Você está na página 1de 68

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Queridos alunos,

Apresentarei aqui para vocês uma demonstração do curso de 2000 questões comentadas de Direito do Trabalho de todas as bancas, que estou ministrando no Ponto dos Concursos.

Questões Objetivas sem comentários:

QUESTÃO 101 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa TST/2008) Aviso-prévio será proporcional ao tempo de serviço, observado, sempre, o mínimo de trinta dias, nos termos da lei.

QUESTÃO 102 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros das comissões de conciliação prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave.

QUESTÃO 103 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Considere que, em determinada empresa, um empregado tenha agredido fisicamente um colega de trabalho, no horário normal de expediente. Nessa situação, para que o empregador possa aplicar a justa causa, deve providenciar a ocorrência policial do fato na delegacia de polícia competente.

QUESTÃO 104 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A improbidade é motivo para a demissão do empregado por justa causa. Constitui improbidade o ato lesivo contra o patrimônio da empresa, ou de terceiro, relacionado ou não com o trabalho.

QUESTÃO 105 (OAB/MG) São efeitos jurídicos pertinentes ao exercício de cargo ou função de confiança, EXCETO:

a) Possibilidade de reversão ao cargo efetivo, anteriormente ocupado, deixando o exercício de função de confiança;

b) Transferência da localidade de serviço, independente de sua anuência,

todavia, existindo real necessidade de serviços;

c) Presunção relativa quanto à não incidência de horas extras em favor do

empregado, m face das prerrogativas do cargo de elevada fidúcia tornarem-se incompatíveis com a sistemática do controle de jornada;

d) Inexistência da possibilidade de pedido equiparatório salarial, nos termos

do art. 461da CLT, em face da percepção da denominada gratificação

funcional.

QUESTÃO 106 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Inadmite-se o fracionamento das férias aos menores de 18 anos e aos maiores de 50 anos de idade.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 107 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A conversão de um terço do período de férias em dinheiro depende da concordância expressa do empregador.

QUESTÃO 108 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A totalidade do salário pode ser paga em utilidades, que são prestações in natura que a empresa fornece habitualmente aos empregados por força do contrato de trabalho.

QUESTÃO 109 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A ajuda de custo paga ao empregado para a cobertura de despesas na sua transferência para outra localidade integra o seu salário para todos os efeitos.

QUESTÃO 110 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Os dias de paralisação da prestação dos serviços em razão de greve, desde que os salários continuem a ser pagos, caracterizam interrupção do contrato de trabalho. QUESTÃO 111 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Empregado eleito como suplente para cargo de direção da comissão interna de prevenção de acidentes (CIPA) goza da estabilidade provisória desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato.

QUESTÃO 112 (CESPE/SERPRO – ANALISTA – ADVOCACIA/2008) O direito ao aviso prévio é renunciável pelo empregado.

QUESTÃO 113 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados – TRT16/2005) Pedro celebrou contrato de experiência por 60 dias com uma empresa de construção civil, findos os quais lhe foi proposta, e aceita, a prorrogação desse período por mais 30 dias. Nessa situação, atingido o termo final previsto e optando a empresa pela rescisão do contrato, não será devido o pagamento do aviso prévio.

QUESTÃO 114 (CESPE/Analista de correios – Advogado/2011) Se determinada empregada tiver dado à luz seu filho no dia 23/3/2011, terá garantia de emprego até o dia 23/9/2011, podendo seu aviso prévio ser apresentado pelo empregador, portanto, somente a partir do dia 24/9/2011.

QUESTÃO 115 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados TRT 21/2010) A existência de cláusula assecuratória nos contratos por prazo determinado assegura às partes a aplicação das regras do contrato sem determinação de prazo, até mesmo no que tange ao aviso prévio.

QUESTÃO 116 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados TRT 21/2010) A redução da jornada em duas horas, no curso do aviso prévio, enquadra-se em uma das hipóteses de interrupção do contrato de trabalho.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 117 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa TRT 21/2010) Ocorrendo demissão imotivada do obreiro, com cumprimento do aviso prévio, o empregador deve pagar a rescisão contratual no prazo de dez dias após o término do contrato havido.

QUESTÃO 118 (CESPE/AGU – Procurador Federal/2007) Um empregado foi admitido em uma empresa em 20/5/2004 e submetido a uma jornada de oito horas, perfazendo quarenta horas semanais. Por ter resolvido deixar o emprego, esse empregado concedeu aviso prévio para o empregador em 17/7/2006, prestando serviços até 16/8/2006. Durante o período em que esteve na empresa, o empregado gozou trinta dias de férias, em setembro de 2005. Com relação à situação descrita acima, julgue o item seguinte. Para procurar novo emprego, o empregado, durante o período de aviso prévio, terá direito à redução de sua jornada em duas horas ou em sete dias corridos.

QUESTÃO 119 (CESPE/BRB – Advogado/2010) Segundo o TST, na hipótese de aviso prévio indenizado realizado pela empresa, não tendo havido qualquer prazo trabalhado pelo empregado, o término do contrato, para todos os efeitos legais, se opera automaticamente na data da dispensa, sendo o período de trinta dias mera ficção jurídica.

QUESTÃO 120 (CESPE/OAB 2009) A falta de aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, mas nem sempre garante a integração desse período no seu tempo de serviço.

QUESTÃO 121 (CESPE/Analista Judiciária – Área Judiciária – TRT 21/2010) Considere que Jacinto esteja sujeito ao turno ininterrupto de revezamento e tenha trabalhado das 16 horas às 22 horas do sábado e retornado ao trabalho na segunda-feira seguinte para cumprir jornada das 6 horas às 12 horas. Nessa situação, Jacinto não tem direito ao pagamento de hora extra.

QUESTÃO 122 (CESPE/OAB 2009) É incabível o aviso prévio nas rescisões antecipadas dos contratos de experiência, mesmo ante a existência de cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão antes de expirado o termo ajustado.

QUESTÃO 123 (CESPE/OAB 2009) O valor das horas extraordinárias habituais integra o aviso prévio indenizado.

QUESTÃO 124 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 2/2010) Entende-se por comissionista puro o empregado contratado para receber salário-base estipulado unicamente em função de sua produção. Logo, esse tipo de empregado sempre fará jus à concessão de horas extraordinárias, uma vez que ganha mais na medida em que despende mais tempo em favor da atividade de produção.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 125 (CESPE/OAB/2010) O aviso prévio é exigido somente do empregado, pois o empregador pode rescindir o contrato livremente, arguindo a subordinação existente na relação de emprego.

QUESTÃO 126 (CESPE/OAB/2010) O período de aviso prévio não integra o tempo de serviço para os devidos efeitos legais.

QUESTÃO 127 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados – TRT 21/ 2010) A cessação do contrato de trabalho é a terminação do vínculo de emprego, com a extinção das obrigações para os contratantes. No que se refere à cessação do contrato de trabalho, o pedido de demissão do empregado ao empregador e a dispensa do empregado pelo empregador são atos bilaterais.

QUESTÃO 128 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/2009) A comunicação do aviso prévio pode ser feita verbalmente.

QUESTÃO 129 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/2009) A concessão do aviso prévio somente é cabível nos contratos a prazo indeterminado.

QUESTÃO 130 (CESPE/Analista Judiciário - Área Judiciária – TRT 5/2008) Durante o viso prévio, se a rescisão do contrato de trabalho tiver sido promovida pelo empregador, será assegurada ao empregado a redução de duas horas diárias em sua jornada de trabalho, sem prejuízo ao recebimento do salário integral.

QUESTÃO 131 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 21/2010) Pelo princípio da continuidade da relação de emprego, os fatos ordinários são presumidos, em detrimento dos fatos extraordinários, que precisam ser provados. Assim, o ônus de provar o vínculo empregatício e o despedimento é do empregado, porque se trata de fatos constitutivos do seu direito.

QUESTÃO 132 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) O FGTS foi criado, em caráter optativo ao regime da estabilidade, como novo sistema de indenização, tendo como base o tempo de serviço;

QUESTÃO 133 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) A base de cálculo do FGTS é a remuneração paga ou devida no mês anterior incidindo, inclusive, sobre a gratificação de natal, ajuda de custo e diárias de viagem;

QUESTÃO 134 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) Na hipótese de despedida sem justa causa e de força maior, o empregador pagará 40% (quarenta por cento) do montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada. Na hipótese de despedida por culpa recíproca, o percentual será de 20% (vinte por cento);

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 135 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) A contribuição para o FGTS tem natureza jurídica de contribuição fiscal;

QUESTÃO 136 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) O depósito de FGTS assim como o saldo de salários e o aviso prévio são parcelas devidas na indenização de contratos de trabalho considerados nulos.

QUESTÃO 137 (ESAF – Advogado IRB/2004) Se a vigência do contrato de trabalho for superior a um ano, o pedido de demissão e o recibo de quitação apenas serão válidos se realizados com a assistência do sindicato profissional da categoria ou perante autoridade do Ministério do Trabalho.

QUESTÃO 138 (ESAF – Procurador da Fazenda Nacional – 2006) Os direitos trabalhistas devidos ao empregado por força da extinção do contrato de trabalho variam conforme a modalidade da extinção. Na dispensa indireta, são devidos ao empregado os mesmos direitos decorrentes da dispensa sem justa causa, inclusive a indenização correspondente a 40% (quarenta por cento) dos depósitos na conta vinculada do FGTS.

QUESTÃO 139 (ESAF – Técnico MPU/2004) O prazo de prescrição para o empregador ingressar em juízo para cobrar valor devido pelo empregado é de cinco anos, reduzindo-se a dois após a extinção do contrato de trabalho.

QUESTÃO 140 (ESAF – Auditor Fiscal do Trabalho/2006) Em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, julgue certo ou errado: Embora se reconheça a incidência da prescrição trintenária para se reclamar contra o não-recolhimento obrigatório, por força de previsão constitucional, há necessidade de se respeitar o prazo máximo de dois anos após o término de contrato de trabalho.

QUESTÃO 141 (ESAF – Técnico MPU/2004) O prazo de prescrição das pretensões alusivas aos dois primeiros períodos de férias de trabalhador que laborou por cinco anos tem início no instante em que extinto o contrato de trabalho.

QUESTÃO 142 (ESAF – Auditor Fiscal do Trabalho/2006) Em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, julgue certo ou errado: Mesmo no caso de contrato nulo, efetivado pela Administração Pública sem concurso público, há reconhecimento do direito aos valores referentes aos depósitos do FGTS do período trabalhado.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 143 (FGV – Exame de Ordem Unificado – 2010.3) O empregado Vicente de Morais foi dispensado sem justa causa. Sete dias depois, requereu a liberação do cumprimento do aviso prévio, pois já havia obtido um novo emprego. O antigo empregador concordou com o seu pedido, exigindo apenas que ele fosse feito por escrito, junto com a cópia da sua CTPS registrada pelo novo empregador, o que foi realizado por Vicente. Diante dessa situação, o antigo empregador deverá deduzir o aviso prévio do pagamento de parte das verbas rescisórias devidas, uma vez que o empregado renunciou livremente a esse direito, mas o aviso prévio continuará incidindo sobre as parcelas de natureza salarial.

QUESTÃO 144 (FGV – Exame de Ordem Unificado – 2011.1) João da Silva ajuizou reclamação trabalhista em face da empresa Alfa Empreendimentos Ltda., alegando ter sido dispensado sem justa causa. Postulou a condenação da reclamada no pagamento de aviso prévio, décimo terceiro salário, férias proporcionais acrescidas do terço constitucional e indenização compensatória de 40% (quarenta por cento) sobre os depósitos do FGTS, bem como na obrigação de fornecimento das guias para levantamento dos depósitos do FGTS e obtenção do benefício do seguro-desemprego. Na peça de defesa, a empresa afirma que o reclamante foi dispensado motivadamente, por desídia no desempenho de suas funções (artigo 482, alínea “e”, da CLT), e que, por essa razão, não efetuou o pagamento das verbas postuladas e não forneceu as guias para a movimentação dos depósitos do FGTS e percepção do seguro- desemprego. Considerando que, após a instrução processual, o juiz se convenceu da configuração de culpa recíproca. Julgue: O reclamante tem direito a 50% do valor do aviso prévio, do décimo terceiro salário e das férias proporcionais.

QUESTÃO 145 (UnB/CESPE – Assessor Jurídico - PGM/Natal – 2008) Assinale a opção correta acerca das fontes do direito do trabalho.

A) A CF, as leis e a convenção coletiva são as únicas fontes do direito do

trabalho.

B) Os demais ramos do direito não podem servir como fontes subsidiárias do

direito do trabalho.

C) Os usos e costumes são fontes do direito do trabalho, pois a prática

habitual, quando não haja lei que a discipline, cria norma jurídica.

D) O direito comparado não pode ser aplicado no âmbito trabalhista, mesmo

quando a lei nacional for omissa e não for possível utilizar outros meios de integração do direito.

QUESTÃO 146 (UnB/CESPE – AGU - Advogado da União/2004) Como uma das principais fontes formais do direito do trabalho, os movimentos reivindicatórios deflagrados pelos trabalhadores, com a participação dos sindicatos, têm sido, ao longo da história, o principal elemento gerador de normas jurídicas trabalhistas.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 147 (UnB/CESPE – AGU - Advogado da União/2004) As decisões proferidas pelos tribunais do trabalho no exercício da competência normativa prevista na Constituição Federal, quando resultantes de provocação de todas as categorias profissional e economicamente envolvidas, qualificam- se como fontes autônomas e formais do direito do trabalho.

QUESTÃO 148(CESPE – PGE – ES/2008) Empregados de uma empresa sofrem redução no percentual de diversos adicionais a que fazem jus: o adicional de horas extras passou a ser remunerado na base de 30%; o de periculosidade, na base de 20%; e o noturno, na base de 10%. Considerando essa situação hipotética, julgue o item que se segue. A redução, por meio de acordo individual escrito, dos percentuais previstos em lei para os referidos adicionais é admitida com ressalvas pela legislação trabalhista, pois exige em troca a concessão de outras vantagens para os empregados que se encontrem nessa situação.

QUESTÃO 149 (CESPE – PGE – ES/2008) Considere que um indivíduo tenha sido contratado para trabalhar em uma empresa pelo salário de R$ 600,00 e com gratificação bimestral de R$ 200,00. Considere, ainda, que o empregador financiava, para esse empregado, curso de pós-graduação em instituição de ensino privada, fora do horário de expediente, no valor mensal de R$ 250,00. Com base nessa situação, julgue os itens que se seguem. Nessa situação, o pagamento da gratificação de dois em dois meses é legalmente válido e tem natureza salarial, produzindo reflexos no cálculo, por exemplo, do 13.º salário.

QUESTÃO 150 (CESPE – OAB/2009) Frentistas que operam bombas de gasolina não fazem jus ao adicional de periculosidade, visto que não têm contato direto com o combustível.

QUESTÃO 151 (CESPE – OAB/2009) O caráter intermitente do trabalho executado em condições insalubres não afasta o direito de recebimento do respectivo adicional.

QUESTÃO 152 (CESPE – OAB/2009) A eliminação da insalubridade do trabalho em uma empresa, mediante a utilização de aparelhos protetores aprovados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, não é suficiente para o cancelamento do pagamento do respectivo adicional.

QUESTÃO 153 (CESPE – OAB/2009) As horas em que o empregado permanecer em sobreaviso também geram a integração do adicional de periculosidade para o cálculo da jornada extraordinária.

QUESTÃO 154 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 21/2010) O empregado contratado para prestação de trabalho em regime de tempo parcial pode converter um terço do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 155 (CESPE/TRT 16/2005 – Analista Judiciário – Área Judiciária) É apresentada uma situação hipotética acerca dos adicionais de insalubridade e periculosidade, seguida de uma assertiva a ser julgada. Prestando serviços em uma fábrica de fogos de artifício, na função de técnico em explosivos, Josué percebia seu salário acrescido do adicional de periculosidade por mais de 15 anos. Em razão de inovações introduzidas no processo de produção, a empresa suprimiu do salário o adicional indicado. Nessa situação, ainda que extinto o risco na atividade desenvolvida, a atitude patronal foi equivocada e ilegal, por ofender o princípio da estabilidade econômica do trabalhador.

QUESTÃO 156 (FCC – PGE-AM – 2010) Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa.

QUESTÃO 157 (CESPE– TRT 21 – Analista Judiciário – Área Administrativa/2010) O trabalhador exposto a condições insalubres no desenvolvimento de suas atividades laborais fará jus a um adicional no importe de 30%.

QUESTÃO 158 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de horas extras poderá ser instituído na empresa independentemente da participação do sindicato. No entanto, para ser suprimido, o empregador estará sujeito ao pagamento de indenização, desde que o empregado esteja prestando serviço em sobrejornada com habitualidade a, pelo menos, um ano.

QUESTÃO 159 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional noturno será devido quando o empregado urbano prestar serviço das 22 h às 5 h, tendo direito ao pagamento de, pelo menos, 20% a mais sobre a hora diurna. Em se tratando de empregado rural que presta serviço na lavoura, sua hora noturna começa a contar a partir das 20 h de um dia até as 4 h do dia subsequente, quando fará jus ao percentual de, pelo menos, 25% sobre a hora diurna.

