Você está na página 1de 19

Sistemas de Propulsão I

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 1


Turbina a Gás

Análise Paramétrica do Ciclo do Motor Ideal


A análise do ciclo de uma turbina a gás estuda as mudanças(trocas) termodinâmicas do
fluido de trabalho(ar e produtos de combustão) quando este escoa através do motor.

A análise do ciclo é dividido em dois tipos:

 Análise Paramétrica do Ciclo(parametric cycle analysis) também conhecida como


ponto de projeto(design-point ou on-design).
Determina a performance dos motores em diferentes condições do voo, valores de
escolha de projeto e parâmetros de limite de projeto.

 Parâmetros de Performance(e.g.): Empuxo, Consumo específico de combustível por


empuxo, etc.

 Escolha de Projeto(e.g.): Razão de pressão do compressor, Razão de pressão do FAN,


Razão de bypass, etc.

 Limites de Projeto(e.g.): Temperatura de saída da câmara de combustão, Pressão de


saída do compressor, etc.

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 2


Turbina a Gás

 Ambiente de Voo(e.g.): Número de Mach, Temperatura ambiente, etc.

 Análise de Peformance do Motor(engine performance analysis) também conhecida


como fora do ponto de projeto(off-design).
Determina a performance de um motor específico em todo as condições do voo e
configurações de empuxo.

Portanto, o principal objetivo da análise paramétrica do ciclo é relacionar os parâmetros


de performance do motor com as escolhas de projeto, limitações de projeto e ambiente
de voo, para determinar qual o tipo do motor e caracteristicas de projeto dos
componentes que melhor satisfaz uma necessidade particular.

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 3


Turbina a Gás

Numeração das Estações

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 4


Turbina a Gás

Notação

 Para um processo isoentrópico.

𝜸 𝜸
𝑷𝒕 𝝆𝒕 𝑻𝒕 𝜸−𝟏
= =
𝑷 𝝆 𝑻

 Para um escoamento permanente, adiabático e não viscoso.

Equação de Conservação da Energia

𝟏
𝟐

𝑽𝟏 𝟐 𝑽𝟐 𝟐 Para um gás caloricamente perfeito


𝒉𝟏 + = 𝒉𝟐 +
𝟐 𝟐 ℎ = 𝑐𝑝 𝑇

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 5


Turbina a Gás

𝑽𝟏 𝟐 𝑽𝟐 𝟐
𝒄𝒑 𝑻 𝟏 + = 𝒄𝒑 𝑻 𝟐 +
𝟐 𝟐

Da definição de temperatura total ou de estagnação 𝑻𝒕

𝑽𝟐 = 𝟎 ⇒ 𝑻𝟐 = 𝑻𝒕
𝑐𝑝
𝑐𝑝 − 𝑐𝑣 = 𝑅 𝛾 = ÷ 𝑐𝑝
𝑐𝑣 𝑽𝟏 𝟐
𝛾𝑅 𝒄𝒑 𝑻 𝟏 + = 𝒄𝒑 𝑻 𝒕
𝑐𝑝 = 𝟐
𝛾−1
𝑽𝟏 𝟐
𝑉 𝑻𝟏 + = 𝑻𝒕
𝑀= 𝑎= 𝛾𝑅𝑇 𝟐𝒄𝒑
𝑎
𝑉 = 𝑎𝑀 𝑉 2 = 𝑎2 𝑀2 𝜸 − 𝟏 𝑽𝟏 𝟐
𝑻𝟏 + = 𝑻𝒕
𝑉 2 = 𝑀 2 𝛾𝑅𝑇 𝜸𝑹 𝟐

𝜸 − 𝟏 𝑴𝟏 𝟐 𝜸𝑹𝑻𝟏
𝑻𝟏 + = 𝑻𝒕
𝜸𝑹 𝟐

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 6


Turbina a Gás
÷ 𝑇1
𝜸−𝟏
𝑻𝟏 + 𝑴𝟏 𝟐 𝑻 𝟏 = 𝑻 𝒕
𝟐
𝑻𝒕 𝜸−𝟏
=𝟏+ 𝑴𝟏 𝟐
𝑻𝟏 𝟐

Portanto, para um processo isoentrópico

𝑻𝒕 𝜸−𝟏 𝟐
=𝟏+ 𝑴
𝑻 𝟐
𝟏
𝝆𝒕 𝜸−𝟏 𝟐 𝜸−𝟏
= 𝟏+ 𝑴
𝝆 𝟐

𝜸
𝑷𝒕 𝜸−𝟏 𝟐 𝜸−𝟏
= 𝟏+ 𝑴
𝑷 𝟐

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 7


Turbina a Gás

Subscrito : Entrada de Ar diffuser/inlet - 𝒅


Compressor compressor - 𝒄
Câmara de combustão burner - 𝒃
Turbina turbine - 𝒕
Tubeira nozzle - 𝒏
FAN fan - 𝒇

