Você está na página 1de 18

PARASITOLOGIA (1ª PARCIAL)

1 – GENERALIDADES

Parasitologia é a ciência que estuda todo ser vivo capaz de viver a expensas (ás custas)
de outros seres mais desenvolvidos. Recebem o nome de parasitos. Estudo de parantismo
produzido por protozoários, helmintos e artrópodes. Todos fazem parte do vasto campo chamado
ecologia.
Ecologia ciência que estuda a interdependecia funcional entre animais, vegetais, e meio
ambiente, ou seja, é o estudo de estruturas e função da natureza.

Círculo vicioso (segundo OMS) IGNORANCIA ENFERMEDAD POBREZA

RELAÇÃO ENTRE OS SERES VIVOS

• COMENSALISMO: quando dois organismos se associam sem produzir danos e nem se


alimentam um ás custas do outro;
• PARASITISMO: quando um dos seres (o de MENOR tamanho) cresce e se multiplica as custas
do outro, produzindo danos.
• MUTUALISMO: dependência obrigada entre dois organismos (pelo menos para um deles), não
podendo viver de forma separada.

EPIDEMILOGIA estudo da incidência, morbidade e mortalidade, assim como os métodos de


controle e luta contra os parasitos e vetores.

GLOSSÁRIO:
• Agente etiológico: parásito (vírus/bactéria/hungos)
• Infecção: presença de um microorganismo patogênico no interior do hospedeiro, seja em forma
latente assintomática ou produzindo o quadro clínico de enfermidade.
• Infestação: se emprega para designar as ectoparasitosis, geralmente por artrópodes.
• Processo infeccioso: é a interação entre um suscetível (homem) e um agente capaz de produzir
enfermidade, diante de condições ambientais necessárias.
• Fonte de infecção: pessoa, coisa ou substancia á partir da qual o agente infeccioso se transmite
ao hospede.
• Fuente: objeto inanimado que pode transmitir um agente infeccioso desde uma fonte infectante a
um hospedeiro suscetível.
• Habitat: é o ecossistema, local ou órgão onde determinada espécie ou população adulta vive.
Ex: A. lumbricoide (intestino delgado).
• Reservorio: é o ser vivo (vertebrado) que abriga o parasito, constituindo o habitat onde se
desenvolve e serve de foco de disseminação.
• Vetor: ser vivo invertebrado que vehiculiza o parasito patogênico para transmitir a enfermidade.
• Vetor mecânico: somente transporta aos microorganismos.
• Vetor biológico: quando o parasito se multiplica ou desenvolve parte do seu ciclo biológico no
vetor.

CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA DO PARASITISMO


• Morfologia do parasita:
• Protozoos ou protozoários
• Artrópodos
• Helmintos
• Grau de parasitismo
• Parasitoses temporárias ou facultativas: parasitam por momentos ao hospedeiro, permanecendo
grande parte de suas existência como parasitas de vida livre.
• Parasitoses permanentes e obrigatórias: a maioria dos parasitas devem viver grande parte de seu
desenvolvimento no hospedeiro, porque perecen rapidamente no estado livre.
• Topografia e habitat
• Ectoparasitoses: se encontram na superfície do corpo. Geralmente correspondem a artrópodes.
• Endoparasitoses: vivem no interior do organismo.

• Localização nos sistemas e órgãos


• Enteroparasitoses: tubo digestivo
• Histoparasitoses: tecidos
• Hemo: sangue
• Ecto: pele

PORTAS DE ENTRADA
• Contato direto: boca, pele, genitais
• Indiretos: produtos patológicos, materiais biológicos e vetores.

CICLO EVOLUTIVO
• Ciclo direto: um só tipo de hospedeiro (MONOXÉNICO)
• Ciclo indireto: dois tipos de hospedeiros, o definitivo e o intermediário (DIHETEROXÉNICO)

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO


INFECCIOSO AT-RA-MSAR-MTAR
• Agente etiológico
• Reservatorio do agente
• Modo de saída do agente do reservatório
• Modo de transmissão do reservorio ao novo hospede
• Uma porta de entrada ao novo hospede
• Um hospede suscetível

MECANISMOS DE DEFESA
• Externos: pele e aparatos
• Internos: imunidade humoral, inflamação, fagocitoses...
• Adquiridos: saneamento, vacinas e antibióticos.

