Você está na página 1de 46

2º ANO

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS

PLANO DE ESTUDO TUTORADO


COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE VIDA ANO DE
ESCOLARIDADE: 2º ANO – PROJETO DE VIDA PET VOLUME:
04/2021

NOME DA ESCOLA:
ESTUDANTE:
TURMA: TURNO: INTEGRAL

SEMANA 1

UNIDADE (S) TEMÁTICAS: Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO: Relação entre os objetivos e ações do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S): Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS: Missão, visão, valores e ações do Projeto de Vida, planejamento


estratégico.
INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Ideias, conceitos, pensamentos e teorias seculares,
organização social do trabalho.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Racionalidade científica, lógica, intuição.
Habilidades socioemocionais: Compromisso, iniciativa e autonomia.

TEMA: Tudo depende do que faço: minhas ações (Parte


1). Caro (a) estudante,
Nesta aula você vai descobrir o impacto das ações desenvolvidas no alcance dos Objetivos do
Plano de Ação, ou melhor, como alcançar os Objetivos por meio das metas do Plano, que exigem
um conjunto de ações a serem executadas por você! Para isso, como de costume, você precisa
considerar todas as eta- pas anteriores do seu Plano para saber como agir. É dessa forma que a
partir desta aula, você vai per- ceber como será fácil verificar os seus resultados em curto prazo,
assim como, vai entender os efeitos das suas ações diárias sobre o Plano de Ação. A etapa que
esta aula inaugura é, portanto, operacional, na qual você demonstra a sua capacidade de fazer as
coisas acontecerem, de ser Protagonista da sua vida! Assim, luz, câmera e AÇÃO!

RECAPITULANDO
Na aula passada você aprofundou o entendimento sobre como o Plano de Ação necessita de metas e
do seu acompanhamento para saber se realmente você está indo no caminho certo.
ATIVIDADES
Tendo chegado até aqui, é bem provável que você esteja cada vez mais perto da sua Ítaca, ou pelo
me- nos, tenha descoberto como é possível tornar o seu sonho realidade! E, uma das constatações
mais im- portantes é saber da importância que o Plano de Ação tem para você para alcançar os seus
Objetivos. Saber disso tem possibilitado grandes aprendizados, como a definição das Metas que,
agora, definem as suas Ações! Enfim, de todos os aprendizados até o momento, o maior deles é
saber que para um Plano dar certo, é preciso segui-lo e atuar de acordo com ele.

Saiba que um Objetivo sem Ação é um Objetivo não cumprido e que não vai se
cumprir.
Traçar Objetivos é vislumbrar o campo necessário para agir!

Para seguir nossa conversa sobre Ações para tornar um sonho realidade, vale retomar a obra
trabalha- da na aula “Uma viagem rumo à Ítaca”. Na Odisseia, de Homero, o personagem Odisseu se
recusa a ser imortal e afirma seu destino humano. Você lembra disso? Pois bem, de todas as
provações pelas quais Ulisses passou, talvez a mais ameaçadora não tenha sido ter colocado em
risco a sua integridade física, e por isso, ter sido atacado por gigantes devoradores de homens ou
acuado por feiticeiras. O perigo, por excelência, enfrentado por Ulisses, foi o de chegar a uma
terra de homens absolutamente pacíficos que passavam o dia inteiro alimentando-se de uma flor
chamada “loto”. Esse hábito, aparentemente inofensivo, tinha consequências gravíssimas para
qualquer viajante que possuía um objetivo na vida: o esquecimento absoluto. O viajante esquecia
para onde ia, por que ia, com quem ia, esquecia-se inclusi- ve do próprio nome, ou seja, perdia a
identidade. Ulisses não morreu lutando contra gigantes e mesmo que isso pudesse ter ocorrido, ele
morreria sendo quem ele era! Além disso, ele também não se rendeu à tentação do esquecimento
dos comedores de loto, mas se isso tivesse ocorrido, ele se perderia de si mesmo para sempre! Se
isso acontecesse, a obra Odisseia teria os seus capítulos resumidos! Seria um triste fim para um
herói que fracassaria na busca da sua Ítaca, não é mesmo?
Ainda sobre essa história de sonhos e a Odisseia, você já pensou que o esquecimento é a mais
desalen- tadora forma de morte?! É por isso que a primeira regra para quem tem um Plano de
Ação, é agir sobre o seu destino e jamais esquecer da sua Ítaca. Isso possibilita saber quem é,
quais os valores que norteiam o seu caminho, para onde você deve ir e o que deve fazer! Assim,
com a lucidez de Homero, a outra re- gra de ouro para você alcançar a sua Ítaca é: Ação!
Contudo, para agir, Ulisses planejou bem cada etapa do seu plano. Ao fazer isso, tinha uma certeza
em mente: chegar à Ítaca. Portanto, deu sentido a todas as batalhas enfrentadas! Ela não foi
apenas ponto de chegada, mas ponto de partida para todas as suas Ações empreendidas. Sabendo
disso, que tal você lembrar do seu sonho ou da sua Ítaca? Isso é importante para seguir
aprendendo sobre as Ações do Plano de Ação.

1 - Imagine que uma pessoa (pode ser um familiar, amigo ou até mesmo um desconhecido) precisa da
sua ajuda para realizar o próprio sonho. Assim, quais as Ações serão supostamente adequadas
para que ela realize o seu sonho?
2 - Há quem diga não ter sonho ou já ter feito tudo o que queria fazer. Qual a sua opinião sobre as
pessoas que dizem não ter sonhos e sobre as pessoas que dizem que já realizaram tudo o que
gostariam?

Vale a pena ASSISTIR


Criado em Los Angeles, EUA, o Fifty
People One Question –
http://fiftypeo- pleonequestion.com/
– é um projeto em que pessoas
comuns são entrevistadas e falam
sobre seus sonhos, desejos e
medos. Em 2014, a plataforma de
pro- dução de conteúdo digital Selo
criou uma versão brasileira do
projeto.
O Vídeo pode ser acessado no canal
ofi- cial da plataforma no Youtube –
https:// www.youtube.com/watch?
v=hYMW-
Qual o Seu Sonho? 50 Pessoas, 1 Pergunta (Fifty people one question DinrvFA – transeuntes da cidade de
São
- Brasil). Youtube-Selo.MS. 2015. Disponível em: < https://youtu.be/ Paulo respondem à seguinte pergunta:
hYMWDinrvFA>. Acesso em julho de 2020. “Qual é o seu sonho”?

Pensar sobre sonhos e Projeto de Vida parece mais simples quando é o do outro, não é? Mas o vídeo
apresentado serve para mostrar para você que mais importante do que ter um Plano de Ação para
al- cançar o que você quer, é pensar no sonho por meio das Ações diárias que garantem a sua
viabilidade. Vale ressaltar que é preciso gerar aproximações entre aquilo que se quer e o que se
faz: as atitudes! Os sonhos, diferente do apresentado no vídeo, passam a ser realidade por meio
das Ações de quem busca realizá-lo! Como você sabe, de nada adianta sonhar ou querer algo se
não agir para que isso aconteça! Agora, será que você sabe definir as Ações do seu Plano de Ação
e mais, consegue manter o foco nos Objetivos do seu Plano? É sobre isso que a próxima aula vai
tratar! Até a próxima!
UNIDADE (S) TEMÁTICAS:
Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:


Relação entre os objetivos e ações do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S):
Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores e ações do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Determinação, compromisso e Proatividade.

TEMA: Tudo depende do que faço: minhas ações (parte


2). Caro (a) estudante,
Nesta aula você vai refletir sobre os assuntos trabalhados até aqui. Você deve entender muito bem
quando se diz: Sonhar é bom, mas realizá-los é ainda melhor! Afinal existe uma recompensa maior
nes- sa jornada de realizar sonhos, que é vê-los tornando-se realidade, por meio das suas Ações!
Então, nada mais importante nesta aula que não seja você definir as AÇÕES do seu Plano. Para isso,
vale ressaltar sempre a importância de todas as outras etapas construídas até aqui. Quantos
aprendizados, não é mesmo? Contudo, a sua jornada na construção do Projeto de Vida está apenas
começando. Agora é hora de definir as suas Ações para poder viver na prática tudo o que você
planejou!

RECAPITULANDO
Na aula passada você começou a pensar sobre o impacto das ações desenvolvidas no alcance dos
Ob- jetivos do Plano de Ação. Mais precisamente, você aprofundou seus conhecimentos sobre as
Metas do Plano, que demandam um detalhamento das Ações e execução por você. Sobre isso,
deve estar fresqui- nho na sua memória, as relações entre sonho e Ações da aula anterior.

ATIVIDADES
Você lembra do jogo de tabuleiro que você fez na aula “Tenho um sonho e um plano. Mas aonde quero
chegar”? Quais foram as metas definidas? Você lembra que foi nessa aula que começou a pensar
sobre as Ações do seu Plano de Ação? Você até experimentou defini-las! O jogo foi, portanto, o
meio utilizado para você pensar nos passos menores para realizar os seus sonhos. É por isso que,
nesta aula, esse jogo precisa ser retomado, pois ele traz informações necessárias sobre as Metas e
Ações do seu Plano. So- bre isso, será que essas informações estão alinhadas com os Objetivos ao
ponto de você não ter dúvidas sobre o que precisa fazer e porque faz o que faz? Bom, a hora de
se certificar sobre isso é agora, pois esta etapa exige que você comece a empreender suas Ações
daqui para a frente!