Razões de Pressão total ou de Estagnação

𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝒕𝒐𝒕𝒂𝒍 𝒒𝒖𝒆 𝒅𝒆𝒊𝒙𝒂 𝒐 𝒄𝒐𝒎𝒑𝒐𝒏𝒆𝒏𝒕𝒆 𝒂


𝝅𝒂 =
𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝒕𝒐𝒕𝒂𝒍 𝒒𝒖𝒆 𝒆𝒏𝒕𝒓𝒂 𝒏𝒐 𝒄𝒐𝒎𝒑𝒐𝒏𝒆𝒏𝒕𝒆 𝒂

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 8


Turbina a Gás

Razões de Temperatura total ou de Estagnação

𝑻𝒆𝒎𝒑𝒆𝒓𝒂𝒕𝒖𝒓𝒂 𝒕𝒐𝒕𝒂𝒍 𝒒𝒖𝒆 𝒅𝒆𝒊𝒙𝒂 𝒐 𝒄𝒐𝒎𝒑𝒐𝒏𝒆𝒏𝒕𝒆 𝒂


𝝉𝒂 =
𝑻𝒆𝒎𝒑𝒆𝒓𝒂𝒕𝒖𝒓𝒂 𝒕𝒐𝒕𝒂𝒍 𝒒𝒖𝒆 𝒆𝒏𝒕𝒓𝒂 𝒏𝒐 𝒄𝒐𝒎𝒑𝒐𝒏𝒆𝒏𝒕𝒆 𝒂

Excessões:

1) É definida as razões 𝒕𝒐𝒕𝒂𝒍/𝒆𝒔𝒕á𝒕𝒊𝒄𝒂 de pressão e temperatura para o escoamento


livre, como

𝑻𝒕𝟎 𝜸−𝟏
𝝉𝒓 = =𝟏+ 𝑴𝟎 𝟐 ⇒ 𝑻𝒕𝟎 = 𝑻𝟎 𝝉𝒓
𝑻𝟎 𝟐
𝜸
𝑷𝒕𝟎 𝜸−𝟏 𝜸−𝟏
𝝅𝒓 = = 𝟏+ 𝑴𝟎 𝟐 ⇒ 𝑷𝒕𝟎 = 𝑷𝟎 𝝉𝒓
𝑷𝟎 𝟐

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 9


Turbina a Gás

2) É definida a razão entre a entalpia de combustão e a entalpia ambiente.

