Você está na página 1de 32

Semanário Regional de Informação Director: João Campos www.jornalnordeste.

com
nº 738. 28 de Dezembro de 2010

IC5 inaugurado
Troço de 7 quilómetros entre Murça
e Carlão (Alijó) já abriu ao trânsito.
Autarca de Vinhais confiante na nova
ligação a Bragança e à A4

NATALIDADE ÚLTIMA PÁGINA SOLIDARIEDADE

Salsas marca Preço da Empresa dis-


a diferença água revolta tribui 160 Ca-
municípios bazes de Natal

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 


ENTREVISTA

Um porto de abrigo
nomes, e que a tenha marcado
enquanto responsável do lar e
ser humano.
R: Tenho tantas! Não gosto mui-
to de falar sobre isso porque tenho
receio que possam ser identificadas,
FACTOS mas recordo-me, no meu segundo
ano aqui, de uma criança com seis
aninhos, rejeitada pela família, a to-
IPSS: Lar de S. Francisco
dos os níveis, que demonstrou muita
Responsável: Maria Eduarda
dificuldade em se relacionar. Mas, a
Siza Vieira
partir de dada altura, floresceu e co-
Congregação: Irmãs de Santa
meçou a perceber que podia confiar
Doroteia
em nós, começou a fazer descobertas
Nascida em: Matosinhos
e a descobrir-se a si própria.
Data de nascimento:
Por exemplo, nunca tinha visto
26/03/1939
um interruptor e então passava tem-
Cargo: Directora técnica
pos a acender e a apagar a luz. Ago-
ra, já não está connosco. Fez o seu
BRUNO MATEUS FILENA percurso escolar normal, os seus três
primeiros anos foram muito difíceis,
1 @ Sendo uma valência do mas, agora, já se casou e está integra-
Centro Social e Paroquial de do na sociedade.
Santo Condestável, quais são as
principais dificuldades com que Irmã do arquitecto Siza Vieira auxilia crianças e jovens em risco 5 @ Há um tempo limite de
o Lar se depara? permanência no Lar?
R: As dificuldades são várias. A estão em instituições. Ou seja, não há No entanto, a tendência, hoje, é que R: Chegando aos 18 anos devem
primeira é inerente ao facto de lidar um gosto, salvo raras excepções, pelo as instituições diminuam de número sair. A não ser aquelas que, ou con-
com tantas crianças e jovens que vêm estudo, o que nos obriga a um esforço de utentes. De maneira que, estamos tinuem com dificuldades, que têm de
muitas vezes carentes e sem compre- redobrado para com as crianças, na um pouco nessa linha. pedir autorização, ou que estejam a
enderem a razão da sua instituciona- medida em que, cada vez mais, quem Temos 25, 26 funcionários. Pare- terminar os seus cursos. Hoje, a ten-
lização. Todas elas desejam ter uma não tem uma habilitação não vai con- ce muita gente, mas o Lar funciona dência é que as crianças permaneçam
família e, portanto, esse factor por si seguir um futuro feliz e promissor. 24 horas por dia. Portanto, para as o menos tempo possível nas institui-
só, já traz muitas dificuldades a ní- crianças estarem devidamente acom- ções. Daí que, a par do trabalho que
vel, às vezes, da própria relação entre 2 @ Neste momento, quan- panhadas é necessário um grande temos com as crianças, desenvolve-
elas, da integração nas escolas, etc… tas crianças e jovens integram o número de funcionários, mesmo para mos, também, um trabalho com as
Depois, há, também, aquelas ida- Lar de S. Francisco? Entre que gerir a questão dos turnos. famílias no sentido de as voltar a in-
des mais difíceis da adolescência em idades? tegrar no seu meio familiar. Quando
que, por vezes, estes problemas se R: Actualmente, temos 45. Seis 3 @ Nestes tempos de crise achamos esse compromisso difícil,
agudizam ainda mais. Uma outra difi- estão no ensino superior. A criança têm-lhe chegado mais pedidos fazemos um trabalho específico com
culdade situa-se ao nível do insucesso mais nova tem 9 anos, enquanto que de ajuda? as crianças para elas se poderem au-
escolar como, hoje em dia, também é a mais velha tem 20 anos. Temos um R: Aqui ainda não sentimos! tonomizar.
vulgar entre outras crianças que não acordo que nos pode levar até às 60. Mas prevejo que isso possa aconte-
cer num futuro próximo. Mesmo os 6 @ Qual é o projecto mais
abonos de família, a partir do mês de importante para o Lar, a curto
O irmão arquitecto Novembro, diminuíram. E o Lar de- prazo, que gostaria de ver con-
cretizado?
pende unicamente do apoio da Segu-
Tal como o nome indica, Maria Eduarda Siza Viera é irmã de um ar- rança Social. R: Que comece a funcionar, efec-
quitecto que dispensa apresentações e orgulha-se da sua notoriedade além Aquilo que me apraz registar, é a tivamente, um apartamento de auto-
fronteiras: “Um irmão é sempre um irmão. E nós gostamos, sempre, que a enorme afluência de pessoas a con- nomia para um grupo de jovens com
nossa família singre e seja bem sucedida. Para além disso, é um irmão muito tribuírem com donativos. Talvez este mais idade, para que assim possam
especial porque é uma pessoa extremamente simples. Não é nada vaidoso e, tenha sido o ano em que eu senti uma viver de uma forma mais indepen-
portanto, tem esta faceta que encanta qualquer pessoa que o conheça bem. maior preocupação por parte das pes- dente, gerindo o seu dinheiro, bem
Um dos seus primeiros trabalhos foi a adaptação da casa dos meus pais e, soas no sentido de ajudarem ou com como as suas próprias vidas.
portanto, crescemos no meio daquilo. O meu pai fazia muitas viagens, na brinquedos para as crianças, ou com Já temos o apartamento pronto,
altura, a Espanha, onde ia a família toda. Nessas viagens, o meu irmão leva- géneros alimentares, ou mesmo com que nos foi cedido pela autarquia,
va-nos a ver obras de arquitectos famosos, museus, edifícios, entre outras. contribuições monetárias. só falta a autorização da Segurança
O nosso pai proporcionava-nos isso e o meu irmão ajudava muito a fazer os Social. Precisamos de um orçamen-
itinerários. De maneira que nós crescemos naquele meio e, por isso, para 4 @ Quer partilhar alguma to para o pôr a funcionar, mas está
nós é algo natural. Sempre soubemos que ele iria ter sucesso”. história de uma criança que te- complicado por causa das dificulda-
nham acolhido, sem recorrer a des que todos sabemos.

Outono

Boas
Festas

 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


IC5 pronto em 2011
no. Os restantes troços serão inaugu-
rados até ao final de 2011.
O primeiro lanço do IP2 no dis-
trito da Guarda, entre Trancoso e Ce-
lorico da Beira, igualmente integra-
GLÓRIA LOPES do na Concessão do Douro Interior,
abriu ao tráfego no passado dia 20
de Dezembro. As obras da concessão
Troço Murça-Alijó/Carlão envolvem 201 empresas, e já criaram
foi inaugurado por comitiva mais de 7500 postos de trabalho di-
rectos. O IP2 tem uma extensão de
de ministros 272 quilómetros, dos quais 261 são
construção nova.
Desde a passada quarta-feira, 22,
O ministro das Obras Públicas,
que está aberto ao tráfego o troço do
garantiu que vão cumprir os prazos
IC5 entre Murça-Alijó/Carlão, numa
e custos da concessão. Atrasado nove
extensão de sete quilómetros.
meses está o Túnel do Marão, na A4,
Com um investimento de 16,3 mi-
derivado de um processo em tribu-
lhões de euros, este é o primeiro tro-
nal “que determinou a suspensão das
ço da via que, no futuro, ligará Murça
obras duas vezes”, justificou Paulo
a Miranda do Douro, cruzando vários
Campos.
concelhos dos distritos de Bragan-
ça e Vila Real. A inauguração oficial
teve lugar na quarta-feira, e contou
com a presença de vários membros
A conclusão do IC5 está prevista para o final de 2011
Nova estrada
do Governo, nomeadamente o minis-
tro das Obras Públicas, Transportes
ça, do secretário de Estado Adjunto
das Obras Públicas e Comunicações,
da Presidência, Pedro Silva Pereira.
Integrada na concessão do Douro
Bragança – Vinhais
e Comunicações, António Mendon- Paulo Campos, e ainda do ministro Interior, a construção deste sublanço vai avançar
teve início há cerca de um ano. Se-
VOZES gundo António Mendonça “contri-
buirá para o desenvolvimento social
O presidente da Câmara de Vi-
nhais, Américo Pereira, já tem ga-
e económico da região”. O autarca rantias de que a nova ligação entre
João Marques Artur Cascarejo de Alijó corrobora desta mensagem, Bragança e Vinhais vai em frente.
Autarca de Sabrosa Autarca de Alijó adiantando que “já há resultados con- O Estudo de Impacte Ambiental
cretos”. Na última semana várias em- foi concluído e o processo está em
“São acessibilida- “O problema do presas do sector dos vinhos procura- fase de decisão com vista à escola
des estrategicamente Interior não é a falta ram a Câmara de Alijó, porque estão de um de três traçados possíveis.
importantes para ala- de recursos naturais, a prever a sua instalação no concelho, “Os corredores estão definidos, a
vancar a região e que porque nós temo-los. com novos investimentos. maior parte será constituída por
conferem um conjunto O problema é que nun- novos troços. O Governo está a
de oportunidades ao ca tivemos as mesmas
aproximar o Interior das principais condições de competiti- Lanço do IP2, entre Trancoso cumprir com o prometido”, referiu
o autarca.
vias estruturantes. Agora temos de vidade para potenciar os recursos”. e Celorico da Beira, abriu ao
A nova estrada tem um custo
aproveitar essas oportunidades”. tráfego no passado dia 20 de estimado de 50 milhões de euros,
Dezembro e apesar de o edil ainda não ter
conhecimento do Plano de Inves-
O IC5 irá articular na zona de timentos da Estradas de Portugal,
Vila Flor com o IP2, entre Bragança acredita “que esta via estará con-
e a A25, aproximando assim todos os templada”.
concelhos do Nordeste Transmonta-

Electroencefalogramas - EEG
Neurologia | Psicologia Clínica e Educacional
Medicina Geral | Ginecologia e Obstetrícia
(ecografia, biópsias, papanicolau) | Dermatologia
T2 CAMPELO T3 BAIRRO SANTIAGO T3 BRAGUINHA Ortopedia | Nutrição e Terapia da Fala
Aquecimento, Totalmente Excelentes    Fisioterapia Avançada
Aquecimento e Lareira,
Boas
Mobilado, Garagem Individual Áreas
60.000,00 € Mobília Completa de Quarto, 75.000,00 €
4 Roupeiros,
Móveis de WC
T3 VALE CHORIDO
Festas
T4 AV. ABADE DE BAÇAL Garagem
Como Novo
Av. S.ta Apolónia, Lote H, r/c Esq.
65.000,00 € 95.000,00 € 75.000,00 € Tel./Fax: 273 381 546
Tel./Fax: 273 381 548
BRAGANÇA

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Premiados 26 bebés de Vimioso


GLÓRIA LOPES Nos últimos anos têm nascido
uma média de 28 crianças por ano,
um número considerado razoável
Câmara oferece mil euros e pelo edil, que está confiante que nos
vacinas não comparticipa- próximos dois anos o número de ha-
bitantes da sua terra vai sofrer um au-
das às famílias mento. “Diziam que em 2010 Vimio-
so já não teria população, mas penso
O município de Vimioso presen- que se tem mantido e que a breve
teou 26 bebés, nascidos até 30 de No- prazo, nestes próximos anos, até irá
vembro de 2010, com mil euros cada crescer. Esta é a melhor resposta que
um, e ainda com as vacinas não com- se pode dar à pessoa que disse isso”,
participadas pelo Estado (meningite sublinhou José Rodrigues.
e anti-diarreica), medicamentos que Este ano houve pais que recebe-
têm um custo total de 400 euros. ram o prémio de incentivo à natalida-
Trata-se do já tradicional incen- de pela terceira vez.
tivo à natalidade, criado pela autar-
quia, há vários anos, para ajudar os
jovens pais que se fixaram no conce-
Município vai continuar a sua
lho. Para receber a ajuda é necessário política de apoio à fixação de
trabalhar e residir em Vimioso. habitantes Câmara de Vimioso continua a apostar nos incentivos à natalidade
O presidente da Câmara, José
Rodrigues, explicou que o objectivo Há já exemplos de pessoas de fora pelos asininos e decidiu adquirir uma de terrenos a casais jovens com vista
desta iniciativa é premiar as famílias, da região que se radicaram no conce- casa em Caçarelhos, reconstruiu-a e à construção de habitação própria,
mas simultaneamente “é um grito lho de Vimioso. O autarca nomeou o está cá a viver. Oxalá que este exem- com o preço simbólico de um cênti-
de alerta” para o Governo. “É preci- caso de Miguel Nóvoa, veterinário e plo se siga com mais pessoas”, deseja mo por metro quadrado.
so mostrar que estas populações da dirigente da Associação para o Estu- o presidente da edilidade. Neste momento, o bairro onde se
nossa região têm que ser lembradas. do e Protecção do Gado Asinino (AE- O município vai continuar a sua estão a ceder os terrenos “está quase
É por tudo isso que damos este pré- PGA), a residir em Caçarelhos. “Foi política de apoio à fixação de habi- ocupado na totalidade”, assegurou o
mio”, afirmou o autarca. uma pessoa que veio para aqui atraído tantes, de onde se destaca a cedência edil.

 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

”Presentes” para os Bombeiros CASOS DE POLÍCIA


S. Martinho - Mogadouro
BRUNO MATEUS FILENA Distintos grau Ouro.
“Esta homenagem Incêndio
Quase meio milhão de prende-se com toda a
dedicação que ele tem
destrói igreja
euros foi entregue em posto ao serviço dos A igreja de
equipamentos de protecção bombeiros deste dis- São Martinho
trito, sem excepção. E
individual às associações pelo seu forte empe-
do Peso (Mo-
gadouro) foi
de bombeiros distritais nho e apoio financei- parcialmente
ro que nos tem dado destruída por
O dia 18 de Dezembro marcou em tudo”, justificou um incêndio
a cerimónia de entrega dos Equipa- Humberto Martins. que deflagrou
mentos de Protecção Individual (EPI) perto das
a todas as Associações de Bombeiros 21:00 do pas-
Liga de Bombei-
Noivos equipmentos reforçam operacionalidade dos bombeiros
do Distrito de Bragança. sado sábado,
Os EPI necessários à “gestão e ros Portugueses Dia de Natal.
Altares danificados
prevenção de riscos”, no valor de luvas, máscaras e botijas de oxigé- homenageou o Segundo o comandante dos
431.656 euros, foram repartidos pe- nio, entre outros componentes. governador civil de Bragança Bombeiros Voluntários de Moga-
los Bombeiros Voluntários de Alfân- A partir de agora, os bombeiros douro, António Salgado, na base do
dega da Fé, Bragança, Carrazeda de encontram-se melhor preparados O governador civil mostrou-se acidente poderá estar “um curto-cir-
Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, para fazer face a potenciais situações bastante surpreendido com a distin- cuito provocado pela iluminação do
Izeda, Macedo de Cavaleiros, Miran- de risco. “Temos aqui equipamentos ção. “Vim para uma reunião de bom- presépio que se encontrava montado
da do Douro, Mirandela, Mogadouro, para todos os géneros. Para fogos flo- beiros e informaram-me só agora que junto de um dos altares do templo.
Sendim, Torre de Dona Chama, Tor- restais, fogos urbano, acidentes quí- iria ser homenageado. Confesso que Quando os bombeiros chegaram
re de Moncorvo, Vila Flor, Vimioso micos e todas as associações candi- é uma surpresa total para mim. Sinto ao local, já a população tinha o in-
com muita alma o viver dos bombei- cêndio “dominado”, pelo que pro-
e Vinhais. Todos os 15 associados da datas foram contempladas”, revelou.
ros e faço tudo por eles”, disse Jorge cederam ao rescaldo e trataram da
Federação de Bombeiros do Distrito Material extremamente necessário,
segurança da igreja.
de Bragança (FBDB). dado que o existente, devido ao enor- Gomes. Também Luís Baptista, um
Os danos provocados pelas cha-
“Estes são equipamentos de pro- me desgaste a que está sujeito, já não colaborador da Federação, foi agra-
mas são “significativos”, já que os
tecção individual que os bombeiros, se encontraria nas condições ideais. ciado com a medalha de Serviços Dis-
cinco altares da igreja foram afec-
no desempenho da sua missão, ne- No mesmo acto, a Liga de Bom- tintos, mas grau Prata. tados. Um deles ficou parcialmente
cessitam no dia-a-dia para proceder beiros Portugueses homenageou o Recorde-se que o distrito de Bra- destruído, enquanto os outros sofre-
aos socorros”, afirmou o presidente Governador Civil do Distrito de Bra- gança espera, ainda, cinco viaturas, ram danos “avultados” provocados
da FBDB, Humberto Martins, refe- gança, Jorge Gomes, a pedido da embora Humberto Martins garanta pelo fumo do incêndio, avançou o
rindo-se às botas, calças, capacetes, FBDB, com a medalha de Serviços que está tudo “bem encaminhado”. presidente da Junta de Freguesia de
S. Martinho de Angueira, Vítor Co-

…Em flagrante
elho.
“Houve imagens de santos que
ficaram reduzidas a cinzas”, acres-
centou o autarca.
Agora, fazem-se as contas aos
Sempre que chove, esta prejuízos. “Vamos arranjar imedia-
tamente a cobertura da igreja, pois o
zona da Av. Sá Carneiro tecto e o telhado ficaram destruídos,
e deixam entrar água”, explicou Ví-
(Bragança) transforma- tor Coelho.
se num lago. Espera-se O alerta foi dado por uma jovem
que passava nas imediações da igre-
que as obras na Ciclo- ja e se apercebeu do fumo que saía
do interior do templo. De imediato
via corrijam a situação, alertou as pessoas que se encontra-
vam num café das proximidades.
para bem dos cidadãos Apresar dos estragos, que dei-
que ali passam diaria- xaram a população de São Martinho
“consternada”, o templo continuará
mente. a desempenhar as suas funções de
culto.
Envie-nos as suas sugestões para geral@jornalnordeste.com Francisco Pinto

Boas
Festas
TÊXTEIS LAR

Junte 10 senhas e terá direito a uma lavagem grátis

Zona Industrial, Lote 214-B4 r/c


Tel. 273328152 • Tlm. 962359345

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Um Natal Um Natal melhor


mais remediado BMF

Famílias em dificuldade
BMF
sinalizadas por Centro
No tradicional almoço soli- Social Paroquial de
dário, a Obra Social Padre S. Bento e S. Francisco
Miguel entregou cerca de recebem cabazes de Natal 30 cabazes repartidos por 30 famílias com
80 elementos
80 cabazes Em plena época festiva de Natal, o
Centro Social Paroquial de São Bento Social Paroquial de S. Bento e S. Fran-
A Obra Social Padre Miguel pro- Centena e meia de pessoas compareceram e São Francisco de Bragança procurou cisco. De acordo com o pároco, as pes-
cedeu ao tradicional almoço da época no Tradicional Almoço dos Carenciados
reduzir as necessidades dos mais caren- soas já haviam estado, nessa manhã do
natalícia, reunindo mais de 150 ca- as pessoas dão, mas são poucos aque- ciados. O acto benemérito, que teve lu- dia 23, a escolher e a experimentar as
renciados. No final do repasto, a ins- les que dão bacalhau, vinho fino ou gar na passada quinta-feira, correspon- roupas que levariam, posteriormente,
tituição entregou cerca de 50 cabazes azeite. Por isso, tivemos de comprar deu à entrega de 30 cabazes de Natal a na entrega dos cabazes. “Ao distribuir-
de alimentos, roupas e brinquedos. tudo o resto”, acrescentou. 30 famílias. Num total de 80 pessoas mos os cabazes de Natal, estamos a pôr
No dia seguinte, a entrega solidária Para além dos cabazes com géne- beneficiadas. Entre os vários itens, en- em prática aquilo que fazemos durante
continuou, desta feita, em 80 domi- ros alimentícios, as pessoas podiam contravam-se bens de primeira neces- todo o ano. Hoje, com uma atitude di-
cílios. tirar toda a roupa que quisessem, sidade como arroz, massa, óleo, farinha ferente. Dar os cabazes às pessoas para
“Apesar de ainda termos uma também consoante as suas necessida- e açúcar, vestuário e alguns brinquedos poderem ter algo com que preparar o
responsabilidade de dois milhões de des. Roupa nova oferecida por vários que visavam suprimir as carências ma- seu Natal”, afirmou o responsável.
euros, já abatemos parte da dívida empresários da cidade de Bragança, teriais efectivas dos mais novos. Esta iniciativa foi divulgada, sobre-
bancária e entendemos que o per- nomeadamente de estabelecimentos “O que é que nós chamamos um tudo, através das missas de Domingo
curso que sempre fizemos, temos de comerciais. De salientar, ainda, que cabaz? Não é só o saquinho... São vá- na paróquia. “As pessoas que precisam
o continuar a fazer”, defendeu o res- houve uma empresa que ofereceu rios sacos, de acordo com o número do deslocam-se ao Centro. Acontece, tam-
ponsável pela Obra Social Padre Mi- uma carrinha à instituição, ainda que agregado familiar. Temos famílias com bém, os paroquianos levarem a mensa-
guel, Nuno Vaz, referindo-se ao avul- de forma anónima. 7, 8 e 9 pessoas. Nós sabemos porque gem aos seus vizinhos ou trazerem os
tado investimento que a instituição Actualmente, a Obra Social Padre fizemos um levantamento dos mais nomes deles e, ainda, temos uma técni-
fez nas novas instalações. Miguel faz uma média de 500 refei- necessitados, pois isto foi preparado ca que vai à procura desses casos. No fi-
“Lançámos o apelo e as pessoas ções diária, alimentando, sobretudo, ao longo de duas semanas”, referiu o nal, fazemos uma lista das pessoas mais
dão, vamos para os hipermercados e idosos e crianças. presbítero Rufino Xavier, do Centro carenciadas”, revelou Rufino Xavier.

Agasalho para todos


BRUNO MATEUS FILENA No entanto, as necessidades in-
ventariadas são, de acordo com o
Campanha necessita de presidente da autarquia briganti-
na, Jorge Nunes, “algo superiores”.
cobertores e edredões para “Há 140 famílias sinalizadas, sendo
colmatar as necessidades necessários 270 cobertores ou edre-
dões, agasalhos para as famílias. O
de mais carenciados que significa que iremos prosseguir
No âmbito da campanha “Inver- com esta campanha até final de Ja-
no Solidário – Agasalho para Todos”, neiro”, informou o autarca.
a Câmara Municipal de Bragança Maria Fernandes está desempre-
(CMB) entregou 120 cobertores e gada, tal como o marido, mostrou-se
edredões a algumas famílias mais ca- agradecida pela oferta de três edre-
renciadas. A distribuição aconteceu dões que lhe suprimirão algumas ca-
na quarta-feira passada, no Centro rências nesta quadra festiva. “Tenho Campanha continuará até finais de Janeiro
Social e Paroquial do Santo Condes- dois filhos e faziam-me muita falta,
tável e beneficiou, também, algumas senão também não vinha cá. Che- de os comprar”, admitiu. lheteira de uma espectáculo solidário
Instituições Particulares de Solida- gam-me porque eu só tenho três ca- Recorde-se a aquisição dos edre- que decorreu recentemente no Teatro
riedade Social. mas. Agora, não tinha possibilidade dões agora distribuídos resulta da bi- Municipal de Bragança.

FICHA TÉCNICA Fundador: Fernando Subtil | Director: João Campos (C.P. Nº 4110) | Secretária de Redacção e Administração: Cidália M. Costa
Marketing e Publicidade: Bruno Lopes | ASSINATURAS: Sandra Sousa Silva | PAGINAÇÃO: João Paulo Afonso
REDACÇÃO: Bruno Mateus Filena (C.P. N.º 9088), Orlando Bragança, Glória Lopes (C.P. N.º 4146), Teresa Batista (C.P. N.º 7576) e Toni Rodrigues
Correspondentes: Planalto Mirandês: Francisco Pinto | Mirandela: Fernando Cordeiro e José Ramos | Torre de Moncorvo: Vítor Aleixo
FOTOGRAFIA: Studio 101 e RC Digital
email:geral@jornalnordeste.com
Propriedade / Editor: Pressnordeste, Lda. – Contribuinte N.º 507 505 727
Redacção e Administração: Rua Alexandre Herculano, N.º 178, 1.º, Apartado 215, 5300-075 Bragança – Telefone: 273 329 600 • Fax: 273 329 601
Registo ICS N.º 110343 | Depósito Legal n.º 67385/93 | Tiragem semanal: 6000 exemplares
Impressão: Diário do Minho – Telefone: 253 609 460 • Fax: 253 609 465 – BRAGA
Assinatura Anual: Portugal – 25,00 € | Europa – 50,00 € | Resto do Mundo – 75,00 €

 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Natal com responsabilidade social


pladas. numa atitude partilhada por outros
Além do indispensável bacalhau, responsáveis que também usaram da
cada cabaz contém chocolate, mas- palavra, nomeadamente os represen-
sas, arroz, atum e sardinhas de con- tantes de Alfaião e Rabal.
serva, farinha, pêssego em calda, ce- No total, o investimento nesta
reais com mel, salsichas e bolachas. acção de ajuda ao próximo ronda os
“São coisas que tanto se podem gastar 5 mil euros, um valor que poderia
agora no Natal, como guardar para entrar nos lucros da empresa, numa
depois, porque não são perecíveis”, altura particularmente difícil para o
explicou Nuno Rodrigues, sócio-ge- sector da construção civil.
rente da empresa, visivelmente emo- Mas, “como a responsabilidade
cionado com a reacção dos autarcas a social é uma preocupação da David
esta iniciativa. & Nuno, decidimos repartir alguma
“Contactámos as Juntas de Fre- coisa pelos que mais precisam, com
guesia que são clientes da David & a ajuda das Juntas de Freguesia que
Nuno para elas avaliarem as necessi- são nossas clientes”, salientou Nuno
dades de cada aldeia e foi assim que Rodrigues.
definimos o nú-
mero de cabazes
Nuno Rodrigues com o presidente da Junta de Freguesia de Rebordãos, Adriano Rodrigues e entregar em
cada freguesia”,
JOÃO CAMPOS mais carenciados de 27 freguesias do explica o empre-
concelho de Bragança. sário.
Ao todo, são 161 os cabazes que Em repre-
David & Nuno distribuiu esta sociedade de materiais de cons- sentação dos
dezenas de cabazes pelas trução decidiu custear para iluminar presidentes de
famílias mais carenciadas as casas dos mais necessitados com Junta, o autarca
bens alimentares essenciais nesta de Rebordãos,
das freguesias do concelho quadra festiva. Adriano Rodri-
de Bragança A entrega às Juntas de Freguesia gues felicitou
decorreu na passada quarta-feira, na a empresa por
A empresa David & Nuno conse- sede da David & Nuno, na presença este gesto de
guiu alegrar o Natal dos habitantes dos autarcas das freguesias contem- solidariedade, Autarcas colaboraram com a empresa na entrega dos cabazes

123,76 107,61

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

‘Entre Famílias’ Bons motivos


apoia 200 pessoas para festejar
GLÓRIA LOPES BRUNO MATEUS FILENA 120 associados presentes o projecto
da Casa Abrigo, que custará cerca de
800 mil euros e servirá para acolher
Feirinhas Solidárias possi- ASMAB apresentou projec- vítimas de violência doméstica. A
bilitam a aquisição de rou- to da Casa Abrigo no jantar unidade ficará nos Formarigos, num
pas e brinquedos a preços de Natal dos associados
terreno cedido pela Câmara Munici-
pal, e terá capacidade para 30 pes-
simbólicos soas. “Temos o projecto elaborado,
A Associação de Socorros Mútuos temos o terreno, estamos só à espera
Este ano, a Associação ‘Entre Fa- dos Artistas de Bragança (ASMAB) que possamos propor este projecto a
mílias’, em Bragança, já deu auxílio a comemorou mais um Natal na com- uma candidatura. A associação, como
mais de 200 pessoas, na sua maioria panhia dos seus associados. Logo no é óbvio, só por si não tem meios para
idosos ou famílias desestruturadas. início do jantar, decorreu a tomada o concretizar”, revelou Alcídio Casta-
Para possibilitar a aquisição de de posse do reeleito presidente da nheira.
roupas, têxteis lar, brinquedos, arti- direcção, Alcídio Augusto Castanhei- No passado dia 24 foi a vez dos
gos novos e em segunda mão, a pre- ra, e da sua equipa, após as eleições utentes da ASMAB e daqueles que
ços simbólicos, aquela associação que decorreram a 17 de Dezembro. mais necessitam terem a sua festa e
realiza todas as quintas -feiras, entre Foi, ainda, apresentado aos cerca de uma Natal mais digno e solidário.
as 14h30 e as 17h00, as Feirinhas So-
lidárias, que decorrem na sua sede,
situada na Rua Emídio Navarro.
Feirinhas semanais são uma boa ajuda para
Mais barato é difícil de encon-
comprar a preços simbólicos
trar, uma vez que há artigos a custar
50 cêntimos e 1 euro. “Alguns destes que desejem colaborar e ter um gesto
bens são dados pelas lojas. Nós abor- solidário.
damos os comerciantes, solicitando “É também uma forma de ensinar
os donativos, outras vezes são pesso- a valorizar as coisas. Às vezes dáva-
as que nos procuram. Só aceitamos mos as roupas e as pessoas deitavam
artigos limpos e em bom estado”, ex- fora. Assim têm um custo simbólico e
plicou Belisanda Alves, secretária da acabam por lhe atribuir outro valor”,
Associação ‘Entre Famílias’. referiu a responsável.
Existe também uma secção de A associação disponibiliza, ainda,
peças de arte e artesanato, oferecidas o serviço de uma técnica em Educação
por artistas e particulares ou conce- Social para apoiar os utentes a tratar
bidas por membros daquela entida- de assuntos burocráticos, facultando
de, que é destinada a todas as pessoas também aconselhamento. Tomada de posse e apresentação da “Casa Abrigo” em Ceia de Natal da ASMAB

Jovens solidários Francisco, onde foram entregues as


dádivas reunidas.
Segundo Eduardo Fernandes,
coordenador da Concelhia da JS de
enalteceu esta actividade organizada
pelos mais jovens. “Que pode e deve
servir de exemplo”, afirmou.
Os bens irão ser distribuídos pe-
JS e associações de Bragança organizou, com a colabo- Bragança, trata-se de uma “iniciativa los mais carenciados. A campanha
ração das Associações de Estudantes importantíssima” no sentido de de- teve grande adesão por parte dos
estudantes lançam das Escolas Secundárias do concelho monstrar que os jovens também têm alunos das instituições de ensino de
iniciativa para apoiar a campanha “Porque a pobreza exis- espírito solidário. “Desta forma al- Bragança. André Morais, represen-
te, não podemos fechar os olhos”, que guns dos beneficiários poderão pas- tante da Associação de Estudantes
os mais desfavorecidos decorreu entre os dias 9 e 15 de De- sar uma quadra Natalícia um pouco da Escola Secundária Emídio Garcia,
zembro de 2010. melhor”, acrescentou. garantiu que “que o espírito solidário
Pelo quarto ano consecutivo, a Este ano foi escolhido o Centro O responsável pelo Centro Social, está cada vez mais enraizado entre os
Concelhia da Juventude Socialista de Social e Paroquial de S. Bento e S. padre Rufino, agradeceu o gesto e mais novos”.

 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Cavaco quer gastar metade


BRUNO MATEUS FILENA facto de esta ser uma campanha par-
ca de meios. “O candidato disse que,
apenas, iria gastar metade da subven-
Escassa afluência ção a que tem direito por lei, o que
de militantes marcou significa que não haverá uma grande
abertura da sede distrital campanha de meios, nem de mobili-
zação”, repetiu. A situação, contudo,
do (re) candidato a PR será contornada através da realização
de acções de concentração, sem outro
A sede inaugurada na Rua Ale- tipo de meios e equipamentos, para
xandre Herculano, em Bragança, ser- além das sedes de campanha, expli-
ve de base à candidatura de Cavaco cou.
Silva à Presidência da República A cerimónia ficou marcada pela
A abertura do espaço reuniu ape- ausência do candidato que, de acordo
nas cerca de 50 militantes, um núme- com uma sondagem da Intercampus/
ro que é desvalorizado pela mandatá- TVI, ocupa o primeiro lugar nas in-
ria distrital da candidatura, Maria da tenções de voto dos portugueses com
Conceição Martins. “Este é um dia em uma arrasadora vantagem (64,3%
que muitas pessoas daqui da região - 20,7%) sobre o seu opositor mais
estão nas suas actividades pessoais. directo, Manuel Alegre.
Mas de certeza que estarão, depois, Em representação do candida-
Silva Peneda (ao centro) marcou presença na inauguração da sede distrital
noutros dias, ao longo da campanha”, to esteve o membro da Comissão de
afirmou. Honra, Silva Peneda, ex-ministro de vezes, os climas de vitória antecipada to sério”, declarou. Apesar do tom de
Já o director distrital de campa- Cavaco Silva. “Acredito na vitória, são péssimos. Portanto, as eleições apelo ao voto, Silva Peneda acredita
nha, António Branco, reassumiu o mas esta só se decidirá nas urnas. Por devem encarar-se como um acto mui- que Cavaco ganhará à primeira volta.

JS apela ao voto Bloco quer


em Manuel Alegre taxar bancos
‘Movimento Já’ organizou As eleições, que decorreram no TERESA BATISTA lembram que já há várias entidades
passado dia 18, deram a vitória à lista e empresas que são taxadas pela Câ-
campanha junto dos estu- liderada por Nuno Miranda, com 21 Luís Vale alega que mara Municipal de Bragança pela
dantes do ensino superior votos, contra os oito conseguidos por utilização do espaço público, alegan-
José Aires, o outro candidato. as caixas Multibanco do que “os bancos não devem estar à
O Movimento Juvenil de Apoio à Nuno Miranda garantiu que vai utilizam espaço público margem das taxas aplicadas pelo mu-
candidatura de Manuel Alegre para a trabalhar para que a JS recupere a nicípio”.
Presidência da República, intitulado força e a pujança no distrito de Bra- O Bloco de Esquerda apresentou Por outro lado, a aplicação desta
‘Movimento Já’, realizou, no passado gança. A activação das estruturas uma moção na Assembleia Municipal taxa é uma questão de justiça social.
dia 16, várias acções de campanha concelhias é, na óptica do novo presi- de Bragança que pode levar os bancos “Se quem coloca um painel, mesmo
junto das instituições de ensino su- dente da Federação, o principal passo a pagarem pela utilização do espaço que seja na sua própria fachada, tem
perior do distrito de Bragança. para dar uma nova dinâmica à JS. público com as caixas automáticas. que pagar, porque é que os bancos
O mandatário distrital para a ju- Actualmente, encontram-se ac- O documento levantou dúvidas não hão-de pagar”, questiona o depu-
ventude, André Novo, referiu que “o tivas, apenas, as concelhias de Bra- a alguns partidos, mas acabou por tado municipal.
apoio a Manuel Alegre é fundamental gança e Alfândega da Fé, mas Nuno ser aprovado por maioria, contando, No entanto, a medida tem que
para os mais jovens, porque é o can- Miranda acredita que, nos próximos apenas, com dois votos contra. ser aprovada em reunião de Câmara,
didato que oferece mais garantias de três meses, possam ser revitalizadas Na óptica de Luís Vale, “é razoá- antes de avançar, e o autarca local,
futuro”. mais quatro. “Houve aqui camaradas vel que nesta época de crise também Jorge Nunes, afirma que primeiro é
Entretanto, Nuno Miranda é o que se disponibilizaram e já têm pro- os bancos, que são os que apresen- preciso avaliar esta questão.
novo presidente da Federação Dis- cessos organizados para proceder ao tam lucros mais avultados, contribu- O BE acrescenta, ainda, que pre-
trital da Juventude Socialista de Bra- acto eleitoral”, reforça Nuno Miran- am para o reforço das receitas mu- tende fazer chegar esta medida a to-
gança, sucedendo a Bruno Veloso. da. nicipais”. Além disso, os bloquistas dos os municípios do País.

Máquinas e equipamentos industriais


Assistência técnica autorizada e certificada interna e externa,
com técnicos especializados e oficina móvel
Zona Industrial das Cantarias, lote 167 • 5300-678 (Bragança) PORTUGAL • Tel. 273 312 371 • Fax: 273 327 466 • Email: info@bricofel.com • Website: www.bricofel.com

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 


10 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE
Três décadas na senda
lançados tivessem sucesso, sempre
tive o cuidado de me rodear de pes-
soas capazes e com vontade de traba-
lhar”, desvendou. Na opinião de José

do desenvolvimento
Francisco Fernandes, uma das recei-
tas para o sucesso do associativismo
é “deixar a política partidária de fora
das colectividades para que, desta
forma, haja garantia de afirmação no
trabalho previamente delineado”.

Um dos principais embaixado-


res da cultura mirandesa, José
Francisco Fernandes, entoou no
seu discurso as memórias de
outros tempos
A Associação de Palaçoulo procu-
ra manter vivo o folclore mirandês,
de onde se destacam os pauliteiros,
as danças mistas e os cantares regio-
nais, bem como a gaita-de-foles, en-
tre outros instrumentos tradicionais.
O próprio nome da colectividade, Ca-
ramonico, é deveras “emblemático”
porque traduz uma específica carga
histórica e identificativa daquela lo-
calidade mirandesa.
Conversador e com um memória
invejável, o homenageado foi sempre
recuando no tempo, relembrando
que uma das suas primeira façanhas
no campo cultural foi reactivar, em
1961, um grupo de pauliteiros, que já
não dançavam desde 1948. “Foi uma
alegria para este povo voltar a ver e
ouvir os laços dançados pelos gran-
des embaixadores culturais da Terra
José Francisco Fernandes foi alvo de uma merecida homenagem de Miranda”, recordou. Para além de
dinamizador cultural, José Francisco
Fernandes é, também, conhecido pela
FRANCISCO PINTO musicais. Num ambiente de festa pedra daquela estrutura associati- sua faceta literária, tendo já escrito e
que reuniu várias gerações, o que de- va decorria o ano de 1980. Porém, publicado diversas obras em miran-
monstra a “vitalidade” do colectivo, o início da sua actividade remonta a dês. Aliás, é sobre a segunda língua
Associação Caramonico muitos aproveitaram para recordar 1978. “Tudo começou com uma visi- oficial portuguesa, que confidencia:
assinalou os 30 anos de os primeiros passos de uma associa- ta às Festas de Algoso, no concelho “a sua génese está na Convenção Or-
ção que, no seu início, deu pelo nome de Vimioso. A actuação de um grupo tográfica da Língua Mirandesa”.
existência com homenagem de Grupo Cultural e Folclórico da de pauliteiros deixou-me a pensar e, De realçar, ainda, que este miran-
aos seus fundadores Freguesia de Palaçoulo. desde logo vi, o que fazia falta na mi- dês “dos quatro costados” esteve liga-
Um dos pontos altos das come- nha terra, voltar de novo a redesco- do à fundação de outras estruturas
No domingo passado, a Cara- morações foi a homenagem prestada brir esta forma única de dançar”, re- orientadas para a agricultura como
monico – Associação para o Desen- a José Francisco Fernandes, um dos cordou o homenageado, que aos 83 é o caso da Cooperativa Agrícola de
volvimento Integrado de Palaçoulo, principais impulsionadores daque- anos de idade demonstra, ainda, uma Palaçoulo ou dos balcões da Caixa de
no concelho de Miranda do Douro, la associação. Um homem ligado ao “grande paixão” pela cultura e etno- Crédito Agrícola Mútuo de Terras de
assinalou o 30º aniversário com um associativismo, quer juvenil, quer grafia das Terras de Miranda. Miranda, a funcionar em Palaçoulo e
conjunto de iniciativas culturais e empresarial, que lançou a primeira “Para que os projectos por mim Sendim.

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 11


NORDESTE RURAL

Terra Quente aposta na apicultura


GLÓRIA LOPES presenta na produção nacional e ral (PRODER), explicadas por Celi-
na economia regional, bem como na Bouça e Júlio Félix, da Direcção
as suas qualidades invulgares. As Regional de Agricultura e Pescas do
90 produtores de mel da boas características da produção Norte.
Zona Controlada da Terra meleira da região foram também Durante a tarde, o professor
Quente participaram num destacadas por Manuel Gonçal- Paulo Russo, da Universidade de
ves, presidente da Federação Na- Trás-os-Montes e Alto Douro, fa-
seminário em Moncorvo cional de Apicultores, que falou lou sobre as características e va-
sobre a situação da apicultura lorização do Mel da Terra Quente
A Cooperativa dos Produtores de em Portugal. De seguida, a pro- – DOP.
Mel da Terra Quente e Frutos Secos, fessora do Instituto Politécnico O professor Miguel Vilas Boas
CRL, organizou o III Seminário Apí- de Bragança, Sancia Pires, escla- foi o último orador a tomar a pala-
cola, em Torre de Moncorvo, uma Apicultores da Terra Quente juntaram-se receu os apicultores sobre a cria- vra para fazer uma caracterização da
iniciativa que contou com o apoio da em Moncorvo ção de Rainhas. Própolis portuguesa.
Câmara Municipal. mos perante um negócio onde vale a Outro tema que interessou No decorrer do seminário, os cer-
Durante a sessão ficou provado pena investir”, referiu Alexandra Sá, os participantes foi o esclarecimen- ca de 90 apicultores presentes, da
que aquela zona tem potencialidades vereadora do município de Torre de to sobre as ajudas ao apicultor, tan- Zona Controlada da Terra Quente,
para a apicultura. “Temos condições Moncorvo. to no âmbito do Programa Apícola tiveram a oportunidade de ver escla-
favoráveis para a produção de mel e A autarca salientou, ainda, a im- Nacional (PAN) 2011-2013, como do recidas algumas dúvidas pelos orado-
sendo um ramo em crescimento esta- portância que o mel transmontano re- Programa de Desenvolvimento Ru- res presentes.

