Você está na página 1de 87

capa tech 128.

qxd 6/11/2007 08:29 Page 1

a revista do engenheiro civil


téchne 128 novembro 2007


www.revistatechne.com.br

apoio
IPT techne
Edição 128 ano 14 novembro de 2007 R$ 23,00
Estádio Nacional de Pequim ■ Centro Nacional de Natação ■ Feira de Cantão ■Vila Olímpica de Pequim ■ Missão de construtores ■ Materiais chineses

Centro Nacional
de Natação
(Water Cube), Pequim

China
Sede das Olimpíadas de 2008, país investe em
grandes obras e exporta cada vez mais insumos
00128

■ Exclusivo: acompanhamos a missão de construtores do SindusCon-SP


■ Victório Duque: a experiência da Mendes Júnior na China
9 77 0 1 04 1 0 50 0 0

■ Técnica e Ambiente: Vila Olímpica de Pequim


ISSN 0104-1053

■ Centro Nacional de Natação (Water Cube)


■ Estádio Nacional de Pequim (Bird's Nest)
■ Feira de Cantão
outras capas128.qxd 6/11/2007 08:27 Page 2
outras capas128.qxd 6/11/2007 08:28 Page 4
outras capas128.qxd 6/11/2007 08:28 Page 5
outras capas128.qxd 6/11/2007 08:27 Page 3
sumario.qxd 6/11/2007 08:31 Page 2

SUMÁRIO
MISSÃO TÉCNICA
36 Made in China
Empresários brasileiros visitam obras
para avaliar aplicação de produtos
chineses

Qualidade em xeque
Indústria chinesa tenta mostrar
excelência em meio a crise
de credibilidade

64 DESENVOLVIMENTO
PROFISSIONAL
Know-how compartilhado
PINI reúne profissionais para
Gustavo Mendes

debater alternativas
tecnológicas aplicadas em
obras e o boom imobiliário

77 COMO CONSTRUIR
44 CENTRO NACIONAL Sistema de aproveitamento de água
DE NATAÇÃO para edifícios
Cenário aquático Engenheiro da Acquabrasilis mostra
As obras do Centro Nacional de Natação passo a passo como projetar
de Pequim, uma das obras mais e instalar sistema para
exuberantes das próximas olimpíadas aproveitamento de água de chuva

48 ESTÁDIO NACIONAL
DE PEQUIM SEÇÕES
Ninho de aço Editorial 4
Acervo pessoal

24 Conheça o Estádio Olímpico de Pequim

52 CHAPAS CIMENTÍCIAS
Web
Área Construída
Índices
8
10
14
ENTREVISTA Parede ou vedação IPT Responde 16
Mercado vermelho Painéis cimentícios reforçados com fibras Carreira 18
Diretor de Engenharia da Mendes para fechamentos e acabamentos: Melhores Práticas 20
Júnior fala da experiência da como especificar e aplicar Técnica e Ambiente 28
construtora na China P&T 66
58 ARTIGO Obra Aberta 72
30 PRÊMIO Fundações e contenções com perfis Agenda 74
Talentos do cálculo metálicos
Confira os projetos vencedores Projetista Ivan Joppert Jr. analisa Capa
da 5a edição do Prêmio Talentos desempenho dos perfis I em Layout: Lucia Lopes
da Engenharia Estrutural contenções e fundações Foto: CSPANewSportCorbisLatinStock

2 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007

É parte integrante desta revista uma amostra da manta tipo III da Denver
sumario.qxd 6/11/2007 08:31 Page 3
editorial.qxd 6/11/2007 08:33 Page 4

EDITORIAL
Do lado de lá da muralha
VEJA EM AU
om crescimento anual próximo a dois dígitos, a China
C conquista mercados na contramão dos tratados comerciais e
consome vorazmente matérias-primas. Avança com apetite
mundo afora, mas não simpatiza tanto com a livre iniciativa em
seu próprio território. Adepta de um modelo de capitalismo
peculiar, calcado na mão pesada do PC chinês, o país é a metáfora
comercial de sua maior obra: poucos passam, e mesmo assim, com
grande dificuldade. No início da década de 1990, a Grande  Estação Alto do Ipiranga
do Metrô
Muralha deu passagem a empresas brasileiras de serviços de  Agência Federal para o
Meio Ambiente, Alemanha
engenharia, como a Mendes Júnior, que lá esteve entre 1994 e 2001
 Prévia da 7a BIA
para construir a usina hidrelétrica TSQ-1. Victório Duque
Semionato, diretor de engenharia da Mendes Júnior, lembra em VEJA EM CONSTRUÇÃO
entrevista como tudo era precário no país. Acredita que os chineses MERCADO
devem se orgulhar da usina de Três Gargantas, em breve, a maior
hidrelétrica do mundo – além de uma das mais polêmicas e de
maior impacto ambiental. O editor-assistente de Téchne, Gustavo
Mendes, acompanhou com exclusividade uma missão de
construtores brasileiros do SindusCon-SP ao país asiático e visitou
obras residenciais de boa qualidade, conheceu cartões postais das
Olimpíadas de Pequim, como o Estádio Nacional de Pequim
(Bird's Nest) e o Centro Nacional de Natação (Water Cube).
 Corrupção
Também conferiu de perto um bom número de materiais e  Fraudes
 Superfaturamento
tecnologias voltadas para o setor da construção na Feira de Cantão.
 Lei 8.666
Aprecie-se ou não, o número de itens e o volume de insumos
importados da China devem registrar crescimento, principalmente
se o risco de desabastecimento se agravar com o atual boom
imobiliário. Resta saber se esses produtos vão atender às nossas
exigências de qualidade. Construtores, incorporadores, projetistas,
contratantes, entidades setoriais, importadores e laboratórios
devem ficar atentos nesse sentido.

4 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


editorial.qxd 6/11/2007 08:33 Page 5
expediente.qxd 6/11/2007 10:39 Page 6

´
techne
Vendas de assinaturas, manuais técnicos,
TCPO e atendimento ao assinante Fundadores: Roberto L. Pini (1927-1966), Fausto Pini (1894-1967) e Sérgio Pini (1928-2003)
Segunda a sexta das 9h às 18h
Diretor Geral
Ademir Pautasso Nunes
4001-6400
principais cidades*

0800 596 6400 ´


techne
demais municípios Diretor de Redação
Eric Cozza eric@pini.com.br
fax (11) 2173-2446
Editor: Paulo Kiss paulokiss@pini.com.br
vendas web www.LojaPINI.com.br Editor-assistente: Gustavo Mendes Repórter: Bruno Loturco; Renato Faria (produtor editorial)
Revisora: Mariza Passos Coordenadora de arte: Lucia Lopes
Diagramadores: Leticia Mantovani e Maurício Luiz Aires;
Atendimento web:
Renato Billa (trainee) Ilustrador: Sergio Colotto
www.piniweb.com/fale conosco
Produtora editorial: Juliana Costa Fotógrafo: Marcelo Scandaroli
*Custo de ligação local nas principais cidades. Conselho Administrativo: Caio Fábio A. Motta (in memoriam), Cláudio Mitidieri, Ercio Thomaz,
ver lista em www.piniweb.com/4001 Paulo Kiss, Eric Cozza e Luiz Carlos F. Oliveira Conselho Editorial: Carlos Alberto Tauil, Emílio R. E.
Kallas, Fernando H. Aidar, Francisco A. de Vasconcellos Netto, Francisco Paulo Graziano, Günter Leitner,
+Info? José Carlos de Figueiredo Ferraz (in memoriam), José Maria de Camargo Barros, Maurício Linn Bianchi,
email: suporte.portal@pini.com.br Osmar Mammini, Ubiraci Espinelli Lemes de Souza e Vera Conceição F. Hachich

Publicidade ENGENHARIA E CUSTOS: Bernardo Corrêa Neto


fone (11) 2173-2304 Preços e Fornecedores: Juliana Cristina Teixeira
fax (11) 2173-2362 Auditoria de Preços: Sidnei Falopa e Ariell Alves Santos
Especificações técnicas: Erica Costa Pereira e Ana Carolina Ferreira
e-mail: publicidade@pini.com.br Índices e Custos: Andréia Cristina da Silva Barros
Composições de Custos: Mônica de Oliveira Ferreira
Tráfego (anúncios) SERVIÇOS DE ENGENHARIA: Celso Ragazzi, Luiz Freire de Carvalho e Mário Sérgio Pini
fone (11) 2173-2361 PUBLICIDADE: Luiz Carlos F. de Oliveira, Adriano Andrade e Jane Elias
e-mail: trafego@pini.com.br Executivos de contas: Alexandre Ambros, Eduardo Yamashita,
Bárbara Salomoni Monteiro e Ricardo Coelho
MARKETING: Ricardo Massaro EVENTOS: Vitor Rodrigues VENDAS: José Carlos Perez
Engenharia e Custos RELAÇÕES INSTITUCIONAIS: Mário S. Pini
fone (11) 2173-2373 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Durval Bezerra
e-mail: engenharia@pini.com.br CIRCULAÇÃO: José Roberto Pini SISTEMAS: José Pires Alvim Neto e Pedro Paulo Machado
MANUAIS TÉCNICOS E CURSOS: Eric Cozza
Reprints editoriais
Para solicitar reimpressões de reportagens ENDEREÇO E TELEFONES
ou artigos publicados: Rua Anhaia, 964 – CEP 01130-900 – São Paulo-SP – Brasil
PINI Publicidade, Engenharia, Administração e Redação – fone: (11) 2173-2300
fone (11) 2173-2304
PINI Sistemas, suporte e portal Piniweb – fone: (11) 2173-2300 - fax: (11) 2173-2425
e-mail: publicidade@pini.com.br
Visite nosso site: www.piniweb.com

Representantes da Publicidade:
PINIrevistas Paraná/Santa Catarina (48) 3241-1826/9111-5512
Redação
fone (11) 2173-2303 Minas Gerais (31) 3411-7333 Rio Grande do Sul (51) 3333-2756
fax (11) 2173-2327 Rio de Janeiro (21) 2247-0407/9656-8856 Brasília (61) 3447-4400
e-mail: construcao@pini.com.br
Representantes de Livros e Assinaturas:
Alagoas (82) 3338-2290 Amazonas (92) 3646-3113 Bahia (71) 3341-2610 Ceará (85) 3478-1611
PINImanuais técnicos Espírito Santo (27) 3242-3531 Maranhão (98) 3088-0528
fone (11) 2173-2328 Mato Grosso do Sul (67) 9951-5246 Pará (91) 3246-5522 Paraíba (83) 3223-1105
e-mail: manuais@pini.com.br Pernambuco (81) 3222-5757 Piauí (86) 3223-5336
Rio de Janeiro (21) 2265-7899 Rio Grande do Norte (84) 3613-1222
Rio Grande do Sul (51) 3470-3060 São Paulo Marília (14) 3417-3099
PINIsistemas São José dos Campos (12) 3929-7739 Sorocaba (15) 9718-8337
Suporte
fone (11) 2173-2400 téchne: ISSN 0104-1053
e-mail: suporte@piniweb.com Assinatura anual R$ 276,00 (12 exemplares)
Assinatura bienal R$ 552,00 (24 exemplares)
Vendas
fone (11) 2173-2424 (Grande São Paulo) Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva do autor e não expressam,
0800-707-6055 (demais localidades) necessariamente, as opiniões da revista.
e-mail: vendas@piniweb.com

PINIserviços de engenharia
fone (11) 2173-2369
e-mail: engenharia@pini.com.br PROIBIDA A REPRODUÇÃO E A TRANSCRIÇÃO PARCIAL OU TOTAL TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

6 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


expediente.qxd 6/11/2007 10:39 Page 7
web 118.qxd 6/11/2007 09:12 Page 8

www.revistatechne.com.br
Confira no site da Téchne fotos extras das obras, plantas e informações que complementam conteúdos
publicados nesta edição ou estão relacionados aos temas acompanhados mensalmente pela revista

Fórum Téchne
Por que os projetistas brasileiros
recebem menos do que
deveriam?
Deveria haver mais fiscalização nos
empreendimentos de engenharia,
trabalho em equipe entre engenheiros
e arquitetos com apoio de técnicos de
nível médio e mais respeito e ética
profissional para que possamos almejar
dias melhores, obtendo, como
conseqüência desse trabalho, melhor
valorização profissional.
Edson Fernando de Laranjeiras Pinto
Gustavo Mendes

[15/10/2007 20:25]

Qual é a sua opinião sobre uma


eventual privatização de
Canteiro made in china companhias paulistas como a
CDHU, IPT, CPOS, Dersa, Metrô
Confira mais fotos das obras visitadas pela missão do SindusCon-SP (Sindicado da
e Cesp?
Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) à China. Estão disponíveis fotos
Deve-se atentar para o escopo da
do retrofit de um hotel quatro estrelas, em Pequim; do condomínio-clube Weedier-tera e
privatização. Se agregar valor aos
do Shanghai World Financial Center, ambos em Xangai.
serviços e produtos oferecidos por
essas estatais, é uma saída razoável.
Feira de Cantão Como está é que não pode ficar, sem
verbas e infra-estrutura,
Veja mais fotos da maior feira de negócios da China, a Feira de Cantão, realizada na
sucateamento de equipamentos, etc.
cidade de Guangzhou (Cantão, para o Ocidente) no final de outubro. A feira foi
Ainda estamos à espera do boom da
visitada por pelo menos três missões brasileiras, entre elas a organizada pelo
construção civil e precisamos estar
Comitê de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da
preparados tecnologicamente e
Construção Civil do Estado de São Paulo). Também estiveram presentes grupos
estruturalmente, ou seja,
organizados pela Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina) e
necessitamos de órgãos competentes
CBCDE (Câmara Brasil-China de Desenvolvimento Econômico).
para nos auxiliar na hora certa.
Daniel Nojosa [01/10/2007 11:40]

Obras olímpicas Essas são empresas criadas com o


Confira mais detalhes e fotos das principais cunho social de servir a população,
obras dos jogos olímpicos de Pequim, o como a CDHU, que desenvolve
Centro Nacional de Natação e o Estádio programas sociais. Privatizá-la seria
Olímpico de Pequim. A primeira combina um crime contra as pessoas que dela
estrutura de aço treliçada com vedação em dependem para ter uma moradia. Se
ETFE (etileno tetrafluoretileno). Já o o maior motivo apontado para a
Martin Saunders

Estádio Olímpico é coberto por um privatização é a eficiência, então o


emaranhado de vigas e treliças metálicas estado deve investir nessa eficiência.
contínuas e entrelaçadas. Enodes Soares Ferreira [10/10/2007 10:08]

8 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


web 118.qxd 6/11/2007 09:12 Page 9
area construida.qxd 6/11/2007 09:31 Page 10

ÁREA CONSTRUÍDA
Norma de Desempenho recebe sugestões Sinduscon gaúcho
doa projeto estrutural
O projeto da Norma Brasileira
de Desempenho para Edifícios A Escola Estadual Especial
Habitacionais de até Cinco Pa- Renascença está construindo
vimentos (CE-02:136.01) está um novo prédio em Porto
disponível para consulta no Alegre. O projeto estrutural da
site da ABNT (www.abnt- nova edificação foi doado pelo
net.com.br/consultanacional). Sinduscon gaúcho e permitirá
O documento subdivide-se a licitação para a construção
em seis partes: requisitos ge- dos cerca de 1.200 m² de área.
rais, sistemas estruturais, siste- As obras deverão ser iniciadas
mas de pisos internos, veda- no começo de 2008.
ções verticais internas e exter- O estabelecimento tem 51 anos
nas, sistemas de coberturas e
Fotos: Marcelo Scandaroli

de existência e abriga
sistemas hidrossanitários. A aproximadamente 200 alunos
associação receberá as suges- com necessidades especiais.
tões até o dia 27 de novembro, A escola foi a primeira do
somente pela internet. gênero no País.
area construida.qxd 6/11/2007 09:31 Page 11

CBCS desenvolverá metodologias para avaliação


de edifícios sustentáveis
O recém-criado CBCS (Conselho setor. Segundo o professor Vanderley
Brasileiro de Construção Sustentá- John, diretor-executivo do conselho.
vel) desenvolverá metodologias de Entretanto, o CBCS não pretende de-
Diretor do IPT recebe
gestão, implantação e avaliação de senvolver um selo próprio ou certifi- Ordem de Mérito Científico
empreendimentos de construção car edifícios verdes. A entidade já deu
O diretor presidente do IPT (Instituto
sustentável, que ficarão à disposição início a estudos para a elaboração de
de Pesquisas Tecnológicas do Estado
para uso das entidades que atuam no políticas públicas e setoriais.
de São Paulo), Vahan Agopyan, rece-
beu em outubro, do presidente da Re-
pública, Luiz Inácio Lula da Silva, a
Tintas podem ajudar a economizar energia Ordem Nacional do Mérito Científico.
Segundo estudo realizado na UFSCar professor, com a pesquisa "é possível Trata-se de uma instituição criada em
(Universidade Federal de São Carlos), apontar quais são os materiais mais in- 1993, por decreto presidencial, que se
o material utilizado na composição das dicados para cada situação, tanto em destina a premiar personalidades na-
tintas pode contribuir para a retenção lugares frios, que necessitam de tintas cionais e estrangeiras que se destacam
de calor nos ambientes.A pesquisa, de- que retenham mais calor, como em na área científica e tecnológica. A indi-
nominada "Influência das tintas imo- regiões tropicais, a exemplo de nosso cação dos nomes é feita por institui-
biliárias sobre o desempenho térmico País", comenta Roriz. No Brasil, o uso ções e autoridades ligadas à área de
e energético das edificações", vem de tintas que retêm menos calor sig- ciência e tecnologia. Uma comissão
sendo desenvolvida pela doutoranda nifica uma economia significativa no técnica da Ordem é incumbida de
Kelen Dornelles, sob orientação do uso de ar-condicionado e, conseqüen- apreciar o mérito de cada proposta
professor Mauricio Roriz. Segundo o temente, no consumo de energia. para admissão ou promoção.
area construida.qxd 6/11/2007 09:31 Page 12

ÁREA CONSTRUÍDA

Reconhecimento setorial
Melhores fornecedores da construção civil eleitos pelos assinantes são homenageados em cerimônia do 13o Prêmio PINI

Em noite de festa, e no embalo da reto- primórdios e o Mestrado está sendo guirmos compartilhar esse conheci-
mada do crescimento imobiliário re- uma oportunidade, primeiro para mento com um público maior", con-
gistrado neste ano, a 13a edição do Prê- sistematizar o nosso conhecimento clui o engenheiro Vahan Agopyan,
mio PINI homenageou 45 fornecedo- internamente e, segundo, de conse- diretor presidente do IPT.
res da indústria da construção civil em
24 de outubro, no Centro de Conven- CONFIRA OS FORNECEDORES ELEITOS PELOS ASSINANTES:
ções Frei Caneca, em São Paulo. Categoria Fornecedor
O evento contou com a presença de Alojamento para canteiro de obra Canteiro
líderes setoriais como João Cláudio Aquecedor doméstico de água Soletrol (solar) e Bosch (gás)
Robusti, Arlindo Moura e Gilberto Ar-condicionado central Springer Carrier
Belleza, presidentes do SindusCon-SP Argamassa industrializada colante Quartzolit
(Sindicato da Indústria da Constru- Argamassa industrializada para revestimento Quartzolit
ção Civil do Estado de São Paulo), da Cadeiras para escritório Giroflex
Apeop (Associação Paulista de Em- Caixilho especial de alumínio Alutec
presários de Obras Públicas) e do Caixilho padronizado de alumínio Sasazaki
IAB (Instituto de Arquitetos do Cal hidratada Votoran/Votorantim
Brasil), respectivamente, que foram Chapa de madeira compensada para fôrmas GVA/Madeirit
algumas das personalidades a en- Cimento Portland Votoran/Votorantim
tregar os troféus aos homenageados Concreto dosado em central Engemix
do Prêmio. Disjuntor Siemens
Os melhores fornecedores foram es- Elevador de obra Mecan (cabo de aço)
colhidos pelos assinantes a pagamen- Elevador residencial e comercial Atlas Schindler
to das revistas AU, Téchne, Construção Escoramento metálico SH Fôrmas
Mercado e Equipe de Obra. O número Estrutura metálica Usiminas Mecânica
de respondentes da pesquisa totalizou Estrutura pré-fabricada de concreto Cassol
2.729 assinantes, o equivalente a Fechadura para porta Papaiz
7,44% dos 36.702 leitores. Fios e cabos elétricos Pirelli/Prysmian
Além dos fornecedores, a PINI home- Fôrma metálica SH Fôrmas
nageou o engenheiro Sigmundo Go- Fôrma pré-fabricada de madeira Engeformas
lombek com o prêmio Reconheci- Gabiões Maccaferri
mento Profissional – Engenheiro Impermeabilização com mantas asfálticas Viapol/Torodin
Civil 2007. Golombek, que atua há 40 Impermeabilização rígida Vedacit
anos como engenheiro, inaugurou os Interruptor e tomada Pial Legrand
serviços de consultoria de fundações Lâmpada fluorescente Philips
no País numa época em que as solu- Louças sanitárias Deca
ções técnicas eram decididas pelo Membrana asfáltica (sistema moldado in loco) Vedacit/Vedapren
próprio construtor. Metais sanitários Deca
O evento também conferiu uma ho- Móveis para escritório Giroflex
menagem ao curso de Mestrado em Painéis arquitetônicos de fachada para edifícios Precon
Habitação do IPT (Instituto de Pes- Parede de chapa de gesso Lafarge Gypsum
quisas Tecnológicas do Estado de São Piso de borracha Plurigoma
Paulo) na categoria Iniciativa Seto- Piso laminado Durafloor/Duratex
rial. O mestrado profissional foi re- Piso vinílico Fademac
gulamentado por uma portaria da Porta pronta Sincol
Capes (Coordenação de Aperfeiçoa- Revestimento cerâmico Portobello
mento de Pessoal de Nível Superior) Revestimento de alumínio para fachada Alucobond/Alcan
em 1997 e, então, o IPT, tradicional- Telha de fibrocimento Eternit
mente envolvido com a construção Tinta imobiliária Suvinil
civil, tendo contribuído com a reso- Tubo e conexão para condução de água fria Tigre (PVC)
lução dos problemas do setor, resol- Tubo e conexão para condução de água quente Tigre (CPVC)
veu criar o curso. "O Instituto se de- Vergalhão (aço para concreto armado) Gerdau
dica à área da habitação desde os seus Vidro Blindex

12 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


area construida.qxd 6/11/2007 09:31 Page 13
area construida.qxd 7/11/2007 10:13 Page 12

ÁREA CONSTRUÍDA

Reconhecimento setorial
Melhores fornecedores da construção civil eleitos pelos assinantes são homenageados em cerimônia do 13o Prêmio PINI

Em noite de festa, e no embalo da reto- primórdios e o Mestrado está sendo guirmos compartilhar esse conheci-
mada do crescimento imobiliário re- uma oportunidade, primeiro para mento com um público maior", con-
gistrado neste ano, a 13a edição do Prê- sistematizar o nosso conhecimento clui o engenheiro Vahan Agopyan,
mio PINI homenageou 45 fornecedo- internamente e, segundo, de conse- diretor presidente do IPT.
res da indústria da construção civil em
24 de outubro, no Centro de Conven- CONFIRA OS FORNECEDORES ELEITOS PELOS ASSINANTES:
ções Frei Caneca, em São Paulo. Categoria Fornecedor
O evento contou com a presença de Alojamento para canteiro de obra Canteiro
líderes setoriais como João Cláudio Aquecedor doméstico de água Soletrol (solar) e Bosch (gás)
Robusti, Arlindo Moura e Gilberto Ar-condicionado central Springer Carrier
Belleza, presidentes do SindusCon-SP Argamassa industrializada colante Quartzolit
(Sindicato da Indústria da Constru- Argamassa industrializada para revestimento Quartzolit
ção Civil do Estado de São Paulo), da Cadeiras para escritório Giroflex
Apeop (Associação Paulista de Em- Caixilho especial de alumínio Alutec
presários de Obras Públicas) e do Caixilho padronizado de alumínio Sasazaki
IAB (Instituto de Arquitetos do Cal hidratada Votoran/Votorantim
Brasil), respectivamente, que foram Chapa de madeira compensada para fôrmas GVA/Madeirit
algumas das personalidades a en- Cimento Portland Votoran/Votorantim
tregar os troféus aos homenageados Concreto dosado em central Engemix
do Prêmio. Disjuntor Siemens
Os melhores fornecedores foram es- Elevador de obra Mecan (cabo de aço)
colhidos pelos assinantes a pagamen- Elevador residencial e comercial Atlas Schindler
to das revistas AU, Téchne, Construção Escoramento metálico SH Fôrmas
Mercado e Equipe de Obra. O número Estrutura metálica Usiminas Mecânica
de respondentes da pesquisa totalizou Estrutura pré-fabricada de concreto Cassol
2.729 assinantes, o equivalente a Fechadura para porta Papaiz
7,44% dos 36.702 leitores. Fios e cabos elétricos Pirelli/Prysmian
Além dos fornecedores, a PINI home- Fôrma metálica SH Fôrmas
nageou o engenheiro Sigmundo Go- Fôrma pré-fabricada de madeira Engeformas
lombek com o prêmio Reconheci- Gabiões Maccaferri
mento Profissional – Engenheiro Impermeabilização com mantas asfálticas Viapol/Torodin
Civil 2007. Golombek, que atua há 40 Impermeabilização rígida Vedacit
anos como engenheiro, inaugurou os Interruptor e tomada Pial Legrand
serviços de consultoria de fundações Lâmpada fluorescente Philips
no País numa época em que as solu- Louças sanitárias Deca
ções técnicas eram decididas pelo Membrana asfáltica (sistema moldado in loco) Vedacit/Vedapren
próprio construtor. Metais sanitários Deca
O evento também conferiu uma ho- Móveis para escritório Giroflex
menagem ao curso de Mestrado em Painéis arquitetônicos de fachada para edifícios Precon
Habitação do IPT (Instituto de Pes- Parede de chapa de gesso Lafarge Gypsum
quisas Tecnológicas do Estado de São Piso de borracha Plurigoma
Paulo) na categoria Iniciativa Seto- Piso laminado Durafloor/Duratex
rial. O mestrado profissional foi re- Piso vinílico Fademac
gulamentado por uma portaria da Porta pronta Sincol
Capes (Coordenação de Aperfeiçoa- Revestimento cerâmico Portobello
mento de Pessoal de Nível Superior) Revestimento de alumínio para fachada Alucobond/Alcan
em 1997 e, então, o IPT, tradicional- Telha de fibrocimento Eternit
mente envolvido com a construção Tinta imobiliária Suvinil
civil, tendo contribuído com a reso- Tubo e conexão para condução de água fria Tigre (PVC)
lução dos problemas do setor, resol- Tubo e conexão para condução de água quente Tigre (CPVC)
veu criar o curso. "O Instituto se de- Vergalhão (aço para concreto armado) Gerdau
dica à área da habitação desde os seus Vidro Blindex

12 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


indices 128.qxd 6/11/2007 10:45 Page 14

ÍNDICES
Média positiva Índice PINI de Custos de Edificações (SP)
Variação (%) em relação ao mesmo período do ano anterior
Alta nos custos globais de construção nos 35
últimos 12 meses foi de 3,78%, mas IPCE materiais
percentual é quase a metade do que foi 30 IPCE global
registrado pelo IGP-M, que soma 6,29% IPCE mão-de-obra
25
m outubro, o Índice PINI de Cus-
E tos de Edificações encerrou o mês
com alta de 0,20%, percentual inferior
20

