Você está na página 1de 241

Página 0

IX SEMINÁRIO DE ESTUDOS SOBRE LINGUAGEM


E SIGNIFICAÇÃO

X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL

"CONVENÇÕES E OUSADIAS DA LINGUAGEM

CADERNO DE RESUMOS

22, 23 E 24 de outubro de 2014


Londrina - Paraná
1
Página
Loredana Limoli & Ana Paula F. de Mendonça
(Orgs.)

COORDENAÇÃO GERAL

Loredana Limoli

COMISSÃO ORGANIZADORA

Alba Maria Perfeito


Ana Lúcia de Campos Almeida
Ana Paula Ferreira de Mendonça
Cláudia Rio Doce
Maria Alzira de Carvalho Santos
Paulo Roberto Almeida
Regina Maria Gregório
Sheila Oliveira Lima
Suely Leite
Telma Maciel da Silva
Valdirene Zorzo-Veloso
Wagner Ferreira Lima

COMISSÃO CIENTÍFICA:

Profª Drª Adelaide Caramuru Cezar (UEL)


Profª Drª Alba Maria Perfeito (UEL)
Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira (UEL)
Profª Drª Juliana Reichert Assunção Tonelli (UEL)
Profª Drª Mariângela Joanilho (UEL)

PROMOÇÃO

Centro de Letras e Ciências Humanas


Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas
Curso de Especialização em Língua Portuguesa
Curso de Especialização em Literatura Brasileira
Programa de Pós-Graduação em Letras
2
Página
CONFERÊNCIAS

Conferência de Abertura
Profª. Drª. Ana Maria Domingues de Oliveira (UNESP)
"Poesia e Atrevimento"

Conferência de Encerramento
Prof. Dr. José Luiz Fiorin (USP)
"Convenções e ousadias da linguagem"

MESAS-REDONDAS

Mesa 1: Poéticas: ousadias na continuidade


Profª. Drª. Regina Souza Gomes (UFRJ)
Prof. Dr. Matheus Nogueira Schwartzmann (UNESP)
Prof. Dr. Jean Cristtus Portela (UNESP)

Mesa 2: Ousadias por trás das letras


Profª. Drª. Lucia Teixeira (UFF)
Prof. Dr. Claudemir Belintane (USP)
Prof. Dr. Julio Cesar Valladão Diniz (PUC-RJ)

3
Página
Este SELISIGNO é dedicado
à memória do
Prof. Sergio Paulo Adolfo,
que nos encantou e divertiu
com as histórias que leu, ouviu e ajudou a criar,
durante os 37 anos de docência na UEL.

4
Página
MINICURSOS

5
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SOBREVOANDO A HISTÓRIA DA ARTE

Carla Juliana Galvão ALVES (UEL)

O objetivo deste minicurso é oferecer uma panorâmica da História da Arte, passando pelos
principais movimentos e escolas. As funções que a arte exerceu ao longo de sua História
será o fio-condutor dessa viagem por algumas das mais importantes imagens produzidas
pela humanidade.

TRABALHANDO COM TEXTOS: COMO ELABORAR QUESTÕES OBJETIVAS


E DISCURSIVAS EM LÍNGUA PORTUGUESA

Cristina SIMON (UEL)

Cada vez mais se reconhece que o trabalho com textos e a partir deles é primordial nas
aulas de língua portuguesa em todos os níveis da Educação Básica. Entretanto, a elaboração
de questões demanda do professor certa mobilização que começa na escolha do texto -
extensão, temática, linguagem, adequação à faixa etária e ao nível dos alunos, gênero
textual, conteúdos, momento histórico etc. - e culmina nas atividades decorrentes desse
trabalho: as questões em si. Sobre estas, ainda resta pensar no seu formato (objetivas ou
discursivas), sua sequência, sua condução em sala de aula. Minha proposta é despertar no
professor (e também nos futuros professores) o cuidado com esse trabalho, pelo
compartilhamento de experiência de alguns anos com a elaboração, leitura e revisão de
questões, não só discutindo o que está por trás de todo o processo mas também produzindo
questões a partir de textos. Com isso, o professor poderá ficar menos dependente do livro
didático e de suas atividades já prontas para a sala de aula.

ASPECTOS GRAMATICAIS NA ARGUMENTAÇÃO TEXTUAL

Esther Gomes de OLIVEIRA (UEL)

Neste curso, abordaremos alguns mecanismos gramaticais que servem para embasar o
arcabouço argumentativo do texto. Esses elementos estão vinculados a cinco níveis:
fonético, morfológico, sintático, semântico e estilístico. No nível fonético, serão
focalizados os seguintes recursos: rima, alongamento da vogal, paralelismo fonético, entre
outros. No nível morfológico: prefixação, sufixação, derivação imprópria, adjetivo,
numeral, advérbio, conjunção. No nível sintático: frase nominal, paralelismo sintático,
polissíndeto, assíndeto. No nível semântico: homonímia, polissemia, sinonímia e
antonímia. No nível estilístico, algumas figuras de linguagem. Para exemplificar esses
6

mecanismos persuasivos serão utilizados gêneros discursivos variados, como por exemplo:
Página

propaganda, carta do leitor, frase, manchete, poema, entre outros.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TEXTO E GRAMÁTICA: O EIXO USO-REFLEXÃO-USO

Isabel Cristina CORDEIRO (UEL)

O objetivo do minicurso é explorar a relação entre as propostas da Linguística Textual e as


da Análise Linguística. Do final da década de 60 até os dias atuais, muitas teorias foram
desenvolvidas em relação ao texto, ao discurso e à gramática. Os documentos norteadores
do ensino, também, valorizam um trabalho complementar entre texto e gramática,
considerando o eixo pragmático. Pretende-se, portanto, apresentar alguns autores e ideias
que se estendem além do enunciado, ou seja, que valorizam questões ligadas à constituição
do texto e ao ensino de gramática e, ainda, que sugerem que os conteúdos gramaticais não
sejam trabalhados com enfoque normativo, porém com vistas na dimensão semântico-
pragmática da língua.

BARTHES, RETÓRICA E IMAGEM

Maria José GUERRA (UEL)

Este trabalho dá prosseguimento a apresentação de resultados de nossa pesquisa sobre o


pensador francês do século XX Roland Barthes. O enfoque dado agora é ao diálogo do
autor com o pensamento clássico. Temos, assim, em primeiro lugar, a análise da construção
do verossímil no realismo burguês a partir da descrição e do adjetivo, o que, para Barthes,
altera as diretrizes da Retórica Clássica. Seguindo essa linha de análise, propomos uma
investigação sobre a construção da verossimilhança no realismo da modernidade de forma a
compor não só as significações verbais, mas, também, com a relação ao discurso da
linguagem imagética, refletido nas proposta do autor sobre a fotografia, o cinema e a
percepção do espetáculo. Toda essa retórica da modernidade forma uma composição
mitológica que subverte a mitologia clássica, delimitando, dessa maneira, as mitologias das
sociedades contemporâneas.

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO DISCURSO: UMA INTRODUÇÃO AO


ESTUDO DAS CATEGORIAS DE PESSOA, TEMPO E ESPAÇO

Mariana Luz Pessoa de BARROS (USP)

Este curso tem como objetivo proporcionar uma iniciação ao estudo da sintaxe discursiva,
que diz respeito à projeção de pessoas, tempos e espaços nos discursos. A perspectiva
adotada é a da semiótica de linha francesa, compreendida como teoria do sentido e
7

metodologia de análise do texto e do discurso. As explicações teóricas e metodológicas


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

serão ilustras com atividades e exercícios de leitura desenvolvidos para o trabalho em sala
de aula com alunos do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio.

ECOS DA II GRANDE GUERRA NA POESIA BRASILEIRA DA PRIMEIRA


METADE DO SÉCULO XX

Patrícia Josiane Tavares da Cunha FUZA (UNESPAR)

Este minicurso objetiva discutir os diferentes ecos que impregnaram a produção poética
brasileira da primeira metade do século XX, tendo em vista a iminência da Segunda Guerra
Mundial, responsável por marcar indelevelmente o período. Sendo a literatura uma fonte e,
ao mesmo tempo, uma produtora de memórias, visa analisar os diferentes enfrentamentos,
por meio da palavra poética, das profundas transformações ocorridas na sociedade, capazes
de gerar as mais distintas expressões poéticas. Transfigurando-se quer num eu
profundamente subjetivo em primeira pessoa, quer num observador onisciente dos fatos, os
poetas brasileiros, cada um a seu modo, fizeram de suas poesias verdadeiros catalisadores
do rol de emoções várias que acometeu a humanidade no período. Assim, pretende reiterar
o teor artístico próprio da produção literária como importante instrumento de representação
e enfrentamento do real.

LITERATURA DE AUTORIA FEMININA

Suely LEITE (UEL)

Este minicurso tem como objetivo estudar alguns contos de autoria feminina nos quais as
mulheres configuram-se como sujeitos discursivos, produzem estratégias que recuperam
ícones tradicionais do universo feminino, criam máscaras, questionam as imagens
femininas convencionais, desconstroem e redefinem essas imagens. Para isso, utilizam a
expressão literária como meio de construção de um discurso de gênero, empregando vários
recursos discursivos, tais como a intertextualidade, o silêncio, a ironia, a reapropriação,
entre outros. O recorte temporal será a partir de 1950.
8
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS DICIONÁRIOS E AS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS NAS AULAS DE


LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Tatiana Helena Carvalho RIOS-FERREIRA (UEL)

Neste minicurso trataremos do uso dos dicionários em aulas de línguas estrangeiras e


enfatizaremos sua importância como ferramenta para atividades que incluam as expressões
idiomáticas. Para tanto, iniciaremos com um breve referencial teórico da Lexicografia
Pedagógica e da Fraseodidática. Em seguida, apresentaremos alguns dicionários, além de
livros didáticos para o tratamento dessas expressões na sala de aula. Finalmente,
proporemos uma parte prática em que os participantes criarão atividades com expressões
idiomáticas a partir do uso de dicionários. Concluiremos com um painel em que os
participantes poderão compartilhar as atividades criadas e discutir ideias para suas aulas.

REPRESENTAÇÕES DO HOMOSSEXUAL NA LITERATURA

Telma Maciel da SILVA (UEL)

O objetivo deste minicurso é fazer um estudo panorâmico das representações do


homossexual no último século, em especial nas literaturas Brasileira e portuguesa, sem
contudo esquecer a importância do diálogo com outras literaturas. A partir de textos
representativos, buscaremos discutir os modos como a homossexualidade vem sendo
tratada literariamente, impondo-se como poética do desvio e da resistência.

9
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

COMUNICAÇÕES
INDIVIDUAIS

10
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

DUPLO PRESENTE EM UM CONTO DE DUAS CIDADES, DE CHARLES


DICKENS

Abílio Aparecido FRANCISCO JUNIOR (G-UEL)


jr_026@hotmail.com

Elabora-se, neste artigo, uma leitura sobre Um conto de duas cidades, de Charles Dickens,
tendo como linha de pesquisa específica a temática do duplo. Para tal, serão utilizados os
estudos de Otto Rank (2013) e Freud (2006) sobre o tema proposto. Porém, por se tratar de
um campo recente de estudos e conhecimentos, é possível surgirem novos entendimentos
em suas especificidades. Partindo do pressuposto de que até mesmo o nome do romance
histórico de Dickens possui duplicidade, este artigo apresentará a existência de mais de um
tipo de duplo presente na obra, propondo quais personagens têm características duplas
endógenas e quais possuem características duplas exógenas.

O USO DO /R/ EM CODA SILÁBICA EM DUAS LOCALIDADE DO INTERIOR


DE GOIÁS

Adilson Eurípedes LUCINDO (G-UEL)


adilsonlucindo@gmail.com
Dircel Aparecida KAILER(UEL)
ueldircel@hotmail.com

O Objetivo deste estudo é analisar o uso do róticos em coda silábica no falar de duas
localidades do interior de Goiás. De acordo com Labov (1972), precursor da
Sociolinguística Variacionista, o uso da linguagem sofre influências não só dos contextos
linguísticos, mas também de contextos extralinguísticos como idade, sexo, escolaridade do
informante, bem com do estilo de fala.Neste sentido, por meio dos dados coletados pela
equipe do Atlas Linguístico do Brasil (ALiB,1996) e à luz dos pressupostos teóricos e
metodológicos da Sociolinguística Variacionista, investigaremos a influência dos contextos
lingüísticos (classe morfológica, posição da coda silábica, extensão do vocábulo) e dos
contextos extralinguísticos (sexo, faixa etária e localidade) no uso dos róticos em coda
silábica nessas localidades. 11
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

BIBLIOTECA NA FORMAÇÃO DE LEITORES DE LITERATURA

Adriana Aparecida Degan CUARELI (PG-UEL)


dridegan@hotmail.com
Sonia PASCOLATI (UEL)
sopasco@hotmail.com

Esta comunicação tem como objetivo apresentar uma pesquisa-ação que desenvolvida no
Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras). O projeto propõe reflexões
acerca de como a leitura de literatura é realizada em escolas estaduais de Londrina-Pr,
especificamente no que diz respeito à função da biblioteca escolar para o acesso, orientação
e incentivo dos alunos, do sexto ao nono anos, à leitura de literatura. Buscamos
compreender o sentido da biblioteca como espaço de leitura, assim como investigamos a
possibilidade da integração entre bibliotecário, professor, equipe pedagógica, focando a
leitura literária nos momentos de discussão e planejamento das ações da escola. Para nós, é
fundamental compreender a biblioteca em sua função de estímulo à leitura e mediação entre
o jovem leitor e a literatura, o que exige espaço físico adequado e material humano
competente. A biblioteca é instrumento fundamental para a formação de leitores críticos,
tão necessários em nossa sociedade letrada.

A LITERATURA JUVENIL DE MOACYR SCLIAR NA SALA DE AULA: UMA


EXPERIÊNCIA COM LEITORES EM FORMAÇÃO

Adriana Jesuino FRANCISCO (G UNESP)


drimouse@yahoo.com.br

A comunicação aborda os estudos de três obras juvenis do escritor gaúcho Moacyr Scliar:
Câmera na mão, o guarani no coração, Ciumento de carteirinha e O sertão vai virar mar. Os
títulos – que compõem a coleção “Descobrindo os clássicos” – dialogam respectivamente
com os romances de José de Alencar (O guarani), Machado de Assis (Dom Casmurro) e
Euclides da Cunha (Os sertões). Partindo-se da hipótese do desinteresse geral dos alunos
pela leitura literária em âmbito escolar, o desafio pedagógico consiste na inserção do jovem
no processo de formação de leitores. O objetivo deste trabalho é analisar, por meio de
diálogo intertextual, possibilidades de instigar os adolescentes do primeiro ano do ensino
médio à literatura juvenil de Moacyr Scliar, verificando o grau de interesse que despertam e
a recepção nos leitores adolescentes em formação.
12
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA: COMO USÁ-LAS A FAVOR DO


PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA?

Adriana M. P. de ARAUJO (PG-UEL)


dri_proara@hotmail.com

Muito se fala em motivar os alunos, dinamizando as aulas com diferentes atividades para
manter-lhes interessados, de maneira que haja uma aprendizagem mais significativa. No
entanto, espera-se muito do professor, sem se levar em conta que o aprendiz deve ser um
importante ator no processo de ensino e de aprendizagem, uma vez que traz consigo razões
para querer ou não aprender uma Língua Estrangeira. Nesse sentido, é importante saber a
motivação que levou esse aluno a estudar um idioma, posto que conhecê-la pode ajudar o
professor em sua prática. Essa é a temática de nossa monografia no curso de Especialização
em Ensino de Línguas Estrangeiras, desenvolvida sob orientação do Prof. Dr. Otávio Goes
de Andrade.

ARLEQUIM SERVIDOR DE DOIS PATRÕES E A POÉTICA DA ENCENAÇÃO


DE GIORGIO STREHLER NA CONTEMPORANEIDADE

Adriane Maciel GOMES (PG-UNICAMP)


adrimgomes@yahoo.com.br

Este estudo busca uma reflexão sobre a encenação da obra “Arlequim servidor de dois
patrões”, com a direção de Giorgio Strehler e a atualidade do espetáculo a partir do
questionamento de “O que é contemporâneo?”, por Giorgio Agamben. O percurso da
formação de Giorgio Strehler (1921-1997) está diretamente ligado às inquietações de
muitos dos encenadores da metade do século XX. No entanto, a maneira como Strehler
conduziu seus processos de descobertas teatrais está diretamente ligada ao contexto
histórico italiano e à apropriação e ressignificação de elementos da tradição teatral e do
tratamento ao texto dramático, como base de suas experimentações, tornando seu teatro
uma referência mundial.
13
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

NA PROCURA DE UM CONSTANTE BOM ENTENDIMENTO ENTRE A


COMUNICAÇÃO ORAL E A ESCRITA – COMENTÁRIOS ACERCA DAS OBRAS
A FARMÁCIA DE PLATÃO, FEDRO E INTRODUÇÃO À POESIA ORAL EM
CONSONÂNCIA COM O UNIVERSO IMAGÉTICO DO HEAVY METAL

Adriano Alves FIORE (PG-PUC/SP/CNPq)


hardrockingroad@yahoo.com.br

René Étiemble anuncia que, em tempos de televisão estatal, somente a escrita ainda pode
salvar a liberdade de espírito e pensamento. Paul Zumthor crê que nos achamos “sempre no
fim do Mundo” e que a esmagadora “uniformização dos produtos” (uma forma de
oralidade), cada vez mais, transporta a humanidade para um perpétuo “subdesenvolvimento
cultural”. Em Fedro, Thot (ou Teuth em A Farmácia de Platão) dá origem aos números e ao
cálculo assim como à Astronomia e à Geometria e, por fim, aos caracteres gráficos ou à
escrita, promovendo um remédio (phármakon), benéfico. Um curativo que, contudo, pode
transformar-se em algo nocivo, distorcendo a verdade e a justiça, reduzindo o saber no
lugar de ampliá-lo. A dicotomia Bem e Mal se destaca no universo texto-visual
mercadológico do heavy metal e a carnavalização bakhtiniana se constitui em um meio
semiótico ímpar em seu entendimento entre a oralidade, o escrito e o ilustrado.

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE INGLÊS PARA CRIANÇAS

Alex Alves EGIDO (G-UEL)


alex.egido.uel@outlook.com
Luciana Kawahigashi BRESSAM (PG-UEL)
lucianakawa@gmail.com

O ensino de inglês para crianças (LIC) tem sido alvo de investigação em nosso país
(SANTOS, 2010; TONELLI e CRISTOVÃO, 2010). Com o objetivo de propor atividades
que considerem a realidade e as necessidades de crianças aprendendo LIC como língua
adicional e que viabilizem o uso dessa língua levando o aluno a usá-la em suas práticas
comunicativas, os integrantes do projeto “O Trabalho Do Professor No Ensino-
Aprendizagem Da Língua Inglesa Para Crianças: Uma Proposta de Formação Docente” da
Universidade Estadual de Londrina (UEL) estão desenvolvendo uma proposta de ensino de
LIC com base no livro “The Rabbit Problem” – de Emily Gravett cuja organização textual
possibilita ensinar LIC por meio de gêneros (Bronckart, 1999). Neste trabalho
apresentamos algumas proposições de atividades com vistas ao ensino dos gêneros textuais
convite, receita e propaganda para alunos de 1º à 5º anos do Colégio de Aplicação da UEL.
14

Trabalho orientado pela Profª Drª Juliana Reichert Assunção Tonelli.


teacherjuliana@uol.com.br. Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná.
Página

Brasil.
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A COMPREENSÃO DA DISCIPLINA DE LIBRAS NAS LICENCIATURAS: UM


PANORAMA NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE

Álida Laryssa Espozetti de ASSIS (PG-UEL/CAPES)


espozetti@gmail.com
Rebeca Louzada MACEDO (PG-UEL/CAPES)
rebeca.macedo@yahoo.com.br

Recentemente, com a ampliação do acesso ao ensino para alunos com necessidades


educacionais no Brasil, as escolas e os professores têm demonstrado certo despreparo para
lidar com alunos portadores de tais necessidades. Dentre as diversas categorias de
necessidades educacionais especiais, a surdez tem ganhado destaque nos cursos de
formação de professores devido à obrigatoriedade da matéria de Libras nos currículos.
Nota-se que esta obrigatoriedade dificilmente é assimilada pelos professores em formação.
A presente pesquisa teve como objetivo buscar compreender, por meio de questionários
aplicados aos futuros professores, alunos do último ano dos cursos de licenciatura de uma
Universidade pública, se os ensinamentos obtidos ao cursar Libras os capacitaram para
serem profissionais aptos a trabalhar com o aluno com surdez, além de compreender quais
são as percepções dos professores ao traçar este percurso de formação.

POR UMA PRÁTICA SOCIOLINGUÍSTICA EM SALA DE AULA - LIVRE DE


PRECONCEITO LINGUÍSTICO
Aline ALVARES (G-UEL)
aline_alvares92@hotmail.com

Este texto, ancorado no meu subprojeto de pesquisa “A variação Linguística o preconceito


linguístico em sala de aula” é subsidiado pelos estudos sociolinguísticos que discutem
possibilidades de mudança no ensino de Língua Portuguesa. Sabe-se que a linguagem pode
assumir uma forma discriminatória, em função disso devemos repensar algumas atitudes
que nos levam a estigmatizar diferentes formas linguísticas, de modo que algumas delas
taxadas de “certas e “erradas, levam, professores e pesquisadores, a reconsiderar a maneira
como o ensino de língua materna tem sido desenvolvido em salas de aulas. Com base nessa
constatação, tenho como objetivo estabelecer uma relação entre a língua ensinada nas
escolas, “variedade padrão”, e o dialeto social que os alunos dominam. A análise será
desenvolvida através de experiências vivenciadas em minhas aulas no programa PIBID, que
é um programa institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Pretendemos, com este
trabalho auxiliar as práticas docentes, orientando assim, para que haja uma prática
adequada a respeito do ensino da variação linguística, com intuito de minimizar o
15

preconceito linguístico.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A FORTUNA CRÍTICA DE TRISTRAM SHANDY NO BRASIL

Aline Candido TRIGO (PG-UEL)

Com uma narrativa que contesta a si mesma e inova a tradição literária do século XVIII, o
romance A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy, de Laurence Sterne, possui
significativa influência em produções literárias brasileiras que perpassa diversas gerações.
Dessa forma, como parte inicial da pesquisa em desenvolvimento para dissertação de
mestrado, no intuito de reconhecer a fortuna crítica, o presente trabalho visa traçar a
abordagem que a obra Tristram Shandy tem recebido no Brasil. Dentre os estudos aqui
tratados, vale ressaltar, a título de exemplo, as obras dos críticos Luiz Costa Lima e Sérgio
Paulo Rouanet, que abordam a narrativa de Sterne a partir de estudos comparados com as
tradições que dela resultaram.

BRASIL E ARGENTINA: AÇÕES PARA SUPERAR OS DESAFIOS


CONTEMPORÂNEOS DO ENSINO DE LÍNGUAS

Amábile Piacentini DROGUI (SEED-PR)


mabiprof@gmail.com
Valdirene ZORZO-VELOSO (UEL)
zorzoveloso_val@yahoo.com.br

Esta comunicação pretente apresentar o projeto de ensino/extensão “Comunicándonos sin


fronteras: aprendizagem do Português e do Espanhol como Língua Segunda e Estrangeira
(PELSE) por jovens brasileiros e argentinos”, parceria da Universidade Estadual de
Londrina (UEL) com a Universidad Nacional de Córdoba, cujos objetivos são: aprimorar a
formação inicial dos alunos de licenciatura em língua espanhola e literatura hispânica da
UEL, sensibilizar alunos brasileiros e argentinos do Ensino Médio para a importância,
respectivamente, do domínio do espanhol e do português, e diminuir a distância entre a
Educação Básica e as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTIC). O projeto
já apresenta seus primeiros resultados: oferece suporte para elaboração de aulas e envolve
professores de diferentes niveis de formação no planejamento de práticas educacionais
para a Educação Básica. 16
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS MULTILETRAMENTOS: UMA PROPOSTA DIDÁTICA EM FACE ÀS REDES


SOCIAIS

Amanda CHOFARD (G-UEL)


amandachofard@hotmail.com

O rápido e amplo crescimento das novas tecnologias de informação e comunicação


(NTICs) nos últimos anos tem impulsionado mudanças nas práticas linguageiras da
sociedade em geral. A popularização da Internet potencializou o acesso à informação e
viabilizou o surgimento de novas possibilidades de interação, entre elas, aquelas que
ocorrem nas redes sociais. Essas práticas linguageiras têm desafiado os professores de
língua portuguesa, foco deste estudo, a proporem práticas de ensino que considerem a
realidade discursiva da sociedade e dos alunos. Tendo isso em vista, esse trabalho pretende
apresentar uma proposta didática no âmbito das redes sociais visando contribuir para o
aprendizado em relação à variação linguística. Os pressupostos que subjazem esta proposta
baseiam-se especialmente em discussões a respeito de multiletramentos, interatividade,
cooperação e variação linguística. A viabilidade deste trabalho justifica-se pela
possibilidade de contribuir para o desenvolvimento de novas práticas voltadas para o uso
das tecnologias ligadas aos multiletramentos.

ESTUDO DE GÊNERO EPISTOLAR DA ESFERA JORNALÍSTICA: A CARTA


AO LEITOR

Amanda Martins dos REIS (PG-UEL)


amandamreis@yahoo.com.br

Este trabalho, fundamentado nos estudos do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD) e da


Semântica Argumentativa, apresenta resultados parciais da elaboração de um modelo
teórico do gênero carta ao leitor, como potencial ferramenta para a elaboração de
sequências didáticas para o ensino de língua materna. Para tanto, são analisadas vinte cartas
publicadas nas revistas Saúde e Superinteressante, ambas da Editora Abril. A relevância
deste trabalho está, sobretudo, na descrição da carta ao leitor como gênero distinto do
editorial e na sua modelização para o ensino, pois, na perspectiva dos principais
documentos oficiais da educação, no contexto do ensino linguístico, o gênero, além de ser
ferramenta para a comunicação, também deve instrumentalizar o ensino da língua. É por
meio da apropriação de uma prática de linguagem – essa sempre configurada em um gênero
textual – que o aluno se apropria das formas de estruturação e funcionamento de uma
língua materna.
17
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

DA LITERATURA AO TEATRO: UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO


LITERÁRIO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Amanda Micheletti TAVARES (G-UEL)


Cláudia Lopes Nascimento SAITO (UEL)
cln_saito@yahoo.com.br
Leonardo Capeletti FERREIRA (G-UEL)

A importância de atividades artísticas durante o desenvolvimento escolar do aluno permite


o seu protagonismo tanto em frente ao ambiente da escola como social, mas também um
visível crescimento de sua percepção artística. Nessa comunicação, nosso objetivo é o de
socializar os resultados obtidos durante a implementação do Projeto didático de gênero “
Da literatura ao teatro- uma proposta de letramento literário”, desenvolvido em uma escola
da rede pública de ensino, do município de Londrina/PR em 2013. A perspectiva teórica
adotada vem da abordagem dos gêneros que se inscreve no quadro geral de uma psicologia
da linguagem orientada pelos princípios epistemológicos do Interacionismo
Sociodiscursivo (BRONCKART, 1999; 2003), da Teoria da Enunciação (BAKHTIN,
1992), da proposta teórica e metodológica para o trabalho pedagógico com os gêneros
textuais do Grupo de Genebra (SCHNEUWLY e DOLZ, 2009) e da proposta de
Letramento Literário (COSSON, 2006).

UMA PROPOSTA DIDÁTICA DIANTE DO USO DA LINGUAGEM NAS REDES


SOCIAS

Ana Carolina BERNARDINO (G-UEL)


carolzinha_anjob@hotmail.com
Ana Claudia PIEROLI (G-UEL)
annapieroli@hotmail.com

O objetivo deste trabalho é apresentar uma proposta didática integrando o cotidiano do


aluno ao conhecimento escolar. É grande o número de comunidades virtuais que surgem e
que acompanham o desenvolvimento das tecnologias. Essas comunidades ampliam e
facilitam o universo de criação das pessoas. No entanto, muitas vezes, essas novas formas
de comunicação advindas e/ou viabilizadas pelas tecnologias digitais são negadas pela
escola, que permanece vinculada à cultura da escrita, do papel. Assim, apresentaremos uma
proposta para o ensino de língua portuguesa que tem em vista um trabalho voltado para as
práticas de linguagens utilizadas pelos alunos, em especial, aquelas mediadas pelas redes
sociais. Pretende-se, com ela, despertar no aluno um olhar mais crítico para o uso da
18

linguagem nessas redes e, de forma mais ampla, um olhar mais atento para os usos da
linguagem em diferentes contextos.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A DIDATIZAÇÃO DO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO E CRÔNICA: UMA


EXPERIÊNCIA PIBIDIANA NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

Ana Carolina de SOUSA (G-UENP)


ana_carolina_87@hotmail.com
Ana Helena Dell’anhol DANIEL (G-UENP)
anna_dellanhol@hotmail.com

Esta comunicação tem como objetivo apresentar a transposição didática externa dos
gêneros “artigo de opinião” e “crônica” para o contexto escolar do Ensino Fundamental II,
tendo como respaldo ações desenvolvidas no subprojeto PIBID (CAPES-UENP/CCP)
“Letramentos na escola: práticas de leitura e produção textual”. Os estudos que dão suporte
a esse projeto fundamentam-se na corrente teórica do Interacionismo Sociodiscursivo, a
qual, em sua vertente didática, ancora-se em duas ferramentas: o Modelo Didático do
Gênero e a Sequência Didática. O anseio em compartilhar a experiência vivenciada veio em
função de que os dois gêneros, de antemão, parecem complexos para serem ensinados a
alunos de 7º e 8º anos. Nesse sentido, a finalidade é mostrar as estratégias adotadas para
transformá-los em objetos de ensino. Almejamos que nosso trabalho possibilite uma
reflexão sobre o processo envolvido na transposição didática dos gêneros trabalhados.
Trabalho orientado pela Profª Drª Eliana Merlin D. de Barros. Universidade Estadual do
Norte do Paraná – UENP. Cornélio Procópio. Paraná. Brasil.

O PRECONCEITO RACIAL ESCOLAR NOS CONTOS “O ANJO” DE DÉBORA


GARCIA, “FAMÍLIA” DE MIGHIAN DANAE E “BAOBAS” DE DENISE LIMA

Ana Carolina Melges Pastorello ROCHA (PG-UEL)


pastorello.rocha@gmail.com

As reflexões que seguem têm por objetivo propor um estudo do preconceito racial escolar
nos contos “O anjo” (2011) de Débora Garcia, “Família” (2011) de Mighian Danae e
“Baobás” (2011) de Denise Lima. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais de
Língua Portuguesa (1998, p.7), a escola deve constituir-se em um ambiente de respeito e
acolhimento da vez, da voz, da diferença, da diversidade; conhecer e valorizar a pluralidade
sociocultural brasileira, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em
diferenças culturais, de classe social, de crenças, de etnia. São inúmeras as situações no
movimento escolar que podem gerar riquíssimas oportunidades para ensinar e aprender
sobre as diferenças e as diversidades tão presentes na sociedade brasileira. Diversos autores
afro-brasileiros retratam, em suas obras, o preconceito racial no âmbito educacional, e,
19

neste trabalho, apresentam-se três contos para a reflexão sobre esse tema.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O DUPLO EM CIDADE DE VIDRO, DE PAUL AUSTER

Ana Carolina Penha PRADO (G-UEL)


carolina.pprado@live.com

Partindo das discussões desenvolvidas e textos lidos no projeto “Manifestações do Duplo


na Literatura”, neste trabalho, objetivou-se observar a presença do duplo no conto “Cidade
de Vidro”, do escritor norte-americano Paul Auster, e os desdobramentos que esta
manisfetação opera na narrativa. Tema recorrente na literatura, parte das teorias do
fantástico, o termo duplo foi introduzido no movimento do romantismo, primeiramente
sendo denominado por Jean-Paul Richter como Doppelgänger, um termo formado a partir
da fusão das palavras alemãs doppel (duplo) e gänger (andante) e que significa “aquele que
caminha do lado”. Baseando-se nessa manifestação, a duplicidade do eu, serão utilizados os
estudos teóricos de Otto Rank, Sigmund Freud e Nicole Fernandez Bravo para verificar as
representaçãos do duplo na obra de Paul Auster, analisando-se como o conceito se aplica na
personagem do conto e como é constuído na narrativa.
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Adilson dos Santos. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

ASPECTOS INTERCULTURAIS E AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIA


COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Ana Carolina SALATINI (G-UEL)


carolsalatini@yahoo.com.br
Renata de Lima SILVA (G-UEL)
re.limasilva@gmail.com

Muitos acreditam que para aprender um novo idioma basta conhecer aspectos gramaticais e
fonéticos, porém, obervamos que o domínio destas áreas não é suficiente. Cada língua está
inserida em um contexto cultural próprio, com valores e características que influenciam a
linguagem (verbal e não-verbal) utilizada por seus falantes. Para o aprendiz, portanto,
tornam-se imprescindíveis os conhecimentos de questões culturais, no que se refere a
expressões idiomáticas, gestos, hábitos, modo de vida. Entendemos que o professor é peça
fundamental na aquisição desses conhecimentos, fazendo com que o aluno coloque-se no
lugar do outro, entendendo sua forma de interpretar o mundo ao seu redor. Assim, este
trabalho tem o intuito de abordar e refletir sobre a importância de matizes interculturais nas
aulas de língua estrangeira (DURÃO, 1999, 2002A, 2002B; FERREIRA, 2005, 2007, 2012;
IGLESIAS CASAL, 1999; MIQUEL LÓPEZ, 2004; MIQUEL; SANS, 1992; SÁNCHEZ
20

LOBATO, 1999, 2002) e apresentar exemplos de situações reais.


Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Página

Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A INTERTEXTUALIDADE E A SITUACIONALIDADE EM CHARGES


DA COPA DO MUNDO DE 2014

Ana Cláudia Dévara BEZERRA (PG-UEL)


anadevara@gmail.com
Daniel de Oliveira FIGUEIREDO (PG-UEL)
daniel.of.uel@gmail.com

Para promover a interação, os chargistas usam diversos recursos argumentativos como a


intertextualidade, que sempre faz referência a um texto (verbal ou não verbal)
anteriormente construído e a situacionalidade, que trabalha o contexto (o momento em que
é escrito e para que é escrito). Portanto, os autores necessitam, por parte do leitor, de um
conhecimento prévio para alcançar, satisfatoriamente, a comunicação desejada.
Pretendemos mostrar, neste trabalho, por meio do aparato de alguns estudiosos da
Linguística Textual, a presença e importância dos recursos argumentativos, mais
precisamente, a intertextualidade e a situacionalidade em charges sobre a Copa de Mundo
de 2014.

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E AS REDES SOCIAIS

Ana Maria de Souza Valle TEIXEIRA

O ensino de língua portuguesa tem se mostrado pouco eficiente, no que se refere ao


objetivo de formar indivíduos capazes de ler, interpretar e produzir textos que sejam
considerados eficazes tanto pelos próprios alunos, pela escola, como também pelas
avaliações oficiais, tais como ENEM e Provinha Brasil. Nesse sentido, este estudo propõe o
desenvolvimento de atividades relacionadas ao uso das redes sociais, Facebook e Twitter
nas aulas de língua portuguesa, com o objetivo de atrair a atenção dos alunos, bem como
explorar conteúdos propostos nos documentos oficiais - Parâmetros Curriculares (BRASIL
1997; 1998) e as Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná (PARANÁ, 2004) – no que
tange à produção de textos. Para o desenvolvimento deste trabalho buscou-se como suporte
teórico a linguística textual (Koch, 2009).
21
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LETRAMENTO LITERÁRIO: UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA EXPANDIDA


DE LEITURA DA OBRA TERRA PAPAGALLI

Ana Paula Franco Nobile BRANDILEONE (UENP)


apnobile@uenp.edu.br)
Inês BRESSAN (SEED)
inesbressan@hotmail.com)
Juliana Helena de GRANDE (G-UENP)
juh-degrande@hotmail.com)

Este trabalho vincula-se ao subprojeto PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação


à Docência/CAPES), intitulado “Letramentos na escola: práticas de leitura e produção
textual” e desenvolvido na Universidade Estadual do Norte do Paraná, campus de Cornélio
Procópio, em parceria com professores da rede pública de ensino. O eixo 1 do subprojeto
em questão objetiva produzir sequências didáticas a partir da proposta de letramento
literário (2006), de Rildo Cosson, articulando com a produção escrita, em duas escolas
públicas no município de Cornélio Procópio (PR). Esta comunicação tem por objetivo
apresentar uma proposta de sequência didática expandida elaborada a partir da obra Terra
Papagalli (1999), de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, pelos bolsistas de
iniciação à docência e bolsistas supervisores, que será aplicada a alunos do 2º ano do
Ensino Médio.

A HABILIDADE ESCRITA EM LÍNGUA FRANCESA

Ana Paula GUEDES (UEM)


apguedes@uem.br

O histórico sobre as metodologias de ensino de língua estrangeira mostra que em momentos


distintos priorizou-se uma determinada habilidade comunicativa. Esse quadro é revertido
com o advento da abordagem comunicativa que destaca o processo de ensino e
aprendizagem de línguas correlacionando suas quatro habilidades: ler, escrever, ouvir e
falar. Nessa comunicação, pretendemos expor como a escrita é abordada pelos Parâmetros
Curriculares Nacionais e pelo Quadro Comum Europeu de Referência para as Línguas
Estrangeiras destacando seus aspectos principais e sua contribuição para a formação
linguageira do aprendiz. Dessa forma, desejamos contribuir para o aprimoramento da
abordagem didático-pedagógica do ensino da escrita em línguas estrangeiras.
22
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

FORMAÇÕES IMAGINÁRIAS SOBRE LEITURA NO DISCURSO DOS ALUNOS


DE 6º. E 9º. ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II

Ana Paula KUCHLA (G-UNICENTRO)


annapaulla_kuchla@hotmail.com

O presente trabalho objetiva analisar os sentidos atribuídos à leitura no discurso dos


sujeitos alunos do 6º e 9º anos de um Colégio Estadual na cidade de Guarapuava-PR. O
embasamento teórico utilizado é a Análise de Discurso de orientação francesa, a partir dos
postulados de Michel Pêcheux, Eni Orlandi, entre outros analistas do discurso. A pesquisa
pretendeu, inicialmente, observar o lugar social que os sujeitos alunos estão inseridos, ou
seja, a sala de aula. Posteriormente, realizamos a aplicação de um mesmo questionário, para
as duas séries, referentes ao ato de ler. Para análise, recorremos aos conceitos de condições
de produção, formação imaginária, formações ideológica e discursiva, interdiscurso e
intradiscurso. Assim sendo, a pesquisa adquire relevância por ser uma possibilidade de uma
análise que contempla a linguagem, os sujeitos e a história, disseminando reflexões que
provoquem outros olhares quanto ao imaginário de leitura que circula em sala de aula.
Trabalho orientado pela Profª Drª Luciana Fracasse. lfracasse@yahoo.com.br Universidade
Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO. Guarapuava. Paraná. Brasil.

TEXTOS LITERÁRIOS E PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE


ESPANHOL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DIÁLOGOS E PERSPECTIVAS

Ana Paula Mantovani VIEIRA (G-UEL)


anapaula.mv@hotmail.com
Danuta do ROSÁRIO (G-UEL)
danuta_rosario@hotmail.com

O ato de contar histórias é uma atividade recorrente na educação infantil. Observamos que
além de motivar, divertir e diversificar as aulas, também otimiza o processo de ensino e
aprendizagem, sobretudo de línguas estrangeiras a crianças, pois conjuga aspectos lúdicos e
conhecimentos linguístico-culturais. Sabe-se que essa prática estimula a imaginação e
criatividade, além de incentivar a leitura em idade tenra. Contudo, é preciso elaborar as
aulas com antecedência e cuidado, adequando as obras ao nível de aprendizagem e interesse
dos alunos, assim como às suas necessidades. É diante desse contexto de análise que
propomos explicitar os benefícios da incursão de textos literários no ensino de espanhol
para crianças e exemplificar ou sugerir como o professor pode trabalhar com essa temática
em sala, por isso propomos duas atividades didáticas. Para realizar esse estudo, portanto,
23

baseamo-nos nos preceitos teóricos de vários estudiosos (COLLIE; SLATER, 1999;


FERREIRA, 2002, 2012, 2013; LAZAR, 1993; LIMA, 1998; SANTORO, 2007; SANTOS,
Página

1998; TORRES, 1998; ZAFEIRIADOU, 2009).


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A RELAÇÃO ENTRE AS IMAGENS E OS SIGNOS NO CINEMA


DOCUMENTÁRIO

Ana Paula OLIVEIRA (PG-UEL/CAPES)


oliveira.or.anapaula@gmail.com

O objetivo desta comunicação é pensar a singularidade das imagens e dos signos que
compõem o cinema documentário. Nesse sentido, torna-se necessário compreender a
imagem como um signo. Para tal, essa relação entre as imagens e os signos será discutida a
partir do encontro entre o signo e o pensamento evidenciado na obra Proust et les signes
(1964) de Gilles Deleuze. Nesse sentido, as imagens serão entendidas como o “objeto de
um encontro” um signo que força a pensar e está fora do pensamento. Essa “aprendizagem
dos signos” evidencia os sentidos que neles estão implicados e permitirá pensar a relação
entre o signo e o sentido a partir do processo de atualização que ocorre quando os signos
são encarnados.

O IMAGINÁRIO DISCURSIVO SOBRE O ALUNO EM REPORTAGENS


DA FOLHA DE S. PAULO

Ana Paula TORRES (G-UEL)


ana.torres0033@gmail.com

O artigo presente tem como tema o imaginário discursivo acerca do aluno na educação
presencial e online que emerge de reportagens do jornal Folha de S. Paulo, no período de
maio de 2012 a maio de 2014. Através desse artigo, pretende-se investigar como o uso da
tecnologia no ensino presencial e a modalidade online podem (ou não) ter alterado a
imagem atual que se tem dos sujeitos da educação, em particular o aluno. Para isso, será
investigado e apresentado através desse artigo, como têm sido concebidas discursivamente
tais modalidades e sua influência na construção da imagem desses sujeitos, por meio desse
veículo de comunicação, e como o jornal influencia o imaginário do seu leitor, pelo
conteúdo e forma de exposição das matérias acerca do assunto. A análise será pautada pela
perspectiva da Análise do Discurso de linha franco-brasileira. Profa. Dra. Eliana Maria
Severino Donaio Ruiz.
24
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS RECURSOS ARGUMENTATIVOS EM UMA REPORTAGEM SOBRE


BIOGRAFIAS

Ana Valéria Bisetto BORK (PG-UEL/UTFPR)


valeriabbork@hotmail.com

Esta comunicação tem como objetivo apresentar os fatores de textualidade presentes em


uma reportagem da Revista Veja referente a duas obras biográficas publicadas em 2013
sobre a trajetória de celebridades que influenciaram o mundo da beleza. Para alcançar tais
propósitos utilizamos os conceitos trazidos pela Semântica Argumentativa e pela
Linguística Textual, além dos construtos teóricos referentes aos gêneros de texto
(Bronckart, 1999). Em um primeiro momento serão apresentados os aportes teóricos
relacionados aos recursos textuais. Na sequência, algumas considerações alusivas ao gênero
textual biografia serão apresentadas, seguido da análise sobre a utilização dos operadores
argumentativos (Oliveira, 2003; Koch, 2011) presentes no texto, os quais se mostram
relevantes para a construção textual. A questão da intertextualidade, da adjetivação, dos
dêiticos e dos operadores argumentativos serão o foco de nossa análise.

A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA PARA O LETRAMENTO LITERÁRIO NO


ENSINO FUNDAMENTAL

Anadir Aparecida SELÓRIA (PG-UEM)


anadirseloria@hotmail.com

Este trabalho apresenta resultados de pesquisa acerca da utilização da literatura como


ferramenta essencial ao favorecimento do letramento literário no ensino fundamental,
objetivando apresentar a importância da leitura como um todo, dos livros infanto-juvenis
em especial, para o desenvolvimento e aprimoramento da aprendizagem do aluno de ensino
básico. Por meio de propostas de autores como Micheletti (2006), Cândido (2004),
Compagnon (2009), Bloom (2001) e Cosson (2014) pretende-se sugerir estratégias para
proporcionar o encantamento que a literatura pode oferecer a esses alunos que estão em
processo de formação bio-psico-social, além de contribuir para uma postura de cidadão
crítico e atuante na sociedade em que está inserido. 25
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ITINERÁRIOS SEMIÓTICOS

Anailton de Souza GAMA (PG-UPM/UFMS)

O curta-metragem Caramujo Flor, gênero experimental, propõe montar um painel visual da


obra do poeta Manoel de Barros, Gramática Expositiva do chão. O curta revela o itinerário
do poeta experimentando o cinema em sua poesia através de uma "collage" de fragmentos
visuais. Nesta comunicação, analisamos o texto visual de algumas tomadas de cenas desse
curta observando se existem relações semissimbólicas entre os dois planos da linguagem, o
plano de conteúdo e de expressão. O plano de expressão pode ser entendido de várias
formas, como uma espécie de suporte, como a manifestação de algo que se apresenta para
os nossos sentidos e exige uma “decodificação”. Todo o processo de significação é esse
momento de passagem do plano de expressão para o de conteúdo. A noção de semi-
simbolismo, oriunda da semiótica greimasiana será exemplificada em cada tomada de cenas
a ser analisada. As tomadas de cenas escolhidas serão cotejadas a fim de percebermos, por
meio da análise, como se dá a construção textual e a articulação do semissimbolismo nessa
narrativa fílmica. Por meio da teoria semiótica greimasiana, procuramos destacar como essa
articulação semiótica, o semissimbolismo, constrói a figura inicial do processo de
construção identitária no curta Caramujo-Flor, que faz parte da estética do cinema de poesia
e tem como base para sua produção a obra Gramática Expositiva do Chão, de Manoel de
Barros.

A CULTURA E A LINGUAGEM INDÍGENA EM XAVANTE DE CHICO CÉSAR,


INTERPRETADA POR MARIA BETHÂNIA EM MEUS QUINTAIS

André Maciel de OLIVEIRA (PG-UEL)


profandre_literatura@hotmail.com

A Literatura é uma produção social assim como outras modalidades de arte e cultura, como
as composições musicais, sua estrutura poética e sua harmonia, os arranjos que compõem
esta organização posteriormente denominada de letra musical. Assim, propomos a
apresentação da Literatura como fonte de cultura associada à composição musical aqui
apresentada e analisada através de sua estrutura, versificação e a origem cultural de um
povo: o índio. Esta composição de Chico César é interpretada pela cantora e intérprete
Maria Bethânia. A cultura do povo indígena já se apresenta no título: Xavante, onde são
apresentadas e enaltecidas as simbologias culturais deste povo, que por anos foi esquecido e
mistificado. Assim esta análise propõe a discussão desta cultura brasileira, sua socialização
e seu papel de cidadã brasileira de origem pouco conhecida e discutida. Logo, propomos
26

desmistificar o estereótipo da figura do índio como povo sem cultura e sem história.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TEMPOS, ESPAÇOS, VOZES E UM SÓ “CANTO ESPANTOSO” NA


MICROSSÉRIE A PEDRA DO REINO

Andrea Cristina Martins PEREIRA (Unimontes)


andrea.martins@unimontes.br

A recriação para a televisão do Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do


Vai e Volta, de Ariano Suassuna, assinada pelo diretor Luiz Fernando Carvalho e exibida
pela Rede Globo, em 2007, no formato microssérie, causou surpresa e estranhamento no
público e na crítica. Neste estudo, proponho uma reflexão, à luz da semiótica tensiva, sobre
as opções do diretor, seja no plano narrativo, seja no plano discursivo, a fim de entender
como se dá a construção do sentido na obra. A conclusão a que se chega é que as
estratégias de instauração dos elementos de enunciação (pessoa, tempo e espaço), assim
como opções expressivas como movimentos de câmera, luz e cores, interferem na
intelecção da obra e em sua consequente recepção.

DESCRIÇÃO METODOLÓGICA DE UM CORPUS JORNALÍSTICO EM


LÍNGUA ESPANHOLA

Andréia C. Roder CARMONA-RAMIRES (PG-UEL/Fundação Araucária/UNESPAR)


prof-andreia@bol.com.br

Entendemos que “língua e cultura estão intrinsecamente interligadas de modo que uma não
pode se separar da outra sem a perda do significado da língua ou da cultura” (BROWN,
1994, p.167). Aceitando essa relação entre língua e cultura, realizamos uma investigação
em Língua Espanhola voltada para a análise de unidades léxicas retiradas do jornal
espanhol La Vanguardia, referentes à época ditatorial de Francisco Franco, enfocando,
sobretudo, os anos de 1940 e 1975. A escolha pelo trabalho com jornais realizou-se devido
a nosso entendimento de que neles podemos encontrar informações relevantes sobre a
evolução da história das sociedades. Portanto, neste trabalho, descrevemos a constituição e
a elaboração de um corpus de pesquisa, bem como o procedimento de coleta dos dados.
Para a elaboração desse artigo, utilizamo-nos dos princípios teórico-metodológicos
propostos por autores da área da Linguística de Corpus como Parodi (2013); Cruz Piñol
(2012); Fromm (2003); Humblé (2002); Biderman (2001); Beber-Sardinha (2000; 2004).
27
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO APRENDIZAGEM DAS EXPRESSÕES


IDIOMÁTICAS PARA DIPLOMA DE ESPAÑOL COMO LENGUA EXTRANJERA
(DELE)

Andreia Jardim TAVARES (PG-UEL)

Este trabalho é parte de uma pesquisa em andamento no Mestrado Profissional em Letras


Estrangeiras Modernas da Universidade Estadual de Londrina e está vinculado ao projeto
de pesquisa “Contribuições da Metafraseografia para a descrição bilíngue de idiomatismos
(português-espanhol)”. Assim sendo, com base na Fraseologia, que tem como objeto de
estudo as unidades fraseológicas, destacamos as expressões idiomáticas, com a finalidade
de tratar da importância de seu ensino sistematizado na preparação dos candidatos ao
Diploma de Español como Lengua Extranjera (DELE), exame de proficiência aplicado pelo
Instituto Cervantes, da Espanha. Para tanto, num primeiro momento abordamos aspectos
teóricos referentes à Fraseologia, às unidades fraseológicas e às expressões idiomáticas.
Posteriormente, apontamos algumas informações essenciais concernentes ao DELE. Por
último, enfatizamos a importância do ensino sistematizado das expressões idiomáticas para
os aprendizes que desejam obter o diploma referido.
Trabalho orientado pela Profª Drª Tatiana Helena Carvalho Rios Ferreira. Universidade
Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

LEITURA E ESCRITA POÉTICA COMO ATIVIDADE SIGNIFICATIVA PARA O


ENRIQUECIMENTO DO CONHECIMENTO:PRODUÇÃO COLETIVA DE UM
VARAL POÉTICO COM ALUNOS DO 6º C E 7º C DO COLÉGIO ESTADUAL
CARMELA DUTRA –EFM

Andréia Juliana André FULANETTO (PG-UEL)


anjucat@hotmail.com

Este artigo tem como objetivo principal explorar a importância do trabalho com leitura e
produção de textos poéticos em turmas do Ensino Fundamental do Colégio Estadual
Carmela Dutra-EFM, Guaraci/Pr, sob o tema “ Leitura e escrita poética”. Inicia-se por meio
de leituras de poetas renomados como Vinícius de Moraes, Cecília Meireles, Ruth Rocha,
José Paulo Paes passando pela produção de poesias autênticas e culminando na confecção e
exposição de um Varal Poético durante a Semana de Integração Família Comunidade,
apresentando metodologia diferenciada, com atividades lúdicas visando estimular o prazer
pela leitura literária poética. Traz em sua fundamentação teórica autores considerados sobre
o assunto, entre eles, Solé (1998), Lajolo (1982), Candido (2004), Cosson (2012) e Iser
28

(1996), justificando a importância de um trabalho significativo de leitura e produção de


texto literário desde os primeiros anos do Ensino fundamental.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O ARTICULADOR DISCURSIVO “ENTÃO” E SUAS VÁRIAS FUNÇÕES NO


TEXTO ESCRITO DO BRASIL

Andreza Carubelli SAPATA (PG-UFMS)


andreza.belli@hotmail.com

O propósito deste trabalho é analisar, por um lado, as funções argumentativas, bem como
outros fenômenos semânticos, como a polifonia e implicação estabelecidas por então no
texto escrito do Brasil e, por outro, o operador então na organização textual, contrapondo-o
aos outros operadores conclusivos, considerando tipo de discurso, grau de formalidade do
texto, etc. Para tanto, abordar-se-ão aspectos apontados pela Semântica Argumentativa,
especialmente as teorias de Oswald Ducrot e Eduardo Guimarães, e pela Lingüística
Textual, principalmente os estudos de Ingedore Koch. O levantamento de dados foi
efetuado num corpus extraído de leituras de periódicos publicados no Brasil, nos quais
procuramos encontrar conjunções conclusivas nos seguintes tipos de textos, do mais
informal para o formal. Ao final de tal trabalho, podemos identificar sete funcionamentos
distintos de então no português escrito do Brasil. Após esse levantamento, foi realizada
análise argumentativo-enunciativa somente de então-conclusivo.

TOPONÍMIA INDÍGENA NO OESTE PARANAENSE

Anna Carolina Chierotti dos Santos ANANIAS (PG-UEL)


annachierotti@yahoo.com.br

A Toponímia é a disciplina que tem como objeto de estudo os nomes de lugares, os


topônimos, por isso a toponímia de uma região pode ser considerada também um
repositório da história local, na medida em que, por meio de seu estudo, é possível a
recuperação de dados acerca da trajetória dos grupos humanos que habitaram e habitam a
região e de momentos históricos vivenciados por eles. Este trabalho, recorte de uma
pesquisa mais ampla sobre a toponímia de 32 municípios do Oeste Paranaense, discute a
relação entre os topônimos de base indígena e fatores sócio-históricos e ambientais.
Orienta-se, principalmente, pelo modelo teórico-metodológico de Dick (1990; 1992; 1999)
e utiliza como fonte mapas oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O
trabalho aponta os povos indígenas como sujeitos atuantes na história do Oeste Paranaense,
mesmo sem a devida valorização nas narrativas históricas.
29
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ANÁLISE DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE LÍNGUA


PORTUGUESA-L2 DO COLÉGIO ESTADUAL INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE
SURDOS

Antonio Carlos RIZZI (PPGEELE-UEL)


tacrizzi@gmail.com

A educação básica deve garantir a inclusão de alunos surdos ou com deficiência auditiva
nas escolas e classes de educação bilíngue, abertas a alunos surdos e ouvintes, com
professores bilíngues, sendo denominadas escolas ou classes de educação bilíngue aquelas
em que a Libras e a modalidade escrita da Língua Portuguesa sejam línguas de instrução
utilizadas no desenvolvimento de todo o processo educativo. Na cidade de Londrina
encontramos uma escola de educação bilíngüe, o Colégio Estadual Instituto Londrinense de
Educação de Surdos. Este trabalho tem como objetivo analisar o ensino de língua
portuguesa como L2 na Proposta Pedagógica Curricular e observar se essa segue as novas
leis e diretrizes para o ensino de língua portuguesa para alunos surdos.

EXPERIÊNCIA ESTÉTICA E DESENVOLVIMENTO HUMANO: CORPO EM


AÇÃO, SUJEITO EM (RE)CRIAÇÃO

Antônio Marcelino Vicenti RODRIGUES (IFPR)


rodrigues_amv@hotmail.com

O presente trabalho busca traçar reflexões sobre o processo de desenvolvimento humano


através da experiência estética, que aqui é tomada sob o prisma das artes presenciais. Para
tanto, são abordadas as experiências do autor enquanto discente do curso de Artes Cênicas
da UEL, a Teoria da Ação Simbólica, de Ernst Boesch e a Neurobiologia das Emoções e
dos Sentimentos, sob a perspectiva de António Damásio. Sugere-se que, na atuação, o
artista leva para o processo de criação as sínteses que adquire de si no meio cultural por
meio das interações eu-outro, recriando-se via atividade artística. Nesse sentido, ao
considerar que toda experiência tem o corpo como referência de base (não existe
experiência sem corpo), é possível apontar que os processos artísticos relacionados às artes
presenciais, imbuídos de noções relacionadas à conscientização e (re)estruturação corporal,
podem se configurar como aguçadores da relação eu-outro, potencializando, dessa forma, o
desenvolvimento do sujeito/artista.
30
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

IMPACTOS DE FATORES CONTEXTUAIS NAS ATITUDES DOCENTES E NAS


CRENÇAS DE UMA PROFESSORA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Aparecida de Fatima PERES (UEM)


afperes@uem.br

A qualidade da educação preocupa pesquisadores e responsáveis pela elaboração de


políticas educacionais e de formação de professores, e isso permite afirmar que o ensino é
uma das atividades humanas mais investigadas. Entretanto o ensino como trabalho parece
não ter a devida atenção acadêmica, uma vez que discussões sobre a prática docente, muitas
vezes, são limitadas a questões teóricas e intelectuais, enquanto aspectos contextuais são
ignorados, embora a sala de aula, os equipamentos disponíveis, o número de alunos por sala
e a formação profissional sejam igualmente relevantes e precisam, portanto, serem
considerados quando se discute o trabalho docente, pois eles influenciam atitudes e crenças
dos professores. Visando a contribuir com as discussões da formação docente, este trabalho
analisa atitudes e crenças de uma professora de Língua Portuguesa quanto aos fatores
contextuais do ambiente escolar onde atua, procurando relacionar suas percepções às
teorias concernentes à ação docente.

USO DO BLOG COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM: RELATO DE


EXPERIÊNCIA DO PIBID LETRAS ESPANHOL

Bárbara BATISTA (G-UEL)


barbarabatista95@yahoo.com
Caroline Bidoia GALVAN (G-UEL)
carolzinhabidoia@hotmail.com

Nosso trabalho tem por objetivo apresentar algumas considerações sobre a importância do
trabalho realizado entre o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência (PIBID)
da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e o Centro de Línguas Estrangeiras Modernas
(CELEM) ofertado por escolas da Rede Estadual de Ensino. Desenvolvemos atividades do
PIBID para viabilizar o ensino-aprendizagem do Espanhol como língua estrangeira
moderna utilizando, entre outras metodologias, as ferramentas das tecnologias digitais de
informação e comunicação (TDICs). Apresentaremos o processo de construção e aplicação
do blog cuja finalidade é fomentar a interação com a língua espanhola. Também
relataremos nossas experiências enquanto graduandas já inseridas no cotidiano da escola, o
que nos proporciona uma oportunidade singular como futuros docentes, visto que todo
conhecimento nos auxilia na reflexão sobre os diversos saberes e ações que permeiam a
31

vida profissional.
Trabalho orientado pela Profª Márcia Regina Soares Wakabayashi Claudino. Escola
Página

Estadual Ana Molina Garcia.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

RECURSOS ARGUMENTATIVOS EM CARTAS DO LEITOR DA FOLHA DE S.


PAULO

Bárbara Luise Hiltel VENTURINI (G-UEL/CNPq)


barbiluise@yahoo.com.br
Esther Gomes de OLIVEIRA (UEL)
ego@uel.com
Isabel Cristina CORDEIRO (UEL)
isabel-cordeiro@uol.com.br

A carta do leitor é um gênero textual altamente argumentativo, que tem como função
opinar, questionar, criticar, elogiar determinado acontecimento ou assunto e, para isso, o
interlocutor/leitor utiliza-se de recursos linguísticos necessários para a construção do texto
no intuito de convencer e persuadir o outro. Nesta comunicação, serão analisadas duas
cartas do leitor publicadas no jornal Folha de S. Paulo, nos dias 12 e 13 de julho de 2014,
sendo uma das cartas, inclusive, resposta à outra. A análise das cartas busca explicitar como
os recursos argumentativos contribuem para a construção de sentidos. Para isso, serão
evidenciados os seguintes recursos: intertextualidade, operadores argumentativos,
intensificadores, adjetivação.

LIBÉLULAS E JACINTAS NOS CÉUS DA REGIÃO SUL: UM ESTUDO


SEMÂNTICO LEXICAL COM OS DADOS DO ALIB

Bruna Stéfani dos Santos OLIVEIRA (G-UEL)


brunasteoliveira@gmail.com
Vanderci de Andrade AGUILERA (UEL/CNPq)
vanderci@uel.br

O Atlas Linguístico do Brasil (ALiB), pesquisa interinstitucional desenvolvida em nove


IES e sediada na Universidade Federal da Bahia, publicou recentemente os volumes
relativos à apresentação e às cartas com os dados de 25 capitais. Neste trabalho,
descrevemos e analisamos a variação léxico-semântica obtida nas localidades do interior
dos três estados por meio da questão 85 do Questionário Semântico-lexical que indaga
sobre o nome do inseto de corpo comprido e fino, com quatro asas bem transparentes, que
voa e bate a traseira na água. O corpus indica que cada um dos estados apresenta uma
variante regional predominante ao lado de outras de criação popular. Verificamos também
que, ao contrario dos dados das capitais onde a forma padrão libélula é mais freqüente, nos
pontos do interior há uma grande variedade de formas criadas a partir de processos
32

metafóricos e metonímicos.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O LUGAR DA LITERATURA FANTÁSTICA NO ENSINO DE LÍNGUAS


ESTRANGEIRAS/ADICIONAIS

Caio Vitor Marques MIRANDA (PG-UEL)


caiomarques91@yahoo.com.br
Amanda Pérez MONTAÑÉS(UEL)
amandapm3404662@gmail.com

No que tange ao ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira, muitos são os desafios


encontrados pelo professor e pelo aluno, uma vez que não basta apenas fazer com que o
aluno saiba falar, ler e escrever essa determinada língua. De fato, aprendê-la e ensiná-la é
muito mais abrangente. Deste modo, este trabalho justifica-se pela necessidade de
promover mudanças e uma melhora no nível do ensino de línguas estrangeiras no ensino
médio, algo com que a literatura fantástica pode contribuir amplamente, proporcionando ao
professor novas dimensões e caminhos para que o processo de aprendizagem do aluno
inclua questões culturais e não apenas gramaticais ou estruturais. Para tanto, algumas
sugestões serão dadas de modo a motivar educadores a avaliar o seu próprio ambiente de
classe e criar atividades que permitirão que os seus estudantes reflitam sobre narrativas
sociais e históricas e escrevam as suas próprias histórias.

A AMBIÇÃO NA CONSTÍSTICA MACHADIANA: BREVE ANÁLISE

Camila Mossi de QUADROS (IFPR)

O objetivo deste trabalho é analisar brevemente a presença da ambição nos contos


“Anedota pecuniária”, “A igreja do Diabo”, “Sereníssima república”, “Teoria do
medalhão”, “Um ambicioso” e “Um homem célebre”, de autoria de Machado de Assis. O
aporte teórico adotado é a Semiótica Greimasiana, que busca resgatar os sentidos do texto,
explicar o que o texto diz e de quais recursos se utiliza para dizer o que diz. Assim, são
investigadas as diversas abordagens da paixão ambição e as paixões que se relacionam a
ela. Para tanto, considera-se válido resgatar conceitos teóricos e metodológicos da
Semiótica Greimasiana, como os conceitos de paixão e de microssintaxe e macrossintaxe
passionais, dentre outros. Além disso, são cotejados referenciais teóricos de Teoria e Crítica
Literária. Este estudo é fruto do projeto de pesquisa “Representações do Poder na Literatura
Brasileira: das vozes referidas às representadas” coordenado pelo
33
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A PRESENÇA DE VARIAÇÕES FONÉTICAS ESTIGMATIZADAS NA MÚSICA


ZAZULEJO

Carla Giovana de CAMPOS (G-UEL)


carlinhagcampos@gmail.com
Amanda de SOUZA (G-UEL)
asouza.95@hotmail.com

A língua é um produto social e heterogêneo, suas variações são frequentemente vitimas de


preconceito. Os diferentes modos de falar dos vários grupos sociais fazem parte de suas
identidades, por isso sua existência não pode ser ignorada. Partindo destas ideias, o presente
trabalho tem como objetivo analisar a presença de dois fenômenos fonético-fonológicos
que sofrem preconceito linguístico, presentes na música Zazulejo, o rotacismo, planta ~
pranta, e a metátese, pernilongo ~ prenilongo, e discutir qual o propósito da canção. Neste
sentido, foi realizada a análise da canção Zazulejo mostrando que os fenômenos em
questão, além de terem contribuído para a construção da língua portuguesa, fazem parte da
identidade dos indivíduos.

