Você está na página 1de 40

Semanário Regional de Informação Director: João Campos www.jornalnordeste.

com
nº 697. 9 de Março de 2010 . 0,75 euros

RURAL ALFÂNDEGA DA FÉ MIRANDELA

Cabra Negra de
Montesinho em Câmara Marcha
risco de extinção privatiza EDEAF por Leandro

Mulheres de sucesso
Governo Civil de Bragança reúne testemunhos de mulheres que
triunfaram na vida artística, empresarial e autárquica

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 


ENTREVISTA

“Há que lutar e sonhar, muito...”


se de futuras agressões e, ao mesmo
FACTOS tempo, servir de exemplo a outras
mulheres. Enquanto houver a ocul-
Nome – Carla Alexandra Galelo tação do crime, não iremos encon-
Pires trar soluções para o problema. Nes-
Idade – 31 te momento, em Portugal, já existe
Data de nascimento uma rede de apoio, encaminhamento
– 27/02/1979 e protecção às vítimas de violência
Origem – Bragança (Sé) doméstica. Essas mulheres podem
Profissão / Função – Coordena- sempre contactar a nossa equipa do
dora do Contrato Local de Desen- projecto CLDS. Ou então ligarem
volvimento Social (CLDS) com o para a Linha Nacional de Emergên-
Projecto “Inovar e Participar para cia Social (LNES) Tel.144 ou 800 202
Incluir”, do Centro Social Paro- 148 – 24horas.
quial dos Santos Mártires Um conselho: Por favor, nunca
Signo - Peixes deixem de sorrir e de acreditar que o
Maior defeito – Isso agora… sol pode voltar a brilhar!
quem não tem? Tenho é dificulda-
de em escolher um só (risos) 5 @ Como é que classifica-
Maior virtude – Apaixonada pela “A mulher sempre foi uma vencedora”, recorda Carla Galelo ria o actual estado de coisas em
profissão e pela vida… sou uma so- Portugal?
nhadora… Social Paroquial de Nossa Senhora Não podemos cruzar os braços. Há R: Indubitavelmente, estamos a
Uma citação - “Uma grande ati- da Assunção e, em Setembro, acu- que lutar e sonhar, muito… passar por uma fase menos boa. Mas
tude faz muito mais que acender mulei as mesmas funções no Centro temos de mostrar garra e atitude para
as luzes no nosso mundo; parece Social e Paroquial dos Santos Márti- 3 @ Com mais direitos, as a ultrapassar e, ao mesmo tempo, so-
que ela magicamente nos conecta res (CSPSM). Depois de terminar a mulheres são, hoje, também nhar muito, muito… (risos).
a todos os tipos de oportunidades licenciatura, continuei e continuo a mais vítimas. Sobretudo, de vio-
casuais, que estavam de alguma minha formação académica na área lência, por parte do sexo opos- 6 @ Que música é que faz
forma ausentes antes da mudan- de Gestão. to. Como é que se pode justificar questão que a acompanhe, seja
ça.”( Earl Nightingale ) um cenário tão contraditório? em casa ou no carro?
2 @ A 8 de Março celebra-se R: Não é fácil justificar aquilo R: Jorge Palma - Encosta-te a
o Dia Internacional da Mulher. que, a meu ver, não tem justificação. Mim.
BRUNO MATEUS FILENA Na sua opinião, preconiza que a A violência contra mulheres não es-
mulher contemporânea possua colhe raça, idade ou condição social. 7 @ Se o Planeta Terra se ex-
1 @ De que forma foi traçado os mesmos direitos que o ho- A grande diferença é que, entre as tinguisse em 24 horas, o que é
o seu percurso académico e pro- mem? classes mais abastadas, as mulheres que aproveitaria para fazer no
fissional, permitindo-lhe alcan- R: Na minha opinião, a mulher, optam pelo silêncio, talvez por medo, tempo que lhe restasse?
çar um cargo de chefia em tão apesar de muito sacrificada, sempre vergonha ou até mesmo por depen- R: Talvez fizesse todo o género de
tenra idade? foi uma vencedora! O Dia Internacio- dência financeira. disparates ou, então, iria satisfazer
R: Bem, concluí o ensino supe- nal da Mulher simboliza, justamente, os meus desejos pessoais, principal-
rior na Escola Emídio Garcia, fui jor- a luta pela igualdade de direitos entre 4 @ Que conselhos daria a mente os da luxúria.
nalista estagiária no Jornal Nordeste sexos. Apesar dos avanços verificados uma mulher vítima de violência
e depois ingressei no ensino superior durante este século, não se pode di- doméstica? 8 @ À noite, o que é que lhe
no Instituto Politécnico do Porto, na zer que se trate de uma luta passada. R: Toda a mulher violentada deve pode, efectivamente, “roubar” o
Escola Superior de Educação, no cur- A meu ver, esta luta tem de ser uma ter a coragem de denunciar o agres- sono?
so de Educação Social. Em 2004, fui constante, pois, ainda falta muito sor, pois, agindo assim, vai proteger- R: As injustiças…
para Barcelona no Programa Eras- para garantirmos as mesmas opor-
mus. Para ser sincera, foi o melhor tunidades, entre elas: remuneração
ano da faculdade, a nível profissio- igual para as mesmas funções; valo-
nal e pessoal, aconselho a todos! Em rização do serviço doméstico; acesso
Maio de 2006, comecei a exercer fun- a postos de comando e equilíbrio de
ções de Directora Técnica no Centro responsabilidades na vida pública.

 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


Portugueses e espanhóis PP) explicou aos jornalistas que o Go-
verno português pode resolver a liga-
ção da Alta Velocidade a Madrid, com

debatem Europa
apenas 100 quilómetros de linha, en-
tre Porto e Vigo. Tendo em conta que
a rede espanhola contempla uma li-
nha Vigo-Madrid, o deputado defen-
de que o Estado português pouparia
JOÃO CAMPOS tempo e dinheiro para agilizar a liga-
ção a Espanha em Alta Velocidade.
Jornalistas do Norte
de Portugal e da Galiza Taxa de desemprego e assime-
debateram questões trias litoral-interior são comuns
europeias em Bruxelas às regiões dos dois países
TGV, Política Agrícola Comum, Apesar de beneficiar todo o Norte
Pescas, Água e Fundo de Coesão fo- de Espanha, a proposta não suscitou
ram alguns dos temas que protago- o interesse dos jornalistas galegos,
nizaram um encontro de jornalistas que concentraram as atenções na in-
do Norte de Portugal e da Galiza com tervenção de Capoulas Santos (PS),
deputados do Parlamento Europeu em especial nas ideias para tornar a
(PE), em Bruxelas. PAC mais justa (ver página 2) e no
De 23 a 25 de Fevereiro, 19 profis- que divide Portugal e Espanha na
sionais dos media nortenhos ruma- questão das Pescas.
ram aos corredores do poder europeu Em representação de Paulo Ran-
Comissão Europeia foi um dos locais incluídos no programa
para saber de que modo os colegas gel, José Manuel Fernandes (PSD)
espanhóis sentem a União Europeia. que unem (e desunem) os eleitos dos senso num Parlamento que represen- defendeu a criação de um plano eu-
Ao longo dos encontros com eurode- dois países. ta 27 países. ropeu para a gestão da água e garan-
putados de ambos os países consta- E se assim é entre dois países vi- Marisa Matias (Bloco de Esquer- tiu que está a ser preparado um pro-
tou-se que a ligação a Espanha em zinhos, imagine-se quantas negocia- da) e Ilda Figueiredo (CDU) desdo- grama Erasmus capaz de fomentar a
rede de Alta Velocidade, a par da ções é preciso fazer e quantas lutas é bram-se em reuniões e comissões criação do 1º emprego no espaço co-
Agricultura e Pescas, são os temas preciso travar para chegar a um con- parlamentares para dar peso à Es- munitário.
querda Unitária Europeia. “Quanto A visita dos jornalistas portugue-
mais peso tem a Direita no PE, mais a ses foi organizada pelos gabinetes do
Esquerda tem que trabalhar”, garan- PE em Portugal e Espanha. Do pro-
te a deputada comunista. grama contou, também, uma pas-
E o que une o Norte de Portugal sagem pela Comissão Europeia, um
à Galiza? A resposta foi dada pela encontro com a responsáveis da Re-
representante bloquista. “A eleva- presentação Permanente de Portugal
da taxa de desemprego e as assime- junto da UE e um visita ao hemiciclo
trias litoral-interior são alguns dos para assistir à sessão plenária do PE,
problemas comuns”, recorda Marisa que começou com um minuto de si-
Matias. lêncio em memória da tragédia na
Do lado oposto, Nuno Melo (CDS- Madeira.

Parlamento Europeu começou com 1 minuto de silêncio em memória da tragédia na Madeira

Licença Nº. 1330 AMI

Invista com confiança


Apartamento T3 - € 82.500 Apartamento T1 – Espanha T- 3 e T- 4 em construção
Usado, garagem fechada, dupla caixi- - € 90.000
lharia, bom isolamento, perto do centro A dois minutos do centro, ex-
Em zona turística, com bons
posição solar excelente, vistas
acabamentos
Apartamento T2 - € 78.000 panorâmicas, grandes áreas,
Excelente local, cozinha equipada c/ Rica Fé - Habitações de qualida- Acabamentos modernos etc.
móveis modernos, aquecimento central
completo. Óptimos acabamentos e vistas
de a preços imbatíveis
Últimos para venda – T-2 / T-3 /
panorâmicas para o Parque Natural de Escritório - Sá Carneiro
Montesinho T-4 / T-3 Duplex
Com 32 m2, venda € 32.000 /
arrendamento € 220/ mês
Apartamento T4 - € 135.000 Terreno - € 138.000
Com 182 m2, acabamentos de Av. Abade de Baçal, área 600
qualidade, junto ao Jardim da m2, com projecto Loja Comercial €
Braguinha
Apartamentos T1 - Porto 65.000
Apartamento T3 - € 90.000 Ao bairro Santa Isabel
Ao Eixo Atlântico, último andar, Acabamentos de qualidade,
perto de tudo, mobília de cozinha, junto ao Hospital de S. João, a (antigos escritórios
grandes áreas. Como novo partir de € 90.000 Cisdouro)

R. Abílio Beça (Zn Histórica) • Tel: 273324569 • Fax: 273329657 • Bragança - www.predidomus.pt

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Acidente mortal na EN 216


reito da via. No local não eram visí-
veis marcas ou travagens, pelo que
as autoridades e bombeiros não en-
contram resposta para o sucedido.
O veículo pesado, de marca
FRANCISCO PINTO Mercedes e de 40 toneladas, per-
tence à firma de transportes Antó-
nio Frade, com sede em São Julião
Tragédia tira a vida a do Tojal, no concelho de Loures, e
camionista de 26 anos, estava ao serviço dos supermerca-
dos Mini Preço.
residente em Resende Segundo o comandante dos
Bombeiros de Mogadouro, António
Um morto e um ferido é o resul- Salgado, “foi um acidente aparato-
tado do aparatoso acidente de via- so. A curva é bastante apertada, o
ção ocorrido, ontem, por volta do que leva a que o tractor de reboque
meio-dia na Estrada Nacional 216, tenha um comportamento imprevi-
ao quilómetro 46, no sentido Mace- sível caso se accione o travão”.
do de Cavaleiros - Mogadouro. Ao que foi possível apurar, a
A vítima mortal é Anselmo do empresa de transportes está certi-
Rosário, de 29 anos, residente em ficada, desde 2002, com as normas
Resende, que exercia funções de ISSO 9000 e opera há cerca de 20
ajudante de camionista e que aca- anos, dispondo de uma frota de cer-
bou por não resistir aos ferimentos, ca de 300 camiões com reboques.
Camião tombou na curva da Fonte das Três Bicas
já que o seu corpo se encontrava de- Nas operações de socorro esti-
baixo do veículo pesado. de choque após o sucedido, que o O acidente deu-se na chamada veram envolvidos 14 bombeiros das
O condutor do camião é um ou- levou a ter que receber assistência curva da Fonte das Três Bicas, em corporações de Mogadouro e Sen-
tro homem, de 25 anos, residente médica no serviço de urgências do sentido ascendente, tendo o camião dim, apoiados por cinco viaturas e
em Valongo, que entrou em estado Centro de Saúde Mogadouro. articulado tombado para o lado di- duas retroescavadoras.

Cadáver no Fervença
que irá decidir o futuro da investi-
gação. Por isso, a PSP não adianta
pormenores sobre o processo, mas
sabe-se que o corpo já foi autopsiado,
sendo este um procedimento obri-
gatório, sempre que se trate de uma
BRUNO MATEUS FILENA
morte violenta. No entanto, os resul-
tados dos exames ainda não são co-
População defende encer- nhecidos.
ramento ou arranjo da ponte
Moradores do bairro Fundo da
ferroviária da Coxa, onde a Veiga são os primeiros a admitir
vítima terá caído o perigo na ponte
Desaparecido há três semanas, João Granadeiro, irmão do ho-
o corpo de José Jorge Granadeiro mem que foi encontrado na margem
Torrão foi encontrado, na passada do Fervença, indica como certo uma
terça-feira, no rio Fervença, na zona queda acidental ao rio. “Passava por
da represa das hortas da Coxa, em ali todos os dias para ir trabalhar, de
Bragança. manhã e à noite, e supomos que foi
O alerta foi dado à PSP às 17:35 aqui que ele caiu, porque há vestígios
horas, mas, tendo em conta a comu- de uma árvore esgaçada”, conta.
nicação ao delegado de saúde e ao O tio da vítima, Manuel Grana-
procurador, o levantamento do cadá- Ponte é usada todos os dias, apesar da falta de segurança
deiro, considera que “a ponte deveria
ver realizou-se já de noite. Bairro Fundo da Veiga, alega que o o seu elevado estado de degradação. ser encerrada, ou então que a man-
A 8 de Fevereiro passado, a mãe homem terá caído ao atravessar a an- Acresce que não existe qualquer tipo dem arranjar”.
da vítima decidiu participar o des- tiga ponte ferroviária da Coxa e diz-se de vedação, nem proibição de passa- Os moradores do bairro são os
parecimento às autoridades, sendo revoltada por causa do estado a que gem, apesar da ponte estar desactiva- primeiros a admitir o perigo que a
certo que o elevado grau de decom- chegou a estrutura. Recorde-se que da há vários anos. ponte representa. Mesmo assim, con-
posição fará supor que o corpo esteve se trata de uma passagem que a po- De acordo com as autoridades, o tinuam a usá-la nas suas passagens
imerso na água durante vários dias. pulação utiliza frequentemente como caso ainda não está fechado, tendo diárias, evitando dar uma volta maior
A família da vítima, que vive no acesso pedonal, mesmo conhecendo sido entregue ao Ministério Público, para chegar à cidade.

FICHA TÉCNICA
Fundador: Fernando Subtil - Director: João Campos (C.P. Nº 4110) - Secretária de Redacção e Administração: Cidália M. Costa
Marketing e Publicidade: Bruno Lopes - ASSINATURAS: Sandra Sousa Silva
REDACÇÃO: Bruno Mateus Filena, Orlando Bragança, Sandra Canteiro (C.P. Nº 8006), Teresa Batista (C.P. Nº 7576) e Toni Rodrigues
Correspondentes - Planalto Mirandês: Francisco Pinto - Mirandela: Fernando Cordeiro e José Ramos - Torre de Moncorvo: Vítor Aleixo
email:geral@jornalnordeste.com FOTOGRAFIA: Studio 101 e RC Digital
Propriedade / Editor: Pressnordeste, Unipessoal, Lda - Contribuinte n.º: 507 505 727 - Redacção e Administração: Rua Alexandre Herculano,
Nº 178, 1º, Apartado 215, 5300-075 Bragança - Telefone: 273 329600 • Fax: 273 329601
Registo ICS N.º 110343 - Depósito Legal nº 67385/93 - Tiragem semanal: 6.000 exemplares
Impressão: Diário do Minho - Telefone: 253 609 460 • Fax: 253 609 465 - BRAGA
Assinatura Anual: Portugal - 25,00 €; Europa - 50,00 €; Resto do Mundo - 75,00 €

 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Perfumaria assaltada
O vidro foi reposto no próprio
dia, 5ª feira, e Cristina Alves abriu o
estabelecimento no dia seguinte, pela
manhã. Para tentar evitar situações
semelhantes, garante que vai colo-
BRUNO MATEUS FILENA car grades de segurança. “Já que não
podemos dormir descansados, temos
Assalto no centro da de arranjar outra solução”, defende.
Quanto a coberturas que minimizem
cidade de Bragança os prejuízos, a empresária tem segu-
causa prejuízos na ro e vai accioná-lo.
Segundo a PSP, o caso foi entre-
ordem dos 20 mil euros gue ao Ministério Público, pelo que
não conseguimos apurar mais dados
Na madrugada de quinta-feira, relativos à investigação
em pleno centro da cidade, a perfu-
maria Bem me Quer foi visitada pelo
(s) amigo (s) do alheio, que no total,
roubaram mais de 20 mil euros. Não
se sabe, por enquanto, se foi apenas
CASOS DE POLÍCIA
um ou mais larápios a consumar o
acto criminoso. Bragança
“A polícia ligou-me às 4 e 30 a
informar-me que a loja tinha sido as- Operação
saltada. Ao chegar ao local, passados
5m, deparei-me, então, com o vidro
reforçada
Larápios partiram vidro para entrar na perfumaria
partido e tudo em estado de sítio”, O Comando da PSP de Bragan-
contou a proprietária do estabeleci- Há esse indício porque os nomes gra- vidro a ser partido e o alarme tocar,
ça apreendeu 230 cds contrafeitos
mento, Cristina Alves. vados na lista telefónica do telemóvel mas quando chegou à janela já não
e diverso material áudio, na sequ-
Na hora de contar os prejuízos, a são só de pessoas romenas”, indicou viu ninguém. A polícia, entretanto,
ência de uma operação conjunta
comerciante declarou que cerca de 90 a lesada. No entanto, a PSP poderá chegou e eles, tanto fugiram à pressa
com a Inspecção-Geral das Acti-
por cento do recheio em perfumaria pensar que se trata de uma manobra que, ainda deixaram ficar um saco de
vidades Culturais (IGAC) e Auto-
foi furtado. No local, foi encontrado de despiste, colocada na cena do cri- perfumes no estacionamento e hou-
ridade de Segurança Alimentar e
um telemóvel que foi levado para a me para confundir os investigadores. ve, também umas coisas na montra
Económica (ASAE).
esquadra como prova. “Pela informa- Mas, não foi só o telemóvel a fi- que não conseguiram levar”, referiu a
A acção decorreu nos dias 26 e
ção que temos, devem ser romenos. car para trás. “Um vizinho ouviu o proprietária.
27 de Fevereiro, envolvendo tam-
bém 36 agentes da PSP de Viseu e
Vila Real, no total de 78 elemen-

…Em flagrante
tos. Da operação resultaram, ain-
da, 5 detenções (3 por condução
em estado de embriaguez, 1 por
condução sem habilitação legal e
outra por usurpação dos direitos
A chuva é de agora, mas de autor) e 14 contra-ordenações
os defeitos deste passeio, (6 em estabelecimentos e 8 na fis-
calização rodoviária), bem como a
na Zona Industrial das apreensão de 4 colunas, 3 leitores
Cantarias (Bragança), já de cds, 1 amplificador e 1 mesa de
luzes, a par de 33 doses de haxixe
são bem antigos. O mes- para consumo próprio.
mo se aplica às zonas Os objectivos da operação vi-
saram combater a criminalidade,
pedonais até à zona dos fiscalizar os principais factores de
hipermercados, todas elas risco na circulação rodoviária e,
ainda, a legislação relativa a direi-
em terra batida, mesmo tos de autor e ao funcionamento de
que mais à frente exista estabelecimentos de restauração e
bebidas. Esta contingência visou,
uma paragem dos STUB… segundo a PSP, “um aumento da
segurança objectiva e do senti-
Envie-nos as suas sugestões para geral@jornalnordeste.com mento de segurança junto das po-
pulações.”

Tlm:
966830231

Lavagens
MARQUES
Parque do Feira Nova
BRAGANÇA

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

IPB abre as portas VOZES


Paulo Rodrigues

para cativar alunos


Escola Miguel Torga
“É uma iniciativa
interessante para nos
ajudar a escolher aquilo
que queremos seguir. A
experiência mais engra-
TERESA BATISTA çada foi fazer sabone-
tes e rebuçados. Nunca
imaginei que fosse as-
Escola de Administração sim, pensava que era
um processo mais complexo. Gostava de
e Turismo de Mirandela tirar o curso de Informática de Gestão”.
associou-se, pela primeira
vez, à iniciativa Andreia Pereira
As actividades relacionadas com Escola Miguel Torga
“Estou a gostar da
o Turismo e o Marketing foram as
experiência. Esta já não
grandes novidades do Instituto Po- é a primeira vez que
litécnico de Bragança (IPB), no âm- venho cá e é sempre
bito do Dia Aberto, que decorreu na interessante. Provar os
passada quarta-feira. Cerca de 400 rebuçados depois de os
alunos de diversos pontos do País ver fazer foi engraçado.
Também provei o azei-
deslocaram-se a Mirandela e à capi-
te, mas não gostei mui-
tal de distrito, para conhecerem os to da sensação. Gostava de estudar cá,
corredores da instituição de ensino mas quero Psicologia e como cá não há
superior transmontana. Alunos de várias escolas visitam laboratórios do IPB vou ter que ir para fora”.
O IPB preparou mais de 40 acti-
vidades, espalhadas pelas cinco esco- para os inúmeros desportos demons- mica, bem como o cheirinho e sabor
las do campus. “É um dia diferente, trados, dramatizações e ateliers de natural”, realçou a responsável. André Bernardo
em que temos iniciativas direcciona- artes. A Tecnologia enalteceu a ro- O objectivo é abrir as portas da CET Contabilidade e Gestão
das para as pessoas que nos visitam”, bótica, visualizações 3D, bem como o instituição para atrair alunos e dar a
- Moncorvo
enaltece Anabela Martins, do gabine- carro ECO-IPB. Já na Agrária, os alu- conhecer a oferta formativa, os labo- “Está a ser uma
te de Imagem e Apoio ao Estudante. nos participaram e assistiram a ex- ratórios, bem como o trabalho desen- experiência diferen-
Este ano, pela primeira vez, a Es- periências nos laboratórios, ao passo volvido nas diversas áreas ministra- te e divertida. Gostei
cola de Comunicação, Administração que na Saúde as actividades estive- das no IPB. da Robótica e da pro-
e Turismo de Mirandela associou-se ram relacionadas com gestos que sal- Os estudantes do ensino secun- gramação em 3D, na
Tecnologia. Para o ano
ao Dia Aberto, disponibilizando ac- vam vidas. “Procuramos inovar todos dário aderiram à iniciativa e muitos
pretendo ingressar no
tividades no âmbito do Multimédia, os anos, mesmo realizando activida- já não é a primeira vez que visitam IPB, no curso de Ges-
Turismo e Marketing. des dentro das mesmas áreas, como é aquela instituição de ensino supe- tão”.
Na Escola de Educação, destaque o caso dos polímeros na área da Quí- rior.

Ler e aprender
SANDRA CANTEIRO todo o distrito encontraram concen-
tração para responderem às questões
do Concurso Nacional de Leitura
Meia centena de alunos 2009/2010.
reuniu-se em Bragança A eliminatória distrital, que vai
para o Concurso Nacional apurar os alunos que representarão a
região a nível nacional, baseou-se em
de Leitura livros para testar os conhecimentos
dos alunos sobre diversas obras inte-
Foi entre milhares de livros da gradas no Plano Nacional de Leitura.
Biblioteca Municipal de Bragança Segundo a vereadora da Câmara
(BMB) que 49 alunos de escolas de Municipal de Bragança, Fátima Fer-

Sabia que… 49 alunos disputaram a eliminatória distrital do Concurso Nacional de Leitura

-... a idade ideal para se começar a “apresentar” os livros às crianças é a partir dos nandes, a leitura e os livros ocupam, que tem sido feito pelos professores
seis meses? cada vez mais, um lugar importante e pelas bibliotecas escolares”, subli-
- … que no endereço www.planonacionaldeleitura.gov.pt encontra um conjunto de no quotidiano dos mais novos. nhou a autarca.
recomendações e informações dirigidas aos mais pequenos e aos pais? “Sou contra a ideia de que os alu- Recorde-se que o Concurso Na-
- … pais e avós, bem como o resto da família, devem incentivar os mais novos a gos- nos não lêem. Lêem cada vez mais, cional de Leitura visa fomentar e
tar de livros desde sempre?
seja a partir de livros ou, mesmo, na promover a leitura entre os alunos do
- … a capacidade de ler se desenvolve logo no primeiro ano de vida de uma criança e
que deve ser praticada regularmente com a ajuda dos mais velhos?
Internet. 3º ciclo dos ensinos básico e secun-
E isso resulta do bom trabalho dário.

