Você está na página 1de 19

Nome Ano Turma N.

o
Teste de avaliação – 11.o Ano
Versão 1

Grupo I
Apresenta as tuas respostas de forma bem estruturada.

PARTE A
Descendo ao particular, direi agora, peixes, o que tenho contra alguns de vós.
E começando aqui pela nossa costa: no mesmo dia, em que cheguei a ela, ouvindo os
Roncadores1, e vendo o seu tamanho, tanto me moveram o riso, como a ira. É possível que sendo
vós uns peixinhos tão pequenos haveis de ser as roncas do mar? Se com uma linha de coser, e um
alfinete torcido vos pode pescar um aleijado, porque haveis de roncar tanto? Mas por isso mesmo
5
roncais. Dizei-me, o Espadarte porque não ronca? Porque ordinariamente quem tem muita espada
tem pouca língua. Isto não é regra geral; mas é regra geral que Deus não quer Roncadores, e que
tem particular cuidado de abater, e humilhar aos que muito roncam. São Pedro, a quem muito bem
conheceram vossos antepassados, tinha tão boa espada, que ele só avançou contra um exército
inteiro de Soldados Romanos; e se Cristo lha não mandara meter na bainha, eu vos prometo que
10 havia de cortar mais orelhas, que a de Malco 2. Contudo que lhe sucedeu naquela mesma noite?
Tinha roncado, e barbateado3 Pedro que se todos fraqueassem 4, só ele havia de ser constante até
morrer, se fosse necessário: e foi tanto pelo contrário, que só ele fraqueou mais que todos, e bastou
a voz de uma mulherzinha 5 para o fazer tremer, e negar. Antes disso já tinha fraqueado na mesma
hora, em que prometeu tanto de si. Disse-lhe Cristo no Horto que vigiasse, e vindo daí a pouco a ver
se o fazia, achou-o dormindo com tal descuido, que não só o acordou do sono, senão também do
15
que tinha brasonado: Sic non potuisti una hora vigilare mecum?6 [Mc 14,37]7. «Vós, Pedro, sois o
valente, que havíeis de morrer por mim, e não pudestes uma hora vigiar comigo?» Pouco há tanto
roncar, e agora tanto dormir? Mas assim sucedeu. O muito roncar antes da ocasião é sinal de dormir
nela. Pois que vos parece, irmãos Roncadores? Se isto sucedeu ao maior pescador, que pode
acontecer ao menor peixe? Medi-vos, e logo vereis quão pouco fundamento tendes de brasonar 8,
20 nem roncar. […]
Os arrogantes, e soberbos tomam-se com Deus; e quem se toma com Deus sempre fica debaixo.
Assim que, amigos Roncadores, o verdadeiro conselho é calar, e imitar a Santo António. Duas coisas
há nos homens, que os costumam fazer roncadores, porque ambas incham: o saber, e o poder.
Caifás9 roncava de saber […]. Pilatos10 roncava de poder[…]. E ambos contra Cristo. Mas o fiel servo
de Cristo, António, tendo tanto saber, como já vos disse, e tanto poder como vós mesmos
25
experimentastes, ninguém houve jamais que o ouvisse falar em saber, ou poder, quanto mais
brasonar disso. E porque tanto calou, por isso deu tamanho brado.
Padre António Vieira: Obra Completa (dir. de José Eduardo Franco e Pedro Calafate), tomo II, volume X:
Sermões Hagiográficos I, Lisboa, Círculo de Leitores, 2013, pp. 156-157.

1
Roncador: peixe pequeno cujo ronco se parece com o de um porco.
2
Malco: o servo do sumo sacerdote ao qual São Pedro decepou a orelha direita, em resistência à prisão de Jesus.
3
barbateado: dito com arrogância; bravateado.
4
fraqueassem: fraquejassem.
5
uma mulherzinha: uma criada do sumo sacerdote perguntou a Pedro se conhecia Jesus, o que ele negou, com medo de
ser preso como tinha acontecido a Cristo.
6
Sic non potuisti una hora vigilare mecum?: Não foste capaz de vigiar comigo uma hora?
7
[Mc 14,37]: Evangelho segundo São Marcos, capítulo 14, versículo 37.
8
brasonar: fazer-se de fanfarrão.
9
Caifás: sumo sacerdote dos Judeus no processo que conduziu Jesus à morte.
8
Pilatos: Procurador romano da Judeia que exerceu o papel de juiz.

1. Relaciona as características deste peixe com o caráter alegórico do sermão.

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 1


2. Comenta o comportamento de Pedro, tendo em conta a sentença proverbial «O muito roncar
antes da ocasião é sinal de dormir nela.» (ll. 19-20).