As ações trazem o sonho para o tempo presente! O hoje é agora e o que você faz determina o
seu sucesso!
1 - Por falar sobre tempo presente e espaço de tempo a médio prazo, responda:
a) Retome as Metas do seu Plano de Ação colocadas no seu jogo de tabuleiro e verifique se
você sente necessidade de reescrever alguma Meta ou excluí-la do seu Plano. Aproveite
para fazer um mapa mental, conforme modelo apresentado na sequência para descrever
as Ações do seu Plano. Escreva no seu caderno:

Pensar sobre as Ações é extremamente importante, pois a cada passo dado é possível chegar
mais perto da realização dos sonhos. O resultado alcançado por meio das Ações, quando bem
planejadas, age sobre as pessoas como um fator motivador para agir mais e alcançar sempre o
que se quer. Assim, logo você perceberá isso ao executar o seu Plano de Ação! E mais, você vai
perceber que a disciplina na execução das suas Ações vai surgir naturalmente, pois a partir de
agora você vai agir com constância de propósito e Objetivos a serem alcançados.

2 - Partindo das explicações anteriores, leia o trecho da Odisseia a seguir e responda o que se pede:

Daí por nove dias ventos funestos me conduziram sobre o piscoso mar. No décimo, abicamos à terra
dos lotófagos, que se nutrem de flores. Ali descemos em terra e provemo-nos de água; em seguida,
meus com- panheiros tomaram sua refeição junto dos ligeiros barcos. Depois de nos alimentarmos de
comida e bebida, despachei alguns companheiros a investigar que homens comiam pão naquela terra;
escolhi dois homens e mandei com eles um terceiro, como arauto. Eles se adiantaram e confundiram
com a gente lotógafa. Os lotó- fagos não pensaram em matar nossos companheiros; deram-lhes a
comer do loto e quem, dentre eles, comia o fruto de loto, doce como mel, já não queria trazer notícias
nem regressar, mas sim ficar ali com os lotófagos, sustentando-se de loto, sem pensar no regresso.
Eu os trouxe à força para bordo, desfeitos em pranto; amar- rei-os nos bojudos barcos, debaixo dos
bancos. Aos outros leais companheiros mandei que embarcassem à pressa nos ligeiros barcos, para
que nenhum, comendo loto, viesse a esquecer o regresso. Eles embarcaram sem demora, sentaram-
se nos bancos e, dispostos em linha, feriram com os remos o mar cinzento...
2
HOMERO. Odisseia. São Paulo: Cultrix, 2006. Tradução de Jaime Bruna. p. 107-
110.

a) O que fez Ulisses agir colocando os seus companheiros à força no barco?


b) O que você destacaria como mais estimulante para seguir a sua jornada, rumo à
realização dos seus sonhos?

c) Descreva três coisas que podem dificultar a realização das Ações do seu Plano de Ação:

d) De acordo com a sua resposta da questão anterior, o que você poderia fazer para facilitar
a execução das Ações?

Vale a pena REFLETIR


Para definir as Ações do seu Plano de Ação
• Deixe a flexibilidade tomar “conta de você” para decidir qual a melhor Ação a ser
executa- da. As Ações devem ser adequadas ao momento certo, dependem da sua
situação atual, mas devem ser comprometidas com o seu futuro.
• As ações devem gerar um “senso” de responsabilidade diário, que promova
integração, comprometimento e motivação com os seus objetivos.
Gostou da aula? Espera-se que ela tenha contribuído para a definição das Ações do seu Plano de
Ação. Considere que o sucesso no alcance dos seus Objetivos depende dos seus esforços na
realização das tarefas a serem cumpridas. Sobre isso, é sempre útil buscar maneiras de melhorar o
seu desempenho nessa jornada. Por este motivo, a próxima aula vai tratar das estratégias do
Plano de Ação! Contudo, caso você já tenha pensado, por exemplo, em algo que lhe ajuda a
alcançar Metas mais rapidamente, não tenha receio de experimentar desde agora, pois essa
experiência será muito importante para o que você vai aprender nas próximas aulas.
Até a próxima aula e lembre-se: Luz, câmera e AÇÃO!
SEMANA 2

UNIDADE (S) TEMÁTICAS:


Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO: Relação entre ações e estratégias do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S): Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores, ações e estratégias do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Autoconfiança, determinação e resiliência.

TEMA: Acertar no alvo: a importância das estratégias (parte 1).

Disponível em: <http://www.profissaoatitude.com.br/files//Uploads/UploadBass/4415519_

TARGETTREE.jpg>. Acesso em: 30 jul. 2021.

Caro (a) estudante,


Nesta aula você vai aprender o que são as Estratégias! As Estratégias permitem que você alcance
os seus Objetivos, transformando a intenção em Ação. Ela sintetiza e qualifica o conjunto de Ações
a se- rem desenvolvidas por você, em seu Plano. É por isso que não existe Estratégia sem Ação!
Nesta aula você também vai aprender a fazer ajustes ou mudanças nas Estratégias traçadas por
meio da análise do seu desempenho nas Ações executadas. E falando de desempenho, você vai
refletir sobre os seus pon- tos fortes e fracos a fim de viabilizar e operacionalizar as Estratégias
do seu Plano. Parece confuso? Essa aula vai lhe mostrar que é mais simples do que você pensa. O
mais importante é que você esteja disposto a analisar o seu Plano de Ação, considerando as suas
expectativas de futuro e o que definiu atuar até este momento. Aproveite a aula e que venham as
Estratégias!

RECAPITULANDO
Na última aula você definiu as Ações do seu Plano de Ação. Percebeu que a construção do Plano
de Ação do seu Projeto de Vida vem permitindo muitos aprendizados até agora. Além é claro, de
muito planejamento, foco e determinação, não é mesmo?
ATIVIDADES
Para início da aula, vale mencionar alguns exemplos sobre Estratégias, para gerar aproximação sua
com o conteúdo que será tratado daqui para frente. Se liga nessas explicações:
• Exemplo aplicado à equipe técnica de esporte de futebol
Você já deve ter percebido como uma equipe de futebol se organiza, não é mesmo?
Além de definir o foco de atuação de cada jogador em campo, pois cada um tem um
papel na equipe, os técnicos de futebol geralmente tem um desenho das atuações de
cada jogador, para cada partida de futebol. Isso é comum porque ao fazer isso, fica
mais fácil definir as Estratégias para vencer cada jogo. As Estratégias facilitam os
jogadores ganharem do adversário, pois elas exigem um conjunto de Ações a serem
executadas por cada um, todos trabalhando em equipe para vencer o jogo.
• Exemplo aplicado a encontrar um local desconhecido
Para chegar em um lugar, muitas pessoas utilizam caminhos conhecidos, para não
correrem o risco de se perder, então sempre caminham pelas mesmas ruas. Outras
pessoas se utili- zam de algumas Estratégias para não se perder ou até mesmo cortar o
trânsito, utilizando caminhos alternativos com a utilização de aplicativo de
posicionamento global por satélite (GPS), mapas ou até mesmo, a famosa informação dada
por quem já conhece a área.

Tratando-se de Projeto de Vida, não poderia ser diferente. As estratégias possibilitam a


qualificação das ações a serem desenvolvidas e que são necessárias para obter os resultados
esperados por você. Elas ajudam na solução dos problemas ao longo do caminho e a identificar
oportunidades de melhoria. Por isso, é importante que você esteja atento a cada passo dado do
seu Plano de Ação. Talvez você não saiba, mas ao longo do caminho, suas estratégias podem
mudar para alcançar melhor os seus Objetivos.

Você já pensou em Estratégias que poderiam ajudá-lo a atingir as Metas do seu Plano de Ação?
Chegou o momento de você fazer isso agora:

1 - Para cada Meta do seu Plano, pense o que poderia garantir que os resultados das suas Ações
fossem potencializados. Escreva sobre isso no quadro abaixo:

Exemplo: pode ser uma Estratégia para quem tem como Objetivo passar de ano, estudar todo o
con- teúdo da prova com uma semana antes da data marcada.
2 - De acordo com o que você pensou na questão anterior, o que você identifica como Estratégias
do seu Plano? Vale ressaltar que, não é adequado definir uma Estratégia que não esteja
alinhada com as Premissas do seu Projeto de Vida. Escreva abaixo:

Exemplo: caso uma das Premissas do seu Plano seja a responsabilidade com a própria
aprendiza- gem, não dá para definir como Estratégia atingir a média escolar, por meio dos
trabalhos em grupos, que você não se compromete e participa pouco.

Para Saber MAIS!


Para as Estratégias: pense naquilo que necessita executar para que seu Plano de Ação
aconteça. As Estratégias são ações iniciadas hoje que poderão levá-lo a uma situação mais
cômoda no futu- ro. Portanto, a essência da Estratégia consiste em gerar vantagens para você
no futuro, pois ela é um meio para obter seus Objetivos – fins. Para isso, além de saber aonde
se quer chegar, é preciso saber os seus pontos fracos e fortes para empregá-los em seu Objetivo.
Toda formulação de Estra- tégias é uma atividade de planejamento.