MECANISMOS DE AÇÃO DOS PARASITAS


• Mecánica: (Compresión: quiste hidatídico) donde el parasito crece en el tejido y desplaza a las
células del mismo. Por obstrucción: Áscaris lumbricoides y malaria (capilares).
• Traumática: parásitos con dientes y ventosas, para fijarse a la mucosa intestinal causando un
trauma.
• Infecciosa o vectora: pueden llevar bacterias a los tejidos por el desplazamiento del parásito.
• Expoliativa: extracción de nutrientes al hospedero y se da en todos los parásitos.
• Tóxica: parásitos con sustancias tóxicas que lesionan tejidos, como artrópodos.
• Inmunoalérgicas: presencia de algunos estadios, que causa que el hospedero reaccione de
manera inmunológica, ejemplos: algunos huevecillos inducen reacción alérgica.
• Efectos neoplásicos: (cáncer, tumor). Formación de carcinógenos. Ej: Schistosoma mansoni
(carcinoma intestinal).

PROPRIEDADES AGRESSIVAS DOS PARASITAS


• Virulencia: mientras mayor sea la virulencia mayor la probabilidad de éste para causar la
enfermedad.
• El número de agentes patógenos que infecten el huésped.
• La resistencia del huésped: mientras mayor sea la resistencia del huésped, menor será la
probabilidad de éste de sufrir enfermedad, como consecuencia de la infección por germen
patógeno.

TRATAMENTO
• Protozoarios: metronidazol, tinidazol. PROTO *METRO TINI
• Helmintos: mebendazol, albendazol. HELMIN *MEBEN ALBEN

PREVENÇÃO
• Educación sanitaria individual y de grupo; tanto para los enfermos como para sus familiares.
• Saneamiento básico: agua potable, alcantarillado.
• Control de los vectores.
Tratamiento.

PROTOZOÁRIOS AME-FLAGE-CILI-CO

• Ameba intestinais / vida livre


• Flagelados intestino e urogenitais, sangue e tecido
• Ciliados intestino
• Coccídeos intestinais, sangue e tecidos

• Protozoários são organismos unicelulares do reino PROTISTA, sub-reino PROTOZA,


denominados protozoos ou protozoários, uns de vida livre e todo tipo de simbioses M-C-P
(mutualismo, comensalismo e parasitismo)
• Reprodução assexuada e sexuada
• Eucariotas, localizados em diferentes tecidos
• Alguns inofensivos, outros produzem danos importantes que comprometem funções vitais
com produção de enfermidades e em certos casos morte do hospedeiro.

GENERALIDADES
• Mobilidade: depende do órgão de locomoção
• Nutrição: maioria do tipo heterótrofa
MORFOLOGIA
• QUISTE reprodução ASSEXUADA. uma forma de resistência ao meio ambiente.
Possui uma membrana grossa que facilita a sobrevivência ao meio ambiente até
2 anos. É o que encontra-se em alimentos, verduras, etc...
• TROFOZOÍTO (ou FORMA VEGETATIVA) reprodução ASSEXUADA. Forma
ativa do protozoário, na qual se alimenta, reproduz, tem mobilidade e exerce sua
ação patogênica. Possui membrana, citoplasma (corpo) e núcleo. Morrem no meio
externo, ao contrario da forma QUISTE.
• OOQUISTE: reprodução SEXUADA. Provem da fusão dos gametas,
correspondente a etapa sexuada de reprodução, e aparece somente em algumas
espécies. Também se chama CIGOTO.

• Protozoários não tem tubolina, que formam o esqueleto celular (microtúbulos). Está
presente também nos helmintos.

LOCOMOÇÃO

• Seudópodos: como se fossem falsos dedos. Produz o despazamiento del parásito.

• Flagelos: produz desplazamiento da célula.


• Cílios: produzem translación del organismo.
• Esporozoário: sem órgãos de locomoção. Se utilizam de fluidos para se locomover.