3. Neste excerto, estão presentes alguns objetivos da oratória de Vieira.


Nomeadamente:
‒  docere, que diz respeito ao caráter didático e pedagógico do sermão, como podemos
observar no seguinte excerto: ____a)____;
 delectare, que tem como finalidade agradar ao auditório e prendê-lo ao seu discurso, como
por exemplo em ____b)____;
‒ movere, que consiste numa exortação à mudança de comportamentos, visível em
____c)____.

1. «mas é regra geral que Deus não quer Roncadores, e que tem particular cuidado
de abater, e humilhar aos que muito roncam», ll. 7-8
a)
2. «e foi tanto pelo contrário, que só ele fraqueou mais que todos», l. 13
3. «E ambos contra Cristo.», l. 26
1. «Tinha roncado, e barbateado Pedro que se todos fraqueassem, só ele havia de
ser constante até morrer », ll. 12-13
b) 2. «Pois que vos parece, irmãos Roncadores? Se isto sucedeu ao maior pescador,
que pode acontecer ao menor peixe?», ll. 20-21
3. «Duas coisas há nos homens, que os costumam fazer roncadores», ll. 24-25
1. «Contudo que lhe sucedeu naquela mesma noite?», l. 11
2. «“Vós, Pedro, sois o valente, que havíeis de morrer por mim, e não pudestes uma
c) hora vigiar comigo?”», ll. 17-18
3. «Assim que, amigos Roncadores, o verdadeiro conselho é calar, e imitar a Santo
António.», l. 24

PARTE B

Ato Primeiro

Câmara antiga, ornada com todo o luxo e caprichosa elegância portuguesa dos princípios do século
dezassete. Porcelanas, xarões, sedas, flores, etc. No fundo, duas grandes janelas rasgadas, dando para um
eirado que olha sobre o Tejo e donde se vê toda Lisboa; entre as janelas o retrato, em corpo inteiro, de um

2 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


cavaleiro moço, vestido de preto, com a cruz branca de noviço de S. João de Jerusalém. Defronte e para a
5 boca da cena um bufete pequeno, coberto de rico pano de veludo verde franjado de prata; sobre o bufete
alguns livros, obras de tapeçaria meias feitas e um vaso da China de colo alto, com flores. Algumas
cadeiras antigas, tamboretes rasos, contadores. Da direita do espectador, porta de comunicação para o
interior da casa, outra da esquerda para o exterior. É no fim da tarde.

CENA I

10
MADALENA, só, sentada junto à banca, os pés sobre uma grande almofada, um livro aberto no regaço, e
as mãos cruzadas sobre ele, como quem descaiu da leitura na meditação.
Madalena (repetindo maquinalmente e devagar o que acaba de ler)
«Naquele engano d’alma ledo e cego
Que a fortuna não deixa durar muito…» 1
Com paz e alegria d’alma... um engano, um engano de poucos instantes que seja… deve de ser a
15
felicidade suprema neste mundo. E que importa que o não deixe durar muito a fortuna? Viveu-se, pode-se
morrer. Mas eu!... (pausa) Oh! que o não saiba ele ao menos, que não suspeite o estado em que eu vivo…
este medo, estes contínuos terrores, que ainda me não deixaram gozar um só momento de toda a imensa
felicidade que me dava o seu amor. Oh! que amor, que felicidade… que desgraça a minha!
(Torna a descair em profunda meditação; silêncio breve.)
Almeida Garrett, Frei Luís de Sousa, João Brilhante em Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett, 3.ª edição,
Lisboa, Editorial Comunicação, 1994.

1
«Os Lusíadas eram decerto então no princípio do século dezassete um livro da moda e que devia andar sobre o
bufete de todas as damas elegantes. […] Até o ano de 1613, época da separação de Manuel de Sousa Coutinho e
D. Madalena de Vilhena, as edições dos Lusíadas eram já nove, desde a primeira, de 1572, até à do referido ano de
1613 […].» [NA]

4. A partir da primeira didascália, explicita, por palavras tuas, as informações relativas ao espaço
social e ao ambiente familiar.

5. Apresenta dois aspetos caracterizadores do estado de espírito de D. Madalena, ilustrando


cada um deles com uma transcrição pertinente.

6. Completa as afirmações apresentadas, selecionando do quadro a opção adequada a cada


espaço.

Em Frei Luís de Sousa, desde o início da obra, a dimensão trágica é uma constante. Em
«E que importa que o não deixe durar muito a fortuna?» l. 15, por exemplo, está presente o
____a)____, que regula as ações das personagens. A própria escolha lexical, com palavras como
«morrer», «terrores», «desgraça» apontam para a iminência da ____b)____ . Também a
pontuação concorre para o tom ____c)____ do discurso.

a) b) c)

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 3


1. Desafio 1. traição
1. emotivo
2. Sofrimento 2. catástrofe
2. persuasivo
3. Destino 3. infidelidade
3. enternecedor

PARTE C

7. Escreve uma breve exposição em que analises dois aspetos da crítica em geral dirigida aos
peixes no capítulo IV do Sermão de Santo António (aos Peixes), de Padre António Vieira.

A tua exposição deve respeitar as orientações seguintes:

• uma introdução ao tema;

• um desenvolvimento no qual analises, de forma fundamentada, dois aspetos da crítica em


geral dirigida aos peixes e como eles se aplicam aos homens;

•  uma conclusão adequada ao desenvolvimento do tema.

4 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


Grupo II

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta.


Escreve, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida.

Lê o texto. Se necessário, consulta as notas.

As pandemias e outros flagelos da história

É verdade que uma tragédia global como a pandemia do Covid-19 despertou, por algum tempo,
a consciência de sermos uma comunidade mundial que viaja no mesmo barco, onde o mal de um
prejudica a todos. Recordamo-nos de que ninguém se salva sozinho, que só é possível salvar-nos
juntos. Por isso, «a tempestade – dizia eu – desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto
5 as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projetos, os
nossos hábitos e prioridades. (…) Com a tempestade, caiu a maquilhagem dos estereótipos com que
mascaramos o nosso “eu” sempre preocupado com a própria imagem; e ficou a descoberto, uma vez
mais, esta (abençoada) pertença comum a que não nos podemos subtrair: a pertença como
irmãos».1
10 O mundo avançava implacavelmente para uma economia que, utilizando os progressos
tecnológicos, procurava reduzir os «custos humanos»; e alguns pretendiam fazer-nos crer que era
suficiente a liberdade de mercado para garantir tudo. Mas, o golpe duro e inesperado desta
pandemia fora de controle obrigou, por força, a pensar nos seres humanos, em todos, mais do que
nos benefícios de alguns. Hoje podemos reconhecer que «alimentamo-nos com sonhos de esplendor
15 e grandeza, e acabamos por comer distração, fechamento e solidão; empanturramo-nos de
conexões, e perdemos o gosto da fraternidade. Buscamos o resultado rápido e seguro, e
encontramo-nos oprimidos pela impaciência e a ansiedade. Prisioneiros da virtualidade, perdemos o
gosto e o sabor da realidade».1 A tribulação, a incerteza, o medo e a consciência dos próprios limites,
que a pandemia despertou, fazem ressoar o apelo a repensar os nossos estilos de vida, as nossas
20 relações, a organização das nossas sociedades e sobretudo o sentido da nossa existência.
Se tudo está interligado, é difícil pensar que este desastre mundial não tenha a ver com a nossa
maneira de encarar a realidade, pretendendo ser senhores absolutos da própria vida e de tudo o que
existe. Não quero dizer que se trate duma espécie de castigo divino. Nem seria suficiente afirmar que
o dano causado à natureza acaba por se cobrar dos nossos atropelos. É a própria realidade que geme
25 e se rebela… Vem à mente o conhecido verso do poeta Virgílio evocando as lágrimas das coisas, das
vicissitudes da história.
Contudo rapidamente esquecemos as lições da história, «mestra da vida». Passada a crise
sanitária, a pior reação seria cair ainda mais num consumismo febril e em novas formas de
autoproteção egoísta. No fim, oxalá já não existam «os outros», mas apenas um «nós». Oxalá não
30 seja mais um grave episódio da história, cuja lição não fomos capazes de aprender. Oxalá não nos
esqueçamos dos idosos que morreram por falta de respiradores, em parte como resultado de
sistemas de saúde que foram sendo desmantelados ano após ano. Oxalá não seja inútil tanto
sofrimento, mas tenhamos dado um salto para uma nova forma de viver e descubramos, enfim, que
precisamos e somos devedores uns dos outros, para que a humanidade renasça com todos os rostos,
35 todas as mãos e todas as vozes, livre das fronteiras que criamos.

Carta Encíclica Fratelli Tutti sobre a Fraternidade e a Amizade Social,


do Santo Padre Francisco (texto adaptado).
--------------------------

1
citações de homílias anteriores do Santo Padre Francisco.

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 5


 

1. No contexto do primeiro parágrafo, as alusões à « comunidade mundial que viaja no mesmo barco» (l. 2)
e à «tempestade» (l. 4) são

(A) hipérboles que destacam a fragilidade humana comum.


