P. 1
Meu Projeto de Pesquisa Científica concluido

Meu Projeto de Pesquisa Científica concluido

|Views: 13.851|Likes:
Projeto de pesquisa sobre oralismo como negação a surdez. Disciplina Metodologia do Trabalho Científico da Universidade Federaldo Ceará - UFC 2010.1
Contato: anacecolia@gmail.com
Projeto de pesquisa sobre oralismo como negação a surdez. Disciplina Metodologia do Trabalho Científico da Universidade Federaldo Ceará - UFC 2010.1
Contato: anacecolia@gmail.com

More info:

Published by: Ana Cecília Coutinho on Jun 21, 2010
Direitos Autorais:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF or read online from Scribd
See more
See less

10/24/2014

pdf

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ ± UFC FACULDADE DE EDUCAÇÃO ± FACED

ORALIZAÇÃO DO SURDO

ANA CECÍLIA COUTINHO PROFESSOR GILMAR PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA

FORTALEZA ± CE 2010

ANA CECÍLIA COUTINHO

ORALIZAÇÃO DO SURDO UMA NEGAÇÃO A SUA CONDIÇÃO DE SURDO

Trabalho de conclusão do semestre 2010.1 ao curso de pedagogia da Universidade Federal do Ceará ± UFC ± como requisito principal para aprovação na disciplina de Metodologia do Trabalho Científico, ministrada pelo professor Gilmar.

FORTALEZA ± CE 2010

LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

LS ± Língua de Sinais LIBRAS ± Língua Brasileira de Sinais SM ± Sistema Metódico INSM ± Instituto Nacional para Surdos-Mudos LSF ± Língua de Sinais Francesa LSA ± Língua de Sinais Americana CM ± Congresso de Milão

SUMÁRIO

JUSTIFICATIVA PROBLEMA OBJETIVOS Contexto Histórico Ponce de León Bonet Pereire Amman Wallis Braidwood L¶Epée Itard Baron de Gérando Gallaudet Bell Congresso de Milão A Línguas de Sinais O Oralismo Bimodalismo Bilingüismo Um Caso A Exemplificar CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

05 06 07 08 08 09 09 10 10 10 11 12 12 13 14 14 16 17 18 19 21 22 23

JUSTIFICATIVA
É com imenso carinho e curiosidade que me disponho a pesquisar e tratar sobre tal assunto, pois acredito que ele será o primeiro passo de uma vasta caminhada que ainda tenho a trilhar e conhecer sobre realidade da comunidade surda, como esta se relaciona com a comunidade ouvinte e vice-versa. Meu interesse pelo assunto surgiu enquanto cursava as disciplinas de Libras (Língua Brasileira de Sinais) e Fundamentos da Educação de Surdos. Quando as discussões em sala de aula chegavam ao tema da oralização havia divergências de opiniões entre os alunos, pois alguns colocavam com imprescindível oralizar o surdo já que eles vivem em uma socie dade ouvinte e outros se posicionavam a favor da aprendizagem e uso da Libras e a oralização sendo um segundo recurso para socialização, tendo em vista que esta, e qualquer outra sociedade, é marcada pela diferença e diversidade. A realização deste trabalho só foi possível com a disponibilidade do acervo da biblioteca da Universidade Federal do Ceará e da Universidade de Fortaleza, onde realizei pesquisas de caráter teórico no período de 03 de março de 2010 a 01 de junho de 2010 e ainda pretendo estender este projeto para pesquisas de campo com entrevistas, questionários e vídeos que poderão vir a ser utilizados na minha apresentação de monografia.

PROBLEMA
Os próprios autores que defendem e trabalham com o oralismo, utilizam-se da língua de sinais para iniciar seus trabalhos como: oralizar e alfabetizar o surdo. Alguns desses pioneiros vieram a abandonar seus métodos porque estes mostraram não ser tão eficientes e duradouros. Por várias épocas foram transmitidos alguns mitos e preconceitos em torno dos surdos e que até hoje, infelizmente, alguns ainda permanecem em nossa sociedade. Mesmo observando os fatos historicamente, a atualidade parece não mostrar-se tão diferente de cem, ou até mais, anos atrás em se tratando de educação dos surdos. Quais são os fatores que impulsionam muitas pessoas, instituições e até a própria família a fazer uso do oralismo, como a única opção que o surdo tem, negando assim a primeira língua que o surdo tem que ter contato que é a língua de sinais? Como que nossa atual sociedade brasileira recebe e vê aqueles que compõem a comunidade surda? O que ou como cada pessoa pode fazer para melhorar esta realidade, que não é apenas com o surdo, mas com o deficiente motor, cerebral, visual e vários outros que excluídos e marginalizados por nossa sociedade?