SESSÕES DE CINEMA: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE INGLÊS EM


ESCOLAS PÚBLICAS

Carlos Rodrigo Loureiro FORTES (G-UEL)


rodrigolourefortes@hotmail.com
Lilian Kemmer CHIMENTÃO (UEL)
liliankemmer@hotmail.com

O projeto intitulado “Sessões de cinema: inglês na cena” foi criado dentro do contexto do
PIBID/2014 como uma proposta para o ensino de inglês em uma escola pública de
Londrina. Este projeto visa a promover o ensino da língua inglesa por meio de filmes,
enfocando aspectos culturais, sociais, econômicos e políticos a fim de potencializar o
pensamento crítico do aluno e ampliar seu conhecimento de mundo. Quanto aos
encaminhamentos metodológicos, as atividades são sempre baseadas em filmes de
diferentes gêneros e época (podendo ser: curta metragem, seriados, trailers, etc.) e visam,
não apenas, ao aprendizado da língua inglesa, via exercícios de compreensão oral,
vocabulário, variedade linguística e leitura, como também, à discussão e reflexão crítica
sobre temas polêmicos, contemporâneos e de interesse da faixa etária. A oferta é semanal,
com um encontro de uma hora e meia para alunos do ensino fundamental II e ensino médio
separadamente.
34
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO EM SALAS DE APOIO À


APRENDIZAGEM: UM NOVO CAMINHO PARA O CONHECIMENTO

Carolina Suelen Kosuiresko BERGER (G-UEPG)


carolkosuiresko@hotmail.com
Jessica da CUNHA (G-UEPG)
jehssicac322hotmail.com

A presente comunicação visa à apresentação do funcionamento das Salas de Apoio à


Aprendizagem de Língua Portuguesa para o 6º ano do Ensino Fundamental. A metodologia
utilizada foi o acompanhamento de uma dessas salas dentro do Programa Institucional de
Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID, aplicação de questionários para três professoras de
Salas de Apoio de três escolas da rede pública de ensino de Ponta Grossa- PR, tendo como
base para a análise as reflexões de COLLELO (2009), SOARES (2004) e as DCE’s (2008).
Pretende-se expor como as Salas de Apoio à Aprendizagem e suas diferentes metodologias
nas escolas pesquisadas contribuem para a aprendizagem dos alunos e a superação das
dificuldades nas habilidades de oralidade, leitura e escrita. Pretende-se também contribuir
para uma melhor compreensão do funcionamento desse espaço de formação complementar,
bem como os conceitos de alfabetização e letramento e como esses dois processos são
instituídos dentro das salas.
Trabalho orientado pela Profª. Sandra do Rocio Ferreira Leal. Universidade Estadual de
Ponta Grossa – UEPG. Ponta Grossa. Paraná. Brasil.

RETRATOS MALÍGNOS DE GOGOL E HAWTHORNE

Caroline Molinari ANDRADE (G-UEL)


carol_ma_14@hotmail.com

Tomando como suporte o conceito de “duplo” desenvolvido por Otto Rank (O duplo, 1914)
e Nicole Fernandez Bravo (“Duplo”, 2000), bem como da noção de “estranho”, presente em
ensaio escrito por Freud (Das Unheimliche, 1919), serão analisadas e comparadas duas
narrativas do século XIX: “O retrato” (1835), de Nikolai Vassiliévitch Gogol (1809-1852),
e “Retratos proféticos” (1837), de Nathaniel Hawthorne (1804-1864). Conforme antecipam
ambos os títulos, nessas narrativas, o tema do duplo aparece representado por meio do
“retrato” que, ao entrar em contato com as personagens, ocasiona transformações nas
mesmas. No conto de Gogol, o retrato transforma todos aqueles que atuam como seu
proprietário, funcionando, também, como receptáculo da alma. Já no conto de Hawthorne,
apenas o casal, ao qual o quadro foi designado, sofre influência desse objeto. Este último,
35

diferente do primeiro, traz como característica destoante o fato de ser um objeto profético,
uma revelação do futuro.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Adilson dos Santos. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE FEMININA NAS CAMPANHAS


PUBLICITÁRIAS AUTOMOBILÍSTICAS

Cecília FELICIANO (G-UEL)


ceciliavf10@gmail.com
Celso DALTIN FILHO (G-UEL)
celsodaltinf7@yahoo.com.br
Andréia da Cunha Malheiros SANTANA (UEL)
andreiacunha@uel.br

Este artigo tem como objetivo mostrar a construção da identidade feminina a partir das
campanhas publicitárias automobilísticas, divulgadas em meio impresso (revistas e jornais),
entre 1961 e 2012. A partir da análise de algumas campanhas publicitárias organizadas
cronologicamente, pretendemos enfatizar como a identidade feminina vem sendo
construída e disseminada na nossa sociedade. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica que
buscou reunir tanto as campanhas publicitárias divulgadas, como estudos realizados na área
da linguagem e da sociologia. Concluímos que muitas destas campanhas publicitárias,
mesmo reconhecendo a inserção da mulher no mercado de trabalho, continuam a promover
visões estereotipadas que ora a descrevem como objeto sexual, ora como mãe, ora como
uma pessoa de capacidade intelectual menor.

ORIGEM E DESFECHO DO COLÉGIO DOS JESUÍTAS EM PARANAGUÁ

Celciane Alves VASCONCELOS (UEL/SEED-PR)


celciane@uel.br

Este trabalho tem por objetivo apresentar o percurso histórico da fundação do colégio dos
jesuítas, documentado nos manuscritos setecentistas, da vila de Paranaguá, enfatizando sua
origem e seu desfecho. A gênese desse colégio, no município de Paranaguá – PR, é relatada
por muitos historiadores como um fato que ganhou páginas da história dessa cidade, devido
aos acontecimentos curiosos que ocorreram durante o período de sua construção. Portanto,
com intuito de traçar o panorama histórico da área estudada para auxiliar na compreensão
dos aspectos socioculturais, pertinente ao período em que foram produzidos os documentos
manuscritos, a presente pesquisa valeu-se do embasamento teórico-metodológico
empregado em estudos Filológicos.
36
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ELEIÇÕES 2010: PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS MULHERES CANDIDATAS

Célia Dias dos SANTOS (UEL)


celiadiassantos@gmail.com

A relação da mídia com o discurso político tem sido tema de um grande número de
trabalhos acadêmicos na área da Ciência Política, da Comunicação e dos Estudos da
Linguagem. Analisaremos os mecanismos de constituição das entrevistas impressas com
vistas a refletir acerca do funcionamento do discurso político na contemporaneidade e seus
efeitos de sentido. Considerando que, na conjuntura política de 2010, o Brasil teve na
disputa presidencial duas mulheres concorrendo ao poder vamos interpretar como as s
instâncias Veja e Carta Capital abordaram esse fato na constituição das perguntas feitas às
candidatas Dilma Rousseff e Marina Silva. Para atingir o nosso objetivo desenvolvemos um
estudo sobre as especificidades das entrevistas, de cada uma das mídias em questão,
seguido de uma análise comparativa. O nosso trabalho tem como suporte teórico a Análise
do Discurso francesa e também os referenciais teóricos da área da comunicação e da
Linguística textual.

CLUBE DE LITERATURA: UM ESTUDO DE CASO

Celso Leopoldo PAGNAN (Unopar/Funadesp)


celso.pagnan@unopar.br

A presente comunicação é um relato de experiência sobre Clube de literatura, desenvolvido


com setenta alunos do 2º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Barão do Rio Branco,
Londrina. Tal Clube foi criado como parte integrante do projeto Professor: seu lugar é aqui,
desenvolvido pelo programa de Mestrado em Metodologias para o Ensino de Linguagens e
suas Tecnologias, da UNOPAR. São três os objetivos do Clube: estabelecer uma leitura
sincrônica entre obras literárias de períodos diferentes e de diferentes autores (brasileiros e
estrangeiros), levar o aluno a perceber as relações temáticas entre obras diversas e, por
meio de textos metaliterários, levar o aluno a compreender o processo criativo. Os temas
escolhidos para o primeiro objetivo são: amor, loucura, criação literária. Este último
colabora para cumprirmos o segundo objetivo. Quanto aos autores, selecionamos: Machado
de Assis, Franklin Távora, Fernando Pessoa, Thomas Mann, Ferreira Gullar, Paulo
Leminski.
37
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

DE FAMÍLIA HOMOSSEXUAL À FAMÍLIA HOMOAFETIVA: AS


CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA NO DISCURSO JURÍDICO

Cinthia de SOUSA (G-UEL)


cinthsousa@hotmail.com

Ao regular o casamento ou união estável de pessoas do mesmo sexo, o Direito passa a dar
respaldo a um comportamento social consolidado. Este trabalho procura desenvolver uma
breve reflexão sobre a percepção da sociedade e, em especial, do judiciário, a respeito da
homossexualidade e da formação das novas famílias. Essa análise terá como foco a
mudança no tratamento dos direitos que abarcam o casamento ou união homoafetiva
através da substituição do termo homossexual pelo termo homoafetivo. Temos como
objetivo demonstrar as implicações práticas decorridas da mudança do discurso jurídico
frente a esse fato social e como isto contribuiu com a luta pelo reconhecimento de seus
direitos homoafetivos.

JUSTIFICATIVAS PARA UM PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA DEFESA DA


IDENTIDADE CULTURAL E LINGUÍSTICA BRASILEIRA

Cíntia Machado SANTOS (PG-UEL)


cintia.caterpillar@gmail.com
Rosimeiri Darc CARDOSO (UNESPAR)
rosimeiricardoso@fecea.br
Ana Paula Ferreira de MENDONÇA (UNESPAR)
anapaula.mendonca@unespar.edu.br

O presente trabalho põe em relevo a defesa da identidade cultural e linguística brasileira,


tendo por fundamento estudos sobre a variante linguística brasileira, a fim de descrever,
ainda que de modo sucinto, o percurso para a construção do português falado hoje no
Brasil, desde a matriz lusitana, associada ao vocabulário tupi-guarani e às influencias
africanas e de outras nações europeias ocorridas a partir da migração, especialmente no
inicio do séc. XX. À parte as diversas tentativas históricas de unificação dos falantes da
língua e de uniformização das normas ortográficas, o reconhecimento do português falado
hoje no Brasil prescinde da análise da incorporação de léxicos oriundos das línguas
indígenas e africanas, influência esta à qual os falantes da língua em Portugal não estiveram
sujeitos. Tal perspectiva soma-se ainda à presença de diferenças fonológicas, morfológicas
e sintáticas entre as duas variantes linguísticas do português que fazem do português
brasileiro uma variedade diversa da portuguesa europeia.
38
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS NO ENSINO DE ESPANHOL:


UM OSSO DURO DE ROER OU A BOLA DA VEZ?

Cláudia Cristina FERREIRA (UEL)

Todo e qualquer idioma possui suas particularidades que o caracterizam e o diferenciam


dos demais. Uma das grandes dificuldades de aprendizes de línguas estrangeiras refere-se
às expressões idiomáticas, pois seu equivalente em língua materna nem sempre corresponde
ao que se espera ou imagina. A tradução, geralmente, não é literal, pois se assim o fizermos
pode gerar construções errôneas. Nesta perspectiva, entendemos que contemplar
idiomatismos em aula de língua estrangeira é essencial (GÓMEZ MOLINA, JOSÉ
RAMÓN, 2004; LEONTARIDI; PERAMOS SOLER, 2011; RIOS; XATARA, 2012), uma
vez que revelam autenticidade, dinamicidade linguística e são imbuídos de aspectos
socioculturais. O objetivo desta pesquisa, portanto, é refletir sobre expressões idiomáticas,
numa abordagem contrastiva, no processo de ensino e aprendizagem de língua estrangeira,
em específico, da língua espanhola e apresentar duas propostas didáticas para se abordar
essa temática em sala.

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS COMO


FERRAMENTA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Claudia de Faria BARBETA (PG-UEL)


cbarbeta@gmail.com

O trabalho propõe-se a apresentar dados preliminares coletados por meio de questionário


semiaberto de uma pesquisa que busca conhecer o grau de conhecimento que os professores
de língua portuguesa têm sobre o uso das TIC em sua prática pedagógica. Participaram do
estudo docentes de língua portuguesa que atuam nas escolas públicas estaduais da cidade de
Londrina (PR). Após apreciação dos dados apresentados, infere-se que as iniciativas dos
programas oficiais são válidas, no que diz respeito ao desenvolvimento de programas e
ações para a qualidade da educação. No entanto, pelas respostas dos professores que
participaram dessa pesquisa, há uma enorme lacuna entre o que é proposto e o que é
efetivamente desenvolvido nas escolas. 39
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ANÁLISE ESTILÍSTICA DO POEMA O BICHO, DE MANUEL BANDEIRA

Cláudia Gomes de Albuquerque HAULY (PG-UEL)


claudiahauly@gmail.com

A proposta deste trabalho é traçar considerações sobre a Estilística, tendo como suporte o
referencial teórico de: LAPA (1998), MARTINS (2008); CARRETER e LARA, (1967). O
poema para análise estilística será O bicho, de Manuel Bandeira, poeta modernista,
revelando como o trabalho com os recursos linguísticos pode potencializar a expressividade
do texto, promovendo efeitos e emoções no receptor. Será abordada uma análise literária
sobre o poema e a importância da Estilística, para que se possa ter um melhor entendimento
de como a língua portuguesa funciona juntamente com seus elementos norteadores, pois a
gramática e a estilística não são excludentes, mas sim complementares.

ESCULPIR O TEMPO EM LIVRO DE HORAS

Claudio Luiz GARCIA (UEL)


claudio.luiz.garcia@gmail.com

"E, assim, o tempo torna-se o próprio


fundamento do cinema, como o som na
música, a cor na pintura, o personagem
no teatro."
Andrei Tarkoviski

Os personagens dos meus livros de horas oferecem-se ao leitor como cor e espaço/tempo,
não à definição absoluta, mas aparecem como substâncias palpáveis e sem cronologias.
Apresentam-se em cores recamadas. Os meus livros de horas, primeiramente, referem-se ao
"O livro de horas" do poeta Rainer Maria Rilke, depois aos manuscritos medievais, por fim
ao meu processo de criação artística. Como um monge extramuros, “prisioneiro”
espiritualizado a fabricar os livros de horas firmando os pensamentos menos extáticos, mais
estáticos e estéticos. São livros-pinturas temporais, expressam-se menos no espaço
hermético da folha e mais pelo tempo em que o leitor/espectador folheia suas páginas. 40
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SEMIÓTICA E MÚSICA: AS PAIXÕES NA CANÇÃO METAL CONTRAS AS


NUVENS

Cláudio Marcos VELOSO JÚNIOR (PG-UEL)


cláudio-veloso@uol.com.br)
Jéferson de Moura SARAIVA (PG-UEL)
jeffmsaraiva@gmail.com)

A Semiótica greimasiana se insere nas teorias dos discursos que concebem o texto como
um objeto de significação. Em sua quarta fase, a Semiótica dedicou-se a análise de como as
paixões são inseridas nos discursos. A intenção desse estudo é relacionar os estudos de
Semiótica com a análise musical. Nessa perspectiva, o presente estudo utilizará os
fundamentos teóricos da Semiótica para evidenciar quais as paixões estão presentes na
canção Metal Contras As Nuvens, de composição de Renato Russo. Para tal intento, o
estudo analisará todo o percurso gerativo desse texto, focalizando os momentos de disforias
e euforias, para, assim, relatar quais as paixões surgem durante esse percurso e como elas
são modalizadas. As paixões serão tratadas de forma lexicalizada e o objetivo desse estudo
é abordar o porquê do surgimento delas.

A INTERFACE LÍNGUA LATINA/LÍNGUA PORTUGUESA: METODOLOGIAS


POSSÍVEIS

Clemilton Pereira dos SANTOS (PG-UPM/UEMS)


clemilton.ps@uems.br

Compilar metodologias de trabalho em língua portuguesa possíveis de serem adotadas em


sala de aula, utilizando-se das bases e dos fundamentos da língua latina é um dos grandes
desafios para um ensino-aprendizagem de língua portuguesa crítico e significativo. Embora
a língua de Homero faz-se a cada dia menos presente nas cadeiras universitárias, a
sociedade acadêmica tem se voltado, mesmo que de forma tímida, a discussões acerca da
necessidade do viés latim/português e português/latim. Frente a estes recentes debates de
ordem linguística e metodológica, o presente estudo visa refletir acerca da importância da
reintrodução dos estudos latinos no tocante a aspectos linguístico-culturais na atual
formação de professores de língua, num momento em que o imediatismo tem
proporcionado algumas lacunas ao conhecimento científico, frente à desvalorização de
aspectos mais profundos, principalmente no que se refere às Ciências Humanas, e às
questões relativas à nossa origem linguístico-cultural.
41
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

UM ESTUDO ACERCA DE POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E LÍNGUA


ESTRANGEIRA EJA

Cleonice de Fátima MARTINS (PG-UEPG)


cleorenevil@bol.com.br

O principal objetivo desta pesquisa é averiguar como se dá a implementação de uma língua


estrangeira na grade curricular da EJA e as políticas linguísticas que a envolvem.
Consequentemente, averiguar o ensino e aprendizagem dessa disciplina e sua contribuição
na (re)construção de identidades dos Jovens e Adultos. Assim, com intuito de atender aos
objetivos propostos, além dos estudos bibliográficos, também serão feitas observações em
instituições responsáveis pela EJA na cidade de Ponta Grossa, Paraná, entrevistas,
questionários com alunos, professores e equipe pedagógica destas instituições. E para
realizar este trabalho, contará com um embasamento qualitativo. Acresce-se a estes, a
experiências de sujeito participante da investigação, uma vez que há recuperação de dados
como ex-aluna e professora desta modalidade de ensino. Almeja também a partir deste
estudo instigar a outros estudos nesse campo, contribuindo para o aprimoramento do
professor e pesquisador.

A INFORMAÇÃO NO SITE DE NOTÍCIA: TECNOLOGIA E JORNALISMO

Cristiane Garcia.GRANDE (PG-UEL)


cris@calc.com.br
Florentina das Neves.SOUZA (UEL)

Este estudo pretende analisar as webnotícias no site jornalístico da Folha de S. Paulo e


verificar, a partir das especificidades da web e das particularidades do jornalismo, como se
dá a produção da informação. Propõe-se dar ênfase à informação, por isso foca-se na
análise do conteúdo como procedimento metodológico, por meio dos conceitos de Laurence
Bardin. Com base em referências bibliográficas sobre jornalismo online e entrevistas com
jornalistas responsáveis por pauta, reportagens e edição no site de notícia, esta pesquisa
busca delinear o conteúdo da informação e o uso das tecnologias. Para isso, o recorte são
manchetes diárias na internet, publicadas no portal www.folha.com.br, no período de 30
dias. Por meio deste portal de notícia busca-se ainda examinar mudanças no jornalismo de
cunho criativo e tecnológico, cuja apresentação contemporânea dos sites, na era do
ciberespaço e do virtual, converte o próprio público leitor em produtor de conteúdo nas
novas mídias.
42
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

INTERCULTURALIDADE E ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM DIÁLOGO


QUE RESPEITA A DIVERSIDADE

Cristiane Marques de ARAUJO (NRE/Londrina)


kikacma@gmail.com

Em consonância com a proposta das Diretrizes Curriculares de Língua Estrangeira


Moderna, percebemos a necessidade de discussões e reflexões referentes ao respeito à
diversidade cultural, identitária e linguística. Sugerimos uma proposta pedagógica
desenvolvida a partir de uma prática linguístico-cultural em um colégio estadual de
Londrina, do Centro de Línguas Estrangeiras Modernas/Espanhol, conforme uma
abordagem comunicativa, interativa e colaborativa. Para contribuir com a aquisição
cultural, e linguística, da língua espanhola num processo de ensino e aprendizagem
autêntico, a pesquisa percorreu, primeiramente, o estudo dos conceitos de comunicação,
diversidade, igualdade de direitos, valores culturais, identidade e cidadania. A ação
demonstrou o interesse da comunidade escolar por novas culturas e pela língua espanhola,
corroborando assim com teóricos dedicados ao assunto, ou seja, não há como separar língua
e cultura. É o que apontam alguns teóricos que pautam este estudo, entre eles: Byram;
Fleming, Cook, Durão, Ferreira, Kramsch, Crozet, Miquel López, Miquel; Sans, Sercu.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

O DOCUMENTÁRIO COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM


NAS AULAS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

Cristiane Selva FIGUEREDO (PG-UEL)


cristiane_s_figueredo@yahoo.com.ar

A presente pesquisa aborda o ensino e aprendizagem do gênero documentário nas aulas de


espanhol como língua estrangeira. Essa proposta utilizou-se de um dos vídeos da Série
Identidades, um material rico por abordar aspectos culturais, geográficos, históricos e
linguísticos da cidade Córdoba na Argentina. Salientamos que o material em vídeo foi
produzido para fins educativos pelo Proyecto Comunicándonos Sin Fronteras de la
Secretaría de Extensión y Relaciones Internacionales de la Facultad de Lenguas de La
Universidad de Córdoba. Neste contexto consideramos os apontamentos de Gelabert e
Benítez (2002 p. 12) na escolha de materiais para as aulas, nas quais devemos mostrar a
autenticidade, a naturalidade e a atualidade do que se fala e como falam os falantes nativos.
Por essa razão, o documentário, além de demonstrar a realidade dos jovens estudantes da
43

região rural, auxilia o aprendiz a reconhecer e refletir a sua própria realidade e produzir seu
próprio documentário.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Trabalho orientado pela Profª Drª Valdirene Zorzo-Veloso. Universidade Estadual de


Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

O OUTRO POR TRÁS DA MÁSCARA - ANÁLISE DO DUPLO NO CONTO


"O REI DA MÁSCARA DE OURO" DE MARCEL SCHWOB

Cristiano Dias de SOUZA (G-UEL)


cristiano.diasouza@gmail.com

Quer na figura dos gêmeos, quer no sósia; poder ser na imagem refletida no espelho, ou na
presença (ausência) da sombra; na criação de um novo ser, na transformação ou
metamorfose e de muitas outras formas, a presença do duplo tem sido um tema comum na
literatura (MELLO:2000). O presente trabalho pretende explorar o duplo no conto "O rei da
máscara de ouro" do escritor francês Marcel Schwob, autor pouco conhecido do público
brasileiro. Em especial analisar-se-á a construção do duplo por meio do simulacro da
máscara e do sentido da visão, fazendo-se uma comparação com outras obras como o
"Fantasma da Ópera" e a "Alegoria da Caverna" de Platão.
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Adilson dos Santos. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A FORMAÇÃO LEITORA E ESCRITORA NO CURSO DE LETRAS

Cristina Nalon de ARAUJO (PG-UEL)


cristina.n.araujo@hotmail.com

Este texto apresenta parte dos resultados de uma pesquisa de Mestrado integrada a um
projeto em âmbito nacional que trata da formação do professor de língua materna.
Problematizando a formação em leitura e escrita na licenciatura, objetivou-se analisar como
é concebida e desenvolvida a formação leitora e escritora nos cursos de Letras em duas
universidades estaduais (PR). O estudo está respaldado principalmente em Geraldi (2004) e
como parte constituinte dos resultados, apresenta-se um núcleo de disciplinas consideradas
como as mais contributivas na formação daqueles graduandos em leitura e escrita. Esse
núcleo foi delineado analisando o currículo e pela indicação dos participantes (alunos,
professores e coordenadores do curso de Letras) e sua análise permitiu compreender a
forma com que essas disciplinas contribuem e apontou para a necessidade do curso
integralmente ampliar o trabalho com as múltiplas leituras na formação dos futuros
formadores de leitores e escritores.
44
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

EXPRESSÃO ESCRITA EM ESPANHOL: REFLEXÕES A PARTIR DO GÊNERO


TEXTUAL RECEITA CULINÁRIA

Daise Angélica do PRADO (SEED/PR)


profdaise2009@gmail
Marcia R. Soares Wakabayashi CLAUDINO (SEED/PR)
profmarciaesp@gmail.com

Neste trabalho fazemos uma reflexão sobre o ensino de escrita nas aulas de espanhol como
língua estrangeira (ELE) e sobre as dificuldades encontradas no momento de se escrever.
As atividades aqui descritas foram aplicadas dentro do Programa Institucional de Bolsas de
Iniciação à Docência (PIBID). Desenvolvemos ações direcionadas ao contexto real de
produção por meio de gêneros textuais, a fim de proporcionar ao estudante um melhor
desempenho em sua produção escrita, a qual, tanto para o aluno quanto para o professor é
uma atividade complexa e que requer utilização de diversos mecanismos linguísticos.
Conhecer, compreender e reproduzir os Gêneros Textuais presentes no cotidiano é
imprescindível ao aprendizado, pois através deles interagimos socialmente; assim,
escolhemos a receita culinária para analisar a trajetória dos alunos a partir da Sequência
Didática e apresentaremos caminhos para desenvolver melhor esta prática.
Trabalho orientado pela Profª Drª Valdirene Zorzo-Veloso. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

O ROMANTISMO PRESENTE EM PERSONAGENS FEMININAS DE A CASA


DAS SETE MULHERES

Daniela LEONHARDT
dani_leonhardt@hotmail.com

O objeto deste trabalho é o romance A casa das sete mulheres (2002), de Leticia
Wierzchowski, que narra a história das mulheres da família do General Bento Gonçalves,
isoladas na Fazenda da Barra a fim de que permanecessem em segurança, enquanto a
Revolução Farroupilha estendia-se por dez anos. Reconhecida internacionalmente, a obra
foi publicada em seis outros países, entre eles a Alemanha, a Grécia e a Espanha. Nesse
livro, lançado no início do século XXI, constata-se que as influências românticas resistiram
às transformações ocorridas desde o século XIX na literatura e aspectos característicos de
obras produzidas durante o Romantismo são retomados e mantidos. Analisar-se-á,
especificamente, como personagens do romance contemporâneo poderiam, claramente,
estar em qualquer romance do século XIX, pois todas seguem os paradigmas românticos,
em maior ou menor grau.
45
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A CONSTRUÇÃO DA PERSONAGEM FEMININA EM UMA FOTONOVELA


RELIGIOSA

Daniela Maria Nazaré da SILVA (PG-UEL)


dmnazare@yahoo.com.br

O presente trabalho tem como objetivo estudar uma fotonovela religiosa, destacando o fato
de a heroína se diferenciar por suas características excêntricas. Sua originalidade se dá em
relação às personagens femininas de fotonovelas publicadas em revistas como Capricho
(Editora Abril) e Grande Hotel (Editora Vecchi). Estas, geralmente, tinham uma
personalidade romântica e eram submissas à figura masculina. Angélica, de certa forma,
também exerce papel de detetive, procurando descobrir a verdade sobre os acontecimentos
em que seus “protegidos” estão envolvidos. Ao mesmo tempo, pratica a iniquidade
(furtando uma motocicleta), manuseia armas de fogo e até mesmo utiliza da violência para
combater os adversários. Pretende-se, então, estudar a construção da personagem feminina
a partir das teorias de Pierre Bourdieu. O estudioso explicita as divisões estabelecidas pela
sociedade androcêntrica. Partindo disso, demonstrar-se-á como o comportamento de
Angélica foge às regras tanto em sua função de freira quanto de mulher.

“CHOVIA, CHOVIA, CHOVIA E EU IA INDO POR DENTRO DA CHUVA”: A


REPETIÇÃO EM CAIO FERNANDO ABREU

Daniela Oliveira PASSOS (PG-UEL)


danielapassos@sercomtel.com.br

O objetivo deste trabalho é apresentar a forma como a tessitura argumentativa foi


construída no conto “Além do ponto”, de Caio Fernando Abreu. Koch (2009) afirma que a
ação de argumentar constitui o ato linguístico fundamental, portanto em todo discurso
subjaz uma ideologia, na acepção mais ampla do termo, assim, a neutralidade é apenas um
mito. Tendo em vista que um discurso jamais será neutro, pois é um texto alicerçado por
pontos de vista do emissor ou de enunciadores que o representam na sociedade,
pretendemos demonstrar como as figuras de repetição colaboraram com a força persuasiva
do conto a ser analisado. Observaremos que o discurso, mesmo sendo literário, é moldado
conforme a intencionalidade do autor. A análise será sustentada, principalmente, por teorias
de Koch (1995, 2009) e Citelli (2007).
46
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CINEMA ÉPICO E IMPROVISO TEATRAL EM ‘O ASSASSINATO DO


APOSTADOR CHINÊS’

Danilo do Amaral Santos LAGOEIRO (UEL)


danilo_lagoeiro@yahoo.com.br

O sentido do épico para o teatro e para cinema possui desdobramentos estético-políticos


diferenciados e múltiplos, e a partir dessa premissa o artigo visa refletir como essa
categoria da literatura se expressa no filme The Killing of a Chinese Bookie (1976) de John
Cassavetes, cineasta americano independente. Sob o pressuposto de que o cinema deve ser
encarado pela dialética arte e indústria, iremos apresentar uma leitura de como o filme de
Cassavetes se aproxima da ideia de cinema épico, que recebeu grande influência da
perspectiva fílmica e teatral do escritor alemão Bertolt Brecht. Nossa compreensão do épico
no cinema e no teatro articula saberes práticos apreendidos em oficinas teatrais e
experiências cinematográficas, além de leituras teorizantes da teoria crítica, tais como
Fredric Jameson, Anatol Rosenfeld, Walter Benjamin, Sérgio Carvalho e Patrice Pavis.

A UNIDADE LINGUÍSTICA LUSO-BRASILEIRA: UM PERCURSO SEMÂNTICO,


UMA ESCRITA DA HISTÓRIA

Danilo Ricardo de OLIVEIRA (PG-Unicamp)


dro.danilo@gmail.com

Este trabalho tem por objetivo constituir uma leitura e escrita da história da língua
portuguesa por um acontecimento linguístico que, em sua temporalidade, significa,
atualmente, a reiteração dos acordos internacionais entre os países falantes de Português.
Dando visibilidade a conceitos e categorias da Semântica Histórica da Enunciação
(Semântica do Acontecimento), tomaremos para análise uma notícia veiculada em 1944 no
Diário de Lisboa, em Portugal, que trata justamente da relação entre brasileiros e a língua
portuguesa. Espera-se, com essa análise, sustentar que a atualidade dos acordos
internacionais sobre a língua decorre, sobretudo, de uma projeção de sentidos que divide,
redivide e mistura, constantemente, línguas e falantes; essa projeção corresponde, pois, a
uma constante divisão do mundo pela distribuição “sensível” das línguas em espaços de
enunciação (GUIMARÃES, 2005). Confiamos que o percurso análise que procuraremos
constituir será de grande importância para a escrita de outra história da língua portuguesa
no Brasil.
47
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ANÁLISE DO DISCURSO E LINGUAGEM: DA MATERIALIDADE


LINGUÍSTICA AOS EFEITOS DE SENTIDO

Dayane Caroline PEREIRA (PG-UEL)


dayane.caroline@sercomtel.com.br
Rosemeri Passos Baltazar MACHADO (UEL)
rosemeri@sercomtel.br

A Análise do Discurso tem a sua atenção voltada ao próprio discurso. Esse aporte teórico
possui variados mecanismos que possibilitam a compreensão do funcionamento discursivo.
Nesse sentido, esse artigo visa apresentar os procedimentos que a Análise do Discurso (de
orientação francesa) fornece ao estudar os discursos (sob diversas materialidades), uma vez
que se trata de um objeto complexo e implica uma exterioridade à língua. Por isso o
discurso deve ser apreendido em uma dimensão mais ampla, na qual os aspectos históricos,
sociais, linguísticos e a própria relação com o sujeito são colocados em evidência,
possibilitando a produção dos sentidos nos diferentes contextos sociais. Esse artigo está
vinculado ao projeto de pesquisa intitulado “PAD – Pesquisas em Análise do Discurso: o
processo de significação em diversos gêneros”, coordenado pela professora Rosemeri
Passos Baltazar Machado, na Universidade Estadual de Londrina.

OS DICIONÁRIOS QUE FALAM DE HISTÓRIA: UMA ANÁLISE DO


DICIONÁRIO ETIMOLÓGICO E DO DICIONÁRIO HISTÓRICO, DE ANTÔNIO
GERALDO DA CUNHA

Dayme Rosane BENÇAL (PG-UEL/CAPES)


daybencal@gmail.com

Este artigo visa à descrição e análise da estrutura de dois dicionários que tratam da história
e origem das unidades lexicais da língua portuguesa. São descritas as características macro
e microestuturais do Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa (1986, 2010) e do
Dicionário Histórico das Palavras Portuguesas de Origem Tupi (1989), ambos de Antônio
Geraldo da Cunha. O objetivo do estudo é identificar os critérios estabelecidos pelo autor
para a elaboração desses dicionários, bem como o emprego desses critérios nas obras. A
fundamentação teórica seguiu os preceitos da Lexicografia, descritos por autores que tratam
do tema, como Haensch et al. (1982), Biderman (1998, 1999, 2001), Murakawa (2007,
2011), Isquerdo (2009, 2011), Zavaglia (2012), entre outros. O cotejo dos dicionários
mostra que ambos cumprem o papel de documentar e informar o público-alvo sobre a
história e origem do português brasileiro, cada um seguindo os propósitos de cada obra.
48
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O FENÔMENO DA MONOTONGAÇÃO EM CURITIBA, LONDRINA E SÃO


MIGUEL DO IGUAÇU: UM ESTUDO COM BASE NOS DADOS DO ALIB

Dayse de Souza LOURENÇO (PG-UEL)


dayse.lourenco1990@gmail.com
Márcia Luciana da Rocha DEI TÓS (PG-UEL)
mlrdt65@gmail.com

No Português Brasileiro os ditongos podem sofrer o apagamento dos glides [j] e [w], como
em caixa>caxa, tesoura>tesora. Assim, esse estudo observa essa redução dos ditongos,
fenômeno chamado de monotongação. O corpus é constituído por falantes de três pontos do
estado do Paraná – Curitiba, Londrina e São Miguel do Iguaçu – extraído do acervo de
dados do projeto Atlas Linguístico do Brasil. Os informantes estão estratificados segundo
variáveis sociais sexo e faixa etária – 18 a 30 e 50 a 65 anos. A pesquisa objetiva analisar o
fenômeno nas três cidades; verificá-lo segundo o contexto fonético e observar a influência
exercida por fatores extralinguísticos. Os dados revelam como significante o contexto
precedente e, do ponto de vista extralinguístico, a localidade. A faixa etária não se
demonstrou significante e a escolaridade não foi observada nesse estudo, fazendo-se
necessária a verificação dessa variável em estudo posterior.

“O CORTIÇO” PARA NEO-LEITORES: LETRAMENTO LITERÁRIO ATRAVÉS


DE GAME PARA ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Débora Maria PROENÇA (PG-UTFPR)

Essa pesquisa é parte de minha participação no Programa de Desenvolvimento


Educacional- PDE da Secretaria de Educação do Paraná - SEED. Investigo as práticas de
letramento literário através de um game, disponível no site livro e game, sobre o romance
“ O Cortiço”; destina-se aos alunos do 9º ano do Ensino Fundamental em escola pública
de Londrina,PR. A turma deverá desenvolver uma Fanfiction, narrativas de produção
colaborativa, publicadas por fãs em espaços virtuais. A leitura pertencente ao cânone
tradicional praticamente inexiste nas aulas de língua portuguesa para o ensino
fundamental, todavia, há um consenso que na formação educacional a leitura é uma ação
intrínseca à escola. Espera-se ampliar os conhecimentos, sobretudo da literatura nacional
e as práticas escrita em espaço colaborativo virtual.
49
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU BRASILEIRA E O PARECER


SUCUPIRA: 49 ANOS DE DESENVOLVIMENTO

Déborah C. C. P. RORRATO (PG-UEL)

Inspirada nos modelos norte-americano e francês, a pós-graduação brasileira, atualmente,


exibe características nacionais e números bastante importantes no cenário mundial. Desta
maneira, esta pesquisa bibliográfica busca investigar o desenvolvimento da pós-graduação
stricto sensu brasileira desde sua oficialização e regulamentação no ano de 1965 por meio
do Parecer Sucupira até os dias atuais. Os dados foram coletados no portal de Coordenação
de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), no Parecer Sucupira e em
estudos subjacentes. Este trabalho é parte de um projeto de mestrado intitulado “A
identidade profissional docente em construção: o discurso de professores egressos de um
curso de pós-graduação”, que visa investigar se e de que maneira o curso de mestrado
(re)forma a identidade docente.

ONCE UPON A TIME: A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E O ENSINO DE LÍNGUA


INGLESA PARA CRIANÇAS

Deise SUZUMURA (PG-UEL)


deisesuzumura@hotmail.com

Esta comunicação tem como objetivo relatar os resultados de uma pesquisa produzida como
requisito parcial para a titulação de Especialista em Ensino de Línguas Estrangeiras, pela
Universidade Estadual de Londrina. A partir das experiências da pesquisadora acerca da
contação de histórias e do ensino de língua inglesa para crianças, aplicou-se um
questionário com perguntas abertas e fechadas, a fim de identificar o perfil das professoras
de inglês, as técnicas e estratégias, como também as dificuldades da prática de Storytime
(contação de histórias) em uma escola particular no norte do Paraná. Para isso, recorreu-se
às contribuições dos estudos realizados por pesquisadores da área de língua estrangeira para
crianças (TONELLI, 2005; LINGUEVIS, 2007; ESTEVES, 2009; SCAFFARO, 2010;
RINALDI, 2011). Com base nos resultados, buscou-se apresentar possíveis soluções e
algumas sugestões para os problemas como, por exemplo, o desenvolvimento de atividades
para a disciplina de Storytime. Assim sendo, este estudo visa a colaborar com os estudos do
ensino de línguas estrangeiras para crianças, campo de suma importância para a área da
educação, que se encontram escassos até o presente momento.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. claucrisfer@sercomtel.com.br.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
50
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A OFICIALIZAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUÊSA NA GUINÉ EQUATORIAL

Dejair DIONÍSIO (NEIA/UFMG)


dejair.dionisio@gmail.com

Recentemente, no dia 23 de julho, considerando a Cimeira de Chefes de Estado realizada


em Díli, capital do Timor-Leste aprovou a adesão da Guiné Equatorial na Comunidade dos
Países de Língua Portuguesa, reiterando o empenho da Comunidade em continuar a apoiar
as autoridades do país no pleno cumprimento das disposições estatutárias da CPLP, no que
respeita à adoção e utilização efetiva da Língua Portuguesa, à adoção da moratória da pena
de morte, até à sua abolição, e demais acervos da CPLP no respetivo ordenamento interno
da Guiné Equatorial. Assim, o objetivo do nosso trabalho é apontar como a oficialização, a
regulamentação e a implementação dessa língua, falada por aproximadamente 230 milhões
de pessoas ao redor do mundo fora cruciais para que tal acontecimento pudesse advir.

AS DIVERSAS FACETAS DA PROPAGANDA NO PROCESSO DE ENSINO E


APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS/ADICIONAIS: UM RECURSO
AUTÊNTICO E CRIATIVO EM SALA DE AULA

Denise de Andrade Santos OLIVEIRA (PG-UEL)


deniandrade@hotmail.com.br
Natália Araújo da FONSECA (PG-UEL)
natalia.es.uel@gmail.com

O escopo deste trabalho é apresentar e analisar o gênero propaganda à luz de Sant’Anna


(1973), Sandman (2007), Marcuschi (2008) e Kock (2006). Sob o olhar destes teóricos,
almejamos evidenciar a relevância do material autêntico nas aulas de língua estrangeira
(LE) e propor atividades que fomentem a expressão escrita e oral dos discentes de modo a
oferecer-lhes um input mais natural da língua estrangeira/adicional. Projetada nos mais
variados suportes midiáticos a propaganda, por ser um recurso de fácil acesso e grande
impacto, tornou-se objeto de estudo de diversas disciplinas que estudam a linguagem
devido a seu forte poder persuasivo e transformador. Deste modo, cônscios da importância
da propaganda como ferramenta facilitadora, advogamos pela inserção deste material nas
aulas de LE, no intuito de outorgar dinamismo, autenticidade e práticas crítico-reflexivas
que potencializem e otimizem o processo de ensino e aprendizagem mediante mostras reais
de comunicação.
51
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O ENCONTRO ENTRE O CINEMA DE RESNAIS E O TEATRO DE ANOUILH

Desiree Bueno TIBÚRCIO (PG-UEL)

Em Vous n'avez encore rien vu (2012), Alain Resnais leva as peças Eurydice (2008) e Cher
Antoine ou l’amour raté (2008) de Jean Anouilh para as telas do cinema. O cineasta realiza
um painel do universo teatral anouilhano, destacando a metateatralidade, isto é, a
tematização do universo teatral por meio de personagens atores ou diretores de teatro e do
recurso da mise en abyme (representação dentro da representação). Para conseguir tal
efeito, Resnais põe em diálogo as linguagens do teatro e do cinema, instilando teatralidade
na construção do filme. Nossa análise pretende evidenciar esses recursos de construção
fílmica, explorando as formas de interlocução entre cinema e teatro no filme estudado.

HOMONÍMIAS PERVERSAS: DIÁLOGO DA TEORIA SEMIÓTICA COM A


ANÁLISE MUSICAL

Diocleyr BAULÉ (PG-USP)


baule3@gmail.com

Desde quando começou o interesse analítico musical, isto é, o exercício da atitude natural
da mente humana de reconhecer padrões observando estruturas dentro de obras e conjuntos
de obras musicais, os nomes que foram dados a tais padrões identificados vieram da
gramática e da retórica, por exemplo, tema, sujeito, modo, figura etc. Tanto em linguística e
teoria narrativa quanto em teoria e análise musicais – formal e hermenêutica –, tais palavras
mesmas possuem sentidos variados que podem ser desde o mesmo, ou correlato, até
diametralmente antagônicos pois, tanto numa teoria quanto na outra, passaram por vários
estágios evolutivos e diferem de acordo com as crenças de quem analisa. Dentro de uma
reflexão sobre a espacialidade do sentido musical (concepção helmsleviana, planos do
conteúdo e da expressão) esta pesquisa viu-se na necessidade de trabalhar de início tais
“homonímias perversas”.

UMA VIAGEM À ÍNDIA: DO HERÓI ÉPICO AO ANTI-HERÓI DE GONÇALO M.


TAVARES

Diogo da Silva NASCIMENTO (PG-UEL)


nascimento.diogo@hotmail.com
52

Pretende-se, neste trabalho, fazer uma análise do personagem Bloom de Uma Viagem à
Índia (2010), do escritor angolano-português Gonçalo M. Tavares. Esse romance-poema –
Página

ou antipoema, ou prosaico poema entre outras tentativas de definição de Eduardo Lourenço


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

no prefácio da obra – dialoga, de modo livre, com a forma e a temática de Os Lusíadas, de


Camões. Uma vez que é estabelecido esse diálogo explícito com a obra camoniana, isto é,
uma epopeia, consideramos ser relevante analisar as diferenças do herói épico, desde a sua
gênese (Homero), passando pelo Renascimento (Camões) onde já se tem alguns problemas
de autenticidade do herói e do gênero literário, até chegarmos à negação total do herói
épico na contemporaneidade (Tavares). Para tanto, como base teórica, iremos abordar
algumas questões que envolvem a literatura pós-moderna, a intertextualidade e a paródia.

O LIVRO DIDÁTICO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NO


ENSINO TÉCNICO INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO DO IFMS

Diogo Moreno Pereira CARVALHO (PG-UEL)


diogomorenoufrj@yahoo.com.br

O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) incluiu recentemente a Língua


Estrangeira Moderna no processo de avaliação para adoção do livro didático (LD), fato que
ascendeu e reconheceu a língua estrangeira (LE) para os rumos da formação discente.
Considerando o que sustentam as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
e o que é avaliado pelo PNLD, é importante que se amplie a leitura de mundo do aluno sob
a perspectiva crítica oferecida pela LE. Assim, buscamos discutir critérios de adoção do
livro didático Enlaces no Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, pois entendemos que o
LD é uma das ferramentas essenciais para o estudo da língua. Esta comunicação pautar-se-á
nos estudos desenvolvidos, sobretudo, por Barros e Costa (2010) e Coracini (1999), assim
como de outros teóricos, que congregam e compartilham as metodologias e análises
pertinentes, aliando-os às diretrizes apontadas pelas leis e documentos que regem a
educação brasileira.
Trabalho orientado pela Profª Drª Valdirene Zorzo-Veloso. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

O DISCURSO RELIGIOSO: FUNCIONAMENTO E RECONHECIMENTO

Éder Wilton Gustavo Felix CALADO (PG-UEL)


ederwilton@hotmail.com

O presente artigo aborda o discurso religioso enfatizando o fato de este requerer do sujeito
religioso o reconhecimento do efeito de sentido consensual por parte da comunidade onde
ele se insere. O consenso só pode ser entendido por meio do reconhecimento, por parte do
53

sujeito religioso, do poder simbólico das palavras, ditas pelos homens que as utilizam e
cujo uso se insere nas relações sociais, ou seja, as relações de poder. Assim, pode-se dizer
Página

que o discurso religioso apresenta, como efeito, a submissão do sujeito religioso a um


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

poder superior: “O Ser Divino”. Por fim, o poder é reconhecido e situa-se na formação
discursiva religiosa. Os ouvintes reconhecem um enunciador determinado e
reconhecem/entendem que a ele devem se submeter. Esse trabalho está vinculado ao
projeto de pesquisa PAD – Pesquisas em Análise do Discurso: o processo de significação
em diversos gêneros.
Trabalho orientado pela Profª Drª Rosemeri Passos Baltazar Machado. Universidade
Estadual de Londrina – UEL. Londrina.

APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NO INTERIOR DO


PARANÁ

Édina de Fátima ALMEIDA (SEED/PR)


edifatro@hotmail.com

Muito tem sido investigado sobre o uso dos róticos em coda silábica (Callou, Moraes e
Leite (1996); Monaretto (1997, 2002); Aguilera e Kailer (2012), Almeida e Kailer (2013))
dentre outros, que já comprovaram o papel que exercem os fatores extralinguísticos e
fatores linguísticos no uso de uma ou outra variante do /r/. Neste sentido, o presente
estudo, à luz dos pressupostos teóricos e metodológicos da Geolinguística e da
Sociolinguística e com base nos dados coletados pela equipe do ALiB (1996), tem como
objetivo investigar o apagamento dos róticos em coda silábica externa de vocábulos verbais
e nominais no falar do interior do Paraná. Sendo assim, analisaremos, por meio do
programa de análise estatística Rbrul, desenvolvido por Daniel Ezra Johnson(2009), as
variáveis linguísticas e as variáveis extralinguísticas que possam interferir no apagamento
do referido fonema no interior paranaense.
Trabalho orientado pela Profª Drª Dircel Aparecida Kailer ueldircel@hotmail.com.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina.

TECNOLOGIA INTERATIVA CONVERSACIONAL SOBRE ASSUNTOS


LINGUÍSTICOS - TICAL: LINGUAGEM E SIGNIFICAÇÃO

Edio Roberto MANFIO (PG-UEL)


prof.ediorobertomanfio@gmail.com
Fábio Carlos MORENO (PG-UEL)
fbio_moreno@yahoo.com.br

Um robô de conversação sobre Dialetologia e Geossociolinguística não é algo muito


comum, principalmente se funcionar em português brasileiro. O Professor Tical, sigla para
54

Tecnologia Interativa Conversacional sobre Assuntos Linguísticos, é um desses robôs de


conversação que responde perguntas sobre assuntos específicos e teorias afins. Também
Página

denominados chatbots, têm como função promover interação com humanos simulando um
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

interlocutor em conversação. Nesse âmbito, o presente estudo tem como objetivo apresentar
o protótipo em funcionamento explicando como realiza suas buscas a partir dos princípios
de Processamento de Linguagem Natural e sua relação com a linguagem e significações.
Tical foi desenvolvido em linguagem C++ utilizando o Visual Studio 2010 e opera em
conjunto a tabelas tipo hash. O banco de dados tem como base várias obras da área de
Linguística Geral com ênfase em Dialetologia e Geossociolinguística.

O TRATAMENTO DA GRAMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA


ANÁLISE DOS TRABALHOS DOS PROFESSORES-PDE DE LÍNGUA
PORTUGUESA NO ESTADO DO PARANÁ

Ednéia Aparecida Bernardineli BERNINI (PG-UEL)


edneiaabbernini@hotmail.com
Aline de Abreu Curunzi CHANAN (PG-UEL)
aline.curunzi@gmail.com

Este artigo tem como objetivo geral apresentar algumas propostas de ensino de gramática
e/ou análise linguística, presentes nos artigos produzidos pelos professores em formação
pelo PDE – Programa de Desenvolvimento Educacional do estado do Paraná. Diante disso,
especificamente, objetivamos levantar as concepções de ensino de gramática presentes nos
artigos, corpus deste trabalho, e cotejar as propostas de implementação com as concepções
teóricas apresentadas. Para subsidiar esta pesquisa qualitativa de cunho interpretativo,
recorremos a leituras, a partir dos desafios contemporâneos da linguagem sobre o ensino de
gramática, de produções científicas neste campo de estudo, principalmente por Franchi
(1987), Geraldi (1993), Travaglia (2001), Agustini (2004), Uchôa (2007) e Faraco (2008).
Pela análise pudemos constatar que os professores PDE fizeram leituras e apresentaram
concepções de ensino de gramática, mas algumas propostas de implementação não são
consistentes ou coerentes com tais concepções, o que, provavelmente, refletir-se-á nas
práticas cotidianas desses professores.

PICHAÇÃO E GRAFITE: QUANDO A "ARTE MARGINAL" MANIFESTA SUA


IDENTIDADE

Eduardo Luiz Baccarin COSTA (G-UEL)


Maria Ilza ZIRONDI (UEL)

Os fenômenos contemporâneos da pichação e da grafitagem têm sido alvo de estudiosos da


55

linguagem que buscam compreender os seus significados e de como, em grupo ou


individualmente, busca-se expressar uma identidade por meio desta “arte marginal”. Neste
Página

artigo, tem-se por objetivo discutir questões relacionadas à linguagem do grafite (LARA,
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

1996) como elemento caracterizador da identidade de uma arte que deriva das artes
modernas, Hip-hop (ANDRADE, 1999), diferenciando-se da linguagem transgressora e
vândala da pichação (SILVA, 2005). Metodologicamente, utilizaremos material
bibliográfico acerca do fenômeno da pichação e da grafitagem, tomando como princípio os
conceitos de “arte marginal” (ANDRIOLO, 2004), de grafite e pichação e de como estas
manifestações têm estreitas ligações com o Hip-hop (SPINELLI, 2007). Para análise e
discussão, serão realizadas entrevistas com grafiteiros e pichadores, assim como o uso de
imagens de pichações e grafites encontrados em diversos pontos da cidade de Londrina/Pr,
como elementos norteadores da discussão.

LINGUAGEM DE ESPECIALIDADE E TRADUÇÃO

Eidele Maria RAIMUNDO (UEL)


eidelemr@hotmail.com

O presente trabalho é parte integrante do projeto de pesquisa em ensino “Interface


Terminologia e Tradução: Contextos em Língua Francesa e em Língua Portuguesa”. Tem
como base as teorias da Terminologia e da Tradução que são disciplinas interligadas, pois
surgiram das necessidades práticas da comunicação tanto entre usuários da língua comum
como entre usuários das línguas de especialidade. Em Terminologia Comparada, bilíngue
ou plurilíngue, os especialistas procuram meios para assegurar a comunicação profissional
e a transmissão de conhecimento sem ambiguidade, nas mais diversas áreas, em diferentes
línguas. Em Tradução os especialistas se utilizam dos instrumentos de referência gerados
pelos estudos terminológicos, como glossários, dicionários técnicos e bancos de dados
terminológicos com a finalidade de facilitar a compreensão entre línguas diferentes, em
domínios diversos. Este estudo contribuirá para a formação acadêmica e profissional dos
alunos do Bacharelado em Língua e Cultura Francesas.

O REGIONALISMO REVISITADO EM RELATO DE UM CERTO ORIENTE DE


MILTON HATOUM

Elaine Cristina de Souza BREGANHOLI (PG-UEL)


lainefani@gmail.com

O tema do regionalismo está presente na narrativa brasileira contemporânea estabelecendo


diálogo com a tradição de modo particular. Figurando nas obras de vários escritores
contemporâneos, entre eles, o amazonense Milton Hatoum, observa-se a revisitação ao
56

tema. Alvo de críticas, o regionalismo brasileiro representa a transição nos reajustes de


nossa economia expressando a vivência solitária dos diferentes problemas do homem pobre
Página

brasileiro. Esta pesquisa objetiva analisar a representação da temática do regionalismo na


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

narrativa de Relato de um Certo Oriente (1989). O romance narra a história de uma mulher
que passou grande parte de sua vida internada em uma clínica em São Paulo e retorna para
sua cidade natal. Através da memória da narradora, muitos mitos, espaços e personagens
são descritos, tendo como cenário a cidade de Manaus, identificando a revisitação ao
conceito tradicional do termo regionalista.

HIP-HOP: ULTRAPASSANDO AS BARREIRAS DOS EXTRAMUROS


ESCOLARES

Elaine Cristina PINHEIRO ( PG-UEL)


elainehodas@hotmail.com
Elvira Lopes NASCIMENTO (UEL)
elopes@sercomtel.com.br

Esta pesquisa se enquadra no quadro epistemológico do interacionismo sociodiscursivo


(BRONCKART, 2003; 2006), em que as relações entre aprendizagem e desenvolvimento
são processos interrelacionados: o indivíduo imerso em um contexto cultural que lhe dá a
matéria prima do funcionamento psicológico tem o seu processo de desenvolvimento
movido por mecanismos de aprendizagem acionados externamente. Quando existe
intervenção formativa deliberada (NASCIMENTO, 2014), o processo de ensino e
aprendizagem passa a fazer parte de um todo único envolvendo quem ensina, quem
aprende, a interação entre ambos e também o objeto – alvo da transposição didática. Nessa
perspectiva, o movimento cultural do hip-hop, seja no grafite, no break, no rap é
considerado um gênero emergente de movimentos sociais que têm atraído os jovens, e que,
por reinventarem práticas de uso da linguagem, podem constituir objetos de ensino
pertinentes para eventos de letramento, contribuindo para inovar nas aulas de Língua
Portuguesa.

DA CAMPANHA PUBLICITÁRIA ÀS MANIFESTAÇÕES: POLISSEMIA E


PRODUÇÃO DE SENTIDOS

Elaine de Souza FERREIRA (PG-UEM)


Flávia Cristina Silva BARBOSA (PG-UEM)

Este trabalho tem por objetivo discutir a polissemia na música #vemprarua – considerada o
hino das manifestações ocorridas em junho de 2013, no Brasil. Grande foi a recorrência da
hashtag #vemprarua, em redes sociais, em postagens sobre a mobilização popular. Ao
57

pesquisarmos sobre o uso dessa frase, nos deparamos com a campanha publicitária da
“Fiat”, um vídeo que mostra imagens do Brasil, em uma tentava uma aproximação com a
Página

Copa das Confederações. Observamos um caso de polissemia, em que a propaganda sofreu


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

um deslocamento de sentidos, e em termos de condição de produção, passou a produzir


discursos outros, a depender do contexto vinculado ao uso da música. Para essa análise,
tomamos como subsídio teórico as contribuições da Análise de Discurso, de vertente
francesa, pecheutiana. Nosso corpus é composto pela música #vemprarua e a partir dela
consideramos outros materiais de análise, como o vídeo da propaganda e imagens das
manifestações.

DE LEITOR A NAVEGADOR: LIMITES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS

Eliana Cristina SCHEUER (PG-UNOPAR/CAPES)


eliana_srl@hotmail.com

O presente trabalho faz parte da pesquisa de mestrado que tem como objetivo trabalhar a
leitura literária na escola, mais especificamente no Ensino Médio, na escola pública.
Ancorados nos pressupostos teóricos de Lajolo (1994), Rojo (2013), Levy (2006) e Cereja
(2005) discutiremos acerca das tecnologias, à disposição dos leitores, como tablets,
smartphones, notebooks, aparelhos que ocupam um espaço relevante na vida diária, porque
podem facilmente ser levados a todos os lugares e nos diversos ambientes, retomando ao
slogan de uma campanha do governo federal sobre leitura que parece ser ainda mais atual:
“aprender a ler, pra isso não tem hora, pode ser de dia, pode ser de noite, pode ser agora”. O
resultado da pesquisa aponta para a necessidade da escola adequar-se ao contexto
tecnológico no qual a sociedade está inserida, promovendo, cada vez mais, a leitura dentro
desse contexto de multiletramentos.

O IMAGINÁRIO DISCURSIVO SOBRE O PROFESSOR EM TEMPOS DE NOVAS


TECNOLOGIAS

Eliana Maria Severino Donaio RUIZ (UEL)


elianaruiz@uel.br

Este trabalho se insere num projeto de pesquisa que tem como grande tema o discurso, o
sujeito e as práticas de ensino-aprendizagem da língua portuguesa e de linguagens
sincréticas, mediadas (ou não) pelas novas tecnologias de informação e comunicação
(NTICs). Inserido na perspectiva da Análise do Discurso de linha franco-brasileira, em
convergência com os estudos arquegenealógicos de Foucault, os estudos socioculturais e os
postulados teóricos acerca da pós-modernidade, este trabalho investiga, entre outras, as
representações de professor que emergem de textos de vários gêneros discursivos, de
58

diferentes esferas comunicativas (com ênfase na educacional), que tematizam o ensino-


aprendizagem, de modo geral, e o da língua portuguesa, em particular, nas modalidades
Página

presencial e/ou online.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CANTARES PARA NOSSAS ANTÍGONAS: POLÍTICA, TEATRALIDADE E


TRAGÉDIA POR FAUSTO FUSER

Eliane Benatti de FREITAS (PG-UEL)


elianebenatti@gmail.com

O presente artigo buscou analisar a peça teatral do dramaturgo Fausto Fuser, Cantares para
nossas Antígonas (2002), e entender de que forma ele apresenta ao espectador/leitor as
características dramáticas contidas no texto, que condensa partes do mito grego de
Antígona, uma reescritura da tragédia Antígona, de Sófocles, de depoimentos em vídeo de
mulheres torturadas nos porões da ditadura durante o regime militar, canções feitas
especialmente para a peça e outras já existentes e coreografias. Fuser faz uso de estratégias
contemporâneas, como a apresentação em vídeo de relatos de vítimas da ditadura e a
construção de um texto rapsódico, por unir o épico, o lírico e o dramático de modo coeso,
dando à peça uma forma híbrida, assim como o uso do mito e da tragédia vinculados a uma
realidade política contemporânea. Para esta análise, serviram como base teórica os estudos
de Aristóteles (2003), Sarrazac (2002) e Pavis (2012).

ACASOS E ESCURIDÃO NA GRAVURA EM METAL

Elias de ANDRADE (UEL)


eliaseandrade@gmail.com

Pretende-se apresentar um processo de criação pessoal enquanto gravador que busca


acasos, possibilidades de expressão artística transcorridas durante os últimos três anos. As
ferramentas são extensões de minhas mãos que aproximam corpos desenhados com pontas
secas para serem gravados e impressos em papel. Este meu processo de artista gravador é
como passeios em ruas escuras. A tinta preta toma toda a superfície da matriz que imprime
sobre o papel acasos e escuridão. A bacia de ácido, às vezes, surge como um lago raso e
corrosivo a sulcar os meus desenhos que não camuflam as possibilidades de erros. Inicio o
processo de gravação pelo desenho de observação e escritos para serem impressos.
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Claudio Luiz Garcia. Universidade Estadual de Londrina
– UEL. Londrina. 59
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

UM ESTUDO DAS VOZES PRESENTES NO GÊNERO DISCURSIVO “CAUSO


ESCRITO”

Eliza Adriana Sheuer NANTES (PG-UEL/UNOPAR)


eliza@unopar.br

O presente trabalho é parte da pesquisa de doutoramento em Estudos da Linguagem e adota


a concepção de que o enunciado constrói-se não apenas do diálogo com o outro, mas
também no espaço do texto, lugar onde se instaura o cruzamento de vozes que dialogam e
que, de certo modo, costuram os efeitos de sentido veiculados pelo enunciador (BAKHTIN,
2008). A produção do enunciado é, portanto, dialógica, tanto porque se constrói da
interação de, ao menos, dois interlocutores quanto pelo fato de se construir como um
diálogo entre discursos, ou seja, o enunciado mantém uma relação dialógica com outros
enunciados, a palavra empregada pelo agente produtor é sempre perpassada pela palavra do
outro (BAKHTIN, 2010). Mediante o exposto, o objetivo deste trabalho é analisar as vozes
presentes no gênero discursivo “causo escrito”, ancorados nos pressupostos teóricos de
Bakhtin (2010), Barros (2003), Fiorin e Savioli (2003), Rodrigues (2005) e Faraco (2009).

UMA ANÁLISE INTERTEXTUAL E DIALÓGICA ENTRE OS ROMANCES: A


AUDÁCIA DESSA MULHER E DOM CASMURRO

Érika Tamirys de LIMA (PG-ESAP)


erika_tamyli@hotmail.com
Mirian PRADO (UENP)
mirian_mp_18@hotmail.com

No processo de compreensão e interpretação de um texto alvo, o leitor é capaz de perceber


características já conhecidas por meio de uma rede de significados trazidos de um texto
fonte, consoante a autora Kristeva (1974), todo texto é o resultado da absorção implícita ou
explícita de um outro ou outros textos. Além da intertextualidade, também se explora aqui,
à luz da teoria de Bakhtin, o dialogismo entre as diferentes vozes do texto. Assim, é nesta
direção que se debruça o objetivo desse trabalho, na possível análise dialógica e intertextual
que se estabelece entre os romances A audácia dessa mulher, de Ana Maria Machado e a
clássica obra Dom Casmurro de Machado de Assis, ao expor em 1ª pessoa a versão de
Capitu sobre sua historia com Bentinho, escrita em um antigo livro de receitas de família na
obra de Ana Maria Machado.
60
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O PROCESSO CRIATIVO NO CINEMA: MULTIPLICIDADE DE DIÁLOGOS

Eva Cristina FRANCISCO (PG-UEL)


evacf1166@hotmail.com
Edina Regina Pugas PANICHI (UEL)
edinapanichi@sercomtel.com.br

O ato criador vem sendo indagado nas mais diversas obras de arte com o intuito de
compreender os passos dados pelo(s) autor(res) até que o produto final chegue ao público.
Assim, o nosso objetivo é abordar, com base nos pressupostos da Crítica Genética, parte do
processo criativo cinematográfico. Serão considerados, para tanto, questões sobre os
elementos fílmicos não específicos do cinema tais como: a iluminação, o vestuário, o
cenário e a cor. Tais elementos, além de compor a sétima arte, são pertencentes a outras
realizações artísticas como o teatro e a pintura. Com isso pode-se considerar que o processo
criativo no cinema é constituído por diálogos de natureza múltipla, o que subsidia os
aspectos comunicativos da linguagem cinematográfica tecendo a rede de inter-relações pela
qual a criação fílmica é gerada. Para o desenvolvimento da proposta deste trabalho
analisaremos algumas passagens do filme Primo Basílio (2007), por Daniel Filho.

A MEDIAÇÃO DA LEITURA EM MATEMÁTICA

Fabiana Antunes MACHADO (PG-UEL/OBEDUC/CAPES)


fabi.antunes2908@gmail.com

Objetiva-se com esse estudo promover a mediação da leitura em matemática, buscando


identificar se a prática da leitura contribui com o ensino-aprendizagem dos alunos de uma
Escola Estadual Pública participante do Programa do Governo Federal - OBEDUC. Como
objetivos específicos pretende-se identificar como os alunos concebem a leitura em
matemática por meio de textos; verificar se a prática da leitura colabora para a
aprendizagem de matemática; e, aprofundar os estudos acerca da leitura em matemática
para o Ensino Básico. A base teórico-metodológica utilizada será o Materialismo Histórico
e Dialético, pois esse nos propicia a reflexão acerca da ação humana, do seu
desenvolvimento e aprendizado. Anseia-se que esse trabalho por meio da mediação da
leitura em matemática, possa apresentar novas formas de conceber e trabalhar as operações
matemáticas e ainda gerar a formação de sujeitos críticos.
61
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ESTRATÉGIAS LINGUÍSTICAS DE PRESERVAÇÃO DA IMAGEM SOCIAL NO


INGLÊS FALADO

Fábio FRANCO (G-UFMS)


fabiof_hp@hotmail.com

O objetivo deste estudo é analisar as estratégias linguísticas de preservação da imagem


social positiva, com atenção às práticas de defesa e de reparação empregadas por falantes
de língua inglesa em entrevistas televisivas. O aporte teórico deste trabalho está
fundamentado nos conceitos da Análise da Conversação, e o corpus é composto de
entrevistas com falantes nativos da língua inglesa, obtidas por meio da gravação de
programas televisivos do gênero “Talk Show”. Como segundo procedimento, houve a
seleção dos textos para a transcrição e posterior análise dos dados. Vale salientar que, como
medida de defesa, a pessoa busca evitar os contatos que possam oferecer perigo à sua
imagem, antes que esse perigo tenha a oportunidade de se manifestar. Já os procedimentos
de reparação, o falante, não conseguindo prever um acontecimento conflitante com os
valores sociais defendidos e, percebendo esse perigo, se esforça em reparar os efeitos.

OUSADIAS PERSUASIVAS NA SÉRIE DE ANIMAÇÃO PEPPA PIG: ANÁLISE


SEMIÓTICA DO EPISÓDIO MAMÃE TRABALHANDO

Fábio Pereira CERDERA (UFRRJ)


cerdera@uol.com.br
Ludmilla Pollyana DUARTE (G-UFRRJ)
lud.duarte@hotmail.com

A animação inglesa Peppa Pig (Mark Baker e Neville Astley) é uma produção destinada ao
público pré-escolar. A série tem causado polêmica por promover um fazer persuasivo
concessivo (ZILBERBERG, 2012), desconstruindo conotações sociais como “chefe de
família” e “dona de casa”. Analisaremos o episódio Mamãe Trabalhando (2014), cujas
estratégias persuasivas que sustentam as relações juntivas no nível narrativo e a
ambiguidade de papéis discursivos determinantes para o revestimento figurativo são, em
grande parte, geradas pela especificidade com que esses níveis são manifestados pelas
categorias plásticas (GREIMAS, 2004) no plano de expressão. No episódio selecionado, a
composição das sequências que se inicia com um plano geral, alternando entre planos
médios, planos americanos e closes; a planificação figurativa; a cromaticidade, conjugando
traços como saturação e claridade, e matizes que associam personagens a ambientes, são
algumas estratégias que criam efeitos de aproximação e que fundamentam o discurso
62

ousado que questiona os estereótipos familiares.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS LIVROS DA FLORESTA E AS ALDEIAS VIRTUAIS: UM CAMINHO PARA A


CONSTRUÇÃO DE UMA LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA

Fabrício Batista BORGES (PG-UEL)


borgesproducer@gmail.com

Costumes tradicionais que se transformam pelas ditas culturas dominantes. Os indígenas


foram desqualificados para uma vida em sociedade “civilizada” por não dominarem o
alfabeto do “branco”. A inserção da escrita aconteceu com a implantação de escolas
bilíngues nas aldeias, a partir da Constituição Federal de 1988. A nova política de educação
indígena impulsionou o surgimento de uma escrita, através da necessidade de criar novos
materiais didáticos e na formação de novo público leitor, ou ainda no surgimento, tímido,
de escritores indígenas nos meios literários. Outro movimento, acompanhado pela
apropriação da língua portuguesa, é o crescimento da produção literária na internet. Uma
ferramenta de fácil divulgação para a nascente literatura. O objetivo deste trabalho é
verificar a ocorrência da escrita indígena no Brasil e como essas produções têm sido
reconhecidas por alguns como literatura, suas características, seus principais representantes.