𝒉𝒕 (𝒔𝒂í𝒅𝒂 𝑪.𝑪) (𝒄𝒑 𝑻𝒕 )𝒔𝒂í𝒅𝒂 𝑪.𝑪


𝝉𝝀 = =
𝒉𝟎 𝒄𝒑 𝑻
𝟎

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 10


Turbina a Gás

Escoamento no Núcleo Escoamento no Bypass

𝒄𝒑𝒕 𝑻𝒕𝟒 𝒄𝒑𝑨𝑩 𝑻𝒕𝟕 𝒄𝒑𝑫𝑩 𝑻𝒕𝟏𝟕


𝝉𝝀 = 𝝅𝝀𝑨𝑩 = 𝝉𝝀𝑫𝑩 =
𝒄𝒑𝒄 𝑻𝟎 𝒄𝒑𝒄 𝑻𝟎 𝒄𝒑𝒄 𝑻𝟎

𝑻𝒕𝟐 𝑷𝒕𝟐 𝑻𝒕𝟏𝟑 𝑷𝒕𝟏𝟑


𝝉𝒅 = 𝝅𝒅 = 𝝉𝒇 = 𝝅𝒇 =
𝑻𝒕𝟎 𝑷𝒕𝟎 𝑻𝒕𝟐 𝑷𝒕𝟐

𝑻𝒕𝟑 𝑷𝒕𝟑 𝑻𝒕𝟏𝟕 𝑷𝒕𝟏𝟕


𝝉𝒄 = 𝝅𝒄 = 𝝉𝑫𝑩 = 𝝅𝑫𝑩 =
𝑻𝒕𝟐 𝑷𝒕𝟐 𝑻𝒕𝟏𝟑 𝑷𝒕𝟏𝟑

𝑻𝒕𝟒 𝑷𝒕𝟒 𝑻𝒕𝟏𝟗 𝑷𝒕𝟏𝟗


𝝉𝒃 = 𝝅𝒃 = 𝝉𝒇𝒏 = 𝝅𝒇𝒏 =
𝑻𝒕𝟑 𝑷𝒕𝟑 𝑻𝒕𝟏𝟕 𝑷𝒕𝟏𝟕

𝑻𝒕𝟓 𝑷𝒕𝟓
𝝉𝒕 = 𝝅𝒕 = 𝐷𝐵 – 𝑑𝑢𝑐𝑡 𝑏𝑢𝑟𝑛𝑒𝑟
𝑻𝒕𝟒 𝑷𝒕𝟒
𝑓𝑛 – 𝑓𝑎𝑛 𝑛𝑜𝑧𝑧𝑙𝑒
𝑻𝒕𝟕 𝑷𝒕𝟕
𝝉𝑨𝑩 = 𝝅𝑨𝑩 =
𝑻𝒕𝟓 𝑷𝒕𝟓

𝑻𝒕𝟗 𝑷𝒕𝟗
𝝉𝒏 = 𝝅𝒏 =
𝑻𝒕𝟕 𝑷𝒕𝟕

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 11


Turbina a Gás

Projeto

Os dados de entrada para uma turbina a gás podem ser classificados em 4 categórias:

1) Condições de Voo
𝑷𝟎 𝑻𝟎 𝑴𝟎 𝒄𝒑 𝝉𝒓 𝝅𝒓

2) Limites de Projeto
(𝒄𝒑 𝑻𝒕 )𝒔𝒂í𝒅𝒂 𝑪.𝑪

3) Performance de Componente
𝝅𝒅 𝝅𝒃 𝝅𝒏 𝒆𝒕𝒄

3) Escolhas de Projeto
𝝅𝒄 𝝅𝒇 𝒆𝒕𝒄

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 12


Turbina a Gás

Passos para Análise

 Para um motor com uma única entrada e uma única saída.

 É usada somente para o núcleo.

1) Equação do empuxo para o motor não instalado.

𝑭 = 𝒎𝟗 𝑽𝟗 − 𝒎𝟎 𝑽𝟎 + 𝑷𝟗 − 𝑷𝟎 𝑨𝟗

÷ 𝑚0 𝑭 𝒎𝟗 𝑽𝟗 𝑨𝟗
= − 𝑽𝟎 + 𝑷 − 𝑷𝟎 𝑉0 = 𝑎0 𝑀0
𝒎𝟎 𝒎𝟎 𝒎𝟎 𝟗

𝑭 𝒎𝟗 𝑽𝟗 𝑨𝟗
= − 𝒂𝟎 𝑴𝟎 + 𝑷 − 𝑷𝟎
𝒎𝟎 𝒎𝟎 𝒎𝟎 𝟗
÷ 𝑃9
÷ 𝑎0

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 13


Turbina a Gás

𝑭 𝒎𝟗 𝑽𝟗 𝑨𝟗 𝑷𝟗 𝑷𝟎
= 𝒂𝟎 − 𝑴𝟎 + 𝟏−
𝒎𝟎 𝒎𝟎 𝒂𝟎 𝒎𝟎 𝑷𝟗

2) 𝑽𝟗 𝒂𝟎 em termos de 𝑴, 𝑻 e propriedades do gás.


𝟐 𝑉9 = 𝑎9 𝑀9
𝑽𝟗 𝒂𝟗 𝑴𝟗 𝑽𝟗 𝒂𝟗 𝟐 𝑴𝟗 𝟐
= ⇒ =
𝒂𝟎 𝒂𝟎 𝒂𝟎 𝒂𝟎 𝟐 𝑎= 𝛾𝑅𝑇 ⇒ 𝑎2 = 𝛾𝑅𝑇

𝟐
𝑽𝟗 𝜸𝟗 𝑹𝟗 𝑻𝟗
= 𝑴𝟗 𝟐
𝒂𝟎 𝜸𝟎 𝑹𝟎 𝑻𝟎

3) Número de Mach de saída ( 𝑴𝟗 ).


