Você está na página 1de 12

 

IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  


“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

CONTRA  OS  TIPOS;  A  FAVOR  DO  LUGAR  


AGAINST  TYPOLOGIES;  FOR  THE  PLACE  
Profa.  Denise  Morado  Nascimento:  dmorado@gmail.com  
Marcela  Silviano  Brandão  Lopes  
Camila  Alberoni  Neves  de  Assis  
Luiza  Bastos  Lages  
Universidade  Federal  de  Minas  Gerais  
 
 
RESUMO/RESUMEN    
O  objetivo  desse  artigo  é  apresentar  argumentos  que  levem  ao  entendimento  de  que  habitação  social  
em  massa  é  ainda  hoje  projetada  por  pressupostos  da  arquitetura  moderna,  calcada  essencialmente  na  
tipologia   como   ponto   de   partida   projetual.   Sendo   assim,   a   produção   habitacional   atual   encontra-­‐se  
distante   da   discussão   teórica   sobre   o   lugar,   as   transformações   urbanas   ao   longo   do   tempo   e   as  
apropriações   do   espaço   público   e   da   moradia,   aspectos   relacionados   à   prática   projetual  
contemporânea  
Palavras-­‐chave:  habitação,  tipologia,  produção  em  massa.  
 
ABSTRACT  
The  aim  of  this  paper  is  to  present  arguments  that  lead  to  the  understanding  that  mass  housing  is  still  
designed  by  the  assumptions  of  modern  architecture,  based  primarily  on  typology  as  a  starting  point  of  
design.   Thus,   the   current   housing   production   is   far   from   the   theoretical   discussion   about   the   place,   the  
urban   changes   over   time   and   the   appropriation   of   public   space   and   housing,   issues   related   to  
contemporary  design  practice.  
Key  words:  housing,  typology,  mass  production.  
 
1. O  PRINCÍPIO  
Os  teóricos  franceses  Jean-­‐Nicolas-­‐Louis  Durand  e  Quatremère  de  Quincy  têm  sido  reconhecidos  como  
precursores   do   discurso   em   prol   do   tipo   como   base   do   conhecimento   histórico   dos   estilos  
arquitetônicos.   Ainda   que   Durand,   em   Recueil   et   parallèle   dês   édifices   (1800),   não   use   o   termo   tipo,  
sistematiza   os   vários   edifícios   da   arquitetura   mundial,   tanto   pela   função   quanto   pelo   padrão   do  
partido  (templos  redondos,  templos  romanos,  templos  gregos,  palácios  de  justiça,  etc.),  conformando  
um   catálogo   historiográfico   de   categorias.   Em   paralelo,   seu   tratado   Précis   des   leçons   d’architecture  
(1802-­‐1805),   apresenta   o   método   de   projetar   a   partir   de   “uma   trama   quadrada   como   base   de  
disposição   das   paredes   e   das   partes   de   sustentação,   as   quais   podem,   à   maneira   de   um   jogo   de  
construção,  juntar-­‐se  em  combinações  coordenadas”  (TEORIA,  2003,  p.328).    
Sob  outra  ótica,  Quatremère  de  Quincy,  em  seu  terceiro  volume  da  Encyclopédie  Méthodique  (1825)  e  
também   no   Dicionarie   Historique   de   L’architecture   (1832),   amplia   o   significado   do   tipo.   Ainda   que  
permaneça  a  visão  historicista  de  Durand,  Quincy  entende  que  o  reconhecimento  da  origem  e  da  causa  
primitiva  do  desenvolvimento  e  das  variações  de  formas  que  nos  antecedem,  todos  produtos  da  ação  
humana,   conforma   o   tipo,   mas   como   uma   ideia   ou   forma   básica   da   arquitetura,   válida   para   imitação,  
condutora  de  inúmeras  possibilidades  se  vinculadas  à  intencionalidade  do  arquiteto  e  ao  contexto  do  
projeto  (PIRES,  2009;  PEREIRA,  2010).    

