- www.ElielVieira.

org -

RESENHA: “EM DEFESA DE CRISTO” - LEE STROBEL

Por Eliel Vieira

A série de livros “Em Defesa...”, de Lee Strobel, é composta por quatro livros. Além dos dois que já foram lançados no Brasil pela Editora Vida1, o autor ainda lançou The Case for a Creator [Em Defesa do Criador] e The Case for the Real Christ [Em Defesa do Cristo Verdadeiro], estes dois ainda sem previsão de lançamento no Brasil. Em meados de 2009 eu li e resenhei o livro Em Defesa da Fé e, aproveitando que a Editora Vida recentemente relançou o livro Em Defesa de Cristo, que estava esgotado a alguns meses, decidi comprá-lo e lê-lo, mesmo considerando o material de Em Defesa da Fé bastante limitado e superficial, conforme escrevi em minha resenha ao mesmo2. Em Defesa de Cristo, porém, me surpreendeu. O livro é muito melhor que Em Defesa da Fé em vários sentidos. Sua estrutura é mais bem elaborada, a gama de entrevistados bem como a diversidade de suas atuações são variadas, as dificuldades são tratadas com maior profundidade, enfim, totalmente diferente da superficialidade de Em Defesa da Fé. A estrutura do livro é semelhante à do livro Em Defesa da Fé: Lee, usando toda a experiência que adquiriu durante o tempo em que foi jornalista, entrevista autoridades em diversas áreas-chave referentes à questão da ressurreição de Cristo. Alguns entrevistados aparecem também em Em Defesa da Fé, como é o caso de William Lane Craig e J. P. Moreland (as entrevistas de ambos, juntamente com as entrevistas de Gary Habermas e Craig Blomberg, são as melhores do livro). A impressão que temos após a leitura deste livro é que o argumento cristão a favor da ressurreição de Jesus é disparadamente o melhor de todos os argumentos apologéticos já elaborados. Os ateus simplesmente não conseguem elaborar uma teoria que explique (sem recorrer a um trilhão de
1 2

“Em Defesa da Fé” e “Em Defesa de Cristo”. <http://www.elielvieira.org/2009/09/resenha-em-defesa-da-fe-lee-strobel.html>.

Página | 1

ad hocs) os vários fatos bem estabelecidos sobre a vida, morte e aparições de Jesus. A saída mais comum dos ateus é atacar espantalhos – modelos ridículos e mais fracos que não representam o argumento verdadeiro –, ou conduzir a discussão sobre a ressurreição para um terreno longe da investigação histórica, como fez Bart Ehrman em seu debate contra William Lane Craig sobre a ressurreição3. Talvez esta impressão de que o argumento da ressurreição seja o melhor de todos não seja apenas uma mera impressão, mas algo verdadeiro. Estive conversando alguns dias atrás com um amigo meu ex-apologeta. Por alguns anos ele participou efetivamente de discussões na internet contra ateus, mas de alguns anos para cá ele abandonou toda a atividade apologética, vindo a dedicar seus estudos a outras áreas. Certa vez ele inclusive chegou a chamar a atividade apologética de “Filosofia Tabajara”. Enfim, nesta conversa específica que tive com ele lhe perguntei sobre o que ele pensava sobre o argumento da ressurreição, e sua resposta foi: “Sim, acredito neste argumento. O argumento da ressurreição é praticamente impossível de ser refutado. Nenhuma explicação naturalista [sobre Jesus] teve qualquer êxito até hoje”. Lee cita em seu livro o debate que ocorreu entre Antony Flew (quando ele ainda era ateu) e Gary Habermas, sobre a historicidade da ressurreição de Jesus, em 1987. Lee cita o fato constrangedor [para os ateus] que cinco filósofos de cinco universidades distintas foram convidados para serem juízes deste debate, dos quais quatro declararam Habermas vencedor, enquanto o outro declarou o debate como empatado. E, mais interessante ainda, Lee cita (já no fim no livro) o caso do advogado Sir Lionel Luckhoo,
... o advogado brilhante e inteligente cujas 245 absolvições impressionantes de assassinado consecutivas lhe valeram um lugar no livro Guinness de recordes mundiais como advogado mais bem-sucedido do mundo. Feito cavaleiro duas vezes pela rainha Elizabete, este antigo juiz e diplomata submeteu os fatos históricos sobre a ressurreição de Jesus à sua análise rigorosa durante sete anos antes de declarar: “Digo de modo inequívoco que as provas da ressurreição de Jesus Cristo são tão avassaladoras que exigem que as aceitemos sem deixar absolutamente nenhum lugar para dúvidas”.4

3 4

<http://www.elielvieira.org/2009/08/18-existem-evidencias-historicas-para.html>. STROBEL, Lee. Em Defesa de Cristo. São Paulo: Editora Vida, 2001. p. 335.

Página | 2

Além de possuir uma argumentação bastante forte e sólida que a sustente, a ressurreição de Cristo possui, apologeticamente, um fator de bastante importância. O argumento cosmológico kalam, se verdadeiro, prova a existência de um Ser Criador, mas não diz nada sobre este Ser: pode ser Jeová, ou Maomé, ou Baal, enfim, o argumento não conclui praticamente nada, além da existência de um Criador. As mesmas coisas podem ser ditas sobre todos os demais argumentos teístas, como o argumento teleológico, o argumento ontológico, o argumento da contingência, ou o argumento axiológico. Eles, se verdadeiros, apontam para a existência de um Criador, mas não passa muito disto. Mas nós não temos o mesmo gap de objetividade quando lidamos com o argumento para a ressurreição de Jesus. Pois se Jesus Cristo de Nazaré de fato ressuscitou de dentre os mortos, então realmente ele era tudo o que ele afirmava ser. Se ele realmente ressuscitou, ele era “um com o Pai”. Então aos cristãos teriam aqui um argumento que aponta efetivamente para a veracidade de sua cosmovisão, não dando brechas para dúvidas pluralistas de ignorância. Enfim, o livro é muito bom. Para quem nunca leu nada sobre a historicidade da ressurreição de Jesus, é uma ótima pedida. Apesar de não ter gostado de Em Defesa da Fé, Em Defesa de Cristo certamente está entre meus favoritos...

-

www.ElielVieira.org

Página | 3

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful