Você está na página 1de 5

Universidade do Estado do Pará

Departamento de Filosofia e Ciências Sociais


Centro de Ciências Sociais e Educação
Campus XI - Núcleo de São Miguel do Guamá
Licenciatura Plena em Filosofia

1
Resumo: Filosofia no ensino médio: metodologia e práticas de ensino.

Alice Teles

São Miguel do Guamá

2019

2
Alice Teles

Resumo: Filosofia no ensino médio: metodologia e práticas de ensino.

3
Trabalho apresentado a disciplina de
metodologia do ensino da filosofia,
ministrado pelo Me. Mauro Leal

São Miguel do Guamá

2019

Resumo: Filosofia no ensino médio: metodologia e práticas de ensino.


Rodrigo, Ludia Maria. Filosofia no Ensino Médio: metodologia e práticas de ensino. Cadernos do NEFI vol.1
nº 1,2015, p.51-58
O presente trabalho vem tratar de uma proposta didático-pedagógico do ensino da
filosofia no ensino médio; a competência do professor ao exercício da reflexão filosófica

4
ao seus alunos e quais mediações pode tomar para tornar-se acessível ao aluno. Propõe
trazer de forma didática o assunto conforme a realidade que encontra-se a rede atual de
ensino. Cabe ao professor elaborar de forma democrática o conteúdo e induzir ao
discente a capacidade de pensar por si, ter domínio razoável da linguagem, abstração,
elaboração de um argumento coerente tanto oral quanto escrito. A dificuldade de trazer o
ensino de uma disciplina especializada a um público que não está acostumado, ou
interessado ao estudo pode banalizar o valor desta disciplina, porém, a dedicação do
discente em está atualizado, fazendo pesquisas para aprimorar na contribuição de um
ensino quantitativo e qualificativo fará a massa desenvolver seu senso crítico diante da
realidade, a filosofia tem essa importância no ensino em especial médio em decorrente ao
desenvolvimento do aluno que tende está mais próximo a atuar em sua sociedade como
profissional e cidadão. Para viabilizar esse salto de construção autônomo intelectual o
papel do docente tem que ser transitório, como Kant vem dizer, sair da menoridade, essa
menoridade está ligado a necessidade do jovem ou adulto de não depender das
mediações constante do docente. Para que isso venha acontecer, segue-se dois passos:
primeiro o docente trará mediações pedagógicas que felicitam o processo da
aprendizagem; segundo o aluno tem que buscar entender através de sua capacidade
cognitiva. Além do mais, o conteúdo tem que ser acessível a sua realidade, porém para
que surta efeitos é preciso cultivar e exercitar formas inerentes a natureza filosóficas
como: problematizar, conceituar e argumentar. Problematizar é indagar as visões de
mundo através de perguntas proposta nos materias acessíveis (musicas, poemas, trechos
literários, gibis, desenhos etc....), conceituar é reunir as informações abstraída dos
materias e relacionar com o cotidiano, um fato, ou uma causa. Por fim, e o importante,
argumentar, mostrar a fundamentações e validações que levarão a questão, ou seja,
expor a ideia geral de seu raciocínio.