 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Escola dá formação Simulacros


Derrocada e incên-
dios testam meios
em Protecção Civil O distrito de Bragança assistiu, na
passada sexta-feira, a vários exercícios
realizados no âmbito da Semana da Pro-
tecção Civil. Na capital de distrito, o aler-
ta foi dado por volta das 10:30 horas para
TERESA BATISTA um incêndio na Escola Emídio Garcia.
Para o local seguiram três viaturas de
Escola Secundária Emídio combate a incêndios e duas ambulâncias
dos Bombeiros Voluntários de Bragança
Garcia abriu curso pioneiro (BVB). Os bombeiros apagaram o fogo e
para qualificar profissionais evacuaram as duas vítimas que se encon-
travam no 4º andar.
da Protecção Civil Por volta das 11:15 horas as sirenes
voltaram a ouvir-se na cidade. Desta vez,
A Escola Secundária Emídio Gar- uma derrocada simulada dentro das mu-
cia (EEG), em Bragança, arrancou, ralhas do castelo. Dentro do edifício que
este ano lectivo, com um curso profis- ruiu estavam duas pessoas, que ficaram
debaixo dos escombros e foram procura-
sional de Técnico de Protecção Civil.
das pela equipa cinotécnica da GNR.
A acção surgiu depois do esta- Para o local foram, ainda, mobiliza-
belecimento de ensino ter detectado das duas viaturas de desencarceramento
lacunas ao nível da formação nesta e duas ambulâncias, que transportaram
área na cidade de Bragança. “Querí- os dois feridos politraumatizados para a
amos apostar em cursos diferentes e, Unidade Hospitalar de Bragança.
ao mesmo tempo, contribuir para a Apesar das ruas estreitas, o coman-
qualificação de pessoas em áreas que dante dos BVB, José Fernandes, afirma
Autoridades da cidade participaram em simulacro de derrocada
a cidade e o próprio concelho tem ca- que o exercício correu bem, visto que os
bombeiros têm meios adaptados às ca-
rência”, enfatiza o director da EEG, das tivermos, mais rápido será o so- técnicas da GNR.
racterísticas do local.
Eduardo Santos. corro”, salienta o responsável. “O grande objectivo desta semana Em Alfândega da Fé, a Semana da
O curso arrancou com 22 alunos, Este curso foi divulgado, na pas- é sensibilizar cada cidadão, porque as Protecção Civil também culminou com
todos rapazes, que optaram por pros- sada terça-feira, durante a sessão de acções de Protecção Civil começam um simulacro de incêndio, para testar o
seguir os estudos até ao 12º ano, ao abertura da Semana Distrital da Pro- no cidadão. Todos nós somos agen- plano de emergência.
mesmo tempo que tiram uma profis- tecção Civil, que contemplou acções tes de Protecção Civil”, conclui Melo
sionalização numa área que os alicia. nesta escola, bem como noutros pon- Gomes. T.B.
As saídas profissionais são va- tos do distrito de Bragança.
riadas e podem passar por Câmaras A EEG foi palco de diversas acti-
Municipais, Autoridade Nacional da vidades e exibições feitas pela PSP,
Protecção Civil, Bombeiros ou forças GNR, Forças Armadas, Protecção Ci-
de segurança. vil, Cruz Vermelha e Bombeiros Vo-
Por sua vez, o comandante distri- luntários.
tal da Protecção Civil, Melo Gomes, O dia da Protecção Civil também
enaltece a importância deste curso foi assinalado em Alfândega da Fé,
para qualificar pessoas numa área com uma mostra alusiva à problemá-
onde a principal missão é salvar pes- tica dos fogos florestais, acidentes e
soas. “As ocorrências são em tempo situações de catástrofe, bem como
real e quanto mais pessoas qualifica- com demonstrações de equipas cino-

VOZES
João Pedro - 16 anos Vítor Alves - 16 anos
“Inscrevi-me
neste curso porque “O curso de Protec-
quero seguir a car- ção Civil é interessante
reira militar quando e tem boas saídas pro-
terminar o 12º ano e fissionais. Para já vou-
penso que esta área me inscrever nos Bom-
é importante para o beiros Voluntários de
futuro que quero seguir. Temos ac- Bragança, depois logo decido o que
ções no exterior. Já fomos ao campo quero seguir”.
de treino dos Bombeiros de Izeda”.
Vítor Antas - 15 anos
Renato Pires - 18 anos
“Escolhi este cur- “A área da Protec-
so a pensar nas saídas ção Civil é interessan-
profissionais. Ainda te e também tenho
não decidi o que que- alguma família que
ro seguir, mas estou trabalha nesta área.
inclinado para ir para Pretendo entrar para
a polícia. O curso é muito prático, os bombeiros e seguir
já interagimos com as entidades no uma carreira na área da Protecção
terreno. Civil”.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Sem barreiras, nem fronteiras


educativo. Haja, ou não recursos”.
O director do Agrupamento de
Escolas do Concelho de Vimioso, Se-
rafim João, partilha da mesma opi-
nião. “Esta actividade é para continu-
BRUNO MATEUS FILENA
ar e reforçar, não só com Vitigudino,
mas também com outras localidades
Intercâmbio transfronteiriço de Espanha ou, mesmo, França. Pre-
entre Vimioso e Vitigudino tendemos que as parcerias sejam uma
realidade e estes intercâmbios, esta
(Espanha) aproxima alunos troca de impressões, serão sempre
ibéricos uma mais-valia para o nosso projecto
educativo”, asseverou o responsável.
Numa iniciativa do Programa Carmina Pires, professora do 1º
Educativo promovida pelo Agrupa- ciclo há 32 anos, foi a Espanha em
mento Europeu de Cooperação Terri- Fevereiro e recebeu, agora, os alunos
torial (AECT) Duero-Douro, no âm- de Vitigudino. “É um intercâmbio
bito do projecto “Conhecendo-nos”, muito interessante e positivo, em ter-
realizou-se um intercâmbio trans- mos pessoais e culturais. Em Vimio-
fronteiriço entre alunos de naciona- so, dispomos de melhores condições
lidades ibéricas. Actuação dos alunos do 4º ano deua a conhecer o folclore do concelho espaciais, pois o nosso Centro Esco-
Em Fevereiro, 27 crianças portu- lar foi inaugurado em 2007. Mas, de
guesas, da 4ª classe, foram a Espa- rísticos do concelho e de actividades Este intercâmbio vem, precisamente, resto, somos comunidades bastante
nha, mais concretamente a Vitigudi- realizadas pelos alunos ao longo do no sentido de mudar essa relação”. A parecidas, quase idênticas”, conta
no, um município rural, na província ano lectivo. A visita de “nuestros her- docente mencionou, ainda, que “este esta docente, que espera pela aposen-
de Salamanca, com cerca de 3 mil manos” contemplou, também uma não pode ser um feito pontual. Deve- tação, pedida em Dezembro. “Come-
habitantes. Uma semana após terem ida à Casa da Cultura, onde puderam mos continuar a fomentar esta troca cei a leccionar em Vimioso e espero
recebido os “nossos alunos”, a 3 de observar artefactos rurais de séculos de experiências profissionais, a nível terminar aqui”, concluiu.
Março, 27 crianças espanholas, do 5º passados e artesãos, ao vivo, a traba-
ano, vieram a Portugal. Em Vimioso, lhar nas suas artes, e encerrou com
tiveram oportunidade de conhecer a sua participação numa audiência
a Biblioteca Municipal, a Atalaia, a com o presidente da autarquia, José
Igreja Matriz e o Pelourinho, para
além de assistirem a um espectáculo
de danças tradicionais, no auditório,
Rodrigues.
A subdirectora (Jefa Estudios) es-
panhola, Pilar Calles Garzón, repre-
Um euro, um sorriso
protagonizado pelos alunos do 4º sentante do Colégio Manuel Moreno
ano de escolaridade, acompanhados Blanco, que compreende 240 alunos
pela banda infantil do Agrupamento. dos 3 aos 12 anos de idade, referiu
Seguiu-se o visionamento multimé- que, “embora sejamos duas comuni-
dia de monumentos, locais caracte- dades vizinhas, não nos conhecíamos.

Escola de Pais arranca


em Alfândega
TERESA BATISTA ações de risco e melhorar a relação
parental num concelho onde estão
identificadas 60 pessoas com neces-
Projecto contempla for- sidades especiais. A formação permi-
mação para educadores, te a aprendizagem a todas a famílias e
Feira solidária decorreu no Mercado Municipal

técnicos e pais, enquanto profissionais que lidam de perto com SANDRA CANTEIRO diocese de Bragança – Miranda. Há
pessoas com incapacidades. muitas pessoas não vêm ter connos-
as crianças desenvolvem O princípio da educação emocio- co porque sentem vergonha. Anti-
Associação Entre Famílias
actividades noutro espaço nal está por detrás da Escola de Pais, gamente tinham um bom poder de
que se assume como um espaço de organizou Feira Solidária compra e agora estão em dificulda-
Alfândega da Fé abriu, na passa- formação na área das competências
da sexta-feira, a Escola de Pais, um parentais e educação para a diferen-
no Mercado Municipal de des”, explicou a secretária da direc-
ção da Associação Entre Famílias,
espaço de formação onde os pais com ça. Bragança Belisanda Alves.
crianças com necessidades especiais A funcionar nas instalações da A Associação Entre Famílias é
podem aprender a lidar melhor com Biblioteca Municipal de Alfândega Bastava um euro para comprar uma Instituição Particular de Solida-
os filhos, bem como partilhar experi- da Fé, este projecto assume-se como uma peça de roupa, sapatos, livros e riedade Social que funciona, exclu-
ências. uma forma de suprir algumas neces- brinquedos na Feira Solidária que a sivamente, com o trabalho e colabo-
Esta iniciativa contempla, igual- sidades sentidas pelos pais. O objec- Associação Entre Famílias organizou ração de voluntários, pelo que toda
mente, um espaço onde os pais podem tivo é formar pais emocionalmente no passado sábado, no Mercado Mu- a ajuda é bem-vinda. “Quem quiser
deixar os filhos enquanto frequentam competentes, ensinando-os a lidar nicipal de Bragança. contribuir pode visitar a Associação
a formação, onde as crianças podem com os problemas e dificuldades as- As verbas angariadas na venda ou contactar-nos”, reforça Belisanda
desenvolver diversas actividades, sociadas às pessoas com necessida- dos artigos, todos eles doados por es- Alves.
orientadas por voluntários. des especiais. tabelecimentos comerciais e voluntá- Os interessados podem ficar a par
A Câmara Municipal de Alfânde- Quem quiser frequentar a forma- rios, reverteram a favor das famílias de mais eventos organizados pela As-
ga da Fé associou-se a este projecto ção, com a duração de 30 a 50 horas, carenciadas e desfavorecidas do dis- sociação Entre Famílias através do
inovador, tendo em conta a impor- deve formalizar a inscrição na Biblio- trito. endereço http://associacaofamilias-
tância de formar para prevenir situ- teca. “Estamos a ajudar as famílias da braganca.blogspot.com.

 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Bloco quer mais Governo “desinveste”


na região
participação SANDRA CANTEIRO

S.C. Para tal, sugere o envio de um ques- Dificilmente o


tionário aos cidadãos, por e-mail ou sector privado vai
Moção apresentada na As- correio, no qual os munícipes pode-
investir no Interior,
rão elencar os projectos que conside-
sembleia Municipal defen- ram mais urgentes e necessários. lamenta PCP
de orçamento participativo Entre os meses de Maio e Outu-
bro, dever-se-ão promover sessões O presidente do gru-
37 membros da Assembleia Mu- informativas destinadas a colectivi- po Parlamentar do Parti-
nicipal (AM) de Bragança votaram dades, juntas e assembleias de fre- do Comunista Português
favoravelmente a moção apresentada guesia, bem como às populações de (PCP) na Assembleia da
Benardino Soares marcou presença no 89º aniversário do PCP
pelo deputado do Bloco de Esquerda todo o concelho. República, Bernardino
(BE), Luís Vale, que pretende imple- O processo “culminará” no mês de Soares, lamentou, em Bragança, a aposta nas redes de serviços públicos
mentar o orçamento participativo no Novembro, quando as propostas dos falta de investimento público na re- do Estado é que pode avançar. Mas,
concelho. munícipes serão votadas (de forma gião. num distrito onde se desinveste, mui-
Oos bloquistas defendem que, na presencial ou pela Internet), sendo Referindo-se ao Programa de In- to dificilmente o sector privado vem
elaboração do documento sejam ou- que as que angariarem mais adeptos vestimentos e Despesas de Desenvol- investir, porque não tem segurança”,
vidos os munícipes, bem como enti- deverão ser incluídas no Orçamento vimento da Administração Central lamenta Bernardino Soares.
dades do concelho, de modo a avan- Municipal e nas Grandes Opções do (PIDDAC), o responsável aponta o O deputado comunista receia,
çar com propostas que possam ser Plano de 2011. dedo ao “esquecimento” por parte do ainda, que o Programa de Estabili-
integradas nas Grandes Opções do A moção prevê, ainda, a execução Governo na região, que “se degradou dade e Crescimento (PEC) venha a
Plano Plurianual de Investimentos e de um relatório conclusivo que será e desertificou porque o investimento prejudicar, ainda mais, o Interior do
do Orçamento para 2011. divulgado online e entregue na AM, público e a defesa dos serviços públi- País. “Penso que continuará a linha
O BE reitera, desta forma, que a Assembleias de Freguesia e direcções cos diminuíram”. de degradação, o que significa que
população e organismos devem opi- de órgãos e instituições participan- “Uma região que está desertifica- os distritos mais penalizados serão
nar sobre as temáticas que conside- tes, bem como um folheto informati- da e cuja estrutura económica é débil, aqueles que mais precisam de inves-
rem prioritárias e mais importante. vo distribuído pelos munícipes. só com investimento público e uma timento público”, assevera.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

“Ele nunca disse Buscas


retomadas

que se queria matar” As buscas para encontrar a


criança desaparecida no rio Tua
foram retomadas hoje pelo sétimo
dia consecutivo com uma redução
“drástica” do efetivo, de acordo
Leandro era uma com fonte do Centro Distrital de
Operações de Socorro (CDOS) de
criança “reguila”, Bragança.
dizem as pesso- Apenas dois bombeiros e um
as ouvidas pelas veículo estão esta manhã no local,
segundo dados da Protecção Civil,
autoridades que irá manter as buscas por “tem-
po indeterminado”, mas com “um
Os testemunhos efectivo muito reduzido”, disse o
recolhidos pelas auto- comandante Melo Gomes.
ridades confirmam a
existência de agressões
no caso de Mirandela. nas situações de agressões, resistia e
No entanto, não falam não demonstrava medo”.
em suicídio e descrevem
o Leandro como “uma
criança reguila”, disse
Escola continua sem prestar
ontem à agência Lusa esclarecimentos, mas abriu
fonte ligada ao proces- inquérito interno
so.
Recorde-se que As versões indicam também que
criança de 12 anos ati- “ele é uma criança reguila, não é apá-
rou-se ao rio Tua, terça- tico” e “tem alguns problemas de in-
Mães de crianças agredidas pedem justiça e mais vigilância na escola
feira, com alguns relatos disciplina”.
a indicarem que se tratou de suicídio caso a gerar um debate nacional so- De acordo com a fonte, as ver- Os testemunhos relatam que “às
por alegada violência na escola e o bre a problemática do bullying. sões recolhidas no inquérito judicial vezes, faltava a aulas, como aconte-
em curso, nomeadamente de alunos, ceu no dia dos factos em que não foi á
professores e familiares, “coincidem última aula da manhã”.
PSP confirma queixa em 2008 no essencial” com o que tem sido vei-
culado na comunicação social relati-
Os testemunhos recolhidos indi-
cam ainda que devia “haver por parte
Inicialmente, as autoridades começaram por colocar a hipótese de “aci- vamente ao percurso da criança no da escola um reforço do controlo e
dente” na queda do jovem ao rio, tendo em conta indicadores como o facto dia do sucedido. das medidas de apoio e vigilância”.
de ter tirado a roupa antes de entrar na água. O Leandro terá sido agredido por O inquérito judicial está a cargo
Colegas e familiares associaram o caso à violência na escola e nos últi- um aluno mais velho de “17/18 anos” do Ministério Público que delegou na
mos dias várias pais têm denunciado publicamente outros alegados casos, que frequenta as turmas de Educação PSP de Mirandela a sua condução,
falando mesmo de bullying e da “inacção da escola”. e Formação na mesma escola. nomeadamente a audição de teste-
O comandante distrital da PSP de Bragança, Amândio Correia, confir- Colegas relatam que o viram a munhas, cabendo ao procurador ava-
mou ontem à Lusa que “de facto há uma queixa” de 2008 relativamente a chorar, enquanto jogavam à bola, e liar as diligências.
uma alegada agressão sofrida pela criança em causa, que a polícia comuni- a sair do recinto da escola dizendo A escola Luciano Cordeiro con-
cou ao Ministério Público, naquela ocasião. que “ia atirar-se ao rio”. “Os amigos tinua sem prestar esclarecimentos
O comandante desconhece “qual o resultado” dessa participação. pensam que de facto ele não se queria públicos sobre o sucedido, mas abriu
A PSP de Mirandela registou também no ano lectivo anterior, de afogar. Ele nunca disse que se queria também um inquérito interno que se
2008/2009, “três ocorrências em que foram reportadas agressões e outras matar”, relatou a fonte. espera esteja concluído hoje e seja
tantas já neste ano lectivo a que se soma ainda o furto de um telemóvel”. Dos testemunhos recolhidos con- entregue hoje à Direcção Regional de
“São toda situações nas imediações, no exterior das escolas”, esclareceu clui-se ainda que a criança “era inter- Educação do Norte (DREN), segundo
o comandante, referindo-se aos estabelecimentos de ensino que constituem veniente em muitas zaragatas, muitas disse o gabinete de imprensa do Mi-
o agrupamento Luciano Cordeiro de Mirandela. vezes provocadas pelo próprio, que, nistério da Educação.

10 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

O bullying está na moda


altura, os alunos não sabiam o que
era o bullying, nem tão pouco con-
seguiam distingui-lo de violência
escolar. Logo, os resultados podem
não reflectir a realidade.
BRUNO MATEUS FILENA
Bullying motiva a banalização
Casos recentes invadem humana, a perda colectiva de
a casa dos portugueses, à valores sociais e do signifi-
mistura com estudos anti- cado da palavra respeito no
relacionamento entre colegas
gos realizados a alunos que
não entendem o significado Na Escola Secundária Emídio
do termo inglês Garcia, o Jornal Nordeste pôde
assistir a uma formação sobre o
Entre 2007 e 2009, a Universida- bullying, inserida no Projecto de
de do Minho (UM) realizou dois es- Educação para a Saúde, ministra-
tudos sobre violência escolar, cujos da por Isabel Parente aos alunos
resultados podem não ter aplicação do 8ºC. A acção decorreu durante
prática. O primeiro decorreu entre uma aula que deveria ter sido de
2007 e 2009, abordando o tema Educação Física, com a professo-
“Relatório do Projecto de Diagnós- ra Fátima Brito, e na presença da
tico e Intervenção sobre o Bullying coordenadora escolar do Projecto
nas escolas da Sub-Região de Saúde de Educação para a Saúde, Olinda
de Bragança”. O segundo em Junho Bragada. “É uma mais-valia para os
de 2008, intitulado “Descrever o alunos poderem ter alguns conhe-
bullying na escola”. cimentos mais aprofundados sobre
No entanto, as investigações re- determinados temas no âmbito da
alizaram-se numa altura em que os Bullying ou violência escolar? Eis a questão... saúde”, afirmou, considerando que
alunos ainda não sabiam o que era o bullying é um desses temas con-
o bullying, nem tão pouco conse- to de Educação para a Saúde, o Jor- “Quando iniciámos estas acções troversos que é necessário fazer
guiam distingui-lo de violência es- nal Nordeste dirigiu-se ao Centro de sensibilização, em Dezembro compreender.
colar. Logo, os seus resultados não de Saúde de Bragança e a algumas de 2008, constatei que, uma gran- É um facto que, hoje em dia, há
podem ser considerados fiáveis. escolas da cidade para tentar averi- de maioria dos alunos, não sabia o uma crescente preocupação asso-
No rescaldo destas investiga- guar até que ponto os alunos com- que era o bullying. Quase todos o ciada à violência na comunidade es-
ções, levadas a cabo por autores preendem o conceito que encerra o confundiam com violência escolar. colar, confirmada e fundada por um
distintos, e na sequência do Projec- termo inglês - “bullying”. Para eles, uma agressão física ou estudo da UNESCO que lançou o
verbal já era bullying. Depois, du- alerta, certificando que, em muitas
rante o debate, é que lhes explicava escolas, o número de alunos vítimas
as diferenças. Mas eles tinham mui- de bullying atinge os 50 por cento.
Crianças são alvo fácil tas dúvidas, a princípio”, garantiu
Isabel Parente, técnica superior de
A cidade de Bragança não é ex-
cepção e, quando confrontados com
As crianças são um alvo fácil e o palco, muitas vezes, é a própria escola, Serviço Social no Centro de Saúde a possibilidade do bullying ser uma
mas também trespassa os muros desta. de Bragança. realidade, as direcções dos vários
Num relato confidencial de um jovem aluno de um dos Agrupamentos “Se não sabem, confundem. agrupamentos e escolas secundá-
da cidade de Bragança, ele revela que, “quase metade dos alunos já foi vítima Logo, nunca poderiam ter respon- rias, negam ter qualquer tipo de
de bullying”, observando, frequentemente, situações e casos de violência, dido de forma correcta. Refiro-me, conhecimento e dados sobre essa
por vezes, envolvendo perseguições que escalam para fora dos próprios mu- sobretudo, ao 1º e 2º ciclo”, refere matéria, preferindo mencionar “ac-
ros da escola. “Eu testemunhei um caso, durante vários dias, em que 4 alu- Isabel Parente, que tem percorri- tos pontuais de pequena agressivi-
nos bateram a outro com varas, dentro do recinto escolar. Fui ao conselho do as várias escolas secundárias do dade”.
directivo, denunciar a situação e eles não fizeram nada”, afirmou. Quando concelho, bem como os restantes Em Portugal, o bullying já existe
questionado sobre onde acontecem mais situações de bullying, o jovem é agrupamentos. há muito tempo, mas como as esco-
peremptório em responder, “atrás da escola, no recreio e, muitas vezes, fora Ora, se os estudos da UM foram las tentam, por vezes, escamutear
da própria escola”. realizados antes do início destas ac- os factos, agora o bullying está na
ções de sensibilização, e se por esta moda e veio para ficar.

DIRECTO DA TUA CIDADE PARA A CIDADE DO ROCK

TRAnsPORTE IDA E VOlTA


+ BIlhETE = 72 EUROs
VAI COm A AgênCIA ABREU AO mAIOR
fEsTIVAl DE músICA DO mUnDO COm
mUITO mAIs COnfORTO E sEgURAnçA.
ABERTO à hORA dE ALMOÇO
Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, nº 169 5300-252 Bragança
E-mail: braganca@abreu.pt - Tel: 273302400 - Fax: 273302409

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 11


12 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE
NORDESTE REGIONAL

Mulheres assumem liderança VOZES


Berta Nunes
TERESA BATISTA Autarca de Alfândega
“As mulheres na
política encontram
Testemunhos mostram que muitas dificuldades.
as mulheres conseguem Não nos podemos es-
quecer que a maioria
alcançar os seus objectivos dos deputados, presi-
contra todas as adversida- dentes de Câmaras, ministros são
homens. Ainda não tivemos a nossa
des revolução nesta área”.
Conseguiram alcançar lugares de
topo e orgulham-se das importantes Mª de Fátima Rodrigues
tarefas que desempenham no seio fa- Assessora Administração
miliar. Estas são duas características da ANA
comuns à maioria das mulheres que “Quando entrei
aceitaram partilhar o seu percurso de para a ANA Aeropor-
vida no âmbito das comemorações do tos, em 1982, era um
Dia Internacional da Mulher, assina- mundo de homens e
lado, ontem, pelo Governo Civil de ainda hoje o é. Fui a
Bragança (GCB). Mulheres falam dos percursos das suas vidas no Dia Internacional da Mulher única mulher a parti-
Berta Nunes é a única mulher à cipar na direcção do
frente de uma Câmara Municipal no eu tenho muito a agradecer ao meu vida e conseguiu concretizar o sonho Aeroporto de Lisboa. Digo a todas
distrito de Bragança. A edil alfande- marido, que colabora muito e tem de ser pintora. as mulheres que nunca deixem que
guense falou sobre o seu palmarés na contribuído para que isto seja possí- Já a presidente da Associação lhes digam que não são capazes”.
política, onde garante que ainda se vel”, realça Berta Nunes. Brigantina Protectora dos Animais,
sente na pele a desigualdade de gé- Também Maria de Fátima Ro- Lurdes Gonçalves, falou sobre a sua Lurdes Morais
neros. drigues, natural da pacata aldeia de dedicação à causa que abraçou em Representante na região Norte
A médica, autarca, mãe e mu- Edral, no concelho de Vinhais, dá defesa dos animais abandonados. de Empresa de Formação
lher lembra que as principais “cha- cartas no mundo empresarial. Licen- Para homenagear as mulheres
ciada em Gestão de Empresas, esta que têm alcançado lugares de desta-
e Consultadoria de Coimbra
ves” para as mulheres conseguirem
“O projecto ‘Mu-
triunfar na sociedade é acreditarem transmontana afirma que “ousou en- que na sociedade, o GCB lançou um
lher +’ apoia, a nível
nas suas capacidades e serem persis- trar num mundo de homens”. “concurso” intitulado “Personalida- nacional, o empreen-
tentes. “A política é muito exigente, Oriunda se uma família humilde des femininas no distrito de Bragan- dedorismo no femini-
requer muita disponibilidade e para da aldeia de Malhadas (Miranda do ça”, desafiando municípios e entida- no. O objectivo é trazer
uma mulher que tem uma vida fami- Douro), Balbina Mendes lutou, igual- des públicas a homenagearem, no os homens para a es-
liar é muito complicado. No entanto, mente, contra as adversidades da próximo ano, as suas mulheres. fera familiar e as mu-
lheres para a estrutura empresarial,
alterando o paradigma existente”.
Distrito assinala Dia da Mulher
Balbina Mendes
O distrito de Bragança realizou, nas do 9º ano da Escola Básica, 2,3 de Pintora
ontem, diversas actividades alusivas Vimioso, a apresentação do livro “Ma- “Os meus pais
ao Dia Internacional da Mulher. A ria, a maior educadora da História”, deram-me a opor-
Associação do Desenvolvimento do pelo padre Victor Silva, e as conversas tunidade de estudar
Cardal do Douro, em Bemposta (Mo- abertas alusivas ao tema “Vivências no e fi-lo com todas as
gadouro), assinalou este dia com uma feminino”, que contou com a presença minhas forças, por-
sessão de ginástica aberta a toda a co- da vimiosense de 109 anos, Carmelina que sabia que era a
munidade. Augusta Delgado, como convidada es- única forma de poder
Ginástica na Casa da Cultura de Mogadouro
Em Vimioso, a exposição de pintu- pecial. mudar de vida. O ensino deu-me o
ra “Fados”, de Teresa Pardelinha, deu O Agrupamento de Centros de Saú- A Câmara Municipal de Mirande- alento necessário para me aventurar
início às comemorações. Seguiu-se a de do Nordeste também assinalou des- la antecipou esta data com a organiza- na pintura, um sonho que me acom-
apresentação do trabalho “A condição te dia com iniciativas promovidas em ção da 1ª Caminhada da Mulher, que panhou desde criança”.
feminina na actualidade”, pelas alu- Mirandela e Alfândega da Fé. uniu, anteontem, o sexo feminino.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 13


OPINIÃO

A Questão
e de pachorra em relação aos filhos
– optem pela situação fácil e “eficaz”
de lhes darem razão em situações de
desajuste com a Escola, em vez de
procurarem as causas e tentarem en-
contrar soluções que ajudem os filhos
nasce nas escolas, já que isso seria que o sistema os desprotege face a si- a crescer de forma correcta. Frequen-
Paula Romão negar o próprio conceito de Esco- tuações de clara infracção disciplinar temente armando os jovens de pre-
la. Depois, considerar a indisciplina na sala de aula. E aos alunos parece potência e arrogância e desarmando-
uma “questão social”, como forma de estar sempre reservado o papel de se- os de responsabilidade e sentido de
“Ser ou não ser, eis a ques- desresponsabilizar os seus agentes, é res inimputáveis, desresponsabiliza- autocrítica.
tão. (…) País desconhecido, a incoerente à luz da responsabilização dos e olhados com condescendência. A terrível ocorrência relaciona-
descobrir, cujas fronteiras não que o Ministério quer atribuir aos Já se tornaram clássicas as situações da com a escola Luciano Cordeiro,
há quem volte a atravessar e professores, quando pretendeu ava- – na nossa mesmíssima cidade de em Mirandela, será sempre um pon-
nos intriga e nos faz continuar liá-los pela taxa de abandono escolar Bragança – de paizinhos que acor- to de partida para reflexões sobre a
a suportar os nossos males.” dos respectivos alunos. Como se este rem à escola, de mão na anca, para disciplina e sobre as espirais em que
não fosse – e de que maneira! – um desancar o reaccionário do professor assentam os comportamentos huma-
William Shakespeare, Hamlet gritante exemplo de problema social. porque este traumatizou o seu ado- nos. Sobretudo aqueles que implicam
A indisciplina poderá ser uma rável rebento que mais não fizera do uma atenção responsabilizadora dos
No anterior governo de José Só- questão social que, não sendo devida- que dar asas à sua exuberância voca- adultos sobre os seres que estamos a
crates, um secretário de estado da mente resolvida, descambará em vio- bular. Paizinhos indignados porque educar e a formar.
Educação, de nome Valter Lemos, lência. Mas quando ela se verifica na o professor se entusiasmou a marcar Não faz qualquer sentido criarmos
afirmava que a indisciplina é um pro- Escola é às escolas que deve ser dado trabalhos de casa, prontos a berrar uma geração de jovens supostamente
blema que vem de fora da Escola. todo o poder, não só de denunciar, por justiça e pela estação de televisão mais “cultos” ou “esclarecidos” ou
Remetendo a indisciplina para mas, também, de desencadear e agi- mais próxima, para fazer já, ali, do “intelectualmente mais preparados”
o conjunto das questões de carácter lizar os processos, para que possam seu rapaz o famoso que se segue nos se não lhes inculcarmos valores que
“social”, o responsável político pare- ser punidos e sancionados os agentes dez minutos de glória do ecrã. os tornem indivíduos generosos, to-
cia querer ignorar o óbvio. Porque a infractores. Também às escolas deve A mim, como mãe e professora, lerantes, responsáveis e conscientes
nenhuma cabeça pensante deveria caber o papel de prevenir situações. revolta-me que tantos pais – para se do respeito que devem a si próprios
ocorrer imaginar que a indisciplina Muitos professores queixam-se de desculpabilizarem da falta de tempo e aos outros.