UN ENCUENTRO CON MICRORRELATOS DE LA LITERATURA


HISPANOAMERICANA CONTEMPORÁNEA EN LA CLASE DE ESPAÑOL
COMO ELSE

Fanny del Valle BIERBRAUER (UNC)


fannybierbrauer@gmail.com
Elisa Verónica SEGUÍ (UNC)
elisavsegui@gmail.com

En esta comunicación, proponemos un acercamiento a la literatura en lengua española en


la clase de español como ELSE, a través del diálogo entre textos de la literatura universal
(hipotextos), conocidos por los estudiantes o cuyo acceso es simple en la lengua vehicular
de los aprendices y las recreaciones que autores hispanohablantes han realizado en
cuentos breves o microrrelatos contemporáneos (hipertextos en forma de parodias,
pastiches y homenajes). Este trabajo da cuenta de una selección de textos literarios en
lengua española y de una propuesta de actividades de prelectura, lectura y poslectura
como también de análisis literario y finalmente, de tareas de escritura de diversos textos
literarios y no literarios basados en los microrrelatos seleccionados.
63
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O TEXTO SINCRÉTICO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA:


UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS EM TURMAS DE 5º ANO

Fernanda Couto Guimarães CASAGRANDE (PG-Unicentro)


fernandaort@hotmail.com

Iniciamos nosso trabalho com algumas indagações: Por que os exames nacionais do
Sistema de Avaliação da Educação Básica apontam um rendimento insatisfatório no quesito
leitura? Por que nossos alunos não estão lendo criticamente, se os atuais livros didáticos já
estão se inovando e tentando contemplar os mais diversos gêneros textuais? Será que o
problema está no modo como está sendo trabalhada a leitura com esses alunos? Será que
aulas de Língua Portuguesa estão levando em consideração o meio midiático/
informatizado em que esses alunos estão inseridos. Este trabalho como objetivo apresentar
reflexões sobre estas questões, partindo da importância da inserção do texto sincrético nas
aulas de Língua Portuguesa do ensino fundamental I para contribuir na formação de
leitores críticos Também apresentará uma pesquisa de campo realizada com os professores
dos quintos anos em torno de experiências didáticas/metodológicas com o texto sincrético.
Trabalho orientado pela Profª Katia Alexsandra dos Santos.

A TEMPESTADE DE JULIA TAYMOR: UMA ADAPTAÇÃO EM BUSCA DE


RECONHECIMENTO

Fernanda Machado BRENER (PG-UEM)


fernanda@brener.com.br

As adaptações cinematográficas das peças de William Shakespeare constituem frequentes


objetos de estudo da academia. Poucas análises acadêmicas, no entanto, alcançam o público
leigo, permanecendo restritas aos círculos universitários. Contudo, a versão em DVD/blu-
ray da peça A Tempestade, dirigida por Julie Taymor em 2011, traz entre seus extras, os
comentários de dois experts (sic) em Shakespeare provenientes de renomadas universidades
inglesas. O objetivo deste trabalho é discutir a presença da voz destes experts nesta
adaptação e sua influência em seu status. Para a análise, usamos o conceito de capital
cultural de Bourdieu. Podemos observar uma tentativa de elevar o prestígio da adaptação de
Taymor, legitimada pela opinião dos acadêmicos, em oposição às severas análises feitas
pelos críticos de cinema. Como resultado, é possível que o público alvo da produção tenha
sido deslocado para professores e estudantes de literatura ao invés do habitual frequentador
das salas de cinema.
64
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

FONÉTICA E FONOLOGIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: A INFLUÊNCIA DA


FALA NO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA

Fernanda Rubia LIMA (G-UNICENTRO)


frubialima@yahoo.com..br

O trabalho, em pauta, tem como principal objetivo demonstrar, ao professor de língua


portuguesa, do 6º e 7º anos, que os conhecimentos da Fonética e da Fonologia podem ser
aplicáveis às explicações das dificuldades dos alunos no que tange, principalmente, à troca
de letras na produção escrita dos alunos. Para tanto, retomaremos conceitos básicos da
Fonética, e da Fonologia, que devem ser claramente entendidos pelo professor, para depois
evidenciarmos, por meio de pesquisa realizada, como a fala interfere no processo da escrita.
Nossos dados versam sobre a ocorrência, ainda presente na segunda etapa do ensino
fundamental (6º e 7º anos), de trocas de letras, “dificuldades” estas não superadas no
processo de alfabetização. Além dos conhecimentos linguísticos, acerca da Fonética e
Fonologia, retomaremos discussões empreendidas pelos seguintes autores: Lemle (2001),
Simões (2006) e Cagliari (1992).

CONFISSÕES DE RALFO E A METAFICÇÃO: A AUTOBIOGRAFIA DA


LITERATURA

Fernanda SUAIDEN (PG-UEL)


fernanda.suaiden@outlook.com

O presente artigo pretende analisar o romance de Sérgio Sant’Anna, Confissões de Ralfo


(uma autobiografia ficcional), a partir das teorias sobre metaficção e sobre o romance
contemporâneo. Com o objetivo de verificar como o autor explica a obra dentro da própria
obra, e cria um universo literário em que o narrador é confundido com o autor e a ficção é
confundida com autobiografia, retirando trechos da obra que provam como o livro explica
sua construção literária. Analisar, também, a produção feita no pós-64, o tipo de literatura
vigente e como Confissões de Ralfo se congrue ou se diverge de tais narrativas.

ENTRE CRÔNICA E ENSAIO: A REFLEXÃO DE GUSTAVO CORÇÃO SOBRE A


VIDA HUMANA

Flávia Aparecida HODAS (PG-UEL)


flaviahodas@gmail.com
65

Gênero ambíguo por excelência, as crônicas se apossam de características diversas. No


Página

entanto, algumas de suas marcas essenciais podem ser observadas como aspectos
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

constantes: a captação de um fato cotidiano, o caráter despretensioso e o seu destino que, a


princípio, é um espaço no jornal. Gustavo Corção (1896-1978) faria de sua crônicas lugares
demarcados por uma grande reflexão sobre a vida humana. Entretanto, para Massaud
Moisés (2012), os textos de Corção não se enquadram no gênero crônica, pois a
despretensão de suas linhas se esvai, abrindo margens para um forte caráter persuasivo e
ensaístico. Neste artigo, pretende-se discutir as características dos gêneros crônica e ensaio
com base na análise de dois textos de Gustavo Corção, "Vadiação" e "Sonhos de uma tarde
de verão", observando suas marcas peculiares e a forte reflexão sobre a vida humana que
eles possuem.

DRUMMOND E AS CIDADES MINEIRAS: REPRESENTAÇÕES DE ITABIRA E


SABARÁ

Flávia Cristina Capello NEVES (G-UEL)


flaviaccneves@gmail.com

O presente trabalho tem por objetivo a análise de duas crônicas de Carlos Drummond de
Andrade, “Vila de Utopia” e “Viagem de Sabará”, publicadas no livro de crônicas
Confissões de Minas (1944). Com a abordagem das duas crônicas acima mencionadas,
pretende-se investigar o olhar que o escritor lança sobre as duas cidades mineiras em
questão, Itabira, cidade natal do poeta, e Sabará, sendo que a mescla da paisagem física e
humana à memória do passado colaboram para a construção imaginária dos dois espaços.
Essas crônicas unem o passado e o presente do autor através de memórias da cidade por um
processo descritivo único que aproxima o leitor do lugar descrito.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Regina Célia dos Santos Alves. Universidade Estadual
de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

ENSINO DO DIREITO E LINGUAGEM JURÍDICA

Flávio BENTO (UNOPAR)


flavio@unopar.br
Cleyton Eduardo Todesco D. FERNANDES (G-UNOPAR)
cleytomedu@gmail.com

O presente artigo trata de aspectos importantes que destacam a necessidade dos estudantes
do Curso de Graduação em Direito e dos profissionais jurídicos utilizarem uma linguagem
correta e cortês. A legislação educacional brasileira, especialmente as Diretrizes
66

Curriculares Nacionais, expressa uma preocupação com a formação adequada do


graduando em Direito, inclusive no que se refere a aspectos da linguagem, como a
Página

elaboração de textos, a correta utilização de termos jurídicos, a capacidade de


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

argumentação. No que se refere à atuação profissional, destaca-se a exigência de linguagem


escorreita e polida pelos advogados, magistrados, e demais profissionais do Direito.
Destaca-se, ainda, a necessidade de os Cursos de Graduação ofertarem atividades
complementares que possam amenizar as deficiências de linguagem que os graduandos
trazem do ensino médio.

ESCRITA CRIATIVA NO CONTEXTO DA UEL

Flávio Luis Freire RODRIGUES (UEL)


flaviofreire@hotmail.com

Esta comunicação tem o objetivo de apresentar o projeto de pesquisa Escrita Criativa no


Contexto da UEL iniciado em 2014. A Escrita Criativa (Creative Writing, em inglês),
desde o século XIX, tem sido usada como escola para escritores, mas pouco conhecida e
explorada no Brasil. A base desta metodologia está na análise e discussão de textos
literários, seguido da produção, discussão e revisão textual. São necessários suportes da
teoria e crítica literária e conhecimento textual. A maioria das referências está em inglês,
mas o que talvez seja empecilho maior para a aceitação da sua metodologia no Brasil no
âmbito acadêmico é que os manuais são apresentados em uma linguagem formal, porém,
não acadêmica, o que pode dar a impressão de caráter pouco científico. Mesmo assim,
julgamos que a proposta pode auxiliar no trabalho do ensino de textos.

ADONIRAN BARBOSA E JOÃO ANTÔNIO: AS REPRESENTAÇÕES DO


URBANO ENTRE A VOZ E A LETRA

Frederico H. FAUSTINO (PG-UEL)


fredfaustino@gmail.com

Este trabalho tem como objetivo analisar as relações entre a música e a literatura brasileira
contemporânea, a partir de alguns sambas de Adoniran Barbosa e dos contos “Busca” e
“Afinação da arte de chutar tampinhas”, de João Antônio (2009). O eixo temático para
aproximação entre ambos é a questão do espaço urbano de São Paulo e o modo como as
transformações desse ambiente acabam influenciando a vida das pessoas que habitam as
periferias das metrópoles. Contudo, o mais importante é observar como essas duas
linguagens interagem e se complementam.
67
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

UMA ANÁLISE CONTEXTUAL DOS CADERNOS FOLHA ECONOMIA E


FOLHA CIDADES DA FOLHA DE LONDRINA

Gabriela Martins MAFRA (G-UENP)


gabi_martins_mafra@hotmail.com
Thalita Cristine JÓIA (G-UENP)
thalitajoia@hotmail.com

O nosso trabalho está inserido no projeto de pesquisa “Gêneros da Mídia Jornalística como
Objetos de Transposição Didática Externa” desenvolvido na Universidade Estadual do
Norte do Paraná (UENP). Nesta apresentação esboçamos uma análise do contexto de
produção de dois cadernos da Folha de Londrina – Folha Economia e Folha Cidades – e de
sua potencialidade para o ensino da língua. Os focos são: 1) discutir as principais diferenças
contextuais dos dois Cadernos, a fim de ilustrar a funcionalidade dos gêneros que os
compõem; 2) refletir sobre questões relacionadas à transposição didática dos gêneros dos
Cadernos. Para tanto, fundamentamo-nos nos estudos do Interacionismo Sociodiscursivo e
em pesquisas que tomam os gêneros do jornal como objeto de ensino. A relevância do
trabalho se dá em decorrência de esse estimular as pesquisas voltadas para a transposição
didática dos gêneros jornalísticos.
Trabalho orientado pela Profª Drª Eliana Merlin D. de Barros. Universidade Estadual do
Norte do Paraná – UENP. Cornélio Procópio. Paraná. Brasil.

A INTERFERÊNCIA SEMÂNTICA NO TRABALHO DESCRITIVO


MORFOSSINTÁTICO DA CLASSE DOS VERBOS NO KAINGANG

Gislaine DOMINGUES (UNOPAR)


prof.gislainedomingues@gmail.com

A corrente linguística funcionalista é conhecida por priorizar a análise de fenômenos


linguísticos considerados em seus próprios termos. À luz dessa teoria, esse trabalho
pretende apresentar um recorte de um trabalho maior desenvolvido durante minha
dissertação de mestrado, na qual abordei pelo viés morfossintático a descrição das classes
gramaticais dos nomes e dos verbos no Kaingang. A língua indígena Kaingang (Tronco
Macro-Jê, família Jê), que recebe o mesmo nome do povo, é falada por mais de 30.000
pessoas, distribuídas em mais de 30 Terras Indígenas nos estados do Rio Grande do Sul,
Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Neste trabalho, em especial, abordarei alguns dos
aspectos semânticos que favorecem a alternância formal dos verbos no Kaingang. Também
apresentarei a proposta de classificação semântica dos verbos elaborada por Payne (1997)
68

possíveis de serem observadas na referida língua.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O ACONTECIMENTO NO DISCURSO RELIGIOSO: OS SENTIDOS DA


PALAVRA FÉ EM CANÇÕES PENTECOSTAIS E CARISMÁTICAS

Glauce Amanda Pagan (PG-UEL)


gau_pagan@hotmail.com

Em nossa pesquisa mestrado, traremos análises relacionadas ao discurso religioso sob o


enfoque da teoria Semântica do Acontecimento fundada por Eduardo Guimarães. Nesta
etapa, apresentaremos análises acerca dos possíveis sentidos atribuídos à palavra fé em
duas abordagens enunciativas: evangélica pentecostal e renovação carismática católica.
Constituiremos nossas análises por intermédio de canções que circulem nestas duas práticas
discursivas, deste modo observaremos a palavra fé e as suas significações em canções
carismáticas e pentecostais. Os motivos que nos levaram a optar pelos discursos acima
referidos se constituem fundamentalmente pelo fato de haver relações enunciativas entre
eles. Por fim, consideramos que a Semântica do Acontecimento, enquanto teoria norteadora
de nossas análises, nos possibilitará visualizar as diferenças e/ou aproximações entre estes
dois fazeres discursivos tão importantes para a construção da identidade de tantos
indivíduos
Trabalho orientado pela Profª Drª Mariângela P. Galli Joanilho. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

ALICE, AMELIA, O SONHO E A LITERATURA INFANTIL

Guilherme Magri da ROCHA (PG-UNESP)


magri.guilherme@hotmail.com)

De acordo com o crítico literário norte-americano Austin Warren (1996), são dois os
gêneros tradicionais a que Alice’s Adventures in Wonderland (1865), do inglês Lewis
Carroll (1832-1898), pertence: o sonho e a literatura infantil. Através deste, o autor
apresenta-se único, ao não escrever para melhorar, nem para elevar a mente infantil; através
daquele, permite que criaturas como o grifo e a tartaruga falsa sejam tão reais quanto
quaisquer outras. Tendo em vista que toda literatura nutre-se de outros textos, esta
contribuição tem como objetivo apresentar uma possibilidade de análise contrastiva entre o
clássico e um de seus hipertextos, Amelia and the dwarfs, de Juliana Ewing (1841-1885),
lançado apenas cinco anos depois. Para a consecução desse objetivo, faremos apontamentos
quanto à forma como o sonho e a literatura infantil se apresentam em ambos os textos, a
partir do estudo de Warren.
69
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A MATERIALIDADE FÍLMICA ENTRE O SER ARTE E O SOBRE ARTE

Guilherme Radi DIAS (G-UEM)


gui_radi@hotmail.com
Renata Marcelle LARA (UEM)
renatamlara@yahoo.com.br

Investigamos, nesta pesquisa, o discurso fílmico de Os guerreiros da beleza no entremeio


de práticas artísticas e de sentidos de arte nessas e por essas práticas. Objetivou-se, em uma
abordagem materialista, compreender, no e pelo discurso fílmico, os sentidos acerca da arte
e de práticas no campo artístico, analisando, a partir das condições de produção, o
funcionamento fílmico como discurso sobre e como obra de arte. Interrogando-nos sobre
que efeitos de sentido acerca da arte e das práticas artísticas advêm do funcionamento
fílmico como objeto artístico que discursiviza sobre, trabalhamos, no corpus de análise,
com aspectos discursivos da materialidade significante. Orientando o percurso analítico
pela Análise de Discurso pecheutiana, na compreensão da especificidade do discurso
artístico no audiovisual, visualizou-se as relações em curso no diálogo entre fazeres
artísticos, e o funcionamento de discursos de resistência nos quais se inscreve a prática
artística por meio do constante jogo entre os opostos.

LÍNGUA E CULTURA ENTRELAÇADAS NO PROCESSO DE ENSINO E


APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS/ADICIONAIS

Gustavo CORREIA (G-UEL)


gustavo-correia23@hotmail.com)

Este trabalho busca discutir a incursão de matizes culturais em aulas de línguas


estrangeiras/adicionais, proporcionando aulas mais autênticas e motivadoras, uma vez que
são primordiais ao conhecimento de todo e qualquer aprendiz. Deste modo, ao estudar
conteúdos que possam contemplar aspectos como: gramática, léxico e hábitos culturais em
contexto e, assim, proporcionar ao aluno conhecimento para a sua formação e instigar a
reflexão e a criticidade, que são alguns dos benefícios que o aluno pode ter ao trabalharmos
com conteúdos linguísticos e culturais indissociavelmente. Nessa perspectiva, a pesquisa
em questão procura trazer à tona o ponto de vista de vários teóricos (COOK, 1985;
DURÃO, 1999, 2002A, 2002B; FERREIRA, 2005, 2007, 2012; LIDDICOAT; CROZET,
1999, 2000; IGLESIAS CASAL, 1999; KRAMSCH, 2001, 2004; LO BIANCO
LIDDICOAT; CROZET, 1999; MIQUEL LÓPEZ, 2004; MIQUEL; SANS, 1992;
SÁNCHEZ LOBATO, 1999, 2002) acerca dessa temática e possibilitar melhorias às aulas
70

de língua estrangeira, especificamente de espanhol.


Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Página

Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

GUIMARÃES ROSA E O IMAGINÁRIO PSICOSSOCIAL EM “DARANDINA”:


POR TRÁS DAS PALAVRAS

Gustavo FIGLIOLO (UEL)


gustavo@uel.br

O presente artigo tem como objetivo analisar o imaginário psicossocial no conto


“Darandina”, do livro “Primeiras Estórias”, de João Guimarães Rosa, a partir de uma leitura
psicanalítica sustentada nas formulações teóricas que Freud realizou nesse campo. Em
“Darandina” acontece uma irrupção psíquica bem explicada pela teoria psicanalítica,
através da qual Rosa estabelece um diálogo que procura encontrar definições no nível da
linguagem. Neste artigo, primeiramente, traça-se um perfil intelectual do escritor e se
comentam brevemente seus traços estilísticos. Seguidamente, apresenta-se uma descrição
da teoria psicanalítica freudiana, estrutura e funcionamento da psique e os diversos
mecanismos que esta utiliza para administrar a energia psíquica. Por fim, faz-se uma
análise do conto mostrando as manifestações do inconsciente das personagens, no diálogo
que o “louco” da palmeira estabelece com o povo.

ANÁLISE DOS SENTIDOS SOBRE O CASAMENTO HOMOSSEXUAL NA FALA


DO PAPA FRANCISCO

Heitor Messias Reimão de MELO.(G-UENP)


heitorletras@gmail.com

Olhar para o passado é perceber que a relação homossexual é uma prática comum desde a
antiguidade, mas que nem sempre foi aceita. Hoje, conforme mais pessoas se assumem
homossexuais (ou mesmo bissexuais), aumentam proporcionalmente os discursos de
igualdade e liberdade; porém isso ainda não é regra, os discursos da ofensa em relação a
expressão dos desejos, da imoralidade ainda circulam com força em nossa sociedade. Este
trabalho tem como objetivo analisar dois momentos do Papa Francisco: o primeiro se refere
a uma carta como Arcebispo de Buenos Aires e o segundo seria uma entrevista dada aos
jornalistas em um voo de retorno ao Vaticano após a Jornada Mundial da Juventude.
Pretende-se perceber quais sentidos estão presentes nas duas materialidades selecionadas,
considerando a presença dos aparelhos ideológicos. Este artigo terá como principais
teóricos na fundamentação analítica Orlandi (2001, 2002 e 2010) e Lagazzi (1998), a partir
da teoria Pecheutiana.
Trabalho orientado pela Profª Mirielly Ferraça. miriellyferraca@gmail.com Universidade
Estadual do Norte do Paraná – UENP. Jacarezinho. Paraná. Brasil.
71
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O SUJEITO PÓS-MODERNO EM BANDOLEIROS, DE JOÃO GILBERTO NOLL

Hellyery Agda Gonçalves da SILVA (PG-UEL)


hellyerya@gmail.com

A pós-modernidade compreende um período de acentuado progresso em vários âmbitos da


sociedade. Os avanços contínuos na área da tecnologia concomitante ao desenvolvimento
da comunicação e da imprensa moldaram um novo perfil de sujeito. Na literatura brasileira,
as narrativas pós-modernistas eclodiram nimiamente entre as décadas de 1980 e 1990. Os
romances desse período apresentam características comuns, por exemplo, a
problematização da identidade dos indivíduos, da noção de história e da nação. Como
pressuposto, pretende-se, nesta digressão, apresentar sinteticamente o movimento pós-
moderno e investigar a composição do sujeito no romance Bandoleiros (1985), de João
Gilberto Noll, tomando como base as formulações teóricas de Linda Hutcheon (1989),
principalmente.

O ROMANCE DE RICARDO GUILHERME DICKE

Ieda Sant’Ana RODRIGUES (PG-UEL)


iedinhabuzzo@gmail.com

Este trabalho pretende estudar o romance Cerimônias do Sertão do escritor mato-grossense


Ricardo Guilherme Dicke. Objetiva-se analisar a composição da obra por meio da forma
como é narrada, para tanto foram utilizados alguns conceitos sobre o narrador e a narrativa
contemporânea, especialmente da década de 70. Para esse fim, o trabalho embasa-se nas
obras de alguns teóricos que discorrem acerca do romance do século XX, em especial Tânia
Pellegrini (1994) e Silviano Santiago (1989). O romance escolhido traz a história de um
professor de filosofia afastado da cidade grande pelas forças da natureza, já que as chuvas
da temporada derrubaram todas as pontes que ligavam Cuiabá às cidades interioranas. Com
base nisso, Frutuoso Celidônio desencadeia seus questionamentos sobre a vida e as
inquietações próprias do ser humano.
72
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O USO DO GÊNERO TEXTUAL “PROPAGANDA” NO ENSINO DE INGLÊS


PARA CRIANÇAS

Ingrid CARVALHO (G-UEL)


ingrid.carvalho.ic@gmail.com
Larissa Segantini PIERALISI (G-UEL)
larissapieralisi@hotmail.com
Juliana Reichert Assunção TONELLI (UEL)
teacherjuliana@uol.com.br

Acreditamos que o ensino e a aprendizagem de línguas baseados em gêneros textuais e


sistematizados em torno de sequências didáticas (Dolz; Noverraz, Schneuwly, 2004) podem
trazer resultados positivos para os alunos, já que é possível se desenvolver tanto o
letramento quando a aprendizagem da língua, nesta experiência a língua inglesa. Este
trabalho tem como objetivo apresentar uma sequência didática (SD) desenvolvida
coletivamente por membros do projeto integrado “O trabalho do professor no ensino-
aprendizagem da língua inglesa para crianças: uma proposta de formação docente” da
Universidade Estadual de Londrina (UEL). A SD do gênero textual propaganda foi o
instrumento utilizado no curso de inglês ofertado aos alunos dos 4º e 5º anos do Colégio de
Aplicação da UEL. Neste trabalho apresentaremos a SD e os resultados parciais obtidos
através da utilização da mesma.

AFRODESCENDÊNCIA, FEMINISMO E MILITÂNCIA: LEITURAS DE


CRISTIANE SOBRAL

Ingrid Julieth Rodriguez RODRIGUEZ (G-UEL)


Ingridjrr52@gmail.com

Esta pesquisa deseja analisar a poesia de Cristiane Sobral no seu livro Não vou mais lavar
os pratos (2011), refletindo na condição que a mulher negra tem vivenciado desde sua
origem, trazendo consigo matizes diferentes dos da mulher branca. Pretende-se observar a
militância e luta inscritas na poesia de Sobral através de seu eu lírico. Parte-se da
visualização de uma poesia que concentra vozes femininas e afrodescendência, em que a
mulher negra enfrenta os preconceitos e inicia a sua trajetória intensamente, como alguém
independente, cheia de si, deliberando cada escolha, sem ter que apelar a instituições
marcadas por uma sociedade machista e preconceituosa. O objetivo é mostrar nos poemas
as imagens, os sons e os ritmos que a poesia de Sobral expõe para compreender como seus
escritos rompem com uma marginalização historicamente construída. As teorias de base são
73

oriundas dos trabalhos de Zilá Bernd e Constância Lima Duarte.


Trabalho orientado pela Profª. Drª. Maria Carolina de Godoy. Universidade Estadual de
Página

Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

INICIATIVAS DE LEITURA E ESCRITA NA AMÉRICA LATINA (ILEES):


MAPEAMENTO DE NÚCLEOS E DISSEMINAÇÕES

Isabela Rodrigues VIEIRA (G-UEL/CNPq)


isa_rodri96@hotmail.com
Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL/CNPq)
veraluciacristovao@gmail.com

Neste trabalho, apresentaremos resultados parciais dos estudos de pesquisa realizados no


Projeto Iniciativas de Leitura e Escrita na América Latina (ILEES), cujo objetivo inicial era
o de identificar e descrever iniciativas de ensino e pesquisa em leitura e escrita
no Ensino Superior no Brasil. A partir da primeira etapa de geração de dados por meio do
questionário online, e ainda com o objetivo de traçarmos um panorama dessas iniciativas,
mapeamos os principais núcleos de iniciativas à leitura e escrita em universidades públicas
brasileiras e realizamos uma busca de pesquisas disseminadas entre os anos de 2009 a 2013
em publicações das mais importantes revistas de divulgação científica na área de Língua
Portuguesa. A averiguação dessa produção científica revelou-nos uma baixa incidência de
iniciativas de leitura e escrita no Ensino Superior, aspectos que servirão de ponto de partida
para aprofundar nossas discussões a respeito do tema.

O JULGAMENTO ÉTICO EM TEXTOS DE JORGE BUCAY: UMA PROPOSTA


DE PRODUÇÃO TEXTUAL PARA O GÊNERO CONTO

Isandra Cristiane Ramalho de AQUINO (PG-UEL)


isandracristiane@hotmail.com

O gênero conto, sendo uma narrativa curta que gira em torno de um conflito, permite a
análise quanto ao julgamento ético que fazemos nas relações interpessoais. Os textos do
terapeuta e escritor argentino Jorge Bucay buscam oferecer a seus leitores a reflexão a
respeito dessas ligações. Seus contos Galletitas e Codicia proporcionam ao leitor a
ponderação sobre nossas impressões e ações sobre o outro, tornando-se exemplos ricos para
a produção do gênero conto. Este artigo propõe a produção do gênero com alunos do ensino
fundamental a partir destes dois contos. 74
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PRINCÍPIOS ÉTICO-POLÍTICOS NA OBRA DE CAROLINA MARIA DE JESUS

Ivana Bocate FRASSON (PG-UEL)


ivanabocate@gmail.com

Desvelar o universo da escritura de Carolina Maria de Jesus é a proposta seminal deste


estudo, pautada na compreensão de que a obra da escritora mineira, considerada a
Cinderela Negra à sua época, encontra respaldo na realidade vivenciada nesta segunda
década do século XXI. Parte da intencionalidade de analisar trechos dos relatos presentes
na obra Quarto de despejo: diário de uma favelada, reveladores de princípios ético-
políticos, explicitamente revelados em muitas das passagens ali transcritas. A partir de
registros como “Não estou ressentida. Já estou habituada com a maldade humana
(28/07/55)”; “Eu estou começando a perder o interesse pela existência. Começo a revoltar.
E a minha revolta é justa (19/05/59).”, evidencia-se a maneira como, passadas quase seis
décadas, ainda persistem situações que precisam ser desveladas como substratos para a
compreensão da própria condição humana.

VICTORIA OCAMPO E ALBERT THIBAUDET: SELEÇÃO E TRADUÇÃO DE


TEXTOS CRÍTICOS INÉDITOS NO BRASIL

Jacicarla Souza da SILVA (UEL)


jacicarla@uel.br

Se, por um lado, a Literatura Comparada irá incialmente enfatizar as produções literárias
locais tendo como ponto de partida as literaturas culturalmente hegemônicas – leia-se
europeias –, por outro, especificamente no caso brasileiro, o conceito de antropofagia
oswaldiano será fundamental para se repensar e refutar nas relações hierarquizadoras,
baseadas no conceito de influência, a partir da qual as literaturas estrangeiras eram vistas
como modelo a serem seguidos. É dentro da perspectiva que se interessa pelas
particularidades do sistema artístico-cultural brasileiro que esta comunicação visa a
apresentar a proposta desenvolvida no projeto de pesquisa “Victoria Ocampo e Albert
Thibaudet: reflexões sobre a literatura. Seleção e tradução de textos críticos inéditos no
Brasil”, que se propõe a selecionar e traduzir ensaios e artigos da escritora e intelectual
argentina Victoria Ocampo e do crítico francês Albert Thibaudet, autores que, com seus
escritos, veiculam reflexões pioneiras sobre a crítica literária e a literatura de autoria
feminina.
75
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TEATRO [FORA] DA CAIXA: A LITERATURA DRAMÁTICA NOS ACERVOS


DO PNBE E A FORMAÇÃO DO LEITOR NO ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS
FINAIS) E MÉDIO

Jaime dos Reis SANT’ANNA (UEL)


jsantann@hotmail.com.br

O objetivo desse estudo é propor uma discussão acerca da literatura dramática


disponibilizada aos alunos dos anos finais do Ensino Fundamental e Médio pelos acervos
do Programa Nacional Biblioteca da Escola, cuja ação vem garantindo o acesso dos
estudantes aos textos escritos originalmente para o teatro. Interessa-nos conhecer o
conjunto dessas obras que emerge das “caixas” do PNBE para que possamos refletir sobre
quais ferramentas precisam ser construídas para que o professor de Língua Portuguesa se
aproprie do potencial dos textos dramáticos no processo de formação de um leitor literário
capaz de desfrutar do prazer do texto dramático e de, concomitantemente, perceber as vozes
sociais e as intencionalidades ideológicas que subjazem neste tipo de discurso literário.
Para tanto, a reflexão alicerça-se nas contribuições teóricas sobre o teatro (Pavis; Magaldi;
Rosenfeld), a literatura infantojuvenil (Zilbermann; Lajolo; Aguiar) e a formação de leitor
(Bourdieu; Colomer; Paiva).

A (IM)PARCIALIDADE DO NARRADOR NO CONTO CORINTHIANS (2) X


PALESTRA (1) DE ANTONIO ALCÂNTARA MACHADO

James Rios de Oliveira SANTOS (G-UENP)


jamestimao@hotmail.com

Este trabalho visa identificar no conto Corinthians (2) x Palestra (1), de Alcântara
Machado, marcas linguístico-enunciativas que confirmem ou não a imparcialidade do
narrador que, na trama modernista, narra dois fatos: a fragmentada história da protagonista
Miquelina e o jogo de futebol entre Corinthians e Palestra. Para tanto, trar-se-á, para esta
discussão, algumas reflexões acerca da relação entre literatura e futebol, bem como
algumas considerações que destoam em torno da teoria dos gêneros discursivos de Bakhtin,
com a finalidade de (re)conhecer as dimensões do gênero narração esportiva radiofônica,
tão apropriado pelo autor para construção da diegese. Este trabalho fundamenta-se em
Bakhtin (1992), Silva (2010) e Bosi (2006).
76
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SOBRE “GOURMANDISES” DE BREJOS: ALGUMAS ETAPAS DA TRADUÇÃO


DE MANOEL DE BARROS PARA LÍNGUA FRANCESA

Janaina Jenifer de SALES (G-Unesp)


janainajenifer@yahoo.com.br

Manoel de Barros é um dos poetas brasileiros mais importantes da atualidade. Esse


fenômeno poético nasceu no início do século XX e desde então não parou mais de crescer.
O caráter ao mesmo tempo regional e universal de sua literatura já rendeu algumas
traduções para outras línguas, inclusive para o francês. Foi justamente da paixão pela
poesia de Manoel de Barros e pela língua francesa que surgiu a ideia de traduzir alguns dos
poemas do autor. Esse trabalho pretende, portanto, descrever e comentar os processos
iniciais de tradução de alguns poemas contidos no livro O Tratado Geral das Grandezas do
ínfimo (2001).
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Brigitte M. Hervot. Universidade Estadual Paulista –
UNESP. Assis. São Paulo. Brasil.

A FORMAÇÃO DO LEITOR INVESTIGATIVO

Janete Guedes Kuller ZANONI (G-UEL)

O ensino de leitura, um desafio. Estudos revelam que grande parte dos alunos, ao ler,
apenas extrai informações, sem compreender o sentido do texto. A leitura é um processo
cognitivo, é preciso utilizar o conhecimento de mundo, o linguístico e o textual. Sabendo
que parte do sucesso desse projeto compete ao professor o qual deve ser o mais interessado
e entusiasmado na apresentação dessa tarefa, desafiando e fazendo desse, um leitor ativo.
Para isso é preciso ensinar essa arte de observar as pistas e fazer leituras de mundo nas mais
variadas situações e em todas as esferas da vida familiar e social. A leitura deve fomentar
esse espírito investigativo para além da explicitação. Tornar o aluno um leitor autônomo é
levá-lo a utilizar os recursos ao seu alcance para sanar as dificuldades e estabelecer
inferências.
77
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PRODUÇÃO TEXTUAL E REDAÇÃO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM E


PERSPECTIVA DE ALUNOS E PROFESSORA DE UMA TURMA DE 3º ANO DO
ENSINO MÉDIO

Jessica Maria Puretz ALVES (G-UEPG)


jeh_puretz@hotmail.com
Renata MERCER (G-UEPG)
renatamercer@live.com

Trata-se de uma investigação qualitativa, resultado de uma experiência vivenciada por duas
acadêmicas de Letras Português/Inglês, bolsistas do Programa Institucional de Bolsa de
Iniciação à Docência (PIBID), da UEPG, sobre a diferença entre as práticas de redação e de
produção textual, realizada em duas turmas de terceiro ano do Ensino Médio noturno de um
colégio da rede estadual de ensino de Ponta Grossa. Essa pesquisa foi realizada a partir da
correção das redações que os alunos produziram, seguindo critérios de redação do ENEM,
análise desses critérios e aplicação de um questionário para os alunos e professora de
Língua Portuguesa dessas turmas a respeito de diferenças entre produção textual e redações
de concursos, especialmente nos moldes do ENEM. Como fundamentação teórica principal,
foram utilizadas as Diretrizes Curriculares da Educação Básica-L.P (2008), A Redação no
ENEM 2012-Guia do Participante (2012), Revista Arquitetura da Redação (2013) e
LAJOLO (2004).
Trabalho orientado pela Profª. Sandra do Rocio Ferreira Leal. Universidade Estadual de
Ponta Grossa – UEPG. Ponta Grossa. Paraná. Brasil.

OS PROCESSOS NEOLÓGICOS ENCONTRADOS NA LINGUAGEM JURÍDICA


CONTEMPORÂNEA

Jéssica Nágilla HAGEMEYER (G-UFMS)


jessicahagemeyer@hotmail.com

Este trabalho visa a analisar e descrever os processos neológicos dos termos jurídicos e sua
influência no discurso dos operadores do Direito, para, ao final, elencá-los em forma de um
miniglossário. O corpus é formado por expressões jurídicas encontradas nos textos escritos
como revistas forenses, sentenças, petições, jurisprudências e livros de Direito. O
arcabouço teórico está fundamentado nos princípios da Lexicologia e Terminologia
aplicadas ao âmbito jurídico. Acredita-se que este estudo facilitará a comunicação entre o
público em geral e os aplicadores do Direito, tendo em vista a linguagem específica e
técnica desenvolvida ao longo do tempo por essa comunidade linguística. Espera-se, ainda,
78

que este trabalho fomente, também, a ampliação dos estudos neológicos na linguagem
jurídica.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LITERATURA NOS LIVROS DIDÁTICOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A


LEITURA E A FORMAÇÃO DE LEITORES

João Batista de SOUZA JUNIOR (G-IFPR/CNPq)


joaob_junior1994@hotmail.com

A leitura crítica tem a capacidade de transformar e humanizar pela introspecção e pela


reflexão, possibilitando ao aluno um novo olhar para si mesmo e para sua realidade. Mas
para que isso seja possível devemos analisar os procedimentos pedagógicos utilizados nas
aulas de literatura que em sua maioria baseiam-se em modelos ditados por livros didáticos.
Desta forma, discorreremos sobre a utilização dos textos literários nos livros didáticos de
português do ensino médio; analisando de forma crítica a utilização desta linguagem,
buscando assim refletir os procedimentos metodológicos utilizados para atingir os objetivos
de formar o leitor crítico. Faz-se, então, necessário repensarmos a forma de ensinar por
meio de reflexões, para aprimorar as escolhas de obras e leituras e didatizar a leitura sem a
contaminação das ideologias que nos empurram para um ensino marcado pela pressa e
condensação de conteúdos por meio de fragmentações de textos.
Trabalho orientado pela Profª. Neide Biodere. Instituto Federal do Paraná – IFPR. Ivaiporã.
Paraná. Brasil.

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA ESCRITA DRAMATÚRGICA EM NELSON


RODRIGUES

José Francisco QUARESMA (IFPR)


jose.quaresma@ifpr.edu.br
Claudete Carvalho CANEZIN (UEL)
claudetecanezin@uol.com.br

Este trabalho busca investigar a gênese da escrita dramatúrgica na obra do escritor Nelson
Rodrigues. De acordo com os estudos acerca do autor, por vezes um texto era concluído
com muita rapidez, o que ocorreu com a produção de Vestido de noiva, por outras, os
produtores aguardavam à exaustão pela encomenda feita, caso de O beijo no asfalto. Sábato
Magaldi, estudioso do dramaturgo, explicita que Nelson Rodrigues afirmava ter
experimentado muitos dos personagens e situações postos em seus textos teatrais nos
contos-crônicas intitulados A vida como ela é..., estes, publicados diariamente no jornal
carioca Última Hora. Neste estudo, buscar-se-á, além da questão acima, observar os
elementos vanguardistas concernentes às categorias de tempo e espaço postos na obra do
escritor, e quanto esses aspectos correspondem à modernidade almejada no teatro, não
79

apenas no campo da dramaturgia, mas também dos procedimentos cênicos e das


investigações acerca do trabalho ator.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A HISTÓRIA DO BRASIL, DE FREI VICENTE DO SALVADOR, NO


HORIZONTE DA LITERATURA BRASILEIRA

José Luís SCHAMNE (G-UEPG)


jlschamne@yahoo.com.br

Produções textuais da época colonial brasileira possuem relevância para o posterior


desenvolvimento da literatura nacional. Podem ser considerados textos fundantes. Esses
textos contêm pressupostos que servirão de base para a literatura brasileira, tais como:
nativismo, nacionalismo, exaltação da terra, movimento de independência etc. Nosso
interesse refere-se, especificamente, à análise da História do Brasil, de Frei Vicente do
Salvador, finalizada em 1626. A História, ao longo do seu desenvolvimento, escapa várias
vezes do estilo historiográfico puro e, em diversas oportunidades, suas construções textuais
demonstram relevância para a literatura. Nosso trabalho faz uma revisão de alguns autores
da história da literatura brasileira e destaca as ponderações desses teóricos sobre a História
do Brasil, e seus argumentos sobre o seu pertencimento ou não à literatura brasileira.
Independentemente das conclusões favoráveis ou contra a obra, acreditamos na sua
importância para nosso patrimônio literário e na validade de seu resgate e aprofundamento.
Trabalho orientado pelo Prof. Fábio Augusto Steyer. Universidade Estadual de Ponta
Grossa – UEPG. Ponta Grossa. Paraná. Brasil.

LEITURA LITERÁRIA E ARTE: POSSIBILIDADES E ESTRATÉGIAS DE


DIÁLOGOS ENTRE OS SIGNOS

Josilene de Paiva KANASHIRO (PG-UEL)


josilenedepaiva@hotmail.com
Solange Miranda FERNANDES
melaoamarelo2@hotmail.com

A sociedade contemporânea caracteriza-se por novas tecnologias associadas a diferentes


linguagens que enfatizam a imagem, o som e o movimento, estabelecendo um diálogo, com
símbolos (signos) próprios que expressam uma intenção e uma representação de mundo.
Diante disso, este trabalho parte do pressuposto que os livros didáticos da disciplina de
Língua Portuguesa sugerem o uso de inúmeras obras de arte para ilustrar o trabalho com os
textos verbais, além de sugerirem que estas obras sejam lidas e analisadas por professores e
alunos. Neste sentido, buscaremos estabelecer uma parceria entre os componentes
curriculares de Arte e Língua Portuguesa para vislumbrarmos as diferentes estratégias de
ensino, sempre com o intuito de tornar os alunos leitores mais críticos e reflexivos. Este
80

estudo apresenta informações sobre a leitura de textos não verbais (trazidos pelas artes
plásticas) e a leitura de textos verbais (trazidos pela literatura).
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Trabalho orientado pela Profª. Drª. Sandra Aparecida Pires Franco. Universidade Estadual
de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

ARGUMENTAÇÃO E PERSUASÃO NA SUSTENTAÇÃO ORAL: A DEFESA DE


CESARE BATTISTI POR LUIS BARROSO

Juliana Kiyosen NAKAYAMA (PG-UEL)


juliananakayama@uel.br
Luciana Mendes PEREIRA (PG-UEL)
lumendes@uel.br
Cláudia Maris TULLIO (Faculdade Sant'Ana/CESCAGE)
claudiatullio31@yahoo.com.br

Entre os procedimentos linguísticos colaboradores da argumentatividade de um texto,


enfatizaremos alguns operadores argumentativos. Desse modo, os efeitos de sentido desses
elementos serão analisados neste artigo, cujo corpus é a sustentação oral do advogado de
defesa Luis Roberto Barroso em relação ao réu Cesare Battisti, transcrito do canal
exclusivo youtube do Supremo Tribunal Federal. Os operadores argumentativos são
elementos linguísticos que fornecem informações e, ao mesmo tempo, funcionam como
instrumentos de argumentação do enunciador, o advogado de defesa de Cesare Battisti,
evidenciando, assim, a poderosa força que eles transmitem. Comprovaremos, assim, a
importância dessas marcas para a argumentatividade de um texto, pois, nelas estão contidos
valores persuasivos de categoria da própria gramática, por isso o fato leva a postular a
argumentação como o ato linguístico fundamental.

CLARICE LISPECTOR E O ENSINO DE LITERATURA

Juliana Monteiro da Silva FICHER (G-UEM)


juliana.ficher@hotmail.com
Kélvia Lorena TRENTIN (G-UEM)
kelvia.trentin@hotmail.com
Evely Vânia LIBANORI (UEM)
lieveorama@gmail.com

No presente artigo, discorreremos sobre a situação do ensino de Literatura tal como se


apresenta nas escolas públicas e também sobre a importância da Literatura em nosso
cotidiano. Mostraremos, também, uma sugestão de trabalho com o texto literário em sala de
aula, a partir da teoria de Arnaldo Franco Junior, no estudo Níveis de leitura: teoria e
81

prática. Trata-se de mostrar as atividades realizadas durante a regência de Estágio III do


curso de Letras da Universidade Estadual de Maringá, na qual ensinamos e interpretamos a
Página

crônica “O pequeno monstro”, de Clarice Lispector. Foi pensando nesses textos literários
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

mais complexos, cuja leitura e interpretação exigem mais do leitor, que escolhemos
trabalhar com Clarice Lispector, pois se trata de uma autora cujo estilo de escrita é diferente
do que os alunos estão acostumados a ver nas escolas.

AS FORMAS DE VIDA DO ATOR NINO DO PROGRAMA INFANTIL CASTELO


RÁ-TIM-BUM

Juliana Tito Rosa FERREIRA (PG-UNIFRAN)


jujutrf@yahoo.com.br

Este trabalho tem com objetivo apresentar os resultados parciais de nossa pesquisa de
mestrado sobre a série televisiva Castelo Rá-Tim-Bum, que, neste ano, completa 20 anos e
é considerado um dos mais importantes programas educativos infantis da televisão
brasileira dos últimos tempos. Com base nos pressupostos da teoria semiótica greimasiana,
pretendemos, nesta comunicação, analisar as formas de vida do ator Nino, identificadas nos
papéis temático, figurativo e passional, O programa infantil possui 90 episódios e um
especial de Natal, e para este trabalho, selecionamos o episódio vinte e dois: “O Nino
mudou”.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Naiá Sadi Câmara. Universidade de Franca –
UNIFRAN. Franca. São Paulo. Brasil.

A CONSTRUÇÃO ARGUMENTATIVA EM UMA CRÔNICA DE MOACYR


SCLIAR

Julianne Rosy do Valle Satil NEVES (PG-UEL)


julisatil@hotmail.com

O presente trabalho possui por objetivo analisar uma crônica, realizando um breve estudo
de alguns de seus recursos argumentativos mais relevantes. O autor do texto em questão é o
escritor gaúcho Moacyr Scliar, colaborador do jornal Folha de S. Paulo, entre os anos de
1993 e 2011. Em A casa das ilusões perdidas, Scliar inspira-se em fatos expostos em uma
notícia já apresentada pelo referido veículo midiático e, por meio de inúmeros mecanismos
argumentativos, insere o leitor em uma intensa atmosfera persuasiva. Os pressupostos
teóricos utilizados para o desenvolvimento da análise estão fundamentados na Semântica
Argumentativa, teoria desenvolvida pelo linguista francês Oswald Ducrot.
82
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM NOS LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA


PORTUGUESA

Karen Alves de ANDRADE (PG-UEL)


Letícia Jovelina STORTO (PG-UEL/UENP)

O livro didático ocupa um papel central no ensino de língua materna no Brasil. Dessa
forma, é necessário que esse material esteja de acordo com as demandas curriculares do
ensino de língua portuguesa e acompanhe as inovações consequentes de produções
acadêmicas nas áreas de educação e linguística. O Programa Nacional do Livro Didático é
um dos eficientes recursos que procura garantir a qualidade dos livros didáticos e sua
distribuição nas escolas públicas do país, mas ele nem sempre garante que todo o conteúdo
dos livros esteja de acordo com as concepções de linguagem predominantes na atualidade.
Este artigo visa, dessa forma, analisar três atividades do livro Trajetórias da Palavra – 6º
ano, aprovado pelo PNLD, para verificar a consonância entre as atividades selecionadas e
os paradigmas linguísticos atuais.

A MULTIFUNCIONALIDADE DO VERBO "PEGAR"

Karen Pereira Fernandes de SOUZA (PG-UFRJ)


karen_pf_souza@hotmail.com

O verbo pegar, em seu sentido principal de "segurar" em construções transitivas, é


frequentemente usado como um predicador de dois participantes. Entretanto, mesmo em
uma análise superficial do emprego de pegar, diversos contextos de uso detectados na fala
de brasileiros indicam a polifuncionalidade desse verbo, a depender da construção. À luz da
Gramática das Construções de Goldberg (1995), tenta-se responder esta pergunta: como se
configura a rede das estruturas do verbo pegar pleno até as estruturas já lexicalizadas no
sistema linguístico? Para tanto, utilizam-se dados do Corpus Concordância no qual foram
examinadas trinta e seis entrevistas. Tais dados foram reunidos por grupos de
características afins. Deseja-se alcançar dois objetivos nesta comunicação: (a) analisar
qualitativamente a natureza categorial do verbo pegar, analisando sua trajetória de verbo
predicador pleno a constituinte de estruturas lexicalizadas; (b) propor uma rede das
construções que revelam as categorias funcionais de pegar.
83
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O INSÓLITO E SOMBRIO CENÁRIO DA NARRATIVA THANATOPIA, DE


RUBÉN DARÍO

Karina STOEGLEHNER (G-UEL)


karina.stoeglehner@gmail.com

O presente estudo tem como objetivo analisar o conto Thanatopia, escrito em 1893 e
publicado postumamente em 1925, cuja autoria pertence a Rubén Darío, escritor
nicaraguense mais conhecido como precursor do modernismo, à luz do insólito, elemento
que se faz presente na obra em questão. O elemento sombrio e insólito do conto recai no
fato de James, personagem principal, ao voltar a sua casa em Londres, deparar-se com sua
madrasta, a qual constata que é sua mãe já falecida que regressa na figura enigmática e
aterrorizante de uma vampira. Pretendemos, portanto, nesse estudo, analisar a presente
narrativa contística pautadas em teóricos que versam sobre o insólito na literatura, a saber:
Todorov (1975), Ceserani (2006) e Roas (2001; 2011; 2012), evidenciando características
marcantes na obra.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TEXTO NÃO VERBAL:


OPORTUNIDADES NÃO EXPLORADAS PARA O DESPERTAR DA
ALFABETIZAÇÃO VISUAL

Kátia Andrade Inez SILVA (PG-UEL)


katiandrade2@bol.com.br
Charlotte Louise Varella Rodrigues ZIMMERMAN
charlottelouisez@yahoo.com.br

O texto não-verbal sempre teve um importante papel na história da Humanidade, de acordo


com os grupos sociais e com as diferentes interações estabelecidas ao longo da história.
Embora os textos imagéticos estejam presentes no cotidiano escolar, isso não reflete o
desenvolvimento de habilidades de leitura voltadas para este gênero textual. Neste sentido,
este artigo tem como aporte analisar como são apresentados os textos não-verbais presentes
nestes livros didáticos, à luz de teóricos como Belmiro (2000), Guinle (2008), Souza
(2012), Barbosa e Coutinho (2009) e Dondis A. Dondis (1997); visando observar as
propostas decorrentes da leitura de imagens definidas pelos livros didáticos e em que
proporção elas contribuem para o sucesso dos alunos na leitura deste gênero textual.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Sandra Aparecida Pires Franco. Universidade Estadual
84

de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

VEJA! A IMAGEM DO PROFESSOR EM ARTIGOS DE GUSTAVO IOSCHEP

Keila Fontoura RAMIRO


k_fr5@hotmail.com

Na tentativa de compreender o motivo do desprestígio profissional com que se tem definido


o professorado, o presente trabalho busca analisar a imagem do docente. O recorte definido
são os artigos publicados pelo economista Gustavo Ioschep na Revista Veja, entre 2008 e
2010. Este estudo visa também a demonstrar, mesmo que de maneira introdutória, que na
complexidade do processo educacional, a mídia desempenha relevante função dentro da
nossa sociedade. Portanto, é necessário compreender os mecanismos ideológicos
presentificados nas plataformas midiáticas, os quais vão desembocar na sociedade. Desde a
linguagem do incauto até o vocabulário do mais esclarecido, percebe-se o conceito
bakhtiniano acerca da linguagem, quando afirma que no “signo ideológico por excelência
ela registra as menores variações das relações sociais” (BAKHTIN,1986). Configura-se,
pois, um embate entre mídia, como representante das forças anônimas e o docente,
esmagado pelos processos de alienação social.

A QUESTÃO DO ETHOS NOS DISCURSOS JORNALÍSTICOS

Laís Marina de SOUZA (PG-UEL)


laisletrasuel@gmail.com

A formulação de uma imagem positiva de si mesmo, considerada indispensável para o


sucesso do enunciador, é definida como ethos. Tratado, primeiramente, por Aristóteles e os
filósofos clássicos, o ethos é definido como parte da trilogia aristotélica, na qual adquire
dois sentidos: um que designa as virtudes morais que garantem credibilidade àquele que
profere e outra abordagem que comporta a dimensão social, na medida em que o dono do
discurso busca convencer acerca de uma imagem que constrói de si mesmo. Partindo dessa
abordagem e seguindo a teoria da Análise do Discurso de orientação francesa (doravante
AD), o presente artigo visa analisar a construção e a força argumentativa do ethos em duas
grandes emissores de televisão brasileiras referente a uma mesma notícia sob o viés dos
dois diferentes veículos de informação, e mais especificamente na análise, a fim de refletir
sobre a neutralidade do discurso.
85
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE ESPANHOL: CONTRAPONTO ENTRE O


CELEM E O ENSINO REGULAR
Laís Vitto da SILVA (G-UEL)
laisvds@hotmail.com
Luís Fernando Mariquito do NASCIMENTO (G-UEL)
luisera7@gmail.com

Este trabalho é o resultado das observações e atividades desenvolvidas no Programa


Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), subprojeto de Letras Espanhol, da
Universidade Estadual de Londrina (UEL), e tem como objetivo contrastar dados da
atuação do professor de espanhol como língua estrangeira do Centro de Línguas
Estrangeiras Modernas (CELEM) e do ensino regular. Desse modo, analisa as perspectivas
da universidade sobre a formação inicial docente e verifica se a realidade desses
profissionais condiz com a sua formação e quais são suas dificuldades e necessidades em
ambos os contextos de atuação. Com isso, propõe uma reflexão crítica sobre a prática do
professor de espanhol como língua estrangeira em Londrina.
Trabalho orientado pela Profª Drª Valdirene Zorzo-Veloso.
zorzoveloso_val@yahoo.com.br. Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina.
Paraná. Brasil.

PIBID: MINICONTO COMO POSSIBILIDADE DE USO DA LITERATURA E DA


ARTE NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA

Larissa Mulari NAZÁRIO (G-UEL)


larissanazario@hotmail.com.br
Lethícia Julio de Oliveira FERREIRA (G-UEL)
lethiciajulio@yahoo.com.br

Esta comunicação pretende descrever uma atividade proposta pelas bolsistas inseridas no
Projeto Institucional de Iniciação à Docência (PIBID) do subprojeto Letras – Espanhol da
UEL a uma turma do terceiro ano do ensino médio de um colégio estadual de Londrina-PR,
sob supervisão direta da docente responsável pela turma. Os artistas e autores apresentados
são relacionados ao mundo hispânico juntamente com suas obras mais clássicas. Nossa
proposta é reconstruir o contexto histórico dessas obras para melhor interpretação delas,
além de propor uma releitura do texto ou imagem escolhida pelo grupo utilizando o gênero
miniconto. Tem-se como base a LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional,
que propõe que sejam trabalhados o ensino, a pesquisa e as diversas manifestações
culturais, a fim de promover o desenvolvimento cultural dos alunos.
86

Trabalho orientado pela Profª Drª Valdirene Zorzo-Veloso.


zorzoveloso_val@yahoo.com.br. Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina.
Página

Paraná. Brasil.
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E EXCLUSÃO DO SUJEITO DISCURSIVO

Larissa Sigulo FREIRE (PG-UEL)


lari.sigulo@gmail.com

Por ter como princípio a articulação entre o linguístico e o social, o discurso se apresenta
como lugar propício para a expressão de ideologias, uma vez que o sujeito tem seu dizer
moldado pelo entorno sócio-histórico no qual está inserido. Dentro da temática abordada
pelo conto “Da paz”, de Marcelino Freire, observa-se que o sujeito, sendo perpassado por
fatores que o permitem expressar sua condição de exclusão, encontra-se na posição de
apropriação e ampliação do discurso de protesto. Assim, utilizando-se dos fundamentos
teóricos da Análise do Discurso (AD), de linha francesa, o estudo terá como caráter
primordial a análise do processo de construção do sujeito por meio das ideologias
veiculadas no conto abordado. O presente trabalho está vinculado ao projeto de pesquisa
intitulado “PAD – Pesquisas em Análise do Discurso”, cujo objetivo é “analisar os
processos discursivos de produção e apreensão dos sentidos e sua relação com os sujeitos
do discurso”.

PROJETO DE EXTENSÃO “O TEXTO: ELEMENTO ARTICULADOR ENTRE O


ADOLESCENTE E A CIDADANIA”

Laura Mitsuko TANAKA (G-UEL)


lauram.tanak@hotmail.com
Regina Maria GREGÓRIO (UEL)

Os Projetos de Extensão, enquanto práticas educacionais, oportunizam aos discentes


intercâmbio com a comunidade externa, bem como a confluência entre os conhecimentos
advindos da teoria e da prática. Diante dessa perspectiva, será apresentado nesta
comunicação o projeto O texto: elemento articulador entre o adolescente e a cidadania, o
qual oferece ao alunado do curso de Letras Língua Portuguesa a experiência, mediante a
supervisão de um especialista, de atuar como professor durante todo um ano letivo,
atualmente, nas instituições Núcleo de Educação Social e Profissional (NESP) e Núcleo de
Aprendizagem para o Futuro (NAF), ambos do município de Cambé-Pr. A sala de aula
nesses centros é o de contraturno, em que os estudantes participam de atividades voltadas a
sua profissionalização em períodos posteriores à escola regular, proporcionando, assim, aos
professores em formação um contexto propício à utilização do texto, com seus diferentes
gêneros e linguagens, em sala de aula.
87
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

AS POSSÍVEIS INFLUÊNCIAS DA OBRA HISTÓRIA DE (IN) TOLERÂNCIA, DE


GUILA AZEVEDO NA CONSTRUÇÃO IDEOLÓGICA DE UM JOVEM LEITOR

Leila Cabral SOUZA (G-UEL)


leilacabral_@hotmail.com

A finalidade deste trabalho é realizar uma reflexão que aborda as ideologias envolvidas no
livro Histórias de (in) tolerância, de Guila Azevedo, obra destinada ao público adolescente
e que aborda a religião e a intolerância. A fundamentação teórica utilizada nas discussões
sobre a relação entre literatura e ideologia é a obra de Terry Eagleton e Frederic Jameson,
sobretudo no que tange às distorções da realidade e os elementos ideológicos da
superestrutura cultural que atuam em sua legitimação. A análise tem como objetivo
interpretar as informações responsáveis pelas construções ideológicas presentes na obra e
compreender as possíveis influências da obra na formação de um jovem leitor.

A LINGUAGEM SATÍRICA EM “O GRANDE DITADOR” E SUA INFLUÊNCIA NA


SOCIEDADE

Leonardo Dias GUIMARÃES (G-UEL)


leo_diasguima@yahoo.com.br

A manifestação artística através do cinema cria e abre portas para uma visão e percepção
mais críticas de nossa sociedade. Charles Chaplin, através da arte, conseguiu tal feito ao
parodiar o ditador alemão Adolf Hitler, em seu filme O Grande Ditador, que teve seu
lançamento um ano após o início da Segunda Guerra Mundial, mas que já tinha seu roteiro
definitivo pronto em 1939 (antes do início da guerra). Através da sátira crítica (estilo
linguístico), a denúncia estava feita: além de uma batalha iminente, havia também uma
perseguição implacável ao povo judeu e a todos os que discordavam da política nazista. O
cinema, então, surgiu como um grande instrumento a favor das pessoas, que viviam
envoltas por um sistema que era errante, uma vez que comandado por seres humanos que
falham e, como o ditador em questão, podem ser cruéis.
88
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

JESUSALÉM E A CONFISSÃO DA LEOA: MIA COUTO COMO AGENTE


INTERCESSOR NO DEBATE CULTURAL SOBRE A QUESTÃO DAS
MULHERES

Letícia Pereira de ANDRADE (PG-UFRGS)


leticia@uems.br

Esta comunicação se propõe a verificar a posição das mulheres representadas em A


Confissão da Leoa (2012) e Jesusalém (2009), de Mia Couto, em uma hipótese
interpretativa de que mulheres podem contribuir discursivamente para a construção de uma
Moçambique com igualdade de gênero. Mas para tanto, Mia Couto devia ser lido e
estudado por este povo na perspectiva da literatura e sua aplicabilidade defendida por Feijó
(2004; 2012).

CURSO DE CONVERSAÇÃO NA LÍNGUA INGLESA PARA APRENDIZAGEM E


DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE DE ALUNOS DO 6º AO 3ºANOS

Levi Pereira de ARAÚJO (G-UEL)


lpa007@hotmail.com

Alunos de 3º ano do curso de Letras/Inglês da UEL, participantes do PIBID/Inglês-2014,


desenvolveram um curso de conversação em Língua Inglesa com o objetivo de
proporcionar desenvolvimento da habilidade oral dos alunos de 5º ano do ensino
fundamental ao 3º ano do ensino médio do Colégio Estadual José de Anchieta. Este
contexto de ensino-aprendizagem visa a estimular a produção oral e propiciar
aprendizagem significativa que vá ao encontro das expectativas de alunos e pais quanto ao
referido idioma (GIMENEZ, PERIN, SOUZA, 2003). Os encontros acontecem
semanalmente, com duração de uma hora e meia. Com a implementação do projeto,
esperamos contribuir para o desenvolvimento oral na língua inglesa do público-alvo e
desmistificar e/ou relativizar a não eficácia do ensino de inglês em escolas públicas (LIMA,
2011). Embora o projeto esteja em fase inicial, alunos têm demonstrado interesse e
envolvimento nas atividades propostas.
Trabalho orientado pela Profª Lilian Kemmer Chimentão. liliankemmer@hotmail.com.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
89
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PRONOMES-SUJEITOS NÓS E A GENTE NO FALAR PARANAENSE

Lidiane Martins da SILVA (PG-UEL)


lidi.mts@hotmail.com

O presente trabalho, ancorado nos pressupostos teórico-metodológicos da Sociolinguística


Variacionista (LABOV, 1972), visa a analisar a variação dos pronomes de primeira pessoa,
nós e a gente no falar de 64 informantes, estratificados quanto à faixa etária, sexo e
escolaridade, em dezesseis cidades do interior paranaense, a partir dos dados do Atlas
Linguístico do Brasil. Neste sentido, serão analisados os contextos linguísticos e
extralinguísticos que podem interferir na escolha de uma ou de outra variante em análise.
Conforme os principais resultados, verificamos que o uso de a gente vem crescendo no
Português do Brasil e os fatores linguísticos determinação do referente, concordância verbal
e os extralinguísticos sexo e faixa etária exercem grande influência na escolha desta
variante.

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Lidiane Silva Andrade MARTINS (UFMS)


lidiane_sam@yahoo.com.br
Milene de Oliveira SILVA (UFMS)
mileneoliveira1@hotmail.com

Leitura por muito tempo foi compreendida como decodificação. Hoje, já entendemos que
ler é atribuir significado, por isso almejamos formar leitores plenos, competentes no uso da
leitura e escrita. Nesta perspectiva, o objetivo desta comunicação é demonstrar como
podemos oferecer condições para aprendizagem da leitura e escrita aos alunos em processo
de alfabetização. Os dados que fundamentam a análise foram gerados em aulas de língua
portuguesa ministradas numa escola pública na cidade de Castilho - SP, desenvolvendo
uma prática mais produtiva por meio de um projeto de leitura e escrita. O trabalho centra-se
na fundamentação teórica de Ferreiro (2002) e Soares (1998), retratando que as crianças
ingressam no mundo da linguagem escrita por meio da leitura. Os dados evidenciam que as
práticas de leitura e escrita desenvolvidas por meio de projetos despertam nos alunos o
interesse, e o aprendizado de forma lúdica e significativa.
90
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ÀS MARGENS DO LETRAMENTO CRÍTICO

Liliane MANTOVANI (UTFPR)


mantovani.liliane@gmail.com
Simone REIS (UEL)

Neste trabalho, apresentamos um recorte da dissertação de mestrado sob autoria de LOPES


(2013), cujo foco foi a investigação de textos escritos em língua inglesa, por meio de
análise embasada no Letramento Crítico, a qual considerava os posicionamentos de futuros
professores frente a uma atividade de leitura. Como fundamentação teórica, foram
utilizadas: (1) concepções de leitura (LEFFA, 1999); (2) leitura crítica (HEBERLE, 2000;
MEURER; 2000); e (3) letramento crítico (ANDREOTTI & SILVA, 2006; HARRISON,
2004). Os dados foram gerados em disciplina de Leitura em Língua Inglesa, por meio de
instrumentos elaborados por Simone Reis. Mais especificamente, foi utilizado um
questionário aplicado aos graduandos em 2011 e os dados foram interpretados conforme as
diferentes visões de significado (GEE, 1993). Concluiu-se que as sutilezas de linguagem
veiculadas pelos textos parecem não terem sido notadas pelos respondentes, as quais
promovem a conscientização de situações de (des)igualdade, relações de poder e
dominação (FREIRE, 1987).

O PROCESSO CRIATIVO E CRIADOR DE HILDA HILST E PEDRO NAVA – UM


ESTUDO PELA PERSPECTIVA DA CRÍTICA GENÉTICA

Lisiane Freitas de FREITAS (UEL)


lisiane@uel.br
Amanda CANEZIN (PG-UEL)
amanda.canezin@gmail.com

Este estudo objetiva analisar o processo criador de dois autores brasileiros, Hilda Hilst
(poetisa, ficcionista, dramaturga e cronista do século XX) e Pedro Nava (memorialista e
modernista também do século XX). Mesmo tendo formações distintas (a primeira graduada
em Direito, o segundo em Medicina), possuem características que se assemelham no
processo de construção textual. Para este estudo foram elencadas as obras “Se tivesse
madeira e ilusões” e “Baú de Ossos”. A investigação que se faz por meio dos manuscritos e
das obras editadas advém da necessidade de conhecer como se dá o entrelace de ideias que
originam as obras, identificando elementos que possam auxiliar professores e pesquisadores
a nortear o processo de construção textual. Para esta investigação, optou-se por um
percurso metodológico que se iniciou por estudo exploratório, contemplando análise
91

documental, fundamentada à luz dos preceitos de Salles (2008), Bakhtin (2011), Contani e
Panichi (2003).
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A CONSTRUÇÃO DA REPORTAGEM EM TV A PARTIR DA IMAGEM

Livia Sprizão de OLIVEIRA (PG-UEL)


livia_spri@uol.com.br

Língua escrita e língua falada estão misturadas nas notícias de telejornal para transmitir
informações simulando um diálogo com o telespectador. Nas reportagens, este texto híbrido
vem acompanhado também de um texto imagético que converge com a fala em uma
construção textual duplamente codificada. Fica estabelecida assim uma relação entre signos
de linguagens diferentes que se reinterpretam mutuamente criando novas representações do
real. Baseando-se nisso o presente trabalho pretende analisar como as linguagens oral e
imagética interagem e dão suporte a diferentes olhares sobre o mundo nas reportagens de
televisão. Por meio da crítica genética pretende-se explorar processos de criação de TV em
que o texto imagético funciona como mola propulsora para construção do texto que será
oralizado.

O INTERTEXTO E SEUS EFEITOS

Lolyane Cristina Guerreiro de OLIVEIRA (UEL)


lolyane@uel.br

As propagandas utilizam discursos variados que objetivam potencializar e racionalizar o


consumo e, neste universo, a persuasão é elemento essencial a ser analisado, porque é
considerada a finalidade elementar do gênero anúncio. Ela é construída na associação de
recursos linguísticos e na exploração de representações legitimadas pela sociedade. Lara
(2007) afirma ser a publicidade um dos domínios em que mais se verifica a presença de
textos híbridos que, buscando criar efeitos de sentido de inovação, surpresa, humor,
transformam o anúncio publicitário em um outro gênero, recorrendo, sobretudo, à alteração
da forma, já que a função primeira (por exemplo, a de convencer o outro a consumir um
dado produto ou a utilizar um determinado serviço) tende a se manter – e ser reconhecida
pelo enunciatário. Desse modo, este trabalho busca, por meio da propaganda, identificar
como as marcas intertextuais contribuíram para a argumentatividade do texto 92
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O ELEMENTO DUPLO SOB UM OLHAR REALISTA: ANÁLISE DE O DUPLO


(1846), DE FIÓDOR DOSTÓIEVSKI

Lucas Henrique da SILVA (G-UEL)


lucasprojeto@uel.br

O presente artigo busca analisar o elemento duplo em O Duplo, de Fiódor Dostóievski. A


obra narra Golydakin e seu desdobramento. O manuseio do elemento pelo autor chamou a
atenção de teóricos bastante empenhados no estudo do duplo, como Otto Rank. Busca-se,
aqui, uma leitura sob o método analítico da obra. Para tanto, faz-se necessário o uso de
estudos que abordam a duplicidade do Eu na literatura, como O Duplo (1939), do citado
estudioso, assim como os trabalhos panorâmicos de Adilson dos Santos (2009) e Ana Maria
Lisboa de Mello (2000). A análise temática se dará pelos seguintes caminhos: (1) no que
concerne ao duplo, no que difere tal obra de outras do mesmo tema? (2) sobre quais
características apresenta-se a temática na obra realista? Para a efetivação da presente
análise, recorrer-se-á igualmente ao trabalho de Paulo Bezerra (2011), estudioso do autor
russo.
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Adilson dos Santos. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

O GRITO ANDRADINO: ECOS EXPRESSIONISTAS NA SÃO PAULO DA


DÉCADA DE 1970

Lucas Martins NÉIA (PG-UEL)


lucas_martins_neia@hotmail.com

O presente trabalho, fruto da disciplina Expressionismo e Teatro Brasileiro, ministrada pela


Professora Doutora Elizabeth Ferreira Cardoso Ribeiro Azevedo ao Programa de Pós-
Graduação em Artes Cênicas da Universidade de São Paulo, investiga a presença de
elementos não-naturalistas na telenovela O grito, escrita por Jorge Andrade e produzida e
exibida pela Rede Globo entre 1975 e 1976. Pormenorizam-se os seguintes tópicos: a
relação do título da trama com o quadro homônimo de Edvard Munch, obra-chave do
movimento expressionista; a São Paulo distópica e opressora descrita tanto nos roteiros da
telenovela quanto vista no produto audiovisual final; temas ligados à angústia e ao
desespero existencial das personagens da trama – sentimentos personificados nos
agonizantes gritos dados pelo filho de Marta (Glória Menezes), a protagonista.
93
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

MÁSCARA E ARTE: ELEMENTOS DO TRÁGICO EM QUERIDA (2009)


DE LYGIA BOJUNGA

Luciana Ferreira LEAL (PG-UNESP/FACCAT)


luciana_lea@hotmail.com
José Rogério da SILVA (PG-UNIMAR/FACCAT)
jotarogerios@hotmail.com)

O trabalho discorrerá sobre os aspectos do trágico na obra Querida (2009) de Lygia


Bojunga. O objetivo será o de discutir a presença da máscara e de temas trágicos como
hybris, patético, incesto simbólico e presságios. Lygia Bojunga faz de Pollux, protagonista
do livro, um menino entregue ao ciúme que sente da mãe. Ele encontra refúgio dos efeitos
devastadores desta emoção na casa de um parente desconhecido: Pacífico. As histórias
afetivas de Pollux e Pacífico se entrelaçam, levando os dois a questionamentos e
apaziguamentos definitivos. Querida também trata de um tema recorrente na obra de Lygia,
a questão da arte. O teatro e a literatura se entrecruzam na vida das personagens. A
"Querida" do Pollux e as "Queridas" do Pacífico envolvem o leitor em uma trama intensa.
A metodologia consistirá na utilização de pesquisa bibliográfica, a qual possibilitou
embasamento teórico para a fundamentação do trabalho.

EJA: DESAFIOS NA PRODUÇÃO DE UM JORNAL ESCOLAR

Luisa Miyuki YOSHIKAWA (PG-UNOPAR)


luisayoshikawa@gmail.com

Este artigo relata a prática pedagógica desenvolvida na produção de um jornal escolar na


Escola Estadual Professor João Rodrigues da Silva – Londrina/PR. No espaço do jornal,
várias vozes sociais se manifestam, no entanto, somente o autor tem o poder de escolher o
significado que deseja imprimir para determinado enunciado, utilizando-se, dessa forma, de
recursos linguísticos específicos para chegar aos objetivos desejados. Sendo assim, as
atividades de letramento baseados em gêneros discursivos da esfera jornalística,
possibilitam aos alunos refletirem sobre as práticas sociais que ocorrem em situações
enunciativas concretas. Neste trabalho, tem-se por objetivo refletir sobre algumas questões
teóricas na análise dos gêneros discursivos produzidos pelos alunos, a partir das concepções
teóricas de Bakhtin. Busca-se compreender como as relações sociais são manifestadas por
meio das escolhas linguísticas. Esta pesquisa encontra-se em fase de execução e vem sendo
desenvolvida na Educação de Jovens e Adultos do Ensino Médio.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Rosemari Bendlin Calzavara.
94

rosemari.calzavara@unopar.br. Universidade Norte do Paraná – UNOPAR. Londrina.


Paraná. Brasil.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O GATO DE BOTAS (2011): UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O


TRABALHO COM GÊNERO DISCURSIVO FILME DE ANIMAÇÃO INFANTIL

Lyncoln Dias Machado CABRAL (G-UENP)


lyncolncabral@hotmail.com

Pautado nos estudos teóricos sobre gêneros discursivos e na perspectiva dialógica da


linguagem do Círculo de Bakhtin (1992, 2003), a presente comunicação visa apresentar
uma proposta metodológica para o trabalho com os gêneros discursivos a partir das três
dimensões apresentadas por Bakhtin – conteúdo temático, propósito comunicacional e
estilo, associada indissoluvelmente às condições de produção. Após apresentadas as
regularidades e instabilidades do texto enunciado O Gato de Botas (2011) será apresentada
uma proposta metodológica para o trabalho com o gênero discursivo filme de animação
infantil alicerçada em Gasparin (2011) e no Plano de Trabalho Docente – PTD. Vale
ressaltar que o presente trabalho está vinculado ao Grupo de Pesquisa Leitura – e Ensino -
CNPq da Universidade Estadual do Norte do Paraná – Campus Jacarezinho – PR e aos
projetos do grupo em pauta.
Trabalho orientado pelo Prof. Luiz Antonio Xavier Dias. laxdias@uenp.edu.br.
Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Jacarezinho. Paraná. Brasil.

SOLANO TRINDADE POÉTICA ENTRE O SAGRADO E O PROFANO: O


LIRISMO DO HOMEM EM UM MUNDO DE MISTÉRIOS

Maiara Fernandes SIQUEIRA (PG-UEL)


maiarasiqueiraniil@gmail.com

A relação entre sagrado e literatura está presente em muitas obras desde os escritos gregos
até a literatura contemporânea e perpassa construções artísticas num jogo de arte, reflexão e
espiritualidade. Neste trabalho, apontaremos como o poeta pernambucano Solano Trindade
(1908-1974) utiliza em sua escrita poética essas duas visões que se articulam entre mistério
e humano. Observaremos essa relação dentro das letras encantadas de Trindade, analisando
seus poemas e buscando em seu eu lírico essa voz que nos envolve nesse movimento entre
ancestrais, santos, prazer, amor, efêmero e infinito.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Maria Carolina de Godoy. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
95
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PINÓQUIO NO CINEMA: QUAL É A VERDADE?

Maíra Louise CARZINO (G-UEPG)


maira_carzino@yahoo.com.br

O presente trabalho tem por finalidade fazer a comparação da obra “As aventuras de
Pinóquio”, de Carlo Collodi, publicada primeiramente em 1883, e da versão
cinematográfica desta produzida pelos estúdios Walt Disney, lançada em 1940. O objetivo
desta pesquisa é perceber que alguns personagens e episódios presentes no livro foram
simplificados (ou simplesmente ocultados) ao passarem pela adaptação do romance em
animação, a fim de agradar ao público infantil. Para tanto utilizaremos como suporte-
metodológico autores que trabalham com a literatura infantil, como Nelly Novaes Coelho,
Fanny Abramovich e Bruno Bettelhein e teóricos que versam sobre as relações entre
literatura e cinema, como Rosangela Cavalcanti Nuto e Maria Eugênia Curado.
Trabalho orientado pelo Prof. Fábio Augusto Steyer. Universidade Estadual de Ponta
Grossa – UEPG. Ponta Grossa. Paraná. Brasil.

UM BOM BOCADO DE CONSERVADORISMO COM PITADAS DE


INVENTIVIDADE: O CADINHO SEMÂNTICO-LEXICAL DO ATLAS
LINGUÍSTICO-ETNOGRÁFICO DE ALAGOAS

Maranúbia Pereira Barbosa DOIRON (PG-UEL)


maranubiabarbosa@yahoo.com.br

O projeto de doutorado ATLAS LINGUÍSTICO-ETNOGRÁFICO DE ALAGOAS


(ALEAL), desenvolvido na Universidade Estadual de Londrina (UEL), sob a orientação da
Prof.ª Dr.ª Vanderci de Andrade Aguilera, e amparado nos suportes teórico-metodológicos
da Geolinguística (DAUZAT, 1922) e da Dialetologia Pluridimensional (THUN, 1998),
prioriza a descrição de fenômenos linguísticos em Alagoas. Numa rede de 21 pontos, com
dois informantes por localidade, foram entrevistados um homem e uma mulher na faixa
etária dos 30 a 50 anos. Nas seis cidades mais antigas do Estado foram quatro os
informantes na faixa etária dos 30 a 50, e 55 a 75 anos. O projeto é constituído de dois
corpora: questionários e discursos dirigidos. O primeiro corpus advém de respostas a:
Questionário Fonético-Fonológico (QFF), Semântico-Lexical (QSL), Morfossintático
(QMS) e Perguntas Metalinguísticas. Uma análise preliminar das respostas aponta para um
conservadorismo linguístico fortemente arraigado. Em contrapartida, há mostras de ousadia
e inventividade na linguagem.
96
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

NOMES POPULARES DE ORIGEM INDÍGENA PARA A FLORA DO ACRE

Marcelo SILVEIRA (UEL)


celosilveira@uel.br

No capítulo 7 – Glossário de Nomes Populares para a Flora do Acre – da obra Primeiro


catálogo da flora do Acre, Brasil (DALY; SILVEIRA, 2008), os autores mencionam o fato
de a etimologia dos nomes populares dados a elementos da flora revelar muito sobre a
cultura e sobre as próprias plantas, alertando botânicos e etnobotânicos a respeito do rigor
com que os nomes vernaculares devem ser considerados, comparando-os aos científicos,
bem como a respeito dos graves erros a que uma análise mal feita pode levar, no que tange
à correspondência entre espécies populares e científicas. Assim, como muitos inventários
feitos para elaboração de manejo são baseados unicamente em nomes populares, entende-se
que investigar a etimologia de termos constantes no glossário de nomes populares para a
flora do Acre, voltados especificamente às línguas indígenas, pode minimizar o problema
que tais nomes podem acarretar para os responsáveis por manejos, por exemplo.

ANALISANDO HISTÓRIAS DE LETRAMENTO DE PROFESSORES EM


FORMAÇÃO

Marcilene da SILVA (G-UEL)


marcileneartero@yahoo.com.br

Nas últimas décadas têm ocorrido muitas mudanças em relação ao perfil dos professores;
antes pertencentes às classes favorecidas da sociedade, hoje passam a ser recrutados das
camadas mais populares. Isto vem se refletindo na formação desses sujeitos que muitas
vezes chagam as universidades e se deparam com uma realidade completamente diferente
da vivenciada nas escolas. A partir dessa constatação, o presente artigo pretende investigar
as práticas de letramento em diversas esferas socioculturais de professores em formação do
curso de Letras Vernáculas e Clássicas da Universidade Estadual de Londrina - alunos do
4º ano (formandos 2012). Para este fim, serão analisadas 35 histórias de letramento
selecionadas a partir de um corpus construído por um conjunto de textos autobiográficos
com objetivo de apontar quais são as práticas mais relevantes na constituição do perfil de
letramento dos sujeitos pesquisados.
Trabalho orientado pela Profª Drª Ana Lúcia de Campos Almeida. Universidade Estadual
de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
97
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SUBVERSÃO DE GÊNEROS: UM MODO DE DIZER, UM MODO DE SER?

Marco Antônio SANT’ANNA (UNESP)


marco_santanna@hotmail.com

Propomo-nos verificar a pertinência da hipótese sobre a existência de um inter-relação entre


os conceitos de subversão de gêneros, cenografia e posicionamento, a partir do estudo do
corpus de Lucas 10: 25-37. Nesse caso, um dos enunciadores assume e busca a adesão a um
modo de ser, através de uma oposição entre um diálogo racional e um diálogo emocional,
instaurada por meio de um investimento genérico específico. Cabe-nos esclarecer que
procederemos nossa discussão sob a perspectiva da Análise do Discurso, na linha de
Maingueneau, que associa uma organização textual e um lugar social determinados,
relacionando-se, portanto, de maneira privilegiada com os gêneros do discurso. Nosso foco
incidirá na análise da mudança do curso da enunciação, como uma possibilidade de
subversão genérica, promovida pelo co-enunciador, com a finalidade de marcar seu
posicionamento ético, a partir de sinais emitidos pelo seu ouvinte.

SUBURBIA: O AFETIVO E O MIDIÁTICO NO SUBÚRBIO DE LUIZ FERNANDO


CARVALHO E PAULO LINS

Marcos dos SANTOS (PG-UEL)


msanator@hotmail.com

A relação entre o sujeito e a mídia é tão intensa, que se debruçar sobre ela sempre leva o
indivíduo a refletir sobre qual seu real poder, em que nível um meio de comunicação, como
a televisão, por exemplo, é dotado de poder discursivo para colaborar e fazer parte de nossa
constituição identitária. Deste modo, busca-se com a presente comunicação analisar a
minissérie Suburbia exibida em oito capítulos em novembro de 2012 pela Rede Globo de
Televisão de autoria de Paulo Lins e Luiz Fernando de Carvalho, buscando entender como
no presente bem simbólico, de caráter autoral, se manifestam elementos da cultura popular,
erudita e massiva, além de evidenciar o papel da música popular brasileira e da televisão
para a construção discursiva do que se acredita ser o Brasil.
98
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

VÁRIAS VOZES EM CRÔNICA DA CASA ASSASSINADA

Marcos Hidemi de LIMA (UTFPR)


marcos_hidemi@yahoo.com.br

Em 1959, Lúcio Cardoso (1912-1968) publicava Crônica da casa assassinada, romance de


atmosfera densa, desesperadora, angustiante, sufocante, sobre a erosão das tradições
patriarcais mantidas pelo clã dos Meneses, desencadeada pela presença incômoda de Nina e
pela figura enigmática de Ana. Tecidas de várias vozes narradoras que tentam empreender
uma tentativa de estabelecer a verdadeira história de Nina, percebe-se que somente podem
dar conta da relatividade da verdade, pois cada uma das narrativas consegue apreender
apenas uma das facetas desta bela e singular mulher que desperta tanto sentimentos de
admiração quanto irreprimíveis desejos sexuais entre os moradores da Chácara dos
Meneses.

MARCAS FONOLÓGICAS EM TEXTOS DE ALUNOS DO ENSINO


FUNDAMENTAL – EJA

Margaret de Lourdes VOLPONI (PG-UEM)


margaret.volponi@gmail.com
Maria Mônica Gimenez BERTI (PG-UEM)
monicagberti@hotmail.com
Luciane Braz Perez MINCOFF (UEM)
lucianebrazperez@yahoo.com.br

Esta pesquisa analisa algumas marcas fonológicas, muitas vezes consideradas “erros”,
encontradas em texto de alunos do ensino fundamental – EJA. A partir de teorias de estudos
fonológicos, a pesquisa investiga como os textos são apresentados mostrando como o aluno
da EJA, na segunda fase do ensino fundamental, ao produzir texto espontâneo, se apega às
regras que revelam usos possíveis do sistema de escrita do português. O objetivo desta
análise foi mostrar porque e como os alunos cometem tais erros e oferecer aos professores
uma amostragem que lhes possa ser útil para aplicação. Muitas vezes, as dificuldades de
leitura e/ou produção escrita advêm do desconhecimento da língua, da interferência de
traços da oralidade/fonologia e erros que se explicam.
99
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ENTRE EDITORES E ESCRITORES: PAULA BRITO E ANTONIO TEIXEIRA E


SOUZA

Maria Helena de Moura ARIAS (UEL)


helenarias@uel.br

As primeiras décadas do século XIX foram especialmente cruciais para o desenvolvimento


do mercado livreiro no Brasil. A chegada de D. João VI, e sua corte em 1808 em uma
cidadezinha com 50 mil habitantes proporcionou muitas mudanças. No Rio de Janeiro deste
início de século havia apenas 126 lojas, sendo quatro delas livrarias. Entre outras
contribuições, o comércio foi um dos mais beneficiados e, neste caso específico, as livrarias
se multiplicaram. Em 1831, portanto, após a Independência do Brasil, o país tem sede de
conhecimento, mas o número de analfabetos é altíssimo. Foi neste cenário que Francisco de
Paula Brito adquiriu a sua Livraria e, posteriormente, teve ao seu lado, como fiel auxiliar, o
escritor Antonio Teixeira e Souza, autor do que foi considerado o primeiro romance
brasileiro “O Filho do Pescador”.

SADE CONTRA A PENA DE MORTE

Maria Letícia Turquino TURATTO (G-UEL)


let20013@gmail.com

O trabalho tem por objetivo mostrar o posicionamento de Marquês de Sade contra a pena
de morte imposta pelo o Estado, no qual o autor defende a moderação das leis por parte do
ente estatal tendo por base o panfleto, “Franceses, mais um esforço se quereis ser
republicanos” contido no livro A filosofia na Alcova do Sade, escrito após a Revolução
Francesa. Nesse trabalho, o autor deixa explícito o posicionamento contrário à sanção
capital, que aparenta ser contraditório frente à notoriedade do escritor, conhecido por seus
livros pornográficos e pelos substantivo e adjetivo, criados a partir de seu nome “sadismo”
e “sádico”. Assim, a partir de uma pesquisa de cunho bibliográfico, em que se recorre à
leitura das obras do próprio escritor e de seus comentadores, procura-se conhecer outra
vertente do escritor, a política, diversificando o que se encontra sobre Sade comumente, a
vertente erótica.
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Gabriel Giannattasio. Universidade Estadual de Londrina
– UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
100
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A EXPERIÊNCIA DE PROFESSORES NO PDPI: UMA ANÁLISE DE


IDENTIDADES EM TRANSFORMAÇÃO

Maria Virginia Brevilheri BENASSI (UTFPR/SEED)


mavi.benassi@hotmail.com

O trabalho em pauta tem como foco abordar alguns preceitos teóricos sobre a identidade
profissional de professores de língua inglesa que participaram do programa PDPI
(Programa de Desenvolvimento para professores de Língua Inglesa) e como o contexto
desses profissionais é socialmente construído mediante a perspectiva da Abordagem
Comunicativa. Portanto, tal pesquisa visa identificar traços da identidade do professor de
inglês não nativo, considerando toda sua formação identitária. A partir dessa concepção,
sabemos que o exercício docente carece de um aprofundamento teórico e prático. Diante de
tal realidade, o programa PDPI oferece oportunidades tanto para o desenvolvimento
linguístico, quanto metodológico, buscando atividades inovadoras as quais visam estimular
a prática de habilidades em língua inglesa de forma interativa.

DICIONÁRIO E FUTUROS PROFESSORES DE ESPANHOL COMO LÍNGUA


ESTRANGEIRA: USOS E NECESSIDADES

Mariana Daré VARGAS (PG-UNESP/FAPESP)


marianadarevargas@yahoo.com.br

Este trabalho situa-se no âmbito da Lexicografia Pedagógica e apresenta a relação de


aprendentes brasileiros de Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE) com os dicionários
nas aulas de língua espanhola. Para tanto, apoia-se na análise de uma enquete realizada com
alunos brasileiros, futuros professores de E/LE, de uma universidade pública do Norte do
estado do Paraná. Os participantes da pesquisa, quatorze estudantes, responderam a um
questionário que continha dezenove perguntas abertas e fechadas. Este instrumento de
pesquisa teve como base o estudo de Azorín Fernández (2007, p. 185). Conclui-se que falta
“intimidade” (VITAL, 2006) dos aprendentes com as obras lexicográficas, revelando, a
necessidade de que haja maior integração do dicionário nas aulas de espanhol, posto que é
um material didático que pode potencializar sobremaneira o ensino e aprendizagem de uma
língua.
101
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PROFESSOR-PESQUISADOR: DEFINIÇÃO DE CONCEITOS, ANÁLISE E


FORMAÇÃO DO PERFIL DOS PROFESSORES DE LETRAS DA
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ

Mariana Iório CASTANHEIRO (G-UENP)

O presente trabalho analisa através de um questionário os professores do curso de Letras da


UENP, Universidade Estadual do Norte do Paraná, campus de Cornélio Procópio. O
objetivo do mesmo é definir alguns conceitos sobre o professor-pesquisador, e em seguida
analisar o trabalho dos professores, formando um perfil desses educadores. O trabalho
justifica-se, pois, há uma recente fomentação sobre esse tema, mesmo seus conceitos sendo
antigos. O que acontece é que nos documentos oficiais é apresentado como perfil ideal
aquele que é professor e ao mesmo tempo um pesquisador de sua própria prática. O que se
espera é mapear o trabalho realizado pelos professores de um curso de licenciatura para a
formação de alunos com esse perfil pesquisador.

ANÁLISE PLURIDIMENSIONAL DAS DESIGNAÇÕES PARA GALINHA


D’ANGOLA A PARTIR DOS DADOS DO PROJETO ALiB

Mariana Spagnolo MARTINS (G-UEL)


mariana.spagnolo@hotmail.com

Esta pesquisa está inserida no campo dos estudos lexicais e vinculada ao Projeto Atlas
Linguístico do Brasil. O Projeto ALiB está fundamentado nos pressupostos teórico-
metodológicos da Geolinguística Pluridimensional. Portanto, este trabalho propõe: (i) fazer
um levantamento das variantes regionais para a galinha -’d angola, no corpus coletado por
meio das respostas dadas à questão 67 do Questionário Semântico-Lexical (QSL) do ALiB
(COMITÊ NACIONAL, 2001), nas localidades do interior dos estados de Mato Grosso e
Mato Grosso do Sul; (ii) analisar as variantes segundo as variáveis extralinguísticas: sexo
(masculino e feminino) e faixa etária (18 a 30 e 50 a 65 anos; (iii) verificar se todas as
formas estão dicionarizadas nas principais obras lexicográficas e como são tratadas pelos
lexicógrafos: brasileirismos, regionalismos, formas populares, entre outras. Dessa forma,
este trabalho poderá contribuir com outros estudos lexicais na busca de uma descrição do
Português Brasileiro falado nas diversas regiões de nosso país.
Trabalho orientado pela Profª Drª Vanderci de Andrade Aguilera.. Universidade Estadual
de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
102
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A EDUCOMUNICAÇÃO NA SIMBOLOGIA ARQUETÍPICA DA MARCA


NATURA

Mariangela Barbosa Fazano AMENDOLA (UNOESTE)


mariangelafazano@gmail.com

O presente estudo pretende realizar uma breve análise do conteúdo da campanha “Toda
relação é um presente”, de cunho institucional da marca Natura. A análise buscará
identificar a presença de arquétipos predominantes e subjacentes à marca e, então observar
o possível impacto dessa comunicação em relação à educação, aos comportamentos,
valores sociais e na condução do imaginário. Para tanto, será utilizado o método
estruturalista da Semiótica francesa de Algirdas Julien Greimas, especificamente os
conceitos de Temas e Figuras, para constatar a ancoragem ideológica efetivada pela
enunciação da mensagem escolhida, na tentativa de provar, por meio do raciocínio
hipotético-estrutural que o discurso tem conteúdo latente e educativo.

A SEQUÊNCIA DIDÁTICA E AS FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO: RELAÇÕES


POSSÍVEIS

Marileuza MIQUELANTE (PG-UEL)


mikelante@gmail.com
Claudia Lopes PONTARA (PG-UEL)
clpontara@gmail.com
Rosinalva Ordonia da SILVA (PG-UEL)
rosinalva.ordonia@gmail.com

O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da análise da implementação de


sequências didáticas (SD) em três contextos de ensino de Língua Estrangeira (LEM):
Educação Básica, Centro de Línguas e Ensino Superior, procurando estabelecer uma
relação entre as funções da avaliação e os diferentes momentos avaliativos que permeiam a
SD. Para tanto, fundamentamos nosso trabalho nos pressupostos teórico-metodológicos do
Interacionismo Sociodiscursivo (ISD) (BRONCKART, 1997/2007), do ensino de gêneros e
capacidades de linguagem (SCHNEUWLY E DOLZ, 2004; MACHADO, 2004;
MACHADO e CRISTOVÃO, 2006; CRISTOVÃO, 2009), da Sequência Didática
(SCHNEUWLY, DOLZ E NOVERRAZ, 2004), da avaliação atendendo às suas diferentes
funções: diagnóstica, formativa, somativa (SOUZA, 2012; GONÇALVES, 2011;
GONÇALVES E BARROS, 2010; FURTOSO, 2008, 2012; SCARAMUCCI, 1998/1999,
103

2006). Os resultados obtidos demonstram que as SD podem contribuir para que a avaliação,
por meio de suas diferentes funções, cumpra o seu papel emancipatório no processo de
ensino e aprendizagem de LEM.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO: COMPREENDENDO O PROFESSOR-


PESQUISADOR POR MEIO DAS PESQUISAS DESENVOLVIDAS NO BRASIL

Marilice Zavagli MARSON (G-UENP)


marilicemarson@gmail.com

Temos por pressuposto que a pesquisa é essencial na formação do professor e


compreendemos que, pesquisando, o docente produz conhecimentos juntamente com os
seus alunos. De acordo com a literatura, o ato de investigar é (ou deveria ser) a base da
educação escolar (DEMO, 2011). Por conseguinte, este trabalho objetivou delinear o estado
da arte sobre a constituição identitária de professores-pesquisadores, com foco na área de
língua inglesa. Além disso, temos como metodologia de análise a pesquisa qualitativa de
cunho bibliográfico (REIS, 2008). Assim, analisamos 62 trabalhos, dos quais seis foram
pertinentes ao escopo desta pesquisa. Em consonância a isso percebemos a limitação de
trabalhos referentes ao campo de Linguística Aplicada e Língua Inglesa.

UMA LEITURA DA PEÇA A MEGERA DOMADA EM COMPARAÇÃO COM A


RELEITURA NA TELENOVELA O CRAVO E A ROSA

Marinez Andrade do NASCIMENTO (PG-UEL)


marinezandradenascimento@bol.com.br
Tiago Henrique SALOMÃO (G-UEL)
tiagosalomao@hotmail.com

Este artigo tem por propósito analisar a conexão literatura/telenovela entre a peça “A
Megera Domada” (1593), de William Shakespeare, e sua versão para a telenovela “O Cravo
e a Rosa” (2000), do autor Walcyr Carrasco e Mário Teixeira, a fim de detectar relações
existentes entre literatura e a semiose dentro do fenômeno cultural “Telenovela”. Nessa
perspectiva, este estudo abordará considerações teóricas de Barros (2011) e Cope;
Kalantizis (2006). Para isso, apresenta-se uma breve análise entre o texto-fonte e a
telenovela, com o objetivo de frisar os elementos da semiótica de base greimasiana.
104
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A IMPORTÂNCIA DO CENÁRIO E FIGURINO NA CONSTRUÇÃO DOS


PERSONAGENS EM ADAPTAÇÕES FÍLMICAS DO ROMANCE WUTHERING
HEIGHTS, DE EMILY BRONTË

Mariza TULIO (UEPG)

O objetivo deste trabalho é apresentar uma análise sobre a importância do cenário e do


figurino na construção dos personagens, refletindo assim suas personalidades e
características em adaptações fílmicas como a de Peter Kosminsky de 1992, William WIller
de 1939 e versões mais contemporâneas sobe o romance Wuthering Heights, escrito por
Emily Brontê em 1847.

A PERSPECTIVA POLIFÔNICA EM SLOGANS DA REVISTA VEJA

Mayara Yukari KATO (PG-UEL)


mayara.yk@gmail.com

Este trabalho, vinculado ao projeto “PAD – Pesquisas em Análise do Discurso”, da


Universidade Estadual de Londrina, se justifica dentro do âmbito dos estudos da
enunciação, tendo como objetivo analisar a teoria polifônica da enunciação, desenvolvida
por Oswald Ducrot (1987), em dois slogans da Revista Veja, um dos veículos de
comunicação de maior circulação do país, a fim de identificar as vozes presentes nesses
slogans e o que elas podem indicar a respeito dessa revista. Trata-se de slogans veiculados
em épocas próximas, porém distintas. Dessa forma, serão verificadas, na análise desses
slogans, as vozes que constituem e sustentam a publicidade dessa revista, revelando-se,
portanto, o posicionamento (inclusive ideológico) desse veículo, levando em conta o
contexto histórico ao qual se inserem. Assim, espera-se com este trabalho contribuir para os
estudos acerca da polifonia sempre presente nos discursos.

ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO DA FACE NO DISCURSO DE


PROFESSORES SOBRE SUA PROFISSÃO

Michele Ester de Moura Campos FURLAN (PG-UFMS)


Michele-furlan@hotmail.com
105

Este trabalho visa a analisar alguns recursos linguísticos empregados por professores de
língua inglesa em discursos orais sobre sua profissão os quais operam como estratégias de
preservação da face. O corpus é constituído por trechos de entrevistas com professores
Página

brasileiros de inglês. A pesquisa segue o método empírico-indutivo e o arcabouço teórico


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ancora-se nos conceitos da Análise da Conversação, tendo como base os trabalhos


elaborados por Goffman (1970) sobre preservação da face. Os resultados mostraram que os
professores combinam certos elementos linguísticos e utilizam determinadas estratégias a
fim de promover o efeito de sentido pretendido em sua fala. Por meio de escolhas lexicais
adequadas e marcadores de hesitação e de atenuação, os locutores abrandam efeitos de
sentido negativos a fim de preservar sua imagem positiva de professor.

A SIMPÁTICA INCUMBÊNCIA MALÉFICA DE SATÃ EM MACÁRIO, DE


ÁLVARES DE AZEVEDO

Miréia Aparecida Alves do VALE (PG-UEL)


mireiavale@hotmail.com

O objetivo do trabalho consiste em realizar uma análise sobre o personagem Satã, da peça
Macário (1855), de Álvares de Azevedo, considerando sua influência direta na trajetória do
protagonista. Para tanto, serão considerados aspectos como as características peculiares do
Mal disfarçado em Bem, relações do diabo com o ser humano, materialização nas mais
belas formas com o intuito de seduzir e a figuração deste na literatura, além da morte como
tema recorrente quando se trata das representações do maligno. No decorrer da proposta,
buscaremos mostrar como o Mal se faz presente em sutis detalhes e em como não se pode
perceber sua astúcia e manipulação até que se encontre diante da inexorabilidade da morte,
seja a sua própria ou daqueles com quem se importa.

SILÊNCIO E SENSAÇÕES: A LINGUAGEM NO ROMANCE O LUSTRE (1946),


DE CLARICE LISPECTOR

Moisés Gonçalves dos SANTOS JÚNIOR (PG-UNESP)


moises_jr3@hotmail.com

Em seu segundo romance, O lustre, publicado no ano de 1946 e pouco discutido e


compreendido pela crítica da época e também pela contemporânea, Clarice Lispector
consegue atingir a simbiose perfeita entre forma e conteúdo para dar vida à múltipla
protagonista Virgínia. O estudo em questão tem por premissa maior identificar e analisar
alguns dos recursos estilísticos que compõem a tessitura dessa obra clariciana, que acabam
por conferir a esta uma estética impressionista única, em que a linguagem se transforma em
veículo de múltiplas sensações evanescentes e, ao mesmo tempo, se contorce na batalha de
106

exprimir o inefável da complexa vida interior da personagem feminina.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A SUBJETIVIDADE DA LINGUAGEM: UMA ANÁLISE DO PRÓLOGO DA


GRAMMATICA EXPOSITIVA (CURSO SUPERIOR) DE EDUARDO CARLOS
PEREIRA

Nadia PRANDINI (PG-UEL)


nadia.prandini10@gmail.com

Este trabalho apresenta uma análise do Prólogo da primeira edição da Grammatica


Expositiva (curso superior), de Eduardo Carlos Pereira, publicada em 1907. Analisamos os
elementos dêiticos que, segundo Benveniste (2005), constituem a subjetividade da
linguagem. Focalizar os estudos nas produções gramaticais científicas de E. C. Pereira nos
possibilita observar as influências políticas, históricas, ideológicas, a constituição e a
descrição das regras da Língua Portuguesa, propostas pelo autor. O objetivo do trabalho é
analisar o processo de enunciação, o modo como o enunciado foi elaborado pelo autor, que
demonstra a sua posição no discurso, por meio dos dêiticos. Este trabalho articula-se com a
História das Ideias Linguísticas no Brasil, que tem entre seus objetivos o estudo das
tecnologias linguísticas.

OS CONTOS DE FADAS DE CHARLES PERRAULT : UM ESTUDO SÓCIO-


HISTÓRICO DO CONTO LE CHAT BOTTÉ

Natália GODOY (G-UEM)


natyy_godoyy@hotmail.com
Aline Aparecida da SILVA (G-UEM)
Margarida da Silveira CORSI (UEM)
mscorsi@uem.br

Esta pesquisa, vinculada ao Grupo de Pesquisa “Língua e literatura: interdisciplinaridade e


docência (UNIFESP)” e ao projeto de pesquisa “A narrativa francesa como suporte para a
aprendizagem de FLE. É possível encontrar novos caminhos?” propõe o estudo do conto de
fadas Le Chat Botté, de Charles Perrault, partindo da análise centrada na teoria literária dos
gêneros e, em seguida, nos três pilares constitutivos de gêneros discursivos – conteúdo
temático, estilo e estrutura composicional –, para apreender as características das
personagens centrais dos contos, segundo os conceitos da teoria literária expandidos para os
conceitos de Bakhtin (1992; 2010). Pretende-se com a proposta traçar um percurso de
análise da narrativa literária baseado no conceito de gêneros literários expandido para o
conceito de gêneros do discurso.
107
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O USO DE CINEMA NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA

Natalia Luri Arimori RIBEIRO (G-UEL)


natyluri@hotmail.com

O uso de cinema como instrumento de ensino de língua estrangeira tem sido objeto de
estudo de Fabris (2008); Araujo e Voss (2009); Sarmento (2004). Assim, este estudo
objetiva mapear a literatura sobre o uso de cinema nas aulas de língua inglesa. Como parte
das atividades desenvolvidas em um grupo do Pibid de Letras-Ingles, este trabalho tem o
objetivo de subsidiar uma proposta de intervenção nas aulas de língua inglesa. O referencial
teórico que embasa essa proposta é o de Araujo e Voss (2009). Desse modo, apresento os
trabalhos existentes sobre a temática. Os resultados de uma análise preliminar indicam que
a literatura tem apontado que o uso do cinema das aulas de LI favorece a inserção de temas
globais, a motivação e o desenvolvimento de pensamento crítico.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Michele Salles El Kadri. misalles@uel.br. Universidade
Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A LEITURA DE TEXTOS INSTRUCIONAIS EM LIVROS DIDÁTICOS:


RELAÇÕES COM AS CONCEPÇÕES TEÓRICAS DE LEITURA

Nataly Gurniski ROSA (PG-UEM)

Neste trabalho, procuramos desenvolver uma reflexão sobre as propostas de leitura de


textos instrucionais em livros didáticos de Ensino Fundamental e Médio, a fim de
compreender como são contempladas, caracterizadas e apresentadas as concepções de
leitura nessas propostas num gênero discursivo específico. Nesta pesquisa de natureza
qualitativa interpretativista, os pressupostos teóricos estão pautados nas concepções de
dialogismo, interação, enunciado, responsividade e gênero discursivo, postulados pelo
Círculo de Bakhtin. Também relacionamos esses conceitos com os estudos de Linguística
Aplicada sobre leitura, realizados por pesquisadores como: Kleiman (1993), Leffa (1996),
Solé (1998), Koch e Elias (2009), Antunes (2009), Menegassi (2010) e Coracini (2010).
Dessa forma, procuramos responder à pergunta: como é proposto o ensino de leitura do
gênero discursivo texto instrucional em livros didáticos? Para isso, abordamos as
concepções de leitura, analisando quais gêneros de caráter instrucional são abordados pelo
livro didático, o encaminhamento didático para a sua leitura, a proposta de leitura e as
condições de produção. Os resultados das análises demonstram: a) existência de carência de
108

propostas de leitura de textos instrucionais no livro didático; b) trabalho com oralidade não
está constituído nas propostas analisadas; c) enquadramento das propostas em todas as
concepções de leitura; d) comandos de leitura enfocando emprego exclusivo de gramática;
Página

e) comando de leituras estabelecendo comparações entre dois textos de caráter instrucional;


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

f) atividades lúdicas e leituras, servindo apenas de pretexto para a escrita; g) objetivo de


leitura centrado no professor. Esses resultados evidenciam que o gênero analisado necessita
de melhor entendimento sobre como ser trabalhado em situação de ensino de leitura, para
isto necessita de pesquisas específicas.
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Renilson José MENEGASSI. renilson@wnet.com.br.
Universidade Estadual de Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.

CULTURA NA AULA DE LÍNGUA: TEORIA E ANÁLISE DE LIVRO DIDÁTICO

Natan Gonçalves FRAGA (PG-UEL)


natanfraga@hotmail.com

A adoção de um livro didático passa por critérios que nem sempre são suficientes para
evidenciar o mais ajustado ao público a que se dirige. Nesta pesquisa, procuramos
evidenciar a importância dos aspectos culturais no ensino de línguas
estrangeiras/adicionais. Baseamo-nos no princípio que língua e cultura são inseparáveis e,
por isso o objetivo deste trabalho é trazer à tona o que os teóricos dizem sobre a inserção de
aspectos culturais em sala de aula, bem como analisar três coleções de livros didáticos de
espanhol (Enlaces: español para jóvenes brasileños, 2012; Síntesis: curso de lengua
española, 2012; Eco: curso modular de español lengua extrangera version brasileña, 2005)
elaboradas para o aprendiz brasileiro, com o intuito de verificar se tais livros contemplam
elementos culturais e de que forma o fazem. Ressaltamos que duas coleções foram
aprovadas pelo Programa Nacional do Livro Didático.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

ÀS VOLTAS DO SUBÚRBIO: ROMANCE E EXPERIMENTAÇÃO EM


FERNANDO BONASSI

Natasha Fernanda Ferreira ROCHA (PG-UEL)


natashafernanda5@hotmail.com
Adenize Aparecida FRANCO (UENP)
adenizeafranco@gmail.com

Muitas são as discussões acerca da forma romance e de seu caráter híbrido e metamórfico.
As explanações estendem-se desde as primeiras considerações publicadas sobre o gênero,
109

com Hegel e Lukács, até a especulação de sua morte. Na contemporaneidade, é perceptível


que tal tipo de obra encontra-se em um período de plena produção, assim, o declínio do
romance pode ter sido aventado, mas a sentença de morte não pode lhe ser aplicada. Este
Página

artigo pretende, à luz de algumas teorias e exames, propor uma reflexão sobre como se
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

encontra a produção contemporânea, tomando como exemplo de análise a obra Subúrbio


(2006), do autor brasileiro Fernando Bonassi.

ESTUDO SOBRE A ARGUMENTAÇÃO PRESENTE EM TEXTOS


PUBLICITÁRIOS VEICULADOS EM JORNAIS

Nelson KELLER (SEED/PR)


nelsonkeller@sercomtel.com.br

O jornal é um meio de comunicação que não deixou de atrair leitores de várias faixas
etárias, não obstante o advento das novas formas de mídia. Esse veículo de comunicação
tem sido instrumento de publicação e divulgação de propaganda de coisas, ideias, enfim, de
tudo o que se quer tornar conhecido de um grande público. A propaganda que se utiliza da
linguagem verbal e não verbal veiculada em textos de jornais torna-se argumentativa e
procura atrair um público alvo. Dessa forma, analisando a linguagem utilizada na
propaganda, nosso trabalho tem como objetivo demonstrar, por meio de análise linguística
de textos de marketing, aspectos argumentativos presentes nos anúncios publicitários em
jornais de grande circulação nacional.

O ENSAIO NA ESFERA LITERÁRIA: REGULARIDADES E INSTABILIDADES

Neluana Leuz de Oliveira FERRAGINI (PG-UEL/CAPES/UNESPAR)


neluanaferragini@gmail.com

O presente trabalho tem por objetivo apresentar a análise do gênero discursivo ensaio na
esfera literária, estabelecendo regularidades e instabilidades da modalidade discursiva. Para
tanto, como suporte teórico, recorre aos pressupostos do Círculo de Bakhtin, em especial no
que concerne aos conceitos de gêneros discursivos e suas dimensões. No intuito de se
instituir as características que constituem/determinam/distinguem o gênero em pauta foram
analisados aspectos relativos ao contexto de produção, construção composicional, conteúdo
temático e marcas linguísticas e enunciativas. O estudo das marcas do gênero em foco
permite apresentar uma categorização do ensaio no campo literário, possibilitando seu
estudo mais profícuo em sala de aula. A proposta de trabalho em tela divulga resultados do
projeto de pesquisa “Análise linguística e Plano de Trabalho Docente: gêneros das esferas
literária, midiática e acadêmica”, coordenado pela Profª. Dra. Alba Maria Perfeito.
110
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LITERACIA: A LEITURA DE MUNDO A FAVOR DO APRENDIZADO

Nilson Douglas CASTILHO (Colégio Marista de Londrina)


ncastilho@marista.org.br

O presente trabalho trata da execução de um projeto interdisciplinar, desenvolvido para o


III Congresso Virtual Marista. Com base nas relações semânticas e políticas envolvidas no
conceito de leitura de mundo e, mais diretamente, na própria concepção do termo literacia,
o projeto propiciou a alunos de 9° ano uma experiência acadêmica que promoveu uma
análise de como o ser humano vem empregando, em situações específicas, a competência
leitora e escritora. Com isso, os alunos puderam compreender como o uso da linguagem
verbal e não verbal é importante para estabelecer uma democratização do saber e uma
formação de posicionamentos frente às práticas sociais. Além disso, o trabalho visa
apresentar como as novas tecnologias podem contribuir significativamente para o
aprendizado, tendo em vista algumas atividades desenvolvidas por meio de uma mídia
digital.

LETRAMENTO LITERÁRIO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES NO CONTEXTO


ESCOLAR

Poliana Rosa Riedlinger SOARES (G-UEL)


polianarrs@hotmail.com

O letramento literário consiste em uma das práticas de maior complexidade dentro do


contexto escolar, tendo em vista que vai muito além de uma habilidade concreta de leitura e
produção de texto, pois se trata de oferecer sentido ao mundo através das palavras, de
formar um leitor capaz de inserir-se em uma comunidade, de manipular seus instrumentos
culturais e construir um sentido não somente para si, mas para o mundo em que vive. Neste
contexto, o professor configura-se como elemento chave para o sucesso dessa prática,
sendo ele capaz de buscar estratégias de ensino e interação, ou seja, o elemento mediador
entre o letramento literário e o educando. Assim, através de um estudo bibliográfico, a
presente pesquisa objetiva: caracterizar as principais dificuldades do letramento literário
nas práticas do contexto escolar e mostrar a sua relevância como prática social na
constituição do sujeito-leitor em interação com o mundo.
Trabalho orientado pela Profª Drª Ana Lúcia de Campos Almeida. analucpos@gmail.com.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
analucpos@gmail.com
111
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O MUNDO TRADUTOLÓGICO DE HARRY POTTER SOB A PERSPECTIVA DA


CRÍTICA GENÉTICA

Pollyanna dos Reis VERGARA (PG-UEL)


pollyannavergara@gmail.com

O mundo da tradução profissional é desconhecido pela maioria das pessoas. Apesar de


lidarmos constantemente com textos traduzidos, desde bulas e manuais até livros e filmes, a
grande maioria dos consumidores dessas traduções não tem ideia do que se passa no
escritório do tradutor. Lia Wyler, renomada tradutora literária da série de livros Harry
Potter, conseguiu através de seu belíssimo trabalho ter destaque e, assim, desvendar um
pouco do processo que deu fruto à tradução dessa série infanto-juvenil tão famosa.
Apresentaremos nesta comunicação parte de um artigo escrito por Wyler em que ela expõe
como fez determinadas escolhas tradutológicas dentro desse seu trabalho. Usaremos como
base teórica e metodológica a Crítica Genética, ciência que se dedica a estudar o processo
de criação artística, para embasar nossa ideia de que o trabalho do tradutor pode sim ser tão
artístico quando o do escritor.

MARCAS DE ALÇAMENTOS VOCÁLICOS EM DOCUMENTOS DAS ANTIGAS


VILAS DE CURITIBA E CASTRO

Priscila Ceballos VASQUES (G-UEL)

O presente estudo objetiva analisar a presença de alçamentos vocálicos da vogal média-alta


/e/ para a vogal alta /i/, no corpus que se constitui por manuscritos das antigas vilas
paranaenses de Curitiba e Castro, datados entre os anos de 1700 e 1800 e que fazem parte
do banco de dados do Projeto Léxico Histórico do Português Paranaense. Trata-se de cerca
de 200 fólios de onde foram extraídas ocorrências de alçamento como em sirvisso, milhor e
affiriçam. Há estudos sobre o alçamento das vogais médias pretônicas em (CÂMARA
JÚNIOR, 1970; ABAURRE-GNERRE, 1981; BISOL, 1981; COUTINHO, 1986; VIEGAS,
1987, entre outros), todos baseados em corpora atuais. Nesta pesquisa, porém, investigamos
os contextos linguísticos (vogais precedente e seguinte; posição em relação à vogal tônica,
posição na palavra) e extralinguísticos (data e local do documento), para verificar se as
causas que levam ao alçamento nesses corpora antigos se assemelham às registradas em
dados atuais.
Trabalho orientado pela Profª Drª Vanderci de Andrade Aguilera. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
112
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A ESCRITURA DA SUBJETIVIDADE ERRANTE NO CONTO “REINVENÇÃO


DE LÁZARO”, DE SAMUEL RAWET

Ramon Guillermo MENDES (G-UEPG)


ramon_pesquisa@hotmail.com

O presente trabalho analisa o conto “Reinvenção de Lázaro”, do escritor brasiliense Samuel


Rawet, buscando compreender como o processo de escrita do outro é também um processo
de escrita de si. No conto somos apresentados ao personagem escritor Yehuda Bitterman,
que persegue a perfeição no narrar tentando distanciar-se do objeto de escrita: o
personagem “Tião” que compõe sua narrativa. Em meio a uma reflexão, Yehuda descobre
que a arte de escrever é um processo de escrita sobre si mesmo quando, em um passeio pela
cidade, chega à conclusão de que ele mesmo é “Tião”. O leitor então descobre que existe
um conto dentro do próprio conto, a “Reinvenção de Lázaro” é a obra também de Yehuda
sobre “Tião”. A leitura será costurada pelas noções de Différrance e Traço de Jacques
Derrida e existência exilada de Jean-Luc Nancy, compreendendo o papel da linguagem na
errância da subjetividade.
Trabalho orientado pela Profª.Drª Keli Cristina Pacheco. Universidade Estadual de Ponta
Grossa – UEPG. Ponta Grossa. Paraná. Brasil.

LITERATURA E CINEMA EM PROL DO ENSINO DE LÍNGUAS


ESTRANGEIRAS: TRANSPOSIÇÃO DA TEORIA PARA A PRÁTICA EM SALA
DE AULA

Raquel Bicalho de Carvalho BARRIOS (PG-UEL)


raquelbicalho@hotmail.com

O texto literário retrata momentos históricos e culturas particulares, possibilita


compreender ideologias, colabora para o crescimento intelectual e político e permite ao
leitor imprimir um significado autônomo a cada leitura. Por esses fatores, a literatura
configura-se como um recurso indispensável no processo de ensino e aprendizagem de
idiomas. Compreendemos que conhecer outra língua é aprender a ver o mundo pelos olhos
do outro, do estrangeiro, é ser outro sujeito. Em sala de aula, deveríamos analisar o texto
literário como uma expressão da atividade humana, de maneira reflexiva e completa,
colocando-nos como mediadores idiomáticos e culturais e não o empregando como pretexto
para explorar aspectos linguísticos. Dessa forma, esta pesquisa tem como objetivo refletir
sobre o uso da literatura (LAJOLO, 1985, 1993; NOGUEIRA, 2012) de maneira
113

significativa no ensino de LE. Pretendemos apresentar, também, propostas didáticas nas


quais o trabalho com o texto pode ser realizado, complementado ou comparado com filmes.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A ÉTICA ANIMAL EM CLARICE LISPECTOR

Rayssa Almeida GASPAR (G-UEM)


raylarina@gmail.com

A comunicação tem como objetivo estudar o pensamento animalista na obra de Clarice


Lispector. Por “pensamento animalista” estamos nos referindo ao conjunto de
conhecimentos das diferentes ciências que propõem o fim da exploração dos animais não
humanos e a entrada deles na esfera da Ética e do Direito. A Ética Animal possibilitará a
compreensão do pensamento biocêntrico e humanista expresso na obra de Clarice e que
antecedeu, inclusive, à própria existência desse conjunto do saber, a Ética Animal, que
surgiu no Brasil na década de oitenta. Os teóricos que embasarão a interpretação da autora
são os mais expressivos filósofos da Ética Animal: Peter Singer com Libertação Animal,
Sônia T. Felipe com Ética e Experimentação Animal, e Tom Regan com Jaulas Vazias.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Evely Vânia Libanori. lieveorama@gmail.com.
Universidade Estadual de Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.

LINGUAGEM TECNOLÓGICA: OS JOGOS E O LETRAMENTO

Renata Angélica França MENDES (PG-UFMG)


ramoacmo@yahoo.com

As novas tecnologias trouxeram um aprimoramento nos instrumentos de ensino utilizados


em sala de aula. A escola precisa estar preparada para poder preparar seus alunos para
sobreviver em quaisquer dos mundos, real ou virtual. O objetivo do presente trabalho é
apresentar os critérios de classificação das atividades on-line que propõem o uso de jogos
com a finalidade o letramento. Após a definição desses critérios, identifiquei e analisei os
objetivos das atividades disponibilizadas na internet que utilizam o jogo como subterfúgio
para a aprendizagem. Os jogos digitais podem ser de grande ajuda para o letramento por
razões diversas. Porém, apesar dos benefícios, através da análise, constatei que muitas das
atividades que se propõem ao letramento não alcançam o seu intuito.
114
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LEITURA E SIGNIFICAÇÃO: PROPOSTA DE ATIVIDADE DE LEITURA DO


CONTO GAETANINHO, DE ALCÂNTARA MACHADO

Renata Beloni de ARRUDA (PG-UEL)


rearruda29@hotmail.com

O presente artigo tem o objetivo de propor uma atividade de leitura do conto Gaetaninho,
de Alcântara Machado, com o intuito de analisar, juntamente com os alunos do Ensino
Fundamental II, as relações de sentido que a linguagem do texto literário oferece. Para isso,
buscaremos na obra de Rildo Cosson (Letramento Literário: uma prática possível) a
proposta de estudo denominada sequência básica como aporte para as atividades. Desta
forma, pretendemos fornecer aos leitores textos de diferentes linguagens (documentário,
pintura, música) para que os mesmos estabeleçam pontes de sentido, inferências entre os
textos oferecidos e seu próprio conhecimento de mundo, para que assim possam
compreender e interpretar, de forma competente, a leitura literária. Devido à especificidade
da linguagem literária, o texto requer maior reflexão e dedicação por parte do leitor. Assim,
observamos a importância da realização de atividades de leitura planejadas e significativas
para a formação de leitores críticos.

OLIMPÍADA DE LITERATURA NO COLÉGIO SESI

Renata Gonçalves GOMES (SESI-PR)


Denis Pereira MARTINS (PG-UEL)

Com o objetivo principal de incentivar a leitura de obras literárias representativas da


pluralidade cultural brasileira focalizada nas relações humanas, estimulando a criatividade,
o espírito inventivo e a curiosidade dos estudantes com a intenção de contribuir para formar
uma nova geração de leitores, mais diversificados e mais críticos surgiu em 2013 a
Olimpíada de Literatura do Colégio Sesi-PR. Em quatro diferentes etapas os adolescentes
participantes puderam ler oito obras literárias e transpor suas histórias relacionando
diversas disciplinas escolares orientados por desafios lançados aos longo dessas etapas.
Nesse sentido, retextualização é aqui concebida como um processo que envolve operações
complexas, tanto micro como macroestruturais, e compreende a passagem de uma ordem
textual adequada a uma situação interativa para outra (Marcuschi, 2001). Apresentaremos
aqui uma possibilidade de análise acerca do primeiro desafio da Olimpíada de Literatura
que trazia como um questionamento sobre a trajetória da vida e seu fim.
115
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O DISCURSO FEMININO: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA MULHER NO


FINAL DA DÉCADA DE 60

Renata Kelen da ROCHA (G-UEM)


renata_ke@hotmail.com
Eliana Alves GRECO (UEM)
elianagreco@gmail.com

Esta pesquisa, situada no âmbito da Análise do Discurso conhecido como de linha francesa,
possui como eixo do dispositivo teórico-analítico as noções de sujeito e de condições de
produção, a partir dos estudos de Michel Pêcheux. O sujeito, para se constituir, é afetado
pela língua e pela história, sendo, com isso, determinado socialmente. Assim, para se
compreender os sujeitos, é necessário considerar as condições de produção em sentido
estrito, além de atentar-se também às condições de produção em sentido amplo. Dessa
forma, o objetivo desta comunicação é analisar a imagem da mulher construída no discurso
da autora Helena Sangirardi, em seu livro Coleção feminina: vida em sociedade e no lar,
publicado em 1968, considerando os aspectos sociais, históricos e ideológicos, que revelam
a imagem do sujeito feminino no final da década de 60.

CENAS DO DUPLO E DO FANTÁSTICO NO CONTO “O HORLA”, DE


GUY DE MAUPASSANT

Renata M. de OLIVEIRA (G-UEL)


renataolive25@gmail.com

Este artigo tem como objetivo analisar o conto “O Horla”, de Guy de Maupassant a partir
das pesquisas e discussões que os teóricos realizaram acerca da literatura fantástica e dentro
dos pressupostos da teoria literária. Elencaremos os elementos da narrativa ─ fábula, trama,
narrador, narratário, personagens, espaço, tempo ─ e observaremos, a partir do suporte
teórico, quais as principais temáticas presentes no conto analisado, estabelecendo relação
entre as temáticas e a teoria do duplo desenvolvida por Otto Rank. Abordaremos ainda as
teorias que remetem às características da literatura fantástica desenvolvidas, de uma
maneira mais geral, por Todorov (1970), e, num âmbito mais específico, por Filipe Furtado
(1980) e por David Roas (2013).
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Adelaide Caramuru Cezar. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil
116
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A MÚSICA POPULAR NOS PALCOS: PRECURSORES DO SHOW DE CANÇÃO


NO SÉCULO XX

Renato FORIN JUNIOR (PG-UEL)


reforin@hotmail.com

Durante as décadas de 1950 e 1960, a efervescência cultural, especialmente no campo da


música popular, deixou marcas indeléveis na arte brasileira. A atuação de artistas e
movimentos, como o Tropicalismo, propôs o rompimento de fronteiras entre as linguagens,
tornando explícitos os fluxos estéticos. Os shows de canção passam a incorporar
contribuições das outras artes e configuram-se como um “gênero exclusivamente
brasileiro”, observa Caetano Veloso. Ele refere-se, em especial, aos espetáculos da
intérprete Maria Bethânia, que, desde a sua estreia em Opinião, trabalha com diretores
teatrais em montagens com elaborada dramaturgia e mis-en-scène. A presente pesquisa
propõe uma revisão das vertentes que influenciaram esse formato de show, como o Teatro
de Revista e os musicais políticos. O primeiro adentra o século XX estabelecendo trocas
inventivas com a música brasileira. Já as peças políticas introduzidas por Boal reinventam o
uso cênico da canção a partir de elementos do drama moderno.

A CO-CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NA AULA DE LEITURA POR MEIO DE


ATIVIDADES ORAIS DO LIVRO DIDÁTICO

Rhaysa Ricci CORREA (PG-UEM)


rhaysaricci@gmail.com

As práticas de leitura, no contexto escolar, têm sido trabalhadas como objeto de ensino ao
invés de transformá-las em objetos de aprendizagem. Assim, criar uma situação em que se
valorize a participação dos envolvidos no processo educacional, mostra-se uma condição
linguisticamente positiva em sala de aula. Nesse sentido, o artigo tem como objetivo
investigar como as atividades orais presentes no livro didático propiciarão a co-construção
de sentidos entre texto-leitor-professor, buscando entender em que aspectos essas relações
podem ou não contribuir para a construção de conhecimentos dos sujeitos-alunos. As
atividades propostas contemplam a visão de um novo professor, aquele que age como
mediador e “orquestrador” das vozes em sala de aula e que reflete sobre suas práticas como
pesquisador, dando condições de assumir a sua própria realidade escolar como um objeto
de pesquisa, reflexão, análise e, assim, construir conjuntamente, com os estudantes em
formação, o conhecimento.
117
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O FAZER MISSIVO NO VÍDEO “THE REFLECTING POOL”, DE BILL VIOLA

Ricardo Akira SANOKI (PG-USP)


rsanoki@hotmail.com

O trabalho de videoart de Bill Viola explora as relações entre a imagem eletrônica e o


mundo físico. “The Reflecting Pool” foi produzido durante o período de 1977 a 1979,
quando o artista interessa-se por literatura visionária e mística, desenvolvendo uma noção
do vídeo como um meio de expressar ideias sobre o “invisível”. Ao analisarmos este vídeo
utilizaremos os esquemas tensivos descritos no livro Semiótica do Discurso
(FONTANILLE, 2007), e o fazer missivo, articulado na relação remissivo vs. emissivo, de
acordo com a categoria formal descontinuidade vs. continuidade, presente no livro Razão e
Poética do Sentido (ZILBERBERG, 2006). Na semiótica tensiva o fluxo discursivo permite
uma melhor análise nas relações semi-simbólicas, correlacionando o fluxo da expressão
com o conteúdo. A separação entre plano de expressão e plano de conteúdo perde um
pouco sua pertinência, sendo que a expressão está, a todo momento, produzindo sentido
relacionado com o conteúdo.

TRAÇOS DO MELODRAMA E DA PARÓDIA EM A MALDIÇÃO DO VALE-


NEGRO, DE CAIO FERNANDO ABREU E LUIZ ARTHUR NUNES

Ricardo Augusto de LIMA (PG-UEL)


ricardodalai@gmail.com)

Ao longo de seus mais de trinta anos como escritor, Caio Fernando Abreu se consolidou no
cenário literário brasileiro como um importante contista. Isso justifica o fato do conto ser
seu gênero mais analisado e conhecido, deixando de lado os dois romances que escreveu e
suas peças de teatro, ou seus recentes poemas publicados. Esta comunicação pretende
recuperar a figura do Caio-dramaturgo, que alcançou prêmios e um sólido corpus
dramático, do qual destacamos a peça A maldição do Vale Negro, escrita em parceria com
Luiz Arthur Nunes. A peça resgata criticamente o melodrama, gênero predominante no
século XIX, mas que deixou seus resquícios no século XX. Espera-se, com isso, evidenciar
o conhecimento dramático do autor ao parodiar esse gênero em um texto crítico,
metalinguístico e, consequentemente, metateatral. 118
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

COMO SE MOVER NA FRATURA? UMA LEITURA ENSAÍSTICA PARA


CLÍNICA DE ARTISTA I: FACE AO RETO O LOBO, DE ROBERTO CÔRREA
DOS SANTOS

Rodrigo Ségges Ferreira BARROS (PG-UFRJ)


rodrigosegges@yahoo.com.br

A partir das considerações filosóficas de Agamben acerca da contemporaneidade, no


presente trabalho, pretende-se – num texto em que os limites entre autoria, ficção e
conceitos teóricos são apagados – discutir a produção poética da atualidade. Sendo assim,
como modelo de leitura/escrita e como ponto de partida para a discussão do fazer poético,
será considerada a obra Clínica de artista I: face ao reto o lobo, de Roberto Côrrea dos
Santos. Por isso, no presente ensaio, numa dobra de escrita comum ao fazer artístico do
intelectual da Letras, parte-se da discussão dos limites ficcionais e teóricos comuns a esse
gênero. Paralelo a esse objetivo, trabalhar-se-ão conceitos, como “memória”,
“esquecimento/experiência’, “força da identidade”, assim como as relações entre leitura-
escrita, escrita-realidade, a categoria estética "autor empírico” e a ideia de esvaziamento do
sujeito. Portanto, utilizar-se-ão fundamentos de Bergson, Nietzsche, Deleuze e Barthes,
como também de Moriconi, Chiara e Luiz Costa Lima.

UM DIÁLOGO ENTRE LETRAS: ANGOLA E BRASIL NA PERSEVERANTE


ARTE DE SONHAR

Rosana PERES (PG-UEL)


rperes@seed.pr.gov.br

O presente projeto tem como eixo temático analisar as obras Auto da Compadecida, de
Ariano Suassuna e Quem me dera ser onda, de autoria do escritor angolano Manuel Rui.
Mostrando como a literatura possui um poder transformador, e como os escritores são
geradores de sonhos, e os leitores podem ser viajantes do imaginário. Por meio de uma
leitura crítica dessas duas obras literárias, pretendemos mostrar como fazendo uso da
ficção, através dos discursos das personagens e paisagens, esses autores abordam a
necessidade de sonho como algo fulcral para o ser humano. Pois, apesar de qualquer
sofrimento, há sempre o desejo de sonhar, e eles devem ser encarados como estratégias de
resistência. A arte fecunda os sonhos, os artistas geram os sonhos por meio da literatura em
nossa alma, e nós somos os responsáveis por semear essa vontade de fazer o outro sonhar.
119
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LITERATURA E TEMAS TRANSVERSAIS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO


FUNDAMENTAL: UM DESAFIO INSTIGANTE

Rosangela Maria de ALMEIDA (PG-UTFPR)


rosangmaria@hotmail.com
Marilu Martens OLIVEIRA (UTFPR)
yumartens@hotmail.com

As séries iniciais do Ensino Fundamental exigem que o professor regente lecione com base
em conhecimentos de diversas disciplinas, devendo articular tais conhecimentos de maneira
integrada, seguindo a proposta do letramento. Os chamados temas transversais propostos
nos Parâmetros Curriculares Nacionais tratam de ética, saúde, meio ambiente, orientação
sexual e pluralidade cultural e devem ser estudados concomitantemente à aquisição de
habilidades de leitura, escrita e cálculo. O uso de obras complementares é uma alternativa
para superar esse desafio. O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) é
uma iniciativa governamental, que, através do Ministério da Educação, oferta cursos de
formação continuada e oferece às escolas acervos complementares, sugerindo a prática
interdisciplinar a partir do uso da literatura infantil. Neste artigo, busca-se analisar as
propostas oficiais para o ensino no segmento e aprofundar comentários sobre as iniciativas
governamentais para melhorias no segmento.