3 - Você lembra da obra Alice no País das Maravilhas citada em aulas anteriores? Pois bem, assim
como Alice, quem nunca se viu diante de uma encruzilhada, sem saber qual caminho seguir? Ou
melhor, qual decisão tomar?! Como é importante saber aonde se quer ir, não é mesmo? Pobre
de Alice que pergunta ao gato Cheshire:
“– Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui?
– Isso depende muito para onde queres ir – respondeu o gato.
– Preocupa-me pouco aonde ir – disse Alice.
– Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas – replicou o Gato.”
1
CARROLL, Lewis. Alice no País das Maravilhas. São Paulo: Ática, 1991. p 60-61.

a) Partindo da compreensão sobre a importância de ter Objetivos definidos, diferente de


Alice, que não sabe para aonde ir, analise se as Estratégias do seu Plano de Ação e se
certifique que elas visam a consecução dos Objetivos.
Para que você possa cada vez mais definir as Estratégias do seu Plano de Ação, tenha em
men- te a necessidade de estudar a sua realidade, ou melhor, de fazer um diagnóstico do
contexto no qual se encontra o seu Projeto de Vida. Isso deve ajudá-lo a saber se os
resultados alcançados estão respondendo às suas expectativas e Objetivos do seu Plano.
Por meio das explicações dessa aula, será que você percebeu que as Estratégias
movimentam o seu Plano, assim como as Ações, no tempo que é de curto prazo?! E o que
isso realmente quer dizer? Quer dizer que as Estratégias, mesmo que você não perceba,
são meios de opera- cionalizar a Visão do Plano de Ação. Como já sabe, não existem
Estratégias sem um conjunto de Ações. Porém, para realizar algumas Ações, você precisa
aprender algo ou adquirir um co- nhecimento novo. Partindo disso, você já parou para
pensar nos seus pontos fortes e fracos? Sobre isso responda.

4 - Analise as Estratégias do seu Plano e veja se elas têm finalidades práticas, como: simplificar ou
estabilizar certas dificuldades suas – pontos fracos - e/ou melhorar as habilidades em que é
muito bom – pontos fortes. Caso isso aconteça, significa que as estratégias definidas são
precisas, possibilitam romper com as suas limitações (sejam internas ou externas) e criam
possibilidades de aprendizagem.
a) Sendo assim, quais as Estratégias que ajudam você a usar o que tem de melhor ou sabe
fazer muito bem – forças?

b) Quais as Estratégias que demandam algum tipo de ajuda para que você possa agir na sua
direção - fraquezas?

Para saber MAIS


Pontos fortes e
forças
Em tese, os pontos fracos são as características ou limitações que advém das suas
dificuldades pessoais ou do ambiente em que está inserido. As Estratégias nesse sentido
devem eliminar ou transformar as dificuldades em uma competência ou ponto forte.
As forças são elementos e/ ou competências que trazem benefícios para alcançar os seus
objeti- vos. Geralmente é algo que você controla/domina totalmente e faz toda a diferença
utilizá-las como Estratégia.

Então estudante, o que achou da aula? Espera-se que você tenha refletido e definido as
Estratégias do seu Plano de Ação. Até a próxima!
UNIDADE (S) TEMÁTICAS:
Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:


Relação entre ações e estratégias do Projeto de Vida

HABILIDADE(S):
Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores, ações e estratégias do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Determinação, produtividade e autonomia.

TEMA: Acertar no alvo: a importância das estratégias (parte 2).


Nesta aula você vai pensar sobre a importância de definir prioridades a curto, médio e longo prazo
o impacto no resultado de seu Projeto de Vida.

RECAPITULANDO
Na aula anterior você definiu as Estratégias do Plano de Ação, certo? Além disso, você aprendeu
que a partir das Estratégias existe a possibilidade de fortalecer os seus pontos fortes e aprender o
que você considera necessário para alcançar os seus Objetivos.

ATIVIDADES
Pensando em Ações de curto, médio e longo prazo, estabelecer prioridades significa definir o que é
mais importante, o que vem primeiro e que fará a diferença na obtenção das Metas do seu Plano.
Para isso, você vai precisar refletir sobre cada um dos Objetivos, elegendo como prioritários os
pontos que provocarão maior impacto nos resultados ao longo do tempo.
Talvez você não saiba, mas uma das razões do fracasso na obtenção dos resultados previstos se
deve à perda de foco nas Prioridades. Portanto, é importante instituir e praticar uma constante
avaliação entre os resultados que você já obteve, versus as Metas planejadas. Você deve estar se
perguntando: - O que isso quer dizer na prática? Isso significa que tudo o que consta no seu Plano é
importante, mas tratando-se de Objetivos, nem tudo é prioritário. E como saber o que é prioritário
no seu Plano? A resposta para essa per- gunta vale um milhão de dólares! E aí, consegue
responder?
Bom, prioritário é aquilo que, ao ser executado, te leva a alcançar resultados esperados! Nesta
etapa do Plano de Ação na qual você se encontra, além das Estratégias provocarem maior impacto
nos resulta- dos, estabelecer Prioridades também provoca sucesso no que você precisa alcançar.
Entendeu?
Assim, é preciso que você defina Prioridades para cada Objetivo do seu Plano. Para isso, responda.
1 - Por meio do exemplo da imagem que segue, escreva no seu caderno as Prioridades para cada
um dos Objetivos do seu Plano de Ação, assim como, as Metas e Estratégias correspondentes.

Objetivo:

Prioridade 1:

Estratégias: Meta:

Objetivo:

Prioridade 1:

Estratégias: Meta:

2 - Agora, de acordo com o exemplo da imagem que segue, para cada Estratégia defina Ações
prioritárias.
Escreva no seu caderno.

Estratégia:

Ações:
1ª.
2ª.
3ª.
4ª.
5ª.
6ª.
7ª.
8ª.

Para Saber Mais!


As ações Prioritárias devem passar por um processo de escolhas – O que eu tenho que fazer
agora?
Cuidado para não confundir “a arte de aplicar os meios disponíveis” – Estratégias - com os
próprios meios – Ação.
Para executar uma Ação estratégica, você deve utilizar um conjunto de competências que
domina. Assim como, ser disciplinado na execução de suas Ações. Pois, além de saber fazer,
a execução é essencial para o sucesso do seu Plano de Ação.
3 - De acordo com a lista de Ações prioritárias definidas na questão anterior, certifique-se que elas
definem diariamente, um curso ou direção que apontam para a Visão apresentada no seu
Plano. Para ajudá-lo nessa reflexão, retome as primeiras aulas de Projeto de Vida, na qual você
definiu a Visão do seu Projeto. Caso perceba algum desalinhamento, aproveite este momento
para ajustar o que for preciso.
a) Ainda sobre as Ações prioritárias, verifique se elas são relevantes para a realização da sua
Missão. Para isso, também retome as aulas sobre a Missão do seu Projeto. Caso perceba
algum desalinhamento, aproveite este momento para ajustar o que for preciso.

b) Por último, sobre as Ações prioritárias, verifique se você tem pleno domínio sobre elas ou
seja, todas as ações estão ao seu alcance e você sabe como realizá-las? Como elas se
relacionam com as suas competências? Escreva sobre isso no espaço abaixo:

Então estudante, o que achou da aula? Deu para perceber que não basta definir Ações e
Estratégias para realizar os seus sonhos, não é mesmo? É muito importante ter clareza sobre o
que mais impacta nos resultados que você deseja alcançar e que para isso, definir Prioridades é de
suma importância também! Na próxima aula você vai ver como medir os seus resultados!
Até a próxima!
SEMANA 3

UNIDADE (S) TEMÁTICAS:


Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:


Relação entre os resultados e as ações do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S):
Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores e ações e estratégias do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Ideias, conceitos, pensamentos e teorias seculares,
organização social do trabalho.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Racionalidade científica, lógica, intuição.
Habilidades socioemocionais: Resiliência, perseverança e determinação.

TEMA: O esperado encontro com os resultados (Parte


1). Caro (a) estudante,
Nesta aula você vai refletir sobre a necessidade de acompanhar os resultados das ações
estabelecidas anteriormente e executadas por você! Lembrando que é preciso levar em
consideração as etapas ante- riores do seu Plano para acompanhar o andamento de cada uma
delas. A partir de agora você vai passar a acompanhar mais de perto o que você planejou até aqui e
verificar se os resultados das suas ações estão de acordo com o esperado.

RECAPITULANDO
Na aula passada você viu a importância de definir Ações Prioritárias para cada Estratégia do seu Plano de Ação,
pois não basta estabelecer Estratégias sem agir para a realização de cada uma delas.

