, que
culminou com a Revolução de 1930, resultou de um
4. (UFRJ) “Falo na qualidade de membro e dirigente do processo crescente de transformações vividas pelo país
único partido verdadeiramente nacional... dentre os quais se destaca:
Nós, comunistas, que vivemos sempre na ilegalidade, a) a lenta politização dos trabalhadores rurais, após a
sentimos bem o quanto difere esta nova época Abolição, contestando o domínio dos “coronéis”.
daqueles tempos de antes da guerra, em que vivíamos
perseguidos, insultados e vilmente caluniados. Mas dez b) a emergência de uma classe operária ligada à in-
anos de guerra e perseguições contra o comunismo dustrialização, que assumiu na década de 1920
fizeram do nosso povo o mais comunista da América (...) formas políticas mais organizadas, como o BOC
Comunista para o nosso povo é aquele que de maneira (Bloco Operário Camponês).
mais firme e consequente luta contra o estado de coisas c) o Movimento Tenentista, disputa política no interior do
intoleráveis e injustas predominantes em nossa terra; Estado, sem ligação com as classes da sociedade.
comunista é o que quer a negação disso que aí temos,
d) o caráter modernizante dos setores oligárquicos,
a negação da miséria e da fome, a negação do atraso e
cada vez mais ligados aos empreendimentos urba-
do analfabetismo... “
no-industriais.
(Discurso de Luiz Carlos Prestes, em 22 de maio de 1945, no e) a crescente insatisfação dos Estados mais pobres
EM_V_HIS_035

Estádio do Vasco da Gama, São Januário, Rio de Janeiro.) contra o domínio do eixo “café-com-leite”, expressa
em rebeliões como as “guerras” do Cariri e de Prin-
cesa, ocorridas no Nordeste.
10
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
7. (UERJ) “Não nos enganemos. Somos governados por 9. (UERJ) Podemos dizer que o Estado Novo (1937-
uma minoria que, proprietária das fazendas e latifún- 45) apresentou inegáveis afinidades com o fascismo
dios, senhora dos meios de produção e apoiada nos europeu, sem contudo deixar de apresentar algumas
imperialismos estrangeiros que nos exploram e nos características peculiares ao regime brasileiro. Uma
dividem, só será dominada pela verdadeira insurreição das características do regime brasileiro que não se
generalizada, pelo levantamento consciente das mais identificam com o fascismo europeu é:
vastas massas das nossas populações dos sertões e
a) limitação da liberdade econômica com intervenção
das cidades (...).”
do Estado.
(Luís Carlos Prestes. Manifesto de Maio - 1930. Citado por b) censura dos meios de comunicação, dirigidos para
CARONE. O Tenentismo; São Paulo: Difel, 1975.) o fortalecimento e divulgação do regime.
c) repressão aos setores de esquerda, vistos como
As palavras de Luís Carlos Prestes referem-se ao forte ameaça ao regime, com prisões e torturas.
movimento que ficou conhecido como Revolução de
1930 e tinha o seguinte significado: d) utilização do estado corporativo no tratamento com
a) movimento amplo de caráter militar, aliando tenen- as entidades profissionais e sindicatos.
tes e povo contra o domínio oligárquico. e) ausência de um partido político forte e coeso que
b) cisão na República do “café-com-leite”, levando à exprimia a coerência ideológica do regime.
união entre as oligarquias paulista e gaúcha. 10. (UERJ) A Carta de 1937 do Estado Novo representa
c) ruptura parcial dos interesses oligárquicos, acarre- um dos momentos de centralização autoritária no Brasil.
tando o fim da hegemonia política dos cafeicultores. Entre outras medidas características desse autoritarismo,
tem-se a criação do:
d) vitória dos interesses da burguesia industrial,
apoiando, o exército na luta contra os interesses a) Primeiro Plano Nacional de Desenvolvimento.
oligárquicos. b) Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial.
8. (PUC-Campinas) Observe a caricatura. c) Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio.
d) Departamento de Imprensa e Propaganda.
e) Serviço Nacional de Informação.
11. (Cesgranrio) O regime político conhecido como Estado
Novo implantado por golpe do próprio Presidente Getúlio
Vargas, em 1937, pode ser associado à(ao):
a) radicalização política do período representada pela
Aliança Nacional Libertadora, de orientação comu-
nista e a Ação Integralista Brasileira, de orientação
(SANTOS, Joel Rufino dos. História do Brasil. fascista.
São Paulo: Marco Editorial, 1979. p. 196.) b) modernização econômica do país e seu conflito
com as principais potências capitalistas do mundo,
A caricatura revela um momento da chamada “Era de que tentavam lhe barrar o desenvolvimento.
Vargas”, quando Getúlio preparava-se para:
c) ascensão dos militares à direção dos principais ór-
a) assumir a presidência da República, após a sua
gãos públicos, porque já se delineava o quadro da
eleição indireta pela Assembleia Constituinte.
Segunda Guerra Mundial.
b) liderar um golpe militar, instaurando um período
d) democratização da sociedade brasileira em decor-
histórico conhecido por Estado Novo.
rência da ascensão de novos grupos sociais como
c) disputar as eleições diretas para a presidência da Re- os operários.
pública, no contexto da redemocratização do país.
e) retorno das oligarquias agrárias ao poder, restau-
d) executar os princípios do Plano Cohen, visando im- rando-se a Federação nos mesmos moldes da Re-
pedir o avanço dos comunistas e dos integralistas pública Velha.
ao poder.
12. (Cesgranrio) A redemocratização no Brasil, no final do
EM_V_HIS_035

e) comandar uma revolução constitucionalista, contra Estado Novo, pode ser associada a diferentes transfor-
a oligarquia do setor agroexportador. mações internas e externas do período, entre as quais
se inclui a(o):
11
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
a) aproximação de Getúlio Vargas dos setores liberais 15. (UERJ)
em torno do projeto “queremista”.
b) resistência do empresariado à implantação da le-
gislação trabalhista e previdenciária.
c) recusa do governo em convocar eleições e permitir
a recriação dos partidos políticos.
d) vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial,
fortalecendo os ideais democráticos contra os re-
gimes totalitários.
e) apoio dos movimentos sociais inspirados no ideário
nazi-fascista como as Uniões dos Escritores e dos (Retrato do Brasil. São Paulo: Três, 1984.)
Estudantes.
As gravuras acima ressaltam aspectos da propaganda
13. (UERJ) Quem estiver com o rádio ligado, de segunda a
oficial sobre as prioridades políticas do primeiro período
sexta-feira das 19 às 20 horas, ouvirá acordes da famosa
Vargas, principalmente do Estado Novo, que simbolizou
ópera de Carlos Gomes, O Guarani. É a abertura do pro-
o coroamento de um ideal de modernização.
grama oficial A Voz do Brasil, presente obrigatoriamente
nas rádios brasileiras desde 1934 – obrigatoriedade que A característica econômica do período que pode ser
hoje é questionada por vários segmentos da sociedade. identificada como predominante nas duas gravuras é
Este programa simbolizou uma determinada época da a ênfase na:
república no Brasil, o Estado Novo (1937-1945). a) indústria de base.
A afirmativa que melhor explica a importância da Voz do b) rede de transportes.
Brasil durante o Estado Novo é: c) agricultura de exportação.
a) exaltação das ações do presidente da República.
d) produção de combustíveis.
b) expansão do ensino básico para as camadas po-
pulares. 16. (Cesgranrio) A respeito da política desenvolvida no Brasil de
1937 a 1945, é incorreto afirmar que o Estado Novo:
c) conscientização do povo para o exercício da cida-
dania. a) empreendeu uma política modernizadora e indus-
trializante, que beneficiou os setores industriais e
d) elevação da cultura popular estigmatizada na Re- capitalistas, sobretudo através do investimento es-
pública Velha. tatal na criação de indústrias de base.
14. (Cesgranrio) O envolvimento do Brasil na Segunda b) obteve a adesão dos setores agrários, que se benefi-
Guerra Mundial, a seguir dos países aliados, guarda ciaram com a intervenção reguladora do governo na
relação com questões internas como a(o): criação de organismos de apoio e incentivo à agri-
a) importância crescente dos mercados alemães e ja- cultura e com a manutenção da estrutura agrária.
poneses para os produtos brasileiros. c) exerceu uma política paternalista em relação à classe
b) mobilização dos grupos de inspiração fascista, como operária, promovendo a legislação trabalhista, en-
os Integralistas, que apoiavam o Estado Novo. quanto permitia a representação das classes domi-
nantes no Congresso através dos partidos políticos.
c) posição dos partidos majoritários no Congresso
Nacional, favorável aos aliados. d) reprimiu o pluralismo e a autonomia sindicais do
operariado e criou uma estrutura corporativista de
d) interesse do Brasil em se colocar como líder hege- controle, intervenção e atrelamento dos sindicatos
mônico dos países americanos. oficiais ao Ministério do Trabalho.
e) apoio dos Estados Unidos ao projeto de industriali- e) centralizou e racionalizou a máquina administrativa
zação, simbolizado na construção da usina de Volta através da criação do DASP (Departamento de Ad-
Redonda. ministração e Serviço Público) e exerceu forte con-
trole e censura aos meios de comunicação através
do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda).
EM_V_HIS_035

12
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
d) Eclosão da Revolução Constitucionalista em São
Paulo, oposição a um Governo Federal que exerceu
o poder, todo o tempo, sob estado de sítio, ataque
1. (Unirio) “Um dos deveres do Estado é socorrer aqueles integralista ao Palácio do Catete.
cidadãos que se virem vítimas de circunstâncias a tal e) Aliança de Borges de Medeiros com João Neves da
ponto adversas que os deixem incapazes de satisfazer Fontoura para eleger Júlio Prestes, recusa de Wa-
mesmo as mais simples necessidades sem amparo de shington Luís de criar nova política de valorização
outros. A esses desafortunados cidadãos deve-se es- do café diante dos efeitos da crise de 1929, elabo-
tender o amparo do governo, não como caridade, mas ração do Plano Cohen.
como uma face do dever social”.
3. (UERJ)
(Pronunciamento do governador Franklin Roosevelt na
Assembleia Legislativa do Estado de Nova Iorque,
em 21/08/1931. In: SHERWOOD, Robert E. Roosevelt e Hopkins.
Tradução de Heitor Aquino Ferreira. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira e Brasília/UNB, 1998, p. 47.)

“A situação do café é a seguinte: a produção é maior


do que o consumo. Procuramos iludir a situação,
estabelecendo o escoamento de produção por doses
fracionadas”.

(Carta de Francisco Campos a Getúlio Vargas, (Apud VICENTINO, C.; DORIGO, G. História do Brasil.
23/12/1930. In: A Revolução de 30: textos e São Paulo: Scipione, 1997.)
documentos. Brasília: UNB, 1982, p. 220.)
Na caricatura, referente ao período 1934 –1937, vê-se
A crise econômica que eclodiu nos Estados Unidos a o presidente Getúlio Vargas, em frente ao Palácio do
partir da quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, Catete, espalhando cascas de banana, que podem ser
em 24 de outubro de 1929, alcançou proporções interpretadas como armadilhas.
mundiais, constituindo uma das mais profundas Identifique um objetivo político de Vargas expresso
crises cíclicas do capitalismo. Em sua difusão, nessa caricatura.
atingiu as economias capitalistas, provocando uma
profunda recessão econômica, superada através de 4. (UFF) “A Revolução de 1930 pôs fim à hegemonia do
intervenções político-econômicas do governo norte- café, desenlace inscrito na própria forma de inserção do
-americano. Brasil no sistema capitalista internacional”.
Relacione uma ocorrência da crise de 1929 no Brasil.
(FAUSTO, Bóris. A Revolução de 30: Historiografia e
2. (UFF) Assinale a opção que contém informações História. São Paulo: Brasiliense, 1972, p.112.)
corretas acerca da Revolução de 30 no Brasil de seus
antecedentes imediatos. a) Vários fatores sociais determinaram este processo
a) Junção de colunas militares originadas no Rio revolucio­nário. Cite dois deles.
Grande do Sul e em São Paulo, ataques de tropas b) Analise os desdobramentos da Revolução de 1930
federais ao forte de Copacabana, aliança de Getúlio na industrialização brasileira.
Vargas com Júlio Prestes para impedir a eleição de
Osvaldo Aranha. 5. (UERJ) A Grande Depressão eclodiu num mundo
otimista que parecia caminhar na direção de uma pros-
b) Formação da Aliança Nacional Libertadora, união peridade perma­nente. Ela iniciou-se com o crack da
de grupos rivais para dar combate à Coluna Prestes, bolsa de Nova Iorque em outubro de 1929, afetando
eclosão de movimento insurgentes em São Paulo. todas as atividades econômicas dos Estados Unidos e
c) Assassinato de João Pessoa, formação de uma se propagando através do mundo.
frente única entre os “tenentes” e certos políticos, a) Caracterize a Grande Depressão e indique o motivo
eclosão de insurgências no Rio Grande do Sul e em pelo qual seus efeitos foram sentidos em diversas
Minas Gerais. regiões do mundo.
EM_V_HIS_035

13
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
b) Indique e analise uma consequência da Grande 9. (Enem) A figura de Getúlio Vargas, como personagem
Depressão para a economia brasileira. histórica, é bastante polêmica, devido à complexidade
e à magnitude de suas ações como presidente do Brasil
6. (Cesgranrio) A crise social e política que abalou a esta-
durante um longo período de quinze anos (1930-1945).
bilidade da República Velha (1889-1930) quebrou a he-
Foram anos de grandes e importantes mudanças para
gemonia das oligarquias no poder e preparou o terreno
o país e para o mundo. Pode-se perceber o destaque
para a Revolução de 1930 foi motivada pelo(a):
dado a Getúlio Vargas pelo simples fato de este período
a) aprofundamento das cisões oligárquicas, pelas re- ser conhecido no Brasil como a “Era Vargas”.
beliões tenentistas, pela insatisfação das classes
Entretanto, Vargas não é visto de forma favorável por
médias urbanas excluídas da representação política
todos. Se muitos o consideram como um fervoroso
e pela pressão reivindicatória das classes operárias.
nacionalista, um progressista ativo e o “Pai dos Pobres”,
b) aliança política entre a burguesia industrial, as clas- existem outros tantos que o definem como ditador
ses médias urbanas e o operariado fabril contra o oportunista, um intervencionista e amigo das elites.
sistema liberal e democrático da República Velha, Provavelmente você percebeu que as duas opiniões
controlado pelas oligarquias agrárias. sobre Vargas são opostas, defendendo valores prati-
c) quebra do compromisso político entre as oligar- camente antagônicos. As diferentes interpretações do
quias agrárias e os trabalhadores rurais, o que, du- papel de uma personalidade histórica podem ser expli-
rante toda a República Velha, impediu o desenvol- cadas, conforme uma das opções a seguir. Assinale-a.
vimento dos setores industriais e a organização do a) Um dos grupos está totalmente errado, uma vez
movimento operário. que a permanência no poder depende de ideias
coerentes e de uma política contínua.
d) fortalecimento da união entre as oligarquias pau-
listas e mineiras na indicação de Júlio Prestes à su- b) O grupo que acusa Vargas de ser ditador está to-
cessão presidencial em 1930, o que desagradou as talmente errado. Ele nunca teve uma orientação
oposições constituídas pelas classes médias urba- ideológica favorável aos regimes politicamente fe-
nas e operariado, defensores de Getúlio Vergas. chados e só tomou medidas duras forçado pelas
circunstâncias.
e) descontentamento da burguesia industrial com o
tratamento dado pelas oligarquias ao movimen- c) Os dois grupos estão certos. Cada um mostra Var-
to operário – “caso de polícia” - e sua decisão de gas da forma que serve melhor aos seus interesses,
apoiar a Revolução de 30 e a legislação trabalhista. pois ele foi um governante apático e fraco – um ver-
dadeiro marionete nas mãos das elites da época.
7. (Unesp) “A fixação do ano de 1930 como um primeiro
marco divisor da História do Brasil contemporâneo tem d) O grupo que defende Vargas como um autênti-
a artificialidade implícita em qualquer periodização, mas co nacionalista está totalmente enganado. Poucas
se justifica por razões que se situam além da história medidas nacionalizantes foram tomadas para iludir
política ou da simples tradição.” os brasileiros, devido à política populista do var-
guismo, e ele fazia tudo para agradar aos grupos
Sintetize algumas razões dessa periodização histo-
estrangeiros.
riográfica.
8. (UFV-MG) Observe atentamente as figuras abaixo. Elas e) Os dois grupos estão errados, por assumirem ca-
reproduzem cartazes utilizados para motivar a participa- racterísticas parciais, e às vezes conjunturais, como
ção popular na Revolução Constitucionalista de 1932. sendo posturas definitivas e absolutas.
10. (Unirio) Após a Revolução de 1930, no Brasil, os
tenentes e as oligarquias tradicionais envolveram-se
num debate que traduzia suas expectativas quanto a
um novo modelo de Estado. A polêmica expressava
a defesa, pelos tenentes e pelas oligarquias, respec-
tivamente, dos princípios apresentados em uma das
opções. Assinale-a.
a) Um Estado democrático garantidor da vocação na-
cional identificada à agricultura e um Estado centra-
lizador e industrializante.
EM_V_HIS_035