Sete novos
bebés em Salsas
g. l. local. “Até parece mentira, mas este
ano nasceram sete bebés aqui em
Salsas, o que já vai sendo muito mais
O ano de 2010 ficou marca- raro no meio rural”, explicou o au-
do por um aumento da nata- tarca. Os nascimentos são cada vez
mais uma boa nova no interior, onde
lidade na aldeia onde ainda há localidades, como Alimonde, tam- Salsas registou mais nascimentos este ano
vivem vários casais jovens bém no concelho de Bragança, onde
não nasce qualquer criança há mais necessitem. ofereceu um cabaz de mercearias
Os sete bebés que nasceram este de uma década. (ver notícia na página 7). “Tudo isto
ano na freguesia de Salsas são um Em Salsas continuam a viver vá- Nascimento de novas crianças é uma boa ajuda porque a Junta não
sinal de esperança para a popula- rios casais jovens, que optaram por tem recursos para o fazer”, garantiu.
garante o funcionamento dos
ção daquela aldeia do concelho de manter a residência na aldeia, apesar Este ano lectivo, a escola EB1 de
Bragança. O aumento da natalidade de alguns até trabalharem na cidade. estabelecimentos de ensino na Salsas é frequentada por 18 alunos,
é uma perspectiva de que vão con- “Ainda ficaram cá alguns na nossa aldeia ainda que 20 tivessem efectuado
tinuar a existir jovens e, sobretudo, terra e está a dar resultados porque matrícula, mas acabaram por pedir
crianças que possibilitem a manuten- a natalidade está a aumentar”, acres- Para remediar, mas sem resolver, transferência. O jardim-de-infância
ção do jardim-de-infância e da escola centou Filipe Caldas. este Natal a Junta está a receber al- está a funcionar com seis alunos, mas
EB1 em funcionamento por mais al- A autarquia dá o apoio possível à guns donativos da Cruz Vermelha, o autarca garante que no próximo
guns anos. fixação da juventude, mas gostava de que entregou cabazes às famílias ca- ano lectivo entram mais cinco e saem
O presidente da Junta de Fregue- poder fazer mais, no entanto, “não há renciadas. A Câmara ofereceu arti- três para a escola primária. “Isto é um
sia, Filipe Caldas, não esconde o seu meios financeiros”, atestou o autarca, gos têxteis para o lar, principalmente bom número, no panorama actual da
contentamento perante esta resposta que almeja poder contribuir com as roupa de cama. Um apoio imprevis- região, onde as escolas do meio rural
dos conterrâneos contra o despovoa- ajudas directas para as crianças e me- to veio da empresa David & Nuno, estão a encerrar por falta de crian-
mento e a favor do rejuvenescimento lhoria da habitação das famílias que sediada em Bragança, que também ças”, realçou Filipe Caldas.

12 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE RURAL

Sendas - Bragança

Efeméride
sem efeito

Estação de Sendas foi inaugurada


a 18 de Dezembro de 1905

Sábado, dia 18 de Dezembro, al-


guns elementos do Movimento Cívico
pela Linha do Tua (MCLT) reuniram-
se na encerrada Estação de Sendas. O
objectivo era o de celebrar o aniver-
sário de 106 anos da chegada do com-
boio àquela freguesia, com a inaugu-
ração, a 18 de Dezembro de 1905, do
troço ferroviário entre Macedo de Ca-
valeiros e Sendas.
O apelo foi lançado e o programa
baseado numa lógica de voluntaria-
do, que incluía a limpeza da estação
e da via adjacente, um almoço conví-
vio e uma sessão de esclarecimento à
população sobre o papel do caminho-
de-ferro no desenvolvimento do Nor-
deste Trasmontano.
Mas a fraca adesão por parte das
pessoas gorou as expectativas do
MCLT e deitou por terra a respectiva
programação. A excepção foi a pri-
meira parte que visava a limpeza do
local, acção concluída por meia dúzia
de pessoas, as mesmas que organiza-
ram a iniciativa.
“Isto foi divulgado muito em
cima da hora. Depois, hoje está um
dia pouco convidativo para sair da
cama e vir trabalhar aqui para o frio,
e como é fim-de-semana há muito
pessoal que anda na apanha da azei-
tona”, justificou Daniel Conde, um
dos fundadores do MCLT e actual
assessor do Metro Ligeiro de Miran-
dela. “Esses três factores ajudaram
a que não conseguíssemos mobilizar
muita gente”, continuou.
“Ainda chegámos a limpar a zona
em frente da estação, ali a zona en-
volvente ao cais de mercadorias e a
linha de resguardo do cais de merca-
dorias, mas o resto do programa fica
sem efeito”, lamentou Daniel Conde,
dando por terminada a sessão por
volta das 11 horas.
Bruno Mateus Filena

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 13


NORDESTE RURAL

Natal com banda desenhada


com o exagero próprio das bandas
desenhadas. “Esta publicação vem no
âmbito das acções de formação, para
sensibilizar os técnicos e demais co-

e livro de tradições laboradores das IPSS para a impor-


tância de uma boa comunicação”, ex-
plicou António Estevinho, presidente
do CSPSCR.
trabalham. O projecto foi iniciado em 2009,
A Festa contou com a leitura de com o lançamento da primeira ban-
vários poemas, alguns escritos por da desenhada, que alertava para a
utentes e familiares, e com a inter- necessidade de melhorar a qualidade
pretação de canções que integram o dos serviços prestados aos idosos.
livro. Para além da divulgação, os livros
O projecto literário, que partiu da estão relacionados com uma preten-
recolha de poemas, contos e ditos po- são da instituição, que passa por fa-
pulares, foi dinamizado por Ermelin- zer destes locais, onde se lida com a
da Morais, técnica superior do Cen- terceira idade, “espaços de cultura”,
tro Paroquial, que ao longo do ano foi frisou António Estevinho. “Não po-
ouvido os idosos e registando as suas dem ser albergues ou depósitos de
histórias. Estas vivências ficam agora velhos”, sustenta o sacerdote.
guardadas e salvaguardas para a pos- As publicações vão ser vendidas
teridade, tanto mais que fazem parte em conjunto, com o objectivo de an-
da história da aldeia. gariar fundos para esta obra social,
Centro Paroquial de Rossas apresentou novo livro de banda desenhada que apoia dezenas de idosos em Ros-
sas e aldeias próximas.
“Os lares são cada vez menos, O Centro Paroquial de Rossas tem
GLÓRIA LOPES Santa Comba de Rossas (CSPSCR)
lançou dois novos livros, um de ban- mas os idosos são cada vez actualmente 18 seniores em regime
da desenhada e outro de recolha de mais e mais dependentes” de lar e 20 em serviço de apoio domi-
Centro Paroquial de Rossas poemas, contos tradicionais e ditos ciliário. A instituição não tem capaci-
aposta na edição de livros populares. Já a banda desenhada “A Famí- dade para acolher mais utentes, mas
As publicações foram apresenta- lia Silva” vai na segunda edição, com António Estevinho tem consciência
porque lares não podem ser das na Festa de Natal da instituição, desenhos de José da Fonte e textos que é pouco. “Os lares são cada vez
meros depósitos de idosos na passada quinta-feira, numa ce- da jornalista Carla Alexandra, que menos, mas os idosos são cada vez
rimónia que juntou utentes, alguns entraram no lar para observarem as mais e mais dependentes”, acrescen-
O Centro Social Paroquial de familiares e os profissionais que ali vivências do dia-a-dia, retratadas tou.

Escolas-turismo
pequenos-almoços ou jantares nas
suas casas, permitindo aos turistas a
integração na comunidade”, salienta
Berta Nunes.

vão passar para privados


Além disso, o operador turístico
também vai oferecer passeios de bur-
ros, acompanhamento de rebanhos
ou percursos pedestres a todas as
pessoas que procurem estas unidades
TERESA BATISTA das em unidades turísticas. Ao todo um variado leque de pessoas, desde turísticas.
são seis escolas-turismo que estão in- caçadores a pessoas que querem co- “Queremos que os turistas conhe-
tegradas no Mundo Rural e poderão nhecer o Mundo Rural”, esclarece a çam a cultura da aldeia e as próprias
Câmara de Alfândega da Fé ganhar uma nova vida com a mudan- edil. pessoas que lá moram”, sublinha a
aprova concurso para priva- ça do modelo de gestão. A autarca alfandeguense realça autarca.
A presidente da CMAF, Berta Nu- que o objectivo deste concurso é valo-
tizar a gestão das escolas nes, explica a necessidade de abrir rizar estes alojamentos, visto que os
Ao abrigo deste concurso, a
CMAF exige aos operadores turísti-
transformadas em unidades um novo concurso logo depois da concorrentes vão ter que apresentar cos uma renda no valor de 200 euros,
turísticas Estalagem Nossa Senhora das Neves um projecto que integre as escolas- um valor que poderá ser negociado
ter sido entregue ao Grupo Gesvima. turismo na comunidade. consoante a taxa de ocupação dos
A Câmara Municipal de Alfânde- “Nenhum dos três concorrentes quis “Podem ser feitas, por um lado, alojamentos. “Até agora não davam
ga da Fé (CMAF) aprovou, na semana ficar com as escolinhas, porque estão parcerias com as Juntas de Fregue- lucro, mas também não davam preju-
passada, um concurso para transferir direccionadas para turistas diferen- sia, para a limpeza e manutenção, e, ízo. Mas penso que podem ser muito
para privados a gestão das escolas tes. São mais baratas, estão integra- por outro lado, as pessoas das aldeias mais rentabilizadas”, conclui Berta
primárias do concelho transforma- das nas aldeias e são procuradas por podem disponibilizar-se para servir Nunes.

Bo
as F
esta
s

14 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 15
OPINIÃO

Significado ético-jurídico
Inocêncio Pereira* do acto informativo
Os princípios e normas éticas, e o receptor, que recebe. isenta e verdadeira. Há que ter ain- uma espécie de antipoder. “Porém
relevantes nos outros campos, Do ponto de vista jurídico e éti- da em conta a influência dos fac- – sublinha – como a objectividade
também se aplicam à Comunicação co a massa não existe, trata-se de tores económicos, pois a liberdade não existe, o antipoder não é mais
Social. um ponto de apoio dos sociólogos. não é nada sem os meios práticos objectivo do que o poder, e não
Significa isto que “a comunica- Logo, não é sujeito, porque o sujei- para a exercerem, uma vez que os possui qualquer superioridade mo-
ção deve ser sempre sincera, dado to é sempre pessoal. problemas morais, ideológicos e ral ou técnica sobre o poder que o
que a verdade é essencial para a li- A faculdade de investigar, de deontológicos da Imprensa não são controla”.
berdade individual e para a autên- receber e de difundir informação, independentes das estruturas. No entender do Juíz-Conse-
tica comunidade entre as pessoas”, corresponde sempre à pessoa física A tal propósito, diz-nos Jacques lheiro Pedro Figueiredo Marçal, os
lê-se no IV Capítulo da “Ética nas e jurídica. Sauvageot, ex-director administra- média chegam também a “exorbi-
Comunicações Sociais”, documen- Sublinhe-se o facto de o sujeito tivo do jornal “Le Monde”: “se a tar muito”, e, depois, “especulam
to do P.C.P.C.S., editado em Junho emissor não ser a empresa mas sim propriedade dos meios de infor- “ tornando-se “sensacionalistas”,
de 2000, pelos Paulistas. as pessoas que informam dentro mação está concentrada num de- não tendo muitas vezes o necessá-
Isto quer dizer que “a dimen- dessa empresa. terminado sector de opinião ou até rio e exigido respeito pela dignida-
são ética está relacionada não só ao Em 1933, em França, os jor- numa determinada classe social, de dos indivíduos, das instituições
conteúdo da comunicação (a cha- nalistas conseguiram a chamada não pode falar-se em isenção”. e da vida privada”. E, daqui, o fac-
mada mensagem), mas nas ques- “cláusula de consciência”, que con- O papel do jornalista será, pois, to de a liberdade de imprensa es-
tões fundamentais das estruturas siste numa “cláusula legal”, implí- não deixar um acontecimento sem tar sempre sujeita a exigências que
e sistemas, que frequentemente in- cita em todo o trabalho do jorna- um comentário que o esclareça e nem sempre são respeitadas pelos
cluem grandes problemas de polí- lista. sem o colocar no seu contexto his- média.
tica que dependem da distribuição A Constituição Portuguesa tam- tórico, político e económico, tendo Termino, dizendo que a Cons-
de tecnologia e produtos sofistica- bém a considera, o que significa que sempre presente que “o limite im- tituição, o Código Penal, a Lei de
dos”, considera o documento. os profissionais não estão ao servi- posto é representado pela sua pró- Imprensa e o Código Civil são es-
Posto isto torna-se necessário ço da empresa, mas da informação pria responsabilidade”, assim se clarecedores daquilo que é lícito ou
dizer que o acto informativo é um na empresa. Quer isto dizer que expressa Jacques Sauvageot. ilícito no campo da informação.
acto humano consciente com dois empresas e jornalistas têm obri- Também Giscard d’Estaing dis-
sujeitos: o emissor, que transmite, gação de dar informação honesta, se um dia que a imprensa deve ser * Jornalista

C O N S U L T A S D E es p ec i al i dade

Alergologia Oftalmologia
Cardiologia Ortopedia
Cirurgia Geral Otorrinolaringologia
Cirurgia Vascular Pediatria
Clínica Geral Podologia
Dermatologia Polissonografia
DIRECÇÃO TÉCNICA: Dr.ª Graça Pombo
Endocrinologia Pneumologia (Médica Especialista em Patologia Clínica)
Fisiatria Psicologia Rua Emídio Navarro, 2-6, r/c | 5300-210 BRAGANÇA
Gastroenterologia Radiologia Tel./Fax: 273 325 198 ! E-mail: geral@bragancalab.artelecom.pt

Ginecologia Reumatologia
Nutrição
Obstetrícia
Terapia da Fala
Urologia
s F e s t a s
REALIZAÇÃO DE EXAMES ESPECIAIS Boa
Anuscopia
Audiometria
Colocação de Implanon/DIU CUI
DAD
Colonoscopia Esquerda OS
Colonoscopia Total DE
24 EN
HO FERM
Colposcopia
Ecocardiograma RAS AG
Ecografia Cardíaca EM

Dr. Pinho de Andrade


Ecografia Doppler
Ecografia Geral Representantes Distritais da VitalAire
Electrocardiograma
Electrocoagulação O FTALM O LO G I STA
Endoscopia Alta MARCAÇÕES:
Esclerose Varizes   Tel. 273 332 130/1 | Fax: 273 332 132
  Telem. 961 939 556 | 937 864 591
= Consultas e Cirurgia =
Holter   E-mail: geral@cebrigantina.com
Impedância
Rectosigmoidoscopia   Quinta da Braguinha
  Lote A, r/c Esq. – Vale D’Álvaro
Timpanometria   5300-274 BRAGANÇA
Urofluxometria

16 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


CULTURA

FAN abre com valsas de Strauss


GLÓRIA LOPES dos salões de Viena de Áustria. “É
um espectáculo em que há um empe-
Festival de Ano Novo anima nho financeiro maior. É o verdadeiro
concerto de ano novo”, explicou Rui
Trás-os-Montes a partir de 1 Araújo.
Janeiro Todos os anos o evento apresen-
ta coisas diferentes. “A grande novi-
Está de regresso o FAN – Festi- dade do festival é sempre a própria
val de Ano Novo 2011, que mantém programação. Não é música clássica
o lema “Música Séria Para Gente Di- só no sentido erudito, mas no sentido
vertida”. da passagem dos anos e dos séculos
O evento decorre ao longo do sobre a música”, justificou o respon-
primeiro mês do ano, nos teatros de sável.
Bragança e Vila Real, que partilham a
organização. Na totalidade estão pre- Festival mantém atenção es-
vistos 16 concertos. Este ano a inicia-
tiva conta com menos dinheiro, com
pecial aos públicos infanto-ju-
um orçamento ligeiramente inferior venis, a quem são dirigidos os Festival de Ano Novo anima Bragança e Vila Real em Janeiro
aos 60 mil euros do ano passado. “É Concertinhos
um pouco mais barato, para sermos encontro de pessoas com diferentes Organizado pelo Teatro de Vila
solidários com as instituições públi- A edição de 2011 tem uma pro- gostos musicais”, acrescentou Rui Real, em parceria com o Teatro Muni-
cas, mas nem por isso diminuiu a gramação mais clássica do que a Araújo. cipal de Bragança, o FAN 2011 inclui
qualidade da programação”, asseve- do ano passado, interpretado por Ainda com o intuito de descentra- na sua programação uma exposição
rou Rui Araújo, coordenador de pro- formações muito diversas, como o lizar, constituindo um roteiro cultural de cartazes de eventos relacionados
gramação do Teatro de Vila Real. quarteto Scherzi Musicali, o sexte- que possa dinamizar espaços alter- com a vida e obra de Chopin, cujo
A abertura da quinta edição do to Ensemble Mezzo Esperança ou o nativos, o FAN apresenta concertos bicentenário do nascimento se come-
FAN, logo no dia 1 de Janeiro, está a pianista Domingos António, com ra- na Torre de Quintela e na Biblioteca morou em 2010, e a habitual Feira de
cargo da Orquestra Filarmónica Me- ízes familiares em Bragança. Haverá Municipal, em Vila Real. Objectos Culturais, ambas em Vila
diterrânea, de Espanha, que interpre- ainda espaço para formações menos Mantém-se a atenção especial aos Real.
tará um repertório assente nas valsas convencionais, como a Orquestra de públicos infanto-juvenis, a quem são Não sendo um festival de massas,
de Strauss. Bailarinos ajudarão a re- Bandolins de Esmoriz e a Orques- dirigidas particularmente as sessões o FAN “tem público, há apetência das
criar no palco a época e o ambiente tra de Sinos de Mão. “A ideia é ir ao da iniciativa pedagógica Concerti- pessoas para vir”, adiantou o respon-
nhos. sável.

Boas
Festas

Grátis
Em encomendas iguais ou superiores
a 300 litros

o calor inteligente

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 17


OPINIÃO

Bragança

O Paradigma Eleitoral Dança de sucesso

José António Ferreira


Autárquico (II)
No nosso último artigo sobre o - Presidente mais 4 vereadores. Nos pla legitimidade que os presidentes de
actual paradigma autárquico, abor- municípios de 10.000 a 50.000 eleito- junta detêm, constitui, por vezes, fonte
dava-se um novo modelo de gestão res, para além do presidente, 6 verea- de conflito. Era um favor que se pres-
autárquica assente em federações ou dores; nos municípios de 50 mil a 100 tava aos presidentes de junta, pois o Objectivo da PED para 2011 passa
agrupamentos de municípios e de fre- mil eleitores, 8 vereadores; e 10 verea- actual modelo propicia, em muitos ca- por atingir os 200 alunos
guesias (esta experiência foi feita em dores para os municípios com mais de sos, que presidentes de câmara menos
França por duas vezes com sucesso 100.000 eleitores. Em Lisboa e Porto, escrupulosos utilizem o Plano e Orça- A Populum Escola de Danças (PED)
– com De Gaulle e com Mitterrand). os executivos são compostos por 16 e mento para os condicionar. decidiu celebrar o Natal na companhia
Porém, para além deste, ou apesar 12 vereadores, respectivamente. Além disso, os presidentes de junta dos seus alunos, no Hotel S. Lázaro, em
dele, existe também a necessidade de Nada justifica, hoje, este número dispõem de outros canais e patamares Bragança, onde também decorrem as au-
repensar o nosso paradigma eleitoral de membros de um órgão executivo ao de relacionamento com a câmara mu- las.
autárquico. nível municipal. A sua redução podia nicipal. Mas acima de tudo, esta regra Desde Maio em Bragança, a esco-
Volvidos todos estes anos de con- resumir-se apenas aos que exercem obriga a que em municípios com mui- la tem vindo a conquistar adeptos a um
solidação da democracia local, o mode- funções em regime de permanência, tas freguesias tenhamos assembleias ritmo alucinante, tendo já, aproximada-
lo eleitoral vigente carece de um ajus- escolhidos de entre os eleitos à assem- municipais com números absurdos. mente, 100 alunos. “Não são muitos. Pelo
tamento à actual realidade política, bleia municipal pelo candidato ven- Veja-se por exemplo o caso de Barce- menos, duzentos vou ter aqui e queria
social e económica. Mas esta reforma cedor a este órgão, que se tornaria no los que tem 89 freguesias. Isto implica que isso acontecesse até ao próximo bai-
terá que ser feita, não de forma avul- presidente da câmara – à semelhança a eleição de 90 deputados municipais, le, em Julho”, afiança Carlos Carvalho, o
sa, mas sim na dimensão do seu todo, do que acontece hoje para a assem- ficando, assim, a assembleia munici- docente, revelando a sua ambição para
isto é, no sistema eleitoral autárquico, bleia de freguesia. O poder executivo pal com um total de 179 membros. E a capital do nordeste. “Quero pôr tudo a
no quadro de funcionamento das au- deve ser dado a quem ganha. há muitas outras assim. E se for como dançar. Ou melhor, comigo Bragança vai
tarquias locais, e em sede de revisão A oposição, deixava de estar pre- vemos um pouco por todo o lado, se mesmo ter que dançar”, afirma o único
constitucional. sente no órgão executivo – onde, mui- calhar, 9 falam e 170 assistem. Mas to- professor de todos os 100 aprendizes.
Era necessário reconfigurar a com- tas vezes, faz papel de figurante – e dos recebem. E para além da senha de Carlos Carvalho é de Braga e vem,
posição dos órgãos das autarquias passaria a exercer a sua acção de fisca- presença, mais de metade destes ainda única e exclusivamente, a Bragança ao
locais, de modo a torná-los mais fun- lização – vendo, naturalmente, os seus recebe a itinerância, pois todos os que fim-de-semana para ensinar os seus pu-
cionais, eficientes e com um custo fi- poderes reforçados – na assembleia não residem na sede do município têm pilos. Questionado sobre se os briganti-
nanceiro muito mais baixo – num país municipal (como acontece na relação direito à deslocação. nos teriam o “pé pesado”, o docente ga-
com uma factura pesada no seu funcio- entre a Assembleia da República e o Para termos ideia, em Inglaterra e rante: “para além de excelente pessoas,
namento político. Governo – a oposição não se senta à em França não há assembleias muni- são excelentes bailarinos. Encaram a
Em primeiro lugar devia-se reduzir mesa do conselho de Ministros). cipais com mais de 50/60 membros. dança com muita facilidade e com meia
o número de vereadores das câmaras Por sua vez, no âmbito da revisão Recorde-se que a Assembleia da Repú- dúzia de aulas, pode ver, nas exibições
municipais. Não faz sentido manter constitucional em curso, seria o mo- blica tem 230 deputados e é represen- depois do jantar, aquilo que eles são já
os actuais elencos camarários quando mento para se aproveitar a oportuni- tativa de todo o país e regiões autóno- capazes de fazer”.
mais de um terço dos municípios por- dade de eliminar a norma relativa à mas. A PED transmite aos seus alunos
tugueses (110 num total de 308 – 93 composição da assembleia municipal, É, pois, necessário coragem e de- técnicas que abrangem vários estilos. Há
no Continente, 12 nos Açores e 5 na que obriga a eleger deputados munici- terminação de pegar na lei eleitoral au- a componente de danças de salão e a de
Madeira) têm menos de 10 mil habi- pais em número superior ao dos presi- tárquica, na lei de funcionamento das latino-americanas. “Claro que a juventu-
tantes, e destes, cerca de metade (53 dentes de junta de cada concelho. autarquias locais e aproveitar a revisão de gosta de danças mais mexidas como
- sobretudo no interior) têm menos de Deveria haver coragem política constitucional em curso, para operar o kuduro, tiriri, salsas, merengues, mas,
5 mil habitantes. para retirar a presença dos presiden- uma ampla e séria reforma do sistema dentro das danças de salão, também há
Neste patamar, a lei estabelece cin- tes de junta na assembleia municipal, político dos órgãos autárquicos. Assim músicas mais lentas que são muito boni-
co elementos no executivo municipal que a integram por inerência. Esta du- como está, não há país que aguente. tas”, exprime.