ATIVIDADES
Planejar é muito importante para qualquer ação que o ser humano vai executar, independente de qual
seja ela. Você já sabe que todas as etapas do seu Plano de Ação fazem parte do grande e importante
Projeto da sua Vida. Você deve saber também que na vida muitas coisas às vezes não saem como se
planeja inicialmente, tão verdade que neste momento, basta pensar nas mudanças imprevisíveis
oca- sionadas pela Pandemia da Covid-19. Sobre essas mudanças não previstas até mesmo no
planejamento das pessoas mais visionárias que existem no mundo, cabe uma reflexão sobre a
importância da resi- liência, da capacidade de replanejamento ou até mesmo, uma mudança de
planos! Ou ainda, ter plano B, C, D... No Projeto de Vida também acontecem mudanças e é por esse
motivo que a recomendação é escrever o Projeto de Vida à lápis, para poder alterá-lo conforme as
necessidades que surgem no cami- nho. Pensando nisso, como você tem considerado os
resultados do seu Plano de Ação? É sobre isso que você vai refletir a partir de agora!
1 - Como você se sente quando algo muda os seus planos ou diante de mudanças inesperadas?
Você já teve, por exemplo, que mudar de plano ou usar um plano B para alguma ação na sua vida?
Escreva sobre isso:

Saber lidar com mudanças e desafios requer habilidades muito importantes a serem
desenvolvidas por um Protagonista, que atua como dono da própria vida, mas além de saber lidar
com as mudanças é necessário não perder o foco rumo aos objetivos e metas estabelecidas.
Imagine que cada ação tem uma intencionalidade e gera um resultado que impacta no seu Plano de
Ação. Considere, portanto, que para cada ação há uma reação, certo? Pois bem, é muito bom
quando tudo sai conforme o planejado e os resultados são os melhores possíveis, porém muitas
vezes as ações podem ter resultados não muito agradáveis e exigirem uma revisão do que foi
realizado, para se entender como tudo foi feito.
É importante ressaltar que, se algo não acontece do jeito que você pensou, de nada adianta ficar
triste, é preciso agir para que o seu sonho não seja deixado de lado. Cada resultado precisa ser
analisado com muito cuidado para ver se corresponde às expectativas do seu Projeto de Vida. Ou
seja, os resultados possibilitam uma visão geral do que você planejou e de fato, conseguiu fazer?

Disponível em: <http://www.gazetainformativa.com.br/escrevendo/>. Acesso em: 30 jul. 2021.


2 - Pensando em ações e resultados, todas as pessoas já planejaram e agiram em algum momento
das suas vidas. Sobre isso, você já visualizou o resultado de alguma ação planejada e executada
por você? Foi um resultado positivo ou negativo? O que você sentiu?

Refletir sobre o resultado das ações é extremamente importante, pois a partir da avaliação feita,
muitas outras ações podem surgir. Espera-se que esta aula tenha despertado em você, estudante, o
desejo de continuar oferecendo a atenção necessária para o Plano de Ação do seu Projeto de Vida.
Até a próxima!
UNIDADE (S) TEMÁTICAS:
Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:


Relação entre os resultados e as ações do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S):
Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores e ações do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Determinação, compromisso e proatividade.

TEMA: O esperado encontro com os resultados (Parte 2).


Caro (a) estudante,
Nesta aula você vai saber como e descobrirá uma informação supervaliosa para usar no seu Plano
de Ação. Quer saber qual é a informação? São as TENDÊNCIAS! Isso mesmo, as tendências que
possibili- tam o acompanhamento das ações e permitem que cada um se antecipe diante do que
estiver aconte- cendo. Vamos nessa?!

RECAPITULANDO
Na aula passada você começou a pensar sobre a importância de analisar o resultado das ações planeja- das e
executadas por você a partir do seu Plano de Ação de Projeto de Vida. Viu o quanto é necessário estar atento ao
que pode acontecer no meio do caminho.

Mas é possível se antecipar um pouco mais em relação ao que pode corresponder ao resultado
espera- do, você sabia? Você deve estar se perguntando como, não é verdade?

ATIVIDADES
Tendência nada mais é do que uma possibilidade, probabilidade de que algo pode acontecer. Existem
tendências positivas e tendências não tão boas. Cabe a quem planeja e executa as ações observar as
tendências de resultado. Fazendo isso, não é necessário esperar que uma ação seja finalizada e o re-
sultado surpreenda negativamente!
É em busca do resultado esperado que é possível pensar em estratégias, mudar os planos para
alterar as tendências negativas. Para isso, é fundamental que você acompanhe de perto cada uma das
ações planejadas. Para entender melhor esse papo de tendências, se liga nas explicações que
seguem.
Sabe quando alguém está fazendo um bolo e segue exatamente a receita, porém o fogão pode ter
uma chama mais forte no forno ou ser menos potente? É esperado que o tempo de cozimento do
bolo não seja o mesmo que está previsto na receita. A tendência, portanto, é que o bolo queime
em forno mais potente ou fique cru em forno com menor aquecimento. Assim, é necessário ficar
observando o bolo du- rante o tempo que está no forno para garantir que ele saia no ponto certo. Este
é um exemplo de análise
de tendência, que nada mais é que acompanhar o processo das ações que foram planejadas. É por
isso que não basta seguir o planejamento, é necessário acompanhar cada passo da sua execução.
O legal de toda essa conversa é que a tendência possibilita ajustes durante o processo de
execução do Plano de Ação. A tendência de queimar o bolo, por exemplo, pode ser modificada antes
que isso aconteça para que o resultado seja alcançado: que é saborear o bolo no lanche da tarde,
conforme planejado! Agora, se você simplesmente fizer o bolo e esquecê-lo no forno, pensando no
tempo previsto na receita, existe a probabilidade de dar algo errado. Dessa forma, lembre-se de
antever aos possíveis desvios de resul- tados, pensando nas tendências como uma importante
ferramenta para manter o foco nos objetivos e metas do seu Projeto de Vida!

1 - Pensando em tendências e analisando as ações do Plano de Ação do seu Projeto de Vida,


preencha o quadro a seguir com as possibilidades identificadas por você na execução das ações,
seguindo o exemplo.

AÇÕES TENDÊNCIAS

Ex.: Estudar 4 horas, todos os dias, os - Se na segunda-feira houve algum


conteúdos do componente curricular de maior imprevisto na minha casa e eu não consegui
dificuldade. estudar as 4 horas planejadas, eu posso
ampliar as horas da terça-feira ou distribuir
as horas durante os ou- tros dias da semana
para evitar o prejuízo nos estudos.
Tendência: Prejuízo nos estudos, caso não
haja para reverter as 4 horas não estudadas.

2 - Pensar sobre tendências também pede que cada um analise o planejamento como um todo,
mas reflita também sobre as partes. Leia o texto a seguir e responda às questões:
A ação é a parte, que é diferente da meta que é o todo, mas também é o mesmo que a meta, o
todo. Cada (parte) ação forma o todo (meta/objetivo). Cada ação está comprometida com a realização
de uma meta. A ação representa a parte; o conjunto de ações, que resulta no alcance da meta,
representa o todo. É importante perceber que as ações estão interligadas, se comunicam,
interagem e dependem umas das outras para que as metas e o objetivo sejam alcançados. Estas
relações formam a essência do plano de ação e sua integração deve ser observada. Uma ação
desencadeia outra ação que alcança uma meta, que exige novas ações para realizar novas metas
até alcançar o objetivo. O resultado de cada ação e de todas, ao mesmo tempo, interage e
transforma a realidade, determinando o Projeto de Vida. A realidade é transformada a cada vez
que as ações são executadas. O equilíbrio é necessário e é resul- tado da interação de todas as
ações. Também é possível pensar que as ações de maneira integrada pro- movem resultados
quanto à interação do objetivo ao Plano de Ação; assim como, entre o Plano de Ação e o Projeto
de Vida: esses são padrões da visão do todo. Para haver equilíbrio, é importante que todas as
partes cooperem entre si. Não agir também significa agir, pois uma ação/ força estagnada também
participa, dificultando ou facilitando a dinâmica do todo. Essa dinâmica entre as ações gera
resultados que provocam consequências e apontam tendências, ao mesmo tempo ecoam na vida e
definem sua nova realidade e seu Projeto de Vida. O todo (metas/objetivo) e as partes (ações) são
interdependentes e harmonizam-se, embora haja uma perpétua oscilação, em que as ações e as
metas se alimentam mutuamente, modificando a realidade. O resultado vai sendo adivinhado, a
partir das consequências que vão sendo geradas, e as tendências são sinalizadas e podem ou não
ser redefinidas com a mudança consciente de ação. Entretanto, a partir da dinâmica das ações, é
possível perceber que as mudanças na realidade podem ser positivas e favoráveis ao plano, a
todas as ações, ou à maior parte delas, ou podem ser desfavoráveis e colocar todo o projeto em
risco. Isso significa que, corremos o risco de uma ação sobrepor-se à outra; uma ação ou uma
meta atrapalhar ou impedir que outras aconteçam; ou ainda que a realidade criada não tenha sido
a realidade desejada. Por isso, a consequência das ações
precisa ser mapeada e observada para gerar novas reflexões, dar abertura para repensar novas
ações e novas metas, de maneira cooperada e sinérgica.
E o que acontece quando não há cooperação e sinergia entre as ações? Quando elas não são
refletidas a partir das dificuldades e possíveis obstáculos reais ou quando não há colaboração de
todas as partes? Perde-se o equilíbrio do Plano até que ele perca o rumo. No entanto, ainda há
tempo para recuperar o equilíbrio, se as ações forem realinhadas e cada meta for questionada,
refletida e realinhada ao Projeto de Vida, só que se demorar muito, pode ser tarde demais.

a) Avalie seu Plano de Ação e observe qual é o TODO (metas/objetivos), quais são as
PARTES (ações) e analise se as ações estão alinhadas com o seu Projeto de Vida. Registre
em seu ca- derno suas observações.