Aponte os elementos da conjuntura política nacional que b) Um Estado centralizador que promovesse uma liga-
motivaram esse processo revolucionário, ressaltando ção direta com os grandes centros do capital inter-
algumas de suas características. nacional e um Estado liberal protecionista.
14
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
c) Um Estado centralizador no nível federal, mas com Os trechos dos documentos acima referem-se às
ampla autonomia dos poderes locais estaduais e diretrizes políticas gerais do Estado Novo brasileiro
um Estado liberal com participação política de base (1937-1945).
censitária. Retire dos documentos duas proposições estadonovis-
d) Uma completa centralização do poder e a retomada tas. Explique-as.
do modelo liberal, garantindo o retorno ao federa- 13. (UFF) Segundo alguns autores, a instauração no país, em
lismo característico da República Velha. novembro de 1937, do regime conhecido como Estado
Novo representou um “redescobrimento do Brasil”.
e) Ideais liberais que implicariam o estabelecimento
de um Estado democrático e de direito e um mode-
lo centralista que afastasse a participação popular.
11. (UFF) O Estado Novo (1937-1945) representou um dos
regimes ditatoriais destacados pela História do Brasil
Republicano. Em alguns aspectos é considerado como
uma forma brasileira do fascismo europeu.
a) Indique uma característica legal que dê suporte a
tal comparação.
b) Analise o Estado Novo, tomando como foco princi-
pal as conquistas efetivadas pelas legislações tra-
balhista e sindical por ele consagradas. (MUNAKATA, Kazumi. A Legislação Trabalhista do Brasil.
São Paulo: Brasiliense, 1981.)
12. (UFRJ) “A tarefa de governar faz-se, a cada dia,
mais complexa e difícil. Os clássicos postulados de
Assinale a opção que melhor apresenta o aspecto do
manutenção e garantia dos pactos sociais sofreram
Estado Novo ilustrado pela charge.
profundas modificações. Já não basta assegurar a ordem
e a continuidade administrativa. É preciso controlar as a) A definição de uma nova cidadania baseada no tra-
forças econômicas, corrigir as desigualdades de classe balho organizado em sindicatos plurais, por catego-
e obstar, por vigilância constante, a contaminação do ria profissional.
organismo político pelas infiltrações ideológicas que b) A definição de uma nova cidadania identificada ao
apregoam o ódio e fomentam a desordem. Conduzir trabalho organizado nos moldes do corporativismo
uma nação, em momento de tamanhas apreensões, só autoritário estatal.
o pode e deve fazer quem seja capaz de tudo sacrificar
pela felicidade comum”. c) O modo pelo qual o Estado Novo orientou sua polí-
tica de trabalho, aprisionando os operários ao Esta-
(Discurso de Getúlio Vargas, proferido a 7 de setembro de 1938.
do por meio de um documento formal.
Citado em: Getúlio Vargas, as diretrizes da nova política d) A subordinação dos trabalhadores ao empresaria-
do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, s/d.) do a partir da concessão da Carteira de Trabalho.
e) A consolidação da democracia mediante um regis-
“Passou a época dos liberalismos imprevidentes, das
tro formal de cidadania.
democracias estéreis, dos personalismos inúteis e
semeadores da desordem. À democracia política substitui 14. (Unirio) “Inegavelmente a visão da indústria como alterna-
a democracia econômica, em que o poder, emanado tiva para o desenvolvimento ganhou corpo ao longo dos
diretamente do povo e instituído para defesa do seu anos 1930-1940. Esboçava-se um ‘projeto’ de industria-
interesse, organiza o trabalho, fonte do engrandecimento lização pesada que, a despeito de limitado e inconcluso,
nacional e não meio de fortunas privadas. Não há mais foi a tônica de organização do próprio Estado. Entre 1930
lugar para regimes fundados em privilégios e distinções; e 1945, o Estado brasileiro avançou no seu processo de
subsistem, somente, os que incorporam toda a Nação constituição enquanto nacional e capitalista, inscrevendo
nos mesmos deveres e oferecem, equitativamente, na materialidade de sua ossatura – pela multiplicação de
justiça social e oportunidades na luta pela vida”. órgãos e instituições – os diversos interesses sociais em
jogo, metamorfoseados em interesse nacionais.”
(Discurso de Getúlio Vargas, proferido a 11 de junho de 1940.
Citado em: Getúlio Vargas, as diretrizes da nova política (MENDONÇA, Sônia Regina de. As bases do desenvolvimento
EM_V_HIS_035