VENDAVAIS

Nem todos aprovam o que devem


sempre de louvar em tempo de crise. munitários e privados. Os 181 milhões públicas e participadas do Estado vol-
Luís Ferreira É o caso da recente aprovação da pro- de euros, em condições de execução tou a piorar: em 2010, prevê-se que,
posta que o CDS-PP fez na Assembleia competente, significam um valor de entre empréstimos, aumentos de capi-
da República. 800 milhões, o que é muito impor- tal e indemnizações compensatórias, o
O país anda todo desnorteado de- Na fase de discussão orçamental, tante para o crescimento económico, valor seja superior em 1135 milhões de
vido a uma insensatez desmedida de na especialidade, os governos têm di- o aumento de emprego e a redução do euros face a 2009!
uns quantos políticos que se têm ar- reito à coerência do Orçamento do endividamento. Assim, a proposta do CDS agora
mado em inteligentes teimando em Estado que apresentam mas, a oposi- Este reforço, proposto pelo CDS, e votada, é exemplar e constitui mesmo
ter nas mãos a solução para resolver a ção, tem igualmente o dever de propor finalmente viabilizado pelo PS e PSD, o primeiro sinal de austeridade no pró-
calamidade em que nos mergulharam. melhorias. Assim fez o CDS. Ora veja- significa um aumento de 30% em re- prio Estado: o fim dos prémios e bónus
Realmente não há paciência para tudo mos. lação ao proposto pelo Governo e de dos gestores das empresas públicas e
isto. Conseguiu o reforço das verbas 80% quanto ao ano passado. participadas. Em 2010, não há, pon-
Embrulhado em todo este papel do PRODER. Ao fim de 3 anos e dois Ora, tendo havido intempéries to final. Não faz sentido, este ano, as
político, surgem propostas de discus- meses, a execução deste programa fun- graves nos últimos meses (no Minho, empresas públicas, que muitas vezes
são, de coligações esquisitas e até, ima- damental (fundos comunitários para a Douro, Oeste e Algarve), a verba esti- dão prejuízos, pagarem bónus aos seus
gine-se, a petulância de querer alguém Agricultura) é apenas de 16%, quando mada para acudir às necessidades dos próprios gestores. Não concordam?
ser o líder da esquerda unida. Até pa- deveria ser de 42%. O PRODER tem agricultores afectados é bastante alta E por fim a transparência nos con-
rece que estamos no dia 27 de Abril de uma regra (N+2) que determina que só no Oeste as candidaturas são no tratos dos gestores públicos. Uma me-
74! Será que perdi alguma coisa? o dinheiro pode ser usado no próprio valor de 32 milhões. Ora, a rubrica do dida a bem da transparência, tornando
A falta de razoabilidade será, por ano ou nos dois seguintes. Aplicando PRODER respectiva a estes apoios só públicos, através do Parlamento, os
ventura, uma das causas que levou a esta regra e como durante o consulado tem 18 milhões de euros. Sem o refor- contratos dos gestores de empresas
esta politiquice sem vergonha onde de Jaime Silva o abandono foi imenso ço proposto pelo CDS, o orçamento do públicas ou participadas pelo Estado.
todos querem alguma coisa de coisa as verbas inscritas para o Ministério PRODER proposto pelo Governo não Segundo a proposta do CDS-PP,
nenhuma. É que, na verdade, nós não da Agricultura (no PIDDAC) devem atingiria o mínimo essencial. de alteração ao Orçamento do Estado,
temos nada para dar seja a quem for, a ser suficientes para conseguir dois ob- Outra proposta foi o fim da atribui- aprovada na sexta-feira passada, o Go-
não ser, obviamente, aos que, porven- jectivos: o do investimento, para 2010; ção de prémios e bónus aos gestores verno vai passar a enviar anualmente
tura tenham algum poder nas mãos e e o da recuperação, para o que ficou públicos em 2010. ao Parlamento um relatório com as re-
possam esgrimir as armas da cunha e por pagar em 2008. Os 107 milhões Este é um ano de dificuldades eco- munerações fixas e variáveis dos gesto-
do subterfúgio. Essas pelo menos, sa- de euros, do Orçamento de 2009, já ti- nómicas e financeiras, de aumento de res públicos, prémios e regalias.
bemos que são usadas, não a bem da nham subido, na proposta do Governo, problemas sociais, da dívida pública e Pois bem, eu só não percebo por-
nação, mas de uns poucos que já todos para 141, em boa medida pela pressão défice, em que são pedidos sacrifícios que razão é que o Francisco Louçã quer
sabem quem são. do CDS e das associações de agricul- aos portugueses. ser o líder da esquerda e não votou es-
Enfim, no meio de tudo isto e com tores. Com a proposta do CDS, aos Neste ano e dadas as circunstân- tas propostas, assim como o não fez o
o orçamento em cima da mesa e pronto 141Milhões de euros são acrescidos 40 cias financeiras excepcionais que o país partido comunista. Afinal que esquer-
a ser escalpelizado até à sua aprovação milhões, para recuperar o atraso, me- atravessa, as empresas do sector em- da é esta que não vota propostas como
final, assim se espera, sempre vão apa- dida reivindicada pelos agricultores e presarial do Estado e as empresas pú- estas? Alguma coisa aqui está mal ou
recendo algumas propostas sensatas organizações do sector. Note-se que, blicas estaduais devem dar um exem- está bem escondida. Já não sei o que
para aligeirar as nuances do peso or- cada euro nacional aplicado no PRO- plo do espírito de contenção. Note-se eles pretendem. Será que faz diferen-
çamental e travar algum despesismo, DER mobiliza 4,5 euros em fundos co- que a situação financeira das empresas ça?

14 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


Uma vida dedicada às albardas
TERESA BATISTA

Alcino Bento chega a per-


correr 200 quilómetros por
dia para vender e compor
arreios dos animais
O dia começa cedo para Alcino
Bento. Aos 62 anos, o albardeiro de
Macedo de Cavaleiros percorre várias
aldeias dos distritos de Bragança,
Vila Real e Guarda para compor os
arreios dos animais. “O negócio está
fraco”, lamenta o artista, enquanto
compõe uma “meleia” (objecto para
pôr no pescoço dos animais) muito
antiga.
Foi na aldeia de Assares (Vila
Flor) que o Jornal NORDESTE en-
controu aquele que é um dos últimos
albardeiros de Trás-os-Montes. Al-
cino conta que, antigamente, tinha
trabalho para uma semana nesta fre-
guesia. Hoje, os animais foram subs-
tituídos pelas máquinas agrícolas.
“Vim cá compor uma ‘meleia’ e pou-
co mais. Agora só há cá duas ou três
Alcino Bento é um dos últimos albardeiros transmontanos
burras”, lamenta.
Natural de Vila Flor, Alcino Bento azeitona. Agora, o trabalho resume- balho também se reflecte no material nho e S. João da Pesqueira”, enume-
aprendeu a arte com o pai e lembra se praticamente a alguns biscates usado pelo albardeiro. Enquanto an- ra.
que já o seu avô era albardeiro. Foi aqui e ali. “Não era conveniente com- tes gastava entre 50 a 60 metros de É na margem esquerda do Douro
o único de oito irmãos que seguiu a por uma albarda e ir logo à vindima. estopa (pano para fazer as albardas) que encontra mais trabalho, porque
profissão da família e tem orgulho na- Então mandavam compor um mês por semana, agora chegam-lhe qua- os caminhos junto ao rio não permi-
quilo que faz, mas lamenta ver a sua ou dois antes para ir acamando e não tro metros para meio ano e, muitas tem a entrada de tractores nos terre-
arte a desaparecer aos poucos. “Os magoar os animais”, explica. vezes, ainda sobram. nos. “Na Pesqueira ainda há alguns
novos não querem trabalhar nisto. Alcino afirma que trabalha por animais. Já em Foz Côa, onde antes
Antes aprendiam-se profissões, ago- “Antes aprendiam-se profissões, amor à arte, mas também para ga- quem não tinha um macho tinha
ra metem-se nos cursos. Nas aldeias agora metem-se nos cursos”, nhar algum dinheiro para pagar a dois, já poucos se encontram”, cons-
encontro alguns rapazes que me di- lamenta o albardeiro. medicação, que ascende aos 150 eu- tata o artesão.
zem que é um trabalho sujo”, conta. ros por mês. “Antigamente ganha- É com pena que Alcino Bento vê
Do Planalto para S. João da Pes- Alcino lembra que as épocas das va-se muito dinheiro nisto. Agora, as tradições acabar, mas afirma, que
queira, passando por Moncorvo, Al- vindimas e da azeitona eram sinó- muitas vezes nem dá para o gasóleo”, mais dia, menos dia, também vai ter
fândega da Fé, Vila Flor, Mirandela, nimo de bons rendimentos para os assevera. que parar. “Tenho problemas de saú-
Vila Nova de Foz Côa, Murça Alijó, albardeiros. “Cheguei a estar dois Mesmo assim, o albardeiro con- de graves”, desabafa.
são inúmeras as terras percorridas meses a trabalhar em algumas po- tinua a percorrer centenas de quiló- Mas enquanto tiver forças, o al-
pelo albardeiro à procura de traba- voações, onde, agora, tenho trabalho metros. “ Hoje já estive em Sambade, bardeiro transmontano continua a
lho. para, apenas, uma hora”, lamenta o Alfândega, Assares, e ainda vou ao fazer consertos e a negociar albardas,
Antigamente, a época forte eram artista. Nabo, Vila Flor e Freixiel. Amanhã que arranja, para, posteriormente,
os meses antes das vindimas e da A diminuição do volume de tra- vou para Vila Nova de Foz Côa, Poci- vender.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 15


NORDESTE RURAL

Cabra de Montesinho
afiançou Manuel Amândio.
Ainda de acordo com o respon-
sável, a raça está no nível máximo de
ameaça de extinção, sendo que, com

já é raça autóctone
os apoios da União Europeia previs-
tos para as raças autóctones, espera-
se um aumento no efectivo que poten-
cie todo o valor de produtos, como o
leite utilizado na confecção de queijo
ou a carne de
FRANCISCO PINTO cabrito.
“No caso
dos caprinos,
Espécie transmontana, dos os proprietá-
concelhos de Bragança e rios poderão
Vinhais, está em vias de vir a receber
cerca de 30 eu-
extinção ros por cabeça
por se tratar
A Cabra Preta de Montesinho de uma raça
acaba de se juntar ao grupo de ra- ameaçada de
ças autóctones transmontanas. Esta extinção. Com
espécie de caprinos está seriamente este estímulo
ameaça de extinção, havendo, ape- espera-se que
nas, algumas centenas de exempla- a raça volte
res em toda a região. Actualmente, a ressurgir”,
os técnicos da Associação Nacional salientou Ma-
de Caprinicultores de Raça Serrana nuel Amândio.
(ANCRAS) estão no terreno a fazer os Este é cul-
registos dos animais com vista à sua minar de um
inscrição no livro genealógico. trabalho que
Recorde-se que a área de geográ- levou cerca de
fica deste pequeno ruminante está uma década a
circunscrita aos concelhos de Bragan- ser reconheci-
ça e Vinhais, sendo que, neste último, do.
há uma pequena comunidade de ca- Cabra Preta de Montesinho está em vias de extinção
Recorde-
bras pretas que pode ser visitada no se que, desde o
Parque Biológico local. último registo
O passo mais importante é au- trabalho a fazer. zootécnico, que permitirá um melhor feito à raça, já de 2005, verificou-se
mentar o efectivo, porém os técnicos “Este reconhecimento traz a pos- acompanhamento destes animais, que o efectivo estava a descer de for-
da ANCRAS adiantam que há muito sibilidade da criação de um registo de forma a tentar preservar a raça”, ma vertiginosa.

DIREITO DE RESPOSTA

Face à notícia “Tribunal de cionários se cinge ao estrito cumpri- Vimioso


Contas chumba Resíduos do mento da legalidade no respeito pe-
Nordeste”, publicada na edi-
ção n.°694, de 16 de Fevereiro
de 2010, a empresa Resíduos do
las atribuições e competências que
lhe são inerentes e emanam nos seus
órgãos próprios.
Governo acelera
parcelário
Nordeste emitiu o seguinte co- Nesta medida, ou exactamente
municado: por isto, o Acórdão do Tribunal de
Contas N.° 150/09, de Setembro de
2009, foi respeitado e é cumprido nos
Exmo. Senhor seus precisos termos, uma vez que se O Ministério da Agricultura ção de agricultores à porta, devido
Director do Jornal Nordeste trata de uma decisão judicial de um anunciou que o atendimento aos ao fluxo anormal de procura dos
Órgão de Soberania que a Resíduos agricultores de Vimioso para par- serviços nesta altura em que é ne-
“Tivemos conhecimento que, no do Nordeste, EIM, – como é evidente celários passará a ser feito por cessário regularizar os parcelários
passado dia 10 de Fevereiro, foram – respeita e admira. convocatória para evitar os fluxos (delimitações e áreas das terras),
enviados e-mails anónimos a diver- Por último importa destacar que anormais que obrigam a dormir à um instrumento sem o qual não po-
sos Órgãos de Comunicação Social, o aludido contrato só produziria porta dos serviços para conseguir vez. dem aceder aos subsídios agrícolas.
que alardearam – vá-se lá saber por- efeitos após o visto ou declaração de Segundo adiantou à Lusa o gabine- O gabinete do ministro da Agricul-
quê – a recusa de visto pelo Tribunal conformidade do Tribunal de Contas, te de imprensa do ministro Antó- tura esclareceu ainda que se man-
de Contas do Contrato de “Prestação decorrendo da recusa de visto que os nio Serrano, a Direcção Regional de tém a intenção de negociar com a
de Serviços de Limpeza Urbana na serviços contratados não tiveram iní- Agricultura e Pescas do Norte passa- Câmara de Vimioso a instalação
Terra Quente Transmontana” pelo cio e que dai não decorreu qualquer rá a convocar os agricultores com a de mais uma sala de atendimento.
não cumprimento de um aspecto encargo financeiro para a Resíduos indicação do dia e da hora a que de- A partir de Maio vão existir mais
de ordem administrativa, no caso, do Nordeste, EIM. vem comparecer na Zona Agrária de seis salas na região Norte, duas
a falta de publicitação do anúncio É o que nos cumpre informar”. Vimioso. das quais em Trás-os-Montes
no Jornal Oficial da União Europeia Os serviços de parcelário, que para que a situação não se repita.
(JOUE), entendemos informar o que Sem outro assunto de momento, funcionam apenas uma vez por se- As medidas anunciadas surgem na se-
é público e notório, isto é: que a actu- apresento a V. Exa. os melhores cum- mana, vão também ser reforça- quência das queixas dos agricultores
ação da Resíduos do Nordeste, EIM, primentos. dos com mais recursos humanos de Vimioso que dormem à porta da
se tem pautado exclusivamente pela e técnicos, nomeadamente mais zona agrária para conseguirem vez,
prossecução do Interesse Público e a O Director-Geral, um funcionário e um computador. muitas vezes sem sucesso por falta de
actuação dos seus Dirigentes e Fun- Paulo Praça O propósito é evitar a concentra- capacidade de resposta dos serviços.

16 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


LUGARES

Selores e Lavandeira disputam


Castelo de Ansiães
SANDRA CANTEIRO
VOZES
Património continua em ru-
ínas, apesar de estar clas- José Araújo – 49 anos
sificado como Monumento “É uma pena
Nacional que a Casa de Se-
lores esteja ao
Depois da curiosidade inicial- abandono. Não
mente relativamente ao Castelo que, sabemos se a vão
do alto do monte, domina toda a recuperar, porque,
paisagem circundante, não há quem agora, é de duas
fique indiferente à majestade e impo- pessoas. Vivia cá
nência do edifício que ganhou o nome o padre da aldeia e
da freguesia onde se situa, a Casa de também já foi a escola primária”.
Selores.
A cerca de seis quilómetros da
sede de concelho, Carrazeda de An- Mário Martins – 60 anos
siães, a aldeia oferece, a todos os vi- Casa de Selores é o ex-libris da freguesia
sitantes, um verdadeiro regalo para “Vêm pessoas
a vista. Depois da paisagem natural, Antiga residência da professo- sabe nada ao certo”, sublinhou Maria visitar a casa que
que ora conta com montes e monta- ra primária da aldeia e do pároco Mesquita, habitante de Selores. era do padre, por-
nhas, ora com planícies e vales, Se- local, a casa está, actualmente, em que é um monu-
lores acolhe verdadeiras maravilhas avançado estado de degradação, sem População lamenta degradação mento muito boni-
arquitectónicas, como a antiga resi- que ninguém pareça fazer nada para to, mas está a cair.
e ruínas de património
dência solarenga da família Morais. contrariar os efeitos devastadores do Temos o castelo
Situada à entrada da aldeia, a Casa passar dos anos. também, que não é
Mas se a Casa de Selores foi “es-
de Selores, de estilo clássico – barro- O seu esplendor fica, assim, afec- de Selores nem de Lavandeira. É
quecida”, o Castelo de Ansiães, que
co e datada do século XVIII, encanta tado pelas janelas partidas, paredes de Ansiães e, por isso, de todos”.
domina a paisagem, não se encontra
pela capela e pelo edifício residencial, em mau estado, tectos que ameaçam
em melhor estado.
mas, sobretudo, pela varanda alpen- ruir.
Sendo um monumento medieval
drada que integra dez colunas de ca- “A Casa está degradada. Falava-
pitéis jónicos. se que iam fazer obras, mas não se
do III Milénio A.C., a ruína e degrada- Maria Mesquita – 80 anos
ção tomaram conta do Castelo. Além
do edifício em si passar, praticamen- “Vivi na gran-
te, despercebido, a vegetação apode- de Casa de Selores,
ra-se, a cada dia que passa, aquilo onde a professora
que resta das moradias construídas vivia e era a escola.
dentro das muralhas que ameaçam, Aquilo, ao que di-
também, ruir em alguns locais. zem, foi vendido. E
Nem a classificação de Monumen- falam que vão fazer
to Nacional, pelo Instituto Português obras para requali-
do Património Arquitectónico, tem ficar o edifício, mas não sabemos
“salvado” esta valiosa fortificação da de nada”.
degradação. Entidades e organismos
competentes parecem continuar in-
diferentes, apesar de se falar em can- sendo que os habitantes de cada loca-
didaturas a fundos comunitários para lidade reclamam para si a proprieda-
a sua requalificação, como o Jornal de do monumento.
Nordeste noticiou na edição de 22 de “Pertence a Selores. Os antigos
Julho de 2008. senhores do Castelo viviam aqui na
Ruínas e degradação à parte, o aldeia, apesar da Santa Eufémia, que
Castelo de Ansiães é “disputado” estava lá cima, estar agora na Igreja
pelas freguesias de Selores e Lavan- da Lavandeira”, defendeu José Araú-
Degradação toma conta do Castelo de Ansiães deira, também no mesmo concelho, jo, habitante em Selores.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 17


NORDESTE RURAL

EDEAF privatiza micro-empresas


TERESA BATISTA

“Alfa Mel” e “Alfa


Doce”deverão passar
para as mãos de privados,
ao passo que a Queijaria
passou para a Cooperativa
Agrícola
A Empresa Municipal de De-
senvolvimento de Alfândega da Fé
(EDEAF) abriu concurso para alocar
os estabelecimentos comerciais/in-
dustriais de produção e comercializa-
ção de doçaria tradicionais e de mel.
O objectivo é passar a gestão da-
quelas micro-empresas para as mãos
de privados, tendo em vista a redu-
ção de encargos para a Câmara Mu-
nicipal de Alfândega da Fé (CMAF).
“Queremos que a EDEAF não seja
um peso para o município, mas uma Doces e mel vão ser explorados por empresas privadas
estrutura positiva para o nosso con-
celho”, realça a presidente da CMAF, par da privatização da “Alfa Mel” e por cento das quotas, tinha preferên- este mês. “ Dentro de cerca de uma
Berta Nunes. da Alfa Doce”, a empresa municipal cia, e quis ficar com a queijaria”, ex- semana termina o prazo para a apre-
A autarquia adoptou uma nova também já transferiu a queijaria para plica a edil. sentação das candidaturas. Depois
política de gestão, que vai reestrutu- a Cooperativa Agrícola de Alfândega Quanto à empresa de embalamen- vamos fazer a análise para vermos
rar completamente aquele espaço. A da Fé. “A Cooperativa já detinha 49 to de azeite também vai ser reinsta- quais são as mais vantajosas para o
lada nas instalações da Cooperativa, município”, adianta a edil.
não estando, ainda, bem definido o Este processo contempla, ainda, a
Jornal Nordeste - Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de Março de 2010
plano de gestão desta micro-empresa. reintegração de alguns trabalhadores
No entanto, Berta Nunes garante que da EDEAF. “ Quem não ficar a traba-
esta unidade vai continuar à disposi- lhar nas micro-empresas será reinte-
ção de todos os produtores de azeite grado na empresa municipal. Até ao
que queiram fazer o embalamento do momento, ainda não fizemos despe-
seu produto. dimentos, apesar de não termos re-
“Vamos ter várias medidas para novado alguns contratos que consi-
a valorização dos produtos e uma de- derámos que não eram necessários”,
las é o embalamento, que vai funcio- admitiu Berta Nunes.
nar, agora, em melhores condições”, No que toca aos problemas com
acrescentou a responsável. a electricidade e com o processo de
licenciamento industrial, a autarca
Micro-empresas privatizadas garante que estas situações deverão
estar regularizadas dentro de dois
vão dar emprego a alguns meses.
funcionários da EDEAF Em relação ao passivo elevado
da EDEAF, Berta Nunes garante que
Berta Nunes afirma que já há pri- já foram sanadas parte das dívidas,
vados interessados nas unidades de estando a autarquia a pagar, regu-
produção e comercialização de mel e larmente, o restante passivo, com en-
doçaria tradicional, pelo que aliena- cargos mensais mais baixos, que re-
ção dos espaços deverá ser feita ainda sultaram da negociação com a banca.