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

Sabemos   que   a   compreensão   do   que   seja   tipo   não   inscreve-­‐se   apenas   a   partir   da   teoria   francesa   da  
Arquitetura   do   século   XIX.   Anthony   Vidler   (2006),   por   exemplo,   considera   o   conceito   de   tipo  
indissociável   das   origens   da   arquitetura,   desde   os   tempos   de   Vitrúvio.   No   entanto,   é   suficiente  
entendermos  aqui  que  a  palavra  tipo,  àquela  época,  era  muito  bem  empregada  “para  indicar  tanto  as  
formas  e  belezas  ideais,  como  as  categorias  classificatórias  dos  edifícios  e  suas  qualidades  expressivas”  
(PEREIRA,  2010,  p.57).  
A   partir   do   século   XX,   o   tipo   na   arquitetura   passa   a   ser   visto   sob   dois   ângulos   diferentes,   ainda  
ancorados   sob   os   conceitos   de   seus   predecessores,   “como   forma   aplicável   ao   trabalho   de   projeto”,   o  
especificamente   projetual,   e,   depois,   “como   um   território   de   encontro   entre   arquitetos   e   habitantes”,   a  
tipologia   (PERDIGÃO,   2009).   Podemos   dizer   que   o   tipo   é   um   princípio   organizador   da   arquitetura  
referenciado   por   situações   históricas   registradas   ou   analogicamente   vivenciadas,   tanto   formalmente  
quanto   funcionalmente,   incorporadas   cognitivamente   e   culturalmente   pelos   arquitetos   (PERDIGÃO,  
2009).  Sob  o  nosso  ponto  de  vista,  tal  princípio  é  validado  e  legitimado  como  pressuposto  da  prática  
projetual,  historicamente  construído  pelo  campo  de  conhecimento  da  arquitetura.      
A   tipologia   agrega   o   processo   criativo,   muito   além   da   sistematização   ou   da   classificação   dos   tipos,  
assim  colocado  por  Giulio  Carlo  Argan  nos  anos  1960.  Argan  (2006,  p.268-­‐269)  lembra  que,  enquanto  
a  tipologia  é  resultado  “do  processo  histórico  da  arquitetura  e  dos  modos  de  pensar  e  de  trabalhar  de  
certos   arquitetos”,   o   tipo   é   “resposta   a   um   complexo   de   demandas   ideológicas,   religiosas   ou   práticas  
ligadas  a  uma  determinada  situação  histórica  em  qualquer  cultura”,  se  constituindo  “pela  redução  de  
um  complexo  de  variantes  formais  à  forma  básica  comum”.  
À   mesma   época   de   Argan,   Aldo   Rossi   expõe   o   conceito   de   tipo   como   um   “enunciado   lógico”   que  
antecede   a   determinação   da   forma,   mas,   ao   mesmo   tempo,   a   define.   Abordagem   essa   própria   dos  
arquitetos   modernos   funcionalistas   ao   determinarem   a   forma   a   partir   do   tipo   materializado   pela  
função.   Entretanto,   Rossi   analisa   a   cidade   como   “resultante   de   uma   longa   história   incessantemente  
reconstruída”,  oposta  aos  parâmetros  urbanísticos  da  cidade  ideal  planificável  (TEORIA,  2003,  p.782).  
E,  por  isso,  o  tipo,  em  sua  teoria,  integra  “os  traços  de  vida  e  de  uso  de  gerações  inteiras,  elaborados  ao  
longo  dos  séculos,  mantendo-­‐se  durável  e  apto  a  transformar-­‐se”  (TEORIA,  2003,  p.784).    
A   estandardização   de   elementos   e   a   racionalidade   matemática   impostas   pelos   trabalhos   de   Durand  
permitem   conhecer   e   gerar   combinações   diversas   de   diferentes   espécies   de   edifícios.   Mais   à   frente,  
Argan  entende  que  o  tipo  deve  ser  ponto  de  partida  do  processo  projetual,  e  não  ideal  ou  modelo,  na  
medida  em  que  é  a  criatividade  o  elemento  construtor  da  tipologia.  Por  fim,  o  tipo  defendido  por  Rossi  
coloca   o   contexto   histórico   e   cultural   no   centro   da   prática   projetual.   Assim,   a   visão   historicista  
permanece  já  que  a  re-­‐significação  do  espaço  surge  a  partir  de  uma  operação  de  lógica  formal  calcada  
em   associações,   correspondências   e   analogias   presentes   entre   o   “inventário   e   a   memória”   (ROSSI,  
2006).  
Em   1977,   Anthony   Vidler   publica   o   artigo   The   third   typology   na   revista   Oppositions,   onde   associa   os  
alicerces   da   tipologia   ao   ideal   da   natureza   (o   modelo   iluminista   da   cabana   primitiva   de   Laugier   –   a  
analogia   orgânica)   e   ao   sistema   produtivo   modernista   (o   modelo   do   projeto   nascido   do   processo  
industrial   de   Le   Corbusier   –   a   analogia   da   máquina).   E   propõe,   em   seguida,   a   terceira   tipologia,  
associada   à   cidade,   “em   si   e   por   si   uma   nova   tipologia”   (VIDLER,   2006,   p.286).   Para   Vidler,   “uma  
alternativa   promissora   e   racional,   não-­‐arbitrária   e   isenta   de   nostalgia   e   ecletismo”   (NESBITT,   2006,  
p.284).  Nesbitt  (2006,  p.284)  considera  que  o  ensaio  de  Vidler  “leva  a  teoria  da  arquitetura  de  volta  ao  
problema  da  forma”,  mas  tem  “a  cidade  como  origem  dos  tipos  arquitetônicos  pós-­‐modernos”.  
A   essa   altura,   é   evidente   a   distinção   do   uso   modernista   dos   conceitos   de   tipo   e   tipologia   das   primeiras  
elaborações  de  Durand  e  Quincy.  As  argumentações  ocorridas  no  período  pós-­‐moderno  reacendem  o  
debate   sobre   os   conceitos   da   arquitetura   e   a   prática   projetual   do   arquiteto.   No   entanto,   não   é   objetivo  
desse   artigo   superar   os   vários   estudos   teóricos   sobre   as   origens   e   o   uso   do   tipo   e   da   tipologia   na  
arquitetura,   alguns   aqui   referenciados.   Mas,   ao   contrário,   sintetizar,   assim   como   o   fez   Pires   (2009,  
Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

p.244):   “a   abordagem   tipológica   em   Arquitectura   tem   duas   componentes:   a   primeira   é   analítica   e  


refere-­‐se   ao   processo   histórico   da   Arquitectura;   a   segunda   é   conceptual   e   decorre   do   processo  
imaginativo  e  operativo  da  Arquitectura”.    
É  esse  o  nosso  ponto  de  partida  para  a  seguinte  questão:  quais  são  as  repercussões  do  tipo  na  prática  
projetual  da  arquitetura  do  século  XXI  e,  mais  essencialmente,  da  habitação  de  interesse  social?  
 