do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, s/d.) capitalista dependente: da industrialização restringida à
internacionalização. In: LINHARES, Maria Yedda (Org.) História
Geral do Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990, p. 243.)
15
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
a) Cite duas características desse processo de indus- a) Identifique o papel da propaganda no governo de
trialização. Getúlio Vargas.
b) Explique uma das características citadas. b) Indique duas características econômicas do perío-
do do Estado Novo.
15. (UFF) Segundo alguns especialistas, o populismo foi um
fenômeno político ímpar na história recente do Brasil, 17. (Cesgranrio)
sendo definido como manipulação das massas populares
por líderes carismáticos.
No entanto, há autores que consideram tal visão pouco
elucidativa do fenômeno porque, em verdade:
a) o populismo teve vida efêmera na história política
do país no século atual.
b) o populismo não deve ser visto como a manipula-
ção das massas urbanas e rurais no Brasil recente.
c) o populismo é um fenômeno político que permane-
ce inalterado no processo eleitoral brasileiro.
d) populismo e pacto social são um mesmo fenômeno (O Globo, 1.º maio 1999, 1.ª página.)
político.
Durante o Estado Novo, no campo da política salarial,
e) o populismo implicou o reconhecimento da presen- foi introduzida via decreto-lei uma importante inovação,
ça das massas no cenário político nacional. que já constava da Constituição de 1934 – o salário
16. (UERJ) A ilustração a seguir e a canção composta por mínimo – que representou um(a):
Ataulfo Alves e Felisberto Martins foram importantes a) ingresso salarial capaz de satisfazer as necessida-
instrumentos da propaganda do governo Vargas. des mínimas do trabalhador, mas acabou conver-
tendo-se em importância irrisória e muito distante
de suas finalidades expressas.
b) significativo ganho para o trabalhador nacional,
acompanhando sistematicamente as frequentes
medidas inflacionárias decorrentes do processo in-
dustrial brasileiro.
c) tentativa de eliminar os altos salários de operários
industriais que aderiram aos sindicatos pelegos,
vigentes desde início da República, e que prioriza-
vam os interesses da agricultura.
d) medida de cooptação política, uma vez que o pa-
(Nosso Século: 1930-1945. São Paulo: Abril Cultural, 1980.)
drão de vida do operário e do camponês que
apoiava o regime ditatorial teve uma extraordinária
O Estado Novo veio
elevação e a maioria foi excluída.
Para nos orientar
e) grande perda salarial para o operário, uma vez que
No Brasil nada falta
seus patamares eram baixíssimos e só regulavam
Mas precisa trabalhar os ingressos do trabalhador vinculado à indústria
Tem café, petróleo e ouro pesada.
Ninguém pode duvidar 18. (UFRRJ)
E quem for pai de quatro filhos
“Foi em 1930
O presidente manda premiar
que à frente da Revolução
É negócio casar
Getúlio Vargas assumiu
(PILETTI, N. História do Brasil. São Paulo: Ática, 1997.) a Presidência do Brasil.
EM_V_HIS_035

16
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Era um tempo novo que se abria
que é isto não é uma simples mecânica de poder. É
o desenvolvimento industrial também uma alma ou um espírito, uma atmosfera,
as leis trabalhistas ele cria uma ambiência, um clima. (...)
é a Previdência Social (...) Somos todos fundadores [da Nação]. Fundar é
Era anos de conquista dedicar o pensamento, a vontade e o coração (...)
Não haveria pátria, família, igreja, se não renovasse,
e de grande agitação pelo poder
pelo pensamento ou pelo espírito, o ato de sua
de 32 a 37, fundação (...).”
aquele estadista
(CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional.
reprimiu os paulistas
Rio de Janeiro: José Olympio, 1940. Discurso
comunistas e integralistas.
proferido em 10 de maio de 1938. Adaptado.)
Mas não há quem esconda
seu valor de idealista, A partir dos textos de Affonso Celso – no período
basta falar em Volta Redonda, (...) “ de consolidação da República oligárquica – e de
Francisco de Campos – produzido durante o Estado
(GOMES, Dias; GULLAR, Ferreira. Dr. Getúlio: sua vida e sua glória. Novo, diferencie os conceitos de “nação brasileira”
São Paulo: Civilização Brasileira, 1968. p.10-11.) de cada um dos autores.

Explique uma característica do Estado Novo.


20. (UFBA) Na questão adiante escreva, no espaço apro-
priado, a soma dos itens corretos.
“(...) De março de 1931 a fevereiro de 1940, foram
decretadas mais de 150 leis novas de proteção social
e de regulamentação do trabalho em todos os seus
setores.
19. (UERJ) “Se de meus ensinamentos colherdes algum
fruto, descansarei satisfeito de haver cumprido a Não se tratava apenas de realizações em matéria de
minha missão. Entre esses ensinamentos, avulta o do previdência e trabalho, mas a valorização deliberada do
patriotismo. Quero que consagreis sempre ilimitado trabalhador nacional, relacionada às questões jurídicas
amor à região onde nascestes, servindo-a com de- seus aspectos sociais.
dicação absoluta, destinando- lhe o melhor da vossa A Constituição de 34 já refletia essa transformação no
inteligência, os primores do vosso sentimento, o mais país. Coube, porém, ao Estado Novo resolver os conflitos
fecundo da vossa atividade, – dispostos a quaisquer entre o capital e o trabalho.
sacrifícios por ela, inclusive o da vida. (...) O artigo 136 da Carta de 37 determina que o trabalho
Que a vossa geração exceda a minha e as prece- é um dever social, tendo direito à proteção especial do
dentes, senão em semelhante amor, ao menos nas Estado. (...)”
ocasiões de o comprovar. Quando disserdes: “Somos
(BERCITO, p. 63.)
brasileiros!” levantai a cabeça, transbordantes de no-
bre ufania. Convencei-vos de que deveis agradecer
Com base no texto anterior e nos conhecimentos sobre
quotidianamente a Deus o haver Ele vos outorgado
o assunto, indique aspectos do trabalhismo getulista.
por berço o Brasil.”
(01) Sindicalismo de resultados, em que as conquistas
(CELSO, Affonso (1900). Porque me Ufano do meu País. econômicas prevalecem sobre as políticas e ideo-
Rio de Janeiro: Briguiet, 1943.) lógicas.
(02) Oficialismo, como instrumento de manipulação das
“Um chefe, um povo, uma nação: um Estado na- massas e montagem de um arcabouço institucional
cional e popular, isto é, um Estado em que o povo controlado pelo Estado.
reconhece o seu Estado, um Estado em que a Nação
identifica o instrumento da sua unidade e da sua so- (04) Corporativismo, na medida em que propugna a união
berania. Aí está o Novo Estado Brasileiro. Um Estado das classes produtoras em categorias profissionais,
sob fiscalização estatal.
EM_V_HIS_035

17
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
(08) Assistencialismo, visando despolitizar os sindicatos,
retirando-lhes o caráter de fórum representativo da
classe trabalhadora.
(16) Sindicalismo “pelego”, atrelado ao Estado, impedin-
do a livre organização dos trabalhadores na defesa
dos seus interesses e direitos.
(32) lnternacionalismo, na medida em que enfatiza os in-
teresses comuns dos trabalhadores das diferentes
nações.
Soma ( )

EM_V_HIS_035

18
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
14. E
15. A
16. C
1. C
2. A
3. A
4. Coluna Prestes e “Intentona Comunista”.
1. O estímulo à industrialização brasileira decorre da dimi-
5. A centralização do poder, a elaboração da constituição nuição dos ganhos com os produtos agroexportadores
de 1934 onde são incorporados os direitos trabalhistas internos.
e o voto feminino); a promoção da desenvolvimento
A regulação da produção cafeeira, por meio de políticas
industrial.
de intervenção do Estado.
6. B A intervenção do Estado na produção e comércio dos
7. C estoques do café brasileiro, dentre outras, a queima dos
estoques de café.
8. A
A mudança na pauta de importações brasileiras, dentro
9. E do modelo de substituição de importações.
10. D A Revolução de 1930 e a ascensão dos setores médios
urbanos.
11. A
A ruptura do pacto oligárquico.
12. D
EM_V_HIS_035

2. C
13. A

19
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
3. Um dentre os objetivos: 11.
• obstruir o processo de sucessão presidencial; a) Constituição de 1937, também conhecida como a
“Polaca”, inspirada na Carta Del Lavoro do fascismo
• viabilizar sua permanência no poder.
italiano.
4.
b) O Estado Novo representou a consagração de al-
a) O tenentismo e a Aliança Liberal (Minas Gerais, Rio guns direitos trabalhistas importantes, tais como a
Grande do Sul) criada para combater a oligarquia instituição do salário-mínimo (1940), o estabeleci-
paulista. mento da consolidação das Leis de Trabalho (CLT,
b) Com os efeitos negativos da crise de 29 sobre o 1943) e a cristalização das juntas de conciliação e
preço do café, o que deixou evidente a situação julgamento do Ministério do Trabalho (1939). Tam-
precária do país em manter-se na dependência es- bém veio a consagrar o sindicato único por profis-
trita da exportação de um só produto-chave, resul- são (Lei Sindical de 1939), verticalizado, atrelado ao
tando a orientação do governo revolucionário em Estado e a ele totalmente subordinado, de modo a
estimular o desenvolvimento das indústrias, fosse impedir qualquer outra modalidade de organização
pelo favorecimento do câmbio alto, fosse pelo fato dos trabalhadores.
de o próprio Estado passar a investirem em indús- 12.
trias de base, tais como siderúrgica, de álcalis, de
motores, hidrelétricas etc. •• “Os clássicos postulados de manutenção e garantia dos
pactos sociais sofreram profundas modificações.”
5.
•• “Já não basta assegurar a ordem e a continuidade
a) A Grande Depressão foi a crise geral da economia, administrativa.”
iniciada em 1929, possibilitada pelos efeitos da
euforia e da recuperação econômica artificial dos •• Essas proposições assinalam o esgotamento do
Estados Unidos após a Primeira Grande Guerra, estado liberal-democrático.
provocando o desabamento da produção econô- •• ”É preciso controlar as forças econômicas, conduzir
mica e dos preços, o marasmo na agricultura e o as desigualdades de classe...”
desequilíbrio do comércio mundial.
•• Essa proposição defende o intervencionismo eco-
Sua propagação pelo mundo deu-se ao fato de nômico e social.
estarem as economias capitalistas funcionando de
forma interdependente, devido à importância da •• “A democracia política substitui a democracia econô-
capital norte-americano no pós-Primeira Guerra mica, em que o poder, emanado diretamente do povo
Mundial. e instituído para defesa do seu interesse, organiza o
trabalho, fonte do engrandecimento nacional e não
b) Crise da economia cafeeira – a Grande Depressão meio de fortunas privadas”.
–, ao provocar uma crise nos preços internacionais
do café, afetou a já combalida economia cafeeira. •• Neste trecho do discurso, há a defesa de princípios
corporativistas em que o Estado promove a interven-
6. A ção direta na organização social e econômica.
7. Foi o fim das velhas oligarquias, fim do café-com-leite, 13. B
início da Era Vargas e com ele uma série de mudanças
14.
como o sistema eleitoral, partidos e industrialização,
sindicatos etc. a) Forte intervenção do Estado no processo de indus-
trialização e a opção por privilegiar o desenvolvimen-
8. A Revolução de 1930 levou ao poder Getúlio Vargas,
to das indústrias de base (siderurgia/metalurgia).
representando o fim da hegemonia da oligarquia paulista
no poder nacional. Em São Paulo, teve início o movimento b) Intervenção do Estado: procurando superar o im-
constitucionalista questionando o Governo Provisório de passe, gerado por uma extrema dependência do
Vargas, a convocação de uma Assembleia Constituinte país às exportações de gêneros primários (agudi-
e a nomeação de um interventor pernambucano para o zado com a crise de 29), o Estado no pós-30 agia
governo do estado. Em 1932, eclodiu a Revolução Cons- como um verdadeiro empresário, financiando dire-
titucionalista. Apesar da derrota paulista, foi convocada tamente o processo de industrialização e criando
a Assembleia Constituinte. posições propícias para o empresariado nacional
como, por exemplo, o estabelecimento de um maior
EM_V_HIS_035

9. E
controle sobre a força de trabalho, através da colo-
10. D cação em prática das leis trabalhistas.
20
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
15. E
16.
a) A propaganda foi uma importante chave para a
consolidação da figura de Vargas como líder e res-
ponsável pelo crescimento do Brasil.
b) A política econômica do Estado Novo teve como
características: o planejamento da economia por
iniciativa do Estado, o investimento do Estado na
indústria de base, o desencadeamento da indus-
trialização brasileira e a criação de órgãos públicos
para promover fomento de atividades econômicas:
Instituto do Açúcar e do Álcool, Instituto do Chá e
do Mate, Conselho Nacional do Petróleo
17. A
18. A implantação da ditadura; a criação do Departamento
de Imprensa e Propaganda (DIP); a formação do Mi-
nistério do Trabalho e o controle do movimento sindical
através da estrutura corporativista; a construção do
trabalhismo enquanto modelo de atuação varguista,
elevando Getúlio à condição de líder, guia, estadista e
“pai dos pobres”.
19. No primeiro texto, observa-se a concepção de nação
romântica, onde esta é anunciada como produto do
patriotismo ufanista e do amor de cada brasileiro ao
território onde nasceu.
No segundo, de perfil autoritário, a nação é produto do
Estado e é concebida como o todo que relega o indivíduo
a um segundo plano, cujo compromisso com a nação
deve ser total, incluindo o pensamento e o espírito.
20. 40
EM_V_HIS_035

21
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_HIS_035

22
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_HIS_035

23
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_HIS_035

24
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br