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de não descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro, a
Março de 2010 cuja área pertence.
Que o referido prédio veio à posse deles, justificantes, já no estado
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURÓ de casados, por volta do ano de mil novecentos e oitenta, por compra
meramente verbal que fizeram a António Claudino Geraldes, viúvo de
NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES
Maria Violante Valente, residentes que foram no Brasil, ambos actu-
almente já falecidos, não tendo porém nunca sido celebrada a compe-
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO
tente escritura de compra e venda.
Que não obstante, logo no referido ano os justificantes passaram a
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia oito de Março de
ocupar o mencionado prédio, posse que exercem portanto há mais de
dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio
vinte anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos donos
da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 97 a fis. 98,
e plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de
verso, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e
outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer
cinco, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram
que fosse desde o início dessa posse, a qual sempre exerceram sem
como outorgantes, SAUL CASIMIRO SOLTEIRO, NIF 156 668 700,
interrupção, nele guardando os seus haveres, como lenha, produtos e
e mulher MARIA EUFÉLIA FALCÃO GALHARDO, NIF 156 668
utensílios agrícolas, procedendo a actos de limpeza, melhorando-o e
807, casados sob o regime da comunhão geral de bens, naturais, ele da
reparando-o com benfeitorias diversas, e praticando os mais diversos
freguesia de Vale de Porco, concelho de Mogadouro, e ela da freguesia
actos de uso, fruição e defesa do mesmo, à vista de toda a gente e
de Avelanoso, concelho de Vimioso, residentes na Rua José Martins de
portanto de eventuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros
Castro, número 162, na freguesia de Fanzeres, concelho de Gondomar,
donos, sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e públi-
os quais declararam:
ca, pelo que, dadas as características de tal posse, adquiriram por usu-
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, do
capião o referido prédio, figura jurídica que invocam por não poderem
seguinte prédio:
fazer prova do seu direito de propriedade pelos meios extrajudiciais
Urbano, sito na Rua do Ribeiro, na freguesia de Vale de Porco, conce-
normais, dado o referido modo de aquisição.
lho de Mogadouro, composto de palheiro de rés do chão, com a área
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. Moga-
coberta de cento e dez metros quadrados, a confrontar de norte com
douro e Cartório Notarial, em 8 de Março de 2010.
Eduardo José Solteiro, de sul e nascente com Rua do Quebra Cu, e
de poente com Rua do Ribeiro, inscrito na respectiva matriz sob o A Notária,
artigo 196, com o valor patrimonial e atribuído de mil e cem euros, Fátima Mendes

18 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


Tierra, Giente i Lhéngua

REZOSA - ua marca cultural


ne l Praino Mirandés
L REZOSA ye un festibal ourgani- mien ls nuossos dançadores darán um aire
zado an Fuonte Aldé i que ampeçou an de la sue grácia i muita animaçon por toda
1998. Yá lhieba mais dua dúzia de anhos la nuite a la moda de arraial a la moda an-
a pormober la lhéngua i la cultura miran- tiga.
desas i a pensar l feturo de la nuossa tierra.
Siempre este festibal stubo na delantreira Quales las percipales deficuldades
de la çcuçon de ls temas de la lhéngua i de que sentis na ourganizaçon de l festi-
la cultura, ajuntando la çcuçon de temas bal?
amportantes cula música i l cumbíbio po- Las percipales deficuldades son de
pular. Todo ua ourganizaçon de la ACRE- natureza financeira. Las associaçones que
FA - Associação Cultural e Recreativa de ourganízan nun ténen fins lucratibos, por
Fonte Aldeia, siempre cun ua amportante cunseguinte bibimos de apoios que ansti-
partecipaçon de ls Galandum Galundaina, tuiçones mos ban dando, quaijque siem-
que astanho alhá apersentaran l sou re- pre scassos. La cultura siempre fui un
dadeiro disco “Senhor Galandum”. Para pariente probe. Ye claro que todo isto re-
quien quejir saber de mais nuobas puode quier muito trabalho, dedicaçon i muitas
ir a http://nuobas.blogspot.com/ i a http:// horas perdidas sin qualquiera paga, mas l
www.acrefa.pt/site/index.php gozo de no final sentir que cuntribuimos
Dada la amportança cultural deste fes- para angrandecer la nuossa tierra, paga
tibal nun podiemos deixar de oubir un de todo isto.
ls sous mais amportantes dinamizadores
de siempre, Félix Fernandes subre l prós- Cumo ye que ua aldé pequeinha
simo festibal que ten lhugar l die 20 de cumo Fuonte Aldé puode fazer assi un
márcio. Bal la pena dar un salto até Fuon- festibal, que yá ye ua marca cultural ne
te Aldé, que nun faltará çcuçon, cultura, l Praino Mirandés?
música, buona chicha cun buona pinga a Fuonte Aldé ye ua tierra pequei-
acumpanhar i siempre muita alegrie i ad- nha mas la mocidade, inda que séiamos
bertimiento. poucos, ye grande i mui ounida. Quando
toca a rebate naide olha para trás i cada
L Festibal Rezosa fai-se an Fuonte un, cumo puode i sabe, alhá bai ajudando.
Aldé, yá uns anhos. Quando i quien l Grácias a Dius que ls eilustres ouradores
ourganiza? que eiqui ténen benido a çcursar, l ténen
Félix Fernandes - L Festibal REZO- feito feito cumo nós por pura carolice. An
SA ben-se fazendo zde l 12 de Setembre nome de Fuonte Aldé digo, Bien Haia a
de 1998. Curjidosamente l purmeiro tema todos ls que yá mos ajudórun. 
çcutido fui la Lhéngua Mirandesa, inda Isto habie de serbir de eisemplo na
antes desta ser oufecializada. Un de ls sociedade an que bibimos, se fússemos
ouradores fui l Dr. Júlio Meirinhos, nes- menos materialistas i gananciudos pula
sa altura deputado na Assemblé de la Re- cierta que toda la giente bibie melhor. 
pública i falou nessa altura que yá staba
agendado l die an que iba a aprobaçon la Anterbista feita por Amadeu Ferreira
oufecializaçon de la Lhéngua Mirandesa,
cumo se bieno a dar passado pouco tiem- quenómico.
po. 
Fuonte Aldé, inda que seia pequeinho Qual ye l tema de çcuçon para astanho?
lhugar, ten ua mocidade mui dinámica i Astanho bamos a çcutir trés temas que achamos
antressada pulas cousas de la cultura. La actuales i pertinentes, lhigados antre eilhes: 
proba ye que ten dues associaçones cultu- - Zerteficaçon, relaçon causa/eifeito i maneira
rales, la ACREFA, e la GGAC (Galandun de trabar este fenómino, por Carlos Ferreira;
Galaundaina Associação Cultural) que, an - Potencialidade que l burro mirandés apersenta
parcerie, ténen zambolbido este porjeto, cumo fator de zambolbimiento eiquenómico, turís-
puis ls oujetibos de cada ua son çfrentes tico i cultural nesta region, por Miguel Nóvoa;
mas cumplétan-se ua a la outra. - L’amportança de l amparcelamiento rural pa
la sustentablidade de la agricultura i pecuária, por
Que baláncio fazeis destes anhos de João Paulo Castro. 
festibal?
L baláncio que fazemos ye strema- I la fiesta, cumo bai a ser?
mente positibo. Toda la giente que ben i La fiesta bai a ser cumo siempre, grande! Pula
partecipa mos agaba i tenemos cuncéncia la tarde seran las cunfréncias, apuis ben la cena que
de que stamos a cuntrebuir para angrande- será cochino assado no speto i pula nuite grande
cer l nome i la cultura mirandesa. Tenenos animaçon, adonde l grupo Galandum Galundaina
tratado temas siempre relacionados cun será rei, pus bai a apresentar por anteiro todo l re-
la region, de carátele cultural ou sócio-ei- dadeiro trabalho çcográfico, Senhor Galandum. Ta-

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 19


FUOLHA MIRANDESA

Feturar l Feturo
çados, cul pensamiento más arejado, al nible
de leis de regulaçon social, tamien habie de
poner ls uolhos nesses tales países más cebli-
zados i abançados (Almanha, Dinamarca, Su-
écia, Noruega, Houlanda i Spanha, para solo
nomear alguns de ls 24 que yá l’assinórun) i
fazer ua cousa que nun custaba muito: assinar
Alfredo Cameirão algo pula sue perserbaçon i anté pul sou zam- stória mi rica, un folclore de l más buono, pai- la Carta Ouropeia de Lhénguas Regionales i
bolbimiento, nada, stá quieto, inda mos cunti- saiges que nun hai, ua chicha sien pareilha an Minoritárias, que yá ben de 1992.
namos a anculher i cun las mesmas bergonhas Pertual. Mas isso, más buonos ó más malos, I isto todo sien amantar ne l balor eique-
“Essas palabras son de marenheiro, i miedos de seclos que parece que se mos co- tod’mundo tamien l ten. Agora ua lhéngua nómico que la lhéngua puode tener, mormente
lórun a la piel cumo peç. çfrente, lhéngua, torno a dezir, isso ye que lhigada al turismo, ua de las apostas que más
mas tu nun sós marenheiro, se tengo las
I quei podemos fazer para que ls benidei- nun hai naide que tamien se puoda agabar. feturo poderá tener an Tierras de Miranda.
palabras, ye cumo se l fura”
ros nun mos acúsen que fumos nós ls culpa- Cada tierra, segundo l sou modo de ser, Mas ten que ser ua cousa bien pensada, cun
dos que deixemos perder l tal balor cultural amanha dua maneira çfrente la sue ounida- pies i cabeça, struturada i que tenga pouco a
[José Saramago, O Conto da Ilha dua riqueza ansustituible? You cuido que l de i al spressá-la dá-se de cunta deilha, de la ber cun l que se passa agora, que qualquier
Desconhecida]. haberá que fazer i que stá al alcance de mui- sue eisistença. Nien un rei, nien ua bandeira, un que steia de besita a Tierras de Miranda
tos ye ua cousa bien simples i bien pouco nien ua eiquipa de futebol, nien outra cousa ten que rebuscar bien para sbarrar cun un ca-
“L pior era un home nun poder falar” custosa. Nun ye más que dá-le al mirandés la qualquiera puode ser l’ancarnaçon dun gru- chico de mirandés. Bien cabilado, isto puode
oubi-le you dezir muita beç a Abílio Cas- serbentie primaira de qualquiera lhéngua, que po cumo ye la sue lhéngua; la lhéngua ye l dar denheiro i ajudar a criar riqueza. Nun l
queiro quando, de serano, se ponie a relatar ye serbir cumo ferramienta de quemunicaçon beneiro ounificador de l grupo social, sasti- aporbeitando, será, cumo tal, ua acumparan-
de cumo era datrás, ne l tiempo de la Bielha duas pessonas cun las outras i botar acá para fai la sue necidade anteletual de saber i de ça, yá que se fala de denheiro, tener ua pita
Senhora. I nun dezie mintira niua!, que isto fuora sentimientos i eideias. Dezido doutra cumprender i sirbe de stribo a to las outras de ls uobos de ouro, i, nun digo matá-la, mas
de un nun poder dezir l que se pensa ye an maneira: falá-lo i screbí-lo i lé-lo – ousá-lo! rialidades. An poucas palabras, acabando- deixá-la morré-se a la míngua sien le botar
berdade cousa bien triste. Normalmente, cumo outra lhéngua qualquie- se l Mirandés, deixa de haber mirandeses i uas manadas de grano.
A mi lhembra-se-me isto muita beç, que, ra, cun la çfréncia de que esta ye la nuossa, i l que se chama cultura mirandesa. Nien you Buono, la scrita yá  bai lharga, tanta fara-
ne l que respeita al mirandés, mesmo agora, debemos tener l gusto – i até l deber, más nun antendo cumo hai tanto que se diç mirandés, malha por bias de l mirandés, nun bal la pena 
cun la tal Senhora yá muorta i anterrada, peç seia moral, de cidadanie – de la falar. cun muita proua, i apuis pregunta-se-le i diç que ye más que cierto que bai a zaparcer, a
que inda nun mos acabemos bien de cumben- Mas quei se bei? Tirando-se meia dúzia que nun sabe falar mirandés i nien quier sa- acabar, stá cundanado yá quantá, dezireis bós,
cir que yá se puode falar i screbir i anté studá- deilhes, ls outros cuntinamos a spreitar por- ber disso para nada. Ora, bonito serbiço! You cumo you oubo muito dezir por ende. You su-
lo ó studar ousando l mirandés. Nun sei se fui riba l ombro cada beç que falamos mirandés, ne ls outros países nun sei cumo ye, mas acá bre isso de nun baler la pena, de cundanaço-
de andar tantos anhos de spina drobada, agora peç que cun bergonha de nun quedar bien ó peç-me que para poder pedir la nacionalidade nes i de que pouco sirbe lhuitar, deixo solo
peç que agarremos ua fogaça nas cuostas que mei cun miedo, nun seia pori que inda steia pertuesa ten que se fazer proba - fazer proba, dues noticas, mesmo para ancerrar: la pur-
nun mos las deixa andreitar bien dreitas. un chibo de la PIDE a la squina para mos que se beia bien - que se conhece i se sabe meira ye lhembrá-bos que l mirandés yá zde
Muito mirandés, talbeç  la más grande acusar que falamos charro. I fazemos mal ousar la lhéngua pertuesa, quando nó nun le l séclo XIX que stá “çpedido de ls doutores”,
parte i you nun me stou a botar de fuora, ten an nun aporbeitar esta riqueza que tenemos, dan l papel i nun puode ser pertués. i cien anhos apuis, al menos scrito, cuido que
muita proua cun l mirandés, cousa i tal, que quaije se puode dezir que dá Dius las nuozes Por falar an Pertual, quien manda tamien nunca habie tenido tanta salude; la segunda
ye ua lhéngua recoincida pul Stado, que ye – neste causo las lhénguas -, a quien nun ten podie botar ua mano más bien botada. Para ye un dito que nun ye de tiu Abílio Casqueiro,
ua proua para todos, que ye un balor cultu- dientes, ó a quien s’ambergonha de las que- alhá de le botar más fé al ansino de l miran- mas nun deixa de ser menos berdadeiro que
ral único i dua grandeza sien pareilho, que ye mer, al menos na praça. Ye que nisto de traços dés na scuola, cun porgramas, lhibros i ante- ls del: isto de feturar l feturo, de perber l que
Dius ne l Cielo i l mirandés na Tierra, mas culturales, eidentatários, património cultural graçon curricular, para nun dezir más, l nuos- bai a passar manhana, solo hai dues maneiras
apuis, quando toca berdadeiramente a fazer i cousas assi, nós tenemos muito i buono: ua so goberno, que le gusta tanto botar farroma – ó ser bruxo ó, la mas cierta, ye sermos nós
que andamos d’a par cun ls países más aban- a purpará-lo i a custruí-lo.

20 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 21
CULTURA

“Na Intuição do Tempo” AGENDA CULTURAL


BRAGANÇA
Cinema
Forum Theatrum
Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo
S. C. Até dia 10 de Março, Sala 1
Invictus / Chovem almôndegas
Até dia 10 de Março, Sala 2
Tenente-Coronel António Dia dos Namorados
Até dia 10 de Março, Sala 3
Lopes apresenta livro em Exposição
Centro Arte Contemporânea Graça Morais
Torre de Moncorvo Read My Lips - O Resto da História (1999-
2009) - de Luís de Melo
Até dia 30 de Março
Uma viagem pelo tempo é a pro- A Procissão - Desenho, Pintura e Fotogra-
posta da mais recente obra do Tenen- fia 1999-2000 - de Graça Morais
te-Coronel António Lopes, mais co- Até dia 30 de Março
nhecido como António Sá Guê. Teatro
Teatro Municipal
Natural do concelho de Torre de Baal/17 - Caravan Cabaret
Moncorvo, o autor escolheu esta lo- Dia 12 de Março, às 21h30
calidade para apresentar o livro “Na Música
Intuição do Tempo”, perante uma Teatro Municipal
V Capote
plateia repleta de leitores e admira- Festival de Tunas Femininas de Bragança
dores. Dia 13 de Março, às 21h30
Os interessados podem, assim, Exposição
encontrar nesta obra um ensaio e ro- Centro Cultural - sala 1
Calejo - Fotografia de Luís Filipe Folgado
mance, onde não existe uma cronolo- De 11 a 31 de Março
gia de tempo. Uma viagem pelo tempo é a proposta do autor Centro Cultural - sala 2
A par deste evento, e também in- no Centro de Memória de Torre de Apesar de não ter qualquer formação Ao redor de Pedras Rolantes do mar
- Desenhos de Sileno JP.
serida no programa das Festividades Moncorvo, a mostra integra 30 tra- académica na área das Artes Plásticas, De 11 a 31 de Março
das Amendoeiras em Flor, decorreu a balhos de desenho e pintura. Gomes da Rocha pinta por paixão, Diversos
inauguração da exposição “Sem Es- Recorde-se que o artista e advo- tendo já exposto outros trabalhos no Livraria Rosa d’Ouro
cola nem Escala”, de Gomes da Ro- gado nasceu no Porto e esteve, du- Ateneu Comercial do Porto ou na Cãs Apresentação do Livro O Comboio Vadio
Dia 10 de Março, às 18h00
cha. Patente até ao próximo dia 21, rante dez anos, ligado ao jornalismo. do Douro, no Peso da Régua. Auditório da Casa da Seda
Histórias com Ciência
Dia 13 de Março, às 15h00

FREIXO ESPADA À CINTA


Cinema

Medula a fábrica Auditório Municipal


Step Up 2
Dia 12 de Março, às 21h30
Exposição

da Vida
Auditório Municipal
Exposição de fotografias da Escola:
Olhares da minha terra
De 15 de Março a 9 de Abril
Música
Espaço Multiusos
S.C. tiusos de Miranda do Douro. V Encontro Ibérico de Tinas Universitárias
A mostra, que tem passado um Dia 13 de Março, às 21h30
pouco por todo o País, integra 102
Miranda do Douro recebe painéis de azulejos executados por
MACEDO DE CAVALEIROS
exposição itinerante várias instituições que visam, deste
Exposição
Centro Cultural
modo, alertar para esta problemá- Exposição de Fotografia “Transparência/
Sensibilizar para a importância tica. Reflexão”, de Hermano Marques
De 12 a 31 de Março
da doação de sangue é o objectivo A iniciativa está aberta à par-
Teatro
da exposição itinerante, “Medula ticipação das escolas do concelho Peredo
a fábrica da Vida, patente”, até ao que podem colaborar na campa- A minha vida dava um filme
próximo dia 13, no Pavilhão Mul- nha. Grupo de Teatro AJAM
Dia 13 de Março, às 21h00

MIRANDELA
Cinema
Cinema
Macedo Duas Amas de Gravata
Dias 12 e 13 de Maro, às 21h30
Exposição

Tunas animam Centro Cultural Auditório Municipal


Medula: A Fábrica da Vida
Exposição de painéis de azulejos
De 16 a 26 de Março

Pelo sétimo ano, o Serenata a Ma- mica da Universida- VILA REAL


cedo – Festival de Tunas animou as de Fernando Pessoa, Exposição
dezenas de pessoas que marcaram considerada a melhor Museu do Som e da Imagem
Rádios gira-discos
presença no Centro Cultural de Ma- Serenata e Pandeireta Até 30 de Abril
cedo de Cavaleiros, na noite do pas- e, finalmente, a Estu- Música
sado sábado. dantina Académica de Teatro de Vila Real - Café-Concerto
Em noite dedicada à vida e mú- Castelo Branco, que A Jigsaw
Dia 11 de Março, às 23h00
sica académicas, subiram ao palco a ganhou o prémio de
Diversos
Tuna-Mus – Tuna Médica da Univer- segunda melhor tuna, Teatro de Vila Real
sidade da Beira Interior, que venceu o de Tuna mais Tuna Pequeno Auditório
o prémio de melhor tuna, melhor So- e melhor Porta-Es- Fio Prumo
Dia 12 de Março, às 22h00
lista e Instrumental, a Tuna Acadé- tandarte. O palco foi animado com as músicas académicas

22 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


Camp. Distrital Infantis 2 ARGOZELO
VINHAIS 1
Campo do Argozelo

Uma autêntica final


xaram tudo em campo para Árbitro – Fernando Lhano (AFBragança)
tentar inaugurar o marcador. EQUIPAS
Na segunda metade hou-
Pedro Vila Nuno I
ve mais Argozelo no contexto
Zamalek Nuno II
de jogo colectivo, com Teixei- (Amândio 71”) Pik
ra a ler bem o jogo e a colo- Adolfo Joli
car atletas mais pesados em Jorginho (Samuel 83”)
campo. Tirou dois extremos, (Serginho 55”) João
Jorginho e Pedro Martins, e Rato Infesta
vieram os golos nos últimos Nuno Pedro
Kita (Filipe 89”)
14”, com Kita a mostrar por-
Ricardo Diz Tiago
que é que é o melhor jogador Luizinho Ricardo
do campeonato e provas dis- Paletas Márcio
tritais, carimbando 2 golos de Pedro Martins
grande ponta de lança. (Joel Jarrete 55”)
Ainda empatou o Vinhais,
TREINADORES
mas o contra ataque da equi-
Fernando Teixeira Carlos Garcia
pa visitante não funcionou,
Estado do pelado complicou jogo porque o terreno não ajudou. Golos: Kita 74”, 85”, Rui 83”
Foi um verdadeiro jogo campo. Mesmo assim, não Argozelo, num livre directo No rescaldo, dois casos no Disciplina: Jorginho, Ricardo Diz e
de futebol, num campo trans- faltou quem quisesse marcar que deixou sensação de golo jogo para o juiz resolver: a Luizinho (Argozelo) Pik, Joli, Infesta e
formado em lamaçal, onde os e foi o Vinhais a criar a pri- nas bancadas de golo. O esfé- provável expulsão de Nuno I Pedro (Vinhais)
atletas conseguiram mostrar meira oportunidade, numa rico raspou a rede lateral e to- (Vinhais), que defendeu fora
uma categoria digna de pro- cabeçada de Ricardo na linha dos ficaram convencidos que da área com a mão e deveria encoberto. Apesar do estado
fissionais. de golo. Com Pedro Vila bati- a bola tinha entrado, inclusi- ser expulso, e um flagrante do campo, acabou tudo num
A primeira parte foi mais do, foi um defesa da casa que ve o próprio guarda-redes do penalti a favor do Vinhais, grande jogo de futebol, com
física com a bola a emperrar tirou o golo aos visitantes. Vinhais. Até ao intervalo, os que o auxiliar deveria ter grandes jogadores e vitória
no autêntico lago que era o Respondeu de seguida o jogadores não pararam e dei- visto, porque o juiz estava justa.

AF Bragança - Taça 1 MOGADOURENSE


MIRANDÊS 2
Estádio Municipal de Mogadouro
Árbitro – Rui Paulo (AF Bragança)

Mirandês na frente EQUIPAS


Mocas Garcia
Beto Antonio
Filipe Leonel
CARLOS RIBEIRO sou o responsável”. Jhon Luis João
O Mirandês foi à procu- Vidinha Samuel
A primeira parte da ra do prejuízo e beneficiou Pires V Hugo
meias-finais da Taça já esta a de um livre. V Hugo não deu Nené Luís Couto
favorecer o Mirandês, mesmo possibilidades ao guarda-re- Marcos Armando
que a equipa da casa tivesse des Mocas, que rendeu o titu- Paulo Bruno
Flávio Licinio
entrado forte e marcado pri- lar Bruno.
Rogério Arlindo
meiro, por Beto. Mais tarde o mesmo V Beto Tino
Assistiram-se a grandes Hugo rematou forte da zona Lagoa
momentos de bom futebol frontal e, na recarga, Licínio Altino
por parte da equipa da casa, marcou o segundo para os
TREINADORES
que se viu privada de 6 titula- mirandeses. Mirandês venceu derby do Planalto
res. Mas, como diz o técnico Na 2ª parte o jogo foi mui- Carlos Azevedo Chico Parreira
do FC Mogadourense, Carlos to equilibrado e com poucas ceiro golo, só que a bola foi ao grande arbitargem de Rui Golos: Beto 10”, V Hugo 30”, Licínio 35”
Azevedo, “a culpa é minha e oportunidades, mas Arlindo ( ferro. Paulo, que aliás já lhe é habi-
não dos jogadores. Eu é que Mirandês) teve nos pés o ter- Grande jogo, com uma tual. Agora falta a 2ª mão.

