Você está na página 1de 24

COMPLEXOS

Introdução
EQUILÍBRIO DE COMPLEXAÇÃO

De acordo com a Teoria de Lewis, ácidos são espécies receptoras de


pares de elétrons e bases são espécies doadoras de pares de elétrons.
De acordo com as reações 1 e 2 abaixo, nota-se que esta teoria é
complementar à teoria de Arrhenius e de Bronsted-Lowry.

transferência de elétrons da molécula de água (base de Lewis)


para molécula de ácido acético (ácido de Lewis).

a transferência de elétrons da molécula de amônia (base de Lewis) para


molécula de água (ácido de Lewis)

Em ambas, os conceitos de Bronsted-Lowry são obedecidos


A teoria de Lewis nos permite estudar reações envolvendo espécies metálicas na forma de íons, por meio de reações de
complexação, onde o íon metálico atua como um ácido de Lewis que recebe um par de elétrons de uma base de Lewis, que é
denominada como “Ligante”.

2+

Cada molécula de amônia atua como uma base de Lewis doando um par de elétrons isolado para o íon Cu2+,
levando à formação de uma ligação covalente coordenada, e o Cu2+ é um ácido de Lewis – possui um orbital vazio
capaz de receber um par de elétrons.
O produto resultante é um complexo constituído de 4 moléculas de amônia coordenadas ao íon central Cu2+.

Dizemos então que o complexo possui número de coordenação igual a 4 (NC = 4).
Um complexo é um composto poliatômico constituído por um íon central e vários ligantes acoplados a ele.

Os complexos formados são classificados em função de sua carga. Se for um composto neutro, são denominados
“Compostos de Coordenação”. Caso contrário, os íons complexos são classificados como “Catiônicos ou Aniônicos”.
• Fundamentos da Química de Coordenação:
– O Íon Central:
• Condições para o íon central formar complexos :
– raio pequeno;
– carga ou nox elevado;
– disponibilidade de orbitais para acomodar os pares
eletrônicos cedidos pelo ligante.

– O Ligante:
• Qualquer ânion ou molécula com disponibilidade de par eletrônico
não compartilhado.
• Classificação dos ligantes
• Ligantes Monodentados:
• Apenas um par não compartilhado apto a formar a ligação
coordenada.
• Exemplos: NH3, CN-, R-NH2, H2O, etc.

• Ligantes Bidentados:
• Dois pares não compartilhados disponíveis para coordenação.
• Exemplos:
etilenodiamina (en) 2,2-bipiridina (bipy) acetilacetonato (acac)

Exemplo [Co(en)3]3+
• Ligantes Multidentados:
• Mais de dois pares não compartilhado aptos a formar a ligação coordenada.
• Exemplos: EDTA(ácido etilenodiaminotetracético ) - hexadentado.
• Os ligantes polidentados são denominados “agentes quelantes” e seus
complexos são denominados “quelatos”, cuja estabilidade é superior aos
complexos obtidos a partir de ligantes monodentados.
Fórmula dos complexos:

1. Escrita entre colchetes


2. A esquerda o íon central e depois os ligantes, dentro do colchete, [CrCl6]3-
3. Quando os ligantes são diferentes, escrever primeiro o aniônico e depois o neutro, [CrCl4(NH3)2]-
4. A carga do complexo, escrita fora do colchete, é o somatório das cargas do íon central e dos ligantes.

Nomenclatura : IUPAC – Russell – apêndice C -Classroom

1. Primeiro dá-se o nome ao(s) ligante(s) e depois ao íon central, seguido do número de oxidação do metal em
algarismo romano.
2. No caso de íons complexos aniônicos, adiciona-se o sufixo ATO ao nome do metal.

[Cr(NH3)6]3+ íon hexaminocromo (III)

[CrCl6]3- íon hexaclorocromato (III)


3. Ligantes aniônicos: muda-se o sufixo, em alguns casos:
eto , ido tornam-se o
ato e ito permanecem ato e ito
4. Número de ligantes - utiliza-se os prefixos:
-di ; -tri; -tetra; -penta; -hexa para descrever o número de ligantes no complexo.

[Fe (CN)4 (NO)2]2- íon tetracianodinitrosiloferrato (II)

5. Nome doa metais: sufixo ato em complexos aniônicos. Alguns mudam o nome, para o nome de origem:
Encontrando o nox do metal:

[CrCl6]3- íon hexaclorocromato (III)

[Fe (CN)3 (NO)3]- íon tricianotrinitrosiloferrato (II)

Exercícios:

Fornecer a nomenclatura para os complexos abaixo:

a) [Fe(CN)6]4-

b) [Pb(SCN)(NO)3]+
c) [CoCl4(CO)2]2-

d) [PtCl2(NH3)2]

e) [NiBr4 (H2O)2]2-

f) [PbBr2(SCN)4]2-
EQUILÍBRIO DE COMPLEXAÇÃO:

Constante de Formação dos Íons-complexos , Kf:

Constante de instabilidade dos complexos, Ki :


Reações de complexação envolvendo um metal (M) e um
ligante (L), geralmente em solução aquosa, ocorre em várias
etapas:
Exercícios:

a) Calcule a concentração de Hg2+ e Cl- em uma solução 0,25 mol/L de [HgCl4]2- . Dado Kf = 1,66x1016

b) Calcule a concentração de Ag+ e NH3 em uma solução 0,173 mol/L de [Ag(NH3)2]+ . Dado Kf= 1,6x107

c) Calcular a concentração de Zn2+ e NH3 em uma solução 0,268mol/L de [Zn(NH3)4]2+ Dado Ki = 8,7x10-10

d) Calcule a concentração de Ni 2+ e NH3 em uma solução 0,768 mol/L de [Ni(NH3)6]2+ . Dado Kf= 1,02x108
a) Calcule a concentração de Hg2+ e Cl- em uma solução 0,25 mol/L de [HgCl4]2- . Dado Kf = 1,66x1016
b) Calcule a concentração de Ag+ e SCN- em uma solução 0,173 mol/L de [Ag(SCN)2]- . Dado Kf= 1,6x107
c) Calcular a concentração de Zn2+ e NH3 em uma solução 0,268mol/L de [Zn(NH3)4]2+ Dado Ki = 8,7x10-10
d) Calcule a concentração de Ni 2+ e NH3 em uma solução 0,768 mol/L de [Ni(NH3)6]2+ . Dado Kf= 1,02x108