O GÊNERO TEXTUAL “AS MELHORES EMPRESAS PARA SE TRABALHAR”:


OS SENTIDOS DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

Rosângela Rocio Jarros RODRIGUES (UEL)


jarros@uel.br

A linguagem traz, enquanto produto histórico, representações, significados e valores


existentes em uma comunidade, portanto, é veículo de ideologias. O mundo do trabalho é
composto por um conjunto de objetivações linguísticas constituindo campo semântico
fundamental para produção de sentidos. O intuito dessa pesquisa qualitativa é identificar os
sentidos ideológicos veiculados acerca da qualidade de vida no trabalho no gênero textual
“As melhores empresas para se trabalhar no Brasil”. A Revista é publicada pela Editora
Abril e veiculada anualmente por todo território nacional. O corpus é composto por onze
exemplares correspondentes aos volumes de 2000 a 2010. Os resultados foram obtidos a
partir do emprego da técnica de Análise de Conteúdo segundo Lawrence Bardin. Conclui-
se que ideologicamente o sentido mais recorrente é a qualidade de vida segundo o acesso a
120

serviços de saúde ofertados pelas empresas, em contraposição ao modo como o trabalho na


empresa afeta a saúde do trabalhador.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LITERATURA DRAMÁTICA NA ESCOLA – TENSÕES E CONVERGÊNCIAS

Rosemari Bendlin CALZAVARA (UNOPAR)


rosecalzavara@hotmail.com

A sala de aula e o espaço escolar apresentam a literatura como arte literária ou como texto
de leitura? Considerando que as obras literárias são classificadas segundo os gêneros, ou
seja, de acordo com as particularidades compositivas e mesmo estilísticas que as
distinguem entre si o presente estudo propõe uma discussão dos saberes–fazeres docentes
em relação à leitura literária, ao ensino de literatura e à constituição de subjetividades e
sujeitos leitores de literatura particularmente da literatura dramática. Atualmente os
vestibulares, assim como os exames do ENEM, vêm dinamizando e contemplando de forma
mais significativa os três gêneros literários – lírico, narrativo e dramático. O texto
dramático tem como princípio a ação e como tal propicia um estudo dinâmico, questionador
e motivador dos estudos literários e da formação dos jovens leitores. A pesquisa é resultado
de um projeto de leitura do texto dramático, realizado numa escola na cidade de Londrina.

A CRÍTICA DA CONJUNTURA POLÍTICA POR MEIO DA CHARGE DE


CARLOS LATUFF

Rozinaldo Antonio MIANI (UEL)


mianirozinaldo@gmail.com

A consolidação da imagem, assumida como estratégia de representação social, exige


compreender criticamente os seus impactos nas sociedades atuais. Dentre as múltiplas
formas de representação imagética e expressão visual, destacamos a charge, que deve ser
reconhecida como expressão comunicativa dotada de autonomia interpretativa e não apenas
como elemento decorativo ou complementar ao texto linguístico. Sua autonomia
interpretativa, no entanto, não pode subsumir a sua natureza intertextual. Neste sentido,
apresentamos uma breve reflexão a respeito da produção chárgica de Carlos Latuff,
especificamente, no que se refere à sua condição de artivismo político, fazendo da charge o
seu instrumento de luta e intervenção política na sociedade. Os temas da conjuntura política
nacional e internacional durante a década de 2000 estiveram presentes na obra de Carlos
Latuff e que serão identificados e analisados neste artigo.
121
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

GÊNERO QUE INSPIRA GÊNERO: PROPOSIÇÃO PARA O ENSINO DE INGLÊS


PARA CRIANÇAS

Sabrina Dal Ben de Souza de ABREU (G-UEL)


sabs14@hotmail.com

Neste trabalho apresentamos uma proposta de atividades para o ensino de inglês (LI) por
meio do gênero “receita de cozinha”. Inspirados no livro infantil The Rabbit Problem
(GRAVETT, 2009) os participantes do projeto integrado “O Trabalho do Professor no
ensino – aprendizagem da língua inglesa para crianças: uma proposta de formação
docente”, da Universidade Estadual de Londrina estão desenvolvendo atividades
organizadas em torno do dispositivo sequência didática (Dolz, Noverraz e Schneuwly,
2004), para o ensino da LI a alunos do ensino fundamental do Colégio Aplicação da UEL.
Tendo como objeto de ensino a LI e também o gênero “receita de cozinha”, os alunos irão
aprender a reconhecer o gênero em LI, suas principais marcas textuais e o objetivo
comunicativo que tal gênero estabelece.
Trabalho orientado pela Profª Drª Juliana Reichert Assunção Tonelli.
teacherjuliana@uol.com.br. Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná.
Brasil.

FORMANDO PROFESSORAS PARA ALÉM DA ALFABETIZAÇÃO:


LINGUAGEM E LETRAMENTO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO
FUNDAMENTAL

Sabrina GARCEZ (UFSM)


sasagarcez@gmail.com
Crystina Di Santo D’ANDREA (UFSM)
crysdandrea@ibest.com.br
Magda Raquel D'ávila PEREIRA (UFSM)
mrdpereira5@bol.com.br

Em uma sociedade letrada, a alfabetização tem papel primordial para as pessoas adquirirem
conhecimentos socialmente valorizados, onde a escola tem fator determinante por ser
centrada nas práticas formais de leitura e escrita. Desconstituindo paradigmas que
privilegiam a alfabetização por métodos, o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade
Certa – PNAIC propõe na formação continuada de professores a ênfase no letramento e
linguagem para construção do processo de aquisição da língua escrita. Pauta-se na
122

importância da compreensão e uso da língua escrita para além da decodificação que ensina
o método e desconsidera seu uso com significado. Ler, escrever, interpretar são ações
fundamentais, tornam a alfabetização um processo lúdico, prazeroso e uma conquista pelos
Página

educandos. Embora sem resultados estatísticos provando os avanços alcançados pelo


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PNAIC, em alguns municípios e instituições é possível perceber diferenças significativas,


tanto na ação docente como no desenvolvimento das crianças em seu processo de aquisição
da linguagem escrita.

JORNALISMO CULTURAL E DO ENTRETENIMENTO: UMA ANÁLISE DO


CONTEXTO DE PRODUÇÃO DO CADERNO FOLHA 2 DA FOLHA DE
LONDRINA

Samandra de Andrade CORRÊA (G-UENP)


Samandra.andrade@hotmail.com
Eliana Merlin Deganutti de BARROS (UENP)
elianamerlin@uenp.edu.br

Este trabalho é resultado de pesquisas realizadas no projeto “Gêneros da mídia jornalística


como objetos da transposição didática externa”, inserido no GT “Gêneros textuais e estudos
da linguagem“ (GETELIN-UENP). Um dos seus focos objetiva construir modelos teóricos
dos Cadernos da Folha de Londrina, o que inclui a realização de inventários dos seus
gêneros, para fins de transposição didática para o contexto da Educação Básica. Para esta
comunicação, a proposta é apresentar um recorte dessa pesquisa, realizada no âmbito da
Iniciação Científica. O objetivo é trazer à tona o contexto de produção da Folha 2 da Folha
de Londrina, o Caderno cultural do jornal, com base nos estudos do Interacionismo
Sociodiscursivo (ISD). Essa perspectiva de investigação é importante não só para os
projetos que tomam esse jornal como objeto de letramento, mas para aqueles que têm como
foco a apropriação dos gêneros vinculados ao jornalismo cultural e/ou do entretenimento.

A PRÁTICA DOCENTE NO PROCESSO DO ENSINO DA LEITURA LITERÁRIA:


APRENDIZAGEM E MELHOR DESEMPENHO DOS ALUNOS NAS
AVALIAÇÕES

Sandra Aparecida Pires FRANCO (UEL)


sandrafranco26@hotmail.com
Lorena Steffens POSSERA (G-UEL)
lorenasteffens@outlook.com

O trabalho em sala de aula com a leitura literária é uma das grandes preocupações que
persistem no âmbito educacional, pela própria complexidade que sua prática apresenta para
123

compreender e interpretar, ou pela falta do hábito de ler, ou até mesmo pelo desinteresse.
Consideramos que a leitura é um dos caminhos pelo qual o sujeito desenvolve-se e
apropria-se do conhecimento que vai do senso comum ao científico, ampliando suas
Página

relações sociais. Assim, este texto tem por objetivo demonstrar como o professor pode
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

proporcionar a prática da leitura literária na sala de aula, auxiliando os alunos no processo


de ensino-aprendizagem e melhoria da leitura de mundo, por meio das avaliações. Espera-
se que os alunos adquiram o hábito da leitura literária, contribuindo para o próprio
aprendizado, por meio da ajuda do professor, que deverá mediar todo este processo, agindo
como agente-transformador.

PIBID, PRÁTICA E ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: TECENDO


OS FIOS DA FORMAÇÃO INICIAL

Sandra do Rocio Ferreira LEAL (UEPG)


sandra_rfl@yahoo.com.br

Pretende-se discutir os desafios da formação inicial de professores de Língua Portuguesa


frente às exigências da escola, dos alunos e da sociedade como um todo, e as contribuições
das disciplinas de Prática e Estágio Curricular Supervisionado e do Programa Institucional
de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID, através do subprojeto de Língua Portuguesa,
desenvolvido pelos acadêmicos de Letras Português/Inglês, da Universidade Estadual de
Ponta Grossa. Diante da complexidade do campo de atuação desse futuro profissional, é
necessário refletir sobre as contribuições isoladas dessas disciplinas e do PIBID,
respeitando suas especificidades e detectando os fios comuns que, articulados, poderão
estabelecer novo paradigma na relação teoria e prática na formação inicial. A esse respeito,
estudos como os de Veiga (1998), Magalhães (2004), Pimenta e Lima (2004), Ribas (2005),
Lima (2008), Perrenoud (2002), Schön (1992), Nóvoa (1999), entre outros, buscam
contribuir com a formação de educadores, atendendo qualitativamente as demandas da
sociedade contemporânea.

ANÁLISE SEMIOLÓGICA DAS TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM VISUAL


DO MUNICÍPIO DE LONDRINA EM DECORRÊNCIA DO PROJETO CIDADE
LIMPA

Sergio Marilson KULAK (PG-UEL)


sergiokulak@gmail.com
Maria José Guerra de Figueiredo GARCIA (UEL)
majogue@uol.com.br

O mito na concepção barthesiana é uma linguagem capturada em que a lógica de um fato


124

social é transportada para um determinado suporte midiático e a publicidade se vale desse


processo para criar peças com conteúdo persuasivo. Este trabalho analisa a intensidade com
que esse processo se dá na transferência de sentido entre o novo panorama visual resultante,
Página

na cidade de Londrina após a implementação do projeto Cidade Limpa. Inspirado em


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

experiências realizadas em cidades tais como São Paulo, Curitiba, o projeto removeu
cartazes, outdoors, e outras fontes de mensagem publicitária no ambiente urbano, e com
isso devolveu a paisagem uma arquitetura que desaparecera paulatinamente. O novo sentido
construído é objeto desta análise, que também procura mostrar os efeitos da transposição da
noções de “poluído” para clean. A fundamentação teórico-metodológica é extraída dos
princípios de mitologia enunciados por Roland Barthes.

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO


FUNDAMENTAL I: DIÁLOGOS SOBRE LEITURA E ESCRITA

Sergio Vale da PAIXÃO (PG-UNESP)


sergiovpaixao@hotmail.com
A falta de conhecimentos sobre possibilidades de se trabalhar o texto na sala de aula à luz
das recentes teorias trazidas pelos Estudos da Linguagem, tais como o Letramento Digital
(XAVIER (2005) ARAÚJO; DIEB (2009) e COSCARELLI (2006)) Teoria Semiótica do
Texto (PLATÃO;FIORIN,2007), e da Teoria dos Gêneros (Grupo de Genebra), dentre
outras, resulta em práticas pedagógicas convencionais desprovidas de sentido para o
leitor/escritor na escola. Nesse sentido, propomos um diálogo nesta apresentação, no intuito
de apresentar um trabalho que realizamos em uma Secretaria de Educação Municipal, na
qual professores do ensino fundamental I estão mudando seu modo de planejar aulas e,
principalmente, de trabalhar com o texto na escola. Tais mudanças são frutos de encontros
de formação continuada em que o texto e as teorias supracitadas são o objeto de estudo,
uma vez que a carga horária dispensada para a disciplina de Metodologia de Ensino de
Língua Portuguesa não atendeu a essa necessidade na formação inicial deste grupo de
professores.

A SOLIDÃO NA POESIA DE STELA DO PATROCÍNIO

Silvana Fulgencio de LIMA (G-UEL)


silvana.lima79@hotmail.com

Aos 25 anos, Stela do Patrocínio foi internada na Colônia Juliano Moreira, onde passou o
resto da vida. Isolada do mundo exterior, Stela desenvolveu uma linguagem oral peculiar
que, com o tempo, foi sendo reconhecida, por profissionais que participavam do seu
cotidiano, como dotada de alta voltagem poética. E foi tão profunda a impressão causada
por aquela estranha mulher negra, alta, pobre e senhora de um discurso lírico movente entre
a coesão e a fragmentariedade, que alguns desses profissionais chegaram ao ponto de
registrar essa fala em fitas-cassetes e, após a morte de Stela, lançá-la em livro para alcançar
125

um público mais amplo. Mediante palavras duras e agressivas, a poetisa manifestou a


tristeza do ambiente do manicômio. Neste trabalho, pretende-se observar, sobretudo, como
Stela expressou a profunda solidão em que se viu imersa durante longos anos.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Sílvio José Stessuk. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

DA TEORIA À PRÁTICA: O QUE UM TEXTO PODE NOS REVELAR

Silvana Salino Ramos LOPES (PG-UEL)


silsalino@sercomtel.com.br

Este trabalho apresenta um recorte do resultado de análise realizada em textos de autoria de


alunos/estagiários de 3º ano de graduação, do curso de Letras Espanhol – Modalidade:
Licenciatura – Habilitação: Língua Espanhola e Literatura Hispânica, da Universidade
Estadual de Londrina (UEL). A pesquisa realizada se destinou a observar a competência
discursiva (CD), em língua espanhola, expressa pelo autor na tessitura de texto que compõe
o relatório de estágio (RE), atividade obrigatória para a promoção de série do curso de
graduação. Essa pesquisa se originou a partir da reflexão acerca do ser professor, do formar
professores, da atuação acadêmica e do resultado gerado pelo proposto, do realizado e do
posteriormente questionado. Os pressupostos teóricos que sustentam a análise têm por base
a Linguística Textual (LT).

ALÉM DA COGNIÇÃO PARA UMA MELHOR COMPREENSÃO:


CONTRIBUIÇÕES AOS ESTUDOS DA LEITURA ESTRATÉGICA SOB A
PERSPECTIVA DA METACOGNIÇÃO

Simara Cristiane BRAATZ (IFPR)


simara.braatz@ifpr.edu.br

A metacognição enquanto consciência, controle e transformação de nossos processos


cognitivos é um construto recente na literatura da psicologia cognitiva e educacional,
possibilitando várias reflexões acerca do processo de aprendizagem. Uma delas refere-se à
compreensão leitora em línguas estrangeiras. Nessa perspectiva, este artigo apresenta
contribuições aos estudos da leitura em língua inglesa considerando-se o processo de
metacognição como aporte teórico fundador. Nesse contexto, consideram-se as estratégias
metacognitivas de leitura processos cognitivos conscientes importantes para uma leitura
estratégica. Diante do exposto, o artigo apresenta reflexões sobre o processo da
metacognição, descrevendo-se três estratégias metacognitivas segundo o modelo conceitual
de Portilho (2009). Essa dinâmica direciona à reflexão do papel da metacognição bem
126

como das estratégias metacognitivas de leitura na compreensão leitora em língua inglesa


como essencial às atividades de controle da própria compreensão, reflexão esta que
contribui para práticas de uma leitura que se pretenda mais eficiente e estratégica: além da
Página

cognição.
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO ENSINO DA LEITURA

Sonia ALVES (PG-UEL)


lermais@seed.pr.gov.br

Considerando os diversos tipos de linguagens, vemos na leitura uma importante ferramenta


na formação de cidadãos capazes de ir além da decodificação dos vocábulos. A presente
pesquisa teve como objetivo principal aperfeiçoar estratégias já existentes, além de criar
novas formas de trabalho para o ensino da leitura. Para tanto, trabalhamos com 35 alunos
do 8º ano das séries iniciais do Ensino Fundamental de uma escola pública da Região Norte
do Estado do Paraná, com o intuito de desenvolver nos alunos o gosto pela leitura e
possibilitar-lhes uma melhora no processo de ensino aprendizagem, bem como uma visão
mais crítica da sociedade.

O TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO FUNDAMENTAL: A SEMIÓTICA


DISCURSIVA E A RE(CONSTRUÇÃO) DE SENTIDOS

Sonia MERITH-CLARAS (UNICENTRO)


soniaclame@gmail.com

O texto literário, muito presente nas aulas de literatura no Ensino Médio, nem sempre tem o
mesmo espaço nas aulas de língua portuguesa no Ensino Fundamental. Nosso objetivo,
neste trabalho, é apresentar uma análise semiótica que aborda um texto literário, dirigido ao
público infanto-juvenil, bem como apontar um encaminhamento de aula de leitura, e de
gramática, acerca do texto. Isso porque, a teoria semiótica possibilita abordar os textos,
visando à produção de sentidos, considerando, principalmente, os efeitos de sentidos
produzidos pela língua. Assim, é possível integrar, às atividades de leitura, os elementos da
língua que produzem os efeitos de sentidos, ou melhor, realizar, paralelamente, leitura e
análise linguística. Em suma, para dar conta de nosso propósito, a partir da análise
realizada, procuramos evidenciar, ao professor da Educação Básica, por meio de indicação
de atividades e discussões, como os sentidos poderiam ser re(construídos) em sala de aula.

GULLAR: A VOZ INQUIETA DA POESIA

Suzanny de Araujo RAMOS (PG-UFRJ/CAPES)


suzanny_ramos@hotmail.com
127

O enfoque deste trabalho baseia-se na análise do discurso metalinguístico da poesia de


Ferreira Gullar no intuito de pensar a natureza de seu discurso lírico, compreendendo o
Página

modo como expressa sua postura crítica diante do ofício de poeta, bem como seu embate
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

pessoal diante das limitações da linguagem aliado à proposição de ampliar suas


possibilidades. A leitura analítica privilegia o poema “Fica o não dito por dito”, de seu mais
recente livro Em alguma parte alguma (2010), que expressa um novo pensar sobre o
poético e, consequentemente, sobre o processo de criação. A sustentação teórica tem como
fio condutor os estudos de Octavio Paz, Jean Cohen, Hugo Friedrich e Alfredo Bosi.

OS DIREITOS HUMANOS E A MULHER IMIGRANTE NA FICÇÃO DE DIONNE


BRAND

Tacel Ramberto Coutinho LEAL (UEL)


lealtaz@hotmail.com

A imigração e sua intersecção com os direitos humanos frequentemente tem sido vista nos
dias de hoje. Num mundo ao mesmo tempo fluido e de trânsito e opostamente preocupado
com o terrorismo, a imigração ainda permanece um campo ambíguo. As leis de imigração,
bem como as leis e tratados dos direitos humanos têm tentado expandir os limites da
questão. A Academia de Leis da Europa, em Florença, Itália, fomenta debates e publica
materiais sobre temas relacionados aos direitos humanos, dentre eles a imigração na Europa
e na América. A questão da mulher imigrante chama a atenção por sua especificidade.
Hoje, vários teóricos já falam na “feminização da imigração,” devido ao grande número de
mulheres imigrantes. A ficção da escritora Canadense, nascida em Trinidad e Tobago,
Dionne Brand, é analisada como material de importante representação da questão feminina
no contexto da imigração e dos direitos humanos.

CONTRIBUIÇÕES DAS HQ NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE


ESPANHOL

Taisa Vicente GANDARA (G-UEL)


Hallana Caroline Machado ZAGULSKI (G-UEL)

As histórias em quadrinhos (HQ) tiveram papeis diferentes no transcurso dos tempos.


Inicialmente, discriminadas por educadores, hoje assumiram função de eficiente recurso
auxiliar junto ao processo de ensino e aprendizagem, principalmente, em línguas
estrangeiras. Elemento motivador, lúdico e reflexo de registro coloquial e autêntico, as HQ
passaram a ser cada vez mais utilizadas em sala de aula, pois conjugam elementos
linguísticos, pragmáticos e culturais em contexto. Nesse sentido, a presente pesquisa tem
128

por objetivo expor as visões de teóricos acerca da inserção das HQ na aula de língua
estrangeira, especialmente, de espanhol. Pretendemos, ainda, apresentar duas propostas
didáticas, a título de exemplo, para profissionais da área de espanhol se beneficiar desse
Página

recurso.
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ABRAÇADO À TRADIÇÃO: UMA ANÁLISE DO NARRADOR DO CONTO


EGUNS, DE JOÃO ANTÔNIO

Talita Gonçalves de ALMEIDA (PG-UEL)


talitagalmeida@hotmail.com

O conto Eguns, publicado no livro Abraçado ao meu rancor de João Antônio (1937-1996),
tem como narrador-personagem, um homem metropolitano que, cansado das modificações
resultantes do capitalismo, decide ir para Ilha de Itaparica em busca da tradição que lá se
preserva. Conta-se, então, a vivência do culto à ancestralidade afro-brasileira a partir da
experiência do narrador que acaba sendo transmitida para o leitor por meio do trabalho com
a linguagem. Neste artigo, pretende-se, pois, evidenciar a representação da liturgia da festa
pública nas palavras do narrador, de forma a perceber as nuances entre uma descrição com
fôlego de reportagem e a emoção de um narrador que experimenta, em sua condição de
viajante, a tradição do outro.

OS MATIZES CULTURAIS DOS IDIOMATISMOS E SEU TRATAMENTO EM


FRASEOGRAFIA BILÍNGUE

Tatiana Helena Carvalho Rios FERREIRA (UEL)


tatianahcrios@hotmail.com

Esta comunicação insere-se no projeto de pesquisa “Contribuições da metafraseografia para


a descrição bilíngue de idiomatismos (português-espanhol)”, desenvolvido na Universidade
Estadual de Londrina. Tem como referencial teórico os conceitos de idiomatismo
(XATARA, 2013), equivalente idiomático (RIOS, 2010) e culturema (LUQUE NADAL,
2009). Os idiomatismos são definidos por Xatara (2013 como sequências polilexicais,
figuradas e cristalizadas na tradição cultural de determinada comunidade linguística. Por
equivalentes idiomáticos entendemos “idiomatismos que, em línguas diferentes, tenham o
mesmo registro e cujos significados e usos sejam, senão iguais, ao menos muito
semelhantes.” (RIOS, 2010). No que se refere aos culturemas, Luque Nadal (2009) os
define como noções culturais específicas de determinado país ou contexto cultural. Com
base nesses conceitos, apresenta-se uma análise dos aspectos contrastantes entre alguns dos
idiomatismos do português brasileiro e seus equivalentes idiomáticos em espanhol
peninsular, a fim de se justificar a escolha de tais equivalentes idiomáticos.
129
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

“UM POEMINHA DE AMOR CONCRETO”: DAS VANGUARDAS À


CONTEMPORANEIDADE

Taysa Cristina da SILVA (PG-UEL)


taysa_cris@hotmail.com

As representações literárias da chamada pós-modernidade são marcadas, dentre outras


peculiaridades, pela chamada multiplicidade, negação da cultura hegemônica,
apresentando-se como traço diferenciador nesse momento. Nesse contexto percebe-se que a
poesia publicada a partir dos anos 80 é marcada pela ausência de um projeto estético
norteador, abrangendo, pois, desde influências concretistas à retomada de pressupostos
modernista. Diante deste panorama, sob a luz de teóricos como Ciscar (2005) Resende
(2008), Vasconcelos (1999) entre outros, o presente estudo tem o intuito de analisar, a
partir do estudo do poema “Um poeminha de amor concreto”, presente na obra Amar é
crime (2011) do autor contemporâneo Marcelino Freire, como a tendência concretista pode
influenciar a poesia contemporânea.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Vanderléia Da Silva Oliveira. vances@uenp.edu.br.
Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Cornélio Procópio.Paraná. Brasil.

QUANDO O EU É O OUTRO: A CONSTRUÇÃO DO ESTILO A PARTIR DO


DIÁLOGO NA OBRA DE GONÇALO M. TAVARES

Telma Maciel da SILVA (UEL)

Grande parte da obra do escritor português Gonçalo M. Tavares é composta por livros que
dialogam explicitamente com autores já avalizados pelo cânone literário. Em geral, as
referências aos escritores ocorrem de maneira explícita, o que não significa uma aderência
simplista aos estilos e projetos literários destes autores. O que se vê é que o diálogo se dá
por diversos caminhos, entre os quais também a ironia e a negação. No presente trabalho,
propomos analisar em que medida a presença do outro – dos tantos autores referenciados,
citados, reescritos e/ou transformados em personagens – compõe o estilo próprio de
Gonçalo M. Tavares. As questões que nos fazemos é: quem é o autor por traz dos autores?
É possível ter um estilo “próprio” quando o outro é a base para a escrita? Buscaremos
discutir em que medida a fusão eu-outro, parte indelével do projeto literário do escritor
português, realiza um movimento pendular que esconde e mostra a identidade do indivíduo
por traz das máscaras.
130
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

MEDIAÇÃO SEMIÓTICA EM AVENIDA BRASIL: AS PAIXÕES DE NINA

Thaís Aparecida ZORZELA (G-UEL)


tzorzelaa@gmail.com
Loredana LIMOLI (UEL)
anaderol@sercomtel.com.br

A partir das bases teóricas da semiótica de linha francesa, fundada por A. J. Greimas,
sobretudo por meio dos estudos concentrados na semiótica das paixões, objetiva-se, neste
trabalho, analisar paixões como amor, ódio, medo, angústia, desejo de vingança da
personagem Nina, da telenovela Avenida Brasil (2012), escrita por João Emanuel Carneiro.
Considerando os efeitos de sentido dos dispositivos modais, bem como as mudanças de
estado de sujeito, buscaremos, sequenciando o trabalho desenvolvido no projeto de
pesquisa Leitura semiótica da telenovela: tensão narrativa e suspense, demonstrar como as
paixões determinam o desenvolvimento narrativo, revelando, assim, aspectos importantes
para a recepção do texto teledramatúrgico. Por ser um gênero ficcional apreciado no Brasil,
objetivamos viabilizar o tratamento da telenovela nas salas de aula de ensino médio, no
processo de ensino-aprendizagem de língua portuguesa.

AS LINGUAGENS DOS GAMES E DOS FILMES “RESIDENT EVIL”

Thais Regina Mian MARINHO (G-UEL)


thaismian_marinho@hotmail.com

As Linguagens empregadas nos games da saga “Resident Evil” não são as mesmas
utilizadas na saga de filmes de mesmo nome. Essa diferença ocorre porque a interação do
expectador com o cinema é diferente da interação do jogador com o videogame. No
videogame, os fatores lúdicos desenvolvem-se a partir da interação direta entre o jogador e
o sistema, já nos filmes não há essa interação ativa do expectador. O objetivo principal é
mostrar que cada suporte tem sua especificidade, assim sendo, uma adaptação completa
seria inviável. Por meio de uma análise comparativa, caracterizaremos as linguagens
utilizadas nos games e nos filmes, apontando as principais semelhanças e diferenças.
Embora a saga de filmes não seja totalmente fiel à saga de jogos “Resident Evil”,
mostraremos que há um diálogo entre elas.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Sheila Oliveira Lima. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
131
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS ERROS DOS APRENDIZES DE ESPANHOL EM NÍVEL BÁSICO: UMA


EXPERIÊNCIA

Thalita A. Molin MIGUEL (PG-UEL)


tha_aguiarmolin@hotmail.com

A importância de realizar um trabalho que envolve um tema tão frequente nas aulas de
espanhol, como a ocorrência e a classificação de erros (FERREIRA, 2004, 2007; DURÃO,
2007), bem como o seu tratamento, surgiu da necessidade de compreender as dificuldades
dos alunos do VIII Minicurso de espanhol básico – minicurso ofertado pelo Departamento
de Letras Estrangeiras Modernas da Universidade Estadual de Londrina como atividade
obrigatória da graduação de Letras Estrangeiras Modernas. A justificativa desta pesquisa
recai sobre o fato de a professora, ministrante deste grupo específico, também ter
vivenciado as mesmas dificuldades que os alunos. Entendemos que o ensino de espanhol
como língua estrangeira a falantes naturais de língua portuguesa é especialmente
desafiador, dada a grande semelhança que os idiomas possuem em todos os níveis
linguísticos, razão que os caracteriza como línguas-irmãs. Ressaltamos que o objetivo
pretendido por esta pesquisa é identificar e analisar a ocorrência dos erros e a interlíngua
dos aprendizes.

CONFIGURAÇÕES PASSIONAIS DA SOLIDÃO E DA TRISTEZA NO FADO DE


AMÁLIA RODRIGUES

Thays Caroline Barroca Ribeiro MORETTINI (PG-UEL)


thaysmorettini@gmail.com

O objeto de pesquisa deste estudo é a obra Versos (1997), de Amália Rodrigues (1920-
1999). Neste momento, o corpus deste trabalho apresenta a análise de duas canções: “Trago
fados nos sentidos” e “Com que voz”. O objetivo desta pesquisa é perceber como as
canções de fado revelam, na junção da melodia e da letra, os estados de alma da solidão e
da tristeza. Para executar esta tarefa, a análise é desenvolvida por meio da teoria da
Semiótica de linha francesa. Visa-se trabalhar com a Semiótica das paixões a fim de
perceber como as significações passionais são construídas, por meio do plano do conteúdo
e da expressão. Os procedimentos de análise apóiam-se também na teoria da Semiótica da
canção, tendo em vista as modalizações da canção e o efeito de passionalização. Esta
abordagem está presente em textos de Luiz Tatit, nas obras Musicando a semiótica (1997) e
Semiótica da canção (1999).
132
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

RELAÇÕES ENUNCIATIVAS NAS INSCRIÇÕES URBANAS

Thiago Moreira CORREA (PG-USP/CNPq)


thiago.moreira.correa@usp.br

Nossa proposta consiste no desenvolvimento de um modelo enunciativo para a abordagem


das inscrições urbanas, cujo conceito é tomado como uma categoria do fenômeno de
expressão urbana, que engloba todas as suas modalidades: grafite, pichação, arte urbana,
tags, grapicho etc. A partir disso, a história das inscrições urbanas fornecerá a base para o
estudo da formação de cada modalidade, por meio da relação entre normas e valores. Esses
conceitos, retirados da sociologia de Merton (1968), ganham abrangência nas propostas de
Klinkenberg (2008), contudo, a relação entre normas e valores ainda está atrelada a
pressupostos sociológicos, que são reelaborados sob a perspectiva da teoria linguística e
semiótica, pois apresentam um ganho para a abordagem enunciativa do objeto. Assim,
encontramos em Coseriu (1974) e Fontanille e Zilberberg (2001) maior pertinência na
aplicação dos conceitos de normas e valores para investigar a enunciação nas inscrições
urbanas.

O RÁDIO NA SALA DE AULA: TIMIAS E SINESTESIAS POR MEIO DA


MÚSICA

Valdenildo dos SANTOS (UFMS)


lavsotnas@hotmail.com
Igor Iuri Dimitri NAKAMURA (G-UFMS)
dimittrinakamuradacosta@gmail.com

A música tem o poder de desencadear efeitos de sentidos estésicos, quinésicos, patêmicos e


sinestésicos. Esta comunicação, portanto, pretende mostrar esses efeitos, por meio da
análise de um corpus composto por fragmentos discursivos selecionados dentre doze
depoimentos de alunos do curso de Letras, Licenciatura em Inglês e Português, sobre as
sensações e imagens desencadeadas ao ouvirem a canção de rock progressivo Time da
banda inglesa Pink Floyd a que foram expostos, englobada do Programa de Rádio “English
Through Music”, produzido e levado à sala de aula sob inspiração de PORCHAT (1993) e
COSSANI (2011). A análise proposta tem o suporte de GREIMAS & COURTÉS (1979) e
seus seguidores, como HÉBERT & EVERAERT DESMEDT (2011) no que diz respeito ao
aprofundamento das pesquisas em torno das modalidades tímicas. Para falar da música e
seus efeitos conta-se com o apoio de TAME (1997), D’ÁVILA (1997) e POYATOS
133

(1994).
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LETRAMENTO LITERÁRIO: SEQUÊNCIA EXPANDIDA DE LEITURA DA


OBRA LETRAS FINAIS, DE LUIS DILL

Vanderléia da Silva OLIVEIRA (UENP)


vances@uenp.edu.br)
Juliana da Silva Ferreira LEITE (NRE-CP)
julianaferreira20e@hotmail.com)
Ana Flavia PINHEIRO (G-UENP)
ana-flaviap@hotmail.com )

Trabalho inserido nas ações do projeto Letramentos na escola: práticas de leitura e


produção textual, no eixo Letramento Literário, desenvolvido na UENP e vinculado ao
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência-CAPES. Apresenta-se
uma proposição de leitura da obra Letras Finais, do escritor gaúcho Luis Dill, publicada em
2014, tendo como pressuposto a sequência expandida sugerida por Cosson (2006). A
sequência didática, elaborada pelo professor supervisor e por acadêmicos do curso de
Letras, bolsistas do PIBID, destina-se a alunos do nono ano da educação básica de uma
escola pública de Cornélio Procópio, com o propósito de fomentar, primordialmente, a
leitura literária e também estimular a prática da produção textual.

ZYDRINA: TEMPO E ESPAÇO CÊNICOS OPERANDO EM 820 QUILOCICLOS

Vanderson de Souza NEVES (PG-UEL)


vanderson_neves@yahoo.com.br

Com base nas considerações de Jean-Pierre Ryngaert (2003) acerca de tempo e espaço
cênicos, pretendemos analisar a peça ZYDrina – “Estórias à margem da história”, de Nitis
Jacon, a fim de evidenciar a diferença entre o tempo cênico do personagem “Locutor” e dos
demais personagens da peça. Como continuidade do trabalho iniciado pelo projeto de
pesquisa “Contribuições para a história da dramaturgia e do teatro londrinenses”,
esperamos colocar em evidência um texto singular da dramaturgia londrinense e com isso
salientar a importância do legado produzido não somente por Nitis Jacon, mas por uma
gama de autores (dramaturgos e dramaturgistas) que povoam os bastidores da história do
tetro de Londrina.
134
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O JOGO DA MEMÓRIA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO


DE LÍNGUA ESPANHOLA

Vanessa Cardoso MACHADO (G-UENP)


vanessa55557@hotmail.com

Este trabalho, vinculado ao Grupo de Pesquisa para Alternativas Pedagógicas da USAL –


Universidad de Salamanca/ES, fundamenta-se nas pesquisas realizadas sobre a presença do
lúdico no ensino-aprendizagem da língua espanhola, e tem por finalidade apresentar o jogo
da memória como uma proposta alternativa para o ensino deste idioma. Por seu teor lúdico
e provável eficiência no auxílio à assimilação, é que justificamos nossa escolha. Nesse
sentido, o presente trabalho respalda-se em Tizuko Kishimoto (2002), Santos (2011) e
Dohme (2011), os quais vêem o jogo como um aliado do ensino-aprendizagem, uma vez
que contribuem significativamente para o desenvolvimento físico, afetivo, cognitivo, social
e moral do educando.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Elena Martin Vivaldi Sanches. Universidad de
Salamanca. Espanha.

A ESTÉTICA DA CARNAVALIZAÇÃO E DO GROTESCO NO


TELEJORNALISMO

Vanessa da SILVA (PG-UEL)


vanessajornal@yahoo.com.br

Homicídios, violências sexuais e grandes tragédias, fazem parte do imaginário popular e


concretizam o renascimento do grotesco e da carnavalização de uma cultura herdada pela
Idade Média e pelo apogeu do Renascentismo. Nesse sentido, na atualidade, as imagens
midiáticas publicitárias e, até mesmo, as coberturas telejornalísticas são permeadas,
prioritariamente, pela valorização de quebras de ordens sociais em ações cotidianas. Sob
essa perspectiva, pautado na análise do Caso Isabela Nardoni e do Massacre do Realengo a
partir do recorte de quatro reportagens exibidas pelo Jornal Nacional, este artigo investiga
as sedimentações baseadas no fetichismo do crime, com base na profusão do exagero, na
hiperbolização e no rebaixamento corporal propostas por Mikhail Bakhtin. 135
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O PROCESSO INTERACIONAL NA TRADUÇÃO DOS MARCADORES


DISCURSIVOS EM SERIADOS AMERICANOS

Vanessa Hagemeyer BURGO (UFMS)


vanessahburgo@hotmail.com
Nayra Modesto dos Santos NUNES (PG-UFMS)
nayrams64@hotmail.com

O objetivo deste trabalho é discutir a forma como são traduzidos determinados marcadores
discursivos empregados em diálogos de seriados americanos, a fim de analisar suas funções
na conversação como estratégias comunicativas que vão além da preocupação com a
equivalência lexical entre as línguas inglesa e portuguesa. Com base nos princípios da
Análise da Conversação, pretende-se, sobretudo, assinalar a importância do processo
interacional ao se traduzir esses mecanismos, pois, muitas vezes, a tradução literal pode
produzir efeitos de distanciamento das práticas reais e concretas de uso, implicando certa
artificialidade na língua de chegada. Vale ressaltar que os marcadores discursivos
desempenham um papel relevante na manutenção da interação verbal, contribuindo para o
monitoramento da conversação e para a organização do texto falado. Podem atuar como
organizadores e/ou articuladores textuais, indicadores de força ilocutória do discurso,
planejadores verbais, atenuadores, dentre outras funções.

DCE-LEM: DA TEORIA À PRÁTICA NA SALA DE AULA DE INGLÊS

Vanessa Marchini JAMBERS (PG-UEL)


van_marchini_jambers@hotmail.com

O objetivo desse trabalho é apresentar em que medida a formação continuada ofertada pelo
governo do Paraná prepara os professores de inglês do Quadro Próprio do Magistério
(QPM) sobre as Diretrizes Curriculares da Educação Básica de Língua Estrangeira
Moderna (DCE-LEM), uma vez que esses professores são orientados a atuar em sala de
aula seguindo referido documento. Observou-se também nessa pesquisa se a prática
reflexiva é estimulada nesses professores. Para tanto, foi proposto um questionário aos
professores de inglês do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Maringá-PR. Constatou-
se que a maioria dos professores coloca em prática o que é sugerido nas DCE-LEM, exceto
quanto à escolha dos textos que devem ser trabalhados e o papel que a gramática deve ter
na aula de inglês. Principalmente a respeito do trabalho com a gramática, verificou-se que
precisa haver mais incentivo da prática reflexiva nos cursos de capacitação.
136

Trabalho orientado pela Profª Drª Valdirene Zorzo-Veloso. Universidade Estadual de


Londrina – UEL. Londrina.
Paraná. Brasil.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

“MEDO DE NEGAR, MEDO DE ACEITAR, DE SAIR NA CHUVA E MOLHAR”:


A IDENTIDADE FEMININA E O MEDO NA CANÇÃO POPULAR

Vânia da SILVA (PG-UEM)


vania.letras@yahoo.com.br

Ao analisar o feminino na pós-modernidade, encaminhamentos tópicos de reiteração ou


reformulações do medo são recorrentes. Assim, cristalizam-se formulações caracterizadoras
do feminino e dos medos a ele atribuídos, dos papéis pela mulher exercidos e da identidade
a ela possibilitada pelo/no discurso. Neste estudo, objetiva-se analisar como, em
composições modernas da Música Popular Brasileira, década de 90 e anos 2000, o feminino
é caracterizado e quais efeitos de sentido são possibilitados à identidade feminina quando
imbuída na memória pelos sentidos de medo. A partir dos pressupostos teóricos
metodológicos da Análise de Discurso francesa pêcheutiana, pode-se afirmar que o medo
nas canções é significado pelo saturamento do não poder ser, que impossibilita a
identificação feminina a uma posição social emancipada. Nesse sentido, o medo instaura
interditos em que emergem a memória do sexismo e acaba-se por reiterar o efeito de
evidência, a naturalização do feminino e o silenciamento discursivo e social da mulher.

O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE ESPANHOL SOB A


PERSPECTIVA DO GÊNERO TEXTUAL INFOGRÁFICO

Vânia Regina ZANETTI (PDE/UEL)


vaniamaestra@gmail.com

A proposta de trabalho com gêneros textuais vem sendo recorrente no âmbito educacional,
por isso este trabalho busca o estudo das características do gênero infográfico e da
elaboração de um modelo didático baseado nas concepções de Bronckart (2006), com o
intuito de contribuir para o processo de ensino e aprendizagem de espanhol. Ressaltamos
que a elaboração da sequência didática, que versa sobre o tema trânsito, pauta-se nos
preceitos teóricos desenvolvidos por Dolz e Schenewly(2004). Advogamos em prol dos
infográficos no ensino, visto que, além de trabalhar com conteúdos linguísticos em
contexto, incitam o aluno a ler, interpretar e refletir de forma lúdica, dinâmica e
significativa.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
137
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PRENDER PARA RESSOCIALIZAR: A MARCA DO ESTADO NA ESCRITA

Vera Lucia da SILVA (PG-UEPG)


vluzsilva@ig.com.br

Amparada teoricamente nos pressupostos da Análise de Discurso (AD) francesa e


brasileira, a referida comunicação será palco para o desenvolvimento de uma análise do
enunciado ressocialização, produzido em duas Condições de Produção (CP): a) a agenda
temática oficial do Governo do Estado do Paraná e b) em cartas manuscritas por
presidiários que cumprem pena em uma prisão administrada por esse governo. Por ser um
enunciado constantemente repetido nessas duas instâncias, o efeito que se produz é de uma
incorporação do sujeito preso aos moldes neoliberais impostos pelo sistema político e
econômico vigente, que propõe sua readequação ao meio social das pessoas livres, através
de cursos profissionalizantes que atendem a demanda do mercado de trabalho. O resultado
da análise produzida é de que o preso, enquanto indivíduo interpelado em sujeito pela
ideologia (PÊCHEUX, 2009), incorpora o discurso oficial do Estado nas suas cartas.

O DIREITO À LITERATURA: UMA LEITURA DOS 25 ANOS DA CONCEPÇÃO


DE DIREITOS HUMANOS DE ANTONIO CANDIDO

Vicentônio Regis do Nascimento SILVA (PG-UEL)


vicrenos@yahoo.com.br

O direito à literatura (1988) completa vinte e cinco anos de existência, servindo de


referência em cursos de graduação em letras país afora. Inserido em “Vários escritos”, o
artigo defende, em síntese, a inclusão da literatura como item essencial ao exercício pleno
dos direitos humanos, geralmente sendo lembrada a frase final de que a literatura “é um
direito inalienável”. Escrito e divulgado durante a transição do período militar autoritário à
democracia assegurada pela Constituição Federal promulgada naquele ano, O direito à
literatura difunde a concepção direitos humanos do crítico literário Antonio Candido que,
nem sempre, flui ao lado da concepção jurídica e política empregada pelos estudiosos do
tema. Com base na concepção jurídica e política de direitos humanos, a comunicação visa
analisar a conceituação de direitos humanos para o crítico literário e sociólogo. 138
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ORALIDADE E LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E


APRENDIZAGEM DE INGLÊS: UMA ANÁLISE

Victor Fregatti ISEPAM (PG-UEL)


victorisepam@hotmail.com

O livro didático tem sido muito empregado por docentes no processo de ensino e
aprendizagem em geral; em língua inglesa não é diferente, pois na maioria das vezes ele é
considerado a única ou a principal fonte de consulta (SOUZA,1995). Tendo em vista que o
professor tem o direito de participar da escolha do livro a ser adotado, esta comunicação
visa a revisitar modelos de fichas de análise de livros didáticos propostos anteriormente e,
ainda, propor um modelo que seja mais ajustado ao que pretendemos. Em outras palavras,
temos por objetivo, também, analisar a oralidade (produção e expressão oral) e seu
tratamento em uma coleção de livro didático de inglês (English for all), aprovada pelo
Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) de 2013. Para concretizar nosso intento,
baseamo-nos em teóricos como: Fernández (2000) e Ravera Carreño (1990). Em suma,
verificaremos se as atividades com foco na produção oral são de fala espontânea ou não
espontânea; expressão natural ou atividades de produção formal.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Cristina Ferreira. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

EROS URBANO: A COMPOSIÇÃO DO AMOR NA NARRATIVA


CONTEMPORÂNEA SOB A CONSTRUÇÃO DO MOSAICO CITADINO NO
ROMANCE DE ANDRÉ DE LEONES

Vinícius Ferreira dos SANTOS (PG-UEL)


vinifdossantos@gmail.com

A literatura brasileira contemporânea levanta questões acerca da realidade social utilizando


como painel representativo os grandes centros urbanos. As questões levantadas na
contemporaneidade representam as desilusões e questionamentos sobre o movimento da
globalização, aspectos que atingem o imaginário ficcional na cena da literatura atual.
Assim, as cidades, dentro das ficções, tornam-se palco para a representação das relações
sociais, incorporadas em narrativas que desconstroem as relações convencionais,
principalmente, no que diz respeito aos vínculos amorosos. O romance de André de Leones,
Como desaparecer completamente (2010), é o corpus literário utilizado para a análise da
temática das reinvenções e transformações dos vínculos amorosos na sociedade atual.
139

Discute-se sobre o papel da literatura explorando-se as causas e consequências das


mudanças nas convenções e no pensamento sobre o amor no âmbito da contemporaneidade.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O DISCURSO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR PARA A


SALA DE AULA DE LITERATURA

Vinícius Neves de CABRAL (G-UEL)


mad.vinny@hotmail.com

Parece consenso entre pesquisadores que a formação do professor deve ser um processo
ininterrupto e que deve estar em constante análise (GIROUX, 1988; PIMENTA & LIMA
2004). A sala de aula é formada por complexos sistemas que, se analisados, contribuem
para a melhora do ensino/aprendizagem. Entre outros aspectos, é possível analisar a
linguagem utilizada pelo professor. O discurso do professor tem sido apontado como
relevante tópico de análise porque ele tem exercido influência direta na aprendizagem dos
alunos (BROWN, 1983; GREEN & HECHT, 1989). Assim, analisamos o discurso de um
professor em formação em uma aula de literatura durante o estágio curricular obrigatório. A
análise será realizada com base em critérios elaborados colaborativamente na disciplina de
Língua Inglesa para a Sala de Aula. Resultados preliminares têm demonstrado que análises
da linguagem de sala aula possibilita ao professor perceber suas concepções de literatura,
aula de literatura e interações entre aluno-professor.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Michele Salles El Kadri. misalles@uel.br. Universidade
Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A PAISAGEM EM CONTOS DE MONTEIRO LOBATO

Vinicius SCHIOCHETTI (G-UEL)


viniciusschiochetti2009@hotmail.com

Partindo da concepção de paisagem como uma construção simbólica, uma percepção de um


determinado espaço que se dá a ver e que é visto por um sujeito, pretende-se neste trabalho
analisar como a paisagem figura em contos de Monteiro Lobato, para isso serão analisados
dois contos adultos do citado autor, “A colcha de retalhos” e “O mata-pau”. A paisagem
não é simplesmente um cenário, um pano de fundo ilustrativo das histórias narradas, mas é
elemento fundamental na construção do sentido do texto, uma vez que, configurada dessa
forma, ou seja, como uma composição perceptiva que carrega a subjetividade do sujeito
que a percebe, ela contribui para a construção de sentidos do conto e também reflete alguns
elementos do próprio enredo.
140
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PALAVRAS NOVAS E NOVAS PALAVRAS: A NEOLOGIA NOS DICIONÁRIOS


BILÍNGUES INDÍGENAS

Vitória Regina SPANGHERO (UFMS)


vspanghero@gmail.com

O presente trabalho aborda algumas questões sobre a neologia no léxico das línguas
indígenas brasileiras. Utilizamos, para tanto, Landau (1983), Biderman (2001), Welker
(2002), entre outros. O contexto brasileiro lexicográfico é marcado pela descrição de
línguas indígenas no início da colonização. Os primeiros dicionários brasileiros são
bilíngues português-tupi, elaborados pelos jesuítas nos séculos XVI-XVII. Antes disso,
porém, há uma produção de relatos de viajantes e missionários que pode ser considerada
precursora das práticas lexicográficas. Ao descrever as novidades do país, esses falantes
colocam em evidência os referentes. Os compiladores modernos buscam, por sua vez, a
equivalência por meio daquilo que já lhes é familiar. Com os novos referentes, passa a
existir a necessidade de novas nomeações e a adoção de novas palavras é incorporada aos
idiomas indígenas de diversas formas. Tratamos, assim, de como essas novidades são
apresentadas nos dicionários LP-LI.

O SUBSTRATO NEURAL DA TEORIA DA MENTE: IMPLICAÇÕES NA


INTERCOMPREENSÃO

Wagner Ferreira LIMA (UEL)


wagner.wagnerlima.lima@gmail.com

Como a intercompreensão é possível, considerando-se a impossibilidade de duas pessoas


terem a mesma experiência? Essa questão já foi respondida pelos filósofos analíticos: o
emprego de um sistema simbólico comum (MEAD, 1934; WITTGEINSTEIN, 1991).
Contudo, com o advento da neurociência cognitiva, esse tema tem sido alvo de revisão. O
uso de técnicas de imagem do cérebro in vivo tem mostrado redes neurais complexas cuja
atividade se intensifica quando uma pessoa está realizando tarefas de Teoria da Mente
(CAVANNA; TRIMBLE, 2006). Esses dados sugerem, portanto, a existência de
mecanismos neurais disposicionais (DAMÁSIO, 2005), os quais poderiam auxiliar na
construção da experiência social. Eles se localizam nas porções posteromedial do córtex
parietal e medial do córtex pré-frontal, e no sulco temporal superior. Considerando-se
ademais que o mau funcionamento de tais mecanismos ocasiona o aparecimento de
transtornos sociais como o autismo infantil (SAITOVITCH et. al., 2012), pretende-se aqui
141

avaliar a relevância deles para a intercompreensão.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PRESENÇA CÊNICA: REFLEXÕES SOBRE CORPO E LINGUAGEM

Wagner ROSA (PG-UEL/UEM)


wagnerrosa@sercomtel.com.br

Este artigo tem por escopo apresentar uma reflexão sobre a presença cênica. Desenvolve-se
a partir de pesquisa bibliográfica tendo como aporte teórico algumas das principais teorias e
poéticas sobre o corpo e sua linguagem. Direciona-se a profissionais e estudantes que
trabalham com a Arte do Espetáculo Vivo, e visa auxiliar o leitor a conduzir seu olhar
acerca da construção artística tendo como enfoque o efeito de imantação provocado pelo
artista em ação. Partindo-se da ideia de corpo como receptáculo de informações (físicas e
emocionais), as proposições apresentadas trazem como considerações preliminares a ideia
da linguagem corporal como suporte para expressão metafórica que possibilita o
estabelecimento de uma relação com o espectador no que tange à leitura, compreensão e
(re) significação da obra.

IDENTIDADE E VARIEDADES LINGUÍSTICAS: EXPRESSÕES DO


PERTENCIMENTO

William Fernandes Rabelo da SILVA (G-UEL)


williamfernandesrabelo@gmail.com

Este trabalho tem como objetivo articular estudos provenientes da sociologia e aqueles
advindos da sociolinguística com a finalidade de encontrar os pontos de convergência de
ambas quanto às implicações existentes entre a formação identitária e seu reflexo na
dinâmica da variação linguística. Para tanto, adotamos os conceitos de identidade
desenvolvidos pelos sociólogos Zygmunt Bauman (2005) e Stuart Hall (2005),
concentrando-nos, em seguida, nos estudos sociolinguísticos de William Labov (2008).
Apresentamos, pois, considerações sobre a apreensão das normas linguísticas
compartilhadas pelo sujeito, inferindo desta apropriação o movimento de formação
identitária e a correspondência com o pertencimento. Por fim, assinalamos que, diante das
relações cotidianas atuais, tornam-se evidentes que a variação da língua é utilizada pelos
indivíduos denotando não apenas uma necessária interdependência entre uso da língua,
identidade e classe social, mas a relação destas com a condição social e a comunidade de
fala.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Fabiane Cristina Altino. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
142
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SIMPÓSIOS

143
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SIMPÓSIO EM HOMENAGEM AO PROF. SERGIO PAULO ADOLFO

LITERATURAS AFRICANAS

Coordenadores: SILVIO RUIZ PARADISO E SILVANA RODRIGUES


QUINTILHANO

ORÍKÌS: A POÉTICA YORÙBÁ ATRAVÉS DAS INVOCAÇÕES AOS ÒRÌSÀS

Silvio Ruiz PARADISO (PG-UEL)

A partir dos estudos de Risério (1996) os orìkís, poemas sagrados, drum poetry, que no
sentido lexicográfico significa “saudação à cabeça” (do yorùbá Ori [cabeça] e ikí
[saudação, invocação]), passam a serem olhados como produção literária yorùbá, mais
especificamente, no campo da poesia. Risério acredita que os estudos sobre os orìkís
yorùbás são inspiradores, como um estudo poético “capaz de alimentar de algum modo a
produção contemporânea”. Assim, este artigo visa analisar os orìkís òrìsà, poemas próprios
para estas divindades, conhecidas no Brasil como orixás, como poética e expressão literária
do povo yorùbá.

IDENTIDADE E LIBERTAÇÃO NA POESIA DE GUINÉ-BISSAU

Bruno Augusto Monteiro GONÇALVES (PG-UEM)


litfant@gmail.com

Todo povo tem a sua arte e nela são descritos todos os sentimentos presentes no momento
da criação, não só do autor, mas de suas influências e/ou do meio onde vive. Guiné-Bissau
é um pequeno país do noroeste africano que, com a literatura, demonstrou como é colocar
sentimentos, mesclados a revoltas e afirmações de sua própria cultura, dentro de uma obra
de arte. A poesia guineense trás essas misturas num momento histórico-político muito
importante, sua independência. Sendo também colônia de Portugal e tendo como idioma
oficial o português, assemelha-se a nós brasileiros, que com acesso a essa literatura,
poderemos entender melhor até nossas próprias origens.
144
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A DANÇA DAS MÁSCARAS EM “DANÇANDO NO ESCURO” (2007), DE CARYL


PHILLIPS

Nelci Alves Coelho SILVESTRE (PG-UEL)


nelcisilvestre@bol.com.br

Esta comunicação tem como proposta uma análise da obra “Dançando no Escuro” (2007),
de Caryl Phillips. O romance aborda a vida pública e interna da personagem Bert Williams,
que tem um contraponto histórico no famoso ator de vaudevile, que viveu entre 1873 e
1922. Bert cobria o rosto com o que se chamava blackface – maquiagem que, inicialmente,
os atores brancos utilizavam para representar os negros. Os atores brancos tinham seus
rostos pintados de preto por uma pasta de carvão ou por cortiça queimada. A boca recebia o
contorno de uma larga faixa branca ou vermelha, que tinha o objetivo de realçar os lábios
grossos. Mais tarde, alguns artistas negros também adotaram esta prática. A obra,
entretanto, faz um jogo dialético entre o mostrar-se e o esconder-se sob a camuflagem de
uma pele mais negra que a sua e também o sofrimento de reforçar um estereótipo do negro
tolo, comilão e desajeitado que agradava aos brancos. Assim, discorremos sobre o que é a
máscara em uma retomada histórica, a simbologia que carrega e como seus sentidos vão
permeando o romance e o “mostrar-se e esconder-se” a personagem Bert.

O PASSADO SE FAZ PRESENTE NA DRAMATURGIA ANGOLANA

Cínthia Renata Gatto SILVA (PG-UEL)


cinthiagatto@hotmail.com

Este trabalho pretende visitar a dramaturgia de José Mena Abrantes buscando compreender
como a história é utilizada na escrita de suas peças. Parece ser uma exigência imperativa
confrontar a História oficial para compreender as mazelas do período colonial e rever com
criticidade suas ambiguidades. Nesta perspectiva, literatura e ficção não disputam espaço,
mas recorrem uma a outra porque entendem serem formas distintas, porém não excludentes,
de textualidade. Na dramaturgia africana, o passado é presente, pois ainda se vive as
consequências do colonialismo, tanto materiais quanto espirituais. É preciso retomar o
passado, não como mero plano de fundo, mas como um aliado na construção de uma nova
identidade apesar de todas as rupturas causadas pela invasão, e também para questionar as
visões deformadas propagadas pelo empreendimento colonial, noções estas que ainda hoje
causam episódios de intolerância entre povos.
145
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

GUINÉ-BISSAU: AS IDEOLOGIAS DE LIBERTAÇÃO NA POÉTICA DE


VASCO CABRAL E AMÍLCAR CABRAL

Silvana Martins dos SANTOS (PG-UEL)


silvanamartinspoetisa@gmail.com

O objetivo deste trabalho é entender a relação entre o surgimento da Idade Moderna e o


processo de colonização e descolonização da colônia portuguesa Guiné-Bissau , localizada
no continente africano. O movimento de libertação inicialmente ocorre pela união entre as
colônias Guiné-Bissau e Cabo Verde e é através da poética dos escritores Vasco Cabral,
guineense, e do escritor Amílcar Cabral, cabo-verdiano, ambos ligados à luta de libertação
da Guiné e de Cabo Verde, que demonstro como é perceptível em seus poemas o florescer
do sentimento de nacionalidade. É neste contexto que surgea literatura escrita guineense em
língua portuguesa, é por meio da análise dos poemas desses escritores e da relação entre
eles que inicio a investigação das ideologias que perpassam o processo de libertação da
Guiné-Bissau.

RITO INICIÁTICO DE FUNDAMENTOS RELIGIOSOS BANTO, EM O SOL


NASCEU NO POENTE, BOAVENTURA CARDOSO

Maria Aparecida de BARROS (PG-UEL)


mapdebarros@gmail.com

O Sol nasceu no Poente é a porta de entrada da coletânea de contos de A morte do velho


Kipacaça,do autor angolano Boaventura Cardoso, publicada 1989. Na densidade de quase
três páginas, a narradora-protagonista envolve o leitor para o culto de celebração à vida no
cerimonial de dar luz ao feto. A história envolve duas personagens, respectivamente,
mulher velha, nomeada Mãe Fina, mulher jovem, Titico, criança em seu desenvolvimento
uterino. A ficção literária gesta-se em metáforas, espelha a conotação do mundo banto. A
seara narrativa semeia-se pela órbita feminina, há um vínculo entre estas mulheres, que têm
como destino o rio, local escolhido para efetivação do parto. Há ênfase à linguagem
corporal e oral, marca distintiva estendida na superfície textual, que reafirma, neste corpo
criativo, as atribuições místicas, da cosmovisão de etnia negro-africana. Estes códigos
tornam-se referenciais para análise do conto em questão. 146
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A MATRELINEARIDADE EM “O SEGREDO DA MORTA”, DE ANTONIO DE


ASSIS JUNIOR

Silvana Rodrigues QUINTILHANO (PG-UEL)


sillrq@yahoo.com.br

Se nos reportarmos ao início da civilização do continente africano, antes das invasões dos
europeus, perceberemos que o regime matriarcal já esteve bem enraizado na tradição de
Angola, inclusive, em seu painel histórico, contemplamos rainhas que se tornaram mitos na
construção da tradição do povo angolano. Por causa da matrilinearidade bantu, conforme
Bonnici (2000, p.157), “a dignificação do passado e a restauração da confiança dos
africanos em si mesmos assumem predominância sobre temas feministas”. Dessa forma, as
personagens femininas no romance “O segredo da morta” dão suporte à manutenção da
tradição e sustentação à força das mulheres de Dondo, como estratégia de resistência
cultural.

LETRAMENTO NAS HISTÓRIAS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO:


IMPLICAÇÕES PARA A PRÁXIS PEDAGÓGICA

Coordenadora: ANA LÚCIA DE CAMPOS ALMEIDA

LETRAMENTOS VERNACULARES X LETRAMENTOS DOMINANTES –


PRÁTICAS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO

Ana Lúcia de Campos ALMEIDA (UEL)


analucpos@gmail.com

O presente trabalho está vinculado a um projeto de pesquisa que objetiva investigar as


práticas de letramento de professores de língua portuguesa em formação, com vistas a
construir um perfil aproximado de letramento dos futuros professores egressos do Curso de
Letras Vernáculas e Clássicas – licenciatura - da Universidade Estadual de Londrina – PR.
O corpus da pesquisa é constituído por um conjunto de histórias de letramento escritas
pelos sujeitos - professores em formação; as análises realizadas permitem visualizar as
práticas de letramento, sejam do modelo dominante ou do vernacular, desenvolvidas pelos
sujeitos a partir de sua inserção sociocultural e histórica nas comunidades locais e
147

propiciam uma reflexão sobre a relação dos letramentos com a práxis pedagógica. A
metodologia segue a linha qualitativa interpretativista e a fundamentação teórica provém
dos Novos Estudos de Letramento (Heath, Barton, Street, Kleiman e Soares).
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

HISTÓRIAS DE LETRAMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DAS


EXPERIÊNCIAS COM LEITURA E ESCRITA DE ALUNOS DE LETRAS EM
FORMAÇÃO

Isabel Cristiane JERÔNIMO (UEL)

O perfil dos estudantes que escolhem a profissão docente tem mudado no Brasil, de acordo
com os dados do Censo escolar 2007 (INEP/MEC). São alunos socioeconomicamente
oriundos de famílias das classes C e D e a maioria provem do sistema de ensino público.
Dessa forma, por não estarem expostos a gama cultural a que estão os graduandos
pertencentes às classes mais abastadas, tendem a construir uma relação mais limitada com
as práticas de letramento de prestígio. Neste trabalho, tem-se como objetivo fazer uma
descrição dos relatos autobiográficos construídos pelos graduandos do último ano em
formação docente do curso de Letras da Universidade Estadual de Londrina, a fim de
perceber de que forma o letramento escolar e acadêmico a que estiveram expostos são
representados em suas narrativas. Os resultados apresentados aqui são parciais e fazem
parte de um projeto de pesquisa mais amplo que vincula suas investigações à linha dos
Estudos do Letramento.

POSIÇÕES DE AUTORIA EM NARRATIVAS DE VIDA

Paulo Roberto ALMEIDA (UEL)


pralmeida@uel.br

A presente comunicação tem como objetivo i) refletir sobre o processo de construção de


narrativas de vida produzidas por alunos de graduação do curso de Letras, na área de
formação de professores: suas histórias no contato com o mundo da escrita; ii) a partir
dessas histórias, busca-se indiciar nas produções os modos de um dizer, as táticas no
trabalho de dizer o mundo por meio da linguagem. Nessa relação sujeito/lingua(gem),
nosso olhar estará voltado, portanto, para a manifestação de subjetividades, posições de um
sujeito-autor – e suas implicações no processo de constituição identitária. Ao pensar em
constituição de identidades, pensa-se no conceito de identidade como posicionamentos do
sujeito, segundo o qual a posição tomada pelo sujeito o levará a olhar o mundo através de
uma determinada posição de acordo com imagens e conceitos específicos que são tornados
relevantes dentro de das práticas discursivas em que cada pessoa se engaja.
148
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CAMINHOS DA CRÔNICA CONTEMPORÂNEA

Coordenadora: ANGELA MARIA PELIZER DE ARRUDA

CRÔNICAS DE LUIS FERNANDO VERISSIMO: A COMUNICAÇÃO DE MASSA


E A EXPOSIÇÃO DA INTIMIDADE

Angela Maria Pelizer de ARRUDA (UEL/PUCPR)


angelapelizer@gmail.com

O presente artigo tem como objetivo verificar as reflexões trazidas pelas crônicas do final
do século XX acerca da exposição da intimidade, principalmente quando esta se dá por
meio da comunicação de massa. Levando em consideração que o texto cronístico se
apresenta como um relato dos acontecimentos cotidianos, acreditamos ser o gênero ideal
para tais apontamentos. Luis Fernando Verissimo nos parece ser um exemplo de cronista
em consonância com o seu tempo e disposto a discutir questões como essas. Assim,
utilizaremos como corpus de análise, crônicas de Verissimo, escritas entre as décadas de
1980 e 1990 que abordem o tema aqui proposto, com o intuito de refletirmos como o
gênero, a partir de suas particularidades, expõe o tema e leva o leitor a refletir sobre ele.

FICÇÃO E NOTÍCIA NA CRÔNICA “NOVOS MODELOS PARA


COMUNICAÇÃO”, DE DRUMMOND

Giovana CHIQUIM (PG-UEL)

O cronista Carlos Drummond de Andrade estabelece um contato estreito com a matéria


jornalística em suas narrativas. Ele revela em entrevistas que lia os jornais diariamente e
que as notícias serviam de mote para suas crônicas. O gênero se destaca justamente por ser
um objeto literário que joga luz em um fragmento da realidade, numa dimensão diversa do
jornalismo tradicional. Quando a notícia é contada pelo viés do cronista ele constrói uma
narrativa atemporal, com personagens ficcionais, aos moldes da arte literária. Drummond,
inclusive, criou o personagem João Brandão, com quem estabelece diálogo em diversas
crônicas. Em “Novos modelos para comunicação” (Jornal do Brasil, 21 de fevereiro de
1978), texto que analisaremos nesse estudo, Drummond faz uma crítica sobre uma medida
149

dos Correios para padronizar os envelopes das correspondências. Diante dessa


narrativa verificamos que a crônica não pode ser considerada um gênero “raso”. Apesar de
ser breve e simples, faz comentários lúcidos sobre a realidade que não são mencionados
Página

pela imprensa tradicional em razão da objetividade do discurso jornalístico.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

INDIVIDUALIZAÇÃO NUM ESPAÇO A DOIS: UM OLHAR DE LUIZ


FERNANDO VERISSIMO SOBRE A AFETIVIDADE CONTEMPORÂNEA

Flaviane Faria GONÇALVES (G-UEL)


flaviane.fg@hotmail.com

Nas últimas décadas do século XX, com transformações da sociedade e da família e com
mudanças a respeito da sexualidade, é notória uma individualização dos comportamentos e
dos ideais dos indivíduos. Refletir sobre a representação dessa individualização no meio
literário nos instiga diante de uma contradição atual nos relacionamentos: conciliar a
reciprocidade com a busca dos indivíduos por sua realização individual. Nesse contexto, o
cronista Luiz Fernando Verissimo, por meio de seus personagens, nos permite refletir sobre
novas concepções que permeiam as afetividades contemporâneas. Como aporte teórico
sobre a história da sexualidade e suas mudanças, recorreremos aos estudos de Peter N.
Stearns, Giddens, Bauman e Bozon. Buscaremos também, reflexões sobre o gênero crônica
com diferentes teóricos como Antonio Candido, Afrânio Coutinho e Davi Arriguci Junior.