à inflação de 1,05% verificada pelo


15
IGP-M (Índice Geral de Preços de Mer-
cado) da Fundação Getúlio Vargas.
Subiram os preços da areia lavada, 10 7,72 8
8 7
de R$ 54,68 para R$ 55,36/m³; da cal 6,89 7 7 7 6 6 6 6 6 6
6 5 5 5 5,82
6 6 6 6 6
hidradata, cujo saco de 20 kg passou 5 6,12 6 5 5 5 4 3 3 3
3,78
de R$ 5,29 para R$ 5,59 e do cimento 3 1 1 1
1,60
Portland, que contribuiu significativa- 0
Out/06 Dez Fev Abr Jun Ago Out/07
mente para aumento do IPCE. O saco
de 50 kg, antes vendido a R$ 13,84,
Data-base: mar/86 dez/92 = 100
pulou para R$ 14,42, um acréscimo de
Mês e Ano IPCE – São Paulo
4,20%. Por causa do reajuste do preço
global materiais mão-de-obra
do cimento, o bloco de concreto ficou
Out/06 110.677,85 53.487,10 57.190,76
2,87% mais caro: o preço da unidade
nov 110.937,11 53.746,35 57.190,76
passou de R$ 1,05 para R$ 1,08.
dez 111.010,59 53.819,83 57.190,76
Não foram verificadas, em outu-
jan 110.759,12 53.568,36 57.190,76
bro, deflações siginificativas que con-
fev 110.716,18 53.525,42 57.190,76
tribuíssem para a queda do índice. A
mar 110.289,87 53.099,11 57.190,76
maior delas foi de 1,27%, observada
abr 110.315,81 53.125,06 57.190,76
no preço da chapa compensada, que
mai 113.722,37 53.493,24 60.229,13
passou de R$ 10,43 para R$ 10,30/m2.
jun 113.900,14 53.671,02 60.229,13
Variações muito discretas foram
jul 114.065,53 53.547,83 60.517,71
percebidas nos preços do lavatório de
ago 114.197,13 53.679,42 60.517,71
louça, da pedra britada e da porta lisa
set 114.636,80 54.119,10 60.517,71
de madeira; os preços do assoalho de
Out/07 114.860,42 54.342,72 60.517,71
madeira e das luminárias internas
Variações % referente ao último mês
permaneceram estáveis.
mês 0,20 0,41 0,00
De acordo com o IPCE global,
acumulado no ano 3,47 0,97 5,82
construir em São Paulo ficou em
acumulado em 12 meses 3,78 1,60 5,82
média 3,78% mais caro nos últimos
Metodologia: o Índice PINI de Custos de Edificações é composto a partir das
12 meses. No entanto, o percentual é
variações dos preços de um lote básico de insumos. O índice é atualizado por
quase metade do registrado pelo
pesquisa realizada em São Paulo (SP). Período de coleta: a cada 30 dias com
IGP-M no mesmo período – o índice
pesquisa na última semana do mês de referência.
da Fundação Getúlio Vargas acumu-
Fonte: PINI
la alta de 6,29%.
Suporte Técnico: para tirar dúvidas ou solicitar nossos Serviços de Engenharia ligue para (11) 2173-2373
ou escreva para Editora PINI, rua Anhaia, 964, 01130-900, São Paulo (SP). Se preferir, envie e-mail:
economia@pini.com.br. Assinantes poderão consultar indíces e outros serviços no portal www.piniweb.com

14 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


indices 128.qxd 6/11/2007 10:45 Page 15
ipt responde.qxd 6/11/2007 09:33 Page 16

IPT RESPONDE Envie sua pergunta para:


iptresponde@pini.com.br

Revestimento texturizado
Qual a diferença entre revestimentos sas para os revestimentos de fachada,
texturizados acrílicos e cimentícios? em função da forte insolação e elevadís-
Para edifícios em orla marítima, qual sima umidade relativa do ar, das chuvas
deles é o mais indicado? freqüentes, das subseqüentes movi-
Paulo R. Costa mentações de expansão e contração e
Por e-mail do acentuado teor de sal dissolvido na
brisa marinha. Por essa razão, as facha-
Fotos: Sofia Mattos

Revestimentos cimentícios decorativos das dos edifícios localizados na orla ma-


são constituídos por agregados miúdos rítima são frequentemente revestidas
aglomerados com cal hidratada e ci- com materiais impermeáveis ou com
mento.Compõem-se,normalmente,de baixíssima absorção de água, como as
cimento branco, areia fina, dolomita texturizados acrílicos a areia, granilha, pastilhas de porcelana e as placas cerâ-
e/ou calcário moído, pigmentos e aditi- pigmentos e outros são aglutinados em micas esmaltadas. No caso dos mate-
vos, podendo-se incluir plastificantes – geral com emulsão acrílica, pura ou riais indicados, parece-nos que há ne-
incorporadores de ar, retentores de combinada com estireno-butadieno, cessidade de proteções especiais,como a
água, hidrofugantes e até polímeros. In- constituindo um revestimento classifi- aplicação de hidrofugantes ou películas
dependentemente da quantidade de cado como flexível. A espessura nesse de verniz sobre os revestimentos cimen-
polímero, os revestimentos cimentícios caso normalmente não supera 2 mm e, tícios. Tanto nesse caso, como no das
são considerados revestimentos rígidos, em função da forma de aplicação (por texturas acrílicas,prevê-se a necessidade
constituem camadas com cerca de 4 projeção), e de eventual tratamento de pinturas e hidrofugações periódicas,
mm ou 5 mm de espessura, podendo subseqüente, também pode-se conse- talvez a cada três ou quatro anos.
receber diferentes acabamentos: massa guir diferentes texturas/acabamentos Ercio Thomaz
raspada, travertino, acabamento vas- superficiais. Na orla marítima verifi- Cetac-IPT (Centro de Tecnologia do Ambiente
sourado e outros. Nos revestimentos cam-se condições extremamente adver- Construído)

Juntas de fachada
Quais devem ser a profundidade e nesse caso, a profundidade atingirá ligação entre alvenarias e estrutura,
largura mínimas de juntas de fachadas cerca de 15 mm, ou equivalente à das propriedades da argamassa de
com revestimento de argamassa? metade da espessura da camada de revestimento (retenção de água, re-
Carlos Abramante Jr. revestimento. A disposição dos fri- tração, módulo de deformação), da
Por e-mail sos ou juntas, largura e profundida- cor e de outras características arqui-
de deverão, entretanto, ser estabele- tetônicas das fachadas (pé-direito,
As juntas podem apresentar larguras cidas em função do clima da região extensão dos panos, número de re-
em torno de 10 mm a 15 mm, deven- (insolação, umidade relativa do ar, cortes, incidência e proximidade de
do compreender toda a espessura do regime de chuvas e de ventos), da al- janelas etc.).
revestimento (aprofundando-se até tura do edifício, das características Ercio Thomaz
a base, portanto). Podem ainda ser de rigidez da estrutura, das caracte- Cetac-IPT (Centro de Tecnologia do Ambiente
introduzidos frisos ou bunhas onde, rísticas das alvenarias e dos tipos de Construído)

16 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


ipt responde.qxd 6/11/2007 09:33 Page 17
carreira.qxd 6/11/2007 10:42 Page 18

CARREIRA

Paulo Mauro
Em 40 anos, fundador da construtora que leva o seu nome já entregou
mais de 100 prédios, quase todos na zona Oeste de São Paulo. Início foi
fazendo postos de gasolina

a trajetória profissional do pai, Nascido na Itália, veio para São


D
Marcelo Scandaroli

Rafael di Mauro, Paulo tirou Paulo aos dois anos de idade e é natu-
uma certeza. Não pretendia jamais ralizado brasileiro. A família fixou-se
depender de terceiros para ascender na zona Oeste paulistana, região que
profissionalmente. Funcionário das Paulo Mauro, prestes a completar 80
Indústrias Matarazzo por 30 anos, o anos, adotou também para atuação
patriarca nunca conseguiu evoluir da construtora. Trabalhou para aju-
muito em relação ao trabalho. "Sem- dar nas finanças de casa desde a época
pre pensei em algo melhor", conta. em que era aluno do período noturno
Por isso, optou pela engenharia, do Colégio Oswaldo Cruz. Saiu da ca-
especificamente a civil. A outra opção pital paulistana apenas por um ano,
seria a engenharia química, pois à quando trabalhou na paranaense
época do vestibular trabalhava nas In- Klabin, onde tinha um salário bom e
dústrias Klabin, no laboratório quí- que lhe permitiu se estabelecer sozi-
mico e, antes de lá, no laboratório de nho. Ao voltar, sem tempo para fazer
PERFIL
sabonetes e perfumaria das Indústrias um cursinho que lhe possibilitasse
Nome: Paulo Mauro Matarazzo. No entanto, as perspecti- tentar a concorrida Escola Politécnica
Idade: 79 anos vas de crescimento dentro das empre- da USP (Universidade de São Paulo),
Nascimento: Salerno, Itália, sas, para engenheiros químicos, pare- entrou no curso de engenharia do
naturalizado brasileiro ciam restritas. Além disso, depende- Mackenzie. Mesmo por força da oca-
Graduação: engenharia civil, ria, inevitavelmente, de terceiros. sião a escolha foi benéfica, pois, sob
em 1951, pela Escola de Sob tais aspectos, a engenharia sua ótica e mesmo considerando a
Engenharia Mackenzie civil se mostrava mais promissora, de Politécnica a melhor escola de enge-
Empresas em que trabalhou: modo que poderia montar uma em- nharia, o Mackenzie forma profissio-
Indústrias Matarazzo, Indústrias presa e trabalhar por conta própria. nais para o mercado, enquanto a USP
Klabin do Paraná e Paulo Mauro Foi o que ocorreu, com a constitui- tem um currículo mais teórico.
Incorporadora e Construtora ção da construtora logo após a for- Resultam dessas escolhas os mais
Cargos exercidos: presidente do matura, em 1951. De início, executa- de 100 prédios entregues nos cerca de
Banco Real do Progresso, diretor va projetos de postos de gasolina, 40 anos de atuação da construtora
presidente da Paulo Mauro tendo concluído entre 40 e 50 obras Paulo Mauro, 80% deles no bairro de
Incorporadora e Construtora desse tipo, incluindo o posto de abas- Perdizes, onde o engenheiro reside há
tecimento da Shell dentro do Aero- 77 anos. Uma das exceções é o hotel
porto de Congonhas. Depois passou Sofitel São Paulo, próximo ao Parque
a fazer armazéns por todo o interior do Ibirapuera, construído e de pro-
paulista. Os prédios vieram a seguir, priedade da construtora, embora ad-
com o crescimento da empresa, por ministrado pelo Grupo Accor.
volta de 1957, quando começou a Com uma média de 2,5 edifícios
construir edificações pequenas. entregues anualmente, cada um le-

18 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


carreira.qxd 6/11/2007 10:42 Page 19

Dez questões para Paulo Mauro


1 Obras marcantes das quais crescimento profissional dependesse
participou: uma das principais fica de empresas ou terceiros
na rua Aimberê, no bairro de Perdizes,
em São Paulo. Tem cerca de 20 anos 6 Melhor instituição de ensino da
e é, possivelmente, a maior obra engenharia: a Escola Politécnica da
da construtora, com dois prédios USP, que é mais teórica e forma mais
de 21 pavimentos cada, num terreno professores, enquanto o Mackenzie Banco Real do Progresso, com ma-
de 5 mil m2 forma profissionais para o mercado triz construída pela Paulo Mauro na
de trabalho cidade de São Caetano do Sul e que
2 Obras significativas da chegou a ter dez agências.
engenharia brasileira: a 7 Conselho ao jovem profissional: O engenheiro Paulo começou no
construção da cidade de Brasília, que que se dedique bastante, realizando negócio do banco contando apenas
é um marco histórico em todo o controle dos materiais. Além disso, com 5% das ações do grupo. Aos
mundo, a primeira cidade apenas não buscar economia em fundações poucos, no entanto, foi adquirindo
com prédios modernos e em estruturas de concreto, etapas mais participação, chegando a ser
em que é melhor respeitar as sócio majoritário com voz equivalen-
3 Realização profissional: ter margens de segurança te à de outro grupo. Mesmo sem ser
construído alguns prédios de grande do ramo bancário, chegou à presi-
importância para a época, além de 8 Principal avanço tecnológico dência do banco, que posteriormente
ter consolidado a empresa sem recente: o desenvolvimento dos foi vendido ao Bamerindus. Este in-
nunca ter tomado dinheiro materiais, como concreto, que tem corporado ao HSBC tempos depois.
emprestado para financiamento muito controle tecnológico, alumínio À mesma época em que o banco
e aço, e das empresas de ensaio começava, um polonês abria uma
4 Mestres: o engenheiro Roberto e consultoria loja de produtos diversos bem em
Zuccolo, morto com pouco mais frente à matriz. Tempos depois o co-
de 40 anos, vítima de enfarto, que 9 Indicação de livro: não consigo lega que Paulo Mauro não encontra
foi meu professor e era um definir um em específico, existem faz tempo, Samuel Klein, fundaria as
grande calculista vários importantes Casas Bahia.
Para o cálculo estrutural de seus
5 Por que escolheu ser engenheiro: 10 Um mal da engenharia: não gosto empreendimentos Paulo Mauro con-
devido à possibilidade de trabalhar da ganância, com todos querendo fia no talento de outra família. Costu-
sempre por conta própria, sem que o construir muito e rápido demais mava contratar os projetos de um co-
lega de turma na faculdade, o enge-
nheiro Yassuo Yamamoto, "um japo-
vando até três anos desde a fundação afirmação vale mesmo para os mo- nês que diziam ter nascido em uma
até o acabamento, a construtora, mentos atuais, em que está cada vez betoneira", brinca. Após o falecimen-
norteada por seu sócio majoritário, mais difícil adquirir terrenos e tra- to de Yassuo foi o filho dele quem as-
aposta na diferenciação dos produ- balha-se com taxa de ocupação sumiu a responsabilidade pelas estru-
tos. Esses têm execução mais traba- menor. O foco no mercado de edifí- turas dos prédios da construtora.
lhosa, sempre com acabamento de cios, em sua maioria residenciais, Uma das perguntas recorrentes
padrão elevado em relação à média e também reflete certo receio de parti- que Paulo Mauro ouve ao dizer seu
revestimentos externos em cerâmica cipar de obras em que dependesse de nome completo diz respeito à apa-
ou pastilha. Com custo maior, o outras empresas. rente falta de um sobrenome. A ex-
preço final dos apartamentos é, con- A estrutura organizacional da plicação é simples. Ao ser registra-
seqüentemente, maior também. Nas construtora sempre foi familiar. do, ainda na Itália, em Salerno, o es-
palavras de Paulo Mauro, a empresa Atualmente, os três filhos homens de crivão esqueceu o "di", ostentado
é média e nunca teve intenção de ser Paulo – dois engenheiros e um eco- pelo pai e pelo irmão Aldo di
grande, apenas de "pisar firme". Pos- nomista, que lida com o dinheiro – Mauro, esse nascido já no Brasil. A
sivelmente dentre os principais trabalham com ele, além de um so- falha só foi percebida quando da
trunfos está a recusa em obter em- brinho, arquiteto. Trabalhou tam- matrícula de Paulo na escola, e a
préstimos para financiamento da bém com os irmãos, um engenheiro correção demandaria um trabalho
atividade. "Sempre trabalhamos com e um contador, já falecidos. Os três que considera desnecessário.
capital próprio", orgulha-se Paulo. A foram sócios na construtora e no Bruno Loturco

19
melhores praticas.qxd 6/11/2007 10:50 Page 20

MELHORES PRÁTICAS
Aquecedor solar de água
O aquecimento solar vem se tornando tecnologia obrigatória em
diversas cidades do País. Confira algumas recomendações para a
instalação do sistema

Armazenamento Painéis
Os coletores solares podem ser Os painéis geralmente são instalados
armazenados empilhados, de na inclinação dos telhados ou de
acordo com o limite máximo suportes metálicos especiais. Regra
especificado pelo fabricante. geral, a inclinação dos coletores
O ideal, entretanto, é que as deve ter o mesmo valor da latitude
embalagens permaneçam na da cidade, com tolerância de mais
posição vertical, lado a lado. ou menos 10º.

Orientação
Os coletores devem estar orientados
preferencialmente para o Norte
Geográfico. Desvios nessa
orientação são aceitáveis: se forem
maiores do que 45º, é necessário
acréscimo de área dos painéis;
desvios maiores do que 90º nunca
são recomendados.
Fotos: Marcelo Scandaroli

20 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


melhores praticas.qxd 6/11/2007 10:50 Page 21

Nivelamento
Para garantir o fluxo correto de
circulação da água, o "pé" do boiler deve
ficar, no mínimo, 5 cm mais alto do que o
ponto mais alto dos coletores solares.

Tubulação
Para reduzir as perdas térmicas, o
comprimento das tubulações deve ser
o menor possível. Elas devem,
obrigatoriamente, receber sistema de
isolamento térmico protegido de
intempéries.

Pressão
O respiro protege o sistema contra
grandes variações de pressão e garante
sua durabilidade mínima de 15 a 20 Colaboraram: Carlos Faria,
anos. Deve ser instalado 30 cm ou mais diretor-executivo do Dasol
acima do nível da caixa de água fria. (Departamento Solar da Abrava) e
Quanto maior a altura do respiro, coordenador da Iniciativa Cidades
menor também a probabilidade de Solares, e o engenheiro Manoel
perda de água líquida pela abertura. Carlos Carvalho, da Transsen.

21
melhores praticas.qxd 6/11/2007 10:50 Page 22
melhores praticas.qxd 6/11/2007 10:50 Page 23
entrevista.qxd 6/11/2007 10:48 Page 24

ENTREVISTA
Mercado vermelho
Construtora brasileira participou da primeira leva de obras
de infra-estrutura da China. Engenheiro relata como a construção
do país se desenvolveu em menos de duas décadas

Acervo pessoal
VICTÓRIO DUQUE
SEMIONATO
O engenheiro ingressou na
Mendes Júnior em 1974 como
estagiário de projetos
hidrelétricos. Passou por diversas
áreas na empresa, visitou e
participou de obras no Brasil e no
exterior, como as usinas
hidrelétricas de Itumbiara, de
Itaipu, Plataforma de Pampo e
Gasoduto Bolívia-Brasil. Na década
de 1990, participou da construção
da Usina Hidrelétrica TSQ-1, na
China, em uma das primeiras
obras com participação de
empresas estrangeiras após a
abertura da economia socialista.
esde a abertura econômica promo- transformação tecnológica nesse perío-
O engenheiro participou também
de obras em Honduras, Chile,
Bolívia, Equador, República
D vida por Deng Xiaoping, sucessor
de Mao Tsé-Tung, o crescimento da de-
do. Em dez anos, a construção no país
passou de um estágio de uso de mate-
Dominicana e Peru. Hoje, é diretor manda energética chinesa exigiu gran- riais precários a uma intensa industriali-
da área de Engenharia da des investimentos em infra-estrutura. zação. O aprendizado, contudo, deu aos
construtora, cargo que ocupa Mais do que investir em novas usinas, a chineses uma ousadia perigosa, e a pres-
desde 2004. intenção do governo era mudar a matriz sa tem levado à ruína, com freqüência,
energética termelétrica – menos eficien- algumas obras. Pontes e edifícios desa-
te – para a nuclear e hidrelétrica. No iní- bam até mesmo antes de serem concluí-
cio da década de 1990, uma missão de dos. Mas os negócios da Mendes Júnior
empresas chinesas veio ao País em busca do outro lado do mundo pararam por
de parceiros para a construção da hidre- aí. De 2000 em diante, o governo fechou
létrica TSQ-1. A parceria vencedora era o cerco e tornou mais difícil a entrada de
formada pela estatal militar Jiangnan e construtoras estrangeiras. "Eles deixa-
pela brasileira Mendes Júnior, que tra- ram de ser atrativos", conclui Semiona-
balhou no país entre 1994 e 2001. O di- to.Atualmente a China está construindo
retor de engenharia da construtora,Vic- no rio Yang-Tsé a Usina de Três Gargan-
tório Duque Semionato, acompanhou tas,que tomará da binacional Itaipu o tí-
de perto o processo e relata à Téchne a tulo de maior hidrelétrica do mundo.

24 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


entrevista.qxd 6/11/2007 10:48 Page 25

O interesse dos chineses pela Nosso contrato teve início em dezembro com os materiais. Em agosto de 1994,
geração hidrelétrica de energia é de 1994 e terminou em 2001, mas nós nosso consórcio foi declarado vence-
recente. Por quê? mantivemos contato com a China de dor da licitação internacional. Duran-
Desde a abertura econômica promo- 1993 a 2002. Não fiquei lá permanente- te o transcorrer dessa obra também
vida pelo líder chinês Deng Xiaoping, mente, mas ia ao país com freqüência promovemos o treinamento de vários
a China sempre teve um déficit ener- porque era membro da diretoria do con- profissionais chineses – duas equipes
gético muito grande – a matriz é pre- sórcio [responsável pela construção da hi- de 30 profissionais cada –, que fizeram
dominantemente térmica, com o uso drelétrica TSQ-1]. Com isso, nós tive- no Brasil um mês de estágio na área de
de carvão como combustível. E as usi- mos a oportunidade de conviver com a planejamento e construção de grandes
nas termelétricas, tecnologicamente transformação socioeconômica e cultu- usinas hidrelétricas.
ultrapassadas, apresentam baixa efi- ral de massa daquele país.
ciência energética e altos índices de Quais as características da obra?
emissão de poluentes. A partir da dé- Como se firmou a parceria com os Nós recebemos a notificação e inicia-
cada de 1980, o governo foi gradativa- chineses? mos as operações em dezembro de
mente abrindo os grandes projetos de No início da década de 1990, foi colo- 1994 com o desvio do rio Nanpan,
infra-estrutura à participação de em- cado em licitação internacional pelo onde fica a hidrelétrica TSQ-1. É um
presas estrangeiras, sempre associadas governo chinês o projeto da hidrelé- rio caudaloso, que tem sua contribui-
a empresas locais. Houve no país um trica TSQ-1, localizada ao norte da ção hídrica no degelo das montanhas
impulso muito forte na geração nu- província de Yunnan, região meridio- do Tibet. No local da hidrelétrica, as
clear e hídrica de energia elétrica. A nal da China. O governo então sele- margens tinham cerca de 500 m de
partir disso, algumas empresas brasi- cionou várias empresas estatais de largura e uma profundidade média de
leiras de engenharia começaram a construção de hidrelétricas para esco- 20 m. Após o desvio do rio, iniciamos
prestar assessoria técnica para as em- lher seus parceiros internacionais. Em a construção da barragem de enroca-
presas estatais de energia e para os bu- 1992, organizou-se uma missão com mento com face de concreto, ou seja,
reaus de engenharia – escritórios esta- algumas empresas chinesas interessa- rocha triturada com proteção de uma
tais de estudos e projetos. das em associar-se a empresas brasi- laje de concreto na face em contato
leiras para participar dessa licitação. com a água. Na época, tratava-se da se-
Quando, de fato, foi possível Essas empresas vieram para o Brasil e gunda maior hidrelétrica desse tipo no
construir na China? visitaram, entre outras, a Mendes Jú- mundo. Ela tinha 1.500 m de extensão
As empresas brasileiras inicialmente nior. Eram seis ou sete empresas chi- por quase 200 m de altura e volume de
participaram de assessoria a vários bu- nesas. Uma delas, a Jiangnan – um ba- cerca de 18 milhões de metros cúbicos
reaus para fazer análises dos principais talhão de engenharia do Exército –, de rocha triturada compactada.
projetos, dos principais potenciais de manifestou interesse em se associar à
geração hídrica no país.Após esses estu- nossa construtora. Outros brasileiros participaram da
dos, que começaram no final da década construção da hidrelétrica?
de 1980, iniciou-se um processo de Quais as responsabilidades de cada Todo o controle de comportamento
abertura para a participação de empre- parceiro? estrutural do maciço foi feito pela
sas estrangeiras também na construção Primeiro, houve um processo de pré- PUC-RJ (Pontifícia Universidade Ca-
de hidrelétricas, por meio de consórcios qualificação das empresas interessadas, tólica do Rio de Janeiro), por meio de
com empresas chinesas. Na parceria, as em que fomos aprovados. Em meados uma tecnologia nova na época: o a-
empresas chinesas ficavam responsáveis de 1993, apresentamos a proposta e companhamento tridimensional dos
pela execução dos projetos e as estran- concretizamos o consórcio – a Mendes movimentos de deslocamento. Em
geiras entravam com sua tecnologia,seu Júnior seria responsável pelo gerencia- função do esforço da água na laje, tem-
planejamento dentro do segmento de mento da obra, pelo controle de quali- se um empuxo lateral muito forte,
construções hidrelétricas. dade, pelo planejamento técnico e co- então o maciço tem algumas acomo-
locando sua expertise à disposição da dações, algumas deformações. Esse
Foi quando a Mendes Júnior entrou Jiangnan; eles participariam com a instrumental permitiu fazer o monito-
no mercado chinês... mão-de-obra, com os equipamentos e ramento desses deslocamentos para

25
entrevista.qxd 6/11/2007 10:48 Page 26

ENTREVISTA

garantir a segurança e o comporta- Nossa associação foi uma das primeiras


mento estrutural. O vertedouro dessa empresas estrangeiras na China para a
barragem tinha 450 m de altura para
“O salário médio construção de infra-estrutura. Por isso,
21 m³/s, em quatro comportas com de um engenheiro, foi bastante burocrática, difícil. O regi-
quatro máquinas de 300 MW cada, me era muito fechado, a presença de
chegando-se a um total de 1.200 MW.
há 13 anos, era da empresas estrangeiras no país era sele-
ordem de US$ 200. cionada, autorizada. Nós, por exemplo,
Como era feita a fiscalização da chegávamos em Pequim e, para ir até
obra?
Hoje, já se fala Kunming – capital da província de Yun-
A Academia Nacional de Ciências da em US$ 1,5 mil nan – e até a obra, precisávamos de uma
China, uma espécie de IPT (Instituto de licença de trânsito. Não havia muita li-
Pesquisas Tecnológicas) daquele país,
a US$ 2 mil” berdade para estrangeiros. Na época, o
acompanhou criteriosamente toda a controle era muito rigoroso e toda a
construção da obra e depois a certificou gócios continua com as grandes em- parte burocrática de legalização do con-
de acordo com seus requisitos. Ela foi presas chinesas de construção, que trato, dos aspectos fiscais e tributários
aprovada, então, para o enchimento do cresceram com o desenvolvimento foram muito trabalhosos. Mas nosso
lago e a geração de energia. E os parâ- econômico do país. sócio sempre nos deu o apoio de manei-
metros técnicos serviram para outros ra a acertar esses procedimentos.Hoje,é
grandes empreendimentos que foram Como elas atingiram esse grau de completamente diferente. A burocracia
iniciados logo em seguida na China. É o desenvolvimento tecnológico em tão existe, mas é muito menos rigorosa.
caso, por exemplo, da hidrelétrica de pouco tempo? Houve um aprimoramento sensível da
Shiubuya, com capacidade de 2 mil Os chineses atingiram um patamar máquina burocrática chinesa de manei-
MW e com 270 m de altura. Nossa obra tecnológico bastante satisfatório nos ra a apoiar e incentivar as empresas es-
terminou em 2001 e foi considerada a últimos dez anos porque importaram trangeiras no país.
obra-modelo padrão de cooperação de muitos equipamentos de construção
empresas estrangeiras e chinesas na área de última geração. Antes, eles até fa- Quais as dificuldades logísticas
de construção de grandes empreendi- bricavam, mas eram muito obsoletos. enfrentadas pela construtora
mentos de infra-estrutura. Além de incentivos fiscais para a im- durante a obra?
portação, há ainda o incentivo à fabri- No local da obra, não tínhamos ainda
A participação na obra abriu o cação no próprio país. Por isso atual- um "Long Distance Call". Para passar
mercado chinês para a Mendes mente existe lá uma indústria de últi- um fax, em 1993, você enviava pela
Júnior? ma geração. Algumas 100% nacio- manhã para chegar aqui à tarde. Era
Nós, durante a construção da TSQ-1, nais, outras estrangeiras associadas a necessário passar por várias fontes de
demos algumas assessorias a algumas empresas chinesas. Houve uma gran- transmissão, não havia um sistema in-
empresas chinesas, a alguns institutos de evolução de equipamentos de terligado de fax e telefone. Somente a
de projetos de engenharia na área de construção e de materiais, ocorrida, partir de 1998 é que se conseguiu fazer
hidrelétricas, mas em função das sobretudo pela influência da Coréia funcionar efetivamente o sistema de
orientações governamentais, as possi- do Sul, do Japão, de Cingapura, de comunicação como nós temos hoje.
bilidades de negócios ficaram muito Taiwan – mercados bastante desen-
remotas. E, a partir de 2000, pratica- volvidos na área de infra-estrutura. A distância em relação ao Brasil
mente todos os grandes negócios de atrapalhou o trabalho?
infra-estrutura na China foram desti- Elas apresentam alguma Para chegar à China,era preciso voar du-
nados a empresas chinesas. É o caso, deficiência? rante 22 horas – 12 horas até a Europa,
por exemplo, de Três Gargantas, que Apesar do desenvolvimento tecnoló- mais dez horas até Pequim. De lá até a
tem apenas empresas chinesas envol- gico das empresas de construção, o obra, o grupo chinês havia preparado
vidas na construção. Então, os negó- controle de custos é bastante deficien- pessoal e transporte para dar o suporte
cios por lá deixaram de ser atrativos. te; elas não conseguem apurar de para nossa movimentação. Eram mais
forma consistente os resultados três horas de avião até Kunming,mais 12
É por isso que as empresas de econômico-financeiros. Na China, horas de carro até a obra.Tudo com uma
construção brasileiras têm apesar da riqueza e da economia diferença de 12 h de fuso horário. Saía-
dificuldade de entrar naquele muito forte, as empresas estão ainda mos de Belo Horizonte na sexta-feira à
mercado? se aprimorando em mecanismos de tarde e chegávamos na obra na segunda-
Hoje, o que se nota é uma China gestão e controle de custos. feira no início da noite. Do ponto de
muito aberta, inclusive ao capital es- vista físico era bastante desgastante, mas
trangeiro. No entanto, no mercado de Vocês tiveram problemas com a o trabalho desafiante em uma cultura
infra-estrutura, a maior parte dos ne- burocracia na China? diferente era bastante motivador.

26 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


entrevista.qxd 6/11/2007 10:48 Page 27

Qual o custo da construção no país? certeza que o pessoal usaria aquele


O custo dos materiais locais e da mão- material, como estavam usando em
de-obra era infinitamente menor do
“ O que a gente nota várias construções. Mas ao longo do
que os praticados aqui no ocidente. é um combate tempo me parece que houve um
Como tudo era estatal – empresa, avanço muito grande de conscientiza-
mão-de-obra – os salários eram mo-
permanente do ção quanto à qualidade da obra.
destos, apesar de o pessoal ser bastante governo à
competente. Os custos de materiais Como funcionam os encargos
eram também modestos em compara-
corrupção, inclusive trabalhistas na China?
ção com aquilo que a gente praticava com a pena de morte Lá, o conceito de encargos trabalhis-
no Brasil na época. Desde então, o tas, como nós temos no Brasil, é muito
custo da mão-de-obra evoluiu sensi-
em alguns casos” diferente. Eles praticamente não exis-
velmente, apesar de continuar ainda tiam. Mas o país sempre ofereceu es-
barato. O salário médio de um enge- Muitas vezes as causas são a má quali- cola e saúde gratuitas. Mesmo no local
nheiro, há 13 anos, era da ordem de dade do material utilizado, a falta de da obra, uma região bastante inóspita,
US$ 200.Hoje,já se fala em US$ 1,5 mil controle da qualidade de execução da havia até ensino médio e hospital.
a US$ 2 mil,segundo a competência do obra, a análise inadequada dos solos e Toda a população tinha atendimento
indivíduo. A valorização da mão-de- o mau dimensionamento das funda- básico de saúde e atendimento educa-
obra especializada, principalmente de ções. Infelizmente são falhas técnicas cional. Como tudo era estatizado, até a
gerência e competência técnica, acom- humanas que não deveriam aconte- residência era fornecida pelo governo.
panhou o crescimento econômico ob- cer, mas a que estamos sujeitos. Hoje, existem alguns encargos, mas
servado na China. algo muito diferente e mais simples do
Vocês enfrentaram esse problema que nós temos no Brasil.
O encarecimento da mão-de-obra por lá?
foi acompanhado pela maior Eis uma história.A obra da TSQ-1 fica- Havia preocupação com questões
industrialização do processo va no interior da China, a quase 300 ambientais durante a construção da
construtivo? km de Kunming. Mas a única siderúr- hidrelétrica?
No caso da China, no passado não exis- gica que poderia nos atender ficava A cultura chinesa,desde Mao Tsé-Tung,
tia nada disso. O grau de industrializa- num raio de 500 km. Nós, responsáveis pregava o desenvolvimento a qualquer
ção há 20 anos era até pior do que o do pelo controle de qualidade, fazíamos preço. No caso da infra-estrutura, a exe-
Brasil.Mas,com o passar do tempo,em- todos os testes de cimento, concreto, cução deveria atender à demanda,inde-
presas asiáticas, européias, junto com as aço das estruturas. Em determinadas pendentemente da preservação dos re-
chinesas, fizeram vultosos investimen- situações, a qualidade do cimento for- cursos naturais. Mas gradativamente
tos no ramo imobiliário e empregaram necido ou do aço fornecido não era a surgiram moções internacionais de de-
o que há de melhor em termos de enge- mais adequada. Nós questionávamos a sagravo contra a China nesse aspecto.
nharia, construção e de maquinário. O qualidade desses materiais e muitas Nós tínhamos a preocupação de cuidar
que se vê atualmente são grandes cons- vezes os barrávamos, em função da do descarte adequado dos materiais in-
truções em Xangai e Pequim que atin- inadequação a nossos parâmetros téc- servíveis; da troca de óleo dos equipa-
gem os 400 m de altura. Ainda há uma nicos. Um dos comandantes dessa em- mentos, orientando os chineses para
intensiva utilização de mão-de-obra, presa, engenheiro, à época com 84 fazê-la em locais adequados, longe dos
mas já se observa uma certa mecaniza- anos, dizia: "Aqui na China, a siderúr- mananciais e do próprio terreno.
ção básica na produção: utilização de gica mais próxima está a 500 km de
gruas, painéis pré-fabricados, estrutu- distância. A fornecedora de cimento a A ONG Transparência Internacional
ras de alumínio pré-montadas. E algo 1.000 km. O que temos para usar é isso aponta a China como um dos países
que pouco se usa no Brasil,mas lá é uma aqui, então temos que usar isso". mais corruptos do mundo. O que
coqueluche: as estruturas metálicas. A vocês observaram durante a
China é hoje o maior produtor de aço E vocês usaram? construção da TSQ-1?
do mundo,com mais de 380 milhões de Era uma situação impositiva em fun- Pelo contrário, o que a gente nota é um
t/ano. Para consumo próprio. ção da condição logística local. Mas combate permanente do governo à cor-
logicamente nós, por questão de res- rupção, inclusive com a pena de morte
Recentemente, a imprensa ponsabilidade, não permitíamos e re- em alguns casos. Enquanto trabalháva-
internacional noticiou casos jeitávamos os lotes não adequados. mos lá, várias autoridades haviam sido
seguidos de desabamentos de obras Esperávamos aqueles que fossem che- punidas dessa forma rigorosa. E nós
na China, incluindo uma barragem. gando e estivessem em condições de nunca tivemos problemas, dentro de
Quais as prováveis causas desses uso. Mas a mentalidade era essa. Se nossas atividades, nesse sentido.
desastres? não estivéssemos presentes, tenho Renato Faria

27
tecnica.qxd 6/11/2007 09:32 Page 28

TÉCNICA E AMBIENTE
Centro Olímpico de Pequim
Obras para Olimpíadas de 2008 adotam green design para gerar
benefícios permanentes à cidade-sede

scolhidas para sediar um evento do deles é o parque florestal e sua extensão na, foram estudados. A capital da Ca-
E porte de uma olimpíada, as
cidades-sede passam a viver um dile-
ao sul; o segundo é o eixo cultural, ao
norte; e o último, o eixo olímpico. A
talunha, por ocasião dos jogos de
1992, investiu nos espaços cívicos e
ma. Certas de que serão bastante bene- abordagem do escritório de arquitetu- públicos, desencadeando uma série de
ficiadas com a publicidade e o dinheiro ra propôs uma conexão aprofundada investimentos privados. No entanto, a
que chegam junto com os jogos, inves- entre os ideais de respeito ao meio am- intenção foi desenvolver uma solução
tem pesado em infra-estrutura, mo- biente,retratados até mesmo nos mitos própria para Beijing, contemplando a
dernização e reorganização de equipa- e lendas da China antiga, e a demanda forma como a população interage
mentos e sistemas. No entanto, findo o atual por desenvolvimento sustentável. com os espaços públicos. Dessa ma-
evento, passam a conviver com o pro- Por isso, os conceitos de sustenta- neira, o projeto visou assegurar que os
blema que é integrar aquelas novas es- bilidade foram explorados em toda espaços pudessem ser utilizados dia-
truturas ao cotidiano da urbe. sua amplitude, extrapolando as ques- riamente pelos moradores ou para
Foi considerando o que há de per- tões ecológicas. É o que o presidente eventos comunitários.
manecer que o escritório de arquite- do grupo Sasaki, Dennis Pieprz, É assim que, carente de grandes
tura Sasaki Associates concebeu, para chama de green design (design verde), parques, Beijing vê nascer um con-
as Olimpíadas de 2008, o Beijing e que tem uma vasta gama de signifi- junto de instalações que promete in-
Olympic Green e o Forest Park (par- cados para os chineses. Também por terligar-se definitiva e completamen-
que florestal). O Olympic Green é o isso o grupo Sasaki buscou desenvol- te ao distrito, além de se tornar um
principal empreendimento, que abri- ver um projeto que tivesse um excep- pólo de atração de eventos. Todo um
ga, dentre 13 instalações, o Estádio cional senso de equilíbrio. E a busca rol de idéias também foi amadureci-
Olímpico e o complexo de natação pelo balanceamento se deu entre Leste do e implantado, incluindo a integra-
que veio a ficar conhecido como e Oeste, antigo e moderno, natureza e ção do tráfego e o uso da água. Um
Water Cube. O coração dos jogos lo- desenvolvimento e parque e cidade. dos exemplos de adaptabilidade das
caliza-se no eixo norte-sul da capital Em paralelo, uma das diretrizes instalações é encontrado no Estádio
chinesa, ocupando 1.135 hectares, para o desenvolvimento do projeto foi Olímpico. Até as Olimpíadas, contará
sendo 680 relativos ao parque. considerar os benefícios indiretos dos com uma capacidade total de 91 mil
A estratégia de ocupação dos espa- investimentos. De acordo com Pieprz, lugares, sendo 11 mil assentos tem-
ços baseou-se, principalmente, em três os exemplos de outras cidades que porários, a serem removidos após o
elementos fundamentais. O primeiro abrigaram olimpíadas, como Barcelo- evento. Além disso, foi proposto que
os funcionários do parque florestal
fossem treinados para lidar com as
Divulgação Arup

plantas e animais, tornando o espaço


auto-sustentável e os custos de ma-
nutenção baixos.
Outra evidência de que a concep-
ção do projeto visou à manutenção
das benfeitorias foi a recuperação de
dois templos localizados nas extremi-
dades do Olympic Green, um próxi-
mo ao Estádio Olímpico e outro nos
arredores da Vila Olímpica.

28 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


tecnica.qxd 6/11/2007 09:32 Page 29
materia_abece.qxd 6/11/2007 09:09 Page 30

PRÊMIO

Talentos do cálculo
Consolidado no cenário da engenharia nacional, o Prêmio Talento Engenharia
Estrutural, promovido por Abece e Gerdau, destaca a criatividade e ousadia dos
profissionais de estruturas brasileiros. Confira os projetos vencedores

ais uma vez o Prêmio Talento En- Havelange, na capital do Rio de Janei- ção Honrosa foram agraciados com Divulgação Abece

M genharia Estrutural registrou re-


corde de projetos inscritos, com 124
ro, e conferiu Menção Honrosa ao de
uma residência na cidade mineira de
placa e certificado.
Definitivamente consolidado en-
concorrentes à quinta edição ante os 84 Sete Lagoas. A categoria Edificações quanto um dos maiores prêmios do
projetos que em 2006 disputaram o re- reconheceu os projetos do Centro setor, ocorre anualmente. Detalhes so-
conhecimento máximo do setor de en- Cultural Niemeyer, em Goiânia, e do bre a próxima edição, incluindo regula-
genharia estrutural.Foram alocados em edifício Santa Catarina, em São Paulo. mento e datas para envio dos trabalhos,
três categorias, sendo as já existentes Em Obras-de-Arte o prêmio foi para podem ser obtidos nos sites www.ger-
Obras-de-Arte e Edificações e a nova a Estação de Metrô Alto do Ipiranga, dau.com.br e www.abece.com.br. Os
Obras de Pequeno Porte e Estruturas também na capital paulista, com sites também concentram informações
Especiais, em substituição à que abriga- Menção para o Viaduto Retorno sobre essa quinta edição,incluindo,além
va Soluções Inovadoras. Conforme o Lagoa Santa, na cidade homônima, de dados sobre os vencedores, também
regulamento, essa última categoria em Minas Gerais. detalhes dos projetos finalistas.
abriga soluções arquitetônicas diferen- Os primeiros colocados de cada Conheça mais sobre cada um dos
ciadas, de criatividade elevada, obras categoria irão, com transporte e esta- projetos premiados e entenda os desa-
auxiliares, reforços, dentre outras. dia pagos, para o Salão Internacional fios vencidos para que chegassem ao
Por isso, premiou o projeto da co- da Construção, a Batimat 2007, em reconhecimento por parte do setor.
bertura do Estádio Olímpico João Paris. Os autores que receberam Men- Bruno Loturco

30 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia_abece.qxd 6/11/2007 09:09 Page 31

Categoria Obras-de-arte
Ganhador Estação Metrô Alto
do Ipiranga
Local: São Paulo
Autor: Luciano Afonso Borges

Não apenas pelos aspectos técnicos essa


obra merece destaque, mas também pelo
desenvolvimento do projeto, baseado na

Marcelo Scandaroli
interação entre as equipes do Metrô, da
projetista e da construtora. Foi o que
possibilitou a evolução contínua de
soluções entre os projetos funcional,
básico e executivo. Foi esse modelo de ganhasse em esbeltez e funcionalidade. em NATM, os dois túneis que abrigam
trabalho que levou à alteração no traçado, O diâmetro interno mínimo do poço de passarelas de distribuição e plataformas
com modificações no layout das escadas, acesso é de 32 m, com profundidade total de embarque. A laje de fundo, com até
da concepção estrutural e na cúpula sobre de 34,5 m nas bordas. Paredes duplas, 3 m de espessura, exigiu aplicação de
o poço de acesso. sendo a primeira camada em concreto gelo para reduzir a variação de
Inaugura uma nova modalidade dentre as projetado e a segunda moldada in loco. temperatura durante a cura.
obras do Metrô, que vem a ser a de postar A espessura da camada em concreto Para permitir manter iluminação e
o poço de acesso sobre o túnel da projetado é de 25 cm nos primeiros 9,5 m, ventilação adequadas mesmo no fundo
estação, eliminando a necessidade de 40 cm nos 17,5 m seguintes, e de 0,20 m do poço foi adotada uma cobertura em
túneis de ligação. As estações da Linha 4 nos últimos 7,5 m. A espessura da segunda vidro, com estrutura metálica para
(amarela) foram concebidas de acordo camada tem 2 cm. fechamento do poço de acesso. Um dos
com o mesmo modelo. A realização de A execução iniciou-se pela parte grandes benefícios dessa solução foi a
estudos e análises de viabilidade subterrânea, ou seja, a abertura do poço dispensa de escoramentos, fôrmas e
estrutural possibilitou que a estrutura de acesso. Em seguida foram executados, armações sobre o grande vazio do poço.

Menção Honrosa Viaduto Retorno de Lagoa Santa


Local: Lagoa Santa (MG)
Autor: Marcelo Henrique Avelar Costa

Essa obra permite o retorno e acesso soluções de cimbramento desenvolvidas, 64,09 m e 44,62 m. A largura total da
à cidade de Lagoa Santa do tráfego em nenhum momento durante a execução laje do tabuleiro é de 8,8 m, sendo 8 m
originário do Aeroporto o tráfego da via foi interrompido. de pista e o restante de guarda-corpos
Internacional Tancredo Neves. Tem O concreto com fck ≥ 45 MPa na nos dois lados.
extensão de 153,37 m, ângulo superestrutura e com 30 MPa na infra A superestrutura foi protendida com 32
central de 186º e raio de 35,7 m, e na mesoestrutura auxiliaram na esbeltez cabos com 12 cordoalhas de 15,2 mm,
formando uma ferradura esbelta e possibilitaram a concepção de uma em aço CP-190RB. A protensão se deu por
e de significativo efeito estético, estrutura com apenas dois pilares ambas as extremidades para minimizar
acentuado pelo uso de fôrmas de internos. Os três vãos têm 44,66 m, a possibilidade de perdas de carga.
compensado plastificado nas faces
Divulgação: Ceprol

aparentes de concreto.
A extensão divide-se em um trecho
inicial em tangente, com 20,59 m, o
trecho central circular com 114,62 m
e o trecho final, também em
tangente, com 18,2 m. Graças às

31
materia_abece.qxd 6/11/2007 09:09 Page 32

PRÊMIO

Categoria Edificações

Ganhador Centro Cultural Niemeyer


Local: Goiânia
Autor: Gilberto Mascarenhas
Barbosa do Valle

Com projeto arquitetônico de Oscar


Niemeyer, o conjunto conta quatro prédios
principais, sendo um teatro, a
administração, o museu e o monumento.
A obra foi iniciada em janeiro de 2005 e
entregue em março de 2006, com
concepção estrutural baseada nos desafios
propostos pelo projeto de arquitetura.
O edifício do teatro tem fundação direta,

Divulgação Gilberto Mascarenhas


pois o solo é bastante firme, e é formado
por uma cúpula em concreto armado de
60 m de diâmetro e 20 m de altura. Em
balanço, há um balcão de 9 m engastado
nessa cúpula. Os seis pavimentos do
prédio da administração, incluindo um de
subsolo, têm vãos de 15 m e balanços periféricas. Essas com 20 cm de espessura que se apóia na parede periférica e em
extremos de 7,5 m. Uma parede de e cobertas por laje protendida nervurada tirantes que se prendem à cobertura.
concreto, que não chega ao térreo, une as com 90 cm de espessura. A laje que forma Uma rampa curva com aproximadamente
pontas desses balanços em cada teto. o piso, com 1,20 m de espessura 18 m dá acesso ao mezanino.
O museu é uma estrutura cilíndrica e fck de 50 MPa, é protendida e Com 30 m de altura, o monumento
com 35 m de diâmetro, sendo 13 m em apresentou complicações decorrentes é triangular e tem duas paredes verticais
balanço. O pilar central tem 9 m de da necessidade de cruzamento dos com 25 cm de espessura e a terceira
diâmetro e apóia o piso do museu, que é, cabos sobre o pilar central. inclinada, que não se apóia no chão.
na verdade, uma estrutura de transição No interior desse cilindro há um Isso forma um vão de 23,5 m na entrada
para as cargas oriundas das paredes mezanino em estrutura convencional do monumento.

Menção Honrosa Edifício Santa Catarina


Local: São Paulo
Autor: Aluizio d'Avila

O arquiteto Ruy Ohtake pretendia periferia do edifício foi possível criar a


valorizar a comunicação do edifício com curvatura existente no topo. Em forma
a avenida Paulista, onde se localiza a de foguete, ameniza o fim das formas
obra, além de evitar interrupções no 26o pavimento.
abruptas nas formas. Dessa maneira, Sendo um edifício comercial, também
o balanço concebido na estrutura se demandava lajes grandes, com
mostrou essencial para viabilizar a grandes vãos. Dessa forma, a
linguagem arquitetônica. quantidade de pilares foi reduzida para
Como os pilares distam 7,2 m da basicamente quatro – além do núcleo
periferia do edifício, foi possível eliminar de elevadores – e as vigas foram
a barreira imposta por uma fachada protendidas. No entanto, os pilares
totalmente fechada até embaixo. com 1,6 m de lado reteriam a força de
O mesmo recurso foi adotado entre protensão, aplicada nas extremidades.
o 4o e o 6o andares, onde a fachada Assim, quatro pilares provisórios com
Marcelo Scandaroli

recua, criando um espaço de 40 cm x 80 cm apoiavam a laje até a


comunicação entre o meio e o edifício. protensão. Depois disso, ganhavam
Também porque os pilares não assumem uma capa para completar as
a responsabilidade de delimitar a dimensões finais.

32 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia_abece.qxd 6/11/2007 09:09 Page 33

Categoria Obras de Pequeno Porte e Estruturas Especiais

Ganhador Cobertura Estádio Olímpico João Havelange


Local: Rio de Janeiro
Autor: Flávio Correa D'Alambert

Quatro grandes arcos tubulares compõem


a estrutura de cobertura do Estádio. Esses,
por meio de tirantes de suspensão,
suportam 42 tesouras treliçadas com 50 m
de comprimento. Coincidem a cada dois
pórticos de concreto e estão espaçadas por
aproximadamente 20 m, sendo interligadas
por joists, que travam as peças e recebem
a cobertura. O efeito do vento foi
determinado a partir de ensaio em túnel

Divulgação Alberto Jacob


de vento no laboratório RWDI, no Canadá.
Dois tipos de arco foram construídos. Um
para os setores Leste e Oeste – arcos 01 –
e outro para os setores Norte e Sul – arcos
02. Os arcos 01 formam os maiores vãos-
livres do mundo, com 221 m. Os perfis arcos 02 também se apóiam em colunas cobertura basearam-se num projeto
tubulares têm 2.000 mm de diâmetro e de concreto com características nunca executado de Oscar Niemeyer para
espessuras que variam entre 22 mm e 25 semelhantes às dos demais arcos. cobrir o Estádio do Maracanã. Para a
mm. A estabilização se dá com tirante Complexo, o projeto demandou uma concepção estrutural, foram
inferior tensionado. Tudo isso apoiado em diversidade muito grande de perfis e desenvolvidos mais de 500 modelos
colunas de concreto armado de 42 m de chapas disponíveis no mercado estruturais para determinar qualquer
altura e seção circular. Os perfis dos arcos nacional, incluindo joists com perfis possibilidade de carregamento e
dos setores Norte e Sul, também com laminados de pequeno porte, fornecidos montagem. Para o descimbramento foram
2.000 mm, mas espessuras entre 19 mm com exclusividade pela Gerdau. instalados 28 extensômetros para
e 25 mm, formam vãos de 163 m. Esses Os arquitetos que conceberam a monitorar a introdução de carga nos arcos.

Menção Honrosa Residência Sete Lagoas


Local: Sete Lagoas (MG)
Autor: Raul Neuenschwander Neto

Dentre as prioridades do projeto de


arquitetura estava preservar os espaços
internos, criando, assim, grandes vãos
e formas esbeltas. A proposta do
Divulgação Raul Neuenschwander Neto

projeto de estruturas, portanto, partiu


para o uso de estruturas metálicas,
viabilizando a criação dos grandes vãos
e dos balanços e compatibilizando as
formas estruturais com as linhas
plásticas da arquitetura.
Foram concebidas colunas em seção
circular mista, recuadas da fachada. embutidas nessas vigas, definindo compensar as deformações
É esse recuo que define os balanços, o contorno da edificação. apresentadas no balanço da varanda.
que por sua vez estão estruturados A estrutura é totalmente soldada, A rampa que dá acesso aos ambientes
com vigas metálicas invertidas. Logo, contínua e hiperestática para privilegiar da residência se apóia em mísulas
ocultas para quem olha a partir do nível o acabamento do perfil laminado nas oriundas das colunas. Essas, por
da rua. As lajes são pré-moldadas com fachadas. Uma contra-flecha de 2,5 cm sua vez, posicionadas no eixo entre
poliestireno expandido e estão adotada na montagem da estrutura visa os dois planos.

33
materia_abece.qxd 6/11/2007 09:09 Page 34
materia_abece.qxd 6/11/2007 09:09 Page 35
materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 36

MISSÃO TÉCNICA

Made in China
Construtores visitam canteiros chineses e buscam opções para possível
escassez de materiais e equipamentos
Gustavo Mendes

Condomínio-clube Weedier-tera, em Xangai: canteiro deixou a desejar, mas obra acabada agradou empresários brasileiros

ma missão organizada pelo Co- parâmetros para comparar as obras cial da China. A missão passou pela
U mitê de Tecnologia e Qualidade
do SindusCon-SP (Sindicato da In-
deles com as do Brasil e também veri-
ficar a qualidade do produto chinês”,
capital Beijing (ou Pequim, para o
Ocidente); Xangai, o centro financei-
dústria da Construção Civil do Esta- explica Salvador Benevides, coorde- ro e comercial; Guangzhou, famosa
do de São Paulo) esteve na China nador da missão. O grupo, formado por sediar grandes feiras, como a de
entre os dias 11 e 20 de outubro para por 16 profissionais, na maioria dire- Cantão; e Hong Kong, a ex-colônia
visitar canteiros de obras, conhecer os tores de construtoras, visitou quatro inglesa reincorporada à China em
equipamentos e materiais de cons- obras e a Feira de Cantão (Canton 1997. O grupo foi acompanhado pela
trução chineses. "O objetivo foi ter Fair), a mais tradicional feira comer- reportagem da Téchne.

36 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 37

República Popular
da China
População: 1,323 bilhão
Área: 9.572.900 km2
Capital: Pequim
Principais cidades: Xangai; Pequim;
Tianjin; Wuhan; Shenyang; Chongqing;
Guangzhou
Governo: regime de partido único
(Partido Comunista Chinês) e um
órgão supremo (Congresso Nacional
do Povo)
Divisões administrativas: 22
províncias, cinco regiões autônomas,
duas regiões administrativas especiais

Salvador Benevides
(Hong Kong e Macau) e quatro
municipalidades
Presidente: Hu Jintao (desde 2003)
Primeiro-ministro: Wen Jiabao
Canteiro de obras do Shanghai World Financial Center: edifício deve ser o mais alto
(desde 2003)
da China, quando pronto, em meados de 2008

A missão técnica ocorreu em um alguns itens. Por isso, apesar de a mis- chances de serem importados estão os
momento-chave do setor, visto que o são visar o intercâmbio técnico, as porcelanatos, metais sanitários, portas
aquecimento do mercado imobiliário atenções também estiveram voltadas prontas, vidros, fechaduras e ferragens.
tem gerado preocupação quanto à ca- para a análise da qualidade dos mate- Para o presidente da Abramat (As-
pacidade da indústria nacional de ma- riais de construção chineses e estudo sociação Brasileira da Indústria de
teriais e equipamentos atender às de- da viabilidade de importação. Além de Materiais de Construção), Melvyn
mandas das construtoras. Para se ter ser uma saída estratégica em caso de Fox, o temor de falta de materiais não
idéia, até setembro, o faturamento escassez de materiais e equipamentos, se justifica. "Essa dedução é precipita-
com vendas internas de materiais de a importação seria uma forma de pres- da. A indústria vem de um período de
construção cresceu 12,55% em rela- sionar a indústria para evitar um even- estagnação e, por isso, a maioria esta-
ção ao mesmo período do ano passa- tual encarecimento dos materiais. va trabalhando com cerca de 30% de
do. E o aquecimento deve ser ainda "Nos preços de venda que praticamos ociosidade." Segundo Fox, mesmo
maior nos próximos anos, quando os não cabe aumento gerado por cresci- que nenhum investimento tivesse
edifícios que estão em início de obras mento da demanda por materiais. Se a sido realizado, ainda assim a indústria
neste ano entrarem na fase de acaba- indústria nacional não estiver cons- teria capacidade de atender à deman-
mento. Em relação aos equipamentos, ciente disso, ela vai se prejudicar da. "Não há nenhuma perspectiva de
o segmento de locação não tem dados muito", alerta Maurício Bianchi, dire- falta de materiais", sentencia.
sobre a oferta e demanda, mas muitas tor técnico da construtora BKO. E Melvyn Fox também diz que não
construtoras estão firmando parceria completa: "Se for dada abertura para o há possibilidade de aumento de pre-
com seis meses ou mais de antecedên- material de fora entrar, ele entrará em ços devido a uma suposta recuperação
cia com as locadoras para garantir tamanha abundância que, por incrível de margens da indústria e à estagna-
atendimento aos pedidos. que pareça, a indústria poderá ficar ção dos últimos anos. E avisa que, no
O principal temor é de que haja au- ociosa em meio ao crescimento imobi- caso de importação de materiais, a in-
mento de preços e até mesmo falta de liário". Entre os itens com maiores dústria nacional irá fiscalizar para que