TRYPANOSSOMA CRUZI - ENFERMEDAD DEL CHAGAS *AMERICANA


T.CRUZI- T/RANGELI
Flagelados intestino e sangue (hemoflagelados)
• Família TRYPANOSOMATIDAE
• Ciclo vital envolve 2 hospedes: insetos e mamíferos
Ciclo DIHETEROXENICO

PRICIPAIS ESPECIES TRI-PRO-E-A


• Trypanosomiasis
Africana
• T. brucei gambiase
• T. brucei rhodesiense

Trypanosomiasis Americana
• T. cruzi
• T. rangeli
FORMA EVOLUTIVA TRY-PRO-E-A-T
• Amastigote
• Promastigote
• Epimastigote
• Trypomastigote (forma infectante)

• T. cruzi: Grosso, fino, largo

MODO DE TRANSMISSÃO VE-TRA-TRA


• Vectorial: al rascarse por la picadura ocasionada por la Vinchuca (triatomino).
• Transfusional: Puede adquirirse por transfusión de sangre proveniente de un donador
infectado.
• Transplacentaria: Excepcionalmente, el contagio se produce cuando la madre
amamenta a su hijo.

VECTOR
Triatomino

SINTOMAS (chagas)A-C-T
• Adquirida ETAPAS A-L-C
• Etapa aguda: Fiebre variable y diarrea. - Hepatomegalia y Esplenomegalia.
Chagoma de inoculación: aparece el "signo de Romana-Mazza.
• Etapa de latencia: dura toda a vida o queda crônica.
• Etapa crónica: Cardiomegalia, Miocarditis., Megacolon, Megaesófago,
Desnutrición, Arritmias cardíacas
• Congénita
• Meningocefalitis, hepato y esplenomegalia y del micardio.
• Transfusional
• fiebre alta y los mismo cuadro de la adquirida
DIAGNÓSTICO
Para etapa aguda – gora fresca, gota gruesa, técnica de concentração de strout e
hemocultivo.

Para etapa indeterminada e crônica- o diagnostico eh sorologia – com Ac anti


Trypanossoma Cruzi- ELISA, HEMOAGLUTINACAO INDIRECTA,
INMUNOFLUORESCENCIA, PCR (o PCR eh o mais sensível e especifico para
doença de chagas congênita).

LEISHMANIA

HEMOFLAGELADOS
• Zoonosis Toda enfermedad o infección en que pueda existir relación animales
vertebrados – hombre o viceversa, bien sea directamente o a través del medio
ambiente, incluidos portadores, reservorios y vectores.
Ej: rabia, triquinosis, balantidiosis, sarcocistosis.
• Metazoonosis Parasitosis que se transmiten por medio de vectores biológicos
invertebrados en los que se multiplica y desarrolla.
Ej: Leishmaniosis, enfermedad de Chagas, filariosis, equistosomosis.
• Leishmaniosi Las manifestaciones clínicas de la enfermedad, van desde úlceras
cutáneas que cicatrizan espontáneamente hasta formas fatales en las cuales se
presenta inflamación severa del hígado y del bazo.
La enfermedad por su naturaleza zoonótica, afecta tanto a perros como humanos.
Puede darse de forma:
• Cutánea (afecta a la piel)
• Visceral (afecta a los órganos)
• Mucosa (naso-orofaríngea)

VETOR
Mosquito de gênero Phlebotomus (Asia, Europa, África) e de genero Lutzomyia (América).
AGENTE ETIOLÓGICO
Protozoario dimórfico del género Leishmania, que pertenece al reino Protista, subreino Protozoa,
orden Kinetoplastida y a la familia Trypanosomatidae.

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM ORIGEM ANTRO-ZOO


• Antroponótico: reservatório é o ser humano
Agente transmissor ou vetor é o inseto (flebótomo)
Individuo que desenvolve a doença é o homem ou o animal
• Zoonótico: reservatório é um animal vertebrado ou humano
Se transmite pela picada do flebótomo
Quem desenvolve a doença é o homem ou animal
CICLO DO PARASITO
• HOMEM: promastigote amastigote
• INSETO (FLEBÓTOMO: amastigote promastigote

1 – o inseto contaminado com leishmania pica o hospedeiro


2 – as leishmanias são fagocitadas pelos macrófagos
3 – as leishmanias maduran dentro dos macrófagos
4 – o parasito se multiplica nas células de diferentes órgãos
5 – outro inseto não contaminado pica o hospedeiro e se contamina ingerindo parasito junto com
o sangue sugado
6 – no intestino do vetor o parasito passa a se transformar na sua forma infectante
(PROMASTIGOTE METACICLICO) e assim se encerra o ciclo

SINTOMAS CU-MU-VI
• Cutâneas úlceras cutáneas indoloras en el sitio de la picadura
• Mucosa (LMC) ulceración en la superficie y profundida hasta destruir el tabique
nasal. Reacción inflamatoria, enrojecimiento, prurito y edema.
• Visceral (Calazar) Fiebre de larga duración, flaqueza, desnutrición, palidez,
hepatomegalia, esplenomegalia. Dolor abdominal, náuseas, vómitos y diarrea.