AS FACETAS DA IDENTIDADE

Coordenadora: VERÔNICA BRAGA BIRELLO

A (IN)VISIBILIDADE DO TRADUTOR: A CONSTRUÇÃO DE UMA


IDENTIDADE PÓS-MODERNA

Verônica Braga BIRELLO (UEM)


vbirello@gmail.com

Este trabalho tem por objetivo discutir a visibilidade do tradutor por meio de sua
invisibilidade. Muitos leitores se encontram frente a obras clássicas da literatura mundial e
não se dão conta de que seu acesso a esses escritos acontece por meio de uma tradução.
Sendo assim nossa discussão gira em torno da figura do tradutor e do entre-lugar onde
habita: tradutor-leitor, tradutor-autor, tradutor (in)visível. Em nossa pesquisa refletiremos
sobre a questão da formação da identidade do tradutor-autor por meio da desconstrução do
sujeito uno e completo tendo por base os estudos de Hall (2000) e Silva (2000). Basearemo-
150

nos ainda nos estudos de Venuti (1998) e Arrojo (1986) para tratar especificamente do
tradutor na pós-modernidade.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SECRETARIADO EXECUTIVO TRILINGUE: A IDENTIDADE PROFISSIONAL


ENTRE A TEORIA E O MERCADO DE TRABALHO

Yasmin Stocco GONÇALVES (G-UEM)


yasmin.stocco@gmail.com

Este trabalho tem por objetivo realizar um levantamento sobre o conteúdo das disciplinas
ministradas no curso de Secretariado Executivo Trilíngue da Universidade Estadual de
Maringá buscando estabelecer uma correlação com as exigências do mercado de trabalho.
Visamos ainda verificar a adequação da grade curricular oferecida aos alunos em relação às
demandas do mercado de trabalho. O método utilizado na primeira parte do trabalho será a
pesquisa bibliográfica e discussões teóricas sobre a formação acadêmica do profissional de
Secretariado Executivo Trilíngue e a forma como são aplicados e distribuídos os
conhecimentos ao longo dos quatro anos de graduação. A partir dos dados obtidos
buscaremos discutir a questão da formação da identidade profissional por meio da
desconstrução do sujeito profissional tendo por base os estudos de Hall (2000) e Silva
(2000).

A MEMÓRIA NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DO SUJEITO NIPO-


BRASILEIRO REPRESENTADO PELA LITERATURA

Hugo Hajime KIMURA (PG-UEM-Gpleiadi-CNPq)

Este trabalho tem como objetivo analisar a trajetória do imigrante japonês retratado nos
meios artísticos brasileiros. Desta forma, por meio da análise do discurso este trabalho tem
como objetivo discutir as memórias coletiva e discursiva que constituem o romance
Nihonjin. O objetivo maior desse trabalho está ligado diretamente ao modo de subjetivação
e construção de identidades representadas no romance, fazendo-se um recorte na questão
referente à memória coletiva e discursiva, por meio da perspectiva de Pêcheux (1999) e
Davallon (1999). Com isso, temos a questão de uma memória coletiva afetando o indivíduo
e o que se perde e se ressignifica na mudança de território. Para tanto, será feito uma leitura
interpretativa de Nihonjin (2011), do escritor maringaense Oscar Nakasato. A obra retrata o
processo de imigrantes japoneses que saíram de sua pátria e vieram para o Brasil.

A LINGUAGEM DAS TIRAS CÔMICAS


151

Coordenadora: MARIA ISABEL BORGES


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS ELEMENTOS DA LINGUAGEM DOS QUADRINHOS: UMA ANÁLISE DAS


TIRAS CÔMICAS “GARFIELD” E “HAGAR, O HORRÍVEL”

Angela de Lourdes CAPELLESSO (G-UEL)


angelacapellesso@hotmail.com
Angélica Regina Gonçalves BERTOLAZZI (G-UEL)
angelica.bertolazzi@gmail.com

Nosso objetivo principal é caracterizar os elementos que constituem a linguagem das tiras
cômicas vinculadas aos protagonistas Hagar e Garfield. Os elementos são: o desenrolar das
ações em uma sequência narrativa; a caracterização das personagens; tempo e espaço;
representação das falas e da oralidade. A charge, as tiras (cômicas, cômicas seriadas e
seriadas), o cartum e as histórias em quadrinhos integram o guarda-chuva “quadrinhos”,
constituindo-se um hipergênero, quando consideramos os estudos de Maingueneau (2004;
2005) e a perspectiva de Paulo Ramos (2007; 2010) sobre os elementos fundantes da
linguagem dos quadrinhos. A especificação de uma tira como cômica vincula-se ao riso
provocado no desfecho da sequência narrativa da tira. As ações das personagens se
desenrolam a caminho de um conflito cujo desfecho revela o humor. Há, nesse desfecho,
uma quebra da linearidade das ações construída ao longo das primeiras vinhetas; uma
fissura se faz para a emersão do humor, portanto.

OS ELEMENTOS DA LINGUAGEM DOS QUADRINHOS: UMA ANÁLISE DAS


TIRAS CÔMICAS DE MAFALDA

Alessandra Santos CONTIM (G-UEL)


alessandrasc2009@hotmail.com
Débora Satiro dos SANTOS (G-UEL)
satiro_debora@hotmail.com

Em 1964, Mafalda, uma menina de seis anos, apareceu na revista semanal argentina:
“Primera Plana”; seu último aparecimento ocorreu em 1973. Em geral, as temáticas
remetem às questões políticas e sociais dos anos de 1960. A protagonista pertence a uma
típica família da classe média argentina e representa o inconformismo da humanidade, sem
perder a fé em sua própria geração. Neste trabalho, pretendemos caracterizar: tempo,
espaço, personagens, enredo, falas e ações das personagens, que se desenrolam a caminho
de um conflito cujo desfecho revela o humor, um efeito do riso provocado no destinatário.
Mesmo diante de retratos sócio-históricos relacionados com o contexto argentino, é
152

possível ressignificá-los uma vez que tais tiras se tornaram atemporais. Os sentidos
possíveis, portanto, não se limitam à época de produção e publicação; pelo contrário se
propagam a ponto de não se observar um fim para o “efeito dominó” desencadeado desde
Página

1964.
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

AS TIRAS CÔMICAS “AS COBRAS — ANTOLOGIA DEFINITIVA”: UMA


ANÁLISE DA LINGUAGEM

Anna Bacinello QUILES (G-UEL)


annabacinelloq@hotmail.com
Maria Isabel BORGES (UEL)
belborges1@hotmail.com

Nosso objetivo é caracterizar: tempo, espaço, personagens, enredo, falas e ações das
personagens, que se desenrolam a caminho de um conflito cujo desfecho revela o humor,
um efeito do riso provocado no destinatário. A especificação de uma tira como cômica está
intimamente vinculada àquilo que provoca riso no desfecho da sequência narrativa. Em “As
Cobras — antologia definitiva” (2010), produzidas por Luís Fernando Veríssimo na
condição de cartunista, as tiras cômicas são organizadas em dez temáticas: “As Cobras
existencialistas”, “As Cobras e o futebol”, “As Cobras e Deus”, “As Cobras e o poder”, “As
Cobras filhotes”, “As Cobras históricas”, “As Cobras na praia”, “As Cobras literárias”, “As
Cobras no espaço” e “As Cobras e outros bichos”. Nossa base teórica principal é a obra “A
linguagem dos quadrinhos” de Paulo Ramos (2010).

UM ESTUDO INICIAL DAS TIRAS CÔMICAS DE ORLANDELI

Esméri Malagute PEREIRA (G-UEL)


Ivone Volpe VIEIRA (PG-UEL)
esmerimalagute@hotmail.com

A charge, as tiras (cômicas, cômicas seriadas e seriadas), o cartum e as histórias em


quadrinhos integram o guarda-chuva “quadrinhos”, constituindo-se um hipergênero,
quando consideramos os estudos de Maingueneau (2004; 2005) e a perspectiva de Paulo
Ramos (2007; 2010) sobre os elementos fundantes da linguagem dos quadrinhos. Nosso
objetivo principal é, nas tiras do cartunista Orlandeli nas séries “Grump” e “Sic”,
caracterizar: tempo, espaço, personagens, enredo, falas e ações das personagens, que se
desenrolam a caminho de um conflito cujo desfecho revela o humor, um efeito do riso
provocado no destinatário. Nesse desfecho, quebra-se a linearidade das ações construída ao
longo das primeiras vinhetas; uma fissura se faz para a emersão do humor, portanto. Este
trabalho está vinculado a um projeto de pesquisa sobre tiras e a uma dissertação de
mestrado a respeito da coordenação expressa na língua em uso — os textos — sob o olhar
pragmático-funcional, ambos em andamento.
153
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TRAJETÓRIAS TEÓRICO-ANALÍTICAS DO GEDUEM: A IMAGEM E(M)


DISCURSO

Coordenador: JEFFERSON CAMPOS

A REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA DA OBRA DE ARTE NO CIBERESPAÇO:


EFEITO DE REALIDADE

Tacia ROCHA (PG-UEM)


tacia.rocha.f@gmail.com

Devido às transformações tecnológicas dos últimos anos, o ciberespaço está instituindo


novos regimes do olhar e do dizer, constituindo novas formas de leitura. Na busca da
comunicação massificada, museus tem disponibilizado seus acervos por meio de visitas
virtuais, sob o mote de colocar a “cultura ao alcance de todos”, como é o caso do portal
eravirtual.org. Neste trabalho, partimos do pressuposto de que o mundo virtual possibilita
outras formas de visibilidade da arte para os mesmos indivíduos que a fruem no mundo não
virtual. Diante disso, o presente trabalho, na Análise de Discurso de orientação foucaultiana
desenvolvida no Brasil, tem por objetivo compreender o funcionamento discursivo do
portal eravirtual.org, ao colocar em circulação efeitos de inserção sociocultural dos
indivíduos as exposições, acervos e promoção dos museus brasileiros, considerado que essa
materialidade suscita um efeito de realidade por meio da ordem do discurso digital.

A VONTADE DE VERDADE COMO INSTRUMENTO DISCURSIVO DO PODER

Claudinéia Cristina VALIM (PG-UEM)


Di_valim@hotmail.com

Sob o delineamento teórico de Michel Foucault acerca dos regimes de verdade e da relação
saber/poder, buscamos, em nossa pesquisa, compreender, na articulação entre discurso e
leitura imagética, quais são os efeitos de verdade sobre a beleza construídos no jogo cênico
do filme “Espelho, espelho meu” (2012), de Tarsem Singh. Essa materialidade foi
escolhida por demonstrar, de maneira singela, como é comum aos contos de fadas, um tema
tão atual quanto esse. Após expor alguns apontamentos sobre os regimes de verdade, sobre
as relações de saber/poder e uma breve explanação a respeito da autoimagem, analisamos,
154

por meio do movimento descritivo-interpretativo sugerido por Tasso (2003), quatro cenas
do filme nas quais o tema em questão é recorrente. Partindo das dimensões visual e verbal e
dos planos da visibilidade e da invisibilidade, pretendemos produzir um gesto de leitura
Página

sobre a beleza e produção do discurso midiático presentes nas referidas imagens.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O CORPO TRANSEXUAL INFANTIL: PRÁTICA DISCURSIVA DO CINEMA


FRANCÊS

Talita Dias TOMÉ (G-UEM)


talitadtome@gmail.com

O presente trabalho, subsidiado pelo escopo teórico da Análise do Discurso franco-


brasileira, baseia-se nos procedimentos foucaultianos centrados nos conjuntos crítico e
genealógico. Investiga como a transexualidade infantil feminina é discursivada no filme
francês Tomboy, dado que esse é um tema que tem sido bastante abordado no Brasil, nos
últimos meses, e que pede um olhar emergente tanto da sociedade, quanto do espaço
educacional. Dessa forma, optou-se pela materialidade fílmica como objeto de
investigação, pois o cinema é uma mídia de excelência que vai além do entretenimento,
transformando-se em um dispositivo de congregação entre saberes “tecnocientíficos” (LUZ,
2007), discursivos e político-culturais para o dizer da sociedade sobre o corpo e a
sexualidade.

LER IMAGENS: GENEAOLOGIA DE UMA TRAJETÓRIA


DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO

Jefferson CAMPOS (PG-UEM/UNIFAMMA)


jeffersoncampos@geduem.com.br

A demanda por ultrapassar os limites academicistas e epistemológicos impostos pelo


desafio de ler imagens exige, há alguns anos, a ousadia para explorar caminhos fronteiriços
e não delimitados nas práticas de análise e ensino de leitura. Nas pesquisas desenvolvidas
nas Ciências da Linguagem, a identificação da falta de um quadro teórico-metodológico
que sustente a análise de imagens data de um pouco mais de uma década e, nesse período,
alguns trabalhos são cruciais para a especificação de uma via para um depuramento teórico
e um refinamento metodológico que permitam o empreendimento de gestos de leitura
significativos. Pela importância da temática e como contribuição ao presente simpósio,
empreendemos um mapeamento desse cenário e nos valemos de um gesto genealógico a
fim de destacar as contribuições do Grupo de Estudos em Análise do Discurso da UEM
para a composição de uma ordem do olhar para as especificidades da escuta da imagem
e(m) discurso.
155
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

DO DIZER ÀS IMAGENS: OS MOVIMENTOS DO DISCURSO

Coordenadora: ROSELENE DE FATIMA COITO

ANÁLISE DISCURSIVA DOS CONTOS DE EDGAR ALLAN POE PARA A TV:


REGULARIDADES DE UM ACONTECIMENTO MIDIÁTICO

Jaqueline Aparecida CAMPOS (PG-UEM/CNPq)


jaque767@hotmail.com

A partir do conceito de acontecimento trazido por Foucault, o qual afirma que tal fato
ocorre na presença da regularidade na dispersão, propõe-se uma breve análise sobre o
acontecimento midiático presente na tradução de contos de Edgard Allan Poe para uma
série na TV. O trajeto feito desde os textos em inglês para a adaptação televisionada em
português permite que se faça uma análise sobre os discursos circundantes nas duas épocas
e cenários realizados: a cena norte- americana do século XIX do texto de partida e a cena
brasileira do século XXI do texto de chegada. Esses discursos serão discutidos para se
localizar a regularidade na dispersão citada por Foucault, que nesse caso é percebida no
acontecimento que se dá na quebra, ou seja, o previsível que seria uma tradução de um
texto escrito para outro não acontece, e sim é configurada para a TV, em outra época e
contexto.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Roselene de Fatima Coito. Universidade Estadual de
Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.

DO DIZER ÀS IMAGENS: MOVIMENTOS DO DISCURSO

Roselene de Fatima COITO (UEM/CNPq)

A Análise do Discurso de orientação francesa (doravante AD) apesar de ser uma


linguística, diferencia-se da linguística pelo fato de estudar a língua em seu funcionamento
e opacidade. É sabido que essa teoria filosofico-discursiva nasceu sob a égide do discurso
político e que, com seus desdobramentos e pontos de deriva, passou por reelaborações tanto
em território europeu, mais especificamente na França, quanto em território brasileiro.
Pensando nestes desdobramentos e reelaborações, o objetivo desta proposta é trazer o
debate de como o dizer tem se repetido, se regularizado e se ressignificado nas mídias
televisa e impressa, a fim de compreender quais têm sido os movimentos do discurso na
156

produção de sentidos.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CLASSE EMERGENTE: UM NOVO DISCURSO PUBLICITÁRIO?

John José RAMIRO (G-UEM/CNPq)

A economia brasileira passa por uma grande transformação. Na década de setenta do século
XX, os setores industrial e comercial se tornam responsáveis por uma demanda de oferta de
empregos, principalmente na capital paulista. Posteriormente, em 1994, com a implantação
do real, e todos os programas do governo, iniciados no século XXI, intencionados ao fim da
fome e a miséria no Brasil, fizeram com que a economia brasileira alavancasse e o país se
tornasse uma das maiores economias do mundo. Os brasileiros que antes participavam de
uma classe menos, agora emergem para uma nova classe média. O poder de compra para
esta classe média aumenta e a produção publicitária se volta para este novo público. É a
partir desta perspectiva, que temos como objetivo analisar duas propagandas que se dirigem
a este novo consumidor, afim de refletir sobre a relação discurso/imagem na produção de
sentidos em dadas condições de produção.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Roselene de Fatima Coito. Universidade Estadual de
Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.

DA IMAGEM AO SILÊNCIO: A CENSURA NO ANIME DRAGON BALL

Lucas Mestrinheire HUNGARO (G-UEM/CNPq)

A Análise do Discurso de linha francesa tem como objeto de estudo o discurso e seu
sentido, ou seja, ela se interessa por estudar a “língua funcionando para a produção de
sentidos”. Tendo os animes, os desenhos animados japoneses, como uma imagem que se
produz e que produz sentido, este trabalho propõe-se a discutir como as formas de censura
se dão no anime Dragon Ball. Verificar-se-á como as cenas originais, ao serem
configuradas para a linguagem televisiva, sofrem censuras e, que, a partir disso, produz
outros efeitos de sentido que promovem o silêncio e o silenciamento do
dizer desencadeando assim um alijamento do sujeito frente à sociedade, sociedade esta (a
japonesa) que cria a imagem futurista no mercado tecnológico pressupondo uma ampla
democracia social mas que se contradiz ao instaurar o silêncio de dizer.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Roselene de Fatima Coito. Universidade Estadual de
Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.
157
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A NARRATIVA FRANCESA COMO SUPORTE PARA APRENDIZAGEM DE FLE

Coordenadoras: MARGARIDA DA SILVEIRA CORSI E CARMEN RODRIGUES


DE LIMA

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA DOS CONTOS LE CHAT BOTTÉ E LE


PETIT POUCET DE CHARLES PERRAULT

Natália GODOY (G-UEM)


natyy_godoyy@hotmail.com
Aline Aparecida da SILVA (G-UEM)
alinesilva.sabino@yahoo.com.br

Esta pesquisa, vinculada ao Projeto de pesquisa “A narrativa francesa como suporte para a
aprendizagem de língua e literatura francesas. É possível encontrar novos caminhos?”
estuda comparativamente os contos de fadas Le Chat botté e Le petit Poucet de Charles
Perrault, partindo da análise centrada no conceito de gênero literário ampliada para os três
pilares constitutivos de gêneros discursivos de Bakhtin (1992) – conteúdo temático, estilo e
estrutura composicional –, apreendendo as características do gênero conto de fadas e
embasando possíveis abordagens em sala de aula, partindo de trabalho didático centrado
nas versões impressas e em áudio dos contos, considerando a relação de autor e
destinatário(s), assim como a análise dos elementos composicionais do gênero abordado.
Neste sentido, busca-se contribuir para a formação de um receptor, consciente da riqueza
linguístico-cultural do gênero conto, estimulando o aprimoramento de seus conhecimentos
sócio histórico-ideológicos.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Margarida da Silveira Corsi. Universidade Estadual de
Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.

O TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DA LÍNGUA FRANCESA

Carmen Rodrigues de LIMA (UEM)


crdelagnese@hotmail.com
Nilda Aparecida BARBOSA (UEM)
nilbarb@hotmail.com
158

Ao longo dos anos, temos visto, cada vez mais, que a literatura presente em alguns métodos
de Língua Francesa tem um espaço muito reduzido. Nesse sentido, seu papel, no ensino-
Página

aprendizagem de língua, muitas vezes, se restringe apenas à observação de alguns aspectos


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

linguísticos importantes para o aprendizado da língua. Essa visão empobrecedora do texto


literário nos métodos de Língua Francesa conduz o aluno a uma compreensão limitada
desse tipo de discurso. Desta forma, nosso trabalho tem como objetivo analisar alguns
métodos de Língua Francesa com o intuito de verificar os encontros e desencontros nas
propostas de aplicação do texto literário.

OS CONTOS DE FADAS DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA DE AS


FADAS

Margarida da Silveira CORSI (UEM)


margaridacorsi33@hotmail.com
Renata Kelen da ROCHA (G-UEM)
renata_ke@hotmail.com
Vilma da Silva ARAÚJO (G-UEM)
vilmaaraujo@hotmail.com

Esta pesquisa se propõe a estudar analiticamente o conto de fadas As Fadas de Charles


Perrault, partindo da análise centrada, na teoria literária dos gêneros e, em seguida, nos três
pilares constitutivos de gêneros discursivos – conteúdo temático, estilo e estrutura
composicional –, para apreender as características do gênero conto de fadas, segundo os
conceitos da teoria literária expandidos para os conceitos de Bakhtin (1992). Pretende-se
com a proposta traçar um percurso de análise da narrativa literária baseado na conceituação
de gêneros literários e expandido para o conceito de gêneros do discurso. Espera-se que o
resultado de tal trabalho possa contribuir para a formação de um processo de análise capaz
de elucidar as potencialidades da narrativa literária francesa de Charles Perrault.

ENSINO DE LITERATURA EM SALA DE FLE

Beatriz Moreira ANSELMO (UEM)


beatriz.moreira.anselmo@gmail.com

A proposta deste trabalho é apresentar os resultados do Projeto de Pesquisa e Ensino de


Literatura Francesa desenvolvido no âmbito da disciplina Prática de Formação de
Professores de Francês do curso de Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM). O
projeto foi elaborado e executado com vistas a estimular a análise crítica de livros que
compõem materiais didáticos de ensino de FLE (Francês Língua Estrangeira) – no que
159

concerne à abordagem da literatura francesa e francófona por tais métodos – e a elaboração


e realização de aulas que tenham o texto literário como principal suporte de ensino-
aprendizagem de língua e literatura francesas. Na posição de alunos prestes a se tornarem
Página

docentes, os participantes do projeto ministraram aulas de literatura percorrendo gêneros


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

literários diversos como narrativa, poesia, fábula, contos de tradição oral e histórias em
quadrinhos, e mostraram em suas apresentações a diversidade de trabalhos e atividades que
podem ser realizados a partir de gêneros textuais artísticos em sala de aula.

GÊNEROS DISCURSIVOS DA ESFERA LITERÁRIA E PLANO DE TRABALHO


DOCENTE: PROPOSTAS INTERVENTIVAS

Coordenador: LUIZ ANTONIO XAVIER DIAS

A RELEVÂNCIA DA SINTAXE AUDIOVISUAL PARA A ESTRUTURA


COMPOSICIONAL DO GÊNERO DISCURSIVO FILME DE ANIMAÇÃO
INFANTIL

Luiz Antonio Xavier DIAS (PG-UEL/UENP)


laxdias@uenp.edu.br

A presente comunicação, recorte da pesquisa de Mestrado em andamento, objetiva


investigar o quanto a sintaxe audiovisual pode influenciar a estrutura composicional do
gênero discursivo filme de animação e o conteúdo temático do gênero em pauta. Para tanto,
serão exploradas a posição da câmera e seus movimentos em um trecho de um texto-
enunciado de Frozen: uma aventura congelante (2014). Os fundamentos teóricos da
linguagem cinematográfica apresentada neste trabalho estão pautados em Dennis (2007),
Xavier (1971), Fossati (2010, 2011) e nos aportes do Círculo de Bakhtin (2003, 1992).
Cabe lembrar, que a pesquisa em apreço também está vinculada ao Grupo de Pesquisa
Leitura e Ensino – CNPq, da Universidade Estadual do Norte do Paraná e aos projetos de
pesquisa do grupo em foco.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Alba Maria Perfeito. perfetto_3@hotmail.com.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

160
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

COMO TREINAR O SEU DRAGÃO (2010): UMA PROPOSTA INTERVENTIVA


PARA O TRABALHO COM O GÊNERO DISCURSIVO FILME DE ANIMAÇÃO
INFANTIL

Alex Ferreira JOAQUIM (G-UENP)


profealexjoaquim@hotmail.com
Vanessa Cardoso MACHADO (G-UENP)
vanessa55557@hotmail.com

Este trabalho, vinculado ao Grupo de Pesquisa Leitura e Ensino–CNPq, da UENP –


Universidade Estadual do Norte do Paraná, campus Jacarezinho – PR, fundamenta-se nos
estudos realizados no Projeto de Pesquisa Estudos Bakhtinianos e o Multiletramento
(UENP), tem por finalidade apresentar um Plano de Trabalho Docente (PTD), metodologia
para transposição didática, de Gasparin (2011), como uma forma de intervenção
pedagógica para se trabalhar o texto-enunciado do gênero discursivo filme de animação
infantil Como Treinar seu Dragão (2010). Por ser um gênero discursivo apreciado pelos
alunos e pela proposta metodológica (PTD) explorar as três habilidades essenciais em sala
de aula: leitura, escrita e análise lingüística, com um viés voltado às práticas sociais, é que
justificamos nossas escolhas teóricas. Dessa forma, o presente trabalho respalda-se na
perspectiva dialógica da linguagem de Bakhtin (2003), em Gasparin (2011) e Fossati
(2011).
Trabalho orientado pelo Prof. Luiz Antonio Xavier Dias. laxdias@uenp.edu.br.
Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Jacarezinho. Paraná. Brasil.

PROPOSTA DE TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA A PARTIR DO GÊNERO


DISCURSIVO FILME DE ANIMAÇÃO INFANTIL MEU MALVADO FAVORITO
(2010)

Aldimeres Ferraz da SILVA (G-UENP)


aldimeresf@gmail.com
Liliam Ester do Prado GUIMARÃES (G-UENP)
guimaraes_liliam@hotmail.com

Este trabalho, vinculado ao Grupo de Pesquisa Leitura e Ensino (UENP/CNPQ) e ao


Projeto de Pesquisa Estudos Bakhtinianos e o Multiletramento(UENP), objetiva apresentar
uma proposta interventiva de ensino de língua portuguesa via gêneros discursivos mais
significativa para a educação básica. Para tanto, utiliza-se como metodologia para
transposição didática o Plano de Trabalho Docente de Gasparin (2009) via gênero
161

discursivo Filme de Animação Infantil. Primeiramente, realiza-se um breve estudo sobre a


Teoria do Filme e Animação Digital, posteriormente sobre o gênero discursivo em pauta,
mais especificamente sobre o texto-enunciado Meu Malvado Favorito (2010). Para atingir
Página

os objetivos propostos, serão levantadas suas características e regularidades quanto às


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

condições de produção, estrutura composicional, finalidades e marcas linguístico -


enunciativas em consonância com as proposições teóricas de Bakhtin (2003). A partir disso,
propõe-se a transposição didática para o texto-enunciado em análise destinado ao 6º Ano do
Ensino Fundamental II.
Trabalho orientado pelo Prof. Luiz Antonio Xavier Dias. laxdias@uenp.edu.br.
Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Jacarezinho. Paraná. Brasil

UMA PROPOSTA DE LEITURA/ANÁLISE LINGUÍSTICA, VIA PLANO DE


TRABALHO DOCENTE, COM O GÊNERO DISCURSIVO LENDA

Mirian PRADO (UENP)


mirian_mp_18@hotmail.com

Este trabalho tem por objetivo apresentar uma proposta de leitura/ análise linguística via
texto-enunciado do gênero discursivo lenda. À busca de regularidades do gênero em
estudo, muito confundido com o mito, fundamentando-nos na teoria dos gêneros
discursivos (BAKHTIN, 2003), realizamos uma análise da dimensão estilo bakhtiniana,
abordando atividades epililinguísticas, como fim, e metalinguísticas, como meio, além de
outras dimensões bakhtinianas dos gêneros (conteúdo temático e construção
composicional), associadas ao contexto de produção. Feito isso, elaboramos uma proposta
de encaminhamento didático, fundamentada no Plano de Trabalho Docente de Gasparin
(2009), na perspectiva da Pedagogia Histórico-Crítica. A proposta pode ser levada a efeito,
consideradas as necessidades de cada contexto de aplicação, nos primeiros anos do Ensino
Fundamental II (5º e 6º anos). Entretanto, dependendo dos objetivos do docente, pode ser
aplicada em anos diferenciados, fazendo-se as devidas adaptações.
Trabalho orientado pelo Profª. Patrícia Cristina de Oliveira Duarte.
patriciaoliveira@uol.com.br. Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP.
Jacarezinho. Paraná. Brasil

ALMA, EXISTÊNCIA E DESCONSTRUÇÃO: NÉLIDA PIÑON E MARINA


COLASANTI

Coordenadora: ALESSANDRA NAVARRO FERNANDES


162
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

MULHERES DE PAPÉIS: O OLHAR SOBRE O SER

Patrícia Mendes do SANTOS (PG-UEL)


patrícia_normandia@hotmail.com

Os estudos de gênero têm cada vez mais apresentado questões sobre a representação de
mulheres nas obras de autoria feminina. No discurso literário essa representaçãopode
acontecer sob o estereótipo do que é ser mulher segundo a ótica patriarcalista ou ainda sob
o olhar questionador que aponta para a desconstrução de um discurso histórico que aponta
para a subalternidade da mulher. Este estudo tem por objetivo analisar o conto “Nunca
descuidando do dever" da coletânea “Contos de amor Rasgados” (1986) da autora Marina
Colasanti. O foco da análise será nas teorias que privilegiam os estudos de gênero.

ESTEREOTIPAÇÃO E DESCONSTRUÇÃO DO GÊNERO EM “COLHEITA”, DE


NÉLIDA PIÑON
Lucélia CANASSA (G-UEL)
luceliacanassa@hotmail.com

Este estudo tem como objetivo analisar dentro do conto “Colheita”, de Nélida Piñon,
questões concernentes ao gênero – feminino e masculino. Sabendo que gênero trata das
características construídas culturalmente dentro de uma sociedade, analisarei, em um
primeiro momento, o lugar de cada um como uma opção imposta: para ele, o mundo, para
ela, a casa; e o estereótipo da mulher e do homem, fixados, principalmente, pelasatitudes
dos vizinhos da aldeia, que representam a sociedade. Em um segundo momento, abordarei a
questão da desconstrução do gênero, caracterizada pelo empoderamento da personagem que
parece subverter sua situação e os papéis tradicionais de homem e de mulher, relativizando,
assim, as noções estáveis de “feminino” e de “masculino”.

A FORÇA DO PATRIARCALISMO: UMA LEITURA DO CONTO “TEMENDO OS


DEUSES DA CHINA”, DE MARINA COLASANTI

Leila Cabral SOUZA (G-UEL)


leilacabral_@hotmail.com

Entre as autoras que fazem parte da literatura contemporânea, encontra-se Marina


163

Colasanti. A autora tece sua escritura de forma particular no cenário da literatura atual e
vem se sobressaindo por produzir textos que problematizam as questões da representação
da mulher em seus vários papéis sociais: a de esposa, mãe, profissional e sobretudo a de um
Página

ser educado para corresponder as expectativas da sociedade em relação ao seu gênero. Para
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

esse trabalho, faremos a leitura analítica do conto “Temendo os deuses da China” que está
inserido na coletânea Nada na manga, publicada em 1973, levantando as representações de
gênero no texto e o modo como esse discurso corrobora ou questiona os papéis sociais
atribuídos à mulher.

ARMAS PARA EXISTIR: A RECRIAÇÃO FEMININA DE VELHOS PONTOS DE


VISTA

Alessandra Navarro FERNANDES (UEL)


anavarro_fernandes@hotmail.com

No conto Sala de Armas de Nélida Piñon, o narrador, supostamente masculino, expõe o


insólito caminho de quem escolheu a morte como o objetivo de sua existência. Do
personagem incomum, nada se sabe a não ser sua declarada devoção funesta, contrária à
expectativa de seus familiares para os quais o significado humano se encontra em viver. A
mulher referenciada no texto é percebida como um ser estranho em sua capacidade de
sobreviver à mortificação instalada no lar. Ela não tem voz ou poder de decisão sobre a
deliberação do narrador, mas sua presença perturbadora se faz o próprio signo da
resistência à morte. O ambiente patriarcal sofre a interferência do olhar feminino: existir se
torna a criação humana para a vida ou para a morte.

LITERATURA AFRO-BRASILEIRA: VOZES FEMININAS

Coordenadora: AMANDA CRISPIM FERREIRA

ENTRE BITITA DE CAROLINA MARIA DE JESUS E AS MIÚDEZAS DE


CIDINHA DA SILVA

Dejair DIONÍSIO (NEIA/UFMG)


dejair.dionisio@gmail.com

É o olhar literário das escritoras, num tom confessional que faz com que as narrativas
busquem rejeitar o mundo virtual, explorando as miudezas que a vida apresenta. Devemos
164

perceber que Carolina Maria de Jesus buscava, depois de sair das bordas favelianas, o
mesmo imediatismo que Cidinha condena nas redes sociais em algumas crônicas, tentando
entender sua vida prosaica e tecida pelas agruras da renúncia imposta. E será o encontro
Página

dessas narrativas Carolinianas e Cidinhanas que percebermos que “um texto só é um texto
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

se ele oculta ao primeiro olhar, ao primeiro encontro, a lei de sua composição e a regra de
seu jogo”, relembrando o pensamento de Jacques Derrida.

O CASTELO COR DE OURO QUE RELUZ NA LUZ DO SOL: ESCREVIVÊNCIA,


RESISTÊNCIA E EMANCIPAÇÃO DO CORPO NEGRO

Henrique Furtado de MELO (PG-UEL)


furtado.henrique@live.com

Amparados em estudos sobre o potencial (trans)formador da literatura (Candido, Todorov,


Petit) e na psicanálise winnicottiana (O Brincar e a Realidade, 1975; Da Pediatria à
Psicanálise, 2000; Privação e Delinquência, 2010), focando-nos no conceito de espaço
transicional, procuraremos construir, neste artigo, reflexões em torno do que Conceição
Evaristo chama de escrevivência. Buscamos destacar como escreviver pode ser encarado
como um ato de resistência e emancipação do povo negro, num processo de retomada do
poder de narrar e narrar-se, assumindo autoria sobre a constituição do próprio espaço e do
próprio corpo como modo de preencher esse espaço e vivê-lo. Para tanto buscaremos nos
debruçar sobre as referências de Conceição Evaristo ao ato de escreviver e alguns de seus
contos publicados nos Cadernos Negros, refletindo sobre o conceito criado pela autora em
relação com a ideia de movimentação do impulso criativo e dos fenômenos transicionais.

PARA ALÉM DO TESTEMUNHO, A OBRA FICIONAL DE CAROLINA MARIA


DE JESUS

Amanda Crispim FERREIRA (PG-UEL)


amacrispim@gmail.com

Carolina Maria de Jesus, autora do best-seller Quarto de despejo: diário de uma favelada,
publicado em 1960, ficou conhecida, como a diarista, e, apesar de ter escrito uma obra
ficcional composta por romances, poemas, peças teatrais, letras musicais e contos, Carolina
morreu como a “escritora de testemunhos” e não como poetisa, como ela tanto queria. Sua
obra ficcional ficou esquecida em seus manuscritos, e esses, não interessaram nem ao
público, nem a academia, até o final dos anos 1990, com a pesquisa de Elzira Perpétua. Por
meio dessa pesquisa, soubemos que Carolina tinha, em seus manuscritos, um vasto material
ficcional, que nos revelariam outra Carolina, a Carolina escritora, que até então, se manteve
oculta. É esta Carolina, que vamos analisar neste artigo.
165
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA EM CONTEXTOS MÚLTIPLOS

Coordenadora: LETÍCIA FRAGA

PROFESSORES FORMADOS E EM FORMAÇÃO: QUESTÕES DE IDENTIDADE


E AUTONOMIA COMO PROCESSO

Lucimar Araujo BRAGA (UEPG)


labraga2007@gmail.com

Este artigo tem como objetivo promover uma reflexão sobre identidade e autonomia de
professores formados e em formação. A assunção de identidades entre os seres humanos é o
que tem garantido a sobrevivência do homem já que é preciso se agrupar para resistir ao
meio e o convívio com o outro está marcado pelas identidades e a maneira como se convive
(as relações). A compreensão sobre autonomia é fundamental para que um professor se
perceba agente e transformador de identidades. A metodologia adotada para o artigo é a
pesquisa bibliográfica, os dados foram levantados a partir de revisão teórica. Conclui-se
que questões de identidades e de autonomia podem ser mais discutidas na sala de aula, pois
as identidades estão em constante transformação.

AVALIAÇÃO PSICOEDUCACIONAL NO CONTEXTO ESCOLAR:


REPRESENTAÇÃO DO PAPEL DO ALUNO

Amarili Sequeira NOGUEIRA (PG-UEPG)


amarilinogueira@yahoo.com.br

Este trabalho faz parte de uma pesquisa de mestrado em andamento, que está sendo
realizada em um colégio da rede pública de ensino do Paraná. Tem como objetivo refletir
teoricamente sobre a questão da representação (JODELET, 2001; MOSCOVICI, 2005;
DALCASTAGNÈ, 2007) do papel do aluno, por meio da análise qualitativa de pareceres de
professores/as da classe comum (LDB 9394/96) dos 6º anos do Ensino Fundamental II.
Estes pareceres são relativos ao desempenho de alunos/as que estão passando pelo processo
de Avaliação Psicoeducacional no Contexto Escolar para possível encaminhamento à Sala
de Recursos Multifuncional Tipo I. Os resultados obtidos até agora apontam que os
166

critérios nos quais os professores se baseiam para encaminhar seus alunos à avaliação têm
relação com o fato de: a) o aluno não ter interesse em aprender; b) ser desmotivado e
apático; c) ser desatento e indisciplinado; d) apresentar dificuldades na leitura e escrita.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

REVITALIZAÇÃO SOCIOCULTURAL E LINGUÍSTICA KAINGANG: O


TRABALHO NA ESCOLA KOKOJ TY HAN JÀ

Letícia FRAGA (UEPG)


leticiafraga@gmail.com

Este trabalho, que é parte do projeto Políticas educacionais e ensino de língua em


Mangueirinha, PR: revitalização sociocultural e linguística da identidade Kaingang,
propõe discutir a complexa condição linguística e cultural da Terra Indígena de
Mangueirinha, e a situação da Escola Estadual Indígena Kokoj ty Han Jà, especialmente no
que diz respeito à elaboração e/ou aplicação de políticas linguístico-culturais que tratem
adequadamente o assunto. Metodologicamente, a perspectiva utilizada é da pesquisa
qualitativa (método etnográfico). Em relação aos resultados obtidos até agora podemos
apontar que: a) ainda há muito que se fazer, especialmente no âmbito do estabelecimento de
políticas linguístico-culturais que defendam o multilinguismo/multiculturalismo e os
direitos linguístico-culturais dos Kaingang de Mangueirinha; b) o planejamento da
revitalização da cultura Kaingang é praticamente improvisado, tanto em termos de
diretrizes, quanto de ações e material didático; c) o projeto pedagógico da escola não leva
em consideração a questão do multilinguismo/multiculturalismo local.

EDUCAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA: A QUESTÃO DA PERMANÊNCIA

Elisangela Wilchak QUEIROZ (G-UEPG)


elisangelawq@gmail.com

A entrada de indígenas nas universidades é uma realidade que já acontece há algum tempo.
A questão é com que estrutura acontece a formação desses acadêmicos. Levando em conta
todo o processo de entrada e permanência desses sujeitos na universidade, as dificuldades
encontradas no meio acadêmico muitas vezes são acentuadas devido à deficiência existente
na formação escolar desses alunos, ou pelo fato de a universidade se manter em um sistema
de ensino diferente do sistema indígena, causando para esses alunos um momento muito
difícil de adaptação, momento esse que é um dos principais motivos de evasão das
universidades. Foi através de pesquisas realizadas no que diz respeito à educação superior
que encontramos muitas falhas na criação, manutenção e ampliação das políticas publicas
referentes à educação indígena, as quais foram criadas com o objetivo de melhorar a
educação e inclusão das minorias, mas que, mal elaboradas acabam prejudicando ainda
167

mais.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

AVALIAÇÃO: ELEMENTO INTEGRADOR ENTRE ENSINO E


APRENDIZAGEM

Coordenadora: VIVIANE BAGIO FURTOSO

IMPACTO DE AVALIAÇÕES EXTERNAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Viviane Bagio FURTOSO (UEL)


viviane@uel.br
Ágatha Demarque de LACQUA (G-UEL)
agathalacqua@gmail.com
Leonardo Danilo Soares da COSTA (G-UEL)
leonardodsc2@hotmail.com

Nesta comunicação apresentaremos resultados preliminares de um projeto maior que


objetiva propor caminhos para que a avaliação seja um elemento integrador entre o ensino e
a aprendizagem, contribuindo, assim, para uma avaliação mediadora e não meramente
classificatória. Como recorte para esta apresentação, serão discutidos dados de um
questionário aplicado a professores da Educação Básica, por intermédio do Núcleo
Regional de Educação de Londrina, cujo propósito foi identificar interpretações sobre o
impacto de exames externos de alta relevância, como Enem, nas salas de aula da Educação
Básica. Em um primeiro momento vamos dar ênfase nas percepções de professores de
várias áreas do conhecimento e, em seguida, enfoque específico sobre os resultados obtidos
por meio das respostas dos professores de línguas.

O EFEITO RETROATIVO DO ENEM: PERCEPÇÕES DE ALUNOS DO ENSINO


MÉDIO

Vanessa Christina ARAUJO (PG-UEL)


vanessaraujo05@gmail.com

Impactos e influências de exames externos no processo de ensino-aprendizagem, em seus


participantes e na educação de modo geral, têm sido objeto de estudos na área da avaliação.
No ensino de línguas, esse fenômeno remete ao conceito de efeito retroativo. De acordo
168

com a literatura, muitos estudos apontam que para investigar a natureza desse impacto é
importante conhecer as percepções dos agentes envolvidos no contexto educacional. Como
o professor tem recebido maior atenção nos estudos desenvolvidos até o momento, esta
Página

comunicação tem como objetivo apresentar resultados parciais de uma pesquisa cujo foco é
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

analisar o impacto do Enem por meio das percepções de alunos. Em primeira instância, os
instrumentos de coleta de dados, questionários e entrevistas, nos possibilitarão conhecer as
expectativas dos alunos em relação ao exame, bem como compreender se houve mudança
na maneira de estudar dos alunos e em que aspectos.

PRODUÇÃO ORAL DE ESTRANGEIROS EM PORTUGUÊS: FOCO NAS


INADEQUAÇÕES DE HISPANO E ANGLO-FALANTES NO EXAME CELPE-
BRAS

Alana Nunes Lemes BARBOSA (G-UEL)


alananunes_@hotmail.com
Helder Cristian Prado da MATTA (G-UEL)
Helderprado57@gmail.com

Como parte do projeto de pesquisa “O papel da avaliação no ensino e na aprendizagem de


línguas”, o trabalho que será apresentado nesta comunicação tem como objetivo principal
identificar inadequações na produção oral em língua portuguesa de hispano e anglo-falantes
e caracterizar a natureza dessas inadequações (origem, especificidades etc.). Os dados serão
oriundos de interações face a face do Exame Celpe-Bras (Certificado de Proficiência em
Língua Portuguesa para estrangeiros). O reconhecimento de tais especificidades contribui
para uma atuação mais informada do professor de Português para Falantes de Outras
Línguas, uma vez que saber quando e porque essas inadequações ocorrem auxilia no
planejamento de curso, na seleção do material didático a ser adotado e na condução do
processo de aprendizagem, avaliação e ensino.

AVALIAÇÃO COMO OBJETO DE ESTUDO NA FORMAÇÃO INICIAL DE


PROFESSORES DE INGLÊS: REFLEXÕES PRELIMINARES

Carolina dos Santos da SILVA (PG-UEL)


carolsilva92@hotmail.com

Temos observado recentemente alguns movimentos que questionam a formação do


professor em relação às práticas avaliativas de sala de aula. Enquanto objeto de estudo, a
avaliação ainda não tem muito espaço nos cursos de formação de professores,
principalmente nas licenciaturas. No entanto, entendemos que aprendizagem, avaliação e
ensino fazem parte de um mesmo processo, demandando atenção igual no que diz respeito
169

à reflexão sobre a atividade docente. Partindo dessa consideração, esta comunicação tem
como objetivo apresentar resultados parciais de uma pesquisa cujo objetivo geral é propor
caminhos para a formação inicial do professor de língua inglesa na área de avaliação. O
Página

contexto investigado é o curso de Letras Inglês de uma universidade do norte do Paraná.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PROPOSTAS METODOLÓGICAS PARA O ENSINO DE LINGUAGEM

Coordenador: ANAILTON DE SOUZA GAMA

TRADUÇÕES INTERSEMIÓTICAS NA OBRA FÍLMICA “CARAMUJO-FLOR”


DE JOEL PIZZINI E NA COLAGEM DE FRAGMENTOS SONOROS E VISUAIS
DA POESIA DE MANOEL DE BARROS EM “GRAMÁTICA EXPOSITIVA DO
CHÃO”

Anailton de Souza GAMA (PG-UPM/UFMS)


anailtongama@yahoo.com.br

O curta-metragem Caramujo Flor propõe montar um painel visual a partir da obra do


poeta sul-mato-grossense Manoel de Barros, Gramática Expositiva do chão. Caramujo-
Flor revela o itinerário de Manoel de Barros experimentando o cinema em sua poesia
através de uma "collage" de fragmentos sonoros e visuais. Neste simpósio, analisamos o
texto visual de uma tomada de cenas desse curta metragem observando se existem relações
semissimbólicas entre os dois planos da linguagem, o plano de conteúdo e o plano de
expressão. A noção de semissimbolismo, oriunda da semiótica greimasiana será
exemplificada nesta tomada de cenas a ser analisada e serão cotejadas a fim de
percebermos, por meio da análise, como se dá a construção textual e a articulação do
semissimbolismo. Procuramos destacar como essa articulação semiótica, o
semissimbolismo, constrói a figura inicial do processo de construção identitária em
Caramujo-Flor, que faz parte da estética do cinema de poesia.

UMA FENESTRA POSSÍVEL PARA A RELAÇÃO PORTUGUÊS/LATIM,


LATIM/PORTUGUÊS

Clemilton Pereira dos SANTOS (PG-UPM/UEMS)


clemilton.ps@uems.br

Tendo em vista a necessidade da reinserção dos estudos da língua e da cultura latina com o
170

objetivo de solidificar e tornar mais críticas e reflexivas algumas discussões acerca do


ensino da língua portuguesa, seja na educação básica, seja no ensino superior, embasados
em Viaro (1999), Bortolanza(2000) e Bassetto(2010) este trabalho, a partir da crônica
Página

Defenestração de Luís Fernando Veríssimo (2001), tem o propósito de refletir acerca da


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

possibilidade de desenvolver o paralelo entre o ensino de língua latina e o ensino de língua


portuguesa, utilizando-se de métodos de ensino-aprendizagem embasados nas estratégias de
leitura e pressupostos da Linguística textual com intuito de contribuir para um ensino de
língua latina e língua portuguesa de forma funcional, produtiva e crítico-reflexiva.

A APLICABILIDADE DO TEXTO LITERÁRIO

Letícia Pereira de ANDRADE (PG-UFRGS)


leticia@uems.br

Para que serve o ensino da literatura no ensino secundário? Eis uma pergunta feita por
muitos professores, sobretudo, neste momento em que se detectam a falta de interesse dos
jovens pela leitura de Alencar e/ou Machado, por exemplo; ou mesmo de Shakespeare ou
de Goethe. Ao pensar que houve uma mudança social e que os estudos dos textos literários
devem deixar a "melancolia do eterno sublime ofício", o grupo de pesquisa Galabra
(www.grupogalabra.com) investiga metodologias que levem a uma reorientação dos
estudos literários. A partir do aparato teórico de Elias Feijó (2012), esta comunicação
propõe, então, a levantar uma discussão sobre a funcionalidade de determinados textos e a
sua aplicabilidade e cientificismo.

LITERATURA AFRO-BRASILEIRA: NARRATIVAS

Coordenadora: MARIA CAROLINA DE GODOY

A TEMATIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA NO CONTO “ARMANDINHO, RG


DESCONHECIDO” DE JAIRO PINTO

Rafaella de Queiroz MENDES (G-UEL)


rafa_qmendes@hotmail.com

Este trabalho procura analisar o conto “Armandinho, RG desconhecido” de Jairo Pinto,


publicado em Cadernos Negros – Contos Afro-Brasileiros, buscando um enfoque na
personagem Armandinho, morador de um “teto suburbano” que se preparava para mais um
171

dia de trabalho, no entanto, foi brutalmente assassinado pela milícia. Foram feitas análises
no conto sobre como o autor trabalhou a tematização da violência e caracterização do
personagem negro. Como fundamentação teórica para o estabelecimento da discussão,
Página

utilizamos os trabalhos de Eduardo de Assis Duarte (2011), Maria Nazareth Soares Fonseca
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

(2011) e Octávio Ianni (2011). Os livros A personagem de Beth Brait (1985) e A


personagem da ficção de Antonio Candido (1968) contribuíram para a compreensão do
processo de construção da personagem.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Maria Carolina de Godoy. mcdegodoy@uol.com.br.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

BECOS DA MEMÓRIA DE CONCEIÇÃO EVARISTO: LITERATURA E AFRO-


BRASILIDADE

Eduardo Souza PONCE (UEL)


duds_ponce89@hotmail.com
Maria Carolina de GODOY (UEL/CNPq/Fundação Araucária)
mcdegodoy@uol.com.br

No presente trabalho propôs-se, partindo das discussões desenvolvidas no projeto de


pesquisa “Literatura afro-brasileira e sua divulgação em rede”, analisar o romance Becos da
Memória de Conceição Evaristo (2013) buscando identificar os denominadores comuns da
literatura afro-brasileira conforme propostos por Eduardo de Assis Duarte em “Por um
conceito de Literatura Afro-Brasileira” (2011). A leitura apresentada objetiva destacar a
voz narrativa, verificando como a autora constrói em sua obra, por meio do ponto de vista,
um espaço de enunciação que permite a compreensão do ser negro no Brasil. A presente
pesquisa também visa observar a representação da personagem negra fugindo do
estereótipo reforçado ao longo dos anos pelo discurso literário ea incorporação de
poeticidade à narrativa. Como fundamentação teórica, utilizou-se, além das teorias da
narrativa, dos estudos desenvolvidos por Stuart Hall (2003) e Homi K. Bhabha (1998) no
que tange a identidade e o conceito de diáspora.

UMA PROPOSTA À IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639 NO ENSINO


FUNDAMENTAL E OS LETRAMENTOS MULTISSEMIÓTICOS

Rute Gaia FERNANDES (G-UEL)


rute_gaia@hotmail.com

Este trabalho propõe o estudo de curtas e narrativas literárias que tratam da cultura afro-
brasileira tendo como pretensão sugerir modos de abordagens multissemióticas dessa
temática em sala de aula. Para tanto, duas obras foram escolhidas: o curta metragem Maré
172

Capoeira, dirigido por Paola Barreto Blanc (2005), que narra a história de um menino
capoeirista e a narrativa Minhas contas de Luiz Antonio (2008). Em ambas as obras a
temática é a infância, a capoeira e a preservação das tradições afro-brasileiras no núcleo
Página

familiar. Este trabalho, parte da pesquisa desenvolvida no projeto “Literatura afro-brasileira


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

e sua divulgação em rede”, buscou formas de explorar esses valores com crianças entre dez
e quatorze anos de modo crítico e reflexivo a fim de formar cidadãos conscientes da vasta
cultura que constitui o Brasil como nação.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Maria Carolina de Godoy. mcdegodoy@uol.com.br.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

CONSCIÊNCIA FEMININA: PAIXÃO, DESCOBERTA E SUBVERSÃO

Coordenadores: CELINA DE OLIVEIRA BARBOSA GOMES E VICENTÔNIO


REGIS DO NASCIMENTO SILVA

A LITERATURA NEGRA DE CRISTIANE SOBRAL

Adriana Carla Souza MACIEL (PG-UEL)


dri1601@gmail.com

A partir da leitura do livro Espelhos, miradouros, dialéticas da percepção (2011) da


escritora e atriz carioca Cristiane Sobral, foram selecionados três contos: Pixaim, Garoto de
plástico e Cauterização para este trabalho que se propõe a refletir sobre a importância da
escrita de afro-descendentes como forma de reconhecimento da identidade negra em uma
sociedade moderna. Além de ressaltar a importância do cyberespaço para a divulgação da
arte desta autora, pretende-se desenvolver as análises e reflexões deste trabalho, partindo de
teóricos e críticos da área dos estudos da literatura afro-brasileira, como Eduardo de Assis
Duarte, Jean-Yves Mérian, Fúlvia Rosemberg e Paulo Vinícius Baptista da Silva.

SENHORITA JÚLIA: ENTRE O PODER E A MANIPULAÇÃO

Vicentônio Regis do Nascimento SILVA (PG-UEL)


vicrenos@yahoo.com.br

Senhorita Júlia (1888) descreve a relação da personagem, título da peça, com dois
empregados: Jean, aproximadamente 30 anos, e Kristin, 35 anos. A ação, que se passa na
noite de São João na cozinha do Conde, pai da Senhorita Júlia, descreve as peripécias do
173

criado na tentativa de convencer a filha do patrão a dormir com ele. Depois de saciar seus
desejos sexuais, Julia aceita passivamente a mudança do serviçal: de sedutor transforma-se
em estúpido e sarcástico, de incentivador da mudança alça-se a conservador que se desfaz
Página

das gentilezas, manipulando as decisões de quem, até pouco tempo antes, dava as ordens. O
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

comportamento subserviente contrasta com as mudanças provocadas pela Primeira Onda


feminista entre fins do Século XIX e inícios do XX em que se registra a construção de
direitos coletivos das mulheres, especialmente a da participação na política e na economia e
no direcionamento das decisões púbicas.

A PERSPECTIVA FEMININA EM “HOME, SWEET HOME”, DE KEN SARO-


WIWA: O DISCURSO DA MUDANÇA E O QUESTIONAMENTO DE UMA
EXPERIÊNCIA CULTURAL BASEADO NAS RELAÇÕES PÓS-COLONIAIS DE
GÊNERO

Celina de Oliveira Barbosa GOMES (PG-UEL)


celinalua@hotmail.com

Algumas formas de conceber a política, a cultura e as relações sociais em muitos países da


África, mostram ainda um continente perpassado por códigos há tempos
institucionalizados, os quais são responsáveis pela subjugação popular, de alguma forma. A
questão de gênero configura-se como tópico importante a ser discutido, pois resvala no
empasse entre a “tradição” e a evolução de conceitos relativos a ela. Nesta esteira, esta
comunicação pretende apresentar o narrador feminino, de “Home, Sweet Home”, de Ken
Saro-Wiwa, o “empoderamento” de seu discurso e a delação das mazelas políticas e sociais
de sua comunidade, bem como analisar como esta consciência feminina, advinda de um
contexto cultural nigeriano retrógrado, recebendo influxos acadêmicos ocidentais, em uma
conjuntura pós-colonial, retorna à sua terra e reage frente à postura dos sujeitos femininos,
seus pares. Para tanto, serão utilizados teóricos como: Balandier (1976), Ranger (1984),
Okereke (2000), McPhail (2000) e Serrano e Waldman (2010).

174
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TRAJETÓRIAS TEÓRICO-ANALÍTICAS DO GEDUEM: O ENSINO DO


PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ADICIONAL EM CONTEXTO MULTILÍNGUE

Coordenadora: RAQUEL FREGADOLLI GONÇALVES

ENSINO DE PORTUGUÊS: UM ACONTECIMENTO DISCURSIVO NA


MÍDIA CONTEMPORÂNEA

Fabíola dos Santos Batista Tortoretto de CARVALHO (PG-UEM)


fabiolatortoretto@hotmail.com

A partir da possibilidade de o ensino de língua Portuguesa ocorrer como língua adicional e


em perspectiva do interculturalismo, buscamos, nesta comunicação, proporcionar algumas
reflexões a respeito do ensino do Português, na contemporaneidade, uma vez que o ensino
da língua adicional revela-se como uma das demandas da sociedade. Essa ordem impõe aos
pesquisadores da linguagem reavaliar o quadro dos componentes curriculares, bem como as
práticas pedagógicas alimentadas por verdades historicamente construídas e materializadas
pela mídia contemporânea a respeito de concepções de língua e de linguagem. Para a
constituição do corpus de análise, foram selecionados discursos que circularam na revista
Veja, ISTO É, e nos jornais Folha de São Paulo e O Globo, cujas reportagens versaram
sobre o livro didático de Língua Portuguesa “Por uma vida melhor”, adotado pelo
ministério da Educação (Mec) para o Ensino de Português na Educação de Jovens e
Adultos no ano de 2011. Servimo-nos dos pressupostos teórico-analíticos da Análise do
Discurso Francesa e de seus desdobramentos no Brasil, em especial, os conceitos de
verdade, poder e acontecimento discursivo, derivados dos estudos realizados por Michel
Foucault.

PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA NO VESTIBULAR


PARA OS POVOS INDÍGENAS NO PARANÁ: A AVALIAÇÃO

Ismara TASSO (UEM)


tassojs@terra.com.br

As práticas pedagógicas de produção textual do último decênio têm, comumente, como


175

foco criar as condições de possibilidade de escrita que constituam o aluno proficiente em


Língua Portuguesa, em diferentes gêneros textuais e discursivos. Princípio e ponto de
partida à avaliação da prova de redação em vestibulares. Diante do desafio imposto ao
Página

candidato que pleiteia uma vaga no ensino superior, inquietações sobre como avaliar a
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

produção escrita nesse processo têm sua constância no Vestibular para os Povos Indígenas
no Paraná, dadas as especificidades dessa seleção – regida por políticas afirmativas de
ingresso do indígena ao Ensino Superior do Paraná. Conjuntura que mobiliza a reflexão
proposta para este Simpósio, subsidiada pelos pressupostos teóricos da Análise do
Discurso, da Linguística Textual e Estudos Críticos dos Letramentos Sociais, e pela qual se
busca tratar dos critérios de avaliação da proficiência em Língua Portuguesa do candidato,
na Prova de Redação do Vestibular - edição 2010.

LETRAMENTO ESCOLAR E VESTIBULAR INDÍGENA:


A ESCRITA EM LÍNGUA PORTUGUESA

Raquel Fregadolli GONÇALVES (PG-UEM)


raquelfregadolli@geduem.com.br

O Vestibular Indígena é, concomitantemente, um acontecimento discursivo e um evento de


letramento, cujos critérios de aprovação partem dos princípios que regem o letramento
escolar. Concebido por práticas escritas características de uma população, o letramento
escolar se sobressai em detrimento dos demais. Efeito este de uma memória constitutiva da
cultura grafocêntrica que privilegia o letrado. Nesse sentido, a universidade é reconhecida
socialmente como um espaço onde se faz viver, sobretudo, o científico. Razão da existência
de conflitos linguísticos entre ambiente universitário e a comunidade indígena. Assim,
subsidiados pela Análise do Discurso, pela Linguística Textual e Estudos Críticos dos
Letramentos Sociais, elegemos por objetivo compreender o modo como o letramento
escolar se estabelece como um saber linguístico, voltado às práticas sociais, nas redações
dos candidatos aprovados no Vestibular para os Povos Indígenas do Paraná (2010), dadas
as diferenças linguísticas, culturais e políticasque constituem esses sujeitos da diversidade.

PLANO CURRICULAR DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO


PRIMÁRIO EM MOÇAMBIQUE: O REGIME DO OLHAR A MATERIALIDADE
PARA ENSINO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ADICIONAL

David ANTÓNIO (G-UEM/CAPES/PLE)

O texto reflete sobre a representatividade do Plano de Estudos do curso de Português na


formação de professores para o Ensino Primário. O respectivo currículo não prevê uma
materialidade inserida nesse curso. O escopo teórico baseia-se na arqueogenealogia
176

concebida por Foucault, considerando a materialidade dos discursos. Inserimos o enunciado


no campo de estabilização e de utilização. A análise apoia-se em recortes extraídos do
Plano Curricular e em enunciados saídos do teste de proficiência efetuado pelos formandos.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Os resultados apontam para a necessidade de adopção de uma proposta de um Plano de


Estudos para o curso de Português.

AS PRÁTICAS LINGUAGEIRAS EM CONTEXTOS FORMATIVOS DE


PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA

Coordenadoras: CLÁUDIA VALÉRIA DONÁ HILA E LILIAN CRISTINA BUZATO


RITTER

O GÊNERO AUTOBIOGRAFIA COMO FERRAMENTA PARA ATIVIDADES DE


REESCRITA

Josenei Aguinaldo JACINTO (PG-UEM)

Esta pesquisa de mestrado do Profletras-UEM em andamento pretende contribuir com os


estudos sobre revisão e reescrita em séries iniciais da educação básica, tenho como
instrumento principal o gênero autobiografia. Para esta comunicação, no entanto,
apresentamos resultados parciais de uma atividade diagnóstica realizada com um 6º. ano, de
uma escola pública do noroeste do Paraná,para posterior intervenção. Nosso referencial
teórico apoia-se na vertente interacionista da Línguística Aplicada baseada nos estudos de
Bakhtin (1997) e Bakhtin/Voloshinov (2006) e nas concepções de escrita de Geraldi
(1999), Travaglia (2000), Perfeito (2005) entre outros. Os resultados iniciais do diagnóstico
apontam que os alunos apresentam maiores problemas com alguns elementos das marcas
estilística do gênero e quantoàs questões gramaticais chama a atenção problemas
recorrentes nos aspectos textuais como os operadores argumentativos; nos normativos,
ortografia e concordância verbal e nominal; nos estruturais: a estruturação de parágrafos.
Trabalho orientado pela Profª Drª Cláudia Valéria Doná Hila. Universidade Estadual de
Maringá – UEM. Maringá. Paraná. Brasil.

O GÊNERO RESUMO NA SALA DE AULA

Édila Regina da Silva ROCHA (PG-UEM)


edila-rocha@hotmail.com
Cláudia Valéria Doná Hila (UEM)
177

Claudiahila2012@hotmail.com

O gênero resumo escolar, apesar de ser bastante usado pelos professores na educação
Página

básica, tem se mostrado, em situação de vestibular, como um dos mais difíceis de se


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

escrever, tendo em vista a percentagem de zeros em situação de vestibular na Universidade


Estadual de Maringá. Além disso, o uso desse gênero na sala de aula, por professores das
mais variadas disciplinas escolares também se mostra bastante confuso e incoerente
(Machado et all, 2005).O objetivo desta comunicação, decorrente de uma pesquisa de
mestrado do Profletras em andamento, é apresentar as características básicas desse gênero,
suas condições de produção. O referencial teórico ancora-se no Interacionismo Social
(BAKHTIN; VOLOSHINOV, 1992; BAKHTIN, 1997) e no Interacionismo
Sociodiscursivo, especialmente nos trabalhos de Dolz e Scheuwly (1998); Machado (2007),
dentre outros. Os resultados ainda iniciais evidenciam que a produção de um bom resumo
passa pelo reconhecimento, na prática da leitura, de suas condições de produção, mas
também pea escolha do gênero discursivo que servirá como texto-fonte do resumo.

O ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO DE AULAS NA FORMAÇÃO INICIAL

Cláudia Aparecida MACON (G-UEM)


claudinhamacon@hotmail.com
Giovanna Paola de Oliveira Martelli PEREIRA (G-UEM)
giovanna_pmo@hotmail.com

Este trabalho tem como objetivo apresentar resultados do projeto de iniciação científica
intitulado “O gênero Roteiro de Observação de Aulas de Língua Portuguesa na formação
inicial”, desenvolvido na Universidade Estadual de Maringá, durante o 2º semestre 2013 a
julho de 2014.O Roteiro de Observação de Aulas é um gênero que, há muito tempo, vem
sendo utilizado nas práticas docentes da formação inicial. Contudo, tais práticas
mostravam-se como carentes e necessitavam de ressignificações que possibilitassem um
novo olhar do estagiário sobre as aulas observadas. Assim, subsidiados na Análise
Dialógica do Discurso (BAKHTIN, 2003; SILVEIRA, 2012), analisamos o Roteiro de
Observação em seu funcionamento sócio-discursivo, pensando na esfera social de sua
produção, nassuas apreciações valorativas, seu conteúdo temático, sua estrutura
composicional e suas marcas linguístico-enunciativas. Os resultados demonstraram que,
através da ressignificação do Roteiro, o professorando tem a possibilidade de observar a sua
prática de forma mais clara e reflexiva.
Trabalho orientado pela Profª Drª Lilian Cristina Buzato Ritter.
bliliancristina@hotmail.com. Universidade Estadual de Maringá – UEM. Maringá. Paraná.
Brasil.
178
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PRÁTICAS DE LEITURA E ANÁLISE LINGUÍSTICA DA CARTA DO LEITOR:


UMA PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DIDÁTICA

Edna Mariucio ARANHA (PG-UEM)


aranha74@uol.com.br aranha74@uol.com.br
Lilian Cristina Buzato RITTER (UEM)
bliliancristina@hotmail.com

Este trabalho tem como objetivo apresentar resultados parciais de uma pesquisa de
mestrado profissional, os quais caracterizam o processo de elaboração didática das práticas
de leitura e análise linguística da carta do leitor, para um nono ano da rede pública de
ensino. A investigação parte da problematização da abordagem de análise linguística
contextualizada às práticas de leitura em enunciados-concretos, no caso, a carta do leitor, e
considera, para efeitos didáticos, no processo de articulação e progressão curricular, os
gêneros por esferas de atividade humana, enfatizando suas marcas linguístico-enunciativas.
Teoricamente, o trabalho apoia-se nos estudos bakhtinianos (BAKHTIN, 2003) e de seus
caudatários. Para fins pedagógicos, recorre-se à noção de elaboração didática (HALTÉ,
2008; RODRIGUES, 2007).