37
materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 38

MISSÃO TÉCNICA

as condições de competição sejam


iguais. "Defendemos o livre mercado,
não vamos criar barreiras à importa-
ção. Mas também defendemos que ela
ocorra dentro das regras do mercado
brasileiro. Ou seja, que atendam às
normas técnicas, sofram todas as tri-
butações e entrem legalmente."
Para Sergio Porto, diretor da cons-
trutora que leva seu nome e partici-
pante da missão, a importação de ma-
teriais da China dependerá do com-
portamento do mercado interno. "Se a
Fotos: Gustavo Mendes

indústria fizer o dever de casa, aumen-


tar a produção e acompanhar os cus-
tos internacionais, será muito difícil
alguém entrar no Brasil para vender
Grupo do SindusCon-SP em visita à embaixada brasileira na China. Ao centro, de
material de construção", afirma Porto,
terno cinza, o embaixador Luiz Augusto de Castro Neves
que é também diretor da Multi Tra-
ding e foi ao país asiático para, além de
visitar obras, estudar a importação.
Participantes da missão Quanto ao mercado de locação de
máquinas e equipamentos, existem
Alexandre Luís Oliveira Luiz Roberto Porto
basicamente duas situações temidas
Diretor técnico da DMO Engenharia e Diretor da Sergio Porto Engenharia
pelas construtoras: o locador adquirir
Empreendimentos
novos equipamentos e, conseqüente-
Mauricio Linn Bianchi
mente, aumentar os preços para com-
Artur Quaresma Filho Diretor técnico da BKO Engenharia
pensar o investimento; ou o cenário já
Diretor da Engesolos Engenharia de e Comércio
existente de escassez se agravar. Caso
Solos e Fundações e ex-presidente do
algum desses cenários se desenhe, a
SindusCon-SP Paulo Rogério Luongo Sanchez
importação pode ser uma saída. "Se
Diretor técnico da Sinco Sociedade
isso acontecer, nos juntamos, impor-
Cláudio Goldstein Incorporadora e Construtora
tamos equipamentos e fazemos uma
Diretor da Tati Construtora e
cooperativa de manutenção. É possí-
Incorporadora Ricardo França
vel trazer da China equipamentos que
Diretor da França e Associados
se tornem viáveis e, além de tudo,
Fabio Ribeiro da Silva Filho Projetos de Estruturas
podem ser amortizados em uma obra
Diretor técnico da Concima
ou duas", afirma Bianchi.
Construtora Salvador de Sá Campos
Benevides
Boom chinês
Francisco Pigatto Neto Diretor da Projeto Engenharia e
Há duas décadas, pouco se falava
Presidente da Formaplan Fôrmas coordenador da Área de Eventos e
da China. Hoje, o gigante asiático que
Prontas Missões do Comitê de Tecnologia e
desperta o interesse das construtoras
Qualidade do SindusCon-SP
brasileiras dispensa apresentações. Seu
Giorgio Vanossi
crescimento econômico médio desde a
Diretor técnico da Setin Construtora e Sergio Porto
abertura para o mundo, em 1978, é de
Incorporadora Diretor da Sergio Porto Engenharia
9,5% ao ano. Em 2005, se tornou a
e ex-presidente do SindusCon-SP
quarta maior economia do planeta,
Gustavo Mendes
atrás apenas de Alemanha, Japão e Es-
Editor-assistente das revistas Sergio Tiaki Watanabe
tados Unidos. No último mês de agos-
Construção Mercado e Téchne Diretor da Simétrica Engenharia
to, bateu a Alemanha como o maior
e vice-presidente do SindusCon-SP
exportador mundial, com um volume
José Carlos de Arruda Sampaio
de US$ 111,4 bilhões exportados, se-
Diretor da JDL – Qualidade – Virgílio Ramos
gundo a OMC (Organização Mundial
Segurança no Trabalho e Meio Diretor da CEC Engenharia e Projetos
do Comércio) no fechamento do ano,
Ambiente de Estruturas
no entanto, os alemães devem manter

38 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 39

a liderança. Com o rápido desenvolvi-


mento chinês, a população urbana
cresceu, em média, 3,72% entre 2001 e
2006. Essa expansão vem sendo acom-
panhada pela construção civil e pesada
da China. "Só em Pequim temos cerca
de dez mil canteiros de obras, muitos
deles funcionando 24 horas por dia",
contou o diplomata Luiz Augusto de
Castro Neves, embaixador do Brasil na
China, em reunião com o grupo de
construtores em Pequim. Segundo
Neves, as obras aceleradas, assim como
os três turnos de operários nos cantei-
ros, têm sido uma das saídas para ab-
sorver a enorme força de trabalho da
Disposição de materiais no caótico canteiro de uma obra de retrofit de um hotel
China, estimada em cerca de 782 mi-
quatro estrelas, em Pequim
lhões. Para se ter idéia do ritmo das
obras civis e de infra-estrutura do gi-
gante asiático, basta lembrar que o
país consome cerca de 43% do cimen-
to do mundo.
Esse ritmo acelerado, no entanto,
tem gerado problemas, como o desa-
bamento em agosto último de uma
ponte no condado de Fenghuang, na
Província de Hunan, que matou mais
de 60 pessoas. Mais recentemente, no
final de outubro, outra ponte desabou,
dessa vez no Baoutou, norte da China,
durante a passagem de um carro e dois
caminhões. Segundo a agência estatal
chinesa, nenhuma pessoa ficou ferida.
Acidentes de infra-estrutura à
parte, as obras residenciais visitadas
pelo grupo de construtores causaram
boa impressão. Um dos pontos que
impressionou foi a utilização maciça
de equipamentos como gruas, eleva-
dores de cremalheira e fôrmas tipo Construtores consideraram o acabamento do condomínio de classe média
túnel. "Há uma metodologia constru- Weedier-tera, em Xangai, superior ao das unidades brasileiras de mesmo padrão
tiva que permite repetitividade, preci-
são e redução do prazo da execução",
avalia Giorgio Vanossi, diretor de en- é executado em quatro ou cinco dias. do; e louças, metais e aquecedores de
genharia da construtora Setin. Outro empreendimento, o con- boa qualidade", avalia Vanossi.
Nas obras de um condomínio para domínio-clube Weedier-tera, em Xan- Destinado ao segmento de clas-
funcionários do Ministério de Rela- gai, chamou a atenção pelo produto se média, as unidades do Weedier-
ções Exteriores da China, na região acabado. "Comparados com os nossos, tera são vendidas a cerca de 1,8 mil
central de Pequim, havia 16 gruas em os apartamentos têm qualidade supe- yuans por metro quadrado (cerca
operação e um total de três mil operá- rior de acabamento, com caixilhos de de US$ 243/m 2). Serão no total
rios envolvidos. O conjunto de edifí- alumínio de vidros duplos; quadro elé- 1.600 unidades, que podem ser fi-
cios, visitado pelo grupo, terá 2,3 mil trico, interruptores e tomadas de exce- nanciadas com prazos de até 35
apartamentos e demandará 540 dias lente aspecto; portas prontas com ba- anos, com taxa média de juros de
para ser construído. De acordo com a tedores de borracha e ferragens com 7,6% ao ano. O condomínio tem
construtora responsável pela obra, ótimo acabamento; tampos de pia em piscina, sala de ginástica e quadra
cada piso (laje mais paredes internas) mármore sintético muito bem acaba- de basquete. No entanto, o maior

39
materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 40

MISSÃO TÉCNICA

atrativo é a escola em frente ao em-


Obra emblemática preendimento, característica bas-
tante valorizada pelos chineses. É
Das visitas realizadas pela missão do abrigar grandes multinacionais, o comum, aliás, os empreendedores
SindusCon-SP, o Shanghai World Financial edifício deve ser concluído no segundo convidarem escolas para se instala-
Center (SWFC) é atração à parte, dadas trimestre de 2008, quando será o mais rem próximo aos condomínios.
suas proporções e caráter emblemático. alto da China, com 492 m de altura e 101 Uma peculiaridade do Weedier-
Afinal, se a China de fato ocupar a posição andares. tera são as vagas de estacionamento,
de principal potência econômica dentro No último mês de agosto, o edifício virou apenas sete para cada dez apartamen-
de alguns anos, Xangai será o novo centro notícia na mídia mundial devido a um tos. O motivo é simples: para frear o
financeiro mundial. E o SWFC, seu cartão incêndio. Iniciado no 40o andar, o fogo foi forte crescimento da frota, o licencia-
postal. contido uma hora depois, sem vítimas mento de um automóvel em Xangai
Centro comercial de uso misto para nem grandes danos à obra. custa quase US$ 5 mil, preço superior
ao de muitos carros populares. Com
esse custo altíssimo, muitos preferem
RESUMO DA OBRA usar o transporte público xangaiense,
Obra: Shanghai World Financial que tem 145 km de linhas de metrô,
Center com bilhetes a 4 yuans para a maioria
Andares: 101 + 3 subsolos dos trechos (cerca de US$ 0,5).
Altura: 492 m A área dos apartamentos do Weed-
Estrutura: aço e concreto protendido ier-tera é maior do que a de muitos si-
Planejamento: Forest Overseas milares brasileiros, principalmente os
Supervisão de projetos e das grandes capitais. Os apartamentos
construção: First Class Architecture de dois dormitórios, com um banhei-
Office Mori Building ro, têm área de 99 m2; e os de três dor-
Arquitetura: Kohn, Pedersen, Fox mitórios, com dois banheiros, 135 m2.
Associates P. C. Ambos os apartamentos têm varanda,
Projeto estrutural: Leslie E. de 7,52 m2 e 6,46 m2, respectivamente.
Robertson Associates/Kozo Keikaku O consultor em qualidade e segu-
Engineering rança no trabalho, José Carlos de Arru-
Contratantes: China State da Sampaio, teceu elogios às obras, mas
Construction Engineering com ressalvas: "Eles estão muito adian-
Corporation & Shanghai Construction tados com relação aos equipamentos
(Group) General Company utilizados na construção do empreen-
Data prevista de conclusão: 2o dimento. Mas, mesmo assim, encon-
trimestre de 2008 tramos mulheres escavando valas pro-
fundas com picareta, o que não deixa
de ser um contraste forte", observa.
Para Sampaio, salvo a maior utilização
de equipamentos no canteiro, em geral
o processo construtivo das obras visita-
das era semelhante ao brasileiro. O di-
ferencial, para ele, está nos equipamen-
tos e alguns itens de acabamento. "Gos-
tei muito dos acessórios para boxe,por-
tas prontas, projetos de caixilhos, lou-
ças, estruturas para drywall, caixas de
elétrica, gradil de sacada, fechamento
externo dos andaimes fachadeiros, an-
daime suspenso leve para quatro pes-
soas, estacionamentos externos com
elevadores, bandejas de bambu, quali-
dade dos canteiros de obras,logística de
transporte de materiais, piso falso, mas
não elevado", conclui.
Gustavo Mendes

40 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 41

Qualidade em xeque
Feira revela esforço da indústria chinesa para mostrar excelência frente
à crise de credibilidade

FICHA
102a Feira de Importação e
Exportação da China (Canton Fair)
Intervalo: duas edições por ano
Duração: 6 dias cada fase, 2 fases
por edição
Edição 2 - Feira de Outono:
Fase 1: 15 - 20 de outubro
Fase 2: 25 - 30 de outubro
Local: China Import and Export Fair
(Pazhou) Complex
Organizador: China Foreign Trade
Centre
Estandes: 32 mil
Expositores (edição 2): 15 mil
Países participantes (edição 2): 57
Área: 635 mil m2

102a Feira de Cantão (Canton veram presentes três trading compa- panhamos o processo de fabricação e
A Fair), um dos principais motivos
para a missão técnica do SindusCon-
nies: Built Import, Multi Trading e Co-
mexport. As tradings são empresas es-
criamos relacionamentos de longo
prazo para minimizar os riscos. Além
SP (Sindicato da Indústria da Cons- pecializadas em viabilizar importações disso, se algum problema acontecer,
trução Civil do Estado de São Paulo), e exportações, e em geral se encarre- quem dá a garantia do produto é a tra-
é a maior e mais tradicional da China. gam de todos os trâmites. "Fazemos der, e não a indústria chinesa", explica
Nesta edição, ocupou 635 mil m2, o contatos com os fornecedores, acom- Basílio Jafet, conselheiro do Secovi-SP
equivalente a nove Anhembis, e con- (Sindicato da Habitação) contratado
tou com 32 mil estandes, a maioria recentemente pela Comexport, segun-
de empresas chinesas, dos mais di- da trading do País, para atuar no seg-
versos setores, interessadas em im- mento de construção civil.
pulsionar suas vendas para o merca-
do mundial. A feira, que até a edição Turbulências
anterior era voltada apenas à expor- Neste ano, a Feira de Cantão ocor-
tação, neste ano abriu suas portas reu em um momento de turbulência
para expositores internacionais. Nes- devido ao recall mundial de cerca de
ta edição, dos 15 mil expositores, 480 21 milhões de brinquedos (até outu-
eram estrangeiros. bro) fabricados na China para o
É realizada em Guangzhou, cidade Grupo Mattel, o que colocou em
portuária no sul da China, com cerca xeque a já contestada credibilidade da
de seis milhões de habitantes, capital indústria local.
da província de Guangdong. Conheci- Nos pavilhões do evento, ficou
da no Ocidente como Cantão, Guangz- clara a preocupação da indústria em
hou margeia o trecho sul do Rio das Pé- Em meio às contestações quanto à mudar a imagem negativa dos pro-
rolas. A missão do SindusCon-SP de- qualidade da indústria chinesa, as dutos "made in China": certificados
sembarcou na cidade dia 16 de outu- certificações de qualidade ocuparam lugar de qualidade ocupavam lugar privi-
bro para o evento. Junto ao grupo, esti- de destaque nos estandes da feira legiado nos estandes; o mapa da feira

41
materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 42

MISSÃO TÉCNICA

Tecnologias
FLB 268

Essa carregadeira e escavadeira da


Gustavo Mendes

Foton Lovol International tem motor


Perkins 1004, com torque máximo de
365 N.m, consumo de combustível de
A feira, a maior e mais tradicional da China, contou com 32 mil estandes e ocupou 240g/kWh, e transmissão modelo
área de 632 mil m2 Carraro. Sua pá-escavadeira tem
capacidade de 0,18 m3 e força máxima
de 58 kN. Já a pá-carregadeira tem
destacava a localização das marcas tárias e cerâmicas. "Esses materiais me
capacidade de 1 m3 e força máxima
mais famosas da China; e inúmeros pareceram ter boa qualidade", diz. Se-
de 41 kN. O peso de operação do veículo
guias de fornecedores foram distri- gundo o empresário, o próximo passo
é de cerca de 7,2 mil kg.
buídos aos visitantes, sempre com será verificar se eles cumprem as nor-
Foton Lovol International Heavy Industry
algum apelo para a questão da quali- mas e tentar chegar a um preço viável
Tel.: +86-536-7638885
dade. Além disso, a feira teve um de- de importação.
www.fotonlovol.com
partamento para receber denúncias Segundo Basílio Jafet, da Comex-
de quebras de patentes e de marcas port, os preços dos produtos chineses
Pisos cerâmicos
registradas. No ano passado, segun- não são mais tão baixos como há pou-
do a organização, cinco expositores cos anos. "Existem boas oportunida-
foram proibidos de participar de edi- des na China, mas não há aquela his-
ções seguintes da feira por violação tória de se pagar um quinto do preço,
de patentes. pois os preços mundiais hoje tendem
"Eles estão desenvolvendo de ma- a se aproximar. Mas pode haver eco-
neira bastante profissional o seu mer- nomia de 10% a 40%." Para Jafet,
cado fornecedor. No meu entender, a entre os principais materiais com
China está trilhando o mesmo cami- possibilidade de importação estão os
nho do Japão em relação à qualida- perfis de alumínio, vidro, materiais
de", avalia Salvador Benevides, coor- sanitários, porcelanatos, fechaduras e
denador da missão. Sergio Porto, di- ferragens, quadros elétricos e cubas,
retor da Multi Trading e da Sergio além de gruas e elevadores de obra.
A Monalisa Ceramics tem 22 linhas de
Porto Engenharia, tem opinião seme- Caso os preços sejam atrativos e a
pisos de cerâmica e exporta, segundo a
lhante: "Eles estão em um processo qualidade adequada, se quiserem im-
empresa, para cerca de 78 países. A foto
intenso de qualificação", afirma. portar, as construtoras precisarão
acima é da linha Super White de azulejos
Porto foi à China para avaliar a ainda de um planejamento minucio-
polidos de cerâmica. As outras linhas da
possibilidade de importação de mate- so, visto que os trâmites demoram
empresa podem ser conhecidas pelo
riais de construção por meio de sua cerca de 110 dias, desde o fechamento
www.monalisa.com.cn
trading, mas não gostou de tudo que do pedido ao transporte e desembara-
Monalisa Ceramics
viu. "A maioria dos produtos já tem ço aduaneiro. No entanto, o compor-
Zona Industrial de Taiping, Xiqiao Town,
uma tecnologia ultrapassada. Em al- tamento dos preços no mercado na-
Distrito Nanhai, Foshan, Província de
guns anos eles podem até ter tecnolo- cional deve ser o principal fator para
Guangdong
gia de nível mundial, mas hoje, não", uma decisão dessas empresas se aven-
Tel.: +86-757-86822683
afirma. De qualquer forma, Porto irá turarem ou não com a importação de
E-mail: monalisa@monalisa.com.cn
iniciar estudos de importação de por- materiais da China.
www.monalisa.com.cn
tas, batentes e fechaduras; louças sani- Gustavo Mendes

42 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 09:48 Page 43

Metais sanitários Porcelanatos A Tieshen Lock fabrica desde fechaduras


mais simples a modelos com abertura por
cartão, código ou impressão digital.
A empresa tem cerca de 600 funcionários
e certificação ISO 9001. Exporta
principalmente para América do Norte,
Europa, Australia e Ásia. O modelo da
foto é o A871SS-L.
Zhongshan Tieshen Lock Industrial
Tel.: (0086) 760-2262608
Fabricante de porcelanatos, cerâmicas e E-mail: tieshen@pub.zhongshan.gd.cn
de subprodutos de pedra natural para www.tieshen.com
acabamentos, a Guangdong Bode Fine
Building Material tem certificação ISO CMEC HXW230
9001 e ISO 14001 e empresas parceiras
em Hong Kong e Estados Unidos. Exporta
A Tangshan Huida Ceramic Group fabrica
principalmente para Japão, Europa e
metais sanitários, banheiras e boxes
Sudoeste da Ásia.
completos de chuveiros. De acordo com
Guangdong Bode Fine Building Material
o fabricante, seus metais sanitários têm
Tel.: (0086) 0757-83201938
tratamento contra corrosão e riscos; e
E-mail: bodematerial@163.com
suas válvulas de torneiras têm 500 mil
www.bodestone.com
ciclos de abertura e fechamento.
Tangshan Huida Ceramic Group
Compactador Atima CP 75 Essa escavadeira tem motor Cummins
Huida Ceramic City, Tangshan City,
6BTA5.9-C167, com potência de 124 kW
Hebei, China
e peso de operação de 22,6 mil kg. Tem
(0086) 315-8522541
altura de escavação de até 9.714 mm
E-mail: huida@heinfo.net
e raio de movimentação de 3.934 mm.
www.huidagroup.com
A capacidade da pá é de 1,05 m3.
CMEC Engineering
Geradores
Tel.: (0086) 10 63408398
E-mail: caoyu@cmec2.com.cn
www.cmec2.com.cn

Louças sanitárias

O compactador da Atima tem prato de


compactação de 550 x 440 mm, motor
Honda GX 160, peso de operação de 135 kg,
força de impacto de 20 kn e freqüência de
A Fuzhou Changhua Power Machinery vibração de 5.400 batidas por minuto.
fabrica motores, geradores e bombas de Atima
água a diesel ou gasolina. A empresa tem Tel.: (0086) 21-68880817
certificação ISSO 9001:2000 e exporta atima@atima.cn
para mais de 30 países. Na foto, o gerador www.atima.cn A Farns Ceramics fabrica louças sanitárias
a diesel com resfriamento a água modelo de diversas cores e modelos. Sediada na
CDE2000X, de uma fase, com força Fechaduras cidade de Chaozhou, na província de
máxima de 4 HP. Guangdong, a empresa tem certificação
Fuzhou Changhua Power Machinery ISO 9001 e exporta principalmente para
No 161 Jianxin North Roda, Fuzhou, Europa, Ásia e África.
Fujian, China Tel.: (0086) 768-5333226
Tel.: (0086) 591-88071392 E-mail: farns@163.com
www.changhuapower.com www.farns-ceramics.com

Conheça mais expositores da Feira de Cantão em www.cantonfair.org.cn 43


materia_water.qxd 6/11/2007 10:51 Page 44

CENTRO NACIONAL DE NATAÇÃO

Cenário aquático
Inspirada na geometria da formação natural de bolhas de sabão, a vedação do Centro
Nacional de Natação de Pequim troca de cor e permite a projeção de imagens

teoria matemática das bolhas de toria em engenharia Arup,que ajudou a servirão de gigantescas telas de cinema,
A sabão, criada por Weaire e Phelan,
professores do departamento de mate-
desenvolver o conceito estrutural da
imensa edificação de 70 mil m².A estru-
sobre as quais serão projetados os even-
tos que acontecem em seu interior.
mática da Trinity College, da Universi- tura é formada por tubos metálicos de Não é a primeira vez que o EFTE é
dade de Dublin,inspirou o escritório de seção circular soldados em nós rígidos empregado na construção civil. O
arquitetura australiano Peddle Thorp em forma de esferas que conectam as mesmo material plástico recobre o Al-
and Walker a criar o Centro Nacional peças entre si. Inflados com ar compri- lianz Arena, estádio de futebol de Mu-
de Natação para os Jogos Olímpicos de mido, as "bolhas" ou colchões de ar em nique construído para a copa do mun-
Pequim, em 2008. Também conhecido ETFE estão presos em braçadeiras sol- do, em 2006. O projeto é do famoso es-
como Water Cube ou Cubo de Água, o dadas na estrutura primária do edifício. critório de arquitetura suíço Herzog e
edifício surge da combinação de uma Orçado em US$ 100 milhões, o De Meuron que, aliás, é autor do Está-
estrutura de aço treliçada com vedação CNN abrigará atividades olímpicas dio Olímpico de Pequim, o "Ninho de
em ETFE (etileno tetrafluoretileno), como natação, pólo aquático, nado sin- Pássaro" (veja nesta edição), também
resina leve e translúcida. cronizado e saltos ornamentais. Dispõe criado para as Olimpíadas de 2008.
Para fazer o projeto, o escritório de de cinco piscinas e assentos para 17 mil Suas formas arredondadas contrastam
arquitetura associou-se à estatal China espectadores. Uma curiosidade: as fa- com as do Water Cube, implantado ao
State Construction and Engineering chadas reproduzem as diferentes cores lado,na parte Oeste do Parque Olímpi-
Corporation, ao Shenzhen Design Ins- do ambiente interno durante a noite e, co. Ambos os edifícios estão ligados
titute e à renomada empresa de consul- no momento da transmissão dos jogos, por uma esplanada.
Martin Saunders (Arup)

Com 70 mil m² e pé-direito de mais de 30 m, o Centro Nacional de Natação é um prisma transparente com um revestimento
que imita bolhas de sabão, reproduzidas com uma película de ETFE, resina leve e resistente

44 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia_water.qxd 6/11/2007 10:51 Page 45

Atualmente, o CNN é a construção


revestida com a maior superfície de
ETFE do mundo: cerca de 100 mil m²
da película recobrem as faces interna e
externa da estrutura. Além de ser an-
tiestático, autolimpante e totalmente
reciclável (veja tabela "Propriedades do
EFTE"), o material é forte, suportando
até 400 vezes seu peso próprio. Além
desses, tem outros atributos como a le-
veza (pesa cerca de 1% do vidro) e
transparência (deixa passar mais raios
UV do que o vidro). Sua durabilidade
ultrapassa os 20 anos, como comprova
o pavilhão do zoológico em Arnheim,
Complexidade estrutural
na Holanda, primeira obra construída Formada por perfis tubulares de seção nas moléculas dos cristais, consideradas
com a película, em 1982. transversal compacta, a estrutura do formas eficientes de subdivisão do
A estrutura metálica configura um Water Cube é robusta e resistente. "Tão espaço tridimensional. O desempenho
imenso prisma (177 m x 177 m x 31 m) forte que, mesmo que se fosse erguida satisfatório da estrutura com relação aos
que é vedado e, ao mesmo tempo, re- pelas extremidades, se manteria intacta", terremotos se deve às seções
vestido por quatro mil painéis pneu- afirmam os engenheiros da Arup num transversais compactas das vigas
máticos de ETFE autoportantes, o texto divulgado pela empresa. Ao todo, são metálicas, dimensionadas para que o aço
maior deles com 10,5 m de compri- 22 mil vigas metálicas e 12 mil nós, cujas alcance o escoamento sem que ocorra a
mento. Infladas com ar de baixa pres- dimensões e os desenhos variam de flambagem das chapas que as compõem.
são para resistir às cargas de vento, as acordo com as 190 condições de Ao superar a tensão de escoamento do
"bolhas" ou "almofadas" pneumáticas carregamento específicas. Os perfis, aço, as seções compactas dissipam a
de EFTE estão presas por clipes de alu- soldados em nós, em ângulos de 120º, energia, garantindo a sobrevivência do
mínio à estrutura principal que, se- criam uma trama estrutural inspirada em edifício a um terremoto de intensidade
gundo um texto divulgado pela Arup, bolhas de sabão, no arranjo das células e mais forte (Nível 3).
não requeria proteção contra fogo. "A

Resistência a terremotos
A China é um dos países mais assolados conceito de ductilidade plástica ao resposta elástica e linear até um ponto de
por terremotos do mundo. Por esse dimensionamento das seções estruturais, solicitação muito anterior àquele em que
motivo, a estrutura do Water Cube foi concebidas como seções compactas se inicia o escoamento do aço", explica
concebida e dimensionada para resistir ao em vez de se utilizar de elementos Mark Arkinstall, engenheiro sênior e chefe
máximo aos abalos sísmicos. "A estrutura de parede delgada e enrijecidas por chapas. do Grupo de Tecnologia Avançada da Arup
permanece completamente ilesa durante Essa estratégia de dimensionamento de Sydney, na Austrália.
os terremotos de Nível 1, mais comuns na conduziu a uma estrutura mais adequada Depois que perdem a rigidez (no instante
região", afirma Stuart Bull, coordenador da às solicitações sísmicas e às exigências em que o aço escoa), os enrijecedores
BIM e projetista estrutural da Arup, em normativas chinesas. deixam de prover o reforço suficiente para
Sydney, na Austrália. "Já em terremotos Apesar de ter resultado num gasto maior os demais elementos de chapa, até que
mais raros, de Nível 3, a estrutura pode com aço, a opção pela viga de seção toda a seção transversal da viga atinja a
ser significativamente danificada, mas transversal, compacta em vez de outra ruína por instabilidade do equilíbrio. Em
permanece em pé, garantindo a saída das mais leve, de seção transversal enrijecida, contrapartida, as seções compactas
pessoas do edifício", acrescenta Bull. garante a sobrevivência do edifício diante permanecem estáveis após a deformação
A concepção de um sistema estrutural leve – de um terremoto mais intenso. A elevada por escoamento do aço ser atingida.
capaz de vencer vãos imensos e de suportar ductilidade proporcionada pelas seções "Como a estrutura do Water Cube é
o peso próprio – e seguro – adaptado às compactas evita que as barras se rompam solicitada além da tensão de escoamento
condições sísmicas de Pequim –, era um dos na presença de solicitações elevadas. do aço durante um terremoto, a adoção
maiores desafios do projeto. Utilizando-se "As seções enrijecidas, por outro lado, de seções compactas torna-se ideal no
de modelos tridimensionais implementados embora resistam bem à flambagem caso de terremotos mais raros (Nível 3),
no programa de análise estrutural LS-Dyna, localizada e resultem em chapas mais pois impede a flambagem localizada da
a equipe de engenheiros do Arup aplicou o delgadas, mantêm suas características de seção transversal", finaliza Arkinstall.

45
materia_water.qxd 6/11/2007 10:51 Page 46

CENTRO NACIONAL DE NATAÇÃO

Etapas
1 Soldadores constroem a estrutura
da cobertura sobre plataforma de
andaime, a 23,3 m do solo.
Precisamente localizados por GPS,
os nós da treliça são fixados em
"stubs" ajustáveis antes da
instalação das vigas da grande
caixa metálica

2 Os tubos de aço são soldados em


nós num ângulo de 120º, de forma
a criar uma “estrutura orgânica”

3 Superestrutura concluída, já com


Fotos: PTW Architects and CSCEC

os clipes, pronta para a instalação


da vedação de ETFE

4 As "almofadas" verticais que


1 compõem as fachadas estão
parcialmente infladas. A maior
das "bolhas" possui 10,5 m
de comprimento

5 A imagem mostra a trama


estrutural de tubos de aço que
compõe a cobertura. Dutos para
suprimento de ar primário se
conectam a mangueiras menores
que enchem as "almofadas" de ar

6 A instalação das "almofadas" da


cobertura é feita da mesma forma
2 3 que a da fachada

Dominik Holzer (Arup)

4 6

46 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia_water.qxd 6/11/2007 10:51 Page 47

PTW Architects and CSCEC

PTW Architects
Infladas com ar comprimido, as "bolhas" de ETFE estão O Water Cube foi desenhado para atuar como uma estufa,
presas à estrutura tubular por meio de clipes metálicos absorvendo radiação solar e evitando perda de calor

análise estrutural e engenharia de in- píadas Verdes", o fechamento claro e evitando perda de calor, o edifício dis-
cêndio demonstrou que, no pior dos translúcido de ETFE, além de deixar põe de mecanismos que permitem o
cenários, a estrutura do edifício conti- passar a luz diurna, minimizando os controle dos níveis de luz, de acordo
nua a suportar os carregamentos sem gastos com iluminação artificial, retém com as diferentes necessidades sazonais.
entrar em colapso e que, portanto, o aproximadamente 90% do calor do sol, Implantado entre as camadas de EFTE
aço dispensou proteção contra fogo", que será usado para aquecer as piscinas que recobrem os elementos estruturais,
afirma a equipe. (veja esquema). À noite, o calor absor- dispositivos internos permitem a aber-
A capital chinesa foi escolhida para vido pela massa térmica do concreto e tura ou o fechamento dos vãos internos,
sediar os Jogos Olímpicos de 2008 com da água é irradiado de volta,aquecendo controlando a incidência dos raios sola-
a promessa de usar o evento para recu- todo o interior da edificação. res.A fachada tem três modos de opera-
perar o meio ambiente. Coerente com Apesar de ter sido desenhado como ção:"verão","inverno" e "meia-estação".
essa proposta, conhecida como "Olim- uma estufa,absorvendo radiação solar e O acesso ao CNN acontece por meio
de pontes, já que o edifício está cercado,
em seu perímetro,por um fosso linear.A
Atividade padrão da cavidade de ventilação água de lavatórios e chuveiros (esgoto
Depois de pré-aquecido, o ar cinza), assim como a água da chuva
externo é direcionado à piscina (captada pela cobertura e conduzida
por um ventilador para o fosso que cerca o Water Cube)
serão armazenadas em tanques,tratadas
ETFE pode ser "desligado"
e reutilizadas em descargas de vasos sa-
para sombrear o interior
nitários e na irrigação de jardins.
São utilizados sistemas ativo Valentina N. Figuerola
e passivo de aquecimento Colaborou: Francisco Graziano
da água por energia solar

Além de evitar condensação,


as almofadas de ETFE atuam
como uma estufa
FICHA TÉCNICA
Arquitetura: PTW Architects – John
O ar externo é pré-aquecido Bilmon e Andrew Frost com
na cavidade de ventilação Andréas Becker, Chris Bosse,Tim
Brouw, Mark Butler, Alan Crowe,
Matthew Lorrimer, John Pauline,
Rossa Prendergast, Fernanda
PROPRIEDADES DO ETFE Previato, Daniela Sade, Fiona
Valores Método de ensaio Smith, Ingrid Tozer, Kurt Wagner
Densidade 1.75 ± 0.05 g/cm3 DIN 53479 a 23°C Construção: China State
Tensão de ruptura 40 – 50 N/mm2 DIN 53455 Construction and Engineering
Alongamento de ruptura 300 – 400% Instrom a 100 mm/min Corporation (CSCEC) – Zhao
Tensão limite de escoamento 20 – 30 N/mm2 Instrom a 100 mm/min Xiaojun, Wang Min, Shang Hong
Alongamento de escoamento 15 – 20% Instrom a 100 mm/min Consultoria: Arup – Tristam Carfrae,
Temperatura de fratura a frio -180oC DIN 53372 Peter Mcdonald, Kenneth Ma,
Tear Propagation 400 – 500 N/mm DIN 53363, 23°C Haico Schepers, Ken Conway,
Fonte: Vector Foiltec Mark Lewis, Steve Pennell

47
materia_water.qxd 7/11/2007 10:58 Page 45

Atualmente, o CNN é a construção


revestida com a maior superfície de
ETFE do mundo: cerca de 100 mil m²
da película recobrem as faces interna e
externa da estrutura. Além de ser an-
tiestático, autolimpante e totalmente
reciclável (veja tabela "Propriedades do
EFTE"), o material é forte, suportando
até 400 vezes seu peso próprio. Além
desses, tem outros atributos como a le-
veza (pesa cerca de 1% do vidro) e
transparência (deixa passar mais raios
UV do que o vidro). Sua durabilidade
ultrapassa os 20 anos, como comprova
o pavilhão do zoológico em Arnheim,
Complexidade estrutural
na Holanda, primeira obra construída Formada por perfis tubulares de seção nas moléculas dos cristais, consideradas
com a película, em 1982. transversal compacta, a estrutura do formas eficientes de subdivisão do
A estrutura metálica configura um Water Cube é robusta e resistente. "Tão espaço tridimensional. O desempenho
imenso prisma (177 m x 177 m x 31 m) forte que, mesmo que se fosse erguida satisfatório da estrutura com relação aos
que é vedado e, ao mesmo tempo, re- pelas extremidades, se manteria intacta", terremotos se deve às seções
vestido por quatro mil painéis pneu- afirmam os engenheiros da Arup num transversais compactas das vigas
máticos de ETFE autoportantes, o texto divulgado pela empresa. Ao todo, são metálicas, dimensionadas para que o aço
maior deles com 10,5 m de compri- 22 mil vigas metálicas e 12 mil nós, cujas alcance o escoamento sem que ocorra a
mento. Infladas com ar de baixa pres- dimensões e os desenhos variam de flambagem das chapas que as compõem.
são para resistir às cargas de vento, as acordo com as 190 condições de Ao superar a tensão de escoamento do
"bolhas" ou "almofadas" pneumáticas carregamento específicas. Os perfis, aço, as seções compactas dissipam a
de EFTE estão presas por clipes de alu- soldados em nós, em ângulos de 120º, energia, garantindo a sobrevivência do
mínio à estrutura principal que, se- criam uma trama estrutural inspirada em edifício a um terremoto de intensidade
gundo um texto divulgado pela Arup, bolhas de sabão, no arranjo das células e mais forte (Nível 3).
não requeria proteção contra fogo. "A

Resistência a terremotos
A China é um dos países mais assolados conceito de ductilidade plástica ao resposta elástica e linear até um ponto de
por terremotos do mundo. Por esse dimensionamento das seções estruturais, solicitação muito anterior àquele em que
motivo, a estrutura do Water Cube foi concebidas como seções compactas se inicia o escoamento do aço", explica
concebida e dimensionada para resistir ao em vez de se utilizar de elementos Mark Arkinstall, engenheiro sênior e chefe
máximo aos abalos sísmicos. "A estrutura de parede delgada e enrijecidas por chapas. do Grupo de Tecnologia Avançada da Arup
permanece completamente ilesa durante Essa estratégia de dimensionamento de Sydney, na Austrália.
os terremotos de Nível 1, mais comuns na conduziu a uma estrutura mais adequada Depois que perdem a rigidez (no instante
região", afirma Stuart Bull, coordenador da às solicitações sísmicas e às exigências em que o aço escoa), os enrijecedores
BIM e projetista estrutural da Arup, em normativas chinesas. deixam de prover o reforço suficiente para
Sydney, na Austrália. "Já em terremotos Apesar de ter resultado num gasto maior os demais elementos de chapa, até que
mais raros, de Nível 3, a estrutura pode com aço, a opção pela viga de seção toda a seção transversal da viga atinja a
ser significativamente danificada, mas transversal, compacta em vez de outra ruína por instabilidade do equilíbrio. Em
permanece em pé, garantindo a saída das mais leve, de seção transversal enrijecida, contrapartida, as seções compactas
pessoas do edifício", acrescenta Bull. garante a sobrevivência do edifício diante permanecem estáveis após a deformação
A concepção de um sistema estrutural leve – de um terremoto mais intenso. A elevada por escoamento do aço ser atingida.
capaz de vencer vãos imensos e de suportar ductilidade proporcionada pelas seções "Como a estrutura do Water Cube é
o peso próprio – e seguro – adaptado às compactas evita que as barras se rompam solicitada além da tensão de escoamento
condições sísmicas de Pequim –, era um dos na presença de solicitações elevadas. do aço durante um terremoto, a adoção
maiores desafios do projeto. Utilizando-se "As seções enrijecidas, por outro lado, de seções compactas torna-se ideal no
de modelos tridimensionais implementados embora resistam bem à flambagem caso de terremotos mais raros (Nível 3),
no programa de análise estrutural LS-Dyna, localizada e resultem em chapas mais pois impede a flambagem localizada da
a equipe de engenheiros do Arup aplicou o delgadas, mantêm suas características de seção transversal", finaliza Arkinstall.

45
materia.qxd 6/11/2007 08:57 Page 48

ESTÁDIO NACIONAL DE PEQUIM


Martin Saunders

Ninho de aço
Baseando-se nos preceitos do Biomimetismo, o Estádio Olímpico de Pequim
trança o aço como um elemento da natureza

proximidade da 29a Olimpíada a cedor de um concurso internacional projetos de recreação em larga escala
A ser realizada em Pequim, China,
em 2008, vem transformando a cidade
realizado em 2002 pela Comissão Mu-
nicipal de Planejamento Urbano de
para os cidadãos de Pequim. Junto ao
estádio está sendo construído um
em um grande canteiro de obras, com Beijing. Com um alto custo, estimado hotel interligado aos serviços e comér-
importantes construções de arenas de em US$ 500 milhões, o estádio de 254 cios integrados à construção.
esportes preparadas para receber atle- mil m2 está sendo construído ao sul do
tas e visitantes do mundo todo. É o Parque Olímpico de Pequim e terá ca- Matemática da china
caso do Estádio Nacional de Pequim, a pacidade fixa para 91 mil pessoas mais Conhecido como Bird's Nest,
arena mais importante do torneio,des- 11 mil assentos temporários durante "Ninho de Pássaro", o estádio tem sua
tinada a sediar as cerimônias de aber- os jogos. Seu grande volume, cerca de arquibancada inteiramente recoberta
tura e encerramento e uma boa parte 3 milhões de metros cúbicos, já o torna por uma profusão aparentemente
das competições realizadas ao ar livre. uma das grandes referências arquitetô- aleatória de vigas e treliças metálicas
O projeto é resultado de um consórcio nicas e construtivas da cidade, que es- contínuas e entrelaçadas, exatamente
entre os arquitetos suíços Herzog & De pera ver a construção finalizada e pron- como os gravetos de madeira que for-
Meuron, a empresa britânica de con- ta para as competições até o início de mam um ninho. De acordo com os ar-
sultoria global em engenharia Arup & 2008. Após as olimpíadas, o estádio irá quitetos, a forma da rede metálica que
Partners e o grupo chinês China Archi- sediar grande parte dos jogos oficiais e envolve e cobre o anel de concreto dos
tecture Design & Research,que foi ven- não-oficiais nacionais, e será palco de assentos é baseada na lógica dos apa-

48 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 08:57 Page 49

Ben McMillian

A rede metálica que envolve o anel de concreto baseia-se nos padrões aleatórios da
natureza e do Biomimetismo

rentes padrões aleatórios da natureza na construção da cobertura. A im-


e inspirada nos conceitos de equilí- pressão de maior leveza do conjunto é
brio e harmonia do Yin e Yang da filo- derivada da busca por formas e carac-
sofia chinesa, onde se combinam o terísticas da seção e da espessura do
caos e a ordem. É exatamente essa in- aço que possibilitaram redução de
teração de opostos a força do impacto peso e tornaram a construção real-
da construção na cidade. Para muitos mente factível.
dos visitantes é difícil dizer onde ter- Para o projeto da cobertura-estru-
mina a função estrutural da megama- tura foram utilizados softwares de
lha metálica e começa a pura repre- modelagem de última geração que
sentação estética e formal da fachada. utilizaram constantes geométricas di-
RESUMO DA OBRA De acordo com os profissionais res- tadas pelo uso e capacidade de cada
Obra: Estádio Nacional de Pequim ponsáveis da Arup, o padrão de dispo- parte da estrutura. No projeto origi-
Local: Parque Olímpico, sição das "pernas" metálicas é fruto de nal a cobertura era retrátil, mas devi-
Pequim, China uma intensa pesquisa biométrica e do aos custos, a abertura sobre o
Área construída: 254.600 m2 matemática que resultou em uma re- campo aumentou e a cobertura tor-
Volume: 3 milhões de m3 petitiva série de vigas e treliças em nou-se fixa, com vãos de 330 m de
Capacidade: 91 mil pessoas curvas ascendentes e descendentes comprimento por 220 m de largura e
incluindo 11 mil assentos que se interconectam com uma gran- altura máxima de 68 m, maior que
temporários durante o evento de lógica estrutural e conceitual. O um prédio de 20 andares. O ângulo
Altura: 69,2 m projeto segue os preceitos do Biomi- de inclinação nas fachadas é de 13º. A
Peso total da estrutura de aço: metismo, ciência que estuda os mode- cobertura em forma de sela de mon-
42 mil t los e padrões da natureza que podem taria possui linhas metálicas princi-
Área total de instalação de ser aplicados na escala humana na re- pais que partem da projeção em ba-
membrana de proteção: 90 mil m2 solução de problemas de diversas es- lanço no campo, correm por toda a
entre ETFE e PTFE pecialidades, entre elas o design. Em- superfície horizontal superior, des-
Custo: US$ 500 milhões bora o padrão pareça aleatório, exis- cem ao longo da fachada e encontram
Cliente: National Stadium Co Ltd tem diversos grupos de tramas metá- 24 colunas treliçadas de 1 t cada dis-
Projeto: Consórcio entre Arup, licas, cada qual com suas ordens e re- postas à volta da base de concreto,
Herzog & De Meuron Architekten gras particulares, difíceis de apreen- pré-fabricadas e em formato pirami-
AG e China Architecture Design der ao olho humano comum. Sem a dal. Esses pontos de apoio formam no
& Research Group definição exata da geometria indivi- seu interior um grande espaço semi-
Construção: Consórcio entre dual de cada peça e sua função na for- aberto e público, onde serão locados
o Beijing Urban Construction Group mação da trama coletiva seria impos- restaurantes, bares, lojas e as escadas
e vários fornecedores sível o máximo controle e segurança de acesso às arquibancadas e gerais.

49
materia.qxd 6/11/2007 08:57 Page 50

ESTÁDIO NACIONAL DE PEQUIM

Ben McMillian
Fotos: Arup

Cada pedaço que forma os 36 km de caixas metálicas ocas suporta o próprio peso, além de execer função estrutural chave no
conjunto. O anel elíptico é dividido em oito zonas de estruturas independentes

Outra rede metálica, formada por li- maioria dos espectadores a aco- ção usados na composição da cober-
nhas diagonais que partem das esca- modar-se no conjunto de fileiras ao tura foi fundamental para o sucesso
das intracobertura, envolve o períme- longo do comprimento, onde a dis- estrutural do conjunto, com um peso
tro da malha básica e é complementa- tância radial ao centro do campo per- estimado em 42 mil t. Cada caixa oca
da por linhas que equilibram a estéti- manece quase a mesma. Essa caracte- é formada de chapas de 1,2 m de lar-
ca da fachada. Considerado um está- rística permite uma visão satisfatória gura com espessuras que variam de 10
dio de quarta geração, cada pedaço dos jogos à grande parte do público, e mm a 100 mm dependendo do local e
que forma os 36 km contínuos de cai- sua definição também foi fruto de forma da peça. As seções que giram e
xas metálicas ocas suporta a si mesmo análises computacionais. De acordo torcem em um movimento descen-
e é peça-chave estrutural no conjunto, com a equipe da Arup, alterações de dente, da superfície horizontal em di-
ou seja, se um pedaço falhar no su- 100 mm na altura da primeira fileira reção à fachada, possuem maiores re-
porte das cargas, todas as estruturas de assentos conforma um estádio sistência mecânica, propriedade es-
primária, secundária e terciária entra- muito mais alto e largo, e como con- sencial aos membros sujeitos ao car-
rão em colapso. É a visão holística chi- seqüência, milhões de dólares mais regamento excêntrico experimentado
nesa dentro dos conceitos estruturais caro. Além de sediar as olimpíadas, o na interseção arredondada do telhado
e formais da construção. Por razões de estádio estará equipado para receber e da parede. Mais uma vez o uso do
segurança contra terremotos, a cober- as Pára-Olimpíadas, a serem realiza- software permitiu à equipe da Arup
tura é independente do estádio de das após o evento. Para tanto, o nú- projetar a estrutura em segmentos es-
concreto e também foi analisada por mero de espaços para cadeiras de pecíficos prontos para serem soldados
avançados software sob ação de varia- rodas teve que ser aumentado e loca- no local. Os soldadores tiveram gran-
das direções de forças e carregamen- lizado em todas as zonas e fileiras das des desafios na empreitada: as tempe-
tos, previsões de terremotos em 50, arquibancadas. Todas as medidas, al- raturas precisavam ser controladas, e
475 e dois mil anos. Cada uma das 7,5 turas, larguras e espessuras do campo a quantidade de juntas, 128 no total,
mil peças que compõem o conjunto e assentos seguiram os requerimen- perfizeram 600 m de comprimento.
foram analisadas e dimensionadas se- tos do IOC (Comitê Olímpico Inter- Os espaços abaixo da primeira ca-
paradamente. nacional) e da IAAF (Federação In- mada da rede de aço da cobertura
O anel elíptico é dividido em oito ternacional dos Atletas Amadores, serão preenchidos com 40 mil m2 de
zonas de estruturas independentes e em português). membranas translúcidas, impermeá-
possui sete níveis de pavimentos, com veis e infladas de ETFE (etileno tetra-
um gradiente de alturas entre as duas As partes e o todo fluoretileno), também utilizadas no
pontas mais elevadas. Essas diferen- A continuidade dos membros estádio Allianz Arena, em Munique,
ças entre as porções extremas leva a pré-fabricados de aço de última gera- na ocasião da Copa do Mundo na Ale-

50 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 08:57 Page 51

manha, (Téchne 110). Além da função


de proteção contra chuva, esses col-
chões filtram os raios solares e evitam
forte exposição ao sol. Por ser mais
leve que o vidro e materiais similares,
as membranas autolimpantes de
ETFE evitam maior sobrecarga na es-
trutura e exigem pouca manutenção.
O mesmo material será disposto em
zonas específicas da fachada, para
proteção contra ventos fortes e domi-
nantes, mas ainda assim permitirá a
ação da ventilação natural dentro do
grande espaço urbano coberto ao
redor do estádio, pois as unidades co-
merciais serão totalmente fechadas e
não necessitam de proteção extra.
Além dessa camada superior de pro-
teção, 53 mil m2 de membrana PTFE,
(politetrafluoretileno) na cor creme,
Entre a estrutura de concreto e a malha metálica, está destinado um espaços semi-aberto,
serão instaladas no último nível inter-
onde ficarão lojas e restaurantes e as escadas de acesso às arquibancadas e gerais
no da cobertura para garantir maior
isolamento acústico, assim como um
forro em uma construção comum. na construção do estádio junto com o com os construtores, a execução de
Essa proteção irá permitir que comu- Beijing Urban Construction Group, o peças soldadas para a estrutura prin-
nicados e narrações de jogos sejam Golden State Holding Group dos Es- cipal exigiu um esforço extra dos tra-
ouvidos claramente por todo o públi- tados Unidos e o CITIC Group afilia- balhadores que tiveram que unir
co, além de abafar a caótica emissão do a Guoan Elstrong. Os 58% restan- cerca de 180 seções de caixas de aço.
de som dos próprios espectadores. tes foram aplicados pelo governo mu- Enquanto isso, para suportar as 42 t
Todo o cabeamento necessário à co- nicipal de Pequim. O gerente-executi- da estrutura, sendo 11 t só da cober-
bertura será instalado dentro da pró- vo do projeto foi o Beijing Urban tura, foram dispostas 78 escoras me-
pria seção quadrada das peças metáli- Construction Group, que comandou tálicas, sendo 24 em um círculo exter-
cas, o que reduz sobremaneira os cus- a equipe de engenheiros civis, mecâ- no, 24 no círculo mediano e 30 na es-
tos com eletrodutos, enquanto que a nicos, elétricos, acústicos e de segu- trutura interna. A retirada do escora-
água da chuva será coletada por dutos rança da Arup & Partners. mento foi feita em sete grandes pas-
especiais e levada para um centro de A empresa responsável pela pri- sos, onde cada um foi dividido em
tratamento para reúso. meira fase da construção foi a Beijing cinco procedimentos, em um total de
Mechanical Construction Company 35 minietapas. Para um maior con-
Construção que iniciou a execução de fundações trole da retirada foram utilizados ma-
A construção do Bird's Nest ini- com estacas de 37 m de profundidade cacos hidráulicos posicionados no
ciou-se em 23/12/2003, com movi- e 1,2 m de diâmetro. Para a execução topo das escoras, com alturas que va-
mentações de terra e execução das do estádio foram usadas peças em L riam entre 100 mm e 200 mm. A reti-
fundações e já em 2004 houve uma de concreto pré-moldado atravessa- rada do conjunto macaco-escora es-
parada para alteração da cobertura – das por vigas de concreto armado, de teve restrita ao controle milimétrico
omissão do telhado retrátil – o que re- maneira a formar um esqueleto pré- do movimento descendente de cada
duziu o consumo de aço em 22%. De- moldado das fileiras dos assentos. O zona da estrutura, com limites prefi-
vido a essa mudança houve um au- restante da estrutura foi complemen- xados. Em setembro de 2006 toda a
mento na abertura da cobertura, o tada por peças de concreto moldado estrutura já estava livre de escora-
que também reduziu o uso da mem- in loco. Essa fase construtiva foi reali- mentos e pronta para receber as
brana na superfície em 13%. A cons- zada pelo próprio Beijing Urban membranas e os trabalhos de insta-
trução recomeçou em 2005 e a previ- Construction Group, um dos investi- lações. De acordo com os construto-
são de entrega saltou de 2006 para iní- dores. A montagem das estruturas de res, as membranas já estão sendo
cio de 2008. A empresa China Inter- aço começou no final de 2005 pelas instaladas e o estádio ficará pronto
national Trust and Investment Cor- empresas Shangai Baoye Construc- para receber a tocha olímpica no co-
poration é responsável por aportar tion e Beijing Urban Construction meço de 2008.
42% do total dos investimentos feitos Jinggang Steel Structure. De acordo Simone Sayegh

51
chapa-cimentoxxxx.qxd 6/11/2007 09:43 Page 52

CHAPAS CIMENTÍCIAS

Parede ou vedação
Com características que permitem serem usadas tanto em paredes
com steel frame como em acabamento de fachadas, as chapas de cimento
e fibras apresentam grande resistência e durabilidade

s chapas cimentícias surgiram na


A década de 1970 mas foi a partir do
desenvolvimento do mercado de cons-
trução seca que começaram a ser mais
usadas no País.A associação com a téc-
nica steel frame não aconteceu por
acaso. A instalação do produto, rápida
e limpa, vai ao encontro dos procedi-
mentos de montagem, vantagem que
caracteriza esse sistema construtivo.
No entanto, a lenta difusão do
conceito fast construction vem oca-
sionando um certo desconhecimento
técnico do produto, principalmente
quando o assunto é a sua aplicação.
Seu uso vai além dos fechamentos ex-
ternos e internos de estruturas pré-
fabricadas ou convencionais podendo
ser aplicadas até mesmo em pisos, for-

Fotos: divulgação ABCP


ros e shafts.
O produto é resultante da mistura
de cimento Portland, agregados, adi-
ções ou aditivos e reforçado com fi-
Casa construída com placas cimentícias
bras, fios, filamentos ou telas. De acor-
do com o professor Vanderley John,
do departamento de engenharia de parafusos, fitas, massas e juntas de dila- consultor internacional para auxiliar
construção civil da Poli-Usp (Escola tação, entre outros, específicos para esse no desenvolvimento do sistema com-
Politécnica da Universidade de São tipo de produto e para sua aplicação. pleto, incluindo a "receita" da argamas-
Paulo), a solução é bastante competi- Essa ressalva é feita por Alexandre sa. "É muito importante estar atento a
tiva, sobretudo quando comparada Mariutti, diretor da Construtora Se- todas as interfaces do sistema", orienta
aos painéis de concreto arquitetônico qüência, empresa que há nove anos usa o construtor.
e os pré-fabricados GRC (Glass Rein- o material. "Usamos diversas marcas,
forced Concrete), ainda caros. "Tam- até importadas, e tivemos todos os Execução
bém é uma opção às fachadas de pla- tipos de patologias até abandonarmos Para não comprometer a velocida-
cas de rocha e alumínio", explica. esse sistema", lembra. A decisão só foi de de execução do sistema steel frame,
Entretanto,é importante considerar revista quando a construtora ganhou o uso de chapas cimentícias exige um
que a chapa cimentícia faz parte de um uma concorrência que exigia o uso do projeto estrutural bem definido e
sistema que inclui componentes como produto. A solução foi contratar um compatibilizado com os demais. "Prin-

52 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


chapa-cimentoxxxx.qxd 6/11/2007 09:43 Page 53

1
cipalmente com os projetos arquitetô-
nico, elétrico e hidráulico", completa o
engenheiro Levi Cabral Simões, da
Steelcon Construções.
Antes de especificar, é importante
ter em mente a função que o material
exercerá. Cada uma das aplicações re-
quer cuidados específicos, indicados
pelos próprios fabricantes.
De acordo com o engenheiro Cláu-
dio Oliveira Silva, gerente de Indústria
Fechamento de shaft com placa cimentícia em obra de alvenaria com blocos de concreto
da Pré-fabricação da ABCP (Associa-
ção Brasileira de Cimento Portland),os
principais erros de especificação são
indicações de uso inapropriado e de es-
pessura e categoria inadequadas.
As placas para uso externo, por
exemplo, devem apresentar maior re-
sistência para suportar as variações
climáticas, o contato com umidade e
com a insolação direta. Já as solicita-
ções dos ventos e das cargas horizon-
tais devem ser levadas em conta no
caso da sua aplicação em fachadas.
Entre as patologias mais comuns
estão as trincas, destacamentos e fol-
gas, verificadas em casos de erros de
projetos ou má execução. Um dos
pontos mais críticos da execução são
Seqüência de execução de beiral da cobertura de um sobrado com placa cimentícia
as juntas. Quando malfeitas compro-
metem não apenas a estética como o
sistema de vedação da parede.
O pesquisador Cláudio Mitidieri,
do IPT (Instituto de Pesquisas Tecno-
lógicas do Estado de São Paulo), alerta
que a variação dimensional da placa –
característica que a norma brasileira
deixa em aberto – é um detalhe impor-
tantíssimo que deve ser checado no
momento da compra. "A partir dessa
informação é possível saber qual a va-
riação de umidade e temperatura das
chapas e, conseqüentemente, definir o
tipo de junta a ser usado", explica.
Vanderley John

O dimensionamento das juntas


deve levar em conta as características
de cada tipo de placa. Pode-se execu-
tar juntas do tipo dissimulada (com Edifício de dois pavimentos com fechamento de painéis cimentícios

53
chapa-cimentoxxxx.qxd 6/11/2007 09:43 Page 54

CHAPAS CIMENTÍCIAS

telas e massa para junta) ou do tipo


aparente (selante flexível-polissulfeto,
poliuretano ou silicone).
A fixação junto aos perfis de aço ou
de madeira, conforme comentam os
especialistas, é outro ponto que merece
atenção especial.Além do dimensiona-
mento adequado e quantidade correta,
os parafusos devem ser de excelente
qualidade e, principalmente, resisten-
tes à corrosão. Do contrário, podem
danificar a superfície das chapas com-
prometendo a qualidade do sistema.
Para evitar descolamentos do re-
Divulgação Construtora Seqüência

vestimento, sobretudo os cerâmicos,


uma boa dica é estar atento às carac-
terísticas de absorção de água e varia-
ção dimensional.

