P. 1
Apostila_Geologia e Geomorfologia Ambiental_UNOPARVIRTUAL

Apostila_Geologia e Geomorfologia Ambiental_UNOPARVIRTUAL

|Views: 1.829|Likes:
Publicado pormarlicapls51

More info:

Published by: marlicapls51 on Oct 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/31/2012

pdf

text

original

Geologia e Geomorfologia Ambiental Unidade 1 - Geologia e Geomorfologia Ambiental Visão geral Apresentação da disciplina: Em nossa disciplina, Geologia e Geomorfologia

Ambiental, estudaremos importantes conteúdos, já que as ciências nela envolvidas são voltadas para a análise da constituição, forma, estrutura e fenômenos que ocorrem na superfície do Planeta Terra. Quando discutimos a questão ambiental, devemos claramente nos referir à integração dos meios físico, biótico e antrópico. Se você analisar as disciplinas de nosso curso, verá que elas buscam justamente esse objetivo. Assim, nesta web aula, vamos nos dedicar ao estudo de duas ciências muito importantes para o conhecimento e análise do meio físico. Mas, afinal, o que estudam a Geologia e a Geomorfologia? Para que possamos iniciar com uma simplificada definição, podemos dizer que a Geologia estuda o Planeta Terra, desde a sua formação até sua evolução aos dias atuais. Tal estudo se dá através da análise de fenômenos (terremotos, vulcões), de materiais (solos, rochas, águas) e vestígios (fósseis, estratigrafia em rochas, etc.). Você pode estar imaginando que a Geologia é uma ciência alienada dos interesses da sociedade atual, mas certamente isso seria um grande engano. Basta imaginar que todos os materiais (e são muitos!) que o homem obtém através da mineração, estão ligados diretamente à Geologia. Grandes obras de engenharia também são extremamente dependentes de um conhecimento geológico refinado sobre a área na qual o mesmo será implantado. Já a Geomorfologia se dedica à análise das formas da Terra, ou seja, do relevo. O que faz desta ciência de grande importância também, já que o formato do relevo traz uma série de implicações de ordem ambiental. Por exemplo, áreas com altas declividades são muito propensas ao movimento de massa (os desmoronamentos). Áreas de bacias são propícias ao recebimento de sedimentos, e assim ocorre com diversas outras situações. Assim, destacamos a Geologia e a Geomorfologia como conhecimentos úteis (e necessários!) ao planejamento e gestão ambiental. Assim, embora essas ciências possuam vários ramos, abordaremos a vertente ambiental de ambas. Nosso estudo será composto por duas unidades: “Introdução aos Estudos Geológicos e Geomorfológicos” e “Constituintes da Terra: minerais e rochas”. Cada unidade está dividida em duas aulas. Este importante meio de ensino-aprendizagem, as web aulas, são compostas por textos, artigos científicos, questões para você refletir sobre os textos, vídeos e figuras para serem analisadas. As web aulas são elaboradas com o objetivo principal de complementar e aprofundar os conteúdos da disciplina, por isso, é importante que você, além de fazer as leituras, realize as atividades e também participe do fórum de discussão que será proposto para que você possa interagir com os seus colegas do curso. Agora, convido você a conhecer um pouco mais de nossa disciplina. Desejo a todos uma ótima disciplina e um ótimo estudo!

Objetivo da Disciplina A disciplina Geologia e Geomorfologia Ambiental têm os seguintes objetivos:
• • • •

Apresentar os principais conceitos da Geologia e da Geomorfologia; Discutir os fenômenos fundamentais ligados ao relevo; Contextualizar os conhecimentos geológicos e geomorfológicos com o uso e ocupação do solo; Discutir, de maneira mais específica, os riscos associados ao uso e ocupação desordenados e não planejados do solo. Conteúdo Programático:

Nossos principais temas de discussão serão:
• • • • •

Fundamentos de Geologia e Geomorfologia Ambiental; Processos de formação e transformação do relevo; Os principais fenômenos geológicos; Análise geomorfológica; A Geologia e a Geomorfologia no planejamento de uso e ocupação do meio físico.