2. PRODUÇÃO  EM  MASSA  
Depois   da   Primeira   Guerra,   a   produção   habitacional   européia   é   extensivamente   transferida   para   as  
autoridades  locais,  ávidos  a  promover  o  estilo  moderno  que  vinha  sendo  debatido  desde  a  virada  do  
século.  Os  arquitetos,  defensores  do  Neues  Bauen  (nova  construção),  vêem  a  produção  em  massa  como  
um   elemento   crítico   do   pensamento   sobre   a   cidade   moderna.   O   grande   desafio   seria   incorporar   o  
caráter   estilístico,   próprio   da   arquitetura,   em   um   novo   estilo   para   a   produção   de   moradias,   sem  
identidade,  na  medida  em  que  o  usuário  era  desconhecido.    
Nesse   cenário,   os   arquitetos   modernistas   alemães,   entre   eles,   Walter   Curt   Behrendt   e   Albert   Eric  
Brinckmann,   apresentam   respostas   em   torno   da   organização   espacial   da   cidade,   refletindo   as  
condições   sociais   e   materiais   do   período.   Brinckmann   entende   que   a   habitação   pública   interfere   na  
paisagem   urbana;   contudo,   recusa-­‐se   a   tomar   o   modo   de   expressão   (ou   espírito   de   época)   das   cidades  
antigas   como   modelo.   Ao   contrário   de   Camillo   Sitte,   foca   seus   estudos   às   leis   da   forma  –   o   tipo,   como   a  
primeira   ideia   geral   da   forma   moderna   em   prol   de   novas   formas   de   morar  –   as   novas   tipologias.   Nesse  
bojo,  Behrendt  defende  a  fusão  de  casas  alinhadas,  gerando  um  todo  maior,  como  técnica  deliberada  
para   dar   forma   ao   espaço,   e   promovendo,   a   partir   daí,   o   apelo   estético.   Em   sua   concepção,   o   espaço   da  
rua   associado   a   uma   massa   auto-­‐suficiente   é   mais   fácil   de   ser   controlado   do   que   uma   variedade   de  
residências  individuais  e  isoladas  (ENGEL;  HEER,  2008).  
A   padronização   de   plantas   residenciais   é   acelerada   nesse   período.   E,   assim,   todos   os   elementos   da  
arquitetura  moderna  são  incorporados  pelo  Neues  Bauen,  incluindo  a  descentralização  dos  conjuntos  
habitacionais,   a   estandardização   dos   elementos   construtivos,   a   racionalização   do   processo   construtivo  
e  a  ornamentação  do  projeto  apenas  pela  forma  e  pela  massificação  (GUTSCHOW,  1993).  
Esse   momento   é   intensamente   explorado   pelo   arquiteto   alemão   Ernst   May,   a   partir   de   1925,   cuja  
proposta  de  unidade  habitacional  é  associada  à  padronização  de  espaços  mínimos  imprescindíveis  ao  
homem   moderno:   estar,   comer,   dormir,   lavar   e   cozinhar   –   o   espírito   do   existenzminimum  
(necessidades  mínimas)  que  se  torna  tema  do  CIAM  de  1929,  em  Frankfurt.  
A  partir  da  teorização  alemã  sobre  a  produção  em  massa,  as  propostas  habitacionais  holandesas  são  
apresentadas   pelos   arquitetos   Hendrik   Petrus   Berlage   e   J.   J.   P.   Oud.   No   ano   de   1918,   o   panfleto  
Normalisatie  in  woningbouw  (Standardisation  in  housing),  descrevendo  a  palestra  de  H.  P.  Berlage,  com  
30   ilustrações   e   sugestões   de   J.   Van   der   Waerden,   é   divulgado   pelo   governo,   explicitando   medidas  
drásticas   para   combate   ao   grande   déficit   habitacional   holandês.   Entre   as   medidas,   estão   a  
uniformização  de  plantas,  detalhes  e  elementos  construtivos.  
Em   paralelo,   Oud,   em   seu   artigo   intitulado  Bouwkunst   en   normalisatie   bij   den   massabouw   (Architecture  
and  standardisation  in  mass  construction),  afirma  que  na  construção  de  casas  particulares  o  arquiteto  
pode   gozar   do   privilégio   da   prática   de   projeto   tradicional;   mas,   no   caso   da   construção   em   massa,   o  
crescimento   dos   métodos   industriais   e   dos   materiais   modernos   demanda   que   o   critério   da   construção  
de   casas   particulares   seja   deixado   de   lado   (BEISCHER,   2004).   Influenciado   por   Berlage,   Oud   explica   que  
o  espírito  moderno  não  é  definido  pelo  indivíduo  (interno:  a  casa),  mas  pela  multidão  (externo:  a  rua  e  
a  cidade)  (ENGEL;  HEER,  2008).  Assim,  Oud  parte  da  quadra  do  século  XIX,  considerada  perfeita,  para  
construir   a   sua   proposta   de   tipos-­‐padrão   em   blocos   alinhados   em   proporção   e   ritmo   na   paisagem  
urbana.  

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

 
 
 

 
Figura  1  –  Proposta  para  casas,  Ernst  May,  1921   Figura  2  –  Tussendijken,  J.  J.  P.  Oud,  1921  
Fonte:  ENGEL,  HEER,  2008.   Fonte:  WIKIPEDIA,  2012.  

 
Nesse  momento,  críticas  à  massificação  habitacional  começam  a  surgir.  O  arquiteto  holandês  Theo  van  
Doesburg,   inicialmente   simpatizante   às   ideias   de   Oud,   rejeita   não   apenas   qualquer   noção   de   forma  
como   reflexo   de   conteúdo,   mas   também   os   princípios   alemães   de   simetria   e   repetição.   Segundo  
Doesburg,   caixas   residenciais   e   unidades   habitacionais   de   acordo   com   uma   tipologia   ou   padrão  
particular  tornam  a  atividade  da  construção  mecânica  e  repetitiva;  a  (aparente)  economia  espacial  (ou  
normalização),  organizada  ao  nível  da  cidade,  forma  um  obstáculo  à  plástica  da  construção  e  à  plástica  
do  próprio  espaço  urbano.  (ENGEL;  HEER,  2008).  
O   debate   sobre   a   produção   em   massa   parte   da   crítica   sobre   a   universalidade   da   aplicação   dos   tipos,  
associada   ao   apelo   plástico   e   estético,   historicamente   construído   pela   arquitetura,   mas,   assim,  
espoliado.   Reconhece-­‐se,   contudo,   que   a   massificação   é   possível   somente   porque   no   processo   de  
produção   da   sua   moradia,   o   indivíduo   é   excluído.   Ou   em   outras   palavras,   não   só   as   funções   são  
universalizadas  por  meio  do  tipo,  mas  o  próprio  indivíduo.  Foucault  (1979)  alerta  que  a  produção  em  
massa   é   uma   prática   política   disciplinar   no   sentido   da   organização   do   espaço,   mas,   essencialmente,   do  
corpo,  sendo,  ao  fim,  controle  social.  
Por   um   lado,   não   parece   ser   difícil   entender   que   a   produção   em   massa   nega   o   indivíduo,   passivamente  
justificada  em  razão  da  urgência  pela  eficiente,  econômica  e  rápida  realização  de  um  grande  número  
de  unidades  habitacionais.  Habraken  (2011)  entende  que  o  conflito  resultante  entre  a  exclusão  da  ação  
individual   de   cada   morador   e   a   desejada   uniformidade   massiva,   indica   que   há   aí   uma   conexão  
intrínseca   entre   homem   (morador)   e   método   (projeto).   O   argumento   tecnicista   moderno   (a   analogia  
da  máquina)   -­‐  tipos  rígidos  e  mínimos  alinhados  à  eficiência  de  tipologias  de  blocos  e  massas  -­‐  oculta  a  
redução  do  indivíduo  a  um  consumidor  e  da  moradia  a  um  produto.  Longe  de  se  ver  a  moradia  como  
processo  social  ou  como  relação  natural  entre  o  homem  e  o  ambiente  construído  (HABRAKEN,  2011).  
 
3. TIPOLOGIA  ASSOCIADA  À  PRODUÇÃO  EM  MASSA    
No   Brasil,   a   partir   do   primeiro   governo   Vargas   (1930-­‐1945),   a   moradia   passa   a   ser   condição   básica   de  
reprodução  de  força  de  trabalho  para  que  a  industrialização  pudesse  ser  assentada,  ou  seja,  torna-­‐se  
pauta  da  agenda  política  e  econômica.  Em  razão  disso,  o  governo  dá  início  a  uma  fase  de  incentivo  à  
produção  intelectual  em  instituições  públicas  e  privadas,  em  busca  de  soluções  para  o  crescente  déficit  
habitacional,   especialmente   baseadas   no   aperfeiçoamento   e   na   racionalização   de   processos  
produtivos.  De  uma  maneira  geral,  os  trabalhos  apresentados  tratam  a  habitação  em  três  aspectos:  (1)  
o   técnico,   demonstrado   nas   propostas   de   construções   baratas   e   mínimas;   (2)   o   higiênico,   prescrito  

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

dentro  da  ordem  sanitária  vigente;  e  (3)  o  moral,  considerado  elemento  fundamental  na  construção  do  
país  (SAMPAIO,  2002).    
Os   debates   intelectuais   e   políticos   da   época   acumulam   argumentos   em   defesa   da   alteração   de   padrões  
técnicos   e   estéticos   para   viabilizar   a   nova   moderna   forma   de   morar,   propagada   pelos   arquitetos   nos  
CIAM’s  –  instauração  de  relações  sociais  utilitárias,  produção  em  série,  economia  de  área  construída  e  
de   materiais,   uso   de   novas   tecnologias   (principalmente   o   concreto   armado,   solução   ancorada   pela  
pressão   da   indústria   do   cimento)   e   uniformidade,   racionalidade   e   funcionalidade   dos   projetos   e   da  
cidade.  
Vidler   (2006,   p.285)   considera   que   a   tipologia   elaborada   para   enfrentar   o   problema   moderno   da  
produção   em   massa   tem   como   pressuposto   a   tecnologia   de   produção,   para   incorporar   “as   formas   mais  
progressistas  da  época”;  assim,  “a  missão  da  arquitetura,  como  agente  do  progresso”,  é  aceitar  e,  talvez  
mesmo,  dominar  essas  formas.  
Uma   importante   pesquisa   -­‐   Habitação   Econômica   e   Arquitetura   Moderna   no   Brasil   (1930-­‐1964),  
conduzida  por  Nabil  Bonduki,  resgata  o  papel  do  movimento  moderno  no  processo  da  viabilização  da  
nova   forma   de   morar   (KOURY,   BONDUKI,   MANOEL,   2003).   Dentro   da   amplitude   dos   projetos  
analisados,   Koury,   Bonduki   e   Manoel   (2003),   destacam   o   conjunto   Realengo   com   2   mil   unidades,   de  
Carlos  Frederico  Ferreira,  em  1940.  Na  perspectiva  de  possibilitar  uma  produção  em  massa,  Ferreira,  
usando   talvez   pela   primeira   vez   no   Brasil   o   termo   tipo,   denomina   os   agrupamentos   das   unidades  
habitacionais   por   meio   de   letras   e   números   (A1,   A2,   B,   etc...),   cada   um   expressando   uma   solução  
habitacional:   casa  isolada,  geminada   duas  a   duas,   casas   sobrepostas,   casas   em   fileiras,   blocos.   (KOURY,  
BONDUKI,   MANOEL,   2003,   p.5).   A   sistematização   tipológica   de   Ferreira   torna-­‐se   referência   para   os  
projetos   habitacionais   no   Brasil   que   viriam   a   seguir,   sempre   calcados   pelos   atributos   modernos   –  
produção   em   série,   estandardização   e   padronização,   espaço   mínimo   racionalizado.   Confirma-­‐se,   a  
partir   daí,   os   componentes   analíticos   e   conceituais   dos   processos   histórico,   imaginativo   e   operativo  
das  tipologias  habitacionais  no  Brasil.  
No  estudo  de  Koury,  Bonduki  e  Manoel  (2003),  a  análise  da  tipologia  blocos  é  bastante  extensa  e  será  
aqui   explicitada   em   razão   da   significativa   replicação   dessa   tipologia   em   programas   habitacionais  
atuais,   tanto   federais,   como   o   Minha   Casa   Minha   Vida   (MCMV),   quanto   municipais,   promovidos   pela  
Companhia   Urbanizadora   e   de   Habitação   de   Belo   Horizonte   (URBEL).   Em   23   projetos   de   conjuntos  
habitacionais  brasileiros,  três  importantes  modelos  foram  identificados:1  
 
1)  blocos  compostos  por  uma  caixa  de  escada  para  cada  duas  unidades:  
“Modelo   usado   para   as   habitações   de   interesse   social   na   Alemanha,   […]   compostas   por   edifícios  
laminares   que,   do   ponto   de   vista   urbanístico,   ajudam   a   organizar   os   acessos,   separando   pedestres   e  
veículos  em  vias  diferentes”  (KOURY,  BONDUKI,  MANOEL,  2003,  p.8).  
 

1  As  soluções  exclusivamente  adotadas  no  conjunto  residencial  de  Lagoinha,  em  Belo  Horizonte-­‐MG,  do  Eng.  White  Lírio  da  

Silva  (bloco  com  pátio  interno),  e  no  conjunto  Areal,  Rio  de  Janeiro,  do  Eng.  João  Carlos  Vital  (blocos  em  “Y”)  não  estão  aqui  
apresentadas.  
Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

Figura  3  -­‐  Gros  Bad  Dürrnberg,  1930   Figura  4  -­‐  IAPI,  1940,  Realengo,  RJ,  Arq.  Carlos  F.  Ferreira,  2347  unidades  
Fonte:  http://commons.wikimedia.org   Fonte:  KOURY,  BONDUKI,  MANOEL,  2003,  p.10  

 
2)  blocos  em  "H"  com  uma  caixa  de  escada  para  cada  quatro  unidades:  
 

Figura  5  -­‐  IAPC,  1950,  Del  Castilho,  RJ,  1077  unidades  


Fonte:  KOURY,  BONDUKI,  MANOEL,  2003,  p.13  

 
“[…]a   solução   típica   de   agenciamento   das   unidades   é   dispor   as   áreas   mais   valorizadas   (salas   e  
dormitórios)   nas   faces   opostas   às   da   circulação   e   as   áreas   de   serviço   dando   para   estas,   aproveitando   o  
espaço  da  caixa  de  escadas  também  como  fosso  de  iluminação.  O  problema  ocorre  na  orientação  dos  
blocos  que  ao  privilegiar  um  dos  lados  com  a  melhor  insolação,  necessariamente  prejudicará  o  outro”  
(KOURY,  BONDUKI,  MANOEL,  2003,  p.8).  Este  modelo  é  bastante  difundido  no  período  do  BNH.  
 