16 33 34 36 38 47 7

7 11 18 29 42 6 7

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 23


NORDESTE DESPORTIVO

CLASSIFICAÇÕES

III Divisão A 5 MORAIS
M. FONTE 3
Liga Sagres Liga Vitalis AFB Estádio de Santo André - Francisco

22ª. Jornada
Classificação
22ª. Jornada
Classificação
17ª Jornada
Classificação
Que Vicente, Bruno Costa e António Trindade
EQUIPAS
Armando Miguel

jogão!
Clubes P J Clubes P J Clubes P J Ismael Nuno Mendes (cap)
1 Oliveirense 39 22 1 Argozelo 43 16
1 Benfica 55 22
2 Portimonense 38 22 2 Rebordelo 41 17 Ibraima (Bé 45’ por lesão)
2 Sp. Braga 52 22
3 FC Porto 44 22
3 Beira-Mar 37 21 3 FC Vinhais 38 17 Rui (Denilson 75’) Fredy
4 Santa Clara 36 22 4 Mirandês 35 17
4 Sporting 35 22
5 Feirense 34 22 Passi (Filipe 88’) Rui Novais
5 V. Guimarães 30 21 5 Vila Flor 32 16
6 U. Leiria 30 22
6 Desp. Aves 31 22
6 Talhas 29 16
Apesar do domínio, em Stigas (cap) Diogo
7 Fátima 30 22
7 P. Ferreira 29 22
8 Trofense 29 22 7 Mogadourense 26 17 quase toda a partida, dos tras- Karaté Pedrinho
8 Nacional 29 21
9 Rio Ave 28 22
9 Freamunde
10 Estoril Praia
26
26
22
21
8 Alfandeguense 25 17 montanos que continuam a ser Alex (Renato 69’) Rui Abreu
9 Sendim 16 16
10 Marítimo 27 22
11 Varzim 26 22 10 Carção 12 17 lanterna vermelha, quem en- Rudi Gonçalo (Pikua 43’)
11 Naval 26 22
12 Académica 24 22
12 Gil Vicente 25 22
11 Vimioso 10 16 trou melhor foram os minho- Paulo Arrábidas Rui Lima
13 Penafiel 25 22
13 Olhanense 20 22 12 CCR Lamas 9 17 Lixa Hélder (Jussane
14 V. Setúbal 17 22
14 Chaves
15 Sp. Covilhã
24
24
22
22 13 GD Poiares 7 17 tos, marcando cedo, mercê dum
15 Leixões 15 22 65’)
16 Belenenses 11 22
16 Carregado 14 22 14 GD Milhão 5 16 primeiro quarto de hora digno
Rafinha
Resultados do grupo dos seis melhores.
Resultados Resultados TREINADORES
V. Setúbal  0-0  Sp. Braga Chaves  1-1  Beira-Mar GD Milhão  1-1  Rebordelo Deixando antever que o jogo
Marítimo  0-0  Académica Estoril Praia  0-0  Santa Clara Carção  1-2  Mirandês estava decidido apenas faltando Lopes da Silva Artur Correia
Belenenses  0-4  Sporting Oliveirense  3-1  Trofense Talhas  ADI  Vila Flor
FC Porto  2-2  Olhanense Feirense  1-1  Freamunde
Sendim  ADI  Argozelo
a expectativa do volume de go-
Fátima  1-0  Desp. Aves Golos: 3-1 ao intervalo – 0-1 Diogo 9’, 1-1
U. Leiria  2-1  Leixões
Varzim  2-1  Gil Vicente Vimioso  3-4  Alfandeguense los da sua vitória. Mas o Morais
Rio Ave  0-0  Naval Rui24’, 2-1 Paulo Arrábidas 30’, 3-1 e 4-1
V. Guimarães  08/03  Nacional Sp. Covilhã  1-0  Carregado Mogadourense  1-2  FC Vinhais reagiu com carácter e atitude de Rui 33’ e 48’, 5-1 Alex 51’, 5-2 Rui Lima
Benfica  3-1  P. Ferreira Portimonense  1-3  Penafiel GD Poiares  1-3  CCR Lamas
imediato, reorganizou-se bem 54’, 5-3 Jussane 89’
Próxima Jornada Próxima Jornada Próxima Jornada defensivamente, o meio campo
Santa Clara  13/03  Portimonense
Disciplina: Lixa 41’, Rui Novais 17’,
Sporting  14/03  V. Guimarães
Leixões  14/03  V. Setúbal Gil Vicente  14/03  Feirense GD Milhão  14/03  Mogadourense vestiu o fato macaco e o ataque Rafinha 23’, Gonçalo 30’, e Pikua 90’+1
Rebordelo  14/03  Carção
Nacional  14/03  Benfica Beira-Mar  14/03  Varzim
Freamunde  14/03  Chaves Mirandês  14/03  Talhas
passou a ser melhor servido,
Naval  12/03  U. Leiria
Académica  13/03  FC Porto Desp. Aves  14/03  Sp. Covilhã Vila Flor  14/03  Sendim criando boas situações. Adi-
Olhanense  14/03  Belenenses Penafiel  14/03  Fátima Argozelo  14/03  Vimioso
P. Ferreira  15/03  Marítimo Trofense  14/03  Estoril Praia vinhava-se o golo do empate, espaços a um dos mais favoritos
CCR Lamas  14/03  FC Vinhais
Sp. Braga  13/03  Rio Ave Carregado  14/03  Oliveirense
Alfandeguense  14/03  GD Poiares que surgiu perto da meia hora a subir de divisão. E fica a ques-
pelo homem do jogo, Rui que tão se este final da primeira fase
III Divisão Série A Nacional Juniores C fez hat trick, e Paulo Arrábidas do campeonato significa que a
III Divisão Série B
num livre do meio da rua co- fase final vai trazer a surpresa
21ª Jornada 21ª. Jornada 22ª. Jornada lossalíssimo e a levar fogo con- da grande ambição das gentes
Classificação Classificação
Classificação Classificação firmaria o melhor período dos de Morais… continuar na 3ª di-
Clubes P J Clubes P J Clubes P J locais atingindo-se o descanso visão. Questão pertinente, até
1 Macedo Cavaleiros
2 Mirandela
45
41
21
21
1 AD Oliveirense
2 Amarante
36
35
21
21
1 V. Guimarães 60 22 com um tranquilo 3-1. Regres- porque o Maria da Fonte não
2 Sp. Braga 49 22
3 Bragança 37 21 3 Fafe 35 21
3 Bragança 43 22
so endiabrado e moralizado dos jogou abaixo da sua qualidade,
4 Valenciano 34 21 4 Joane 34 21
5 Maria da Fonte 34 21 5 Famalicão 32 21 4 AD Barroselas 37 22 pupilos de Lopes da Silva e o 4- bem pelo contrário, fez um bom
6 Limianos
7 Montalegre
31
28
21
21
6 Vila Meã
7 Leça
32
31
21
21
5 Gil Vicente 33 22 1 e o 5-1 surgem nos primeiros jogo. O Morais é que foi supe-
6 Varzim 29 21
8 Santa Maria FC 24 21 8 Torre Moncorvo 27 21 7 Vizela 27 22 6”, entrando-se num período de rior e as dificuldades criadas
9 Fão 23 21 9 Rebordosa 25 21
10 Amares 22 21 10 Serzedelo 23 21
8 Famalicão 27 22 equilíbrio com o golo a cheirar pelo adversário mais realçam
9 Marinhas 26 22
11 Marinhas
12 Morais FC
20
16
21
21
11 Infesta
12 Pedrouços
22
10
21
21 10 Chaves 19 21 ambas as balizas, conseguindo e temperam tão justa como im-
11 Ribeirão 15 22 o Maria da Fonte ser mais eficaz portante vitória.
Resultados Resultados 12 ARC Paçô 7 22
AD Oliveirense  3-0  Amarante
que o Morais reduzindo para o Quanto aos árbitros um ex-
Santa Maria FC  5-1  Montalegre
Bragança  5-2  Fão
Fafe  1-1  Leça final 5-3. É caso para se pergun- celente trabalho, ultrapassando
Torre Moncorvo  3-2  Rebordosa
Morais FC  5-3  Maria da Fonte Vila Meã  1-2  Serzedelo tar onde tem andado este Mo- bem as dificuldades do terreno
Limianos  2-1  Amares Pedrouços  0-4  Infesta Resultados rais tão personificado, tão con- mas, muito ajudados pela ex-
Valenciano  1-1  Macedo de Cavaleiros Famalicão  1-0  Joane
Marinhas  1-3  Mirandela
Varzim  07/03  Chaves cretizador e a conseguir retirar trema correcção dos atletas.
Próxima Jornada Próxima Jornada AD Barroselas  1-0  Gil Vicente
ARC Paçô  0-4  Famalicão
Fão  14/03  Santa Maria FC Joane  14/03  AD Oliveirense
Amarante  14/03  Pedrouços
V. Guimarães  7-1  Marinhas
Maria da Fonte  14/03  Bragança Bragança  6-1  Ribeirão
Amares  14/03  Morais FC Rebordosa  14/03  Vila Meã
Macedo de Cavaleiros  14/03  Limianos Serzedelo  14/03  Famalicão Vizela  1-3  Sp. Braga
Mirandela  14/03  Valenciano Leça  14/03  Torre Moncorvo
Montalegre  14/03  Marinhas Infesta  14/03  Fafe

Resultados
Futsal - I Divisão Mogadouro  4-6  Belenenses
Vila Verde  3-4  Boticas
20ª. Jornada Alpendorada  3-5  Freixieiro
FJ Antunes  3-2  SL Olivais
Classificação Sporting  8-1  Onze Unidos
AD Fundão  1-1  AAUTAD/Real Fut
Clubes P J Clubes P J Inst. D. João V  6-2  Benfica
1 Belenenses 52 20 8 Mogadouro 27 19 Próxima Jornada
2 Sporting 47 20 9 Boticas 26 20
3 Benfica 46 20 10 FJ Antunes 26 20 Benfica  13/03  Mogadouro
4 Inst. D. João V 34 19 11 SL Olivais 19 20 Belenenses  13/03  Vila Verde
5 Freixieiro 33 20 12 AAUTAD/Real Fut 12 20 Boticas  13/03  Alpendorada
6 AD Fundão 29 19 13 Vila Verde 10 20 Freixieiro  13/03  FJ Antunes
7 Alpendorada 27 20 14 Onze Unidos 6 19 SL Olivais  13/03  Sporting Nem o lamçal travou o Morais
Onze Unidos  13/03  AD Fundão
AAUTAD/Real Fut  13/03  Inst. D. João V
Resultados Futsal Distrital Resultados
14ª Jornada
Futsal - III Divisão - Série A Amanhã Criança  6-4  Barranha SC
Santa Luzia  5-7  Macedense
CA Carviçais  5-4  SC Moncorvo
Stº Cristo  ADI  UD Felgar
19ª. Jornada
A.R.C.A.  2-6  Paredes
Guimarães Futsal  09/03  Contacto
Classificação GD Poiares  6-4  GDC Roios
Clubes P J C. Ansiães  6-5  Torre D. Chama
Junqueira  3-3  Chaves Futsal Vila Flor  4-4  FC Mirandela
Classificação Mondim de Basto  4-6  Monte Pedras 1 C. Ansiães
2 Vila Flor
39
32
15
15
Clubes P J Clubes P J 3 FC Mirandela 28 15
Próxima Jornada 4 SC Moncorvo 26 14
1 Chaves Futsal 50 19 8 Paredes 27 19
Macedense  13/03  Barranha SC 5 Torre D. Chama 21 15 Próxima Jornada
2 Junqueira 38 19 9 Gualtar 23 19
Paredes  13/03  Santa Luzia 6 GD Poiares 20 13 SC Moncorvo  13/03  Vila Flor
3 Barranha SC 36 19 10 Guimarães Futsal 19 18
Contacto  13/03  A.R.C.A. 7 GDC Roios 15 15 UD Felgar  13/03  CA Carviçais
4 Contacto 35 18 11 A.R.C.A. 18 19
Chaves Futsal  13/03  Guimarães Futsal 8 Stº Cristo 10 13 GDC Roios  13/03  Stº Cristo
5 Mondim de Basto 32 19 12 Amanhã Criança 17 19
Monte Pedras  13/03  Junqueira 9 CA Carviçais 9 14 Torre D. Chama  13/03  GD Poiares
6 Monte Pedras 31 19 13 Pioneiros Bragança 13 18
7 Macedense 30 19 14 Santa Luzia 9 19 Gualtar  13/03  Mondim de Basto FC Mirandela  13/03  C. Ansiães

24 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

III Divisão A 5 GDB


FÃO 2
Estádio Municipal de Bragança

Jogo aberto
Árbitro – Ricardo Moreira (Porto)
EQUIPAS
Ximena Pinho
Fernando Silva Mosca
Rui Gil Ruben
Marco Móbil Zito
O GD Bragança e o Fão ao Macedo, que empatou em Mirko Fial
jogaram uma partida com- Valença do Minho. Luís Rodrigues Jerónimo
pletamente aberta, à procura Logo aos 3”, Carioca abriu Xavier Hélder Silva
de um resultado positivo e as hostilidades, ao marcar o Jaime Tiago
em frentes diferentes. golo do Fão. Mas o pior veio Badára Carioca
Os minhotos queriam por Ebongué, que pregou um Pedrinha Chiquinho
Pinhal Ébongué
pontuar para evitar a despro- susto a todos no Estádio, ao
V Hugo Luís Pedro
moção e o Bragança garantir cair repentinamente no rel- Valentim Nandinho
uma aproximação ao primei- vado inanimado. Valadares
ro lugar. Os donos da casa ga- O atleta foi assistido no
nharam o jogo e dois pontos local e foi transportado ao GDB aproxima-se dos primeiros TREINADORES
Carlitos H. G.

Golos: Carioca 3”, Marco Móbil 10”,


Hospital de Bragança, mas
III Divisão B 3 MONCORVO
REBORDOSA
Complexo Desportivo Eng.º José Aires
2 tudo não passou de um gran-
de susto.
Jaime 23”, Badara´44”, 57”, Valadares
85”, Ximena (própria Baliza) 90+4.
Disciplina: Amarelos – Carioca 10”.
O jogo seguiu, com reac-

Jogo com duas


Árbitro – Gonçalo Carreira (AF Castelo Branco)
ção da equipa da casa, em-
EQUIPAS
pate de grande penalidade caricato do jogo foi o 2º golo
Vítor Bruno Paulo Freitas por Marco Móbil, num jogo do Fão, com Ximena a dar a

reviravoltas
Leandro Amado de igual para igual e, acima rizada da tarde, ao marcar na
Zé Borges Moreira
de tudo, oportunidades não própria baliza.
Glauber (Leal 83´´)
Pedro Borges Celso
faltaram Às duas equipas. O O juiz passou despercebi-
Paulo Dores Marqueiro clube da casa foi mais prag- do no meio de duas equipas
Filipe Mesquita Nimi mático, marcou por 5 vezes totalmente desinibidas à pro-
(André Pinto 75´´) Paulo Sousa e acabou com o jogo em ter- cura do golo. Talvez um 8-4
Flávio Gustavo mos de pontuação. O mais fosse mais justo.
Rafa Joel
(Valdinho 45´´) Mário André
Joca (Cristelo 77´´)
Elísio Silvério
(Gouveia 67´´)

TREINADORES
Nacional da Terceira “A”
Sílvio Carvalho Carlos Barbosa

Golos: Elísio 18´´; Silvério 28´´; Gouveia


Mirandela vence nas
Moncorvo esteve sempre melhor

Vítor Aleixo No segundo tempo, o


70´´; Valdinho 74´´ e Joca 87´´.
Disciplina: Amarelos – Gustavo 54´´;
Filipe Mesquita 54´´; Celso 64´´; Leandro
Marinhas e Macedo
Os atletas da casa entra-
Moncorvo voltou a entrar
melhor e a aproximar-se com
68´´; Marqueiro 73´´ e 80´´;Gouveia 90´´.
empata em Valença
ram melhor e exemplo disso mais perigo à área forasteira, da casa em vantagem, para
foi o golo marcado por Elísio, mas, como quem não marca contentamento dos adeptos O ponta de lança do Miran- sempre superior e acabou por
aos 18 minutos. A reacção do sofre, foi o Rebordosa que moncorvenses. O Rebordosa dela, Maktar, fez dois dos perder mais duas ou três oca-
Rebordosa não se fez sen- passou para a frente do mar- ainda tentou esboçar alguma três golos do S C Mirandela, siões de aumenra o palcard.
tir e era o Moncorvo quem cador, com Gouveia a apro- reacção, mas, depois da ex- em Marinhas. Na vitória, Já o Macedo de Cavalei-
continuava a comandar as veitar uma desatenção do pulsão de Marqueiro, as coi- por 3-1, o 3º golo foi da au- ros empatou em Valença do
operações, mantendo a pos- guardião moncorvense. sas complicaram-se para os toria de Rui Borges, quando Minho, a um golo. Luizinho
se de bola e rematando mais Mas, o Torre de Moncor- atletas do concelho de Pare- o marcador ditava 3-0 para marcou para a equipa de Vi-
à baliza defendida por Paulo vo iria aparecer, novamente, des, que somaram em Mon- os transmontanos. Já na larinho, aos 20”, e, ainda na
Freitas. Mas foi o Rebordosa na frente do jogo, primeiro corvo mais uma derrota. compensação, o Marinhas primeira parte, Ibison fez fal-
quem aproveitou uma falha ao minuto 74, Valdinho re- A equipa de arbitragem reduziu através da concreti- ta para grande penalidade,
defensiva da turma da casa e mata para o fundo das redes foi a pior em campo, come- zação de uma grande pena- foi expulso, e o Valenciano
restabeleceu a igualdade, re- de Paulo Freitas, e a três mi- tendo diversos erros, que por lidade. empatou. O Macedo jogou
sultado que era registado ao nutos do final é Joca quem vezes condicionaram o espec- Foi uma grande parti- 50” com 10 elementos, mas
intervalo. coloca, novamente, os donos táculo. da, onde o S C Mirandela foi conseguiu trazer um ponto.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 25


NORDESTE DESPORTIVO

Juniores C 7 BRAGANÇA
RIBEIRÃO 1
Campo da CEE

Houve encanto na despedida


Árbitro – Sílvio Carvalho (Bragança)
EQUIPAS
André Reis Sérgio
Esteves Pacheco
Acabou em 3º lugar este ram as contas do campeonato António Moreira
Ivo Costinha
GD Bragança. Na altura, arrumadas. Não é hora para
Gonçalo C Manuel
quando começou o campeo- lamentações, ainda faltam Luís Trigo Dani
nato, só o treinador e alguns fazer algumas contas para a Chiquinho Diogo
familiares se juntaram a um 2ª fase, mas o GD Bragança, Rui Alves Pedrinho
grande dirigente, Luís Gon- com 43 pontos, em 3º, fica na Zé Lopes Portugal Ricardo
çalves. Não era profissional, história em juniores C. Quan- Nuno Sousa
mas parecia, nunca largou to à arbitragem, mais uma Luís Lisboa Ricardinho
Pikatchu André Moreira
os miúdos e viajou 11 vezes, vez Sílvio Carvalho mostrou
Dí Maria Gui
sempre com ordem, respei- que não é necessário apitar Jorge Luís Sá
to e muita disciplina. Assim muito para dirigir bem um Miguel Grande Peixoto
se fazem grandes jogadores. jogo de futebol. Perante a in- João
Na hora de terminar, com tempérie, mostrou estar em TREINADORES
7-1, fica a prova clara e ine- grande forma, calmo, sereno
Betinho Antas Jorge Couto
quívoca que esta equipa não e nada caseiro, como muitos
brinca a jogar à bola. Debai- foram ao longa da tempora- Golos:– Zé Lopes Portugal 14”, Chiquinho
xo de mais um temporal de da, deixando estes jogadores 31”, Luís Trigo 35”, 70” (gp) Nuno 54”,
chuva e frio, as duas equipas canarinhos fora da 2ª fase, Gonçalo 62”. Rui Alves 64”, Peixoto 70+2
jogaram com farripa e deixa- mas só, por enquanto. Bragança travou sempre o ataque minhoto

Distrital Juniores B 1 MIRANDELA


BRAGANÇA 4 Distrital Juniores B 3 MONCORVO
MONTES VINHAIS 0
Estádio S Sebastião Campo de Jogos Dr. Camilo José Sobrinho

Jogo
Árbitro – Rui Mouta / Bragança/ - Árbitro – Nélson Ramos (AF Bragança)
EQUIPAS
David Rafael
Vitória sem mácula EQUIPAS
Vítor Leonardo

de titãs
Duarte Caravana Pedro Pinto Fernando
Marco Parreira Vítor Aleixo gurou o marcador. João Trigo 80´´+1´´ Francisco
JP Francisco No segundo tempo, o João Luís Luís I
Ramires Ricardo Depois do deslize em Mi- Moncorvo ainda entrou me- Micael Óscar
Luís Quintas Nelson João Lourenço Porfírio
Um grande jogo de fute- randa do Douro, o Torre de lhor, trocando a bola e procu-
Ricardo Marco Padrão (Nuno 40´´) Ricas
bol com um resultado fora do Luca Toni Zé Pedro
Moncorvo regressou às vitó- rando espaços para sair rapi- Nicolas Marcelo
normal. Zé Luís Eddas rias no campeonato distrital damente em contra – ataque. Tiago (Luís II 46´´)
A diferença de golos po- Pedro Praça de juvenis, desta vez frente ao Assim foi com Carlitos a ga- (Mário 76´´) Ricardo
derá levar as pessoas a pen- Toni Alla Gralho Montes Vinhais. A equipa da nhar espaço e com a baliza Carlitos Miguel

sar que foi tudo a correr para


Luís Eugénio casa esteve quase sempre me- escancarada amplia para 2-0. João Pedro (Tiago II 80´´)
Aires Valdo lhor que o adversário, criou Pouco tempo depois, o Diogo Marcelo Tiago I
o lado dos canarinhos, mas, André Lourenço Pedro Andradea
nada disso. O Bragança con- as melhores oportunidades mesmo jogador desperdiça
cretizou, enquanto que o Mi- TREINADORES de golo, geriu melhor a posse uma grande penalidade, en- TREINADORES
randela não. Ricardo Gomes Teixeira Alves de bola e mostrou mais con- viando o esférico ao travessão Urgel Carvalho Nuno Fernandes
O Eddas fez a grande di- junto. Mas, até ao golo de Ni- da baliza do Montes Vinhais.
Golos: Parreira 17”, Eddas 30”, Zé Pedro colas, a bola teimava em não Os forasteiros bem tentavam Golos: Nicolas 36´´ e Carlitos 50´´ e 78´´.
ferença dentro do campo, na 60,71”, Ricardo 64” Disciplina: Amarelos – Nicolas 25´´; Mar-
transposição de jogo, depois entrar na baliza de Leonardo. mas não conseguiam redu-
celo 37´´; João Lourenço 37´´ e Luís I 58´´.
foram dois pontapés do outro Primeiro foi a trave, depois o zir, até que, ao cair do pano,
acabou com 10 jogadores nos guarda – redes e o golo ficou surge o derradeiro golo e o
mundo de Zé Pedro e o Bra- últimos 5”, por lesão de Luís
gança acabou por marcar a adiado até ao minuto 36, al- resultado final de 3-0, que do Moncorvo demonstrou em
Quintas e, como já não havia tura em que Nicolas protago- se justifica tendo em conta o campo. A arbitragem foi re-
diferença. lugar a substituições, o jogo
O relvado de S. Sebastião nizou um remate forte e inau- comportamento que a equipa gular.
ficou mais calmo.
deu-se ao luxo de receber um Claro está que, Bragança e
jogo de futebol de alto ní- Mirandês vão ter uma palavra
vel competitivo e, por algum a dizer nesta prova, porque
acaso, os visitantes apresen- o Mirandela começou mal a
taram alguns jogadores do prova e, embora permaneça
nacional de juniores A (ainda na luta, começa a afastar-se.
pendente da manutenção). Se De referir que, David saiu le-
essa foi uma diferença, então sionado, mas sem gravidade,
estamos em grande na forma- o guarda-redes do Mirandela
ção da região. O Mirandela estará pronto para os próxi-
nunca se deu por vencido e mos jogos.
O melhor em campo terá
sido, por ventura, Eddas e,
logo a seguir, o árbitro da
partida. Zé Pedro já é conhe-
cido no grupo de trabalho de
G.D. Bragança como o “Bom-
bardeiro”, só golos a 30 me-
A tros já foram 3. Moncorvo recuperou da desilusão em Miranda

26 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Campeonato Distrital Infantis 9 ESCOLA CRRESCER


BRAGANÇA B 1
Campo da CEE - Árbitros – Pedro

Acompanhar
Lopes e André Vicente (Bragança)
EQUIPAS
Pedro Gouveia Luís Alberto

o trio
José Carlos Fernandes
Pedro Padrão J Filipe
Rui Dinis Dias Gabriel
Filipe Martins Leandro
A Escola Crescer tinha grande e Pedro Gouveia sem- Miguel Vinhas Francisco
Hugo Lopes Ruben
obrigatoriamente que ganhar pre atento, numa partida com
André Esteves Alexis
para acompanhar o trio que muitos golos, frio e gente. Kiko Vaqueiro Pedro Cabeça
está na luta pelo campeonato, Já na categoria de Es- Boris Leonardo
já que está tudo em aberto, colas, o Bragança B não foi Mário Machado João Santos
com Mirandês, Bragança A, muito feliz, pois perdeu com João Regino
Mirandela e a própria Escola a Escola Crescer por 18-2. Os TREINADORES
“ Azul Celeste”. golos ficaram distribuídos
Nuno Pereira F. Freixedelo
Foi uma vitória clara, mas pela Escola Crescer com 18.
nada de fácil, apesar da en- Este sim foi um jogo não Golos: Rui Dinis Dias 11”, 23”, 45”. 56”,
trega dos jogadores que foi só pelos golos, mas pela ale- Miguel Vinhas 22”, 43”, André Esteves
essencial para os 9-1. gria colocada em campo por 32”, Hugo Lopes 14”, Filipe Martins 55”,
Leandro 44”.
Luís Alberto esteve em todos.

Camp. Distr. Escolas 3 BRAGANÇA


MONCORVO 3 Escola Crescer marcou 9

Campo da CEE - Árbitros – Pedro Gon-


çalves e Rui Mouta (Bragança)

Muita EQUIPAS
Pedro Pereira
Diogo Morais
Carlos Cruz
Cavalheiro Escolas - Mãe d´Água 1 Montes Vinhais 5

gente Geraldo
Pedro José
Nuno Filipe
Sérgio
Rui Teixeira
Pedro Cordeiro
Infantis - Mãe d´Água 2 Montes Vinhais 6

fina
Ricardo Silva
Duarte Rodrigues
Rui Borges
Miguel Refoios
Fortunato
Meireles
Jorge Miguel Ca-
nadas
Vinhais imbatível
Filipe Luzio Pedro Carviçais
Bom jogo, emotivo, com André Santos Lucas Gouveia
seis golos repartidos e muitos Domingos Ferreira J Fernandes
perdidos.
TREINADORES
Na segunda parte do jogo
o mérito foi para o guardião Filipe Vaz Sílvio C. Júnior
do Moncorvo, Carlos Cruz, e Golos: Pedro José 8gp) 12”, Rui Teixeira
viu-se alguma falta de sorte 21”,43”,Nuno Filipe 24”,Duarte Rodrigues
do Bragança no último rema- 45”,Cavalheiro 47”
te.
Contudo, o resultado é
justo porque o Moncorvo jo- cinco bolas a uma com golos
gou sempre bem com a bola de Miguel Brás, Rui Miguel,
nos pés, perdeu poucos pas- Artur, Fábio e Reis contra um
ses e foi célere. golo de Samuel Pinto.
O futebol foi o verdadeiro O Bragança está na luta
vencedor, sendo que, nesta pelo campeonato ao lado de
categoria, temos gente fina um trio de respeito, o Miran-
para as próximas épocas. dela, Escola Crescer e Miran-
Destacar jogadores nesta dês.
contenda é muito difícil. Por isso, as próximas jor-
Na categoria de Infan- nadas prometem grandes de-
tis, o Bragança A venceu por safios e bons jogos.