Metodologia: Os conteúdos programáticos ofertados nessa disciplina serão desenvolvidos por meio das TeleAulas de forma expositiva e interativa (chat - tira dúvidas em tempo real), Aula Atividade por Chat para aprofundamento e reflexão e Web Aulas que estarão disponíveis no Ambiente Colaborar, compostas de conteúdos de aprofundamento, reflexão e atividades de aplicação dos conteúdos e avaliação. Serão também realizadas atividades de acompanhamento tutorial, participação em Fórum, atividades práticas e estudos independentes (auto estudo) além do Material do Impresso por disciplina. Avaliação Prevista: O sistema de avaliação da disciplina compreende em assistir a tele-aula, participação no fórum, produção de texto/trabalho no portfólio, realização de duas avaliações virtuais, uma avaliação presencial embasada em todo o material didático, tele-aula e web aula da disciplina.

WEB-AULA 1 Conhecendo a Geologia e a Geomorfologia Iniciando nossa web aula 1, vamos nos dedicar a conhecer um pouco mais sobre estas importantes ciências. Se formos pensar em definições, de acordo com um importante geólogo brasileiro, José Henrique Popp, em seu livro Geologia Geral (1998, p. 22), temos que: A Geologia é a ciência da Terra, de seu arcabouço, de sua composição, de seus processos internos e externos e de sua evolução. O campo de atividade da Geologia é, por conseguinte, a porção da Terra constituída de rochas que, por sua vez, são as fontes de informações. Entretanto, a formação das rochas decorre de um conjunto de fatores físicos, químicos e biológicos, donde os interesses se entrecruzarem repetidamente.

sua composição. podemos concluir que as formas do relevo podem ser interpretadas enquanto a expressão espacial de uma superfície. . autores que a consideram como uma subdivisão da Geografia e há autores que defendem a ideia de que a Geomorfologia é uma ciência independente. Petrologia – objetiva estudar e descrever as rochas. Geofísica – estuda a estrutura da Terra. Como vimos. por estudar as formas da Terra. buscam estudar o Planeta Terra. Paleontologia – estuda os fósseis preservados em formações rochosas. quanto à Geomorfologia.Vamos desdobrar um pouco esta definição? A geologia pode ser considerada a ciência que estuda a Terra em seu aspecto estrutural. Geologia Histórica – estuda os acontecimentos histórico-geológicos do Planeta. em especial as rochas sedimentares. E. o aproveitamento de seus constituintes. Assim. vejam. vamos à definição do objeto de estudo da Geomorfologia. que é a forma do relevo. ainda. podemos dividir a Geologia em: • • • • • • • • • Mineralogia – ciência que estuda a natureza e a formação dos minerais. através de diversos métodos físicos. Se analisarmos o significado da palavra. estas últimas consideradas como sub-ramos da Geologia Histórica. é considerada por alguns autores como sendo uma subdivisão da Geologia. tanto a Geologia. Geoquímica – estuda a composição e características químicas das rochas e minerais. ou seja. como se trata de um conhecimento muito vasto. Geologia Estrutural . teremos que Geo = Terra. podendo ser estudadas buscando compreender as relações processuais passadas e atuais. Existem. Analisando a imagem anterior. seus fenômenos. que compõem as diferentes configurações de uma paisagem morfológica. sua divisão em camadas.estuda as deformações da crosta terrestre. Estratigrafia – estabelece a ordem sequencial das rochas constituintes da crosta. embora sob aspectos distintos. o que ela estuda? Antes de tudo. Por isso.. Morfo = Forma e Logia = Estudo. como a Geomorfologia.. Geologia Econômica – estuda as questões econômicas relativas aos bens minerais. a Geologia necessita de outras ciências associadas. Mas.