DIAGNOSTICO
REACCION INTRADERMICA DE MONTENEGRO (IDRM) a mais usada no mundo, consiste
em inocular parasitas na pele, isso gera uma hipersensibilidade na pele (rubor e tumefação na
área). Comprovação tátil ( diâmetro igual ou menor de 4mm NEGATIVO) (diâmetro igual ou
maior que 5mm POSITIVO).
inmunofluorescencia indirecta (IFI)
ELISA
Frotis saguineo

TOXOPLASMA GONDII

• Causa a toxoplasmose
• causada por um parasito intracelular, não flagelado, da subclasse Coccidia
• mais comum em crianças e mulheres em idade fértil e as grávidas são as mais
vulneráveis
• cosmopolita (todos estão suscetíveis). Infermidade parasitária oportunista mais
frequentes em pacientes com SIDA

REPRODUÇÃO
• sexuada no intestino do gato (hospede definitivo)
• assexuada no intestino do hospede intermediário (homem)

FASES DE REPRODUÇÃO TA-BRA-QUI-OO-ES


Taquizoito bradizoito quiste ooquiste esporozoito
(Taquei uma Bola no Queixo e no Ombro com as Espora)

• taquizoito fase aguda da infecção em todas as células e tecidos, exceto


ERITROCITOS
• bradizoito se encontram dentro dos quistes ou pseudoquistes onde continuam a se
reproduzir
• quistes forma esférica. Bradizoito jovem e mais maduro
• ooquiste encontram-se no intestino do gato e dos demais felinos. Infectante a
temperatura ambiente por ate dois anos.
• Esporozoíto esta dentro do ooquiste e dará lugar aos trofozoítos.
• FORMA INFECTANTE : quistes / trofozoíto / ooquiste

CICLO BIOLÓGICO 2 FASES PROLI-QUIS


No homem (assexuada)
• Fase proliferativa: trofozoíto invade a célula do epitélio intestinal e se reproduz
(fagocita o macrófago) liberando taquizoitos
• Fase quistica: o trofozoíto tem uma reprodução lenta na célula, o que forma uma
capa (quiste) e fagocita o macrofagpo e libera muitos bradizoitos

No gato (sexuada) FASE ESQUIZOGÓNICA


• Fase esquizogônica: ocorre nas células epiteliais do intestino dos felinos, onde um
trofozoíto da origem a diversos trofozoítos.

Mulheres que se infectam:


• 1º trimestre: aborto
• 2º trimestre: mal formações
• 3º trimestre: danos físicos e sequelas próprias da doença

• IMPORTANTE: infecção primaria cria uma resposta imune que impede nova
infecção mas não elimina o parasito.
• Pode ser congênita ou adquirida
• Perido de incubação de 4 a 21 dias

FORMAS DA DOENÇA
• Toxoplasmose congênita possui três fases: 1 – generalidad aguda
2 – fase encefalite aguda
3 – fase dano cerebral
• Toxoplasmose adquirida possui três fases: 1 – ganglionar
2 – generalizada
3 – ocular

Síndrome de TORCH:
• TOxoplasmose
• Rubéola
• Citomegalovírus
• Herpesvirus
DIAGNOSTICO
Método Directo: parasitológico, frotis sanguíneo, estudio del LCR, biopsia
Método Indirecto: serológicos, ELISA, inmunofluorescencia indirecta, hemoaglutinación
indirecta Molecular: reacción de cadena de la polimerasa (PCR)
Diagnóstico diferencial: leptospirosis, enfermedad de Holdking, mononucleosis e sarcoidosis.
PLASMODIUM SSP.