As relações entre TODO e PARTE são imprescindíveis para ajudar na análise das TENDÊNCIAS que
po- dem acontecer no seu planejamento. Não esqueça de acompanhar cada uma de suas ações e
se ante- cipar a possíveis mudanças que sejam necessárias, certo? Até a próxima!
SEMANA 4

UNIDADE (S) TEMÁTICAS:


Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:


Relação entre os resultados e as ações do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S):
Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores, ações e estratégias do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Autoconfiança, proatividade e resiliência.

TEMA: O resultado das ações: as consequências!


Caro (a) estudante,
Nestas aulas você refletirá de maneira mais aprofundada sobre as consequências e as tendências
dos resultados de um planejamento. As consequências fazem parte do processo de análise e de
reação para cada ação que é executada. As tendências são as possibilidades e probabilidades de
algo aconte- cer, ou seja, é o que está no meio do processo e devem ser acompanhadas para
evitar que resultados inesperados aconteçam. Já as consequências são os resultados de ações que
não foram planejadas com a atenção necessária às análises de tendências. Vamos lá? Bons
estudos!

RECAPITULANDO
Na última aula você descobriu uma importante ferramenta de acompanhamento das ações e dos resul- tados
que cada ação pode obter, a partir das tendências. Viu também como é importante compreender a relação entre
as partes (ações) e o todo (metas/objetivo) e a necessidade de equilíbrio das ações para se chegar aos resultados de
acordo com o planejamento.

ATIVIDADES
Alcançar a meta resulta em modificar a realidade, e nenhuma realidade se transforma
completamente de uma hora para outra, nem de maneira direta e linear. O processo de mudança
se dá gradativamente e por isso é preciso ter clareza e consciência das ações, a qual meta se
busca alcançar e qual objetivo se quer cumprir.
Escrever, executar e verificar faz parte do circuito ação-resultado-ação. A partir desse circuito, você
é capaz de refletir sobre todo o processo entre planejar uma ação, executá-la e verificar o seu
resul- tado antes que inicie uma nova ação. Legal, não é? A opção por não verificar o processo,
significa agir no automático e não despertar a consciência para a realidade em que se atua.
Cuidado com isso, ok?
O risco é entrar num espaço de incertezas, em que as condições vão mudar, mas não se sabe o
que vai acontecer. Os resultados podem ser atingidos, mas os meios não serão checados. E como
já visto, nem todos os resultados serão, necessariamente, bons, pois alguns deles podem
concorrer com outros que não estavam nos planos, principalmente ao se deixar levar e você
acabar perdendo o foco do seu Plano de Ação!

1 - A partir das explicações anteriores e leitura dos textos a seguir, responda o que se pede.

Texto 1
“Uma vez concluída a ação planejada, surge uma nova realidade. Nesse momento, verificamos
que a ação empenhada gerou consequências no Plano. As consequências geram impactos
positivos e/ ou negativos em sua vida, no seu Projeto de Vida. Diversos planos da vida –
social, pessoal e profis- sional – são tocados por esses impactos. Quando pensamos na força
do resultado de nossas ações, durante e após o processo da ação, devemos perceber os
benefícios e prejuízos dessas ações para nós mesmos e para outras pessoas. Assim, é
importante observar suas metas, durante e ao final do processo de cada ação, antes que seja
tarde demais, pois nem sempre o que planejamos acontece da maneira que pensamos. É
preciso estar certo de que o planejado compete em uma realidade, que ampliada, toca outras
realidades! Daí fazer ajustes e corrigir caminhos para que seu Plano se apro- xime mais e
mais do idealizado por você! Caso contrário é bom mudar a rota, pois os meios pelos quais se
atinge os resultados precisam ser os que lhe aproximam dos seus ideais. Planos mudam,
porque sempre surgem obstáculos inesperados, por isso agregamos as mudanças como
oscilações que tem valores, que devem ser vistas de maneira positiva. As oscilações sugerem
peso às ações. Quando se observa as ações é possível imprimir uma nova força até que se
restabeleça o equilíbrio.”

Sobre tudo o que foi mencionado anteriormente, leia um resumo sobre a história de Alexander
Grothendieck e veja como as suas ações mudaram o curso da sua vida.

Texto 2
1
Alexander Grothendieck foi um importante matemático do século passado. Nascido em 1928,
em Berlim, filho de um anarquista russo e de uma jornalista, foi deixado na Alemanha
enquanto os pais foram lutar na Guerra Civil Espanhola. Os três voltaram a se reunir na
França, onde Grothendieck passaria a maior parte da vida, logo depois seu pai – que era
judeu – foi capturado pelos nazistas e morto em Auschwitz.
Seus talentos não eram óbvios na juventude, mas seu empenho foi revelado enquanto
estudava na Universidade de Montpellier e surpreendeu os educadores ao resolver uma lista
de atividades pro- postas, que ia além do planejamento para o ano. Sua dedicação e
disciplina renderam ações e con- clusões que inovaram os conhecimentos na álgebra e na
geometria. No entanto, no ápice de sua carreira, Alexander retirou-se para uma vida reclusa e
recusou compartilhar suas pesquisas.
“Grothendieck recusou-se a aceitar a medalha Fields e rejeitou ofertas de trabalho
apresentadas por universidades de várias partes do mundo.” “Por volta dos anos 1970, ele
abandonou sua pesquisa, preferindo se concentrar na política ambiental e no ativismo
antiguerra.” “Ele deixou o Instituto de Altos Estudos Científicos, perto de Paris, após descobrir
que era, em parte, financiado pelo Minis- tério da Defesa.” “Ele também desistiu de um cargo
no College de France para ingressar na Univer- sidade de Montpellier, onde sempre se
posicionou na linha de frente dos protestos antinucleares.” “Grothendieck não desistiu
completamente de suas pesquisas, mas recusava-se a compartilhá-las publicamente.” “No
começo dos anos 1990, ele entregou 20 mil páginas de notas e cartas a um ami- go que as
analisou por vários anos antes de transmiti-las à Universidade de Montpellier. Sob ordens
estritas de Grothendieck, elas foram mantidas trancadas a chave nos arquivos da
universidade.”
a) O que você acha sobre as ações de Grothendieck e a forma como ele utilizou seus
postulados e o uso dos seus conhecimentos?

b) Para você, quais as relações entre os resultados das ações e as expectativas do


matemático Alexander?

c) Como você avalia a mudança de planos e o redirecionamento das ações de Alexander?

As mudanças podem ocorrer por desejo de quem acompanha as ações planejadas ou por
imprevistos no meio do percurso. É notório que hoje todas as pessoas estão passando por algum
tipo de mudança em suas vidas. Mudanças que vão desde alterações na rotina de trabalho e de
vida, até mudanças em seus Projetos de Vida. Um fato é que todos estão se reinventando em
meio ao cenário de distancia- mento social, devido à Pandemia da Covid-19.
Reinventar-se é uma tarefa que para alguns é simples, mas para outros, parece algo
extremamente difícil e doloroso. Você conhece alguma pessoa que está passando por alguma
mudança?
Independente das mudanças, dizem que elas são necessárias e fazem parte da vida. O importante é
aproveitá-las para rever e validar ainda mais o seu sonho. É um motivo, portanto, para ajustar o
que for preciso na construção do seu Projeto de Vida e manter a motivação imprescindível para
viver todos os dias da jornada mais gratificante da sua vida, que é a da construção do seu Projeto.
Assim, não tenha medo das mudanças, pense sempre que você é capaz de determinar tendências
e agir conforme as consequências das suas ações.

2 - Como você avalia os caminhos que o Plano de Ação do seu Projeto de Vida está tomando?
3- Quais as atitudes você pode tomar para melhorar os resultados do seu Plano de Ação ou modificá-los?

Assim como o matemático Alexander Grothendieck, que analisou as possíveis consequências das
ações que ele poderia executar, você pode fazer o mesmo movimento de avaliação, utilizando o
cir- cuito AÇÃO-RESULTADO-AÇÃO. É importante ter em mente que, cada passo que é
executado pode ter consequências que não atingem somente você, mas pode impactar na vida das
pessoas que estão próximas a você. Cabe então observar com cautela se o que você vai fazer vai
ajudar ou atrapalhar a vida de outras pessoas. Portanto, considere que a cada ação, se gera
resultados e um novo movimento de planejamento ou replanejamento deve acontecer.
As consequências devem ser pensadas antecipadamente, pois isto também precisa fazer parte do seu
processo de planejamento.
Imagine só se todas as pessoas saíssem agindo da maneira que gostariam, sem medir as consequên-
cias de seus atos? Seria uma situação bastante complicada, não é verdade? Você já deve ter
presencia- do ou escutado alguém falar dos famosos “inconsequentes” que existem em partes do
mundo, certo? Sabendo disso, não dá para “pisar na bola” e permitir que o seu Projeto de Vida seja
atrapalhado pela falta de acompanhamento do seu Plano de Ação, correto? Analise sempre, pense
bastante e se coloque no lugar do outro, pois isso também vai te ajudar a obter melhores resultados.
Se liga no exemplo.

