Você está na página 1de 3

Claudia Werdine

claudiawerdine@hotmail.com

Iniciaremos a partir de hoje um pequeno estudo sobre A


Literatura na Evangelização Infantil. A cada edição do Boletim
Informativo, abordaremos alguns tópicos sobre o assunto, por
isso é importante acompanharmos cada edição.

1. Literatura – Conceito e Definição

Conhecendo-se a importância e o significado dos valores


morais como básicos e necessários à formação de homens livres,
valoriza-se a importância da literatura em relação ao aspecto
formativo da criança, pois tal programa não aparecerá única e
exclusivamente em função de doutrinar, mas sim de despertar,
através do seu encanto, magia e singeleza as mais nobres
emoções da criança, apurando-lhe os sentimentos a fim de que
as futuras gerações sejam mais criadoras, mais espontâneas,
mais simples e mais fraternas.
A literatura é exigência do Espírito humano que busca com
avidez o inconquistável, a aventura, o belo, o novo. Através
dela, o indivíduo realizar-se-á nas exigências ou necessidades de
busca, aventura, tranquilidade, beleza, informação,
entretenimento, etc.
A literatura inclui entre outras atividades, a leitura recreativa,
porém a habilidade para apreciar a literatura não será adquirida
ocasionalmente ou rapidamente. Desde os primeiros passos da
aprendizagem, a criança deverá ser auxiliada pela atividade
literária, que constitui sem dúvida alguma, instrumento valioso
nas mãos de um hábil educador.
Promove-se assim, gradualmente, o desenvolvimento do
gosto literário, levando para os pequenos aquelas obras que, de
acordo com seus interesses caiam em sua aceitação,
proporcionando-lhes oportunidades de aprimoramento
espiritual.
As crianças apreciam a literatura, pois é a fantasia que lhes
oferece asas para alçarem vôo ao reino do impossível, do
inacreditável e do maravilhoso, tanto quanto buscam a literatura
realista que discorre sobre a vida dos animais, da família, das
invenções, dos amigos, dos acontecimentos, das realizações, das
biografias. Elas gostam imensamente da leitura, seja ela em
prosa ou em verso.
As histórias e as poesias oferecem inúmeras oportunidades
para ensinar, tornando a criança alegre e viva, vivendo
intensamente, dado o seu caráter imaginativo. E esse caráter da
literatura infantil a ser empregada tem de ser dos mais vivos e
empolgantes, pois a vida da criança é mais imaginativa do que
real.
Apesar do “maravilhoso” constituir uma das características
do psiquismo infantil, não aconselhamos o “fantástico” (ficções
exageradas) na evangelização infantil, dado o pouco tempo que
elas permanecem nas aulas semanais, e de tal importância é esse
tempo que precisamos utilizá-lo no seu aspecto mais realístico
possível para alcançar o objetivo moral evangélico.
Nosso principal objetivo ao utilizarmos a literatura infantil é
educar. Contudo, somente conseguiremos este objetivo se a
criança “viver” a experiência da história e isso só acontecerá se
ela, a história, recrear. Podemos dizer, então, que uma história
que não recreia não pode educar. Vale recordar que a palavra
recrear significa proporcionar recreio; divertir; causar prazer...

É importante lembrar também que a educação só será


possível através da ação dos personagens e não da verbalística.
A história poderá ainda levar informações úteis, alargando as
experiências das crianças, desenvolvendo a linguagem, a
memória, a lógica e o pensamento, além de auxiliar a formação
de hábitos e atitudes sociais.

1.1 Objetivos da Literatura Infantil

A literatura acenderá na criança uma série de valores latentes


em seu íntimo, valores que estão à espera de um impulso para se
projetarem como uma chama de luz nas suas experiências de
vida do dia-a-dia como: a solidariedade, a lealdade, a caridade, a
luta, o valor do esforço, o trabalho, a fé ...
Atuará sobre a potencialidade psíquica, despertando e
desenvolvendo seus dotes de imaginação e gosto artístico,
predispondo-a a emocionar-se diante da beleza moral e da
estética.
Oferecerá o alimento fecundo à imaginação da criança,
preparando-a para o conhecimento da realidade circundante,
levando-a paulatinamente do reino da fantasia para o dos valores
do mundo concreto que a rodeia, pois o conhecimento da
realidade pode ser realizado sem traumatizar a criança.
Viver com boa literatura é viver com atitude agradável em
relação à vida, arejando o Espírito, ajudando a criança a
compreender seus problemas, estimulando a imaginação,
promovendo o desenvolvimento linguístico, suscitando o gosto
pelas boas leituras, objetivo essencial no seu ajustamento ao
mundo, à sociedade, exercendo grande influência no seu
desenvolvimento e realização.

Bibliografia:
Curso para Preparação Evangelizador Infanto-Juvenil
Editora Aliança