REVERBERAÇÕES E ECOS DAS VOZES FEMININAS CONTEMPORÂNEAS

Coordenadora: SUELY LEITE

A NOVA LITERATURA FEMININA SEM VERGONHA: UMA LEITURA DO


CONTO “HOT DOG” DE ÀLLEX LEILLA

Renata Ruziska PIRES (G-UEL)


renataruziskap@gmail.com

Tratar da sexualidade feminina sempre foi algo considerado inimaginável e execrável por
diversos segmentos sociais. Caso houvesse qualquer menção à masturbação ou a prazeres
solitários por parte do gênero feminino, céus e terras mover-se-iam para que a mulher fosse
castigada. A partir dos anos 50, isso mudou – embora não suficientemente – no nosso país.
As mulheres foram à luta e procuraram transformar a realidade sufocante em que viviam. E,
179

sem dúvida alguma, isso refletiu na Literatura. A mulher passou a impor – ainda que lenta,
mas progressivamente – suas vontades tanto dentro quanto fora da cama. O presente
trabalho tem o objetivo de a partir da leitura do conto “Hot dog”, da autora Àllex Leilla,
Página

analisar como a se dá a representação da sexualidade feminina na narrativa em questão.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Pertinente também, será tratar das seguintes questões: quais foram as transformações acerca
da sexualidade feminina e sua representação literária? Ela tem, enfim, seu espaço em
relação à literatura erótica?
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Suely Leite. celsul@uol.com.br. Universidade Estadual
de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

VOZES FEMININAS LONDRINENSES: COMO ANDA A NOSSA LITERATURA


DE AUTORIA FEMININA

Mariana Dahrouge BELUFE (G-UEL)


mdbelufe@gmail.com

A crítica feminista tão difundida na década de 1970 faz emergir uma tradição literária
feminina até então ignorada pela história da literatura. O silenciamento das mulheres no
cânone literário evidencia o processo de exclusão da mulher em um espaço
tradicionalmente entendido como sendo próprio do homem. O trabalho de resgate e
visibilidade da escrita de autoria feminina constitui-se como resistência à ideologia que
vinha historicamente regulando o saber sobre a literatura. Dentro dessa ótica de resgate de
obras literárias produzidas por mulheres, propomos essa pesquisa que tem como objetivo
elaborarum mapeamento das autoras londrinenses do século XXI.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Suely Leite. celsul@uol.com.br. Universidade Estadual
de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

RELAÇÕES DE GÊNERO E REPRESENTAÇÃO FEMININA NO CONTO O


DRAGÃO CHINÊS DE AUGUSTA FARO

Bruna Bolognesi SABINO (G-UEL)


brunabsabino.1@gmail.com

O presente artigo tem como objetivo fazer uma leitura do conto O Dragão Chinês, presente
no livro A Friagem (1999), de autoria de Augusta Faro, dentro da perspectiva dos estudos
de gênero. Para tanto, exploraremos as relações de gênero presentes na caracterização das
personagens do conto explicitando a condição que elas representam dentro de uma
sociedade pautada em um discurso patriarcal, considerando também o aspecto fantástico da
obra. Pautaremos-nos na crítica feminista contemporânea, partindo dos pressupostos
teóricos que abordam a questão do gênero, como Simone de Beauvoir, Virgínia Wolf e
180

Elaine Showalter. Pretende-se, assim, uma desconstrução da ideologia em que há a


discriminação dos gêneros, considerando este como construído pela sociedade.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Suely Leite. celsul@uol.com.br. Universidade Estadual
Página

de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TRANSGRESSÃO SEM CULPA: UMA LEITURA DO CONTO “OLHO”


DE MYRIAM CAMPELLO

Suely LEITE (UEL)


celsul@uol.com.br

A leitura de um texto de autoria feminina pode ser pautada por diversas teorias.
Escolhemos para esse trabalho o aporte teórico da crítica feminista entendida como um
complexo de visões e práticas articuladas em torno da contestação dos papéis sociais
atribuídos a homens e mulheres. O conto escolhido é “Olho” da escritora carioca Myriam
Campello, publicado inicialmente em Sons e outros frutos (1998), e posteriormente na
antologia Os melhores contos do século (2001). Tal narrativa pode ser enquadrada na fase
fêmea, termo cunhado por Elódia Xavier em 1998 ao escrever um ensaio cuja finalidade era
mapear a trajetória das narrativas de autoria feminina na literatura brasileira. A questão
central do trabalho é descortinar a representação dos papéis femininos que estão presentes
no texto e identificar a desconstrução dos estereótipos culturais que pairam sobre a mulher
enquanto um ser perigoso e imoral.

CONFIGURAÇÕES TEATRAIS NA CONTEMPORANEIDADE

Coordenador: RICARDO AUGUSTO DE LIMA

QUANDO O TEATRO DEIXA DE SER SONHO: O DOCUMENTÁRIO CÊNICO


LUIS ANTONIO-GABRIELA

Ricardo Augusto de LIMA (PG-UEL)


ricardodalai@gmail.com

Percebe-se na cena contemporânea um apelo ao confessional e ao memorialístico similar ao


que ocorre na literatura. O dramaturgo, o diretor ou o ator incorporam, via ilusão teatral,
um papel empírico, criando em cena um documentário, seja por meio de uma peça
autobiográfica, seja por meio de recursos midiáticos que permitem uma leitura
autoficcional do drama. Posto isso, esta comunicação objetiva analisar a peça Luis Antonio-
181

Gabriela, do diretor Nelson Baskerville, que coloca em cena sua própria história, na qual o
irmão Luis Antonio desafia as regras de uma família conservadora e viaja para a Espanha,
onde assume o nome de Gabriela. O espetáculo alcança um efeito que, a meu ver, soa como
Página

inédito no teatro: a peça se torna metateatral a partir do instante em que permite ao


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

espectador perceber que tais fatos ocorrem na realidade, quebrando a ilusão teatral ao
mesmo tempo em que a mantém.

PINOKIO DE ROBERTO ALVIM: POR UMA DRAMATURGIA DO


TRANSUMANO

Marcos dos SANTOS (PG-UEL)


msanator@hotmail.com

A presente comunicação tem como objetivo apresentar uma análise da peça teatral Pinokio
(2010) do dramaturgo contemporâneo Roberto Alvim pelo viés da fábula, visando
compreender como se constitui a organicidade dramática da peça. Para isso, em um
primeiro momento apresentaremos uma breve biografia do dramaturgo, demarcando sua
contribuição para renovar a dramaturgia contemporânea brasileira nos últimos anos.
Posteriormente, buscar-se-á apresentar o conceito que Alvim intitula “dramáticas do
humano”, que serviu, segundo o mesmo, de paradigma até o século XX para o que
compreendemos como drama, contraponto com o conceito de “dramáticas do transumano”,
que o dramaturgo propõe como estratégia para construção de uma dramaturgia do [im]
possível. E por fim, elaborar uma análise estrutural da peça, evidenciando a transgressão
que a obra promove nas unidades de ação, tempo e espaço, além de evidenciar os
procedimentos de intertextualidade com o cinema, literatura e cultura de massa, elaborados
pelo dramaturgo.

AMOR, SEXO E DINHEIRO: AS RELAÇÕES DE PODER NA PEÇA AS


LÁGRIMAS AMARGAS DE PETRA VON KANT, DE RAINER WERNER
FASSBINDER

Fabrício Batista BORGES (PG-UEL)


borgesproducer@gmail.com

Escrita no ano de 1972, a peça teatral As lágrimas amargas de Petra Von Kant foi um dos
maiores sucessos do diretor Rainer W. Fassbinder, que oito meses depois adaptou a
dramaturgia para o cinema sem grandes modificações. O objetivo do artigo é realizar um
estudo das relações que envolvem as seis personagens da peça e refletir sobre questões de
gênero, feminismo e jogos emocionais, que ligam e desligam as personagens, com
situações que têm a ver com o interesse de Fassbinder em desvendar a Alemanha pós
182

Segunda Guerra, na qual se observa a sociedade e seus preconceitos baseados na herança


fundada em um passado de dominação masculina.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LEITURA LITERÁRIA NO CICLO 1 DO ENSINO FUNDAMENTAL

Coordenadora: SHEILA OLIVEIRA LIMA

RESULTADOS PRELIMINARES DO PROJETO “LEITURA LITERÁRIA NO


ENSINO FUNDAMENTAL – CICLO 1: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS”

Sheila Oliveira LIMA (UEL)


sheilaol@uol.com.br

O projeto “Leitura literária no ensino fundamental – ciclo 1: concepções e práticas”


desenvolve pesquisa a respeito das concepções de literatura e de seu ensino presentes nos
livros didáticos (LD) de língua portuguesa dos anos iniciais do ensino fundamental. A
partir de análise quantitativa e qualitativa de dez coleções de LD de língua portuguesa,
pudemos observar certa tendência no tocante ao lugar reservado para a leitura do texto de
literatura em tal momento da iniciação leitora. Pretende-se, nessa comunicação, apresentar
os resultados preliminares da pesquisa em curso, os quais apontam para a necessidade de se
voltar um olhar mais qualificado para a formação do leitor desde o princípio da
escolarização.

LEITURA DO TEXTO TEATRAL NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO


FUNDAMENTAL

Ana Carolina ROMERO (G-UEL)


romero.anacarolina@yahoo.com.br

A leitura do texto teatral na escola brasileira, diferentemente de outros países, não


configura uma tradição. O projeto de pesquisa “Leitura literária no ensino fundamental –
ciclo 1: concepções e práticas” observou, em suas primeiras análises, a ausência quase
completa da abordagem do gênero. Tendo em vista alguns argumentos em favor do contato
com o texto teatral e suas possibilidades de lida com os jogos de representação, esta
comunicação abordará a relevância de tal gênero na formação do leitor, desde os primeiros
anos de escolaridade. Para tanto, será realizada a análise crítica de uma atividade com texto
teatral presente em LD analisado no projeto citado e, por fim, uma sugestão de abordagem
183

a partir da concepção de ensino de leitura que vimos desenvolvendo.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O TEXTO NARRATIVO NO LIVRO DIDÁTICO COMO POSSIBILIDADE DE


LEITURA EXPRESSIVA NO ENSINO FUNDAMENTAL

Angela Rodrigues da SILVA (G-UEL)


aangel.1.6@hotmail.com

Com base em pesquisas realizadas pelo projeto “Leitura literária no Ensino Fundamental -
Ciclo 1: concepções e práticas”, pôde-se identificar algumas tendências irregulares na
composição dos livros didáticos de primeiro e segundo anos do ensino fundamental. Tais
tendências se exemplificam na ausência ou presença do texto literário e no modo em que
ele é disposto pelo livro didático. Em suma, o projeto têm obtido constatações em relação
ao tratamento do texto literário que, na maioria das vezes, não concede uma possível
introspecção da criança, introduzindo-a então apenas no mundo prático. O propósito desse
subprojeto é analisar, especificamente, as narrativas presentes em todos os livros didáticos
dos quais os colaboradores do projeto já fizeram uso para suas constatações, e a partir
destes, apresentar propostas de aperfeiçoamento nas abordagens narrativas feitas pelo livro
didático.

O SIGNIFICADO DA LEITURA LITERÁRIA NO PROCESSO DE


ALFABETIZACÃO

Giselda Morais de Alencar MILITÃO (PG-UEL)


giseldamilitao@hotmail.com

O objetivo deste trabalho é fazer uma proposição sobre o papel da leitura literária para se
consolidar uma alfabetização significativa. Busca-se fazer uma relação entre essa leitura e a
alfabetização no 1º ano do Ensino Fundamental I. A fundamentação teórica tem base em
autores como: Cagliari (1999), Solé (1998), Soares (1998), Belintane (2013), Lajolo (1996),
Kato (1990), Lima (2006), Kleiman (1995), Ferreiro (1992), Foucambert (1994), Smith
(1999), Paulino (1997), Soares (1999), Tfouni (1995) entre outros. Há uma problemática
de que a leitura literária é pouco utilizada na alfabetização, quando deveria fazer parte da
rotina. A metodologia da pesquisa traz o acompanhamento, por dois anos, da abordagem de
uma professora-alfabetizadora sobre a leitura literária. 184
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TRAJETÓRIAS TEÓRICO-ANALÍTICAS NOS ESTUDOS DA LÍNGUA(GEM):


DISPOSITIVO, SUBJETIVAÇÃO E IDENTIDADE

Coordenadora: MARGARIDA LISS

CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA E PROFICIÊNCIA NO VESTIBULAR PARA OS


POVOS INDÍGENAS NO PARANÁ

Luana de Souza VITORIANO (PG-UEM)


lvitoriano@geduem.com.br

Para o ingresso às instituições de ensino superior, as habilidades linguístico-discursivas dos


sujeitos indígenas,em relação à língua nacional,são postas à prova na materialidade
discursiva a qual se verifica as redações do processo seletivo Vestibular para os Povos
Indígenas no Paraná(2003).Norteados pelas teorizações da Análise do discurso,
francesa,detemo-nos às indagações: como se dá o funcionamento linguístico nas produções
textuais dos candidatos indígenas?De que forma os usos linguísticos expõem a proficiência
(ou não) desses sujeitos em relação à língua portuguesa,em sua modalidade escrita,no que
concerne aos empregos de elementos coesivos,à adequação da norma culta da língua,e à
elaboração de um texto com coerência?E, ainda,o que a proficiência (ou não) em língua
portuguesa implica/revela sobre sua constituição identitária?Orientadas por tais
questionamentos e a partir do princípio de que as comunidades indígenas são sujeitadas à
cultura da população não indígena,as reflexões aqui propostas buscam compreender as
formas como tal sujeição correlaciona proficiência e constituição identitária.

DIVERSIDADE CULTURAL: DISPOSITIVO DE SUBJETIVAÇÃO E


GOVERNAMENTALIZAÇÃO DA IDENTIDADE LINGUÍSTICA DO SUJEITO
INDÍGENA PARANAENSE

Margarida LISS (PG-UEM)


margaridaliss@yahoo.com.br

Os estudos sobre o modo como o sujeito indígena vem sendo discursivisado no campo da
diversidade cultural ganham relevância na medida em que os discursos circunscritos a
185

práticas inclusivas conquistam espaço nas esferas educacionais e midiáticas. Nesse quadro,
as políticas afirmativas, cuja proposta é manter e preservar a cultura e as línguas indígenas,
constituem-se na tensão entre lidar com o diferente de forma a agregá-lo às práticas
Página

culturais da sociedade nacional e segregá-lo a um território onde a coexistência das culturas


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

em um mesmo espaço físico e político é impossibilitada. No bojo dessa contradição


discursiva, e com fundamentação nas teorias de Michel Foucault, este trabalho tem por
objetivo analisar como o campo da Diversidade Cultural se constitui em um dispositivo de
subjetivação da identidade linguística do sujeito indígena paranaense.

FORMAÇÕES IMAGINÁRIAS E CONSTRUÇÃO DO SUJEITO JOVEM


MANIFESTANTE

Flávia Cristina Silva BARBOSA (PG-UEM)


phlavya2010@hotmail.com

Este trabalho investiga a construção da identidade do jovem manifestante em dois


acontecimentos: no impeachment do presidente Collor (1992) e nas “Jornadas de Junho”
(2013). A fim de pensar a construção do jovem nas duas manifestações de grande
repercussão midiática, o material de análise concentra-se em reportagens do jornal “Folha
de S. Paulo”, de 1992 e de 2013. Para mobilizar essa análise, a orientação teórico-
metodológica terá como subsídio conceitos da Análise do Discurso francesa, de vertente
pecheutiana. O corpus é constituído por 13 recortes discursivos, em que se observa o
funcionamento das formações imaginárias na construção identitária do jovem manifestante.
Dentre vários dizeres acerca desse sujeito, ele é construído no jornal (de maneira negativa),
principalmente, pela repetição das seguintes regularidades: “rebeldes sem causa”, sem um
objetivo delimitado, “as ‘faces’ do manifestante” ou interesses e comportamentos diversos
desses jovens, e “esquerdistas”, quanto à ideia de afinidade/filiação a partidos de esquerda.

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO EM CANÇÕES – MÚSICA E TEXTO VERBAL

Coordenadora: HELENA ESTER MUNARI NICOLAU LOUREIRO

A IDEIA DE FIGURATIVIZAÇÃO NO ARRANJO MUSICAL DA CANÇÃO


“ESCOLHER”

Pablo Henrique KROMINSKI (PG-UEL)


krominski.guitar@gmail.com
186

Este trabalho tem por objetivo apresentar a maneira como foi transferida a ideia de
figurativização para o arranjo musical da canção “Escolher” – de Carlos Francovig e Mário
Página

Loureiro, interpretada pelo grupo musical Projeto Música Criança para o álbum Bichos,
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Cores e Outros Amores, de 2013, de modo especial, para o acompanhamento musical


realizado pelo violão. Para tanto, apresentamos ao leitor o conceito de figurativização
trazido por Luiz Tatit; em seguida, compartilhamos algumas ideias extratextuais (que neste
caso específico, podemos entender como figurativizações) sugeridas, sobretudo aos
cantores, ao longo dos ensaios do Projeto Música Criança e o modo como tais ideias
influenciaram diretamente a concepção do acompanhamento musical realizado pelo violão
na referida canção “Escolher”.
Trabalho orientado pela Profª. Helena Ester Munari Nicolau Loureiro. hloureiro@uel.br.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A POESIA E A MÚSICA NA CONSTRUÇÃO DO SENTIDO DA CANÇÃO


INFANTIL “O ELEFANTINHO”

Helena Ester Munari Nicolau LOUREIRO (PG-UEL)


hloureiro@uel.br

O objetivo deste trabalho é refletir sobre relações entre planos de conteúdo e de expressão,
considerados para a composição de canções para crianças a partir de poemas, levando-se
em conta que a canção é um texto sincrético que integra música e texto verbal em seu plano
de expressão. Para isso, toma-se a canção “O Elefantinho” (Carlos Francovig e Mário
Loureiro) e analisa-se primeiramente o poema que se tornou a letra, sob o ponto de vista da
semiótica do texto, nos três níveis de seu percurso gerativo de sentido: fundamental,
narrativo e discursivo. A partir desta análise, destacam-se aspectos interessantes explorados
musicalmente pelo compositor, no momento da composição musical.

O STASIMON DE ORESTES: UM DIÁLOGO COM A CANÇÃO BRASILEIRA

João de CARVALHO (PG-UEL)


jocarv1984@yahoo.com.br

Apresentamos um registro de processo criativo onde relatamos as estratégias e técnicas


composicionais utilizadas ao transcriar, em canção brasileira, o Stásimon de Orestes. Esta,
uma composição escrita no século IV a.c., por Eurípedes, na Grécia, refere-se ao momento
em que o coro da tragédia de Orestes clama pelo destino do herói. Orestes mata a própria
mãe ao tentar castigá-la por ter traído seu pai. A partitura que ficou desta passagem da peça
dá indícios de uma música tensa, não só pela ação dramática do texto, mas também pelos
187

intervalos melódicos e padrões rítmicos utilizados na obra. Há indícios de que esta música
seja composição do próprio Eurípedes, que era uma figura reconhecida por seu talento
musical.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

APLICAÇÃO DA RETÓRICA MUSICAL EM COMPOSIÇÃO DE CANÇÕES


PARA CRIANÇAS

Mário César Alberini LOUREIRO (UEL)


mloureiro@uel.br

O propósito deste trabalho é apresentar o processo e procedimentos composicionais de um


conjunto de canções para crianças, apoiados na teoria e prática da música dos períodos da
Renascença e do Barroco (séculos XVI, XVII e XVIII), a saber: a retórica musical e a
teoria dos afetos. Destaca-se que o foco central destas composições ocorreu na decoratio -
parte da teoria da retórica que se preocupava em embelezar o texto/música com figuras que
evocassem o sentido das palavras/poesia - recorrendo às principais figuras musicais
apresentadas nos tratados da época. Ao final é apresentada, de maneira esquemática uma
análise sucinta de canções.

ENSINO E INTERAÇÃO: DIFERENTES ABORDAGENS

Coordenadora: PRISCILLA TEIXEIRA MAMUS

A ESCRITA NO ENSINO SUPERIOR: REDAÇÃO OU PRODUÇÃO DE TEXTO?

Lilian Maia Borges TESTA (G-CESUMAR)


lilianmaia@hotmail.com

O respectivo artigo consiste em apresentar a teoria que permeia o desenvolvimento da


escrita em alunos do Ensino Superior. Neste sentido, visa entender como os aspectos
relacionados à produção de texto são desenvolvidos. O artigo demonstra, por meio de um
estudo bibliográfico, os efeitos da interferência e da reescrita nos textos de alunos do
Ensino Superior, mostrando quais são os aspectos positivos desse trabalho no que tange o
processo de ensino e aprendizagem. Os alunos do Ensino Superior têm em mente que a
escrita serve para a obtenção de nota, no entanto, quando nos deparamos com a teoria
abordada no presente artigo, verificamos que a produção textual visa à formação de alunos
críticos e competentes, contribuindo para a sua formação acadêmica.
188

Trabalho orientado pela Profª. Márcia Maria Previato de Souza. Centro de Ensino Superior
de Maringá – CESUMAR. Maringá. Paraná. Brasil.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PALAVRA: DIALOGISMO EM CHARGES

Rosangela Jovino ALVES (PG-UEM)


rosangela.j.alves@hotmail.com

Este trabalho apresenta considerações sobre o conceito de Palavra, na perspectiva dialógica


proposta por Bakhtin e seu Círculo, além das abordagens dadas a esse conceito a partir da
perspectiva de autores brasileiros que explicam a teoria bakhtiniana. A proposta de Bakhtin
aborda a linguagem em uma perspectiva sócio-histórica, na qual se entende o conceito de
palavra como dialógico e expressivo, o qual se manifesta em enunciados concretos, para a
compreensão dos quais é necessária a consideração da palavra do outro, das ideologias, dos
valores socioculturais que envolvem essa unidade da comunicação discursiva. Neste
trabalho, busca-se evidenciar essas características, por meio de um exercício de aplicação
desse conceito em charges.

A PALAVRA E SUAS SIGNIFICAÇÕES EM UMA CAPA DE REVISTA

Priscilla Teixeira MAMUS (PG-UEM)


primamus@gmail.com

A linguagem é elemento fundamental para que ocorra a comunicação humana, seja por
meio de palavras, gestos ou qualquer outra forma. Independente do modo com o qual a
comunicação é feita, seu objetivo é despertar reações e gerar efeitos. Nesse sentido, o uso
da língua é considerado em situações e contextos concretos, isto é, a forma linguística serve
para um contexto específico, tornando-se um signo adequado a ele. Assim, o indivíduo
comunica-se com o outro, apreende sua palavra e reage a ela, refutando, convencendo,
respondendo de forma ativa e transformando a palavra do outro na palavra dele. Mas o que
é palavra, nas concepções de Bakhtin e o círculo?Este trabalho, portanto, apresenta o
conceito de Palavra no gênero discursivo capa de revista, dentro dos pressupostos teóricos
de Bakhtin e o círculo, a partir dos fundamentos da linguística da enunciação e sob a
concepção dialógica de língua.
189
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CRENÇAS E ATITUDES LINGUÍSTICAS: A VARIAÇÃO SEGUNDO O OLHAR


DO FALANTE

Coordenadora: TACIANE MARCELLE MARQUES

CRENÇAS E ATITUDES: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA EM FOCO

Taciane Marcelle MARQUES (PG-UEL)


taciane.marcelle@gmail.com

As crenças e atitudes linguísticas interferem na escolha e no uso da forma linguística tanto


quanto os fatores extralinguísticos, como geográfico, histórico, socioeconômico, entre
outros. Segundo Morales (1993), as crenças e a atitude do falante sobre um uso linguístico
afetam o próprio uso da língua bem como o ensino dessa língua. O objetivo deste trabalho
é, portanto, apontar os desvios da norma identificados pelos informantes – alunos do
Ensino Fundamental – ora como variantes linguísticas socialmente aceitas, ora como erro.
Para isso, selecionamos as seguintes ocorrências: falta de concordância verbo-nominal,
regência verbal, presença de gírias e marcas de oralidade, a fim de analisar a situação de
prestígio ou preconceito linguístico com relação à variação presente na Língua Portuguesa.
A respeito desse fenômeno, destacamos que a construção e a abordagem de uma pedagogia
diferenciada na escola dependem de crenças e atitudes que se constroem e fomentam sobre
as variedades da língua em uso.

CRENÇAS E ATITUDES LINGUÍSTICAS DE LONDRINA:


TENDÊNCIAS DE REAÇÃO FRENTE ÀS DIFERENÇAS DE FALARES

Dayse de Souza LOURENÇO (PG-UEL)


dayse.lourenco1990@gmail.com

O estudo de crenças e atitudes linguísticas compreende a variação linguística segundo a


consciência que o falante tem diante de sua variante. Baseado na técnica Matched-Guises,
desenvolvida por Lambert (1975), este estudo visa compreender as atitudes valorativas no
que tange às crenças e atitudes linguísticas nos falantes; a percepção dos falantes em
relação a sua variedade e a do outro e a influência da percepção linguística na atribuição de
características físicas e pessoais. Assim, foi realizada a gravação da leitura de um texto de
teor neutro, mas com as principais marcas diferenciadoras dos falares dos dialetos de
190

Curitiba e Londrina. Essa gravação foi submetida a 12 julgadores de Londrina,


estratificados segundo o sexo, faixa etária e escolaridade, para que preenchessem uma ficha
avaliativa sobre os falantes a partir das gravações. Os dados demonstram uma atitude mais
Página

positiva frente ao falar do curitibano em comparação ao falar londrinense.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CRENÇAS: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E


O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Flávio Brandão SILVA (PG-UEL/Unespar)


brandao77@uol.com.br

O estudo da Língua Portuguesa, em geral, ainda se ancora nos modelos normativos e


metalinguísticos da gramática tradicional, pouco ajudando o aluno a desenvolver uma
reflexão sobre a língua e suas estruturas. Tal panorama constitui um desafio a ser superado
no processo de formação de professores. O ensino de Língua Portuguesa deve ter como
parâmetro uma concepção que privilegie, no processo de aquisição, o aprimoramento da
língua materna, a história, o sujeito e o contexto, deixando de ser somente o repasse de
regras ou mera nomenclatura da gramática tradicional, para oportunizar atividades
escolares mais próximas das práticas sociais letradas e cidadãs, o que aliás, deve ser
também o foco da formação de professores. Assim sendo, este trabalho pretende verificar,
por meio da aplicação de questionário, quais são as crenças do aluno de Letras - valoração
positiva ou negativa, segundo os pressupostos de Lambert (1972) - quanto ao processo de
ensino-aprendizagem da língua materna na escola.

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: O QUE CREEM OS PROFESSORES DA REDE


BÁSICA DE ENSINO?

Wéllem Aparecida de Freitas SEMCZUK (PG-UEL)


(wellemdefreitas@yahoo.com.br)

A Língua Portuguesa utilizada no Brasil é heterogênea. Pensando nesta diversidade


linguística, o presente trabalho tem por objetivo geral verificar as crenças e atitudes
linguísticas dos profissionais que atuam na docência de Língua Portuguesa em relação à
abordagem da variação linguística em sala e analisar se estes creem apenas no ensino
normativo. Para tanto, nossos objetivos específicos são: (i) verificar o tempo que cada
professor está na rede pública de ensino; (ii) investigar se os informantes acreditam na
importância da variação linguística e se abordam este conteúdo em sala; (iii) avaliar as
crenças e atitudes com relação ao ensino de língua materna. A coleta de dados foi realizada
por meio de um questionário destinado aos professores da rede pública de ensino que
realizavam o curso do PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação). Encontramos
191

respostas que ora marcavam o padrão normativo, ora afirmavam a importância do ensino
por meio da diversidade, o que demonstra a necessidade em manter e preservar a face
diante da pesquisa.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A SEMIÓTICA FRANCESA EM FOCO: PESQUISAS EM DESENVOLVIMENTO

Coordenadora: ELIANE APARECIDA MIQUELETTI

A SEMIÓTICA NA ANÁLISE DOS REGIMES DE INTERAÇÃO: ENUNCIADOS


DOS PROFESSORES NÃO INDÍGENAS SOBRE OS INDÍGENAS

Eliane Aparecida MIQUELETTI (PG-UEL)


elianemiq@gmail.com

Esta comunicação apresenta um recorte das considerações que compõem a pesquisa de


Doutorado, em andamento, vinculada ao Programa de Pós-graduação em Estudos da
Linguagem da Universidade Estadual de Londrina. Tendo como base teórica a Semiótica
Greimasiana e a Sociossemiótica, apresentamos a análise de alguns enunciados proferidos
por professores de uma escola de Dourados - MS, em entrevista sobre a temática indígena.
O objetivo principal é analisar a relação entre indígenas e não indígenas a partir dos
discursos da escola, a construção de identidades e de regimes de interação. Nesse sentido,
entende-se o discurso em sua capacidade de agir e de fazer-agir. De maneira geral, apesar
da manifestação de olhares abertos à realidade sociocultural, ainda notamos que os
estereótipos construídos historicamente marcam a maneira como o indígena tem sido
representado na/pela escola.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Loredana Limoli. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

REFLEXÃO SEMIÓTICA SOBRE ARTE SEQUENCIAL: A ANIMAÇÃO E OS


QUADRINHOS EM DESTAQUE

Cássia Vanessa BATALHA (PG-UEL)


cassiabatalha@bol.com.br
Renan Luis SALERMO (PG-UEL)
renanlsalermo@hotmail.com

Apoiando-nos em duas obras de importante impacto para as bases da semiótica de linha


francesa, Da Imperfeição (GREIMAS, 1987) e A busca do sentido: a linguagem em
192

questão (COQUET, 1984), buscamos discutir, neste estudo, os processos de significação


presentes em textos que lidam fundamentalmente com as linguagens sincréticas, como o
quadrinhos e animação. Em termos gerais, temos o intuito de destacar as relações híbridas
Página

desses gêneros e relacioná-los, em um contexto contemporâneo, com o universo e os


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

recursos cinematográficos, explorando, por exemplo, o modo como se organizam os


elementos gráficos e a reprodução sequencial das narrativas em questão.

UM OLHAR SEMIÓTICO EM LAVOURA ARCAICA: DO DISCURSO


LITERÁRIO AO FÍLMICO

Tania Regina Montanha Toledo SCOPARO (PG-UEL)


taniascoparo@uol.com.br

Com apoio teórico da Semiótica da Escola de Paris, pretendemos analisar o processo de


transmutação da obra literária Lavoura Arcaica (1975), de Raduan Nassar, à fílmica (2001),
de Luiz Fernando Carvalho. Na semiótica greimasiana há a preocupação com a significação
multiforme. A teoria trata da construção de sentido de um texto tendo em vista suas
relações. Dessa forma, apresentaremos um olhar semiótico a partir do diálogo entre as duas
linguagens, buscando construir o percurso gerador de sentido do discurso da personagem
André. Nesse percurso, analisaremos os elementos caracterizadores da persuasão utilizados
por ele e como estes podem ser transcodificados para as imagens por meio das técnicas
audiovisuais. Aprender a desconstruir e reconstruir o sentido inserido nos textos, verbais e
não verbais, é aprender a "ler o mundo", a interpretá-lo e analisá-lo por meio das
ferramentas oferecidas pela "teoria da significação" - a semiótica.
MAFALDA NA ESCOLA: O SINCRETISMO EM SEMIÓTICA ALIADO A UMA
PROPOSTA DE ANÁLISE TEXTUAL

Daniela Raffo SCHERER (PG-UEL)


daniela_raffo@yahoo.com.br

Esta comunicação apresenta um breve estudo bibliográfico acerca da teoria semiótica


greimasiana em articulação com o objeto desta pesquisa: a utilização das tiras da Mafalda
em atividades de livros didáticos de língua portuguesa. Tendo em vista a fase inicial em que
se encontra esta pesquisa, vinculada ao Programa de Pós-graduação em Estudos da
Linguagem da Universidade Estadual de Londrina, pretendemos mobilizar alguns conceitos
da semiótica greimasiana, especialmente aqueles relacionados ao sincretismo, na tentativa
de encontrar suas relações (ainda que embrionariamente) com as tiras da Mafalda em livros
didáticos adotados pela Rede Municipal de Campo Grande, no estado do Mato Grosso do
Sul.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Loredana Limoli. Universidade Estadual de Londrina –
UEL. Londrina. Paraná. Brasil.
193
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

VISÕES DO EXÍLIO NA LITERATURA DA AMÉRICA LATINA

Coordenadora: AMANDA PÉREZ MONTAÑÉS

MARCAS DO EXÍLIO E DO FANTÁSTICO EM CASA TOMADA, RELATO DE


JULIO CORTÁZAR

Karina STOEGLEHNER (G-UEL/IC-CNPq)


karina.stoeglehner@gmail.com

O presente estudo bibliográfico, exploratório, qualitativo, tem como objetivo principal


analisar o relato “Casa tomada” de Julio Cortázar, o qual forma parte do livro Bestiário
(1951). Sob a vertente do fantástico, o autor apresenta para o leitor o exílio de um casal de
irmãos em relação à casa em que moram; vivendo exclusivamente para cuidar desta casa,
Irene e seu irmão fazem parte de uma rotina de extrema repetição, sendo interrompida pela
invasão de elementos insólitos, cujo objetivo é expulsá-losda casa. Cortázar mostra sua
opinião sobre o exílio através deste relato, em que a casa é o país, os irmãos a população, e
o elemento insólito foi utilizado para mostrar a ditadura agindo sempre às escondidas. A
análise terá como base teórica os seguintes autores: ROAS (2001; 2014) e ALAZRAKI
(1983), no que diz respeito ao fantástico, e sobre o exílio, CORTÁZAR (2001); SAID
(2003); VIDAL (2004); MONTANEZ (2013).

O EXÍLIO ATRAVÉS DOS ABRAÇOS DE EDUARDO GALEANO

Bárbara BATISTA (G-UEL)


barbarabatista95@yahoo.com

O presente trabalho tem por objetivo realizar uma análise sobre os relatos do Livro dos
Abraços (2002), do escritor uruguaio Eduardo Galeano. Para realizar está analise é preciso
conhecer um pouco da vida de Eduardo Galeano e sua vivência no exílio, já que se exilou
três anos na Argentina e cerca de dez anos na Espanha. O livro foi escrito a partir de suas
experiências, onde Galeano quer mostrar como todos os conhecimentos se abraçam, o que
justifica assim o título do livro. O presente estudo bibliográfico, exploratório qualitativo,
tem como objetivo principal refletir sobre a experiência do autor no exílio que reflete em
194

sua obra, utilizando como base teórica as reflexões de CORTÁZAR (2001), SAID (2003),
HALL (2003,2006) e MONTAÑEZ (2013), no que diz a respeito a analise do exílio e sua
identidade.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Trabalho orientado pela Profª. Amanda Pérez Montañés. amandapm3404662@gmail.com.


Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

A TRADIÇÃO DO EXÍLIO NA LITERATURA HISPANO-AMERICANA

Amanda Pérez MONTAÑÉS (UEL)


amandapm34@hotmail.com

O presente estudo bibliográfico tem por objetivo principal analisar a tradição do exílio na
literatura Hispano-Americana. Ao longo da história de nosso continente, a tradição do
exílio é criada pelos escritores banidos de seus países quase sempre por perseguição
política. Com as ditaduras do Cone Sul nas décadas de 60 e 70, a experiência desse
banimento aparece registrada nas obras de muitos escritores degredados, assim como em
algumas obras de escritores que ficaram em seus países de origem escrevendo à sombra do
sistema, exilados dentro de seus próprios mundos. Para aprofundar a anterior reflexão, a
análise terá como base teórica os seguintes autores: AGAMBEN (2000, 2004); AIRA
(2001); CORTÁZAR (1994); MONTANEZ (2013); SAID (2003); VIDAL (2004); VIÑAS
(1974).

EXÍLIO INTERNO E TRAUMA: ANÁLISES DO ROMANCE O RUÍDO DAS


COISAS AO CAIR, JUAN GABRIEL VÁSQUEZ

Ingrid Julieth Rodriguez RODRIGUEZ (G-UEL)


Ingridjrr52@gmail.com

O presente trabalho pretende analisar o romance O ruído das coisas ao cair (2011) do
escritor colombiano Juan Gabriel Vásquez. Aspira-se estudar o comportamento de Antonio
Yammara, protagonista e narrador. O objetivo principal é procurar as marcas e traumas que
deixa o exílio interno em Yammara, personagem que experimenta muitas das facetas do
colombiano dos anos oitenta, época na qual se desenvolve o enredo principal da obra. A
partir das experiências vivenciadas pelo protagonista, pretendemos fazer um paralelo do
romance perante a ideologia e a política colombiana daquele tempo, os quais são temas
centrais para o entendimento da obra, além de estabelecer como o andamento conflitivo de
um país afeta de maneira traumática a vida de qualquer indivíduo dessa comunidade,
mesmo não fazendo parte direta da problemática, e até muitas vezes chegando a
experimentar um exílio interno e perdendo-se no tempo, procurando esquecer os
195

acontecimentos traumáticos.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

CONCEIÇÃO EVARISTO E CAROLINA MARIA DE JESUS: ESCREVIVÊNCIAS


E (DES)VENTURAS DE UMA ESCRITA AFRO-BRASILEIRA

Coordenadora: SUELI DE JESUS MONTEIRO

A REPRESENTAÇÃO DA MULHER NEGRA NA LITERATURA: A CERCA DO


CONTO “MARY BENEDITA” DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Elaine Aparecida DIAS (G-UEL)


elainedias16t@hotmail.com

O presente artigo tem por objetivo analisar o conto “Mary Benedita” da escritora Conceição
Evaristo, focando a mulher no seu mais profundo questionamento sobre a vida, as situações
vividas e como se encontra. No decorrer da análise, será possível esclarecer os fatos de
como a mulher negra se encaixa na sociedade, na literatura como um todo e de que maneira
são representadas como personagens nas leituras atuais e anteriores. A mulher representada
por Conceição Evaristo, no conto em questão, possui como características individuais a
independência profissional e excelente estrutura de vida e mesmo com esse cenário
otimista, a personagem se mostra muito frustrada e atormentada por um passado cheio de
angústias e medos, os quais provocaram atitudes autopunitivas. Essas questões demonstram
que a culpa apresentada ainda representa um obstáculo a ser vencido dentro da
representação das mulheres negras na literatura.

A REPRESENTAÇÃO DA MULHER NO CONTO “SAURA BENEVIDES


AMARANTINO”: NEGRITUDE, POBREZA E ABANDONO

Cristiano PAPKE (G-UEL)


papke.adm@gmail.com

Entre os estudos sobre a literatura afro-brasileira, destaca-se a produção literária de


Conceição Evaristo. Neste trabalho tomaremos como objeto de análise um conto da autora
publicado na coletânea Insubmissas lágrimas de mulheres, publicada em 2011. Tal obra
reúne 13 contos que recebem como título o nome de suas protagonistas negras, entre eles o
texto escolhido “Saura Benevides Amarantino” que traz para a tessitura narrativa um
196

discurso de uma mulher negra dentro de uma sociedade racista e preconceituosa que a
coloca às margens devido ao fato de ser negra, mãe solteira e depois passa a condição de
viúva, mas ainda assim, vítima da imagem de mulher só, e pertencente a um extrato social
Página

ligado à pobreza. O conto permite uma reflexão social de como a cor e a classe social
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

atribui a um determinado indivíduo sua posição dentro da sociedade. Os textos teóricos que
darão suporte ao trabalho tratam tanto das questões de gênero como da identidade afro.

AS MULHERES DE “QUARTO DE DESPEJO”: ESCREVIVÊNCIA DE UMA


PROTAGONISTA

Letícia Ueno BONOMO (G-UEL)


leticia_ub@hotmail.com

Este artigo tem como objetivo analisar a caracterização e a representação das mulheres na
obra “Quarto de despejo”, de Carolina Maria de Jesus. Por ser uma obra testemunhal, visto
que é o diário da própria autora, descreverei de que forma Carolina de Jesus enxerga e
expõe, em seus escritos, a mulher, seja a despejada – moradora do quarto de despejo, nome
que atribuiu à favela –, seja a da sala de visitas – forma como ela denomina o restante da
cidade. Além disso, buscarei mostrar que Carolina Maria de Jesus é dona do próprio
discurso, sujeito da escrita feminina, o que a torna representativa para os estudos de gênero.
Por fim, o presente trabalho tem como desejo maior a exposição e a valorização de vozes
que por muito tempo foram silenciadas, mas que hoje buscam espaço e lutam por uma
liberdade ainda não totalmente conquistada.

CONCEIÇÃO EVARISTO: A CALMARIA DE UMA VOZ QUE SE IMPÕE E SE


CONSTRÓI NA FORÇA DE SUA ESCREVIVÊNCIA

Sueli de Jesus MONTEIRO (UEL)


suelijm@terra.com.br

O trabalho em questão tem o objetivo de refletir sobre a construção poética de Conceição


Evaristo quando esta faz da sua escrevivência uma particularidade significativa na
composição do universo ficcional que a legitima, principalmente, como uma voz negra
acadêmica e, sobretudo, comprometida com a edificação da literatura afro-brasileira. Nesse
sentido, enriquece com suas autorias a discussão a respeito das relações raciais,
fortalecendo, assim, a resistência cultural dos afrodescendentes que passam, na sua
escritura, de objeto a sujeito do discurso. É pertinente observar também, na voz poética de
Conceição Evaristo, a construção de um movimento de resgate da ancestralidade em busca
dos fragmentos de vida que dão conta da composição da identidade que a representa. O
procedimento metodológico para esta pesquisa consiste em leitura, discussão e análise de
197

obras de autores afro-brasileiros a partir de teorias dos estudos culturais e críticos que se
debruçaram sobre o tema.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A LINGUAGEM REVELANDO PRÁTICAS DOCENTES: O AGIR DO


PROFESSOR E OS OBJETOS DE ENSINO

Coordenadora: ELVIRA LOPES NASCIMENTO

A ATIVIDADE DO PROFESSOR – UMA ARQUITETURA COMPLEXA DE


GESTOS PROFISSIONAIS

Claudia Lopes Nascimento SAITO (UEL)


cln_saito@yahoo.com.br
Elvira Lopes NASCIMENTO (UEL)
elopes@sercomtel.com.br

Com base na noção de gêneros bakhtiniana à luz da psicologia vigotskiana, ensinar a partir
de objetos socialmente construídos implica compreender o gênero textual como um
“instrumento psicológico” que também pode ser relacionado ao desenvolvimento do
professor e de seu trabalho. Na abordagem discursiva do ensino como trabalho
(BRONCKART; 2012; MACHADO, 2004), buscamos realizar uma abordagem integrada
dos aspectos articulados ao métier: o trabalho de ensino e o ensino como trabalho,
privilegiando o trabalho no polo do professor, com ênfase na transposição didática dos
objetos de saber a objetos de ensino e também a enunciação do professor nos contextos em
que atua. Pretendemos apresentar reflexão sobre a ação do professor e os gestos didáticos
(NASCIMENTO, 2014) de regulação das aprendizagens tendo em vista as consignas orais
e escritas como instrumentos simbólicos, portanto gêneros textuais mediando o ensino e a
aprendizagem de línguas.

O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE


ENSINO E APRENDIZAGEM

Annie Rose dos SANTOS (PG-UEL)


anniersantos@hotmail.com

Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) e as TICs constituem-se em ferramentas


de trabalho indispensáveis, pois seu uso é exigência do contexto contemporâneo nas
198

diversas atividades humanas. À luz do ISD (BRONCKART; MACHADO, 2004) e como


parte do GEMFOR/ALTED, que tem como lócus das reflexões as relações entre a
linguagem, os instrumentos (simbólicos e materiais) e o agir educacional, investigamos o
Página

agir do tutor da EaD mediado por artefatos digitais utilizados no AVA de uma disciplina de
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

um curso de Letras a Distância para compreendermos a relevância desses artefatos nessa


modalidade de ensino. Considerando que o AVA é concebido como ferramenta utilizada
para o ensino e aprendizagem (MARCUSHI, 2010), destacamos que o tutor, assim como os
demais envolvidos com a EaD, precisa ter o domínio dos recursos materiais e simbólicos a
ele agregados para possibilitar um ambiente real de aprendizagem com a mediação das
TICs.

FIGURAS DE AÇÃO PARA INTERPRETAR O AGIR DE PROFESSORES EM


FORMAÇÃO CONTINUADA

Maria Ilza ZIRONDI (UEL)


ilzamaria2000@yahoo.com.br

Neste trabalho, temos por objetivo apresentar uma análise dos discursos produzidos por
professores da rede Pública de Ensino durante um curso de formação continuada. Para isso,
identificaremos cadeias interpretativas para o agir de linguagem (BRONCKART, 2008;
BULEA 2010), a fim de discutirmos como são construídas as relações formativas, tendo em
vista os cursos de formação, em sua maioria, serem generalistas com propostas frágeis que
não atendem às reais necessidades dos professores. Pelo intenso processo interativo que se
processa nesse discurso, podemos concluir que a alternância das diferentes figuras de ação
durante as trocas de turnos das falas, apontam para uma possível (re-)organização para os
cursos de formação e/ou para novos significados aos conhecimentos e discussões que
emergem desse processo de interação.

A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA EXTERNA DE GÊNEROS DO JORNAL: A


CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS COMO FERRAMENTA DA
FORMAÇÃO INICIAL

Eliana Merlin Deganutti de BARROS (UENP)


edeganutti@hotmail.com

Este trabalho é fruto de investigações desenvolvidas no projeto de pesquisa “Os gêneros da


mídia jornalística como objetos da transposição didática externa” (UENP). Tal projeto está
pautado nos fundamentos do Interacionismo Sociodiscursivo, sobretudo, na sua vertente
didática. Uma das suas ações está articulada a um subprojeto PIBID (Capes), cujo objetivo
é elaborar sequências didáticas (SD) de gêneros do jornal para serem desenvolvidas na
199

Educação Básica. A finalidade desta apresentação é mostrar resultados de análises do


processo de elaboração das SD. Para tanto, são objetos de análise todas as versões das SD
produzidas, assim como questionários aplicados aos pibidianos durante o processo de
Página

formação e elaboração dos materiais didáticos. A priori, aponta-se a defasagem em relação


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

aos saberes teóricos do objeto de ensino “gêneros do jornal”, tanto na perspectiva funcional
como linguístico-discursiva. Isso mostra a relevância de estudos que promovam a descrição
teórica desses objetos discursivos, para fins de transposição didática.

HISTÓRIA, CIÊNCIA E SABER METALINGUÍSTICO: ABORDAGENS


SEMÂNTICO-ENUNCIATIVAS

Coordenador: DANILO RICARDO DE OLIVEIRA

MACEDO SOARES: CONSIDERAÇÕES SOBRE O SABER LEXICAL E A


CONSTITUIÇÃO DE UM LÉXICO BRASILEIRO

Anderson Braga do CARMO (PG-Unicamp)


andersonbdocarmo@hotmail.com

Tendo em mente que o português brasileiro passou por um processo de historicização


singular, verificaremos o investimento científico dado por Antônio Joaquim de Macedo
Soares em textos da segunda metade do século XIX, coligidos em seus Estudos
Lexicográficos do Dialeto Brasileiro (1943), com o objetivo de compreender como o léxico
brasileiro e o saber sobre ele contribuíram para a instauração de um espaço-tempo próprio
para se pensar a língua portuguesa no Brasil. Assim, colocando-nos na perspectiva teórico-
metodológica da Semântica do Acontecimento, analisaremos como esse sujeito falante, ao
descrever o léxico, instrumenta e reivindica uma identidade para a língua. Entre outras
reflexões, esta coletânea de textos sobre brasileirismos e outras categorias fundamentais
para a constituição de um léxico brasileiro, tornou-se um instrumento linguístico
fundamental para pensarmos a relação entre saber metalinguístico, nação e história das
ciências, uma das contribuições dessa pesquisa para a História das Ideias Linguísticas no
Brasil.

O TRATAMENTO DO NOME NOS ESTUDOS SEMÂNTICOS DO PORTUGUÊS


BRASILEIRO: UM PROJETO DE PESQUISA

Vinícius Massad CASTRO (PG-Unicamp/CNPq)


viniciusmc831@hotmail.com
200

O nome é um fato de língua/linguagem ao qual as semânticas muito se dedicam a estudar,


Página

por nele talvez estar mais latente a propriedade das línguas naturais de referir a um objeto
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

extralinguístico. Explicar como essa referência se dá é uma das questões primordiais para
qualquer teoria semântica. Tendo isso em vista, nos propomos a apresentar aqui um projeto
de pesquisa sobre a constituição do tratamento do nome nos estudos semânticos do
português brasileiro inscritos no campo da linguística. Isso envolve, entre outras coisas,
apresentar como se dá a delimitação do corpus de pesquisa, as suas questões gerais e
específicas em acordo com o quadro teórico em que se propõe desenvolver: a História das
Ideias Linguísticas em articulação com a Semântica do Acontecimento. Assim pretendemos
contribuir para os trabalhos sobre a constituição dos saberes metalinguísticos, tal como
esses vem se desenvolvendo dentro do projeto História das Ideias Linguísticas no Brasil.

SENTIDOS POSSÍVEIS PARA A INSTITUIÇÃO DA SOCIOLINGUÍSTICA NO


BRASIL

Lívia Helena MOREIRA E SILVA (PG-Unicamp/Capes)


livelena@gmail.com

Este trabalho busca apontar, pela análise da designação de sociolinguística no texto de


introdução à primeira antologia de estudos considerados clássicos fundadores da área
traduzidos para a língua portuguesa, alguns sentidos possíveis para a história da
sociolinguística no Brasil. O trabalho mostra como, no texto de Paulino Vandresen (1974),
o desenvolvimento da disciplina se justifica em função de um passado enunciativo muito
específico, ligado a seu florescimento nos Estados Unidos, sem que a especificidade do
espaço de enunciação da língua portuguesa no Brasil seja levado em consideração; mas é
sobretudo pelo argumento do ensino, ligado a uma urgente demanda social relativamente
ao ensino de língua portuguesa, que o autor orienta sua argumentação ao justificar a
instituição da sociolinguística no Brasil, o que não é sem consequências para o seu depois,
ao contrário, é um modo de significar a disciplina que projeta seu futuro no país.

O SABER METALINGUÍSTICO: UM ESPAÇO POLÍTICO DA LINGUÍSTICA


NAS POLÍTICAS DE ESTADO DO BRASIL

Danilo Ricardo de OLIVEIRA (PG-Unicamp)


dro.danilo@gmail.com

Este trabalho tem por objetivo dar visibilidade às políticas de línguas do Brasil
particularmente a partir da relação entre a linguística e identidade do Estado brasileiro.
201

Atentando-nos especialmente às décadas de 1930 e 1940, período de forte polêmica quanto


à nomeação do idioma oficial do Brasil, procuraremos demonstrar como o saber
metalinguístico sobre a língua portuguesa no/do Brasil foi um elemento fundamental entre
Página

as políticas do Estado brasileiro para a conquista de um lugar de dizer nas relações


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

internacionais. Com o aporte teórico-metodológico da Semântica Histórica da Enunciação


(Semântica do Acontecimento), constituiremos uma leitura da história da língua e do saber
metalinguístico que porá em relevo a importância dos gestos de autoria tanto para a
institucionalização do Português como língua oficial e nacional do Brasil quanto para a
representação do país no cenário internacional.

TRAJETÓRIAS TEÓRICO-ANALÍTICAS DO GEDUEM: CORPO, BIOPODER E


BIOPOLÍTICA EM MATERIALIDADES SIGNIFICANTES

Coordenadora: VALÉRIA CRISTINA DE OLIVEIRA

O CORPO TRANSEXUAL EM ENTRELUGAR: PRÁTICA DISCURSIVA DO


CINEMA FRANCÊS

Maraisa Daiana da SILVA (G-UEM)


maraisa.d.silva@gmail.com

Este trabalho objetiva compreender a forma como a transexualidade infantil é


discursivizada no filme francês Ma vie en rose, justificado pela atualidade e emergência
que o tema impõe ao espaço educacional e à sociedade como um todo. A opção pela
materialidade fílmica como objeto de investigação deve-se à falta deste componente
curricular na grade do curso de Letras, habilitação português-francês, e ser o cinema uma
mídia de excelência para além do entretenimento, um dispositivo de congregação entre
saberes “tecnocientífico” (LUZ, 2007), discursivos e político-culturais para o dizer da
sociedade sobre o corpo e a sexualidade. A pesquisa baseia-se no escopo teórico da Análise
do Discurso franco-brasileira, avaliando a produção cinematográfica francesa sob o status
de vanguarda na abordagem do tema eleito, cuja inscrição se encontra na ordem da
biopolítica. A prática analítica fundamenta-se nos procedimentos foucaultianos focados nos
conjuntos crítico e genealógico.

A FOTOGRAFIA E A GUERRA: UMA BIOPOLÍTICA DOS CORPOS

Valéria Cristina de OLIVEIRA (PG-UEM)


valeriacardoso@geduem.com.br
202

O presente trabalho tem por objetivo discutir, neste simpósio, os conceitos da biopolítica na
Página

materialidade significativa da fotografia capturada no evento: Guerra do Contestado,


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

observando que, por essa tecnologia, o biopoder, representado pelo Estado brasileiro do
início do século XX, produziu efeitos diversos, cujos saber-poder individualizaram e
assujeitaram corpos contestados. Nesse sentido, buscamos em Foucault (2008, 2010, 2012),
Kossoy ( 2007,2009), Flusser (2009), Farhi Neto (2010), entre outros, bases teórico-
metodológicas para questionarmos a fotografia como um discurso que pode legitimar o
poder/saber biopolítico. A partir de uma série composta por duas fotografias os corpos
contestados, e docilizados pelo poder jurídico-político que, ao naturalizar discursos do
deixar morrer nas práticas de guerra, alcançaram por essa materialidade significativa a
contemporaneidade.

PARRHESIA: A “CORAGEM DA VERDADE” ACERCA DA


HOMOSSEXUALIDADE

Marcieli Cristina COELHO (PG-UEM)

O desejo da homossexualidade que até pouco tempo nem sequer era mencionada na “ordem
arriscada do discurso”, agora está vigente na ordem do dia. As discussões primeiras surgem
pela e na mídia e suscitam diferentes inquietações. A coragem de dizer a verdade consiste
em correr o risco acerca daquilo que se fala, pois ao tomar a palavra, busca-se autenticar a
verdade. Assim, este estudo teórico-analítico tem como objetivo analisar a coragem da
verdade acerca da homossexualidade na revelação de sua condição sexual de Daniela
Mércury e Ricky Martin. Para tanto, buscaremos como aporte teórico a Análise de Discurso
de linha francesa e seus desdobramentos no Brasil, e agenciaremos, fundamentalmente, as
noções foucaultianas de parrhesia, verdade e poder. Assim, na medida em que os fatos dão
corporeidade a essa questão, o espaço, a visibilidade, como também os corpos políticos e
biológicos ganham terreno e já é possível se fazer ouvir a voz daqueles a quem há muito
tempo coube somente o silêncio e o “armário”: o homossexual.

203
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

AÇÕES E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Coordenadora: APARECIDA DE FATIMA PERES

ASPECTOS DA FORMAÇÃO INICIAL PARA A ABORDAGEM DA ESCRITA NO


ENSINO DE FRANCÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA

Ana Paula GUEDES (UEM)


apguedes@uem.br

O programa de formação da docência em língua francesa no curso de Letras da


Universidade Estadual de Maringá é baseado em quatro vertentes: língua, literatura, estágio
de docência e teoria de formação em letras. O projeto pedagógico do curso prevê que todos
os componentes curriculares contribuam para a formação inicial de professor promovendo
reflexões e aplicações didático-pedagógicas sobre o seu conteúdo. Porém, observamos que
somente quando se deparam com a disciplina de prática de formação e com a orientação da
docência que realmente os conteúdos formativos são abordados. Essa comunicação
pretende debater qualitativamente a importância das disciplinas formadoras para a
profissionalização do docente e para a determinação de seu perfil didático-pedagógico no
tocante à preparação para abordagem específica da habilidade escrita em sala de aula de
língua francesa.

O DISCURSO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E A CONSTRUÇÃO


DE SUA IDENTIDADE

Eliana Alves GRECO (UEM)


elianagreco@gmail.com

O professor é marcado por seus traços sociais, ideológicos e históricos, e seus discursos,
materialmente manifestados em sala de aula, reuniões, conversas ou em entrevistas,
revelam sua identidade. Diante dessa questão, o objetivo deste trabalho é compreender a
construção da identidade do professor de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental e do
Ensino Médio, de Maringá. O corpus da pesquisa é constituído por respostas a questionário
fornecidas por professores de Língua Portuguesa que atuam no Ensino Fundamental –
terceiro e quarto ciclos – e no Ensino Médio, em diferentes escolas estaduais de Maringá,
204

no Paraná. Pretende-se, com essa reflexão, contribuir para uma melhor compreensão da
identidade do professor de Língua Portuguesa e que os resultados possam auxiliar nos
processos de formação inicial e continuada desse profissional.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

QUERER OU NÃO QUERER SER PROFESSOR: IDENTIDADE EM CONFLITO

Aparecida de Fatima PERES (UEM)


afperes@uem.br

A imagem que as pessoas têm de um indivíduo e de si mesmas é forjada por suas


interações. A atribuição da identidade resulta, portanto, das relações existentes entre os
atores de um contexto, de modo que não pode ser analisada fora dos sistemas de ação em
que um indivíduo está inserido. A esfera da formação profissional constitui domínio
relevante no processo de identificações do professor. Um fator que influencia a constituição
da identidade docente é a relação teoria e prática na formação inicial e, embora seja lugar
comum afirmar que a formação de professores se realize por disciplinas isoladas, a
desarticulação entre teoria e prática insiste em representar o calcanhar de Aquiles na
formação docente. Objetivando contribuir com o tema, este trabalho discute a identidade do
professor de Língua Portuguesa em formação inicial na perspectiva dele e na de professores
em um curso de Letras.

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E ENSINO DE LÍNGUA


MATERNA/LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: CONSIDERAÇÕES TEÓRICO-
PRÁTICAS

Coordenadora: MARTA A. OLIVEIRA BALBINO DOS REIS

CAA/ CENTRO DE AUTO – ACESSO: PROMOÇÃO DA AUTONOMIA E DO


DESENVOLVIMENTO DAS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM DE
ESTUDANTES DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Gisleika Calixto CANDIDO (G-UEL)

O CAA – Centro de Auto-Acesso é um Programa de Formação Complementar que tem


como premissa a relevância das estratégias de aprendizagem, bem como do estudo
autônomo no desenvolvimento linguístico de aprendizes de línguas estrangeiras. O’Malley
205

e Chamot (1990) dividem as estratégias de aprendizagem em metacognitivas, cognitivas e


socioafetivas. Essas estratégias podem ser utilizadas de maneira inconsciente e nem sempre
os aprendizes sabem que as empregam em seus estudos. O aluno que as utiliza
Página

conscientemente desenvolve as capacidades de tomada de decisões e de reflexão crítica


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

sobre o processo de aprendizagem, possibilitando, principalmente, o desenvolvimento de


sua autonomia nos estudos. No espaço do CAA é possível ao aprendiz aprofundar seus
estudos, consultar materiais didáticos e outras fontes de referência, bem como investigar os
temas ou assuntos relevantes para seu aperfeiçoamento linguístico e para o
desenvolvimento de sua autonomia no processo de aprendizagem.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Marta A. Oliveira Balbino dos Reis. Universidade
Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil

LEITURA E LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A IMPORTÂNCIA


DAS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM

Maria Cristina Rodrigues FEITOSA (PG-UEL)


Marta A. Oliveira Balbino dos REIS (UEL)

Repensar a prática pedagógica no trabalho com a leitura e escrita para que ambas ocupem
seus lugares adequados no processo de ensino e aprendizagem é uma questão que sempre
gera discussão no espaço da educação. Ler e escrever decodificando sons e letras não
garante uma interação completa com os gêneros textuais que estão presentes na sociedade,
pois é fundamental a compreensão de significados do uso da leitura e da escrita em
diferentes contextos. Diante disso, o termo letramento ultrapassa o ler e escrever,
defendendo a interação com a leitura e a escrita dentro e fora do contexto escolar como
prática social. Nesta comunicação temos por objetivo verificar as possíveis estratégias de
aprendizagem que favorecem o desenvolvimento da leitura e letramento no contexto da
Educação do Campo. A identidade da escola do campo e a influência dos Movimentos
Sociais do Campo se relacionam diretamente aos processos de aprender a aprender
mediante ao uso das estratégias de aprendizagem para estimular as práticas de leitura e
letramento na Educação do Campo.

PROGRAMA DE ESTUDOS INDIVIDUAIS (PEI) DO CAA/ CENTRO DE AUTO –


ACESSO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Lethicia Julio de Oliveira FERREIRA (G-UEL)


Tatiana Helena Carvalho Rios FERREIRA (UEL)
tatianahcrios@hotmail.com

A experiência da elaboração de um Programa de Estudos Individuais (PEI), que


desenvolvemos no Programa de Formação Complementar CAA – Centro de Auto-Acesso
206

da UEL é o assunto abordado nesta comunicação. A autonomia na aprendizagem define-se


como a capacidade que o indivíduo tem de se encarregar de sua própria aprendizagem
(Holec (1979), a possibilidade do aprendiz de refletir, de maneira crítica, e tornar-se
Página

responsável por sua própria aprendizagem, bem como tomar decisões e agir com
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

independência, supondo, preliminarmente, o desenvolvimento de uma relação positiva


quanto ao processo e a conteúdo de sua aprendizagem. Para procurar aperfeiçoar nossa
pronúncia em espanhol tivemos como desafio a criação de um Blog com esse tema,
conteúdo central do nosso PEI, sobre o qual tratamos neste trabalho.

CRIANÇAS E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Coordenadora: SIMONE RINALDI

A AFETIVIDADE NO ENSINO DE ESPANHOL PARA CRIANÇAS

Adilson Euripedes LUCINDO (G-UEL)


adilsonlucindo@gmail.com
Adriana Quadros MATOS (G-UEL)
matosadri@hotmail.com

Esta comunicação tem como objetivo divulgar nossa proposta de investigação no trabalho
A Afetividade no Ensino de Espanhol para Crianças da Universidade Estadual de Londrina.
Tal proposta visa a contribuir para as pesquisas no campo do ensino e da aprendizagem de
espanhol para crianças, principalmente brasileiras. Entre outros objetivos, nosso foco é
verificar qual a importância da afetividade no processo escolar do ensino-aprendizagem. É
também nosso objetivo analisar da como essa relação acontece, como a criança age nesse
novo processo de convívio no meio escolar sem a proteção dos pais ou da pessoa cuidador
ou cuidadora e como o professor se posiciona diante das adversidades dessa situação. Deste
modo, apoiamo-nos estudos de Melo (2014); Moreno (2008); Rinaldi (2005, 2009, 2011)
entre outros. Após revisão bibliográfica, observar aulas e obter resultados que ampliem os
conhecimentos nesse campo de pesquisa a fim de contribuir para, por meio da utilização
dos recursos da afetividade, a construção de cidadãos participativos, reflexivos e críticos.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Simone Rinaldi. monenaldi@hotmail.com.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil
207
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O JOGO NO ENSINO DE ESPANHOL PARA CRIANÇAS

Daniely Francini dos SANTOS (G-UEL)


danielyfrancini.adr@gmail.com
Nilcéia Gonçalves Carvalho da SILVA (G-UEL)
ninagon2000@yahoo.com.br
Lea Kaori MATUO (G-UEL)
leakaori@hotmail.com

Acreditamos que para a educação alcançar um ensino eficiente com respeito à língua
estrangeira para crianças, é necessário que ele seja leve e descontraído. Para tanto, temos o
aspecto lúdico, um recurso que não deixa de ser didático, e certamente é dinâmico. Por
excelência, o ensino lúdico e os jogos, levam à integração dos alunos, além de ter, também,
uma marca inovadora, o que ajuda a despertar o interesse dos estudantes. É com essas
reflexões que pretendemos desenvolver em nosso projeto estudos de referências
(CHAGURI, 2009; HUIZINGA, 2001; RINALDI, 2011), que apontam o lúdico com uma
ferramenta no ensino de língua estrangeira, e a produção de materiais, como jogo, para
serem utilizados no ensino de língua estrangeira para criança, em especifico o espanhol no
minicurso ofertado durante nosso estágio.
Trabalho orientado pela Profª. Drª. Simone Rinaldi. monenaldi@hotmail.com.
Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

“FUNTASTIC” ENGLISH: UMA PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO DE


MATERIAIS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA
CRIANÇAS

Deise SUZUMURA (PG-UEL)


deisesuzumura@hotmail.com
Simone RINALDI (UEL)
monenaldi@hotmail.com

Esta comunicação busca divulgar minha proposta de pesquisa para o Mestrado


Profissionalizante em Letras Estrangeiras Modernas, da Universidade Estadual de
Londrina. Tal proposta visa a contribuir para as investigações no campo do ensino e da
aprendizagem de inglês a brasileiros, principalmente crianças. Entre outros objetivos, nosso
foco é o desenvolvimento de materiais didáticos para o ensino de língua inglesa para
crianças da Educação Infantil, em cujo contexto leciono atualmente e de onde se originou o
208

interesse deste estudo. Assim, com a crescente procura por instituições de ensino que
ofereçam inglês para crianças, surge também a necessidade da oferta de materiais didáticos
que atendam as carências deste público. Deste modo, apoio-me em estudos sobre materiais
Página

didáticos de Machado (2008); Nicolaides e Tílio (2011); Rinaldi (2005), entre outros e, por
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

meio da análise, busca e compilação de materiais didáticos destinados ao público infantil,


pretendo elaborar e aplicar um instrumento que impulsione o ensino e aprendizado de
língua inglesa para crianças.

