Você está na página 1de 5

COLÉGIO CENECISTA ELIAS MOREIRA

Prof. Alencar – Literatura

Período Literário (ou Época Literária) é o segmento determinado de uma época em que predominou um estilo na
literatura. Didaticamente, a divisão da literatura brasileira em períodos seria representada assim:
PERÍODO ÉPOCA CARACTERÍSTICAS
Lit. Informativa Séc. XVI Visão documental e paradisíaca da nova terra
Barroco Séc. XVII · Expressão ideológica da Contra-Reforma
· Conflito entre corpo e alma
· Temática do desengano
· Linguagem conflituosa e ornamentada
Arcadismo Séc. XVIII · Ligação com o Iluminismo
· Celebração do racionalismo
· Razão = verdade = simplicidade
· Imitação dos clássicos
· Imitação da natureza (campestre)
· Canto da vida pastoril
Romantismo Primeira metade do séc. XIX · Individualismo e subjetivismo
(prosa e poesia) · Sentimentalismo
· Culto da natureza
· Imaginação e fantasia
· Liberdade de expressão
· Valorização do passado
Realismo Segunda metade do século XIX · Objetividade
(prosa) · Verossimilhança
· Racionalismo (análise psicológica e social)
· Predomínio do urbano
· Busca da perfeição formal
Naturalismo Segunda metade do século XIX Todas as características do Realismo mais:
(prosa) · Cientificismo (adoção de "leis científicas" que determinam os
personagens)
Parnasianismo Duas últimas décadas do · Objetividade e impassibilidade
(poesia) século XIX · Teoria da Arte pela Arte (Verdade = Beleza = Forma)
· Perfeição formal: métrica e rima
· Temática (descrição de objetos e Antigüidade greco-romana)
Simbolismo Última década do século XIX · Subjetivismo
(poesia) · Nova linguagem poética (sugestão, musicalidade, vaguidade)
· Utilização de símbolos e metáforas
· Culto do mistério
· Religiosidade mística
Pré-Modernismo Duas primeiras décadas do · Mescla de estilos e temas
(prosa e poesia) século XX · Preocupação social
Modernismo 1922 - ? · Liberdade absoluta de expressão
(prosa e poesia) · Valorização do cotidiano
· Linguagem coloquial
· Paródia e verso livre
· Ausência de fronteira entre os gêneros
· Nacionalismo crítico e irônico

É bom citar que, a prova do ENEM, no que diz respeito à Literatura Brasileira, costuma enfatizar questões que
tratam do Romantismo até os dias atuais (Literatura Contemporânea).

Atividades

Romantismo

01) O trecho a seguir é parte do poema “Mocidade e morte”, do poeta romântico Castro Alves:

Oh! eu quero viver, beber perfumes


Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh'alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n'amplidão dos mares.
No seio da mulher há tanto aroma...
Nos seus beijos de fogo há tanta vida...
–– Árabe errante, vou dormir à tarde
À sombra fresca da palmeira erguida.
Mas uma voz responde-me sombria:
Terás o sono sob a lájea fria.
(ALVES, Castro. Os melhores poemas de Castro Alves. Seleção de Lêdo Ivo. São Paulo: Global, 1983.)

Esse poema, como o próprio título sugere, aborda o inconformismo do poeta com a antevisão da morte prematura,
ainda na juventude. A imagem da morte aparece na palavra:

a) embalsama.
b) infinito.
c) amplidão.
d) dormir.
e) sono.

Romantismo – Realismo

02) No trecho abaixo, o narrador, ao descrever a personagem, critica sutilmente um outro estilo de época: o
Romantismo.

“Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e,
com certeza, a mais voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo,
porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas
também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da
natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da
criação.”
(ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Jackson,1957.)

A frase do texto em que se percebe a crítica do narrador ao Romantismo está transcrita na alternativa:

a) ... o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas ...


b) ... era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça ...
c) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, ...
d) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos ...
e) ... o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.

Realismo (Machado de Assis)

03) O texto abaixo foi extraído de uma crônica de Machado de Assis e refere-se ao trabalho de um escravo.

“Um dia começou a guerra do Paraguai e durou cinco anos, João repicava e dobrava, dobrava e repicava pelos
mortos e pelas vitórias. Quando se decretou o ventre livre dos escravos, João é que repicou. Quando se fez a
abolição completa, quem repicou foi João. Um dia proclamou-se a República. João repicou por ela, repicaria pelo
Império, se o Império retornasse.”
(MACHADO, Assis de. Crônica sobre a morte do escravo João , 1897)

A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João:

a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas, quando ocorriam fatos ligados à Abolição.
b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do Império, visto que era escravo.
c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos abolicionistas que vieram libertá-lo.
d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes porque era costume fazê-lo.
e) tocou os sinos pelo retorno do Império, comemorando a volta da Princesa Isabel.

Realismo (Naturalismo)

Texto para questão 04.

Viam-se de cima as casas acavaladas umas pelas outras, formando ruas, contornando praças. As
chaminés principiavam a fumar; deslizavam as carrocinhas multicores dos padeiros; as vacas de leite caminhavam
com o seu passo vagaroso, parando à porta dos fregueses, tilintando o chocalho; os quiosques vendiam café a
homens de jaqueta e chapéu desabado; cruzavam- se na rua os libertinos retardios com os operários que se
levantavam para a obrigação; ouvia-se o ruído estalado dos carros de água, o rodar monótono dos bondes.
(AZEVEDO, Aluísio de. Casa de Pensão. São Paulo: Martins, 1973)

04) O trecho, retirado de romance escrito em 1884, descreve o cotidiano de uma cidade, no seguinte contexto:

a) a convivência entre elementos de uma economia agrária e os de uma economia industrial indicam o início da
industrialização no Brasil, no século XIX.
b) desde o século XVIII, a principal atividade da economia brasileira era industrial, como se observa no cotidiano
descrito.
c) apesar de a industrialização ter-se iniciado no século XIX, ela continuou a ser uma atividade pouco desenvolvida
no Brasil.
d) apesar da industrialização, muitos operários levantavam cedo, porque iam diariamente para o campo desenvolver
atividades rurais.
e) a vida urbana, caracterizada pelo cotidiano apresentado no texto, ignora a industrialização existente na época.

Modernismo – 1ª Fase (Manuel Bandeira)

Texto para questão 05.

Poética

Estou farto do lirismo comedido


Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e
[manifestações de apreço ao Sr. diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o
[cunho vernáculo de um vocábulo
Abaixo os puristas
............................................................................................
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare
— Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.
(BANDEIRA, Manuel. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro. Aguilar, 1974)

05) Com base na leitura do poema, podemos afirmar corretamente que o poeta:

a) critica o lirismo louco do movimento modernista.


b) critica todo e qualquer lirismo na literatura.
c) propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico.
d) propõe o retorno ao lirismo do movimento romântico.
e) propõe a criação de um novo lirismo.

Modernismo – 2ª Fase – Poesia (Vinícius de Moares)

06) Oxímoro (ou paradoxo) é uma construção textual que agrupa significados que se excluem mutuamente. Nas
alternativas abaixo, estão transcritos versos retirados do poema “O operário em construção”. Pode-se afirmar que
ocorre um oxímoro em:

a) "Era ele que erguia casas


Onde antes só havia chão."

b) "... a casa que ele fazia


Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão."

c) "Naquela casa vazia


Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava."

d) "... o operário faz a coisa


E a coisa faz o operário."
e) "Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão."

(MORAES, Vinícius de. Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.)

Modernismo – 2ª Fase – Poesia (Carlos Drummond de Andrade)

A questão 07 refere-se ao poema.

A dança e a alma

A DANÇA? Não é movimento,


súbito gesto musical.
É concentração, num momento,
da humana graça natural.
No solo não, no éter pairamos,
nele amaríamos ficar.
A dança – não vento nos ramos:
seiva, força, perene estar.
Um estar entre céu e chão,
novo domínio conquistado,
onde busque nossa paixão
libertar-se por todo lado...
Onde a alma possa descrever
suas mais divinas parábolas
sem fugir à forma do ser,
por sobre o mistério das fábulas.
(Carlos Drummond de Andrade. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964. p. 366.)

07) A definição de dança, em linguagem de dicionário, que mais se aproxima do que está expresso no poema é:

a) a mais antiga das artes, servindo como elemento de comunicação e afirmação do homem em todos os momentos
de sua existência.
b) a forma de expressão corporal que ultrapassa os limites físicos, possibilitando ao homem a liberação de seu
espírito.
c) a manifestação do ser humano, formada por uma seqüência de gestos, passos e movimentos desconcertados.
d) o conjunto organizado de movimentos do corpo, com ritmo determinado por instrumentos musicais, ruídos,
cantos, emoções etc.
e) o movimento diretamente ligado ao psiquismo do indivíduo e, por conseqüência, ao seu desenvolvimento
intelectual e à sua cultura.

Modernismo – 3ª Fase (Geração de 45)

08) Leia o que disse João Cabral de Melo Neto, poeta pernambucano, sobre a função de seus textos:

“Falo somente com o que falo: a linguagem enxuta, contato denso; falo somente do que falo: a vida seca,
áspera e clara do sertão; falo somente por quem falo: o homem sertanejo sobrevivendo na adversidade e na
míngua. Falo somente para quem falo: para os que precisam ser alertados para a situação da miséria no
Nordeste.”

Para João Cabral de Melo Neto, no texto literário,

a) a linguagem do texto deve refletir o tema, e a fala do autor deve denunciar o fato social para determinados
leitores.
b) a linguagem do texto não deve ter relação com o tema, e o autor deve ser imparcial para que seu texto seja lido.
c) o escritor deve saber separar a linguagem do tema e a perspectiva pessoal da perspectiva do leitor.
d) a linguagem pode ser separada do tema, e o escritor deve ser o delator do fato social para todos os leitores.
e) linguagem está além do tema, e o fato social deve ser a proposta do escritor para convencer o leitor.

Literatura Contemporânea (Ferreira Gullar)


09) Ferreira Gullar, um dos grandes poetas brasileiros da atualidade, é autor de “Bicho urbano”, poema sobre a sua
relação com as pequenas e grandes cidades.

Bicho urbano
Se disser que prefiro morar em Pirapemas
ou em outra qualquer pequena cidade do país
estou mentindo
ainda que lá se possa de manhã
lavar o rosto no orvalho
e o pão preserve aquele branco
sabor de alvorada.
.....................................................................
A natureza me assusta.
Com seus matos sombrios suas águas
suas aves que são como aparições
me assusta quase tanto quanto
esse abismo
de gases e de estrelas
aberto sob minha cabeça.
(GULLAR, Ferreira. Toda poesia. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1991)

Embora não opte por viver numa pequena cidade, o poeta reconhece elementos de valor no cotidiano das pequenas
comunidades. Para expressar a relação do homem com alguns desses elementos, ele recorre à sinestesia,
construção de linguagem em que se mesclam impressões sensoriais diversas. Assinale a opção em que se observa
esse recurso.

a) "e o pão preserve aquele branco / sabor de alvorada."


b) "ainda que lá se possa de manhã / lavar o rosto no orvalho"
c) "A natureza me assusta. / Com seus matos sombrios suas águas"
d) "suas aves que são como aparições / me assusta quase tanto quanto"
e) "me assusta quase tanto quanto / esse abismo / de gases e de estrelas"

Drummond – Chico Buarque – Adélia Prado

10) Quem não passou pela experiência de estar lendo um texto e defrontar-se com passagens já lidas em outros?
Os textos conversam entre si em um diálogo constante. Esse fenômeno tem a denominação de intertextualidade.
Leia os seguintes textos:

I. Quando nasci, um anjo torto


Desses que vivem na sombra
Disse: Vai Carlos! Ser “gauche” na vida
(ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma poesia. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964)

II. Quando nasci veio um anjo safado


O chato dum querubim
E decretou que eu tava predestinado
A ser errado assim
Já de saída a minha estrada entortou
Mas vou até o fim.
(BUARQUE, Chico. Letra e Música. São Paulo: Cia das Letras, 1989)

III. Quando nasci um anjo esbelto


Desses que tocam trombeta, anunciou:
Vai carregar bandeira.
Carga muito pesada pra mulher
Esta espécie ainda envergonhada.
(PRADO, Adélia. Bagagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986)

Adélia Prado e Chico Buarque estabelecem intertextualidade, em relação a Carlos Drummond de Andrade, por:

a) reiteração de imagens.
b) oposição de idéias.
c) falta de criatividade.
d) negação dos versos.
e) ausência de recursos.