QUESTÃO 160 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de periculosidade será devido quando o empregado estiver sujeito ao risco de morte de forma contínua, sem interrupções, tendo direito ao acréscimo de 30% sobre seu salário-base.

QUESTÃO 161 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de transferência será devido ao empregado quando seu deslocamento for oriundo de comprovação da real necessidade do serviço.

QUESTÃO 162 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de insalubridade poderá ser pago de forma intermitente e será configurado de acordo com o grau de exposição a que o empregado se sujeita.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 163 (ESAF - Técnico Judiciário - TRT - 7ª Região – 2003) Na forma da legislação vigente, o contrato individual de trabalho corresponde ao negócio jurídico expresso, por meio do qual se obriga a pessoa física a executar, pessoalmente ou por intermédio de terceiro, determinado serviço ou atividade de interesse do contratante.

QUESTÃO 164 (ESAF - Técnico Judiciário - TRT - 7ª Região – 2003) Sobre as regras legais que informam a alteração do contrato de trabalho, analise: a destituição do trabalhador de função de confiança ocupada durante um ano, com a supressão da gratificação salarial correspondente, não configura alteração contratual ilícita.

QUESTÃO 165 (ESAF – Analista Jurídico - SEFAZ – 2006) A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno.

QUESTÃO 166 (ESAF- AFT – 2010) A sucessão de empregador é hipótese de alteração objetiva do contrato de trabalho.

QUESTÃO 167 (CESPE/TRT 1 – Analista Judiciário – Área Judiciária/20008) A apuração de periculosidade é atribuição tão-somente de engenheiro do trabalho ou profissional com equivalente formação técnica, inscrito no respectivo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). A apuração de insalubridade também inclui o médico do trabalho.

QUESTÃO 168 (FCC- Analista Judiciário – TRT/MG/2009) O enquadramento de determinada atividade como insalubre ou penosa, para pagamento dos respectivos adicionais, depende, respectivamente, de previsão nas normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego e de lei ordinária.

QUESTÃO 169 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/ 2009) O salário-família é um direito assegurado na CF aos trabalhadores, inclusive à categoria dos empregados domésticos.

QUESTÃO 170 (CESPE/TRT5/Analista Judiciário – Área Administrativa/2008) O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador o exime do pagamento do adicional de insalubridade.

QUESTÃO 171 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) Se for verificada, mediante perícia, que a prestação de serviços ocorre em condições nocivas, mas por agente insalubre diverso do apontado na inicial, o pedido de adicional de insalubridade não ficará prejudicado.

QUESTÃO 172 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) A limpeza em residências e escritórios e a respectiva coleta de lixo podem ser consideradas atividades insalubres, se constatadas por laudo pericial.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 173 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) Se for percebido com habitualidade, por pelo menos dez anos, o adicional de insalubridade passa a integrar a remuneração do empregado para todos os efeitos legais. Considerando-se o princípio da estabilidade financeira, o valor não pode ser retirado nem mesmo quando eliminada a insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo.

QUESTÃO 174 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) Um empregado que realiza serviço em campo, trabalhando ao ar livre e submetido aos raios solares durante boa parte de sua jornada faz jus ao adicional de insalubridade.

QUESTÃO 175 (CESPE/BRB/Advogado/2010) Considere a seguinte situação hipotética. João é funcionário com dedicação exclusiva, trabalha à noite e percebe o respectivo adicional. A empresa, sem o consultar, e optando pelo critério da antiguidade funcional, resolveu, por bem, transferir as suas atividades para o período diurno, entendendo que isso iria favorecê-lo. Nessa situação, segundo o TST, ainda assim, João faz jus ao adicional noturno, em razão de princípio que veda a redução salarial.

QUESTÃO 176 (CESPE/EMBASA/Advogado/2010)A transferência do trabalhador para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno.

QUESTÃO 177 CESPE/EMBASA/Advogado) Segundo jurisprudência do TST, o simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador o exime do pagamento do adicional de insalubridade, não sendo necessário comprovar a redução a níveis de tolerância aceitáveis pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

QUESTÃO 178 (CESPE/ OAB/2009) Em 23/09/1993, Joana foi contratada para prestar serviços como secretária. A partir de 07/10/1995, passou a desempenhar a função de confiança de gerente administrativa, recebendo uma gratificação correspondente a 30% do salário de secretária. Em 18/09/2006, Joana foi dispensada, sem justo motivo, da função de gerente, retornando às atividades de secretária e deixando de perceber o percentual inerente à gratificação de função. Considerando a situação hipotética apresentada, O empregador pode dispensar a empregada do exercício da função de confiança sem justo motivo, mas está obrigado a manter o pagamento do valor inerente à gratificação.

QUESTÃO 179 (CESPE/OAB/2010) É vedada a transferência do empregado na hipótese de extinção do estabelecimento em que ele trabalhar.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 180 QUESTÃO 180 (ESAF - AFT 2010) Em face do princípio da autonomia da vontade, constatando o trabalhador, após a homologação da rescisão contratual, a existência de diferenças da indenização compensatória de 40% sobre o FGTS, em razão de depósitos insuficientes do período contratual, estará impedido de postulá-las, acaso tenha conferido ao empregador ampla quitação na transação extrajudicial realizada para adesão ao plano de demissão voluntária.

QUESTÃO 181 (CESPE/TRT 1 – Técnico Judiciária – Área Administrativa/2008) Um vendedor, após determinado tempo, foi promovido a gerente de vendas, cargo de confiança que lhe assegurou aumento na remuneração. Após ele ocupar a nova função por seis meses, o empregador concluiu que as expectativas de desempenho no cargo não tinham sido atendidas e determinou-lhe o retorno à função anterior, a de vendedor. cerca dessa situação, há irregularidade inexiste na mencionada reversão ao cargo anteriormente ocupado.

QUESTÃO 182(CESPE/AGU - Procurador/2010) Presume-se abusiva a transferência de empregado que exerça cargo de confiança, sem a devida comprovação da necessidade do serviço.

QUESTÃO 183 (CESPE/EMBASA/Advogado/2010) Ao empregador é vedado transferir o empregado, sem a sua anuência, para localidade diversa da que resultar do contrato, considerando-se transferência a que acarrete, necessariamente, a mudança de domicílio.

QUESTÃO 184 (CESPE/EMBASA/Advogado/2010) O elemento diferenciador entre o empregado e o trabalhador autônomo é a subordinação.

QUESTÃO 185 (CESPE/TRT 17 – Analista Judiciário – Execução de Mandados/2009) A mudança de horário de trabalho de um empregado pode ser justificada pelo princípio do jus variandi.

QUESTÃO 186 (FCC- TRT/MG – Técnico Judiciário/2009) O adicional noturno deve ser pago aos trabalhadores que exerçam suas atividades entre

(A)

20 e as 3 horas, se rurais, trabalhando na agricultura.

(B)

20 e as 6 horas, se rurais, trabalhando na pecuária.

(C)

21 e as 5 horas, se urbanos.

(D)

21 e as 4 horas, se urbanos.

(E)

22 e as 5 horas, se urbanos.

QUESTÃO 187(CESPE – TRT 9 - Analista Judiciário - Área Judiciário/2007) A alteração da estrutura social das empresas não afeta os contratos havidos com seus empregados.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 188 (CESPE OAB/2008) Manuel, contratado por uma empresa de comunicação visual, no dia 18/09/2005, para prestar serviços como desenhista, foi dispensado sem justa causa em 03/11/2008. Inconformado com o valor que receberia a título de adicional noturno, férias e horas extras, Manuel firmou, no dia 11/11/2008, acordo com a empresa perante a comissão de conciliação prévia, recebendo, na ocasião, mais R$927,00; além do valor que a empresa pretendia pagar-lhe. A comissão de conciliação prévia ressaltou as horas extras.Considerando essa situação hipotética, Manuel pode postular na justiça do trabalho o pagamento de horas extras, dada a ressalva apresentada pela comissão de conciliação prévia.

QUESTÃO 189 (CESPE/OAB/2009) É obrigatória a instituição de Comissões de Conciliação Prévia pelas empresas e sindicatos.

QUESTÃO 190 (CESPE/TRT 16 – Analista Judiciário – Execução de Mandados/2005) Por meio de negociação coletiva, foi instituída a Comissão de Conciliação Prévia (CCP) no âmbito da categoria dos trabalhadores no comércio varejista da cidade de São Luís – MA. Após eleito para integrar a referida comissão, cujas sessões eram realizadas em dois dias por semana, Mário comunicou o fato a seu empregador, deixando de comparecer ao trabalho também nos dias em que não havia sessões naquela CCP. essa situação, se a licença remunerada do trabalhador eleito para a referida comissão estiver prevista na norma coletiva de trabalho, nenhuma sanção poderá ser imposta a Mário por seu empregador.

QUESTÃO 191(CESPE/TRT 16 – Analista Judiciário – Área Judiciária/2005) Em determinada convenção coletiva de trabalho, ajustaram as partes convenentes a criação de comissões de conciliação prévia, com composição paritária, responsáveis pela mediação dos conflitos individuais surgidos no âmbito das categorias envolvidas. Nessa situação, a convenção coletiva deve prever, necessariamente, a estabilidade no emprego dos representantes dos trabalhadores, integrantes das referidas comissões, durante o prazo em que estiverem investidos e ainda por dois anos após o término dos mandatos.

QUESTÃO 192 (CESPE/TRT 1 – JUIZ/2010) A comissão de conciliação prévia pode ser criada no âmbito empresarial se tiver, no mínimo, quatro membros e, no máximo, doze.

QUESTÃO 193 (CESPE/TRT 1 – Técnico Judiciário/2008) Submetida uma demanda trabalhista à comissão de conciliação prévia, celebrou-se acordo. Entretanto, a reclamada não o cumpriu. Nessa situação, o acordo celebrado é um título executivo, como o são os termos de ajuste de conduta firmados perante o Ministério Público do Trabalho.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 194 (FCC - Analista Judiciário – Area Judiciária - TRT 11/2012) A empresa Gama Participações fornece a seu gerente João alguns benefícios, além do pagamento em dinheiro relativo ao salário. Das utilidades fornecidas pela empresa ao empregado sob a forma de benefícios, constitui salário in natura o aluguel de apartamento decorrente do contrato ou do costume.

QUESTÃO 195 (CESPE/TRT 9 – Técnico Judiciário/2007) As comissões de conciliação prévia estão reguladas pela Lei 9.958/2000, que inseriu artigos à CLT. Com relação a esse assunto, julgue o item que se segue. O prazo prescricional será interrompido a partir da provocação da comissão de conciliação prévia pelo trabalhador interessado, recomeçando a fluir, pelo que sobejar, a partir da tentativa frustrada de conciliação ou do esgotamento do prazo de dez dias para a realização da sessão de tentativa de conciliação.

QUESTÃO 196 (CESPE/TRT 9 – Técnico Judiciário/2007) As comissões de conciliação prévia estão reguladas pela Lei n.º 9.958/2000, que inseriu artigos à CLT. Com relação a esse assunto, julgue o item que se segue. As comissões de conciliação prévia apenas podem ser instituídas com a intervenção do sindicato da categoria profissional.

QUESTÃO 197 (CESPE/TRT 17 – Analista Judiciário – Área Judiciária/2009) É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros das comissões de conciliação prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave.

QUESTÃO 198 (CESPE/TRT 17 – Analista Judiciário – Área Judiciária/2007) Quanto à prescrição e decadência trabalhistas,O prazo prescricional pode ser interrompido no curso do trânsito da demanda perante a Comissão de Conciliação Prévia

QUESTÃO 199 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/ 2009) Entre duas jornadas de trabalho, deve haver intervalo mínimo de 11 horas consecutivas.

QUESTÃO 200 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/ 2009) O princípio da norma mais favorável ao trabalhador não deve ser entendido como absoluto, não sendo aplicado, por exemplo, quando existirem leis de ordem pública a respeito da matéria.

---------------------------------------------------------------------------------------

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Marquem aqui o gabarito de vocês:

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

121

122

123

124

125

126

127

128

129

130

131

132

133

134

135

136

137

138

139

140

141

142

143

144

145

146

147

148

149

150

151

152

153

154

155

156

157

158

159

160

161

162

163

164

165

166

167

168

169

170

171

172

173

174

175

176

177

178

179

180

181

182

183

184

185

186

187

188

189

190

191

192

193

194

195

196

197

198

199

200

   

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Questões Objetivas comentadas:

QUESTÃO 101 (CESPE/Técnico Judiciário/Área Administrativa TST/2008) Aviso-prévio será proporcional ao tempo de serviço, observado, sempre, o mínimo de trinta dias, nos termos da lei.

Comentários: ERRADA.

Com o advento da Constituição Federal a duração do aviso prévio era, até outubro/2011, de 30 (trinta) dias, independentemente do tempo de serviço do empregado na empresa.

Com a publicação da Lei 12.506/2011, a partir de 13/10/2011 a duração passou a ser considerada de acordo com o tempo de serviço do empregado, podendo chegar até a 90 (noventa) dias.

LEI Nº 12.506, DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

Dispõe sobre o aviso prévio e dá outras providências.

A PRESIDENTA

eu sanciono a seguinte Lei:

DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Art. 1 o O aviso prévio, de que trata o Capítulo VI do Título IV da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n o 5.452, de 1 o de maio de 1943, será concedido na proporção de 30 (trinta) dias aos empregados que contem até 1 (um) ano de serviço na mesma empresa.

Parágrafo único. Ao aviso prévio previsto neste artigo serão acrescidos 3 (três) dias por ano de serviço prestado na mesma empresa, até o máximo de 60 (sessenta) dias, perfazendo um total de até 90 (noventa) dias.

QUESTÃO 102 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros das comissões de conciliação prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave.

Comentários: CERTA.

ART. 625-B CLT, § 1º É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros da Comissão de Conciliação Prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta, nos termos da lei.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 103 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Considere que, em determinada empresa, um empregado tenha agredido fisicamente um colega de trabalho, no horário normal de expediente. Nessa situação, para que o empregador possa aplicar a justa causa, deve providenciar a ocorrência policial do fato na delegacia de polícia competente.

Comentários: ERRADA.

A Justa causa é a pena máxima que um empregador poderá aplicar ao seu empregado, sendo permitida somente nos casos expressos no art. 482 da CLT e em lei.

No caso em tela não será preciso que o empregador providencie a ocorrência policial porque o art.482, J da CLT permite que seja aplicada a justa causa ao empregado.

Art. 482 da CLT Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:

a)

ato de improbidade;

b)

incontinência de conduta ou mau procedimento;

c) negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador, e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço;

d) condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;

e) desídia no desempenho das respectivas funções;

f) embriaguez habitual ou em serviço;

g)

violação de segredo da empresa;

h)

ato de indisciplina ou de insubordinação;

i) abandono de emprego;

j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra

qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

k) ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra

o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima

defesa, própria ou de outrem;

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

l) prática constante de jogos de azar.

Parágrafo único - Constitui igualmente justa causa para dispensa de empregado a prática, devidamente comprovada em inquérito administrativo, de atos atentatórios contra a segurança nacional.

QUESTÃO 104 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A improbidade é motivo para a demissão do empregado por justa causa. Constitui improbidade o ato lesivo contra o patrimônio da empresa, ou de terceiro, relacionado ou não com o trabalho.

Comentários: CERTA.

Vou explicar cada tipo legal do art. 482 da CLT, citando alguns exemplos:

a) Improbidade: é a violação de dever moral por parte do empregado, abrange tudo o que é desonesto e que o empregado pratique;

b) Incontinência de conduta ou mau procedimento: vida irregular, conduta incompatível com o cargo ocupado, desregramento de conduta sexual.

Há distinção entre incontinência de conduta e mau procedimento, conforme vocês poderão observar no resumo, abaixo:

a) Haverá incontinência de conduta quando o empregado levar uma vida irregular fora do trabalho, que de alguma forma influencie direta ou indiretamente no emprego, ferindo a sua imagem funcional ou a imagem da empresa.

A doutrina majoritária entende que incontinência de conduta seria um excesso de ordem moral em que incorre o empregado e que se vincula à sua conduta sexual. Exemplos: libertinagem, pornografia e assédio sexual.

b) Para a doutrina majoritária o mau procedimento caracteriza-se quando o empregado quebra regras sociais de boa conduta. Geralmente é praticado em serviço. Exemplos: grosseria, atos de impolidez, falta de compostura, etc.

c) Negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço:

É importante frisar que, neste caso, é imprescindível a existência conjunta de dois requisitos para que possa ser aplicada ao empregado a justa causa: a ausência de permissão do empregador e constituir concorrência para a empresa.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Ressalta-se que caso a concorrência seja prejudicial ao serviço sem concorrência com a empresa o empregado também poderá ser dispensado por justa causa.

d) Condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não

tenha havido suspensão da execução da pena: É importante tomar cuidado com a necessidade de ocorrer o trânsito em julgado da sentença e de não ter ocorrido a suspensão da execução da pena, o que a doutrina chama de “sursis”. Assim, caso tenha ocorrido a suspensão da pena não poderá ser o empregado dispensado por justa causa.

e) Desídia no desempenho das respectivas funções: Desídia seria uma

síntese de faltas leves, como por exemplo, as modalidades de culpa como imprudência, negligência ou imperícia.

Exemplo 1: Um empregado que dirigi um caminhão em alta velocidade e por impudência causa um acidente.

Exemplo 2: Um empregado que é negligente em suas funções desempenhando-a de forma leviana, que não presta atenção ao elaborar relatórios calculando sob quaisquer valores e não sob os vetores reais da empresa.

Exemplo 3: Um médico, empregado de uma clínica, que ao engessar o braço de um paciente, o faz de forma incorreta, causando seqüelas na paciente.

f) Embriaguez habitual ou em serviço: Ressalta-se que a embriaguez em serviço basta ocorrer um a única vez, porém fora do serviço será preciso afetar o desempenho do empregado no trabalho, portanto terá que ser habitual. Há corrente jurisprudencial que entende que o alcoolismo é uma doença e, por isso, não ensejaria a justa causa. Para a FCC deveremos ficar atentos na forma como ela elaborará a questão. Se ela seguir a literalidade da lei, deveremos considerar a embriaguês como hipótese de justa causa.

g) Violação de segredo da empresa: A doutrina questiona se é necessário

haver o prejuízo para a empresa com a violação.

Para uma prova objetiva basta considerar que a simples violação de segredo da empresa, por si só, já acarretaria a aplicação da penalidade de justa causa.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

h) ato de indisciplina ou de insubordinação: Indisciplina é o descumprimento de ordens genéricas, ou seja, dirigidas a todos os empregados. Insubordinação é o descumprimento de ordens específicas, dirigida diretamente a um empregado individualmente. Porém, o empregado não estará obrigado a cumprir ordens ilegais, moralmente ilegítimas, que o diminuam ou o coloquem em grave risco.

i) abandono de emprego: Configura-se com a existência dos seguintes

requisitos:

a) faltas reiteradas consecutivas;

b) faltas injustas e não abonadas;

c) “animus abandonandi”, ou seja, a intenção de abandonar.

Recomendo a leitura das Súmulas 32 e 73 do TST.

Súmula 73 do TST A ocorrência de justa causa, salvo a de abandono de emprego,

Súmula 73 do TST A ocorrência de justa causa, salvo a de abandono de emprego, no decurso do prazo do aviso prévio dado pelo empregador, retira do empregado qualquer direito às verbas rescisórias de natureza

indenizatória.

prévio dado pelo empregador, retira do empregado qualquer direito às verbas rescisórias de natureza indenizatória.

Súmula 32 do TST Presume-se o abandono de emprego se o trabalhador não retornar ao serviço no prazo de 30 (trinta) dias após a cessação do benefício previdenciário nem justificar o motivo de não o fazer.

j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra

qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem: Praticado contra as pessoas que freqüentam o estabelecimento, como os clientes, por exemplo.

k) ato lesivo da honra e boa fama ou ofensas físicas praticadas contra

o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa própria ou de outrem: Praticado contra empregadores e prepostos.

l) prática constante de jogos de azar: a prática reiterada de jogos de azar dará ensejo à aplicação da pena de justa causa ao obreiro.

Há autores que defendem a gradação das penas para que a justa causa possa ser aplicada. Porém a corrente majoritária entende que basta apenas um fato gravíssimo para que o empregado seja dispensado por justa causa, independente de ter sido advertido antes.

São requisitos para aplicação da justa causa ao obreiro:

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Gravidade da falta: A gravidade da falta deverá ser analisada “in concreto”, ou seja, com elementos objetivos e subjetivos ligados à personalidade do agente, tais como: a) tempo de serviço do empregado; b) ficha funcional do empregado; c) intenção do empregado; d) local e época do fato; dentre outros.

Contemporaneidade ou Imediatidade: Também denominada simultaneidade caracterizando-se pelo fato de que a punição deverá ser contemporânea ao fato que a ensejou, sob pena de acarretar-se o perdão tácito. Falta não punida é considerada falta perdoada.

Exemplificando: Rogério provocou briga em serviço e agrediu, injustamente, Jair, seu colega de trabalho. Em conseqüência, a empresa empregadora puniu Rogério com cinco dias de suspensão. Embora não tenha cometido mais nenhuma falta, após o decurso de um ano, Rogério foi despedido por justa causa, sob a alegação da já mencionada agressão a Jair.

Na situação acima descrita a empresa não poderia punir Rogério, uma vez que um dos requisitos para aplicação da Justa causa é a imediatidade e, também, porque a falta praticada já foi punida com a penalidade de suspensão.

Vedação da dupla punição: É o princípio do “Non bis in idem”, ou seja, para cada falta praticada somente poderá ocorrer uma única punição.

Exemplificando: Leonardo, empregado da empresa XX Ltda., após criticar seu superior hierárquico de forma contundente e com uso de expressões depreciativas, recebeu uma advertência por escrito. Sendo assim, ele não poderá ser dispensado por justa causa uma vez que o seu empregador já lhe aplicou a pena disciplinar de advertência.

Na hipótese de seu empregador dispensá-lo por justa causa em razão da prática de ato lesivo da honra e boa fama disciplinado pelo art. 482, K da CLT ele estaria aplicando uma dupla punição para um mesmo fato, o que é vedado.

Trata-se do princípio do “non bis in idem”, ou seja, uma falta praticada pelo empregado somente poderá ser punida uma vez, assim para cada fato gerador da justa causa deverá ocorrer apenas uma punição.

Proporcionalidade: Na aplicação da justa causa o empregador deverá observar uma relação proporcional entre a falta praticada e a pena aplicada. Para falta leve deverá ser aplicada uma pena leve, como por exemplo, advertência.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Ausência de perdão: O perdão é a ausência de punição para o ato faltoso cometido pelo empregado e poderá ser tácito ou expresso.

Motivo determinante: Prevalece a teoria subjetiva quando ao motivo exposto para a aplicação da justa causa, o que significa dizer que o empregador ficará vinculado ao motivo que determinou a justa causa.

Não discriminação ou tratamento igual: Quando dois ou mais empregados praticarem a mesma falta o empregador não poderá puni- los de forma diferente, sob penas de violar o princípio constitucional da não-discriminação.

BIZU DE PROVA: Os tipos legais de justa causa estão contidos nos artigos 158, 240, 482 da CLT e 7º do Decreto 95247/87, 15 da Lei 7.783/89, art. 433, II da CLT, art. 6º - A da Lei 5.859/72, art. 13 da Lei 6.019/74 e em algumas leis esparsas.

O art. 158 da CLT dispõe que é ato faltoso do empregado a recusa injustificada de usar os equipamentos de proteção individual.

O art. 240 do mesmo diploma legal dispõe que em caso de urgência e acidentes nas estradas de ferro, a recusa dos ferroviários em prestar horas extraordinárias é considerada justa causa.

Atenção: O art. 508 da CLT foi revogado em dezembro de 2010, ele estabelecia como justa causa do bancário a falta contumaz no pagamento de dívidas legalmente exigíveis.

QUESTÃO 105 (OAB/MG) São efeitos jurídicos pertinentes ao exercício de cargo ou função de confiança, EXCETO:

a) Possibilidade de reversão ao cargo efetivo, anteriormente ocupado, deixando o exercício de função de confiança;

b) Transferência da localidade de serviço, independente de sua anuência,

todavia, existindo real necessidade de serviços;

c) Presunção relativa quanto à não incidência de horas extras em favor do

empregado,em face das prerrogativas do cargo de elevada fidúcia tornarem- se incompatíveis com a sistemática do controle de jornada;

d) Inexistência da possibilidade de pedido equiparatório salarial, nos termos

do art. 461 da CLT, em face da percepção da denominada gratificação

funcional.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: Letra D. Independente de exercer cargo de confiança ou desempenhar atividade tipicamente intelectual, se o empregado faz a prova de que realizava as mesmas atividades de outro empregado (paradigma) que ganhava mais, sem haver entre eles tempo de serviço na função superior a 2 anos e estando ambos na mesma localidade, fará jus ao pleito de equiparação salarial e diferenças.

QUESTÃO 106 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Inadmite-se o fracionamento das férias aos menores de 18 anos e aos maiores de 50 anos de idade.

Comentários: CERTA.

ART. 134 CLT, § 2º - Aos menores de 18 (dezoito) anos e aos maiores de 50 (cinquenta) anos de idade, as férias serão sempre concedidas de uma só vez.

QUESTÃO 107 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A conversão de um terço do período de férias em dinheiro depende da concordância expressa do empregador.

Comentários: ERRADA.

Art. 143. É facultado ao empregado converter 1/3 (um terço) do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.

§ 1º O abono de férias deverá ser requerido até 15 (quinze) dias antes

do término do período aquisitivo.

§ 2º Tratando-se de férias coletivas, a conversão a que se refere este

artigo deverá ser objeto de acordo coletivo entre o empregador e o

sindicato representativo da respectiva categoria profissional, independendo de requerimento individual a concessão do abono.

§ 3º O disposto neste artigo não se aplica aos empregados sob o regime

de tempo parcial.

Art. 144. O abono de férias de que trata o artigo anterior, bem como o concedido em virtude de cláusula do contrato de trabalho, do regulamento da empresa, de convenção ou acordo coletivo, desde que não excedente de 20 (vinte) dias do salário, não integrarão a remuneração do empregado para os efeitos da legislação do trabalho.

QUESTÃO 108 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A totalidade do salário pode ser paga em utilidades, que são prestações in natura que a empresa fornece habitualmente aos empregados por força do contrato de trabalho.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: ERRADA.

Art. 82 CLT - Quando o empregador fornecer, in natura, uma ou mais das parcelas do salário mínimo, o salário em dinheiro será determinado pela fórmula Sd = Sm - P, em que Sd representa o salário em dinheiro, Sm o salário mínimo e P a soma dos valores daquelas parcelas na região, zona ou subzona.

Parágrafo único - O salário mínimo pago em dinheiro não será inferior a 30% (trinta por cento) do salário mínimo fixado para a região, zona ou subzona.

QUESTÃO 109 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) A ajuda de custo paga ao empregado para a cobertura de despesas na sua transferência para outra localidade integra o seu salário para todos os efeitos.

Comentários: ERRADA. Observem atentamente as parcelas que integram e as que não integram o salário do empregado:

Integram o salário do empregado:

a) a importância fixa estipulada;

b) as comissões;

c) as percentagens;

d) as gratificações ajustadas;

e) as diárias para viagem que excedam a 50% do salário do empregado.

f) os abonos pagos pelo empregador.

Não se incluem nos salários:

a) as ajudas de custo;

b) as diárias para viagem que não excedam a 50% do salário recebido pelo

empregado.

Atenção: É importante falar das parcelas não salariais.

Atenção: É importante falar das parcelas não salariais. As parcelas não salariais são as

As

parcelas

não

salariais

são

as

parcelas

de

natureza

indenizatórias,

ou

seja,

parcelas

de

natureza

meramente

instrumental.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Como exemplos de parcelas não salariais Maurício Godinho Delgado cita as parcelas previdenciárias, as parcelas de participação nos lucros, as parcelas pagas ao empregado por terceiros e as parcelas pagas a título de direito intelectual.QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA As parcelas de natureza indenizatórias são de dois tipos:

As parcelas de natureza indenizatórias são de dois tipos:e as parcelas pagas a título de direito intelectual. a) as indenizações por despesas reais (as

a) as indenizações por despesas reais (as diárias para viagens e as ajudas de custo);

b) as indenizações construídas a outros títulos (indenização de férias não gozadas, aviso prévio indenizado, indenização pelo não-recebimento do seguro-desemprego havendo culpa do empregador – Súmula 389 do TST).

QUESTÃO 110 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009) Os dias de paralisação da prestação dos serviços em razão de greve, desde que os salários continuem a ser pagos, caracterizam interrupção do contrato de trabalho.

Comentários: CERTA. A lei de greve considera a greve como sendo a paralisação coletiva e temporária do trabalho a fim de obter, pela pressão exercida com a greve as reivindicações da categoria.

O art. 2º da referida lei define a greve como a suspensão coletiva, temporária e pacífica, total ou parcial da prestação de serviços do empregado ao empregador.

A Constituição Federal assegura aos trabalhadores o Direito de Greve em seu artigo 9º, observem:

Art. 9º da CF /88 É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.

Durante o período de greve os contratos de trabalho permanecem suspensos, conforme estabelece o art. 7º da Lei de Greve.

È importante frisar o entendimento jurisprudencial que considera interrupção do contrato de trabalho a paralisação em virtude de greve quando por acordo, convenção coletiva ou decisão da Justiça do trabalho o empregador tiver que pagar os dias parados.

Quando a greve for deflagrada em serviços ou atividades essenciais, as entidades sindicais ou os trabalhadores deverão comunicar a decisão aos empregadores e aos usuários com a antecedência mínima de 72 horas da paralisação.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Quando a greve for deflagrada em serviços ou atividades não essenciais o prazo para comunicação será de 48 horas.

São considerados serviços ou atividades essenciais:

Tratamento e abastecimento de água; produção e distribuição de energia elétrica, gás e combustíveis;

Assistência médica e hospitalar;

Distribuição e comercialização de medicamentos e alimentos;

Funerários;

Transporte coletivo;

Captação e tratamento de esgoto e lixo;

Telecomunicações;

Guarda, uso e controle de substâncias radioativas, equipamentos e materiais nucleares;

Processamento de dados ligados a serviços essenciais;

Controle de tráfego aéreo;

Compensação bancária.

QUESTÃO 111 (CESPE/Analista Judiciário – Área Judiciária – TRT 17/2009)Empregado eleito como suplente para cargo de direção da comissão interna de prevenção de acidentes (CIPA) goza da estabilidade provisória desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato.

Comentários: CERTA. O mandato dos membros eleitos da CIPA será de um ano, sendo permitida uma reeleição, o presidente da CIPA será escolhido pelo empregador e o vice-presidente eleito pelos empregados.

Art. 164 da CLT Cada CIPA será composta de representantes da empresa e dos empregados, de acordo com os critérios que vierem a ser adotados na regulamentação de que trata o parágrafo único do artigo anterior.

§ 1º - Os representantes dos empregadores, titulares e suplentes, serão por eles designados.

§ 2º - Os representantes dos empregados, titulares e suplentes, serão eleitos em escrutínio secreto, do qual participem, independentemente de filiação sindical, exclusivamente os empregados interessados.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

§ 3º - O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de 1 (um) ano, permitida uma reeleição.

§ 4º - O disposto no parágrafo anterior não se aplicará ao membro suplente que, durante o seu mandato, tenha participado de menos da metade do número das reuniões da CIPA.

§ 5º - O empregador designará, anualmente, dentre os seus representantes, o Presidente da CIPA, e os empregados elegerão, dentre eles, o Vice-Presidente.

Os representantes dos empregados titulares ou suplentes terão estabilidade provisória prevista no art. 10, II, ”a”do ADCT. Ao passo que os representantes indicados pelos empregadores não farão jus a esta estabilidade.

QUESTÃO 112 (CESPE/SERPRO – ANALISTA – ADVOCACIA/2008) O direito ao aviso prévio é renunciável pelo empregado.

Comentários: ERRADA.

Súmula

276

do

TST

O

direito

ao

aviso

prévio

é

irrenunciável

pelo

empregado. O pedido de dispensa de cumprimento não exime o empregador de pagar o respectivo valor, salvo comprovação de haver o prestador dos

serviços obtido novo emprego.

   

QUESTÃO 113 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados – TRT16/2005) Pedro celebrou contrato de experiência por 60 dias com uma empresa de construção civil, findos os quais lhe foi proposta, e aceita, a prorrogação desse período por mais 30 dias. Nessa situação, atingido o termo final previsto e optando a empresa pela rescisão do contrato, não será devido o pagamento do aviso prévio.

Comentários: CERTA.

Art. 445 CLT, Parágrafo único. O contrato de experiência não poderá exceder de 90 (noventa) dias.

Súmula

188

do

TST

Ocontrato

de

experiência

pode

ser

prorrogado,

respeitado o limite máximo de 90 (noventa) dias.

 

QUESTÃO 114 (CESPE/Analista de correios – Advogado/2011) Se determinada empregada tiver dado à luz seu filho no dia 23/3/2011, terá garantia de emprego até o dia 23/9/2011, podendo seu aviso prévio ser apresentado pelo empregador, portanto, somente a partir do dia 24/9/2011.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: ERRADA. A garantia de emprego é desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. Como o parto ocorreu no dia 23 de Março de 2011, ela terá garantia de emprego até o dia 23 de agosto.

QUESTÃO 115 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados TRT 21/2010) A existência de cláusula assecuratória nos contratos por prazo determinado assegura às partes a aplicação das regras do contrato sem determinação de prazo, até mesmo no que tange ao aviso prévio.

Comentários: CERTA. No Direito do Trabalho o aviso prévio é utilizado, em regra nos contratos de prazo indeterminado, nas hipóteses de resilição do contrato de trabalho (terminação imotivada), assim toda vez que um dos contratantes (empregado ou empregador) em um contrato de prazo indeterminado quiser sem motivo romper o vínculo contratual deverá comunicar à outra parte com certa antecedência.

Embora o aviso prévio seja um instituto típico de um contrato de prazo indeterminado, pois nos contratos de prazo determinado as partes já ajustaram desde o início o seu término, há exceção na qual o aviso prévio poderá incidir nos contratos de prazo determinado quando existir previsão de cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão prevista no art. 481 da CLT e S. 163 do TST.

Logo se houver no contrato por prazo determinado a cláusula assecuratória do art. 481 da CLT, toda vez que alguma das partes quiser romper o contrato sem motivo antes de seu termo final, aplicar-se-á as regras do contrato por prazo indeterminado sendo devido aviso prévio.

QUESTÃO 116 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados TRT 21/2010) A redução da jornada em duas horas, no curso do aviso prévio, enquadra-se em uma das hipóteses de interrupção do contrato de trabalho.

Comentários: CERTA. O horário normal de trabalho do empregado, durante o prazo do aviso será reduzido de 2 (duas) horas diárias, sem prejuízo do salário integral, quando a rescisão tiver sido promovida pelo empregador.

É facultado ao empregado trabalhar sem a redução das 2 (duas) horas diárias, podendo neste caso optar por faltar ao serviço por 7 (sete) dias corridos. O empregador não poderá substituir o período acima mencionado pelo pagamento destas horas, conforme estabelece a Súmula 230 do TST.

Súmula 230 do TST É ilegal substituir o período que se reduz da jornada de trabalho, no aviso prévio, pelo pagamento das horas correspondentes.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 117 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa TRT 21/2010) Ocorrendo demissão imotivada do obreiro, com cumprimento do aviso prévio, o empregador deve pagar a rescisão contratual no prazo de dez dias após o término do contrato havido.

Comentários: ERRADA. É importante lembrar, da multa do art. 477, parágrafo 8º da CLT que será aplicada, independentemente do tipo de extinção do contrato de trabalho, quando as parcelas decorrentes da extinção do contrato de trabalho não forem pagas no prazo previsto no art. 477, parágrafo 6º da CLT.

Art. 477 da CLT É assegurado a todo empregado, não existindo prazo estipulado para a terminação do respectivo contrato, e quando não haja ele dado motivo para cessação das relações de trabalho, o direito de haver do empregador uma indenização, paga na base da maior remuneração que tenha percebido na mesma empresa.

§ 6º - O pagamento das parcelas constantes do instrumento de rescisão ou recibo de quitação deverá ser efetuado nos seguintes prazos: a) até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato; ou b) até o décimo dia, contado da data da notificação da demissão, quando da ausência do aviso prévio, indenização do mesmo ou dispensa de seu cumprimento.

OJ 14 da SDI-1 do TST Em caso de aviso prévio cumprido em casa, o prazo para pagamento das verbas rescisórias é até o décimo dia da notificação de despedida.

É muito importante falar da OJ 14 da SDI-1 do TST que trata do prazo para pagamento das verbas rescisórias, previsto no art. 477, parágrafo sexto da CLT. A OJ 14 estabelece que em caso de aviso prévio cumprido em casa, o prazo para pagamento das verbas rescisórias é até o décimo dia da notificação de despedida.

QUESTÃO 118 (CESPE/AGU – Procurador Federal/2007) Um empregado foi admitido em uma empresa em 20/5/2004 e submetido a uma jornada de oito horas, perfazendo quarenta horas semanais. Por ter resolvido deixar o emprego, esse empregado concedeu aviso prévio para o empregador em 17/7/2006, prestando serviços até 16/8/2006. Durante o período em que esteve na empresa, o empregado gozou trinta dias de férias, em setembro de 2005. Com relação à situação descrita acima, julgue o item seguinte. Para procurar novo emprego, o empregado, durante o período de aviso prévio, terá direito à redução de sua jornada em duas horas ou em sete dias corridos.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: ERRADA. Somente quando a rescisão tiver sido promovida pelo empregador é que haverá esta redução.

Art. 488 CLT - O horário normal de trabalho do empregado, durante o prazo do aviso, e se a rescisão tiver sido promovida pelo empregador, será reduzido de 2 (duas) horas diárias, sem prejuízo do salário integral.

Parágrafo único - É facultado ao empregado trabalhar sem a redução das 2 (duas) horas diárias previstas neste artigo, caso em que poderá faltar ao serviço, sem prejuízo do salário integral, por 1 (um) dia, na hipótese do inciso l, e por 7 (sete) dias corridos, na hipótese do inciso lI do art. 487 desta Consolidação.

QUESTÃO 119 (CESPE/BRB – Advogado/2010) Segundo o TST, na hipótese de aviso prévio indenizado realizado pela empresa, não tendo havido qualquer prazo trabalhado pelo empregado, o término do contrato, para todos os efeitos legais, se opera automaticamente na data da dispensa, sendo o período de trinta dias mera ficção jurídica.

Comentários: ERRADA. De acordo com a OJ 82 o empregador deverá proceder a baixa na CTPS do empregado anotando a data do término do prazo do aviso prévio, mesmo que o empregado esteja em aviso prévio indenizado.

OJ 82 da SDI-1 do TST A data de saída a ser anotada na CTPS deve corresponder à do término do prazo do aviso prévio, ainda que indenizado.

É importante estudar a súmula 371 do TST.

Súmula 371 do TST A projeção do contrato de trabalho para o futuro, pela concessão do aviso prévio indenizado, tem efeitos limitados às vantagens econômicas obtidas no período de pré-aviso, ou seja, salários, reflexos e verbas rescisórias. No caso de concessão de auxílio- doença no curso do aviso prévio, todavia, só se concretizam os efeitos da dispensa, depois de expirado o benefício previdenciário.

O aviso prévio indenizado integra o tempo de serviço do empregado para todos os fins, conforme estabelece o parágrafo 1º do art. 487 da CLT. Portanto, o contrato de trabalho somente se extinguirá após o término do prazo do aviso prévio.

Sendo assim, quando for concedido auxílio-doença para o empregado no curso do aviso prévio, os efeitos da dispensa somente se concretizaram depois de expirado o benefício previdenciário.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Portanto, os efeitos do contrato de trabalho estariam suspensos a partir do 16º dia e o empregado não poderá ser dispensado neste caso, enquanto não cessar o benefício previdenciário.

QUESTÃO 120 (CESPE/OAB 2009) A falta de aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, mas nem sempre garante a integração desse período no seu tempo de serviço.

Comentários: ERRADA

ART. 487 CLT, § 1º - A falta do aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, garantida sempre a integração desse período no seu tempo de serviço.

QUESTÃO 121 (CESPE/Analista Judiciária – Área Judiciária – TRT 21/2010) Considere que Jacinto esteja sujeito ao turno ininterrupto de revezamento e tenha trabalhado das 16 horas às 22 horas do sábado e retornado ao trabalho na segunda-feira seguinte para cumprir jornada das 6 horas às 12 horas. Nessa situação, Jacinto não tem direito ao pagamento de hora extra.

Comentários: ERRADA (súmula 110 do TST). Os turnos ininterruptos de revezamento que tem jornada constitucionalmente prevista de seis horas, podendo ser alterada por norma coletiva, como flexibilizou a própria Constituição.

Art.7º CRFB/88 Jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva.

O trabalho por turno é aquele no qual grupos de trabalhadores sucedem- se na empresa, cumprindo horários que permitam o funcionamento ininterrupto da empresa.

OJ 360 DA SDI- 1 DO TST Faz jus à jornada especial prevista no art. 7º, XIV, da CF/1988 o trabalhador que exerce suas atividades em sistema de alternância de turnos, ainda que em dois turnos de trabalho, que compreendam, no todo ou em parte, o horário diurno e o noturno, pois submetido à alternância de horário prejudicial à saúde, sendo irrelevante que a atividade da empresa se desenvolva de forma ininterrupta.

Súmula 423 do TST Estabelecida jornada superior a seis horas e limitada a oito horas por meio de regular negociação coletiva, os empregados submetidos a turnos ininterruptos de revezamento não tem direito ao pagamento da 7ª e 8ª horas como extras.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Súmula 360 do TST A interrupção do trabalho destinada a repouso e alimentação, dentro de cada turno, ou o intervalo para repouso semanal, não descaracteriza o turno de revezamento com jornada de 6 (seis) horas previsto no art. 7º, XIV, da CF/1988.

Súmula 110 do TST No regime de revezamento, as horas trabalhadas em seguida ao repouso

Súmula 110 do TST No regime de revezamento, as horas trabalhadas em seguida ao repouso semanal de 24 horas, com prejuízo do intervalo mínimo de 11 horas consecutivas para descanso entre jornadas, devem ser remuneradas

como extraordinárias, inclusive com o respectivo adicional.

para descanso entre jornadas, devem ser remuneradas como extraordinárias, inclusive com o respectivo adicional.

QUESTÃO 122 (CESPE/OAB 2009) É incabível o aviso prévio nas rescisões antecipadas dos contratos de experiência, mesmo ante a existência de cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão antes de expirado o termo ajustado.

Comentários: ERRADA.

Art. 481 da CLT Aos contratos por prazo determinado, que contiverem cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão antes de expirado o termo ajustado, aplicam-se, caso seja exercido tal direito por qualquer das partes, os princípios que regem a rescisão dos contratos por prazo indeterminado.

Súmula 163 do TST Cabe aviso prévio nas rescisões antecipadas dos contratos de experiência, na forma do art. 481 da CLT.

Logo se houver no contrato por prazo determinado a cláusula assecuratória do art. 481 da CLT, toda vez que alguma das partes quiser romper o contrato sem motivo antes de seu termo final, aplicar-se-á as regras do contrato por prazo indeterminado, sendo devido aviso prévio.

O aviso prévio é obrigatório nas cessações dos contratos de prazo indeterminado e nos contratos de prazo determinado que contenham a cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão.

QUESTÃO 123 (CESPE/OAB 2009) O valor das horas extraordinárias habituais integra o aviso prévio indenizado.

Comentários: CERTA.

ART. 487

CLT,

§

5 o

O

valor

das horas extraordinárias

habituais integra o aviso prévio indenizado.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 124 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 2/2010) Entende-se por comissionista puro o empregado contratado para receber salário-base estipulado unicamente em função de sua produção. Logo, esse tipo de empregado sempre fará jus à concessão de horas extraordinárias, uma vez que ganha mais na medida em que despende mais tempo em favor da atividade de produção.

Comentários: ERRADA.

Súmula 340 do TST O empregado, sujeito a controle de horário, remunerado

à

base de comissões, tem direito ao adicional de, no mínimo, 50% (cinqüenta

por cento) pelo trabalho em horas extras, calculado sobre o valor-hora das comissões recebidas no mês, considerando-se como divisor o número de horas

efetivamente trabalhadas.

 

QUESTÃO 125 (CESPE/OAB/2010) O aviso prévio é exigido somente do

empregado, pois o empregador pode rescindir o contrato livremente, arguindo

a subordinação existente na relação de emprego.

Comentários: ERRADA.

ART. 487 CLT, § 1º - A falta do aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, garantida sempre a integração desse período no seu tempo de serviço.

§ 2º - A falta de aviso prévio por parte do empregado dá ao empregador o direito de descontar os salários correspondentes ao prazo respectivo.

QUESTÃO 126 (CESPE/OAB/2010) O período de aviso prévio não integra o tempo de serviço para os devidos efeitos legais.

Comentários: ERRADA

ART. 487 CLT, § 1º - A falta do aviso prévio por parte do empregador dá ao empregado o direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, garantida sempre a integração desse período no seu tempo de serviço.

QUESTÃO 127 (CESPE/Analista Judiciário – Execução de Mandados – TRT 21/ 2010) A cessação do contrato de trabalho é a terminação do vínculo de emprego, com a extinção das obrigações para os contratantes. No que se refere à cessação do contrato de trabalho, o pedido de demissão do empregado ao empregador e a dispensa do empregado pelo empregador são atos bilaterais.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: ERRADA. São atos unilaterais. Trata-se de resilição do contrato de trabalho, ou seja, dispensa imotivada.

Aviso prévio consiste na comunicação antecipada de uma parte à outra do desejo de rescindir o contrato de trabalho sem justa causa, com a antecedência a que estiver obrigada por lei. A natureza jurídica do aviso prévio é ato unilateral, receptício e potestativo.

Hipóteses de terminação do contrato de trabalho:

Resilição (imotivada). Resolução (justa causa). Rescisão (ruptura por nulidade).

No direito do trabalho, o aviso prévio é utilizado, em regra, nos contratos de prazo indeterminado, quando houver resilição do contrato (terminação imotivada). Assim, toda vez que um dos contratantes (empregado ou empregador), em um contrato por prazo indeterminado, quiser, sem motivo, romper o vínculo contratual, deverá comunicar à outra parte com antecedência.

QUESTÃO 128 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/2009) A comunicação do aviso prévio pode ser feita verbalmente.

Comentários: CERTA. O aviso prévio prescinde de forma especial, podendo ser dado verbalmente ou por escrito.

QUESTÃO 129 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/2009) A concessão do aviso prévio somente é cabível nos contratos a prazo indeterminado.

Comentários: ERRADA. Vamos repetir o trecho da aula do curso Trabalho e Processo Tribunais.

O aviso prévio é utilizado, em regra nos contratos de prazo indeterminado nas hipóteses de resilição do contrato de trabalho (terminação imotivada), assim toda vez que um dos contratantes (empregado ou empregador) em um contrato de prazo indeterminado quiser sem motivo romper o vínculo contratual, deverá comunicar tal fato, com certa antecedência, à outra parte.

Exceção: Embora o aviso prévio seja um instituto típico de um contrato de prazo indeterminado, há exceção na qual o aviso prévio poderá incidir nos contratos de prazo determinado, como por exemplo, nos contratos que possuam cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão prevista no art. 481 da CLT e na Súmula 163 do TST.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Art. 481 da CLT Aos contratos por prazo determinado, que contiverem cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão antes de expirado o termo ajustado, aplicam-se, caso seja exercido tal direito por qualquer das partes, os princípios que regem a rescisão dos contratos por prazo indeterminado.

Súmula 163 do TST Cabe aviso prévio nas rescisões antecipadas dos contratos de experiência, na forma do art. 481 da CLT.

Logo se houver no contrato por prazo determinado a cláusula assecuratória do art. 481 da CLT, toda vez que alguma das partes quiser romper o contrato sem motivo antes de seu termo final, aplicar-se-á as regras do contrato por prazo indeterminado, sendo devido aviso prévio.

O aviso prévio é obrigatório nas cessações dos contratos de prazo indeterminado e nos contratos de prazo determinado que contenham a cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão.

QUESTÃO 130 (CESPE/Analista Judiciário - Área Judiciária – TRT 5/2008) Durante o viso prévio, se a rescisão do contrato de trabalho tiver sido promovida pelo empregador, será assegurada ao empregado a redução de duas horas diárias em sua jornada de trabalho, sem prejuízo ao recebimento do salário integral.

Comentários: CERTA.

Art. 488 CLT - O horário normal de trabalho do empregado, durante o prazo do aviso, e se a rescisão tiver sido promovida pelo empregador, será reduzido de 2 (duas) horas diárias, sem prejuízo do salário integral.

QUESTÃO 131 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 21/2010) Pelo princípio da continuidade da relação de emprego, os fatos ordinários são presumidos, em detrimento dos fatos extraordinários, que precisam ser provados. Assim, o ônus de provar o vínculo empregatício e o despedimento é do empregado, porque se trata de fatos constitutivos do seu direito.

Comentários: ERRADA.

Súmula 212 do TST - DESPEDIMENTO. ÔNUS DA PROVA O ônus de provar o término

Súmula 212 do TST - DESPEDIMENTO. ÔNUS DA PROVA O ônus de provar o término do contrato de trabalho, quando negados a prestação de serviço e o despedimento, é do empregador, pois o princípio da continuidade da relação

de emprego constitui presunção favorável ao empregado.

do empregador , pois o princípio da continuidade da relação de emprego constitui presunção favorável ao

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 132 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) O FGTS foi criado, em caráter optativo ao regime da estabilidade, como novo sistema de indenização, tendo como base o tempo de serviço;

Comentários: CERTA. O FGTS foi criado, em caráter optativo ao regime da estabilidade, como novo sistema de indenização, tendo como base o tempo de serviço.

QUESTÃO 133 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) A base de cálculo do FGTS é a remuneração paga ou devida no mês anterior incidindo, inclusive, sobre a gratificação de natal, ajuda de custo e diárias de viagem;

Comentários: ERRADA. O FGTS não incidirá nas diárias para viagem que não excedem a 50% e nem nas ajudas de custo porque elas não integram a remuneração do empregado.

Súmulas sobre o FGTS:

Súmula 63 do TST A contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço

Súmula 63 do TST A contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço incide sobre a remuneração mensal devida ao empregado, inclusive

horas extras e adicionais eventuais.

Tempo de Serviço incide sobre a remuneração mensal devida ao empregado, inclusive horas extras e adicionais
Súmula 305 do TST O pagamento relativo ao período de aviso prévio,

Súmula 305 do TST O pagamento relativo ao período de aviso prévio,

trabalhado ou não, está sujeito a contribuição para o FGTS.

do TST O pagamento relativo ao período de aviso prévio, trabalhado ou não, está sujeito a

QUESTÃO 134 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) Na hipótese de despedida sem justa causa e de força maior, o empregador pagará 40% (quarenta por cento) do montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada. Na hipótese de despedida por culpa recíproca, o percentual será de 20% (vinte por cento);

Comentários: ERRADA. A assertiva é falsa porque na hipótese de despedida por força maior ou por culpa recíproca o empregador pagará 20% do montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada do empregado.

Art. 18 da Lei 8036/90 Ocorrendo rescisão do contrato de trabalho, por parte do empregador, ficará este obrigado a depositar na conta vinculada do trabalhador no FGTS os valores relativos aos depósitos referentes ao mês da rescisão e ao imediatamente anterior, que ainda não houver sido recolhido, sem prejuízo das cominações legais. § 1º Na hipótese de despedida pelo empregador sem justa causa, depositará este, na conta vinculada do trabalhador no FGTS, importância igual a quarenta por cento do montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada durante a vigência do contrato de trabalho, atualizados monetariamente e acrescidos dos respectivos juros.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

§ 2º Quando ocorrer despedida por culpa recíproca ou força maior, reconhecida pela Justiça do Trabalho, o percentual de que trata o § 1º será de 20 (vinte) por cento.

QUESTÃO 135 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) A contribuição para o FGTS tem natureza jurídica de contribuição fiscal;

Comentários: ERRADA. A assertiva está incorreta porque a corrente majoritária entende que a contribuição para o FGTS não tem natureza fiscal ou parafiscal, mas sim natureza de salário diferido.

QUESTÃO 136 (ESAF - Procurador Geral do DF - 2007) O depósito de FGTS assim como o saldo de salários e o aviso prévio são parcelas devidas na indenização de contratos de trabalho considerados nulos.

Comentários: ERRADA. A assertiva está incorreta porque o aviso prévio não é devido na indenização de contratos de trabalho considerados nulos.

Como exemplo de contrato nulo, podemos citar a contratação servidor público sem a aprovação em concurso público, neste caso a Súmula 363 do TST assegura apenas o recebimento dos salários e do FGTS do período.

Súmula 363 do TST A contratação de servidor público, após a CF/1988, sem prévia aprovação

Súmula 363 do TST A contratação de servidor público, após a CF/1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no respectivo art. 37, II e § 2º, somente lhe conferindo direito ao pagamento da contraprestação pactuada, em relação ao número de horas trabalhadas, respeitado o valor da

hora do salário mínimo, e dos valores referentes aos depósitos do FGTS.

de horas trabalhadas, respeitado o valor da hora do salário mínimo, e dos valores referentes aos

Apesar de não ter sido objeto desta questão, não poderia deixar comentar para vocês a questão referente ao pagamento do FGTS para o diretor não empregado. Observem a transcrição de trechos do meu livro “Noções de Direito do trabalho e Processo do Trabalho”:

Relembrando: O art. 16 da Lei 8036/90 estabelece que as empresas sujeitas ao regime da legislação trabalhista poderão equiparar os seus diretores não empregados aos demais trabalhadores sujeitos ao regime do FGTS.

Para os efeitos da lei será considerado diretor aqueles que exerçam cargos de administração, previsto em lei, estatuto ou contrato social independente da denominação do cargo.

Art. 16 da Lei 8036/90 Para efeito desta lei, as empresas sujeitas ao regime da legislação trabalhista poderão equiparar seus diretores não empregados aos demais trabalhadores sujeitos ao regime do FGTS. Considera-se diretor aquele que exerça cargo de administração previsto em lei, estatuto ou contrato social, independente da denominação do cargo.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

É importante lembrar dói que dispõe a Súmula 269 do TST, que considera suspenso o contrato de trabalho do empregado eleito para ocupar o cargo de diretor da empresa.

Súmula 269 do TST O empregado eleito para ocupar cargo de diretor tem o respectivo

Súmula 269 do TST O empregado eleito para ocupar cargo de diretor tem o respectivo contrato de trabalho suspenso, não se computando o tempo de serviço desse período, salvo se permanecer a subordinação jurídica

inerente à relação de emprego.

o tempo de serviço desse período, salvo se permanecer a subordinação jurídica inerente à relação de

QUESTÃO 137 (ESAF – Advogado IRB/2004) Se a vigência do contrato de trabalho for superior a um ano, o pedido de demissão e o recibo de quitação apenas serão válidos se realizados com a assistência do sindicato profissional da categoria ou perante autoridade do Ministério do Trabalho.

Comentários: CERTA. O art. 477, parágrafo 1º da CLT estabelece que quando o contrato de trabalho do empregado for superior a 1 ano na empresa, será obrigatória a homologação da sua dispensa pelo Sindicato profissional ou pelo Ministério do Trabalho.

Art. 477 da CLT É assegurado a todo empregado, não existindo prazo estipulado para a terminação do respectivo contrato, e quando não haja ele dado motivo para cessação das relações de trabalho, o direito de haver do empregador uma indenização, paga na base da maior remuneração que tenha percebido na mesma empresa.

§ 1º - O pedido de demissão ou recibo de quitação de rescisão do contrato de trabalho, firmado por empregado com mais de 1 (um) ano de serviço, só será válido quando feito com a assistência do respectivo Sindicato ou perante a autoridade do Ministério do Trabalho.

QUESTÃO 138 (ESAF – Procurador da Fazenda Nacional – 2006) Os direitos trabalhistas devidos ao empregado por força da extinção do contrato de trabalho variam conforme a modalidade da extinção. Na dispensa indireta, são devidos ao empregado os mesmos direitos decorrentes da dispensa sem justa causa, inclusive a indenização correspondente a 40% (quarenta por cento) dos depósitos na conta vinculada do FGTS.

Comentários:

seguintes verbas trabalhistas:

CERTA.

Na

despedida

indireta

o

empregado

fará

jus

às

Saldo de salários;

Férias vencidas acrescidas de 1/3;

Férias proporcionais acrescidas de 1/3;

Aviso prévio Indenizado;

13º salário integral e proporcional;

FGTS acrescido de 40%;

Seguro desemprego;

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 139 (ESAF – Técnico MPU/2004) O prazo de prescrição para o empregador ingressar em juízo para cobrar valor devido pelo empregado é de cinco anos, reduzindo-se a dois após a extinção do contrato de trabalho.

Comentários: CERTA. Os institutos da prescrição e da decadência objetivam dar uma maior segurança jurídica à Sociedade e às relações jurídicas. Isto porque, no caso da prescrição, ocorrerá a limitação do exercício do direito de ação, o qual deverá ser exercido em determinado tempo.

A prescrição é a extinção do direito de ação em virtude da inércia do seu titular em exercitá-lo dentro do prazo previsto.

Os trabalhadores urbanos e os rurais possuem o mesmo prazo prescricional que é de dois anos após a extinção do contrato de trabalho para interpor a ação, limitados a cobrar direitos trabalhistas de até cinco anos contados da datado ajuizamento da reclamação.

Art. 7º da CF/88 XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho;

QUESTÃO 140 (ESAF – Auditor Fiscal do Trabalho/2006) Em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, julgue certo ou errado: Embora se reconheça a incidência da prescrição trintenária para se reclamar contra o não-recolhimento obrigatório, por força de previsão constitucional, há necessidade de se respeitar o prazo máximo de dois anos após o término de contrato de trabalho.

Comentários: CERTA. Mais uma vez a ESAF abordou o entendimento sumulado do TST.

Súmula 362 do TST É trintenária a prescrição do direito de reclamar contra o não-recolhimento

Súmula 362 do TST É trintenária a prescrição do direito de reclamar contra o não-recolhimento da contribuição para o FGTS, observado o prazo de 2 (dois)

anos após o término do contrato de trabalho.

da contribuição para o FGTS, observado o prazo de 2 (dois) anos após o término do

QUESTÃO 141 (ESAF – Técnico MPU/2004) O prazo de prescrição das pretensões alusivas aos dois primeiros períodos de férias de trabalhador que laborou por cinco anos tem início no instante em que extinto o contrato de trabalho.

Comentários: Errada. Quanto ao prazo de prescrição do direito de reclamar as férias, o art. 149 da CLT estabelece a contagem a partir do término do período concessivo.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Art. 149 da CLT A prescrição do direito de reclamar a concessão das férias ou o pagamento da respectiva remuneração é contada do término do prazo mencionado no art. 134 ou, se for o caso, da cessação do contrato de trabalho.

QUESTÃO 142 (ESAF – Auditor Fiscal do Trabalho/2006) Em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, julgue certo ou errado: Mesmo no caso de contrato nulo, efetivado pela Administração Pública sem concurso público, há reconhecimento do direito aos valores referentes aos depósitos do FGTS do período trabalhado.

Comentários: Está correta a assertiva.

Súmula 363 do TST A contratação de servidor público, após a CF/1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no respectivo art. 37, II

e

§ 2º, somente lhe conferindo direito ao pagamento da contraprestação

pactuada, em relação ao número de horas trabalhadas, respeitado o valor da

hora do salário mínimo, e dos valores referentes aos depósitos do FGTS.

 

QUESTÃO 143 (FGV – Exame de Ordem Unificado – 2010.3) O empregado

Vicente de Morais foi dispensado sem justa causa. Sete dias depois, requereu

a liberação do cumprimento do aviso prévio, pois já havia obtido um novo

emprego. O antigo empregador concordou com o seu pedido, exigindo apenas que ele fosse feito por escrito, junto com a cópia da sua CTPS registrada pelo

novo empregador, o que foi realizado por Vicente. Diante dessa situação, o antigo empregador deverá deduzir o aviso prévio do pagamento de parte das verbas rescisórias devidas, uma vez que o empregado renunciou livremente a esse direito, mas o aviso prévio continuará incidindo sobre as parcelas de natureza salarial.

Comentários: ERRADA. O fundamento desta questão é a Súmula 276 do TST. Portanto, como Vicente já obteve um novo emprego, o seu empregador poderá deduzir o valor do aviso prévio dos dias em que ele não trabalhou.

Súmula 276 do TST O direito ao aviso prévio é irrenunciável pelo empregado. O pedido

Súmula 276 do TST O direito ao aviso prévio é irrenunciável pelo empregado. O pedido de dispensa de cumprimento não exime o empregador de pagar o respectivo valor, salvo comprovação de haver o prestador dos

serviços obtido novo emprego.

o empregador de pagar o respectivo valor, salvo comprovação de haver o prestador dos serviços obtido

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 144 (FGV – Exame de Ordem Unificado – 2011.1) João da Silva ajuizou reclamação trabalhista em face da empresa Alfa Empreendimentos Ltda., alegando ter sido dispensado sem justa causa. Postulou a condenação da reclamada no pagamento de aviso prévio, décimo terceiro salário, férias proporcionais acrescidas do terço constitucional e indenização compensatória de 40% (quarenta por cento) sobre os depósitos do FGTS, bem como na obrigação de fornecimento das guias para levantamento dos depósitos do FGTS e obtenção do benefício do seguro-desemprego. Na peça de defesa, a empresa afirma que o reclamante foi dispensado motivadamente, por desídia no desempenho de suas funções (artigo 482, alínea “e”, da CLT), e que, por essa razão, não efetuou o pagamento das verbas postuladas e não forneceu as guias para a movimentação dos depósitos do FGTS e percepção do seguro- desemprego. Considerando que, após a instrução processual, o juiz se convenceu da configuração de culpa recíproca. Julgue: O reclamante tem direito a 50% do valor do aviso prévio, do décimo terceiro salário e das férias proporcionais.

Comentários: CERTA. Vamos relembrar o que é a desídia através de exemplos hipotéticos! Desídia seria uma síntese de faltas leves, como por exemplo, as modalidades de culpa como imprudência, negligência ou imperícia.

Exemplo 1: Um empregado que dirigi um caminhão em alta velocidade e por impudência causa um acidente.

Exemplo 2: Um empregado que é negligente em suas funções desempenhando-a de forma leviana, que não presta atenção ao elaborar relatórios calculando sob quaisquer valores e não sob os vetores reais da empresa.

Exemplo 3: Um médico, empregado de uma clínica, que ao engessar o braço de um paciente, o faz de forma incorreta, causando seqüelas na paciente.

Agora, vejamos as verbas devidas em uma despedida por culpa recíproca!

as verbas devidas em uma despedida por culpa recíproca! A culpa recíproca prevista no art. 484

A culpa recíproca prevista no art. 484 da CLT, ocorre quando tanto o empregado quanto o empregador praticam Justa causa tipificadas nos artigos 482 e 483 da CLT.

Culpa Recíproca:

Saldo de salários;

Férias vencidas acrescidas de 1/3;

50% Férias proporcionais acrescidas de 1/3;

50% do aviso prévio;

50% 13º salário proporcional;

FGTS acrescido de 20% de indenização compensatória.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Súmula 14 TST Reconhecida a culpa recíproca na rescisão do contrato de trabalho o empregado tem direito a 50% do valor do aviso prévio, do 13º salário e das férias proporcionais.QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA 20% da indenização compensatória do FGTS. Art. 484 da CLT

20% da indenização compensatória do FGTS.aviso prévio, do 13º salário e das férias proporcionais. Art. 484 da CLT Havendo culpa recíproca

Art. 484 da CLT Havendo culpa recíproca no ato que determinou a rescisão do contrato de trabalho, o tribunal de trabalho reduzirá a indenização à que seria devida em caso de culpa exclusiva do empregador, por metade.

Súmula 14 do TST Reconhecida a culpa recíproca na rescisão do contrato de trabalho (art.

Súmula 14 do TST Reconhecida a culpa recíproca na rescisão do contrato de trabalho (art. 484 da CLT), o empregado tem direito a 50% (cinqüenta por cento) do valor do aviso prévio, do décimo terceiro salário e das férias

proporcionais.

a 50% (cinqüenta por cento) do valor do aviso prévio , do décimo terceiro salário e

QUESTÃO 145 (UnB/CESPE – Assessor Jurídico - PGM/Natal – 2008) Assinale a opção correta acerca das fontes do direito do trabalho.

A) A CF, as leis e a convenção coletiva são as únicas fontes do direito do

trabalho.

B) Os demais ramos do direito não podem servir como fontes subsidiárias do

direito do trabalho.

C) Os usos e costumes são fontes do direito do trabalho, pois a prática

habitual, quando não haja lei que a discipline, cria norma jurídica.

D) O direito comparado não pode ser aplicado no âmbito trabalhista, mesmo

quando a lei nacional for omissa e não for possível utilizar outros meios de

integração do direito.

Comentários: Letra C. Há inúmeras fontes de direito do trabalho e não, apenas a CF, as leis e a convenção coletiva.

O art. 8º da CLT estabelece em seu parágrafo único que o direito comum será fonte subsidiária do direito do trabalho, desde que não viole os princípios fundamentais do direito do trabalho. Há quem faça a distinção entre os usos e os costumes. Mas para o nosso estudo para provas objetivas o importante é saber que os costumes contra a lei não são admitidos. Apenas serão admitidos os costumes “praeter legem”, ou seja, para suprir as lacunas da lei.

É importante ressaltar que os usos e costumes serão fontes supletivas do direito do trabalho (art. 8º, caput da CLT).

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 146 (UnB/CESPE – AGU - Advogado da União/2004) Como uma das principais fontes formais do direito do trabalho, os movimentos reivindicatórios deflagrados pelos trabalhadores, com a participação dos sindicatos, têm sido, ao longo da história, o principal elemento gerador de normas jurídicas trabalhistas.

Comentários: ERRADA. Os movimentos grevistas e reivindicatórios são fatos sociais e são fontes materiais do direito do trabalho.

QUESTÃO 147 (UnB/CESPE – AGU - Advogado da União/2004) As decisões proferidas pelos tribunais do trabalho no exercício da competência normativa prevista na Constituição Federal, quando resultantes de provocação de todas as categorias profissional e economicamente envolvidas, qualificam- se como fontes autônomas e formais do direito do trabalho.

Comentários: ERRADA. As sentenças normativas são decisões proferidas pelos Tribunais do Trabalho e são consideradas fontes formais heterônomas do direito do trabalho.

As súmulas vinculantes editadas pelo STF, também, são fontes formais heterônomas de direito. (Art. 103-A da CRFB/88).

Atenção: Embora não tenha sido objeto da questão é importante saber que a competência para legislar sobre direito do trabalho é privativa da União, conforme dispõe o art. 22, I da CRFB/88.

QUESTÃO 148 (CESPE – PGE – ES/2008) Empregados de uma empresa sofrem redução no percentual de diversos adicionais a que fazem jus: o adicional de horas extras passou a ser remunerado na base de 30%; o de periculosidade, na base de 20%; e o noturno, na base de 10%. Considerando essa situação hipotética, julgue o item que se segue.