𝜸 𝜸−𝟏
𝑷𝒕𝟗 𝜸−𝟏 𝜸−𝟏 𝑷𝒕𝟗 𝜸 𝜸−𝟏
= 𝟏+ 𝑴𝟗 𝟐 ⇒ =𝟏+ 𝑴𝟗 𝟐
𝑷𝟗 𝟐 𝑷𝟗 𝟐

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 14


Turbina a Gás
𝜸−𝟏 𝜸−𝟏
𝜸−𝟏 𝟐 𝑷𝒕𝟗 𝜸
𝟐 𝟐 𝑷𝒕𝟗 𝜸
𝑴𝟗 = − 𝟏 ⇒ 𝑴𝟗 = −𝟏
𝟐 𝑷𝟗 𝜸−𝟏 𝑷𝟗

onde
𝑷𝒕𝟗 𝑷𝟎 𝑷𝒕𝟎 𝑷𝒕𝟐 𝑷𝒕𝟑 𝑷𝒕𝟒 𝑷𝒕𝟓 𝑷𝒕𝟕 𝑷𝒕𝟗
=
𝑷𝟗 𝑷𝟗 𝑷𝟎 𝑷𝒕𝟎 𝑷𝒕𝟐 𝑷𝒕𝟑 𝑷𝒕𝟒 𝑷𝒕𝟓 𝑷𝒕𝟕
𝑷𝒕𝟗 𝑷𝟎
= 𝝅 𝝅 𝝅 𝝅 𝝅𝝅 𝝅
𝑷𝟗 𝑷𝟗 𝒓 𝒅 𝒄 𝒃 𝒕 𝑨𝑩 𝒏

4) Calcular 𝑻𝟗 𝑻𝟎 .

𝑻𝟗 𝑻𝒕𝟗 𝑻𝟎 𝑻𝒕𝟗 𝑻𝟎
= =
𝑻𝟎 𝑻𝒕𝟗 𝑻𝟗 𝑷𝒕𝟗 𝑷𝟗 𝜸−𝟏 𝜸

onde
𝑻𝒕𝟗 𝑻𝒕𝟎 𝑻𝒕𝟐 𝑻𝒕𝟑 𝑻𝒕𝟒 𝑻𝒕𝟓 𝑻𝒕𝟕 𝑻𝒕𝟗
=
𝑻𝟎 𝑻𝟎 𝑻𝒕𝟎 𝑻𝒕𝟐 𝑻𝒕𝟑 𝑻𝒕𝟒 𝑻𝒕𝟓 𝑻𝒕𝟕

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 15


Turbina a Gás
𝑻𝒕𝟗
= 𝝉𝒓 𝝉𝒅 𝝉𝒄 𝝉𝒃 𝝉𝒕 𝝉𝑨𝑩 𝝉𝒏
𝑻𝟎

5) Aplicar a 𝟏° Lei da termodinâmica para a câmara de combustão, e encontrar uma


expressão para a razão 𝒄𝒐𝒎𝒃𝒖𝒔𝒕í𝒗𝒆𝒍 𝒐𝒙𝒊𝒅𝒂𝒏𝒕𝒆 em termos de 𝝉′ 𝒔, etc.

𝒎𝟎 𝒄𝒑 𝑻𝒕𝟑 + 𝒎𝒇 𝒉𝑷𝑹 = 𝒎𝟎 𝒄𝒑 𝑻𝒕𝟒

6) Quando aplicável, encontrar uma expressão para a razão de temperatura de


estagnação através da turbina, relacionando a potência de saída desta com a
potência do compressor, fan e/ou hélice.

7) Calcular o empuxo específico utilizando os resultados anteriores.

8) Calcular o consumo específico de combustível por empuxo 𝑺, usando os resultados


para o empuxo específico e a razão 𝒄𝒐𝒎𝒃𝒖𝒔𝒕í𝒗𝒆𝒍 𝒐𝒙𝒊𝒅𝒂𝒏𝒕𝒆.

𝒇
𝑺=
𝑭 𝒎𝟎

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 16


Turbina a Gás

9) Desenvolver expressões para calcular a eficiência térmica, propulsiva e


total.

Hipóteses para o Ciclo Ideal

1) Os processos de compressão e expansão são isentrópicos. Estes processos ocorrem


na entrada de ar, fan, compressor, turbina e tubeira. Portanto,

𝝉𝒅 = 𝝉𝒏 = 𝟏

𝝅𝒅 = 𝝅𝒏 = 𝟏
𝜸−𝟏
𝝉𝒄 = 𝝅𝒄 𝜸

𝜸−𝟏
𝝉𝒕 = 𝝅𝒕 𝜸

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 17


Turbina a Gás

2) A combustão ocorre a pressão constante.

𝝅𝒃 = 𝟏

3) O fluxo e massa do combustivel é bem menor do que o fluxo de massa do


ar que é injetado na câmara de combustão. Portanto,
𝒎𝒇
≪ 𝟏 ⇒ 𝒎𝒄 + 𝒎𝒇 ≅ 𝒎𝒄
𝒎𝟎

4) Os gases que saem pela tubeira são expandidos a pressão ambiente.


Portanto,
𝑷 𝟗 = 𝑷𝟎

5) O fluido de trabalho é o ar, o qual é considerado um gás caloricamente


perfeito.
𝒄𝒑 𝐞 𝒄𝒗 ⇒ 𝐜𝐨𝐧𝐬𝐭𝐚𝐧𝐭𝐞𝐬

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 18


Turbina a Gás

FIM

Prof. Carlos A. R. Pimentel / UFABC 19