Você está na página 1de 62

REFINO DE PETRÓLEO

Refino de petróleo –Refinaria


REDUC
PRODUÇÃO DE
COMBUSTÍVEIS

UNIDADES DE PROCESSO

(REFINO)
APROVEITAMENTO DE UM BARRIL
DE PETRÓLEO

DERIVADOS %

GLP .............................................. 7
GASOLINA .................................. 16
NAFTA E SOLVENTE ................. 11
QUEROSENE .............................. 5
ÓLEO DIESEL ............................. 34
DERIVADOS DIVERSOS ............ 7
ÓLEO LUBRIFICANTE ............... 1
ÓLEO COMBUSTÍVEL ............... 17
ASFALTO .................................... 2
Unidades de Processo
• ÁREA DE COMBUSTÍVEIS:

Unidade de Destilação Atmosférica e a Vácuo (3 estágios):


• A Destilação é um processo de separação, através
da vaporização e posterior condensação, devido a
ação de temperatura e pressão, em frações
diferenciadas pelos seus respectivos pontos de
ebulição. O ponto de ebulição de um líquido é função
da pressão que sofre no ambiente. Desta forma,
quanto maior for a pressão exercida, maior será a
temperatura de ebulição do líquido.

• Apresenta um sistema de destilação dividido em três


estágios: torre de pré-flash, destilação atmosférica
e destilação a vácuo . É importante lembrar que
antes de entrar no 1o estágio, o petróleo passa por
um processo de aquecimento e dessalinização para
remoção de sais , água e material particulado. A
presença desses contaminantes no cru causam:
• Produtos x Rendimentos:
Produtos Rendimentos (%)
GLP 1,5
Nafta L/P 14,5
Querosene 11,5
Diesel leve 16,5
Diesel Pesado 6,0
GOL 2,5
GOP 23,0
Resíduo de Vácuo 24,5
E-113
D.L.
Planta
P/ E-138AB

E-106D E-106A
D-122A D-122B E-117A RV
E-106C
D-112 E-103A E-106E RV p/ TQ-7528

J-104
P/ fornos

P/ flare
E-117B
S.A.O

E-104
D-111A D-111B E-106F E-106B J-103ABC
J-101ABCD J-102ABC
P-136 E-106G
P-101ABC(T)D

E-105
soda E-103B VAPOR
E-106H VAPOR

D-126
E-128AB E-107AB
P-139AB E-107CD
E-101BAF

E-128C
E-126 E-124

E-127
D.P E-122ABCD E-123 C-103

E-129AB
E-131C E-114

C-102
D-103
E-130AB
E-131B STR-103
E-101DCE

D-125
D-124
E-131A
D-102 D.P P-114ABC

P/ U-1250
E-125A D.L E-116ABCD P-143A
E-125B P-106ABC QAV P-113AB
P-108AB STR-105

E-115ABC
T-105 P-147 T-103
E-102 A T-102 H-103 STR-104

P/ U-1910
STR-106
E-102B

P-148AB AB STR-107
T-106 Vácuo
P-133ABCD
P-141AB
flare P-116AB
T-107
P-107AB G.C.
RV
GOL

GOP
E-110 P-111AB D-119 P-142AB
GOP
E-112

E-120ABCD
vapor
E-108
amônia

AaF P-112ABC(T)D
N.P

D-101 GLP
T-108
QAV

P-117AB
H-102 H-101 E-111/132
P-118ABC
T-101 ABC E-134
P-125AB
Pré-Flash

P-105AB P-104 E-121AB


E-133AB D-104
P-103AB(T)
U-1910
S.A.O P/ UPF T-104
E-136
H-102D E-135
P-138AB
E-118AD P/ D.L CEG
P-102ABC(T) PTQ Nafta TQ
E-119AB GLN p/ DD P-132AB P-131AB
Adriano (516871-3) P-130AB
Unidades de Processo
• Unidade de Pré-Fracionamento de Naftas
• Unidade de Reforma Catalítica
O objetivo essencial da Unidade de Pré-
Funcionamento é produzir um corte específico
da nafta que sirva como carga da Unidade de
Reforma Catalítica.