Os primeiros sete leitores a apresentar


o jornal NORDESTE, comprado na loja book.it
de Bragança, recebem este livro de oferta.

18 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


OPINIÃO

Borbulhas
champanheiras
rica e ociosa, artistas em alta e estrelas
enquanto luminosas, pois quando a luz
fenecia a champanhe desaparecia. As
revistas da época testemunham esta
evidência, nós por cá – em Bragança –
nos idos de sessenta – contentávamo-
nos no sorver umas coisas açucaradas
Armando Fernandes em dias nomeados, no mais prevalecia
a correnteza estreita do quotidiano cir-
A primeira vez que bebi champa- cunscrita aos finos ganhos e perdidos
nhe deve-se à generosidade de um re- à moedinha, e às refeições com tinto
gressado emigrante leitor de romances ou branco sem rótulo de proveniência
camilianos que a mulher devotada- como agora a lei determina. Manda a
mente ia requisitar ao templo cultural verdade dizer que descrições do fasci-
itinerante. Na altura gostei tanto da nante líquido borbulhento sempre ouvi
prova que prometi a mim mesmo com- ao meu avô Francisco Buiça, pois nos
prar uma garrafa de modo a ampliar seus vinte e nove anos de Brasil a tra-
o prazer, pois o ofertante dividiu par- balhar na área da restauração e paste-
cimoniosamente a palpitante bebida. laria/padaria passaram-lhe pelas mãos
Como quem não quer a coisa indaguei as melhores marcas, e quando o clien-
o preço da esfusiante champanhe, mas te deixava um resto ele apressava-se a
quando o sempre amistoso Senhor bebê-lo não fosse transformar-se em
Abreu soletrou o preço abornalei a von- sarro no fundo da garrafa. Na altura
tade, os olhos percorreram a garrafa e do seu regresso em 1958, dono de te-
seguindo o seu conselho contentei-me res substanciosos (esfumados passado
com um espumante Fita Azul. A mágoa pouco tempo por negregada desvalo-
pela renúncia ficou ao modo do meni- rização do cruzeiro) abriram-se umas
no que tendo apurado a muito custo al- garrafas de um vinho guloso a fazer
guns tostões ficou sem eles porque não cócegas no palato, mas não era cham-
resistiu à gulosa tentação, gastando-os panhe pois ele não sendo forreta, sabia
num bolo de arroz. Saboreado o bolo muito bem o custo do dinheiro. Em
lambeu a cintura de papel pejada de Março passado por imperioso dever de
migalhas agarradas a ela, de imediato saudade, passei algumas vezes na Ave- neos que muito alegravam a noite de pobrete, mas alegrete. Os magros orde-
lamentou a perda dos dez tostões pro- nida de Nossa Senhora de Copacabana passagem de ano, como uma vez acon- nados não esticavam e imperava a má-
vocando o riso do Sr. Ribeiro pasteleiro apenas com o intuito de voltar a olhar teceu em casa do seu compadre e ami- xima: quem não tem dinheiro, não tem
consumado e fervoroso portista. A be- o sítio onde o meu avô gastou energias go Teodoro. No entanto, tudo dentro vícios. O mundo mudou, a qualidade e
bida ícone dos franceses nesses tempos e anos de vida. Voltando ao borbulhar, da contenção habitual, numa socieda- prestígio do champanhe manteve-se, o
estava reservada aos possidentes, a ca- nesta altura do ano o meu pai conseguia de marcada pela singeleza, poucas pos- leque da oferta alargou-se, no entanto,
beças coroadas e reis sem coroa, gente umas garrafas de espumante e sucedâ- ses e hábitos regulados pelo cânone do não haja ilusões: as grandes colhei-
tas oriundas dos melhores produtores
continuam a custar pipas de dinheiro,
sendo melhor não indicar os preços. A
cavalgada da vida de quando em vez
proporciona-me apreciar champanhe
proveniente das casas míticas, de todas
faço especial reverência à De Sousa &
Fils, não só pelo Sousa, também de-
vido à sua excelência, e às espantosas
Taittinger e Krug. Fico sempre muito
agradecido, a seguir desço à terra e ad-
quiro espumantes portugueses que são
muito bons a ombrearem e, até a ul-
trapassarem muitos champanhes. Não
ouso adnumerar marcas, actualmente
produzem-se vinhos intranquilos em
todas as regiões, a Bairrada e Lamego
deixaram de ter o exclusivo, podendo-
se dizer orgulhosamente que os nossos
espumantes têm enorme qualidade,
sendo óptimos acompanhantes de todo
o género de comidas, para além das de-
licadezas gastronómicas.
Apesar da crise, apesar das nu-
vens carregadas no horizonte, apesar
dos medos pela incerteza sobre o futu-
ro, faça o leitor o favor de brindar ao
novo ano bebendo um espumante filho
de óptimas uvas e bem produzido. No
caso de possuir a dita cuja bebida fran-
cesa não guarde as garrafas pensando
no casamento dos filhos, um dia não
são dias, mais a mais pode estragar-se.
Bom Ano Novo.

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 19


NORDESTE REGIONAL

CESPU celebra Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738 de 28


de Dezembro de 2010

NOTÁRIO
vier, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2468, com o valor
patrimonial tributável de € 4,15, sendo para efeitos de IMT de €
64,55 e o atribuído de € 70,00;
número treze - prédio rústico, composto de terra de pastagem e

protocolos para estágios


MANUEL JOÃO castanheiros, com a área de quatro mil e oitocentos metros qua-
SIMÃO BRAZ drados, sito em “Carrasquinha”, a confrontar de norte e poente
com Manuel Rodrigues sul com Olímpio Peixoto e nascente com
EXTR AC TO
Antero Augusto, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2473,
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por com o valor patrimonial tributável de € 3,90, sendo para efeitos
escritura de hoje, exarada de folhas quatro a nove do respectivo de IMT de € 60,63 e o atribuído de € 65,00;
livro número cento e oitenta e sete, JOÃO MANUEL DO VALE número catorze - prédio rústico, composto de terra de pasta-
LOPES, NIF 191 350 672, solteiro, maior, natural da freguesia gem, com a área de mil e seiscentos metros quadrados, sito em
de Bragança (Sé), residente na freguesia de Rebordãos, ambas “Carrasquinha”, a confrontar de norte e poente com Manuel
do concelho de Bragança, que outorga por si e na qualidade de Rodrigues, sul com António Joaquim Gonçalves e nascente com
sócio e único gerente em representação da sociedade comercial Antero Augusto, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2474,
por quotas com a firma “SOCIEDADE AGRÍCOLA E FLO- com o valor patrimonial tributável de € 0,63, sendo para efeitos
RESTAL DA SERRA DE NOGUEIRA, LDA”, com sede no de IMT de € 9,81 e o atribuído de € 20,00;
Bairro do Carriço, n.º 153, freguesia de Rebordãos, concelho de número quinze - prédio rústico, composto de terra de pastagem,
Bragança, com o capital social de oito mil e cem euros, matri- com a área de mil e oitocentos metros quadrados, sito em “Car-
culada na Conservatória do Registo Comercial de Bragança sob rasquinha”, a confrontar de norte com Manuel António Galelo,
o número único de matricula e identificação fiscal quinhentos e sul, nascente e poente com Antero Augusto, inscrito na respecti-
três milhões quinhentos e trinta e oito mil quinhentos e noventa, va matriz sob o artigo 2484, com o valor patrimonial tributável
(NIPC 503 538 590), declarou: de € 0,76, sendo para efeitos de IMT de € 11,77 e o atribuído
Que, com exclusão de outrem, é dono e legítimo possuidor e de € 20,00;
compossuidor dos bens a seguir identificados: número dezasseis - prédio rústico, composto de terra de pasta-
A) Localizados na freguesia de Rebordãos, concelho de Bra- gem com castanheiros, com a área de três mil e trezentos metros
gança: quadrados, sito em “Carrasquinha”, a confrontar de norte e nas-
número um - prédio rústico, composto de terra de pastagem, cente com caminho, sul com Adriano Gonçalves e poente com
com a área de quatro mil e oitocentos metros quadrados, sito em António Martins, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2486,
“Pema de Cera”, a confrontar de norte com Aníbal Pereira, sul com o valor patrimonial tributável de € 3,40, sendo para efeitos
com Francisco Gomes, nascente com António Gonçalves Xavier de IMT de € 52,78 e o atribuído de € 55,00;
e poente com Francisco António Benites, inscrito na respectiva número dezassete - prédio rústico, composto de terra de pas-
matriz sob o artigo 1019, com o valor patrimonial tributável de tagem e castanheiros, com a área de quatrocentos metros qua-
€ 1,89, sendo para efeitos de IMT de € 29,43 e o atribuído de drados, sito em “Vale de Ladrões”, a confrontar de norte com
€ 30,00; castanheiros de nogueira, sul com Leonardo Fernandes, nascente
número dois - prédio rústico, composto de terra de pastagem e com Manuel Marcelino Lopes e poente com Maria Adélia Alves,
castinçal, com a área de quatrocentos e cinquenta metros quadra- inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2681, com o valor patri-
dos, sito em “Vale Escuro de Cima”, a confrontar de norte com monial tributável de € 1,13, sendo para efeitos de IMT de € 52,78
Francisco Carlos Gomes, sul e poente com António Carolino e o atribuído de € 20,00;
Faria e nascente com Junta de Freguesia, inscrito na respectiva B) Localizados na freguesia de Mós, concelho de Bragança:
matriz sob o artigo 1246, com o valor patrimonial tributável de número dezoito - prédio rústico, composto de terra de cultura,
€ 1,64, sendo para efeitos de IMT de € 25,51 e o atribuído de com a área de quatro mil e oitocentos metros quadrados, sito em
CESPU assina protocolos com Federação de Bombeiros e APADI € 30,00; “Estrada”, a confrontar de norte com caminho, sul e nascente
número três - prédio rústico, composto de terra de pastagem e com Maria das Dores Pires e poente com Tomás Joaquim Alves,
castinçal, com a área de duzentos e oitenta metros quadrados, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1057, com o valor patri-
GLÓRIA LOPES alunos da Escola de Bragança da sito em “Vale de Escuro de Cima”, a confrontar de norte com monial tributável de € 4,53, sendo para efeitos de IMT de € 70,44
e o atribuído de € 75,00;
Norberto Saraiva, sul e poente com João António Rodrigues e
CESPU, na área da Saúde. Para além nascente com Laurinda de Jesus Quintas, inscrito na respectiva número dezanove - prédio rústico, composto de terra de pasta-
de assegurar os estágios aos recém- matriz sob o artigo 1271, com o valor patrimonial tributável de gem, com a área de quatro mil e oitocentos metros quadrados,

Consultas e serviços de licenciados, a cooperativa de ensino


€ 1,13, sendo para efeitos de IMT de € 17,66 e atribuído de €
20,00;
sito em “Folecro”, a confrontar de norte e sul com João Miguel
Cabecinha, nascente e poente com Junta de Freguesia, inscrito

saúde grátis para os bom-


número quatro - prédio rústico, composto de terra de pastagem na respectiva matriz sob o artigo 1718, com o valor patrimonial
cria condições para o seu primeiro e castinçal, com a área de duzentos metros quadrados, sito em tributável de € 1,89, sendo para efeitos de IMT de € 29,43 e o
contacto com o mercado de trabalho “Vale Escuro de Cima”, a confrontar de norte com Fulgêncio atribuído de € 30,00;
beiros e utentes APADI no distrito. “Proporcionando traba-
Domingues, sul com José Celestino Faria, nascente e poente
com caminho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1284,
número vinte - prédio rústico, composto de lameiro e choupos,
com a área de setecentos e cinquenta metros quadrados, sito
em “Folecro”, a confrontar de norte com termo de Sarzeda, sul
lho em ambiente real”, afirmou Cor- com o valor patrimonial tributável de € 1,01, sendo para efeitos
de IMT de € 15,70 e o atribuído de € 20,00; com caminho, nascente com Fernando Augusto Gonçalves e
A Cooperativa de Ensino Superior deiro Tavares. número cinco - prédio rústico, composto de terra de pastagem poente com Alfredo Augusto Fernandes, inscrito na respectiva
e castinçal, com a área de trezentos e oitenta metros quadrados, matriz sob o artigo 1724, com o valor patrimonial tributável de
Politécnico e Universitário (CESPU) Por seu turno, quer a APADI quer sito em “Vale de Escuro de Cima”, a confrontar de norte com € 7,17, sendo para efeitos de IMT de € 111,64 e o atribuído de
vai passar a fazer rastreios dentários a FBDB, passam a contar com a dis- Venâncio Salústio Domingues, sul com António Carolino Faria, € 115,00;
número vinte e um - prédio rústico, composto de lameiro e frei-
nascente e poente com caminho, inscrito na respectiva matriz
gratuitos para os bombeiros e para ponibilidade da CESPU e dos seus sob o artigo 1288, com o valor patrimonial tributável de € 1,26, xos, com a área de dois mil e quinhentos metros quadrados, sito
em “Folecro”, a confrontar de norte com ribeiro remisquedo, sul
os utentes da APADI (Associação de recursos humanos para promover sendo para efeitos de IMT de € 19,62 e atribuído de € 20,00;
número seis - prédio rústico, composto de terra de pastagem e e nascente com Junta de Freguesia e poente com Abílio Augusto
Pais e Amigos do Diminuído Intelec- acções de formação a actualização castinçal, com a área de duzentos e cinquenta metros quadra- Gonçalves, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1728, com
dos, sito em “Vale de Escuro de Cima”, a confrontar de norte o valor patrimonial tributável de € 22,38, sendo para efeitos de
tual). A novidade foi divulgada por dos seus colaboradores, que passam com Luís dos Reis Vaz, sul com Junta de Freguesia, nascente IMT de € 348,45 e o atribuído de € 350,00;
vinte e dois - prédio rústico, composto de lameiro e choupos,
Cordeiro Tavares, vice-presidente da a usufruir do estatuto de ‘cooperante’ com caminho e poente com António Joaquim Afonso, inscrito
na respectiva matriz sob o artigo 1299, com o valor patrimonial com a área de setecentos e cinquenta metros quadrados, sito em
CESPU, na passada terça-feira, 21, o que lhes permite, por exemplo, fre- tributável de € 1,01, sendo para efeitos de IMT de € 15,70 e o “Folecro”, a confrontar de norte com termo de Sarzeda, sul com
atribuído de € 20,00; caminho, nascente com Felisbina de Jesus Gonçalves e poen-
durante a assinatura de protocolos quentar cursos de licenciatura, pós- número sete - prédio rústico, composto de terra de pastagem e te com Ângela Pires, inscrito na respectiva matriz sob o artigo
de colaboração com a Federação dos graduações ou mestrados, com con- castinçal, com a área de quinhentos metros quadrados, sito em 1725, com o valor patrimonial tributável de € 7,17, sendo para
efeitos de IMT de € 111,64 e o atribuído de € 115,00;
“Fraga da Pena”, a confrontar de norte com Luís Gonçalves, sul
Bombeiros do Distrito de Bragança dições especiais, nomeadamente a com José Farinha, nascente com Francisco Gonçalves e poente número vinte e três - prédio rústico, composto de lameiro, com a
área de dois mil metros quadrados, sito em “Folecro”, a confron-
(FBDB) e com a APADI. redução no valor da propina mensal. com caminho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1376,
com o valor patrimonial tributável de € 2,02, sendo para efeitos tar de norte com termo de Sarzeda, sul com caminho, nascente
A cooperativa disponibiliza ain- A CESPU disponibiliza ainda os seus de IMT de € 31,39 e o atribuído de € 40,00; com Abílio Augusto Gonçalves e poente com Francisco António
número oito - metade indivisa do prédio rústico, composto de Gonçalves, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1726, com
da a prestação de todos os serviços recursos humanos para participar mata de carvalhos, com a área de quatro mil metros quadrados, o valor patrimonial tributável de € 17,60, sendo para efeitos de
IMT de € 274,09 e o atribuído de € 280,00; e
de saúde de que venha a dispor em em seminários, colóquios, congres- sito em “Chaira”, descrito na Conservatória do Registo Predial
deste concelho sob o número duzentos e quarenta e nove, onde número vinte e quatro - prédio rústico, composto de lameiro e
Bragança, depois da construção do sos e outras actividades que possam se mostra registada a aquisição de um quarto indiviso a favor freixos, com a área de dois mil e quinhentos metros quadrados,
dos herdeiros de Adriano Augusto Gonçalves, pela apresenta- sito em “Folecro”, a confrontar de norte com termo de Sarze-
hospital privado e da criação de no- ser promovidas pelas referidas enti- ção quatro, de dois de Novembro de mil novecentos e noventa da, sul com Junta de Freguesia, nascente com António Joaquim
vos cursos de licenciatura. dades. e cinco, e um quarto indiviso a favor de Maria Edita Garcia Afonso e poente com Felisbina de Jesus Gonçalves, inscrito na
respectiva matriz sob o artigo 1727, com o valor patrimonial tri-
Gonçalves, casada com Mário Humberto Rodrigues Gonçalves,
Os protocolos têm por objecti- Em termos de cursos, a CESPU pela a presentação mil setecentos e trinta a e três, de vinte e três butável de € 23,25, sendo para efeitos de IMT de € 362,19 e o
de Setembro de dois mil e dez, inscrito na respectiva matriz sob atribuído de € 400,00;
vo que a APADI e a FBDB venham a vai avançar com a criação de uma li- o artigo 1760, com o correspondente valor patrimonial tributável não descritos na Conservatória do Registo Predial deste conce-
acolher, em planos de estágio, alguns cenciatura em Medicina Dentária. de € 3,02, sendo para efeitos de IMT de € 46,99 e o atribuído lho, à excepção dos identificados sob as verbas número oito e
de € 50,00; nove, conforme duas certidões que da mesma apresenta.
número nove - três quartos indivisos do prédio rústico, composto Que os identificados bens foram-lhe doados no ano de mil no-
de pastagem e mata de carvalhos, com a área de onze mil metros vecentos e oitenta e cinco, por Aurélio Fernando Lopes e Maria
quadrados, sito em “Bruxeira”, descrito na Conservatória do Re- Amélia do Vale, seus pais, residentes na aludida freguesia de Re-
bordãos, por contrato de doação meramente verbal nunca tendo
Misericórdia desiste do hospital
gisto Predial deste concelho sob o número duzentos e cinquenta,
onde se mostra registada a aquisição de um quarto indiviso a fa- chegado a realizar a necessária escritura pública.
vor dos herdeiros de Adriano Augusto Gonçalves, pela apresen- Que, assim, não é detentor de qualquer título formal que legitime
o domínio dos mencionados bens.
privado
tação quatro, de dois de Novembro de mil novecentos e noventa
e cinco, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1808, com o Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil
correspondente valor patrimonial tributável de € 6,24, sendo novecentos e oitenta e cinco, passou a usufruir os referidos ter-
para efeitos de IMT de € 96,83 e o atribuído de € 100,00; renos, dois deles em situação de composse, gozando de todas
A Santa Casa da Misericórdia de Bragança recuou na decisão de instalar número dez - prédio rústico, composto de terra de pastagem, com as utilidades por eles proporcionadas, começando por ocupá-los,
a área de mil e quatrocentos metros quadrados, sito em “Lamas limpando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos e produtos e
uma unidade de Cuidados Continuados no futuro hospital privado, e não d´Égua”, a confrontar de norte com João Baptista Gonçalves, efectuando diversas benfeitorias, designadamente o melhoramen-
to das suas vedações, agindo assim, sempre na aludida proporção
vai ocupar o piso que tinha reservado. “Inicialmente estavam previstos dois sul com António Ramos Afonso, nascente com José Bernardo
Rodrigues e poente com João Gonçalves, inscrito na respectiva com ânimo de quem exerce direito próprio, na convicção de tais
pisos, a Misericórdia começou por nos pedir 86 camas. Pediu ainda que o matriz sob o artigo 2417, com o valor patrimonial tributável de bens lhe pertencerem e de ser o seu verdadeiro dono, como tal
€ 0,63, sendo para efeitos de IMT de € 9,81 e o atribuído de € sendo reconhecido por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ig-
acesso a esse serviço fosse independente do acesso aos restantes. Foi possí- 20,00; norar lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violência,
vel criar esse acesso”, explicou Cordeiro Tavares. Entretanto, a Misericórdia número onze - prédio rústico, composto de terra de pastagem contínua e publicamente, à vista e com o conhecimento de todos
e sem oposição de ninguém.
com castanheiros, com a área de mil e seiscentos metros quadra-
“desistiu de um dos pisos e acabou por desistir dos dois”, acrescentou. Este dos, sito em “Carrasquinha”, a confrontar de norte com Manuel Que dadas as enunciadas características de tal posse e composse
que, da forma indicada vem exercendo há mais de vinte anos,
abandono obrigou a que o projecto de arquitectura fosse repensado. António Galelo, sul com caminho, nascente com Manuel Rodri-
gues e poente com Benedita da Conceição Fernandes, inscrito adquiriu o domínio dos ditos bens por usucapião, título esse que,
A CESPU está a cumprir os prazos de construção do hospital, “rigorosa- na respectiva matriz sob o artigo 2466, com o valor patrimonial por sua natureza, não é susceptível de ser comprovado por meios
tributável de € 4,27, sendo para efeitos de IMT de € 66,51 e o normais. Que para suprir tal título fazem esta declaração de justi-
mente”, garantiu o vice-presidente. atribuído de € 70,00; ficação para fins de primeira inscrição no registo predial.
Está conforme.
Várias fases do processo estão concluídas. A apresentação do projecto número doze - prédio rústico, composto de terra de pastagem e
mata de carvalhos, com a área de quatro mil e duzentos metros Bragança, 22 de Outubro de 2010.
definitivo está prevista para 31 de Maio de 2011. quadrados, sito em “Carrasquinha”, a confrontar de norte com
António Joaquim Gonçalves, sul com caminho, nascente com A colaboradora autorizada,
João Baptista Gonçalves e poente com António Gonçalves Xa- Elisabete Maria C. Melgo

20 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


Distrital Juvenis 3 MÃE D’ÁGUA
CACHÃO 3
Campo do CEE

Tudo tem um limite


Árbitro – Márcio Roque (Bragança)
EQUIPAS
André Ricardo
Xano Fernando
Sobral Zé Pedro
O mês de Dezembro po- portamento impressionante.
Abel Fábio
dia e deveria servir para apa- O jogo se tivesse terminado Daniel Romeo José Miguel
ziguar os espíritos numa alu- com um empate a 6 golos não César Rui Filipe
são à quadra, mas no final da escandalizava ninguém. Fo- Moisés Francisco Batista
partida, quando nada o fazia ram tantas as oportunidades Miguel Ângelo Mário Jorge
prever, tudo acabou numa e uma grande qualidade de Portela Vila Franca
batalha campal, com agres- jogo, que jamais alguém es- Mantorras Mikael
Toni Rui
sões de grande gravidade peraria tal confusão no final.
Raposo David
entre jogadores, dirigentes e Fica o lado bom do encon- Zé Mário
público. Valeu a intervenção tro, com grandes golos e mui-
de dois agentes da PSP, que tos outros que ficaram por TREINADORES
foram autênticos heróis na marcar. F. Batista deu festival Valdemar Barreira Hermínio Alves
hora de promover a tranqui- de futebol no Cachão e Man-
Golos – Moisés 9”, Mikael 10”, 23”, Man-
lidade e restabelecer a ordem torras e Moisés no Mãe d´ torras 22”, Sobral 66”, Fábio 78”
até chegarem reforços. Água, numa batalha leal den- Disciplina: vermelho – Mikael 67”
Nada fazia prever esta tro das 4 linhas. O juiz dirigiu Equipas dividiram os golos entre si
situação, visto que o jogo foi o jogo com muita tranquili-
bem disputado, com uma dade, embora com algumas quase impossível devido ao mas sim dos nervos e do jogo sidentes têm que reunir com
entrega brava de todos os pressões. Não terá visto uma amontoado de jogadores na da primeira volta. Mas a so- bandeiras brancas, para estas
jogadores e com momentos grande penalidade a favor do área da equipa da casa. lução é simples, se querem o cenas de violência não se vol-
de grande futebol e um com- Cachão, mas na verdade era A culpa não foi do juiz, bem destes miúdos, os pre- tarem a repetir.

4 MONCORVO
MACEDO 0 Distrital Juvenis
Campo de Jogos Dr. Camilo José

Moncorvo brilha na 2 parte a


Sobrinho - Moncorvo
Árbitro – Rui Domingues
(AF Bragança)

EQUIPAS
Marcelo Diogo
João Armindo Daniel
VÍTOR ALEIXO baliza de Marcelo, através de
Diogo Bruno
contra – ataques, nos quais o
Micael João Luís O resultado deste jogo só guardião moncorvense res-
Mário Mário se resolveu na segunda par- pondeu com duas excelentes
Rui Nuno te. Assistiu-se a um primeiro defesas. Carlitos, com dois go-
(Carromão 74´´) João Carlos tempo quase sem oportuni- los, e Mário, com um, selaram
Nicolas Alexandre dades de golo, com ambas as o resultado final em 4-0, num
Daniel Ricardo
equipas a imprimirem um rit- jogo com duas partes distin-
Samuel Nuno Máximo
Carlitos Pedro
mo lento no jogo. tas, a primeira sem interesse e
Pedro Na segunda parte, tudo com poucas ocasiões de golo e
foi diferente. O GD Moncor- uma segunda parte onde o GD
TREINADORES
vo entrou muito bem no jogo Moncorvo esteve sempre no
Urgel Carvalho Quintino
e inaugurou o marcador, aos comando e onde construiu um
Golos – Nicolas 46´´; Carlitos 58´´ e 62´´ 46´´, por intermédio de Ni- resultado concludente de 4-0.
e Mário 72´´ colas. A partir daqui, só deu A equipa de arbitragem fez
Moncorvo e o Macedo só um bom trabalho, conduzindo
Moncorvo inaugurou marcador e fechou contagem chegou por mais duas vezes à o jogo sem dificuldade.

8 19 28 32 46 4 7

5 13 15 22 36 47 4

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 21


NORDESTE DESPORTIVO

Juvenis 9 0 MONTES VINHAIS


ALFANDEGUENSE Infantis 5 BRAGANÇA A
ESCOLA CRESCER B 3
Campo do CEE

Montes de Vinhais Golos para Árbitros – Pedro Lopes e Kiko Colina


(Bragança)

dominou a posteridade
EQUIPAS
Luís Lombo Padrão
Gabriel Zé Fernandes
Nuno Tiago Jerónimo
Sem guarda
Ruben Rui Dinis Dias
– redes, a Escola Martins F Martins
Crescer colocou o Francisco F Vaz
central Padrão a Xano Pedro Afonso
defender as redes, Diogo Amaral S Silva
que nada pôde fa- Artur Pedro
zer perante os go- Freixo
Alexis
los que ficarão na
João Filipe
mente dos respec-
tivos autores e do TREINADORES
público presente Nem o frio estragou o espectáculo Filipe Vaz Nuno Pereira
no campo do CEE.
Golos – Ruben (penalti 12”), Zé Fernandes
Gabriel, por exem- Os juízes são os melhores 23”, Rui Dinis Dias 31”, 47”, Nuno 33”, Ga-
Montes de Vinhais arrasou no marcador plo, fez de livre directo uma nesta categoria. Deixam jo- briel 43”, Xano 48”, Artur 55”
O jogo disputou-se numa o resultado ditava 3-0. lenda ao futebol, com um gar, ensinam os miúdos e só
tarde fria e com algum nevo- Na segunda parte, veri- remate com direito a bater apitam em última instância. todos com o destaque, porque
eiro à mistura. Como o resul- ficou-se mais do mesmo. A primeiro na parte interior da Com tudo isto junto só se po- a meio da manhã o frio voltou
tado indica, a equipa da casa equipa da casa a pressionar barra e entrar de seguida. O dia esperar e confirmar no fi- a atacar e os atletas em cam-
impôs-se ao adversário por e muitos golos para gáudio facto de não ter guarda- redes nal um hino ao futebol. Ficam po sofreram com isso.
uns claros 9-0. O encontro dos adeptos. No fim do en- não teve nada a haver com o
teve, sobretudo, bons mo- contro, o resultado fixou-se espectáculo. O jogo foi boni-
mentos de futebol, protagoni-
zados pelos jovens de Vinhais,
em 9-0. Entre os marcado-
res dos golos alguns destaca-
to e muito bem urdido pelos
atletas e pela enchente no
CEE. Os adeptos mostraram
Infantis 2 BRAGANÇA B
ESCOLA CRESCER A 5
uma vez que os adversários ram-se, como Rikas, com 4, Campo do CEE
ser senhores do gosto pelo
não conseguiram pôr à prova
o guarda-redes do Montes de
e Chinoca, com 3, foram os
mais certeiros. A equipa de jogo.
Na Escola Crescer houve
O regresso Árbitros – Elsa Afonso e André Vicen-
te (Bragança)
Vinhais. Na primeira parte, o arbitragem respondeu bem a
de Pik
EQUIPAS
jogo foi controlado pela equi- um jogo fácil de dirigir, tal a muitas baixas, provavelmen-
Miguel Tiago
pa da casa, intervalado por diferença evidenciada neste te, devido à época festiva, Domingos Edgar Toni Toni
alguns ataques rápidos do AR jogo pelo Montes de Vinhais mas ninguém se desculpou João Veiga
Alfandeguense. Ao intervalo sobre o ARA. com isso. Geraldo V Massano
Ricardo Marcelo
Nuno Pedro Afonso
Infantis 8 MONCORVO
ÁGUIA VIMIOSO 0 António
Duarte
Refoios
Tiago Pik
Tiago
Gui

Continuar na senda
Complexo Desportivo Eng.º José Aires
- Moncorvo André Santos Nuno
Árbitro – Rui Domingues Houve muito e bom futebol TREINADORES

das goleadas (AF Bragança)


EQUIPAS Tiago Pik veio esta época
do Montes de Vinhais para a
Xaninha J Ferreira e N
Pereira
Quinzinho Pedro
VÍTOR ALEIXO Ricardo Frederico
Escola Crescer. Esta mudan- Golos – V Massano 12”, 24”, Geraldo 32”,
Daniel Nuno ça não estava a dar resultado, Nuno 40”, Pedro Afonso 44”, Tiago Pik 47”,
O Moncorvo e o Vimioso Zé Miguel Rodrigo mas as suas qualidades são Ricardo 49”

disputaram um jogo de senti- Kevin Rui visíveis, dado que é senhor de


do único, em que o GD Mon- Luisinho Miguel um pé esquerdo fabuloso. ataque. Massano é jogador de
Ruben Daniel O jogador reapareceu em elite e, no Bragança, Geraldo
corvo foi superior, aprovei-
Francisco Rafael
tando também o facto de ser o grande ao marcar e assistir já mostra ser “El Comandan-
André Teixeira Bruno
primeiro ano que a equipa do Moncorvo mostrou poderio Cadete Alexandre
os seus companheiros. Na te”, carregando atrás de si a
Águia de Vimioso participa Telmo Escola Crescer houve muito equipa e o treinador, que só
neste escalão. Os pupilos da o contra – ataque. Durante o TREINADORES
futebol, aliado à rapidez de se pode sentir honrado de ter
casa entraram bem no jogo, jogo, o Moncorvo criou diver- execução, o que nesta mo- uma equipa boa e um líder.
Zé Tó Nené
inaugurando o marcador sas ocasiões de perigo à baliza dalidade dá bons resultados. Ganhou a melhor equipa,
logo aos seis minutos. Depois defendida por Pedro, que não Golos – Luisinho 6´´ e 56´´; Daniel 26´´; Nuno é fabuloso no um para mas houve muito futebol e,
do golo, limitaram-se a gerir conseguiu parar o poderio André Teixeira 27´´; Kevin 34´´ e 42´´; Fran- um e o resto do grupo com- acima de tudo, o gabarito de
cisco 40´´ e Telmo 60´´ pleta-se, desde a defesa ao saber estar.
a posse de bola e a explorar atacante da equipa da casa.

Churrascaria.–.Restaurant

Ô.’.ARGOSELO
Grillades au feu de bois   Spécialités de la Maison:
Poulpe grillé • Morue   Leitão • Churrasco • Posta • Bacalhau

Tél/Fax: 01 43 80 70 09 • www.o-argoselo.net • 2, Rue Gustave Doré


75017 PARIS (Fait le coin avec le 157 Av. Wagram)

22 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Benjamins 0 BRAGANÇA B
ESCOLA CRESCER 8
Campo do CEE

Vamos lá Árbitros – Elza Afonso e André Vicen-


te (Bragança)

EQUIPAS

divertir-nos João Bernardo


Rui I
Rui II
João Amaro
F Vale
Ricardo Lico
8-0 é um resultado normal para estes Rui III Sara Carolina
meninos do Bragança B, que ainda são muito Gonçalo Miguel Rodrigues
pequenos, mas têm uma margem de progres- Danilo João Pires
João Pedro Garcia
são ampla. Estão no primeiro ano e o técnico
Ivan Narciso
Filipe Martins já implementou o cunho da Leandro M Morais
sua arte. Os dois guarda- redes da equipa ca- Esteves Rodrigo Saraiva
narinha foram os mais importantes em mo- F Martins Carlos Genésio
mentos difíceis, jogando cada um metade da Néné
partida e, tanto um como outro, brilharam. TREINADORES
O treinador da Escola Crescer colocou duas Filipe Martins Jorge Ferreira
equipas e o jogo foi decorrendo sem grandes
problemas para os candidatos ao título. Foi Golos – Pedro Garcia 4”, 29”, Sara Caro-
uma manhã amena e jogou-se com muita lina 6”, Narciso 14”, 15”, Carlos Genésio
21”, João Pires 34”, M. Morais 38”
vontade. Não se podia esperar mais nada
deste jogo a não ser contar os golos para os
azuis celestes. Foi uma boa propaganda e os assistiu a mais uma grande
pais estiveram bastante atentos. O público casa no CEE.

I D R O
D E V
D A S
A R A N
V

Escola fez Crescer os golos no placard

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 23


PUBLICIDADE

Futsal Distrital 4 MIRANDELA


FELGAR 0
Jogo no pavilhão do Inatel

Minutos para os jogadores


em Mirandela
Árbitros: Victor Coelho e Filipe
Balbino (A. F. Bragança)

EQUIPAS

menos utilizados
Cunha Luís Rodrigues
Edgar Daniel Cabral
Marco Pinto Mihel
Pica António Gomes
Pedro Clemente António Varelas
Jogo muito entretido, com (cap) Pedro Lopes (cap)
bons lances e equilibrado, em Dani Jorge Meireles
que Miguel Ângelo resolveu Zézé Luís Paulo
dar uma prenda de Natal aos Viega Aristides Fanado
François António Viseu (sub-
atletas menos utilizados e Fi-
De Sá cap)
lipe Canhoto aproveitou para David
deixar a mensagem que a ta- Mané
bela classificativa não é muito TREINADORES
correcta.
Miguel Ângelo Filipe Canhoto
A sua jovem equipa do
Felgar já tem outra experi- Golos: De Sà 7’ e 17’, Pedro Clemente 18’,
ência e encara a 2ª volta com Zézé 31’
outra rodagem, automatizada
e muito mais confiante. ta de experiência. A classe de
Claro que quando os lo- Pica e Pedro Clemente cons-
cais faziam circular as suas truiu lances de hino ao futsal
“trutas” pela quadra, os fo- e, especialmente, François,
rasteiros tinham mais difi- que mostrou uma qualidade
culdades, mas não baixavam que ainda lhe não tínhamos
a atitude, o que proporcionou visto como organizador.
Vitória natural da melhor
Experiência do Mirandela ditou resultado
e mais experiente equipa,

6 SPORT MONCORVO
VILA FLOR 5 um jogo com lances vistosos,
em que o Futsal Mirandela
tório e o Felgar ia deixando
perceber que poderá ter uma
Importa destacar a atitu-
de e a alegria dos felgarenses
quanto aos árbitros, uma noi-
te disciplinarmente tranquila
e tecnicamente perfeita.
Pavilhão Municipal de Moncorvo testava situações de labora- palavra a dizer. a jogar, que têm, apenas, fal-
Árbitro – Frederico Pires
(AF Bragança)
EQUIPAS Futsal Distrital
Esperto Lázaro
Honorato Carlos

Bruno Cordeiro
Luís
Samuel
Igor
Mário
Final atribulado
Paulo Dias Pedro
Mila Hugo VÍTOR ALEIXO cinco golos, mas poderiam dos acontecimentos e o Mon- quem foi sancionado foi Tó.
Cascais ter sido mais, frente a um corvo teve mais dificuldade Erro da equipa de arbitra-
Simão em sair para o ataque, apesar
O Sporting de Moncorvo Vila Flor que entrou no jogo gem, que dois minutos depois
TREINADORES até esteve a vencer por 5-0 desconcentrado e sem inspi- de até ao minuto 37´´ ter tido expulsou Tó, dando ao atleta
Jorge Paiva António Vitorino ao intervalo, mas no segundo ração. Era a equipa da casa sempre o jogo controlado. o segundo amarelo, mas a
tempo, e já perto do final, o que ia construindo o resulta- Foi precisamente aos 37” que errar pois não devia ter sido
Golos – Paulo Dias 9´´ e 20´´; Honorato Vila Flor reagiu e fez com que do, gerindo a posse de bola e aconteceu o caso do jogo, com sancionado com o primeiro.
11´´ e 35´´; Luís 17´´ e Mila 22´´; Hugo 24´´; criando situações para dilatar o árbitro a assinalar grande A partir daqui, a equipa
a equipa sportinguista termi-
Mário 34´´; Igor 37´´ e 38´´ e Pedro 40´´
nasse o jogo com o “credo na o placard. penalidade para o Vila Flor, do Moncorvo descontrolou-se
Disciplina – Amarelos – Lázaro 12´´; Pe-
dro 19´´; Paulo Dias 27´´; Igor 27´´; Tó 37´´ e boca”. Mas no segundo tempo mas a dar a cartolina amarela e terminou o jogo com muitos
39´´; Vermelho – Tó 39´´ (acumulação) O Sporting fez uma exce- tudo mudou, o Vila Flor en- ao jogador errado, pois quem nervos, mas mesmo assim al-
lente primeira parte, marcou trou disposto a mudar o rumo cometeu a falta foi Simão e cançou os três pontos.

J Á A B R I U !