3)  blocos  laminares:  
“[...]   composto   por   caixa   de   circulação   que   acessa   um   grande   corredor   coletivo,   baseado   no   modelo   da  
Unidade   de   Habitação   de   Marselha   [...]”.   “Embora   o   rendimento   das   circulações   coletivas   não   seja  
comparável  aos  modelos  anteriores,  as  possibilidades  de  variação  e  adensamento  que  permitem  não  
foi   motivo   suficiente   para   que   ele   se   difundisse   como   solução   preferencial   dos   conjuntos   habitacionais  
empreendidos  pelos  IAP's  e  muito  menos  daqueles  realizados  no  período  do  BNH”  (KOURY,  BONDUKI,  
MANOEL,  2003,  p.9).  

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

Figura  6  -­‐  Unidade  de  Habitação,   Figura  7  -­‐  Pedregulho,  1945,  RJ,  Arq.  Afonso  Eduardo  Reidy,  478  unidades  
Marselha,  Arq.  Le  Corbusier,  1947-­‐52   Fonte:  KOURY,  BONDUKI,  MANOEL,  2003,  p.15  
Fonte:  FRAMPTON,  1997  

Enquanto  arquitetos,  técnicos  e  setores  públicos  promovem  os  princípios  de  economia,  racionalidade,  
estandardização   e   a   introdução   de   novos   materiais   e   tipologias,   as   relações   sócio-­‐econômicas   e   a  
capacidade   aquisitiva   bem   como   os   hábitos   e   práticas   culturais   dos   trabalhadores   são   ignorados.   A  
solução   habitacional   é   reduzida   ao   espaço   de   morar   genérico,   repetitivo   e   mínimo   (25   a   50   m2)   em  
uma   lógica   de   produção   lucrativa   para   os   investidores   privados   viabilizada   pela   simplificação,   rapidez  
e  barateamento  dos  processos  de  projeto  e  construção.  
 

Figura  8  -­‐  Conjunto  Jones  Santos  Neves,   Figura  9  -­‐  Apartamento  de  2  quartos   Figura  10  -­‐  Apartamento  de  2  quartos  
Vitória,  264  un.  de  2  quartos  (47,72  m2)   destinado  ao  programa  MCMV.   destinado  ao  programa  Vila  Viva  
e  584  un.  de  3  quartos,  1975.   Fonte:  Folheto  informativo   (URBEL)  em  Belo  Horizonte.    
Fonte:  BANCO  NACIONAL  DE   ilustrativo  de  construtora  em  Belo   Fonte:  http://portalpbh.pbh.gov.br,  
HABITAÇÃO,  1979   Horizonte,  acervo  próprio   2012  

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

Um   olhar   comparativo   entre   a   produção   habitacional   do   BNH,   MCMV   e   URBEL   permite-­‐nos   inferir   que  
o  tipo  (2  ou  3  quartos,  somados  à  sala  e  cozinha,  isto  é,  a  tripartição  mínima)  e  a  tipologia  associada  ao  
sistema   produtivo   moderno   (estrutura   de   concreto   ou   alvenaria   estrutural),   presente   na   prática  
projetual   dos   arquitetos   modernos,   ainda   permanece   como   componente   analítico   e   conceitual   da  
produção   contemporânea   da   habitação   social.   Nesse   cenário,   a   emergência   da   quantificação   e  
produção   das   unidades,   revelada   no   início   do   século   XX   e   preservada   até   os   dias   de   hoje,   torna-­‐se  
norma  e  impedimento  para  que  transformações  urbanas  incorporem-­‐se  à  cidade  contemporânea.  
 
4. O  LUGAR  NA  PRÁTICA  PROJETUAL    
A   terceira   tipologia   proposta   por   Vidler   (2006,   p.286)   é   uma   crítica   explícita   ao   modo   de   morar  
moderno,   referenciando-­‐se   à   cidade   como   nova   tipologia   per   se,   “completa   e   pronta   para   ser  
decomposta   em   fragmentos”.   E   continua:   “a   experiência   acumulada   da   cidade,   seus   espaços   públicos   e  
suas   formas   institucionais   permite   compreender   uma   tipologia   que   desafia   uma   leitura   literal   da  
função,   mas   que,   ao   mesmo   tempo,   assevera   outro  nível  de  relação  com  uma  tradição  continuada  de  
vida  urbana”  (VIDLER,  2006,  p.287).    
Se   incorporarmos   à   essa   discussão   o   informacionalismo   contemporâneo   como   fonte   de   geração   de  
formas  e  processos  sociais  e  espaciais,  assim  referenciado  por  Castells  (2006),  teremos  a  cidade  atual  
conformada  por  espaços  de  fluxos,  e,  em  oposição,  o  espaço  de  lugares.  Aqui,  movimentos  de  resistência  
fazem-­‐se  presentes,  fundamentados  por  “interações  cotidianas  com  o  ambiente  físico  delimitado”,  mas  
fortalecidos   a   partir   de   “pontes   culturais,   políticas   e   físicas   entre   essas   duas   formas   de   espaço”  
(CASTELLS,  2006,  p.518).    
Por  um  lado,  a  interação  cotidiana  como  alicerce  do  espaço  de  lugares  pode  erroneamente  provocar  a  
retomada   do   conceito   de   identidade   do   lugar.   Essa   abordagem   fenomenológica   é   reforçada   por  
Norberg-­‐Schulz   (2006)   ao   definir   o   lugar   como   relação   interdependente   entre   o   espaço   –   a  
organização   tridimensional   dos   elementos,   e   o   caráter   –   a   qualidade   do   ambiente.   Assim,   o   lugar   é  
conformado  pela  estrutura  espacial   constituída   do   sentimento   de   pertencer.   Por   outro   lado,   o   processo  
da   universalização   do   espaço,   presente   no   espaço   de   fluxos   e   calcado   pela   vocação   do   lugar,   pode  
transformar   as   cidades   em   mercadorias   atraentes   e   competitivas   entre   si.   Tais   espaços   tornam-­‐se  
interessantes,  mas  exclusivamente  sob  a  lógica  de  mercado,  na  qual  grande  parte  da  população  acaba  
ficando  excluída  (ARANTES,  1998).    
Ao   contrário,   a   associação   entre   cidade   e   experiência,   proposta   por   Vidler,   aproxima-­‐se   do   conceito   de  
urbano  proposto  por  Lefebvre  (2008,  p.85):  “trata-­‐se,  antes,  de  uma  forma,  a  do  encontro  e  da  reunião  
de   todos   os   elementos   da   vida   social,   desde   os   frutos   da   terra   (trivialmente:   os   produtos   agrícolas)   até  
os  símbolos  e  as  obras  ditas  culturais”.    
É   inevitável   a   compreensão   da   cidade   se,   e   apenas   se,   subordinada   à   vida   social;   ou   seja,   a   cidade   é  
lugar  onde  as  práticas  sociais  acontecem  e  os  que  ali  vivem,  ao  reconhecê-­‐la,  agem,  ao  longo  do  tempo.  
Ora,   se   a   cidade   está   vinculada   às   estruturas   sociais   cabe   pressupor   que   há   condições   sociais,   mas  
também   físicas,   ambientais,   culturais,   históricas,   econômicas   e   políticas,   presentes   ali.   Condições   essas  
que   são   transformadas   ao   longo   do   tempo,   e   por   isso,   dão   forma   ao   lugar.   Nesse   sentido,   o   lugar   é  
muito   mais   do   que   identidade   ou   vocação.   Lugar   é   a   tessitura   do   processo   espaço-­‐tempo,   uma   tarefa  
inacabada   na   medida   em   que   há   a   contínua   geração   de   novas   trajetórias   e   novas   configurações  
(MASSEY,  2009).  
A   partir   da   leitura   do   lugar,   a   produção   do   espaço   urbano   caminha   ao   lado   da   possibilidade   de   se  
extrair  subsídios  para  a  geração  da  estratégia  de  projeto  –  a  operacionalização,  exploração,  análise  e  
manipulação   de   informações   verbais   que   deflagram   decisões   formais.   O   gesto   plástico   casual   que  
antecipa   uma   resposta   espacial   não   comparece.   Também   não   se   confunde   com   o   propósito   do  