Imagine que você tem uma prova de alguma matéria para ser realizada em um mês. Você deve
realizar o planejamento de como você irá se preparar e estudar para esta prova, certo? Se
você faz um plano de estudos diários, se dedica, revisa todos os conteúdos, tira dúvidas, faz
resumos, exercícios e se concentra durante todo o período, a tendência é que você tenha
uma consequência positiva e um ótimo resultado na prova, gerando impacto exitoso no seu
rendimento escolar. Porém, se você não se planeja da maneira correta, não estuda
previamente e deixa para revisar a matéria um dia antes da prova, a tendência é que você não
tenha um resultado positivo e a consequência será uma queda no seu rendimento escolar,
podendo impactar inclusive em reprovação. Em relação aos impactos, eles podem ser de
curto, médio e longo prazo. No exemplo, pode ser observado cada um destes períodos. O
impacto de curto prazo, no caso de um planejamento de estudos ineficiente, seria você ter
maiores dificuldades de responder às questões da prova, pois provavelmente não teria
construído conhecimento suficiente para isso. O impacto de médio prazo seria o resultado da
prova com uma nota que não estivesse dentro da média esperada para o bimestre, por
exemplo. E o impacto de longo prazo, seria a queda nas suas notas e você necessitar realizar
provas de recuperação ou até mesmo uma reprovação na matéria. Portanto, é imprescindível
que você se antecipe em relação às possíveis consequências e quais os impactos que as suas
ações podem gerar para você.
4. Analise o Plano de Ação do seu Projeto de Vida e tente antecipar as consequências das ações
que você planejou. Quais os impactos que elas causam?

5 - De acordo com a sua análise, feita na questão anterior, estes impactos são de curto, médio ou
longo prazo?

6 - Você acredita que as consequências das suas ações vão impactar somente a sua vida ou
também impactarão a vida das pessoas que convivem com você? Comente sobre isso:

Então estudante, o que achou das aulas? É muito importante que você compreenda a necessidade de
acompanhar os resultados de suas ações, se antecipe em relação às tendências e consequências de cada uma delas.
É necessário estar aberto às mudanças que podem se fazer necessárias no percurso do seu Projeto de Vida.
Até a próxima!

Referência Bibliográfica
• Instituto de Corresponsabilidade pela Educação. Material do Educador: Aulas de Projeto
de Vida. 2ª Série do Ensino Médio. 1ª Edição. Recife. 2016. p.1 a 264.
• PRESSE, France. Morre aos 86 anos o revolucionário matemático Alexandrer
Grothendieck. Disponível em: <http://g1.globo.com/ciencia-e-
saude/noticia/2014/11/morre-aos-86-anos-
-o-revolucionario-matematico-alexandrer-grothendieck.html#:~:text=Alexander%20Gro-
thendieck%2C%20um%20dos%20maiores,na%20Fran%C3%A7a%2C%20aos%2086%20
anos.&text=Ele%20faleceu%20na%20quinta%2Dfeira,assessores%2C%20sem%20
dar%20maiores%20detalhes.> Acesso em outubro de 2021. Acesso em novembro de 2014.
SEMANA 5
UNIDADE (S) TEMÁTICAS:
Competências para o século XXI.
OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:
Relação entre objetivos e indicadores do Projeto de Vida.
HABILIDADE(S):
Autogestão.
CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores, ações e estratégias do Projeto de Vida, planejamento estratégico.
INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Ideias, conceitos, pensamentos e teorias seculares,
organização social do trabalho.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Racionalidade científica, lógica, intuição.
Habilidades socioemocionais: Resiliência, perseverança e determinação.

TEMA: Onde estou nesse momento? Indicadores de processo (Parte


1). Caro (a) estudante,
Nesta aula você vai conhecer uma outra forma de acompanhar as ações planejadas e executadas por você
através dos Indicadores de Processo! Como o próprio nome já diz, eles vão te ajudar bastante a observar e agir
quando necessário, a partir do que suas ações indicam durante o processo de execu- ção do que foi planejado.

RECAPITULANDO
Nas aulas passadas você refletiu de maneira mais aprofundada sobre as consequências e as tendên-
cias dos resultados de um planejamento. Viu também que as tendências são as possibilidades e pro-
babilidades de algo acontecer, ou seja, é o que está no meio do processo e devem ser
acompanhadas para evitar que resultados inesperados aconteçam. Com relação às consequências,
você viu que elas podem estar relacionadas aos resultados de ações que não foram planejadas com
a atenção necessária às análises de tendências.

ATIVIDADES
Observe atentamente a imagem a seguir.

Disponível em: <http://lh3.googleusercontent.com/-ray6nVmYqYs/VX9aixUMteI/AAAAAAAACXc/ToeZdZPbsMY/s640/FB_

IMG_1434409273986.jpg>. Acesso em: 30 jul. 2021.


Você já viu algo parecido antes? Já ouviu falar na frase: Expectativa X Realidade? Então, esta
imagem também retrata um pouco desta situação. Muitas vezes as pessoas planejam determinadas
ações e criam expectativas em relação aos resultados que elas podem trazer, porém, nem sempre
as coisas saem como foi planejado inicialmente, não é verdade?
Esta frase que viralizou com muitos memes nas redes sociais e na internet de modo geral se
aplicam aos contextos mais diferentes possíveis. Não seria diferente em relação ao Projeto de
Vida, certo? É preciso saber que entre o planejamento e a execução do seu Plano de Ação de
Projeto de Vida, isso também pode acontecer. Talvez você tenha traçado metas e objetivos
inicialmente e que no decorrer da execução das ações para o atingimento delas, algo tenha ocorrido
e mude um pouco ou bastante os seus planos. Uma das possibilidades é este momento de
Pandemia que todos estamos passando e que pode alterar muitos percursos que estavam traçados
em linha reta, como na primeira imagem, em verdadeiros emaranhados e curvas no meio do
caminho.
Sabendo disso, você vem construindo etapas valiosas do seu Projeto de Vida e uma ferramenta que vai
ajudar você a conseguir acompanhá-lo de maneira mais efetiva são os Indicadores de Processo. Os Indicadores
de Processo são uma das ferramentas que permitem um melhor gerenciamento. Eles auxiliam você a
estabelecer mudanças que sejam necessárias e significativas dentro do seu Plano de Ação de Projeto de
Vida, sabe por quê? Porque eles permitem que você acompanhe os resultados que você está alcançando e
entenda, de fato, o que está acontecendo no processo, de maneira mais clara.

1 - Leia os textos a seguir, reflita sobre os conteúdos e responda às perguntas.

Texto 1: Enquanto as ações planejadas começam a ganhar vida1


“(...) a tal fase de acompanhamento não é ficar assistindo de camarote como a ação se
desenvolve. O que na verdade tem que ser feito é interferir nela, mudá-la, sempre que
comece a se mostrar furada, arriscando não levar aos objetivos que se pretende atingir. (...)
não se pode ficar só vendo passiva- mente o que se passa. (...) continuar pensando a ação
depois que ela começa, para não voltar a agir improvisadamente, sem querer? (...) Descobrir os
erros antes deles serem cometidos (...)é possível quando a realidade global na qual sua ação
se insere se modifica tão nítida e rapidamente que de- terminadas ações já se mostram
supérfluas ou inoportunas antes mesmo de serem começadas. (...) Talvez outro caso parecido
com esse seja quando há uma série de ações encadeadas, e as primeiras delas se revelam
erradas. Dá tempo então para corrigir o curso da coisa, modificando as seguintes, antes que
novos erros sejam cometidos.”

a) Cite três coisas que são feitas na fase de acompanhamento, segundo o autor do texto:

“(...) Outra coisa: às vezes, dadas essas diferentes circunstâncias, pode se tornar necessário
não propriamente modificar determinadas decisões, mas introduzir ações completamente
novas, que nem haviam sido cogitadas no plano inicial. Seja para completar resultados
considerados insufi- cientes, seja para fazer frente a efeitos ou reações provocados pelas
ações que já realizamos. O que equivale a dizer que, a essa altura dos acontecimentos, o
plano inicial pode ser jogado fora, para ser substituído por outro plano, elaborado ali no
quentinho da ação...”
1
FERREIRA, Francisco Whitaker. Planejamento Sim e Não: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1979. p 61-69.
b) Responda: Se você planejou tudo, por que, segundo o autor, às vezes é preciso mudar as
ações planejadas?

“(...) a tendência a obedecer o plano, a qualquer custo, tem raízes na dificuldade natural de se
aceitar que sempre se está obrigado a modificar os planos, inclusive até mesmo
imediatamente depois de começar a sua execução. (...) Me apego ao planejamento porque não
quero improvisar. Tomo deci- sões da maneira mais refletida possível. Mas de partida tenho
que aceitar que posso abandoná-las. Fica quase o dito pelo não dito, ou a impressão de que
realmente não é possível senão improvisar. Então, para não me sentir muito perdido, passo a
dizer que o plano foi bem refletido e bem pesado, portanto, se tem que o obedecer de
qualquer maneira. (...) Como se sair dessa? (...) Elasticidade mental... Mais do que
elasticidade mental. O que ocorre é que, salvo nos momentos de mudança de peso, é o sim
ou o não que domina. No planejamento acho que se tem que tentar encaminhar as coi- sas
da melhor maneira possível. O menos improvisadamente possível, o mais planejadamente
pos- sível. O importante é estar atento aos objetivos, e à possibilidade de mudar os próprios
objetivos...”

c) Por que, segundo o autor, é necessário ter elasticidade mental?