24 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

os diversos
Basquetebol
membros das Futsal Feminino 3 PIONEIROS
FUTSAL MIRANDELA 1
Estrelas Brigantinas
famílias tinham

Jogar com alma


de cooperar para Pavilhão Bragança
Árbitros – Sérgio Lameiras
alcançarem, com
e A. Pinheiro (Bragança)

em convívio
êxito, os objecti-
vos finais. Por A primeira parte terminou a zero, EQUIPAS

fim, foram cons- com muito equilíbrio entre estas equipas Sofia Carla Loureiro
tituídas equipas candidatas. Na verdade, a turma de Mi- Patrícia Ana Correia
para os jogos randela foi muito perigosa, por intermé- Vanessa Pereira S Maceira
Daniela Rita Silva
que se adivinha- dio de Lira, com um bom pé esquerdo e
Vanessa Rey Daniela
vam. boas diagonais a fazer com que as viole- Irene Sónia Sapateiro
Num clima tas tivessem muita concentração. A guar- Sara Lira
de grande fair- diã local esteve muito bem nas respostas, Maria João Cidália
play, o resultado Carla Loureiro (Futsal Mirandela) mos- Marta Vera
final dos diver- trou muita atenção e fez uma boa presta- Mónica
sos jogos foi ir- ção nas manchas, ou seja de um para um TREINADORES
relevante, já que é excelente. Ricardinho José Rocha
o que se preten- Foi um jogo com muito equilíbrio,
dia era propor- pois só Daniela desfez as dúvidas. Mais Golos – Daniela 24”, 32” 37”, Lira 35”

cionar uma ex- uma vez, estas equipas vão lutar para o
periência mais primeiro lugar e merecem pela contribui- Os juízes nem vê-los e isto
próxima dos fa- ção que dão à modalidade. é categoria.
miliares dos jo-
Boa disposição no pavilhão foi a nota dominante vens atletas com
a modalidade de
O Clube de Basquetebol O convívio teve início com basquetebol.
Estrelas Brigantinas organi- exercícios de activação geral, Foi uma tar-
zou uma actividade vocacio- conduzidos pelo capitão de de bem passada,
nada para o envolvimento equipa dos juniores mascu- onde a boa dis-
dos familiares dos atletas na linos, Pedro Gonçalves. De posição e o con-
modalidade. A iniciativa teve seguida, as diversas famílias vívio entre os
uma excelente receptivida- participaram num concurso intervenientes
de, contando com mais de 70 de lances livres, que foi muito imperaram, de
participantes. disputado. tal forma que já
O convívio pautou-se pela A próxima actividade era estão agendadas
boa disposição e participação composta por vários exercí- novas jornadas
nas actividades propostas. cios de critério técnico, onde similares. Ambas as equipas vão lutar pelo primeiro lugar

Festas Felizes

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 25


NORDESTE DESPORTIVO

Noites de gala mirandelense


FERNANDO CORDEIRO na. Octávio Vasconcelos
e Marco Silva, atletas
já de outra dimensão
Kickboxing regressa em e muito conceituados,
força ao ringue do recinto com Vasconcelos a ser
José Pina mais forte com o públi-
co em pé a viver inten-
A adrenalina disparou e a emo- samente este combate.
ção do ringue contagiou a vasta as- A grande desilusão
sistência que viu os combates, dos da noite foi Sónia Pe-
mais “caçulas” até aos profissionais reira, que não pode de-
seniores. Para o primeiro combate da frontar Filipa Fernandes
noite, a abrir com chave de ouro, dois no combate agendado
jovens atletas de apenas 14 anos, Ma- como cabeça de cartaz,
nuel Lima do Ginásio Clube Miran- integrado na prepara-
delense e João Cardoso da Académi- ção da Campeã Miran-
ca de Coimbra, com o conimbricense delense para atacar o
a sair praticamente cilindrado pelo título Mundial de Full
“aspirante a futuro sucessor de José Contact em Junho em
Pina”. Mirandela, e defender
No segundo combate, outro atleta o seu Titulo Mundial de
da casa, João Gonçalves, a fazer boa Kickboxing em Maio em
figura mas a não conseguir contrariar Coimbra.
Acção no Recinto José Pina
o jogo do adversário. A raça trans- “Foi uma lesão sé-
montana e a alma mirandelense fica- ria esta semana no pla-
ram presentes, mas não chegaram, a desistir, até porque não queria fazer riscar dado ser o seu segundo comba- no de treinos. Fiz uma luxação grave
maior compleição do adversário foi perigar o combate que tem agendado, te na carreira. no dedo do pé direito, fiquei triste
decisiva. Estava feito o aquecimento com mais responsabilidade, para dia porque estou a preparar-me para os
para uma grande noite de combates 18 na Gala da Associação Académica Lesão impediu Sónia Pereira Títulos Mundiais de Full Contact e
Kickboxing. Resta restabelecer-me
com um nível muito elevado. de Coimbra. de defrontar Filipa Fernandes
A noite aqueceu com Mark Mo- Mais um atleta da casa em 86 kg, para voltar à preparação”, garantiu a
derno, atleta da casa em 71 Kg para Nuno Pinheiro a bater com Gonçal- A gala seria encerrada com plati- conceituada atleta.
combater com Alex do Atlético Fi- ves Lopes do Académica de César, a
gueirense, e tudo levava a pensar em ter também de abandonar o combate
mais uma vitória caseira, mas uma devido a um golpe mais forte e José
má defesa a um ataque obrigou-o a Pina, seu treinador, a não querer ar-

“Querer é poder”
Fica a promessa da nossa campeã regressar na máxima força dia 19 de
Fevereiro, a próxima noite de kickboxing em Mirandela, onde será feito o
combate que nesta gala não se pode realizar.
No final da noite, a “alma do Ginásio Clube Mirandelense”, José Pina,
era um treinador feliz. “Mesmo com escassos apoios vamos conseguindo
mostrar aos mirandelenses que quando se quer mostrar trabalho e eficácia
nada nos trava”, revelou, congratulando-se pelo leque de ginásios presentes
na II Gala Mirandelense de Kickboxing. “Querer é poder, mesmo sem muito
dinheiro as coisa são possíveis de se fazer, e as galas de kickboxing são um
exemplo disso”, terminava o Mestre Pina, visivelmente emocionado.

Boas Festas

26 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738, de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738, de
28 de Dezembro de 2010 28 de Dezembro de 2010

NOTÁRIO NOTÁRIO
MANUEL JOÃO MANUEL JOÃO
SIMÃO BRAZ SIMÃO BRAZ
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738, de Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738, de
28 de Dezembro de 2010 28 de Dezembro de 2010
E X T RACTO EXTRACTO
Cartório Notarial Cartório Notarial
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por escri- de Miranda do Douro de Miranda do Douro
critura de hoje, exarada de folhas oitenta e três a oitenta e quatro tura de hoje, exarada de folhas sessenta e seis a sessenta e sete do
do respectivo livro número cento e oitenta e seis, CARLA ALE- respectivo livro número cento e oitenta e seis, MARCOLINO DOS Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia de Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia de
XANDRA CELAS ALVES ANJOS, NIF 214 051 889, casada com SANTOS RUFINO, NIF 164 219 536, e mulher MARIA DA CON- hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Justifica- hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Justifica-
Carlos Nelson Esteves Dos Anjos, NIF 205 551 904, sob o regime CEIÇÃO, NIF 164 219 528, casados sob o regime da comunhão ge- ção, exarada de folhas 20 a 21 do respectivo livro n° 105-C, em que ção, exarada de folhas 20 a 21 do respectivo livro n° 105-C, em que
da comunhão de adquiridos, natural da freguesia de Vale de Prados, ral, naturais, ele da freguesia de Failde, ela da freguesia de S. Pedro foram justificantes: José dos Anjos Fernandes, N.I.F. 202 130 223, foram justificantes: Natércia de Jesus Afonso Jacinto, N.I.F. 185
concelho de Macedo de Cavaleiros, residente na Rua Guerra Jun- de Serracenos, onde residem no Bairro Urbano da Boavista, Rua de e mulher Argentina da Purificação Fernandes, N.I.F. 216 539 277, 643 515, e marido Eduardo Fernando Jacinto. N.I.F. 139 830 081,
queiro, n.º 6, 1.º D, Queluz de Baixo, DECLAROU: Lagoa, n.º 1, ambas do concelho de Bragança, declararam: casados sob o regime da comunhão de adquiridos, naturais, ele da casados sob o regime da comunhão de adquiridos, naturais, ela da
Que, com exclusão de outrem, é dona e legítima possuidora do Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos do prédio freguesia de Póvoa, ela da freguesia de Duas Igrejas, residentes na freguesia de Vila Chã de Braciosa, concelho de Miranda do Douro
prédio urbano, composto de casa para habitação de dois pisos e lo- rústico, composto de terra de cultura, com área de novecentos e Rua de Vale de Angueira, freguesia de Malhadas, todas do concelho e ele de Angola, residentes na Rua Arquitecto Vaz Martins, n° 50,
gradouro, com a superfície coberta de duzentos e quarenta e quatro cinquenta metros quadrados, sito em “Vale de Pés”, freguesia de de Miranda do Douro e disseram: Que são donos e legítimos pos- freguesia e concelho de Mogadouro e disseram: Que são donos e
metros quadrados e descoberta, correspondente a logradouro, de S. Pedro de Serracenos, concelho de Bragança, a confrontar de suidores, com exclusão de outrem, do prédio urbano, sito na Rua legítimos possuidores, com exclusão de outrem, do prédio urbano,
seiscentos e sessenta e um metros quadrados, sito em “Fanados”, norte com Santana Gonçalves, sul com Francisco António Alves, Vale de Angueira, freguesia de Malhadas, concelho de Miranda do sito na Rua Principal, freguesia de Vila Chã de Braciosa, concelho
freguesia de Vale de Prados, concelho de Macedo de Cavaleiros, nascente com António Carlos Samões e poente com Lídia Augusta Douro, composto de edifício destinado a habitação de rés-do-chão, de Miranda do Douro, composto de edifício destinado a habitação
a confrontar de norte e sul com rua pública, nascente com Liseta Fernandes, não descrito na Conservatória do Registo Predial deste com a superfície coberta de noventa e sete metros quadrados, a de rés-do-chão e primeiro andar, com a superfície coberta de cento
Cristina Celas Alves e poente com Rui Manuel Cosme Santos, não concelho, conforme certidão que da mesma apresentam, mas ins- confrontar do norte com caminho, do sul com estrada, do nascente e trinta e dois metros quadrados, a confrontar do norte com cami-
descrito na Conservatória do Registo Predial de Macedo de Ca- crito na respectiva matriz sob o artigo 1216, com o valor patrimo- com Fernanda dos Anjos Fernandes e do poente com herdeiros de nho, do sul com herdeiros de Alípio Brás, do nascente com Manuel
valeiros, conforme certidão que da mesma apresenta, inscrito na nial tributário de € 0,88 e o atribuído de dez euros. Basílio Cigano, não descrito na Conservatória do Registo Predial Maria Valentim e do poente com rua pública, não descrito na Con-
respectiva matriz sob o artigo 505, pendente de avaliação fiscal e ao Que o referido prédio veio à posse de ambos, por adjudicação em de Miranda do Douro e inscrito na respectiva matriz em nome do servatória do Registo Predial de Miranda do Douro e inscrito na
qual atribui o valor de vinte e cinco mil euros. partilha efectuada com os demais interessados, por óbito do pai da justificante marido sob o artigo 566, com o valor patrimonial tribu- respectiva matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 882,
Que o identificado prédio foi-lhe doado no ano de mil novecentos justificante mulher, António Alexandre, já falecido, residente que tário e atribuído €3.120,00. Que o mencionado prédio foi por eles com o valor patrimonial tributário e atribuído €16.910,00. Que o
e oitenta e sete, ao tempo ainda no estado de solteira, por Manuel foi na aludida freguesia de S. Pedro de Serracenos, partilha essa adquirido, já no estado de casados, em data que não sabem precisar mencionado prédio foi por eles adquirido, já no estado de casados,
Alfredo Alves e mulher Odete da Conceição Celas, ele já falecido, efectuada no ano de mil novecentos e setenta e dois e nunca forma- mas do ano de mil novecentos e oitenta e nove, por compra mera- em data que não sabem precisar mas do ano de mil novecentos e
ela a residir na aludida freguesia de Vale de Prados, por contrato de lizada pela outorga da necessária escritura pública. mente verbal feita a José Joaquim Gonçalves c mulher, Isabel Ma- oitenta e nove, por compra meramente verbal feita a Otília de Jesus
doação meramente verbal, nunca tendo chegado a realizar a neces- Que, assim, não são detentores de qualquer título formal que legiti- ria da Paixão Antão, já falecidos e ao tempo residentes na referida João, viúva, já falecida, residente que foi na referida freguesia de
sária escritura pública. me o domínio do mencionado prédio. freguesia de Malhadas, mas não dispõem de qualquer título formal Vila Chã de Braciosa, mas não dispõem de qualquer título formal
Que, assim, não é detentora de qualquer título formal que legitime Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil no- para o registar na Conservatória. Que, no entanto, entraram desde para o registar na Conservatória. Que, no entanto, entraram desde
o domínio do mencionado prédio. vecentos e setenta e dois, passaram a usufruir o referido terreno, essa altura na posse e fruição do mencionado prédio, nomeadamen- essa altura na posse e fruição do mencionado prédio, nomeadamen-
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil nove- gozando de todas as utilidades por ele proporcionadas, começando te, habitando-o, nele guardando seus haveres, efectuando regular- te, habitando-o, nele guardando seus haveres, efectuando regular-
centos e oitenta e sete, passou a habitar a referida casa, gozando de por ocupá-lo, limpando-o, cultivando-o, colhendo os seus frutos mente obras de conservação e reparação, c pagando os respectivos mente obras de conservação e reparação e pagando os respectivos
todas as utilidades por ela proporcionadas, guardando nela seus ha- e produtos, e efectuando diversas benfeitorias, designadamente o impostos, com ânimo de quem exercita direito próprio, de impostos, com ânimo de quem exercita direito próprio, de boa fé,
veres, efectuando regularmente obras de conservação e reparação, melhoramento das suas vedações, agindo assim, sempre com âni- boa fé, por ignorar lesar direito alheio. Que, esta posse tem sido por ignorar lesar direito alheio. Que, esta posse tem sido exercida
como substituição de elementos danificados e de benfeitorização, mo de quem exerce direito próprio, na convicção de tal prédio lhes exercida sem interrupção, de forma ostensiva, à vista de toda a gen- sem interrupção, de forma ostensiva, à vista de toda a gente e sem
agindo assim, sempre com ânimo de quem exerce direito próprio, pertencer e de serem os seus verdadeiros donos, como tal sendo te e sem violência ou oposição de quem quer que seja, de forma violência ou oposição de quem quer que seja, de forma correspon-
na convicção de tal prédio lhe pertencer e de ser a sua verdadeira reconhecidos por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorarem correspondente ao exercício do direito de propriedade. Que, assim, dente ao exercício do direito de propriedade. Que, assim, a posse
dona, como tal sendo reconhecida por toda a gente, fazendo-o de lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violência, contínua a posse pública, pacífica, contínua e em nome próprio do citado pública, pacifica, contínua e em nome próprio do citado imóvel des-
boa fé por ignorar lesar direito alheio, pacificamente, porque sem e publicamente, à vista e com o conhecimento de todos e sem opo- imóvel desde o ano de mil novecentos e oitenta e nove, conduziu à de o ano de mil novecentos e oitenta e nove, conduziu à aquisição
violência, contínua e publicamente, à vista e com o conhecimento sição de ninguém. aquisição do mencionado prédio por usucapião, que expressamente do mencionado prédio por usucapião, que expressamente invocam
de todos e sem oposição de ninguém. Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma invocam para justificar o seu direito de propriedade para fins de para justificar o seu direito de propriedade para fins de registo.
Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma indicada vêm exercendo há mais de vinte anos, adquiriram o domí- registo. Esta conforme o original o que certifico.
indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o domínio nio do dito prédio por usucapião, título esse que, por sua natureza, Esta conforme o originai o que certifico. Miranda do Douro, 21 de Dezembro de 2010.
do dito prédio por usucapião, título esse que, por sua natureza, não não é susceptível de ser comprovado por meios normais. Miranda do Douro, 21 de Dezembro de 2010.
é susceptível de ser comprovado por meios normais. Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para A segunda Ajudante, A Segunda Ajudante,
Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para fins de primeira inscrição no registo predial. Maria Adelaide Gomes Parreira Maria Adelaide Gomes Parreira
fins de primeira inscrição no registo predial. Está conforme.
Está conforme. Bragança, 20 de Dezembro de 2010.
Bragança, 20 de Dezembro de 2010.
A colaboradora autorizada, A colaboradora autorizada, Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738 de João, residente na aludida freguesia de Parâmio, por contrato
Elisabete Maria C. Melgo Elisabete Maria C. Melgo 28 de Dezembro de 2010 de doação meramente verbal, nunca tendo chegado a realizar a
necessária escritura pública.
NOTÁRIO Que, assim, não é detentor de qualquer título formal que legiti-
MANUEL JOÃO me o domínio do mencionado prédio.
Jornal Nordeste - Semanário Regional de Informação Nº 738, de 28 de Dezembro de 2010
SIMÃO BRAZ Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil
novecentos e oitenta e nove, passou a usufruir o referido terreno,
CPN 4009 EXTRAC TO gozando de todas as utilidades por ele proporcionadas, come-
Alexandra Gomes çando por ocupá-lo, limpando-o, cultivando-o, colhendo os seus
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por frutos e produtos, e efectuando diversas benfeitorias, designada-
Solicitadora de Execução ANÚNCIO DE VENDA (1ª Publicação) escritura de hoje, exarada de folhas duas a três do respectivo mente o melhoramento das suas vedações, agindo assim, sempre
livro número cento e oitenta e quatro, PEDRO MIGUEL SAN- com ânimo de quem exerce direito próprio, na convicção de tal
Processo 16/04.8TBVMS-A Execução Comum Data: 23-12-2010 TOS CERDEDO, NIF 212 272 594, e mulher SOFIA ISABEL prédio lhe pertencer e de ser o seu verdadeiro dono, como tal
Vimioso - Tribunal Judicial – Secção Única Ref. Interna: PE- 78/2010 COSTA CORREIA RAINHA, NIF 219 490 163, casados sob o sendo reconhecido por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ig-
regime da comunhão de adquiridos, naturais, ele da freguesia norar lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violência,
Exequente: Marcelina Rosa Preto Pires de Tuizelo, concelho de Vinhais, ela da freguesia e concelho de contínua e publicamente, à vista e com o conhecimento de todos
Executado: Manuel Joaquim de Quina Cascais, residentes na Rua Amália Rodrigues, Lote 92, Habita- e sem oposição de ninguém.
ção 61, em Bragança, declararam: Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da
Agente de Execução, Alexandra Gomes CP 4009, com endereço pro- VALOR BASE DA VENDA: 23.000,00€ Que, com exclusão de outrem, é dono e legítimo possuidor do forma indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adqui-
fissional em Av. João da Cruz, n.º 70, Edifício S. José – 2.º Esq. Frente, Será aceite a proposta de melhor preço, acima do valor de 16.100,00€, prédio rústico, composto de terra de pastagem, com área de riu o domínio do dito prédio por usucapião, título esse que, por
5300-178 Bragança. correspondente a 70% do valor base. quatro mil metros quadrados, sito em “Cabeço do Bairro”, fre- sua natureza, não é susceptível de ser comprovado por meios
Nos termos do disposto no artigo 890º do Código de Processo Civil, Nos termos do nº1 do art.º 897º C.P.Civil: “os proponentes devem jun- guesia de Parâmio, concelho de Bragança, a confrontar de norte normais.
anuncia-se a venda do bem adiante designado: tar à sua proposta, como caução, um cheque visado, à ordem do Agente com Álvaro Henrique Ferreira, sul com Eugénio Cândido Vaz, Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação
de Execução ou, na sua falta, da secretaria, no montante correspon- nascente com Clemente Augusto Ferreira e poente com Maria
dente a 5% do valor anunciado para a venda, ou garantia bancária para fins de primeira inscrição no registo predial.
Bem em Venda Luzia Veleda, não descrito na Conservatória do Registo Predial Está conforme.
no mesmo valor”; advertindo-se, ainda, os possíveis proponentes que
deste concelho, conforme certidão que da mesma apresenta, Bragança, 22 de Dezembro de 2010.
TIPO DE BEM: Imóvel só serão aceites as propostas que sejam acompanhadas de cópia de
mas inscrito na respectiva matriz sob o artigo 988, com o valor
ARTIGO MATRICIAL: art.º 655 Urbano – Finanças de Vimioso. bilhete de identidade/cartão de cidadão do proponente ou do seu legal
representante, caso remetidas pelo correio, ou mediante exibição de tal
patrimonial tributário de € 2,51 e o atribuído de dez euros. A colaboradora autorizada,
DESCRIÇÃO: Prédio urbano composto de casa de rés-do-chão, pri-
documento de identificação, caso apresentadas pessoalmente. Que o identificado prédio foi-lhe doado no ano de mil novecen- Elisabete Maria C. Melgo
meiro andar e quintal anexo com 70m2, sito na Estrada Nacional, fre-
tos e oitenta e nove, no estado de solteiro, por seu pai, Horácio
guesia de Santulhão e concelho de Vimioso, descrito na Conservatória
do Registo Predial de Vimioso sob o n.º 1283/20100719.
A sentença que se executa está pendente de recurso ordinário Não
PENHORADO EM : 19.07.2010
INTERVENIENTE ASSOCIADO AO BEM: Está pendente oposição à execução Não

Leia, assine
EXECUTADO: Manuel Joaquim de Quina, divorciado, residente na
Avenida do Sabor, 2, 5230 Santulhão, Vimioso, NIF 168326957. Está pendente oposição à penhora Não
MODALIDADE DA VENDA: Venda mediante propostas em carta

e divulgue
fechada, a serem entregues na Secretaria do supra mencionado Tri-
bunal, pelos interessados na compra, em envelope fechado e com a
identificação completa do proponente, ficando como data para abertura Agente de Execução,
das propostas o dia 18 de Janeiro de 2011, pelas 14:00 Horas. Alexandra Gomes