A nafta pesada será, após passar por uma torre


retificadora , enviada à seção de reforma
Catalítica.
A Reforma Catalítica é um processo que consiste
no rearranjo da estrutura molecular dos
hidrocarbonetos com o objetivo de transformar a
nafta rica em parafínicos e naftênicos em
hidrocarbonetos aromáticos., além de produzir um
gás rico em hidrogênio, utilizado nas Unidades de
Hidrotratamento da Refinaria.
Três seções compõem a Unidade de
Reforma Catalítica:
-pré-tratamento
- reforma
-estabilização.
Planta
Gás residual
H2 p/PSA E-204 E-212
P/ G.C. PSA P/ H-201 GC
GC
C-204

D-210
D-216
XV-003 D-206 D-205
H2 p/ o sistema de H2
A.R. T-201
E-221 T-202

Retificadora
P/ D-206
Pré-tratamento

GC p/ U-1280
H2 com baixa pureza
GC P-204 P-203 GLP p/ U-1280
H-201
A.Refr.

tratada
E-205 E-210

Nafta
D-202
D-201
E-213
Reator E-202 REFORMADO p/ TQ
H2
E-203
E-211AB
A.R.

E-201 A/B D-204


E-209
A/B/C/D
H-202 H-203 H-204
D-212

E-206
Reforma
H2

D-203 A

D-203 B

D-203 C
TQ-203/4/10

E-207 A/B
P-201
H2

P-202
CARGA

E-208 Reator Reator Reator


A/B/C/D C-201
Unidades de Processo
• UNIDADE DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO FLUIDO
No processo da U-FCC, a carga, gasóleos da torre de
vácuo, entra em contato com um catalisador a uma
temperatura elevada, ocorrendo a ruptura das cadeias
moleculares, dando origem a uma mistura de
hidrocarbonetos que são, posteriormente, fracionados.
Este processo tem como principal finalidade a produção
de gasolina e GLP, além de formar produtos mais
pesados e um resíduo de alto teor de carbono (coque)
que se deposita na superfície do catalisador.
A regeneração do coque formado no reator é feita
através da combustão no regenerador e, em seguida,
retorna para o reator devido a diferença de pressão
entre esses dois vasos.

Catalisador Zeolítico:
As zeólitas são sólidos cristalinos microporosos,
formados pelo arranjo tridimensional de tetraedros TO4,
onde T, geralmente, representa um átomo de alumínio,
Al, ou de silício, Si.
Unidades de Processo
• Rendimentos Típicos:
1. Visando a otimização de GLP e Gasolina:
Corrente % Volume % Massa % Volume % Massa
Otimizando Otimizando Otimizando Otimizando
GLP GLP Gasolina Gasolina
Gás - 8,04 - 4,38
Combustível
GLP 39,75 24,00 28,90 17,90

Gasolina (Nafta 52,50 44,21 65,20 53,70


FCC)
Óleo Leve 9.50 10,25 10,00 11,70
(LCO)
Ól. Clarificado 5,50 6,70 5,00 6,00
(OCL)

Coque - 6,80 - 6,40


Unidades de Processo
Conjunto Conversor da U-FCC:

Reator: temperatura de reação =


540OC

Regenerador: temperatura do
catalisador = 680 C
O
GASOLINA
LCO

CATALISADOR OCL
CARGA
CO + CO2

GLN/GLP/G.C/Vapor (H2O)

LCO p/ TQ-256
D-532

D-531

V.B.P
condensado

T-502A
T-5008
Atm

TQ-521 LCO (rico)