Texto 2: Indicadores
Um INDICADOR é um parâmetro que permite perceber a diferença entre o que alguém espera rea-
lizar e o que está acontecendo no momento atual. A pessoa tem uma meta, começou a agir, a
fazer alguma coisa para atingi-la e, graças aos indicadores, pode saber se o que está sendo
feito está ou não possibilitando que ela avance no caminho da meta desejada. Outra maneira
de definir indicador é esta: um indicador é uma característica específica, observável e
mensurável que pode ser usada para mostrar as mudanças e os progressos que a pessoa está
fazendo com relação a um resulta- do (objetivo) que estabeleceu. É importante fazer essas
observações sistematicamente, a partir de pontos de vista diferentes. Três deles são muito
úteis para monitorar como andam as coisas em seu Projeto de Vida e também em qualquer
outro tipo de plano:
1. O ponto de vista da EFICIÊNCIA: atingir seus objetivos usando o mínimo possível de
recursos.
2. O ponto de vista da EFICÁCIA: conseguir realizar o que você se propõe a fazer.
3. O ponto de vista da QUALIDADE: fazer o que você se propõe a fazer tão bem quanto deveria.
Os indicadores servem para isto: ajudar você a perceber como as coisas andam e, se for
preciso, corrigir o rumo e pensar em novas ações. Um bom indicador reflete seu trabalho, é
fácil de entender para qualquer pessoa, não exige cálculos complicados e mostra-se útil na
prática. Se você definir um indicador que não se enquadre nessa descrição, é bem provável
que ele não funcione e acabe sendo deixado de lado.
d) Escreva aqui, em uma frase, sua definição de indicador.

e) Responda: Para que serve um indicador?

f) Responda: Com indicadores a partir dos pontos de vista de eficiência, eficácia e qualidade,
quais são os três tipos de informações que uma pessoa obtém sobre o andamento de seus
planos?

Então, estudante, espera-se que você tenha começado a identificar a importância dos Indicadores de
Processo. Mas não se preocupe, na próxima aula você vai continuar a ver um pouco mais sobre
esse tema tão relevante para o seu Projeto de Vida, ok? Até a próxima!
SEMANA 6

UNIDADE (S) TEMÁTICAS:


Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO:


Relação entre objetivos e indicadores do Projeto de Vida.

HABILIDADE(S):
Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS:
Missão, visão, valores, ações e estratégias do Projeto de Vida, planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Determinação, compromisso e proatividade.

TEMA: Onde estou nesse momento? Indicadores de processo (Parte 2).


Caro (a) estudante,
Nesta aula você vai continuar conhecendo esta ferramenta tão necessária e que vai te ajudar a
seguir o seu planejamento e contribuir para que suas ações do Plano de Ação sejam as mais
acertadas durante a sua jornada rumo aos seus objetivos e sonhos. Vamos nessa?

RECAPITULANDO
Na aula passada você começou a ver uma forma de acompanhar as ações e resultados traçados no seu Plano de
Ação de Projeto de Vida, a partir dos Indicadores de Processo. Viu que eles colaboram com o seu planejamento,
pois eles mostram exatamente onde você está, bem como se este planejamento está sendo seguido ou
necessita de alguma alteração.

ATIVIDADES
Para qualquer planejamento, os Indicadores de Processo contribuem bastante para que cada pessoa
responda à pergunta: Onde estou nesse momento? Se você não consegue responder esta pergunta,
atenção! É preciso então voltar algumas casas do seu jogo de tabuleiro e olhar atentamente para
as etapas anteriores. Se você não lembra, é importante observar o que você vem construindo ao
longo das aulas para o seu Plano de Ação de Projeto de Vida. Nesta etapa dos Indicadores de
Processo, é o momento em que as ações já estão sendo executadas de acordo com o que foi
planejado e alguns resul- tados já aparecem. É justamente neste ponto que você precisa estar:
analisando os caminhos percor- ridos a partir do que você vem desempenhando.
Os Indicadores de Processo vão te mostrar se você está alcançando as metas de curto prazo, se os
resultados estão sendo positivos, para assim você conseguir determinar se continuará com o
planeja- mento inicial, ou se será preciso rever algum ponto. É primordial, que a cada análise dos
Indicadores de
Processo, você consiga movimentar mudanças que deixem você cada vez mais perto de alcançar os

objetivos desejados.
Para ajudar você a compreender ainda mais sobre os Indicadores de Processo, se liga:

Tipos de indicadores
Dependendo do que vamos observar, há três tipos de indicadores. Para os recursos materiais, usa- mos indicadores de
estrutura. Por exemplo: num hospital, um indicador de estrutura seriam os equi- pamentos disponíveis para atender os
pacientes, ou a quantidade de leitos na UTI.

1 - Imagine um exemplo de indicador de estrutura numa escola e outro para seu Projeto de Vida e
anote- os aqui.

Para o que se faz, usamos indicadores de processo. Por exemplo: num hospital, alguns
indicadores de processo seriam o tempo que o médico passa com cada paciente, a frequência
com que as pessoas fazem a limpeza e desinfecção dos quartos, a adequação dos procedimentos
para cada doença...

2 - Imagine um exemplo de indicador de processo para o trabalho em uma escola e outro para
seu Projeto de Vida e anote-os aqui.

Para REFLETIR
O conjunto dos indicadores que usamos deve nos fornecer informações suficientes para podermos
responder a esta pergunta: Fizemos o que nos propusemos a fazer tão bem quanto deveríamos e
poderíamos?
Algumas considerações são importantes para definir seus Indicadores de Processo. Fique atento e
analise tudo o que você planejou até aqui.
• Um indicador deve ser simples, claro, sem ambiguidade, e descrever com clareza o que
está sendo medido.
• Palavras como “melhorar”, “aumentar”, “reduzir”, isoladamente, não são adequadas
para um indicador. É importante estabelecer realmente aonde se quer chegar, se
possível quantificando.
• Quando outras pessoas estão envolvidas, é importante que elas também deem seu
parecer sobre o que está acontecendo, para ter uma ideia mais precisa e completa. Um
indicador é confiável quando serve para medir alguma coisa ao longo do tempo e da
mesma forma, seja quem for o observador.
• Se você quer acompanhar bem o andamento das coisas (o processo), não basta dar
uma olhada e controlar “de vez em quando”: é preciso fazer isso a intervalos regulares,
de acordo com as metas que você definiu. Só assim você não é apanhado de surpresa
sem possibilida- de de corrigir o rumo e/ou alterar as ações.
• Nem sempre é possível quantificar as informações. Nesse caso, pode ser de grande
ajuda ouvir outras pessoas que nos informam como percebem as coisas para as quais
nos faltam indicadores “exatos”.

3 - Escolha um indicador de processo que você considere importante para seu Projeto de Vida.
Anote-o abaixo. Indique ao lado com que frequência (ou a que intervalos regulares) você acredita
que deverá usá-lo para monitorar seu progresso rumo aos objetivos.

4 - Agora, exercite a definição de indicadores para si mesmo, levando em conta o que já imaginou
até agora para seu Projeto de Vida. Escolha quatro áreas que considere importantes em seu
Projeto de Vida (por exemplo: formação, mudanças de comportamento, capacitação, atitudes,
conhecimentos, práticas, comunicação, hábitos...) e escreva pelo menos um indicador para
cada uma no quadro abaixo. (Ao completar seu Projeto de Vida, mais tarde, lembre-se disto: é
bom ter pelo menos um indicador de processo para cada área de atividades.)

ÁRE INDICADO
A R

5 - Abaixo, você tem uma lista com algumas perguntas que ajudam a verificar se um indicador é
bom. Use-as para examinar cada um dos indicadores que escreveu no quadro acima e conferir
se eles podem ser melhorados. Se a resposta for SIM, faça as correções ou alterações
necessárias.
• Para saber se um indicador é bom.
− Seu indicador é confiável? (Você ou outra pessoa poderia aplicá-lo outras vezes, da
mes- ma forma?)
− Seu indicador é preciso e claro? Qualquer pessoa entende o que ele mede?
− Seu indicador está relacionado a um objetivo bem definido, ou é vago?
− Seu indicador é prático, ou sua aplicação demanda recursos complicados?

Os Indicadores de Processo vão estar sempre à sua disposição durante todo o processo de execução
do seu Plano de Ação de Projeto de Vida. Use bastante essa ferramenta para que você possa
chegar aos seus objetivos acompanhando de perto cada passo dado. Até a próxima!
UNIDADE (S) TEMÁTICAS: Competências para o século XXI.

OBJETO (S) DE CONHECIMENTO: Relação entre os objetivos e resultados e os resultados alcançados do Projeto de
Vida.
HABILIDADE(S): Autogestão.

CONTEÚDOS RELACIONADOS: Missão, visão, valores, ações e estratégias do Projeto de Vida,


planejamento estratégico.

INTERDISCIPLINARIDADE:
Ciências Humanas e suas Tecnologias: Participação e papel social, transformação social e atuação
humana.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Organização pessoal e planejamento.
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Gêneros textuais, comunicação.
Habilidades Socioemocionais: Iniciativa, determinação e resiliência.