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 27


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738, de 28 de Dezembro de 2010 Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Vinhais, composto por cultura, com a área de mil quatrocentos e vin-
Nº 738 de 28 de Dezembro de 2010 te metros quadrados, a confrontar do norte com António Maximino
Gonçalves e irmãos, do nascente com Natália Anjos Rodrigues, do sul
Com o arquivo do antigo com Junta de Freguesia e do poente com António Maria Alves, não
CARTÓRIO NOTARIAL descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito
na matriz respectiva sob o artigo 1128, sendo de 3,02 euros, o seu valor
DE BRAGANÇA patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros.
1ª Publicação EXTRACTO / JUSTIFICAÇÃO 15- Prédio rústico, sito em Carril, freguesia de Mofreita, concelho de
Vinhais, composto por cultura, com a área de mil quatrocentos e oi-
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por tenta metros quadrados, a confrontar do norte com António Maximino
escritura lavrada no dia vinte e três de Dezembro de dois mil e dez Gonçalves e irmãos, do nascente com Graça Maria Rodrigues Roxo,
no Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves do sul com Junta de Freguesia e do poente com Zita Madalena Rodri-
Andrade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, gues, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas
exarada de folhas cento e trinta e cinco a folhas cento e quarenta e um inscrito na matriz respectiva sob o artigo 1131, sendo de 3,02 euros, o
verso, do livro de notas para escrituras diversas número “DEZASSE- seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros.
TE-G”, “JOSÉ ALVES RODRIGUES e mulher MARIA DE LURDES 16- Prédio rústico, sito em Charco do Salgueiro, freguesia de Mofreita,
GARCIA RODRIGUES, casados sob o regime da comunhão geral de concelho de Vinhais, composto por pastagem com duas Nogueiras e
bens, ele natural da freguesia de Mofreita, concelho de Vinhais e ela da vinha, com a área de oitocentos e trinta metros quadrados, a confrontar
freguesia Meixedo, concelho de Bragança, residentes na Rua Asdrúbal do norte com Natália Anjos Rodrigues, do nascente com Berta dos
Calisto, nº 9, Caldas da Rainha, NIFS 110 096 711 e 110 096 720, fize- Anjos Fernandes, do sul com Adília Augusta de Carvalho e do poente
ram as declarações constantes desta certidão, que com esta se compõe com Graça Maria Rodrigues Roxo, não descrito na Conservatória do
de dez laudas e vai conforme o original. Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o
Bragança, Cartório Notarial, vinte e três de Dezembro de dois mil e artigo 1372, sendo de 15,98 euros, o seu valor patrimonial, a que atri-
dez. buem o valor de vinte euros.
A Colaboradora: 17- Prédio rústico, sito em Ás Fontes, freguesia de Mofreita, concelho
Bernardete Isabel C. Simões Afonso de Vinhais, composto por terreno com dezassete castanheiros, com a
área de mil e oitocentos metros quadrados, a confrontar do norte com
Que, são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem dos Ana dos Anjos, do nascente com Domingos António Rodrigues, do
seguintes bens: sul com António Maximino Gonçalves e do poente com caminho, não
1- Prédio rústico, sito em Vilar, freguesia de Mofreita, concelho de descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito
Vinhais, composto por pastagem, com a área de dois mil quatrocen- na matriz respectiva sob o artigo 1424, sendo de 17,32 euros, o seu
tos e cinquenta metros quadrados, a confrontar do norte com Mariana valor patrimonial, a que atribuem o valor de vinte euros.
Rodrigues, do nascente com Raul Gonçalves, do sul com Comissão 18- Prédio rústico, sito em Às Fontes, freguesia de Mofreita, concelho
Fabriqueira e do poente com João Marcelino Carvalho, não descrito de Vinhais, composto por pastagem, mata de carvalho, quatro casta-
na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz nheiros, com a área de novecentos e cinquenta metros quadrados, a
respectiva sob o artigo 315, sendo de 1,46 euros, o seu valor patrimo- confrontar do norte com José Marcelino Alves e irmãos, do nascente
nial, a que atribuem o valor de cinco euros. com caminho, do sul com Maria Barbara Afonso e do poente com Do-
2- Prédio rústico, sito em Vilar, freguesia de Mofreita, concelho de Vi- mingos António Rodrigues, não descrito na Conservatória do Registo
nhais, composto por pastagem, com a área de mil novecentos e oitenta Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 1438,
metros quadrados, a confrontar do norte com João Marcelino de Car- sendo de 2,91 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor
valho, do nascente com Alzira Gomes, do sul com António Maximino de cinco euros.
Gonçalves e irmãos e do poente com Domingos Pires não descrito na 19- Prédio rústico, sito em Sabugueiro, freguesia de Mofreita, con-
Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz celho de Vinhais, composto por castinçal, com a área de trezentos e
respectiva sob o artigo 324, sendo de 1,12 euros, o seu valor patrimo- quarenta metros quadrados, a confrontar do norte com João Marcelino
nial, a que atribuem o valor de cinco euros. Carvalho, do nascente com Luís dos Santos Fernandes, do sul com
3- Prédio rústico, sito em Vilar, freguesia de Mofreita, concelho de Lídia dos Anjos Vicente e do poente com Nuno Pereira Rodrigues, não
Vinhais, composto por terra de cultura, com a área de seiscentos e no- descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito
venta metros quadrados, a confrontar do norte com Alzira Gomes, do na matriz respectiva sob o artigo 1544, sendo de 3,24 euros, o seu valor
nascente com Mariana Rodrigues, do sul com Junta de Freguesia e do patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros.
poente com Maria da Conceição Carvalho, não descrito na Conserva- 20- Prédio rústico, sito em Carril de Baixo, freguesia de Mofreita,
tória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva concelho de Vinhais, composto por pastagem com onze castanheiros,
sob o artigo 327, sendo de 0,67 euros, o seu valor patrimonial, a que com a área de mil seiscentos e oitenta metros quadrados, a confron-
atribuem o valor de cinco euros. tar do norte com João Marcelino Carvalho, do nascente com Horácio
4- Prédio rústico, sito em Vilar, freguesia de Mofreita, concelho de Augusto Carvalho, do sul com Augusto Ramos Barreira e do poente
Vinhais, composto por terra de cultura e pastagem, com a área de três com José Augusto Gonçalves, não descrito na Conservatória do Re-
mil quinhentos e noventa metros quadrados, a confrontar do norte com gisto Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo
Fronteira, do nascente com Maria Barbara Afonso, do sul e do poente 1608, sendo de 5,03 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o
com Maria Teresa Fernandes, não descrito na Conservatória do Registo valor de dez euros.
Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 368, 21- Prédio rústico, sito em Ribeira, freguesia de Mofreita, concelho
sendo de 2,46 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de Vinhais, composto por lameiro, pastagem, dois castanheiros, dois
de cinco euros. negrilhos, com a área de seis mil duzentos e oitenta metros quadrados,
5- Prédio rústico, sito em Rossaio, freguesia de Mofreita, concelho de a confrontar do norte com Albertina Aires, do nascente com António
Vinhais, composto por terra de cultura e pastagem, com a área de oito Maximino Gonçalves, do sul com Maria do Carmo Diz e do poente
mil quatrocentos e sessenta metros quadrados, a confrontar do norte com Mariana Rodrigues, não descrito na Conservatória do Registo
com João dos Santos Morais, do nascente com Junta de Freguesia, Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 1667,
do sul com Mariana Rodrigues e do poente com António Maximino sendo de 83,91 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor
Gonçalves e irmãos, não descrito na Conservatória do Registo Predial de cem euros.
de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 398, sendo 22- Prédio rústico, sito em Ribeira, freguesia de Mofreita, concelho de
de 5,93 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de dez Vinhais, composto por lameiro com um choupo, com a área de quatro-
euros. centos e vinte metros quadrados, a confrontar do norte com Comissão
6- Prédio rústico, sito em Lamedo, freguesia de Mofreita, concelho de Fabriqueira, do nascente com Ribeiro, do sul com Alzira Gomes e do
Vinhais, composto por pastagem, pinhal e duas nogueiras, com a área poente com caminho, não descrito na Conservatória do Registo Predial
de oito mil seiscentos e oitenta metros quadrados, a confrontar do norte de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 1685, sendo
e do nascente com Junta de Freguesia, do sul com João António Alves e de 10,28 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de
Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738 de de cinco euros. do poente com Graça Maria Rodrigues Roxo, não descrito na Conser- vinte euros.
28 de Dezembro de 2010 4- Prédio rústico, sito em Chaira dos Pombais, freguesia de vatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva 23- Prédio rústico, sito em Veiga, freguesia de Mofreita, concelho de
Aveleda, concelho de Bragança, composto por cultura e cinco sob o artigo 507, sendo de 19,89 euros, o seu valor patrimonial, a que Vinhais, composto por horta, com a área de quinhentos e quarenta me-
Com o arquivo do antigo Olmos, com a área de duzentos e sessenta metros quadrados, atribuem o valor de vinte euros. tros quadrados, a confrontar do norte com Nazário António Rodrigues,
CARTÓRIO NOTARIAL a confrontar do norte com Manuel António Parreira, do nas- 7- Prédio rústico, sito em Covas, freguesia de Mofreita, concelho de do nascente com caminho, do sul com Nuno Pereira Rodrigues e do
DE BRAGANÇA cente com caminho, do sul com José António Campilho e do Vinhais, composto por terra de cultura, com a área de oito mil cento e poente com Graça Maria Rodrigues Roxo, não descrito na Conserva-
poente com caminho, não descrito na Conservatória do Regis- oitenta metros quadrados, a confrontar do norte e do poente com Mário tória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva
EXTRACTO / JUSTIFICAÇÃO Augusto Pires, do nascente e do sul com Augusto Florêncio Afonso sob o artigo 1735, sendo de 14,31 euros, o seu valor patrimonial, a que
to Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva sob
o artigo 6074, sendo de 1,01 euros, o seu valor patrimonial, a Carvalho, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, atribuem o valor de vinte euros.
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 656, sendo de 7,71 euros, 24- Prédio rústico, sito em Fonte Lugã, freguesia de Mofreita, con-
que atribuem o valor de cinco euros.
por escritura lavrada no dia vinte e três de Dezembro de mil o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de dez euros. celho de Vinhais, composto por horta, com a área de noventa metros
5 Prédio rústico, sito em Chaira dos Pombais, freguesia de
dez, no então Cartório Notarial a cargo do notário Lic. João 8- Prédio rústico, sito em Porfeceira, freguesia de Mofreita, concelho quadrados, a confrontar do norte com Comissão Fabriqueira, do nas-
Aveleda, concelho de Bragança, composto por pastagem e um de Vinhais, composto por pastagem, com a área de seis mil e trezentos
Américo Gonçalves Andrade, sito em Bragança, exarada de cente com António Maria Alves, do sul com caminho e do poente com
olmo, com a área de duzentos e noventa metros quadrados, a metros quadrados, a confrontar do norte, do nascente e do sul com Adília Augusta Carvalho, não descrito na Conservatória do Registo
cento e vinte e um a folhas cento e vinte e três verso do livro
confrontar do norte com Alberto Vieira da Silva, do nascente Junta de Freguesia e do poente com Manuel Venâncio Fernandes, não Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 1834,
de notas para escrituras diversas número “DEZASSETE-G”
com caminho, do sul com Maria Rodrigues Tiza e do poente descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito sendo de 1,57 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor
FERNANDO AUGUSTO PINELO TIZA e mulher MARIA
com José António Campilho, não descrito na Conservatória do na matriz respectiva sob o artigo 685, sendo de 3,58 euros, o seu valor de cinco euros.
CLOTILDE PARREIRAS TIZA, casados sob o regime de
Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. 25- Prédio rústico, sito em Ladeirinha, freguesia de Mofreita, conce-
comunhão adquiridos, ambos naturais e residente na fregue- 9- Prédio rústico, sito em Portela de Baixo, freguesia de Mofreita,
sob o artigo 6075, sendo de 0,88 euros, o seu valor patrimo- lho de Vinhais, composto por pinhal, com a área de seiscentos e trinta
sia de Aveleda, concelho de Bragança, NIFS 142 557 315 e concelho de Vinhais, composto por terra de cultura, com a área de seis-
nial, a que atribuem o valor de cinco euros. metros quadrados, a confrontar do norte com Graça Maria Rodrigues
143 924 583, fizeram as declarações constantes desta certidão, centos e trinta metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel Roxo, do nascente com Junta de Freguesia, do sul e do poente com
6 Prédio urbano, sito em Varge, freguesia de Aveleda, conce-
que com esta se compõe de quatro laudas e vai conforme o Venâncio Fernandes, do nascente com Lídia dos Anjos Vicente, do sul Natália dos Anjos Rodrigues, não descrito na Conservatória do Re-
lho de Bragança, composto por casa de rés do chão e primeiro
original. com Comissão Fabriqueira e do poente com Maria do Carmo Diz, não gisto Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo
andar, com a área de quarenta e dois metros quadrados, a con-
Bragança, Cartório Notarial, vinte e três de Dezembro de dois descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito 1940, sendo de 2,57 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o
frontar do norte com Miguel António Parreiras, do nascente
mil e dez na matriz respectiva sob o artigo 831, sendo de 1,34 euros, o seu valor valor de cinco euros.
com Miguel António Parreiras, do sul com Abílio Vieira da patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. 26-Prédio urbano, sito em Outeiro, freguesia de Mofreita, concelho de
Silva e do poente com Miguel António Parreiras, não descrito 10- Prédio rústico, sito em São Martinho, freguesia de Mofreita, con- Vinhais, composto por casa térrea com um compartimento, com a área
A Colaboradora
na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito celho de Vinhais, composto por terra de cultura, com a área de mil de cento e trinta metros quadrados, a confrontar do norte e do nascente
Bernardete Isabel C Simões Afonso
na matriz respectiva sob o artigo 440, sendo de 1 556,25 euros, novecentos e noventa metros quadrados, a confrontar do norte com com Rua, do sul e do poente com António Bagueixe, não descrito na
o seu valor patrimonial, a que atribuem igual valor. Maria da Conceição Carvalho, do nascente com José Marcelino Alves Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz
Que é donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem Que entram na posse dos referidos prédios, em mil novecen- e irmãos, do sul com Delfim Augusto Pires e do poente com Horácio respectiva, sob o artigo 58, sendo de 31,65 euros o seu valor patrimo-
dos seguintes bens: tos e oitenta e quatro, já no estado de casados, por doação Augusto Carvalho e irmãos, não descrito na Conservatória do Registo nial, a que atribuem o valor de quinhentos euros.
1- Prédio rústico, sito em Barreiros, freguesia de Aveleda, verbal que deles lhe fizeram Miguel António Parreiras, que Predial de Vinhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 870, Que os seus representados entraram na posse dos referidos prédios, o
concelho de Bragança, composto por cultura e pastagem, com foi residente na mencionada freguesia de Aveleda, sem que sendo de 4,25 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor urbano em mil novecentos e sessenta e quatro, por compra verbal que
a área de duzentos e noventa metros quadrados, a confrontar no entanto ficassem a dispor de título formal que lhes permi- de cinco euros dele fizeram a António Áfonso, que também usava António Manuel,
do norte com José Manuel Lourenço, do nascente com cami- ta, o respectivo registo na Conservatória do Registo Predial; 11- Prédio rústico, sito em Alto da Cabine, freguesia de Mofreita, con- residente que foi na referida freguesia de Mofreita e os restantes em
celho de Vinhais, composto por pastagem, com a área de oitocentos e mil novecentos e setenta e sete, por partilha verbal da herança aberta
nho, do sul com José António Campilho e do poente com Júlio mas, desde logo, entraram na posse e fruição dos identificados
oitenta metros quadrados, a confrontar do norte com Natália dos An- por óbito de Maria José Pereira, que foi residente na referida freguesia
Fernandes, não descrito na Conservatória do Registo Predial prédios, em nome próprio, posse que assim detêm há muito jos Rodrigues, do nascente com Aurinda Amélia Afonso, do sul com de Mofreita, sem que no entanto ficassem a dispor de título formal que
de Bragança, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo mais de vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem Manuel António Afonso Carvalho e do poente com Graça Maria Ro- lhes permita, o respectivo registo na Conservatória do Registo Predial;
7270, sendo de 0,63 euros, o seu valor patrimonial, a que atri- quer que seja. drigues Roxo, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Vi- mas, desde logo, entraram na posse e fruição dos identificados prédios,
buem o valor de cinco euros. Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e nhais, mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 966, sendo de 2,23 em nome próprio, posse que assim detêm há muito mais de vinte anos,
2 Prédio rústico, sito em Barreiros, freguesia de Aveleda, con- sem oposição, ostensivamente, com o conhecimento de toda euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. sem interrupção ou ocultação de quem quer que seja.
celho de Bragança, composto por cultura e pastagem, com a a gente em nome próprio e com aproveitamento de todas as 12- Prédio rústico, sito em Pinela, freguesia de Mofreita, concelho de Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-
área de duzentos e noventa metros quadrados, a confrontar do utilidades dos prédios, nomeadamente, fazendo obras de me- Vinhais, composto por cultura, com a área de seiscentos e vinte me- ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
norte com Miguel Parreira, do nascente com caminho, do sul lhoramento, habitando e guardando os seus haveres e diversos tros quadrados, a confrontar do norte com Álvaro Delfim da Fonte, próprio e com aproveitamento de todas as utilidades dos prédios,
com Manuel José Martins e do poente com Júlio Fernandes, bens móveis no urbano, amanhando, adubando, cultivando e do nascente com Horácio Augusto Carvalho e irmão, do sul com João nomeadamente, fazendo obras de melhoramento, habitando e guar-
não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, colhendo os frutos dos rústicos, em todos agindo sempre por Marcelino Carvalho e do poente com Delfim Augusto Pires, não des- dando os seus haveres e diversos bens móveis no urbano, amanhan-
mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 7269, sendo de forma correspondente ao exercício do direito de propriedade, crito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito na do, adubando, cultivando e colhendo os frutos dos rústicos, em todos
matriz respectiva sob o artigo 1014, sendo de 1,34 euros, o seu valor agindo sempre por forma correspondente ao exercício do direito de
0,63 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor quer usufruindo como tal os imóveis, quer beneficiando dos
patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. propriedade, quer usufruindo como tal os imóveis, quer beneficiando
de cinco euros· seus rendimentos, quer suportando os respectivos encargos e 13- Prédio rústico, sito em Carril, freguesia de Mofreita, concelho de dos seus rendimentos, quer suportando os respectivos encargos e as
3 Prédio rústico, sito em Barreiros, freguesia de Aveleda, con- as referidas obras de melhoramento e conservação, quer ainda Vinhais, composto por pastagem com quatro castanheiros, com a área referidas obras de melhoramento e conservação, quer ainda pagando
celho de Bragança, composto por cultura e pastagem, com a pagando as respectivas contribuições e impostos, mantendo- de mil duzentos e noventa metros quadrados, a confrontar do norte com as respectivas contribuições e impostos, mantendo-os sempre na sua
área de duzentos e noventa metros quadrados, a confrontar do os sempre na sua inteira disponibilidade. Nuno Pereira Rodrigues, do nascente com caminho, do sul com Nazá- inteira disponibilidade.
norte com Manuel Lourenço, do nascente com caminho, do Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, rio António Rodrigues e do poente com Álvaro Delfim da Fonte, não Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, condu-
sul com Miguel Parreira e do poente com Júlio Fernandes, conduziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invoca, descrito na Conservatória do Registo Predial de Vinhais, mas inscrito ziu à aquisição dos imóveis, por usucapião, que invocam, justificando
não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, justificando o seu direito de propriedade, para o efeito de re- na matriz respectiva sob o artigo 1123, sendo de 2,68 euros, o seu valor o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado que esta
mas inscrito na matriz respectiva sob o artigo 7271, sendo de gisto, dado que esta forma de aquisição não pode ser compro- patrimonial, a que atribuem o valor de cinco euros. forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer outro título
1,13 euros, o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor vada por qualquer outro título formal extrajudicial. 14- Prédio rústico, sito em Carril, freguesia de Mofreita, concelho de formal extrajudicial.