LITERATURA INFANTOJUVENIL BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA E


ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Coordenador: JAIME DOS REIS SANT’ANNA

CONTRUÇÕES IDEOLÓGICAS DA IMAGEM DA ESCOLA EM CHICO, EDU E O


NONO ANO, DE LINO DE ALBERGARIA

Cláudia Peres B. JORGE (G-UEL)


claudiapjorge@hotmail.com

O objetivo deste trabalho é efetuar um debate acerca das construções ideológicas da


imagem da escola representadas em Chico, Edu e o nono ano, de Lino de Albergaria
(Coleção Jabuti, Editora Saraiva), obra destinada ao público adolescente que compõe o
Ensino Fundamental II. A fundamentação teórica retoma as discussões sobre a relação entre
literatura e ideologia, conforme Eagleton e Jamenson. A análise das imagens da escola em
Albergaria busca ampliar a compreensão sobre as possíveis influências da obra na formação
de um leitor-crítico. A abordagem propõe analisar e interpretar os elementos narrativos
responsáveis por configurar a distorção ideológica da realidade presentes na obra; estudar
as maneiras como se constroem os elementos de legitimação ideológica; discutir a forma
como a distorção e o mascaramento da realidade legitimada pelas ferramentas da
superestrutura cultural tendem a realizar a integração dos agentes envolvidos no processo
de formação do aluno-leitor. Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Jaime dos Reis Sant’Anna.
jsantann@hotmail.com. Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina. Paraná.
Brasil.
209
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

FORMAÇÃO DE LEITORES LITERÁRIOS NO ENSINO FUNDAMENTAL


(ANOS FINAIS) E MÉDIO: CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE OBRAS E
LEGITIMAÇÃO IDEOLÓGICA

Jaime dos Reis SANT’ANNA (UEL)


jsantann@hotmail.com

Quais são os critérios utilizados pelos professores de Língua Portuguesa para a seleção de
obras literárias no trabalho de formação de leitores nos anos finais do Ensino Fundamental
e no Ensino Médio? O objetivo desse artigo é discutir a influência (para o bem ou para o
mal) das chamadas ferramentas de legitimação ideológica no processo de escolha das obras
literárias – premiações institucionais, selos da fundação nacional do livro infantojuvenil,
acervos do Programa Nacional Biblioteca na Escola, catálogos e sites das editoras, encartes
pedagógicos para leituras das obras, transcriações ou adaptações para cinema, teatro,
televisão e cibercultura, lista de mais vendidos, enem/vestibulares, feiras de livros, dentre
outras. Diante disso, propõe-se ao professor de língua materna um instrumental teórico que
resgate os valores estéticos e temáticos como elementos essenciais para o estabelecimento
do corpus da literatura infantojuvenil usados em sala de aula.

SÍMBOLOS DO MARAVILHOSO NA CONSTRUÇÃO DO ESPAÇO EM A CASA


DA MADRINHA, DE LYGIA BOJUNGA NUNES

Francielli Mendes PEREIRA (PG-UEL)


francielli_mp@hotmail.com

O trabalho busca analisar a construção dos símbolos constituintes do espaço na obra A casa
da madrinha, de Lygia Bojunga Nunes, publicada em 1978, cuja marca é o maravilhoso. O
estudo visa a investigar o posicionamento ideológico presente na obra e na construção de
sentidos sugeridos pela travessia do personagem Alexandre em busca da esperançosa casa
da madrinha, lugar mágico e mediador das possibilidades existentes para a concretização do
maravilhoso como forma de alcançar uma vida melhor. Partindo da perspectiva de Todorov
sobre o maravilhoso, em Introdução à Literatura Fantástica (1980); de Coelho, sobre as
características dos contos de fadas, em O conto de fadas (1987); e de Jean Chevalier, sobre
a análise dos símbolos, em Dicionário de símbolos (1999), investigaremos as formas como
tal construção de sentidos são mantenedores do status quo de uma literatura
“pedagogizante” ou de transgressores de modelos consagrados.
210
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTRUÇÃO IDEOLOGICA EM A MARCA DE


UMA LÁGRIMA, DE PEDRO BANDEIRA, E ISSO NIGUÉM ME TIRA, DE ANA
MARIA MACHADO

Ingriti LIMA (G-UEL)


ingridlima2011@hotmail.com

Tendo em mente a necessidade da formação de leitores críticos, a discussão sobre a


construção ideológica na literatura infantojuvenil tem se tornado de suma importância para
a formação de professores que irão orientar o aluno neste processo. Partindo do conceito da
ideologia como distorção da realidade, legitimada pela superestrutura cultural, incluindo
assim a literatura (Paul Ricoeur, Terry Eagleton), o foco estará na literatura infantojuvenil,
destinada a jovens que muitas vezes não possuem um senso crítico formado, e a falta de
conhecimentos suficientes para se defenderem de práticas que os atingem. Para tal,
analisaremos A marca de uma lágrima, de Pedro Bandeira, tendo como eixo norteador as
construções ideológicas de valores éticos, como o amor, namoro e casamento, comparando
com Isso ninguém me tira, de Ana Maria Machado.

PROPAGANDA: A LINGUAGEM É UM JOGO ARGUMENTATIVO E QUER


SEDUZIR VOCÊ

Coordenadora: PAULA TATIANA DA SILVA

A PERSUASÃO NA PUBLICIDADE MARGINAL

Antonio Lemes GUERRA JUNIOR (PG-UEL/CAPES)


junior.guerra@hotmail.com

A publicidade tem um caráter multifacetado, uma vez que se apresenta de modo variado. E,
justamente por constituir um discurso que integra o tecido social, é possível que, assim
como outras produções humanas, ela seja alvo de um processo de marginalização. Está aí a
gênese da Publicidade Marginal, um segmento do qual fazem parte textos publicitários
marginais, cujas características – baixa qualidade técnica, tipos de produtos divulgados,
público-alvo e ambientes de circulação – os distanciam do grande centro midiático. Trata-
211

se de manifestações publicitárias essencialmente simples, embora carreguem consigo níveis


relevantes de criatividade e, portanto, de persuasão. A proposta deste trabalho, nesse
sentido, ancora-se na análise de alguns desses textos, orais e escritos, de modo que se
Página

demonstre o poder argumentativo que os perpassa e, especialmente, a sua efetividade.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

PROPAGANDAS BANCÁRIAS E SUAS ESTRATÉGIAS PERSUASIVAS

Ednéia de Cássia Santos PINHO (PG-UEL)


ediuel@yahoo.com.br

Este trabalho tem por objetivo analisar o processo de construção textual de duas
propagandas bancárias à luz da Semântica Argumentativa. Nosso foco será um estudo
comparativo dos recursos persuasivos explorados em cada peça publicitária do Banco Itaú,
de décadas diferentes, avaliando a relevância e a interferência dos fatores sociais, culturais,
étnicos e econômicos arraigados em cada época, no processo de construção do texto e no
direcionamento das conclusões do interlocutor. Além disso, recorreremos aos conceitos da
Linguística Textual, visando não só identificar as estratégias verbais adotadas para envolver
o leitor, mas também averiguar os efeitos de sentido produzidos em cada escolha.

CONTRASTES IDEOLÓGICOS DO DITO E DO NÃO DITO


NO DISCURSO PUBLICITÁRIO PARA IDOSOS

Roberta Maria Garcia BLASQUE (PG-UEL)


robertablasque@yahoo.com.br

A Gerontologia apresenta o idoso como um indivíduo ativo e bem-sucedido, caracterizado


por aspectos pluridimensionais e pela aceitação de sua idade cronológica, sem desejos de
retorno a fases anteriores do ciclo de vida. Por outro lado, o discurso publicitário, por meio
das propagandas de cosméticos rejuvenescedores, apresenta uma crítica ao envelhecimento,
visto que a juventude é mais bela, é a melhor fase do ciclo de vida. Nesse contexto,
identificamos contrastes ideológicos entre a Publicidade (negar a velhice) e a Gerontologia
(aceitar a velhice). A partir dessa oposição, exploramos os ditos e os não ditos
disseminados ao leitor/consumidor, gerando atribuição de significados às entrelinhas do
discurso. Há um jogo argumentativo com o uso dos conteúdos implícitos subjacentes ao
texto, contribuindo para interpretações preestabelecidas pelos enunciadores.
212
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

BLOCOS SEMÂNTICOS: DESVENDANDO SENTIDOS EM ECOPROPAGANDAS

Paula Tatiana da SILVA (UFAC)


paula.silva.pts@gmail.com

Este trabalho, vinculado ao Projeto de Pesquisa Recursos Gramaticais, Discursivos e


Imagéticos na Construção Argumentativa, sob coordenação da Prof.ª Dr.ª Esther Gomes de
Oliveira, da Universidade Estadual de Londrina, apresenta a análise argumentativa de uma
ecopropaganda, com base na Teoria da Argumentação na Língua, de Oswald Ducrot. O
princípio da teoria ducrotiana de que “a argumentação está na língua” (DUCROT, 1989, p.
16) está presente na terceira fase de seus estudos, nomeada de Teoria dos Blocos
Semânticos, desenvolvida com a colaboração de Marion Carel. Apresentaremos a análise
de uma propaganda que veicula a temática ambiental, explorando seus sentidos por meio da
argumentação interna e da argumentação externa, em seus aspectos normativos (X logo Y)
e transgressivos (X no entanto Y). Esperamos contribuir com os estudos de texto e discurso
e, especialmente, com aqueles que abordam os aspectos semântico-argumentativos em
propagandas.

ENSINO-APRENDIZAGEM E MULTILETRAMENTOS: DIÁLOGOS POSSÍVEIS


E NECESSÁRIOS

Coordenadora: ELIZA ADRIANA SHEUER NANTES

O ENSINO DE LITERATURA NO SÉCULO XXI: O CASO DOS BLOGS

Anderson Teixeira ROLIM (UNOPAR)


anderson.rolim@unopar.br

É notório que a realidade tecnológica permeia os processos de interação social. É nesse


sentido que a instrumentalização tecnológica do professor tornou-se fator decisivo no
desenvolvimento de atividades didáticas de fomento à leitura literária. O ambiente web
alarga o espaço escolar através de pesquisas dinâmicas e acesso a materiais diversos. Do
mesmo modo, amplia a interação entre os agentes do processo de ensino. No entanto, esse
cenário otimista motiva uma questão: a tecnologia e os textos breves que dela originam
213

competem com a leitura literária e/ou colaboram no processo de formação de leitores?


Assim, este trabalho observa a aplicabilidade do uso do blog no ensino de Literatura, suas
especificidades, suas possibilidades e alguns exemplos de abordagens metodológicas.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DO SUPORTE NA CONSTRUÇÃO DO


GÊNERO DISCURSIVO “CAUSO”

Eliza Adriana Sheuer NANTES (PG-UEL/UNOPAR)


eliza@unopar.br

O projeto de pesquisa “Plano de Trabalho Docente: uma proposta pedagógica a partir das
Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná para o ensino Fundamental e Médio”
(UNOPAR) trabalha com os gêneros enquanto enunciados concretos e, a partir dos estudos
bakhtinianos, adota as conceituações ampliadas por Perfeito, Ohuschi e Borges (2010),
considerando a didatização do gênero discursivo, assumindo que as dimensões estão
intrinsecamente interligadas com as condições de produção de um texto de determinado
gênero, uma vez que devem ser considerados aspectos como a relação do autor e de seu
papel social; a relação do leitor e do seu papel social; o suporte onde o texto está vinculado;
o provável objetivo do autor; o local e a época de produção e circulação. Diante disso, neste
trabalho, investigamos, etnograficamente, a influência do suporte na construção do gênero
discursivo “causo”, sobretudo quando ocorre a hibridização, em função de sua circulação
na esfera midiática.

UM ESTUDO SOBRE AS CRENÇAS DE PROFESSORES DE LÍNGUA


PORTUGUESA ACERCA DE SUAS PRÁTICAS EM SALA DE AULA

Juliana Fogaça Sanches SIMM (PG-UEL/UNOPAR)


juliana.simm@unopar.br

O presente estudo desenvolve considerações em torno das crenças e atitudes linguísticas de


professores de Língua Portuguesa em relação as suas práticas em sala de aula. A
viabilidade dessa investigação se dá por meio do projeto de pesquisa “Concepções da
população acerca da disciplina de Língua Portuguesa – crenças versus conhecimento
teórico-científico”, desenvolvido na UNOPAR-EAD. Como aporte teórico-metodológico,
recorremos aos estudos na Psicologia Social de Lambert e Lambert (1981) e seus
caudatários, assim como às discussões realizadas por autores da Sociolinguística, como
Weinreich, Labov e Herzog (2006), Morales (1993), Silva-Corvalán (1989), Mouton
(1999), dentre outros. Os dados foram coletados a partir de um questionário estruturado,
aplicado pelos alunos estagiários de Letras a 105 professores de 22 cidades de 9 estados
brasileiros. As respostas dos docentes nos permitiram analisar suas percepções em relação
214

ao modo como lecionam a disciplina de Português, para, assim, identificar as crenças que
os perpassam.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

NO TOQUE DA TELA: CONQUISTANDO HABILIDADES DE LETRAMENTO


EM JOGOS PARA SMARTPHONES

Ana Paula Pinheiro da SILVEIRA (UNOPAR)


paulasilveira.luce@gmail.com

Já é truísmo afirmar que as novas tecnologias inauguraram mudanças significativas no


modo de interagir e construir conhecimentos. Isso tem levado os estudos sobre
aprendizagem a voltarem-se para o papel das TIC na educação. A Horizon Report, que se
propõe a investigar as tecnologias emergentes, divulgou informações de que o uso de
videogames, dentre outras coisas, está entre as tendências para o ensino nos próximos cinco
anos (JOHNSON et al., 2014). O jogo, um lugar de entretenimento, tem ocupado outros
espaços, levando o interesse de instituições educacionais a incluir o conceito de
gamificação no processo de ensino e aprendizagem. Este estudo, ancorado nos regimes de
interação propostos por Landowski (2005) e nos estudos do Letramento (KALANTZIS;
COPE, 2008; STREET, 2014), propõe-se a analisar o jogo The Walking Dead, desenvolvido
para smartphones, como instrumento para favorecer a inserção dos alunos em atividades de
multiletramentos.

REPRESENTAÇÕES DA VIDA ÍNTIMA NA PROSA BRASILEIRA


CONTEMPORÂNEA

Coordenador: LUIZ CARLOS SANTOS SIMON

O AMOR BREVE HOJE

Luiz Carlos Santos SIMON (UEL)


luizcssimon@gmail.com

O prosador brasileiro contemporâneo José Rezende Júnior, embora pouco conhecido, já foi
vencedor do Prêmio Jabuti, na categoria “Contos e Crônicas”, com seu livro de contos Eu
perguntei pro velho se ele queria morrer (e outras estórias de amor). O título por si só já
indica uma vinculação da temática amorosa com questões de diferente natureza, como se
percebe pela atmosfera de violência sugerida. Um ano após a publicação do volume
215

premiado, surge outra edição também instigante: Estórias mínimas, formado apenas por
microcontos com o limite de 140 caracteres. A proposta da apresentação é examinar como
são conjugadas as experiências amorosas relatadas com a brevidade dos textos para buscar
Página

as peculiaridades da abordagem da temática nas manifestações literárias contemporâneas.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ENTRE O AMOR E O TEMOR: FIGURAÇÕES ZOOLITERÁRIAS DOS


HUMANOS SENTIMENTOS

Felipe Santos de TORRE (PG-UEL)


felipetorre7@gmail.com

Por meio deste trabalho pretendemos analisar, de forma comparativa, a representação de


um determinado animal em duas produções literárias brasileiras contemporâneas: no conto
“Zoiuda”, de Luiz Vilela, e na crônica “Uma lagartixa”, de Fernando Sabino. Sob a ótica
dos estudos zooliterários, iremos nos reportar em como as personagens, na condição de
animais, conseguem trazer à tona alguns conflitos existenciais inerentes às personagens
humanas, como o medo e a carência, sobretudo pelo fato de os textos focarem espaços
atrelados à esfera da intimidade. De um modo geral, as duas produções em pauta trazem
olhares distintos para o mesmo animal, capaz de despertar os mais diversos sentimentos
marcados ora pela animalização da personagem humana, ora pela humanização da
lagartixa.

É PRA CASAR OU...?


A SEPARAÇÃO ENTRE AMOR E SEXO NAS CRÔNICAS CONTEMPORÂNEAS

Fabrícia Cristina FLORÊNCIO (G-UEL)


fabricia.florencio@hotmail.com

Gilberto Freyre, no livro Casa-Grande Senzala, aponta, ao apresentar a história do período


de colonização do Brasil, como os portugueses se comportavam em relação às mulheres
índias, negras e mulatas nesse período. Nesse período houve uma predisposição para o
sexo, e os portugueses, buscando povoar o território e deslumbrados com a beleza dessas
mulheres, separaram mulheres para casar, trabalhar e para o prazer. Fomos instigados após
leituras de crônicas de Moacyr Scliar, a analisar de que maneira as crônicas abordam essa
separação de sexo e amor nos relacionamentos contemporâneos. Para desenvolver a
pesquisa recorremos a teóricos, como Mary Del Priore, Anthony Gidden, Zigmund
Bauman, Michel Bozon e Paulo Sérgio do Carmo. No artigo faremos também diferentes
reflexões teóricas sobre o gênero crônica com embasamento em pesquisadores, como David
Arrigucci Jr. e Luiz Simon.
216
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

“FAZER 30 ANOS” FIGURATIVIZADO NA CRÔNICA DE AFFONSO ROMANO


SANT’ANNA

Fernando Lisbôa de OLIVEIRA (PG-UEL)


fernandolisoli@gmail.com

A literatura é marcada pela possibilidade de se utilizar uma linguagem figurada na sua


escrita e, assim, trabalhar-se o mesmo tema de variadas formas. A crônica de Affonso
Romano Sant’Anna, por sua vez, em vários momentos conecta-se através de intertextos
com os escritos sagrados do cristianismo presentes na Bíblia, como forma de produção
dessas figuras. Sendo assim, o presente estudo busca analisar a crônica “Fazer 30 anos”,
publicada em livro pela primeira vez na obra A mulher madura (1986), a fim de observar
como essa figurativização estabelece as relações de intimidade ali representadas. Pra tanto,
utilizamo-nos dos escritos de BARROS (2005) e FIORIN (2006) sobre temas e figuras,
além de BAUMAN (2004) e outros autores que trabalham a intimidade do ser humano na
contemporaneidade.

EXPRESSÕES DO CONTEMPORÂNEO: A LITERATURA BRASILEIRA HOJE

Coordenador: GUSTAVO RAMOS DE SOUZA

A ALEGORIA E AS RUÍNAS EM ESTORVO, DE CHICO BUARQUE

Laysa Louise S. BERETTA (PG-UEL)


laysaberetta@gmail.com

Considerando os conceitos de alegoria e, principalmente, a contribuição de Walter


Benjamin em Origem do Drama Barroco Alemão, dedicamo-nos ao romance Estorvo
(1991), de Chico Buarque (1944), com a intenção de observar não só as feições ruinosas e a
construção alegórica patentes na narrativa, como também compreender o recorrente
emprego do recurso de linguagem nas últimas três décadas do século XX (décadas que
sediaram a ditadura militar brasileira e os seus desdobramentos) e ainda reforçar, a partir da
obra selecionada e considerando as censuras de Davi Arrigucci Jr. e de Flora Sussekind
com relação à alegoria nos romances contemporâneos, a qualidade e a importância do
217

recurso enquanto eficaz ferramenta crítica e reflexiva para aquele momento.


Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

A LITERATURA CINEMATOGRÁFICA DE ANDRÉ DE LEONES: COMO


DESAPARECER COMPLETAMENTE COMO UM FILME CORAL

Gustavo Ramos de SOUZA (PG-UEL)


gustavo-ramos-1989@hotmail.com

Tendo em vista o lugar-comum segundo o qual vivemos atualmente na “sociedade da


imagem”, o objetivo desta comunicação é examinar como a literatura mimetiza a
linguagem cinematográfica, joga com suas propriedades, tenta se fazer cinema. Para tanto,
por meio dos estudos intermidiáticos, bem como de uma aproximação entre linguagem
cinematográfica e teoria literária (PELLEGRINI, 2003), investigamos como se dá o
fenômeno da hibridização entre cinema e literatura, buscando o instrumento metodológico
para a análise ulterior do romance Como desaparecer completamente (2010), de André de
Leones. A partir disso, intenciona-se observar de que modo Como desaparecer
completamente mimetiza um “filme coral”, dando destaque tanto para o papel da montagem
quanto para o diálogo intermidiático.

ALÉM DA AGRESSÃO DO REAL:


OS MUNDOS POSSÍVEIS DE JOÃO ANZANELLO CARRASCOZA

Layse Barnabé de MORAES (PG-UEL)


laysebmoraes@gmail.com)

Entre a produção contística contemporânea brasileira, o escritor João Anzanello Carrascoza


se destaca por distanciar-se da quase unânime temática urbana, mergulhar nos mundos
íntimos e se aproximar da atmosfera rural. Há na prosa do escritor a vida se revelando no
banal, no prosaico, como uma epifania. Os textos são perpassados pelos encantos do
cotidiano e carregam uma poesia ao rés do chão, de olhar atento e sensível ao que nos é
comum. Carrascoza se afasta do quadro literário hiperurbano, cuja fragmentação é quase
obrigatória e que o desencontro, a violência e a fragilidade das relações quase sempre dá o
tom. Entretanto, isso não quer dizer que ele é o único escritor a fazer isso no momento e
nem que a literatura contemporânea brasileira tem como norte apenas uma única
característica. Dessa forma, pretende-se focalizar o lugar dos contos de Carrascoza no
contexto da literatura contemporânea.
218
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

O BLOG COMO FERRAMENTA PARA O RECONHECIMENTO LITERÁRIO


FEMININO: UMA NOVA NARRATIVA DO AMOR?

Carolina Montagnini do NASCIMENTO (PG-UEL)


carolina.mn@outlook.com

Uma personagem do romance “As meninas” da escritora Lygia Fagundes Telles, diz que no
passado os homens as narraram, mas, agora, elas que vão narrar a si próprias. Regina
Helena Machado Aquino Corrêa afirma que a história de luta das mulheres pela igualdade é
marcada, entre outros fatores, pela capacidade de aproveitar as oportunidades; visto que as
editoras parecem ainda privilegiar nomes masculinos, o ciberespaço, se pensarmos a
questão da escrita, e não somente a literária, é uma dessas oportunidades contra o
silenciamento que as mulheres demonstraram dar o devido valor. Sendo o amor um dos
maiores temas literário, sabemos que por ele, principalmente, a mulher foi narrada pelo
homem. Levando em conta essas afirmações, o objetivo deste trabalho é analisar uma
prática de escrita feminina em blogs direcionada para a escrita do amor.

STELA DO PATROCÍNIO: “E NÃO PERDER NUNCA O GOSTO DE ESTAR


GOSTANDO

Coordenador: SÍLVIO JOSÉ STESSUK

A POÉTICA DE STELA DO PATROCÍNIO: POR UM NOVO CONCEITO DE


“POESIA PURA”

Sílvio José STESSUK (UEL)


silviostessuk@gmail.com

É dos mais fugidios o conceito de “poesia pura”. Divulgada pelo abade Henri Brémond em
1925, com referência à obra de Paul Valéry, a expressão, na verdade, pretende abarcar uma
vasta problemática que atravessa a História da Literatura, sob terminologias diversas, desde
pelo menos a Poética de Aristóteles. Em poucas palavras (abertas à controvérsia), “poesia
pura” seria aquela que não se contém, forma cujo conteúdo seria a própria forma – ou
conteúdo cuja forma seria o próprio conteúdo, o mais distante alcance que o discurso
219

poderia atingir na tentativa de expressar o indizível (para lembrar a máxima de Goethe).


Nesse contexto, a poética de Stela do Patrocínio surge complexificando a questão:
desvinculada de quaisquer movimentos ou programas estéticos, nascida em isolamento e
Página

bastando a si mesma, infensa à velha oposição entre forma e conteúdo, essa poética
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

transgressora demanda, para que se possa acercá-la, novas aberturas teóricas na noção de
“poesia pura”.

A POESIA PURA EM STELA DO PATROCÍCIO

Ronie Péterson Leite da SILVA (PG-UEL)


r.petersonfilologo@gmail.com

Objetiva-se aqui observar a possibilidade de aplicação do conceito de Poesia Pura na obra


de Stela do Patrocínio. O conceito de poesia pura – utilizado pela primeira vez por Paul
Valéry – propõe-se como ferramenta capaz de articular o pensamento sobre a forma
enquanto possibilidade / impossibilidade de encerrar na linguagem os mais fugidios e
metafísicos pensamentos. A obra em questão intitula-se “Reino dos Bichos e dos animais é
o meu nome”. Fruto da compilação de áudios cuja escuta reflexiva pode assim manter ou
ainda plasmar a poesia pura de Stela do Patrocínio vertendo-a do registro oral para o
escrito. Raras exceções, o texto escrito na supracitada edição obedece às pausas exigidas
pela estrutura do pensamento da poetisa. A hipótese aventada afirma que não poderia Stela
do Patrocínio viver seus dramas existenciais sem tomar a literatura como forma de vida.
A SOLIDÃO NA POESIA DE STELA DO PATROCÍNIO

Silvana Fulgencio de LIMA (G-UEL)


silvana.lima79@hotmail.com

Aos 25 anos, Stela do Patrocínio foi internada na Colônia Juliano Moreira, onde passou o
resto da vida. Isolada do mundo exterior, Stela desenvolveu uma linguagem oral peculiar
que, com o tempo, foi sendo reconhecida, por profissionais que participavam do seu
cotidiano, como dotada de alta voltagem poética. E foi tão profunda a impressão causada
por aquela estranha mulher negra, alta, pobre e senhora de um discurso lírico movente entre
a coesão e a fragmentariedade, que alguns desses profissionais chegaram ao ponto de
registrar essa fala em fitas-cassetes e, após a morte de Stela, lançá-la em livro para alcançar
um público mais amplo. Mediante palavras duras e agressivas, a poetisa manifestou a
tristeza do ambiente do manicômio. Neste trabalho, pretende-se observar, sobretudo, como
Stela expressou a profunda solidão em que se viu imersa durante longos anos. 220
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LITERATURA E CINEMA

Coordenador: FÁBIO AUGUSTO STEYER

MARNIE: IDENTIDADE NA OBRA DE HITCHCOCK

Paula STARKE (PG-PUC/PR)


paulastarke@yahoo.com.br

O processo de identificação tem sido tema frequente de discussões acadêmicas


contemporâneas. Stuart Hall, Zygmunt Bauman e outros teóricos modernos foram
responsáveis por enfatizar a provisoriedade, variabilidade e problematização deste
processo, ao destacar um sujeito pós-moderno fragmentado, composto de várias
identidades, flutuantes. Não existiria, portanto, uma identidade permanente e imutável, mas
sim algo constantemente transformado por situações sociais diversas. O presente trabalho
objetiva considerar, através destes conceitos, a natureza mutável da identidade através do
estudo de uma personagem específica, Marnie. O longa-metragem Marnie – Confissões de
uma ladra (1964), do diretor Alfred Hitchcock, é uma adaptação do romance de Winston
Graham. Em sua filmografia, Hitchcock deu vários exemplos de personagens com
identidades fluidas e instáveis, marcadas por um processo de tentativa de reafirmação.
Busca-se, deste modo, descrever e problematizar as características deste processo na obra
mencionada.

CINEMA E LITERATURA NA OBRA DE STANLEY KUBRICK

Allyne URBANSKI (G-UEPG)


allyne.urbanski@hotmail.com

Quando se trata de mergulhar em um estudo a respeito das complexas relações que podem
ser estabelecidas entre o Cinema e a Literatura, a obra de Stanley Kubrick não pode deixar
de ser considerada. Com a maior parte de seus filmes baseada em obras literárias, o cineasta
soube, com maestria, identificar nelas uma essência que se transformasse em argumento
válido para o cinema. Por meio desta pesquisa, busca-se investigar os paralelos que podem
ser traçados entre dois de seus filmes, ambos com seus correspondentes literários: 2001:
221

Uma Odisseia No Espaço, ficção científica, e O Iluminado, filme de horror. Além de


examinar as convergências cinematográficas, tenciona-se analisar o que as obras literárias
de Arthur C. Clarke, autor de 2001... e Stephen King, autor de O Iluminado, têm em
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

comum. Assim, serão aproximadas duas narrativas que, através do fantástico, trazem o
homem que, de diferentes maneiras, colocou-se em perigo por si próprio.

PROCEDIMENTOS ADAPTATIVOS EM “AS SETE


FACES DO DOUTOR LAO”, DE GEORGE PAL

Fábio Augusto STEYER (UEPG)


fsteyer@uol.com.br

O objetivo deste trabalho é fazer uma análise comparativa da novela “As Sete Faces do
Doutor Lao”, clássico da literatura fantástica escrito por Charles G. Finney em 1935, e da
versão cinematográfica de mesmo nome, dirigida por George Pal e lançada em 1964 nos
cinemas. O foco da análise, a partir de autores como Rosângela Cavalcanti Nuto, Robert
Stam e Flávio Aguiar (este último em especial), é o estudo de alguns dos principais
procedimentos adaptativos utilizados no processo de transposição da obra original,
passando pela elaboração do roteiro, até o resultado final do filme, tendo em vista algumas
diferenças bastante significativas com relação à estrutura narrativa e à proposta estética de
cada um.

JEAN BAPTISTE GRENOUILLE: UM VILÃO OU UM MOCINHO? A


NECESSIDADE DE UM ROSTO PARA SOBREVIVER

Rosenéia do Rocio PRESTES (PG-UEPG)


neinha29@yahoo.com.br

Sempre buscaremos o reconhecimento; o olhar do outro. O presente trabalho é uma


reflexão sobre a personagem central da obra cinematográfica: “O perfume. História de um
assassino”, adaptação da obra de mesmo nome do escritor alemão Patrick Süskind – e sua
busca por um rosto a ser reconhecido através de um perfume que só existisse para si. Com
os aportes dos teóricos de Bakhtin, Deleuze & Guattari, procuraremos elucidar, de acordo
com a filosofia, os fatos e atitudes que envolvem a história de Grenouille. Com os textos:
“Risoma”; “Como criar um corpo sem órgãos” e “Rostidade” de Deleuze & Guattari,
adicionando a “Para uma filosofia do ato”, de Bakhtin, é que serão construídas teorias que
expliquem as atitudes de Jean Baptiste Grenouille, não para justificá-las, mas para uma
compreensão maior dos percalços que envolvem o relacionamento humano.
222
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

TEXTOS E CONTEXTOS: CONSTRUINDO SENTIDOS

Coordenadora: LETÍCIA JOVELINA STORTO

PROCEDIMENTOS DE EXPANSÃO DO TÓPICO EM AULAS PARA O ENSINO


MÉDIO E SUPERIOR

Djiovana Priscila GONÇALVES (G-UEL)

Este trabalho discute os procedimentos de expansão do tópico discursivo em aulas para o


ensino médio e superior. Parte-se da noção corrente de tópico (“aquilo de que se está
falando”) e das duas modalidades básicas de continuidade tópica: a colaborativa
(continuidade em sentido estrito) e a incorporativa (continuidade em sentido amplo). As
ocorrências de expansão são classificadas quanto ao processo discursivo empregado: a)
explicitação do tópico; b) exemplificação ou analogia; c) justificativa ou relações causais;
d) objeção ou ressalva; e) opinião pessoal. As análises efetuadas revelam o predomínio das
três primeiras modalidades, que são aquelas em que manifesta a continuidade estrita e,
assim, permitem a contextualização das informações veiculadas. O corpus do trabalho é
constituído por gravações de aulas para o ensino médio e superior (Elocuções Formais dos
Projetos NURC/SP e NURC/RJ).
Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Paulo de Tarso Galembeck. Universidade Estadual de
Londrina – UEL. Londrina. Paraná. Brasil.

DIÁLOGOS LITERÁRIOS DE MARTINHO DA VILA

Juliana dos Santos BARBOSA (PG-UEL)


Edina Regina P. PANICHI (UEL)

Autor de centenas de sambas e de doze livros, Martinho da Vila promove constantes


interações entre samba e literatura. Várias de suas composições musicais são inspiradas em
clássicos da literatura brasileira, e em seus livros, é recorrente o uso de trechos do nosso
cancioneiro popular. A partir do conceito de dialogismo, de Mikhail Bakhtin, e dos aportes
teóricos dos Estudos Culturais, discutimos como o artista estabelece esses diálogos e a
importância dessas pontes culturais. O estudo faz parte do projeto de pesquisa “A
223

linguagem do samba: aspectos interativos-discursivos na obra de Martinho da Vila”,


desenvolvido no estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Estudos da
Linguagem da Universidade Estadual de Londrina.
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

OS DOMÍNIOS DO VISÍVEL: O OLHAR EM MOVIMENTO

Thais Priscilla P. Jerônimo DUARTE (PG-UEL/CAPES)

Compreender as imagens, sua concepção, ou fabricação, sugere modos de classificá-las e


localizá-las, elucidando a evolução da visualidade e suas implicações no olhar. Todo o
domínio do visível está diretamente relacionado ao movimento do olhar. Imagens são
instáveis, logo, entender sua labilidade, e as consequências dessa característica, é essencial.
Uma única imagem pode ter várias representações, consequentemente, suscitar diferentes
sensações e interpretações. É irreal pensar em imagens sem subjetividade. A possibilidade
de diferentes leituras de uma mesma imagem pode ser encarada como um fenômeno de
legitimação múltipla, desencadeada pelo olhar em movimento. São diferentes formas, ou
chances, de decodificar o código imagético, com consequentes leituras, abertas e contínuas.
No presente trabalho, discutiremos os aspectos que envolvem o universo imagético e a
estética da recepção, entendendo que, a um mesmo objeto, podem corresponder fenômenos
de visualidade distintos.

ANÁLISE LINGUÍSTICO-TEXTUAL DE UM APÓLOGO

Letícia Jovelina STORTO (PG-UEL/UENP)


Karen Alves de ANDRADE (PG-UEL)

O trabalho objetiva apresentar uma análise do texto “O pneu vaidoso”, de Diléa Frate.
Trata-se de um apólogo que faz parte do livro “Histórias para acordar”, publicado em 1996
pela editora Companhia das Letrinhas, que se volta ao público infanto-juvenil. Na década
em que a obra livro foi publicada, as tecnologias de informação e a globalização já
exerciam grande influência, o que gera a alta valorização do produto externo ou
internacional. O texto em análise conta a história de dois pneus, um americano e um
brasileiro, que discutiam a respeito da preferência que os brasileiros dão a tudo o que é de
fora. Trata-se de um texto da ordem do narrar, cujos elementos colaboram para a
construção de um texto coerente que busca criar um contexto lúdico e descontraído.
224
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA: MÚLTIPLOS OLHARES SOBRE


CLÁSSICOS UNIVERSAIS

Coordenadora: MIRÉIA APARECIDA ALVES DO VALE

A SOCIEDADE CARNAVALIZADA DE ADMIRÁVEL MUNDO NOVO, DE


ALDOUS HUXLEY

Cláudio Marcos VELOSO JÚNIOR (PG-UEL)


cláudio-veloso@uol.com.br

Mikhail Bakhtin realiza em A cultura popular na Idade Média e no Renascimento um


estudo a respeito da obra de Rabelais e, junto a isso, expõe algumas concepções sobre o
carnaval. Esse estudo permitiu que teóricos como, por exemplo, Marisa Corrêa Silva,
(2009, p.183) considerem que o conceito de carnavalização foi postulado por Bakhtin. Esse
estudo tem como corpo de análise a obra Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. A
escolha dessa obra está fundamentada por a sociedade projetada nessa obra ser fruto de uma
convenção e apresentar uma inversão dos valores da vida cotidiana. Nessa perspectiva, o
presente estudo tem por intenção analisar a obra Admirável Mundo Novo evidenciando os
elementos que permitem responder se a sociedade inserida nessa obra é totalmente
carnavalizada e, caso não for, em quais aspectos há a presença da carnavalização.

A TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE NO ROMANCE “AS VINHAS DA IRA”,


DE JOHN STEINBECK

Ana Carolina Melges Pastorello ROCHA (PG-UEL)


pastorello.rocha@gmail.com

A expropiação da dignidade humana e a adomesticação da natureza estão enraizadas na


obra “As vinhas da ira” (1939), de John Steinbeck. É por meio dos acontecimentos vividos
pelas personagens da família Joad, que Steinbeck retrata o homem diante das dificuldades,
vítimas da competição social e econômica. O “desenvolvimento” e o “progresso” desmatam
o solo americano e a natureza é reificada, se tornando unicamente um objeto de exploração
manipulado pela oferta e demanda do mercado. Neste clássico da literatura universal, o
225

autor utiliza-se de uma escrita realista para abordar a crise econômica estabelecida na
América do Norte em 1929 (Grande Depressão), que associada ao progresso tecnológico,
substituiu a mão de obra de inúmeros trabalhadores pelo maquinário moderno. A
Página

“modernidade” capitalista, a globalização e industrialização em massa geraram uma ruptura


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

social e, como consequência, a degradação da sociedade, a vulnerabilidade aguda e a


condição onipresente do medo e da insegurança.

GRAÇA SOB PRESSÃO: UMA ANÁLISE CONTEXTUAL DO HERÓI DE


HEMINGWAY

Jefferson de Moura SARAIVA (PG-UEL)

O foco do trabalho é analisar o conceito de herói nas obras do escritor Ernest Miller
Hemingway (1899-1961), a partir de um panorama da primeira metade do século XX, cujos
acontecimentos moldaram o mundo e se expressam nas atitudes dos heróis. Para tal
objetivo, foram analisados alguns romances e contos do autor, bem como outros artigos
sobre as obras.

AMOR, TRAIÇÃO E SOLIDÃO: UM OLHAR SOBRE A VIDA E A MORTE EM


THE GREAT GATSBY, DE F. SCOTT FITZGERALD

Miréia Aparecida Alves do VALE (PG-UEL)


mireiavale@hotmail.com

O objetivo deste trabalho é analisar as relações de amor e traição existentes no romance The
Great Gatsby (1925), de F. Scott Fitzgerald, considerando o conflito entre o protagonista,
Jay Gatsby, e seu antigo amor, Dayse. Pretende-se tratar das expectativas de um homem
apaixonado em reencontrar sua amada e tê-la ao se lado, assim como as incertezas de uma
mulher casada sobre os sentimentos que mantém por alguém que fez parte de seu passado e
por aquele que vive no presente: seu marido Tom. Feito o estudo inicial dos personagens
que enredam a trama, será explorada, em um segundo momento, a frustração de Gastby ao
acreditar que novamente perdeu seu amor, assim como a solidão que ele experimenta nos
momentos finais de sua vida. Por fim, pensaremos na indiferença que, após sua morte, se
contrasta com o requintado estilo de vida que tivera e suas famosas e luxuosas festas.
226
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

SEMIÓTICA TENSIVA APLICADA

Coordenadora: BRUNA PAOLA ZERBINATTI

AS CIFRAS TENSIVAS DO TIMBRE: ENSAIOS DE ANÁLISE

Lucas Takeo SHIMODA (PG-USP)


lucas.shimoda@yahoo.de

Dentro do referencial teórico da Semiótica da Canção, o timbre é considerado um


parâmetro variável e não-distintivo. Além disso, há a dificuldade de descrever
apropriadamente o timbre devido à imprecisão de vocabulário descritivo especializado.
Dentro do quadro teórico do viés tensivo Semiótica Francesa e também da Semiótica da
Canção, este trabalho ensaia possibilidades de análise do timbre lançando mão das
subdimensões do quadrante tensivo, conforme propostas pelos semioticistas Claude
Zilberberg (2007, 2011) e Jacques Fontanille (FONTANILLE&ZILBERBERG, 2001). Esse
conjunto de conceitos será aplicado na análise dos termos sinestésicos empregados por
manuais de instrumentação e orquestração para descrever o timbre dos instrumentos
musicais. Sob o vocabulário impressionista e subjetivo aplicado na descrição desse
parâmetro sonoro, há um núcleo de invariância que pode ser traduzido em termos de cifras
tensivas. A superioridade analítica do esquematismo tensivo sobre as mensurações acústicas
consiste em levar em consideração a corporeidade do sujeito da percepção.

ANÁLISE TENSIVA DA OPOSIÇÃO DE BASE DO FILME AS HORAS

Taís de OLIVEIRA (PG-USP)


tata.pote@gmail.com

O filme As horas (The Hours, Stephen Daldry, 2002) trata do entrelace das histórias de três
mulheres. Um dos pontos em comum entre elas é o fato de viverem em embate com a
morte, seja pelo desejo de suicídio, ou pela ameaça da perda da pessoa amada. Propomos
neste trabalho uma análise tensiva da caracterização dos valores envolvidos na oposição de
base da trama (vida versus morte) conforme vivenciados pelas personagens principais do
filme, Clarissa Vaughan (Meryl Streep) e Richard Brown (Ed Harris). Para
227

compreendermos os valores em questão, investigamos as características missivas


envolvidas e as características referentes à luminosidade, tanto no plano verbal como no
visual. Utilizamos, para tanto, os desenvolvimentos de Zilberberg (2006) quanto ao fazer
Página

missivo e de Fontanille (1995) quanto às questões relativas à luminosidade.


CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

UM CASO DE DETERMINAÇÃO ENTRE CORRELAÇÕES


CONVERSA/INVERSA E OS QUANTIFICADORES

Paula Martins de SOUZA (PG-USP)


paulamartins@usp.br

No texto “Um comedor de ópio”, que compõe a obra Paraísos Artificiais (1860),
Baudelaire apresenta uma comparação que o comedor de ópio, Thomas De Quincey, faz
entre o álcool e o ópio. Em sua descrição, há um cotejo do impacto causado no sujeito ao
administrar esses dois tipos de narcótico. Um exame das valências empregadas na
comparação feita levou à elaboração da hipótese da existência de uma dependência entre o
emprego da correlação conversa ou inversa e o destino dos quantificadores subjetivos. Essa
hipótese foi levantada empiricamente e em situação específica do texto mencionado, de
modo que, por hora, nada se possa aferir a respeito de generalizações.

O ANDAMENTO NA TRADUÇÃO INTERSEMIÓTICA

Bruna Paola ZERBINATTI (PG-USP)


brunapaola@uol.com.br

Quando se fala em tradução intersemiótica, pensa-se no que adaptar, como adaptar e,


sobretudo, tal tradução é possível? Nossa proposta para este trabalho é interrogar uma série
de problemas colocados pela tradução intersemiótica a partir do conceito de andamento
conforme proposto pelo semioticista francês Claude Zilberberg. Tal conceito nos servirá
para estudar Ex-Isto, a adaptação cinematográfica do romance Catatau, de Paulo Leminski,
dirigida por Cao Guimarães. A aceleração e a desaceleração do andamento estão
diretamente ligadas à sintaxe intensiva, que caracteriza os movimentos de aumento e de
diminuição. Um livro marcado pela aceleração e por novidades contínuas torna-se um filme
pleno de silêncios e repetições. As frases que, no livro, passam sob os olhos do leitor,
desenvolvem-se muito lentamente no filme. Utilizando o parâmetro do andamento de
maneira inversa, filme e livro produzem um mesmo efeito: perturbar o enunciatário
conduzindo-o aos limites do suportável.
228
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

ÍNDICE POR AUTOR

229
Página
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Abílio Aparecido FRANCISCO JUNIOR 11


Adenize Aparecida FRANCO 109
Adilson Euripedes LUCINDO 11, 206
Adriana Aparecida Degan CUARELI 12
Adriana Carla Souza MACIEL 172
Adriana Jesuino FRANCISCO 12
Adriana M. P. de ARAUJO 13
Adriana Quadros MATOS 206
Adriane Maciel GOMES 13
Adriano Alves FIORE 14
Ágatha Demarque de LACQUA 167
Alana Nunes Lemes BARBOSA 168
Aldimeres Ferraz da SILVA 161
Alessandra Navarro FERNANDES 163
Alessandra Santos CONTIM 152
Alex Alves EGIDO 14
Alex Ferreira JOAQUIM 161
Álida Laryssa Espozetti de ASSIS 15
Aline ALVARES 15
Aline Aparecida da SILVA 107, 158
Aline Candido TRIGO 16
Aline de Abreu Curunzi CHANAN 55
Allyne URBANSKI 221
Amábile Piacentini DROGUI 16
Amanda CANEZIN 91
Amanda CHOFARD 17
Amanda Crispim FERREIRA 165
Amanda de SOUZA 34
Amanda Martins dos REIS 17
Amanda Micheletti TAVARES 18
Amanda Pérez MONTAÑÉS 33, 194
Amarili Sequeira NOGUEIRA 166
Ana Carolina BERNARDINO 18
Ana Carolina de SOUSA 19
Ana Carolina Melges Pastorello ROCHA 19, 225
Ana Carolina Penha PRADO 20
Ana Carolina ROMERO 183
Ana Carolina SALATINI 20
Ana Cláudia Dévara BEZERRA 21
Ana Claudia PIEROLI 18
Ana Flavia PINHEIRO 134
Ana Helena Dell’anhol DANIEL 19
Ana Lúcia de Campos ALMEIDA 147
230

Ana Maria de Souza Valle TEIXEIRA 21


Ana Paula Ferreira de MENDONÇA 38
Ana Paula Franco Nobile BRANDILEONE 22
Página

Ana Paula GUEDES 22, 203


Ana Paula KUCHLA 23
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Ana Paula Mantovani VIEIRA 23


Ana Paula OLIVEIRA 24
Ana Paula Pinheiro da SILVEIRA 214
Ana Paula TORRES 24
Ana Valéria Bisetto BORK 25
Anadir Aparecida SELÓRIA 25
Anailton de Souza GAMA 26, 169
Anderson Braga do CARMO 199
Anderson Teixeira ROLIM 213
André Maciel de OLIVEIRA 26
Andrea Cristina Martins PEREIRA 27
Andréia C. Roder CARMONA-RAMIRES 27
Andréia da Cunha Malheiros SANTANA 36
Andreia Jardim TAVARES 28
Andréia Juliana André FULANETTO 28
Andreza Carubelli SAPATA 29
Angela de Lourdes CAPELLESSO 152
Angela Maria Pelizer de ARRUDA 149
Angela Rodrigues da SILVA 183
Angélica Regina Gonçalves BERTOLAZZI 152
Anna Bacinello QUILES 153
Anna Carolina Chierotti dos Santos ANANIAS 29
Annie Rose dos SANTOS 198
Antonio Carlos RIZZI 30
Antonio Lemes GUERRA JUNIOR 211
Antônio Marcelino Vicenti RODRIGUES 30
Aparecida de Fatima PERES 31, 204

Bárbara BATISTA 31, 194


Bárbara Luise Hiltel VENTURINI 32
Beatriz Moreira ANSELMO 159
Bruna Bolognesi SABINO 180
Bruna Paola ZERBINATTI 227
Bruna Stéfani dos Santos OLIVEIRA 32
Bruno Augusto Monteiro GONÇALVES 144

Caio Vitor Marques MIRANDA 33


Camila Mossi de QUADROS 33
Carla Giovana de CAMPOS 34
Carla Juliana Galvão ALVES 6
Carlos Rodrigo Loureiro FORTES 34
Carmen Rodrigues de LIMA 158
Carolina dos Santos da SILVA 169
Carolina Montagnini do NASCIMENTO 218
231

Carolina Suelen Kosuiresko BERGER 35


Caroline Bidoia GALVAN 31
Caroline Molinari ANDRADE 35
Página

Cássia Vanessa BATALHA 192


Cecília FELICIANO 36
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Celciane Alves VASCONCELOS 36


Célia Dias dos SANTOS 37
Celina de Oliveira Barbosa GOMES 173
Celso DALTIN FILHO 36
Celso Leopoldo PAGNAN 37
Charlotte Louise Varella Rodrigues ZIMMERMAN 84
Cinthia de SOUSA 38
Cínthia Renata Gatto SILVA 145
Cíntia Machado SANTOS 38
Claudete Carvalho CANEZIN 79
Cláudia Aparecida MACON 177
Cláudia Cristina FERREIRA 39
Claudia de Faria BARBETA 39
Cláudia Gomes de Albuquerque HAULY 40
Claudia Lopes Nascimento SAITO 18, 197
Claudia Lopes PONTARA 103
Cláudia Maris TULLIO 81
Cláudia Peres B. JORGE 208
Cláudia Valéria Doná Hila 177
Claudinéia Cristina VALIM 154
Claudio Luiz GARCIA 40
Cláudio Marcos VELOSO JÚNIOR 41, 224
Clemilton Pereira dos SANTOS 41, 170
Cleonice de Fátima MARTINS 42
Cleyton Eduardo Todesco D. FERNANDES 66
Cristiane Garcia.GRANDE 42
Cristiane Marques de ARAUJO 43
Cristiane Selva FIGUEREDO 43
Cristiano Dias de SOUZA 44
Cristiano PAPKE 196
Cristina Nalon de ARAUJO 44
Cristina SIMON 6
Crystina Di Santo D’ANDREA 122

Daise Angélica do PRADO 45


Daniel de Oliveira FIGUEIREDO 21
Daniela LEONHARDT 45
Daniela Maria Nazaré da SILVA 46
Daniela Oliveira PASSOS 46
Daniela Raffo SCHERER 193
Daniely Francini dos SANTOS 207
Danilo do Amaral Santos LAGOEIRO 47
Danilo Ricardo de OLIVEIRA 47, 201
Danuta do ROSÁRIO 23
David ANTÓNIO 176
Dayane Caroline PEREIRA 48
232

Dayme Rosane BENÇAL 48


Dayse de Souza LOURENÇO 49, 190
Débora Maria PROENÇA 49
Página

Débora Satiro dos SANTOS 152


Déborah C. C. P. RORRATO 50
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Deise SUZUMURA 50, 208


Dejair DIONÍSIO 51, 164
Denis Pereira MARTINS 115
Denise de Andrade Santos OLIVEIRA 51
Desiree Bueno TIBÚRCIO 52
Diocleyr BAULÉ 52
Diogo da Silva NASCIMENTO 52
Diogo Moreno Pereira CARVALHO 53
Dircel Aparecida KAILER 11
Djiovana Priscila GONÇALVES 222

Éder Wilton Gustavo Felix CALADO 53


Édila Regina da Silva ROCHA 177
Édina de Fátima ALMEIDA 54
Edina Regina Pugas PANICHI 61
Edio Roberto MANFIO 54
Edna Mariucio ARANHA 178
Ednéia Aparecida Bernardineli BERNINI 55
Ednéia de Cássia Santos PINHO 211
Eduardo Luiz Baccarin COSTA 55
Eduardo Souza PONCE 171
Eidele Maria RAIMUNDO 56
Elaine Aparecida DIAS 195
Elaine Cristina de Souza BREGANHOLI 56
Elaine Cristina PINHEIRO 57
Elaine de Souza FERREIRA 57
Eliana Alves GRECO 116, 204
Eliana Cristina SCHEUER 58
Eliana Maria Severino Donaio RUIZ 58
Eliana Merlin Deganutti de BARROS 123, 199
Eliane Aparecida MIQUELETTI 191
Eliane Benatti de FREITAS 59
Elias de ANDRADE 59
Elisa Verónica SEGUÍ 63
Elisangela Wilchak QUEIROZ 167
Eliza Adriana Sheuer NANTES 60, 213
Elvira Lopes NASCIMENTO 57, 197
Érika Tamirys de LIMA 60
Esméri Malagute PEREIRA 153
Esther Gomes de OLIVEIRA 6, 32
Eva Cristina FRANCISCO 61
Evely Vânia LIBANORI 81

Fabiana Antunes MACHADO 61


233

Fábio Augusto STEYER 221


Fábio Carlos MORENO 54
Fábio FRANCO 62
Página

Fábio Pereira CERDERA 62


Fabíola dos Santos Batista Tortoretto de CARVALHO 174
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Fabrícia Cristina FLORÊNCIO 216


Fabrício Batista BORGES 63, 182
Fanny del Valle BIERBRAUER 63
Felipe Santos de TORRE 215
Fernanda Couto Guimarães CASAGRANDE 64
Fernanda Machado BRENER 64
Fernanda Rubia LIMA 65
Fernanda SUAIDEN 65
Fernando Lisbôa de OLIVEIRA 216
Flávia Aparecida HODAS 65
Flávia Cristina Capello NEVES 66
Flávia Cristina Silva BARBOSA 57, 185
Flaviane Faria GONÇALVES 150
Flávio BENTO 66
Flávio Brandão SILVA 190
Flávio Luis Freire RODRIGUES 67
Florentina das Neves.SOUZA 42
Francielli Mendes PEREIRA 209
Frederico H. FAUSTINO 67
Gabriela Martins MAFRA 68

Giovana CHIQUIM 149


Giovanna Paola de Oliveira Martelli PEREIRA 177
Giselda Morais de Alencar MILITÃO 184
Gislaine DOMINGUES 68
Gisleika Calixto CANDIDO 205
Glauce Amanda Pagan 69
Guilherme Magri da ROCHA 69
Guilherme Radi DIAS 70
Gustavo CORREIA 70
Gustavo FIGLIOLO 71
Gustavo Ramos de SOUZA 217

Hallana Caroline Machado ZAGULSKI 128


Heitor Messias Reimão de MELO. 71
Helder Cristian Prado da MATTA 168
Helena Ester Munari Nicolau LOUREIRO 186
Hellyery Agda Gonçalves da SILVA 72
Henrique Furtado de MELO 164
Hugo Hajime KIMURA 151

Ieda Sant’Ana RODRIGUES 72


234

Igor Iuri Dimitri NAKAMURA 133


Inês BRESSAN 22
Ingrid CARVALHO 73
Página

Ingrid Julieth Rodriguez RODRIGUEZ 73, 195


Ingriti LIMA 210
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Isabel Cristiane JERÔNIMO 148


Isabel Cristina CORDEIRO 7, 32
Isabela Rodrigues VIEIRA 74
Isandra Cristiane Ramalho de AQUINO 74
Ismara TASSO 175
Ivana Bocate FRASSON 75
Ivone Volpe VIEIRA 153

Jacicarla Souza da SILVA 75


Jaime dos Reis SANT’ANNA 76, 209
James Rios de Oliveira SANTOS 76
Janaina Jenifer de SALES 77
Janete Guedes Kuller ZANONI 77
Jaqueline Aparecida CAMPOS 156
Jéferson de Moura SARAIVA 41
Jefferson CAMPOS 155
Jefferson de Moura SARAIVA 225
Jessica da CUNHA 35
Jessica Maria Puretz ALVES 78
Jéssica Nágilla HAGEMEYER 78
João Batista de SOUZA JUNIOR 79
João de CARVALHO 187
John José RAMIRO 157
José Francisco QUARESMA 79
José Luís SCHAMNE 80
José Rogério da SILVA 94
Josenei Aguinaldo JACINTO 176
Josilene de Paiva KANASHIRO 80
Juliana da Silva Ferreira LEITE 134
Juliana dos Santos BARBOSA 223
Juliana Fogaça Sanches SIMM 214
Juliana Helena de GRANDE 22
Juliana Kiyosen NAKAYAMA 81
Juliana Monteiro da Silva FICHER 81
Juliana Reichert Assunção TONELLI 73
Juliana Tito Rosa FERREIRA 82
Julianne Rosy do Valle Satil NEVES 82

Karen Alves de ANDRADE 83, 224


Karen Pereira Fernandes de SOUZA 83
Karina STOEGLEHNER 84, 193
Kátia Andrade Inez SILVA 84
Keila Fontoura RAMIRO 85
Kélvia Lorena TRENTIN 81
235

L
Página

Laís Marina de SOUZA 85


Laís Vitto da SILVA 86
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Larissa Mulari NAZÁRIO 86


Larissa Segantini PIERALISI 73
Larissa Sigulo FREIRE 87
Laura Mitsuko TANAKA 87
Laysa Louise S. BERETTA 217
Layse Barnabé de MORAES 218
Lea Kaori MATUO 207
Leila Cabral SOUZA 88, 163
Leonardo Capeletti FERREIRA 18
Leonardo Danilo Soares da COSTA 167
Leonardo Dias GUIMARÃES 88
Lethicia Julio de Oliveira FERREIRA 86, 206
Letícia FRAGA 166
Letícia Jovelina STORTO 83, 224
Letícia Pereira de ANDRADE 89, 170
Letícia Ueno BONOMO 196
Levi Pereira de ARAÚJO 89
Lidiane Martins da SILVA 90
Lidiane Silva Andrade MARTINS 90
Liliam Ester do Prado GUIMARÃES 161
Lilian Cristina Buzato RITTER 178
Lilian Kemmer CHIMENTÃO 34
Lilian Maia Borges TESTA 188
Liliane MANTOVANI 91
Lisiane Freitas de FREITAS 91
Lívia Helena MOREIRA E SILVA 200
Livia Sprizão de OLIVEIRA 92
Lolyane Cristina Guerreiro de OLIVEIRA 92
Loredana LIMOLI 131
Lorena Steffens POSSERA 123
Luana de Souza VITORIANO 184
Lucas Henrique da SILVA 93
Lucas Martins NÉIA 93
Lucas Mestrinheire HUNGARO 157
Lucas Takeo Shimoda 226
Lucélia CANASSA 162
Luciana Ferreira LEAL 94
Luciana Kawahigashi BRESSAM 14
Luciana Mendes PEREIRA 81
Luciane Braz Perez MINCOFF 99
Lucimar Araujo BRAGA 165
Ludmilla Pollyana DUARTE 62
Luís Fernando Mariquito do NASCIMENTO 86
Luisa Miyuki YOSHIKAWA 94
Luiz Antonio Xavier DIAS 160
Luiz Carlos Santos SIMON 215
Lyncoln Dias Machado CABRAL 95
236

Magda Raquel D'ávila PEREIRA 122


Página

Maiara Fernandes SIQUEIRA 95


Maíra Louise CARZINO 96
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Maraisa Daiana da SILVA 202


Maranúbia Pereira Barbosa DOIRON 96
Marcelo SILVEIRA 97
Márcia Luciana da Rocha DEI TÓS 49
Marcia R. Soares Wakabayashi CLAUDINO 45
Marcieli Cristina COELHO 203
Marcilene da SILVA 97
Marco Antônio SANT’ANNA 98
Marcos dos SANTOS 98
Marcos dos SANTOS 181
Marcos Hidemi de LIMA 99
Margaret de Lourdes VOLPONI 99
Margarida da Silveira CORSI 107, 159
Margarida LISS 185
Maria Aparecida de BARROS 146
Maria Carolina de GODOY 171
Maria Cristina Rodrigues FEITOSA 205
Maria Helena de Moura ARIAS 100
Maria Ilza ZIRONDI 55, 198
Maria Isabel BORGES 153
Maria José GUERRA 7, 124
Maria Letícia Turquino TURATTO 100
Maria Mônica Gimenez BERTI 99
Maria Virginia Brevilheri BENASSI 101
Mariana Dahrouge BELUFE 179
Mariana Daré VARGAS 101
Mariana Iório CASTANHEIRO 102
Mariana Luz Pessoa de BARROS 7
Mariana Spagnolo MARTINS 102
Mariangela Barbosa Fazano AMENDOLA 103
Marileuza MIQUELANTE 103
Marilice Zavagli MARSON 104
Marilu Martens OLIVEIRA 120
Marinez Andrade do NASCIMENTO 104
Mário César Alberini LOUREIRO 187
Mariza TULIO 105
Marta A. Oliveira Balbino dos REIS 205
Mayara Yukari KATO 105
Michele Ester de Moura Campos FURLAN 105
Milene de Oliveira SILVA 90
Miréia Aparecida Alves do VALE 106, 225
Mirian PRADO 60
Moisés Gonçalves dos SANTOS JÚNIOR 106

Nadia PRANDINI 107


Natália Araújo da FONSECA 51
237

Natália GODOY 107, 158


Natalia Luri Arimori RIBEIRO 108
Nataly Gurniski ROSA 108
Página

Natan Gonçalves FRAGA 109


Natasha Fernanda Ferreira ROCHA 109
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Nayra Modesto dos Santos NUNES 136


Nelci Alves Coelho SILVESTRE 145
Nelson KELLER 110
Neluana Leuz de Oliveira FERRAGINI 110
Nilcéia Gonçalves Carvalho da SILVA 207
Nilda Aparecida BARBOSA 158
Nilson Douglas CASTILHO 111

Pablo Henrique KROMINSKI 186


Patrícia Josiane Tavares da Cunha FUZA 8
Patrícia Mendes do SANTOS 162
Paula Martins de SOUZA 227
Paula STARKE 220
Paula Tatiana da SILVA 212
Paulo Roberto ALMEIDA 148
Poliana Rosa Riedlinger SOARES 111
Pollyanna dos Reis VERGARA 112
Priscila Ceballos VASQUES 112
Priscilla Teixeira MAMUS 189

Rafaella de Queiroz MENDES 171


Ramon Guillermo MENDES 113
Raquel Bicalho de Carvalho BARRIOS 113
Raquel Fregadolli GONÇALVES 175
Rayssa Almeida GASPAR 114
Rebeca Louzada MACEDO 15
Regina Maria GREGÓRIO 87
Renan Luis SALERMO 192
Renata Angélica França MENDES 114
Renata Beloni de ARRUDA 115
Renata de Lima SILVA 20
Renata Gonçalves GOMES 115
Renata Kelen da ROCHA 116, 159
Renata M. de OLIVEIRA 116
Renata Marcelle LARA 70
Renata MERCER 78
Renata Ruziska PIRES 179
Renato FORIN JUNIOR 117
Rhaysa Ricci CORREA 117
Ricardo Akira SANOKI 118
Ricardo Augusto de LIMA 118, 181
Roberta Maria Garcia BLASQUE 212
Rodrigo Ségges Ferreira BARROS 119
Ronie Péterson Leite da SILVA 219
238

Rosana PERES 119


Rosangela Jovino ALVES 188
Rosangela Maria de ALMEIDA 120
Página

Rosângela Rocio Jarros RODRIGUES 120


Roselene de Fatima COITO 156
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Rosemari Bendlin CALZAVARA 121


Rosemeri Passos Baltazar MACHADO 48
Rosenéia do Rocio PRESTES 222
Rosimeiri Darc CARDOSO 38
Rosinalva Ordonia da SILVA 103
Rozinaldo Antonio MIANI 121
Rute Gaia FERNADES 172

Sabrina Dal Ben de Souza de ABREU 122


Sabrina GARCEZ 122
Samandra de Andrade CORRÊA 123
Sandra Aparecida Pires FRANCO 123
Sandra do Rocio Ferreira LEAL 124
Sergio Marilson KULAK 124
Sergio Vale da PAIXÃO 125
Sheila Oliveira LIMA 182
Silvana Fulgencio de LIMA 125, 220
Silvana Martins dos SANTOS 146
Silvana Rodrigues QUINTILHANO 147
Silvana Salino Ramos LOPES 126
Sílvio José STESSUK 219
Silvio Ruiz PARADISO 144
Simara Cristiane BRAATZ 126
Simone RINALDI 208
Solange Miranda FERNANDES 80
Sonia ALVES 127
Sonia MERITH-CLARAS 127
Sonia PASCOLATI 12
Sueli de Jesus MONTEIRO 197
Suely LEITE 8, 180
Suzanny de Araujo RAMO 127

Tacel Ramberto Coutinho LEAL 128


Tacia ROCHA 154
Taciane Marcelle MARQUES 189
Taís de OLIVEIRA 227
Taisa Vicente GANDARA 128
Talita Dias TOMÉ 155
Talita Gonçalves de ALMEIDA 129
Tania Regina Montanha Toledo SCOPARO 192
Tatiana Helena Carvalho RIOS-FERREIRA 9, 129, 206
Taysa Cristina da SILVA 130
Telma Maciel da SILVA 9, 130
Thaís Aparecida ZORZELA 131
239

Thais Priscilla P. Jerônimo DUARTE 223


Thais Regina Mian MARINHO 131
Thalita A. Molin MIGUEL 132
Página

Thalita Cristine JÓIA 68


Thays Caroline Barroca Ribeiro MORETTINI 132
CADERNO DE RESUMOS DO IX SELISIGNO E X SIMPÓSIO DE LEITURA DA UEL 2014

Thiago Moreira CORREA 133


Tiago Henrique SALOMÃO 104

Valdenildo dos SANTOS 133


Valdirene ZORZO-VELOSO 16
Valéria Cristina de OLIVEIRA 202
Vanderci de Andrade AGUILERA 32
Vanderléia da Silva OLIVEIRA 134
Vanderson de Souza NEVES 134
Vanessa Cardoso MACHADO 135, 161
Vanessa Christina ARAUJO 168
Vanessa da SILVA 135
Vanessa Hagemeyer BURGO 136
Vanessa Marchini JAMBERS 136
Vânia da SILVA 137
Vânia Regina ZANETTI 137
Vera Lucia da SILVA 138
Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO 74
Verônica Braga BIRELLO 150
Vicentônio Regis do Nascimento SILVA 138, 173
Victor Fregatti ISEPAM 139
Vilma da Silva ARAÚJO 159
Vinícius Ferreira dos SANTOS 139
Vinícius Massad CASTRO 200
Vinícius Neves de CABRAL 140
Vinicius SCHIOCHETTI 140
Vitória Regina SPANGHERO 141
Viviane Bagio FURTOSO 167

Wagner Ferreira LIMA 141


Wagner ROSA 142
Wéllem Aparecida de Freitas SEMCZUK 191
William Fernandes Rabelo da SILVA 142

Yasmin Stocco GONÇALVES 151


240
Página