OBJETIVOS
Tenho como metas para este trabalho: fazer um levantamento histórico no que se refere ao oralismo e a língua de sinais, como cada uma dessas vertentes eram vistas e utilizadas em diversas sociedades e em várias épocas; buscar entender qual o valor que a língua de sinais e o oralismo têm hoje para a comunidade surda e também para a comunidade ouvinte; espero que este seja o primeiro de várias pesquisas sobre o tema, que virei a fazer no decorrer da minha vida acadêmica e profissional. Acredito que muito dos fatores que ainda colocam os surdos em uma camada marginal da sociedade, se deve ao preconceito vigente pelas diferenças que cada pessoa porta ou assume. Busco esclarecer minha opinião sobre o tema e poder conhecer um pouco mais da comunidade surda.

REFERENCIAL TEÓRICO
Contexto Histórico Na antiguidade, os ouvintes consideravam que os surdos não eram seres humanos competentes, acreditavam que o pensamento não poderia se desenvolver sem a linguagem e que esta não se desenvolvia sem a fala. Alguns dos pensadores da antiguidade, como Aristóteles, afirmava que a linguagem era o que dava condição de humano para o indivíduo, sendo assim o surdo não tinha a possibilidade de desenvolver faculdades intelectuais. Os romanos privavam os surdos que não podiam falar de todos os seus direitos legais, pois eram considerados como incapazes de gerenciar seus atos, assim, perdiam sua condição de ser humano e eram confundidos com retardados. A Igreja Católica acreditava, até a Idade Média, que as suas almas não poderiam ser consideradas imortais, pois eles não poderiam falar os sacramentos. Pensamentos como estes, ocasionaram durante séculos, desde quando foi iniciado o trabalho de ³recuperação´ dos surdos-mudos, a necessidade de se dar fala a eles. É apenas na Idade Moderna, aproximadamente no século XIV, que se tem alusão ao desenvolvimento cognitivo dos surdos.

A primeira alusão à possibilidade do Surdo poder aprender através da Língua de Sinais ou da língua oral é encontrada em Bartolo della Marca d¶Ancora, advogado e escritor do séculos XIV. D¶Ancora considera que, no caso dos surdos poderem se expressar pelos sinais ou por outras formas, isto teria conseqüências do ponto de vista legal. (MOURA p.17)

Alguns autores desenvolveram suas pesquisas e trabalhos movido por seus interesses pessoais, religiosos, financeiros ou por terem de alguma maneira contato com um surdo, o que lhe despertou o interesse pelo assunto. Citarei alguns desses autores e um pouco da trajetória e os resultados de seus trabalhos ou pesquisas. Ponce de León - Pedro Ponce de León (1520-1584) foi um monge beneditino que dedicou maior parte de sua vida educando surdos e também um dos primeiros professores de surdos na história que teve seu trabalho direcionado aos surdos de famílias nobres. Seus alunos precisavam aprender a falar para terem seus direitos a títulos e heranças garantidas, visto que

na época os surdos não havia direito algum. Demonstrou que os argumentos médicos que afirmavam que os surdos não poderiam aprender porque tinham lesões cerebrais não eram verdadeiros. León ensinava-lhes a ler, escrever, rezar, falar, a conhecer o Cristianismo e outros de seus alunos aprenderam a entender o italiano através do grego e do latim, além da astrologia e filosofia natural. Bonet ± Juan Pablo Bonet (1579-1629) aproveitando-se do trabalho de León, em 1620 escreveu o livro Reducción De Las Letras Y Arte Para Ensenãr À Hablar Los Mudos, que chamou a atenção de vários intelectuais por toda Europa e apresentando-se como inventor da arte de ensinar surdos a falar. Neste livro, Bonet foca a idéia de que

Seria mas fácil para o surdo aprender a ler, se cada som da fala fosse representada por uma forma visível invariável. Esta forma poderia poderia ser uma configuração de mão ou uma letra escrita. [...] O alfabeto digital era usado para ensinar a ler, e a gramática era ensinada através da Língua de Sinais. (MOURA p.18)

A base oralista de sua obra serviu como base para outros autores como Pereire, Amman e Wallis. Pereire ± Jacob Rodrigues Pereire (1715-1780) foi um educador de surdos com influência em Língua de Sinais e defendia a oralização do surdo. Seu método consistia em utilizar a Língua de Sinais, modificada por ele, para instruções, explicações lexicais, conversações com os alunos, até que eles pudessem se comunicas oralmente ou pela escrita, ainda manipulava os órgãos da fala em seus alunos em pequenas sessões freqüentes, onde cada formato da mão designa a posição e o movimento dos órgãos de fala adequado para a produção do som. Em seus últimos anos de vida, Pereire deixa de tentar converter sinalizadores em falantes. Não se sabe ao certo como era sua prática educacional, visto que ele nunca publicou ou passou aos outros sua forma de trabalho. Amman - Johann Conrad Amman (1669-1730) um defensor da leitura labial,

