Você está na página 1de 18

Cooperativismo

Médico,
CBHPM e
SUS

Maria Célia Costa


Presidente FEBRACAN
Presidente
Anestesiologia
• Procedimento de Média complexidade
• Risco associado alto - fatores imprevisíveis
• Média qualidade de vida – grande estresse
• Visto mais como “custo” que como profissional
• Incorporação de novas tecnologias na
anestesiologia como bombas de infusão,
monitorização tem aumentado o custo
• Surgimento de postos de trabalho
– Exames complementares – RNM, TAC, HMD
– Consultório pré-anestésico
– Consultório de dor e acupuntura
– Sala de recuperação pós-anestésica
FEBRACAN
• Federação Brasileira das Cooperativas dos
Anestesiologistas

• 20 filiadas representada em 17 estados


– Exceto RS, MT, MS, AC, RO, RR, AP, PI, MA e SP
– PE, MG e PB – 02 cooperativas em cada estado

• Cooperativas de Anestesiologia Antigas


– Antes do crescimento da saúde suplementar
– 1974:Goiás e 1976:Pernambuco

• Exclusivamente honorário médico em anestesiologia


• Nenhum material especial, prótese ou órtese
• 3-4% da conta médico hospitalar
Cooperativismo
• Grandes problemas:
– Externos:
• Melhor definição de Ato Cooperativo
• Desconhecimento do Cooperativismo pelo
Judiciário
• PIS, COFINS, ISS, CADE
• Ações do Ministério do Trabalho e Público
• PL 131/08
– Internos
• Desconhecimento cooperativismo pelo
médico
• Gestão não profissionalizada da Diretoria
COOPANEST’s no Brasil
• Amplas diferenças: parte operacional
de cada Cooperativa

• Objetivo Comum:
Uma medicina menos
“mercantilizada” e que valorize o
interesse dos médicos e dos seus
associados, bem como a ética e
respeito aos usuários, sem o objetivo
do lucro.
Histórico do Atendimento ao
SUS
através de Cooperativas de anestesia
• Precarização dos salários e condições
de trabalho do médico
• Implantação do SUS
• Desde 1987 – plantões pagos através
de SM
• Eletivas: AMB 1990
• CBHPM: 2003 no TO
• CBHPM: 2005 em PE favorecido por Lei
Estadual
• Estados contemplados com contrato
SUS através COOPANEST
– CBHPM: AM, CE, RN, PE, ES, TO
Formas de prestação de serviços e de
remuneração ao SUS
• Eletivas:
– CBHPM: maioria dos estados
– Tabela SUS mais 80%: Goiânia/GO
– Tabela SUS mais CTPS com Hospital:
Recife/PE

• Urgências em plantões realizados:


– Produção médica exclusiva
– Valor fixo
Locais de atendimento
das Cooperativas de Anestesia aos usuários
do SUS
• Hospitais públicos do governo ou não
(HU e Filantrópicos): média e alta
complexidade

• Hospitais privados: alta


complexidade
– ex. diagnósticos/terapêuticos
– cirurgias cardíacas
– Transplantes cardíacos, hepáticos
– retiradas de órgãos para transplante
SES/PE e COOPANEST-PE
Bases contratuais
• Contrato em caráter de urgência e de forma
provisória em 1987

• Atendimento na rede estadual, HU e Maternidades


estaduais previstos contratualmente

• CBHPM 4º edição com redutor de 25%

• Escala de plantão nas grandes emergências com


garantia de p/COOPANEST-PE

• Plantões nas Salas de Recuperação


Valores em R$ por porte
anestésico
Portes/Valor R$ Procedimento

1 51,75 Uretrostomia Linfadenectomia


pescoço
2 75,00 Hernior. Inguinal Adenoidectomia

3 111,00 Adenoamidalect/ Varizes


/ unilateral
4 165,00 Colecistectomia Histeroscopia

5 255,00 Facectomia Colelap

6 356,00 Onfalocele, Colectomia com


gastrosquise colostomia
7 506,47 Gastroplastia Aneurisma
toraco-
8 669,00 Transplante abdominal
Revascularizaçã
cardio-pulmonar o miocárdica
com cirurgia
Atendimento ao SUS
Contrato COOPANEST/PE com
SES/PE
• Anestesias ao mês: 4.200
(procedimentos, cirurgias, exames)

• Valor total mensal médio – R$


750.000,00

• Média do Valor por anestesia – R$


178,00

• Valores Plantões:
– Plantão diurno SRPA 12h– R$ 600,00
– Plantão noturno SRPA 12h– R$ 650,00
CBHPM no SUS
Alterações nos portes da anestesia
da CBHPM
Porte 0 (3)para 1:
• Drenagem de abscesso em crianças
• Punção lombar para quimioterapia em
crianças
Porte 3 para 2:
• Punção venosa central em crianças
Porte 5 para 3 – em plantões:
• Analgesia de parto
Contrato SES/PE e
COOPANEST-PE
• Vantagens para a Cooperativa:
• Ampliação do campo de trabalho
• Melhor Remuneração ao médico que tabela
SUS

• Desvantagens para a Cooperativa:


• Cooperativa assumiu preenchimento
plantões SES/PE
• Por ser prestadora exclusiva de
anestesiologia: grande responsabilidade
com capacidade de prestação de serviços
limitada
SUS X CBHPM
Média Complexidade
• HTA
– SUS R$ 70,00
– SES/PE R$ 255,00

• Adenoamidalectomia
– SUS R$ 19,22
– SES R$ 111, 00

• Tireoidectomia total
– SUS R$ 83,00
– SES R$ 255,00
SUS X SES
ALTA COMPLEXIDADE
• Hospitais privados, públicos e
filantrópicos

• Transplante hepático
– SUS R$ 1.556,00
– SES R$ 669,00

• Transplante renal
– SUS R$ 1.445,85
– SES R$ 356,00
SUS - PE
• Faturamento da COOPANEST-PE
em %

–2002: 15%
–2004: 36%
–2008: 25%
Grande Recife – Atendimento
ao SUS

• Funcionário Público: 20%

• Atendimento através COOPANEST-


PE: 65%

• Serviço complementar: 15%


“As Cooperativas são aliadas
naturais de Governos sérios,
uma vez que o
objetivo de ambos são os
mesmos:
distribuição de renda,
geração de empregos,
segurança alimentar e
defesa do meio ambiente.”