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

contextualismo   ou   do   historicismo   na   medida   em   que   as   formas   resultantes   dessas   abordagens   são  


adaptações  ao  lugar,  às  tipologias  existentes  ou  aos  processos  históricos.  
Não  há  prática  projetual  coerente  com  o  lugar  (e  a  cidade)  sem  que  os  arquitetos,  mas  também  todos  
os   outros   agentes   envolvidos,   reconheçam   as   informações   sobre   o   mesmo.   Isso   significa   tomar   posse  
das  informações,  pertinentes  à  tessitura  do  lugar,  que,  uma  vez  coletadas,  representadas  e  analisadas,  
mostram-­‐se   ser   os   melhores   instrumentos   para   um   projeto   como   processo   investigativo.   Dessa  
maneira,   a   estratégia   de   projeto   acolhe   percursos   de   interpretação   e   de   decisões   em   busca  
de   respostas   às   situações   de   projeto   adequadas   e   coerentes   para   a   cidade   (e   não   soluções   para  
problemas).   Soriano   (2009)   qualifica   tais   instruções   como   positivamente   incompletas   na   medida   em  
que   não   são   cristalizadas   no   tempo.   E,   por   serem   formas   incompletas,   os   usos   do   espaço   podem   ser  
inseridos  e  transformados.  
Nesse   cenário,   não   é   mais   possível   ver   a   produção   habitacional   como   resultado   de   necessidades  
programáticas  imediatas,  reduzidas  às  funções  de  estar,  comer,  dormir,  lavar  e  cozinhar  pré-­‐concebidas  
por   tipologias   congeladas,   materializáveis   em   um   determinado   sítio   físico   e   adaptadas   em   razão   da  
relação   histórica   indivíduo-­‐ambiente.   O   lugar,   esse   amplo   e   complexo   conjunto   de   informações,  
constitui-­‐se   pelas   dimensões   estéticas,   funcionais   e   tecnológicas,   próprias   da   modernidade,   mas  
também   somam   as   dimensões   sociais,   políticas,   econômicas,   culturais,   históricas   e   ambientais,  
operando  as  relações  entre  objetos,  conteúdos  e  cidadãos.  
Há  vários  exemplos  da  produção  habitacional  elaborados  por  arquitetos  contemporâneos,  incluindo-­‐se  
os   relacionados   ao   movimento   Open   Building   (Arquitetura   Aberta),2   que   refletem   a   abordagem   da  
leitura  do  lugar.  Segue,  aqui  como  exemplo,  contraproposta  do  grupo  de  pesquisa  Praxis  da  Escola  de  
Arquitetura   da   UFMG   elaborada   para   a   implantação   de   um   empreendimento   habitacional   em   Belo  
Horizonte.    
Na   área   estabelecida,   a   Urbel   pousa   o   (estático)   tipo-­‐bloco   “H”   dos   anos   1950,   de   tal   forma   que:   (1)  
subestima   a   topografia   e   geomorfologia   dos   terrenos,   extremamente   íngremes   em   sua   grande   maioria,  
na   medida   em   que   exige   ser   locado   em   platôs;   (2)   secciona   bairros   e/ou   comunidades   consolidadas  
por   meio   da   sua   associação   à   grandes   avenidas   de   circulação   de   automóveis,   impedindo   o   encontro   de  
pedestres  em  espaços  públicos;  (3)  torna  os  cômodos  imutáveis,  visto  que  as  paredes  são  portantes  em  
blocos  de  concreto;  (4)  reforça  espaços  socialmente  hierarquizados,  já  que  não  permite  o  uso  misto  ou  
a  expansão;  (5)  espelha  a  imagem  da  família  tradicional,  definida  por    2  ou  3  quartos,  sala,  banheiro  e  
cozinha;  (6)  desvela  a  produção  em  massa  do  século  XIX  por  meio  da  combinação  única  de  elementos  
repetitivos;   (7)   impede   a   participação   real   e   efetiva   dos   moradores,   visto   que   os   projetos   estão  
definidos  a  priori.  
O   projeto   Praxis,   ao   contrário,   entende   as   dimensões   estéticas,   funcionais,   tecnológicas,   sociais,  
políticas,   econômicas,   culturais,   históricas   e   ambientais   do   lugar,   e   estabelece   estratégia   de   projeto  
que:  (1)  preserva  ambientalmente  as  encostas;  (2)  prioriza  os  percursos  dos  pedestres;  (3)  permite  a  
transformação  e  apropriação  dos  espaços  privados  e  públicos;  (4)  permite  usos  mistos;  (5)  otimiza  o  
uso   de   materiais   industrializados,   dentro   de   uma   combinação   inteligente   mas   não   repetitiva;   (6)  
flexibiliza  o  projeto  no  que  se  refere  às  divisões  internas,  aos  localização  dos  pontos  de  infraestrutura  
e  às  expansões;  (7)  implanta  processos  compartilhados  de  produção  do  espaço  entre  técnicos,  poder  