Rumo à normalização
O primeiro passo em direção à pa-
dronização e qualidade dos produtos
ofertados ao mercado brasileiro acaba
de ser dado. A NBR 15498 – Placa
Plana Cimentícia sem Amianto – Re-
quisitos e Métodos de Ensaio, que vi-
gora desde agosto de 2007, é a primei-
ra norma nacional a estabelecer os re-
quisitos, métodos de ensaio e as condi-
ções de recepção das placas planas ci-
mentícias reforçadas com fibras, fios,
filamentos ou telas.
A classificação prevista segue a filo-
Divulgação Construtora Seqüência

sofia da norma internacional ISO 8336


(Fibre-cement flat sheets – Product
specification and test methods). De
acordo com a engenheira Inês Laran-
jeira da Silva Battagin, superintendente
do ABNT/CB-18 (Comitê Brasileiro de
Uso de chapas cimentícias no condomínio Terravista, em Trancoso, Bahia
Cimento, Concreto e Agregados da As-
sociação Brasileira de Normas Técni-
CLASSES cas), a expectativa é que a norma fo-
Conforme sua classe, as chapas cimentícias podem ter função estrutural e serem mente melhorias nos produtos e servi-
aplicadas em ambientes externos ou internos. ços, beneficiando o consumidor final.
Tensão mínima de ruptura por flexão (MPa) Entre os critérios a serem adotados,
Categoria Placas da classe A Placas da classe B destacam-se os requisitos dimensionais,
1 - 4 que deverão ser checados no recebi-
2 4 7 mento do produto e os físicos e mecâni-
3 7 10 cos, verificados por ensaios a serem rea-
4 13 16 lizados pelo fabricante de acordo com o
5 18 22 plano de amostragem da produção.
Classe A – indicadas para aplicações externas onde elas podem estar sujeitas à ação
direta do sol, da chuva, calor e umidade Pesquisa
Classe B – indicadas para aplicações internas e externas onde elas não serão Com o objetivo de desenvolver pai-
submetidas à ação direta do sol, da chuva, calor e umidade néis cimentícios de alta durabilidade e
Fonte: ABCP bom desempenho destinados aos edifí-

54 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


chapa-cimentoxxxx.qxd 6/11/2007 09:43 Page 55

cios habitacionais e comerciais cons-


truídos com a técnica construtiva steel
frame, a Escola Politécnica da USP
(Universidade de São Paulo) pelo Pro-
grama de Tecnologia para Habitação
(Habitare/Finep) e em parceira com
professores da FZEA (Faculdade de
Zootecnia e Engenharia de Alimentos),
Fotos: divulgação ABCP

EESC (Escola de Engenharia de São


Carlos) e várias empresas do setor –
está estudando uma série de tecnolo-
gias para placas moduladas.
Sistema steel frame (drywall) com placa cimentícia Os trabalhos visam à redução das
matérias-primas usadas na fabricação
do produto – como a celulose, por
exemplo – e a melhoria dos processos
de cura."O foco é o desenvolvimento de
um produto de excelente desempenho,
ecoeficiente, com alta tecnologia e de
baixo custo", explica o professor Van-
derley John, coordenador do projeto.
Outro conceito inovador será o
desenvolvimento de materiais com a
aplicação da tecnologia FGM (Func-
tionaly Graded Materials) que permi-
tirá variar as propriedades dos produ-
tos ponto a ponto, conforme as espe-
Fechamento de shaft com placas cimentícias Execução de fachada com placas cimentícias cificidades de cada projeto.
A princípio, a tecnologia está
sendo aplicada nas telhas onduladas
de fibrocimento. Mas também deveão
Tipos de chapas ser empregados às chapas cimentícias,
As placas disponíveis no mercado possuem GRC ou GRFC (Glass Fiber componentes que serão beneficiados a
fibras dispersas na matriz ou então Reinforced Concrete) – placas com partir da redução do teor de fibras uti-
apresentam reforços em malhas de fibras cimento Portland, agregados e fibras lizados atualmente, sem prejuízo do
de vidro nas superfícies. Confira os tipos: de vidro resistentes a álcalis dispersos desempenho desse componente.
CRFS (Cimento Reforçado com Fios na matriz "Será possível concentrar os mate-
Sintéticos) – placas com cimento Placas com cimento Portland – riais mais resistentes à deterioração ou
Portland, agregados naturais, celulose e agregados leves, reforçadas com telas de degradação nas superfícies expostas às
fios sintéticos fibra de vidro nas superfícies intempéries enquanto os materiais de
baixo custo comporiam a camada cen-
tral", explica o pesquisador Cleber
Gesso x cimento Marcos Ribeiro Dias, um dos envolvi-
dos no projeto.
Os painéis cimentícios ainda são O professor Holmer Savastano Júnior,
A expectativa é de que, com a apli-
lembrados como opção ao uso do coordenador da Comissão de Estudos de
cação dessa tecnologia, seja possível al-
drywall em áreas externas ou mesmo em Placas Cimentícias destaca que o
terar a escala de produção de muitos
áreas internas sujeitas à umidade, à cimento Portland é um aglomerante
produtos, incluindo a de chapas. Isso
insolação direta ou onde há solicitações hidráulico que oferece menor absorção
porque os materiais mais caros só serão
de carga maiores. de água, maior resistência mecânica e à
empregados nos pontos onde forem
Entretanto, vale ressaltar que as umidade quando comparado a outro
realmente necessários. "Os benefícios
especificações técnicas desses produtos são aglomerante hidráulico, como é o caso
ambientais e econômicos não podem
completamente diferentes e que as do gesso. "No entanto, o gesso costuma
ser subestimados, pois significam até
vantagens e desvantagens de cada um estão ser um elemento mais interessante em
75% das matérias-primas retiradas da
diretamente relacionadas aos aglomerantes situações de incêndio, pela liberação de
natureza", completa John.
usados nas suas fabricações. água a altas temperaturas", esclarece.
Gisele Cichinell

55
chapa-cimentoxxxx.qxd 6/11/2007 09:43 Page 56

CHAPAS CIMENTÍCIAS

Fornecedores
DECORLIT

Produto: Decorlit Índice de propagação de chama:


Composição: cimento Portland, conforme teste feito em estufa,
celulose, fibra sintética e aditivos não entrou em combustão e suportou
(tecnologia CCFS) até 1.100ºC
Espessura: 6/8/10/12 mm Tipo de borda: reta ou rebaixada
Fotos: cedidas pelas empresas

Peso: 27,6/36,8/46,0/55,2 kg Resistência à flexão: 16 MPa


Largura: 1,20 mm Absorção de água: teores inferiores ao
Comprimento: 2,40 mm estabelecido pela NBR-6470
Densidade: seco 1,62 g/cm3 e Índice de variação por umidade:
saturado 1,97 g/cm3 impermeável

ETERNIT

Produto: Eterplac Condutibilidade térmica: 0,48 W/m.k


Composição: CRFS (Cimento Reforçado Índice de propagação superficial
com Fios Sintéticos) de chama: o material é incombustível
Espessura: 6/8/10/12 mm (ISO 1182/90)
Peso: varia de acordo com a espessura, Tipo de borda: quadrada
sendo 10,2 kg/m² (placa de 6 mm); 13,6 Resistência à flexão: 14 MPa (chapa na
kg/m² (8 mm); 17 kg/m² (10 mm); 25,2 condição ambiente) e 11 MPa (chapa
kg/m² (12 mm) saturada)
Largura: 1,20 m Absorção de água: média de 24%
Comprimento: 2 m, 2,40 m e 3 m Variação dimensional: 2,0 mm/m
Densidade: seca = 1,40 g/cm³; saturado/seco (conforme norma
ambiente = 1,70 g/cm³ NBR-15498)

USEPLAC

Produto: Useplac Densidade: 1.300 kg/m³


Composição: concreto de densidade aparente
agregados leves Índice de propagação superficial de
Espessura: 13 mm e 9,5 mm chama: incombustível, não propaga chama
Peso: 16,5 a 18 kg/m² (13 mm de Tipo de borda: envolta em tela na longitudinal
espessura) Resistência à flexão: 7 MPa
Largura: 1,2 m Absorção de água: média de 29%
Comprimento: 2,4 m Índice de variação por umidade: 0,06%

CLIMATEX

Produto: Placa Cimentícia de Madeira Densidade: 440 kg/m³


Mineralizada Climatex WWCB (Wood Wool Condutividade térmica: 0,032 kcal/m²/h/°C
Cement Board) Ponto de ignição: incombustível
Composição: painel de fibras longas (50 Retardante à chama: Classificação B1 –
cm) de madeira de reflorestamento (pínus) Norma DIN 4102
tratadas quimicamente e aglomeradas Isolamento acústico: 35 dB a 54 dB
com cimento Portland CP V ARI RS, Absorção acústica: até 84%
conforme norma DIN 1101 Tipo de borda: reta
Espessura: 50 mm Resistência à flexão: consulte tabela
Peso: 51 kg do fabricante
Largura: 1.000 mm Absorção de água: material higroscópico
Comprimento: 2.600 mm Índice de variação por umidade: N/D

56 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


chapa-cimentoxxxx.qxd 6/11/2007 09:43 Page 57

BRASILIT

Produto: Brasiplac para o tratamento de junta invisível e


Composição: fabricadas a partir da bordas. Já as placas sem rebaixo (com
tecnologia CRFS (Cimento Reforçado com bordas quadradas) são indicadas para
Fios Sintéticos), sem amianto tratamento de juntas aparentes ou abertas
Espessura: 6/8/10/12 mm Resistência à flexão: 8 MPa
Peso: 10,20 kg/m², 13,60 kg/m², 17,00 (transversal) e 17 MPa (longitudinal) na
kg/m² e 20,40 kg/m² condição ambiente e 5 MPa
Largura: 1,20 m (transversal) e 11 MPa (longitudinal) na
Comprimento: 2,00 m, 2,40 m e 3,00 m condição saturada
Densidade: 1,70 g/cm3 Absorção de água: 30% (máximo)
Condutibilidade térmica: 0,35 W/mk Índice de variação por umidade:
Resistência ao fogo: incombustíveis 2,5 mm/m (saturado seco em estufa)
Tipo de borda: possuem bordas Índice de variação por umidade:
rebaixadas (disponíveis para placas de aproximadamente 2,0 mm/m
12 mm, 10 mm e 8 mm de espessura) (saturado/seco em estufa a 110ºC)

BRICKA
Produto: Brickawall Plus térmica: varia em função da espessura
Composição: concreto leve reforçado da camada de lã de vidro incorporada,
nas duas faces com tela de fibra de vidro segundo a norma DIN 19.165 parte I
resistente aos álcalis do cimento Resistência ao fogo: 1 h a 2 h
Espessura: 12,7 mm Tipo de borda: não informa
Peso: 14,6 kg/m2 Resistência à flexão: 9 MPa
Largura: 91,4 cm Absorção de água: menos de 5% em
Comprimento: 182,8 cm massa
Densidade: não informa Índice de variação por umidade:
Coeficiente de condutibilidade não informa

KNAUF
Produto: Durock Coeficiente de eficiencia térmica:
Composição: cimento Portland 0,26 kcal.m2/w
com aditivos especiais Índice de propagação superficial de
Espessura: 12,5 mm chama: incombustível
Peso: 15 kg/m2 Tipo de borda: arredondada
Largura: 1.219 mm com reforço
Comprimento: 2,300 mm Resistência à flexão: 5,3 MPa
Densidade: 1.200 kg/m3 Absorção de água: 10%

INFIBRA

Produto: Infibra (chapa lisa) conforme teste feito em estufa não


Composição: cimento Portland, calcário, entrou em combustão e suportou
celulose e amianto Crisotila até 300ºC
Espessura: 4/5/6/8/10 mm Tipo de borda: reta ou rebaixada
Peso: 7/ 8/10/13/16 kg/m2 Resistência à flexão: de acordo com o
Largura máxima: 1,20 m estabelecido nas normas ABNT
Comprimento: 3,00 m Absorção de água: de acordo com o
Densidade: seco 1,65 g/cm3 e saturado estabelecido nas normas ABNT
2,00 g/cm3 Índice de variação por umidade:
Índice de propagação de chama: 2 mm/m (reversível)

57
artigo128.qxd 6/11/2007 09:14 Page 58

Envie artigo para: techne@pini.com.br.


O texto não deve ultrapassar o limite
de 15 mil caracteres (com espaço).

ARTIGO Fotos devem ser encaminhadas


separadamente em JPG.

Fundações e contenções
com perfis metálicos
s estacas metálicas podem ser cra- fabricados no Brasil seguem as especi-
A vadas em profundidades dificil-
mente atingíveis pelas estacas pré-
Ivan Joppert Jr.
engenheiro civil, diretor da Infraestrutura
ficações da norma ASTM A6/6M e são
produzidos em aço ASTM A 572, grau
Engenharia e professor da Escola
moldadas de concreto, o que acaba por 50, com tensão de escoamento de ƒ =
de Engenharia Mackenzie
lhes conferir capacidade de carga maior, 3.500,00 kg/cm² (38% maior em com-
infraestrutura@infraestrutura.eng.br
podendo-se utilizar, na maioria dos paração com o aço ASTM A 36). A
casos, a totalidade de sua capacidade es- aplicação dos perfis estruturais lami-
trutural. Tal fato se deve às suas caracte- ou três trilhos soldados longitudinal- nados em obras de fundações e con-
rísticas de resistência à percussão sem mente para se formar uma estaca com tenções vem crescendo exponencial-
que ocorra quebra durante a cravação. capacidade estrutural maior. Com isso mente, em função, basicamente, dos
Sob o aspecto geotécnico, as estacas aumenta-se a inércia e a área de aço vi- seguintes fatores:
metálicas são utilizadas como fundações sando diminuir torções e flambagem  Garantia da aplicação de material
profundas nos seguintes casos: durante a cravação, porém com a des- com excelente qualidade e com grande
a) Ocorrência de solo residual (altera- vantagem dos custos serem maiores; resistência estrutural;
ção de rocha) onde a profundidade das  No que se refere a tubos de aço, nor-  Disponibilidade no mercado de
estacas não é constante, o que gera per- malmente o mercado oferece bitolas pe- grande número de bitolas possibilitan-
das por sobras e quebras quando se quenas (de 10 cm a 25 cm de diâmetro), do a otimização entre as cargas atuan-
utilizam estacas pré-moldadas; que acaba resultando em pequenas car- tes e as cargas resistentes;
b) Em solos sedimentares quando há gas unitárias por estaca,necessitando-se,  Maior facilidade de manuseio devi-
necessidade de ultrapassar horizontes por conseqüência,de um número maior do ao menor peso das peças quando
de argila dura ou pedregulho; de estacas por pilar; comparados com os elementos pré-
c) Em locais com camadas espessas de  Tanto os trilhos como os tubos são for- moldados de concreto;
solos orgânicos moles e/ou areias fofas necidos sem garantias dimensionais e de  Redução das perdas devido à inexis-
onde é possível a diminuição da seção linearidade devido à deterioração pelo tência de quebras e a viabilidade de se
da estaca com a profundidade. uso anterior, o que leva a necessidade de emendar sobras;
cortes e emendas de difícil estimativa no  Inexistência de vibração quando se
Fundações que se refere à quantidade e custos. implantam os perfis por meio de per-
A solução de fundações em estacas Atualmente, com a disponibilida- cussão ou por técnicas modernas tais
metálicas não é nova, sendo que até há de de perfis estruturais laminados no como a perfuração com equipamentos
pouco tempo, por problemas econô- mercado brasileiro, com ampla varie- de hélice contínua. Nesse caso, subs-
micos, se restringia à utilização de tri- dade de bitolas, nas formas I e H, tituem-se com muita vantagem as gaio-
lhos provenientes da substituição de li- tornou-se mais interessante, sob o as- las de armação por uma peça estrutu-
nhas de trem ou tubulações velhas ven- pecto técnico e econômico, o uso de ral de aço, tendo como resultado a con-
didas no mercado como sucata, que perfis novos, aproveitando integral- seqüente diminuição de mão-de-obra
apresentam as seguintes desvantagens: mente a sua capacidade estrutural. Pa- e agilização dos serviços.
 Baixa carga estrutural que esses ele- ra tanto, devem-se considerar aspectos
mentos possuem por serem materiais tais como a resistência do aço utilizado Normas de cálculo vigentes
reutilizados; para fabricação, uniformidade e retili- Segundo a norma NBR 8800/1986 –
 No caso de trilhos usados, é freqüen- nidade das peças, e o seu desempenho Projeto e Execução de Estruturas de Aço
te a necessidade de composição de dois frente à corrosão. Os perfis laminados de Edifícios (Método dos Estados Limi-

58 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


artigo128.qxd 6/11/2007 09:14 Page 59

tes) para fins de dimensionamento es- que as especificadas nos catálogos do


trutural dos perfis trabalhando como es- fabricante de acordo com a fórmula
tacas comprimidas, devem-se levar em Aútil = Areal – (perímetro x 0,15), e
consideração os seguintes fatores que com a tabela 1.
vão limitar as suas tensões de trabalho: Deve ser ressaltado que esse re-
 Coeficientes de resistência na com- querimento está sendo reavaliado
pressão e na flexão do aço ∅c ´ = 0,90; com base em parâmetros menos con-
 Fator de segurança que majora a servadores que levam em conta as
carga atuante: variável de acordo com a condições de contorno do solo local.
solicitação, mas normalmente consi- Diversas análises feitas em peças de
derado como sendo γg = 1,4 (a favor da aço enterradas em todo o mundo de-
segurança). monstram que os atuais parâmetros
de perda de massa adotados pela NBR
Fatores de segurança – NBR 6122 – 6122 seriam válidos para uma estaca
Figura1 – Esquema da prova de carga
Projeto e Execução de Fundações com uma vida útil de 50 anos, im-
Segundo a NBR 6122 as fundações plantada em solo orgânico muito
profundas devem ser dimensionadas  Profundidade: um subsolo homo- ácido (pH<4), condição raramente
para trabalhar com fator de segurança gêneo, no que se refere à granulome- observada na grande maioria dos
com relação à ruptura maior ou igual a tria, apresenta diferentes concentra- solos brasileiros.
2. Pode-se trabalhar com fator de segu- ções de oxigênio com a variação da Exemplo de aplicação: verificação
rança de 1,6 desde que seja executada profundidade. Normalmente, a partir estrutural de uma estaca HP 310 x 110
uma prova de carga prévia nas estacas de 1,5 m de profundidade, a concen-
antes do detalhamento do projeto de tração de oxigênio é muito reduzida e Características geométricas:
fundações. de difícil reposição; Área de aço: 141 cm²
Sendo assim, a carga de trabalho  Características químicas dos solos: Perímetro: 190 cm/m
das estacas fabricadas em aço ASTM solos potencialmente mais corrosivos Cálculo da carga normal máxima pela
A572, grau 50, deverá ser dimensiona- possuem elementos químicos alcali- NBR 8800/1986:
da segundo as proposições abaixo: nos tais com sódio, potássio, cálcio e Aútil = Areal – (perímetro x 0,15)
a) Estacas dimensionadas por método magnésio bem como elementos Áútil = 141,00 – 190 x (0,15) =
de calculo de capacidade de carga constituintes de ácidos como carbo- 112,5 cm²
(FS = 2,00) natos, bicarbonatos, cloretos, nitratos Carga normal máxima =
e sulfatos; Aútil x (0,90 x ƒ)/1,4
Rrup cálculo  Acidez do solo: a acidez do solo tem Carga normal máxima 112,5 x
Radm = grande influência sobre a corrosivida- (0,90 x 3.500)/1,4 = 253.100 kg
2,0
de. Em algumas situações especiais Portanto, Nmáx = 253 tf segundo a
(solos com pH<4) pode ocorrer cor- NBR 8800/1986
b) Estacas dimensionadas após prova
rosão na maioria dos metais enterra-
de carga (FS = 1,6)
dos, independentemente da presença Comparativo de resistência
de oxigênio; entre perfis
Rrup prova carga
Radm =  Resistividade do solo: assim como a Quando se analisam os vários
1,6 acidez, a resistividade do solo tem tipos de perfis existentes no mercado
Onde: certa influência na corrosividade. é possível verificar que para perfis
Radm = carga admissível Pode-se afirmar, então, que quanto com mesma capacidade estrutural, os
Rrup cálculo = carga de ruptura obtida maior a resistividade do solo tanto perfis laminados de abas paralelas
em cálculo menor será a corrosão nas estruturas produzidos em aço ASTM A 572, grau
Rrup prova carga = carga de ruptura obti- enterradas. A resistividade, por sua 50, proporcionam uma economia de
da na prova de carga vez, está relacionada com a quantida- material de aproximadamente 13%
de de sais dissolvidos (quanto maior a quando comparados com os perfis
Efeito da corrosão nas estacas quantidade de sais maior a corrosão), tradicionais produzidos em aço
O efeito de corrosão nas estruturas a temperatura, a umidade, a compac- ASTM A 36; e em torno de 45% quan-
enterradas está condicionado basica- tação e a presença de materiais inertes. do se trata de trilhos usados. Também
mente aos seguintes fatores: A NBR 6122 estabelece a redução se deve levar em consideração o fato
 Granulometria do solo: de um de 1,5 mm da espessura do perfil, em de que os perfis laminados são peças
modo geral nos solos pouco aerados a todo o seu perímetro. Como conse- homogêneas (mesma composição de
velocidade da corrosão é menor do que qüência, as estacas devem ser dimen- aço em toda a sua massa) e têm quali-
nos solos mais aerados; sionadas com uma área útil menor do dade certificada.

59
artigo128.qxd 6/11/2007 09:14 Page 60

ARTIGO

Estacas com seção variável de aba e alma diminuindo com a após a execução de cortina de concre-
Atualmente estão sendo utilizadas profundidade, a exemplo da figura 2. to armado (aproximadamente 35 cm
com relativo sucesso as estacas metáli- quando se utilizam os perfis da linha
cas com seção variável ao longo da Contenções utilizando-se W250 ou I10").
profundidade. Essa solução é aplicá- perfis metálicos No caso da utilização desse tipo
vel em locais onde as estacas são Perfis com pranchada de contenção com a finalidade da im-
muito longas, a exemplo da região da A utilização de perfis metálicos co- plantação de subsolos em edifícios
Baixada Santista, litoral de São Paulo, mo contenção, quando cravados junto urbanos, é comum que ela seja enca-
onde as estacas atingem até 50 m de ao limite das suas escavações, traz as se- rada como provisória, sendo que o
profundidade. guintes vantagens ao construtor: trecho prancheado fica normalmen-
A solução conta com a dissipação  Escavação junto às edificações vizi- te em balanço e o restante do perfil
da carga que incide no topo da estaca nhas com prancheamento simultâneo engastado no solo. Como essa etapa
ao longo da profundidade por meio e seu conseqüente escoramento; da obra é relativamente rápida (um
de atrito lateral. Devido à necessida-  Possibilidade de esses mesmos per- ano aproximadamente), não se con-
de de emendar a estaca por meio de fis serem utilizados como fundações, sidera a diminuição da seção do per-
solda, é possível compô-la com o servindo de apoio das lajes periféricas fil devido à corrosão, sendo que o
mesmo tipo de perfil (por exemplo, da edificação; momento máximo do perfil pode ser
HP 310) em segmentos de espessura  Pequena espessura final do arrimo obtido pela fórmula:

Tabela 1 – PERFIS EM AÇO ASTM A 572 – GRAU 50 σ = 3.500 kg/cm²


Tipo de Peso Altura Largura Momento Perímetro μ Área A
perfil (kg/m) h (cm) bf (cm) resistente Wx (cm³) (m) (cm²)
Tipo I
W200 x 31.3 31,3 21,0 13,4 302,0 1,00 40,3
W250 x 28.4 28,4 26,0 10,2 311,0 0,96 36,6
W250 x 32.7 32,7 26,0 14,6 383,0 1,13 42,1
W250 x 38.5 38,5 26,0 14,7 462,0 1,14 49,6
W310 x 38.7 38,7 31,0 10,2 554,0 1,31 49,7
Tipo H
W150 x 29.8 29,8 15,7 15,3 221,5 0,96 38,5
W150 x 37.1 37,1 16,2 15,4 277,0 0,97 47,8
W200 x 35.9 35,9 20,1 16,5 342,0 1,10 45,7
W200 x 46.1 46,1 20,3 20,3 447,6 1,25 58,6
W200 x 53.0 53,0 20,4 20,7 488,0 1,26 68,1
HP250 x 62.0 62,0 24,6 25,6 709,6 1,55 79,6
HP310 x 79.0 79,0 30,0 30,6 1091,3 1,87 100,0
HP310 x 93.0 93,0 30,3 30,8 1299,1 1,88 119,2
HP310 x 110.0 110,0 30,8 30,6 1539,1 1,90 141,0
HP310 x 125.0 125,0 31,2 31,2 1735,6 1,91 159,0

Tabela 2 – TRILHOS E PERFIS EM AÇO A36 – σ = 2.500 kg/cm²


Tipo de Perfil Peso Altura Largura Momento Perímetro μ Área A
(kg/m) h (cm) bf (cm) resistente Wx (cm³) (m) (cm²)
Trilho TR
TR25 25,0 10,0 10,0 100,0 0,38 31,4
TR32 32,0 11,3 11,3 120,2 0,41 40,9
TR37 37,0 12,2 12,2 149,0 0,44 47,3
TR45 45,0 14,3 13,0 205,0 0,49 56,8
TR50 50,0 15,2 13,7 247,0 0,52 64,2
TR57 57,0 16,8 14,0 295,0 0,55 72,6
TR68 68,0 18,6 15,2 391,0 0,60 87,5
Perfis Tipo I (abas inclinadas)
I8" x 4" 27,3 20,0 10,2 233,1 0,60 34,8
I10" x 4 5/8" 37,7 25,0 11,8 400,2 0,74 48,1
I12" x 5 1/4" 60,6 30,0 13,3 734,4 0,87 77,3

60 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


artigo128.qxd 6/11/2007 09:14 Page 61

Wx x (ƒ) x 0,90 que possui um acessório na torre de mínimo de 27 cm ± 2 cm, slump flow
Mmx = 1,40 perfuração, chamado "cabeça dupla", de 32 cm ± 4 cm e o fck deve estar entre
Onde: que possibilita a execução de perfura- 18 MPa e 25 MPa.
ƒ = Tensão limite de escoamento ção encostada na divisa e o recorte de
Wx = Momento resistente peças de concreto.  Armação
A cabeça dupla é composta por As primeiras estacas executadas na
No quadro 1 podemos estabelecer
um tubo de revestimento que gira no obra não devem ser armadas, ou seja,
as correlações entre os momentos má-
sentido anti-horário e um trado heli- devem ser apenas preenchidas com ar-
ximos dos perfis metálicos utilizados
coidal que gira no sentido horário, de gamassa. As peças devem ser implanta-
nessas contenções.
modo que o tubo de revestimento per- das deixando-se a previsão para a exe-
fura e o trado helicoidal limpa a parte cução, em uma segunda etapa, de ou-
Parede-diafragma com estacas
interna da perfuração. A ponta do tu- tras estacas entre as já preenchidas com
secantes
bo de revestimento é composta por argamassa. As estacas da segunda etapa
A solução "parede-diafragma com
aço-vídea que possibilita o recorte de devem recortar as estacas já preenchi-
estacas secantes" vem ganhando mer-
peças de concreto. das, de forma a promover a interação
cado, sendo uma concorrente direta da
de toda a cortina. Essas estacas da se-
parede-diafragma executada com o
 Concretagem gunda etapa receberão a armação ne-
auxílio da lama bentonítica. Tal fato se
Faz parte do processo de execução cessária para suportar a solicitação dos
deve à sua grande versatilidade quando
o preenchimento das estacas com ar- empuxos à qual estarão expostas (veja
comparada com as técnicas tradicio-
gamassa fluida pós-misturada de ci- figura 4A). Também é possível a utiliza-
nais, por tratar-se de processo limpo,
mento e areia, fornecida por silos ou ção de perfis I de aço laminado para a
que envolve equipamentos de menor
com argamassa proveniente de usina estruturação das estacas (veja figura
porte, além de penetrar em materiais
transportada por caminhão betonei- 4B) tornando a obra mais versátil e
de grande resistência tais como argila
ra. A argamassa deve possuir slump com custos bastante competitivos.
dura e rocha gnaisse A4. Sua execução
segue a seguinte metodologia:
Quadro 1
 Perfuração Especificação dos perfis metálicos Momento máximo (Mmx)(kg x cm)
O equipamento utilizado na exe- Aço ASTM 572 grau 50 2.140 x Wx
cução da cortina de estacas secantes é Aço A36 1.500 x Wx
uma perfuratriz de hélice contínua Trilho usado 1.000 x Wx

Rt 1
31
.2
Chapa
Rt 1 = carga no topo proveniente
do 1º elemento da aba Chapa
Rl1 proveniente
Solda
da alma
Rl 1= resistência lateral Chapa
no 1º elemento proveniente
.2 da aba
32
1/2

Rt 2
Solda Planta
Rt 2 = Rt 1 – Rl 1 de topo
30

Perfil 31.2
Rl 2 Rt 2 = carga no topo HP 310 x 125
do 2o elemento
Rl 2 = resistência lateral Chapa 1/2
no 2o elemento proveniente
31
Chapa
da alma proveniente
da aba
30

Rt3
Rt 3 = Rt 2 – Rl 2 30.
8 Enchimento
Rl3 Rt 3 = carga no topo Perfil
com solda
do 3o elemento Solda transversal HP 310 x 110
Chapa
30.8
Rl 3 = resistência lateral proveniente
no 3o elemento Vista da alma

Figura 2 – Elementos que compõem Figura 3 – Esquema da tala de reforço


a estaca

61
artigo128.qxd 6/11/2007 09:14 Page 62

ARTIGO

Outra possibilidade é implantar Quando se utilizam os perfis lami- são, tendo em vista que as estacas esta-
perfis estruturais em vez de armadura nados como núcleo das estacas é rão sempre protegidas pela argamassa
nas estacas iniciais possibilitando comum que sejam os das linhas W250 de enchimento das estacas.
maior estruturação da parede para ab- ou W310, que devem ser dimensiona- A determinação do embutimento
sorver grandes esforços cortantes e fle- dos de acordo com os esforços solici- abaixo dos subsolos, bem como os es-
xão (veja figura 4B). tantes sem qualquer perda por corro- forços e condições de estabilidade da
cortina, são os mesmos adotados no
cálculo da parede-diafragma escavada
A Armação em gaiola
com lama bentonítica.
1a fase Essa técnica foi utilizada na execu-
Divisa
ção dos shafts para emboques verti-
cais e horizontais dos túneis da passa-
Argamassa sem armação
gem da avenida Cidade Jardim sob a
2a fase avenida Brigadeiro Faria Lima (veja
Divisa
fotos), e também no emboque dos tú-
neis que estão sendo construídos na
estação Vila Sonia da Linha Amarela
Argamassa sem armação Argamassa com armação do Metrô com total sucesso, sem que
tenha ocorrido qualquer patologia
B Estruturação com perfis metálicos nessas obras.
1a fase 1a fase
Divisa Divisa

LEIA MAIS
Estacas Estacas iniciais argamassadas
argamassadas com perfil “I” implantado
Fundações e contenções em
OU edifícios: qualidade total na gestão
2a fase 2a fase Divisa do projeto e execução. Ivan Joppert
Divisa
Júnior, São Paulo. PINI, 2007.
ASTM A6/6M – Standard
Estacas argamassadas Estacas secundárias argamassadas Specification for General
com perfil “I” implantado com perfil “I” implantado Requirements for Rolled Structural
Steel Bars, Plates, Shapes, and
Figura 4 – Fases de execução das estacas secantes Sheet Piling. American Society for
Testing and Materials.
NBR 8800/1986 – Projeto e
Execução de Estruturas de Aço
de Edifícios (Método dos Estados
Limites). ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas).
NBR 6122 – Projeto e Execução
de Fundações. ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas).
NB-1 – Projeto e Execução de
Obras de Concreto Armado.
ABNT (Associação Brasileira
de Normas Técnicas).
NB-20 – Prova de Carga em
Estacas. ABNT (Associação Brasileira
de Normas Técnicas).
An Approximate Method
to estimate the Bearing
Capacity of Piles. N. Aoki
et D.A. Velloso. V-P.C.S.M.F.E.
Buenos Aires, 1975.
Passagem em desnível no cruzamento das avenidas Cidade Jardim Foundation Engineering. G.A.
e Brigadeiro Faria Lima – obra da Odebrecht Leonards. MacGraw-Hill, 1962.

62 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


artigo128.qxd 6/11/2007 09:14 Page 63
materia.qxd 6/11/2007 09:37 Page 64

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

Know-how
compartilhado
Engenheiros, arquitetos e técnicos se reúnem para
conhecer soluções desenvolvidas em obras de
referência no Brasil e na América Latina
ealizado no final de outubro no do em concreto armado em toda a ex- luções ambientais e tecnologias des-
R Centro de Convenções Frei Cane-
ca, em São Paulo, o Construtech 2007 –
tensão, não utilizou tijolos ou elemen-
tos de vedação,o que gerou desafios téc-
trinchadas pelo diretor da DP Enge-
nharia, Francisco Vasconcellos Netto.
Fórum PINI de Tecnologias & Negócios nicos até na instalação de esquadrias.
da Construção mesclou um ciclo de pa- "Tínhamos poucas referências para exe- Soluções estruturais
lestras voltadas para diferentes profis- cutar uma obra tão diferenciada", afir- Dois vencedores do Prêmio Talento
sionais da indústria da construção e ma José Luiz de Mello Canal,arquiteto e Engenharia Estrutural do ano passado
uma área de exposição com sistemas e coordenador do projeto. "A principal se apresentaram no Construtech 2007.
tecnologias desenvolvidas para o setor. foi a Igreja da Sagrada Família, em Bar- O primeiro deles foi o engenheiro Flá-
Nesse momento de grande eferves- celona, na Espanha." Um cuidado vio D'Alambert, da Projeto Alpha En-
cência econômica, as empresas e pro- pouco usual tomado no museu foi a uti- genharia de Estruturas, com o projeto
fissionais têm buscado soluções dife- lização de armações galvanizadas para do Centro de Convenções do World
renciadas, produtividade e expertise evitar processos de oxidação e futuros Trade Center,em São Paulo,com o qual
para atuar em um mercado de grande reparos na estrutura. concorreu em 2006. Para ele, é equivo-
competitividade. Os temas escolhidos O Edifício Mandarim, construído cado não considerar a industrialização
para as palestras e as empresas fornece- na zona Sul de São Paulo, foi detalhado inerente à estrutura metálica. Contem-
doras que participaram do evento pelo engenheiro Antônio Carlos Zorzi, plar esse aspecto durante a concepção,
(confira especial na seção Produtos & diretor de operações da Cyrela. O pré- fazendo uso das vantagens de elemen-
Técnicas, nas páginas a seguir) procura- dio,que alcança 142 m desde a fundação tos modulados e seriados, é essencial
ram refletir tal realidade e os desafios até o ático, teve no transporte vertical e para obter melhor desempenho e redu-
atuais do construbusiness. na movimentação de operários alguns ção de custos.
Os profissionais aproveitaram de seus principais desafios logísticos. O segundo projeto, do Hospital e
também para discutir o atual momen- As ações da Tishman Speyer para Maternidade São Luiz, unidade Anália
to da construção civil, relacionando enquadrar o Ventura Corporate To- Franco, foi originalmente concebido
oportunidades, desafios e gargalos de- wers, empreendimento comercial de pelo arquiteto Siegbert Zanettini com
rivados do atual boom imobiliário. alto padrão da capital fluminense que estrutura metálica. De acordo com o
exigiu investimentos de R$ 450 mi- engenheiro de estruturas, Virgílio Au-
Cases de obras lhões, no LEED (Leadership in Energy gusto Ramos, a mudança para o con-
No primeiro dia de palestras do and Environmental Design) também creto foi uma opção da construtora,
Construtech, o concreto branco do foram detalhadas pelo engenheiro que teria observado o alto preço do
Museu Iberê Camargo, em Porto Ale- Nelson Faversani Júnior, gerente de aço e o fato de as vigas metálicas atra-
gre, e as soluções de engenharia e arqui- obras da incorporadora de origem palharem a circulação nos corredores.
tetura empregadas na obra justificaram norte-americana. O empreendimento A ponte do condomínio Gênesis II,
o prestígio internacional alcançado pelo paulistano Palm Hill, um dos três fina- em Santana do Parnaíba (veja Téchne
empreendimento, projetado pelo ar- listas do Prêmio de Melhor Prática em 113 – ago/2006), foi objeto da apresen-
quiteto português Álvaro Siza. Executa- Construção Sustentável, teve suas so- tação do engenheiro estrutural Marce-

64 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


materia.qxd 6/11/2007 09:37 Page 65

Boom imobiliário
Um dos destaques do Constru-
tech foi a realização de uma mesa-re-
donda intitulada "Boom Imobiliário
– Oportunidades e Ameaças à Expan-

Fotos: Marcelo Scandaroli


são do Mercado". Segundo o profes-
sor João da Rocha Lima, do Núcleo de
Real State da Escola Politécnica da
Universidade de São Paulo, o ingresso
das construtoras e incorporadoras no
Construtech 2007: palestras mercado financeiro, a obrigatorieda-
técnicas (ao lado) e exposição de de de os bancos direcionarem recur-
produtos, serviços e tecnologias sos da poupança para o setor imobi-
liário e o investimento estrangeiro
contribuíram fortemente para a ace-
ra Norberto Odebrecht na construção leração do mercado.
de uma rodovia no Peru. Relativamen- Apesar do bom cenário, o presi-
te baixo, o investimento feito em uma dente da Embraesp (Empresa Brasi-
região potencialmente hostil, domina- leira de Estudos do Patrimônio), Luiz
da por ONGs de proteção ambiental e Paulo Pompéia, se mostrou preocu-
lo Waimberg. Pautado pela preocupa- pequenos agricultores locais, aproxi- pado com os riscos de superoferta de
ção ambiental direta – ou seja, visando mou a construtora da comunidade. O imóveis em São Paulo, em especial no
evitar o desmatamento – o projeto lan- consórcio liderado pela CNO se com- segmento de quatro dormitórios.
çou mão de técnicas pouco comuns no prometia a investir na compensação Para o arquiteto Henrique Cambiaghi,
País. Com os pilares prontos e o topo dos impactos socioambientais da nova o mercado apresenta forte demanda,
revestido por aço inox,os segmentos da rodovia, cujo programa completo con- em especial para as habitações de
ponte deslizavam para a posição final sumiu 0,5% do orçamento da obra. baixa renda e as implantadas fora dos
com o auxílio de graxa e mantas de te- Foram apresentadas também as grandes centros urbanos. Já o empre-
flon. O tamanho dos vãos também foi obras do Complexo Viário Real Par- sário Francisco de Assis Guerra Lages,
determinado pela questão do desmata- que, em São Paulo, e da Linha Verde, presidente do grupo Orguel (locação
mento. Os pilares foram posicionados na Grande Belo Horizonte. Na pri- de máquinas e equipamentos), se
nas clareiras anteriormente abertas meira, o engenheiro Fernando Re- mostrou satisfeito com a demanda
para os trabalhos de sondagem do solo. bouças Stucchi detalhou a execução atual, embora esteja preocupado com
A apresentação do projeto da se- do viaduto estaiado sobre o rio Pi- uma possível oscilação, típica do
gunda ponte sobre o rio Orinoco, nheiros e uma de suas marginais. A setor. "Se essa expectativa de ciclo vir-
também reconhecido em 2006 com o obra é marcada pelo controle topo- tuoso não se confirmar, corremos o
Prêmio Talento Engenharia Estrutu- gráfico rigoroso: realizado simulta- risco de descrédito e o processo de re-
ral, foi realizada pelo engenheiro Ro- neamente por duas equipes de enge- tomada do crédito no mercado será
berto de Oliveira Alves, da Figueiredo nharia, os resultados obtidos são lento", diz.
Ferraz. Com dois canais de navega- comparados a um modelo numérico Em relação à produção da indús-
ção, a obra-de-arte é sustentada, em para ratificar o bom andamento do tria de materiais, o gerente de marke-
seus vãos centrais, por estais.As cargas processo construtivo. Cada estai pos- ting da Gerdau, Vinicius Rodrigues
atuantes, afirmou Alves, foram deter- sui, ainda, um equipamento que per- Morais Jr., se mostrou tranqüilo face
minadas muito menos pelas solicita- mite determinar os valores de carga ao crescimento imobiliário. "A side-
ções em serviço do que pela ameaça nele aplicados, que são gravados con- rurgia se preparou para esse momen-
de abalos sísmicos na região. O enge- tinuamente. O secretário-adjunto de to", afirmou. Para ele, o movimento
nheiro revelou que os projetos para a Estado de Transportes e Obras Públi- de expansão deve perdurar, inclusive
terceira ponte sobre o mesmo rio já cas de Minas Gerais, Fernando Jan- com a expectativa de retomada de
estão em fase de desenvolvimento. notti, apresentou o conjunto de obras crescimento do setor de infra-estru-
de infra-estrutura da Linha Verde, que tura. O diretor geral da Mecan, Carlos
Infra-estrutura liga o centro de Belo Horizonte ao Ae- Alberto Passos Villefort, acredita que
No último dia de palestras do roporto Internacional Tancredo a maior preocupação está na ausência
Construtech, o engenheiro Francisco Neves, na zona Norte da Região Me- de mão-de-obra qualificada. "Boa
Martins, da Projetec, apresentou o sis- tropolitana de BH. A realização das parte foi deslocada para outras áreas e
tema de gestão socioambiental que a obras exigiu a remoção de cerca de um novo ciclo leva, em média, cinco
empresa implantou para a Construto- mil famílias de vilas da região. anos para se renovar", conclui.

65
p&t128.qxd 6/11/2007 10:05 Page 66

PRODUTOS & TÉCNICAS


ACABAMENTOS

PAINÉIS METÁLICOS
Os painéis Isojoint Wall Pur são
constituídos de núcleo de
poliuretano ou poliisocianurato
de alta densidade, revestido DRYWALL
A Associação Drywall mantém
com chapas de aço pré-pintado.
programas de apoio e
Possuem sistema de fixação
divulgação dirigidos a cada
com parafuso escondido,
um dos segmentos do setor,
que proporciona acabamento
de incorporadores e
ideal para fachadas industriais
construtores a comerciantes
e comerciais.
de materiais de construção e
Isoeste
consumidores finais.
(62) 4015-1122
Associação Drywall
www.isoeste.com.br
(11) 3842-2433
drywall@drywall.org.br
www.drywall.org.br

CANTEIRO DE OBRA

CONTÊINERES
Os contêineres da Soldatopo são
fabricados com chapas de aço TRANSPORTE VERTICAL
zincadas a fogo, garantidas pelo A Pórtico Real lança o Pórtico
fabricante contra qualquer tipo Transferro, equipamento
de corrosão. Seu sistema projetado para facilitar o dia-a-
construtivo modulado permite dia de obras em início de
a modificação rápida de layouts. construção, na fase de
Soldatopo concretagem de lajes e vigas.
(11) 3966-7210 Ancorado em duas lajes já
www.soldatopo.com.br concretadas e com sistema de
auto-elevação, ele auxilia na
subida de armaduras prontas ou
ferros soltos.
Pórtico Real
(11) 4161-1515
comercail@porticoreal.com.br
www.porticoreal.com.br

66
p&t128.qxd 6/11/2007 10:05 Page 67

COBERTURA, IMPERMEABILIZAÇÃO E ISOLAMENTO

REVESTIMENTO
FIBRA DE VIDRO
ACÚSTICO Os produtos fiberglass da Isar
ISOLAMENTO ACÚSTICO Além do aspecto decorativo, são fabricados de acordo com
Sonex Nova Fórmula, da TELHAS DE CONCRETO o Sonique Décor, da Vibrasom, rígidas normas internacionais,
Com largura padrão de 1,25 m, foi desenvolvido para eliminar
Illbruck-Sonex, é uma placa como a NBS-OS 15-69, e com
as telhas de concreto da Munte as reflexões sonoras
perfilada de espuma de materiais criteriosamente
não possuem juntas e não indesejáveis que prejudicam
poliuretano auto-extinguível que selecionados. São indicados para
podem ser cortadas no sentido e distorcem a inteligibilidade
proporciona grande absorção situações de contato direto e
longitudinal. Suas alturas variam no ambiente. O produto está
acústica. Disponível em placas permanente com ambientes que
entre 36,5 cm e 60 cm e podem disponível em várias cores para
de 1 m x 1 m de 20 cm a 75 cm exijam o máximo de resistência
ter até 30 m de comprimento. se adaptar a qualquer ambiente.
de espessura. química e mecânica.
Munte Vibrasom
Illbruck-Sonex Isar
(11) 4143-8000 (11) 4393-7900
(11 4072-8210 (11) 2107-0499
www.munte.com.br www.vibrasom.ind.br
illbruck@illbruck.com.br vendas@isar.com.br
www.illbruck.com.br www.isar.com.br

67
p&t128.qxd 6/11/2007 10:05 Page 68

PRODUTOS & TÉCNICAS


CONCRETO E COMPONENTES PARA ESTRUTURA

CONCRETO
A Engemix atua hoje em 11
TRELIÇA Estados brasileiros, com mais
O espaçador tipo treliça ABTC, da de 90 centrais de concreto fixas.
Fameth, é utilizado para apoiar e Segundo a empresa, todas elas DISTANCIADOR DE
posicionar as barras de são preparadas para fornecer ARMADURA
transferência e ferragem qualquer tipo de concreto, seja O modelo DR, da Coplas, é
negativa. O produto tem 2 m de qual for a especificação ou um distanciador circular
ESPAÇADORES
comprimento e está disponível a qualificação. raiado indicado para pilares
A Eplas possui uma linha de
em alturas de 4 cm a 15 cm, Engemix e laterais de viga, paredes e pré-
espaçadores plásticos que
com intervalos de 0,5 cm. (11) 2124-7200 moldados. Garante o cobrimento
proporcionam a centralização
Fameth www.engemix.com.br adequado, prevenindo a
da ferragem dentro do concreto.
(11) 4544-1324 corrosão da armadura.
O atendimento da empresa
fameth@fameth.com.br Coplas
é permanente, realizado 24
www.fameth.com.br 0800-7091216
horas por dia, todos os dias
www.coplas.com.br
da semana.
Eplas
(11) 3446-1997
eplas@eplas.com.br
www.eplas.com.br

CONCRETO E COMPONENTES PARA ESTRUTURA

FÔRMAS PARA CASAS


Composto por acessórios e
painéis especiais, que variam de
acordo com o projeto da casa –
espessura de parede e tamanho
das janelas, por exemplo – o FÔRMAS
sistema de fôrmas Morar SH Os sistemas de fôrmas e
permite uma produtividade escoramentos TIP foram
média, segundo a fabricante, de projetados para se adaptar a
200 m² de fôrma a cada quatro qualquer tipo de estrutura de
horas, com uma equipe de cinco concreto. Segundo a fabricante,
homens trabalhando. o baixo peso das peças, a
SH Fôrmas simplicidade das uniões e
0800-2822125 encaixes e as diferentes
www.shformas.com.br regulagens de alturas facilitam
a montagem, com baixo custo
de mão-de-obra.
Tipform
(21) 6446-0966
www.tipform.com.br

68
p&t128.qxd 6/11/2007 10:05 Page 69

CONCRETO E COMPONENTES PARA ESTRUTURA

PLACAS EPS
ANCORAGEM As placas em EPS da Construlev
Os tirantes monobarra Incotep podem ser aplicadas no
são compostos por barras de aço enchimento de lajes – como
maciças. A Incotep também lajotas uni e bidirecionais
fornece os acessórios para e caixão perdido – e
emendas e protensão das barras. proporcionam o isolamento
O produto está disponível em térmico do telhado.
diâmetros de 17 mm a 66,7 mm. Construlev
Incotep (11) 6521-1269
(11) 6413-8333 vendas@construlev.com.br
incotep@incotep.com.br www.construlev.com.br
www.incotep.com.br

ESTRUTURAS E PEÇAS METÁLICAS

CONSTRUÇÃO EM AÇO
O CBCA (Centro Brasileiro de
Construção em Aço) promove e
amplia a participação da
construção em aço no mercado PRODUTOS METÁLICOS
nacional. Entre suas ações para A Sul Metais atua no segmento
a divulgação das tecnologias do de forros metálicos há mais de
aço, realiza cursos e eventos, 19 anos. Entre sua gama de
publica manuais de construção produtos estão as linhas de
em aço e mantém o site (veja forros colméia, bandeja, gride e
abaixo o endereço) com especiais. A empresa produz,
informações do segmento. ainda, brises para fachadas.
CBCA Sul Metais
(21) 2141-0001 (11) 3389-7925
www.cbca-ibs.org.br sulmetais@sulmetais.com.br
www.sulmetais.com.br

69
p&t128.qxd 6/11/2007 10:05 Page 70

PRODUTOS & TÉCNICAS


FUNDAÇÕES E INSTALAÇÕES COMPLEMENTARES E EXTERIORES
INFRA-ESTRUTURA

GRAMA
O Maxi Rolo Itograss é um
tapete natural de grama TELAS TELAS
fornecido em rolos. Ideal para A Karamuru atacadista é Localizada na zona Sul da capital
FUNDAÇÕES gramados esportivos, o produto especializada na venda de telas paulista, a Arames Cupecê
A Benaton trabalha com critérios e alambrados, além de possui telas e alambrados para
é oferecido nas dimensões 0,75 m
rigorosos na avaliação da ferramentas e equipamentos todo tipo de aplicação – filtros
x 40 m e, segundo a empresa,
execução do projeto antes de segurança para a construção e peneiração, estuque e
permite reduzir o custo da mão-
de definir o equipamento civil. Sediada em São Paulo, isolamento térmico, proteção
de-obra e ganhar tempo no
mais adequado para a obra. a empresa disponibiliza a de fachada, concreto etc.
estabelecimento do gramado.
A empresa atende obras em entrega dos seus produtos Telas Cupecê
Itograss
qualquer localidade, com para todo o Brasil. (11) 5621-2730
(11) 3021-6134
estacas de seção transversal Karamuru www.telascupece.com.br
informações@itograss.com.br
quadradas ou cilíndricas ou (11) 4056-7124
www.itograss.com.br
fabricadas no próprio canteiro. vendas@karamuru.com.br
Benaton www.karamuru.com.br
(11) 3209-7600
www.benaton.com.br

INSTALAÇÕES INSTALAÇÕES
COMPLEMENTARES E ELÉTRICAS E DE
EXTERIORES TELECOMUNICAÇÕES

ELETRODUTO
TELAS PARA FACHADAS O Rodapé Falso Valemam é um
A Perame Telas fornece telas sistema metálico e aparente
de proteção de fachadas, que para condução de fios e cabos
garantem a segurança de áreas de energia, lógica e telefonia.
vizinhas contra a queda de O sistema evita custos com
materiais pesados. Segundo quebras de piso, em futuras
a empresa, seu corpo técnico alterações de layout. O produto
especializado procura possui sistema de tampa de
constantemente aprimorar encaixe e pontos de tomadas
os produtos e serviços de moduladas, o que facilita a
acordo com as necessidades manutenção e o manuseio
dos clientes. dos pontos.
Perame Telas Valemam
(11) 3857-7455 (11) 4368-2122
vendas@perametelas.com.br vendas@valemam.com.br
www.perametelas.com.br www.valemam.com.br

70
p&t128.qxd 6/11/2007 10:05 Page 71

MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PROJETOS E SERVIÇOS TÉCNICOS

BALANCINS
A Baram Equipamentos fornece SOFTWARE
O CAD/TQS é um sistema
plataformas com tamanhos
computacional gráfico destinado
de 2 m a 8 m de comprimento, CORTE DE CONCRETO
à elaboração de projetos de
guarda-corpo de 1,20 m e Com 14 anos de experiência nos
NIVELAMENTO estruturas de concreto armado,
rodapés de 0,30 m, com piso diversos serviços que envolvem
O nível a laser L3 Millenium, protendido e alvenaria
antiderrapante em alumínio. o uso de ferramentas
da Laser Center do Brasil, possui estrutural. Estruturas de
Possui ainda motores de 1,5 CV diamantadas, a Furacon conta
nivelamento completamente concreto pré-fabricadas
com destravamento manual com mão-de-obra especializada
automático na horizontal e na e projetos geotécnicos
e redutores com carcaça para cortes e perfurações em
vertical, possível por meio de convencionais também
em alumínio. estruturas de concreto ou
motores niveladores. O produto são contemplados.
Baram Equipamentos rochosas, inclusive demolições.
ainda pode ser manuseado TQS Informática
(51) 3033-3133 Furacon
a distância, por meio de (11) 3083-2722
www.baram.com.br (11) 4224-4697
controle remoto. tqs@tqs.com.br furacon@furacon.com.br
Laser do Brasil – Anvi www.tqs.com.br www.furacon.com.br
(11) 3284-4260
www.anvi.com.br

PROJETOS E SERVIÇOS TÉCNICOS

ANÁLISE ESTRUTURAL
O programa de análise estrutural
Midas possui diversos pacotes RESTAURAÇÃO
para atender todas as áreas da A RR Compacta tem realizado
engenharia estrutural. São obras de restauração em
capazes de fazer análises indústrias, estádios, recuperação
estáticas e dinâmicas; lineares estrutural de edificações, além
e não-lineares; determinar de projetos especiais. Realiza
linhas e superfícies de também tratamento de
influência, entre outros. impermeabilização e execução
Sae Informática de reformas.
(11) 3667-2540 RR Compacta
sae@sae.eng.br (11) 3083-4299
www.midasbrasil.com.br www.campactaengenharia.com.br

71
p&t128.qxd 7/11/2007 10:38 Page 70

PRODUTOS & TÉCNICAS


FUNDAÇÕES E INSTALAÇÕES COMPLEMENTARES E EXTERIORES
INFRA-ESTRUTURA

TELAS PARA FACHADAS


GRAMA A Perame Telas fornece telas
O Maxi Rolo Itograss é um de proteção de fachadas, que
ALAMBRADOS tapete natural de grama garantem a segurança de áreas
A Karamuru atacadista é fornecido em rolos. Ideal para
FUNDAÇÕES vizinhas contra a queda de
especializada na venda de telas gramados esportivos, o produto
A Benaton trabalha com critérios materiais pesados. Segundo
e alambrados, além de é oferecido nas dimensões 0,75 m
rigorosos na avaliação da a empresa, seu corpo técnico
ferramentas e equipamentos x 40 m e, segundo a empresa,
execução do projeto antes especializado procura
de segurança para a construção permite reduzir o custo da mão-
de definir o equipamento constantemente aprimorar
civil. Sediada em São Paulo, de-obra e ganhar tempo no
mais adequado para a obra. os produtos e serviços de
a empresa disponibiliza a estabelecimento do gramado.
A empresa atende obras em acordo com as necessidades
entrega dos seus produtos Itograss
qualquer localidade, com dos clientes.
para todo o Brasil. (11) 3021-6134
estacas de seção transversal Perame Telas
Karamuru informações@itograss.com.br
quadradas ou cilíndricas ou (11) 3857-7455
(11) 4056-7124 www.itograss.com.br
fabricadas no próprio canteiro. vendas@perametelas.com.br
vendas@karamuru.com.br
Benaton www.perametelas.com.br
www.karamuru.com.br
(11) 3209-7600
www.benaton.com.br

INSTALAÇÕES INSTALAÇÕES
COMPLEMENTARES E ELÉTRICAS E DE
EXTERIORES TELECOMUNICAÇÕES

ELETRODUTO
O Rodapé Falso Valemam é um
TELAS sistema metálico e aparente
Localizada na zona Sul da capital para condução de fios e cabos
paulista, a Arames Cupecê de energia, lógica e telefonia.
possui telas e alambrados para O sistema evita custos com
todo tipo de aplicação – filtros quebras de piso, em futuras
e peneiração, estuque e alterações de layout. O produto
isolamento térmico, proteção possui sistema de tampa de
de fachada, concreto etc. encaixe e pontos de tomadas
Telas Cupecê moduladas, o que facilita a
(11) 5621-2730 manutenção e o manuseio
www.telascupece.com.br dos pontos.
Valemam
(11) 4368-2122
vendas@valemam.com.br
www.valemam.com.br

70
obra aberta-modelo.qxd 6/11/2007 10:44 Page 72

OBRA ABERTA
Livros

A Perícia Judicial * Design do Objeto – Bases Auditoria das Engenharia de Avaliações


Joaquim da Rocha Medeiros Conceituais Demonstrações Contábeis Ibape-SP
Júnior e José Fiker João Gomes Filho José Hernandez Perez Junior, 990 páginas
176 páginas 256 páginas Antonio Miguel Fernandes, Editora PINI
Livraria e Editora Universitária Escrituras Editora Antônio Ranha e José Carlos Fone: 4001-6400 (regiões
de Direito www.escrituras.com.br Oliveira de Carvalho metropolitanas) ou
Vendas pelo portal O objetivo do livro é definir e 156 páginas 0800-5966400 (demais
www.piniweb.com.br conceituar as diversas FGV Editora regiões)
Com foco na redação de peculiaridades e Fone: 0800-217777/ Vendas pelo portal
laudos, estuda a estrutura possibilidades do design atual. (21) 2559-4427 www.piniweb.com.br
formal e o raciocínio lógico- Por isso tem como www.editora.fgv.br Após uma breve apresentação
dialético que permite aplicar o complemento ao título as Com a finalidade de propiciar que comenta o histórico, o que
direito de forma segura. A obra "bases conceituais", que aos leitores uma visão ampla é, por definição, a engenharia
apresenta, ainda, todas as refletem os estudos e da atividade de auditoria, de avaliações, o panorama
fases do aspecto processual, conclusões do autor sobre divide-se em cinco capítulos, geral e a importância jurídica
revelando o comportamento produtos industriais de que trazem noções gerais de do tema e o desenvolvimento
prático e ético do perito. naturezas diversas. Aborda auditoria, normas da auditoria econômico e urbano, o livro
Embora se destine aos desde o design aplicado ao independente, o planejamento traz outros 17 capítulos que
iniciantes no tema, traz produto até o design e desenvolvimento dos abordam a prática da
sugestões e fornece subsídios conceitual, passando pelo trabalhos, a evidenciação e o Engenharia de Avaliações em
concretos para a design gráfico, de moda e de parecer de auditores vários aspectos. Tendo contado
argumentação e formulação ambientes, dentre diversos independentes. Os autores são com a colaboração de diversos
de questões, que podem ser outros. Com muitas imagens todos mestres ou doutorandos especialistas no assunto,
úteis aos iniciados. O aspecto e linguagem sintética, a em temas relacionados ao reunidos por intermédio do
real e prático é proporcionado publicação estabelece título do livro e têm vasta Ibape-SP (Instituto Brasileiro
pela presença de excertos de critérios, parâmetros e experiência prática em de Avaliações e Perícias de
decisões judiciais, revelando atributos para conceituar um auditoria de grandes Engenharia de São Paulo),
os mecanismos de exame padrão de excelência corporações. O livro é parte abrange desde a aplicação do
acerca das provas periciais. funcional aos objetos. O autor das Publicações FGV tema a terrenos e benfeitorias
é Doutor em Arquitetura e Management, derivada de um urbanas até o campo de
Urbanismo pela Faculdade de programa homônimo máquinas e equipamentos.
Arquitetura e Urbanismo da de educação continuada Há um capítulo dedicado ao
Universidade de São Paulo. da Fundação Getúlio Vargas. cálculo de indenizações e
outro para determinação de
avaliações em massa.