(B) metáforas que enfatizam a provação por que todos passamos.
(C) pleonasmos que sublinham o risco transversal que corremos.
(D) metonímias que evidenciam a nossa exposição ao perigo iminente.

2. Segundo o autor do texto, quando «caiu a maquilhagem dos estereótipos com que mascaramos o
nosso “eu” » (ll. 6-7)

(A) foi evidente a fraternidade que une todos os seres humanos.


(B) tornou-se óbvia a preocupação com a nossa própria imagem.
(C) mostrou-nos importância dos nossos hábitos e prioridades.
(D) sublinhou o dever de desenvolvermos os nossos programas e projetos.

3. Nas considerações do autor, «este desastre mundial» (l. 21) deve-se

(A) a um castigo divino merecido pela soberba humana.


(B) à natureza vingativa dos atropelos humanos.
(C) à arrogância humana perante o planeta e os outros.
(D) às lágrimas das coisas e às vicissitudes da história.

4. A construção anafórica, presente no último parágrafo

(A) dá ênfase ao facto de nos esquecermos do que passamos.


(B) avisa acerca dos perigos que iremos enfrentar no futuro.
(C) alerta para a tendência de não aprendermos com a história.
(D) introduz a expressão dos desejos do autor do texto.

5. Nas orações «Nem seria suficiente afirmar que o dano causado à natureza acaba por se cobrar dos
nossos atropelos. É a própria realidade que geme e se rebela… » (ll. 23-25), as palavras sublinhadas
são

(A) uma conjunção, no primeiro caso, e um pronome, no segundo caso.


(B) um pronome, no primeiro caso, e uma conjunção, no segundo caso.
(C) pronomes em ambos os casos.
(D) conjunções em ambos os casos.

6. Indica as funções sintáticas desempenhadas pelas expressões:

a) «de que ninguém se salva sozinho» (l. 3).


b) «pensar que este desastre mundial não tenha a ver com a nossa maneira de encarar a
realidade» (ll. 21-22).

6 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


7. Identifica o antecedente da expressão sublinhada em “Contudo rapidamente esquecemos as lições
da história, “mestra da vida”» (l. 27).

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 7


Grupo III
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas e cinquenta
palavras, faz a apreciação crítica das tiras de banda desenhada abaixo apresentadas.

Jerry Scott, Jim Borgman, Zits A vida é um TPC, Gradiva, Lisboa, 2002, p.16.

O teu texto deve incluir:


–  a descrição das tiras de banda desenhada apresentadas, destacando elementos significativos da
sua composição;
– um comentário crítico, fundamentando devidamente a tua apreciação e utilizando um discurso
valorativo;
– uma conclusão adequada aos pontos de vista desenvolvidos.

Observações:
1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre
elementos ligados por hífen (ex.: /dir-se-ia/). Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente do número de
algarismos que o constituam (ex.: /2020/).
2. Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados – entre duzentas e trezentas e cinquenta palavras –, há que atender ao
seguinte:
– um desvio dos limites de extensão indicados implica uma desvalorização parcial (até 5 pontos) do texto produzido;
– um texto com extensão inferior a oitenta palavras é classificado com zero pontos.

Critérios de classificação do Teste de Português – 11. o Ano


(Padre António Vieira e Frei Luís de Sousa)

Grupo I ............................................................................................................................................................ 104 pontos

1. .......................................................................................................................................................................... 16 pontos
Devem ser abordados os tópicos seguintes, ou outros igualmente relevantes:

8 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


– o Roncador é um peixe pequeno com o hábito de roncar;

– o facto de estes peixinhos serem «as roncas do mar» representa, alegoricamente, a sua
«presunção», «arrogância» e «soberba», vícios humanos que Vieira pretende repreender; isto é,
as características do Roncador são alegoria dos defeitos humanos que o pregador deseja
realmente censurar.

• Aspetos de conteúdo (C) ............................................................................................................. 10 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Relaciona as características deste peixe com o caráter alegórico do sermão,
4 10
abordando dois tópicos de resposta adequadamente.
Relaciona as características deste peixe com o caráter alegórico do sermão,
3 abordando um tópico de resposta adequadamente e outro com pequenas 8
imprecisões e/ou omissões.
Relaciona as características deste peixe com o caráter alegórico do sermão,
abordando dois tópicos de resposta, ambos com pequenas imprecisões e/ou
omissões.
2 5
OU
Explicita, adequadamente, as características deste peixe ou apenas o carácter
alegórico do sermão, sem estabelecer a relação solicitada.
Explicita, com pequenas imprecisões e/ou omissões, as características deste peixe ou
1 3
apenas o carácter alegórico do sermão, sem estabelecer a relação solicitada.

• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 6 pontos


• Estruturação do discurso1 ........................................................................................ 2 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, adequadamente, a
2 2
progressão e o encadeamento das ideias.
Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, com alguma
1 1
descontinuidade, a progressão e o encadeamento das ideias.

• Correção linguística1.................................................................................................. 4 pontos

2. .......................................................................................................................................................................... 16 pontos
Devem ser abordados os tópicos seguintes, ou outros igualmente relevantes:

– Pedro roncou muito «antes da ocasião»; brasonava que era o mais leal a Cristo e que se fosse
necessário morreria por ele. Contudo, confrontado com situações de perigo não correspondeu às
expetativas ‒ negou Cristo e deixou-se dormir, enquanto vigiava no horto.

– O comportamento de Pedro concretiza/materializa a «sentença proverbial» ‒ quem muito


promete antes da ocasião «é sinal» de que irá fraquejar, quando for realmente preciso agir e ser
firme.
• Aspetos de conteúdo (C) ............................................................................................................. 10 pontos

1
Os descritores de desempenho definidos para este parâmetro devem ser considerados em articulação com os
Critérios Gerais de Classificação relativos à estruturação do discurso (p. 7).
Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 9
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
Comenta o comportamento de Pedro, tendo em conta a sentença proverbial,
4 10
abordando dois tópicos de resposta adequadamente.
Comenta o comportamento de Pedro, tendo em conta a sentença proverbial,
3 abordando um tópico de resposta adequadamente e outro com pequenas 8
imprecisões e/ou omissões.
Comenta o comportamento de Pedro, tendo em conta a sentença proverbial,
abordando dois tópicos de resposta, ambos com pequenas imprecisões e/ou
omissões.
OU
2 Comenta o comportamento de Pedro, abordando, adequadamente, o primeiro 5
tópico de resposta, mas sem ter em conta a sentença proverbial.
OU
Explicita a sentença proverbial, abordando, adequadamente, o segundo tópico de
resposta, mas sem comentar o comportamento de Pedro.
Comenta o comportamento de Pedro, abordando, com pequenas imprecisões e/ou
omissões, o primeiro tópico de resposta, mas sem ter em conta a sentença
proverbial.
1 OU 3
Explicita a sentença proverbial, abordando, com pequenas imprecisões e/ou
omissões, o segundo tópico de resposta, mas sem comentar o comportamento de
Pedro.

• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 6 pontos


• Estruturação do discurso2 ........................................................................................ 2 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, adequadamente, a
2 2
progressão e o encadeamento das ideias.
Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, com alguma
1 1
descontinuidade, a progressão e o encadeamento das ideias.

• Correção linguística1.................................................................................................. 4 pontos

2
Os descritores de desempenho definidos para este parâmetro devem ser considerados em articulação com os
Critérios Gerais de Classificação relativos à estruturação do discurso (p. 7).
10 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano
3. .......................................................................................................................................................................... 12 pontos
a) 1; b) 2; c) 3.

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


3 Seleciona as três opções corretas. 12
2 Seleciona as duas opções corretas. 8
1 Seleciona uma opção correta. 4

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 11


4. .......................................................................................................................................................................... 16 pontos
Devem ser abordados os tópicos seguintes, ou outros igualmente relevantes:
• espaço social da fidalguia: sala espaçosa e decorada com requinte e luxo; religiosa (note-se o
retrato) e culta (presença de livros);
• ambiente familiar alegre, confortável, arejado: abertura ao exterior, com grandes janelas, que
dão luminosidade à sala; portas que conferem liberdade às personagens. No entanto, as
«obras de tapeçaria meias feitas» podem sugerir uma interrupção/ efemeridade deste
ambiente feliz.

• Aspetos de conteúdo (C) ............................................................................................................. 10 pontos

Nívei
Descritores do nível de desempenho Pontuação
s
Explicita as informações solicitadas, abordando dois tópicos de resposta
4 10
adequadamente.
Explicita as informações solicitadas, abordando um tópico de resposta
3 8
adequadamente e outro com pequenas imprecisões e/ou omissões.
Explicita as informações solicitadas, abordando os dois tópicos com pequenas
imprecisões e/ou omissões.
2 OU 5
Explicita as informações solicitadas, abordando apenas um dos tópicos de resposta
solicitados.
Explicita as informações solicitadas, com pequenas imprecisões e/ou omissões,
1 3
abordando apenas um dos tópicos de resposta solicitados.

• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 6 pontos


• Estruturação do discurso3 ........................................................................................ 2 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, adequadamente, a
2 2
progressão e o encadeamento das ideias.
Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, com alguma
1 1
descontinuidade, a progressão e o encadeamento das ideias.

• Correção linguística1.................................................................................................. 4 pontos

3
Os descritores de desempenho definidos para este parâmetro devem ser considerados em articulação com os
Critérios Gerais de Classificação relativos à estruturação do discurso (p. 7).
12 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano
5. .......................................................................................................................................................................... 16 pontos
Devem ser abordados dois dos tópicos seguintes, ou outros igualmente relevantes:
– Introspeção: reflete sobre os seus sentimentos e sobre aquilo que a atormenta ‒ «(repetindo
maquinalmente e devagar o que acaba de ler). » l. 11; «(Torna a descair em profunda meditação;
silêncio breve.)», l. 19;
– Incerteza: D. Madalena receia o que o futuro lhe reserva ‒ «E que importa que o não deixe durar
muito a fortuna?», l. 15;
– Terror: pavor constante em que vive ‒ «este medo, estes contínuos terrores», l. 17;
– Infelicidade: não consegue viver a alegria do seu amor ‒ «ainda me não deixaram gozar um só
momento de toda a imensa felicidade que me dava o seu amor».
• Aspetos de conteúdo (C) ............................................................................................................. 10 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Apresenta, adequadamente dois aspetos, ilustrando cada um deles com uma
4 10
transcrição pertinente.
Apresenta, adequadamente, dois aspetos, mas apenas ilustra um deles com uma
transcrição pertinente.
3 OU 8
Apresenta dois aspetos, um adequadamente e outro com pequenas imprecisões
e/missões, ilustrando cada um deles com uma transcrição pertinente.
Apresenta dois aspetos, um adequadamente e outro com pequenas imprecisões
e/omissões, mas apenas ilustra um deles com uma transcrição pertinente.
OU
Apresenta dois aspetos, ambos com pequenas imprecisões e/ou omissões,
2 5
ilustrando pelo menos um deles com uma transcrição pertinente.
OU
Apresenta, adequadamente, um aspeto, ilustrando-o com uma transcrição
pertinente
Apresenta, adequadamente, dois aspetos, sem os ilustrar com transcrições
pertinentes.
1 OU 3
Apresenta, com pequenas imprecisões e/ou omissões, um aspeto, ilustrando-o com
uma transcrição pertinente.

• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 6 pontos


• Estruturação do discurso4 ........................................................................................ 2 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, adequadamente, a
2 2
progressão e o encadeamento das ideias.
Os mecanismos de coesão textual utilizados asseguram, com alguma
1 1
descontinuidade, a progressão e o encadeamento das ideias.

• Correção linguística1.................................................................................................. 4 pontos

6. .......................................................................................................................................................................... 12 pontos
4
Os descritores de desempenho definidos para este parâmetro devem ser considerados em articulação com os
Critérios Gerais de Classificação relativos à estruturação do discurso (p. 7).
Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 13
a) 3; b) 2; c) 1.

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


3 Seleciona as três opções corretas. 12
2 Seleciona as duas opções corretas. 8
1 Seleciona uma opção correta. 4

7. .......................................................................................................................................................................... 16 pontos
Na análise de dois aspetos da crítica em geral dirigida aos peixes e como eles se aplicam aos
homens, no capítulo IV do Sermão de Santo António (aos Peixes), de Padre António Vieira, devem
ser abordados os dois tópicos seguintes, ou outros igualmente relevantes:

– os peixes são repreendidos por se comerem uns aos outros, facto que serve, alegoricamente,
para representar como os homens, em sociedade, exploram e oprimem os seus semelhantes (por
exemplo: os colonos da cidade do Maranhão, que exploram os indígenas, o caso do homem que
acaba de morrer e que, de imediato, é espoliado ou o réu, que é explorado por todos os agentes
do sistema judicial);

– os peixes são também criticados pela ignorância e cegueira, que conduzem à sua perdição, ao
serem, por exemplo, atraídos por um retalho de pano que é usado como isco. Tal facto alude ao
deslumbramento que os homens têm pelos bens materiais e pelas honrarias vãs que os levam à
perdição (por exemplo, quando os homens se alistam nas ordens militares e religiosas e acabam
mortos; ou quando os habitantes do Maranhão gastam todo o seu dinheiro em «retalhos de
pano», por pura vaidade).