É um protozoário COCCIGIDIO que se encontra no sangue (hemoflagelado) e tissular


São 4 espécies que afetam o homem de forma natural:
• Três espécies do subgênero Plasmodium
• Plasmodium vivax febre terciana benigna (eritrócito oval)
• Plasmodium ovale febre terciana ovale (eritrócito oval)
• Plasmodium malarie febre cuartana (eritrócito oval)
• Uma espécie de subgrupo P. Larvaria
• Plasmodium falciparum febre terciana maligna ou estivo-otañal (eritrócito
salsicha)
Forma mais grave que se não tratada mata.
Crianças menores de 5 anos são mais vulneráveis.
FORMA INFECTANTE
• para el hombre: esporozoíto
• para el mosquito: gametocito

TRANSMISSÃO
• mosquito del género (anopheles),
• transfusion sanguinea contaminada y transplacentaria.

ESTÁGIO DO PARASITO
Esporozoito hipnozoito merozoito trofozoíto esquizonte gametocito microgameto
macrogameto cigoto ooquineto ooquiste

VIVAX *BENIGNA-3A4F-PR-EJ-F48H-2A5A
• mais benigna das 4 e mais prevalente
• sintomas típicos, 3 a 4 horas de febre seguidas de queda da temperatura e diaforeses
• pode produzir recidiva
• 40% dos plasmodiuns mundiais
• Ataca os reticulócitos (eritrócitos jovens) 2% dos glóbulos vermelhos aparecem
infectados
• Febre a cada 48 horas
• Cura espontânea sem tratamento 2-5 anos

MALARIE*MALIGNANTA-F72H-7%CM-EV-ST20A
• Febre maligna mas não é tao agressiva
• Febre a cada 72 horas
• Corresponde a 7% dos casos mundiais
• Afeta os eritrócitos velhos raramente mais de 1% dos glóbulos vermelhos acometidos
• Sem tratamento dura 20 anos

FALCIPARUM*FG-50%CM-STPR-TE-
• Forma mais grave
• 50% dos casos com 90% de mortes em crianças menores de 5 anos
• Sem tratamento causa problemas renais, hiperperexia (Tº acima de 41 graus),
coagulação intravascular disseminada e alterações neurológicas
• Ataca todos os eritrócitos

OVALES*MR-FACCT-SBES-AR-F48H-CE1A-PR
• Mais rara
• Sintomas típicos com período de febre alta e cefaleia seguidas de queda brusca da
temperatura e diaforeses
• Após aparece uma sensação de bem estar relativa com sonolência
• Ataca os reticulócitos (raramente mais de 2% dos glóbulos vermelhos acometem-se)
• Febre a cada 48 horas
• Cura espontânea em 1 ano
• Pode ter recidiva

PALUDISMO OU MALÁRIA
• Doença infecciosa, metaxenica,
• caracterizada por febre, anemia, escalafrios, e até esplenomegalia.
• Protozoário intracelular obrigatório, do gênero Plasmódium, mosquito hembras do
gênero Anopheles.
• Se contamina por picadura do mosquito infectado.
• Espécies que parasitam o homem: vivax/falciparum/ovale/malarie
• Plasmodium não possui órgão de locomoção
• Seu ciclo de vida requer: hospede intermediário ciclo sexual esporogónico
Hospede definitivo ciclo assexual ou esquizogônico
ciclo hepático ou pré-eritrocítico
ciclo eritrocítico
PERIODO DE INCUBAÇÃO
8-35 dias

Diagnostico
DIRETOS -
• Identificación microscópica del parasito en frotis de sangre.
• Método de la gota gruesa, sobre todo cuando hay menor presencia de parásitos.
INDIRETOS-
• Tiras reactivas para P. vivax, P. malariae y P. falciparum por el método de
inmunocromatografía (test rápidos).

FLAGELADOS DE LAS MUCOSAS INTESTINAIS E UROGENITAIS


Giargia Lamblia e Trichomonas Vaginales
Se caracterizam por um ou mais flagelos largos em toda sua fase de ciclo vital.
Flagelos servem para dar locomoção, facilitar alimentação e como receptores sensoriais.
Flagelados podem ser patógenos ou não patógenos (comensales).
Flagelados patógenos : Giargia Lamblia (mucosa intestinal) e Trichomonas Vaginales (mucosa urogenital)
GIARDIA LAMBLIA
Um flagelado patógeno da mucosa intestinal
Distribuição geográfica mundial
Frequência de 2 a 12 anos (20%)
Habitat – intestino delgado
Apresenta forma trofozoica (vegetativa e movil esta no tubo disgestivo) e quiste (redondo e pequeno
esta no meio ambiente, FORMA INFECTANTE)
Forma trofozoica serve para multiplicação e reprodução, sobrevivência na mucosa instestinal
Forma quistica forma resistente e infectante (1 QUISTE libera 4 trofozoitos)
A Giardia Lamblia forra a mucosa intestinal, se mantem acima da mucosa, impedindo a mucosa de
absorver nutrientes (PRINCPAL CARACTERISTICA SINDROME DA MA ABSORÇAO)

