Você está na página 1de 16

Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Capítulo 6 – Reflexão da Luz


Princípios da Ótica Geométrica Princípio da Propagação Retilínea da Luz
“Nos meios transparentes e homogêneos a
A ótica geométrica é a parte da física luz propaga-se em linha reta”.
que se preocupa em descrever os fenôme-
nos luminosos de forma geométrica, sem Princípio de Fermat
considerar o caráter ondulatório da luz. “Para se deslocar entre dois pontos distintos,
Raio de Luz: Reta orientada associada à a luz percorre o caminho de menor tempo.”
direção e ao sentido de propagação da Luz. Este fato serve de base para as leis da
reflexão e refração.
Princípio da Independência dos Raios de
Feixe de Luz: Conjunto de raios de Luz Luz
provenientes do mesmo ponto.
“Quando dois raios se cruzam num ponto,
continuam a ter, depois do cruzamento, as
mesmas propriedades que teriam se não
tivesse havido o cruzamento.”
Princípio da Reversibilidade dos Raios de
Luz
“A trajetória dos raios de luz é reversível.”
Feixe Divergente Feixe Convergente

Feixe Paralelo (P no infinito)

Fonte de Luz: É qualquer objeto que produ- Leis da Reflexão


za luz (fontes primárias) ou esteja refletindo Consideremos uma fronteira (plana ou
luz (fontes secundárias). O Sol, lâmpadas e curva), delimitando dois meios 1 e 2. Admita-
fogo são fontes primárias. A Lua, o Christian mos que a luz, provindo do meio 1, transpa-
e o quadro-negro são fontes secundárias. rente e homogêneo, atinja a fronteira. Seja
Meios de Propagação: Existem três tipos de R1 um raio de luz incidente, I o ponto de
meios de propagação da luz. Transparente incidência da luz, R2 o correspondente raio
(que permite uma visão nítida dos objetos); de luz refletido e IN uma reta normal à
Translúcido (não permite uma visão nítida); fronteira no ponto I.
Opaco (não permite a propagação da luz
através de si). Exemplos: ar (transparente),
vidro (translúcido) e parede (opaco).
Além das Leis da Refração e Reflexão,
que veremos mais adiante, os seguintes
princípios fundamentam a base teórica da
Óptica Geométrica:

Física – Termologia e Ótica 47


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

O ângulo i que o raio incidente forma Exercício de Sala


com a normal é chamado de ângulo de
incidência 01. Duas varetas M e
O ângulo r que o raio refletido forma com N estão fixadas verti-
a normal denomina-se ângulo de reflexão. calmente ao solo,
como se representa na
1a Lei da Reflexão: O raio de luz incidente figura abaixo. Em uma
(R1), a reta normal no ponto de incidência determinada hora do
(IN) e o raio de luz refletida (R2) pertencem dia, suas sombras
ao mesmo plano. medem, respectivamente, 20cm e 60cm. A
altura da vareta M é 30cm. Qual é a altura da
vareta N?
2a Lei da Reflexão: O ângulo de reflexão r é
igual ao ângulo de incidência i. Resolução:

Podemos ter dois tipos de reflexão, a


especular e a difusa:
Reflexão Especular: Ocorre quando o feixe
incidente encontra uma superfície lisa, polida,
de tal forma que o feixe refletido é bem-
definido. Ex: reflexão nos espelhos.

Espelhos Planos
Uma superfície lisa e plana, que reflete
especularmente a luz é denominada espelho
plano.
Considere um objeto O colocado em
Reflexão Difusa: Ocorre em superfícies frente a um espelho plano. A luz que sai do
rugosas (cheias de irregularidades). Aqui a objeto e incide no espelho é refletida. A figura
forma do pincel de luz é destruída depois da abaixo mostra alguns raios luminosos
reflexão, ou seja, a luz acaba sendo incidentes no espelho, bem como os raios
espalhada para várias direções. Ex: reflexão refletidos, sempre de acordo com as leis da
no mar ondulado. reflexão.

Velocidade da Luz
Sabemos hoje que a luz, quando se
propaga através de um meio, o faz com
determinada velocidade constante. No vácuo,
onde a velocidade de propagação é máxima,
temos v = 3x108m/s. Em um meio material, a
velocidade da luz é menor do que no vácuo,
como será visto no capítulo de Refração.

Física – Termologia e Ótica 48


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Verificamos que esses raios refletidos * Rotação de um Espelho Plano


formam um feixe divergente. Entretanto, os
prolongamentos destes raios passam todos Se um espelho plano for girado em torno
pelo mesmo ponto I. Assim, a luz, após ser de um eixo paralelo à sua superfície, de um
refletida pelo espelho plano, diverge como se ângulo α, sua imagem girará de um ângulo
estivesse sendo emitida do ponto I, situado igual a 2α.
atrás do espelho. Desse modo, um observa-
dor em frente ao espelho vê uma imagem
desse objeto, exatamente no ponto I. Essa
imagem, por ser conjugada pelos prolonga-
mentos dos raios refletidos é uma imagem
virtual.