Outra característica importante a ser levada em consideração é que a superfície da Terra não é formada por materiais de mesma densidade e por isso a gravidade atua de forma mais ou menos intensa em diferentes locais. há como resultado um leve achatamento nos pólos e o equador acaba ficando bojudo. a atuação de forças endógenas e exógenas que formam e remodelam o relevo.WEB-AULA 2 Conhecendo o Planeta Terra Agora que já sabemos um pouco mais sobre a Geologia e a Geomorfologia. que giram em torno de seu eixo menor e. o movimento de sentido oeste-leste que a Terra realiza em torno de seu próprio eixo imaginário. Nosso planeta é o terceiro em ordem de afastamento do Sol e normalmente nós o consideramos como uma esfera. vamos perceber que há diferenças nas medidas dos mesmos. ele não é uma esfera perfeita. ainda. Devido ao seu Movimento de Rotação. Esses modelos são conhecidos como Elipsóides de Revolução. que dura aproximadamente 24 horas. então. isto é. na verdade. se traçarmos raios a partir do centro da Terra em todas as direções. modelos elípticos. apresentam volume. Quanto mais próximos à linha do equador. Temos. portanto. e mais curtos quando traçados nas proximidades dos pólos. vamos falar sobre sua forma. isto é. Você já parou para pensar nas características físicas da Terra? Seria a Terra um Planeta uniforme? É constituído de um mesmo material? Por que tanta água em sua superfície? Por que ocorrem vulcões e terremotos? Essas e outras dúvidas serão discutidas nas diversas atividades e materiais de nossa disciplina! Para começarmos a entender mais sobre a Terra. Dessa forma. Observe a figura abaixo que apresenta um elipsóide de revolução com sua excentricidade exagerada para melhor reconhecimento didático: . “gordinho”. Mas. vamos conversar um pouco sobre nosso Planeta. mais longos são os raios. A Terra está em constante mudança! Utilizamos.

que em média é coincidente com o valor médio do nível do mar. . mas um elipsóide irregular). É um modelo matemático que segue a superfície do mar.020m abaixo do nível do mar (Fossas Marianas).Figura: Forma da Terra Circunferência Polar: 40. até 11. isto é. As representações dos geóides mostram um planeta enrugado. se estendendo de forma imaginária pelo relevo da Terra e levando em consideração a superfície equipotencial. Figura: Demonstração do Relevo. a superfície de potencial gravitacional constante.840m acima do nível médio dos mares (Evereste).009 km Circunferência Equatorial: 40. Geóide e Elipsóide As diferenças de altitude do relevo terrestre variam de aproximadamente 8. como um velho maracujá. Existem também os Geóides (como a forma da Terra não é nem esférica nem elípsóidica.076 km Os elipsóides de referência são modelos simplificados do planeta. que não apresentam uma superfície tão uniforme quanto dos elipsóides e sua proposta de elaboração é do matemático alemão Carl Friedrich Gauss (1777 – 1855). o geóide tem uma variação de cerca de 100m para cima ou para baixo do elipsóide de referência (que por sua vez é uniforme).

6-8.4 e essencialmente é constituído por peridotitos (olivina e piroxênio) ou eclogito (granada e piroxênio). Entre o manto superior e o manto inferior. que pode ser dividido em Manto Superior e Manto Inferior e forma aproximadamente 80% de todo o volume do planeta. como por exemplo. incluindo a base da litosfera e a parte superior da astenosfera (camada situada entre 60-100 a 250400 km da superfície da Terra. por isso pode ser chamada de SIAL (Silício e Alumínio). Essa faixa. . A crosta é divida em duas: crosta continental e crosta oceânica. sendo que está a cerca de 5-10 km de profundidade nas áreas de crosta oceânica e 30-80 nas áreas continentais. onde encontramos desde rochas sedimentares pouco alteradas. vamos “ao manto”? Manto A segunda camada. também chamada de Moho. Apresenta uma grande quantidade de rochas granitóides sílico-aluminosas. O manto superior tem uma densidade de cerca de 3. é caracterizada por uma mudança brusca de velocidade das ondas sísmicas (ondas P mudam de 6. E agora. isto é. É composta basicamente de rochas máficas. A profundidade do Moho é variável. como na Cordilheira dos Andes ou no Himalaia. É menos densa do que a porção oceânica da crosta. da Terra é o Manto. encontramos uma camada chamada de zona de transição ou manto transicional. A crosta oceânica é menos espessa do que a continental. situada entre 400-700 km de profundidade.6 km/s).2 para 7. Apresenta também rochas magmáticas extrusivas e intrusivas. Sua composição pode ser chamada de SIMA (em referência a concentração de Silício e Magnésio) e por tanto é mais densa que a crosta continental. os basaltos e gabros.7-7. variando de 5-15 km de profundidade. É importante destacar que entre o manto e a crosta nós encontramos uma faixa chamada de Descontinuidade de Mohorovicic (o nome é referente ao seu descobridor).A Crosta Terrestre Trata-se de uma camada relativamente fina. conforme a forma do relevo. em profundidade. até rochas metamórficas que foram submetidas a condições de alta temperatura e pressão. A crosta continental tem profundidade variável de cerca de 30-40 km nas regiões sismicamente estáveis podendo chegar a espessura de 60-80 km em áreas de cadeias de montanhas. rochas compostas basicamente de magnésio e ferro. com características plásticas distintas da litosfera acima que é rígida). É o principal fornecedor de magma para a formação da crosta terrestre e se estende desde o Moho até por volta de 400 km de profundidade.

esta camada acaba agindo como se fosse um gigantesco dínamo.900 km de profundidade e tem uma densidade de 4. a Descontinuidade de Gutenberg (chamada também de Zona D’’). Núcleo A porção ao centro do planeta pode ser dividida entre: Núcleo Interno e Núcleo Externo.300 km de diâmetro e é separado no núcleo externo por uma camada transicional de 550 km de espessura. E então.000o C.O manto inferior. encontramos outra descontinuidade. não é impressionante a estrutura de nosso Planeta? Sem se esquecer do que acabamos de estudar. que separa o núcleo externo do manto inferior.000o C até 3. Nos vemos lá! .7. Tem cerca de 1.900 km. está situado entre 700 e 2. pois é formado por silicatos ferromagnesianos densos. A temperatura varia de 1. Em profundidade de aproximadamente 2. com cerca de 1. pois devido ao movimento de rotação. também chamado de manto interno. As diferenças entre os estados da matéria do núcleo interno e externo são responsáveis pela geração do campo eletromagnético de nosso planeta. O núcleo externo é uma camada provavelmente líquida e constituída basicamente de Ferro e de Níquel. Lá. por isso chamada de NiFe.600 – 2.600km de espessura. convido você a continuar os estudos na próxima Unidade. vamos nos dedicar a estudar os constituintes da Terra. variando para mais conforme aumenta a profundidade. O núcleo interno provavelmente é sólido devido às altíssimas pressões que impedem a mudança de estado da matéria.

Mas. uma vez que considera a estrutura e composição química dos minerais. Quando dizemos que “é um sólido cristalino”. Vale lembrar que o critério de ocorrência natural faz excluir da classe dos minerais todas as substâncias manufaturadas pelo homem. nas Ciências da Terra.Unidade 2 . Água mineral. estamos nos referindo ao fato de que os minerais possuem um arranjo interno ordenado e definido dos átomos.Classificação dos minerais Você já parou para pensar em quantos minerais existem? Partindo da definição do que é um mineral. sais minerais. que formam a superfície terrestre seca. como cor. Dessa forma temos os grupos: . os minerais necessitam serem ordenados ou classificados de acordo com princípios científicos para racionalizar o estudo. enxofre .Os minerais Ouvimos sobre minerais com razoável freqüência. os quais podem ser agrupados e classificados de diversas formas. por melhor atender às necessidades científicas.Geologia e Geomorfologia Ambiental WEB AULA 1 Os minerais Seja bem vindo à nossa primeira web aula da Unidade 02! Aqui. nutrição à base de minerais. dureza e densidade. Possuem também composição química bem definida e propriedades físicas características.elementos nativos Exemplos: ouro. A classificação mais usada na mineralogia. Assim como os animais e vegetais. um diamante sintético não é um mineral! . Ou seja. baseando-se na composição química. Mineral é um sólido cristalino inorgânico que ocorre na natureza. . os subdivide em 12 grandes grupos.. em termos técnicos.. mineral possui um definição bastante clara. vamos conversar sobre os minerais. chega-se a um grande número de minerais. os quais são considerados os constituintes das rochas.

esfalerita. fluorita . cassiterita .óxidos e hidróxidos Exemplo: hematita.. pirita .halóides Exemplo: halita. enargita .sulfossais Exemplo: tetraedrita.sulfetos Exemplo: galena.

carbonatos Exemplo: calcita. gipsita . dolomita . arsenietos e vanadatos Exemplo: apatita .tungstatos e molibdatos .sulfatos e cromatos Exemplo: barita.nitratos Exemplo: salitre .boratos Exemplo: bórax ..fosfatos.

br/ WEB AULA 2 As rochas Após conversarmos sobre os minerais. como no caso do ouro. o que diferencia as rochas dos sedimentos. Nas rochas. Exemplos: feldspatos. logo é a classe mais importante dos minerais. as quais podem possuir elevado valor. vemos uma amostra da rocha magmática extrusiva basalto.silicatos São responsáveis por cerca de 97% da constituição da crosta terrestre. Para se aprofundar no assunto.dicionario. turmalina. podem ser utilizados diretamente como matérias primas. Vale o destaque para “materiais consolidados”. conferindo à rocha grande resistência física. por exemplo. além de sua importância enquanto constituintes das rochas. Na foto acima. você pode estar se perguntando: o que são as rochas? As rochas são os materiais consolidados que resultam da união natural dos minerais. como a areia. berilo. Vale destacar que os minerais.Exemplo: scheelita .pro. vamos conversar mais sobre a importância dos minerais (e das rochas) para a nossa sociedade. Note como há grande coesão entre os minerais constituintes. consulte o link do Dicionário Livre de Geociências: http://www. os cristais (minerais) estão bem unidos. dando coesão. Ao final desta unidade. Essa . inclusive com exemplos e aplicações.

Um exemplo é o diabásio. sendo facilmente visíveis. Mas. orientado ou não. Ao analisarmos uma rocha. Assim. mas a pouca profundidade. Analisamos também a textura. A textura das rochas magmáticas se define pelo tamanho dos grãos minerais que as constituem e pelas relações espaciais entre eles. as rochas ígneas ou magmáticas são aquelas rochas que resultam diretamente do resfriamento do magma. amídalas (vesículas com preenchimento mineral – na foto anterior. O resfriamento dos magmas intrusivos é mais lento. levando maior tempo para que os minerais formados sejam de maior tamanho. resfria mais depressa do que aquele que solidifica no interior da crosta. mas muito pequenos. na foto a seguir. por exemplo.Tipos de rochas Rochas ígneas (ou magmáticas) Como o nome nos sugere. pois não tiveram tempo de se desenvolver bem. Já o resfriamento dos magmas extrusivos é muito rápido. no que se refere à forma e ao ordenamento. Este resfriamento pode ocorrer no interior ou na superfície do Planeta. que se dá através da observação dos grãos que formam a rocha. como no caso do chamado “vidro vulcânico”. logo. preenchidas por quartzo). dentre outros usos. são chamadas de hipoabissais. a obsidiana. Rochas que se formam no interior da crosta. O magma que extravasa na superfície. Já o granito. podem-se ver nele grãos de cores diferentes. Um basalto. a rocha é . Se os grãos têm aproximadamente o mesmo diâmetro. os minerais que formam as rochas vulcânicas aparecem em cristais numerosos. como podemos saber se uma rocha magmática é extrusiva ou intrusiva? Para que possamos responder a essa pergunta. como na foto anterior). com alguns milímetros ou centímetros de diâmetro. podendo ser por exemplo maciço. apenas ao microscópio. Essas rochas são classificadas como afaníticas. com vesículas (vazios. Por isso. que o basalto seja utilizado como pedra brita para concreto e asfalto. forma-se por um processo de resfriamento bem mais lento. é necessário que analisemos a textura da rocha. é formado por piroxênio e plagioclásio. etc. chamamos de estrutura o seu aspecto geral externo. Essas rochas são classificadas como faneríticas. mas não se consegue distinguir esses minerais a olho nu. Chamamos de rocha magmática intrusiva (ou plutônica) quando o resfriamento se dá no interior das camadas da Terra e de rocha magmática extrusiva (ou vulcânica) quando o resfriamento se dá na superfície.característica permite. ou ainda podem nem se formar. os minerais serão menores. por entrar em contato com o ar e com o solo. por exemplo. dando tempo para que os cristais de quartzo e feldspato cresçam mais. .

é muito conhecido o Gran Canyon (Colorado. olivinas. esmeralda. No exterior. espodumênio. é inequigranular. volframita. água-marinha. Do ponto de vista químico. Possuem porosidade e permeabilidade. Essas cavidades podem ter desde alguns milímetros. Rochas sedimentares São rochas que se formam na superfície da crosta terrestre. bismuto. intermediárias (52 a 66% de sílica) . Se os grãos têm uma distribuição homogênea. É uma das principais fontes de pedras preciosas e de minerais raros. é grossa. ou de amígdalas. andaluzita. é isótropa. moscovita. Já as plutônicas são geralmente maciças e quando contêm cavidades elas são milimétricas. grafita. EUA). De um modo geral e amplo. como o sienito e diorito. turmalinas. do contrário. argilosas (ambas detríticas) e carbonatadas (não-detríticas). quando vazias. ter boa resistência mecânica e cristais bem formados. piroxênios. ambligonita. Os minerais mais comuns nas rochas ígneas são todos do grupo dos silicatos: feldspatos. até alguns metros de diâmetro e são chamadas de vesículas. então é orientada. galena. como o gabro e o basalto. pela desagregação de rochas pré-existentes. As rochas ígneas costumam ser maciças. como o granito e o riolito. columbita. seguida de transporte e deposição dos detritos. As camadas de rochas sedimentares podem totalizar vários quilômetros de espessura. trifilita. Proporcionam bom polimento e são. feldspato. cassiterita.equigranular. crisoberilo. As rochas vulcânicas costumam conter cavidades. por isso. se têm mais de 5 mm. Exemplos de rochas sedimentares muito conhecidos no Brasil são as que formam os morros de Vila Velha (PR). a Chapada Diamantina (BA) – foto a seguir. ela é fina. apatita. podem ser detríticas ou não-detríticas. titanita. estas subdivididas em calcários e dolomitos. formadas por gases que ficaram aprisionados durante o resfriamento. Essa classificação nada tem a ver com o conceito de acidez (pH) usado em Química e a quantidade de sílica tem pouca relação com quantidade de quartzo. São muito difíceis de polir e podem conter fósseis. uma marcante estratificação e baixa resistência mecânica. quando estão preenchidas por minerais. topázio. tantalita. ou. berilo. Têm grande interesse econômico também porque nelas se encontra boa parte dos minerais úteis. muito valiosas como rochas ornamentais. as rochas ígneas são classificadas em ácidas (mais de 66% de sílica). Se os grãos têm até 1 mm de diâmetro. xenotímio. são fonte de numerosos minerais valiosos. quartzo. como o peridotito. Os pegmatitos. básicas (45 a 52 % de sílica). . se tem de 1 a 5 mm. ouro. menos comumente. As rochas ácidas são geralmente claras e as ultrabásicas escuras. granadas. etc. e ultrabásicas (menos de 45% de sílica). e a Gruta de Maquiné (MG). rodonita. se estão alinhados segundo uma dada direção. uma rocha magmática de granulação muito grosseira. feldspatóides. fluorita. as rochas sedimentares mais comuns podem ser divididas em arenosas. sob temperaturas e pressões relativamente baixas. Conforme a natureza desse material. é média. monazita. anfibólios e micas. por acumulação química. como quartzo.

eles podem ser cascalho. constituem os sedimentos e surgem por efeito da erosão. se for argila. . formará uma argilito. entre eles. O mais extenso e mais duradouro dos ambientes de deposição é o marinho. devido à granulação fina dos sedimentos que as formam. mas também as mais difíceis de estudar. vento. os grãos ou seixos vão se unindo. As menores. A deposição começa sempre pelas partículas maiores e mais pesadas.Rochas sedimentares detríticas (também chamadas de clásticas) são aquelas formadas pela deposição de fragmentos de outras rochas (ígneas. formará um arenito. originando então a rocha sedimentar. pela ação da gravidade. de modo que ficam cimentados. Esses sedimentos são transportados até uma bacia sedimentar. mais leves e menos esféricas tendem a prosseguir. siltes formam siltitos e argilas formam argilitos. etc. metamórficas ou mesmo sedimentares). Com o tempo. muitas vezes pela precipitação. de óxido de ferro ou de carbonato de cálcio. Ele é o destino final de todos os sedimentos e nele está a maior parte dos sedimentos detríticos.. silte ou argila. Cascalhos formam conglomerados e brechas. Esses fragmentos. Se o sedimento for areia. do maior para o menor (ver tabela a seguir). calor e gelo vão fragmentando as rochas e os pedaços que se soltam são transportados para lugares mais baixos. dos rios. As rochas argilosas são as mais abundantes das rochas sedimentares. Conforme o diâmetro dos grãos desses sedimentos. conforme visto na tabela acima. principalmente quartzo e silicatos. deserto ou delta de um rio e aí começam a ser compactados pelo peso de mais sedimentos que sobre eles se depositam. areia. areias formam arenitos. de geleiras ou do vento. sendo depositadas depois e mais adiante. Chuva.