CLICLO VITAL
Os quistes quando caem na luz do intestino se originam por cambio de pH
No ciclo não exite vetor de contaminação (MONOXEMICO), a contaminação se dissemina de maneira
fecal-oral.
Quadro clinico na forma aguda – diarreia , esteatorreia, dor abdominal, náuseas , vômitos , mareos,
síndrome da mal absorção, desnutrição e irritação .
Quadro clinico forma crônica – alterações no ritmo da defecação e alterações de absorção de vitaminas
Forma assintomática – adultos ou crianças em uma boa forma nutricional
Diagnostico laboratorial direto – parasitológico direto da matéria fecal (preferencia)
Biopsia
Diagnostico laboratorial indireto – ELISA pesquisar anticorpos.
Tratamento – metronidazol, tinidazol, furazolidina.
Profilaxia – conscientização populacional em questões de higiene tanto ambiental como de alimentos e
proteção de abastecimento público contra matéria fecal humana e animal
Trichomonas Vaginales
Um flagelado patógeno da mucosa urogenital
Exemplo de trichomonas comensales ou não patógenas são : Hominis e Tenax (boca)
Morfologia – somente trofozoito.
Reprodução – fusão binaria
Modo de transmissão – contato sexual
Habitat – vagina e uretra da mulher e no homem próstata, vesícula seminal e uretra.
A tricomonas eh o único parasito (agente etiológico) que causa enfermidade por transmissão sexual.
Enfermidade – trichomoniasis (única enfermedad parasitaria sexual)
Transmissão – de humano a humano.
Hospdedeiro – principalmente mulheres.
CICLO – os trofozoitos se transportam por secreções genitais, por atividade sexual as secreções se
intercambiam entre as pessoas e ocorre a transmissão. O parasita se multiplica por fusão binaria e são
arrastados novamente no ato sexual ou através do liquido leucorreico que passa ao exterior.
Patogenia- no epitélio vaginal a trichomonas produz degeneração e destruição celular, ocasionando
reações inflamatória e edema das mucosas. A mucosa se irrita, secreta material esbranquiçado e
dependendo de sua quantidade saem para fora. A irritação pode incluir também a vulva a vagina e o
cervix na mulher. (sintomático) – leucorreia, prurido intenso, ardor, poliuria, disúria.
Fatores para predisposição de trichomoniasis na mulher – pH ótimo ( 5 e 6) e deficiência de estrógeno.
No homem- gera uretritis e prostatitis . (asintomatico) porque o ZINC que está presente no sêmen eh a
proteção dos homens. Se acontecer sintoma pode ser – ardor uretral, ereção dolorosa, se for uma
prostatitis as manifestações são praticamente inexistentes.
Diagnostico- exame direto em fresco (secreção vaginal e urina na mulher) e ( liquido seminal, prostático
e urina no homem) sempre vão aparecer os trofozoitos.
Tratamento- metronidazol (sempre tratar junto com a pareja).
Prevenção – tratamento da pareja sexual, preservativos e principalmente evitar promiscuidade.

AMEBAS
São protozoários e estão no tubo digestivo humano, a maioria são COMENSALES (convivem e harmonia
sem causar danos um ao outro).
PATÓGENA - ENTAMOEBA HISTOLYTICA – contaminação oral- fecal de humano a humano, não é
necessario um vetor.
NÃO PATÓGENAS (COMENSALISTAS)- Entamoeba Coli (pode aparecer na urina), Entamoeba Dispar,
Entamoeba Nana, Iodamoeba Butschlli, Entamoeba gengivalis (quando aparece na boca é porfalta de
higiene). (Vivem em harmonia com o hospedeiro, porem quando se deslocam do tubo intestinal,
podem causar danos, são oportunistas.
AMEBAS DE VIDA LIVRE- estão no meio ambiente, atacam o SNC (meningoencefalitis), geralmente são
mortais.