Posição da Imagem
Em um espelho plano, a imagem é
Translação de um Espelho Plano
simétrica do objeto em relação ao espelho.
Objeto e Imagem estão sob a mesma Um deslocamento do espelho em dire-
perpendicular ao espelho, separados pelo ção ao objeto desloca a posição da imagem.
plano do espelho e eqüidistantes deste. Ao se deslocar o espelho por uma distância
d, na direção do objeto, a imagem se desloca
por uma distância 2d, também na direção do
objeto. Desse modo, se o espelho estiver se
deslocando com velocidade v constante, a
imagem estará se deslocando com velocida-
de 2v.

Note que para conjugar a imagem são


necessários apenas 2 raios.

Campo visual
Campo Visual é a região do espaço que
determinado observador pode enxergar por
reflexão.
A demarcação do campo pode ser feita Imagens Múltiplas
de forma simples. Dada a posição do
observador O, determina-se a posição Quando usamos mais de um espelho
simétrica O’ em relação ao espelho. A região plano para formar a imagem de um objeto,
do espaço visível por reflexão é determinada poderemos obter múltiplas imagens a partir
ligando-se o ponto O’ às extremidades do de um único objeto. O número de imagens
espelho. depende do ângulo entre os espelhos e é
dada por:
360
N= −1
α

Física – Termologia e Ótica 49


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Exercício de Sala Exercícios Resolvidos


01. Considere na figura abaixo um ponto 01. Na figura deste problema, A é uma fonte
luminoso P, um espelho plano E e o olho de de luz e B é um ponto que deve ser
um observador O. Construa o trajeto de um iluminado por luz proveniente de A, após
raio de luz que permite ao observador em O refletir-se no espelho plano, pois MN é um
ver o ponto P por reflexão no espelho E. obstáculo que impede a luz de A incidir
diretamente em B. Mostre na figura a
Resolução:
trajetória do raio que parte de a e atinge B e
determine o ângulo que este raio incide no
espelho.

02. A figura abaixo mostra dois espelhos


planos E1 e E2, que formam entre si um Resolução:
ângulo de 60°. Um raio de luz i incide sobre Poderíamos resolver esse problema da
E1 com ângulo de incidência de 40°. O raio maneira convencional, como feito no
refletido vai atingir E2 com ângulo de Exercício de Sala 01, entretanto não
incidência de? acharíamos o ângulo por meios matemáticos,
Resolução: teríamos que medi-lo.
Na figura abaixo mostramos a trajetória do
raio luminoso emitido por A e que chega em
B, formando o mesmo ângulo α com o
espelho, antes e depois da reflexão. Como
os dois triângulos retângulos mostrados na
figura são semelhantes, temos:

03. Olhando para o espelho plano E, o


observador O vê as imagens de quais
objetos numerados?
Resolução:

x 5−x
= ⇒ 3 x = 10 − 2 x ⇒ x = 2m
2 3
2
Assim: tan α = = 1 ⇒ α = 45º
2
Portanto, o ângulo de incidência do raio no
espelho é:

⇒ β = 45º

Física – Termologia e Ótica 50


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Espelhos Esféricos A medida do segmento FV é denominada


distância focal (f) e é igual à metade do raio de
Uma superfície lisa, de forma esférica, curvatura do espelho.
que reflete especularmente a luz, é um
R
espelho esférico. Se a luz estiver refletindo f =
na superfície interna, dizemos que o espelho 2
é côncavo e se ocorrer na superfície externa,
dizemos que o espelho é convexo Raios Principais
Qualquer raio que incida em um
espelho esférico sofrerá reflexão segundo as
Leis da Reflexão. Podemos, no entanto,
considerar alguns raios principais, cujos raios
refletidos já são previamente conhecidos.
Assim, na construção de imagens, dê
preferência aos raios principais.
1 - O raio de luz que incide na direção do
centro de curvatura reflete-se sobre si
mesmo.
Espelho Côncavo Espelho Convexo

Elementos Principais
• Vértice do Espelho (V)
• Centro de Curvatura (C): é o centro da
esfera de onde se originou a calota
• Raio de Curvatura (R): é o raio da esfera
de onde se originou a calota
• Eixo Principal: determinado por C e V
• Foco Principal: quando em um espelho
esférico incide um feixe paralelo, observa-se
que o feixe refletido é convergente quando o
espelho é côncavo e divergente quando o
espelho é convexo. Ao vértice desse feixe
refletido damos o nome Foco Principal (F)

2 – O raio de luz que atinge o vértice do


espelho reflete-se simetricamente ao eixo
principal.

Por esse motivo, dizemos que o espelho


esférico côncavo é um sistema óptico conver-
gente enquanto que o espelho esférico com-
vexo é um sistema óptico divergente.