TEMA: Para onde eu vou? Indicadores de


resultado. Caro (a) estudante,
Nesta aula você conhecerá os Indicadores de Resultado, que também fazem parte do conjunto de fer- ramentas
que contribuem para o alcance dos objetivos do seu Plano de Ação de Projeto de Vida. Os Indicadores de Resultado
complementam os Indicadores de Processo. Enquanto o de Processos está ligado ao andamento de suas ações,
o de Resultados está relacionado ao que você conquista a cada passo dado rumo aos seus objetivos.

RECAPITULANDO
Nas últimas aulas você descobriu mais uma forma de acompanhamento das suas ações e dos resulta- dos, a
partir dos Indicadores de Processo. Acompanhar o andamento do planejamento do seu Projeto de Vida é
fundamental para que você chegue aos seus objetivos.

ATIVIDADES
Os Indicadores de Resultados são meios para você avaliar o desempenho de suas ações. São eles que efetivamente
mostram se você está no caminho certo, com dados mensuráveis em relação ao que foi planejado. Geralmente
são conquistados ao final do processo. Eles permitem que você tenha clareza sobre o alcance de metas
específicas e sobre como está o seu desempenho e o que precisa ser ajus- tado ou melhorado no seu
planejamento.

Ao estabelecer as etapas anteriores do seu Plano de Ação, é possível vislumbrar o alcance dos objeti-
vos e metas, mas não basta ter uma visão sobre o que poderá acontecer no futuro. Como você já
sabe, o fato de apenas planejar, não garante que os resultados aconteçam. É preciso agir para que
os resulta- dos, de fato, apareçam. Os Indicadores de Processo mostram como está o andamento
das suas ações e permite que mudanças aconteçam no meio do caminho. Os Indicadores de
Resultado vão mostrar o que você realmente conseguiu alcançar ao final das ações. Por isso ele é
tão importante e está ligado diretamente às suas ações, prioridades, metas e objetivos. Os
indicadores de resultado, sendo parte de um Plano de Ação, devem ser, obviamente, estruturados
antes da execução das tarefas. Ao final do caminho percorrido, é necessário alcançar algo, atingir
um alvo, ter um retorno. Sendo assim, não bas- ta, por exemplo, ter efetivamente se dedicado ao
tempo de estudo previsto, é necessário que a dedica- ção aos estudos resulte em avanços no nível
dos que você estuda. A partir do exemplo, percebe-se que o êxito será reconhecido se for possível
aferir o quanto se aprendeu quando o processo chegar ao fim. Aquilo para que se estudou é a
meta, portanto, uma forma de saber se a meta foi atingida é quantifican- do o conteúdo dos
estudos: por exemplo, tirando notas acima da média nas disciplinas que abrangem aqueles
conteúdos estudados.
1 - Sendo o indicador de resultado um parâmetro para avaliar se as metas foram ou não
conquistadas, reflita sobre o seu Plano de Ação e busque responder às seguintes perguntas,
pensando nos resultados ao final do processo.

a) Ao traçar meu Plano de Ação, o que eu defini como resultado esperado?

b) Agora, no meio do percurso estabelecido, o que eu realmente já consegui?

c) Do que eu já consegui, o resultado ficou dentro do esperado ou deixou a desejar?

d) Consegui ir além ou estou aquém do que estabeleci? Se não consegui, quanto exatamente
me faltou para cumprir meu plano até agora?

Indicadores de Resultado devem expressar e quantificar. Se a sua meta é, por exemplo, ser aprovado
com média 9 em uma disciplina fundamental para o que você quer ser, 9 é o resultado esperado.
Este é, portanto, o seu Indicador de Resultado. O passo a passo de todo o percurso é algo que será
avaliado, como visto nas aulas anteriores. Como você sabe, a clareza do seu Plano de Ação é
fundamental, deven- do estar escrito de modo que qualquer um que o leia, entenda. Aplicando
essa regra às áreas específi- cas dos indicadores, então é preciso que estes sejam claros, objetivos
e mensuráveis. Caso o seu Plano tenha sido estruturado de maneira clara, significa que qualquer
pessoa pode compreender.
Ao ler um Plano de Ação, ele deve ser claro ao ponto de permitir que qualquer pessoa possa
responder a essas perguntas.
• Quais os objetivos desse Plano?
• Como saber se eles foram ou não atingidos? – isto é: quais os indicadores para isso?
Os Indicadores de Resultado servem para que você possa compreender como está o seu desempenho e progresso
no rumo ao alcance das metas e objetivos do seu Projeto de Vida. Monitorar através des- tes Indicadores é
fundamental para a sua constante evolução. Com o acompanhamento contínuo dos Indicadores de Resultado,
você saberá o que pode exigir mais de você e relacionar o resultado com os seus esforços.
2 - Liste abaixo todos os objetivos estabelecidos no seu Plano de Ação de Projeto de Vida e
responda o que se pede:

OBJETIV
OS



a) A partir dos objetivos listados por você, deduza e crie os indicadores de resultado
necessários à avaliação ao final do percurso para cada objetivo. Os indicadores devem ser
instrumentos que possam trazer à tona dados quantificáveis.

OBJETIV INDICADORES DE RESULTADO


OS
• •
• •
• •
• •

b) Como saber se isso que você pretende será atingido ou não?

c) Os indicadores que você deduziu dos seus objetivos fazem sentido?

Para estabelecer os indicadores para as suas tarefas, pense no que você deveria conquistar, objetiva-
mente, com a execução de cada uma delas. Por exemplo, se a sua meta é melhorar o seu
desempenho em matemática, na sua planilha, você estabeleceu a estratégia de estudar essa
matéria cinco vezes por semana. Portanto, o número de estudos por semana é o seu indicador de
processo – isto é, a forma como você está caminhando rumo à sua meta. Um outro indicador de
processo que melhor retrata a tendência da evolução seriam as notas parciais, em cada mês ou
bimestre. Já para criar um indicador de resultado, isto é, para saber se o seu desempenho em
matemática melhorou, você deve estar saben- do mais da disciplina do que sabia no começo desse
período.
Uma forma objetiva de medir esse impacto é estabelecer uma nota acima da média naquela
disciplina – portanto, ficaria assim, no seu Plano de Ação.
• Indicador de resultado: média final acima de 7.
É preciso, em outras palavras, saber se o Indicador de Resultado está claro e objetivo, de
modo que o outro possa compreender? Lembrando que.
- Indicadores são definidos como sendo dados ou informações, preferencialmente nu-
méricos, que representam um determinado fenômeno e que são utilizados para medir
um processo ou seus resultados.
- Os indicadores são utilizados para: Garantir ou melhorar um processo e/ou
resultado. O que você deseja garantir/modificar? Quanto você quer melhorar? Aonde
você quer che- gar? Qual a sua situação atual em relação a meta? Está muito longe,
falta muito ou pouco? Quanto? Como você vai saber se melhorou ou não?
- Os indicadores devem contribuir de forma explícita para o cumprimento dos objetivos.
- Devem estar intimamente relacionados às principais conclusões do processo de
elabo- ração do Planejamento (pontos fracos, pontos fortes, oportunidades e
ameaças).
- Devem medir desempenho e não atividade.
- Devem ser simples e de preferência exigir pouca ou nenhuma explicação.
- Devem permitir fixação de metas e autonomia na obtenção das mesmas.

2 - Agora que você entendeu um pouco mais sobre como avaliar processos e resultados em um
Plano de Ação, gerando indicadores que apontem as condições atuais reais em que se
encontram suas metas, vale a pena praticar no contexto do seu Plano individual.
a) Em seu caderno, estruture a sua planilha de Planejamento Semanal. Nessa planilha, você
deve estabelecer suas metas para o final deste ano, das quais, metade delas devem ser
trabalha- das em um mês. A partir delas, retire duas e ofereça a devida atenção e
tratamento semanais. Você seria capaz de estabelecer os indicadores das suas metas
semanais estabelecidas desde então e aplicá-los à condição atual em que se encontram
aquelas tarefas? Reflita e organize o seu planejamento.

Então estudante, o que achou das aulas? É muito importante que você compreenda a importância
do acompanhamento dos Indicadores de Processo e de Resultados e que sirva de base para o
melhor de- senvolvimento das suas ações rumo ao alcance das metas e objetivos do seu Projeto
de Vida. Até a próxima!

REFERÊNCIAS
• CARROLL, Lewis. Alice no País das Maravilhas. São Paulo: Ática, 1991. p 60-61.
• FERREIRA, Francisco Whitaker. Planejamento Sim e Não: um modo de agir num mundo
em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p 61-69.
• HOMERO. Odisseia. São Paulo: Cultrix, 2006. Tradução de Jaime Bruna. p. 107-110.
• Instituto de Corresponsabilidade pela Educação. Material do Educador: Aulas de Projeto
de Vida. 2ª Série do Ensino Médio. 1ª Edição. Recife. 2016. p.1 a 264.
• Qual o Seu Sonho? 50 Pessoas, 1 Pergunta (Fifty people one question - Brasil). Youtube-
Selo. MS. 2015. Disponível em: < https://youtu.be/hYMWDinrvFA>. Acesso em julho de
2020.
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS