Você está na página 1de 4

c  


    

Os g  ou g  são orgânulos visíveis ao microscópio comum (microscópio


óptico) encontrados na grande maioria das células dos vegetais. Não existem, contundo,
nas células de bactérias, algas cianofíceas, fungos e animais.

Compreendem os  g  (plastídeos brancos) e os


 g  ou

  
 (plastídeos coloridos). Dentre estes últimos, destacam-se os 
g 
(plastídeos verdes), responsáveis grandemente pela realização da fotossíntese e que, de
fato, são os mais comuns e numerosos nas células das plantas verdes.

Em algumas células vegetais, o citoplasma circunscreve grandes vacúolos e realiza um


movimento ativo de circulação ao redor deles. Esse movimento é chamado de ciclose.
Graças à ciclose, podemos observar ao microscópio os cloroplastos se deslocando pela
célula, ao redor dos vacúolos, arrastados pela corrente de circulação do citoplasma.
Numa célula, o número de plastídeos é muito variável. Em células de algas, é comum
ver-se apenas um cloroplasto grande, estrelado ou espiralado.

Os leucoplastos atuam no armazenamento de substâncias nutritivas. Assim, se


distinguem os   g  (com depósitos de amilo ou amido), os  g 
(reservatório de lipídios) e os g
g  (que acumulam proteínas). Nos
parênquimas das raízes, dos frutos e nas partes mais profundas dos caules, as células se
mostram ricas em leucoplastos.

Os cromoplastos possuem pigmentos de cores vivas, como a xantofila, os carotenóides e


outros, que lhes dão cor amarela, alaranjada ou vermelha. São comuns na cenoura, nos
frutos, na pimentas etc. Eles também retêm um pouco de energia da luz solar,
contribuindo de certa forma para a grande função dos cloroplastos, que é a realização da
fotossíntese. Os seus pigmentos são considerados ³pigmentos coadjuvantes´ da
clorofila. Mas cabe verdadeiramente aos cloroplastos, graças à clorofila que possuem, a
execução da fotossíntese.

Os 
g  são orgânulos em forma de disco, de entre quatro e seis micrômetros de
diâmetro. O estudo dos cloroplastos em microscopia eletrônica veio revelar que eles são
formados por duas membranas, uma externa, em contato com o hianoplasma, e outra
interna. Ambas são de natureza lipoprotéica. A membrana interna faz franjas ou dobras
que se dispõem paralelas uma às outras, no maior sentido do cloroplastos. Essas dobras
longitudinais da membrana interna denominam-se   . Entre as moléculas de
proteínas e lipídios que formam essas lamelas se localizam as moléculas de clorofila. De
espaço a espaço, as lamelas sofrem um pregueamento ³em sanfona´ formando pilhas de
pequenas bolsas ou sáculos chamados    Cada pilha de tilacóides que se
acumulam mais numerosamente as moléculas de clorofila. O espaço interior do plasto é
preenchido por uma substância gelatinosa, que recebe o nome de 
 



A obtenção e o armazenamento de energia pela célula constituem o grande papel


desempenhado pelos cloroplastos. Com essa energia, eles realizam o fenômeno da
fotossíntese, que é processo pelo qual os organismos com clorofila, como as plantas
verdes, as algas e algumas bactérias, capturam energia em forma de luz e a transformam
em energia química. Esse processo tem lugar dentro das células, em órgãos chamados
cloroplastos. É realizado em duas etapas: uma série de reações que dependem da luz e
são independentes da temperatura, e outra série que depende da temperatura e é
independente da luz. Em traços gerais, a fotossíntese consiste no seguinte:

1.º - Retenção de parte da energia da luz solar pela clorofila e transformação dessa
energia luminosa em energia química.

2.º - Utilização dessa energia química para promover reações em que entram o CO2 ou
dióxido de carbono (retirado do ar) e água (obtida do solo), a fim de produzir
substâncias orgânicas (inicialmente a glicose).

3.º - Devolução de oxigênio puro (O2) ao meio ambiente.

Como você observa, a fotossíntese não só representa uma fonte permanente de matéria
orgânica da Natureza, a qual é utilizada como alimento por todos os seres
heterotróficos, como também procede à renovação constante do ar atmosférico, dele
retirando o gás carbônico e nele descarregando o oxigênio.

Simplificadamente, a fotossíntese pode ser representada pela seguinte equação:

Luz

6CO2 + 12H2O * C6H12O6 + 6H2O + 6O2

clorofila



Na realidade, entretanto, o mecanismo bioquímico da fotossíntese não é tão simples


assim. Ele compreende duas etapas, que são conhecidas como    (fase de
Hill) e  
 (fase de Blackman). A primeira exige a participação da luz. Ela não
ocorre no escuro. A segunda etapa já não depende da luz. Desde que a primeira tenha se
transcorrido, a Segunda terá procedimento mesmo que já não haja luz no ambiente.

  

Nesta fase, observamos:

1.º - A luz incide sobre a planta. A energia da luz aumenta o nível energético de 1
elétron da molécula de clorofila.

2.º - Esse elétron, que fica ³excitado´, desprende-se da molécula de clorofila e passa por
uma cadeia de substâncias transportadoras de elétrons (os citocromos). Durante essa
passagem, os elétrons em trânsito (de numerosas moléculas de clorofila) desprendem o
excesso de energia de que estavam possuídos. Essa energia é aproveitada por moléculas
de ADP que assim passam a ATP (o ADP é o difosfasto de adenosina e, incorporando
mais um radical fosfato, transforma-se em ATP ou trifosfato de adenosina). Feito isso
os elétrons voltam às moléculas de clorofila das quais saíram. Mas note bem: houve
formação de ATP.
3.º - Algumas moléculas de clorofila perdem elétrons que, depois de passarem pela
cadeia de citocromos, não voltam a elas. Eles desprendem o seu excesso de energia, o
que também permite a formação de moléculas de ATP, mas feito isso, tais elétrons são
recolhidos por moléculas de NADP (nicotinamida adenina dinucleotídeo fosforado),
que passam a NADP reduzido.

4.º - Enquanto tudo isso ocorre, paralelamente, algumas moléculas de água sofrem
decomposição iônica pela ação direta da luz. Assim, elas se dissociam em íons H + e
íons OH-. Isso é o que se chama  .

5.º - Os íons H+ são aceitos por moléculas de NADP reduzido que passam, então, à
condição de NADP.H2 (cada NADP reduzido recebe 2 íons H+). Enquanto isso, os íons
OH- se associam em grupos de 4 e daí resulta a formação espontânea de duas moléculas
de H2O e uma molécula de oxigênio (O2). O oxigênio é liberado para a atmosfera.

CONCLUSÃO: Na fase clara da fotossíntese, houve:

a. ± Formação de moléculas de ATP (acumulando energia).

b. ± Formação de moléculas de NADP.H2 (com alto potencial de redução)

c. ± Fotólise da água com restauração parcial dela.

d. ± Liberação de O2 livre para a atmosfera.

O fenômeno onde o elétron sai e volta à clorofila constitui a   


    . Já
o fenômeno onde o elétron que sai da clorofila não mais volta a ela chama-se
  
    . Ambos ocorrem paralelamente dentro de uma mesma célula,
num mesmo cloroplasto, e representam a FASE LUMINOSA de fotossíntese.

 


A fase escura compreende as seguintes etapas:

1.º - 6 moléculas de CO2 e 6 moléculas de H2O reagem com 6 moléculas de um


composto já existente no interior dos cloroplastos ± o RDP (ribulose difosfato). Essa
reação exige:

a)
, que é fornecida pelas moléculas de ATP formadas na fase luminosa

b)  CO2 


, o que é feito pelo NADP.H2, também formado na fase
clara.

2.º - Da reação mencionada resultam 12 moléculas de PGAL (aldeído fosfoglicérico).

3.º - 10 moléculas de PGAL passam por um ciclo de reações que acaba regenerando as
6 moléculas de RDP consumidas pela reação inicial. Portanto, não houve perda de RDP.
As duas moléculas restantes de PGAL se combinam e dão uma molécula de frutose-1,
6-difosfato.

4.º - A molécula de frutose-1, 6-difosfato perde os 2 fosfatos, rearruma os seus átomos e


se constitui em GLICOSE. Está concluída a fotossíntese.

3
 

I ± A fase clara da fotossíntese se transcorre ao nível das membranas internas dos


cloroplastos, notadamente nas lamelas e nos grana. A faz escura passa-se no estroma
dos cloroplastos.

II ± Admite-se que apenas cerca de 3% da energia luminosa que atinge uma planta são
efetivamente ³retidos´ pela clorofila, nos cloroplastos. O restante se perde.

III ± A luz branca é formada pela associação de diversas radiações (vermelho,


alaranjado, amarelo, verde, azul, anil e violeta), cada uma com uma faixa de
comprimento de onda. As radiações azul e vermelha são as que melhor são absorvidas
pela clorofila, permitindo a realização mais intensa da fotossíntese. A radiação verde
praticamente não é absorvida. Logo, uma planta exposta a luz verde não realiza
fotossíntese.