• Aspetos de conteúdo (C) .............................................................................................................. 9 pontos

Pontuaçã
Níveis Descritores do nível de desempenho
o
Analisa, adequadamente, dois aspetos da crítica em geral dirigida aos peixes e
4 9
como eles se aplicam aos homens, no capítulo IV do Sermão de Santo António.
Analisa, adequadamente, um dos aspetos da crítica em geral dirigida aos peixes e
3 como ele se aplica aos homens, no capítulo IV do Sermão de Santo António, e o 7
outro com pequenas imprecisões e/ou omissões.
Analisa, com pequenas imprecisões e/ou omissões, dois aspetos da crítica em geral
dirigida aos peixes e como eles se aplicam aos homens, no capítulo IV do Sermão
de Santo António.
2 OU 4
Analisa, adequadamente, apenas um dos aspetos da crítica em geral dirigida aos
peixes, no capítulo IV do Sermão de Santo António e como ele se aplica aos
homens.

14 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


Analisa, com pequenas imprecisões e/ou omissões, apenas um dos aspetos da
1 crítica em geral dirigida aos peixes, no capítulo IV do Sermão de Santo António e 2
como ele se aplica aos homens.

• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 7 pontos


• Estruturação do discurso5 ........................................................................................ 4 pontos

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Escreve um texto bem estruturado, constituído por três partes (introdução,
4 desenvolvimento e conclusão) devidamente proporcionadas e assegurando, 7
adequadamente, a progressão e o encadeamento das ideias.
Escreve um texto globalmente bem estruturado, constituído por três partes
(introdução, desenvolvimento e conclusão) com desequilíbrios de proporção ou
3 3
apresentando falhas pontuais no que diz respeito à progressão e ao
encadeamento das ideias.
Escreve um texto suficientemente estruturado, constituído por três partes
(introdução, desenvolvimento e conclusão) com desequilíbrios de proporção e
2 2
apresentando falhas pontuais no que diz respeito à progressão e ao
encadeamento das ideias.
Escreve um texto insuficientemente estruturado, apresentando diversas falhas
1 1
no que diz respeito à progressão e ao encadeamento das ideias.

• Correção linguística1................................................................................................................... 3 pontos

Os descritores de desempenho definidos para este parâmetro devem ser considerados em articulação com os
Critérios Gerais de Classificação relativos à estruturação do discurso.
Critérios Gerais de Classificação – estruturação do discurso
Na avaliação da estruturação do discurso, importa considerar o seguinte:
‒ exceto quando tal é expressamente requerido no item, as respostas não têm de apresentar um parágrafo
introdutório nem um parágrafo conclusivo;
‒ apenas deve ser penalizada a ausência dos parágrafos inequivocamente necessários, ou seja, aqueles que
decorrem da introdução de unidades de sentido claramente distintas das anteriores;
‒ a progressão e a clareza das ideias podem estar asseguradas através de diversos mecanismos (nomeadamente
a pontuação e a repetição lexical), sem recurso obrigatório a conectores interfrásicos.
Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 15
Grupo II ............................................................................................................................................................. 56 pontos

1. a 5. ................................................................................................................................................................. 40 pontos

Chave

Item Versão 1 Versão 2 Pontuação

1. (B) (A) 8

2. (A) (D) 8

3. (C) (B) 8

4. (D) (A) 8

5. (A) (D) 8

6. ............................................................................................................................................................................ 8 pontos
a) complemento oblíquo; b) sujeito (simples).

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


2 Identifica duas funções sintáticas. 8
1 Identifica uma função sintática 4

7. ............................................................................................................................................................................ 8 pontos
• “«[d]a história»”.

Nota 1 – A ocorrência de erros ortográficos não implica a desvalorização da resposta.

16 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


Grupo III ............................................................................................................................................................ 40 pontos

• Estrutura temática e discursiva (ETD) ............................................................... 24 pontos


• Correção linguística (CL)1....................................................................................... 16 pontos

Parâmetro A: Género/Formato Textual

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Escreve um texto de acordo com o género/formato solicitado (texto de apreciação
crítica), incluindo:
• uma descrição da imagem, destacando elementos significativos da sua composição;
4 8
• um comentário crítico devidamente fundamentado;
• uma conclusão adequada aos pontos de vista desenvolvidos;
• um discurso valorativo (desenvolvendo um juízo de valor explícito ou implícito).
Escreve um texto de acordo com o género/formato solicitado (texto de apreciação
crítica), incluindo um comentário crítico pouco fundamentado, mas assegurando o
cumprimento das restantes indicações previstas neste parâmetro.
OU
3 6
Escreve um texto de acordo com o género/formato solicitado (texto de apreciação
crítica), incluindo um comentário crítico devidamente fundamentado, mas
apresentando falhas relativamente a uma ou duas das restantes indicações previstas
neste parâmetro.
Escreve um texto de acordo com o género/formato solicitado (texto de apreciação
2 crítica), incluindo um comentário crítico pouco fundamentado e apresentando falhas 4
relativamente a uma ou duas das restantes indicações previstas neste parâmetro.
Escreve um texto de acordo com o género/formato solicitado (texto de apreciação
crítica), mas apresenta falhas relativamente ao conjunto das indicações previstas
neste parâmetro.
1 2
OU
Escreve um texto em que as marcas do género/formato solicitado se misturam, sem
critério nem intencionalidade, com as de outros géneros/formatos.

Parâmetro B: Tema e Pertinência da Informação

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 17


Trata o tema proposto sem desvios e escreve um texto com eficácia argumentativa,
assegurando:
• a mobilização de argumentos e de exemplos diversificados e pertinentes;
4 • a progressão da informação de forma coerente; 8
• o recurso a um repertório lexical e a um registo de língua globalmente adequados
ao desenvolvimento do tema, ainda que possam existir esporádicos afastamentos,
justificados pela intencionalidade comunicativa.
Trata o tema proposto sem desvios, mas escreve um texto com falhas pontuais nos
aspetos relativos à eficácia argumentativa.
3 OU 6
Trata o tema proposto com desvios pouco significativos, mas escreve um texto com
eficácia argumentativa (tendo em conta a forma como o tema foi desenvolvido).
Trata o tema proposto com desvios pouco significativos e escreve um texto com
falhas pontuais nos aspetos relativos à eficácia argumentativa.
2 OU 4
Trata o tema proposto sem desvios, mas escreve um texto com falhas significativas
nos aspetos relativos à eficácia argumentativa.
Trata o tema proposto com desvios significativos e escreve um texto com pouca
1 2
eficácia argumentativa, mobilizando muito pouca informação pertinente.

Parâmetro C: Organização e Coesão Textuais

Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação


Escreve um texto bem organizado, evidenciando um bom domínio dos mecanismos
de coesão textual:
• apresenta um texto constituído por diferentes parágrafos, corretamente
marcados, devidamente proporcionados e articulados entre si de modo
4 consistente; 8
• utiliza, adequadamente, mecanismos de articulação interfrásica;
• mantém, de forma sistemática, cadeias de referência através de substituições
nominais e pronominais adequadas;
• estabelece conexões adequadas entre coordenadas de enunciação (pessoa,
tempo, espaço) ao longo do texto
Escreve um texto globalmente bem organizado, em que evidencia domínio dos
3 mecanismos de coesão textual, mas em que apresenta falhas pontuais em um ou 6
dois dos aspetos indicados neste parâmetro.
Escreve um texto satisfatoriamente organizado, em que evidencia um domínio
suficiente dos mecanismos de coesão textual, apresentando falhas pontuais em três
2 4
ou mais dos aspetos indicados neste parâmetro, ou falhas significativas em um ou
dois desses aspetos.
Escreve um texto com uma organização pouco satisfatória, recorrendo a insuficientes
1 2
mecanismos de coesão ou mobilizando-os de forma inadequada.

Sugestão de tópicos (resposta pessoal)

– Introdução:

18 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


 Estas tiras são retiradas do livro de banda desenhada Zits A vida é um TPC, da autoria de
Jerry Scott e Jim Borgman, em que se retrata a vida de um adolescente.
– Descrição da imagem:
 mãe e filho sentados à mesa no final de uma refeição;
 a mãe tenta dialogar com o filho, Jeremy, sobre o que tem feito e sobre a sua vida em
geral;
 o filho responde às perguntas, sem entusiasmo, repetindo a mesma frase «Sei lá»;

 esta resposta seca inviabiliza a progressão do diálogo…

– Comentário crítico:
 muitos “diálogos” entre mães e filhos adolescentes espelham-se nestas tiras;
 a excessiva curiosidade das mães por alguns detalhes da vida dos filhos;
 o desinteresse dos adolescentes em contar pormenores da sua vida,
 a falta de comunicação no seio da família;
 o desespero das mães, quando não obtêm respostas dos filhos…

– Conclusão:
 efeito de cómico da última vinheta;
 critica-se a falta de diálogo entre pais e filhos;
 retrata-se a velha questão da diferença entre gerações.

COTAÇÕES
Item
Grupo
Cotação (em pontos)

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.
I
16 16 12 16 16 12 16 104

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.
II
8 8 8 8 8 8 8 56

III Item único


40

TOTAL 200

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 19