V.M.P
R-502 LCO

E-509
Regenerador
R-501 D-517

E-508
Reator P-520/5020 P-502 LCO

T-502B
T-501 HCO

HOC
OCL
Decantado

OCL p/ TQ-362
LV

D-503
D-501 D-502
HOC

Gás comb.
catalisador catalisador H-5002
E-506
TV P-510AB
H-501
Ar

O.C.
E-512 AC
comprimido E-507
E-529ABCD
E-511

D-5005/5036
BORRA c/ catalisador

D-5022/522
P-50011AB
P-509AB
VMP E-5010 BD P-506AB carga
E-504AB E-5010
B-501 E-505/5005
E-543
HOC CARGA E-5001
AR P-5004ABC P-508AB P-505AB
P-501AB
Gás comb.
E-513 E-517AB
DEA P-507AB
T-509 T-511 C1 + C2
C3 + C4

D-5012 D-511 D-510 E-539AB


GLP
Absorvedora

Absorvedora
água
de H2S

de H2S
P-524 P-536AB T-504 T-503
P-5025AB D-504

T-5005
P-523AB P-5036

Absorvedora

Absorvedora
C3

secundária

Retificadora
primária
Gás comb.

Debutanizadora
P-512AB
P-517AB E-5021
P/ P-502 P/ P-502

T-5006
D-5009 P-5017
E-541ABC S.A.O
P-520AB P-5020AB U-1910
(pobre)

E-5024ABC

E-5022
E-5041 E-5020

E-522
DEA

E-524AB
C3 p/ PG x U-3100

C-501 C-5001 E-514ABCD


GLN
P-5022AB E-526AB Flare D-5005 E-5016AD
T-5007

E-5017AB
E-540 AB

P-520AB P-5020AB
E-520/25

D-535

T-510 E-512
DEA (rica)

V.M.P C4 P-5051AB
D-5007

P-5015AB
Regeneradora
H2S
H2S

D-507

SANTOFLEX
E-5014ABCD E-516AB
E-5030ABCD
C4 p/ U-3200

D-530

V.B.P
E-518

P-530AB
D-5022

Flare D-506 D-514


D-515
D-522

U-3300 MEROX
V.B.P

MEROX
E-530ABCD P-5030AB
DEA
E-542AB P-515AB
P-528 P-527AB
P-535AB D-528 GLP (U-1210) P-5039AB GLN P/ TQ
Unidades de Processo
• DESASFALTAÇÃO A PROPANO:
O processo de desasfaltação ou descarbonização a
propano consiste basicamente na extração de gasóleo,
também chamado de óleo desasfaltado (ODES) do resíduo
de vácuo das Unidades de Destilação, bem como a
obtenção de um resíduo asfáltico que será utilizado para a
produção de óleo combustível e asfalto.
Este processo é de extrema importância para a UFCC,
pois produz gasóleos pesados, altamente parafínicos e
com reduzidos teores de enxofre, metais e resinas
betuminosas; entretanto, o resíduo de carbono destes
gasóleos devem ser acompanhados, pois servem de
parâmetro para quantificação do coque formado na UFCC.
Outro ponto importante é a qualidade do resíduo
asfáltico (RASF) produzido, que permite a produção de
cimentos asfálticos de petróleo (CAP).
VBP
E-417AB
ODES + C3
E-411

P/ E-416
RV do TQ
VMP
T-403

VMP
VBP
T-401ABC
E-412AB T-402B
Vaporização

Retificadora de ODES
M.P

C3 E-402AB C3 H-401

VBPS
VMP

E-414AB
RASF + C3

T-402A
E-405

P-404AB
Vaporização
E-409 M A.P

ODES
ODES p/ TQ
RASF E-410 P-405AB
E-415
E-406
Do H-401

VBP T-405 E-407


E-413ABCD

VBPS E-404A a F

Diluente da interm.
E-408A a H
Retificadora de RASF

D-405
D-401 D-402AB D-403
RASF + C3

Separador de
VMP T-404
VBP

C3 de A.P
E-416

C3 de M.P condensado
H-402
Vaporização
E-401
VMP

VMP

M.P
C3
VBP
atm
VBPS

P-403
P-406AB C-401AB
P-402ABC C-402
VE-401
Unidades de Processo
• GERAÇÃO DE HIDROGÊNIO