72 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


obra aberta-modelo.qxd 6/11/2007 10:44 Page 73

Softwares Sites CD-ROM

Abaqus 6.7 Artesana Tecnisa


SMARTech Mecânica Fone: (11) 6097-7444 Fone: (11) 3708-1000
Fone: (11) 3168-3388 www.artesana.com.br www.tecnisa.com.br O Concreto e o Homem
mecanica@smarttech.com.br Com 22 anos de mercado, A maneira que a Tecnisa Rudloff Sistema de Protensão
www.smarttech.com.br trabalhando com instalações e encontrou para apresentar Fone: (11) 6948-1001
Produzido pela Dassault distribuição de espaços, a seus lançamentos pela marketing@rudloff.com.br
Systèmes e distribuído no Artesana Forros e Divisórias internet com a mesma www.rudloff.com.br
Brasil pela SMARTech acaba de lançar novo site. Nele qualidade e conforto visual A palestra contida nesse CD
Mecânica, o software de é possível acessar todos os dos folhetos impressos foi a pretende dar continuidade à
simulação computacional serviços e soluções propostos adoção da tecnologia de iniciativa da empresa de
Abaqus ganhou novas pela empresa, além de ter folders digitais da Digital divulgar a engenharia e a
funcionalidades com o acesso às últimas novidades Pages. Disponível no site da tecnologia do concreto
lançamento da versão 6.7. em termos de técnicas e construtora, a novidade reduz protendido, além de ser
A mais visível novidade é a tecnologias em divisórias e custos de impressão e também uma ferramenta
nova interface gráfica, mais forros. Com links para os aumenta a velocidade da motivacional aos profissionais
amigável e eficiente quando produtos utilizados pela publicação, permitindo a da engenharia. Os slides, cuja
comparada às versões Artesana e para os serviços disponibilização online apenas apresentação dura cerca de 23
anteriores. O programa oferecidos, também apresenta 48 horas após a criação do minutos, procuram incentivar a
considera uma infinidade de sempre um destaque de obra, material. O site da Tecnisa interação equilibrada entre
fenômenos físicos para com os detalhes técnicos e ainda permite ao visitante homem, natureza e engenharia.
realizar a prototipagem digital arquitetônicos sobre o case. realizar passeios virtuais nos Auto-explicativa, dispensando a
de mecanismos estruturais e, No site também é possível imóveis, assistir a vídeos e participação de um
assim, atuar como uma acessar o "Book de obras", analisar plantas. Também é apresentador, a palestra foi
ferramenta de simulação com fotos de diversos projetos possível contatar corretores desenvolvida de forma a ser
mecânica complexa e não- realizados pela empresa. em tempo real. ministrada em eventos e aulas
linear. A nova versão ganhou Por fim, é possível fazer sobre a tecnologia de
em desempenho no cálculo de orçamento de obras por meio protensão ou sobre a
problemas não-lineares e do site. engenharia em geral. O CD
contato, além de ser capaz de pode ser solicitado diretamente
interagir com processadores à Rudloff por meio do e-mail
duo core. marketing@rudloff.com.br

* Vendas PINI
Fone: 4001-6400 (nas principais cidades)
ou 0800-5966400 (nas demais cidades)
www.LojaPINI.com.br

73
agenda anun ok.qxd 6/11/2007 09:46 Page 74

AGENDA
Seminários e de distribuidores americanos. A exposição Fensterbau/Frontale – Feira
conta, também, com um programa Internacional de Janelas e Fachadas
conferências de palestras. 2 a 5/4/2008
Comat 2007 – 4a Conferência E-mail: registration@surfaces.com Nuremberg (Alemanha)
Internacional em Ciência e www.surfaces2008.com A 11a edição da Feira Internacional de
Tecnologia de Materiais Compósitos Janelas e Fachadas – Tecnologias,
9 a 12/12/2007 Cevisama 2008 Componentes, Elementos de Construção
Rio de Janeiro 5 a 9/2/2008 abrangerá técnicas de aplicação,
O evento discutirá pesquisas e aplicações Valencia (Espanha) revestimentos e ferragens. O evento
de materiais compósitos na América Latina. O Salão Internacional da Cerâmica é um acontece bienalmente e recebe expositores
E-mail: toledo@coc.ufrj.br dos cinco maiores eventos do setor. e visitantes de todos os países do mundo.
www3.coc.ufrj.Br E-mail: feriavalencia@feriavalencia.com E-mail: feiras@ahkbrasil.com /
cevisama.feriavalencia.com info@nuernbergmesse.de
12o CinCci www.ahkbrasil.com /
17 a 19/3/2008 The International Builders' Show www.nuernbergmesse.de
São Paulo 13 a 16/2/2008
O Colóquio Internacional sobre Orlando (EUA) 16a Feicon Batimat – Feira
Comércio e Cidade promoverá a A International Builders Show mostrará Internacional da Indústria da
discussão de idéias sobre o comércio e as soluções construtivas utilizadas no Construção
serviços enquanto atividade econômica e mercado norte-americano. O evento 8 a 12/4/2008
social e sua imagem na cidade, papel na ocorrerá em uma área superior a 74 mil m² São Paulo
dinâmica urbana e regional. Haverá e contará com 1.600 expositores que O evento apresentará novidades em
espaço para trabalhos arquitetônicos, apresentarão produtos, variando desde alvenaria e cobertura, esquadrias,
urbanos e regionais. O evento é materiais básicos de construção até instalações elétricas, hidráulicas,
promovido pela FAU-USP. aparelhos domiciliares e recursos para sanitárias, equipamentos elétricos,
www.usp.br/fau acabamentos e decoração de interiores. dispositivos, condutores, fios, cabos e
www.buildersshow.com tendências do mercado.
Fone: (11) 6914-9087
Feiras e exposições Vitória Stone Fair – 25a Feira E-mail: info@alcantara.com.br
World of Concrete 2008 Internacional do Mármore e Granito www.feicon.com.br
22 a 25/1/2008 19 a 22/2/2008
Las Vegas (EUA) Serra (ES) Expolux – Feira Internacional da
Tradicional feira especializada em A feira reúne os grandes lançamentos de Indústria da Iluminação
concreto e alvenaria, sistemas máquinas, equipamentos, ferramentas 8 a 12/4/2008
construtivos, máquinas e equipamentos. e insumos. São Paulo
No ano de 2007 registrou 1.739 www.vitoriastonefair.com.br A Expolux 2008 apresenta as principais
expositores e 91.628 visitantes – o maior tecnologias e inovações dirigidas ao setor
número nos 33 anos de história do Revestir de iluminação, abrangendo produtos para
evento. A feira também apresenta 11 a 14/3/2008 iluminação residencial, industrial e pública.
seminários, demonstrações indoor São Paulo E-mail: info@expolux.com.br
e outdoor. Em sua sexta edição, o evento reunirá os www.expolux.com.br
E-mail: contactus@worldofconcrete.com maiores fabricantes de revestimentos e
www.worldofconcrete.com fornecedores, gerando oportunidades Domotex Hannover – Feira
para realizar negócios com o mercado Internacional para Revestimentos
Surfaces 2008 nacional e internacional. de Pisos,Tapetes e Carpetes
29/1 a 1o/02/2008 Fone: (11) 4613-2000 12 a 15/1/2008
Las Vegas (EUA) E-mail: revestir@vnu.com.br Hannover (Alemanha)
O evento virou referência para o mercado www.exporevestir.com.br/ A feira é considerada um dos principais

74 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


agenda anun ok.qxd 6/11/2007 09:46 Page 75

eventos mundiais para carpetes, pisos e Estruturas e Fachadas em Pré- salientando as mudanças e exigências das
revestimentos e também um modo de moldados novas Normas e procedimentos de
abrir novos mercados. 6 e 7/12/2007 Projeto, Execução e Controle do Concreto.
Fone: (11) 3521-8000 Brasília Fone: (11) 5574-7766
E-mail: hanover@hanover.com.br O curso irá fornecer parâmetros para www.institutodeengenharia.org.br
www.hanover.com.br o projeto e montagem de estruturas
pré-moldadas e painéis arquitetônicos Estruturas Metálicas – Módulo 2
Coverings de fachadas. 23/2, 1o e 8/3/2008
29/4 a 2/5/2008 Fone: (11) 2626-0101 São Paulo
Orlando (EUA) cursos@aeacursos.com.br O segundo módulo do curso da Abece
A Coverings reúne os setores de www.aeacursos.com.br tratará de assuntos como flambagem
revestimentos cerâmicos, rochas lateral de vigas, elementos fletidos e
ornamentais, utensílios e acessórios Gestão de construções metálicas comprimidos, entre outros.
para cozinhas e banheiros, vidros, 8 e 15/12/2007 Fone: 3097-8591
madeira, artesanato para revestimento, São Paulo Email: abece@abece.com.br
equipamentos, produtos da cadeia de Abrange aspectos da gestão e da www.abece.com.br
revestimentos (argamassa, rejunte, fiscalização de projetos, de fabricação,
películas anti-ruptura, produtos de logística e da montagem de Auto-implementação para IS0
antiderrapantes, produtos de limpeza estruturas de aço. 9000/2000, atendendo aos
e seladores). Fone: (11) 3816-6597 Requisitos do PBQP-H
E-mail: coveringsinfo@ntpshow.com E-mail: abcem@abcem.org.br 14/5/2008
www.coverings.com www.abcem.org.br Porto Alegre
O curso tratará da sistemática de
Marketing para Arquitetos e normalização dos processos, os
Cursos e treinamentos Engenheiros requisitos da Norma ISO 9001 versão
Gestão Tributária na Construção 14 e 15/12/2007 2000, e o SIQ-Construtoras. Outro
Civil – Incluindo o Super Simples São Paulo ponto é a capacitação para atuar como
na Construção Civil O objetivo do curso é conhecer os auditores internos do sistema da
6/12/2007 conceitos fundamentais e as principais qualidade da empresa.
São Paulo ferramentas do marketing, saber como Fone: (51) 3021-3440
O curso oferecerá metodologia de atuar em um ambiente competitivo e www.sinduscon-rs.com.br
trabalho para administrar a vida aprender a aplicar as estratégias básicas
empresarial com o menor custo fiscal do marketing na engenharia e arquitetura.
possível e dentro da licitude que o Fone: (11) 3816-0441
Concursos
ordenamento jurídico permite. www.ycon.com.br 1o Prêmio Valmex Structure 2007 –
Fone: (11) 3334-5600 Mehler Texnologies
E-mail: treina@sindusconsp.com.br Edificações e Empreendimentos Inscrições até 20/12/2007
www.sindusconsp.com.br Sustentáveis na Construção Civil: A Mehler Texnologies GmbH escolherá o
idealização e gestão melhor projeto que utiliza estruturas
7o Workshop Brasileiro de Gestão do 12 e 13/12/2007 tensionadas que se destaquem e
Processo de Projetos na Construção Curitiba oferecerá uma viagem à Fulda (Alemanha)
de Edifícios Aprofunda o conceito de sustentabilidade para conhecer a fábrica da Mehler.
6 e 7/12/2007 no setor da construção civil para Fone: (11) 4153-5853
Curitiba atender às atuais demandas E-mail: tecno@tecnostaff.com.br
O encontro é realizado pelo Cesec (Centro mercadológicas de construções e de www.tecnostaff.com.br
de Estudos de Engenharia Civil Professor empreendimentos sustentáveis.
Inaldo Ayres Vieira) da UFPR (Universidade Fone: (11) 2626-0101 Holcim Awards
Federal do Paraná) e tem a proposta de E-mail: cursos@aeacursos.com.br Inscrições até 29/2/2008
colocar em questão a discussão científica www.aeacursos.com.br A segunda edição do prêmio promovido
entre as linhas de pesquisa relacionadas à pela Holcim Foundation reúne novamente
gestão do processo de projeto de edifícios Concreto Feito na Obra projetos de construções sustentáveis de
e as experiências desenvolvidas no 17/1/2008 todo o mundo. As construções
mercado. Para isso, convida pesquisadores, São Paulo participantes não podem ter sido
acadêmicos e profissionais envolvidos na O curso mostra como proceder na iniciadas antes de 1o de junho de 2006 e o
Indústria da Construção Civil. produção, controle e garantia da qualidade material deve ser enviado em inglês.
www.cesec.ufpr.br/workshop2007 na produção do concreto na obra www.holcimawards.org

75
agenda anun ok.qxd 6/11/2007 09:46 Page 76
como construir-128.qxd 6/11/2007 09:45 Page 77

Gustavo Silva do Prado


gustavo@acquabrasilis.com.br

COMO CONSTRUIR Mônica Sibylle Korff Muller


sibylle@acquabrasilis.com.br

Sistema de aproveitamento
de água para edifícios
aproveitamento de águas pluviais que a água de chuva carrega poluentes aproveitamento de águas pluviais são:
O em edificações não é um conceito
recente. No Brasil, foi introduzido
(substâncias tóxicas e bactérias), cuja
ingestão ou contato com a pele e muco-
 Bacia coletora – compreende toda a
superfície impermeável do edifício ex-
pelos norte-americanos, em 1943, sas pode causar doenças, que vão desde posta à chuva e atendida por sistema de
com a construção de uma instalação simples irritações cutâneas a severas in- drenagem, como os telhados, lajes de
na Ilha de Fernando de Noronha fecções intestinais. Dessa forma, é im- cobertura, pátios, passeios, quadras
(May, 2004). Nos últimos anos, porém, portante o tratamento da água armaze- poliesportivas etc. Preferencialmente,
o aumento da demanda por água, nor- nada antes de sua utilização, principal- somente a água coletada em telhados e
malmente ocasionado pelo crescimen- mente quando o uso pretendido envol- lajes de cobertura deve ser aproveitada;
to populacional acentuado e desorde- ve contato direto com seres humanos.  Condutores verticais e horizontais –
nado nos grandes centros urbanos tubulações e calhas do sistema de dre-
brasileiros, tem imposto pressões eco- Materiais nagem de águas pluviais do edifício,
nômicas e sócio-ambientais aos novos Os componentes de um sistema de responsáveis pela condução da água
empreendimentos imobiliários, no aproveitamento de águas pluviais va- coletada na bacia coletora até a cisterna;
que concerne à adoção de medidas que riam de acordo com as características  Peneiras, grades e grelhas – peças
visem à diminuição de consumo e a de cada edificação. Dependendo do especiais dispostas ao longo da rede de
busca por fontes alternativas de água. uso pretendido, da qualidade desejada drenagem de águas pluviais, cuja fun-
Nesse sentido, a implementação de para a água tratada, das características ção é reter sólidos grosseiros como ga-
sistemas de aproveitamento de águas da bacia coletora do edifício, das fontes lhos, folhas etc.;
pluviais para fins não potáveis, como de água que alimentarão a cisterna, do  Câmara de pré-decantação (opcio-
rega de jardins e áreas verdes; lavagem espaço existente para instalação dos nal) – reservatório que recebe a água
de pisos, passeios e fachadas; ornamen- equipamentos e do orçamento dispo- pluvial coletada no edifício. Sua prin-
tação paisagística e descarga de vasos nível, pode-se alterar o layout da insta- cipal função é a abstração da primeira
sanitários, torna-se uma alternativa lação adequando o sistema às exigên- chuva (first flush), que normalmente
bastante viável para as novas edifica- cias locais. Resumidamente, os princi- carreia boa parte das impurezas pre-
ções. Além da água de chuva coletada pais componentes de um sistema de sentes nas águas pluviais;
no sistema de drenagem de edifícios,
outras fontes de água bruta, normal-
mente ignoradas, como a água de con-
densação de ar-condicionado e a pro-
veniente de cortinas de drenagem de
lençol freático também podem ser
aproveitadas para os fins não potáveis.
Apesar de ser uma alternativa eco-
nomicamente viável e sócio-ambiental-
Fotos: Acquabrasilis

mente correta, o aproveitamento de


águas pluviais não deve ser implemen-
tado de forma irresponsável. Diversas
pesquisas (May, 2004; Jaques et al., Figura 1 – Central de tratamento de sistema de aproveitamento de água de chuva
2005; Valle et al., 2005) demonstram em implantação: (a) Fitro de areia; (b) Central de tratamento

77
como construir-128.qxd 6/11/2007 09:45 Page 78

COMO CONSTRUIR

tros e painel elétrico de controle são itens


empregados na automação completa ou
parcial do sistema (veja figura 3).

Filtro ou peneira?
Percebe-se certa confusão relacio-
nada à nomenclatura dos componen-
tes de sistemas de aproveitamento de
Figura 2 – Componentes da central de tratamento de sistema de aproveitamento de águas pluviais. A mais recorrente diz
água de chuva em implantação: (a) Bomba centrífuga; (b) Reservatório de autolimpeza respeito ao emprego indiscriminado
da palavra filtro.
 Cisterna – reservatório dimensio-  Unidade de desinfecção – a desin- As peneiras, grades e grelhas empre-
nado para armazenar a água de chuva e fecção é etapa indispensável para ga- gadas no tratamento de águas pluviais
suprir a demanda por água não potável rantir a segurança sanitária de um sis- são equipamentos instalados a montan-
do edifício; tema de aproveitamento de águas plu- te de cisternas, responsáveis pela reten-
 Filtros de areia – filtros de pressão viais, pois sua função é inativar mi- ção de sólidos grosseiros (da ordem de
com leito filtrante composto por car- crorganismos patógenos presentes na alguns milímetros), maiores que suas
vão antracitoso e areia ou somente água de chuva. Para esse fim, podem aberturas, pela simples interceptação. Já
areia, responsáveis pela retenção da ser empregados: cloro (hipoclorito de os filtros são instalados a jusante de cis-
maior parte dos contaminantes pre- sódio ou hipoclorito de cálcio), ozô- ternas para remover partículas (da
sentes na água bruta (veja figura 1); nio ou radiação ultravioleta; ordem de alguns milésimos de milíme-
 Filtro desferrizador – filtro de pres-  Sistema de pressurização – para o tros), muito menores que os espaços in-
são com leito filtrante composto por encaminhamento da água tratada aos tersticiais de seu meio filtrante. Esse fe-
zeólitos naturais ou sintéticos, respon- pontos de utilização é necessária a nômeno decorre da ação combinada de
sáveis pela remoção de ferro e manga- pressurização da rede de distribuição. mecanismos de aderência e transporte,
nês presente na água bruta; Isso pode ser alcançado de duas for- ambos relacionados ao escoamento no
 Equipamentos de bombeamento – mas: bombeando a água tratada para meio filtrante e às interações superficiais
bombas centrífugas responsáveis pela reservatório elevado ou pressurizando entre os grãos que o compõem e as im-
alimentação e retrolavagem dos filtros a rede de distribuição por meio de sis- purezas presentes na água.
de areia e de desferrização (veja figura 1); tema de bombeamento direto com ou
 Reservatório de retrolavagem – re- sem tanque pulmão; Projeto
servatório de acúmulo de água de  Componentes auxiliares de controle e A figura 4 apresenta dois fluxogra-
chuva tratada a qual é empregada nas comando – equipamentos como pres- mas de processo.No primeiro,a água ar-
operações de retrolavagem dos filtros sostatos,medidores de nível,válvulas so- mazenada em cisterna é bombeada,
(veja figura 2); lenóides, válvulas automáticas para fil- passando por tratamento (filtração e
desinfecção) e seguindo até reservatório
elevado. Nesse tipo de arranjo, o sistema
de tratamento, preferencialmente, deve
ser alocado na cobertura, evitando pro-
blemas relacionados ao excesso de pres-
são nas unidades de filtração. No segun-
do arranjo,o sistema de aproveitamento
de água de chuva conta com equipa-
mento de pressurização com tanque
pulmão. Essa solução tem sido normal-
mente adotada, uma vez que os pontos
de utilização concentram-se no piso tér-
reo dos edifícios (rega de jardim e áreas
verdes, ornamentação paisagística, lim-
Fotos: Acquabrasilis

peza de piso etc.), o que não justifica os


elevados investimentos incorridos na
construção de reservatórios elevados.
Figura 3 – Componentes da central de tratamento de sistema de aproveitamento de Observa-se, nos fluxogramas de
água de chuva em implantação: (a) Sistema de desinfecção de linha; (b) Válvula processo da figura 4, que a água pluvial
automática para filtro; (c) Vista geral dos componentes de automação do sistema; coletada no edifício, como também a
(d) Quadro elétrico de comando água de lençol freático e aquela resul-

78 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007


como construir-128.qxd 6/11/2007 09:45 Page 79

Figura 4 – Fluxograma de processo para sistema de aproveitamento de água

nômicos que atendam às disposições da Simulação de Reservatório ou Aus-


normativas da NBR 12217. O projeto traliano, pois ambos pautam-se no em-
desses reservatórios deve considerar a prego de séries históricas de precipita-
tante da condensação em sistema de ar- existência de extravasores, medidores de ção e na otimização do volume a ser re-
condicionado devem ser encaminha- nível, dispositivos de esgotamento, equi- servado, o que evita a construção de re-
das para a cisterna, normalmente loca- pamentos que impeçam a entrada de servatórios demasiadamente grandes.
lizada no último subsolo do prédio. animais em seu interior, cobertura, ins- A tabela 1 é um exemplo de aplica-
Esse reservatório acumula duas funções peção e ventilação de segurança. A água ção do Método da Simulação de Reser-
básicas: tanque de armazenagem e poço armazenada deve ser protegida contra a vatório na escolha do volume de reserva-
de sucção,porém,em cidades onde a le- insolação direta ou indireta,para evitar a ção de uma cisterna para edifício com
gislação municipal exige a construção proliferação de algas que podem com- bacia coletora de 580 m3 e demanda
de "piscininhas", as cisternas podem prometer a qualidade da água. mensal de 36 m³,localizado na cidade de
acumular, também, a função de reser- Para o cálculo do volume de água a Curitiba.Ao analisar os dados apresenta-
vatório de amortecimento. Para tanto, ser armazenado podem ser emprega- dos,evidentemente,nota-se que o acrés-
basta acrescer ao volume exigido por lei dos: o Método de Rippl, o MSR (Méto- cimo de volume reservado eleva a eco-
aquele calculado para atender à deman- do da Simulação de Reservatório), o nomia percentual de água, entretanto, é
da do empreendimento. Método Australiano, o Método Azeve- notável também que é necessário au-
Como as cisternas são certamente do Netto, o Método Prático Alemão ou mentar em 32 vezes o tamanho da cister-
um dos itens mais caros e importantes o Método Prático Inglês, conforme su- na para que a economia percentual passe
do sistema, seu dimensionamento deve gestão da NBR 15527. Todavia, re- de 74% para 99% (aumento de 25%).
ser balizado por critérios técnico-eco- comenda-se a utilização dos métodos Dessa forma fica claro que, para o edifí-

79
como construir-128.qxd 6/11/2007 09:45 Page 80

COMO CONSTRUIR

cio em questão, não é economicamente identificados com placa de advertência projeto elaborado, preferencialmente,
justificável o investimento na constru- com a seguinte inscrição: "água não po- por profissional especializado na área
ção de cisterna com capacidade superior tável". Vale ressaltar que não são permi- da qualidade e tratamento de água.
a 16 m³, e que a economia percentual de tidas ligações cruzadas entre a rede de
água não potável esperada não deverá distribuição de água potável e de água Gustavo Silva do Prado
ultrapassar 75%. de chuva do edifício, e que os reservató- Engenheiro civil, doutor em Engenharia
Como já mencionado, a água de rios de água de chuva e água potável não Hidráulica e Sanitária
chuva armazenada em cisterna deve ser devem ser interligados. Coordenador técnico de Projetos da
submetida a tratamento. Recomenda- Acquabrasilis Meio Ambiente Ltda.
se o emprego de filtros de areia, opera- Manutenção
dos com taxa de aplicação superficial A tabela 2 apresenta as recomenda- Mônica Sibylle Korff Muller
(TAS) da ordem de 200 m³/m²/dia a ções da NBR 15527 acerca da freqüên- Engenheira civil, mestre em Engenharia
400 m³/m²/dia, seguidos por sistemas cia de manutenção em todo o sistema da Construção Civil
de desinfecção com cloro,ozônio ou ra- de aproveitamento de água de chuva. Diretora da Acquabrasilis Meio Ambiente Ltda.
diação ultravioleta.Atualmente, o cloro Além das recomendações normati-
tem sido a opção adotada na maioria vas relacionadas na tabela 2, aconselha-
dos projetos, devido ao seu longo histó- se, também, para sistemas e aproveita-
rico de sucessos na desinfecção de águas
LEIA MAIS
mento de águas pluviais automatiza-
para abastecimento público e ao fato de dos, que todos os componentes de con- Avaliação da qualidade da água de
que, após a cloração, é possível manter trole,como painel elétrico de comando, chuva da cidade de Florianópolis.
concentrações residuais de cloro livre válvulas solenóides, válvulas automáti- In: 23o Congresso Brasileiro de
que oferecem segurança extra aos usuá- cas para filtro, medidores de nível entre Engenharia Sanitária e Ambiental. R. C.
rios do sistema. outros,sejam mensalmente verificados. Jaques; L. F. Ribeiro; F. R. Lapolli.
As bombas de alimentação, retrola- Campo Grande, 2005.
vagem e pressurização do sistema,assim Conclusão Estudo da viabilidade do
como as tubulações de sucção e recal- O emprego de sistemas de aprovei- aproveitamento de água de chuva
que, devem ser projetadas de acordo tamento de água de chuva é ambiental- para consumo não potável em
com as recomendações da NBR 12214. mente correto, traz economia de con- edificações. S. May. São Paulo, 159 p.
O dimensionamento de calhas coleto- sumo de água potável, ajuda na redu- Dissertação (Mestrado) – Escola
ras, condutos verticais e horizontais de- ção da possibilidade de enchentes e é Politécnica, Universidade de São
ve ser pautado na NBR 10844,enquanto uma tendência irreversível nas novas Paulo, 2004.
a rede de distribuição de água tratada edificações. No entanto, dado ao po- NBR 5626 – Instalação Predial de
deve atender à NBR 5626. Os pontos de tencial risco sanitário envolvido, a sua Água Fria. ABNT (Associação
consumo como, por exemplo, as tornei- implantação deve ser feita de modo cri- Brasileira de Normas Técnicas).
ras de jardim,devem ser de uso restrito e terioso, seguindo especificações de NBR 10844 – Instalações Prediais
de Águas Pluviais. ABNT (Associação
Tabela 1 – INFLUÊNCIA DO AUMENTO DE VOLUME DE ARMAZENAMENTO Brasileira de Normas Técnicas).
NA ECONOMIA PERCENTUAL DE ÁGUA NÃO POTÁVEL DE EDIFÍCIO NBR 12217 – Projeto de
LOCALIZADO NA CIDADE DE CURITIBA Reservatório de Distribuição de
Volume da Demanda Suprimento Economia Água para Abastecimento Público.
Cisterna*(m³) Anual*(m³) Externo*(m³) Percentual*(m³)
ABNT (Associação Brasileira de
4,0 431,0 111,0 74%
Normas Técnicas).
8,0 431,0 107,0 75%
16,0 431,0 99,0 77% NBR 15527 – Água de Chuva –
32,0 431,0 83,0 81% Aproveitamento de Coberturas
64,0 431,0 54,0 87% em Áreas Urbanas para Fins
128,0 431,0 6,0 99% Não Potáveis – Requisitos.
* Método da Simulação de Reservatório: bacia coletora de 580 m3 e demanda mensal de 36 m³. ABNT (Associação Brasileira de
Normas Técnicas).
Tabela 2 – SUGESTÕES DE FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO
Aproveitamento de água de chuva:
Componentes Freqüência de manutenções
avaliação do seu tratamento para fins
Dispositivo de descarte do Limpeza mensal ou após chuva
escoamento inicial de grande intensidade potáveis. J. A. B. Valle; A. Pinheiro; F. R. P.
Calhas, condutores verticais e horizontais Duas ou três vezes ao ano Cipriano; A. Ferrari, in: 23o Congresso
Desinfecção com cloro, ozônio, raios Manutenção mensal Brasileiro de Engenharia Sanitária e
ultravioleta ou outros Ambiental. Campo Grande, 2005.
Bombas Manutenção mensal Conservação da água. P. Tomaz, 1a
Reservatórios Limpeza e desinfecção anual ed. Parma, São Paulo, 1998.

80 TÉCHNE 128 | NOVEMBRO DE 2007