Física – Termologia e Ótica 51


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

3 - O raio de luz incidente paralelo ao eixo


principal reflete-se na direção do foco
principal.
Construção de Imagens
Para construirmos imagens de objetos
extensos devemos construir a imagem de
cada um de seus pontos. Para tanto são
necessários dois raios principais, para cada
ponto. Dependendo da posição do objeto, o
espelho côncavo conjuga diferentes imagens.
Já o espelho convexo conjuga sempre o
mesmo tipo de imagem. Veja:

1) Objeto entre o Foco e o Vértice

Imagem: Virtual, Maior e Direita


4 - O raio de luz que incide na direção do
foco principal reflete-se paralelamente ao
eixo principal 2) Objeto sobre o Foco

Imagem: Imprópria

Física – Termologia e Ótica 52


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

3) Objeto entre o Foco e o Centro de Espelho Convexo: qualquer posição do


Curvatura objeto

Imagem: Real, Maior, Invertida


Imagem: Virtual, Menor, Direita
4) Objeto sobre o Centro de Curvatura
Equação dos Espelhos Esféricos
Estudaremos agora um conjunto de
equações que nos permitirão obter a posição
e o tamanho da imagem de um objeto gerada
por um espelho esférico. Para que essas
equações possam nos levar a resultados
coerentes, devemos estabelecer antes
algumas convenções. Além disso, as
equações só são válidas se as condições de
nitidez de Gauss forem satisfeitas (espelhos
com pequeno ângulo de abertura e grande
Imagem: Real, Mesmo Tamanho, Invertida raio de curvatura). Normalmente elas são.
5) Objeto além do Centro de Curvatura Simbologia e Convenção de Sinais
do : abscissa do objeto = distância do objeto
ao Vértice
di : abscissa da imagem = distância da
imagem ao Vértice
f : abscissa do foco = distância focal
o : ordenada do objeto = altura do objeto
i : ordenada da imagem = altura da imagem
Importante:
Espelho Côncavo Æ foco positivo: f > 0
Espelho Convexo Æ foco negativo: f < 0
Imagem: Real, Menor, Invertida
Elementos Reais Æ abscissa positiva
Consideramos imagem real como aquela Elementos Virtuais Æ abscissa negativa
formada pelo cruzamento dos raios refletidos
e imagem virtual pelo cruzamento dos Equação dos Pontos Conjugados
prolongamentos dos raios refletidos.
Imagem invertida é aquela que parece
1 1 1
estar de “cabeça para baixo”, em relação ao
objeto. Imagem direita é aquela que não está = +
invertida. f d i do

Física – Termologia e Ótica 53


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Equação do Aumento Linear Transversal Resolução:

i −d i
A= =
o do

A expressão aumento deve ser entendi-


da como ampliação ou como redução. Se
⏐A⏐ > 1, a imagem é maior do que o objeto;
se ⏐A⏐ < 1, a imagem é menor do que o
objeto. Além disso, se A é positivo, i e o têm
o mesmo sinal e a imagem é direita em
relação ao objeto; se, pelo contrário, A é
negativo, temos uma imagem invertida em
relação ao objeto. Observamos também, pela
equação, que uma imagem virtual é sempre
direita e uma imagem real, sempre, invertida.

Exercícios de Sala
01. Na figura deste exercício, temos apenas
desenhados a imagem, o objeto e o eixo
principal. Utilizando raios principais, reconsti- 03. Um objeto luminoso, de 10cm de altura,
tua o espelho em questão e determine encontra-se a 20cm de um espelho convexo,
geometricamente seu foco, vértice e centro sobre seu eixo principal. O raio de curvatura
de curvatura. do espelho é R = 40cm. Determine as carac-
Resolução: terísticas da imagem, o aumento linear trans-
versal e faça um desenho da situação.
Resolução:

02. A imagem de um objeto forma-se a 40cm


de um espelho côncavo com distância focal
de 30cm. A imagem formada situa-se sobre o
eixo principal do espelho, é real, invertida e
tem 3,0cm de altura.
a) Determine a posição do objeto.
b) Construa o esquema referente à questão,
representando o objeto, a imagem, o espelho
e os raios utilizados.
c) Determine a altura do objeto.

Física – Termologia e Ótica 54


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Exercícios Resolvidos a) a posição da imagem do objeto em função


do tempo
01. Uma fonte luminosa pontual se encontra b) o tamanho da imagem do objeto em
sobre o eixo principal e dista 60 cm do vértice função do tempo
de um espelho côncavo de distância focal c) a partir de que instante tv a imagem do
igual a 20 cm. Trace raios a partir do objeto e objeto torna-se virtual
localize sua imagem.