REATORES DE CONVERSÃO
O processo de geração de hidrogênio
consiste na reforma catalítica à vapor do gás
natural, gerando H2 e CO2. O H2 é purificado a
fim de que esteja dentro das especificações
necessárias para atendimento as Unidades
de Hidrotratamento . O gás residual, rico em
CO2, é enviado para o reaforno como fonte de
energia.
Unidades de Processo
• UNIDADE DE HIDROTRATAMENTO DE QAV E DIESEL
Unidades de Processo
• HIDROTRATAMENTO DE INSTÁVEIS:
O processo utilizado pela Unidade de
Hidrotratamento consiste, essencialmente, na
hidrogenação seletiva, em presença de um catalisador
de Co-Mo e Ni-Mo, das ligações C-S, C-N, C-O, C-Me e
insaturados. O Hidrotratamento tem por finalidade
estabilizar as correntes de querosene e óleo diesel pela
remoção de compostos indesejáveis.
O enxofre, nitrogênio e oxigênio são eliminados no
processo, sob a forma de H2S, NH3 e H2O
respectivamente. Enquanto os metais ficam retidos no
leito catalítico.
Apresenta três seções distintas de processo:
Retificação de Oxigênio, Reação e Retificação de H2S.
• As reações exotérmicas típicas do Hidrotratamento:
Dessulfurização (HDS):
SH

+ H2 + H2S

(tiofenol)

RSH (mercaptans) + H2 → RH + H2S


RSR’ (sulfetos) + 2H2 → RH + R’H + H2S
S

+ 2H2 C4H10 + H2S

RSSR’ (dissulfetos) + 3H2 → RH + R’H + 2H2S


FT-280002 Antifouling P-280001
Gasoleo do coque

P-280002
V-280001

P-280003ABC

R-280001
Diesel

R-280002
Água ácida

FT-280001 B-280003AB F-280001


B-280001AB

B-280006AB
V-280013

V-280008

Gás de purga p/ U-DEA


H2 p/ UGH

V-280002
FT-280003 FLARE
C-280002AB G.C.
Água de refrig.
P-280008
H2 / N2
V-280007

V-280006
V-280009

T-280003
P-280010 V-280003

C-280001

TB-C-280001
P-280004

Água de refrig.
Inibidor de corrosão

Água de refrig. DEA pobre


P-280011
DEA
B-280007AB
FLARE
P-280009 DEA Rica
P-280006 Sistema

T-280002
V-280004 de vácuo
T-280001

Água de refrig.
Água Ácida
vapor

B-280004AB Nafta selvagem P-280007AB


DIESEL
P-280005AB

B-280005AB
UNIDADES DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE
(URE’s)
A URE é uma continuação natural do tratamento com
DEA. A corrente com o teor de H2S elevado (90% em
volume) pode ter dois destinos: a queima no flare ou carga
para as URE’s. As URE’s também recebem gases ácidos de
outros processos, tais como, o hidrotratamento, reforma
catalítica e coqueamento.
A produção de enxofre é conseguida por meio da
oxidação parcial do H2S contido no gás ácido, através do
processo Clauss. É queimado 1/3 do H2S presente,
reagindo,Al2O3
o restante, com o SO2 formado:
Reação:
H2S + 3/2O2 → SO2 + H2O (g) ∆H = -123,9 kcal

SO2 + 2H2S → 3S (ℓ) + 2H2O (ℓ) ∆H = -34,2 kcal


VAP

H2O de caldeira
SP-33001A/B Reaquecedor
Soprador de ar Reaquecedor a vapor

P-33005
P-33003
a vapor

PG-33001AB PG-33002AB

purgador

G. acido
V-33001

F-33002
da U-1250 G. comb.
R-33001 R-33002 R-33003
F-33003

VMP

V-33003
G. comb.
Vaso
GV-33001 coalescedor
F-33001
VBP

Caldeira de
recup. de calor

H2O de refrig.
P-33001 P-33002 P-33004
Vapor p/ atm. Condens. de “S” Condens. de “S” Condens. de “S”
P-33006
Condens. de “S”
H2O de caldeira
V-33002