2   O   movimento   Open   Building   é   conhecido   internacionalmente   pela   organização   dos   processos   de   tomada   de   decisões   no  

projeto  e  na  produção  do  espaço  construído  por  meio  de  intervenções  balanceadas  de  seus  envolvidos,  no  que  se  refere  ao  
tecido   urbano   (morfologia   espacial   e   as   atividades   humanas),   à   infra-­‐estrutura   urbana   e   na   estrutura   da   edificação,   aos  
componentes   que   fazem   o   espaço   ser   habitável   (recheio)   e   ao   mobiliário.   As   configurações   dessas   inter-­‐relações   são  
propostas   por   meio   de   elementos   físicos   e   clusters   decisórios   hierárquicos. Os   conceitos   do   Open   Building   abarcam   as  
seguintes  premissas:  (1)  os  processos  do  projeto  e  da  construção  do  espaço  devem  ser  decididos  por  seus  usuários  e  pelos  
diversos   profissionais   e   participantes   envolvidos;   (2)   as   soluções   técnicas   devem   permitir   a   substituição   de   sistemas,   mas  
preservando  as  funções  do  todo;  (3)  o  ambiente  construído  deve  ser  compreendido  como  um  produto  em  evolução  e  passível  
de  constante  transformação.  Mais  informações  ver:  <http://www.arq.ufmg.br/praxis/2_ob/index.htm>  
Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

público   e   moradores   por   meio   da   definição   do   que   sejam   as   decisões   coletivas   e   as   individuais;   (8)  
respeita  o  modo  de  viver  dos  moradores  e  a  vinculação  social  existente  entre  eles.  
 
declividade   moradias  –  estruturas  flexíveis  
 

 
áreas  ocupáveis  

 
  moradias  –  estruturas  fixas  
platôs  por  níveis    
 

 
ocupação  pedestres,  acesso  das  moradias  e  espaços  públicos  

 
   
implantação  elaborada  pelo  PRAXIS   implantação  elaborada  pela  URBEL  

   
Figura  12  –  Implantação  de  200  moradias,  elaborada  pelo  grupo  PRAXIS  em  contraproposta  ao  programa  Vila  Viva,  URBEL.  
Fonte:  Grupo  de  pesquisa  PRAXIS  3  

 
O   ponto   comum   das   duas   propostas   é   o   adensamento   equivalente,   demonstrando   que   outras  
premissas   qualitativas   podem   preservar   respostas   quantitativas   pré-­‐estabelecidas   pela  
municipalidade.    
Outro   exemplo   referente   à   abordagem   do   lugar   como   ponto   de   partida   da   produção   da   moradia   é   a  
autoconstrução.   Ou   seja,   o   modo   informal   no   qual   as   pessoas   constroem,   aumentam,   adicionam   ou  
improvisam   suas   casas   –   processo   sócio-­‐tecnológico   em   evolução   e   transformação   constante,   indica  
que   há,   inegavelmente,   conhecimento   implícito,   lucidez   e   capacidade   crítica   por   parte   dos  

3   Resultados   da   pesquisa   “Os   processos   produtivos   da   autoprodução   de   moradias:   a   abordagem   da   prática   informacional”,  

financiada  pelo  CNPq.  Mais  informações  ver:  <http://www.arq.ufmg.br/praxis/4_auto/>.  


Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

autoconstrutores   na   escolha   e   na   avaliação   das   opções   que   possam   atender,   com   flexibilidade,   suas  
necessidades   e   aspirações   individuais,   em   relação   não   só   às   tecnologias,   aos   materiais   e   sistemas  
construtivos  e  à  execução,  mas  também  ao  financiamento  ou  gerenciamento.    
As   pessoas   constroem,   ao   longo   do   tempo,   um   corpo   de   conhecimento   substancial   sobre   como   melhor  
construir  e  conectarem-­‐se  à  infra-­‐estrutura  e  aos  serviços  urbanos,  bem  como  se  beneficiarem  ou  se  
esquivarem   das   autoridades   públicas.   É   um   processo   de   fazer   e   aprender   através   de   experiências  
individuais,  repassadas  a  outros  de  maneira  formal  e  informal  (HAMDI,  1991).  Assim,  o  saber-­‐fazer  a  
moradia  (como,  quando,  onde  e  a  que  custo)  é  gerado  por  informação  e  esta  se  transfere  pelas  redes  
sociais.  
Entendemos,   ao   final,   que   a   leitura   do   lugar   como   ponto   de   partida   projetual   permite   a   inserção  
urbana   de   forma   coerente   com   a   cidade.   Sendo   assim,   as   decisões   nos   processos   de   projeto   e   da  
produção   do   espaço   urbano   incorpora   a   variável   tempo   –   a   quarta   dimensão   –   permitindo  
apropriações  e  transformações  sócio-­‐espaciais,  não  tipologicamente  programadas.  
Tratando-­‐se  da  produção  habitacional  em  massa,  há  de  se  exemplificar  a  leitura  do  lugar  por  projetos  
que   acolhem   não   só   a   transformação   dos   espaços   ao   longo   do   tempo,   que   por   si   só   desconstroem   o  
argumento   da   tipologia   como   ponto   de   partida   projetual,   mas   também   o   morador   como   agente  
participativo   do   processo   de   projeto   e   produção   da   casa.   Nesse   âmbito,   os   projetos   rebatem   os  
modelos   tipológicos   rígidos,   resultantes   de   determinações   formais,   construtivas   e   técnicas   do   setor   da  
indústria   da   construção   ou   do   estado.   Além   disso,   inserem   o   morador   na   cidade   a   partir   das   reais  
possibilidades  de  apropriação  coletiva  e  individual  dos  espaços  públicos  e  da  moradia.  
 