Campeonato decide-se entre o Montes de Vinhais e a Escola Crescer

As escolas do Vinhais antes Diogo Duarte (por duas Em jogo de atraso em Es-
estão a 3 pontos da Escola vezes), Leo, Rodrigo e Renato colinhas, o Montes de Vinhais
Crescer. Só estas duas equi- Graça tinham marcado. Bom venceu o Alfandeguense por
pas podem chegar ao título e jogo, boa prestação de todos 11-0.No Campeonato Distri-
será, provavelmente, quando os atletas e o resultado aca- tal de Infantis, também num
se encontrarem em Vinhais ba por ser um pouco pesado, jogo em atraso frente ao ARA,
na 2ª volta que tudo fincará mas o Montes de Vinhais tem os vinhaenses bateram o ARA
decidido. O Mãe d Água deu uma grande equipa. por 7-1. Nestes jogos, desta-
luta, tem equipa e na próxima Em Infantis jogo sem his- que para a presença do presi-
temporada é mesmo o prin- tória, com 6-2 para os rapa- dente do clube, Hélder Mag-
cipal adversário destes dois zes do Fumeiro, com golos de no, que teve que se ausentar
candidatos. Couceiro (3),Daniel (2) e Lo- dos relvados por motivos de
O golo do Mãe d´Água lis, para o Mãe d´Água mar- saúde, mas já se encontra em
Equilíbrio foi a nota dominante do jogo teve a autoria de Xico, mas já caram Flávio e João. franca recuperação.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 27


NORDESTE DESPORTIVO

Escola Arnaldo Pereira em Lisboa


Visitas ao Estádio da Luz e Fotomontagem

ao Centro de Estágios, no
Seixal, deliciaram a comiti-
va bragançana
Os miúdos da Escola Arnaldo
Pereira partiram para Lisboa, le-
vando na bagagem a vontade de es-
tar ao lado do jogador de Futsal do
Benfica que dá o nome à Escolinha.
A alegria de ver o Benfica – Be-
lenenses no Estádio da Luz e jogar,
ao intervalo, no Pavilhão nº1 da
Luz, vislumbrava no rosto dos mais
pequenos.
Na chegada ao pavilhão, a sur-
presa de entrar em campo com os
melhores da modalidade. 37 joga-
dores em formação e 44 convidados Jogo no Pavilhão nº 1 da Luz. Histórico!

mais truques na manga, um deles


uma visita guiada ao interior do Es-
tádio da Luz, que estava sem gente,
mas cheio de mística. Com a Águia
Real presente, muitos jovens esta-
vam a viver um verdadeiro sonho.
A visita contemplou, ainda uma
passagem pelos balneários, onde os
bragançanos puderam ver o local
onde os craques se equipam para
os jogos, bem como pelos pavilhões
onde se disputam várias modalida-
des.
Arnaldo não mostrou estatuto
de craque, pois o que tem consegui-
do é por mérito próprio. Uma foto para mais tarde recordar
É conhecido, admirado e respei-
tado por cada sócio, simpatizante e
mesmo por pessoas de outras cores
Arnaldo Pereira com Fernando Saldanha clubistas. Fernando Saldanha não
deixou passar em claro esse mo-
encheram um quarto do pavilhão. mento e retorquiu perante o impo-
Bancadas ao rubro, estava em causa nente momento: “ Só este jogador o
o primeiro lugar, que, com o empa- consegue fazer!”.
te a quatro golos, com o Belenenses, A Loja Vermelha é um lugar de
acabou por se concretizar. peregrinação de qualquer benfi-
Com a claque bragançana a pu- quista que se preze. A comitiva, uns
xar por Arnaldo, o jogador marca pela causa, outros por simpatia e
o 3º golo do Benfica, contribuindo outros, ainda, por respeito, ainda
para o delírio total. O atleta não se deixou uns euros para trazer recor-
fez rogado e abraçou quem apare- dações.
ceu junto ao separador da bancada. Para finalizar a tarde, Arnaldo
O jogo acabou, mas seguiu-se a preparou uma visita ao Centro de
festa para a juventude que se tinha Estágios, no Seixal, onde também
deslocado da capital de distrito. O há uma Escola de Futsal Arnaldo
responsável pela Escola Arnaldo Pereira, do Centro Cultural das Pai-
Pereira, Fernando Saldanha, tinha vas. Pais acompanharam os filhos na grande viagem

28 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Distr. Juniores B

3 MÃE D’ÁGUA
ARA 3
Campo da CEE
Árbitro – Rui Sousa (Bragança)
EQUIPAS
Miranda Pires
Daniel Raul
Filipe Paulo
Ivo Sérgio Pereira
Abel André
Moisés André Torres
Miguel F Martins
Ângelo F Jorge
Filipe Rui
Costinha Castilho
Portela Ângelo
Diogo Coelho
-Mantorras Xavier
José
Fábio
TREINADORES
Chapinha J Nunes

Golos: Castilho 11”,André Torres 33”,Moi-


sés 52”, 78”,F Jorge 66”, Mantorras 82”

Golos são
sinal de
Festa
O ARA poderia ter vencido este
jogo, em Bragança, principalmente,
depois de ter alcançado uma vanta-
gem de 2-0. Uma equipa boa fisica-
mente, com jogadores a querer dar
nas vistas, mas algumas desconcen-
trações na defesa, permitiram o Mãe
D´ Água chegar ao 2-1 e, mais tarde,
ao 3-3. Foi um forcing final que tirou
os três pontos à maioria dos jogado-
res do Mãe d´Água, que ainda são ini-
ciados. Assim, com o Ara, foi, acima
de tudo, um jogo de fortes emoções.
Será necessário aprender algumas
questões tácticas, mas se os profissio-
nais falham, mal seria que estes jo-
vens não tivessem esse direito. Uma
chamada de atenção para quem mar-
ca os jogos. É que esta partida come-
çou muito, mas muito tempo depois
da hora marcada, ou seja, quase às 18
horas , quando tudo estava previsto
para as 17h. Por vezes, muito jogo
num só campo é o que dá, despesas
extras aos clubes e ponto final.

ARA esteve perto da vitória

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 29


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal I Divisão 4 AC MOGADOURO


BELENENSES 6 Futsal III Divisão 5 SANTA LUZIA
MACEDENSE 7
Pavilhão Da Junta Freguesia

Dinâmica de vitória
Árbitros – Pedro Paraty e V. Ocha (Porto)

Académi- EQUIPAS
Pina Marcão

co podia
Mancuso Marcelinho
Renato Pedro Cary
Ricardinho Paulo Henrique FERNANDO CORDEIRO
Allison Paulinho

ter Samuka
Bruno Pereira
Pin
Jardel
Coco
Sidney
O golo transmitiu níveis
de confiança aos locais, conse-
guindo 5’ de ascendente mercê
ganho Wallace Diego Sol
Fuska
de uma excelente organização
defensiva, transição rápida
TREINADORES para as costas da defensiva
Artur Pereira Alípio Matos forasteira e maior capacidade
de remate, mas Paxa era pare-
Um hino ao futsal foi o Golos: Allison 1”, Jardeel 7” e 36”, Sidney
de intransponível, com Play e
que se viu no Pavilhão da 9”,Renato 13”, Pin 22”, Ricardinho 25”,
Marcelinho 27”, Marcão (gr) 36”, Paulo Leonardo a saírem a jogar res-
Junta de Freguesia de Moga- pondendo muito bem a que só
Henrique 40”.
douro. faltava a finalização.
Logo no 1”, Allison mar- Macedense imbatível
O Macedense reorgani-
cou e deu vantagem aos do- só defendeu tudo, como mar- za-se, passa a defender alto e nima aos trasmontanos, mas um entrosamento e automa-
nos da casa. Jardel reparou o cou o golo que colocou a sua a impor o seu jogo redondo, o equilíbrio foi sol de pouca tismos muito altos,
marcador aos 7”, através de equipa em vantagem com 5- empata e dispara para uma dura e embora os locais fos- Vencedor justo com resul-
um remate bem colocado e 2 aos 36”. exibição de luxo atingindo o 1- sem marcando, os visitantes tado escasso para a diferença
abriu hostilidades para um Um grande guarda-redes 2 com facilidade deixando na marcavam de seguida e a van- evidenciada no jogo, mas o
grande jogo.3 que é quase meia equipa na finalização e nas mãos de Pe- tagem foi sendo sempre, após campeonato é de pontos não
A equipa da casa não se turma de Belém. dro uma desequilibrada van- o empate, trasmontana. contam as exibições e o domí-
deixou dominar e reagiu, A equipa de Artur Pe- tagem na ida para descanso. Os locais deram tudo para nio mas os golos marcados.
chegando aos 4-2. reira está em queda, com a No regresso do interva- ganhar um jogo que lhes era Quanto aos árbitros, mui-
Com o marcador já no de- quarta derrota consecutiva, lo Ricardinho em inspiração imprescindível para continuar to contestados pelos anfitriões
correr da 2ª parte, apareceu sendo que, no próximo do- individual aumenta para 1-3 a acalentar os objectivos, mas e a precisarem de protecção
o homem do jogo, Marcão, o mingo, vai à Luz jogar com o e no minuto imediato Bruno o Macedense está imparável, policial no final. Embora não
guarda-redes azul, que, não Benfica. Ribeiro marca recuperando tem dinâmica de vitória, ní- isentos de erros, estiveram
no marcador a vantagem mí- veis de confiança elevados e bem no cômputo geral.

30 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal Feminio 9 PIONEIROS


MOGADOURO 1 Futsal III Divisão 3 PIONEIROS
GUALTAR 3
Pavilhão de Bragança

Primeira par-
Pavilhão Bragança

te chegou
EQUIPAS
Sofia Padrão
Irene Favas
Jessica
Ana Isabel
André Castro EQUIPAS
Luís Rodrigues
André
Mek
Joel

ainda sonha
Patrícia Ramalho Bradinha PauloMike
Um jogo que parecia mui- Vanessa Rey Sheila TiagoTé
to difícil de ganhar por par- Caratina Andreia Matos Toni
te da equipa da casa, já que Miss Sílvia Katia PipocaZéné
o nome do Académico mete Vanessa J Atalão PaquitoLeitão
respeito a nível nacional. Daniela Sílvia Flávio
Carlinhos
Mas a turma feminina jo- Sara Filipa Vanessa SerginhoTelmo
Leila Beatriz Ana RafaelHélder
gou o que as atletas dos Pio-
Margarida Bruno SilvaPalmar
neiros permitiram e, com 7-0 Costa
ao intervalo, pouco mais ha- TREINADORES
Reis
via a fazer na 2ª parte senão Miss Sílvia A. Atalão TREINADORES
controlar o jogo. André Castro V. Varela
Golos: Vanessa Rey 3”, 12”, Catarina 5”,
Ainda faltam algumas jor- 17”, Vanessa 6”.15”, Ana Favas 8”, Miss
nadas e tudo pode vir a acon- Sílvia 23”, 34”, Atalão 36”.
Golos: Tiago 12”, Té 14”, 17”, 40”, Pipoca
tecer, mas devido à grande 23”, Bruno Silva 35”
prestação no Nacional passa- sérias candidatas. Além de
do, as Pioneiras são as mais manterem a mesma equipa
por Bruno Silva, a 5” minu-
têm, ainda,
tos do final. Depois, era uma
uma treina-
questão de gerir, o que nesta
dora com
André Castro tem conseguido recuperar o orgulho violeta modalidade é quase impos-
quase 20
sível, pois basta um lance de
anos de fut- Os Pioneiros estiveram a jogos fora de casa. génio ou uma falha defensi-
sal e com o um minuto de ter a manuten- A turma de André co- va para acabar com o sonho.
mais alto ní- ção na mão. meçou bem, mas acabou por Mas nada está perdido. A re-
vel de com- Estiveram a ganhar por marcar e, ao intervalo, viu-se cuperação de André Costa é
petição. 3-2 a um minuto o fim, mas a perder por 2-1. real.
Num jogo Té acabou com uma pequena Na segunda parte, reagiu Foi um bom jogo, boa ar-
sem grande parte desse sonho e obriga a com bom futsal, oportunida- bitragem e uma falta de sorte
história, fica equipa violeta a ganhar dois des incríveis e marcou o 3-2 da equipa da casa.
Pioneiras correram para a vitória o resultado.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 31


32 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE
RODAS & MOTORES

Novo Citroën C3, o Visiodrive


Bragança acolhe fim-de- mínio escovado na secção frontal do
tablier…), empregues num tablier
semana de portas abertas onde sobressai um novo painel de
para apresentar o novo instrumentos (dois mostradores ana-
lógicos e um ecrã LED digital) com
modelo cobertura em levitação, uma consola
central redesenhada e totalmente a
O concessionário Citroën em Bra- negro brilhante, e um volante escul-
gança, Z. Souza & Camilo, apresentou pido com aplicações em metal e base
o novo C3 no passado fim-de-sema- ligeiramente «cortada».
na, numa acção de portas abertas que A par destas soluções, capazes
ficou marcada por várias sessões de de oferecer um habitáculo mais ge-
test-drive. neroso em termos de espaço para os
Às já tradicionais formas arre- ocupantes, o Novo C3 anuncia ainda
dondadas, o novo C3 soma linhas uma bagageira com 300 litros de ca-
mais fluidas, reveladoras de maior pacidade de carga, a qual viu o aces-
dinamismo e aerodinâmica, nas so igualmente optimizado, mediante
quais sobressaem novos pormenores a redução da altura de acesso (22,7
distintivos, como são os casos dos cm) e a oferta de uma maior largura
chevrons redesenhados, nova entra- Concessionário Z. Souza & Camilo apresentou o novo C3 (104 cm). Para facilitar a utilização, o
da de ar, faróis e luzes em forma de espaço possui ainda 4 argolas de an-
boomerang, além de uma superfície inundar o habitáculo) ou num tradi- ou até mesmo na ponteira do esca- coramento e pode receber uma rede
vidrada inédita no segmento, culpa cional veículo de capota intranspo- pe, sem esquecer as elegantes jantes amovível, sendo que as costas dos
do revolucionário pára-brisas Zeni- nível, mas também de interior bem com medidas que vão desde as 15 às bancos traseiros também podem ser
th - com 1.350 mm de comprimento, mais escurecido. 17 polegadas, e as mais de 10 cores rebatidas na proporção 2/3 – 1/3,
este invulgar pára-brisas a terminar disponíveis. seja a partir do interior do habitácu-
quase sobre os ocupantes dos lugares No interior, o desejo assumido lo, seja através da própria bagageira.
Habitáculo mais generoso em
traseiros, possui ainda a particulari- pela Citroën de posicionar a gama No que se refere a motorizações o
dade de estar dotado de persiana rí- termos de espaço para os ocu- num patamar mais alto, oferecendo Novo C3 surge com duas propostas a
gida manual, com duas palas pára-sol pantes aos seus clientes mais conforto e es- gasolina e duas a diesel. As primeiras
na extremidade, a qual, com grande tatuto, traduz-se num look mais fluí- traduzidas num 1.1i de 61cv e num 1.4
alcance longitudinal, permite aos Exteriormente, destaque ainda do e dinâmico, a par de uma melhoria VTI, com duas potências: 75cv e 95cv.
ocupantes escolher entre a sensa- para a presença de muitos elementos na qualidade dos materiais (como é Entre os diesel, a oferta contempla
ção de viajar cobertos quase só por de decoração cromados nos punhos o caso, por exemplo, da faixa trans- dois blocos: um 1.4 HDI de 70cv e um
um imenso vidro (e com muito sol a das portas, nas molduras do vidros versal em cinzento brilhante ou alu- 1.6 HDI de 90cv.

Passeio sobre rodas


BRUNO MATEUS FILENA gos da família de Ernesto Machado.
Com passagem por Boticas, alcan-
çou-se Alturas do Barroso, onde, na
Mau tempo não conseguiu Casa do Ferrador, a comitiva se deli-
interferir com o II Passeio ciou com um tradicional cozido, que
de Automóveis Antigos depressa fez esquecer a intempérie.
De regresso a Chaves, descansar
Cidade de Chaves foi, para muitos, palavra de ordem,
pois havia quem tivesse madrugado e
O II Passeio de Automóveis An- realizado imensos quilómetros para,
tigos não se deixou influenciar pelo atempadamente, poder estar na linha
mau tempo que se fez sentir no pas- de partida. Assim, a pit-stop era ne-
sado fim-de-semana. O frio, a chuva cessária e procedeu-se no Hotel Ru-
e as rajadas de vento ciclónicas não ral Quinta de Samaiões. A unidade A família de Carlos Fernandes deslocou-se ao passeio no Ford Cortina GT de 1964
impediram os 70 participantes de hoteleira disponibilizou, depois, uma
marcarem estatuto a bordo dos 29 viatura apropriada ao “transfer” dos veis Antigos”, a direcção do NAC ex- co e Militar da região flaviense, após
clássicos presentes, cumprindo-se, participantes para o jantar, já que, a pressou a sua gratidão pelo regresso uma pequena cerimónia de boas
quase na totalidade, o programa pre- grande maioria optou pela modali- desta família aos passeios de clássi- vindas retratada pela autarquia. Só
visto. “Foi uma clara demonstração dade “se conduzir, não beba”. Deste cos. De referir que, os familiares, se não foi possível a visita às Termas de
da paixão pela modalidade, estima, modo, as preciosidades ficaram apar- deslocaram ao passeio num dos car- Chaves, como estava previsto, uma
consideração e respeito pelo trabalho cadas e, pelas 20h30, jantou-se na ros da sua colecção pessoal, o Ford vez que o rio Tâmega galgou o leito e
que tem vindo a ser desenvolvido”, “Adega Faustino”. Cortina GT de 1964, provavelmente, inundou toda a zona ribeirinha da ci-
refere a organização, a cargo da de- No restaurante típico, aprovei- “aquele que mais vezes foi utilizado dade. Depois de um almoço buffet, na
legação de Chaves do Nordeste Auto- tando a presença de familiares do por Carlos Fernandes neste tipo de Quinta de Samaiões, os participantes
móvel Clube (NAC). “saudoso” vila-realense, Carlos Fer- eventos”, afirma o NAC. regressaram a casa. Terminou, “em
No sábado, deu-se a partida, após nandes, “que tão apaixonadamente Na manhã de domingo, a viagem beleza, o primeiro evento do ano”,
visita à colecção de automóveis anti- vivia estes encontros para Automó- deu-se rumo aos museus Arqueológi- considera a organização.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 33


PUBLICIDADE

DESMENTIDO
JOÃO AMÉRICO GONÇALVES ANDRADE, Notário, declara não serem verdadeiros os rumores que (mali-
ciosamente) indiciam e ou afirmam o fecho do Cartório Notarial.
Na verdade, pretendo continuar a exercer a actividade Notarial, com a dignidade e o profissionalismo que esta
actividade exige.
Bragança, 05 de Março de 2010
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de quadrados, a confrontar do norte com Maria Inácia da Eira, do nascente
de Março de 2010 cia, nascente com Maximino Vítor Serra e poente com António Março de 2010 com Manuel António Gonçalves, do sul com João Vara e do poente
Joaquim Esteves, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 3268, com Francisco António Rodrigues, não descrito na Conservatória do
com o correspondente valor patrimonial tributável de € 2,58 e o Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o
atribuído de dez euros, sendo possuidora da restante parte indivisa artigo 3903, sendo de 6,54 euros o seu valor patrimonial, a que atri-
Aida dos Prazeres Graças, viúva, residente na aludida freguesia de buem o valor de dez euros.
Meixedo, pessoa com quem têm vindo a exercer a composse sobre 13- Prédio rústico, sito em Raposeiras, freguesia de Baçal, concelho
o referido prédio; de Bragança, composto por cultura, com a área de quinhentos metros
EXTRACTO não descritos na Conservatória do Registo Predial deste concelho, quadrados, a confrontar do norte com Manuel José Vidal, do nascente
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por escri- conforme certidão que da mesma apresentam. com David Augusto Rodrigues do sul com junta de freguesia e do po-
tura de hoje, exarada de folhas cinquenta e seis a folhas cinquenta Que os identificados bens vieram à sua posse no ano de mil nove- ente com António Acácio Barreira, não descrito na Conservatória do
e oito do respectivo livro número cento e cinquenta e dois, FRAN- centos e oitenta, já no estado de casados, pela forma seguinte: EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o
CISCO MANUEL GONÇALVES, NIF 177 997 826, e mulher a) o primeiro e o quarto, foram-lhes doados por Ana Maria Esteves, CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- artigo 1642, sendo de 2,51 euros o seu valor patrimonial, a que atri-
MARIA CLARA DA SILVA GONÇALVES, NIF 102 830 363, já falecida, residente que foi na referida freguesia de Meixedo; critura lavrada no dia três de Março de dois mil e dez no Cartório buem o valor de cinco euros.
casados sob o regime da comunhão de adquiridos, naturais, ele da b) o segundo e o terceiro, foram-lhes doados por Catarina da Con- Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves Andrade, 14- Prédio rústico, sito em Forcadas, freguesia de Baçal, concelho de
freguesia de Meixedo, onde residem na Rua de Santa Ana, n.º 87, ceição Esteves, mãe do justificante marido, já falecida, residente sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, exarada Bragança, composto por cultura, com a área de mil metros quadra-
ela da freguesia de Carragosa, ambas do concelho de Bragança; que foi na mesma freguesia de Meixedo, de cento e trinta e seis a folhas cento e quarenta e dois do livro de notas dos, a confrontar do norte com Emídio dos Santos Pires, do nascente
Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores e por contratos de doação meramente verbais, nunca tendo chegado a para escrituras diversas número “Um –G”, ANIBAL AUGUSTO DOS com caminho público do sul com João Ramos Gomes e do poente com
compossuidores dos bens a seguir identificados, todos localizados realizar as necessárias escrituras públicas. SANTOS, viúvo, natural da freguesia de Baçal, concelho de Bragança, António Jesus dos Santos não descrito na Conservatória do Registo
na freguesia de Meixedo, concelho de Bragança: Que, assim, não são detentores de qualquer título formal que legiti- onde reside, no lugar de Sacoias, NIF 154 076 015, fizeram as declara- Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo
número um - prédio rústico, composto de terra de cultura, sito na me o domínio dos mencionados bens. ções constantes desta certidão, que com esta se compõe de duas laudas 2895, sendo de 1,01 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o
“Pedrosa”, com a área de mil e quatrocentos metros quadrados, a Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil nove- e vai conforme o original. valor de cinco euros.
confrontar de norte com José Hipólito Rodrigues, sul com João centos e oitenta, passaram a usufruir os referidos terrenos, um deles Bragança, Cartório Notarial, três de Março de dois mil e dez. 15- Prédio rústico, sito em Vale de Calabor, freguesia de Baçal, conce-
Miguel Isidoro, nascente com Adérito dos Santos Correia e poente em situação de composse, gozando de todas as utilidades por eles A Colaboradora Autorizada lho de Bragança, composto por lameiro e doze freixos, com a área de
com António Joaquim Fernandes, inscrito na respectiva matriz sob proporcionadas, começando por ocupá-los, limpando-os, cultivan- Bernardete Isabel C. Simões Afonso três mil trezentos e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte
o artigo 1631, com o valor patrimonial tributário de € 4,65 e o atri- do-os, colhendo os seus frutos e produtos, e efectuando diversas com Maximiano Pinelo, do nascente com Daniel dos Santos da Eira do
buído de dez euros; benfeitorias, designadamente o melhoramento das suas vedações, Que é dono e legítimo possuidor, com exclusão de outrem, dos se- sul com caminho publico e do poente com caminho publico, não des-
número dois - prédio rústico, composto de vinha, terra de cultura e agindo assim, sempre na aludida proporção com ânimo de quem guintes bens: crito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na
pastagem, sito em “Vale de Justo”, com a área de quatro mil metros exerce direito próprio, na convicção de tais bens lhes pertencerem e 1- Prédio rústico, sito em Pereiro, freguesia de Baçal, concelho de matriz respectiva, sob o artigo 2530, sendo de 55,44 euros o seu valor
quadrados, a confrontar de norte com Alfredo Augusto Ramos, sul de serem os seus verdadeiros donos, como tal sendo reconhecidos Bragança, composto por cultura, vinha e horta, com a área de dois patrimonial, a que atribuem o valor de cem euros.
com António dos Santos Rodrigues, nascente com Manuel Joaquim por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorarem lesar direito mil metros quadrados, a confrontar do norte com Francisco Pires, do 16- Prédio rústico, sito em Vale de Calabor, freguesia de Baçal, conce-
Condado e poente com Maria dos Santos Gonçalves, inscrito na alheio, pacificamente, porque sem violência, contínua e publica- nascente com Manuel Augusto da Eira, do sul com Agueira Publica e lho de Bragança, composto por cultura, com a área de dois mil e qui-
respectiva matriz sob o artigo 2555, com o valor patrimonial tribu- mente, à vista e com o conhecimento de todos e sem oposição de do poente com Manuel Inácio da Eira, não descrito na Conservatória nhentos metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel Joaquim
tável de € 9,81 e o atribuído de dez euros; ninguém. do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob Venancio, do nascente com José Carlos Lousada do sul com Manuel
número três - prédio rústico, composto de terra de pastagem, sito Que dadas as enunciadas características de tal posse e composse, o artigo 3095, sendo de 12,32 euros o seu valor patrimonial, a que João Fernandes e do poente com Manuel Pinelo Tisa, não descrito na
em “Ladeira”, com a área de cinco mil e setecentos metros quadra- que, da forma indicada vêm exercendo há mais de vinte anos, ad- atribuem o valor de quinze euros. Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz
dos, a confrontar de norte com Jaime da Conceição Gonçalves, sul quiriram o domínio dos ditos bens por usucapião, título esse que, 2- Prédio rústico, sito em Brinhaçais, freguesia de Baçal, concelho respectiva, sob o artigo 2738, sendo de 5,91 euros o seu valor patrimo-
com António Guilhermino Ferreira, nascente com Ana Barnabé e por sua natureza, não é susceptível de ser comprovado por meios de Bragança, composto por cultura, com a área de quatro mil metros nial, a que atribuem o valor de dez euros.
filhos, e poente com João Neponoceno Ervedosa, inscrito na res- normais. quadrados, a confrontar do norte com Manuel Pinelo, do nascente com 17- Prédio rústico, sito em Canada, freguesia de Baçal, concelho de
pectiva matriz sob o artigo 2924, com o valor patrimonial tributável Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para Maria Amélia Raimundo, do sul com Maria Amélia Fernandes e do Bragança, composto por cultura, com a área de dois mil metros qua-
de € 3,65 e o atribuído de dez euros; e fins de primeira inscrição no registo predial. poente com António Batista Pinelo, não descrito na Conservatória do drados, a confrontar do norte com Leonel João Vidal, do nascente com
número quatro – metade indivisa do prédio rústico, composto de Está conforme. Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob Francisco Gomes Abreu do sul com Joaquim Beça Fernandes e do po-
castinçal e terra de pastagem, sito em “Cabeço do Cavalo”, com Bragança, 4 de Março de 2010. o artigo 4511, sendo de 14,83 euros o seu valor patrimonial, a que ente com Horácio Francisco Vidal, não descrito na Conservatória do
a área de mil cento e cinquenta metros quadrados, a confrontar A colaboradora autorizada, atribuem o valor de quinze euros. Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o
de norte com Maria Regina Gonçalves, sul com José Lopes Gar- Elisabete Maria C. Melgo 3- Prédio rústico, sito em Vale de Via, freguesia de Baçal, concelho de artigo 2633, sendo de 1,89 euros o seu valor patrimonial, a que atri-
Bragança, composto por cultura, com a área de dois mil e quatrocentos buem o valor de cinco euros.
metros quadrados, a confrontar do norte com Amílcar Asdrúbal Fer- 18- Prédio rústico, sito em Horta, freguesia de Baçal, concelho de
nandes, do nascente com Adriana Brás, do sul com Angelina Pinelo e Bragança, composto por cultura, com a área de mil duzentos e trinta
Jornal Nordeste - Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de Março de 2010 do poente com António Castanheira, não descrito na Conservatória do metros quadrados, a confrontar do norte com Vitorino António Pires,
Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o do nascente com Maria Infancia da Eira do sul com caminho público e
artigo 3488, sendo de 5,66 euros o seu valor patrimonial, a que atri- do poente com Vitorino António Pires, não descrito na Conservatória

MUNICÍPIO DE BRAGANÇA buem o valor de dez euros.