H2O de
P-33007
refrig.
Pote de selagem

Pote de selagem
Pote de selagem
Pote de selagem

Pote de selagem

Pote de selagem
V-33005

V-33006

V-33009
V-33007

V-33008
V-33004

resfriador
Tambor E-33001
de purga VBP

VBP
Enxofre
esgoto

TQ-33001
TQ de “S”

B-33002AB
Unidades de Processo
PLANTA DE GÁS NATURAL
Destina-se a fazer a retirada dos
componentes propano e mais pesados da carga
de gás natural pelo processo de absorção
refrigerada, devolvendo o gás processado para
a distribuição aos clientes. A corrente de C3 e
mais pesados é separada por processo de
destilação em corrente de gasolina natural e
GLP, que também podem ser opcionalmente
separada em propano especial e butano
especial.
Gás residual p/ D-3004

P-25001
Gás natural Propano
Da U-2300

V-25001 P-25002
P-25004

P-25009
Glicol

V-25002
P-25003 T-25001
Separador de glicol

Absorvedora
V-25004 GC.
P-25021

Propano
V-25005
V-25013
T-25006
B-25002AB T-25002

Desetanizadora
V-25010
P-25022 V-25003

V-25011
B-25003AB
Expansão de
óleo rico

P-25007
P-25023
C-25001ABC GC
B-25001AB

GC
V-25007

Aguarrás
B-25004AB

de TQ
V-25006
GC P-25010
B-25010 A/B B-25007AB

V-25008 T-25004
T-25005
Desbutanizadora
Despropanizadora

T-25003

Aguarrás
Fracionadora
P-25012
P-25018
P-25016 F-25001 B-25006AB

de óleo
PROPANO
B-25008AB
GLN
BUTANO B-25005AB
P-25018
P-25015
Unidades de Processo
SEPARAÇÃO DE PROPENO GRAU POLÍMERO
O principal objetivo desta Unidade é separar o
propeno do propano (mais pesados), através de
um processo de natureza física. O propeno
separado é utilizado, pela indústria
petroquímica, para a produção de polipropileno.
A carga da unidade é a corrente de propano
(C3) obtida na U-FCC (Craqueamento Catalítico
Fluido - FCC). A unidade se divide em duas
seções: Desetanização e Despropanização.
Propeno não especificado
GÁS COMB.

POLIBRASIL

P/ P.G
V-31007
Z-31001
FLARE C-31001

V-31002
FLARE
U-1250

Água de refrig.
S.A.O
P-31007
P-31004A/B
PROPANO

FV-310005
P-31002A/B V-31004
T-31003 T-31002
B-31004
XV-310003

FLARE
S.A.O
B-31005

V-31003
T-31001 V-31001

V-31005A/B
P-31005A/B
FV-310001

S.A.O

P-31003ABC

V.A.P

V-31006
B-31001A/B
V.B.P

FV-310003
Cond.MP
P-31001 P-31005A/B PROPANO
V-31009

B-31003A/B B-31002A/B

Condensado de média

GÁS COMB. DO V-25005


FLARE
B-31007A/B GÁS COMB. DO D-3007
Unidades de Processo
PROCESSAMENTO DE MTBE
O processamento para a produção de MTBE (metil
terc-butil éter) consiste na reação do metanol,
proveniente da Transferência e Estocagem , com
isobuteno, da corrente de C4 do craqueamento catalítico
. O MTBE, que é um aditivo para aumento da
octanagem de gasolinas, é formado pela esterificação
catalítica do isobuteno com o metanol, que ocorre em
dois reatores de leito fixo e em série.
A Unidade possui as seguintes atividades: Seção de
lavagem de carga, Sistema de reação, Fracionamento
do MTBE, Sistema de recuperação do metanol e
armazenamento e Envio de MTBE.
Gas inerte flare
Metanol
Recuperado P-32007 C4 rafinado p/ PG P-32009

flare

Desc. B-07
P-32012

V-32005
H2O
Metanol

metanol
Blow down P/ reprocesso

H2O
V-32011

flare
recirc. de Rafinado

V-32002

T-32003
B-32008A/B B-32005A/B

C4
V-32012

H2O

V-320011/flare
P-32004 V-32004

Metanol
+ C4

H2O
0,5 kgfcm2
P-32012
P-32002

V-32003 P-32010
VBP

V-09
MTBE/ B-07
R-32001 R-32002
P-32001

T-32001 MT-32001
H2O

lavagem
P-32008

T-32002 H2O
B-32004A/B
FT-32001

P-32011
H2O desmineral.
B-32006A/B

V-32007
P-32001
VBP (P-10)

V-32006
P-32003
P-32005

6 kgfcm2
V-32009
B-32003A/B
H2O residual (SAO)

VMP
FT-32002
flare

P-32001

V-32010
C4 PV-25 Gas inerte
C4 (FV-001)

MTBE
V-32008
Rafin. p/ GLP

A/B/C
V-32001A/B Condensado
recuperado
PUMP-OUT
P-32006 MTBE p/ TQ
H2O

Água desmineralizada B-32009A/B


B-32001A/B MTBE ajus./PV-09
B-32007A/B E suc. B-04 p/ retrat.
B-32002A/B
Unidades de Processo
COQUEAMENTO RETARDADO (em construção)
Coqueamento retardado – Unidades

Unidade de coqueamento retardado


da REPLAN

Unidade de coqueamento da RPBC


A (UCR) tem como objetivo básico a minimização da
produção de óleo combustível na refinaria, utilizando
como carga o resíduo de vácuo das Unidades de
Destilação (37%), resíduo asfáltico das Unidades
Desasfaltadoras (48%) e o óleo clarificado produzido
na UFCC - (15%).
Objetiva a conversão do óleo combustível em
derivados mais nobres tais como GLP, nafta, diesel e
coque, aumentando a flexibilidade e a rentabilidade da
refinaria.
TRANSFERÊNCIA E
ESTOCAGEM
LOGÍSTICA DE PETRÓLEO, DERIVADOS
E PRODUTOS COMBUSTÍVEIS

ARMAZENAMENTO E MOVIMENTAÇÃO DE
PETRÓLEO, SEUS DERIVADOS,
COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS E GÁS
NATURAL PARA CONSUMO FINAL.
PARA TANTO, É NECESSÁRIA UMA COMPLEXA
INFRAESTRUTURA DO OLEODUTOS,
GASODUTOS, TERMINAIS, ESTAÇÕES
COLETORAS DE PETRÓLEO, INSTALAÇÕES DE
TRATAMENTO PARA SEPARAÇÃO DE ÁGUA,
ÓLEO E GÁS, ALÉM DE TERMINAIS,
REFINARIAS E BASES DISTRIBUIDORAS.
GEBIG TECAM REGAP
TECAB

REPLAN
PLATAFORMAS UN- BC

TERMINAL DE
GUARAREMA TABG -IDAG
REVAP

TEVOL

TABG -IR

REDUC
CIAS DE GLP

CIAS DE COMBUSTÍVEIS

CIAS DE ÓLEO
LUBRIFICANTES PETROFLEX

POLIBRASIL

CEG
PRODUÇÃO DE GASOLINA
RIOPOL
PODIUM SODA
LOGÍSTICA
POPULAÇÃO RJ
ECR COMBUSTÍVES / ASFALTO ECR LUBRIFICANTES
TANQUES
TANQUES
MISTURADORES MECÂNICOS
ESFERAS
EQUIPAMENTOS DE CALDEIRARIA PESADA
DESTINADOS AO ARMAZENAMENTO DE GASES
LIQUEFEITOS DE PETRÓLEO TAIS COMO BUTANO,
PROPANO, GLP E ETC.
BOMBAS
OLEODUTO
OLEODUTO
CONTROLE DE DUTOS
FLARE
DIÂMETRO – 36”
ALTURA – 90 metros
SELO MOLECULAR NO BICO
SELO HIDRÁULICO NA BASE MEDIDOR ULTRASÔNICO
DE VAZÃO
EM FASE DE TESTE

GÁS DE PURGA ÁGUA

VAPOR DILUIÇÃO

VAPOR SPRAY

SAO
PETRÓLEO REGAP
GEBIG
TECAB
TECAM EL II
ORB
ORBIG 40”
OSDUC 32”

PLATAFORMAS UN- BC

LINHA 26”
LINHA DE 40”
V 2500 m3/h
V 4500m3/h
P OP 4,0 Kgf/cm2
P OP 4,0 Kgf/cm2

HEADER NORTE 26”


TABG -IDAG
V 1800m3/h
P OP 21,0 Kgf/cm2

P s-7101A/B/C

HEADER 32”
A. LEVE CABIÚNAS V 2300m3/h
P OP 21,0 Kgf/cm2
P s-5101A/B/C

P -1354A/B/C/D
U-1710 U-1510
U-1210
NPP (NAFTA PETROQUÍMICA)
TQs-205/6/7/8/9

U-1210 U-2400

U-2500

U-2600

TQs-401/2/3/4/5

TQs-203/4/10

U-1710 U-1510
PRODUÇÃO DE GASOLINAS
RIOPOL

U-1250 U-1210 U-2400


TQs-205/6/7/8/9 TQs-417/18 NPP U-1220
NPP P/GLN

Ps 1321/2/3 TQs-201/2 NAFTA DE


PIRÓLISE

U-3400
TQs-303/4
CRAQUEADA
TQs-203/4/10

TQs-408/9/10
GLN EXP
TQs-301/2 REFORMADA

U-1510 U-1710
TQs-406/7 GLN
PODIUM

TQs-412/13
GLN A
PRODUÇÃO DE QAV-1

QAV-1 U-1210 U-1260 U-2700

TQs QAV-1 FINAL

QUEROCOMB
QAV-1

TQs-243/246 TQ-112

TQs -ÓLEOS
TQs-362/256
COMBUSTÍVEIS
DILUENTE
QADP

TQs-245 QADP
U-1510 U-1710
PRODUÇÃO DE DIESEL

REVAP
OD L

U-1210
U-2700
U-2800

OSRIO
12”
OD S 500

TQ-114

TQ-111 OD L
OD B
OD P

U-1510

OD L

OD P

OD MAR

U-1710

OC MF 380
RESÍDUO DE VÁCUO (RV) X PRODUÇÃO DE
ÓLEO COMBUSTÍVEL

RV
U-1240 DREGRADADO
ÓLEO COMBUSTÍVEL U-1210
RV

TQs-255/272

Ps– 401 A /B
CIRCULAÇÃO

TQ-7527
P-908 A
TQs- De OCs
DILUENTE
P s- 1355 A/B
1340/1/2/3/4
TQs-256/361/362 Ps– 1304/5/19
ÓLEO COMBUSTÍVEL U-1790

TQ-7528
Ps-901 A/B/C

TQ-7530
P-908 A

U-1710 U-1510
PRODUÇÃO E EXPEDIÇÃO DE ASFALTOS

CAPs30/45
50/70
CIRCULAÇÃO
ASFALTO U-1240 ASFALTO
U-1210
RV

TQs-255/272
P s- 1450 A/B/C
1460 A/B/C

Ps– 401 A /B

TQ-7527
P-908 A
DILUENTE
CR-250 TQ-203/4/10 NAFTA
ASFALTO U-1790

TQ-244 QADP
CM-30
TQ-7528
Ps-901 A/B/C

TQ-7530
P-908 A

ECR ASFALTO U-1710 U-1510