ENTAMOEBA HISTOLYTICA
Está no tubo digestivo
Habitat – intestino grosso
Morfologia – trofozoica e quiste
Meio de locomoção- pseudopodos
Sua forma trofozoica apresenta 4 nucleos (enquanto COLI apresenta 8 nucleos)
Se alimenta de eritrócitos (por isso a diarreia é sanguinolenta)
Epidemiologia – Distribuição em zonas tropicais. Zona endêmica (Mexico) señores, sí Mexico señores.
Kkk
Contaminação fecal – oral e sexual.
Quadro Clinico FASE AGUDA – ulceras intestinais, febre, decaimento, diarreia muco-purulenta e
sanguinolenta, dores espasmódicas, pujos e tenesmo (espasmo).
Quadro Clinico FASE CRONICA – dor abdominal diversa, colitis amebiana disentérica.
Diagnostico- Direto- parasitológico
Diagnostico- Indireto- serve para buscar infecções extraintestinais – anticorpos – ELISA, aglutinação
indireta, hemoaglutinação indireta, inmunofluorescencia indireta, inmunodifusão.
Tratamento- Metronidazol, Metronidazol.
Prevenção – controle sanitário de eliminação de fezes, proteção de alimentos, e controle de possíveis
vetores como moscas e baratas.

Ciclo Biológico
AMEBAS DEVIDA LIVRE – NAEGLERIA FOWLERI / ACANTHAMOEBA CULBERTSONI
Estão no meio ambiente, quando ingressam no organismo provocam meningoencefalitis.

NAEGLERIA FOWLERI ACANTHAMOEBA CULBERTSONI

Em vida livre desenvolve trofozoitos de Em vida livre trofozoitos e quistes. Na agua


forma flagelada e quistes. NÃO forma flagelos.
Infecção através de agua contaminada, a Infecção através da agua e também pó
penetração acontece por via mucosa nasal, (poeira), forma vegetativa e quistes
segue o nervo olfatório e chega até as infeccioso
meninges.
Ciclo – entra através do epitélio olfatório, Ciclo – entra atraves do epitélio olfatório ou
chega ao SNC e provoca meningoencefalitis atraves de ulcera na pele, e provoca
amebiana primaria (MAP) meningoencefalitis granulomatosa amebiana
ACOMETE INDIVIDUOS SAUDAVEIS (MGA)
SOMENTE EM INDIVIDUOS
IMUNOCOMPROMETIDOS
Diagnostico de LCR – purulento(neutrófilos), Diagnostico de LCR – predomínio de
aumento de proteínas e diminuição da linfócitos.
glicose
Evolução rápida – 3 a 7 dias após banho Evolução lenta- 3 a 4 semanas pos banho

Quadro clínico - Cefalalgia, náuseas, vómitos, Quadro Clinico - Precede de un cuadro de


fiebre y signos meníngeos. bronconeumonía seguida de
meningoencefalitis.

Tratamento – nao existe uma droga útil para Tratamento - nao existe uma droga útil para
meningoencefalitis . meningoencefalitis
Anfotericina B, sulfadiazina, miconazol y Los medicamentos no se da de la misma
rifampicina podrían alcanzar resultados manera en las producidas por
positivos en meningoencefalitis Acanthamoeba.

BLASTOCISTIS HOMINIS
É um protozoário de classificação controvertida , até um tempo atrás era classificado como um fungo.
Pouco conhecimento sobre sua patogenia , produz infecção intestinal.
Morfologia- vacuolar, ameboide, granular e quistica ( forma infectante)
Epidemiologia – contato fecal – oral, diminuição de saneamento básico, prevalência em zonas tropicais,
se associa a infecção de Giardia lamblia y Entamoeba histolytica.
Diagnostico - em método direto parasitológico se observa mais a forma vacuolar.

Quadro Clinico - Vómito. Dolor abdominal, Flatulencia, Diarrea acuosa, Tenesmo, Constipación,
Prurito anal, Baja de peso, Anorexia, Fiebre, Malestar general y pérdida de sangre ocasionalmente.
Tratamento – Metronidazol
Profilaxia – lavagem das mãos e manter ambiente limpo.