4- Prédio rústico, sito em Pena Branca, freguesia de Baçal, concelho
do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob
o artigo 2125, sendo de 6,28 euros o seu valor patrimonial, a que atri-
ASSEMBLEIA MUNICIPAL de Bragança, composto por cultura e vinte carvalhos, com a área de
dez mil duzentos e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte
buem o valor de dez euros.
19- Prédio rústico, sito em Vale de Cibrão, freguesia de Baçal, conce-
com Daniel Augusto Rodrigues, do nascente com Miguel Fernandes lho de Bragança, composto por cultura, com a área de mil e setecentos
Pereira, do sul com Maria Amélia Fernandes e do poente com Ca- metros quadrados, a confrontar do norte com António Acácio Barreira,
EDITAL Nº. 02 /2010 minho Publico, não descrito na Conservatória do Registo Predial de
Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 2038, sendo
do nascente com Daniel Augusto da Eira do sul com Manuel Pinelo
Tiza e do poente com Isabel Marrão, não descrito na Conservatória do
de 27,28 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de trinta Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o
euros. artigo 2489, sendo de 8,67 euros o seu valor patrimonial, a que atri-
LUÍS MANUEL MADUREIRA AFONSO, PRESIDENTE DA MESA DA 5- Prédio rústico, sito em Pena Branca, freguesia de Baçal, concelho
de Bragança, composto por cultura, com a área de mil e vinte metros
buem o valor de dez euros.
20- Prédio rústico, sito em Pereiro, freguesia de Baçal, concelho de
ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE BRAGANÇA: quadrados, a confrontar do norte com Alípio António Fernandes, do Bragança, composto por horta, com a área de quatrocentos e quarenta
nascente com Maria Amélia Raimundo, do sul com José dos Santos metros quadrados, a confrontar do norte com Maria Teresa Raimundo,
Miranda e do poente com Adriano dos Santos Fernandes, não descri- do nascente com Agueira Pública do sul com João Ramos Gomes e do
to na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na poente com António Barreira, não descrito na Conservatória do Regis-
Torna público que, em cumprimento do disposto no número três do artigo 84º. da matriz respectiva, sob o artigo 2009, sendo de 2,51 euros o seu valor to Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo
Lei número 5-A/2002, de 11 de Janeiro, terá lugar no dia 19 de Março (Sexta- patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros.-
6- Prédio rústico, sito em Pena Branca, freguesia de Baçal, concelho
3146, sendo de 11,69 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o
valor de quinze euros.
Feira), a segunda sessão extraordinária da Assembleia Municipal de Bragança, de Bragança, composto por cultura, com a área de mil oitocentos e
cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte com Maria Amélia
21- Prédio rústico, sito em Vale de Via, freguesia de Baçal, concelho
de Bragança, composto por lameiro, cultura e seis freixos, com a área
do mandato Outubro 2009/Outubro 2013, com início às 09h30 no Auditório « Fernandes, do nascente com António Augusto Moreira, do sul com
David Augusto Rodrigues e do poente com Miguel Fernandes Pereira,
de seis mil metros quadrados, a confrontar do norte com José Santos
Miranda, do nascente com Maria Amélia Abreu do sul com Daniel dos
Paulo Quintela » de Bragança, sito na Rua Abílio Beça nº. 75/77, com a seguinte não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas Santos da Eira e do poente com Virgílio António Fernandes, não des-
inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 2031, sendo de 4,40 euros o crito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na
ordem de trabalhos: seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. matriz respectiva, sob o artigo 3358, sendo de 24,89 euros o seu valor
7- Prédio rústico, sito em horta, freguesia de Baçal, concelho de Bra- patrimonial, a que atribuem o valor de vinte e cinco euros.
gança, composto por cultura, com a área de dois mil e quinhentos me- 22- Prédio rústico, sito em Vale, freguesia de Baçal, concelho de
1 – Período de Intervenção do Público; tros quadrados, a confrontar do norte com Olímpio João Batista Pine-
lo, do nascente com Maria Josefa Raimundo, do sul com Anunciação
Bragança, composto por lameiro e cinco freixos, com a área de mil
quinhentos e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte com
Fernandes e do poente com Isabel Marrão, não descrito na Conservató- Manuel António Pires, do nascente com Manuel António Pires do sul
ria do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, com caminho publico e do poente com Abel dos Santos Nogal, não
2 – Período da Ordem do Dia: sob o artigo 2150, sendo de 5,91 euros o seu valor patrimonial, a que
atribuem o valor de dez euros.
descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito
na matriz respectiva, sob o artigo 3681, sendo de 14,33 euros o seu
2.1 - Discussão e deliberação sobre a proposta da Câmara Municipal de Bragan- 8- Prédio rústico, sito em Vinhas Velhas, freguesia de Baçal, concelho valor patrimonial, a que atribuem o valor de quinze euros.
de Bragança, composto por cultura, com a área de mil quinhentos e 23- Prédio rústico, sito em Pereiro, freguesia de Baçal, concelho de
ça – 1.ª Revisão do Plano Director Municipal de Bragança. vinte metros quadrados, a confrontar do norte com António Acácio Bragança, composto por horta, cultura e vinha, com a área de cinco mil
Barreira, do nascente com Caminho publico, do sul com Ismael Celes- e cem metros quadrados, a confrontar do norte com Francisco António
2.2 – Eleição de Representantes da Assembleia Municipal para os seguintes te Vidal e do poente com Francisco António Rodrigues, não descrito na Rodrigues e irmão, do nascente com Eduardo Acácio Leal do sul com
órgãos: Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz
respectiva, sob o artigo 3770, sendo de 7,67 euros o seu valor patrimo-
ribeiro e do poente com caminho público, não descrito na Conservató-
ria do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva,
2.2.1 – Comissão de Protecção de Crianças e Jovens – 4 representantes; nial, a que atribuem o valor de dez euros.
9- Prédio rústico, sito em Carris, freguesia de Baçal, concelho de Bra-
sob o artigo 3089, sendo de 34,19 euros o seu valor patrimonial, a que
atribuem o valor de trinta e cinco euros..
2.2.2 – Conselho Municipal de Educação – 1 representante; gança, composto por lameiro e três freixos com a área de seiscentos
e quarenta metros quadrados, a confrontar do norte com Leonel João
Que entrou na posse dos referidos prédios, em mil novecentos e oiten-
ta, já no estado de viúvo, por compra verbal que deles fez, a Luciano
2.2.3 – Agrupamento de Centros de Saúde de Alto Trás-os-Montes I – Nordeste Vidal, do nascente com caminho público, do sul com Daniel dos San- da Assunção Vidal, Eduardo Albano Fernandes, Daniel dos Santos da
tos da Eira e do poente com António Acácio da Eira, não descrito na Eira, Domingos António dos Santos, Armando do Nascimento Lopes
– 1 representante. Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz Diegues, Marcos José Rodrigues, Joaquim dos Anjos Alves e Manuel
respectiva, sob o artigo 3577, sendo de 10,56 euros o seu valor patri- Augusto da Eira, residentes que foram e são, na referida freguesia de
Mais torna público que a mesma Agenda de Trabalhos com a respectiva docu- monial, a que atribuem o valor de quinze euros. Baçal, sem que no entanto ficasse a dispor de título formal que lhe
mentação poderá ser consultada, nos termos e para os efeitos definidos na Lei, 10- Prédio rústico, sito em Pereiro, freguesia de Baçal, concelho de
Bragança, composto por cultura, com a área de mil metros quadrados,
permita, o respectivo registo na Conservatória do Registo Predial; mas,
desde logo, entrou na posse e fruição dos identificados prédios, em
em qualquer dia útil, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30 na Secção de a confrontar do norte com Nazaré Pinelo do nascente com Manuel
António Gonçalves, do sul com David Augusto Rodrigues e do po-
nome próprio, posse que assim detémm há muito mais de vinte anos,
sem interrupção ou ocultação de quem quer que seja.
Apoio Administrativo da Assembleia Municipal, sita na Rua Abílio Beça nº. ente com Caminho Publico, não descrito na Conservatória do Registo
Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo
Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-
ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
75/77-Bragança. 3127, sendo de 5,16 euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios, no-
valor de dez euros. meadamente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os e colhendo
Para conhecimento geral se publica o presente Edital e outros de igual teor que 11- Prédio rústico, sito em Capela, freguesia de Baçal, concelho de os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercício
Bragança, composto por cultura, com a área de quatrocentos metros do direito de propriedade, quer usufruindo como tal os imóveis, quer
vão ser afixados nos lugares públicos de estilo. quadrados, a confrontar do norte com Conceição Maria Palmeiro, do beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os respectivos en-
nascente com Manuel António Gonçalves, do sul com Luciano da As- cargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições e impostos,
sunção Vidal e do poente com Daniel Augusto Rodrigues, não descri- mantendo-os sempre na sua inteira disponibilidade.
Assembleia Municipal de Bragança, 05 de Março de 2010. to na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na
matriz respectiva, sob o artigo 4064, sendo de 1,01 euros o seu valor
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con-
duziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invoca, justificando
patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado que esta
12- Prédio rústico, sito em Reimelo, freguesia de Baçal, concelho de forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer outro título
LUÍS MANUEL MADUREIRA AFONSO Bragança, composto por cultura, com a área de dois mil e cem metros formal extrajudicial.

34 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


RODAS & MOTORES

Mulheres comandam TT VOZES


Sílvia Valadar
“É o terceiro ano
SANDRA CANTEIRO que participo no even-
to. Gosto de vir porque
é um passeio simpático,
Mais de 30 mulheres fi- o convívio é muito bom e a aventura
zeram-se à estrada na 4ª também me atrai. Não encontramos
muitos obstáculos durante o percur-
edição do Passeio TT no so”.
Feminino
Cristina Afonso
Ansiosas por adrenalina e emo- “É a terceira vez que
ções fortes, mais de 30 mulheres par- venho a este passeio e das
tiram de Bragança rumo à aventura outras vezes foi sempre
num percurso que as levou até Po- muito divertido, por isso
dence (Macedo de Cavaleiros). que tenho repetido. Acho
Com partida na Praça Cavaleiro que é um evento bastante aventurei-
Ferreira, o IV Passeio TT no Femini- ro, porque vamos passar por algu-
no, organizado pelo Nordeste Auto- mas provas com obstáculos”.
móvel Clube de Bragança (NAC), em 12 veículos rumaram até Podence
parceria com a Rádio Brigantia, con-
tou com algumas caras bem conheci- responsável. madrinha do Passeio no Feminino
das dos desportos automóveis, como Das mais de 30 mulheres que NAC entregou 150 euros em 2008, esta é uma iniciativa “en-
Rosário Sottomayor, que apadrinha marcaram presença, muitas já ti- graçada, com muito convívio, em que
a instituição de Bragança
a prova deste ano, e Lígia Albuquer- nham participado em anos anteriores as pistas são simpáticas e fáceis, mas
que. e outras chegaram de todo o distrito Para a madrinha da edição de com algumas aventuras, para que se
No total, foram cerca de 12 os ve- de Bragança, bem como do Porto e, 2010, Rosário Sottomayor, este even- possa aprender o que é a condução
ículos todo-o-terreno que se aventu- mesmo, de Lisboa. to pode “incentivar uma participação fora da estrada”.
raram por caminhos de terra batida “Queremos aumentar o número feminina mais activa no TT, já que no Recorde-se que, depois de ter-
e por percursos com poucos obstácu- de condutoras de ano para ano e esta- dia-a-dia muitas já conduzem jipes, minada a prova, as participantes
los. mos agora a começar a alargar fron- mas quando há provas deste género entregaram dez por cento das ver-
“Não há muitas dificuldades ao teiras, pois recebemos participantes aparecem poucas mulheres num uni- bas angariadas com as inscrições, o
longo da prova, porque é um passeio de diversos locais”, salientou Rodri- verso que é tipicamente masculino”. que totaliza 150 euros, ao Lar de São
e não uma competição”, explicou o gues da Silva. Já segundo Lígia Albuquerque, Francisco, em Bragança.

MCoutinho triunfa
no Rali de Sabrosa
Manuel Coutinho e Manuel de sábado não lhes retirou o primeiro
lugar, vencendo 3 das 5 provas espe-
Babo vencem prova do ciais de domingo.
Campeonato Regional Ao volante do seu Mitsubishi
Lancer Evo VI, a dupla fez um tempo
de Ralis de 24m15,50, não se deixando intimi-
dar pela chuva e vento forte que se fez
A dupla Manuel Coutinho e Manuel sentir durante todo o fim-de-semana.
Babo venceu o Rali Município de Sa- Depois da prova de Sabrosa, pontu-
brosa, que se realizou no fim-de-sema- ável para o Campeonato Regional
na de 27 e 28 de Fevereiro, juntando de Ralis Douro, o MCoutinho Rally
29 pilotos numa competição organi- Team prepara-se para disputar a
zada pelo Automóvel Clube da Régua. Rota do Medronho, que terá lugar a
Um pião na super especial nocturna 20 e 21 de Março. Dupla conduz um Mitsubishi Lancer Evo VI

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 35


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9


de Março de 2010

Dalila Moreiras
Cédula Profissional 4020

Miranda do Douro - Tribunal Judicial – Secção Única


Execução para Pagamento de Quantia Certa
Processo: 83/08.5TBMDR
Exequente: Caja de Ahorros de Salamanca Y Soria - Sucursal
Operativa
Executado: Bodas Café Snack-Bar, Lda. e Outros

ANÚNCIO
1ª Publicação

Dalila Moreiras Cédula Profissional 4020, Solicitadora de Execu-


ção nos autos acima identificados, com Escritório na Av. João Da
Cruz, n.º 152 - 2º Esq. Frt., em Bragança, faz saber que foi designa-
do o dia 07 de Abril de 2010, pelas 16:00 horas, no Tribunal Judi-
cial de Miranda do Douro sito na Rua do Paço - Palácio da Justiça,
5210-211 Miranda do Douro para a abertura de propostas em carta
fechada, que sejam entregues até esse momento, na Secretaria deste
Tribunal, pelos interessados na compra do seguinte bem:
Bem imóvel penhorado em 06-10-2008: Prédio urbano em regime
de Pro. Total sem andares nem div. Susc. de utilização independen-
te, prédio não licenciado, em condições muito dificientes de habi-
tabilidade, de um piso com duas divisões, sito na Rua Direita n.º 7
- Fonte Aldeia, na freguesia de Vila Chã de Braciosa em Miranda do
Douro. Com1.119m2 de área total, 304m2 de área coberta e 815m2
de área descoberta. Descrito na Conservatória do Registo Predial
sob o registo n.º 635 e Inscrito no Serviço de Finanças de Miranda
do Douro sob o artigo matricial 845º, com valor patrimonial actual
13.660,00€..
Executados: Bodas Café Snack-Bar, Lda., com domícilio em Rua
Coronel Beça, S/N, 5210-192 Miranda do Douro; Flávio Maria
Guerreiro; Alcina Marques de Figueiredo Guerreiro; Manuel da
Luz Lourenço e Maria Manuel Varela Pereira Lourenço, com do-
micílio em Loteamento dos Barreais, Lote 4, 5225-131 Sendim.
Valor base da venda: 70.000,00 €
Será aceite a proposta de melhor preço acima de 49.000,00 €, cor-
respondente a 70% do valor base.
É fiel depositário: a Executada Maria Manuel Varela Pereira Lou-
renço.
Modalidade da venda: Venda mediante proposta em carta fechada.
Consigna-se que as propostas a apresentar deverão especificar no
exterior do envelope a referência ao processo a que se destinam,
bem como a indicação ou menção de se tratar de uma proposta
para venda e no interior do envelope deverá vir uma fotocópia do
Bilhete de Identidade e Cartão de Contribuinte do proponente (no
caso de pessoa singular) ou de cópia do cartão de pessoa colectiva
(no caso de empresa). Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de José de Carvalho, do sul com António Videira e do poente com António
Deverá ainda a proposta ser acompanhada de cheque visado à or- de Março de 2010 Março de 2010 Videira, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança,
dem do Agente de Execução, como caução, no montante correspon- mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 2688, sendo de 4,78
dente a 20 % do valor anunciado para a venda, ou garantia bancária euros o seu valor patrimonial, a que atribui o valor de cinco euros
no mesmo valor. 9- METADE do prédio rústico, sito em Touça de Fornos, freguesia de
Nos termos do nº 5 do artigo 890º do CPC, não se encontra penden- Samil, concelho de Bragança, composto por cultura e seis castanheiros,
te nenhuma oposição à execução ou à penhora. com a área de seiscentos metros quadrados, a confrontar do norte com
A Solicitadora de Execução, João Malhão, do nascente com Domingos Pinto, do sul com António
Dalila Moreiras Gonçalves e do poente com Caminho Público, não descrito na Conser-
vatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respec-
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO tiva, sob o artigo 582, sendo de 6,04 euros o seu valor patrimonial, a
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- que atribui o valor de dez euros
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO critura lavrada no dia três de Março de dois mil e dez no Cartório No- 10- UM QUARTO do prédio rústico, sito em Vale de Espinho, fre-
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por tarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves Andrade, sito na guesia de Samil, concelho de Bragança, composto por pastagem com
Março de 2010 escritura lavrada no dia quatro de Março de dois mil e dez no Car- Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, exarada de cento dezoito castanheiros e castinçal, com a área novecentos e oitenta me-
tório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves An- e trinta e um a folhas cento trinta e cinco do livro de notas para escri- tros quadrados, a confrontar do norte, do nascente, do sul e do poen-
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO drade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, turas diversas número “UM-G”, ADRIANO AMÂNCIO BAPTISTA e te com Junta de Freguesia, não descrito na Conservatória do Registo
NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES exarada de duas a folhas três verso do livro de notas para escrituras mulher SANTANA FERNANDES GONÇALVES, casados sob o regi- Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo
diversas número “Dois –G”, DENÉRIDA ISABEL ESTEVES, e me da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de Samil, 1528, sendo de 28,28 euros o seu valor patrimonial, a que atribui o
marido ARTUR DO NASCIMENTO TAVARES, casados sob o concelho de Bragança, onde residem, NIFS 174 156 642 e 144 591 valor de trinta euros
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO 804, fizeram as declarações constantes desta certidão, que com esta se 11- METADE do prédio rústico, sito em Palhares, freguesia de Samil,
regime da comunhão de geral de bens, ela natural da freguesia de
Aveleda, concelho de Bragança, onde residem, ele natural da fre- compõe de seis laudas e vai conforme o original. concelho de Bragança, composto por terra com dezoito oliveiras, com
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia cinco de Março de Bragança, Cartório Notarial, três de Março de dois mil e dez. a área de novecentos metros quadrados, a confrontar do norte com An-
guesia da Trindade, concelho de Vila Flor, NIFS 167 723 600 e 184
dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio A Colaboradora Autorizada, Bernardete Isabel C. Simões Afonso tónio Brás, do nascente com João Fernandes, do sul com Herdeiros
498 333, fizeram as declarações constantes desta certidão, que com
da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 94, a fls. Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, dos de Feliciano Vaz e do poente com Junta de freguesia, não descrito na
esta se compõe de duas laudas e vai conforme o original.
96, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e cin- Bragança, Cartório Notarial, quatro de Março de dois mil e dez. seguintes bens: Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz
co, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compareceram A Colaboradora Autorizada 1- Prédio rústico, sito em Pereiras, freguesia de Samil, concelho de respectiva, sob o artigo 1652, sendo de 30,04 euros o seu valor patri-
como outorgantes, JOSÉ CAROLINO CAVEIRO, NIF 132 843 870, Bernardete Isabel C. Simões Afonso Bragança, composto por horta, com a área de duzentos e trinta metros monial, a que atribui o valor de quarenta euros
e mulher PALMIRA DO NASCIMENTO BAPTISTA, NIF 133 168 Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, quadrados, a confrontar do norte com Manuel Augusto Bento, do nas- 12- Prédio rústico, sito em Abessedo, freguesia de Samil, concelho
662, casados sob o regime da comunhão geral de bens, naturais, ele do prédio rústico, sito no Bairro da Igreja, freguesia da Aveleda, cente do sul e do poente com Albino José Carvalho, não descrito na de Bragança, composto por mata de carvalhos, com a área de mil e
da freguesia de Valverde, concelho de Mogadouro, e ela da freguesia concelho de Bragança, composto por horta, com a área de cen- Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz quinhentos metros quadrados, a confrontar do norte com Herdeiros de
e concelho de Mogadouro, onde residem na Rua do Penedo, número to e trinta metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel respectiva, sob o artigo 97, sendo de 6,41 euros o seu valor patrimo- João Trindade, do nascente com Junta de freguesia, do sul com Manuel
33, os quais declararam: Ferreira, do nascente com Caminho Particular, do sul com Maria nial, a que atribui o valor de dez euros. Augusto Bento e do poente com Manuel Augusto Bento, não descri-
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem dos Teresa Ferreira e do poente com Caminho Público, não descrito 2- Prédio rústico, sito em Pereiras, freguesia de Samil, concelho de to na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na
seguintes bens imóveis, ambos sitos na freguesia e concelho de Mo- na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na Bragança, composto por cultura, com a área de oitocentos e quarenta matriz respectiva, sob o artigo 2461, sendo de 2,77 euros o seu valor
gadouro: matriz respectiva, sob o artigo 8108, sendo de 70,00 euros o seu metros quadrados, a confrontar do norte com Jesuíno Augusto Celas, patrimonial, a que atribui o valor de cinco euros
Um - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Serra, composto de valor patrimonial, a que atribuem igual valor. do nascente com Caminho, do sul com Aníbal Nascimento Malhão e 13- Prédio rústico, sito em Abessedo, freguesia de Samil, concelho de
prado natural, com área de mil duzentos e cinquenta metros quadra- Que entraram na posse do referido prédio, em mil novecentos e do poente com Albino José Carvalho, não descrito na Conservatória do Bragança, composto por Mata de Carvalhos, com a área de setecen-
dos, a confrontar de norte com José Carolino Caveiro, de sul com setenta e cinco, por doação que dele lhes fez José Miguel Vaz e Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o tos e oitenta metros quadrados, a confrontar do norte com Marcelino
João Neves Calhabrês, de nascente com Francisco Bernardo Alves, Helena da Purificação Gomes, residentes que foram na mencionada artigo 104, sendo de 17,85 euros o seu valor patrimonial, a que atribui Maximiano, do nascente com Joaquim Fernandes, do sul com Manuel
e poente com Francisco Maria Pinto, descrito na Conservatória do freguesia de Aveleda, sem que no entanto ficassem a dispor de título o valor de vinte euros. Pinelo e do poente com Maria Brás, não descrito na Conservatória do
Registo Predial deste concelho sob o mil quinhentos e trinta e um formal que lhes permita, o respectivo registo na Conservatória do 3- Prédio rústico, sito em Regueira Longa, freguesia do Samil, conce- Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o
- Mogadouro, não se mostrando porem registada a aquisição da dita Registo Predial; mas, desde logo, entraram na posse e fruição do lho de Bragança, composto por cultura, com a área de seis mil metros artigo 2445, sendo de 1,51 euros o seu valor patrimonial, a que atribui
metade indivisa a favor de ninguém, inscrito na respectiva matriz sob identificado prédio, em nome próprio, posse assim detêm há muito quadrados, a confrontar do norte e do poente com Manuel Augusto o valor de cinco euros
o artigo 157 da secção F, com o valor patrimonial correspondente à mais de vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem quer Bento, do nascente com Inácio Joaquim Pires e do sul com Junta Fabri- 14- Prédio rústico, sito em Terrina, freguesia de Samil, concelho de
fracção de 1,45€ e atribuído de cinquenta euros; que seja. queira, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, Bragança, composto por terra com seis oliveiras, com a área de qui-
Que a restante parte do dito prédio pertence a Maria Emília Fernandes Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 452, sendo de 14,21 nhentos metros quadrados, a confrontar do norte com José António
ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome euros o seu valor patrimonial, a que atribui o valor de vinte euros. Afonso, do nascente com Manuel Augusto Bento, do sul com Luís Au-
Marcos e marido Afonso Henrique Marcos, residentes nesta vila de
próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no- 4- Prédio rústico, sito em Faceirinha, freguesia do Samil, concelho gusto e do poente com Caminho Público, não descrito na Conservatória
Mogadouro, pessoas com quem têm vindo a exercer a posse sobre o
meadamente, amanhando-o, adubando-o, cultivando-o e colhendo de Bragança, composto por cultura, com a área de onze mil metros do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob
mesmo prédio; e
os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercí- quadrados, a confrontar do norte com Caminho Público, do nascente o artigo 1093, sendo de 4,40 euros o seu valor patrimonial, a que atribui
Dois — A terça parte indivisa do prédio rústico, sito em Serra de
cio do direito de propriedade, quer usufruindo como tal o imóvel, com César António Martins e do sul com Augusto Ferreira Araújo e do o valor de cinco euros
Zava, composto de horta, cultura arvense, árvores e castanheiros, com
quer beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os res- poente com Miguel Fernandes Pereira, não descrito na Conservatória 15- Prédio rústico, sito em Lamas, freguesia de São Pedro de Serrace-
área de dez mil oitocentos e setenta e cinco metros quadrados, a con- do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob nos, concelho de Bragança, composto por cultura, com a área de três
pectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições
frontar de norte com Manuel do Nascimento Fernandes, de sul com o artigo 477, sendo de 55,56 euros o seu valor patrimonial, a que atri- mil metros quadrados, a confrontar do norte com Salustia Ester Madu-
e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira disponibilidade.
Junta de Freguesia de Mogadouro, de nascente com Francisco Ber- bui o valor de sessenta euros. reira, do nascente com Domingos Gomes, do poente com Herdeiros de
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con-
nardo Alves, e de poente com herdeiros de Francisco Maria Monteiro, duziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invocam, justifi- 5- Prédio rústico, sito em Sudrio, freguesia de Samil, concelho de Armando Afonso e do sul com Herdeiros de Antónia Maria Esteves,
descrito na Conservatória do Registo Predial deste concelho sob o mil cando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado Bragança, composto por vinha, com a área de trezentos metros quadra- não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas
trezentos e noventa e sete - Mogadouro, não se mostrando porem re- que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer dos, a confrontar do norte com João Eduardo Rodrigues, do nascente inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 287, sendo de 2,89 euros o
gistada a aquisição da dita parte indivisa a favor de ninguém, inscrito outro título formal extrajudicial. com Manuel Rodrigues, do sul com Faustino Alves e do poente com seu valor patrimonial, a que atribui o valor de cinco euros
na respectiva matriz sob o artigo 158 da secção F, com o valor patri- Albino José de Carvalho, não descrito na Conservatória do Registo Que entraram na posse e composse dos referidos prédios, em mil no-
monial correspondente à fracção de 29,92€ e atribuído de setecentos Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo vecentos e oitenta, por partilha verbal da herança aberta por óbito de
e cinquenta euros; 1872, sendo de 3,65 euros o seu valor patrimonial, a que atribui o valor Manuel José Batista e Maria da Assunção Gonçalves, que foram resi-
Que a restante parte do dito prédio pertence a Acúrcio Manuel Paulo que fosse desde o início dessa composse, a qual sempre exerceram de cinco euros dentes na mencionada freguesia de Samil, sem que no entanto ficas-
e mulher Maria Elisa Lopes, residentes na freguesia de Vale de Porco, sem interrupção, gozando todas as utilidades por eles proporcionadas, 6- Prédio rústico, sito em Barreiros, freguesia de Samil, concelho sem a dispor de título formal que lhes permita, o respectivo registo na
concelho de Mogadouro, pessoas com quem têm vindo a exercer a com o ânimo de quem exerce direito próprio, nomeadamente neles de Bragança, composto por vinha com três oliveiras, com a área de Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na posse,
posse sobre o mesmo prédio. lavrando e semeando, plantado, tratando e colhendo os frutos deles quinhentos e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte com composse e fruição dos identificados prédios, em nome próprio, posse
Que os bens imóveis acima identificados somam o valor patrimonial provenientes, como cereal, batatas, feijão e os mais diversos produtos Henrique Pires, do sul com Carlos Alberto Celas, do nascente com e composse assim detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção
global de 31,36€, e o atribuído de oitocentos euros. hortícolas, deles retirando forragens e lenha, apascentando animais, Marcolino Fernandes e do poente com Carlos Alberto Celas, não des- ou ocultação de quem quer que seja.
Que os referidos bens imóveis vieram à posse dos justificantes, já no cortando mato e silvas e procedendo a outros actos de limpeza, usu- crito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na Que essa posse e composse foi adquirida e mantida sem violência e
estado de casados, tendo o bem imóvel identificado em primeiro sido fruindo assim de todos os proventos e utilidades proporcionados pelos matriz respectiva, sob o artigo 1991, sendo de 4,78 euros o seu valor sem oposição, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente
adquirido por volta do ano de mil novecentos e oitenta, por compra referidos bens imóveis, praticando os mais diversos actos de uso, frui- patrimonial, a que atribui o valor de cinco euros em nome próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos
meramente verbal que fizeram à Junta de Freguesia de Mogadouro, e ção e defesa dos mesmos, à vista de toda a gente e portanto de even- 7- Prédio rústico, sito em Trás da Malhada, freguesia de Samil, conce- prédios, nomeadamente, amanhando-os, adubando-os, cultivando-os
tendo o bem imóvel identificado na verba número dois sido também tuais interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo por lho de Bragança, composto por pastagem com onze castanheiros, com e colhendo os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente
por compra verbalmente feita por volta do ano de mil novecentos e se- isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas a área de mil e quinhentos metros quadrados, a confrontar do norte ao exercício do direito de propriedade, quer usufruindo como tal os
tenta e oito a Manuel Maria Pires e mulher Maria de Lurdes Ribeiro, as características de tal posse, adquiriram por usucapião os identi- com Herdeiros, do nascente com José António Rodrigues, do sul com imóveis, quer beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os
residentes nesta vila de Mogadouro, sendo ele actualmente já faleci- ficados bens imóveis figura jurídica que invocam, por não poderem José António Simão e do poente com António Manuel Rodrigues, não respectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições
do, não tendo nunca porém sido celebradas as competentes escrituras fazer prova do seu direito de propriedade pelos meios extrajudiciais descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito e impostos, mantendo-os sempre na sua inteira disponibilidade.
normais, dado o referido modo de aquisição. na matriz respectiva, sob o artigo 2289, sendo de 11,69 euros o seu Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, condu-
de compra e venda.
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. valor patrimonial, a que atribui o valor de vinte euros. ziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invocam, justificando
Que assim, os justificantes possuem os ditos bens imóveis há mais de
Mogadouro e Cartório Notarial, em 5 de Março de 2010. 8- Prédio rústico, sito em Martins Cansado, freguesia de Samil, con- o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado que esta
vinte anos em nome próprio, na convicção de serem os únicos donos
celho de Bragança, composto por Castinçal, com a área de quinhentos forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer outro título
e plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de A Notária,
metros quadrados, a confrontar do norte e do nascente com Albino formal extrajudicial.
outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer Fátima Mendes