A redução, por meio de acordo individual escrito, dos percentuais previstos em lei para os referidos adicionais é admitida com ressalvas pela legislação trabalhista, pois exige em troca a concessão de outras vantagens para os empregados que se encontrem nessa situação.

Comentários: ERRADA. Os percentuais mínimos dos referidos adicionais não poderão ser reduzidos, nem mesmo por norma coletiva.

QUESTÃO 149 (CESPE – PGE – ES/2008) Considere que um indivíduo tenha sido contratado para trabalhar em uma empresa pelo salário de R$ 600,00 e com gratificação bimestral de R$ 200,00. Considere, ainda, que o empregador financiava, para esse empregado, curso de pós-graduação em instituição de ensino privada, fora do horário de expediente, no valor mensal de R$ 250,00. Com base nessa situação, julgue o item que se segue.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Nessa situação, o pagamento da gratificação de dois em dois meses é legalmente válido e tem natureza salarial, produzindo reflexos no cálculo, por exemplo, do 13.º salário.

Comentários: CERTA. Por gratificações devemos entender tudo o que for fornecido ao empregado por liberalidade do empregador, ou seja, sem que haja imposição legal neste sentido.

As gratificações integram a remuneração base dos empregados para todos os efeitos dela emanados e, assim, são computadas para o cálculo da remuneração do repouso, das férias, da indenização, dos depósitos do FGTS, conforme poderemos observar na Súmula 253 do TST, muito abordada em provas de concursos públicos.

Súmula 253 do TST A gratificação semestral não repercute no cálculo das horas extras, das

Súmula 253 do TST A gratificação semestral não repercute no cálculo das horas extras, das férias e do aviso prévio, ainda que indenizados. Repercute, contudo, pelo seu duodécimo na indenização por antigüidade e na gratificação

natalina.

que indenizados. Repercute, contudo, pelo seu duodécimo na indenização por antigüidade e na gratificação natalina.

QUESTÃO 150 (CESPE – OAB/2009) Frentistas que operam bombas de gasolina não fazem jus ao adicional de periculosidade, visto que não têm contato direto com o combustível.

Comentários: ERRADA (súmula 39 do TST).

Súmula 39 do TST Os empregados que operam em bomba de gasolina têm

Súmula 39 do TST Os empregados que operam em bomba de gasolina têm

direito ao adicional de periculosidade (Lei nº 2.573, de 15.08.1955).

Os empregados que operam em bomba de gasolina têm direito ao adicional de periculosidade (Lei nº

151 (CESPE – OAB/2009) O caráter intermitente do trabalho

executado em condições insalubres não afasta o direito de recebimento do respectivo adicional.

QUESTÃO

Comentários: CERTA.

Súmula 47 INSALUBRIDADE O trabalho executado em condições insalubres, em caráter intermitente, não afasta, só

Súmula 47 INSALUBRIDADE O trabalho executado em condições insalubres, em caráter intermitente, não afasta, só por essa circunstância, o

direito à percepção do respectivo adicional.

em caráter intermitente, não afasta, só por essa circunstância, o direito à percepção do respectivo adicional.

QUESTÃO 152(CESPE – OAB/2009) A eliminação da insalubridade do trabalho em uma empresa, mediante a utilização de aparelhos protetores aprovados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, não é suficiente para o cancelamento do pagamento do respectivo adicional.

Comentários: ERRADA. O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador não o exime do pagamento do adicional de insalubridade.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Súmula 80 INSALUBRIDADE A eliminação da insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo

Súmula 80 INSALUBRIDADE A eliminação da insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do

Poder Executivo exclui a percepção do respectivo adicional.

de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo exclui a percepção do respectivo adicional.

Cabe-lhe tomar as medidas que conduzam à diminuição ou eliminação da nocividade, entre as quais as relativas ao uso efetivo do equipamento pelo empregado (Súmula 289 do TST).

Súmula 289 do TST O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador não o exime do pagamento do adicional de insalubridade. Cabe-lhe tomar as medidas que conduzam à diminuição ou eliminação da nocividade, entre as quais as relativas ao uso efetivo do equipamento pelo empregado.

O art. 158 da CLT considera como ato faltoso do empregado a recusa injustificada em usar os equipamentos de proteção individual fornecidos pelo empregador.

QUESTÃO 153 (CESPE – OAB/2009) As horas em que o empregado permanecer em sobreaviso também geram a integração do adicional de periculosidade para o cálculo da jornada extraordinária.

Comentários: ERRADA.

Súmula 132 do TST I - O adicional de periculosidade, pago em caráter permanente, integra

Súmula 132 do TST I - O adicional de periculosidade, pago em caráter permanente, integra o cálculo de indenização e de horas extras. II - Durante as horas de sobreaviso, o empregado não se encontra em condições de risco, razão pela qual é incabível a integração do adicional de periculosidade sobre

as mencionadas horas.

de risco, razão pela qual é incabível a integração do adicional de periculosidade sobre as mencionadas

QUESTÃO 154 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 21/2010) O empregado contratado para prestação de trabalho em regime de tempo parcial pode converter um terço do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.

Comentários: ERRADA.

Art. 143 da CLT É facultado ao empregado converter 1/3 (um terço) do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.

§ 1º - O abono de férias deverá ser requerido até 15 (quinze) dias antes do término do período aquisitivo.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

§ 2º - Tratando-se de férias coletivas, a conversão a que se refere este artigo deverá ser objeto de acordo coletivo entre o empregador e o sindicato representativo da respectiva categoria profissional, independendo de requerimento individual a concessão do abono.

§ 3º - O disposto neste artigo não se aplica aos empregados sob o regime de tempo parcial. (NR).

QUESTÃO 155 (CESPE/TRT 16/2005 – Analista Judiciário – Área Judiciária) - É apresentada uma situação hipotética acerca dos adicionais de insalubridade e periculosidade, seguida de uma assertiva a ser julgada.

Prestando serviços em uma fábrica de fogos de artifício, na função de técnico em explosivos, Josué percebia seu salário acrescido do adicional de periculosidade por mais de 15 anos. Em razão de inovações introduzidas no processo de produção, a empresa suprimiu do salário o adicional indicado. Nessa situação, ainda que extinto o risco na atividade desenvolvida, a atitude patronal foi equivocada e ilegal, por ofender o princípio da estabilidade econômica do trabalhador.

Comentários: ERRADA.

Art. 194 da CLT O direito do empregado ao adicional de insalubridade ou de periculosidade cessará com a eliminação do risco à sua saúde ou integridade física, nos termos desta Seção e das normas expedidas pelo Ministério do Trabalho.

QUESTÃO 156 (FCC – PGE-AM – 2010) Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa.

Comentários: CERTA. O art. 158 da CLT considera como ato faltoso do empregado a recusa injustificada em usar os equipamentos de proteção individual fornecidos pelo empregador.

Art. 158 da CLT Cabe aos empregados:

I - observar as normas de segurança e medicina do trabalho, inclusive as instruções de que trata o item II do artigo anterior;

II - colaborar com a empresa na aplicação dos dispositivos deste Capítulo.

recusa

Parágrafo

injustificada:

a) à observância das instruções expedidas pelo empregador na forma do item II do artigo anterior;

b) ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa.

único

-

Constitui

ato

faltoso

do

empregado

a

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 157 (CESPE– TRT 21 – Analista Judiciário – Área Administrativa/2010) O trabalhador exposto a condições insalubres no desenvolvimento de suas atividades laborais fará jus a um adicional no importe de 30%.

Comentários: ERRADA. De acordo, com o art. 189 da CLT, serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância, fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.

O trabalho exercido em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de: 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo (art.192 da CLT).

Art . 192 CLT O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário- mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.

QUESTÃO 158 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de horas extras poderá ser instituído na empresa independentemente da participação do sindicato. No entanto, para ser suprimido, o empregador estará sujeito ao pagamento de indenização, desde que o empregado esteja prestando serviço em sobrejornada com habitualidade a, pelo menos, um ano.

Comentários: CERTA.

Súmula 291 do TST REDAÇÃO ATUAL: A supressão total ou parcial, pelo empregador, de serviço

Súmula 291 do TST REDAÇÃO ATUAL: A supressão total ou parcial, pelo empregador, de serviço suplementar prestado com habitualidade, durante pelo menos 1 (um) ano, assegura ao empregado o direito à indenização correspondente ao valor de 1 (um) mês das horas suprimidas, total ou parcialmente, para cada ano ou fração igual ou superior a seis meses de prestação de serviço acima da jornada normal. O cálculo observará a média das horas suplementares nos 12 (doze) meses anteriores à mudança,

multiplicada pelo valor da hora extra do dia da supressão.

suplementares nos 12 (doze) meses anteriores à mudança, multiplicada pelo valor da hora extra do dia

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 159 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional noturno será devido quando o empregado urbano prestar serviço das 22 h às 5 h, tendo direito ao pagamento de, pelo menos, 20% a mais sobre a hora diurna. Em se tratando de empregado rural que presta serviço na lavoura, sua hora noturna começa a contar a partir das 20 h de um dia até as 4 h do dia subsequente, quando fará jus ao percentual de, pelo menos, 25% sobre a hora diurna.

Comentários: ERRADA.

Art. 73 CLT. Salvo nos casos de revezamento semanal ou quinzenal, o trabalho noturno terá remuneração superior a do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá um acréscimo de 20 % (vinte por cento), pelo menos, sobre a hora diurna.

§ 1º A hora do trabalho noturno será computada como de 52 minutos e 30 segundos.

§ 2º Considera-se noturno, para os efeitos deste artigo, o trabalho executado entre as 22 horas de um dia e às 5 horas do dia seguinte.

QUESTÃO 160 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de periculosidade será devido quando o empregado estiver sujeito ao risco de morte de forma contínua, sem interrupções, tendo direito ao acréscimo de 30% sobre seu salário-base.

Comentários: ERRADA.

Art . 193 CLT - São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.

§ 1º - O trabalho em condições de periculosidade assegura ao empregado um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.

QUESTÃO 161 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de transferência será devido ao empregado quando seu deslocamento for oriundo de comprovação da real necessidade do serviço.

Comentários: CERTA.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Art. 469 da CLT - Ao empregador é vedado transferir o empregado, sem a sua anuência, para localidade diversa da que resultar do contrato, não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio.

§ 1º

empregados que exerçam cargos de confiança e aqueles cujos contratos tenham como condição, implícita ou explícita, a transferência, quando esta decorra de real necessidade de serviço.

- Não estão compreendidos na proibição deste artigo os

Súmula 43 do TST Presume-se abusiva a transferência de que trata o § 1º

Súmula 43 do TST Presume-se abusiva a transferência de que trata o § 1º

do art. 469 da CLT, sem comprovação da necessidade do serviço.

abusiva a transferência de que trata o § 1º do art. 469 da CLT, sem comprovação

§ 2º

estabelecimento em que trabalhar o empregado.

É

licita

a

transferência

-

quando

ocorrer

extinção

do

§ 3º - Em caso de necessidade de serviço o empregador poderá transferir o empregado para localidade diversa da que resultar do contrato, não obstante as restrições do artigo anterior, mas, nesse caso, ficará obrigado a um pagamento suplementar, nunca inferior a 25% (vinte e cinco por cento) dos salários que o empregado percebia naquela localidade, enquanto durar essa situação.

QUESTÃO 162 (CESPE/Caixa – Advogado/2010) O adicional de insalubridade poderá ser pago de forma intermitente e será configurado de acordo com o grau de exposição a que o empregado se sujeita.

Comentários: CERTA.

Art. 192 CLT - O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário-mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.

QUESTÃO 163 (ESAF - Técnico Judiciário - TRT - 7ª Região – 2003) Na forma da legislação vigente, o contrato individual de trabalho corresponde ao negócio jurídico expresso, por meio do qual se obriga a pessoa física a executar, pessoalmente ou por intermédio de terceiro, determinado serviço ou atividade de interesse do contratante.

Comentários: ERRADA. O contrato de trabalho de acordo dom o art. 443 da CLT é o negócio jurídico tácito ou expresso correspondente à relação de emprego. Na relação de emprego há o requisito da pessoalidade e portento, o empregado não poderá obrigar-se a prestar serviços por intermédio de terceiros.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 164 (ESAF - Técnico Judiciário - TRT - 7ª Região – 2003) Sobre as regras legais que informam a alteração do contrato de trabalho, analise: a destituição do trabalhador de função de confiança ocupada durante um ano, com a supressão da gratificação salarial correspondente, não configura alteração contratual ilícita.

Comentários: CERTA. De acordo com a Súmula 372 do TST a destituição de trabalhador que exerceu função de confiança por dez ou mais anos, não poderá ser acompanhada com a supressão da gratificação.

Súmula 372 do TST I - Percebida a gratificação de função por dez ou mais

Súmula 372 do TST I - Percebida a gratificação de função por dez ou mais anos pelo empregado, se o empregador, sem justo motivo, revertê-lo a seu cargo efetivo, não poderá retirar-lhe a gratificação tendo em vista o princípio da estabilidade financeira. II - Mantido o empregado no exercício da função comissionada, não pode o empregador reduzir o valor da

gratificação.

II - Mantido o empregado no exercício da função comissionada, não pode o empregador reduzir o

QUESTÃO 165 (ESAF – Analista Jurídico - SEFAZ – 2006) A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno.

Comentários: CERTA. De acordo com o entendimento sumulado do TST, quando o empregado que trabalha no período noturno de trabalho for transferido para o período diurno de trabalho, ele perderá o direito ao recebimento do adicional noturno.

Súmula 265 do TST A transferência para o período diurno de trabalho

Súmula 265 do TST A transferência para o período diurno de trabalho

implica a perda do direito ao adicional noturno.

Súmula 265 do TST A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do

QUESTÃO 166 (ESAF- AFT – 2010) A sucessão de empregador é hipótese de alteração objetiva do contrato de trabalho.

Comentários: ERRADA. A sucessão de empregadores altera um dos sujeitos da relação de emprego (o empregador), logo se trata de alteração subjetiva do contrato de trabalho.

Art. 10 da CLT - Qualquer alteração na estrutura jurídica da empresa não afetará os direitos adquiridos por seus empregados.

Art. 448 da CLT - A mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa não afetará os contratos de trabalho dos respectivos empregados.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 167 (CESPE/TRT 1 – Analista Judiciário – Área Judiciária/20008) A apuração de periculosidade é atribuição tão-somente de engenheiro do trabalho ou profissional com equivalente formação técnica, inscrito no respectivo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). A apuração de insalubridade também inclui o médico do trabalho.

Comentários: ERRADA.

Art. 195 da CLT. A caracterização e a classificação da insalubridade e da periculosidade, segundo as normas do Ministério do Trabalho, far- se-ão através de perícia a cargo de Médico do Trabalho ou Engenheiro do Trabalho, registrados no Ministério do Trabalho.

§ 1º - É facultado às empresas e aos sindicatos das categorias

profissionais interessadas requererem ao Ministério do Trabalho a

realização de perícia em estabelecimento ou setor deste, com o objetivo de caracterizar e classificar ou delimitar as atividades insalubres ou perigosas.

§ 2º - Argüida em juízo insalubridade ou periculosidade, seja por

empregado, seja por Sindicato em favor de grupo de associado, o juiz designará perito habilitado na forma deste artigo, e, onde não houver, requisitará perícia ao órgão competente ao Ministério do Trabalho.

§ 3º - O disposto nos §§ anteriores não prejudica a ação fiscalizadora do Ministério do Trabalho nem a realização "ex-offício" da perícia.

QUESTÃO 168 (FCC- Analista Judiciário – TRT/MG/2009) O enquadramento de determinada atividade como insalubre ou penosa, para pagamento dos respectivos adicionais, depende, respectivamente, de previsão nas normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego e de lei ordinária.

Comentários: CERTA

Art. 193 da CLT São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.

§ 1º - O trabalho em condições de periculosidade assegura ao empregado um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

OJ 04 da SDI-1 do TST I - Não basta a constatação da insalubridade por meio de laudo pericial para que o empregado tenha direito ao respectivo adicional, sendo necessária a classificação da atividade insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho. II - A limpeza em residências e escritórios e a respectiva coleta de lixo não podem ser consideradas atividades insalubres, ainda que constatadas por laudo pericial, porque não se encontram

dentre as classificadas como lixo urbano na Portaria do Ministério do Trabalho.

QUESTÃO 169 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/ 2009) O salário-família é um direito assegurado na CF aos trabalhadores, inclusive à categoria dos empregados domésticos.

Comentários: ERRADA.

Art. 7º CF/88 - São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XII - salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei.

QUESTÃO 170 (CESPE/TRT5/Analista Judiciário – Área Administrativa/2008) O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador o exime do pagamento do adicional de insalubridade.

Comentários: ERRADA (súmula 80 do TST).

Súmula 80 do TST A eliminação da insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo

Súmula 80 do TST A eliminação da insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo

exclui a percepção do respectivo adicional.

de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo exclui a percepção do respectivo adicional.

