Você está na página 1de 4

Patrícia Correia

Directora executiva e financeira CNOTI

Cinco regras de ouro para a utilização de


símbolos

Título do artigo escrito em símbolos

Todos sabemos que para uma comunicação aumentativa e


alternativa, os símbolos são uma ferramenta muito importante. Mas
saberemos utilizar os símbolos correctamente? Será que os leitores e
utilizadores de símbolos percepcionam a mensagem da mesma forma
que os leitores e utilizadores de texto?

Apresentamos, neste artigo, 5 regras de ouro essenciais para a


utilização de símbolos.

1. Formato = Pontuação
2. Escolher os símbolos cuidadosamente
3. Remover os símbolos abstractos
4. Ler novamente os símbolos
5. Não misturar conjuntos de símbolos

REGRA N.º 1: Formato = Pontuação

Um leitor de símbolos poderá não se aperceber da pontuação normal,


assim sendo, poderá ser necessário recorrer a um esquema específico
de apresentação dos símbolos. Tente não escrever duas frases numa
só linha. Idealmente, deverá utilizar apenas uma frase por linha. No
entanto, e se necessitar de escrever uma frase com ligação à
primeira, pressione a tecla “Enter” quando fizer a pausa natural de
leitura e encadeie com o “e” na linha seguinte.

Veja um exemplo:
Regra 1 - Formato incorrecto de utilização dos símbolos

Regra 1 - Formato correcto de utilização dos símbolos

REGRA N.º 2: Escolher os símbolos cuidadosamente

Existem várias palavras com mais do que um significado - palavras


homónimas, tendo, por isso, vários símbolos alternativos. O
Comunicar com Símbolos (ou outro software para escrever
utilizando símbolos, como o inVento ou o Escrita com Símbolos)
permite-lhe visualizar as diferentes alternativas possíveis e escolher
cuidadosamente os símbolos que se podem associar a cada palavra.
Por vezes, as diferenças entre os conceitos são bastante subtis e
reduzem-se apenas ao contexto em que as palavras se utilizam, o
que poderá constituir um entravo à comunicação.

Aconselhamos que, tendo em conta o conceito que pretende


transmitir, escolha o símbolo mais adequado e que, da forma mais
inequívoca possível, consiga transmitir esse conceito.

Exemplo 1: Diferença significativa entre os conceitos:

Exemplo: Vou para o banco

Exemplo 2: Diferença subtil entre os conceitos…

"Eu gosto do trabalho no jardim", em que a palavra trabalho pode ter


símbolos diferentes consoante o conceito que se pretende transmitir.
Vejamos os exemplos apresentados.

Exemplo: Trabalho significa trabalho de escritório


Exemplo: Trabalho significa trabalho manual

Exemplo: Trabalho significa profissão

Exemplo: Trabalho significa funcionamento

REGRA N.º 3: Remover símbolos abstractos

Símbolo para confuso

Nem todos os símbolos são necessários, especialmente para pessoas


ainda inexperientes em símbolos. Conceitos abstractos como, “um”,
“o”, “se” ou “mas” podem ser eliminados. Para leitores pouco
familiarizados com os símbolos devem ser utilizados apenas os
conceitos principais. Os símbolos mais abstractos devem ser
abordados depois de uma aprendizagem mais longa.

REGRA N.º 4: Ler novamente os símbolos


Símbolo para ler símbolos

É importante que as palavras com maior significado sejam


simbolizadas. Ao simbolizar, releia as palavras que simbolizou e tente
compreender o seu significado, prestando mais atenção aos símbolos
do que ao texto. Se possível, esconda o texto e tente ler o que
escreveu apenas com símbolos.
Sugerimos que peça a outras pessoas que tentem "ler"o que escreveu
com o texto escondido, para testar se a mensagem escrita em
símbolos é perceptível.

REGRA N.º 5: Não misturar conjuntos de símbolos

Existem diversos conjuntos de símbolos. Os mais comuns são os


Símbolos para a Literacia da Widgit (WLS), anteriormente conhecidos
como Símbolos Widgit Rebus e os Símbolos Pictográficos para a
Comunicação (SPC).
Se conhecer os conjuntos e a sua estrutura, então não haverá
problema em misturar conjuntos de símbolos. Se não conhecer os
símbolos, é melhor evitar misturar, uma vez que podem representar
conceitos de maneiras diferentes, podendo gerar confusão no
utilizador de símbolos.

Mais uma vez, convidamo-lo a contar as suas experiências de


utilização de símbolos e a partilhar as suas opiniões, sugestões,
questões...