36 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 697 de 9 de Março de 2010 de Março de 2010 de Março de 2010
CERTIDÃO
CARTÓRIO NOTARIAL DE VINHAIS CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
MUNICÍPIO DE MOGADOURO A CARGO DA ADJUNTA EM SUBSTITUIÇÃO NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES
MARIA DO CÉU DIAS PEREIRA
CÂMARA MUNICIPAL JUSTIFICAÇÃO
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO
Certifico, para efeitos de publicação, que por escritura de vinte e
cinco de Fevereiro do ano dois mil e dez, exarada de folhas trinta
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia quatro de
AVISO e seis a folhas trinta e sete do Livro de Notas número Oitenta e
Março de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro,
quatro-D, deste Cartório, JOSÉ JOAQUIM COROADO e mulher
Para cumprimento do estabelecido no nº 1 do artigo1º, da Lei nº. 26/94 de 19 de Agosto LEONIDA DE FÁTIMA GOMES COROADO, casados sob o re- sito no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Moga-
douro, de fls. 86, a fls. 87, verso, do livro de notas para escri-
e, de acordo com o nº. 1 do artigo 2º, da mesma Lei, abaixo se relacionam todos os sub- gime da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de
Edral, concelho de Vinhais, onde residem, na sede da freguesia, turas diversas número Sessenta e cinco, foi lavrada uma escri-
sídios atribuídos no II Semestre de 2009. declararam: tura de justificação, na qual compareceram como outorgantes,
Que, com exclusão de outrem, se consideram donos e legítimos ÁLVARO ANTÓNIO TEIXEIRA, NIF 142 622 753, e mulher
possuidores do seguinte imóvel: JÚLIA GABRIELA JANEIRO TEIXEIRA, NIF 141 937 750,
TRANSFERÊNCIAS CORRENTES PRÉDIO RÚSTICO, sito em “Bairro Santo António”, freguesia
de Edral, concelho de Vinhais, composto de horta, com a área de
casados sob o regime da comunhão de adquiridos, ele natural
da freguesia de Adeganha, concelho de Torre de Moncorvo,
setenta metros quadrados, a confrontar do norte com Rua Pública,
ACÇÃO SOCIAL – 040601 do sul e nascente com Claudina Alice Esteves e do poente com
onde residem no lugar de Junqueira, e ela natural da freguesia
de Mazouco, concelho de Freixo de Espada à Cinta, os quais
Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro 1.496,40 Caminho-Servidão de Herdeiros, inscrito na matriz predial rústica
declararam:
da referida freguesia sob o artigo 5.869, com o valor patrimonial de
Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possui-
ASSOCIAÇÕES CULTURAIS E RECREATIVAS – 040701 34,94€, a que atribuem igual valor.
Que o dito prédio está inscrito na matriz em nome do justifican- dores do seguinte prédio:
Associação Micológica “A Pantorra” 4.000,00 te marido e não descrito na Conservatória do Registo Predial de Rústico, sito em Lairinho, ou Sairinho, na freguesia de Ade-
Vinhais. ganha, concelho de Torre de Moncorvo, composto de terra de
Associação de Pauliteiros de Saldanha 4.381,04 Que o mencionado prédio veio à sua posse e domínio, por compra centeio com pastagem, atravessada por estrada, com área de
Associação de Criadores de Bovinos de Raça Mirandesa 6.235,00 verbal feita a Abílio Rodrigues e mulher Lúcia dos Anjos Alves, ele
já falecido, residentes na sede da mencionada freguesia de Edral, no
vinte e oito mil e oitocentos metros quadrados, a confrontar
de norte com Francisco de Sá Lemos, de sul e nascente com
ano de mil novecentos e oitenta, não tendo procedido à sua forma-
ASSOCIAÇÕES DE CARÁCTER DESPORTIVO – 040701 lização por documento autêntico.
António Barroso, e de poente com António Dalvina, inscrito
na matriz sob o artigo 135, com o valor patrimonial de 20,20€
Clube Académico de Mogadouro 28.500,00 No entanto, desde então e até ao presente, logo há mais de vinte e o atribuído de quinhentos euros, não descrito na Conserva-
anos, têm sido os justificantes que sem interrupção e sem oposição
tória do Registo Predial de Torre de Moncorvo, a cuja área
Futebol Clube Mogadourense – Associação Desportiva 13.333,33 de quem quer que seja, possuem o indicado prédio, que amanham
pertence.
e mandam amanhar, colhem os seus frutos, fazem as necessárias
Que o referido prédio veio à posse deles, justificantes, já no
PROTECÇÃO CIVIL – 040701 obras de conservação, pagam taxas e contribuições, praticando os
estado de casados, por volta do ano de mil novecentos e oiten-
mais diversos actos de uso, fruição e defesa da propriedade à vista
Bombeiros Voluntários de Mogadouro 30.900,00 da maioria ou generalidade das pessoas da freguesia da sua locali- ta e cinco, por compra meramente verbal que fizeram a Lopo
zação, plenamente convencidos desde a data de aquisição referida, Aurélio de Sá Morais, ao tempo solteiro, maior, residente na
ASSOCIAÇÕES DE CARÁCTER RELIGIOSO – 040701 que não lesam direitos de outrem, considerando-se e sendo consi- cidade do Porto, não tendo nunca porém sido celebrada a com-
derados como donos e possuidores exclusivos do mesmo. petente escritura de compra e venda.
Comissão de Festas N. Sra. do caminho de Mogadouro 15.500,00 Que assim a posse pública, pacífica, continua e em nome próprio Que assim, os justificantes possuem o citado prédio há mais de
do citado imóvel, desde aquela data, conduziu à sua aquisição por vinte anos, em nome próprio, na convicção de serem os únicos
PROMOÇÃO TURÍSTICA USUCAPIÃO, que invocam, para efeitos de primeira inscrição no donos e plenamente convencidos de que não lesavam quais-
Asso. Comer. Industriais e Serviços de Mogadouro 53.245,20 registo predial, por não poderem provar a alegada aquisição pelos
meios extrajudiciais normais.
quer direitos de outrem, à vista de toda a gente e sem a menor
oposição de quem quer que fosse desde o início dessa pos-
Está conforme o original na parte transcrita.
OUTRAS TRANSFERÊNCIAS – 040301 E 040701 Cartório Notarial de Vinhais, 25 de Fevereiro de 2010.
se, a qual sempre exerceram sem interrupção, gozando todas
as utilidades por ele proporcionadas, com o ânimo de quem
Agrupamento Vertical de Escolas de Mogadouro 8.054,84 O Ajudante,
exerce direito prÓprio, nele lavrando, semeando e ceifando
Vítor Augusto Barreira Garcia
Agrupamento Vertical de Escolas de Mogadouro 2.000,00 o cereal, apascentando animais e dele retirando feno e forra-
gens, procedendo a actos de limpeza e usufruindo de todos
os proventos e utilidades proporcionados pelo referido prédio,
TRANFERÊNCIAS DE CAPITAL praticando assim os mais diversos actos de uso, fruição e de-
ACÇÃO SOCIAL – 080601
Associação e Desenvolvimento Social e Cultural de Remondes 16.726,12 VENDO fesa do mesmo, à vista de toda a gente e portanto de eventuais
interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo
por isso uma posse de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo
que, dadas as enumeradas características de tal posse, adqui-
ACÇÃO SOCIAL – 080802
T1
riram por usucapião o identificado prédio, figura jurídica que
invocam, por não terem documentos que lhes permitam fazer
Guilhermina Anjos Xardo 5.509,70 prova do seu direito de propriedade, pelos meios extrajudiciais
normais, dado o seu referido modo de aquisição.
OUTRAS TRANSFERÊNCIAS – 080102 Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.

semi-novo
Luís Joaquim Pinto 7.500,00 Mogadouro e Cartório Notarial, em 4 de Março de 2010.
A Notária,
Mogadouro, 24 de Fevereiro de 2010. Fátima Mendes
O Vice-Presidente da Câmara,
João Manuel dos Santos Henriques, Dr.
www.poker-rules.me
Learn how to play poker
www.i-dose.us
Change your mood, with digital sound
Avª. das Forças
Put your advertisment here www.sudoku.name/ads/ Put your advertisment here www.sudoku.name/ads/

Armadas
Soluções 8 5 2 6 3 9 1 7 4 5 4 3 6 2 8 7 1 9

(junto ao Hotel Ibis)


9 7 3 4 8 1 2 6 5 7 2 1 9 4 5 8 6 3

do Passatempo 6
1
1
6
4
5
5
8
2
9
7
4
9
3
3
2
8
7
6
3
8
6
9
2
7
5
3
7
1
4
4
1
2
9
5
8
de 02/03/2010 4
3
7
8
2
9
9
7
6
3
1
2
7
5
1
2
6
5
5
4
8
1
8
4
6
9
3
1
8
2
7
9
5
4
5
7
2
3
4
8
1
9
9
6
3
3
2
6
5
7
8
6
4
1
917 262 845
5 3 1 7 4 8 6 9 2 9 3 8 1 6 7 5 4 2
Sudoku 2 4 8 9 6 3 7 5 1 4 1 6 8 5 2 9 3 7
#478 www.sudoku.name #5772 www.sudoku.name

Farmácias
de Serviço
Sexta - M. Machado
Sábado - Mariano
Domingo - Confiança
Segunda- Atlântico
†ANABELA PEREIRA RITO
- Bragança -
O marido, Fernando Santos
Hoje - Atlântico
Amanhã - Vale d’Álvaro Mais informações em Gonçalves Ferreira, e a filha,
Quinta - Bem Saúde www.jornalnordeste.com Ana Maria Rito Ferreira, vêm
por este meio agradecer o apoio
de todos os familiares, amigos,
colegas e conhecidos que com
À terça- eles estiveram neste momento
feira nas de perda. A todos agradecem,
Bancas ainda, a presença nas cerimónias fúnebres
em memória deste ente querido.

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 37


LAZER

PASSATEMPOS

, Sudoku
www.weborites.com
All the sites you need, in 1 page

Put your advertisment here www.sudoku.name/ads/

6 4
2 7 5
9 8
1 7 O objectivo é preen-
2 7 4 cher um quadrado
3 6 2 9x9 com números
5 3 de 1 a 9, sem repetir
3 5 1 números em cada
9
www.poker-rules.me 6 linha e cada coluna.
Learn how to play poker
#5361 www.sudoku.name
Put your advertisment here www.sudoku.name/ads/
Também não se pode
4 9 8 repetir números em
6 cada quadrado de
2 5 1 3x3.
9 6 3
7 8 5
8 4
3 7 5
6
1 3 9
#5348 www.sudoku.name
Soluções no próximo número
Soluções na pág, 33

HORÓSCOPO Por Maysa

CARNEIRO GÉMEOS LEÃO BALANÇA SAGITÁRIO AQUÁRIO


Justiça Força Temperança Roda Fortuna Imperatriz Torre
As suas relações sentimentais Embora o seu espirito aventureiro Neste momento existe um certo Embora factores familiares possam Procure resolver questões difíceis Todo o cuidado é pouco pois
pautam por uma boa capacida- possa ansiar por uma conquista, equilibrio ma sua relação. Procure implicar problemas súbitos na sua e pendentes. Dada a influência da situações problemáticas pode-
de de julgamento. A honesti- uma aventura, e quem sabe um novo não cair na rotina e não tenha medo relação, a Roda leva para longe as Imperatriz conseguirá dizer a pa- rão surgir durante esta semana.
dade traz equilíbrio e prazer à amor, também tem a noção que não de criar fantasias para a sua vida. tensões. e para sua satisfação tudo lavra certa no momento certo, de Cuidado com as expectativas
relação, o que não é de admirar o deverá fazer. É preferível optar Adopte uma atitude mais divertida, se resolverá da melhor forma. modo a resolver ressentimentos. O em relação á sua vida afectiva,
que possa vir assumir um com- por soluções mais simples, que se- menos exigente, não esqueçendo de Negociações poderão satisfazer as equilibrio fornece o leito necessá- pois estas talvez não coincidam
promisso mais sério. rão capazes de preencher o vazio “Usar e abusar” da comunicação. suas necessidades, e trazer assuntos rio ao caudal do amor. com quem tem ao seu lado, o
Não tome decisões importantes das suas necessidades. Desde que consiga gerir de forma importantes a descoberto. Falando e contornando certos obs- que tornará tudo bem mais di-
durante este semana, pois as Não se deixe vencer pelo desânimo equilibrada o dinheiro que dispõe Problemas circulatórios. táculos no seu local de trabalho vai ficil.
energias não lhe serão favorá- baixando os braços, poderá perder chega para as necessidades. levar por vencido um momento me- A sua situação profissional
veis. algumas oportunidades. Deve beber bastante água, para evi- nos bom. pode passar por retrocessos.
Pode vir a ter problemas respi- Atenção a doenças do foro reuma- tar problemas com os rins. Os seus nervos andam à flor da Tome atenção com os aciden-
ratórios. tológico. pele. Tente controlar a situação. tes.

TOURO CARANGUEJO VIRGEM ESCORPIÃO CAPRICÓRNIO PEIXES


Lua Estrela Louco Eremita Julgamento Papisa
Alguns desentendimentos e falta Se passou por dificuldades na sua Tenha cuidado para não destruir a Mesmo que neste momento sinta al- Tente conversar com as pessoas Neste momento vive mais para
de compreensão poderão levá-lo relação afectiva, surge agora o mo- sua relação. Lembre-se que a paci- guma necessidade de se afastar, de que lhe são queridas, e que se afas- o seu interior do que para a vida
a um estado de confusão emo- mento para alcançar a paz e tranqui- ência tem limites, e você é respon- se isolar, por ter a noção do que re- taram de si, por algum problema em seu redor. Esta na hora de
cional. Sente que a motivação lidade que tanto desejava. Aproveite sável pelos “ventos da discórdia”, almente se passa na sua relação, não no passado. Por vezes enganamo- se libertar de mágoas antigas,
pela sua relação mudou, isto os momentos calmos e íntimos para senão alterar a sua atitude poderá o deverá fazer. Deve sim, procurar nos, e não há nada como rectificar criando condições para expres-
dever-se-á ao facto dos seus sen- partilhar as suas emoções mais pro- haver uma reviravolta com a qual dialogar, clarificando as situações. mal entendidos. sar os seus sentimentos, essa
timentos também eles se terem fundas. não conta e terá dificuldade em Mesmo que não se sinta com muita Não pense só em si, por vezes atitude poderá representar a
mudado. Tire conclusões e sem Se surgirem problemas no ambiente aceitar. vontade, disponha-se a tratar dos ouvir os outros também é bom. É chave que abrirá a porta á sua
precipitações, faça as alterações profissional, estes serão facilmente Modere as suas palavras pois estas assuntos pessoalmente. importante não esquecer que não realização pessoal.
que sejam beneficas para si. resolvidos. poderão criar alguma tensão no seu Aproveite para ler, e ouvir musica. trabalha sozinho. A tendência é para deixar passar
Não sonhe com algo impossível, Sentir-se-á em plena forma, com local de trabalho. Trate do seu corpo que ele agra- o tempo sem tomar decisões.
conduza a sua vida económica muita energia. Faça umas análises para verificar se dece. Reforce o seu sistema imuno-
com maior rigor. está tudo em ordem. lógico.
Tome atenção ás suas fantasias
mentais.

38 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE


INZONICES

INCLINÓMETRO
O
Pelourinho
POSITIV
Benesses – Dirige uma instituição pública do Nordeste Transmontano
GATIVO
e é um homem de sorte. Viaja sempre com muita pressa entre Bragança e
NE Vila Real, mas pode carregar no acelerador à vontade, porque é o Estado que
lhe paga as multas de excesso de velocidade. Ele sabe que nós sabemos…

Pancada na escola – Passou-se na Escola Miguel Torga. Um homem


entrou no gabinete de um professor, chamou-lhe caloteiro e exigiu o dinhei-
ro que lhe terá emprestado há uns bons meses. Foi recebido a murro e pon-
tapé e teve que receber assistência hospitalar. Aconteceu a 12 de Janeiro
Luís Vale e o presidente do Conselho Executivo assistiu a
Deputado municipal tudo, tentando pôr cobro à ira do professor, que,
do Bloco de Esquerda por sinal, até já desempenhou um cargo público.
CTT Dúvidas? Há registo de queixa na PSP e tudo!
O Orçamento Participativo
Os carteiros já se queixam Programa paralelo – Polémica quanto
vai aproximar os cidadãos da
de sobrecarga de trabalho e o baste na última sessão da Assembleia Municipal
vida do município, dando-lhes
período forte das férias ainda de Bragança. Acabou a meio, com a demissão
a palavra na hora de escolher os
nem sequer chegou. Prome- do grupo de trabalho para as comemorações do
projectos considerados priori-
tem pôr cobro às horas extra- Centenário da República, porque veio-se a des-
tários. Espera-se, agora, que a
ordinárias não remuneradas cobrir que, afinal, o presidente da Câmara tinha
moção aprovada na Assembleia
e, se administração da empre- (e tem) um programa paralelo para o 5 de Outu-
Municipal de Bragança passe
sa não encontrar alternativas, bro de 2010. E assim se gasta o tempo na Assem-
do papel à prática.
adivinham-se dias difíceis na bleia Municipal…
distribuição postal.

Humm... parece-me que


o lanche é mais magro que

foto
o PIDDAC do distrito de
Só bolo? Então onde está Bragança.
a Posta à Mirandesa que

Novela
me prometeram?

Ó Cassete Bernardino, não


vê que o Sócrates diz que os
portugueses têm que apertar
o cinto? Um dia havemos de eleger
um deputado por Bragança!

9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE 39


Última Hora
Bragança
Carteiros contra
horas extra

Carteiros contra horas extras


Até 30 de Maio, os carteiros
do Centro de Distribuição Postal
(CDP) dos CTT de Bragança não
voltam a fazer horas extras. A de-
cisão foi tomada depois de um
plenário, que decorreu na passada
quinta-feira, em que se debateram
as condições de trabalho dos fun-
cionários daquela entidade.
“Decidimos cumprir os horá-
rios, o que não estava a acontecer,
pois temos falta de pessoas e cada
um de nós andava a fazer mais do
que um giro que é o que competia”,
adiantou João Paulo, dirigente do
Sindicato Nacional do Trabalha-
dores dos Correios e Telecomuni-
cações (SNTCT).
Segundo o responsável, des-
de o passado mês de Novembro
que os carteiros são “obrigados” a
trabalhar mais horas, que não são
remuneradas, uma vez que não há
funcionários suficientes para asse-
gurar toda a distribuição.
Contudo, e depois da reunião,
os funcionários do CDP – Bragan-
ça dos CTT não voltam a fazer mais
horas suplementares, o que, na óp-
tica de João Paulo, irá prejudicar o
bom funcionamento do serviço.
“Se cumprirmos rigorosamen-
te o horário, a distribuição será
afectada, porque nos falta pessoal
nos quadros e, a partir de Maio, se
a situação se mantiver, será ainda
pior, porque começa o período de
férias”, acrescentou o dirigente.
Para contornar a “falta de fun-
cionários”, o CDP de Bragança tem
recorrido a empresas privadas, que
têm a seu cargo parte da distribui-
ção postal.
“Já há três giros agenciados,
mas não concordamos muito com
isso, pois não dá uma boa imagem
à empresa. Acreditamos que seria
melhor se o serviço fosse executa-
do por carteiros internos”, subli-
nhou João Paulo.
Sandra Canteiro

40 9 de Março de 2010 JORNAL NORDESTE