de granulação fina. As rochas sedimentares costumam ser muito porosas. formadas por metamorfismo regional sobre rochas sedimentares clásticas finas (argilitos e siltitos). Rochas sedimentares não-detríticas surgem pela precipitação química de sais ou pela acumulação de restos orgânicos de animais e plantas. . mesma origem das ardósias mas com granulação maior. importantes fontes de água subterrânea. São. brilho sedoso.As mudanças na textura e na composição sofridas pelos sedimentos em temperaturas relativamente baixas e que levam à formação da rocha sedimentar chamam-se diagênese. ou seja. são chamadas de químicas. Se formadas por restos orgânicos. De acordo com a textura. Aquelas que possuem água em poros que se interconectam (isto é.: calcário. fosfatos e halóides. mas sem faixas. sulfatos.: guano. ricos em mica. Filitos: xistosas. Ex. que são porosas e permeáveis) constituem aquíferos. Ex. formados por metamorfismo regional ou de deslocamento profundo. às vezes com faixas incipientes. Xistos: acentuadamente foliados. sílica. as principais classes de rochas metamórficas são: Ardósias: granulação fina (cristais microscópicos). massa rochosa capaz de armazenar e fornecer água. com grãos que permitem fácil identificação dos principais componentes. evaporito. costumam conter quartzo. foliação tabular perfeita. o que permite que nelas se acumule água. por isso. Elas podem ocorrer logo após a deposição ou bem depois. Afora os carbonatos. Tipos mistos são os calcários dolomíticos. carvão. argila e outros minerais. As rochas sedimentares químicas são formadas principalmente por carbonatos. As principais rochas calcárias são o calcário (composto essencialmente de calcita) e o dolomito (composto de dolomita). Quando formadas por sais. são chamadas de orgânicas. Arenitos costumam ser ótimos aqüíferos.

passam a milonitos. Gnaisses: granulação grossa. Cataclasitos: formados por deformação sem alteração química. foliação menos nítida que nos xistos típicos. predomínio do quartzo e do feldspato sobre as micas. tornando a foliação menos visível.Anfibolitos: granulação média a grossa. forma corpos lenticulares. Granulitos: rochas equigranulares. Aumentando a deformação e surgindo faixas e listras. . portanto sem foliação nítida. usualmente pouco foliados. sem micas e sem anfibólios. bandas irregulares. formados por metamorfismo regional de grau médio a alto. compostas principalmente de hornblenda e plagioclásio. Metamorfismo regional de grau alto. Metamorfismo regional de alto grau. Mármores: compostos de calcita ou dolomita.

principalmente quando se pensa em qualidade de vida. .Importância econômica dos minerais e rochas Você já parou para pensar na importância dos recursos minerais? Visite o link http://www. Lá.pr. mas com pronunciada reconstituição química. resultantes da trituração de rochas mais grossas. sem alteração química digna de nota. formadas como os milonitos. obterá muitas outras informações interessantes sobre a Geologia e a Geomorfologia. convido você a analisar algo extremamente cotidiano.mineropar. além deste tópico sobre a importância da mineração. . Vamos.alimentação. Os bens minerais têm uma importância significativa para a sociedade. do bronze.são atendidas essencialmente por estes recursos.gov.br. abrangendo 350 espécies minerais distintas. uma vez que as necessidades básicas do ser humano . Nenhuma civilização pode prescindir do uso dos bens minerais. então. pensar de onde vem cada um dos constituintes. a tal ponto que as fases de evolução da humanidade são divididas em função dos tipos de minerais utilizados: idades da pedra. moradia e vestuário . Uma pessoa consome direta ou indiretamente cerca de 10 toneladas/ano de produtos minerais. têm aspecto de sílex e formam-se por metamorfismo de deslocamento extremo. etc. uma casa. Filonitos: aspecto semelhante ao de filitos.Milonitos: rochas de granulação fina. surgindo películas de mica nos planos de foliação. do ferro. Para ilustrar a importância das rochas e minerais em nosso dia a dia. Tente “desmontar” uma casa. A construção de uma residência é um exemplo dessa diversidade.