Resolução

Resolução a) Como a distância inicial do objeto ao espe-


lho é d e a velocidade v é constante e em
Como o objeto é pontual e está sobre o eixo direção ao espelho, temos que a posição do
principal, todos os raios principais se tornam objeto para qualquer instante (antes do
o mesmo (que incide e reflete sobre o eixo objeto atingir o espelho) é dada por
principal). Portanto, temos que resolver esse
exercício de outra maneira. Iremos usar d o ( t ) = d − vt (I)
como artifício a equação dos pontos
Substituindo o resultado (I) na equação dos
conjugados e obter a posição da imagem. A
pontos conjugados,
partir dessa informação, qualquer raio que
parta do objeto e incida no espelho, irá 1 1 1
obrigatoriamente refletir sobre a imagem e = + obtemos:
f d i do
portanto estará determinado.
1 1 1 1 1 1 f ( d − vt )
= + ⇒ = + ⇒ di ( t ) =
f d i do 20 d i 60 d − vt − f

⇒ d i = 30 cm b) A partir da equação do aumento linear


transversal, obtemos o tamanho da imagem
Agora podemos traçar alguns raios e obter a em cada instante de tempo:
imagem graficamente. i −d i o.d i ( t )
A= = ⇒ i( t ) = −
o do do ( t )
Usando a equação (I) e o resultado do item
a) e substituindo acima, obtemos:

hf
⇒ i( t ) = −
d − vt − f
c) A imagem se tornará virtual imediatamente
após o objeto passar pelo foco. Assim, da
02. No instante t = 0, um objeto de altura h equação (I), temos que:
encontra-se a uma distância d do vértice de
d o ( tV ) = f ⇒ d − vtV = f Portanto:
um espelho côncavo de distância focal f (d >
f). O objeto desloca-se em direção ao
d −f
espelho com uma velocidade constante v, ⇒ tV =
sobre o eixo principal do espelho. Determine: v

Física – Termologia e Ótica 55


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

Exercícios 04. (PUC-SP) Um ano-luz tem dimensão de:


a) um tempo
b) um comprimento
1 Nível 1 c) uma velocidade
d) uma aceleração
01. (FUVEST) Admita que o Sol subitamente e) uma intensidade luminosa
“morresse”, ou seja, sua luz deixasse de ser
emitida. Vinte e quatro horas após esse evento, 05. (ITA) Dos objetos citados a seguir, assinale
um eventual sobrevivente, olhando para o céu, aquele que seria visível em uma sala perfeita-
sem nuvens, veria: mente escura:
a) a Lua e estrelas; a) um espelho;
b) somente a Lua; b) qualquer superfície de cor clara;
c) somente as estrelas; c) um fio aquecido ao rubro;
d) uma completa escuridão; d) uma lâmpada desligada;
e) somente os planetas do sistema solar; e) um gato preto.
02. (FEEQ-CE) Um grupo de escoteiros deseja 06. (Cesgranrio-RJ) Sentado na cadeira da
construir um acampamento em torno de uma barbearia, um rapaz olha no espelho a imagem
árvore. Por segurança, eles devem colocar as do barbeiro, em pé atrás dele. As dimensões
barracas a uma distância tal da árvore que, se relevantes são dadas na figura. A que distância
esta cair não venha a atingi-los. Aproveitando o (horizontal) dos olhos do rapaz fica a imagem do
dia ensolarado, eles mediram, ao mesmo tempo, barbeiro?
os comprimentos das sombras da árvore e de um
deles, que tem 1,5 m de altura; os valores
encontrados foram 6,0m e 1,8m respectivamente.
A distância mínima de cada barraca à árvore
deve ser de:
a) 6m b) 5m c) 4m d) 3m e) 2m

03. (FEI) Um dos métodos para medir o diâmetro


do Sol consiste em determinar o diâmetro de sua
imagem nítida, produzida sobre um anteparo, por
um orifício pequeno feito em um cartão paralelo a a) 0,5m b) 1,3m c) 0,8m d) 1,8m e) 2,1m
este anteparo, conforme ilustra a figura. Em um
experimento realizado por este método foram 07. (UNIFOR-CE) A figura abaixo representa dois
obtidos os seguintes dados: espelhos planos, E1 e E2, que formam entre si um
I – diâmetro da imagem = 9,0 mm ângulo de 1000. Um raio de luz incide em E1 e,
II – distância do orifício até a imagem = 1,0 m após se refletir, vai incidir em E2 com um ângulo
III – distância do Sol à Terra = 1,5 . 1011 m de incidência de:
Qual é aproximadamente, o diâmetro do Sol
medido por este método?

a) 300 b) 400 c) 500 d) 600 e) 700

08. (UECE) No esquema abaixo, é mostrado um


homem de frente para um espelho plano S,
a) 1,5.108 m b) 1,35.108 m c) 2,7.108 m vertical, e de costas para uma árvore P, de altura
d) 1,35.109 m e) 1,5.109 m igual a 4,0 m. Qual deverá ser o comprimento
mínimo do espelho para que o homem possa ver

Física – Termologia e Ótica 56


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

nele a imagem completa da árvore? Nessas condições, olhando através do espelho, o


observador vê (no plano horizontal que passa
pelos seus olhos):
a) metade de cada parede da sala.
b) um terço de PR e metade de QR.
c) um terço de PR e um terço de PQ.
d) metade de QR e metade de PR.
e) PR inteira e metade de QR.

13. (CEFET-PR) Dois espelhos planos fornecem


11 (onze) imagens de um objeto. Logo, podemos
a) 0,50m b) 1m c) 1,5m d) 2m e) 2,5m
concluir que os espelhos formam um ângulo de:
a) 100 b) 250 c) 300 d) 360 e) 450
09. (VUNESP) A figura representa um espelho
plano, um objeto, O, sua imagem, I, e cinco
14. (FAAP) Com três bailarinas colocadas entre
observadores em posições distintas, A, B, C, D e
dois espelhos planos fixos, um diretor de cinema
E.
consegue uma cena onde são vistas no máximo
24 bailarinas. O ângulo entre os espelhos vale:
a) 100 b) 250 c) 300 d) 450 e) 600

15. (CESGRANRIO) Um objeto de altura O é


colocado perpendicularmente ao eixo principal de
um espelho esférico côncavo. Estando o objeto
no infinito, a imagem desse objeto será:
a) real, localizada no foco
b) real e de mesmo tamanho do objeto
Entre as posições indicadas, a única da qual o c) real, maior do que o tamanho do objeto
observador poderá ver a imagem I é a posição: d) virtual e de mesmo tamanho do objeto
a) A b) B c) C d) D e) E e) virtual, menor do que o tamanho do objeto

10. (PUC-SP) Um objeto está a 20 cm de um 16. (PUC-SP) Em um farol de automóvel tem-se


espelho plano. Um observador que se encontra um refletor constituído por um espelho esférico e
diretamente atrás do objeto e a 50 cm do espelho um filamento pequeno que pode emitir luz. O
vê a imagem do objeto distante de si, a: farol funciona bem quando o espelho é:
a) 40m b) 70m c) 90 m d) 100m e) 140m a) côncavo e o filamento está no centro do
espelho.
11. (UFRRJ) Numa sala com uma parede b) côncavo e o filamento está no foco do espelho.
espelhada, uma pessoa se afasta perpendicular- c) convexo e o filamento está no centro do
mente dela, com velocidade escalar de 2,0 m/s. A espelho.
velocidade escalar com que a pessoa se afasta d) convexo e o filamento está no foco do espelho.
de sua imagem é de: e) convexo e o filamento está no ponto médio
a) 1,0 m/s b) 2,0 m/s c) 4,0 m/s d) 6,0 m/s entre o foco e o centro do espelho.

12. (Vunesp-SP) Um observador O encontra-se 17. (CESGRANRIO) Um objeto colocado muito


no vértice P de uma sala, cuja planta é um além de C, centro de curvatura de um espelho
triangulo eqüilátero de lado igual a 6,0 m. Num esférico côncavo, é aproximado vagarosamente
dos cantos da sala existe um espelho vertical de do mesmo. Estando o objeto colocado perpendi-
3,0 m de largura ligando os pontos médios das cularmente ao eixo principal, a imagem do objeto
paredes PQ e QR. conjugada por este espelho, antes de o objeto
atingir o foco, é:
a) real, invertida e se aproxima do espelho.
b) virtual, direta e se afasta do espelho.
c) real, invertida e se afasta do espelho.
d) virtual, invertida e se afasta do espelho.
e) real, invertida, fixa num ponto qualquer.

Física – Termologia e Ótica 57


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

18. (VUNESP) Um pequeno prego se encontra d) convexo de 40 cm de raio de curvatura.


diante de um espelho côncavo, perpendicular- e) convexo de 40 cm como distância entre o
mente ao eixo óptico principal, entre o foco e o objeto e a imagem.
espelho. A imagem do prego será
a) real, invertida e menor que o objeto 23. (MACK) Diante de um espelho esférico
b) virtual, invertida e menor que o objeto côncavo coloca-se um objeto real no ponto médio
c) real, direta e menor que o objeto do segmento definido pelo foco principal e pelo
d) virtual, direta e maior que o objeto centro de curvatura. Se o raio de curvatura desse
e) real, invertida e maior que o objeto espelho é de 2,4 m, a distância entre o objeto e
sua imagem conjugada é de:
19. (UFJF) Em lojas, supermercados, ônibus, a) 0,60m b) 1,2m c) 1,8m d) 2,4m e) 3,6m
etc., em geral são colocados espelhos que
permitem a visão de grande parte do ambiente. 24. (PUC-RJ) Um objeto é colocado perpendi-
Espelhos dessa natureza costumam ser cularmente ao eixo principal de um espelho
colocados também nos retrovisores de motos e esférico convexo. Notamos que, nesse caso, a
carros, de modo a aumentar o campo de visão. altura da imagem é i1 . Em seguida, o mesmo
Esses espelhos são: objeto é aproximado do espelho, formando uma
a) côncavos e fornecem imagem virtual de um
nova imagem, cuja altura é i2 . Quando aproxi-
objeto real;
b) convexos e fornecem imagem virtual de um mamos o objeto, a imagem:
objeto real; a) se aproxima do espelho, sendo i1 < i2
c) convexos e fornecem imagem real de um b) se aproxima do espelho, sendo i1 > i2
objeto real; c) se aproxima do espelho, sendo i1 = i2
d) planos e fornecem imagem virtual de um d) se afasta do espelho, sendo i1 > i2
objeto real;
e) planos e fornecem imagem real de um objeto e) se afasta do espelho, sendo i1 < i2
virtual.
25. (ITA) Um jovem estudante para fazer a barba
20. (UFF) Quando se coloca um espelho esférico mais eficientemente, resolve comprar um espelho
côncavo a uma distância maior do que a focal, no esférico que aumente duas vezes a imagem do
caso de objetos reais, as imagens serão sempre: seu rosto quando ele se coloca a 50 cm dele.
a) reais e invertidas Que tipo de espelho ele deve usar e qual o raio
b) reais e diretas de curvatura?
c) reais ou virtuais a) Convexo com r = 50 cm
d) virtuais e invertidas b) Côncavo com r = 2,0 m
e) virtuais e diretas c) Côncavo com r = 33 cm
d) Convexo com r = 67 cm
21. (UNIFOR) De um objeto que está a 3,0 m de e) Um espelho diferente dos mencionados
um espelho esférico, este produz uma imagem
virtual a 1,0 m do seu vértice. 26. (UFSC) Um espelho esférico convexo tem 20
O citado espelho é: cm de raio de curvatura. Se um objeto com 5,0
a) convexo, de raio 3,0 m. cm de altura estiver colocado a 15 cm do vértice
b) côncavo de distância focal 1,5 m. do espelho, qual será, em módulo, a razão entre
c) convexo, de raio 8/3 m. a distância da imagem obtida ao espelho e o
d) côncavo, de distância focal 4/3 m. tamanho da imagem?

22. (UCS) Um espelho esférico conjuga a um 27. (UFRJ) Um técnico de laboratório deseja
objeto real, a 40 cm do seu vértice, uma imagem produzir um pequeno espelho esférico de
direta e duas vezes menor. ampliação para uso odontológico, o espelho será
Pode-se afirmar que o espelho é: utilizado a 2,0 cm do dente a ser observado e
a) côncavo de 40 cm de distância focal. fornecerá uma imagem direta e duas vezes
b) côncavo de 40 cm de raio de curvatura. ampliada. Determine se o espelho deve ser
c) convexo de 40 cm de módulo de distância côncavo ou convexo e calcule a sua distancia
focal. focal.

Física – Termologia e Ótica 58


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

28. (UFU) O motorista de um carro observa no


seu retrovisor, que consiste de um espelho
esférico convexo, a imagem de um motoqueiro.
Sendo 2,0 m o tamanho do objeto (sistema moto-
piloto) e 4,0 cm o tamanho da imagem obtida
quando o objeto encontra-se à 50 m do espelho,
qual a distância focal do retrovisor?

29. (UFF) Dois espelhos, E1 e E2, são alinhados


de modo que têm eixo óptico comum e estão com
suas faces refletoras voltadas uma para a outra e
separadas por 32 cm. Um objeto pontual é I) Marte e Júpiter eram visíveis à meia-noite.
colocado sobre o mesmo eixo, a meia distância, II) Mercúrio e Vênus eram visíveis à meia noite.
entre os dois espelhos. Observa-se que sua III) Marte era visível ao entardecer.
imagem final, após múltiplas reflexões da luz nos IV) Júpiter era visível à meia-noite.
dois espelhos, situa-se sempre, também, à meia
distancia entre eles. 03. (Unesp) A figura representa um espelho
O espelho E1 é côncavo, com raio de curvatura plano E e uma linha CD a sua frente. Há um
igual a 24 cm. ponto xA no eixo x, de onde um dos olhos do
a) Determine a posição da primeira imagem do observador vê, por reflexão, a linha em toda a
objeto formada apenas pelo espelho E1. sua extensão e ocupando o espelho todo.
b) Identifique o tipo do espelho E2.

30. (UFSCAR) Num anteparo situado a 30 cm de


vértice de um espelho esférico forma-se a
imagem nítida de um objeto real situado a 10 cm
do espelho. Determine:
a) a natureza do espelho;
b) a distancia focal e o raio de curvatura do
espelho.

__________________
11 Nível 2 - Aprofundamento
01. (ITA) Um edifício iluminado pelos raios
solares projeta uma sombra de comprimento L =
72,0m. Simultaneamente, uma vara vertical de a) Determine o valor de xA.
2,50m de altura colocada ao lado do edifício b) A seguir, desloca-se o espelho 10 cm para
projeta uma sombra de comprimento l = 3,00m. baixo, paralelamente ao eixo y. Determine as
Qual é a altura do edifício? coordenadas xB e yB do ponto onde deve estar o
B B

a) 90,0m b) 86,0m c) 60,0m d) 45,0m olho do observador para que ele possa ver a
linha CD ocupando todo o espelho.
02. (ITA) Numa certa data, a posição relativa dos
corpos celestes do Sistema Solar era, para um 04. (UNICAMP) Em alguns carros é comum que
observador fora do Sistema, a mostrada na o espelho retrovisor modifique a altura aparente
figura. (ME = Mercúrio, VE = Vênus, TE = Terra, do carro que vem atrás. As imagens abaixo são
MA = Marte, JU = Júpiter). O sentido de rotação vistas pelo motorista em um retrovisor curvo (Fig.
da Terra está indicado na figura, que não está em 1) e em um retrovisor plano (Fig. 2).
escala. Do diagrama apresentado, para um a) Qual é (qualitativamente) a curvatura do
observador terrestre não muito distante do retrovisor da Fig. 1?
Equador, julgue as afirmativas como falsas ou b) A que distância o carro detrás se encontra,
verdadeiras. quando a sua imagem vista pelo motorista ocupa

Física – Termologia e Ótica 59


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

todo o espelho plano (Fig. 2), cuja altura é de limites da região que consegue enxergar através
4,0cm? Considere que a altura real do carro seja do espelho (limite D, à sua direita, e limite E, à
de 1,6 m e que o teto do carro, o olho do sua esquerda).
motorista (situado a 50 cm do retrovisor) e o topo
da imagem no espelho estejam alinhados
horizontalmente.

a) No esquema da folha de respostas, trace os


05. (ITA) Considere a figura onde E1 e E2 são raios que, partindo dos limites D e E da região
dois espelhos planos que formam entre si um visível da régua, atingem os olhos do observador
ângulo de 135°. Um raio luminoso R incide com O. Construa a solução, utilizando linhas cheias
um ângulo α em E1 e outro R’ (não mostrado) para indicar esses raios e linhas tracejadas para
emerge de E2. Para 0 < α < π/4, conclui-se que: prolongamentos de raios ou outras linhas
auxiliares. Indique, com uma flecha, o sentido de
percurso da luz.
b) Identifique D e E no esquema, estimando, em
metros, a distância L entre esses dois pontos da
régua.

a) R’ pode ser paralelo a R dependendo de α.


b) R’ é paralelo a R qualquer que seja α.
c) R’ nunca é paralelo a R.
d) R’ só é paralelo a R se o sistema estiver no
vácuo.
e) R’ será paralelo a R qualquer que seja o
ângulo entre os espelhos.

06. (ITA) Considere as seguintes afirmações e


julgue se são verdadeiras ou falsas:
I – Se um espelho plano transladar de uma
distância d ao longo da direção perpendicular a
seu plano, a imagem real de um objeto fixo 08. (FUVEST) A figura mostra um ponto objeto P
transladará de 2d. e um ponto imagem P’, conjugados por um
II – Se um espelho plano girar de um ângulo α espelho côncavo de eixo O1O2.
em torno de um eixo fixo perpendicular à direção
de incidência da luz, o raio refletido girará de um
ângulo 2α.
III – Para que uma pessoa de altura h possa
observar seu corpo inteiro em um espelho plano,
a altura deste deve ser de no mínimo 2h/3.

07. (FUVEST) Um observador O olha-se em um


espelho plano vertical, pela abertura de uma
porta, com 1 m de largura, paralela ao espelho,
conforme a figura abaixo e o esquema da folha a) Transcreva esta figura para o quadro
de respostas. Segurando uma régua longa, ele a correspondente da folha de respostas e localize
mantém na posição horizontal, paralela ao graficamente o espelho côncavo.
espelho e na altura dos ombros, para avaliar os b) Indique a natureza da imagem P’ (se é real ou
virtual, direta ou invertida)

Física – Termologia e Ótica 60


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

09. (ITA) Seja E um espelho côncavo cujo raio de 13. (OBF) A figura a seguir ilustra uma pessoa de
curvatura é 60,0cm. Qual tipo de imagem altura H, localizada em frente a um espelho
obteremos se colocarmos um objeto real de plano, que está inclinado de um ângulo θ em
7,50cm de altura, verticalmente, a 20,0cm do relação à superfície horizontal. A distância entre
vértice de E? os olhos da pessoa e o espelho é denotada por
a) virtual e reduzida a 1/3 do tamanho do objeto. d. Despreze a distância existente entre os olhos e
b) real e colocada a 60,0cm da frente do espelho. o topo da cabeça da pessoa.
c) virtual e três vezes mais alta que o objeto.
d) real, invertida e de tamanho igual ao do objeto.
e) nda.

10. (ITA) Determinar graficamente a imagem de


um objeto OA colocado diante de um espelho
côncavo, esférico, de raio R. A distância do
centro de curvatura C ao objeto é igual a 2R/3. A
imagem é:

a) Calcule o comprimento mínimo L do espelho a


fim de que a pessoa possa ver a imagem de todo
o seu corpo.
b) Considere agora o caso em que θ = 90º.
Sabendo que o espelho tem o menor comprimen-
a) virtual, direta e menor que o objeto. to necessário para a pessoa visualizar a imagem
b) real, invertida e maior que o objeto. de todo o seu corpo, calcule a distância entre a
c) real, invertida e menor que o objeto. extremidade inferior do espelho e a superfície
d) real, direta e maior que o objeto. horizontal.
e) virtual, direta e maior que o objeto.
14. (OBF) Parte do gráfico da distância-imagem,
11. (ITA) Um espelho plano está colocado em i, em função da distância-objeto, medidas ao
frente de um espelho côncavo, perpendicular- longo do eixo principal de um espelho esférico, é
mente ao eixo principal. Uma fonte luminosa A, mostrada abaixo. Determine:
centrada no eixo principal entre os dois espelhos,
emite raios que se refletem sucessivamente
sobre os dois espelhos e formam, sobre a própria
fonte A, uma imagem
real da mesma. O raio
de curvatura do espe-
lho é 40cm e a distân-
cia do centro da fonte
A até o espelho esféri-
co é de 30cm. A dis-
tância d do espelho
plano até o centro do
espelho côncavo é, então:
a) 20cm b) 30cm c) 40cm d) 45cm e) 50cm
a) a distância focal do espelho
12. Um ponto luminoso move-se, pelo eixo de um b) o tipo de espelho (se côncavo ou convexo)
espelho côncavo, aproximando-se ao mesmo. Se a distância-objeto for igual a 5 cm, determine:
Para quais distâncias do ponto ao espelho, a c) a distância-imagem
distância entre o ponto e sua imagem no espelho d) o aumento linear transversal
será igual a 0,75 R, onde R é o raio de curvatura e) a natureza da imagem (se real, virtual, direita
do espelho? ou invertida)

Física – Termologia e Ótica 61


Capítulo 6 – Reflexão da Luz Física Professor Christian

15. (Desafio) Um espelho plano, de superfície Gabarito


infinita, desloca-se na horizontal com velocidade
constante v. Um objeto puntiforme se desloca na
Nível 1
vertical também com velocidade constante v e,
no instante t = 0, as posições do espelho e do
1. c 2. b 3. d 4. b 5. c 6. e 7. c 8. d
objeto estão em conformidade com a figura.
9. b 10. b 11. c 12. d 13. c 14. d 15. a
Considerando que no instante t = α ocorre o
choque do objeto com o espelho, determine: 16. b 17. c 18. d 19. b 20. a 21. a
a) As componentes vertical e horizontal da 22. c 23. c 24. a 25. b 26. 3
velocidade da imagem do objeto refletida no 27. Côncavo com f = 4,0 cm 28. 1,02 m
espelho. 29. a) 48 cm de E1; b) Plano
b) O instante α em que o objeto e o espelho se 30. a) Côncavo; b) f = 7,5 cm e R = 15 cm
chocam.
Nível 2
1. c 2. III e IV verdadeiras
3. a) xA = 100 cm
b) xB = 100 cm e yB = - 30 cm
B

4. a) Convexo; b) d = 19,5 m
5. c 6. I e II são verdadeiras
7. a)

16. (Desafio) Uma haste retilínea AB, de


comprimento L, localiza-se sobre o eixo principal
de um espelho esférico côncavo, como ilustrado
na figura a seguir. A distância focal do espelho é
denotada por f. Sabe-se que a extremidade B da
haste encontra-se a uma distância D do vértice V
do espelho. Considere que D > f.
a) Calcule o comprimento da imagem da haste
em função de f, L e D.
b) L = 1,5 m
b) Considere a situação particular em que f = 20 8. a) Figura b) Real; Invertida; Menor
cm e L = 30 cm. Calcule as coordenadas das 9. c 10. e 11. d
extremidades A e B e as posições de suas 12. d1 = 1,5 R, d2 = 0,25 R, d3 = 0,75 R
respectivas imagens, a fim de que a imagem da dH sen θ
13. a) L = b) h = H/2
haste fique superposta sobre si mesma. Comente 2d + Hcos θ
os resultados obtidos.
14. a) f = 10 cm; b) Côncavo; c) i = -10 cm
d) A = 2 e) Virtual; Direita
−v
15. a) v x = (
v
2
)
3 + 3 e vy =
2
( 3 −1)
d (3 − 3 )
b) α =
v 2
Lf 2
16. a) Li =
( D − f )( D + L − f )
b) xA = 60 cm; xB = 30 cm; xA’ = 30 cm;
xB’ = 60 cm As posições das extremidades e
de suas imagens encontram-se invertidas.

Física – Termologia e Ótica 62