QUESTÃO 171(CESPE/CEHAP/Advogado/2009) Se for verificada, mediante perícia, que a prestação de serviços ocorre em condições nocivas, mas por agente insalubre diverso do apontado na inicial, o pedido de adicional de insalubridade não ficará prejudicado.

Comentários: CERTA.

Súmula 293 do TST A verificação mediante perícia de prestação de serviços em condições nocivas,

Súmula 293 do TST A verificação mediante perícia de prestação de serviços em condições nocivas, considerado agente insalubre diverso do apontado na

inicial, não prejudica o pedido de adicional de insalubridade.

considerado agente insalubre diverso do apontado na inicial, não prejudica o pedido de adicional de insalubridade.

QUESTÃO 172 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) A limpeza em residências e escritórios e a respectiva coleta de lixo podem ser consideradas atividades insalubres, se constatadas por laudo pericial.

Comentários: ERRADA.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

OJ 04 da SDI-1 do TST I - Não basta a constatação da insalubridade por meio de laudo pericial para que o empregado tenha direito ao respectivo adicional, sendo necessária a classificação da atividade insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho. II - A limpeza em residências e escritórios e a respectiva coleta de lixo não podem ser consideradas atividades insalubres, ainda que constatadas por laudo pericial, porque não se encontram

dentre as classificadas como lixo urbano na Portaria do Ministério do Trabalho.

QUESTÃO 173 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) Se for percebido com habitualidade, por pelo menos dez anos, o adicional de insalubridade passa a integrar a remuneração do empregado para todos os efeitos legais. Considerando-se o princípio da estabilidade financeira, o valor não pode ser retirado nem mesmo quando eliminada a insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo.

Comentários: ERRADA.

Para que ocorra a classificação da atividade como insalubre não bastará a constatação da perícia de que o ambiente de trabalho é insalubre, devendo a atividade estar classificada como insalubre pelo Ministério do Trabalho. O Ministério do Trabalho aprovará o quadro de atividades ou operações insalubres, conforme estabelece o art. 190 da CLT.

Art. 190 da CLT O Ministério do Trabalho aprovará o quadro das atividades e operações insalubres e adotará normas sobre os critérios de caracterização da insalubridade, os limites de tolerância aos agentes agressivos, meios de proteção e o tempo máximo de exposição do empregado a esses agentes.

Parágrafo único - As normas referidas neste artigo incluirão medidas de proteção do organismo do trabalhador nas operações que produzem aerodispersóides tóxicos, irritantes, alergênicos ou incômodos.

O

art. 191

da CLT

e

a Súmula 80 do TST tratam

da

eliminação ou

neutralização das atividades e as respectivas conseqüências disto, observem:

Art. 191 da CLT A eliminação ou a neutralização da insalubridade ocorrerá:

I - com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância;

II - com a utilização de equipamentos de proteção individual ao trabalhador, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Parágrafo único - Caberá às Delegacias Regionais do Trabalho, comprovada a insalubridade, notificar as empresas, estipulando prazos para sua eliminação ou neutralização, na forma deste artigo.

O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador não o

exime do pagamento do adicional de insalubridade. Cabe-lhe tomar as medidas que conduzam à diminuição ou eliminação da nocividade, entre as quais as relativas ao uso efetivo do equipamento pelo empregado (Súmula 289 do TST).

Súmula 80 do TST A eliminação da insalubridade mediante fornecimento de aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo exclui a percepção do respectivo adicional.

Súmula 289 do TST O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador não o exime do pagamento do adicional de insalubridade. Cabe-lhe tomar as medidas que conduzam à diminuição ou eliminação da nocividade, entre as quais as relativas ao uso efetivo do equipamento pelo empregado.

O art. 158 da CLT considera como ato faltoso do empregado a recusa

injustificada em usar os equipamentos de proteção individual fornecidos pelo empregador.

QUESTÃO 174 (CESPE/CEHAP/Advogado/2009) Um empregado que realiza serviço em campo, trabalhando ao ar livre e submetido aos raios solares durante boa parte de sua jornada faz jus ao adicional de insalubridade.

Comentários: ERRADA. A OJ 173 da SDI-1 do TST dispõe que é indevido o adicional de insalubridade na atividade a céu aberto em face de ausência de previsão legal.

QUESTÃO 175 (CESPE/BRB/Advogado/2010) Considere a seguinte situação hipotética. João é funcionário com dedicação exclusiva, trabalha à noite e percebe o respectivo adicional. A empresa, sem o consultar, e optando pelo critério da antiguidade funcional, resolveu, por bem, transferir as suas atividades para o período diurno, entendendo que isso iria favorecê-lo. Nessa situação, segundo o TST, ainda assim, João faz jus ao adicional noturno, em razão de princípio que veda a redução salarial.

Comentários: ERRADA (súmula 265 do TST). As Súmulas 60, 65, 265, 354 e as Orientações Jurisprudenciais 97 e 259 do TST referem-se ao trabalho Noturno.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Segue abaixo a transcrição dos dispositivos acima mencionados, com comentários e destaques em azul para as palavras chaves:

Súmula 65 do TST O vigia noturno tem direito à hora reduzida de 52 minutos e 30 segundos.

Esta súmula surgiu para dirimir a controvérsia em relação ao vigia noturno, uma vez que o trabalho por ele desenvolvido é realizado predominantemente à noite, sendo assim ele terá direito à hora reduzida.

Gostaria de pedir a atenção de vocês para a Súmula 65 do TST.

"O direito à hora reduzida de 52 minutos e 30 segundos aplica-se ao vigia noturno".

Súmula 60 do TST I - O adicional noturno pago com habitualidade integra o salário do empregado para todos os efeitos. II- Cumprida integralmente a jornada no período noturno e prorrogada esta, devido é também o adicional quanto às horas prorrogadas.

Quando a Súmula fala que integrará o salário para todos os efeitos significa dizer que repercutirá no cálculo de todas as parcelas, como, por exemplo, férias, décimo-terceiro, FGTS, etc.

Através de um exemplo vocês poderão entender melhor o inciso II da Súmula 60 do TST: João é empregado urbano e começou a trabalhar às 22 horas e foi até as 7 horas do dia seguinte. Ele cumpriu integralmente a jornada no período noturno (22 às 5 horas) e prorrogou até às sete horas, portanto ele receberá o adicional de 20% também em relação a estas duas horas.

Súmula 265 do TST A transferência para o período diurno de trabalho implica na perda do adicional noturno.

OJ Nº 259 da SDI-1 do TST O adicional de periculosidade deve compor a base de cálculo do adicional noturno, já que também neste horário o trabalhador permanece sob as condições de risco.

OJ 97 da SDI-1 do TST O adicional noturno integra a base de cálculo das horas extras prestadas no período noturno.

Súmula 354 do TST As gorjetas, cobradas pelo empregador na nota de serviço ou oferecidas espontaneamente pelos clientes, integram a remuneração do empregado, não servindo de base de cálculo para as parcelas de aviso-prévio, adicional noturno, horas extras e repouso semanal remunerado.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 176 (CESPE/EMBASA/Advogado/2010) A transferência do trabalhador para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno.

Comentários: CERTA.

Súmula 265 do TST A transferência para o período diurno de trabalho implica na perda do adicional noturno.

QUESTÃO 177 (CESPE/EMBASA/Advogado) Segundo jurisprudência do TST, o simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador o exime do pagamento do adicional de insalubridade, não sendo necessário comprovar a redução a níveis de tolerância aceitáveis pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Comentários: ERRADA.

Súmula 289 do TST O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador não o

Súmula 289 do TST O simples fornecimento do aparelho de proteção pelo empregador não o exime do pagamento do adicional de insalubridade. Cabe- lhe tomar as medidas que conduzam à diminuição ou eliminação da nocividade, entre as quais as relativas ao uso efetivo do equipamento pelo

empregado.

à diminuição ou eliminação da nocividade, entre as quais as relativas ao uso efetivo do equipamento

QUESTÃO 178 (CESPE/ OAB/2009) Em 23/09/1993, Joana foi contratada para prestar serviços como secretária. A partir de 07/10/1995, passou a desempenhar a função de confiança de gerente administrativa, recebendo uma gratificação correspondente a 30% do salário de secretária. Em 18/09/2006, Joana foi dispensada, sem justo motivo, da função de gerente, retornando às atividades de secretária e deixando de perceber o percentual inerente à gratificação de função. Considerando a situação hipotética apresentada, O empregador pode dispensar a empregada do exercício da função de confiança sem justo motivo, mas está obrigado a manter o pagamento do valor inerente à gratificação.

Comentários: CERTA.

Súmula 372 do TST I - Percebida a gratificação de função por dez ou mais

Súmula 372 do TST I - Percebida a gratificação de função por dez ou mais anos pelo empregado, se o empregador, sem justo motivo, revertê-lo a seu cargo efetivo, não poderá retirar-lhe a gratificação tendo em vista o princípio da estabilidade financeira. II - Mantido o empregado no exercício da função comissionada, não pode o empregador reduzir o valor da

gratificação.

II - Mantido o empregado no exercício da função comissionada, não pode o empregador reduzir o

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 179(CESPE/OAB/2010) É vedada a transferência do empregado na hipótese de extinção do estabelecimento em que ele trabalhar.

Comentários: ERRADA.

Art. 469 CLT - Ao empregador é vedado transferir o empregado, sem a sua anuência, para localidade diversa da que resultar do contrato, não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio. § 2º - É licita a transferência quando ocorrer extinção do estabelecimento em que trabalhar o empregado.

QUESTÃO 180 (ESAF - AFT 2010) Em face do princípio da autonomia da vontade, constatando o trabalhador, após a homologação da rescisão contratual, a existência de diferenças da indenização compensatória de 40% sobre o FGTS, em razão de depósitos insuficientes do período contratual, estará impedido de postulá-las, acaso tenha conferido ao empregador ampla quitação na transação extrajudicial realizada para adesão ao plano de demissão voluntária.

Comentários: ERRADA. O empregado despedido sem justa causa terá direito à indenização de 40% sobre o FGTS, mesmo que tenha ocorrido saque na sua conta vinculada. É esta a interpretação do inciso I da Orientação Jurisprudencial 42 da SDI-1 do TST.

OJ 42 da SDI-1 do TST I- É devida a multa do FGTS sobre os

OJ 42 da SDI-1 do TST I- É devida a multa do FGTS sobre os saques corrigidos monetariamente ocorridos na vigência do contrato de trabalho. Art. 18, parágrafo 1º da Lei 8.036/90 e art. 9º, parágrafo 1º do Decreto 99.684/90. II- O cálculo da multa de 40% do FGTS deverá ser feito com base no saldo da conta vinculada na data do efetivo pagamento das verbas rescisórias, desconsiderada a projeção do aviso prévio indenizado, por

ausência de previsão legal.

das verbas rescisórias, desconsiderada a projeção do aviso prévio indenizado, por ausência de previsão legal.

QUESTÃO 181 (CESPE/TRT 1 – Técnico Judiciária – Área Administrativa/2008) Um vendedor, após determinado tempo, foi promovido a gerente de vendas, cargo de confiança que lhe assegurou aumento na remuneração. Após ele ocupar a nova função por seis meses, o empregador concluiu que as expectativas de desempenho no cargo não tinham sido atendidas e determinou-lhe o retorno à função anterior, a de vendedor. Acerca dessa situação, a irregularidade inexiste na mencionada reversão ao cargo anteriormente ocupado.

Comentários: CERTA.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Súmula 372 do TST I - Percebida a gratificação de função por dez ou mais

Súmula 372 do TST I - Percebida a gratificação de função por dez ou mais anos pelo empregado, se o empregador, sem justo motivo, revertê-lo a seu cargo efetivo, não poderá retirar-lhe a gratificação tendo em vista o princípio da estabilidade financeira. II - Mantido o empregado no exercício da função comissionada, não pode o empregador reduzir o valor da

gratificação.

II - Mantido o empregado no exercício da função comissionada, não pode o empregador reduzir o

QUESTÃO 182(CESPE/AGU - Procurador/2010) Presume-se abusiva a transferência de empregado que exerça cargo de confiança, sem a devida comprovação da necessidade do serviço.

Comentários: CERTA.

Art. 469 CLT - Ao empregador é vedado transferir o empregado, sem a sua anuência, para localidade diversa da que resultar do contrato, não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio. § 1º - Não estão compreendidos na proibição deste artigo: os empregados que exerçam cargo de confiança e aqueles cujos contratos tenham como condição, implícita ou explícita, a transferência, quando esta decorra de real necessidade de serviço.

QUESTÃO 183 (CESPE/EMBASA/Advogado/2010) Ao empregador é vedado transferir o empregado, sem a sua anuência, para localidade diversa da que resultar do contrato, considerando-se transferência a que acarrete, necessariamente, a mudança de domicílio.

Comentários: CERTA.

Art. 469 da CLT - Ao empregador é vedado transferir o empregado, sem a sua anuência, para localidade diversa da que resultar do contrato, não se considerando transferência a que não acarretar necessariamente a mudança do seu domicílio.

QUESTÃO 184 (CESPE/EMBASA/Advogado/2010) O elemento diferenciador entre o empregado e o trabalhador autônomo é a subordinação.

Comentários: CERTA (doutrina).

QUESTÃO 185 (CESPE/TRT 17 – Analista Judiciário – Execução de Mandados/2009) A mudança de horário de trabalho de um empregado pode ser justificada pelo princípio do jus variandi.

Comentários: CERTA. O princípio geral da inalterabilidade dos contratos sofreu complexas modificações, para adequar-se às especificidades do direito do trabalho. Este passou a denominá-lo princípio da inalterabilidade contratual lesiva, haja vista serem permitidas alterações contratuais benéficas ao empregado.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Em relação a este princípio devemos entender que as partes deverão pactuar cláusulas iguais ou melhores para o empregado do que as previstas em lei ou normas coletivas, mas não poderão pactuar cláusulas menos favoráveis do que as previstas em lei ou em normas coletivas.

Assim, o art. 468 da CLT veda a alteração, mesmo que seja bilateral quando for prejudicial ao empregado.

As alterações bilaterais que forem mais favoráveis ao empregado serão válidas.

Art. 468 da CLT Nos contratos individuais de Trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições, por mútuo consentimento, e, ainda assim, desde que não resultem direta ou indiretamente prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia.

Parágrafo único. Não se considera alteração unilateral a determinação do empregador para que o respectivo empregado reverta ao cargo efetivo anteriormente ocupado, deixando o exercício de função de confiança.

Alguns doutrinadores apontam exceções ao princípio da inalterabilidade contratual lesiva, são elas:

Possibilidade de o empregado reverter ao cargo de origem, perdendo a gratificação de função (art. 468, parágrafo único da CLT).

É importante ressaltar que a Súmula 372 do TST em seu inciso I, permite que não seja suprimida a gratificação de função quando o empregado permanecer na função por dez ou mais anos.

O art. 469 da CLT possibilita a transferência unilateral do empregado que exerça cargo de confiança ou daquele cujo contrato contenha cláusula explícita ou implícita de transferibilidade.

O art. 475 da CLT combinado com o art. 461, parágrafo 4º da CLT permite o rebaixamento do empregado reabilitado pela Previdência Social, desde que não haja redução salarial.

Jus Variandi: o empregador corre o risco do negócio e por isso, ele poderá alterar unilateralmente algumas condições de trabalho, como por exemplo, alterar o horário de trabalho, desde que não haja aumento das horas laboradas.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 186 (FCC- TRT/MG – Técnico Judiciário/2009) O adicional noturno deve ser pago aos trabalhadores que exerçam suas atividades entre

(A)

20 e as 3 horas, se rurais, trabalhando na agricultura.

(B)

20 e as 6 horas, se rurais, trabalhando na pecuária.

(C)

21 e as 5 horas, se urbanos.

(D)

21 e as 4 horas, se urbanos.

(E)

22 e as 5 horas, se urbanos.

Comentários: Letra E. Nas provas de concursos de um modo geral são abordadas as diferenças entre o trabalho noturno urbano e rural, como fez a FCC nesta questão.

 

Trabalhador Rural

Trabalhador Urbano

Adicional noturno

25%

20%

Hora noturna

60 minutos

52 minutos e 30 segundos

Horário noturno

Lavoura – entre 21h e 5h do dia seguinte

Entre 22h e 5h do dia seguinte

Pecuária – entre 20h e 4h do dia seguinte

QUESTÃO 187 (CESPE – TRT 9 - Analista Judiciário - Área Judiciário/2007) A alteração da estrutura social das empresas não afeta os contratos havidos com seus empregados.

Comentários: CERTA

Art. 448 CLT - A mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa não afetará os contratos de trabalho dos respectivos empregados.

QUESTÃO 188 (CESPE OAB/2008) Manuel, contratado por uma empresa de comunicação visual, no dia 18/09/2005, para prestar serviços como desenhista, foi dispensado sem justa causa em 03/11/2008. Inconformado com o valor que receberia a título de adicional noturno, férias e horas extras, Manuel firmou, no dia 11/11/2008, acordo com a empresa perante a comissão de conciliação prévia, recebendo, na ocasião, mais R$927,00; além do valor que a empresa pretendia pagar-lhe. A comissão de conciliação prévia ressaltou as horas extras.Considerando essa situação hipotética, Manuel pode postular na justiça do trabalho o pagamento de horas extras, dada a ressalva apresentada pela comissão de conciliação prévia.

Comentários: CERTA (art. 625-E da CLT)

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

QUESTÃO 189 (CESPE/OAB/2009) É obrigatória a instituição de Comissões de Conciliação Prévia pelas empresas e sindicatos.

Comentários: ERRADA. O art. 625- A da CLT estabelece que é facultativa a instituição de Comissões de Conciliação Prévia.

Art. 625-A. As empresas e os sindicatos podem instituir Comissões de Conciliação Prévia, de composição paritária, com representantes dos empregados e dos empregadores, com a atribuição de tentar conciliar os conflitos individuais do trabalho. Parágrafo único. As Comissões referidas no caput deste artigo poderão ser constituídas por grupos de empresas ou ter caráter intersindical.

Arts. 625-B. A Comissão instituída no âmbito da empresa será composta de, no mínimo, dois e, no máximo, dez membros, e observará

as seguintes normas:

I - a metade de seus membros será indicada pelo empregador e a outra metade eleita pelos empregados, em escrutínio secreto, fiscalizado pelo sindicato da categoria profissional; II - haverá na Comissão tantos suplentes quantos forem os representantes titulares; III - o mandato dos seus membros, titulares e suplentes, é de um ano, permitida uma recondução.

§ 1º É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros

da Comissão de Conciliação Prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave, nos termos da lei. § 2º O representante dos empregados desenvolverá seu trabalho normal na empresa, afastando-se de suas atividades apenas quando convocado para atuar como conciliador, sendo computado como tempo de trabalho efetivo o despendido nessa atividade.

Art. 625-C. A Comissão instituída no âmbito do sindicato terá sua constituição e normas de funcionamento definidas em convenção ou acordo coletivo.

Art. 625-D. Qualquer demanda de natureza trabalhista será submetida à Comissão de Conciliação Prévia se, na localidade da prestação de

serviços, houver sido instituída a Comissão no âmbito da empresa ou do sindicato da categoria.

§ 1º A demanda será formulada por escrito ou reduzida a termo por

qualquer dos membros da Comissão, sendo entregue cópia datada e assinada pelo membro aos interessados.

§ 2º Não prosperando a conciliação, será fornecida ao empregado e ao

empregador declaração da tentativa conciliatória frustrada com a

descrição de seu objeto, firmada pelos membros da Comissão, que deverá ser juntada à eventual reclamação trabalhista.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

§ 3º Em caso de motivo relevante que impossibilite a observância do procedimento previsto no caput deste artigo, será a circunstância declarada na petição inicial da ação intentada perante a Justiça do Trabalho. § 4º Caso exista, na mesma localidade e para a mesma categoria, Comissão de empresa e Comissão sindical, o interessado optará por uma delas para submeter a sua demanda, sendo competente aquela que primeiro conhecer do pedido.

Art. 625-E. Aceita a conciliação, será lavrado termo assinado pelo empregado, pelo empregador ou seu preposto e pelos membros da Comissão, fornecendo-se cópia às partes.

Parágrafo único. O termo de conciliação é título executivo extrajudicial

e terá eficácia liberatória geral, exceto quanto às parcelas

expressamente ressalvadas.

Art. 625-F. As Comissões de Conciliação Prévia têm prazo de dez dias para a realização da sessão de tentativa de conciliação a partir da provocação do interessado.

Parágrafo único. Esgotado o prazo sem a realização da sessão, será fornecida, no último dia do prazo, a declaração a que se refere o § 2ºdo Art. 625-D.

Art.625-G. O prazo prescricional será suspenso a partir da provocação

da Comissão de Conciliação Prévia, recomeçando a fluir, pelo que lhe

resta, a partir da tentativa frustrada de conciliação ou do esgotamento do prazo previsto no Art. 625-F.

Art. 625-H. Aplicam-se aos Núcleos Intersindicais de Conciliação Trabalhista em funcionamento ou que vierem a ser criados, no que couber, as disposições previstas neste Título, desde que observados os princípios da paridade e da negociação coletiva na sua constituição.

QUESTÃO 190 (CESPE/TRT 16 – Analista Judiciário – Execução de Mandados/2005) Por meio de negociação coletiva,foi instituída a Comissão de Conciliação Prévia (CCP) no âmbito da categoria dos trabalhadores no comércio varejista da cidade de São Luís – MA. Após eleito para integrar a referida comissão, cujas sessões eram realizadas em dois dias por semana, Mário comunicou o fato a seu empregador, deixando de comparecer ao trabalho também nos dias em que não havia sessões naquela CCP. Nessa situação, se a licença remunerada do trabalhador eleito para a referida comissão estiver prevista na norma coletiva de trabalho, nenhuma sanção poderá ser imposta a Mário por seu empregador.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: CERTA.

Arts. 625-B. A Comissão instituída no âmbito da empresa será composta de, no mínimo, dois e, no máximo, dez membros, e observará as seguintes normas:

§ 1º É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros da Comissão de Conciliação Prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave, nos termos da lei.

§ O representante dos empregados desenvolverá seu trabalho normal na empresa, afastando-se de suas atividades apenas quando convocado para atuar como conciliador, sendo computado como tempo de trabalho efetivo o despendido nessa atividade.

QUESTÃO 191 (CESPE/TRT 16 – Analista Judiciário – Área Judiciária/2005) Em determinada convenção coletiva de trabalho, ajustaram as partes convenentes a criação de comissões de conciliação prévia, com composição paritária, responsáveis pela mediação dos conflitos individuais surgidos no âmbito das categorias envolvidas. Nessa situação, a convenção coletiva deve prever, necessariamente, a estabilidade no emprego dos representantes dos trabalhadores, integrantes das referidas comissões, durante o prazo em que estiverem investidos e ainda por dois anos após o término dos mandatos.

Comentários: ERRADA.

Arts. 625-B. A Comissão instituída no âmbito da empresa será composta de, no mínimo, dois e, no máximo, dez membros, e observará as seguintes normas:

§ É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros da Comissão de Conciliação Prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave, nos termos da lei.

QUESTÃO 192 (CESPE/TRT 1 – JUIZ/2010) A comissão de conciliação prévia pode ser criada no âmbito empresarial se tiver, no mínimo, quatro membros e, no máximo, doze.

Comentários: ERRADA.

Art. 625-B CLT. A Comissão instituída no âmbito da empresa será composta de, no mínimo, dois e, no máximo, dez membros, e observará as seguintes normas:

I - a metade de seus membros será indicada pelo empregador e outra metade eleita pelos empregados, em escrutínio secreto, fiscalizado pelo sindicato de categoria profissional;

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

II - haverá na Comissão tantos suplentes quantos forem os representantes títulares;

III - o mandato dos seus membros, titulares e suplentes, é de um ano, permitida uma recondução.

QUESTÃO 193 (CESPE/TRT 1 – Técnico Judiciário/2008) Submetida uma demanda trabalhista à comissão de conciliação prévia, celebrou-se acordo. Entretanto, a reclamada não o cumpriu. Nessa situação, o acordo celebrado é um título executivo, como o são os termos de ajuste de conduta firmados perante o Ministério Público do Trabalho.

Comentários: CERTA.

Art. 625-E. Aceita a conciliação, será lavrado termo assinado pelo empregado, pelo empregador ou seu preposto e pelos membros da Comissão, fornecendo-se cópia às partes. Parágrafo único. O termo de conciliação é título executivo extrajudicial e terá eficácia liberatória geral, exceto quanto às parcelas expressamente ressalvadas.

QUESTÃO 194 (FCC - Analista Judiciário – Area Judiciária - TRT 11/2012) A empresa Gama Participações fornece a seu gerente João alguns benefícios, além do pagamento em dinheiro relativo ao salário. Das utilidades fornecidas pela empresa ao empregado sob a forma de benefícios, constitui salário in natura o aluguel de apartamento decorrente do contrato ou do costume.

Comentários: CERTA.

Art. 458 da CLT Além do pagamento em dinheiro, compreende-se no salário, para todos os efeitos legais, a alimentação, habitação, vestuário ou outras prestações in natura que a empresa, por força do contrato ou do costume, fornecer habitualmente ao empregado. Em caso algum será permitido o pagamento com bebidas alcoólicas ou drogas nocivas.

§

1º - Os valores atribuídos às prestações in natura deverão ser justos

e

razoáveis, não podendo exceder, em cada caso, os dos percentuais

das parcelas componentes do salário mínimo (arts. 81 e 82).

Súmula 258 do TST Os percentuais fixados em lei relativos ao salário "in natura" apenas

Súmula 258 do TST Os percentuais fixados em lei relativos ao salário "in natura" apenas se referem às hipóteses em que o empregado percebe salário

mínimo, apurando-se, nas demais, o real valor da utilidade.

se referem às hipóteses em que o empregado percebe salário mínimo, apurando-se, nas demais, o real

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

§ 2º - Para os efeitos previstos neste artigo, não serão consideradas

como salário as seguintes utilidades concedidas pelo empregador:

I - vestuários, equipamentos e outros acessórios fornecidos aos

empregados e utilizados no local de trabalho, para a prestação do

serviço;

II - educação, em estabelecimento de ensino próprio ou de terceiros,

compreendendo os valores relativos a matrícula, mensalidade,

anuidade, livros e material didático;

III

- transporte destinado ao deslocamento para o trabalho e retorno,

em

percurso servido ou não por transporte público;

IV - assistência médica, hospitalar e odontológica, prestada diretamente ou mediante seguro-saúde;

V - seguros de vida e de acidentes pessoais;

VI - previdência privada;

VII - (VETADO).

§ 3º - A habitação e a alimentação fornecidas como salário-utilidade

deverão atender aos fins a que se destinam e não poderão exceder,

respectivamente, a 25% (vinte e cinco por cento) e 20% (vinte por cento) do salário-contratual.

Súmula 241 do TST O vale para refeição, fornecido por força do contrato de trabalho,

Súmula 241 do TST O vale para refeição, fornecido por força do contrato de trabalho, tem caráter salarial, integrando a remuneração do empregado, para

todos os efeitos legais.

do contrato de trabalho, tem caráter salarial, integrando a remuneração do empregado, para todos os efeitos

§ 4º - Tratando-se de habitação coletiva, o valor do salário-utilidade a

ela correspondente será obtido mediante a divisão do justo valor da habitação pelo número de co-habitantes, vedada, em qualquer hipótese, a utilização da mesma unidade residencial por mais de uma família.

QUESTÃO 195 (CESPE/TRT 9 – Técnico Judiciário/2007) As comissões de conciliação prévia estão reguladas pela Lei 9.958/2000, que inseriu artigos à CLT. Com relação a esse assunto, julgue o item que se segue. O prazo prescricional será interrompido a partir da provocação da comissão de conciliação prévia pelo trabalhador interessado, recomeçando a fluir, pelo que sobejar, a partir da tentativa frustrada de conciliação ou do esgotamento do prazo de dez dias para a realização da sessão de tentativa de conciliação.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Comentários: ERRADA.

Art.625-G. O prazo prescricional será suspenso a partir da provocação da Comissão de Conciliação Prévia, recomeçando a fluir, pelo que lhe resta, a partir da tentativa frustrada de conciliação ou do esgotamento do prazo previsto no Art. 625-F.

QUESTÃO 196 (CESPE/TRT 9 – Técnico Judiciário/2007) As comissões de conciliação prévia estão reguladas pela Lei 9.958/2000, que inseriu artigos à CLT. Com relação a esse assunto, julgue o item que se segue. As comissões de conciliação prévia apenas podem ser instituídas com a intervenção do sindicato da categoria profissional.

Comentários: ERRADA.

Art. 625-A. As empresas e os sindicatos podem instituir Comissões de Conciliação Prévia, de composição paritária, com representantes dos empregados e dos empregadores, com a atribuição de tentar conciliar os conflitos individuais do trabalho. Parágrafo único. As Comissões referidas no caput deste artigo poderão ser constituídas por grupos de empresas ou ter caráter intersindical.

QUESTÃO 197 (CESPE/Técnico Judiciário – Área Administrativa – TRT 21/2010) Na modalidade de resilição do contrato de trabalho por prazo indeterminado por culpa recíproca, além da liberação das guias para saque do fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS), o empregado terá direito a uma multa no importe de 20% sobre o saldo do FGTS resultante do contrato.

Comentários: CERTA. A culpa recíproca prevista no art. 484 da CLT, ocorre quando tanto o empregado quanto o empregador praticam Justa causa tipificadas nos artigos 482 e 483 da CLT.

Art. 484 da CLT Havendo culpa recíproca no ato que determinou a rescisão do contrato de trabalho, o tribunal de trabalho reduzirá a indenização à que seria devida em caso de culpa exclusiva do empregador, por metade.

Súmula 14 do TST Reconhecida a culpa recíproca na rescisão do contrato de trabalho (art.

Súmula 14 do TST Reconhecida a culpa recíproca na rescisão do contrato de trabalho (art. 484 da CLT), o empregado tem direito a 50% (cinqüenta por cento) do valor do aviso prévio, do décimo terceiro salário e das férias

proporcionais.

a 50% (cinqüenta por cento) do valor do aviso prévio , do décimo terceiro salário e

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

Culpa Recíproca:

Saldo de salários;

Férias vencidas acrescidas de 1/3;

50% Férias proporcionais acrescidas de 1/3;

50% do aviso prévio;

50% 13º salário proporcional;

FGTS acrescido de 20% de indenização compensatória.

QUESTÃO 198 (CESPE/TRT 17 – Analista Judiciário – Área Judiciária/2007) Quanto à prescrição e decadência trabalhistas. O prazo prescricional pode ser interrompido no curso do trânsito da demanda perante a Comissão de Conciliação Prévia.

Comentários: ERRADA.

da

provocação da Comissão de Conciliação Prévia, recomeçando a fluir, pelo que lhe resta, a partir da tentativa frustrada de conciliação ou do esgotamento do prazo previsto no art. 625-F.

Art.

625-G.

O

prazo

prescricional

será

suspenso

a

partir

QUESTÃO 199 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/ 2009) Entre duas jornadas de trabalho, deve haver intervalo mínimo de 11 horas consecutivas.

Comentários: CERTA.

Art. 66 CLT - Entre 2 (duas) jornadas de trabalho haverá um período mínimo de 11 (onze) horas consecutivas para descanso.

QUESTÃO 200 (CESPE/Analista Judiciário – Área Administrativa – TRT 17/ 2009) O princípio da norma mais favorável ao trabalhador não deve ser entendido como absoluto, não sendo aplicado, por exemplo, quando existirem leis de ordem pública a respeito da matéria.

Comentários: CERTA. O princípio da norma mais favorável caracteriza-se por ser um princípio, em virtude do qual, independente da sua hierarquização na escala das normas jurídicas aplicar-se-á a que for mais favorável ao trabalhador.

Assim, havendo razoável interpretação de duas normas aplicáveis a um mesmo trabalhador, deve-se optar por aquela mais vantajosa ao trabalhador, sem levar em conta a hierarquia das normas.

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

BIZU DE

PROVA

COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA BIZU DE PROVA mais favorável: Vejamos, agora, as exceções ao princípio

mais favorável:

Vejamos, agora, as exceções ao princípio da norma

Mesmo que a norma seja mais favorável ao empregado, ela não poderá ser aplicada quando violar a lei ou a Constituição Federal. Uma norma coletiva que contrarie lei de política salarial, não poderá vigorar por ferir o art. 623 da CLT.

-----------------------------------------------------------------------------------

Espero que tenham gostado! Esta aula faz parte do curso de 2000 questões de Direito do Trabalho Comentadas.

Há também no Ponto dos Concursos um curso meu chamado “Grupo de estudos TST e TRT”, no qual há vários resumos e questões de provas comentadas, correções de quatro discursivas - redação individual por aluno e resolução de 15 questões de provas “estudo de casos”.

http://www.pontodosconcursos.com.br/cursos/produtos_descricao.asp?desc=n&lang=pt_BR&codi

go_produto=2766

http://www.pontodosconcursos.com.br/cursos/produtos_descricao.asp?desc=n&lang=pt_BR&codi

go_produto=2941

A resolução das 15 questões referentes ao estudo de casos ocorrerá através de uma aula gravada em vídeo, que será postada aqui para vocês.

Abaixo segue o gabarito.

Um forte abraço,

Déborah Paiva professoradeborahpaiva@hotmail.com professoradeborahpaiva@blogspot.com

CURSO DIREITO DO TRABALHO 2000 QUESTÕES OBJETIVAS COMENTADAS PROFESSORA: DEBORAH PAIVA

GABARITO:

101

E

102

C

103

E

104

C

105

D

106

C

107

E

108

E

109

E

110

C

111

C

112

E

113

C

114

E

115

C

116

C

117

E

118

E

119

E

120

E

121

E

122

E

123

C

124

E

125

E

126

E

127

E

128

C

129

E

130

C

131

E

132

C

133

E

134

E

135

E

136

E

137

C