[«] foi o principal expoente do movimento oralista alemão que estabelecia a crença de que a humanidade residia na possibilidade da fala do indivíduo, sendo que o sopro da vida reside na voz, que transmite esclarecimento, tendo sido legada ao homem por Deus. (MOURA p.20)

Seu livro publicado em 1704 foi como uma semente para a construção do modelo alemão para a educação do surdo. Sua crença de que a fala é dotada de poderes especiais, que nela residiria o sopro da vida e o espírito de Deus, foi o que deu ênfase ao seu trabalho. Considerava que o uso dos Sinais atrofiaria a mente e impediria o desenvolvimento da fala e das atividades superiores, mas mesmo assim, fazia uso de Sinais e do alfabeto digital como instrumento para atingir a fala, abandonando-os quando não os considerava mais necessários. Após sua morte, foi divulgado que o ³sucesso´ de suas atividades provinha de sua técnica em ensinar o som das letras através do sentido do paladar. Wallis - John Wallis ( 1616-1703) escreve em 1698 o primeiro livro inglês sobre a educação do surdo, sendo assim considerado o fundador do oralismo na Inglaterra. Seguidor do método de Bonet, desistiu de ensinar os surdos a falarem, declarando que era fácil fazê-lo desde que estes fossem ensinados a posicionar corretamente os órgãos fonoarticulatórios, contudo esta fala se deteorizava pois o sujeito necessitaria de constantes feedbacks externos para monitorála. Apesar de ter sido considerado como fundador do oralismo inglês, Wallis fazia uso dos Sinais e reconhecia sua importância para ensinar os Surdos. Thomas Braidwood ± Thomas Braidwood (1715-1806) fundou a primeira escola para surdos e crianças com problemas de fala, localizada em Edimbugo onde os surdos aprendiam com o uso do alfabeto digital as palavras escritas, seu significado e pronúncia além da leitura orofacial. Dados da época indicam que Braidwood percebeu que o ensino da oralidade para surdos era inútil, o que causou uma diminuição na carga dada ao ensino da mesma nas escolas fundadas por ele. L¶Epée - Charles-Michel de L¶Epée (1712-1789) começou a ensinar os surdos por razões religiosas, reconhecia a existência e importância da Lingua de Sinais e que ela se desenvolvia e servia como base comunicativa entre os surdos, utilizava-se de Sinais que os surdos já dominavam para poder ensinar termos abstratos, foi o primeiro dos grandes autores a considerar que os surdos tinham uma língua e teve a humildade de aprender a Língua de Sinais com os surdos o que resultou na criação do Sinais Metódicos. Seu reconhecimento da Língua de Sinais foi o que serviu de suporte para o surdo ser tido como humano. Os Sinais Metódicos foi uma adaptação da Língua de Sinais que incluía o uso de termos como artigos, preposições que não são utilizadas na LS e a organização era feita como é organizado o idioma Francês.

Este sistema tinha também sinais inventados para as palavras francesas que não eram representadas em LS (já que a LS tem uma organização espacial que implica na não necessidade de utilização de vocábulos usados na língua oral) e terminações que marcavam a gramática da língua oral (que não são representadas de outras formas). Desta forma os alunos conseguiram sinalizar qualquer texto escrito ou escrever qualquer texto em francês gramaticalmente correto quando ditado para ele. (MOURA p.23)

Este sistema de SM foi utilizado até 1830. Fundador da primeira escola pública para surdos-mudos em Paris, Instituto Nacional para Surdos-Mudos, marcando a passagem da educação individual para a coletiva. Para ele, o treinamento da fala ocupava tempo demais dos alunos, tempo este que deveria ser gasto em educação. Seus discípulos e sucessores fundaram outras centenas de escolas, em moldes semelhantes ao INSM em todo o mundo.

L¶Epée realizava demonstrações públicas em que, através de perguntas feitas através de Sinais e da escrita, os surdos educados em sua escola deveriam mostrar os conhecimento obtidos em religião e em gramática. Estes eventos eram realizados para comprovar ³a nobreza, filósofos e educadores a eficácia dos seus métodos e a capacidade intelectual dos surdos. [...] Através destas demonstrações que, além de mostrar a possibilidade de se ensinar os surdos sem a utilização da fala, expunha também a ³humanidade´ assim obtida pelo acesso à palavra de Deus, L¶Epée conseguia verbas para continuar seu trabalho. (MOURA p.24)

Itard - Jean-Marc-Gaspard Itard (1774-1838) foi o primeiro médico a pesquisar sobre a surdez, que para ele era tida como uma doença a ser estudada e curada ou pelo menos amenizada, tentou detectar causas visíveis para a surdez e contatou que esta não poderia ser observada visualmente.

Para realizar seus estudos, ele dissecou cadáveres de surdos e tentou vários procedimentos: aplicar cargas elétricas nos ouvidos de surdos, usar sanguessugas para provocar sangramentos, furar membranas timpânicas de alunos (sendo que um deles morreu por este motivo). Fez várias experiências e publicou vários artigos sobre uma técnica especial para colocar cateteres no ouvido de pessoas com problemas auditivos, tornando-se famoso e dando nome à Sonda de Itard. Ele também fraturou crânio de alguns alunos e infeccionou pontos atrás das orelhas dele. Nada disto funcionou e ele

considerou que nada poderia ser feito por ouvidos mortos. A surdez passava a ser considerada uma doença e como tal todas as alternativas possíveis (e impossíveis) para erradicá-la eram válidas, mesmo que isto custasse sofrimento e às vezes até a morte, e constantemente não levasse a resultado algum. (MOURA p.25)

Itard nunca aprendeu a LS durante todo este seu trabalho/experiências e considerou que a única esperança para ³salvar o surdo seria através do desenvolvimento da fala, que o transformaria e isto só poderia ser possível com o treinamento articulatório e a restauração da audição. Sua proposta era a transformação do surdo em ouvinte, com a ausência de uma fala fluente ele então passou a culpa a LS usada na escola pela falha de desenvolvimento na capacidade de falar dos surdos.

Após dezesseis anos de tentativas e experiências frustradas de oralização e remediação da surdez, sem conseguir atingir os objetivos desejados, rendeuse ao fato de que o surdo só pode ser educado através da LS. Ele continuaria defendendo a tese de que alguns poucos poderiam se beneficiar do treinamento da fala, mas mesmo para estes, ele passou a considerar que a única forma possível de comunicação e ensino deveria ser a Lín gua de Sinais. Esta não é uma transformação de postura e modificação de postura fácil de ser feita, mas já havia acontecido antes com outros educadores. (MOURA p.27)

Baron de Gérando ± como administrador do INSM, propôs uma mudança na escola onde teria início o treino da fala primeiro para os alunos que pudessem se beneficiar e depois seria estendido para todos os alunos, os professores surdos teriam que ser trocados por professores ouvinte, os Sinais banidos da escola. Contudo sua proposta não foi além tendo em vista a impossibilidade de ser porta em prática. Após a impossibilidade de sua proposta, Gérando reconhece que a LS francesa era a principal forma de instrução na escola e que esta não poderia ser substituída pela oralidade. Antes de vir a falecer, ele reconheceu a LS como uma língua que aprendeu a valorizar Gallaudet - Thomas Hopkins Gallaudet (1787-1851) seu interesse pela surdez surgiu quando ele conheceu a filha de um de seus vizinhos, Alice Cogswell, com quem tentou manter uma comunicação através do campo visual, já que ele até este momento não conhecia nada sobre os surdos ou sobre o trabalho educacional que poderia ser realizado com os mesmos. Foi para a Europa tentar aprender o método de ensino utilizado por Braidwood, mas ele se recusou a revelar seu método e não permitiu que Gallaudet o aprendesse. Em 1816 vai à França com o

desejo de conhecer o método desenvolvido por L¶Epée e conhecer o próprio autor também. Realizou um estágio no INSM, começou a aprender os Sinais e os SM orientado por Laurent Clerc, que mais tarde foi contratado e retornou com Gallaudet para os Estados Unidos e , juntos tinham o objetivo de abrirem a primeira escola pública para Surdos. Em 1817 a escola foi realizada com ajuda de doações, foi inicialmente chamada de The Connecticut Asylum for the Education and Instruction of Deaf and Dumb Persons (O Asilo Connecticut para Educação e Instrução das Pessoas Surdas e Mudas) e posteriormente de Hartford School.

Os professores contratados aprenderam a Língua de Sinais Francesa, Sinais que os próprios alunos traziam para palavras que não eram representadas em LSF, SM adaptados para o inglês, o alfabeto digital francês e a forma de ensiná-los segundo o sistema utilizado por Clerc (que era a forma por ele aprendida no Instituto da França). Os alunos aprendiam o inglês escrito e, através do inglês, astronomia, geografia, história, literatura, matemática e religião. A LSF foi gradualmente sendo modificada pelos alunos, começando então a se formar a Língua de Sinais Americana. Gradativamente também os SM foram sendo abandonados e na sala de aula passaram a ser utilizadas: a Língua de Sinais Americana, o inglês escrito e o alfabeto digital. (MOURA p.31)

Por ser a única escola pública para surdos nos EUA, a Hartford School recebia alunos de várias partes do país, que ao terminarem seus estudos, retornavam a sua cidade e assim surgia o estabelecimento de pequenas comunidades de surdos que auxiliou com que surgissem novas escolas públicas para surdos em outras regiões.
Em 1869, existiam aproximadamente trinta escolas para surdos no Estados Unidos, formando uma rede americana de educadores para surdos cujo ponto de partida havia sido a Escola de Hartfor. [...] Em 1864, o Congresso americano autorizou o funcionamento da primeira universidade para surdos, localizada em Washington (National Deaf-Mute College, atualmente Gallaudet University). (MOURA p.32)

Bell - Alexander Graham Bell (1847-1922) casado com Mabel, que havia perdido a audição quando jovem, foi um dos defensores do oralismo, defendendo que a surdez era um desvio de modelo médico, um doença que poderia ser aliviada encobrindo seu estigma mais aparente (os Sinais) e que este tipo de comunicação deveria ser evitada, o papel do ouvinte seria o de ajudar o surdo na negação da sua surdez e cultura, os surdos deveriam se comportar passando por ouvintes num mundo ouvinte.

O Congresso de Milão No ano de 1880 acontece o Congresso de Milão, que foi uma conferência internacional de educadores de surdos para discutir o interesse de reafirmar a necessidade de substituição da LS pela língua oral nacional. Contava com a participação de representantes da Itália, França, Grã-Betanha, Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Suécia e Rússia dentre todos estes representantes, apenas um era surdos. O Congresso durou três dias e foram votadas oito resoluções, onde apenas a terceira foi votada por unanimidade. I. II. O uso da língua falada, no ensino e educação dos surdos, deve preferir-se à língua gestual. O uso da língua gestual em simultâneo com a língua oral, no ensino de surdos, afeta a fala, a leitura labial e a clareza dos conceitos, pelo que a língua articulada pura deve ser preferida. III. IV. Os governos devem tomar medidas para que todos os surdos recebam educação. O método mais apropriado para os surdos se apropriarem da fala é o método intuitivo (primeiro a fala depois a escrita); a gramática deve ser ensinada através de exemplos práticos, com a maior clareza possível; devem ser facultados aos surdos livros com palavras e formas de linguagem conhecidas pelo surdo. V. VI. Os educadores de surdos, do método oralista, devem aplicar-se na elaboração e obras específicas desta matéria. Os surdos, depois de terminado o seu ensino oralista, não esquecerão o conhecimento adquirido, devendo, por isso, usar a língua oral na conversação com pessoas falantes, já que a fala se desenvolve com a prática. VII. A idade mais favorável para admitir uma criança surda na escola é entre os oito - dez anos, sendo que a criança deve permanecer na escola no mínimo sete ± oito anos; nenhum educador de surdos deve ter mais de dez alunos simultâneo. VIII. Com o objetivo de se implementar, com urgência, o método oralista, deviam ser reunidas as crianças surdas recém admitidas nas escolas, onde deveriam ser instruídas através da fala; essas mesmas crianças deveriam estar separadas das crianças mais avançadas, que já haviam recebido educação gestual, a fim de que não fossem contaminada; os alunos antigos também deveriam ser ensinados segundo este novo sistema oral.

Pode-se observar assim que o Congresso de Milão foi um marco negro na história da comunidade surda que ainda estava tentando se organizar, mas o que se pode esperar de um congresso para resolver questões, que para aqueles que ali estavam, eram estranhas a sua realidade?! Uma década mais tarde, acreditou-se que a LS havia desaparecido com o domínio do oralismo em toda Europa, justificado também por filosofias políticas de unificação e nacionalismo. Segundo Bernard Mottez (1975), o Congresso de Milão transformou a fala de uma forma de comunicação para a finalidade da educação. Poderia acrescentar que esta finalidade da educação tem como objetivo a sujeição de uma classe minoritária que tem que se dobrar à maioria e a seus desejos de equalização a qualquer custo, inclusive da própria singularidade do surdo. Após o CM a surdez passou a ser vista como uma patologia a ser curada ou amenizada através do método oral, como já afirmava Bell, além da descaracterização do surdo como diferente para anormal. O que havia se iniciado 150 anos antes, uma educação pública baseada em Sinais e que permitia o desenvolvimento dos surdos como sujeitos plenos no seu direito de aprender e se desenvolver, foi destruído e o que se colocou no lugar não permitia este desenvolvimento e também destruía a construção de um identidade própria do surdo, diferente, mas capacitado a se ver como sujeito inteiro e capaz de posicionar numa sociedade marcada pelo preconceito.

Os Surdos instruídos levantaram sua vozes contra o oralismo. No ³1° Congresso Internacional dos Surdos´, realizado em 1889 em Paris, foi proclamado que o método de Abbé de L¶Epée seria infalível, pois, sem excluir o uso da fala, reconhecia a língua manual como o instrumento mais apropriado para desenvolver o intelecto do Surdo. (MOURA, p.50)

Em 1893, 1896 e 1900 aconteceram respectivamente o 2°, 3° e 4° Congresso Internacional do Surdo, onde eles lutavam para a implantação do bilingüismo, já que o uso de Sinais estava proibido nas instituições de ensino. As Línguas de Sinais Os estudos sobre as LS tiveram início na década de sessenta com Stokoe (1919-2000) que ao descrever a American Sing Language (Língua Americana de Sinais ± ASL), demonstrou que ela é uma língua completa, com estrutura gramatical própria e independente da língua oral. Este seu trabalho influenciou e estimulou a realização de outras pesquisas sobre as LS existentes, estudos estes realizados em diversos países e a luz de diversos

paradigmas teóricos. Estes comprovaram que as LS possuem os mesmo princípios gerais de organização encontrados nas línguas orais, as mesmas propriedades e princípios universais das línguas faladas, diferindo destas apenas na utilização viso espacial para o desenvolvimento de todos os níveis lingüísticos: fonologia, morfologia e sintaxe. Estes estudos demonstraram também que as LS podem ser consideradas línguas naturais, do ponto de vista biológico, por apresentarem representação cortical similar às lí guas orais. Desta n forma, a partir da aquisição da LS como primeira língua, está garantido, pelo menos potencialmente, o desenvolvimento dos indivíduos surdos nos aspectos: lingüístico, cognitivo e social. É incentivada a convivência dos pais na comunidade dos surdos, pois será neste espaço, no convívio com os surdos adultos, que os pais poderão vislumbrar o desenvolvimento de seus filhos e aprender a LS. A criança por sua vez, poderá adquirir uma língua sem dificuldades, língua esta utilizada e aceita socialmente e por seus pais. A própria convivência da criança com adultos iguais a ela fará com que ela possa ter modelos positivos para fazer as identificações necessárias à sua constituição, podendo, portanto, construir sua identidade, construindo-se como sujeito em sua diferença. O Oralismo A abordagem oralista tem como pressuposto que as crianças com perda auditiva devem desenvolver a língua oral como forma comunicativa primeira. O método oral baseia-se em uma série de fundamentos para que o sujeito possa desenvolver a fala e a audição. Desta forma, o aprendizado da língua escrita está inteiramente baseado na oralidade. Fundamenta-se nestes tópicos:  Diagnóstico precoce.  Avaliação precisa do grau e tipo da perda auditiva.  Adaptação do aparelho de amplificação sonoro individual adequado o mais breve possível.  Imediata reeducação ao som e à fala.  Colaboração máxima dos pais no processo de reabilitação.  Convívio com sujeitos ouvintes.  Inserção em escola normal, garantindo a compreensão e colaboração dos professo res. O oralismo tem diversas formas de trabalho, que variam de acordo com os diferentes grupos que empregam. Por exemplo, na Itália, na reabilitação fonoaudiológica, a leitura e a escrita são apresentadas desde cedo. O terapeuta relaciona, gradativamente, cores a vogais,

ditongos e consoantes que a criança já consegue falar. Há então, uma associação do som à imagem, que se estende a frases simples. A escrita é considerada como parte fundamental do método oral e segue um processo semelhante ao treinamento da fala e da leitura orofacial, onde se começa ensinando as vogais, depois os ditongos, as consoantes mais fáceis de serem percebidas visualmente e as categorias gramaticais, sempre em associação a cores. É um método de grande apelo para a maior parte dos pais de crianças surdas, que são ouvintes, pois, segundo eles, a criança que fala, mesmo que seja com esforço e com dificuldade, representa a normalidade, enquanto aquela que fala e/ou sinaliza, acaba por ressaltar sua diversidade. Os oralistas concebem a surdez como uma patologia que deve ser curada, ou seja, tudo deve ser feito para que as crianças alcancem a normalidade e se integrem à comunidade ouvinte. Neste método, a criança surda só será encaminhada a escola especial ou a classe especial se o seu desenvolvimento não for o esperado na escola comum ou se a primeira opção se mostrar difícil de ser efetivada, como quando não há escolas que aceitem crianças com perda auditiva ou não haja escolas adequadas na região em que a pessoa resida. Bimodalismo É uma prática que se utiliza de Sinais retirados da LS e da língua oral simultaneamente. A estrutura de língua apresentada às crianças é a da língua ora Não é l. utilizada a LS. Nesta abordagem acredita-se na necessidade de uso de aparelhos de amplificação sonora individual para aproveitamento dos restos auditivos, desenvolvimento da leitura orofacial, juntamente ao uso da fala, dos Sinais e do alfabeto digital. Assim considerase importante o desenvolvimento da oralidade pelas crianças, embora a ênfase dada a este processo seja diferente da utilizada no oralismo, na medida em que se utiliza e se aceita o uso dos Sinais e do alfabeto digital, respeitando-se as dificuldades de algumas crianças no desenvolvimento da língua oral. Poderão, segundo as concepções de surdo e prioridades impostas pelos profissionais envolvidos com a educação destas crianças, optar por cursar escolas comuns, classes especiais ou escolas especiais. Há criticas aos sistemas combinados, outra forma de chamar o Bimodalismo. A principal delas trata da questão da apresentação simultânea da língua oral acompanhada de Sinais. Como a língua oral e a LS têm características totalmente diferentes uma da outra, a

segunda acaba sendo ³recortada´ e ³montada´ na ordem do português falado, sendo, desta forma, descaracterizada e desrespeitada. Tal critica é justa, pois pode gerar confusão para algumas das crianças surdas expostas a esta modalidade de comunicação que, ao se comunicarem com surdos adolescentes e adultos, podem fazer uso de uma modalidade de língua que não é nem a LS, nem a língua oral sinalizada, não sabendo onde uma começa e a outra acaba. Tal confusão pode aparecer quando não há clareza, para os profissionais que lidam com as crianças, dos processos distintos utilizados por cada língua e a importância de uma língua íntegra para o desenvolvimento das crianças e, portanto, estas diferenças também não podem ser explicitadas a elas ou a seus pais. A maior crítica a ser levantada diz respeito à concepção de surdo e surdez que possa estar subjacente a uma proposta que use o Bimodalismo como metodologia. Se a proposta de uma instituição, clínica, escola ou profissional for a de utilizar os Sinais apenas como apoio à oralidade, desprestigiando as formas usadas pela criança ou suas possibilidades e aquisições, privilegiando a língua ora, novamente encontramos um ambiente que coloca o surdo numa posição de inferioridade e inadequação frente ao que é esperado, que é torná-lo igual aos ouvintes. A não utilização de formas de trabalho que levem em conta as características da criança e sua forma de comunicação acaba por colocá-la em um lugar de fracasso por seu desempenho ruim na oralidade. Esta situação deve ser criticada, pois o objetivo deve ser o desenvolvimento global da criança que, quando bem realizado, leva à possibilidade de construção de uma identidade preservada. Bilingüismo Pressupõe que os surdos desenvolvam competência em duas línguas: a LS e a língua utilizada pela comunidade majoritária ouvinte. Desta forma, não pode ser considerada como uma abordagem ou método terapêutico/educacional. É fundamentalmente uma ³postura´ que concebe os indivíduos surdos enquanto indivíduos diferentes (porque não ouvem), com as mesmas capacidades e potencialidades que qualquer indivíduo ouvinte, pertencentes a uma comunidade minoritária e usuários da LS. A diferença destes indivíduos é lingüística, ou seja, em sua forma primeira de comunicação. Será com base na LS (primeira língua) que o aprendizado da segunda ocorrerá tanto na modalidade escrita como na modalidade oral, para aqueles que têm possibilidade de fazêlo. Para garantir este desenvolvimento, torna-se de fundamental importância, um trabalho de aconselhamento aos pais e a convivência na comunidade de surdos. Este trabalho de

orientação aos pais é realizado desde o momento em que haja o diagnóstico da surdez. Isto porque não se pode esquecer que a grande maioria das crianças são filhas de pais ouvintes, que desconhecem as implicações que a surdez acarreta aos indivíduos e às suas famílias. Não é incomum que, devido a este desconhecimento, a família tenha uma imagem negativa do seu filho, como um indivíduo incapaz, que terá grandes dificuldades para se desenvolver, ou seja, é construída uma pré-concepção da criança surda como aquela que tenderá ao fracasso escolar, acadêmico, profissional e social. Cabe aos profissionais explicar e aconselhar os pais quanto ao uso da LS, mostrando que, somente através de seu uso, as necessidades e particularidades de sua criança estarão sendo satisfeitas e, conseqüentemente, garantindo seu desenvolvimento. Tal postura propiciará aos pais o desenvolvimento de uma imagem positiva de sua criança, representando-a internamente como uma criança capaz e completa. O modelo Bilíngüe de educação carrega em si uma postura de respeito humano aos indivíduos com surdez, demonstra que a diferença destes indivíduos pode ser aceita, não sendo necessário, desta forma, ³normalizá-los´. Sendo assim, a única escolha educacional coerente dentro desta postura é a da escola especial. Esta escola contará em seu corpo docente com indivíduos surdos e ouvintes, sendo que todos eles deverão ser fluentes em LS e será com base nesta língua que os conteúdos pedagógicos serão apresentados às crianças, assim como ocorrerá o desenvolvimento da leitura e escrita. A língua escrita é apresentada desde cedo às crianças em sua forma narrativa, através de contos e de histórias infantis que terão seu conteúdo e significados apresentados e discutidos em LS, para posterior apresentação em sua forma escrita. Como ocorre na educação da criança ouvinte, o tempo individual das crianças quanto à maturidade para o desenvolvimento nesta nova língua é respeitado pois, para que possam dominar e desenvolver seus conhecimentos, deverão aprender as diferenças estruturais entre a Língua de Sinais e a escrita. Sánchez (1991) ao propor os fundamentos de uma proposta educativa Bilíngüe para os indivíduos surdos na Venezuela descreve que esta deve contemplar os seguintes objetivos:   Criar condições que garantam o desenvolvimento normal de linguagem às crianças surdas e que facilitem seu ótimo desenvolvimento cognitivo, afetivo-emocional e social. Criar as condições que permitam nas escolas de surdos a aquisição eficaz de conhecimentos gerais e o aproveitamento máximo do ensino curricular em todos os seus níveis, mediante a utilização da LS Venezuelana. 

   

Facilitar o processo de aquisição da língua escrita por parte das crianças com adultos surdos e sua utilização coletiva em sua comunidade. Promover a comunidade de surdos em seus aspectos educativos, culturais, laboratoriais, socioeconômico e organizacionais, e projetar sua imagem numa macroestrutura ouvinte. Propiciar a participação direta e afetiva da comunidade de surdos no sistema educativo especial. Incrementar os intercâmbios, o conhecimento mútuo e a cooperação entre surdos e ouvintes em todos os âmbitos da vida da sociedade. Facilitar o aprendizado da língua oral como segunda língua. O respeito quanto a diferença das crianças surdas propiciado por este modelo, faz com que elas se desenvolvam como capazes. São respeitadas as particularidades de cada uma no decorrer do processo e incentivado seu desenvolvimento. Assim sendo, a criança não se constitui, em nenhum momento, como aquela que tem uma dificuldade, que tende ao fracasso, pelo contrário: ela se constitui como um sujeito completo na semelhança com seus iguais. Um Caso A Exemplificar Um caso interessante a ser pontuado é o da família Green. Francis Green, pai do aluno Charles Green, lutou pela implantação de uma escola pública para surdos nos Estados Unidos, motivado pelo sucesso oral notável obtido por seu filho na escola de Braidwood. Ele publicou seu livro em 1783 intitulado A Voz Governada Pelos Olhos, onde defendia a necessidade de instalar uma escola pública para surdos na Inglaterra, mas sua causa não teve o apoio de Braidwood, pois não era interessante para este difundir suas técnicas e perder sua fonte de renda. Foi então que Green, de volta aos Estados Unidos, percebeu que após o grande desenvolvimento da fala de seu filho, agora ela havia regredido notavelmente. Assim é que ele abandona sua defesa ao oralismo e conclui que a melhor forma de ensinar o surdo seria através da Língua de Sinais. Green visita Abbé Sicard, traduz a última publicação de L¶Epée e começa a fazer críticas abertamente a Braidwood e seu método oral.

CONCLUSÃO Minhas conclusões com este projeto de pesquisa confirmam minha idéia inicial de que nossa sociedade está coberta de preconceitos com aqueles que apresentam ou deixam demonstrar suas diferenças. Ainda há uma intolerância, mesmo que menor do que a décadas e séculos atrás, em conviver com as diferenças raciais, culturais, seja qual for dos indivíduos que compõem nossa sociedade. Foi essa intolerância que causou em alguns países, como a Alemanha, uma busca político-social em reafirmar sua pureza nacionalista, fazendo com que o uso de outra ou língua não fosse tolerando em seu território, o que ocasionou no banimento da Língua de Sinais; por isso o modelo oralista é também reconhecido como modelo alemão. Além do preconceito vigente, percebi também que há uma falta de esclarecimento da família com a surdez, onde alguns mitos como o de que os surdos são pessoas com déficit de aprendizagem, são tidos como reais. Quando essa tal família busca por mais informações sobre o assunto, ela percebe que alguns médicos priorizam ou privilegiam o modelo oralista para tal criança; outros médicos e/ou pedagogos explicam a importância e necessidade da LS para a família, em especial para a criança surda. Em meio a tantas informações divergentes, não é de se estranhar que a família fique confusa. Minha síntese do assunto é que a LS têm que ser reconhecida socialmente como uma língua oficial da comunidade surda, não como gestos ou mímicas, mas a língua com a qual essa comunidade se utiliza para fazer parte do mundo e poder entender como funcionam as coisas ao seu redor. Não há um modelo melhor ou pior, um modelo único a ser imposto e seguido, seja ele oral ou sinalizado, mas aquele com a qual o sujeito melhor domina e lhe satisfaz em sua vivência com os outros.

REFERÊNCIAS

MOURA, Maria Cecilia de. O Surdo: caminhos para uma Nova Identidade. Rio de Janeiro, RJ: Revinter, 2000. QUADROS, Ronice Müller de; PERLIN, Gladis. Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007. QUADROS, Ronice Müller de. Educação de surdos: aquisição da linguagem. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1997. THOMA, Adriana da Silva; LOPES, Maura Corcini. A invenção da surdez: cultura, alteridade, identidade e diferença no campo da educação. 1° reimpressão. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2004.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->