28 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738 de


28 de Dezembro de 2010

CARTÓRIO NOTARIAL
DE MOGADOURO
NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES
Boas Festas
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO

Certifico, para efeitos de publicação, que no dia vinte e um de De-


zembro de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito
no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de
fls. 94 a fls. 95, verso, do livro de notas para escrituras diversas
número Setenta e sete, foi lavrada uma escritura de justificação, na
qual compareceram como outorgantes, MÁRIO JOAQUIM HEN-
RIQUES, NIF 175 346 933. e mulher, EMÍLIA ROCHA, NIF 197
777 309. casados sob o regime da comunhão de adquiridos, natu-
rais, ele da freguesia de Vilar de Rei e ela da freguesia de Brunhoso,
ambas do concelho de Mogadouro, residentes na Rua da Santa Ana,
número 24, nesta vila de Mogadouro, os quais declararam:
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem,
do seguinte prédio:
Rústico, sito em Vale da Ladeira, na freguesia de Brunhoso, con-
celho de Mogadouro, composto de árvores dispersas, amendoeiras
e olival, com área de quatro mil metros quadrados, a confrontar de
norte com José do Nascimento Barroso, de sul com ribeira, de nas-
cente com António Manuel Martins e de poente com José Baptista
Marcos, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 275 da secção
G, com o valor patrimonial de 12,07€, a que atribuem o valor de
quinhentos euros.
Que o referido prédio veio à posse dos justificantes, já no estado
de casados, por volta do ano de mil novecentos e oitenta e cinco,
por compra meramente verbal que fizeram a José Manuel da Sil-
va e mulher, Maria dos Santos Moreira, residentes que foram em
Brunhoso, sendo ele actualmente falecido, nunca tendo porém sido
formalizada a competente escritura de compra e venda.
Que assim, e não obstante a falta de título, os justificantes desde
logo próprio, na convicção de serem os únicos donos e plenamente
convencidos de que não lesavam quaisquer direitos de outrem, à
vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer que
fosse desde o inicio dessa posse, a qual sempre exerceram sem
interrupção, gozando todas as utilidades por ele proporcionadas,
com o ânimo de quem exerce direito próprio, nomeadamente nele
lavrando, plantando, limpando, tratando e colhendo os respectivos
frutos, como azeitona, amêndoa e lenha, procedendo a diversos ac-
tos de limpeza, praticando assim os demais actos de uso, fruição e
defesa do mesmo, à vista de toda a gente e portanto de eventuais
interessados, tudo como fazem os verdadeiros donos, sendo por
isso uma posse de boa fé, pacifica, contínua e pública, pelo que,
dadas as enumeradas características de tal posse, adquiriram por
usucapião o identificado prédio, figura jurídica que invocam, por
não poderem fazer prova do seu direito de propriedade pelos meios
extrajudiciais normais, dado o referido modo de aquisição.
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Mogadouro e Cartório Notarial, em 21 de Dezembro de 2010.
A Notária,
Fátima Mendes

Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738 de 28


de Dezembro de 2010

NOTÁRIO
MANUEL JOÃO
SIMÃO BRAZ
E X T RACTO
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por escri-
tura de hoje, exarada de folhas dezanove a vinte e uma do respectivo
livro número cento e oitenta e sete, FRANCISCO ANTÓNIO MAR-
TINS PINTO, NIF 147 276 365, e mulher IDALINA DOS ANJOS
SANTULHÃO, NIF 147 275 849, casados sob o regime da comu-
nhão de adquiridos, naturais, ele da freguesia de Matela, onde resi-
dem no Lugar de Junqueiro, concelho de Vimioso, ela da freguesia de
Calvelhe, concelho de Bragança, declararam:
Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores dos
prédios a seguir identificados, todos localizados na freguesia de Ma-
tela, concelho de Vimioso:
número um - prédio rústico, composto de terra de cultura de centeio,
sito na “Nogueiras”, com a área de oito mil duzentos e oitenta metros
quadrados, a confrontar de norte com caminho, sul com Francisco
Maduro, nascente com Junta de Freguesia e poente com Zeferino dos
Santos Brinço, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 3625, com
o valor patrimonial tributário de € 19,72 e o atribuído de vinte euros;
número dois - prédio rústico, composto de terra de cultura de centeio,
sito em “Vilar”, com a área de mil e quatrocentos metros quadrados,
a confrontar de norte com e poente com Mário Augusto Morais, sul
com João Batista Martins e nascente com Américo Augusto Martins,
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 4745, com o valor patrimo-
nial tributável de € 3,34 e o atribuído de dez euros;
número três - prédio rústico, composto de terra de pastagem com
amendoeiras, sito em “Milharadas”, com a área de setecentos metros
quadrados, a confrontar de norte com José bento Freire Pinto, sul
com Francisco António Martins Pinto, nascente com Joana Azevedo
Quintas e poente com casa do próprio, inscrito na respectiva matriz
sob o artigo 4825, com o valor patrimonial tributável de € 4,31 e o
atribuído de dez euros;
número quatro - prédio rústico, composto de terra de cultura de cen-
teio, sito em “Hortinhas”, com a área de mil duzentos e cinquenta
metros quadrados, a confrontar de norte e nascente e poente com
Hipólito Augusto Jornalo e sul com caminho, inscrito na respectiva
matriz sob o artigo 4870, com o valor patrimonial tributável de € 3,02
e o atribuído de dez euros;
número cinco - prédio rústico, composto de horta, lameiro e cultura
de centeio, sito em “Hortinhas”, com a área de quatro mil e novecen-
tos metros quadrados, a confrontar de norte com Alexandrina Pires,
2º Dtº, em Bragança; Jornal Nordeste – Semanário Regional de Informação Nº 738 de casado, residente na aludida freguesia de Carviçais, por contrato de
sul com Odete Pires, nascente com Luís Pereira Freire Pinto e poente
por contratos de compra e venda meramente verbal, nunca tendo che- 28 de Dezembro de 2010 compra e venda meramente verbal, nunca tendo chegado a realizar a
com Zeferino dos Santos Brinço, inscrito na respectiva matriz sob o
gado a realizar as necessárias escrituras públicas. necessária escritura pública.
artigo 4877, com o valor patrimonial tributável de € 16,16 e o atri-
buído de vinte euros; Que, assim, não são detentores de qualquer título formal que legitime o NOTÁRIO Que, assim, não é detentor de qualquer título formal que legitime o
domínio dos mencionados prédios. MANUEL JOÃO domínio do mencionado prédio.
seis - prédio rústico, composto de vinha, sito em “Lameirais”, com
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil novecen- Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil novecen-
a área de três mil novecentos e cinquenta metros quadrados, a con- SIMÃO BRAZ tos e oitenta e cinco, o seu representado passou a utilizar a referida
frontar de norte com Hipólito Augusto Jornalo, sul com Francisco tos e oitenta e nove, passaram a usufruir os referidos terrenos, gozando
António Martins Pinto, nascente com Maria da Assunção Penascais de todas as utilidades por eles proporcionadas, começando por ocupá- EXTRAC TO casa, gozando de todas as utilidades por ela proporcionadas, guardan-
los, limpando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos e produtos, e Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por escritura do nela seus haveres, efectuando regularmente obras de conservação e
e poente com Joana Azevedo Quintas, inscrito na respectiva matriz
efectuando diversas benfeitorias, designadamente o melhoramento das de hoje, exarada de folhas vinte e quatro a vinte e cinco do respectivo reparação, como substituição de elementos danificados e de benfeito-
sob o artigo 4935, com o valor patrimonial tributável de € 66,80 e o
suas vedações, agindo assim, sempre com ânimo de quem exerce direi- livro número cento e oitenta e sete, BERNARDINO AUGUSTO APO- rização, agindo assim, sempre com ânimo de quem exerce direito pró-
atribuído de setenta euros; e
to próprio, na convicção de tais prédios lhes pertencerem e de serem os LINÁRIO, NIF 240 112 709, viúvo, natural da freguesia de Mós, con- prio, na convicção de tal prédio lhe pertencer e de ser o seu verdadeiro
número sete - prédio rústico, composto de terra de cultura de centeio
seus verdadeiros donos, como tal sendo reconhecidos por toda a gente, celho de Torre de Moncorvo, residente em 48 Rue du Chapitre, 21000 dono, como tal sendo reconhecida por toda a gente, fazendo-o de boa
com oliveiras, sito em “Lameirais”, com a área de dez mil metros
fazendo-o de boa fé por ignorarem lesar direito alheio, pacificamente, Dijon, França, declarou: fé por ignorar lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violên-
quadrados, a confrontar de norte com Francisco António Martins Pin-
porque sem violência, contínua e publicamente, à vista e com o conhe- Que, com exclusão de outrem, é dono e legítimo possuidor do prédio cia, contínua e publicamente, à vista e com o conhecimento de todos e
to, sul com Américo Augusto ,Martins, nascente com Virgílio Paulo
cimento de todos e sem oposição de ninguém. urbano composto de casa para habitação de dois pisos e logradouro, sem oposição de ninguém.
Teixeira Afonso e poente com Manuel Maria Fernandes Rodrigues,
Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma in- com a superfície coberta de cento e trinta e seis virgula cinquenta me- Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 4946, com o valor patrimo-
dicada vêm exercendo há mais de vinte anos, adquiriram o domínio tros quadrados e descoberta, correspondente a logradouro de setecentos indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o domínio
nial tributável de € 3,69 e o atribuído de dez euros.
dos ditos prédios por usucapião, título esse que, por sua natureza, não e quarenta e sete metros quadrados, sito em “Cabo dos Tapados”, fre- do dito prédio por usucapião, título esse que, por sua natureza, não é
não descritos na Conservatória do Registo Predial de Vimioso, con-
é susceptível de ser comprovado por meios normais. guesia de Carviçais, concelho de Torre de Moncorvo, a confrontar de susceptível de ser comprovado por meios normais.
forme certidão que apresentam.
Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para norte com E.N. 220, sul e poente com Armando João Líbano e nascen- Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para fins
os identificados prédios foram-lhes vendidos no ano de mil novecen-
fins de primeira inscrição no registo predial. te com José Augusto Feijó, não descrito na Conservatória do Registo de primeira inscrição no registo predial.
tos e nove, já no estado de casados, pela forma seguinte:
Está conforme. Predial de Torre de Moncorvo, conforme certidão que apresenta, mas Está conforme.
a) o terceiro, por Luis Pereira Freire Pinto, seu irmão, casado, re-
Bragança, 24 de Dezembro de 2010. inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1797, com o valor patrimonial Bragança, 24 de Dezembro de 2010.
sidente na Rua Cândida Florinda Ferreira, Lote B 12, 2º, Bairro do
Pinhal, em Bragança; e tributário de € 29.370,00 e idêntico atribuído.
A colaboradora autorizada, Que o identificado prédio foi-lhe vendido no ano de mil novecentos A colaboradora autorizada,
b) os restantes, por José Bento Freire Pinto, seu irmão, casado, resi-
Elisabete Maria C. Melgo e oitenta e cinco, já no estado de viúvo, por Armando João Líbano, Elisabete Maria C. Melgo
dente na Zona do Campelo, Edifício do Pinhal, Entrada 4, n.º 17 AB,

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 29


LAZER

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

Bragança

A caça ao tesouro
engenho dos pe-
quenos explora-
dores. A iniciati-
va prolongou-se
até domingo,
tendo as crian-
ças dormido no
CCVB.

1 1 n a
No dia se-
guinte, acorda-
e m 2 0
ram por volta
n t r e
das 7 horas, al-
E p a n h ia
tura em que to-
maram o peque-
s s a c o m
Noite dos Piratas foi um “tesouro” para os mais novos
no-almoço para,
depois, poderem
retomar os jo-
no
No fim-de-semana de 18 e 19 de gos. “Das 8 às 10 da manhã, vamos,
Dezembro, aconteceu no Centro de ainda, proporcionar-lhes uma panó-
Ciência Viva de Bragança (CCVB) plia de experiências. Vamos falar um
mais uma iniciativa apelidada de pouco sobre o Pólo Norte, os iceber-
“Noite dos Piratas”. gues, os oceanos, as embarcações,
Depois dos preparativos iniciais, tudo dentro da temática da caça ao
as crianças foram divididas em dois tesouro”, expôs Ivone Fachada, co- Encostas do Trogão
grupos de cinco, cada um com o seu ordenadora do CCVB. Às 10 horas, Reserva 2009
navio de papelão. Em cada uma das rumaram a casa, dando-se por termi-
12 ilhas / módulos do CCVB, era exe- nada a segunda edição da “Noite dos
cutada uma tarefa, mais os mapas, as Piratas”. Rua dos Passais, N.º 20 | 5335-106 REBORDELO | PORTUGAL
pistas, as perguntas e as descobertas, Tel. 278 369 144 | Fax: 278 369 508 | Mail: a.c.rabacal@sapo.pt
tudo serviu para aguçar o apetite e o Bruno Mateus Filena

HORÓSCOPO de 29 de D e z e mbro a 4 de J a neiro Por Maysa

CARNEIRO GÉMEOS LEÃO BALANÇA SAGITÁRIO AQUÁRIO


Diabo Estrela Imperador Sol Torre Mago

AMOR – “Não ame o que você é, mas AMOR – “O melhor caminho é aquele AMOR – “O caminho do coração é o AMOR – “Nenhuma ideia é inútil, ne- AMOR – “A verdadeira glória, não AMOR – “Aproveite cada opor-
sim o que pode tornar-se”. Poderá vir que nasce no seu coração”. Está na hora caminho do po­der”. Semana de gran- nhum sentimento é vão quando usamos a consiste em cair, mas sim em saber, tunidade que surja para moldar o
a confrontar-se com situações inespe- de abrir os olhos para não deixar que a des afinidades, onde a paixão se irá nossa criatividade, alegria e boa disposi- levantar-se”. Já pensou que do modo seu próprio destino”. Comece por
radas e estas obrigarem-no a assumir “Sorte” passe ao seu lado. A estrela é impor. Contudo, saiba analisar as suas ção”. Aproveite esta semana para descobrir como se levanta poderá estar a mago- assumindo responsabilidades. Neste
responsabilidades, pelas quais não sempre uma ajuda, por isso aproveite, para necessidades, procurando algo ,que a criança que existe em si. Abra os braços ar tanta gente! Mas que egoísmo, não momento, é necessário arranjar for-
esperava. A sinceridade será o único confiar em quem tem ao seu lado e de mãos possa aumentar a sua de auto-estima. e goze os prazeres do calor humano e do culpe só o seu parceiro, porque quan- ças, para não continuar protelando
modo de enfrentar algumas situações dadas, apostem no vosso relacionamento. Plano Material e Profis- amor, e esteja grato, por tudo o que lhe tem do aponta o dedo ao outro “três” estão indefinidamente situações que care-
complicadas. Não existem mentiras Plano Material e Profis- sional – Assuntos ligados ao traba- sido oferecido. virados para si. Tenha sempre isso na cem, de ser resolvidas rapidamente.
justificáveis. sional – Período profissional em as- lho e ao di­nheiro estarão beneficiados. Plano Material e Profissional sua mente. Plano Material e Profis-
Plano Material e Profis- censão, possíveis entradas de dinheiro. SAÚDE – Procure ambientes agradá- – Muita vitalidade e segurança para tomar de- Plano Material e Profissio- sional – Altura de afirmação
sional – Novas propostas deve- SAÚDE – Faça exercício fisíco . Procure veis, para poder desanuviar tensões. cisões. Assim como uma grande energia para nal – Ainda não é o momento para pessoal, mas cuidado pois, poderá
rão ser encarada com cuidado, pois aumentar o contacto com a natureza. as colocar em pratica. colocar em pratica qualquer plano, mas haver alguma tendência para osten-
podem esconder segundas intenções. SAÚDE – Saúde reforçada e optimismo sim para se preparar de todas as formas tação.
SAÚDE – Necessidade de dar mais elevado. possíveis. SAÚDE – Saia, divirta-se, na com-
atenção à sua saúde. Evite os exces- SAÚDE – Cuidado com as quedas. panhia dos amigos.
sos.

TOURO CARANGUEJO VIRGEM ESCORPIÃO CAPRICÓRNIO PEIXES


Ermita Amantes Justiça Papa Mundo Carro

AMOR – “Não dei-xe que o desani- AMOR – “Você cria o seu destino a partir AMOR – “Deixe que cada manhã seja AMOR – “Tudo o que somos é resultado AMOR – “Para mudar o mundo, co- AMOR – “Toda a grande caminha-
mo o impeça de seguir em frente”. dos seus pensamentos e atitudes”. Neste um recomeço”. Procure que os fantasmas daquilo que pensamos”. Sente alguma mece por se mudar a si mesmo”. Pare, da começa com o primeiro passo”.
Faça uma reflexão sobre o que preten- momento o pensamento poderá ser negro do passado não afectem o seu equilíbrio. dificuldade em sair da sua monotonia, em aproveite, receba o que lhe tem sido Existem grandes oportunidades na
de para a sua vida, ou sobre o que está mas atitude tem que ser positiva. Saiba Esteja atento ao seu “EU” interior tomando aceitar novas ideias , ou mudanças. Lem- oferecido, pois por vezes é muito bom vida, senão as conseguimos agar-
a fazer à vida dos outros. Aproveite escolher, aquilo que verdadeiramente é consciência daquilo que realmente é, e do bre-se que o mundo vai mudando a cada saber receber, e agradecer. Tem um de- rar…nada feito. Não perca o con-
esta semana para crescer, evoluir, des- importante para si, e não se esqueça que no que necessita a níveis mais profundos da segundo, e precisamos de correr atrás dele, safio pela frente, que apenas dependerá trole da situação evite ansiedades,
cansar e principalmente estar só. Será amor nem sempre aquilo que parece “É” a existência. ou ficamos de fora. de si para ter sucesso. para não deitar tudo a perder.
benéfico para si e, para todos que o realidade, e aquilo que mais lhe convém. Plano Material e Profissio- Plano Material e Profissio- Plano Material e Profis- Plano Material e Profis-
rodeiam. Plano Material e Profissio- nal – Tente ser imparcial nas decisões nal – Contratos serão confirmados. sional – Reconhecimento das suas sional – Com um pequeno esfor-
Plano Material e Profis- nal – Perspectivas de melhorias econó- que venha a tomar. Algumas dificuldades tendem a ser ultra- capacidades, que deve aproveitar para ço, poderá superar algumas contra-
sional – Capacidade em manter os micas, e profissionais. SAÚDE – Não abuse de alimentos sal- passadas com sucesso. começar novos projectos. riedades, que possam surgir.
compromissos financeiros, que venha SAÚDE – Não ingira alimentos muito con- gados. SAÚDE – Proteja a sua garganta, cuidado SAÚDE – Sem problemas, mas evite SAÚDE – Boa saúde, no entanto
assumir. dimentados, pode vir a ter problemas. com diferenças de temperatura andar ao relento. tenha cuidado com acidentes.
SAÚDE – Quebra de vitalidade, faça
uma cura vitamínica.

30 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE


INZONICES

INCLINÓMETRO
O
Pelourinho
POSITIV
Trânsito – Natal em Bragança rima com engarrafamentos nas ruas “es-
IVO
NEGAT tilo linha de comboio” do centro da cidade. “Até parece quando vou ao médi-
co ao Porto e ficámos encalhados na VCI”, atira o meu primo Tonho.

Bombeiros – Os bombeiros do
distrito de Bragança receberam novos
equipamentos para o combate aos fogos.
Para a limpeza de neve e desimpedimen-
to de estradas é que nem uma pá...
David & Nuno
Boas Festas – O autarca de Mon-
Movimento Cívico de O Natal de 161 famílias do corvo distribuiu postais de Boas Festas
Defesa da Linha do Tua concelho de Bragança fica mais na última sessão da Assembleia Muni-
quente graças à responsabili- cipal. A oposição não gostou porque o
O 106º aniversário da che- dade social desta empresa, que postal satiriza os partidos que comem à
gada do comboio a Sendas foi conseguiu envolver 27 Juntas mesma mesa quando se trata de atacar
um fracasso por falta de ade- de Freguesia na tarefa de aju- quem está no Poder. A verdade dói…
são da população. Fica a ideia dar quem mais precisa. Um
que o comboio é uma bandeira gesto que merece destaque nes- Cavaco – A abertura da sua sede de
de um grupo restrito de pesso- ta quadra festiva. campanha de Cavaco Silva juntou as va-
as e que os antigos passageiros riadas famílias políticas que o PSD “con-
não têm saudades da Linha do seguiu” a criar no distrito de Bragança.
Tua. Só faltou o candidato…

foto
Dia da Padroeira dos Bombeiros
de Bragançaa Se tivesse que pôr boina,
Fotos: Carlos Lousada Limpa-neves tinha que chamar já o
do século XXI. barbeiro pelo 112!

Novela

Oh Sr. Presidente, assim


até parece o Napoleão! Da missa já
não me livro...

28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE 31


Última Hora
ÚLTIMA HORA
Trás-os-Montes

Câmaras
pressionam
Águas
Os municípios que integram
as Águas de Trás-os-Montes e Alto
Douro (ATMAD) decidiram sus-
pender o pagamento da factura da
água em 2011, até que sejam re-
negociados os tarifários cobrados
pela empresa.
O assunto foi discutido no pas-
sado dia 23, numa assembleia-ge-
ral extraordinária solicitada pelos
próprios municípios para resolver
as questões relacionadas com a
água, uma vez que as autarquias
não concordam com o aumento de
4,7 por cento proposto pela empre-
sa para 2011.
“Não se justifica que a água
seja mais cara no interior do que
em zonas do litoral. Além disso
temos pedido que o preço da água
baixe, mas o certo é que todos os
anos sobe”, considera o autarca de
Vinhais, Américo Pereira.
A decisão de suspender o pa-
gamento, pelo menos durante o
tempo em que o processo estiver
em avaliação, foi tomada, por una-
nimidade, numa reunião realizada
em Vila Real, pelos representantes
da maioria das 30 Câmaras que in-
tegram o sistema multimunicipal.
Os municípios apresentaram
uma proposta em que ameaçam
com a suspensão do pagamento da
factura da água a partir de Janeiro
B o a s
Festas
2011, se a ATMAD se recusar a re-
negociar a questão do tarifário, que
os autarcas reivindicam que seja
igual ao do mais baixo do Grupo
Águas de Portugal. Por exemplo, a
empresa de Água do Douro e Pai-
va cobra 34 cêntimos pela tarifa de
água, enquanto o preço praticado
pela ATMAD é de 62 cêntimos.
Contudo, a situação das Câma-
ras perante a ATMAD é diferente.
Jorge Nunes, autarca de Bragança,
explicou ao Jornal Nordeste que o
município tem os pagamentos em
dia. “Em princípio, para já, não va-
mos avançar com a suspensão do
pagamento”, afirmou. No entanto,
o edil não participou na reunião
realizada em Vila Real. MONCORVAUTO – Soc. Comercial de Automóveis, Lda.
Tel. 273 312 403 • Fax: 273 312 891 • Av. das Cantarias, s/n • Zona Industrial • 5300-107 – BRAGANÇA
Glória Lopes

32 28 de Dezembro de 2010 JORNAL NORDESTE