Você está na página 1de 28

Ecocardiograma Fetal

R3 GO Ana Claudia Zimmermann


Daniela Vettori
Residencia Médica Ginecologia e Obstetrícia
Hospital Nossa Senhora da Conceiçao
Introduçao

 Início do uso em 1980


 Atualmente indicado somente para gestações de alto risco
 O custo benefício da utilizaçao em gestaçoes de risto habitual permanece
controverso
 No entanto, o rastreio do coraçao fetal deve ser realizado em todas as
gestaçoes IG: 20-23 semanas
1373 patients, 297(22%) com
diagnóstico pré natal e 1076
(78%) com diagnóstico pós
natal de cardiopatia
congênita.
Importância

 Planejamento nascimento em centros terciários


 Tratamento de arritmias e algumas mal formaçoes estruturais
 Apoio psicológico e genético
 Auxílio diagnóstico
 Em países desenvolvidos MF são a principal causa de morte fetal/neonatal
 MF cardíacas representam 30-50% do total
 Anomalias congênitas menos diagnosticadas intra útero
 24% das cardiopatias congênitas são em gestaçoes de baixo risco
Indicações

2.1 Ecocardiografia fetal


 Considerando a importância prognóstica do diagnóstico intra-uterino rede cardiopatias
congênitas e arritmias graves, todos os esforços devem ser mobilizados no sentido de se
avaliar o coração fetal em todas as gestações através da ecocardiografia fetal
Exame ecocardiográfico fetal básico

 IG: 18-22(28)semanas
 Exame precoce
 Exame tardio

 Ritmo e frequência cardíaca


 120-160bpm

 Eixo e posição cardíaca


 Coraçao ocupa 1/3 tórax
 Ápice 45º à esquerda
Exame ecocardiográfico fetal básico

 Projeçao 4 câmaras
 Sensibilidade/especificidade dessa projeçao isolada detecta até 80% MF cardíacas
em algumas referências internacionais
Exame ecocardiográfico fetal avançado

 Vias de saída ventriculares


 Grandes vasos devem ter aproximadamente o mesmo tamanho
 Cruzem em um angulo próximo de 90º

VSVE
 Detecta defeitos do septo interventricular
 Confirma saída da Aorta do VE
 A presença dos vasos do tronco braquicef confirma
Exame ecocardiográfico fetal avançado
VIA DE SAÍDA VENTRÍCULO DIREITO
 VD tem a banda moderadora
 A artéria pulmonar tem diâmetro ligeiramente maior que Ao
 A presença da bifurcaçao dos ramos pulmonares esquerdo e direito confirma
que a A.P sai do VD.
Doppler a cores na avaliação cardíaca

 Aumenta MUITO a especificidade e sensibilidade do ecocardiograma


bidimensional
 Padrão-ouro para investigaçao das cardiopatias congênitas
Características USG das Cardiopatias

 Cardiopatias de hiperfluxo pulmonar:  Cardiopatias obstrutivas direitas:


 Comunicação interatrial;  Tetralogia de Fallot;
 Comunicação interventricular;  Estenose pulmonar;
 Peristência do canal arterial;
 Defeito do septo atrioventricular.

 Cardiopatias obstrutivas esquerdas:  Cardiopatias complexas:


 Coarctação da aorta;  Transposição de grandes vasos;
 Estenose aórtica;  Hipoplasia de coração esquerdo.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias de Hiperfluxo:
 Comunicação Intreratrial (CIA):
 Todo feto é portador de CIA ao nível secundum (abertura do forame oval);
 A ausência da região inferior do septo (septo primum) pode ser visibilizada
(associação com trissomia do 21).
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias de Hiperfluxo:
 Comunicação Intrerventricular (CIV):
 Variam de tamanho e localização;
 Mais frequentes na região perimembranosa (via de saída do VE);
 O diagnóstico intrautero baseia-se na visualização do defeito anatômico (não há
jato de fluxo nem aumento das câmaras intraútero.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias de Hiperfluxo:
 Defeito do septo atrioventricular:
 Forma mais extensa de malformação cardíaca;
 Envolve:
 CIA tipo ostium primum;
 CIV de via de entrada;
 Valva atrioventricular única.

 Durante a vida intrautero tem comportamento passivo;


 Seu reconhecimento se baseia na visualização de um defeito amplo no centro do
coração com a aparência de uma única câmara cardíaca durante a diástole.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias de Hiperfluxo:
 Defeito do septo atrioventricular:
 Forma mais extensa de malformação cardíaca;
 Envolve:
 CIA tipo ostium primum;
 CIV de via de entrada;
 Valva atrioventricular única.

 Durante a vida intrautero tem comportamento passivo;


 Seu reconhecimento se baseia na visualização de um defeito amplo no centro do
coração com a aparência de uma única câmara cardíaca durante a diástole.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias obstrutivas esquerdas:
 Coarctação da aorta:
 Mais difíceis de diagnóstico intrautero;
 Observação de um aumento das câmaras direitas (levanta suspeita);
 Escores específicos (avaliação do istimo da aorta e do canal arterial).

 Estenose aórtica:
 Hipertrofia de ventriculo esquerdo;
 Desproporção entre a espessura e a dimensão das câmaras ventriculares, com
predominância esquerda.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias obstrutivas esquerdas:

 Estenose aórtica:
 Hipertrofia de ventriculo esquerdo;
 Desproporção entre a espessura e a dimensão das câmaras ventriculares, com
predominância esquerda.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias obstrutivas direitas:
 Tetralogia de Fallot:
 Se a estenose pulmonar não for muito grave, a imagem de quatro câmaras pode ser
normal;
 Há alteração nas imagens das vias de saída
 Na via de saída do VE observa-se CIV e o cavalgamento da aorta;
 Na via de saída do VD observa-se estreitamento da via de saída e diminuição do calibre
das pulmonares.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias obstrutivas direitas:
 Estenose pulmonar:
 VD sobre alta pressão;
 Difícil diagnóstico, pois VD é o ventrículo dominante na vida intrauterina;
 Necessário obstrução muito significante para diagóstico;
 Graus leves não são persebidos no ecocardiograma fetal.
Características USG das Cardiopatias
- Cardiopatias complexas:
 Transposição dos grandes vasos:
 CORTE 4 CÂMARAS É COMPLETAMENTE NORMAL;
 Visualização dos dois grandes vasos em paralelo com Ao de localização anterior.

 Hipoplasia de coração esquerdo:


 Câmaras direitas de dimensões aumentadas;
 AE pequeno;
 Maioria das vezes não se visualiza VE;
 Busca da via de saída é anormal -------- apenas 1 vaso calibroso (artéria pulmonar
conectada ao ventrículo principal).
Características USG das Cardiopatias
- Golf Ball:
 Bola de golfe:
 Ponto ecogenico do VE;
 Observada com relativa frequencia em fetos normais;
 Corresponde a uma área de fibrose ou maior deposição de cálcio.
Bibliografia

 Rotinas em Obstetrícia

 Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia

 Uptodate

 ISUOG Practice Guidelines (updated): sonographic screening examination of the fetal heart. International Society of Ultrasound in
Obstetrics and Gynecology , Carvalho JS, Allan LD, Chaoui R, Copel JA, DeVore GR, Hecher K, Lee W, Munoz H, Paladini D,
Tutschek B, Yagel S Ultrasound Obstet Gynecol. 2013;41(3):348.

 Prenatal diagnosis of critical congenital heart disease reduces risk of death from cardiovascular compromise prior to planned
neonatal cardiac surgery: a meta-analysis. Holland BJ, Myers JA, Woods CR Jr Ultrasound Obstet Gynecol. 2015 Jun;45(6):631-
8.
 Diretriz para Indicações e Utilização da Ecocardiografia na Prática Clínica, Arq Bras Cardiol volume 82, (suplemento II), 2004
OBRIGADA!