Impressionante não? Assim. em razão dessa grande importância. sendo possível. disponibiliza materiais de grande utilidade à sociedade. embora seja associada a riscos e impactos ambientais. podemos dizer que a mineração. que a extração seja realizada em Áreas de Preservação Permanente! .

associada à falta tanto de soluções tecnológicas adequadas. Como indústria de base. tornando importante garantir a disponibilidade dos recursos demandados pela sociedade. pois está associado diretamente às vias de escoamento de produção. e quanto ao meio ambiente? A mineração não causa grandes impactos? A imagem da mineração como uma atividade agressiva ao meio ambiente e aos interesses do desenvolvimento sustentado tem suas raízes na intensa demanda pelos bens minerais. bastante generalizada no Brasil até épocas recentes da nossa história. Tomando como exemplo o consumo per capita de agregados para a construção civil (areia + brita). este reflete a real intensidade estrutural de uma sociedade. Esta combinação de fatores induziu o desenvolvimento de uma indústria mineral predatória. disponível no portal www. sendo a intensidade de aproveitamento dos recursos um indicador social.Para saber mais sobre esse assunto. portanto. quanto de prioridade para a conservação ambiental na agenda dos governos. qualidade de vida e consumo de bens minerais. Mas. hospitais. a mineração induz à formação da cadeia produtiva. como viadutos e pontes.. Existe. uma relação direta entre desenvolvimento econômico. O crescimento socioeconômico implica em maior consumo de bens minerais. do processo de transformação de minérios até os produtos industrializados. .br/conama A atividade mineral disponibiliza para a sociedade recursos minerais essenciais ao seu desenvolvimento. edifícios. estude a Resolução CONAMA 369 de 2006. saneamento básico. escolas.gov.mma. energia elétrica e toda sorte de elementos diretamente ligados ao desenvolvimento econômico e social. Veja a foto. moradias..

profissionais das áreas ambientais atuarem. principalmente por efeito de uma fiscalização ambiental cada vez mais eficiente e priorizada pelo poder público.Nestas imagens. Para refletir: Quais impactos e riscos ambientais são observados nesse caso? Quais medidas de correção deverão ser adotadas? Poste no fórum da disciplina suas contribuições! A realidade atual está mudando. Consulte o portal do Departamento Nacional de Produção Mineral para saber mais sobre a mineração no Brasil.br Veja o vídeo sobre mineração e gestão de riscos e impactos ambientais: Sabendo que a mineração não apenas é uma atividade econômica de impactos ambientais essencialmente localizados. em fase de instalação. são favorecidas pelo fato de que a mineração afeta geralmente pequenas extensões geográficas. É um desafio! . Todas as áreas de concessão mineral em operação no Brasil abrangem menos de 0. localizadas de forma praticamente pontual em concessões do Departamento Nacional de Produção Mineral liberadas mediante aprovação de um plano de controle e recuperação dos impactos ambientais. a empresa deverá promover a recuperação da área.15% do território nacional. e melhores.dnpm. fiscalização e tecnologia. Link: www. aplicando produtos químicos e erradicando espécies em escala regional. esta imagem poderá melhorar muito. bem como pela disponibilidade de tecnologias de controle e recuperação ambiental mais adequadas às necessidades da indústria mineral. pelos órgãos específicos de fiscalização. Outras atividades econômicas. vemos claramente os impactos de uma mineração de areia que opera por desmonte mecânico de encostas. dentro de áreas controladas pelo governo federal. destacamos que os profissionais da área ambiental devem agir sempre visando proporcionar a sustentabilidade das atividades humanas. tais como a agricultura e a implantação de infra-estrutura urbana. como ainda apresenta maiores possibilidades de gestão do risco e facilidade de fiscalização por parte do poder público. Ambas. afetam mais fortemente a integridade dos ecossistemas. Após o esgotamento da mina. Para finalizar. À medida que a indústria mineral se modernizar e que mais. o que as torna mais agressivas e de difícil recuperação. agindo de forma conciliadora (mas não submissa!) entre o ambiente e o desenvolvimento econômico e social.gov.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->