5. AGRADECIMENTOS  
Pelo  apoio  financeiro  e  institucional:  CNPQ,  Fapemig,  ProEx/UFMG,  Capes.  
 
6. REFERÊNCIAS  BIBLIOGRÁFICAS  
ARANTES,  O.  Urbanismo  em  Fim  de  Linha.  In:  ARANTES,  O.   Urbanismo  em  Fim  de  Linha.  São  Paulo:  EDUSP,  1998.  
p.131-­‐142.    
ARGAN,  G.  C.  Sobre  a  tipologia  em  arquitetura.  In:  NESBITT,  K.  Uma  nova  agenda  para  a  arquitetura.  São  Paulo:  
Cosac  Naify,  2006.  p.268-­‐273.  
BANCO  NACIONAL  DE  HABITAÇÃO.  BNH:  Projetos  sociais.  BNH:  Rio  de  Janeiro,  1979.  
BEISCHER,   T.   G.  Great   expectations:   provisional   modernism   and   the   reception   of   J.   J.   P.   Oud.   Tese.   Cambridge:   MIT,  
2004.  
CASTELLS,  M.  O  espaço  de  fluxos.  In:_____.  A  sociedade  em  rede.  São  Paulo:  Paz  e  Terra,  2006.  p.  467-­‐521.  (A  era  da  
informação:  economia,  sociedade  e  cultura;  v.1).    
ENGEL,   H.;   HEER,   J.   de.   Cityscape   and   Mass   Housing.   In:   OASE   Journal   of   Architecture.   Rotterdam:   OASE,   n.   75,  
2008.  p.33-­‐57  
FOUCAULT,  M.  Microfísica  do  poder.  26  ed.  Rio  de  Janeiro:  Ed.  Graal,  1979.  
FRAMPTON,  K.  História  crítica  da  arquitetura  moderna.  São  Paulo,  Martins  Fontes,  1997.  
KOURY,   A.   P.;   BONDUKI,   N.;   MANOEL,   S.   K.   Análise   tipológica   da   produção   de   habitação   econômica   no   Brasil  
(1930-­‐1964).   In:   DOCOMOMO   Arquitetura   e   Urbanismo   Modernos:   Projeto   e   Preservação,   5,   São   Carlos,   2003.  
Disponível  em  http://www.docomomo.org.br.  Acesso  em  Out.  2010.  
GUTSCHOW,   K.   Revising   the   Paradigm:   German   Modernism   as   the   Search   for   a   National   Architecture   in   the  
Writings   of   Walter   Curt   Behrendt.   Carnegie   Mellon   University,   Paper   24,   1993.   Disponível   em  
http://repository.cmu.edu/architecture/24.  Acesso  em  4  de  Março  de  2012.  
Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br
 
IV  Congresso  Brasileiro  e  III  Congresso  Ibero-­‐Americano  Habitação  Social:  ciência  e  tecnologia  
“Inovação  e  Responsabilidade”  
 
12  a  15  de  novembro  de  2012,  Florianópolis  

HABRAKEN,  N.  J.  Supports:  an  alternative  to  mass  housing.  2.ed.  UK:  Urban  International  Press,  2011.  
HAMDI,  N.  Housing  without  houses.  London:  Intermediate  Technology  Publications  Ltd.,  1995.  
LEFEBVRE,  H.  Espaço  e  Política.  Belo  Horizonte,  Editora  UFMG,  2008  
NESBITT,  K.  Uma  nova  agenda  para  a  arquitetura.  São  Paulo:  Cosac  Naify,  2006.  
MASSEY,  Doreen.  Pelo  espaço.  Rio  de  Janeiro:  Bertrand  Brasil,  2009.  
MORADO  NASCIMENTO,  D.  A  Arquitetura  como  procedimento  e  o  diagrama  como  seu  instrumento  de  projeto.  In:  
PROJETAR,  5,  2011,  Belo  Horizonte.  Anais...  Belo  Horizonte:  UFMG,  2011.  1  CD-­‐ROM.  
NORBERG-­‐SCHULZ,   C.   O   fenômeno   do   lugar.   In:   NESBITT,   K.   Uma   nova   agenda   para   a   arquitetura.   São   Paulo:  
Cosac  Naify,  2006.  p.444-­‐461.  
PERDIGÃO,  A.  K.  de  A.  V.  Considerações  sobre  o  tipo  e  seu  uso  em  projetos  de  arquitetura.  Arquitextos,  São  Paulo,  
10.114,   Vitruvius,   nov   2009   <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/10.114/14>.   Acesso   em:  
10  de  fevereiro  de  2012.  
PIRES,  A.  de  G.  e.  Os  conceitos  de  Tipo  e  de  Modelo  em  Arquitetura.  In:  Artitextos.  Lisboa:  CEFA;CIAUD,  2009.  p.  
241-­‐248.  
PEREIRA,  R.  B.  Quatremère  de  Quincy  e  a  ideia  de  tipo.  In:  Revista  de  História  da  Arte  e  Arqueologia.  Campinas:  
UNICAMP,  v.13,  jan-­‐jul.  2010.  p.55-­‐77.  
ROSSI,   A.   Uma   arquitetura   analógica.   In:   NESBITT,   K.   Uma   nova   agenda   para   a   arquitetura.   São   Paulo:   Cosac  
Naify,  2006.  p.379-­‐385.  
SAMPAIO,  M.  R  A.  de  (org.).  A  promoção  privada  de  habitação  econômica  e  a  arquitetura  moderna  1930-­‐1964.  In:  
SAMPAIO,   M.   R.   A.   de.   A   promoção   privada   de   habitação   econômica   e   a   arquitetura   moderna   1930-­‐1964.   São  
Carlos:  RiMa  Editora,  2002.  p.14-­‐28.  
SORIANO,  F.  100  Hiperminimos.  Madrid:  Lampreave  Asociados,  2009.  
TEORIA  DA  ARQUITECTURA.  Taschen:  Italy,  2003.  
VIDLER,   A.   A   terceira   tipologia.   In:   NESBITT,   K.   Uma   nova   agenda   para   a   arquitetura.   São   Paulo:   Cosac   Naify,  
2006.  p.285-­‐289.  
 

Promoção: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PósARQ/UFSC e Associação Catarinense de Engenheiros – ACE/SC
Secretário Executivo: Ivan Rezende Coelho, fones: (48) 32483553/84077100, FAX: (48) 32483500
E-mail: ivancoelhoeventos@gmail.com, Site Oficial: cthab.ufsc.br

Você também pode gostar